Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro"

Transcrição

1 Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Boletim de Dezembro/212 As informações apresentadas neste Boletim de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro referem-se a dados consolidados até o dia 31 de dezembro de 212, exceto quando indicado.

2 SUMÁRIO 1. SINOPSE GERENCIAL Hidrologia do SIN Expansão da Transmissão Expansão da Geração Exportação/Devolução de Energia Elétrica - Conversora de Rivera, Garabi I e II HIDROLOGIA DO SIN Energia Natural Afluente ENA Armazenável Energia Armazenada EAR nas Regiões do Sistema Interligado Recursos Hídricos Reservatórios Equivalentes INTERCÂMBIOS VERIFICADOS ENTRE REGIÕES MERCADO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Brasil Consumo de Energia Elétrica Total Brasil Consumo de Energia Elétrica Demandas Máximas nas Regiões Interligadas (MW) Demandas Máximas Durante o Ano nas Regiões Interligadas (MW) Produção de Energia Elétrica por Fonte Sistema Interligado Produção de Energia Elétrica por Fonte Sistemas Isolados Fator de Capacidade das Usinas Eólicas Energia de Reserva CUSTO MARGINAL DE OPERAÇÃO - CMO (R$/MWh) ENCARGOS SETORIAIS CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS Consumo de Combustíveis nos Sistemas Isolados Geração a Base de Carvão SIN MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRA Capacidade Instalada Capacidade Instalada e Contratos de Importação EXPANSÃO REALIZADA Entrada em Operação de Novos Empreendimentos Geração (MW) Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 2

3 9.2. Expansão de Linhas de Transmissão (km) Expansão da Capacidade de Transformação (MVA) EXPANSÃO EM IMPLANTAÇÃO Empreendimentos em Implantação - Geração (MW) Linhas de Transmissão em Implantação - Expansão (km) OCORRÊNCIAS NO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Ocorrências no Sistema Interligado Nacional Ocorrências nos Sistemas Isolados Ocorrências no Sistema Elétrico Brasileiro - SEB GLOSSÁRIO Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 3

4 1. SINOPSE GERENCIAL 1.1. Hidrologia do SIN Na região Sudeste/Centro-Oeste, apesar de ter havido um aumento do volume de precipitação nos últimos vinte dias do mês de dezembro, apenas a bacia do rio Tietê alcançou o valor da média histórica. Verificou-se uma ENA bruta de 68% MLT MW médios, correspondendo ao 74º valor de ENA considerando um ranking decrescente do histórico de 82 anos. No mês de dezembro ocorreu uma melhoria das condições hidrológicas da região Sul, com destaque para as bacias dos rios Jacuí e Uruguai, onde houve precipitação acima da média, mas sem aumento significativo das vazões. A precipitação ocorrida na bacia do rio Iguaçu esteve um pouco abaixo da média, com melhoria das vazões mais ao final de dezembro. Verificou-se uma ENA bruta de 63% MLT MW médios, que corresponde ao 57º valor de ENA bruta, considerando um ranking decrescente histórico de 82 anos. Na região Nordeste, houve uma redução acentuada do volume de precipitação no mês de dezembro referenciada ao mês anterior, sendo verificada uma ENA bruta de 67% MLT MW médios, que corresponde 66º valor de ENA, considerando um ranking decrescente do histórico de 82 anos. Também na região Norte verificou-se redução do volume de precipitação na bacia do rio Tocantins ao longo do mês de dezembro, sendo verificada ENA bruta de 86% MLT 4.94 MW médios no mês. Em termos históricos, o valor verificado para a região corresponde ao 47º valor de ENA, considerando um ranking decrescente do histórico de 82 anos Expansão da Transmissão No mês de dezembro de 212, foram concluídas e incorporadas ao SIN as seguintes linhas de transmissão: LT 23 kv Chapadão / Jataí C-1 e C-2, total de 256 km, da TRANSENER, entre MS e GO; LT 23 kv Pimenta Bueno / Vilhena C-2, com 16 km, da JTE, em RO; LT 23 kv Abunã / Porto Velho C-2, com 188 km, da RBTE, em RO, em carga com licença de operação provisória; LT 23 kv Abunã / Rio Branco C-2, com 299 km, da RBTE, entre RO e AC, em carga com licença de operação provisória; LT 23 kv Seccionamento SE Várzea Grande (Coxipó / Jauru C-2), com 1,7 km, da ELETRONORTE, no MT; LT 5 kv Seccionamento SE Suape II (Messias / Recife II C-2), com 48 km, da CHESF, entre AL e PE; Foram instalados 1 novos transformadores no SIN: 2º transformador 23/69 kv 5 MVA, em substituição a dois transformadores de 16,7 MVA cada, na SE Cícero Dantas (CHESF), na BA; 3º transformador 23/69 kv 5 MVA, na SE Nova Prata 2 (CEEE-GT), no RS; 2º transformador 23/88 kv 75 MVA, em substituição a um transformador existente de 38,2 MVA, na SE Assis (CTEEP), em SP; 3º transformador 23/138 kv 15 MVA, na SE Imbirussu (PPTE), no MS; 1º transformador 23/138 kv 15 MVA, na SE Várzea Grande (ETVG), no MT; 1º e 2º transformadores 23/138 kv 225 MVA cada, na SE Jataí (TRANSENER), em GO; 2º transformador 5/23/13,8 kv 6 MVA, na SE Jardim SE (CHESF), em SE; 1º transformador 5/23 kv 6 MVA, na SE Suape II (CHESF), em PE; 1º transformador 5/23 kv 1.2 MVA, na SE Camaçari IV (CHESF), na BA. Foram incorporados ao SIN os seguintes equipamentos de compensação de potência reativa: 1º, 2º e 3º bancos de capacitor 23kV, de 18,5 MVAr cada, na SE Pimenta Bueno (ELETRONORTE), em RO; 1º reator 5kV, de 1 MVAr, na SE Suape II (CHESF), em PE. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 4

