ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM: CONHECIMENTO E

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM: CONHECIMENTO E"

Transcrição

1 ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM: CONHECIMENTO E OPINIÃO SOBRE DEPRESSÃO UNDERGRADUATE NURSING STUDENTS: KNOWLEDGE AND OPINION ABOUT DEPRESSION Antonia Regina Ferreira Furegato * Mariluci Camargo Ferreira da Silva Candido ** Moacyr Lobo da Costa Jr * Bruna Apolonio Giacomini *** RESUMO: Este trabalho objetivou identificar o conhecimento, a opinião e a presença de depressão entre estudantes de enfermagem. Trata-se de estudo descritivo que utiliza quatro instrumentos sobre depressão: questionário de conhecimento e escalas de opinião, de Beck e de Zung. A coleta junto a 32 sujeitos ocorreu na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, em Os alunos, informados, concordaram em responder aos quatro instrumentos auto-aplicáveis, em sala de aula. Os resultados da análise do questionário evidenciaram suficiente conhecimento geral sobre depressão, porém, insuficiente sobre as terapias; as opiniões carregam a descrença na cura, nos tratamentos e evidenciaram a falta de experiência no cuidado aos portadores de transtorno depressivo. As duas escalas mostraram equivalência nos resultados; foram identificados dois casos de depressão entre os alunos, que foram devidamente orientados. Palavras chave: Depressão; enfermagem; estudante; saúde mental. ABSTRACT: This descriptive study aimed to identify the knowledge and opinions about depression, as well as the presence of depression, in nursing students. Four instruments on depression (knowledge and opinion questionnaires, Beck and Zung scales) were used. Data were collected from 32 respondents, at the Ribeirão Preto College of Nursing of the University of São Paulo, in The students received information and agreed to answer the four self-applied instruments in class. The analysis of the results revealed a sufficient general knowledge about depression but insufficient general knowledge about therapies; the opinions were loaded with disbelief in cure and in treatments and disclosed the lack of experience in the care of depressive patients. The results of the 2 scales showed to be equivalent; 2 cases of moderate depression were identified, which received appropriate guidance. Keywords: Depression; nursing; student; mental health. INTRODUÇÃO Tendo em vista as transformações que vêm ocorrendo no Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro, com a municipalização dos serviços da rede básica e a implantação dos Programas de Saúde da Família (PSF) somados à desinstitucionalização da loucura e a criação de novas opções de cuidado e de assistência psiquiátrica, o enfermeiro depara-se com o portador de transtornos mentais e seus familiares nas mais diferentes situações de trabalho. Resumidamente, o movimento da reforma psiquiátrica atinge todo o sistema de saúde. O doente com transtorno mental não está mais confinado no manicômio. O hospital psiquiátrico, hoje, é um dos serviços terciários que objetiva o atendimento especializado e efetivo para que a pessoa retorne o mais rapidamente possível para seu ambiente, evitando assim a perda dos vínculos tão importantes para sua recuperação. Os doentes, antes institucionalizados e cronificados, estão sendo inseridos em programas de ressocialização. Serviços de atenção secundária (emergência, ambulatórios, hospitais-dia) estão sendo aparelhados para acolher os doentes com manifestações agudas de transtornos mentais e oferecer acompanhamento terapêutico pe- p.80 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6.

