UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE DEPRESSÃO NA TERCEIRA IDADE: A APOSENTADORIA COMO FATOR DETERMINANTE DE EPISÓDIOS DEPRESSIVOS EM IDOSOS Por: Alessandra Genê Mascarenhas Orientador Prof. Maria Poppe Rio de Janeiro 2010

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE DEPRESSÃO NA TERCEIRA IDADE: A APOSENTADORIA COMO FATOR DETERMINANTE DE EPISÓDIOS DEPRESSIVOS EM IDOSOS Apresentação de monografia ao Conjunto Universitário Candido Mendes como condição prévia para a conclusão do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Terapia de Família. Por: Alessandra Genê Mascarenhas

3 3 DEDICATÓRIA

4 4 AGRADECIMENTOS

5 5 RESUMO A depressão é um dos distúrbios psiquiátricos mais comuns do idoso, chegando a constituir-se em um problema de saúde pública. Apresenta elevada prevalência, acarreta sofrimento, causa desorganização familiar, tem conseqüências econômicas e é relacionada a um aumento de morbidade e mortalidade. Fatores de estresse como a aposentadoria, representando o fim da idade produtiva, a morte de amigos, familiares, cônjuge, falta de perspectiva de futuro, e a solidão podem somarse as perdas da idade e desencadear manifestações psíquicas de depressão. Busca-se com este estudo investigar as influências da aposentadoria na manifestação de episódios depressivos em indivíduos da terceira idade.

6 6 METODOLOGIA A metodologia utilizada nesta monografia foi a pesquisa bibliográfica. Utilizou-se como fonte de consulta de consulta livros, monografias, artigos e publicações eletrônicas que abordam o tema em análise.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I A TERCEIRA IDADE CAPÍTULO II DEPRESSÃO CAPÍTULO III DEPRESSÃO NA TERCEIRA IDADE CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ÍNDICE FOLHA DE AVALIAÇÃO... 49

8 8 INTRODUÇÃO A depressão é um transtorno mental crônico que desafia a ciência a buscar formas mais efetivas de tratamento que conduzam os paciente deprimidos a uma remissão sintomática e a um desaparecimento do processo fisiopatológico e mórbido. Está presente no indivíduo provavelmente desde o início da humanidade, já que muitos são os mitos, lendas, relatos bíblicos e contos que abordam este tipo de sofrimento humano. Nos dias atuais, o termo depressão pode ser utilizado tanto para sintomas isolados (situações normais de vida ou associados à manifestações clínicas), como em síndromes clínicas com vários sinais e sintomas depressivos, ou ainda como uma perturbação primária do humor. Os afetos depressivos podem aparecer como uma resposta a situações reais, através de uma reação vivencial depressiva, quando diante de fatos desagradáveis, aborrecedores, frustrações e perdas. Trata-se, neste caso, de uma resposta a conflitos íntimos e determinados por fatores vivenciais. Daí denominação depressão reativa, ou seja, em reação a alguma coisa real e acontecida, a uma fonte exógena que pode ser casualmente relacionada àquela reação. Fatores de estresse como a aposentadoria, representando o fim da idade produtiva, a morte de amigos, familiares, cônjuge, falta de perspectiva de futuro, e a solidão podem somar-se as perdas da idade e desencadear manifestações psíquicas de depressão. A aposentadoria faz com que ocorra uma mudança concreta e real na vida das pessoas devido à interrupção de um ritmo com o trabalho estabelecido há anos. Ao aposentar-se, a pessoa vivencia o momento de afastar-se da rotina do trabalho formal que pode resultar em sofrimento e angústia devido à ruptura de costumes e hábitos.

9 9 É nesse contexto que surge o ponto principal desse estudo, cujo questionamento que norteará toda a pesquisa: quais são as influências que a aposentadoria tem sobre a manifestação de episódios depressivos em indivíduos da terceira idade? A partir desse questionamento, o estudo apresentado tem como objetivo geral investigar a depressão na terceira idade. Os objetivos específicos consistem em: apresentar um breve levantamento teórico acerca do envelhecimento humano, apresentando o conceito de envelhecimento e suas características; apontar os principais aspectos clínicos da depressão, enfocando epidemiologia, sintomas e fatores causais; investigar a aposentadoria como fator de depressão na terceira idade

10 10 CAPÍTULO I A TERCEIRA IDADE 1.1 Envelhecimento humano: conceitos A conceituação do termo Terceira Idade mostra que o universo ao qual se refere apresenta algumas peculiaridades no modo de pensar, de sentir e de querer. Conceituar a Terceira Idade não é estabelecer associação com uma fase na qual ocorrem sucessivas deficiências. Para muitos especialistas e estudiosos da área da Biologia, o universo da Terceira Idade compreende a fase do envelhecimento que pode ser vista como um processo biológico, econômico e social. O termo pressupõe a fase da vida do ser humano onde ocorrem alterações de diversas ordens. Conforme Heschel (apud SHALOMI; MILLER, 1996), deve-se entrar a Terceira Idade da mesma maneira como se entra no último ano de uma faculdade: antecipando a realização. Os anos da Terceira Idade são anos de formação, ricos de possibilidades de desaprender as tolices de toda uma vida, de perceber as próprias ilusões, de aprofundar a compreensão e a compaixão, de ampliar o horizonte da franqueza, de refinar o sentido de justiça. A fase de maior maturidade do ser humano, compreende, conforme a Organização Mundial da Saúde, 4 estágios: meia idade - de 45 a 59 anos; idoso - de 60 a 74 anos; ancião - de 75 a 90 anos; e, velhice extrema - de 90 anos em diante. Furtado (1997) informa que estudos mais recentes já estabelecem outra classificação: "jovens-idosos" - de 60 a 69 anos; "meio-idosos" - de 70 a 79 anos; e, "idosos-velhos" de 80 anos em diante. Há outros modelos, como ressalta Furtado (1997), a velhice é percebida de formas variadas nas diferentes culturas e épocas da história do homem. Há,