5 MW med MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 1.3. Expansão da Geração No mês de dezembro de 212, foram concluídos e incorporados ao SIN 933,6 MW de geração: UHE Santo Antonio, 2 máquinas (unidades 8 e 9), total de 139,2 MW, em RO; UHE Mauá, 2 máquinas (unidades 2 e 3), total de 234,7 MW, no PR; PCH Baitaca, 2 máquinas (unidades 1 e 2), total de 2,7 MW, em SC ; PCH Rio Bonito, 2 máquinas (unidades 1 e 2 ), total de 1,6 MW, em SC; PCH Cambará, 2 máquinas (unidades 1 e 2 ), total de 3,6 MW, no MT; PCH São Sebastião, 3 máquinas (unidades 1 a 3 ), total de 9,9 MW, em SC; PCH Santo Antônio do Caiapó, 2 máquinas (unidades 1 e 2 ), total de 3, MW, em GO; PCH Zé Tunim, 1 máquina (unidade 1), total de 4, MW, em MG; PCH Salto Góes, 2 máquinas (unidades 1 e 2 ), total de 2, MW, em SC; UTE Porto do Pecém I, 1 máquina (unidade 1), com 36,1 MW, no CE; UTE Caal, 1 máquina (unidade 1), com 3,8 MW, no RS; UTE Campo Limpo, 1 máquina (unidade 3), com 25, MW, em SE; UTE São José Colina, 1 máquina (unidade 3), com 33, MW, em SP; UEE Osório 2, 12 máquinas (unidades 1 a 12), total de 24, MW, no RS; UEE Dunas do Paracuru, 21 máquinas (unidades 1 a 21), total de 42, MW, no CE Exportação/Devolução de Energia Elétrica - Conversora de Rivera, Garabi I e II 4 Despacho Térmico Exportação de Energia Térmica - Uruguai (Rivera) Exportação de Energia Térmica - Uruguai (Garabi I e II ) via Sistema Elétrico Argentino Exportação de Energia Térmica - Argentina (Garabi I e II ) Não houve intercâmbio internacional de energia entre Brasil e Argentina ou Uruguai contabilizado no mês de dezembro de 212. Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 5

6 MW med MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA HIDROLOGIA DO SIN 2.1. Energia Natural Afluente ENA Armazenável Região Sudeste/Centro-Oeste MW med MLT ENA ENA Região Sul MLT ENA ENA Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 6

7 MW med MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Região Nordeste MW med MLT ENA ENA Região Norte MLT ENA ENA Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 7

8 1-jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez 3-dez % EAR MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 2.2. Energia Armazenada EAR nas Regiões do Sistema Interligado Regiões Energia Armazenada no Final do Mês (% EAR) Capacidade Máxima (MWmês) % da Capacidade Total Sudeste/Centro-Oeste 28, ,1% Sul 36, ,8% Nordeste 32, ,1% Norte 41, ,% TOTAL % 2.3. Recursos Hídricos Reservatórios Equivalentes 1% Região Sudeste/Centro-Oeste 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% : 28,9% 1% % Período Chuvoso Período Seco Energia Armazenada Máxima = MWmês Chuvoso Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 8

9 1% Região Sul 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% 1% % 1-jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez 3-dez 1-jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez % EAR 3-dez % EAR : 36,5% Energia Armazenada Máxima = MWmês 1% Região Nordeste 9% 8% 7% 6% 5% 4% 3% 2% : 32,2% 1% % Período Chuvoso Período Seco Energia Armazenada Máxima = MWmês Chuvoso Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 9