2 Furegato ARF, Candido MCFS, Costa JR ML, Giacomini BA las equipes multidisciplinares. Aos serviços de atenção primária cabe a educação da população, a detecção dos primeiros sinais da doença, o encaminhamento adequado e o cuidado, mantendo os vínculos da rede social tão importantes para a qualidade de vida do portador de transtorno mental e sua família 1. A Organização Panamericana de Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde 2 (OMS) reconhecem a importância da detecção precoce bem como o tratamento adequado dos casos de depressão, tendo em vista a carga de sofrimento, a elevada morbidade e mortalidade, ou seja, os custos pessoais e sociais que este mal envolve. Reconhecem também que os profissionais da saúde não estão preparados para diagnosticar transtornos mentais na rede básica de saúde onde o indivíduo, portador de depressão, vai inicialmente procurar ajuda nas diferentes entradas para atendimento clínico. O profissional de saúde, quando se depara com pessoas que despertam suspeita de depressão, precisa considerar que todas as pessoas passam por momentos nos quais se sentem tristes, sozinhos ou infelizes. Uma pessoa que sofreu perda de um ente querido ou perda do emprego pode sentir-se deprimida. Na maioria das vezes, estará experimentando um sentimento normal e absolutamente compreensível. Assim, sentir-se deprimido nem sempre significa um processo patológico. A depressão pode ser caracterizada como um episódio patológico quando um conjunto de sintomas se apresenta durante um certo período com alterações no sono e o apetite, retardo motor, sentimentos de inutilidade ou culpa, distúrbios cognitivos, diminuição da energia, perda de interesse ou prazer e pensamentos de morte e suicídio. As pessoas afetadas revelam dificuldades no desempenho de suas tarefas cotidianas (estudo, trabalho, afazeres domésticos) e até no cuidado de si mesmas 2-6. Por ser uma doença altamente incapacitante e com sérios riscos é tanto um fenômeno pessoal quanto social, o que reforça a necessidade de a equipe de saúde saber identificar, encaminhar e dar a assistência adequada em todas as fases da doença. O cuidado de enfermagem ao deprimido começa pela observação, pelo levantamento da história e outras informações clínicas acompanhado pelo exame das funções mentais. Conhecer o cliente, identificando suas necessidades é tarefa dos enfermeiros. O profissional deve estar alerta e ser sensível às pistas ocultas. É preciso uma atitude receptiva, disposição em escutar, observação acurada do comportamento e do conteúdo da comunicação do outro. A humanização do cuidar se faz necessária 2,5-9. Com vistas à melhoria da qualidade da assistência, é importante identificar o que o aluno de enfermagem pensa e conhece sobre os transtornos mentais, sobre os procedimentos terapêuticos e os cuidados a serem implementados. Conhecendo o que os alunos sabem, vivenciam e pensam sobre a depressão, o professor de enfermagem pode suprir ou enfatizar, no ensino, os pontos que levarão ao melhor preparo do futuro enfermeiro para cuidar do indivíduo que apresenta depressão. Por outro lado, é importante identificar a presença de depressão entre estudantes e profissionais da enfermagem, visto que o estado depressivo poderá interferir negativamente no seu desempenho pessoal, profissional e social. Esta pesquisa teve como objetivos: identificar o conhecimento e a opinião sobre depressão entre os alunos do Curso de Graduação em Enfermagem; e, verificar a presença de sinais indicativos de depressão entre esses alunos. METODOLOGIA A partir de abordagem quantitativa foi realizada pesquisa descritiva, com análise psicométrica. Os dados baseiam-se em medidas psicométricas uma vez que utilizou -se escalas e questionário internacionalmente aceitos como indicadores de conhecimento, opinião e níveis de depressão. A medida escalar constitui uma das várias formas de mensuração que a psicometria aplica, incluindo os testes psicológicos, os inventários, os questionários e as escalas que apresentam parâmetros mínimos para que estes sejam instrumentos legítimos e válidos 10. Este trabalho foi realizado com estudantes do Curso de Graduação em Enfermagem que estavam freqüentando o 6 semestre, na Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (EERP/USP), em Escolheuse este grupo de sujeitos por estarem cursando a disciplina Enfermagem Psiquiátrica, porém, não haviam recebido ainda aulas sobre a temática depressão. R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6. p.81