11 11 assim, diferentes definições da velhice e diferenças entre as velhices socialmente construídas. Quaresma (1988, p. 227) afirma que a Terceira Idade terá que ser compreendida na sua totalidade enquanto "processo complexo para o qual concorrem fatores de ordem biológica, social, econômica e cultural, agindo no sistema de relação do indivíduo com a sociedade e o meio ambiente". Embora exista um indicador cronológico convencional para determinar a que faixa etária pertence a pessoa idosa, outros fatores individuais influenciam a classificação. Assim, o envelhecimento não estaria relacionado unicamente a um processo biológico ou genético, sendo significativa a participação dos fatores ambientais, sociais e culturais na especificação de seus processos e características. Envelhecer é um fenômeno natural, inerente ao desenvolvimento biológico do organismo humano, em vista disso, cabe ressaltar que as características da sociedade condicionam tanto a expectativa de vida de seus habitantes, como as condições de vida, durante a velhice. A concepção de envelhecimento como um processo social admite, como unidade de análise da sociedade e atenção centrados no estudo das suas características e na forma em que estas se configuram em similares oportunidades e condições de vida para os idosos. Papaléo Neto e Borgonovi (1999) definem o envelhecimento como um processo dinâmico e progressivo, no qual há modificações morfológicas, fisiológicas, bioquímicas e psicológicas, que determinam a perda gradual da capacidade de adaptação do indivíduo ao meio ambiente, ocasionando maior vulnerabilidade e conseqüentemente maior incidência de processos patológicos. Robledo (1994) esclarece ainda que o envelhecimento pode ser conceituado através de diversos aspectos de referência, quais sejam: cronológico, biológico, psíquico e social. O cronológico considera o tempo decorrido desde o nascimento, no qual o envelhecimento é gradativo para alguns e mais rápido para outros, a depender de fatores socioeconômicos, doenças crônicas e modos de vida; o biológico compreende os aspectos expressos nos nível molecular, celular, tissular

12 12 e orgânico do processo; o psíquico, evidenciado pela dimensão cognitiva e psicoafetiva, interferem na personalidade e afeto; e o social é aquele que engloba os papéis desempenhados pelos idosos. Existe ainda o enfoque fenomenológico, que representa a avaliação subjetiva da idade, que adquire valor quando analisados os mecanismos de adaptação que conduzem ao envelhecimento com êxito. Sob o ponto de vista fisiológico, diz Furtado (1997), o envelhecimento é o resultado de um processo contínuo de mudanças irreversíveis ao longo da vida, que ocorre desde o momento em que o ser humano nasce. Portanto, não é um fato estático ou determinado por uma única causa específica. O envelhecer de cada indivíduo relaciona-se com os múltiplos aspectos ambientais, além dos fatores genéticos. O declínio do organismo pode ser acelerado ou retardado por inúmeros fatores, como o nível de saúde, a hereditariedade, hoje chamado fator DNA, o meio ambiente familiar, as emoções, os hábitos passados de trabalho e a classe social. Birren et al. (1996) apresentam as seguintes definições aceitas hoje sobre o envelhecimento humano: envelhecimento primário, também referido corno senescência ou envelhecimento normal; envelhecimento secundário ou patológico, que engloba o estado de senilidade e terciário ou terminal. Envelhecimento primário trata se de um fenômeno universal, que atinge a todos os seres humanos pós reprodutivos, por mecanismos genéticos típicos da espécie: é progressivo e afeta gradual e 1acumulativamente o organismo. Seu resultado diminui a capacidade de adaptação e, diante disso, o indivíduo está sujeito à influência concorrente de muitos fatores, dentre eles: dieta, exercícios, estilo de vida, exposição a eventos, educação, posição social, e que podem ocasionar diferentes maneiras de envelhecer. O padrão de envelhecimento primário diz respeito às mudanças intrínsecas do processo irreversível, progressivo e universal, porém não patológico. Como exemplo, tem-se o embranquecimento dos cabelos, o aparecimento de rugas, a diminuição da estrutura óssea e massa muscular, dificuldades no equilíbrio, declínio da força e rapidez de movimentos e pensamentos, como também mudanças na memória, interesse em novos conhecimentos, entre outros.

13 13 Envelhecimento secundário ou patológico - diz respeito às alterações ocasionadas por doenças associadas ao envelhecimento que não se confundem com as mudanças normais desse processo. Tais doenças podem ser moléstias cardiovasculares, cerebrovasculares e certos tipos de câncer que aumentam a probabilidade de ocorrência com o passar da idade, causados, em parte, por mecanismos genéticos, ou por- fatores ambientais, estilo de vida e personalidade. O envelhecimento secundário está relacionado às mudanças causadas por doenças dependentes da idade. A progressão da idade acarreta o aumento da exposição a fatores de risco desencadeadores de doenças, a exemplo, as cardiovasculares e cerebrovasculares. Envelhecimento Terciário ou Terminal - está relacionado a um padrão de declínio terminal caracterizado por grande aumento de perdas físicas e cognitivas, quer por doenças dependentes da idade, quer pela acumulação dos efeitos do envelhecimento. Atualmente muito mais importante que o envelhecimento cronologicamente determinado é o envelhecimento bem sucedido. Este último é definido como a manutenção do funcionamento físico e mental e do envolvimento com as atividades sociais e de relacionamento (DREWNOSKI, 2003). Para Duarte (1998), envelhecer de maneira saudável significa, além da manutenção de bom estado físico, dar às pessoas reconhecimento, respeito e segurança, para que se sintam socialmente úteis. A valorização da velhice repercute direta e indiretamente no idoso, família e comunidade, refletindo sobre como alcançar um estilo de vida saudável. 1.2 Características do envelhecimento As principais transformações que ocorrem durante o processo de envelhecimento dizem respeito aos aspectos orgânicos, emocionais e sociais. Contudo, apesar de estarem sendo abordados de forma isolada, esses aspectos