10 1% Região Norte 9% 8% 7% 6% % EAR 5% 4% 3% 2% 1% % : 41,2% 1-jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez 3-dez Período Chuvoso Período Seco Energia Armazenada Máxima = MWmês Chuvoso Fonte: ONS Na região Sudeste/Centro-Oeste, verificou-se deplecionamento de 3,1 pontos percentuais no mês de dezembro, devido ao intercâmbio para a região Sul da ordem de 4.2 MW médios e à ocorrência de temperaturas elevadas, com consequente aumento de carga referenciada ao mês de novembro. O armazenamento verificado em 31 de dezembro de 212 foi de 28,9 %EAR, o menor valor no horizonte dos últimos 5 anos, apresentando,8 pontos percentuais acima da Curva de Aversão a Risco (CAR). O deplecionamento do reservatório equivalente da região Sul foi de apenas 1,1 pontos percentuais no mês de dezembro, mais acentuado nos vinte primeiros dias do mês de dezembro, apesar do elevado patamar de intercâmbio recebido da região Sudeste/Centro-Oeste. Entretanto, houve aumento da energia armazenada nos últimos dez dias, devido à redução de carga e ao maior volume de precipitação nas bacias dos rios Jacuí e Iguaçu. Durante o mês de dezembro, a geração hidráulica e os intercâmbios verificados buscaram controlar o deplecionamento dos reservatórios nessa região. Na região Nordeste, até a primeira quinzena do mês de dezembro, o nível de armazenamento permaneceu com poucas variações no patamar de 34,5 %EAR. O baixo volume de precipitação na bacia do rio São Francisco persistiu ao longo do mês e o deplecionamento acumulado no mês foi de 2,3 pontos percentuais, com exportação de energia da região Nordeste da ordem de 55 MW médios, invertendo o fluxo verificado no mês de novembro, quando houve um recebimento da ordem de 1.7 MW médios. O armazenamento verificado no final do mês atingiu 32,2 %EAR, o menor valor dos últimos 5 anos para o mês e 1,8 pontos percentuais abaixo da CAR. Na região Norte, apesar da energia natural afluente ter sido inferior a média, verificou-se um aumento de 2,1 pontos percentuais no reservatório equivalente, atingindo 41,2% EAR em 31 de dezembro de 212, menor valor para o mês de dezembro desde 21. Houve exportação para as demais regiões do SIN da ordem de 515 MW médios. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 1

11 3. INTERCÂMBIOS VERIFICADOS ENTRE REGIÕES Fonte: ONS e Eletronorte Durante o mês de dezembro de 212, a região Norte passou a exportar energia para as demais regiões do SIN, principalmente para a região Sudeste / Centro Oeste, em um montante de 515 MW médios. Também houve exportação de energia da região Nordeste, em um montante médio de 55 MW, ante a importação em novembro de 1.74 MW médios. A região Sul recebeu elevados montantes de energia da região Sudeste/Centro-Oeste, em um patamar de 4.18 MW médios, buscando controlar o deplecionamento dos reservatórios na região Sul. O intercâmbio de energia do Acre/Rondônia para a região Sudeste / Centro-Oeste foi de 28 MW médios, em sentido contrário do fluxo verificado no mês anterior. Em dezembro, houve intercâmbio internacional da Venezuela para o Brasil com um montante de 98 MW médios, ligeiramente inferior ao verificado no mês anterior. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 11

12 6. 4. MERCADO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA 4.1. Brasil Consumo de Energia Elétrica Total Consumo de Energia Elétrica Total (GWh) GWh Dados contabilizados até novembro de 212. Considerado o consumo em todas as classes e as perdas na transmissão e distribuição. Fonte: EPE Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 12

13 4.2. Brasil Consumo de Energia Elétrica Mesmo Mês Acumulado - 12 Meses Nov/11 Nov/12 Evolução Dez/1 - Nov/11 Dez/11 - Nov/12 GWh % GWh % % GWh % GWh % Residencial , ,8 9, , ,6 4,5 Industrial , ,6, , ,9,3 Comercial , ,8 13, , ,5 7,3 Outros* , ,1 9, , ,5 9,9 Perdas , ,7-17, , ,5 1,8 Carga - GWh , , 2, , , 3,6 Carga (SIN + Sist. Isolados) Demanda Máxima (MW) , ,2 Fator de Carga - FC 83,9 86,3-82,2 78,5 - NUCR , ,1 NUCT , ,1 Total (kwh/nuct) 63 65, ,1 Residencial (kwh/nucr) , ,4 Dados contabilizados até novembro de 212. Referência: Brasil - Consumo de Energia Elétrica - GWh Evolução % Fonte: EPE Em novembro, o consumo de energia elétrica no país registrou 2,2% acima do verificado no mesmo mês de 211 e 3,6% acima se comparado com o acumulado do mesmo período anterior (Dez/21 a Nov/211). Na indústria, o consumo aumentou,2% relativamente ao mesmo mês do ano anterior, o que representa a primeira taxa positiva após cinco quedas consecutivas, podendo ser um sinal de recuperação do nível de atividade industrial. Também o setor comercial registrou aumento relativo a novembro de 211, representando a maior taxa de crescimento do ano com 13,7%, fortemente influenciado pela ocorrência de temperaturas mais elevadas. O consumo em todas as classes apresentou crescimento no acumulado dos últimos doze meses (Dez/211 a Nov/212), com destaque para a classe comercial, que apresentou 7,3% de crescimento referenciado ao mesmo período anterior. Destaca-se também o crescimento acumulado de doze meses de 9,9% da classe de consumo outros, associado principalmente ao aumento do uso de energia elétrica para fins de irrigação, como efeito das estiagens. Nesse mesmo período, a classe industrial apresentou,3% de crescimento acumulado. *Referente às classes rural, poder público, iluminação pública, serviço público e consumo próprio das distribuidoras. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 13