3 Instrumentos A coleta dos dados foi realizada baseandose em quatro instrumentos: um questionário e três escalas, descritos a seguir. O Questionário de Conhecimento sobre Depressão (QCD), desenvolvido pela OMS 2, apresenta 12 situações que demandam conhecimentos específicos sobre a doença e suas modalidades terapêuticas, cada uma com cinco alternativas de repostas. O instrumento Pontos de Vista sobre Depressão (PVD) é uma escala tipo Likert, com 10 afirmativas sobre os diferentes posicionamentos dos sujeitos sobre depressão. Este instrumento proposto pela OPAS/OMS 2 investiga o significado da saúde mental, a procura do aperfeiçoamento pessoal e a conduta do profissional no contato direto com portadores desse transtorno. O Inventário de Beck é uma escala, construída nos Estados Unidos, em 1961, aceita e utilizada em muitos países, tendo sido traduzida no Brasil em Em sua construção, Beck propôs 21 afirmativas graduadas para refletir a intensidade dos sinais de depressão, variando desde a sua ausência até a manifestação grave A Escala de Zung 15 foi desenvolvida na década de 60 do século passado e adotada pela OPAS/OMS 2 em um projeto de capacitação profissional. Nessa Escala, Zung apresenta 20 afirmativas que focalizam os principais sinais de transtorno depressivo. Estes dois últimos instrumentos de avaliação da depressão são usados tanto para o diagnóstico entre suspeitos como entre pessoas sadias na busca de indicadores da presença de depressão. Contém alternativas fechadas com possibilidades de resposta numa escala, tipo Likert, apresentando graus diferentes de intensidade em cada questão. Sabendo-se que o Inventário de Beck 14 e a Escala de Zung 15 se propõem a alcançar a mesma finalidade, identificando os diferentes graus de depressão, esses instrumentos foram utilizados neste estudo para se comparar seus resultados. Coleta e Análise dos Dados Sendo os quatro instrumentos auto-aplicáveis, a coleta dos dados foi realizada em sala de aula, com 35 alunos matriculados na disciplina Enfermagem Psiquiátrica. Naquele dia, um aluno faltou, um respondeu parcialmente e um não quis responder, perfazendo um total de 32 participantes. Os testes foram respondidos pelos sujeitos após a explicação dos procedimentos para seu preenchimento. Os resultados do conhecimento e da opinião dos estudantes sobre depressão indicados pelos escores dos acertos foram submetidos à análise descritiva e discutidos com apoio da literatura especifica. As escalas de Beck e de Zung permitiram diagnosticar a presença de depressão entre os alunos, os sintomas mais freqüentes e comparar os resultados nas duas situações. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da EERP/USP. Os alunos foram devidamente esclarecidos sobre os objetivos e procedimentos e assinaram o termo de Consentimento Livre e Esclarecido, atendendo à Resolução 196/ 96, do Conselho Nacional de Saúde. RESULTADOS E DISCUSSÃO Participaram 32 sujeitos neste estudo, concentrando-se 68,8% na faixa etária entre 20 e 21 anos. Eram todos solteiros, sendo apenas um do sexo masculino, o que é coerente por serem jovens estudantes de enfermagem, numa profissão eminentemente feminina. Os Sujeitos e o Interesse pela Saúde Mental Na questão que indagava sobre seu interesse pela saúde mental, as respostas indicaram que é uma área de alto interesse para 46,9% ou médio interesse para 43,8% dos alunos. Além disso, 25,8% desses alunos freqüentaram algum curso extracurricular de saúde mental, nos últimos três anos. Esses resultados são interessantes visto que apenas 9,4% dos alunos assumem que têm baixo interesse pela área de saúde mental e 90,6% têm médio ou alto interesse. O fato de 25,8% terem cursado alguma matéria extracurricular sobre saúde mental confirma o interesse concreto por esta área. O interesse pela saúde mental, provavelmente, é uma nova atitude dos alunos de enfermagem que coincide com um momento de reorganização do sistema de saúde em relação à psiquiatria e à saúde mental. Estudo recente realizado com enfermeiros da rede básica de saúde, formados há algum tempo, evidenciou menor interesse pela busca de novos conhecimentos sobre saúde mental 6. p.82 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6.