14 14 estão intimamente ligados, pois, quaisquer alterações em um deles reflete diretamente nos demais Aspectos orgânicos Várias transformações decorrentes do envelhecimento podem iniciar-se na idade adulta e culminar na terceira idade, um desgaste contínuo que irá influenciar o funcionamento de determinado órgão ou tecido. Por exemplo, o enfarte, que aparece na Terceira Idade, pode ter as causas originadas na fase da vida ativa. Furtado (1997) afirma que apesar das diferenças individuais, alguns sinais marcam o envelhecimento, como o embranquecimento dos cabelos, a calvície, as rugas, a obesidade, a diminuição da força muscular e da agilidade motora. O sistema respiratório tem a sua capacidade ventilatória máxima reduzida à metade a partir dos 60 anos, o que provoca uma perda da elasticidade torácica e da atividade dos músculos respiratórios. Ocorrem também modificações importantes na função cardiovascular. O coração tem que trabalhar mais devido ao aumento da resistência vascular, causado pelo processo da esclerose. A freqüência cardíaca máxima declina e observa-se, também, uma diminuição do miocárdio e como conseqüência, uma redução na capacidade de fluxo sangüíneo periférico. A pressão arterial tende a aumentar. Ainda conforme Furtado (1997), a alteração da circulação é um fator preponderante na redução do desempenho físico da pessoa da terceira idade; isso afeta a sua capacidade de trabalho, limitando o seu desempenho em exercícios de longa duração. As alterações do sistema nervoso central e do periférico podem interferir negativamente na sensação, na percepção e na compreensão de estímulos internos e externos, dificultando a adaptação. O sistema nervoso central sofre uma involução. Há diminuição no volume do encéfalo e da medula nervosa, os neurônios atrofiam-

15 15 se e tornam-se menos excitáveis, o tempo de reação fica mais lento, a atenção e a capacidade de concentração diminuem, a compreensão das idéias é mais lenta. Assim, as mudanças neurológicas afetam as funções cognitivas e afetivas da pessoa da terceira idade (FURTADO, 1997). A diminuição do fluxo sangüíneo cerebral em torno de 30% é outra característica importante na involução do sistema nervoso central, acarretando a diminuição da reserva de oxigênio, da atividade enzimática, entre outras. As alterações do sistema nervoso também são responsáveis pela redução da ação do sistema proprioceptivo, da cinestesia e pela menor sensibilidade dos órgãos dos sentidos que, tendo a sua ação reduzida, principalmente em resposta a movimentos bruscos, pode ocasionar desequilíbrio e quedas (FURTADO, 1997). Sabe-se que a pele vai perdendo a suavidade, o frescor, a tonicidade, a elasticidade e enruga-se. Nos mais velhos, há diminuição da percepção das variações de temperatura tanto ao tocar um objeto quanto ao ajustar-se às variações climáticas. Os ouvidos e os olhos são os órgãos que mais sofrem ao longo dos anos com as agressões externas. A sensibilidade auditiva diminui, o cristalino e a córnea ficam cada vez mais comprometidos. O processo de envelhecimento implica ainda na diminuição do tônus muscular, na perda da força e na diminuição da velocidade de condução nervosa. A diminuição da massa muscular provoca perda da mobilidade e limitações do desempenho físico. O corpo, e especialmente os ombros, curvam-se para frente, a cabeça inclina-se, a curvatura dorsal acentua-se, os joelhos tendem a dobrar-se, produzindo uma curvatura geral e, em conseqüência disso, a altura do indivíduo diminui. Além disso, pode-se incluir também a diminuição do líquido dos discos intravertebrais e compressão das vértebras o que produz uma redução de até 5 centímetros na estatura do indivíduo. Para muitos, o corpo perde sua atração, sua capacidade de criar sociabilidade, de agradar. A diminuição do vigor físico pode tornar a pessoa dependente de terceiros na realização de suas tarefas pessoais, diminuindo a

16 16 autonomia. O reconhecimento social fica afetado, assim como a capacidade de criar novas relações Aspectos emocionais Outro elemento que costuma modificar-se consideravelmente com o passar da idade é o temperamento das pessoas. Grinberg (1999) destaca quatro tipos principais de mudanças, apontando as formas de procedimento que vão caracterizar as pessoas: Eufóricos ou ativos: têm auto-estima, apreciam a vida. São otimistas. Procuram sempre estar em atividade. Odeiam ficar sem fazer nada. Amam e, provavelmente são amados. Embora possam ter algum distúrbio orgânico, mantêm-se sob controle. Sociáveis, trabalhadores, criativos. Dizem que costumam viver mais. Deprimidos: angustiados, atormentados, desanimados, pessimistas. Esperando sempre o pior. Estão em dificuldades por algum problema psicológico ou físico. Podem se sentir desprezados ou humilhados. A auto-estima está abalada. Ociosos ou não, hipocondríacos, no geral. Melancólicos. Assustados: pessimistas, hipocondríacos, preocupação doentia com o funcionamento dos órgãos. Preocupação excessiva. Tristeza profunda. Medo à flor da pele. Receio permanente com uma ou mais causas ou efeitos. Queixamse amargamente da vida, das pessoas que poderiam auxiliá-los nos transes, nos momentos aflitivos. Improdutivos, estão sempre pensando em marcar uma consulta com o médico, ou fazer exames laboratoriais. Indiferentes: em qualquer situação não se queixam. Parecem não ter uma exata idéia da vida em si. Podem até se considerar muito seguros, mesmo que seja aparentemente. Insensíveis, apáticos. Pessoas que no geral não têm ódio, nem amizade por outras. Desinteressados de qualquer religião ou sistema político. Podem até se considerar felizes. Para eles a vida só é para ser vivida. Vão matando o tempo, até com um certo desprezo ou mesmo desinteresse. Não