14 MW MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 4.3. Demandas Máximas nas Regiões Interligadas (MW) Máxima (MW) SE/CO Sul NE Norte SIN Máxima no mês Recorde /12/212-14h56 1/12/212-14h49 12/12/212-15h28 19/12/212-16h31 6/12/212-14h /2/212-15h49 1/12/212-14h49 12/12/212-15h28 22/9/211-14h43 8/2/212-14h45 Fonte: ONS No mês de dezembro de 212 houve recorde de demanda nas regiões Nordeste e Sul Demandas Máximas Durante o Ano nas Regiões Interligadas (MW) 96. Sistema Interligado Nacional Recorde Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 14

15 MW MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 6. Região Sudeste/Centro-Oeste MW Recorde 18. Região Sul Recorde Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 15

16 MW MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 15. Região Nordeste MW Recorde 6. Região Norte Recorde Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 16

17 4.5. Produção de Energia Elétrica por Fonte Sistema Interligado Fonte Jan - Nov/211 Jan - Nov212 Comparação 212/211 GWh % GWh % % Hidráulica , ,3-1,8 Térmica à Gás , , 135,9 Térmica à Carvão 3.563, ,3 73,4 Térmica à Óleo Diesel/Combustível * 2.47, , 93, Térmica Nuclear , ,9 3,4 Biomassa , ,5 15,3 Eólica 2.321, ,9 9,2 TOTAL , * Em Térmica à Óleo Diesel/Combustível estão consideradas as usinas bicombustíveis. Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: CCEE 4.6. Produção de Energia Elétrica por Fonte Sistemas Isolados Fonte Jan - Nov/211 Jan - Nov/212 Comparação 212/211 GWh % GWh % % Hidráulica , ,3-22,3 Térmica à Gás Natural , ,2 5,7 Térmica à Óleo , ,5-1,3 TOTAL ,1 Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: Eletrobras A produção de energia nos Sistemas Isolados por térmicas a gás natural iniciou-se em março de 21 em planta piloto do Sistema Manaus. A partir de outubro de 21 entraram em operação unidades geradoras convertidas para gás natural nos PIEs Tambaqui, Jaraqui, Manauara e Gera e nas UTEs Mauá e Aparecida, da Amazonas Energia. OBS.: A produção de energia da Amazonas Energia, no período de julho a outubro de 212, foi corrigida pela Eletrobras. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 17

18 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 4.7. Fator de Capacidade das Usinas Eólicas MW Fator de Capacidade Médio Mensal de Janeiro a Novembro: Em 211: 26,2 % Em 212: 37,9 % Geração Eólica - Região Nordeste 1% 9% 8% 8 6 7% 6% 5% MW 4 4% 3% 2 2% 1% 72 6 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Fator de Capacidade Médio Mensal de Janeiro a Novembro: Em 211: 27,9 % Em 212: 28,1 % Capacidade Instalada (MW) Geração Eólica (MWméd.) Fator de Capacidade Geração Eólica - Região Sul* % 1% 9% 8% % 6% 5% 24 4% 3% 12 jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez Capacidade Instalada (MW) Geração Eólica (MWméd.) Fator de Capacidade 2% 1% % * Incluída a UEE Gargaú, com 28 MW, situada na Região Sudeste. ** Não estão sendo consideradas as unidades geradoras em operação comercial há menos de um mês. Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: CCEE Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 18

19 Energia de Reserva 4 45,1 398, 433,3 382,7 45,4 359, ,6 54,3 75,5 11,7 73, 23,1 67,3 12,1 77, 23,7 25,9 19,3 23,7 16,9 111,5 18,7 366,9 42,9 MW med 673,8 641,2 756,7 776,6 846,1 Energia de Reserva - Ano 211 MW med , 146,6 171,3 89,6 8 61,4 18,3 4,2 211 Geração Mensal CER (MW med Mês) Contrato de Energia de Reserva de 211 (MW med Ano) Geração Média Verificada 211 (MW med) Para o ano de 211 foram entregues 227 MW médios de energia de reserva, equivalente a 5,4 % do total de 45,1 MW médios contratados no ano ,4 Energia de Reserva - Ano ,2 * 2 Geração Comprometida com o CER 212 (MW med Mês) Contrato de Energia de Reserva - CER 212 (MW med Ano) Geração Mensal Antecipada (MW med Mês) Geração Média Verificada para o CER 212 (MW med) * Este valor não considera a geração antecipada. Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: CCEE Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 19

20 1-jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez 3-dez R$ / MWh MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA A geração mensal antecipada refere-se à geração verificada de usinas eólicas e a biomassa, que venderam energia nos últimos leilões de energia de reserva, mas que anteciparam sua entrada. Essa geração não está comprometida com o Contrato de Energia de Reserva CUSTO MARGINAL DE OPERAÇÃO - CMO (R$/MWh) Regiões Custo Marginal de Operação no Final do Mês (R$/MWh) * Sudeste/Centro-Oeste 341,1 Sul 341,1 Nordeste 341,1 Norte 341,1 * Valor Médio de todos os patamares de carga 7 Região Sudeste/Centro-Oeste : 341,1 R$/MWh Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 2