4 Furegato ARF, Candido MCFS, Costa JR ML, Giacomini BA Conhecimento e Opinião sobre Depressão As 12 questões de conhecimento sobre depressão mostraram que, no conjunto, os alunos têm conhecimento suficiente sobre depressão (75%). Analisando as respostas dos alunos por questão, na Tabela 1, verifica-se que a maioria (30) conhece o perfil epidemiológico da depressão uma enfermidade freqüente principalmente entre mulheres, com possibilidades de manifestar complicações letais e que pode ser detectada pela enfermeira. A maioria (29) reconhece que um conjunto de sintomas deve ser considerado no diagnóstico desta doença, mas nem todos sabem, com clareza, os critérios para se determinar o diagnóstico clínico de depressão. Quanto ao tratamento medicamentoso, a Tabela 1 mostra que a maioria (22) indicaria a imipramina, oito recomendariam, além da imipramina, anfetaminas, analgésicos e vitaminas, o que configura uma atitude terapêutica inadequada de estímulo à hipermedicação; cinco também têm conhecimento insuficiente sobre os efeitos secundários decorrentes do uso dos antidepressivos tricíclicos. A desinformação fica bem evidente no quinto item do questionário aplicado, no qual 15 alunos indicam a psicanálise e seis a psicoterapia breve como terapias de escolha para o tratamento da depressão, em detrimento das terapias interpessoais apontadas por apenas sete sujeitos e comportamentais registradas por quatro. As terapias cognitivas 16 e as interpessoais têm oferecido resultados importantes na cura da depressão. Apesar de os dados mostrarem que 11 alunos ainda caracterizam a depressão através dos sintomas somáticos inespecíficos, a maioria (21) tem informações de que dor de cabeça, lentidão, alterações digestivas, perda de sono e da libido, perda de interesse e do prazer pelas coisas do seu cotidiano são sintomas que podem fazer parte de um quadro depressivo. A conduta terapêutica do enfermeiro foi perguntada na questão nº 12, mas os alunos não responderam, como mostra a Tabela 1. Esse resultado já era esperado, pois os sujeitos ainda não haviam estudado esse tópico. Tal como em outras condutas terapêuticas da enfermeira diante do sofrimento e da dor que a pessoa sob seus cuidados apresenta, é importante ouvir atentamente a queixa, ajudar a pessoa a tomar consciência de seu estado, reforçando a importância do tratamento clínico especializado e apoiá-la em suas atitudes positivas. No item seis da Tabela 1, a maioria dos alunos (28%) associa o suicídio, os acontecimentos estressantes e o alcoolismo à depressão, assim como 31% deles sabem que doentes crônicos, puérperas, pessoas sem trabalho, sem família e sem apoio social fazem parte dos grupos da população com maiores riscos de apresentarem um quadro depressivo. A Escala que identificou os pontos de vista do aluno sobre depressão contém 10 afirmativas e mostrou que 81,3% alcançaram um alto escore, demonstrando acerto/ concordância, conforme mostra a Tabela 2. TABELA 1: Distribuição dos resultados do conhecimento sobre depressão, entre os alunos de Enfermagem, por item do questionário. Ribeirão Preto, g Respostas corretas em itálico R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6. p.83

5 TABELA 2: Distribuição dos escores dos significados atribuídos aos pontos de vista dos sujeitos sobre depressão. Ribeirão Preto, Conforme se verifica na Tabela 2, os escores utilizados para análise do posicionamento individual frente à depressão foram: baixo (0 2,9), médio (3 6) e alto (6,1 9), visto que, numa escala de 0 a 9, os alunos identificavam sua posição assinalando seu nível de acordo com cada uma das afirmativas apresentadas. Os resultados apontam que 81,3% dos alunos atingiram altos índices de acordo e 15,6% revelaram índices médios de acordo nas respostas como um todo. Apesar deste consenso, vale ressaltar alguns pontos das respostas. Na Escala referente aos pontos de vista, os alunos (78%) consideram fácil para o enfermeiro detectar pacientes deprimidos. Entretanto, estão indecisos quanto à afirmação (segundo item) de que se deprimir é o modo utilizado pelas pessoas frágeis para enfrentarem as dificuldades da vida. Em outras duas afirmativas, terceiro e quinto itens, também percebem-se incoerências e a inexperiência dos alunos no cuidado ao cliente deprimido pois ao mesmo tempo em que mais da metade concorda que a pessoa deprimida irrita, 68,8% consideram que trabalhar com esse paciente é uma tarefa agradável. O enfermeiro experiente bem como o familiar que convive com o deprimido sabem como é difícil demover a pessoa de suas convicções negativistas, mesmo diante de evidências e para seu próprio benefício. Chama a atenção o ponto de vista dos alunos que maciçamente (96,9%) acreditam que atender pacientes deprimidos é perda de tempo pois nada os faz melhorar (item nº 8). Estes alunos também crêem que a depressão é a forma de ser de alguns pacientes, difícil de ser modificada (65,7%). Estes resultados mostram que eles não acreditam na cura e desconhecem os avanços terapêuticos (medicamentosos e psicoterápicos) em relação aos estados depressivos. Tais achados são compatíveis com a falta de conhecimento sobre o tema, pois expressa a condição desses estudantes que ainda estão cursando a disciplina de Enfermagem Psiquiátrica. A grande questão que suscita esse dado é: o que esperar do cuidado de enfermagem deste aluno se ele sair do curso de graduação com esta opinião? Após cursarem a disciplina Enfermagem Psiquiátrica, espera-se que outros elementos sejam agregados ao seu conhecimento, tendo como conseqüência uma prática que poderá ser, de fato, terapêutica. Isto reforça a responsabilidade do ensino e da formação dos novos profissionais. A OPAS/OMS 2 enfatizam a importância do preparo do enfermeiro para identificar e manejar os casos de depressão na população assim como sua posição de elemento participante ativo do processo terapêutico junto aos outros elementos da equipe profissional. Os alunos concordam que poderão contribuir para elevar a adesão do portador ao tratamento com anti- depressivos (item nº 9). Diferentemente de outra pesquisa 6 em que os enfermeiros evidenciam que não estão despertos para a importância da atuação da enfermagem em nível primário, os alunos deste estudo, 81,3%, valorizam o papel do enfermeiro, para detecção e cuidados do paciente deprimido. Na rede básica de saúde, inclusive nos Programas de Saúde da Família, o enfermeiro deve estar preparado para identificar, dar os cuidados imediatos fazer os devidos encaminhamentos dos casos de depressão valorizar a rede de relações da pessoa em sua comunidade. Além disso, há o trabalho educativo junto aos familiares e demais segmentos da comunidade. Indicativos de Depressão entre os Alunos Tanto o Inventário de Beck 14 como a Escala de Zung 15 contêm elementos básicos para identificação da depressão. As duas escalas são utilizadas tanto em pesquisa como na clínica. Há diferentes propostas de pontos de corte para distinguir os níveis de depressão. A escolha do ponto de corte depende da natureza da amostra e dos objetivos do estudo. Esta pesquisa trabalhou com uma amostra não diagnosticada, nem suspeita e com o propósito de verificar a presença de sinais indicativos de depressão, comparando o alcance diagnóstico das duas escalas. Os escores adotados observaram os seguintes critérios: Inventário de Beck: < de 15 = sem depressão; de 15 a 20 = disforia ou depressão leve; de 20 a 30 = depressão moderada; acima de 30 = depressão grave. Escala de Zung: abaixo de 59 = sem depressão; 60 a 69 = depressão moderada; com 70 e + pontos = depressão grave p.84 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6.