17 17 aborrecem e não gostam de ser incomodados. Tanto faz ter amigos ou não ter amigos. Deixam o tempo passar. Aparentemente desprendidos, despreocupados. Não existe uma resposta exata que explique a ocorrência de todas essas modificações emocionais na terceira idade. Essas variações podem ser causadas por vários fatores reais que estão diretamente ligados às variações de humor ou mesmo de desvio/alteração da personalidade. Azambuja (1995, p. 97) afirma que: (...) a estas condições somam-se o declínio de suas características físicas tais como rugas, cabelos brancos, diminuição da memória e dos sentidos e muitas outras, que unidas à sua marginalização, determinam alterações psíquicas como a perda da confiança, a angústia e a depressão (...). Na terceira idade as pessoas sentem-se incapazes como homens e mulheres após perceberem que seus filhos já saíram de casa. Acreditam que sua missão no mundo está cumprida. Não recebendo incentivo por parte dos mais novos para iniciar outro projeto de vida, a auto-estima e a motivação ficam abaladas, deixando-as, por vezes, sem ânimo para continuar ou re-aprender a viver em clima de felicidade Aspectos sociais Segundo Penteado (2000, p. 86), o envelhecimento do ser humano e o que isso reflete social, econômica e politicamente, representa desafios prementes enfrentados por políticos, administradores de empresas, médicos, gerontólogos e educadores do mundo inteiro. E complementa o autor afirmando que: As sociedades modernas escondem preconceitos de muitos matizes e perpetuam estas discriminações de forma, muitas vezes, insidiosa, além de alimentar a desvalorização de minorias étnicas, raciais, de sexo e de pessoas idosas. Há falta de informação mais exata sobre a realidade da dimensão social das pessoas idosas no mundo, e tal precariedade de dados dificulta, ou mesmo impede, a formulação de campanhas de conscientização junto à população e a conseqüente

18 18 implantação de políticas públicas ou privadas mais eficazes para estancar a contínua desqualificação social dos mais idosos (PENTEADO, 2000, p. 86). Para Hutz (1983, p ), Outro problema que enfrenta o idoso são os preconceitos em relação à velhice, tanto por parte dele próprio, quanto por parte das pessoas das demais faixas etárias. Os mais comuns são: a rejeição da velhice como se fora uma doença incurável, o impedimento de execução de certas atividades tendo como falsa justificativa, apresentada muitas vezes ao velho de uma forma carinhosa o fato de por já ter trabalhado muito, deve descansar. Estas são algumas das pressões bastante castradoras que fazem com que o idoso reforce sua impressão de ser incapaz. [...] A inatividade é sempre uma forma de parasitismo. É porque o problema gravíssimo do relacionamento dos idosos, é devido, principalmente à interrupção definitiva do trabalho profissional e das atividades físicas e recreativas que os priva do contato diário e interestado com muitas outras pessoas [...]. Nesse mesmo sentido, Brito (1992, p. 6) afirma que a idade não significa apenas um espaço de tempo, mas um modo diferente de vida. Na Terceira Idade, surge grande sentimento de inutilidade. O indivíduo sente-se só e marginalizado no contexto social. Aliados a esses aspectos orgânicos, sociais e emocionais estão as habilidades e dificuldades do indivíduo idoso. Todas estas características inerentes ao processo de envelhecimento permitem compreender que a abordagem do paciente idoso é bastante complexa e marcada por muitas nuances. 1.3 Dados demográficos da terceira idade no Brasil Nos anos de 1900, menos de 5% da população tinha 65 anos de idade. Atualmente, as pessoas idosas com mais de 65 anos contabilizam mais de 12% da

19 19 população dos EUA. Por volta de 2020, o departamento de Censo americano estima que a população idosa com mais de 85 anos triplique (ROACH, 2001). O Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), possuía uma população de 7,7 milhões de indivíduos com mais de 60 anos de idade em 1980, sendo que este número dobrou nas últimas décadas, e de acordo com o Censo populacional de 2001, a população brasileira com idade ou superior a 60 anos é da ordem de 15 milhões da habitantes, correspondendo a 9,1% da população do país. As projeções indicam que em 2025 o Brasil deverá possuir uma população de 30 milhões de idosos, o que corresponderá a aproximadamente 14% de sua população (IBGE, 2001). De acordo com Ramos (1993), por essa época, o Brasil terá a sexta maior população de idosos do mundo, situação essa que acarretará grande inquietação social, uma vez que essa parcela da população vive, em sua maioria, em situação financeira precária, o que poderá desencadear problemas de dimensão política com repercussões agravantes sobre a qualidade da atenção à saúde, aumentando, assim, as deficiências nessa área. Estima-se que a partir de meados do século XXI, a população brasileira com mais de 60 anos será maior que a de crianças e adolescentes com menos de 14 anos (GOLDSTEIN, 1999).

20 20 CAPÍTULO II DEPRESSÃO 2.1 Conceito A depressão está presente na história da humanidade de maneira constante, podendo ser observada nos relatos de Hipócrates no séc. IV a.c., sob a nomenclatura de melancolia. Vários autores, destacando-se os romantistas, descreveram em suas obras sintomas claramente depressivos que só foram melhor estudados e aglutinados em uma única síndrome no século XIX, época em que a doença passou a ser denominada depressão, do grego depremere ou "empurrar para baixo". É a partir do século XX que a depressão passa a ser considerada uma doença mental, catalogada na Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) e no Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM), recebendo abordagens científicas, como a biomédica, a psicanalítica e a cognitiva (KAPLAN; SADOCK, 1997). O termo depressão, na linguagem corrente, tem sido empregado para designar tanto um estado afetivo normal (a tristeza), quanto um sintoma, uma síndrome e uma (ou várias) doença(s). A tristeza constitui-se na resposta humana universal às situações de perda, derrota, desapontamento e outras adversidades. Enquanto sintoma, a depressão pode surgir nos mais variados quadros clínicos, entre os quais: transtorno de estresse pós-traumático, demência, esquizofrenia, alcoolismo, doenças clínicas, etc. Pode ainda ocorrer como resposta a situações estressantes, ou a circunstâncias sociais e econômicas adversas. Enquanto síndrome, a depressão inclui não apenas alterações do humor (tristeza, irritabilidade, falta da capacidade de sentir prazer, apatia), mas também uma gama de outros aspectos, incluindo alterações cognitivas, psicomotoras e vegetativas (sono, apetite). Enquanto doença, a depressão tem sido classificada de várias formas, na dependência do período histórico, da preferência dos autores e do ponto de vista adotado. Entre os quadros mencionados na literatura atual encontram-se: transtorno

21 21 depressivo maior, melancolia, distimia, depressão integrante do transtorno bipolar tipos I e II, depressão como parte da ciclotimia, etc (DEL PORTO, 1999). Kaplan e Sadock (1997) caracterizam a depressão como um episódio patológico no qual existe perda de interesse ou prazer, distúrbios de sono e apetite, retardo motor, sentimento de inutilidade ou culpa, distúrbios cognitivos, diminuição da energia e pensamento de morte ou suicídio. 2.2 Epidemiologia De acordo com Takei e Scivoletto (1999), ao menos 2-3/100 homens e 5-10/100 mulheres apresentam depressão atualmente. A expectativa durante toda a vida é de 10% para homens e 20% para mulheres. A idade média de início do quadro é de 40 anos, sendo que 50% ocorrem antes dos 40 anos e 10% ocorrem após os 60 anos. Pode atingir qualquer raça, havendo risco aumentado para os pacientes que possuam parentes de primeiro grau com história de alcoolismo, depressão ou que tenham história de perda de um dos pais antes dos 13 anos. 2.3 Classificação da depressão De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais - DSM IV (1994), o episódio depressivo pode se manifestar da seguinte forma: transtorno depressivo (que se subdivide em transtorno depressivo maior, transtorno distímico e transtorno depressivo sem outra especificação) e transtornos bipolares (que se subdividem em transtorno bipolar I, transtorno bipolar II e transtorno bipolar sem outra especificação). O episódio depressivo maior apresenta, como característica essencial, um período mínimo de duas semanas durante as quais há humor deprimido ou perda de interesse ou prazer por quase todas as atividades, além de alterações no apetite ou peso, sono e atividade psicomotora, diminuição da energia, sentimento de desvalia

22 22 ou de culpa, dificuldades para pensar, concentrar-se ou tomar decisões, ou pensamentos de morte ou ideação suicida. Tais sintomas devem persistir na maior parte do dia, sendo acompanhado de sofrimento ou prejuízo clinicamente significativo do funcionamento social, profissional ou de outras áreas importantes da vida do indivíduo (DSM-IV, 1995). seguintes: Os critérios diagnósticos para o episódio depressivo maior são os A) Cinco (ou mais) dos seguintes sintomas estiveram presentes durante o mesmo período de 2 semanas e representam uma mudança no funcionamento anterior; pelo menos, um dos sintomas é (1) humor deprimido ou (2) perda do interesse ou prazer: 1. humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias, indicado por relato subjetivo (por ex., sente-se triste ou vazio) ou observações por outros (por ex., parece prestes a chorar). Obs: em crianças e adolescentes pode ser humor irritável. 2. interesse ou prazer acentuadamente diminuídos por todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias 3. perda ou ganho significativo de peso quando não está realizando dieta ou diminuição ou aumento no apetite quase todos os dias 4. insônia ou hipersonia quase todos os dias 5. agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias 6. fadiga ou perda de energia quase todos os dias 7. sensação de inutilidade ou culpa excessiva ou inapropriada quase todos os dias 8. capacidade diminuída para pensar ou concentrar-se, ou indecisão, quase todos os dias 9. pensamentos recorrentes sobre morte (não apenas medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico, ou uma tentativa de suicídio ou um plano específico para cometê-lo. B) Os sintomas não satisfazem os critérios para um Episódio Misto. C) Os sintomas causam sofrimento clinicamente significativo ou comprometimento no funcionamento social, ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.

23 23 D) Os sintomas não são devido aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância ou uma condição médica geral. E) Os sintomas não são melhor explicados por Luto, isto é, após perda de alguém amado, persistem por mais de 2 meses ou são caracterizados por acentuado comprometimento funcional, preocupação mórbida com inutilidade, ideação suicida, sintomas psicóticos ou retardo psicomotor (BALLONE, 2010, p. 01). O transtorno distímico, também chamado de distimia, está classificado pela CID-10 dentro dos transtornos persistentes do humor como uma depressão crônica na qual os pacientes apresentam, usualmente, períodos de dias ou semanas quando descrevem a si mesmos como estando bem, mas na maior parte do tempo (com freqüência por meses) se sentem cansados e deprimidos. Tudo é um esforço e nada é desfrutável. Eles se preocupam e se queixam, dormem mal e se sentem inadequados, mas são usualmente capazes de lidar com as exigências básicas do dia a dia. O transtorno bipolar é caracterizado por episódios repetidos nos quais o humor e os níveis de atividade do paciente estão significativamente alterados, sendo que em algumas ocasiões há uma elevação do humor e aumento da energia e atividade (mania ou hipomania) e em outras há um rebaixamento do humor e diminuição de energia e atividade (depressão). A recuperação entre os episódios é usualmente completa. Os episódios maníacos, quando não tratados, tendem a durar, em média, quatro a cinco meses, enquanto que os episódios depressivos duram seis meses. No transtorno bipolar, os critérios para o episódio maníaco são: A) Um período distinto do humor expansivo anormal e persistentemente elevado ou irritável, durando pelo menos, uma semana. B) Durante o período de perturbação do humor, 3 ou mais dos seguintes sintomas persistiram e estiveram presentes em um grau significativo: 1. auto-estima inflada ou grandiosidade 2. necessidade diminuída de sono 3. mais falante do que o habitual ou pressão para continuar falando

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão

DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão DEPRESSÃO - Segundo a Classificação Internacional das Doenças (CID) 10ª revisão - F32 Episódios depressivos Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL

PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL PONTOS FUNDAMENTAIS QUE O MÉDICO DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE O TRABALHADOR COM TRANSTORNO MENTAL Das Informações Éticas na Participação de Médicos em Seminários, Fóruns, Conferências, Congressos e

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

Psiquiatria para o clínico Dr. André I. Petroucic Filho 07 maio 2014 Introdução Psiquiatria do dia a dia do clínico Pontos importantes sobre as principais doenças psiquiátricas Depressão, Ansiedade, Doença

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

Abordagem Psiquiátrica de casos Clínicos 2012.2 Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

Abordagem Psiquiátrica de casos Clínicos 2012.2 Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Abordagem Psiquiátrica de casos Clínicos 2012.2 Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Afetivos Aspectos históricos Como traçar fronteiras

Leia mais

$'(35(66 212,'262 VSHFWUXP 5RVD0DULD0DUWLQV

$'(35(66 212,'262 VSHFWUXP 5RVD0DULD0DUWLQV $'(35(66 212,'262 5RVD0DULD0DUWLQV A depressão é considerada hoje em dia, um problema de saúde importante que afecta pessoas de todas as idades, levando a sentimentos de tristeza e isolamento social que

Leia mais

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL

GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL GUARDA NACIONAL REPUBLICANA COMANDO DA ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS INTERNOS DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE PSICOLOGIA E INTERVENÇÃO SOCIAL JUNHO 2013 ÍNDICE ÂMBITO... 3 INTRODUÇÃO... 4 COMO SE MANIFESTA

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

DEPRESSÃO: UM TRANSTORNO DE HUMOR

DEPRESSÃO: UM TRANSTORNO DE HUMOR DEPRESSÃO: UM TRANSTORNO DE HUMOR Antonia Viviane Rodrigues Moreira 1 Maria Rivonilda Pereira Dos Santos¹ Jamires Laurentino Dos Santos Maryldes Lucena Bezerra De Oliveira² INTRODUÇÃO Depressão é um transtorno

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho

Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios. mentais relacionados ao trabalho Procedimentos médicoadministrativos em distúrbios mentais relacionados ao trabalho Dra Ana Paula Schmidt Waldrich Médica do Trabalho CRM-SC 13.384 Doença Ocupacional Quais as formas de caracterização de

Leia mais

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil

PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil PONTA DELGADA AÇORES 08 a 10 de MAIO de 2013 Emmanuel Fortes S. Cavalcanti 3º Vice Presidente CFM - Brasil Trabalho de educação continuada desenvolvido pelo CRM-AL em 2002. Atendimento de profissionais

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

Pseudodemência Depressiva

Pseudodemência Depressiva Pseudodemência Depressiva Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos psiquiátricos do envelhecimento A A velhice é um triste inventário de perdas e limitações Diminuem - a visão

Leia mais

Depressão em mulheres

Depressão em mulheres Depressão em mulheres Por que a depressão é maior em mulheres? O que é depressão? A depressão é um distúrbio de alteração do humor sério e por vezes incapacitante. Causa sentimentos de tristeza, desespero,

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

CARACTERIZAÇÃO DO TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERIZAÇÃO DO TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Sandra Cristina Catelan-Mainardes 1 ; Bruna Marconi 2 RESUMO: O Transtorno Bipolar (TB)

Leia mais

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula?

Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Como lidar com transtornos internalizantes na sala de aula? Rogéria Recondo Psiquiatra da Infância e Adolescência Preceptora em Psiquiatria Infantil no Hospital São Lucas da PUC Professores:cursos de capacitação

Leia mais

Depressão. Manual Informativo

Depressão. Manual Informativo Depressão Manual Informativo O que é? Sintomas e riscos associados Como prevenir o suicídio? Depressão e outras doenças: comorbidade Diagnóstico Tratamento: dificuldades e variantes O apoio dos familiares

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Obesidade e Transtornos Alimentares

Obesidade e Transtornos Alimentares Obesidade e Transtornos Alimentares NECPAR Maringá 26 e 27 de Julho de 2013 Transtornos Alimentares (TA) Características Gerais: Severas perturbações no comportamento alimentar, que trazem sérios comprometimentos

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico -

Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Dependência Química - Classificação e Diagnóstico - Alessandro Alves Toda vez que se pretende classificar algo, deve-se ter em mente que o que se vai fazer é procurar reduzir um fenômeno complexo que em

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio

Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Abuso e dependência ao álcool e outras drogas e sua relação com o suicídio Messiano Ladislau Nogueira de Sousa Médico Psiquiatra com aperfeiçoamento em terapia psicanalítica Abril, 2014 Sumário Conceitos

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

Parte I COMO CONDUZIR A TIP

Parte I COMO CONDUZIR A TIP Parte I COMO CONDUZIR A TIP 1 O Que é a TIP? Visão geral A Psicoterapia Interpessoal (TIP) é uma psicoterapia específica e com tempo limitado, que foi desenvolvida durante um período de 30 anos, inicialmente

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com

Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com F20.0 Esquizofrenia Esta categoria global inclui as variedades comuns de esquizofrenia, juntamente com algumas variedades menos comuns e transtornos intimamente relacionados. F20.0 F20.3 Critérios gerais

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia

Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Procedimentos terapêuticos associados no tratamento da Fibromialgia Felipe Azevedo Moretti "Se você só fizer aquilo que sempre fez, só obterá aquilo que sempre obteve. Se o que você está fazendo não está

Leia mais

Transtornos do Humor

Transtornos do Humor Transtornos do Humor Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O QUE SÃO TRANSTORNOS DO HUMOR? Transtornos do humor (ou afetivos) são enfermidades

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença?

Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Afinal de contas, o que é ansiedade? Mas ser ansioso não é normal? Ansiedade é uma doença? Ansiedade = falta de confiança na vida No senso comum, ansiedade é igual a aflição, angústia, nervosismo, perturbação

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

Perguntas mais frequentes sobre. transtorno. bipolar do humor. Dra. Sonia Palma

Perguntas mais frequentes sobre. transtorno. bipolar do humor. Dra. Sonia Palma Perguntas mais frequentes sobre transtorno bipolar do humor Dra. Sonia Palma Perguntas mais frequentes Dra. Sonia Palma CRM 44219 Psiquiatra infantil, doutoranda do Departamento de Psicobiologia da UNIFESP

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL

UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL UM OLHAR SOBRE AUTOESTIMA DE MULHERES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS NA VIVÊNCIA DE CONFLITOS NA RELAÇÃO CONJUGAL Danila Rafaela do Nascimento Jeane Aparecida de Oliveira Silva Maria Betânia Soares da Rocha

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

(31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br

(31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br (31) 3292 6299 www.fredericoporto.com.br COACHING E PSICOPATOLOGIA UMA DIÁLOGO NECESSÁRIO Frederico Porto JANEIRO NO DIA 1 º DE JANEIRO ÀS 00:00 ACONTECE O BIG BANG.. SETEMBRO NO INÍCIO DE SETEMBRO SURGE

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa

Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Fundação Cardeal Cerejeira Depressão na Pessoa Idosa Rui Grilo Tristeza VS Depressão A tristeza é a reacção que temos perante as perdas afectivas na nossa vida; A perda de alguém por morte é tristeza e

Leia mais

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR

QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR QUESTÕES ATUAIS SOBRE DIAGNÓSTICO TRANSTORNOS DO HUMOR Neri M. Piccoloto www.terapiascognitivas.com.br TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR Em todos os países industrializados do mundo, a incidência de depressão,

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO

SUPERANDO A DEPRESSÃO RESUMO SUPERANDO A DEPRESSÃO Andreza do Ouro Corrêa - andreza.correa@ymail.com Mayara Cristina Costa Mariângela Pinto da Silva Gislaine Lima da Silva - gilisilva@ig.com.br Curso de Psicologia Unisalesiano/ Lins

Leia mais

Transtornos Mentais na Gravidez e Puerpério

Transtornos Mentais na Gravidez e Puerpério Seja Bem Vindo! Transtornos Mentais na Gravidez e Puerpério Ana Carolina S. Oliveira Psicóloga Esp. Dependência Química CRP 06/99198 Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Psiquiatra ProMulher IPq-HC-FMUSP

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA: ASPECTOS GERAIS E ABORDAGEM PSICANALÍTICA.

DEPRESSÃO NA INFÂNCIA: ASPECTOS GERAIS E ABORDAGEM PSICANALÍTICA. FACULDADE DE CIENCIAS DA SAUDE FACS CURSO: PSICOLOGIA DEPRESSÃO NA INFÂNCIA: ASPECTOS GERAIS E ABORDAGEM PSICANALÍTICA. RITA DE CÁSSIA LINO GUERRA BRASÍLIA JULHO/2008 3 RITA DE CÁSSIA LINO GUERRA DEPRESSÃO

Leia mais

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso Apresentação: O objetivo deste texto é apresentar a Terapia Ocupacional, em sua atuação específica junto ao idoso (área geronto-geriátrica). No mundo atual

Leia mais

TRANSTORNOS DO HUMOR. Transtornos do Humor. Humor. Emoção pervasiva e mantida que dá colorido às percepções do mundo.

TRANSTORNOS DO HUMOR. Transtornos do Humor. Humor. Emoção pervasiva e mantida que dá colorido às percepções do mundo. TRANSTORNOS DO HUMOR Prof.ª Otília A. M. Loth Emoção pervasiva e mantida que dá colorido às percepções do mundo. Somatória de emoções e sentimentos que estão presentes na consciência do indivíduo num determinado

Leia mais

CONCEITO EPISÓDIO MANÍACO 03/02/2014. Episódios depressivos e maníacos. Evolução recorrente. Plena recuperação nas intercrises

CONCEITO EPISÓDIO MANÍACO 03/02/2014. Episódios depressivos e maníacos. Evolução recorrente. Plena recuperação nas intercrises Prof. José Reinaldo do Amaral CONCEITO Episódios depressivos e maníacos Evolução recorrente Plena recuperação nas intercrises 1. Auto-estima inflada ou grandiosidade 2. Insônia 3. Mais falador que o habitual

Leia mais

Renata Mesquita Henrique Asfor

Renata Mesquita Henrique Asfor UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA FAMED FACULDADE DE PSICOLOGIA PROFESSOR ORIENTADOR: Dr. Fábio Gomes de Matos e Souza Renata Mesquita Henrique Asfor O suicídio é uma das 10 maiores

Leia mais

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO SINTOMAS Emocionais --> tristeza, fossa, baixo astral ansiedade irritabilidade anedonia Psicológicos --> culpa, sensação

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C)

INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) INVENTÁRIO DE SINTOMATOLOGIA DEPRESSIVA (AVALIADO POR CLÍNICOS) (IDS-C) NOME: DATA: Faça um círculo na resposta de cada item que melhor descreva seu paciente nos últimos 7 dias. 1. Insônia Inicial: 0 Nunca

Leia mais

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL.

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. * Danielle Moraes; Juliana Vieira; Marcos Fagundes. ** Cláudia Mazzoni * Alunos do curso de graduação

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER

RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.209 96 Pesquisa RELAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E DEMÊNCIA: UM ENFOQUE NA DOENÇA DE ALZHEIMER Rose Heidy Costa Silva (1) Luane Bitu Leal Alencar (2) Emanuel Tavares

Leia mais

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes

Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Indisciplina e Estratégias de Gestão de Conflitos 8ª Sessão Isabel Castro Lopes Isabel Lopes 1 É um Distúrbio Psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência:

1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: 1º Seminário Regimes Próprios da Previdência: Abordando a Sustentabilidade nos Enfoques da Saúde, do Trabalho e da Previdência Pública PMPA Outubro 2006 CAPACIDADE LABORATIVA x DOENÇAS INCAPACITANTES ALIENAÇÃO

Leia mais

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família.

Saúde Mental do Trabalhador. Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Saúde Mental do Trabalhador Grazieli Barbier Barros Terapeuta Ocupacional Especialista em Saúde Pública e da família. Definição Para a OMS: Saúde é um estado de completo bem-estar físico mental e social,

Leia mais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais

HISTÓRIA HISTÓRIA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS. Paradigma da alienação mental. Paradigma das doenças mentais DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DOS TRANSTORNOS MENTAIS Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA GERAL 2013 / 2 HISTÓRIA Paradigma da

Leia mais

ANÁLISE DE IDOSOS DIAGNOSTICADOS COM DEPRESSÃO ASSISTIDOS PELA OPERADORA AFRAFEP-SAÚDE

ANÁLISE DE IDOSOS DIAGNOSTICADOS COM DEPRESSÃO ASSISTIDOS PELA OPERADORA AFRAFEP-SAÚDE ANÁLISE DE IDOSOS DIAGNOSTICADOS COM DEPRESSÃO ASSISTIDOS PELA OPERADORA AFRAFEP-SAÚDE Autor: Francisco Júnior Pereira Leite; Co-autor: Aristófenes Rolim de Holanda Associação dos Auditores Fiscais do

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi

AUTOVIOLÊNCIA. Dalila Santos Daniela Soares Colombi AUTOVIOLÊNCIA Dalila Santos Daniela Soares Colombi Automutilação Conceito: Comportamento autolesivo deliberado, causando dano tissular, com a intenção de provocar lesão não fatal para obter alívio de tensão.

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

Saúde Mental no Trabalho

Saúde Mental no Trabalho Saúde Mental no Trabalho Disciplina de Medicina Social e do Trabalho Acadêmicos: Arthur Danila, Barbara Novaes, Caio Casella, Bruna Piloto, Bruno Zanon, Bruno Ricci Orientadora: Prof a. Dra. Débora Glina

Leia mais

Informações gerais sobre o transtorno bipolar

Informações gerais sobre o transtorno bipolar Informações gerais sobre o transtorno bipolar 1 Este capítulo responde às seguintes questões: O que é transtorno bipolar? Esta seção define o transtorno, introduz suas possíveis causas e apresenta as quatro

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro

Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Aperfeiçoamento em Técnicas para Fiscalização do uso de Álcool e outras Drogas no Trânsito Brasileiro Doenças, Sono e Trânsito ObjeBvos Relacionar sintomas de doenças e efeitos de medicamentos com o perigo

Leia mais

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO

DIAS AULA TEMA CONTEÚDO MARÇO 04/03 Teórica Noções em Geriatria e Gerontologia - Histórico - Temas básicos: saúde, autonomia, independência, incapacidade e fragilidade - Epidemiologia do envelhecimento - Papel do cuidador - Qualidade

Leia mais

HISTÓRICO HISTÓRICO. HIPÓCRATES, 460 357 ac. ARETEO, 50 130 dc BAILLARGER, 1854 FALRET, 1854 KRAEPELIN, 1899 LEONHARD ANGST-PERRIS, 1966 DSM-III, 1980

HISTÓRICO HISTÓRICO. HIPÓCRATES, 460 357 ac. ARETEO, 50 130 dc BAILLARGER, 1854 FALRET, 1854 KRAEPELIN, 1899 LEONHARD ANGST-PERRIS, 1966 DSM-III, 1980 Prof. José Reinaldo do Amaral Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Psicologia PSICOPATOLOGIA CLÍNICA 2013 / 2 HISTÓRICO HIPÓCRATES, 460 357 ac MANIA loucura alegre, agitada e pitoresca

Leia mais

Aspectos do Discurso Médico-Científico sobre a Depressão No Brasil - 1957-2001

Aspectos do Discurso Médico-Científico sobre a Depressão No Brasil - 1957-2001 Aspectos do Discurso Médico-Científico sobre a Depressão No Brasil - 1957-2001 Dados publicados pela OMS em 2006 apontaram que o quadro clínico comumente caracterizado como depressão (em Psiquiatria, Transtorno

Leia mais