21 7 Região Sul : 341,1 R$/MWh jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov R$ / MWh 2-dez 16-dez 3-dez 1-jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez 3-dez R$ / MWh 7 Região Nordeste : 341,1 R$/MWh Fonte: ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 21

22 7 Região Norte : 341,1 R$/MWh R$ / MWh jan 15-jan 29-jan 12-fev 26-fev 11-mar 25-mar 8-abr 22-abr 6-mai 2-mai 3-jun 17-jun 1-jul 15-jul 29-jul 12-ago 26-ago 9-set 23-set 7-out 21-out 4-nov 18-nov 2-dez 16-dez 3-dez Fonte: ONS 6. ENCARGOS SETORIAIS O Encargo de Serviço de Sistema (ESS) verificado em novembro de 212 foi de R$ 573,7 milhões. Ele é composto pelos encargos: Restrição de Operação (R$ 34,9 milhões), que está relacionado ao despacho por Razões Elétricas das usinas térmicas do SIN, destacando-se a geração das UTE Termonorte II e Rio Acre para proporcionar confiabilidade no atendimento às cargas dos Estados de Rondônia e Acre; Segurança Energética (R$ 532,3 milhões), que está relacionado ao despacho adicional de geração térmica devido à geração complementar pela aplicação dos Procedimentos Operativos de Curto Prazo POCP; Serviços Ancilares (R$ 6,4 milhões), que está relacionado à remuneração pela prestação de serviços ao sistema como fornecimento de energia reativa por unidades geradoras solicitadas a operar como compensador síncrono, controle automático de geração (CAG), autorrestabelecimento (black - start) e sistemas especiais de proteção (SEP); e Ultrapassagem da CAR (R$,), que está relacionado ao despacho adicional de geração térmica devido à Ultrapassagem da Curva de Aversão ao Risco. Seguindo a tendência de aumento do ESS, no mês de novembro, houve expressiva elevação da parcela relativa à segurança energética, da ordem de 13% em relação ao mês anterior, haja vista o despacho complementar de todo o parque térmico, incluindo as usinas a óleo combustível e óleo diesel, desde 18/1/212, permanecendo durante todo o mês de novembro, devido à situação hidrológica desfavorável. Desde fevereiro de 28 não há pagamento de encargos relacionados à Ultrapassagem da CAR. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 22

23 21. Restrição de Operação (1 3 R$) (1 3 R$) (1 3 R$) Segurança Energética* (1 3 R$) * Encargo estabelecido pela Resolução CNPE nº 8 de 2/12/27. Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: CCEE Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 23

24 (1 3 R$) MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 3. Serviços Ancilares (1 3 R$) (1 3 R$) Ultrapassagem da CAR (1 3 R$) Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: CCEE Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 24

25 (1 3 m 3 ) MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 7. CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS 7.1. Consumo de Combustíveis nos Sistemas Isolados 12. Gás Natural Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: Eletrobras A partir de outubro de 21 entraram em operação unidades geradoras convertidas para gás natural nos PIE Tambaqui, Jaraqui, Manauara e Gera e nas UTEs Mauá e Aparecida, da Amazonas Energia. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 25

26 (1 3 kg) MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Óleo Diesel (1 3 Litros) Óleo Leve para Turbina Elétrica - OCTE Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: Eletrobras Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 26

27 9. (1 3 kg) (1 3 Litros) Óleo Combustível com Alto Teor de Enxofre - OC1A Óleo Combustível para Geração Elétrica - OPGE Dados contabilizados até novembro de 212. Fonte: Eletrobras Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 27

28 7.2. Geração a Base de Carvão SIN 9. Consumo de Carvão Toneladas de Carvão MWh Produção de Energia * Considera entrada em operação da usina Porto do Pecém I em 1/12/212. Fonte: Agentes (CGTEE, TRACTEBEL, COPEL, ENERGIA PECEM) Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 28

29 8. MATRIZ DE ENERGIA ELÉTRICA BRASILEIRA 8.1. Capacidade Instalada Fonte Nº Usinas Capacidade Instalada (MW) % Capacidade Disponível Hidrelétrica ,68% Térmica* ,75% Eólica ,56% Solar 11 8 <,1% Capacidade Disponível % * A geração térmica engloba as fontes nuclear, gás, biomassa, petróleo e carvão mineral. Térmica* 28,75% Solar,1% Eólica 1,56% Hidrelétrica 69,68% OBS.: A matriz de energia elétrica de dezembro/212 foi consolidada em reunião envolvendo a ANEEL e a Secretaria de Energia Elétrica do MME, em janeiro/213. Fonte: MME / ANEEL Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 29

30 8.2. Capacidade Instalada e Contratos de Importação Fonte Nº Usinas Capacidade Instalada (MW) % Capacidade Disponível Hidrelétrica ,47% Térmica* ,43% Eólica ,49% Solar 11 8 <,1% Importação Contratada** ,61% Capacidade Disponível ,% * A geração térmica engloba as fontes nuclear, gás, biomassa, petróleo e carvão mineral. ** Paraguai + Venezuela Térmica* 27,43% Eólica 1,49% Solar,1% Importação 4,61% Hidrelétrica 66,47% OBS.: A matriz de energia elétrica de dezembro/212 foi consolidada em reunião envolvendo a ANEEL e a Secretaria de Energia Elétrica do MME, em janeiro/213. Fonte: MME / ANEEL Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 3