6 Furegato ARF, Candido MCFS, Costa JR ML, Giacomini BA O Inventário de Beck 14 mostrou que 81,3% dos alunos não apresentavam sinais de depressão, 12,5% revelavam sinais de disforia (depressão leve) e 6,2%, apresentaram respostas indicativas de depressão moderada e grave (um moderada = 23 pontos e um grave = 40 pontos). A escala de Zung mostrou que havia 2 (6,3%) alunos com sinais de depressão moderada (62 e 68 pontos) e 93,7% sem depressão. O uso das duas escalas possibilitou verificar que há alta concordância entre os resultados dos dois instrumentos, portanto com capacidade diagnóstica equivalente. A comparação entre os resultados evidencia uma correlação linear positiva entre Beck e Zung de + 0,9. Nas respostas dos alunos, observando-se cada uma das questões tanto no Inventário de Beck 14 como na Escala de Zung 15, foram assinaladas alterações no sono, choro, tristeza e cansaço, desinteresse com necessidade de esforço para realizar as tarefas do cotidiano, muita auto-crítica e sentimentos de cobrança. Apenas metade da turma (16) sente-se otimista em relação ao futuro, e acha que sua vida é boa e satisfatória, desfrutando dos bens e momentos do dia-a-dia. Para jovens universitários, a expectativa seria de atitudes mais positivas em relação ao seu cotidiano e ao futuro. Os sintomas mais freqüentes, identificados nas respostas dos 32 alunos foram: diminuição do interesse por coisas que antes gostavam (47%), tristeza (47%), sentimentos de culpa (28%), decepção consigo (25%) e acham que podem ser punidos (37%). Os dois alunos com sinais indicativos de depressão foram procurados para orientação individual, corroborando a posição de que o estado depressivo é prejudicial ao individuo em suas diferentes relações pessoais e sociais. Um deles foi encaminhado para tratamento psiquiátrico e outro para acompanhamento no Centro de Orientação Psicológica/USP. CONCLUSÕES Pesquisando o conhecimento e a opinião dos 32 estudantes de enfermagem sobre depressão, encontrou-se um grupo que refere ter interesse pela área. Os testes de conhecimento indicaram que, no conjunto, os alunos têm conhecimento suficiente sobre depressão. Entretanto, o conhecimento que se mostrou com maior fragilidade referese aos medicamentos e às terapias mais indicadas para a depressão. Nas respostas ao teste, observou-se que os alunos valorizam a escuta e as demais atitudes compreensivas, humanizam a assistência de enfermagem. Entretanto, quando manifestam sua opinião sobre a doença é alto o índice dos que não acreditam na cura nem na importância dos tratamentos. Por outro lado, valorizam a presença do enfermeiro, em nível primário, na detecção e no cuidado aos portadores de depressão. Como era esperado do aluno que ainda não passou pelo aprendizado da enfermagem psiquiátrica, as respostas evidenciam incoerências e falta de experiência no cuidado ao portador de depressão. Nos dois testes de identificação de depressão foram detectados dois casos de depressão moderada, devidamente orientados. Os resultados indicam que o alcance diagnóstico das duas escalas é equivalente. Tendo em vista o interesse dos alunos de enfermagem pela saúde mental e a importância desse conhecimento para o desempenho profissional em todos os níveis de atuação sugere-se maior oferta de cursos e treinamentos. Tendo em vista as dificuldades que o portador de depressão tem para conduzir sua vida pessoal e profissional consideramos importante detectar entre os alunos e colegas de profissão a presença de sinais indicativos de depressão. REFERÊNCIAS 1. Amarante P, organizadores. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. Rio de Janeiro: SDN/ ENSP; Organização Panamericana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS). Programa de Salud Mental. Modelo para la capacitación de la enfermera general en la identificación y manejo de los transtornos afectivos. Washington (DC): OPAS/OMS; Montgomery S. Confrontando la depression. New York: Guia del médico/pfizer Internacional; Dalgalarondo P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre(RS): Artes Médicas; American Medical Association. Guia essencial da depressão. Tradução Claudia G. Duarte. São Paulo: Aguariana; Silva MCF, Furegato ARF, Costa Jr ML. Depressão: pontos de vista e conhecimento de enfermeiro da rede básica de saúde. Rev Latino-am Enfermagem 2003; 11(1): R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6. p.85

7 7. Furegato ARF. Relações interpessoais terapêuticas na enfermagem. Ribeirão Preto(SP): SCALA; Taylor CM. Fundamentos de enfermagem psiquiátrica de Mereness. Porto Alegre(RS): Artes Medicas; Pitiá ACA, Santos MA. Acompanhamento terapêutico: a construção de uma estratégia clínica. São Paulo: Vetor; Pasquali L. Psicometria: teoria e aplicações. Brasília(DF): Universitária; Beck AT, Steer RA, Garbin MG. Psychometric properties of the Beck Depression Inventory: twenty-five years of evaluation. Clinical Psychol Rev 1988; 8: Beck AT, Ward CH, Mendelson M, Moch J, Erbough G. An Inventory for measuring depression. Arch Gen Psychiatry 1961; 4: Calil HM, Pires MLN. Aspectos gerais das escalas de avaliação da depressão. Rev Psiq Clín 1998; 25(5-6): Gorenstein C, Andrade L. Inventário de depressão de Beck: propriedades psicométricas da versão em português. Rev Psiq Clín 1998; 25(5-6): Zung WWK. A self rating depression scale. Arch Gen Psych 1965; 12: Beck JS. Terapia cognitiva: teoria e prática. Porto Alegre(RS): Artmed; ALUMNOS DE PREGRADO EN ENFERMERÍA: CONOCIMIENTO Y OPINIÓN SOBRE DEPRESIÓN RESUMEN: Este trabajo objetivó identificar el conocimiento, la opinión y la presencia de depresión entre estudiantes de enfermería. Se trata de estudio descriptivo usándose cuatro instrumentos sobre depresión: cuestionario de conocimiento y escalas de opinión, de Bech y de Zung. La recolección junto a 32 sujetos acaeció en la Escuela de Enfermería de Ribeirão Preto de la Universidad de São Paulo-Brasil, en Los alumnos, informados, concordaron en responder a los cuatro instrumentos autoaplicables, en clase. Los resultados del análisis del cuestionario revelaron suficiente conocimiento general sobre depresión, pero insuficiente sobre las terapias; las opiniones cargan la descreencia en la curación, en los tratamientos y evidenciaron la falta de experiencia en el cuidado de los portadores de trastorno depresivo. Las dos escalas manifestaron equivalencia en los resultados; fueron identificados dos casos de depresión entre los alumnos, los cuales fueron debidamente orientados. Palabras Clave: Depresión; enfermería; estudiante; salud mental. Recebido em: Aprovado em: Notas * Professores Doutores do Dep. de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. ** Professora Doutora do Centro Universitário de Votuporanga (SP). *** Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Bolsista IC. **** Trabalho realizado com auxilio do CNPq Proj p.86 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2006 jan/mar; 14(1):80-6.