31 9. EXPANSÃO REALIZADA 9.1. Entrada em Operação de Novos Empreendimentos Geração (MW) * Fonte Realizado em Dezembro/212 SEB Acumulado Jan-Dez/212 SEB UHE 373, , PCH 71,7 393,6 Gás, 175,6 Petróleo, 217,5 Carvão Mineral 36,1 36,1 Biomassa 61,8 916,8 Eólica 66, 456,2 TOTAL 933, ,9 No ano de 212, entraram em operação no SEB MW de geração, sendo MW de fonte hídrica, 1.67 MW de térmica e 456 MW de eólica. * Estão incluídos todos os empreendimentos de geração cuja entrada em operação comercial no SEB foi autorizada por meio de despacho da ANEEL. Os valores acumulados de 212 apresentados foram consolidados em reunião envolvendo a ANEEL e a Secretaria de Energia Elétrica do MME, em janeiro/ Expansão de Linhas de Transmissão (km) Tensão (kv) Em Operação até 31/12/211 ** Realizado em Dez/212 Acumulado Jan-Dez/ ,3 94, , ,8, 162, ,7, 51, ,4 48, 686, 6 (CC) 3.224,,, ,,, TOTAL ,2 952, ,1 No ano de 212, entraram em operação km de novas linhas de transmissão na Rede Básica. ** Considera as linhas de transmissão em operação da rede básica, conexões de usinas, interligações internacionais e 55,6 km nos sistemas isolados. Fonte: SEE/ANEEL/ONS Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 31

32 9.3. Expansão da Capacidade de Transformação (MVA) Realizado em Dez/212 Acumulado Jan-Dez/ , ,4 Fonte: SEE/ANEEL/ONS No ano de 212, entraram em operação MVA de transformação na Rede Básica. 1. EXPANSÃO EM IMPLANTAÇÃO 1.1. Empreendimentos em Implantação - Geração (MW) * Fonte UHE 3.457, 2.815,6 PCH 19, 69,2 Gás/Petróleo 1.482,3 693,5 Carvão Mineral 1.8,3, Biomassa 786, 95, Eólica 1.677, ,2 TOTAL 8.52, 6.45,5 * Monitorados pela SEE Fonte: SEE/ANEEL/ONS/EPE/CCEE/Eletrobras O MME por meio da SEE/DMSE monitora os empreendimentos de geração vencedores dos leilões do Ambiente de Contratação Regulada (ACR), os incluídos no PAC e demais usinas hidrelétricas outorgadas. Além de outras ações de monitoramento, são realizadas pelo MME reuniões mensais de avaliação dos empreendimentos de geração, com a participação da ANEEL, do ONS, da EPE e da CCEE. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 32

33 1.2. Linhas de Transmissão em Implantação - Expansão (km)** Tensão (kv) , 2.955, 345 3, 56, 44,, , 2.259, 6 (CC) 2.375, 523, 75,, TOTAL 7.545, 5.793, ** Monitorados pela SEE Fonte: SEE/ANEEL/ONS/ EPE O MME por meio da SEE/DMSE monitora os empreendimentos de transmissão autorizados e leiloados pela ANEEL. Além de outras ações de monitoramento, são realizadas pelo MME reuniões mensais de avaliação desses empreendimentos, com a participação da ANEEL, do ONS e da EPE. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 33

34 11. OCORRÊNCIAS NO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO Ocorrências no Sistema Interligado Nacional * Carga Interrompida no SIN (MW) Subsistema SIN** S SE/CO NE N TOTAL Número de Ocorrências Subsistema SIN** S SE/CO NE N TOTAL * Critério para seleção das interrupções: corte de carga 15 MW ** Perda de carga simultânea em mais de uma região Fonte: ONS Ocorrências nos Sistemas Isolados *** Carga Interrompida nos Sistemas Isolados (MW) Subsistema Manaus Amapá Roraima TOTAL Número de Ocorrências Subsistema Manaus Amapá Roraima TOTAL *** Critério para seleção das interrupções: corte de carga 15 MW Fonte: Eletronorte/Amazonas Energia Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 34

35 11.3. Ocorrências no Sistema Elétrico Brasileiro - SEB * MW N.º de Ocorrências *Critério para seleção das interrupções: corte de carga 15 MW Fonte: ONS/Eletronorte/Amazonas Energia No mês de dezembro de 212, o montante de carga interrompida foi superior ao verificado em dezembro de 211 e em novembro de 212, mesmo o número de ocorrências tendo sido inferior ao verificado nesses meses, devido a uma perturbação com elevado montante de carga interrompida, verificada no dia 15/12. A seguir destacamos algumas ocorrências relevantes: Dia 11/12, às 4h33min: Desligamento da subestação 23/69 kv Mossoró II (CHESF). Houve interrupção de 154 MW de cargas da COSERN, no estado de Rio Grande do Norte. Causa: Desligamento do barramento de 23 kv da subestação provocado por poluição na cadeia de isoladores da barra 1. Dia 15/12, às 17h55min*: Desligamento de circuitos de 23, 345 e 5 kv após perda de sincronismo entre os sistemas Acre/Rondônia, Centro-Oeste, Sul e Sudeste, em consequência da separação do barramento de 5 kv da subestação da UHE Itumbiara (Furnas), provocado pelo desligamento de 5 unidades geradoras. Houve interrupção de 8.96 MW de cargas no SIN. Causa: Atuação do sistema de proteção das unidades geradoras provocada por provável surto de tensão decorrente de descarga atmosférica. * Informações preliminares, visto que a análise dessa ocorrência está em andamento. Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 35

36 GLOSSÁRIO ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica CC - Corrente Contínua CCEE - Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CER - Contrato de Energia de Reserva CO - Região Centro-Oeste DMSE - Departamento de Monitoramento do Sistema Elétrico ENA - Energia Natural Afluente Energético EPE - Empresa de Pesquisa Energética ERAC - Esquema Regional de Alívio de Carga ESS - Encargo de Serviço de Sistema FC - Fator de Carga GNL - Gás Natural Liquefeito GTON - Grupo Técnico Operacional da Região Norte GW - Gigawatt (1 9 W) h - Hora Hz - Hertz km - Quilômetro kv Quilovolt (1 3 V) kw - Quilowatt (1 3 W) NUCR - Número de Unidades Consumidoras Residenciais NUCT - Número de Unidades Consumidoras Totais ONS - Operador Nacional do Sistema Elétrico PCH - Pequena Central Hidrelétrica PIE - Produtor Independente de Energia Proinfa - Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica S - Região Sul SE - Região Sudeste SEB - Sistema Elétrico Brasileiro SEE - Secretaria de Energia Elétrica SI - Sistemas Isolados SIN - Sistema Interligado Nacional SPE - Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético UEE - Usina Eólica UHE - Usina Hidrelétrica UTE - Usina Termelétrica VU - Volume Útil de Reservatório Hidrelétrico MLT - Vazão Média de Longo Termo MME - Ministério Minas e Energia Mvar - Megavolt-ampère Reativo MW - Megawatt (1 6 W) N - Região Norte NE - Região Nordeste Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Dezembro/212 36

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Dezembro 2014

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Dezembro 2014 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Dezembro

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 21/01/2017 a 27/01/2017 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 14 a 20/01/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro Boletim de Dezembro/29 As informações apresentadas neste Boletim de Monitoramento do Sistema Elétrico referem-se aos dados consolidados até o dia 31 de dezembro

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica

TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica TE061 Introdução aos Sistemas de Energia Elétrica Sistema de Energia Elétrica: conjunto de equipamentos (geradores, transformadores, LT, disjuntores, relés, medidores...) que operam em conjunto e de maneira

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Somente no final da semana de 17 a 23 de agosto, uma frente fria conseguiu atingir a região Sul do país, ocasionando chuva fraca/moderada

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas 8 02 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 4ª Semana de Fevereiro de 203 Fevereiro (6.02.203 a 22.02.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 87,88 93,57 Pesada 27,60 27,60

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 25/02 a 03/03/2017,

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

Atendimento ao Estado do Pará

Atendimento ao Estado do Pará Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Atendimento ao Estado do Pará Câmara dos Deputados - CINDRA Brasília, abril de 2015. 1 Ambiente Institucional 2 Universalização Modicidade Tarifária Segurança

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 10 a 16 de agosto, conforme a previsão, a atuação de duas frentes frias e de áreas de instabilidade voltou a ocasionar precipitação

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc

NT 066/2006. C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc 2006/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 066/2006 C:\WINDOWS\TEMP\d.Lotus.Notes.Data\NT-066_revisão CAR do SUL.doc !" #$ "%&'" ( "#)*+,-+. -!++/+-0-$"%"*"1!/

Leia mais

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES

JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES JOSÉ CARLOS DE MIRANDA FARIAS Empresa de Pesquisa Energética EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA PLANEJAMENTO E LEILÕES POR QUE PLANEJAR? Há necessidade de prever as possibilidades do amanhã para esboçar, com

Leia mais

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos

A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos A Experiência da Espanha na Operação de Parques Eólicos Pablo Motta Ribeiro Neoenergia Plácido Nieto Ostos Iberdrola Hugo Nunes Neoenergia José Eduardo Tanure Neoenergia 1 2 Mudança de Paradigma no Brasil

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 5 04 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro

Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº 2 Março/2 O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 12º Leilão de Energia Existente e Bandeira Tarifária

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 12º Leilão de Energia Existente e Bandeira Tarifária PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (2.2.203 a 27.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 297,09 296,73 Pesada 294,9 294,9

Leia mais

2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005. C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~

2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005. C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~ 2005/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 050/2005 C:\WINDOWS\TEMP\d.lotus.notes.data\~8766246.doc !" # $% "&'(" ) "$*+,-.,.*".$&/'-., 2.1 Conclusão Geral

Leia mais

ÍNDICE DE TABELAS...3 ÍNDICE DE GRÁFICOS...4 SUMÁRIO EXECUTIVO...5 INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO...8