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE MENTAL Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ETIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS QUADROS DEPRESSIVOS: UM MODELO INTEGRADO

ETIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS QUADROS DEPRESSIVOS: UM MODELO INTEGRADO ETIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DOS QUADROS DEPRESSIVOS: UM MODELO INTEGRADO Fernanda Moretti 1 Regina de Cássia Rondina 2 RESUMO A depressão é, reconhecidamente, um problema de saúde pública. É um dos processos

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

DEPRESSÃO: UM TRANSTORNO DE HUMOR

DEPRESSÃO: UM TRANSTORNO DE HUMOR DEPRESSÃO: UM TRANSTORNO DE HUMOR Antonia Viviane Rodrigues Moreira 1 Maria Rivonilda Pereira Dos Santos¹ Jamires Laurentino Dos Santos Maryldes Lucena Bezerra De Oliveira² INTRODUÇÃO Depressão é um transtorno

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas. O caso da depressão. Gustavo Pradi Adam Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas O caso da depressão Gustavo Pradi Adam Caso clínico Sempre te Vi, Nunca te Amei Sra. X, 43 anos, sexo feminino,

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde Mental Carga Horária: 90 h Teórica: 60h Prática: 30h Semestre: 2013.1 Professor: Cilene Duarte da

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão

Newsletter. Fernando Pessoa... Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão 2 EM 5 ENTREVISTA COM DESTAQUES Workshop Para os + Novos Para a sua Saúde Nº 3 MAIO 2008 6 NEUROFITNESS ESPECIAL EXERCÍCIOS Newsletter Gabinete de Psicologia Clínica Dr.ª Ana Durão Fernando Pessoa... Lisboa

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I

& PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I & PERCEPÇÃO DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM FRENTE AO ATENDIMENTO DE PACIENTES COM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR I Marli Maria Loro 1 Ethiane Roever 2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz 3 Aline Neli Bernat

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL

CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM TRANSTORNO BIPOLAR EM INSTITUIÇÕES DE SAÚDE MENTAL Aline Santana dos Santos Graduanda em Enfermagem Maria Aparecida dos Santos Graduanda em Enfermagem Reginaldo Vicente

Leia mais

Hospital de Clínicas Gaspar Viana

Hospital de Clínicas Gaspar Viana Hospital de Clínicas Gaspar Viana Atendimento de Enfermagem na Clínica Psiquiátrica Enf. Sofia Vasconcelos Alves ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM OBJETIVO:Promover ações terapêuticas voltadas para identificar

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Estudos sobre a depressão em estudantes de enfermagem

Estudos sobre a depressão em estudantes de enfermagem REVISÃO Estudos sobre a depressão em estudantes de enfermagem Rayssa Frabre Olher Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Cláudia Polubriaginof Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora.

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: ASPECTOS CONCEITUAIS E A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: ASPECTOS CONCEITUAIS E A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR: ASPECTOS CONCEITUAIS E A ATUAÇÃO DA ENFERMAGEM Autor: Maria Alaide Ferreira Orientador: Maryldes Lucena Bezerra de Oliveira Coautor(es): Kelle de Lima Rodrigues, Gleyciane leandro

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS.

TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A ENFERMAGEM E OS USUÁRIOS DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NO CAPS: RELATO DE VIVÊNCIAS. CATEGORIA:

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.

CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO. CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail. CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO DA DEPRESSÃO INFANTIL: CARACTERISTICAS E TRATAMENTO CHAVES, Natália Azenha e-mail: natalya_azenha@hotmail.com RESUMO Este artigo teve como foco o termo depressão infantil, que é

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor

Transtorno Bipolar. Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Transtorno Bipolar Entendendo e ajudando aqueles com mudanças as extremas de humor Introdução * O transtorno bipolar (TBP) é uma condição psiquiátrica relativamente freqüente, ente, com prevalência na

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA a

ARTIGO ORIGINAL. SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA a Revista Baiana de Saúde Pública ARTIGO ORIGINAL SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO BÁSICA a Teresa Neuma Modesto b Darci Neves Santos c Resumo A escassez de informações no contexto brasileiro sobre ações de Saúde

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ

PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ PERFIL DE IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE MOSSORÓ INTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é hoje um fenômeno universal, observado tanto nos países desenvolvidos

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DO TABAGISMO Abordagem e Tratamento do Tabagismo I- Identificação do Paciente Nome: Nº do prontuário:

Leia mais

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria

Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria Programa Mínimo para Residência Médica em Psiquiatria A Comissão de Residência Médica em Psiquiatria da Associação Brasileira de Psiquiatria (CRMP-ABP) ao propor esse programa, recomenda o índice de no

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS.

PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. PERFIL DO ESTUDANTE DE ENFERMAGEM DO UNISALESIANO - LINS. Jéssica Aparecida Gregório Ferreira (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Lais Daniele Lourenço da Silva (Acadêmica do Curso de Enfermagem), Silvio

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO AS CONTRIBUIÇÕES DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO EDILEUZA DE FREITAS MIRANDA DE MENDONÇA Universidade Estadual de Goiás (Brasil) Campus BR 153, Km 98, CEP: 75001-970

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.

22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO. MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail. 22ª JORNADA DA AMINT NOVEMBRO/2008 DEPRESSÃO E TRABALHO MARIA CRISTINA PALHARES MACHADO PSIQUIATRA MÉDICA DO TRABALHO mcris1989@hotmail.com DEPRESSÃO 1. Afeta pelo menos 12% das mulheres e 8% dos homens

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS TERRA E CULTURA, ANO XX, Nº 38 87 UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE INTERNAÇÃO E REABILITAÇÃO DE PACIENTES DO CAPS *Ana Carolina Nóbile *Fernando Koga *Giselle Monteiro Avanzi **Carmen Garcia de Almeida RESUMO

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF)

PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) PAPEL DE ATUAÇÃO DO PSICÓLOGO NA EQUIPE SAÚDE DA FAMÍLIA (ESF) 2013 Larissa de Oliveira Pena Graduanda no curso de Psicologia na União de Ensino Superior (UNIVIÇOSA)/ Faculdade de Ciências Biológicas e

Leia mais

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL

ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL ALCOOLISMO ENTRE ACADÊMICOS DE ENFERMAGEM: UM ESTUDO TRANSVERSAL RESUMO Descritores: Alcoolismo. Drogas. Saúde Pública. Introdução Durante a adolescência, o indivíduo deixa de viver apenas com a família

Leia mais

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR

TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR TÍTULO: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E ACADÊMICO DE DISCENTES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE PARTICULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011

Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011 Edith Lauridsen-Ribeiro Cássio Rogério D. L. Figueiredo São Paulo, dezembro/2011 Os transtornos mentais comuns (TMC), expressão criada por Goldberg & Huxley (1992), caracterizam-se por sintomas como insônia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR e Prática Clínica TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR TRATAMENTO ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR Maria Rita Zoéga Soares Samir Vidal Mussi e cols. Coordenação

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS *

A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * A CONTRIBUIÇÃO DA MUSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DE PACIENTES DEPRESSIVOS * Camila Lima e Silva.. Musicoterapeuta pela Universidade Federal de Goiás.. Musicoterapeuta no Despertar Núcleo Educacional e Terapêutico.

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas)

HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO. MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) HUMANIZAÇÃO NO TRABALHO ANGELA MARIA RUIZ (MBA em marketing e gestão de pessoas) MARCIA REGINA DE ALMEIDA (MBA em marketing e gestão de pessoas) NILDA APARECIDA NUNES DOS REIS (MBA em marketing e gestão

Leia mais

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas

Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Capítulo 50: centro de atenção psicossocial de álcool e drogas Fernanda Marques Paz 1 Dependência Química: prevenção, tratamento e politicas públicas (Artmed; 2011; 528 páginas) é o novo livro de Ronaldo

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA Estágio docência realizado num hospital universitário do estado do rio de janeiro relato de experiência Teaching internship held in a university hospital in the state of rio de janeiro

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I Código: ENF 202 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 LEVANTAMENTO DO USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS ENTRE ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE

Leia mais

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva

Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Constituição de competência para humanização da assistência na prática do enfermeiro em Unidade de Terapia Intensiva Nara Elizia Souza de OLIVEIRA 1 ; Lizete Malagoni de A. C. OLIVEIRA 2 ; Roselma LUCCHESE

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA GRADUAÇÃO E TRABALHO EM ENFERMAGEM RELACIONADOS AO SOFRIMENTO PSÍQUICO: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luana Aparecida Alves da Silva 1 Ana Carolina Rossin¹ Thaís Dresch Eberhardt 2 Leonardo Dresch Eberhardt 3

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde

Matriciamento em saúde Mental. Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento em saúde Mental Experiência em uma UBS do Modelo Tradicional de Atenção Primária à Saúde Matriciamento - conceito O suporte realizado por profissionais e diversas áreas especializadas dado

Leia mais