ÍNDICE DE TABELAS...3 ÍNDICE DE GRÁFICOS...4 SUMÁRIO EXECUTIVO...5 INDICADORES DO SETOR ELÉTRICO...8 Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico: SETEMBRO - DEZEMBRO 2011 Adriana Maria Dassie RIO DE JANEIRO

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO A recente crise hídrica que tem afetado as principais bacias hidrográficas das regiões SE/CO e NE no que concerne à operação de seus aproveitamentos

Leia mais

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA

ANÁLISE REGULATÓRIA EXCELÊNCIA ENERGÉTICA HÁ RISCO DE RACIONAMENTO? O título desta análise é a pergunta mais frequente neste início de 2013, e o objetivo deste artigo é aprofundar a discussão em busca de uma resposta. Desde setembro de 2012 há

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016

Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil. São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Workshop FIESP Transmissão de Energia Elétrica no Brasil São Paulo, 29 de Setembro de 2016 Aspectos institucionais e a expansão da transmissão Desafios conjunturais Desafios estruturais em São Paulo Aspectos

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016 % EARmáx Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016 1. APRESENTAÇÃO Durante o mês

Leia mais

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS

Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes. Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Desafios para a Operação em Tempo Real das Usinas Eólicas Existentes Flávio Lins Ricardo Vieira ONS Sumário Panorama Mundial da Geração Eólica Dados Gerais da Geração Eólica no Brasil Características da

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios Zilmar Souza 5ª Edição do CampetroEnergy Bioeletricidade Campinas SP 29 de novembro de 2016 Geração da biomassa em 2014

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro Fevereiro de 2017 3ª Edição Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS ISOLADOS AGOSTO / 2015 GTON / CTP 08/2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Objetivo... 2 3. Premissas Básicas... 3 4.

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

A bioeletricidade no setor sucroenergético

A bioeletricidade no setor sucroenergético A bioeletricidade no setor sucroenergético Zilmar Souza Bioeletricidade Audiência Pública Comissão de Serviços de Infraestrutura Senado Federal Brasília DF 22 de agosto de 2016 Sobre a UNICA http://www.unica.com.br/

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil Diversificação da Matriz Termelétrica Outubro de 2009 A Importância da Diversificação das Fontes no Sistema Elétrico Brasileiro Diversificação das Fontes

Leia mais

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015

Ministério de Minas e Energia SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO. Janeiro 2015 Secretaria de Energia MINISTÉRIO Elétrica Departamento DE MINAS de Monitoramento E ENERGIA do Sistema Elétrico SECRETARIA DE ENERGIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO DO SISTEMA ELÉTRICO Janeiro 215

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Cenário Energético Nacional e as Oportunidades na Cogeração de Energia Elétrica Set/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 COGEN Associação

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro

Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Setor Elétrico Brasileiro Presente e Futuro Eng. Civil Cristiano Augusto Trein, Ph.D. Ministério de Minas e Energia cristiano.trein@mme.gov.br Julho 2016 Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010

Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades. Jerson Kelman. Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 Matriz Energética Os Desafios e as Oportunidades Jerson Kelman Belo Horizonte, 20 de maio de 2010 O Setor Elétrico é causador ou vítima das mudanças climáticas? A concentração de GEE na atmosfera aumentou

Leia mais

Perfil Energia gerada

Perfil Energia gerada 1. Perfil A AES Tietê, uma das geradoras do grupo AES Brasil, é uma Companhia de capital aberto com ações listadas na BM&FBovespa e está autorizada a operar como concessionária de uso do bem público, na

Leia mais

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil

Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Perspectivas da Energia Eólica no Brasil Belo Horizonte, MG 20 de agosto de 2008 Fábio Medeiros Sumário Situação atual da energia eólica no mundo. Situação e perspectivas da energia eólica no Brasil. Primeiras

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

23º Leilão de Energia Nova

23º Leilão de Energia Nova 1 23º Leilão de Energia Nova Realização: 29/04/2016 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 19:30 do dia 28/04/2016)

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 2 05 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2014

INFORMATIVO MENSAL DEZ.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 8, PLD Médio /214 8 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 7, 7 6, 6 5, 4, 3, 2, 1,, MÉDIA SEMANA 1 29/ a 5/ NORTE SEMANA 2 6/ a 12/ SEMANA 3 13/ a 19/

Leia mais

Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica. 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA

Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica. 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA Além das grandes hidrelétricas - Políticas para fontes renováveis de energia elétrica no Brasil 6ª Reunião do FMASE WWF -UFABC UNICAMP IEI-LA Subsídios no Brasil: CCC Sistema isolado Ano Valor provido

Leia mais

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS

O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS PCH Nnho da Águia, MG, ERSA O MERCADO ATUAL DA PCHS E SUAS PERSPECTIVAS Rio de Janeiro, 31 janeiro de 2011 Prof. Dr. Geraldo Lúcio TIAGO Filho Universidade Federal de Itajubá Professor Titular Centro Nacional

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13/04/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012

CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012 CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2011/2012 2010/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 127/2010 CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil

Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil Breve Histórico A eletricidade entrou no Brasil no final do século XIX Por volta de 30, a energia elétrica era obtida com pequenas usinas pertencentes a indústrias

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais