ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR"

Transcrição

1 5 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR ILUSTRAÇÕES: JOSÉ FALCETTI REDAÇÃO: PROF. RAMES MATTAR JUNIOR PROF. RONALDO J. AZZE AMPUTAÇÕES NA MÃO

2 AMPUTAÇÕES NA MÃO Prof. Rames Mattar Júnior Prof. Ronaldo J. Azze DEFINIÇÃO O procedimento de amputação pode ser definido como a ressecção cirúrgica de uma extremidade. Quando esta ressecção é realizada ao nível de uma articulação denomina-se desarticulação. As amputações podem ser congênitas, traumáticas ou cirúrgicas. Quando cirúrgica, tem como objetivos básicos criar um coto com máxima função e conforto para o paciente, desde que a indicação do tratamento implique na perda de um segmento. HISTÓRICO Amputações foram registradas há anos atrás, em pinturas de cavernas da França e Espanha. Muitos trabalhos relacionados aos procedimentos de amputação e confecção de próteses foram publicados, mas os grandes avanços relacionados à preservação do membro, cirurgias reconstrutivas e filosofia de protetização só ocorreram no século XX. INDICAÇÕES As principais indicações para procedimento de amputação podem ser relacionadas como: 1. Trauma: agente mecânico, elétrico, térmico ou químico; 2. Tumores malígnos; 3. Infecção: casos agudos agressivos, com objetivo de salvar a vida, ou crônicos que não respondem aos métodos de tratamento que preservam função; 4. Vascular: 5. Úlceras tróficas; 6. Deformidades congênitas: na presença de tecido sem utilidade e que, inclusive, prejudique o desempenho funcional do membro superior. REDAÇÃO: Publicação Oficial do Instituto de Ortopedia e Traumatologia Dr. F. E. de Godoy Moreira da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. R. Dr. Ovidio Pires de Campos, 333 Tel/Fax: (011) CEP São Paulo SP Prof. Dr. Rames Mattar Junior Professor livre Docente da FMUSP Chefe do Grupo de Mão do Departamento de Ortopedia e Traumatologia FMUSP Professor Ronaldo J. Azze Professor Titular do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da FMUSP PRODUÇÃO GRÁFICA: Coordenação Editorial: Ábaco Planejamento Visual Colaboradores: Rodrigo R. Tonan, Carmen T. Bornacina, Bruno Vigna, Marize Zanotto, Adalberto Tojero. Ilustrações Médicas: José Falcetti Diagramação e Editoração Eletrônica: Alexandre Lugó Ayres Neto Fotolito: Bureau Digital Bandeirante Impressão: Nova Página Tiragem: exemplares CARTAS PARA REDAÇÃO: Atualização em Traumatologia do Aparelho Locomotor Rua Batataes, São Paulo SP Tel/Fax.: (011)

3 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR PRINCÍPIOS As amputações no membro superior podem ser indicadas por ocasião do atendimento de urgência, ou de forma eletiva. A principal preocupação sempre deve ser o restabelecimento máximo da função do membro superior, sendo a única exceção, o tratamento de tumores malígnos. Nas amputações realizadas para tratamento de tumores malígnos o fundamental é a ressecção da lesão obedecendo a critérios oncológicos. O objetivo é a obtenção de um coto de amputação indolor, estável e útil, não interferindo na função das unidades músculo-tendíneas e articulações remanescentes. Na anamnese inicial, é fundamental questionar a ocupação do paciente, suas atividades de vida, histórico detalhado da lesão, patologias associadas ou concomitantes e os aspectos emocionais relacionados a lesão e a indicação da amputação. Freqüentemente existem fatores culturais e psicosociais que podem influenciar na conduta terapêutica e sempre devemos considerar o sentimento de preservação da imagem corporal, presente em todo ser humano. Os objetivos ou metas a serem atingidas em um procedimento cirúrgico de amputação podem ser assim relacionados : 1. Preservar o máximo de comprimento; 2. Preservar a sensibilidade; 3. Prevenir a formação de neuromas sintomáticos; 4. Proporcionar retorno precoce às atividades de vida diária e ao trabalho; 5. Prevenir contratura e rigidez articular; 6. Não adicionar morbidez à situação clínico-cirúrgica do paciente; 7. Proporcionar protetização precoce, quando indicada. 8. Promover, o mais precoce possível, a reabilitação e readaptação do membro. Com relação ao procedimento cirúrgico, os tecidos devem ser tratados obedecendo a princípios básicos: Pele: toda pele viável (com perfusão) deve ser mantida e utilizada para proporcionar revestimento cutâneo adequado no coto. Na mão, a utilização da pele palmar é preferível por ser mais espessa, possuir um tecido celular subcutâneo estável e sensibilidade mais diferenciada. O tecido ósseo deve ser revestido sem tensão. Se houver necessidade, pode-se utilizar enxertos de pele em áreas onde não há pressão. Quando há pele insuficiente em área de estresse mecânico, é mister utilizar retalhos de vizinhança, axiais ou livres. É fundamental proporcionar sensibilidade protetora à cobertura cutânea para evitar úlceras de pressão. Osso: o tecido ósseo deve ser regularizado de forma a proporcionar contorno regular e liso. Cartilagem: a cartilagem articular pode ser mantida nas desarticulações. Ela pode absorver choques e ser menos dolorosa, segundo Omer (1982). O que é importante é evitar a proeminência dos côndilos, ressecando-os e dando um contorno regular ao coto. Nervo: o tratamento do nervo periférico é o procedimento mais controvertido na amputação. Deve-se evitar neuromas dolorosos. Para tanto, o nervo não deve ser seccionado próximo a extremidade do coto ou em leito hipovascular. A técnica mais utilizada é a dissecção do nervo proximalmente, tração suave e seccão, deixando-o retrair para as partes moles proximais. Na nossa opinião, a ligadura, coagulação, implantação no osso ou esmagamento não evitam a formação de neuromas dolorosos. Tendões: o tendão flexor profundo não deve ser suturado à extremidade de um dedo amputado pois este procedimento pode limitar a movimentação dos dedos normais. A movimentação precoce, após a amputação, evita aderências tendinosas. Vasos sangüíneos: os vasos devem 3

4 ser identificados e ligados adequadamente para evitar sangramento e formação de pseudoaneurismas. COMPLICAÇÕES As complicações podem ocorrer nas diversas fases que envolvem o procedimento de amputação: Pré-operatório: Choque hipovolêmico: na grande maioria das vezes, nas amputações traumáticas, a compressão do ferimento e a elevação do membro controla o sangramento. Quando isto não é conseguido, deve-se indicar o uso de um torniquete que deve ser liberado a cada hora para proporcionar perfusão aos tecidos viáveis; Infecção: a lavagem exaustiva e o desbridamento criterioso do ferimento são as grandes armas do ortopedista para prevenir infecções. Da mesma forma, a antibioticoterapia deve ser iniciada precocemente, com culturas e antibiogramas, que podem orientar a mudança da droga utilizada. Intra-operatório: Choque hipovolêmico: esta complicação deve ser evitada através da ligadura criteriosa de todos os vasos; Cobertura cutânea: o planejamento da reparação do revestimento cutâneo é fundamental para o sucesso do procedimento de amputação. Não devemos aceitar exposição de osso, nervo, tendões e vasos. Da mesma forma, revestimento cutâneo instável, que não suporta pressão e atrito, e a presença de retrações cicatriciais, causando deformidades, podem comprometer a função; Desequilíbrio hidro-eletrolítico e a presença de mioglobulinemia são complicações de traumas graves e esmagamentos, podendo causar, inclusive, a morte. Pós operatório Hematoma; Infecção; Necrose; Neurológicas: os pacientes devem ser avisados a respeito da ocorrência da dor fantasma e as diversas formas de sua apresentação. Após período variável do pós-operatório, a maioria dos pacientes para de se queixar deste sintoma. Outras complicações neurológicas nesta fase relacionam-se com a presença de neuromas e distrofia simpática reflexa. Músculo-esqueléticas: o paciente deve ser orientado para manter a mobilidade articular para evitar deformidades. Aderências tendinosas e retração cápsulo-ligamentar são as principais causas de restrição da mobilidade. Os problemas ósseos são causados geralmente por crescimento e perda da cobertura cutânea adequada do coto. Vasculares: apesar de raros, os pseudo-aneurismas são complicações possíveis e que requerem tratamento cirúrgico. Cutâneas: cobertura cutânea inadequada, pele instável, dermatite, úlceras de pressão e infeção são as complicações mais freqüentes. Psicológicas: alterações da personalidade, depressão, ansiedade, agressividade, frustração e negação são as alterações mais encontradas relacionadas aos trauma graves da mão. A perda real ou simbólica de qualquer parte da mão deve ser bem detectada pelo cirurgião antes de iniciar qualquer tratamento, que é influenciado diretamente pelo que se convencionou chamar seqüência de recuperação picológica, dividida em 3 estágios: Negação: pode durar horas ou dias. O paciente ainda não acredita no ocorrido, nem prestando atenção às explicações e orientações; Pesar ( luto ): também pode durar horas ou dias, dependendo da personalidade do paciente. É uma fase de lamenta- 4

5 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR ções, ira e acusações a si ou a outros; desespero; agitação. Nesta fase é importante o cirurgião entender o paciente, criar uma empatia necessária para passar a fase seguinte. Reação: o paciente começa a entender que há ainda esperança de função, e começa a aceitar a perda como passado inevitável. Nasce um período de pensamento positivo, que o médico deve aproveitar para criar um ambiente de otimismo e entusiasmo pelo tratamento realizado ou a se realizar. Quanto mais cedo o médico entrar em sintonia psicológica com o paciente, melhor. AMPUTAÇÕES DA EXTREMIDADE DISTAL DOS DEDOS (PONTA DOS DEDOS) São as amputações traumáticas mais comuns e seu tratamento é ainda muito controverso. A conduta dependerá do comprometimento das diversas estruturas, da experiência do cirurgião e da escolha do paciente já que, normalmente, existe mais do que uma opção. 1. Amputações com perda de pele (polpa digital) sem exposição óssea O tratamento, de certa forma, depende da geometria da lesão (transversa, oblíqua, comprometimento predominantemente volar ou dorsal, etc.). A utilização da parte amputada como enxerto de pele total é o método mais popular de tratamento. Para aumentar a chance de sucesso é necessário remover, da parte amputada, todo tecido gorduroso, deixando apenas o tegumento apoiado em um leito bem vascularizado. Segundo Holm e Zacharie (1974), deixar a ferida aberta e aguardar a cicatrização por segunda intenção proporciona resultados excelentes. A maior queixa dos pacientes tratados com enxerto é a falta de sensibilidade, mas o paciente deve ser esclarecido que esta deve retornar gradativamente. Quando a parte amputada não pode ser aproveitada, é possível utilizar enxerto de pele convencional para fechar um ferimento. 2. Amputações com exposição óssea Nesta situação a decisão mais importante é determinar qual comprimento do dedo é possível manter, lembrando sempre do princípio de conservar o máximo de função. O tratamento deve basear-se na transformação de um ferimento com osso exposto para outro fechado e, para isso, regulariza-se a borda óssea com sacabocados delicados, utilizando-se de procedimentos de revestimento cutâneo (retalhos). Os retalhos realizados para este fim podem ser locais, de vizinhança ou a distância. Os retalhos locais mais utilizados são o avanço tipo V-Y volar de Atasoy (1970), ou o V-Y lateral de Kutler (1947). RETALHO VOLAR TIPO V-Y DE ATASOY-KLEINERT Este retalho é indicado principalmente nas amputações transversas. Deve-se planejar a incisão em V marcando-a com uma caneta ou similar. O ápice do V é proximal e deve estar localizado na prega cutânea volar da interfalangiana distal. Os vasos sangüíneos e os nervos digitais deste retalho devem ser preservados. A divulsão do plano entre a bainha dos flexores e o retalho facilita seu avanço. A base do triângulo é suturada no leito ungueal ou na própria unha remanescente. Após o deslizamento, a região proximal é suturada convertendo o V em um Y. É muito importante verificar a perfusão do retalho e do dedo após a sutura, que deve ser sem tensão. Normalmente, este retalho proporciona boa qualidade de cobertura cutânea mantendo, inclusive, sensibilidade adequada e não compromete, de forma significativa, a mobilidade articular. RETALHO LATERAL TIPO V-Y 5

6 Incisão em V para retalho volar Tipo V-Y de Atasoy-Kleinert em amputação da extremidade distal do dedo Avanço e sutura Sutura do retalho (observar figura em Y ) Caso clínico: retalho volar V-Y de Atasoy-Kleinert. Utilizado prótese de silicone para ocupar o local da unha, mantendo o leito ungueal plano e evitando sinéquia. 6

7 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR KUTLER Indicado principalmente quando há preservação das porções laterais A dos dedos, como em algumas amputações oblíquas. Um ou dois retalhos triangulares são desenhados na porção lateral dos dedos. O ápice do V deve situar-se na linha médio-lateral do dedo, próximo à articulação interfalangiana distal. Os retalhos são dissecados de tal forma a preservar os vasos sangüíneos e nervos digitais e avançados distalmente para serem suturados no leito ungueal ou unha. A porção proximal é suturada de tal forma que o V transforma-se em um Y. Após a sutura deve-se testar a perfusão do retalho e do dedo. Uma das críticas deste retalho é a presença de uma cicatriz hipersensível na região mediana da polpa digital. RETALHO DE AVANÇO VOLAR C B D Retalho lateral tipo V-Y Kutler: A Incisões marcadas B Incisão C Avanço D Sutura Caso clínico: retalho lateral tipo V-Y Kutler 7

8 DE MOBERG A B Este retalho é mais indicado para proporcionar cobertura cutânea nas lesões da extremidade do polegar, que possui uma pele volar mais móvel. São realizadas duas incisões medio-laterais, de cada lado do polegar e dissecase um retalho volar incluindo os pedículos neuro-vasculares. Este retalho é avançado até cobrir a lesão da extremidade. A dissecção deste retalho provoca lesão dos vasos que nutrem os tendões flexores assim como os ramos arteriais dorsais. Outra complicação é a possibilidade de provocar uma retração articular em flexão. Outra vantagem deste retalho no polegar é que este tolera melhor uma deformidade em flexão sem haver comprometimento grave de sua função. RETALHO CRUZADO ENTRE OS DEDOS ( - CROSS FINGER ) C A Retalho de Moberg (avanço) para cobertura cutânea em amputações da extremidade distal do polegar B Sutura C Para promover um deslocamento distal mais eficiente do retalho, é possível realizar uma incisão cutânea na base deste, preservando o pedículo vásculo-nervoso. O defeito, de forma retangular, criado após o deslizamento, pode ser tratado com enxerto de pele convencional. 8

9 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR Este retalho é utilizado quando se deseja preservar ao máximo o comprimento e não há possibilidade de realizar um retalho local. Pode ser utilizado em situação de lesão de múltiplos dedos, amputação da extremidade do dedo indicador ou polegar. Um exemplo de sua utilização é o retalho do dorso do dedo indicador, com base lateral, utilizado para promover a cobertura cutânea da extremidade do polegar. Outra possibilidade é utilizar a variante reversa ( cross-finger reverso) quando a pele é levantada e apenas o tecido subcutâneo e facial é utilizado para proporcionar a cobertura, suturando-se novamente a pele em seu leito original. Em ambas situações há necessidade de aguardar-se a integração do retalho no leito receptor para realizar a secção do pedículo. Isto ocorre em cerca de duas semanas. Após a secção do pedículo o paciente é encorajado para iniciar a movimentação. Os problemas deste retalho relacionam-se com o período em que os dedos ficam unidos e com a mobilidade restrita, podendo haver rigidez. Outra desvantagem é a má qualidade da sensibilidade que este retalho possui em uma fase inicial, mas o paciente deve ser esclarecido que, normalmente, a sensibilidade melhora com o tempo. RETALHO TENAR Retalho Cross Finger reverso para promover a cobertura da falange distal exposta após queimadura por agente químico para queimar verruga vulgar Retalho Cross Finger para cobertura cutânea do dedo anular 9

10 As indicações para este retalho são similares ao do retalho cruzado entre dedos ( cross-finger ). Baseia-se na utilização de um retalho cutâneo da região tenar com base proximal, distal ou em forma de H. O dedo com lesão em sua extremidade é fletido de tal forma a possibilitar a sutura do retalho. A maior crítica a este retalho é a manutenção desta posição em flexão por período longo (cerca de duas semanas) que pode causar rigidez articular, principalmente limitação da extensão. Outro problema é a cicatriz na região tenar normalmente esta área é tratada com enxerto de pele convencional e, normalmente, a cicatriz resultante não é de boa qualidade. Os dedos que podem ser tratados com este retalho são o indicador e médio pois, normalmente, os dedos anular e mínimo não fazem oposição, de forma natural, com a eminência tenar. O retalho é fixado na região receptora de forma similar. Qualquer condição clínica que favoreça o desenvolvimento de rigidez articular deve ser considerada uma contra-inidcação: artrite reumatóide, moléstia de Dupuytren, osteoartrose (idade avançada), etc. RETALHO NEURO-VASCULAR EM ILHA (LITTLER) Retalho tenar para promover a cobertura cutânea em amputação da extremidade distal do dedo indicador Incisão 10

11 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR Sutura Caso clínico: Retalho tenar para cobertura cutânea em amputação da extremidade distal do dedo Liberação do retalho tenar. Área doadora tratada com enxerto de pele e retoque na região receptora para reconstrução da extremidade do dedo indicador. 11

12 Este retalho é indicado principalmente para perdas cutâneas maiores ao nível da extremidade distal dos dedos. Sua principal indicação é o tratamento das lesões da extremidade do polegar. Baseia-se na dissecção de um retalho cutâneo na região lateral de um dedo, incluindo seu pedículo vásculo-nervoso. Os dedos mais utilizados como doadores são o médio e o anular e o receptor o polegar. Para poder dissecar e liberar o retalho para sua transferência, é necessário ligar e seccionar a artéria digital do dedo distalmente, seccionar o nervo digital distalmente e ligar a artéria digital para o dedo vizinho (ao nível da comissura), até ter acesso a artéria digital comum. Para transferir o retalho para a região receptora realiza-se um túnel subcutâneo na região palmar, suficiente para passagem do tecido cutâneo e seu pedículo. É preciso tomar cuidado para evitar tensão e torção do pedículo. O retalho é suturado na região receptora de forma convencional e a região doadora é tratada com enxerto de pele convencional e curativo de Braun. Os problemas relacionados com este retalho são, principalmente, a possibilidade de haver necrose, normalmente devida a problemas técnicos na dissecção e manuseio do pedículo, sensibilidade cruzada (ao tocar no retalho posicionado, por exemplo, no polegar, o paciente refere sensação tátil no dedo doador - médio ou anular) e anestesia no dedo doador devido a secção do nervo digital. Existem várias variações deste retalho: utilização do tecido cutâneo apenas com o pedículo vascular, preservando o nervo digital do dedo o retalho não inervado proporcionará cobertura cutânea sem sensibilidade; utilização do retalho de forma convencional mas o nervo digital do retalho é suturado ao nervo digital do polegar (para evitar a sensibilidade cruzada); utilização do retalho de forma reversa como existem anastomoses vasculares entre os dois sistemas de artérias digitais, principalmente localizadas ao nível das articulações interfalangianas proximal e distal, é possível dissecar o retalho, ligar seu pedículo proximalmente, e manter sua nutrição através de circulação sanguínea retrógrada, mantendo seu pedículo distal íntegro (circulação arterial de distal para proximal). Este retalho é particularmente útil para promover a cobertura cutânea em lesões distais (ponta do dedo). AMPUTAÇÕES AO NÍVEL DA INTERFALAN- Retalho neuro-vascular em ilha para promover sensibilidade no polegar tratado com retalho axial não inervado 12

13 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR GIANA DISTAL Quando o reimplante não é possível, a regularização deve ser realizada respeitando o tecido cutâneo viável remanescente. Não há necessidade de ressecar o tecido cartilaginoso. Este pode proporcionar um revestimento adequado e pouco doloroso. As saliências ósseas devem ser ressecadas para proporcionar um contorno regular, distribuindo, de forma mais eficiente, o apoio para a maior área possível, e evitando que a pele tenha regiões de maior tensão. Por esta razão, os côndilos da falange média devem ser ressecados em suas porções lateral e volar. As extremidades distais dos tendões flexores devem ser inspecionadas e desbridadas, evitando-se toda contaminação. Os nervos digitais devem ser tratados de forma adequada, seccionando-os proximalmente e evitando seu contato com áreas cicatriciais. Não há indicação para realizar suturas tendinosas que só causam restrição da movimentação dos dedos. Uma complicação possível é o desenvolvimento de uma deformidade tipo intrínseco plus, particularmente no dedo indicador o tendão flexor profundo deste dedo é, freqüentemente, isolado dos demais e sua retração causa uma ação exagerada do lumbrical que flete a articulação metacarpofalangiana e extende as interfalangianas. Caso isto seja um problema para o paciente pode-se realizar a secção do tendão do músculo lumbrical, que corrige o desequilíbrio e a deformidade. Quando a amputação ocorre proximalmente à inserção do flexor superficial, não haverá controle da movimentação da falange média remanescente e a manutenção desta tem como objetivo mais o aspecto estético que o funcional. As amputações ao nível da interfalangiana proximal devem ser tratadas de forma similar às da interfalangiana distal, regularizando a região lateral e anterior dos condilos da falange proximal. Ao nível da falange proximal, a integridade anatômica dos músculos intrínsecos e extrínsecos proporciona função e movimentação. A falange proximal remanescente pode fletir graças a ação dos lumbricais e interósseos e extender graças a ação do extensor extrínseco. Quando a amputação ocorre próximo ou ao nível da metacarpofalangiana nos raios centrais (dedos médio e anular) objetos podem cair da mão por este espaço, criando um problema funcional cuja solução pode ser a ressecção um raio. AMPUTAÇÃO DE RAIO A B AMPUTAÇÕES AO NÍVEL DA FALANGE MÉDIA, INTERFA- LANGIANA PROXIMAL E FALANGE PROXIMAL Na maioria das vezes o procedimento realizado é a regularização do tecido ósseo e a cobertura cutânea com a pele local viável. Retalhos só são utilizados em situações de lesão de múltiplos dedos, quando a manutenção do máximo comprimento dos dedos remanescentes é muito importante para preservar a função. C A Amputação do dedo: Incisão para proporcionar boa qualidade de cobertura cutânea. O retalho volar deve ser maior que o dorsal para permitir que a maior parte do coto seja revestido pela pele palmar, mais resistente e com sensibilidade mais diferenciada. B Incisão C Surtura 13

14 A ressecção das falanges e do metacarpiano (amputação de um raio) é um procedimento utilizado no tratamento de traumas, infecções, deformidades congênitas e tumores. Apesar de reduzir a largura da região palmar, a ressecção de um raio evita a formação de um espaço entre dedos remanescentes e proporciona um aspecto estético melhor para a mão do paciente. Do ponto de vista funcional, vários fatores interferem com a decisão de se indicar ou não a ressecção de um raio. São argumentos favoráveis à amputação de um raio: O espaço entre dedos remanescentes pode provocar um prejuízo funcional pois objetos podem cair da mão por este espaço; A preservação de um dedo com comprometimento funcional importante e rígido pode causar prejuízo para os demais; Nas amputações ao nível da articulação metacarpofalangiana dos dedos indicador e mínimo, a cabeça do metacarpiano ou seu colo ficam proeminentes. A cabeça do segundo metacarpiano proeminente ocupa a nova primeira comissura. A ressecção da metade distal destes metacarpianos proporciona um contorno melhor para a mão. São argumentos favoráveis para a preservação do raio: Em algumas atividades, a preservação da largura da palma da mão é muito importante. A ressecção do raio está contra-indicada em paciente que manuseiam e necessitam realizar a preensão de objetos grandes em sua atividade profissional; O paciente pode optar por utilizar uma prótese estética para propocionar melhor aspecto estético e fechar o espaço indesejável na mão; Após a ressecção de um raio, há diminuição da força da mão para preensão e pinça, segundo alguns estudos biomecânicos. A amputação de um raio é realizada mais freqüentemente como um procedimento eletivo e, sempre que possível, a ressecção do raio deve ser evitada na emergência. Portanto, na maioria das vezes, há possibilidade de refletir e discutir com o paciente qual o melhor procedimento. AMPUTAÇÃO DO RAIO DO INDICADOR De acordo com a etiologia da patologia que levou a indicação de amputação pode-se ou não utilizar a exsanguinação com faixa de Esmarch. Nas lesões tumorais e em infecções este procedimento deve ser evitado e o torniquete pode ser aplicado após a manutenção do membro superior elevado por cerca de 10 minutos. Realiza-se uma incisão ao nível da metacarpofalangiana do dedo indicador, formando a figura de V, volar e dorsal, com ápice proximal, e estendendo-a longitudinalmente na região dorsal no eixo do metacarpiano. As veias dorsais são ligadas e os tendões extensor comum dos dedos para o indicador e o extensor próprio do dedo indicador são seccionados ao nível da base do metacarpiano. O metacarpiano é exposto e seccionado com uma serra de Gigli, serra elétrica ou osteótomo ao nível do 1/3 médio. Esta osteotomia pode ser oblíqua, deixando a extremidade medial mais longa que a radial, dando assim um contorno melhor para a primeira comissura. O tendão do primeiro interósseo dorsal é identificado e seccionado. O músculo lumbrical, situado redialmente ao segundo metacarpiano, é seccionado na sua inserção tendinosa no 14

15 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR parelho extensor. À seguir, disseca-se o feixe vásculo-nervoso na região volar do dedo. As artérias digitais para o dedo indicador são ligadas ao nível da bifurcação da artéria digital comum. Os nervos digitais do dedo indicador são tracionados e seccionados proximalmente, de tal forma que os cotos, retraindo, permanecem na palma da mão. Da mesma forma, os tendões flexores superficial e profundo são identificados e seccionados, retraindo proximalmente para a palma da mão. À seguir, secciona-se o tendão do interósseo palmar e após, a bainha dos flexores, placa volar e ligamento intermetacarpiano transverso. Este último é seccionado próximo ao metacarpiano ressecado. Após a soltura do torniquete, realiza-se uma hemostasia criteriosa e sutura-se partes moles e pele com pontos separados. A movimentação ativa precoce do dedo deve ser encorajada. Normalmente o aspecto estético da amputação do raio do dedo indicador é bastante aceitável. AMPUTAÇÃO DO RAIO Caso clínico: Amputação transmetacarpiana do dedo indicador DO DEDO MÉDIO Há duas técnicas de amputação do raio do dedo médio sendo uma não envolvendo a transposição de metacarpiano (nossa preferência) e outra transpondo o segundo metacarpiano para a posição do terceiro (Carroll). A desvantagem da técnica da transposição é que envolve uma osteossíntese e a necessidade de restringir a movimentação do dedo transposto até a consolidação. A vantagem da transposição salientada pelo autor é a possibilidade de fechar de forma mais eficiente e imediata o espaço criado pela amputação de raio central. Outro problema relacionado com a transposição é o cuidado que deve ser tomado com os desvios rotacionais. É recomendado utilizar um fio de Kirschner transversal para fixar o metacarpo transposto nos vizinhos para evitar este tipo de deformidade. No procedimento de amputação sem transposição, a técnica cirúrgica é semelhante àquela aplicada na amputação do raio do indicador, mas é muito importante seccionar o ligamento intermetacarpiano transverso próximo ao metacarpo a ser ressecado, de tal forma que os cotos deste ligamento, dos metacarpos vizinhos, possam ser suturados, fechando o espaço. A eficiência do fechamento do espaço dependerá da qualidade da sutura do ligamento intermetacarpiano transverso. Desvios rotacionais podem ocorrer e, em geral, são decorrência de sutura técnicamente incorreta. Durante o período de cicatrização, um fio de Kirschner transversal pode ser utilizado para manter os metacarpianos dos dedos indicador e anular aproximados e em posição correta. Ao contrário da técnica de transposição proposta por Carroll, na reconstrução de partes moles não há necessidade de imobilizar a mão por longo período. AMPUTAÇÃO DO RAIO DO 15

16 Amputação do dedo médio (vista dorsal) 16

17 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR Amputação do dedo médio (vista central) 17

18 Amputação transmetacarpiana, incisão dorsal e tenotomia do tendão extensor, individualização do metacarpiano e musculatura intrínseca 18

19 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR Amputação transmetacarpiana, osteotomia da base do metacarpiano. Dissecação das artérias digitais e nervos digitais. Ligadura das artérias digitais e secção do nervo digital do dedo amputado 19

20 20 Amputação transmetacarpiana: aspecto final sutura dos intrínsecos

21 Amputação transmetacarpiana: fechamento do espaço graças a sutura do ligamento intermetacarpiano transverso Caso clínico: 21

22 DEDO ANULAR O procedimento é o mesmo que para o dedo médio. Da mesma forma, preferimos não realizar procedimentos de transposição. O fechamento do espaço, da mesma forma, é conseguido graças à aproximação do ligamento intermatatarsiano transverso. Caso clínico: Amputação transmetacarpiana do dedo anular 22

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007

Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Resolução CNRM Nº 02, de 20 de agosto de 2007 Dispõe sobre a duração e o conteúdo programático da Residência Médica de Cirurgia da Mão O PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA, no uso das

Leia mais

COBERTURA CUTÂNEA ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR JOSÉ FALCETTI

COBERTURA CUTÂNEA ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR JOSÉ FALCETTI ATUALIZAÇÃO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA ILUSTRAÇÕES: JOSÉ FALCETTI REDAÇÃO: PROF. RAMES MATTAR JUNIOR DR. MARCELO ROSA DE REZENDE PROF. RONALDO J. AZZE COBERTURA CUTÂNEA DO MEMBRO SUPERIOR DO MEMBRO SUPERIOR

Leia mais

Trauma complexo da mão parte II: lesão óssea, amputação e reimplante, perda de substância dos dedos, lesão da polpa digital e lesão ungueal

Trauma complexo da mão parte II: lesão óssea, amputação e reimplante, perda de substância dos dedos, lesão da polpa digital e lesão ungueal ARTIGO DE REVISÃO Trauma complexo da mão parte II: lesão óssea, amputação e reimplante, perda de substância dos dedos, lesão da polpa digital e lesão ungueal Complex trauma of the hand, part II: bone injury,

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

ILUSTRAÇÕES JOSÉ FALCETTI PROF. DR. RAMES MATTAR JUNIOR PROF. RONALDO J. AZZE

ILUSTRAÇÕES JOSÉ FALCETTI PROF. DR. RAMES MATTAR JUNIOR PROF. RONALDO J. AZZE 2 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR LESÕES TRAUMÁTICAS DOS TENDÕES FLEXORES DOS DEDOS E POLEGAR ILUSTRAÇÕES JOSÉ FALCETTI PROF. DR. RAMES MATTAR JUNIOR PROF. RONALDO J. AZZE ATUALIZAÇÃO

Leia mais

Lesões tendinosas da mão

Lesões tendinosas da mão ARTIGO DE REVISÃO Lesões tendinosas da mão Hand tendon injuries Jefferson Braga Silva 1, Anajara Gazzalle 2, Gustavo Alvarez 3, Guilherme Larsen Cunha 3 RESUMO As lesões tendinosas são muito frequentes

Leia mais

RESUMO DO PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA EM CIRURGIA DA MÃO DO IOT PASSO FUNDO - RS

RESUMO DO PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA EM CIRURGIA DA MÃO DO IOT PASSO FUNDO - RS RESUMO DO PROGRAMA DE RESIDENCIA MÉDICA EM CIRURGIA DA MÃO DO IOT PASSO FUNDO - RS UNIDADE DIAS E HORÁRIOS PERÍODO A programação de aulas pode ser IOT alterada devido a feriados e datas Início: 2 de março

Leia mais

CIRURGIA DA MÃO - INDICAÇÕES E TÉCNICAS

CIRURGIA DA MÃO - INDICAÇÕES E TÉCNICAS CIRURGIA DA MÃO - INDICAÇÕES E TÉCNICAS Marcos Virmond Introdução A mão é estrutura muito complexa do ponto de vista de sua anatomia, o que justifica a quantidade de diferentes e fantásticas funções que

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

ANATOMIA DA MÃO SISTEMA OSTEOARTICULAR. A descrição associada às figuras anatômicas. será feita analisando os sistemas ostearticular,

ANATOMIA DA MÃO SISTEMA OSTEOARTICULAR. A descrição associada às figuras anatômicas. será feita analisando os sistemas ostearticular, ANATOMIA DA MÃO Edie Benedito Caetano 1, João José Sabongi Neto 2, Luiz Angelo Vieira 3, Mauricio Ferreira Caeno 4 A descrição associada às figuras anatômicas será feita analisando os sistemas ostearticular,

Leia mais

ÓRTESES DE MÃOS. ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir.

ÓRTESES DE MÃOS. ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir. ÓRTESES DE MÃOS ÓRTESES: Vem da palavra grega orthos que significa corrigir. O que é Órtose: é um dispositivo utilizado para suportar, imobilizar um segmento durante a fase de recuperação, ou para corrigir

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DA MÃO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA DA MÃO Edital Exame 2015 ABCM Seguindo a normativa de regulamentação específica do Conselho Científico da Associação Médica Brasileira, datada de julho de 2007, que unifica os títulos de especialistas pela Comissão

Leia mais

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO

RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO RETALHOS LIVRES PARA O COTOVELO E ANTEBRAÇO Mário Yoshihide Kuwae 1, Ricardo Pereira da Silva 2 INTRODUÇÃO O antebraço e cotovelo apresentam características distintas quanto a cobertura cutânea, nas lesões

Leia mais

Entorse do. 4 AtualizaDOR

Entorse do. 4 AtualizaDOR Entorse do Tornozelo Tão comum na prática esportiva, a entorse pode apresentar opções terapêuticas simples. Veja como são feitos o diagnóstico e o tratamento desse tipo de lesão 4 AtualizaDOR Ana Paula

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO ESPECIALIDADES COM PRÉ-REQUISITO DE 2 ANOS DE ORTOPEDIA OU CIRURGIA PLÁSTICA 1 QUESTÃO 1 - Na figura abaixo:

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Compromisso com a Segurança

Compromisso com a Segurança Porque o desenvolvimento da inteligência e a capacidade de transformação do homem estão ligados a elas. Os dedos compridos e o polegar oposto aos outros dedos, é o que tornam esta ferramenta maravilhosa

Leia mais

É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima: 5 de supinação.

É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima: 5 de supinação. Avaliação Fisioterapêutica do Punho e da Mão Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Radioulnar Distal É

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 SILVA, Pedro Ducatti de Oliveira e 1 ; GUIMARÃES, Nilo Borges 2 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 3 ; BENETTI, Edson José 4 ; FIUZA,

Leia mais

Artrodese do cotovelo

Artrodese do cotovelo Artrodese do cotovelo Introdução A Artrite do cotovelo pode ter diversas causas e existem diversas maneiras de tratar a dor. Esses tratamentos podem ter sucesso pelo menos durante um tempo. Mas eventualmente,

Leia mais

SÍNDROME DE BANDAS DE CONSTRIÇÃO CONGÊNITAS

SÍNDROME DE BANDAS DE CONSTRIÇÃO CONGÊNITAS SÍNDROME DE BANDAS DE CONSTRIÇÃO CONGÊNITAS Ricardo Kaempf de Oliveira 1, Carlos Irisarri 2 CONCEITO A Síndrome de Bandas de Constrição Congênita (SBCC) é uma patologia rara em que se observam anéis circulares

Leia mais

Fisioterapia em cirurgia de mão

Fisioterapia em cirurgia de mão 31 R. Baccarellil L.H.S.C. Marciano Fisioterapia em cirurgia de mão A hanseníase é a doença que mais causa neuropatias periféricas. Na mão ocorrem com freqüência lesões dos nervos ulnar e mediano, que

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

A propósito de um caso clínico

A propósito de um caso clínico A propósito de um caso clínico 30 Janeiro 2014 Serviço de Ortopedia A José Caldeira Interno Ortopedia Ricardo Rocha Interno Ortopedia Pedro Lemos - Assistente Graduado Ortopedia José Inácio Assistente

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Saúde de Beja Curso de Licenciatura em Enfermagem 2º Ano / 2º Semestre U.C. Enfermagem Cirúrgica Intervenções de Enfermagem à pessoa submetida a amputação

Leia mais

Tratamento cirúrgico das feridas complexas. Surgical treatment of complex wounds

Tratamento cirúrgico das feridas complexas. Surgical treatment of complex wounds Tratamento cirúrgico das feridas complexas Surgical treatment of complex wounds Nuberto Teixeira Neto 1, Alex Chi 2, André Oliveira Paggiaro 3, Marcus Castro Ferreira 4 Teixeira Neto N, Chi A, Paggiaro

Leia mais

TRATAMENTO DAS LESÕES DE TENDÃO FLEXOR CRÔNICAS

TRATAMENTO DAS LESÕES DE TENDÃO FLEXOR CRÔNICAS TRATAMENTO DAS LESÕES DE TENDÃO FLEXOR CRÔNICAS Samuel Ribak 1 A restauração satisfatória da função digital após uma lesão crônica dos tendões flexores da mão, ainda hoje, é um desafio, pois a mão é um

Leia mais

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP

Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP INTRODUÇÃO Lesões Labrais ou Lesão Tipo SLAP Desde que os cirurgiões ortopédicos começaram a utilizar câmeras de vídeo, chamadas artroscópios, para visualizar, diagnosticar e tratar problemas dentro da

Leia mais

Resultado a curto prazo de 2 implantes diferentes

Resultado a curto prazo de 2 implantes diferentes Artroplastia total trapézio-metacarpiana. Resultado a curto prazo de 2 implantes diferentes R. CLARO (1), A. VILAÇA (1), P. NEGRÃO (2), M. TRIGUEIROS (2), C. SILVA (3) SERVIÇO DE ORTOPEDIA. HOSPITAL GERAL

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Cirurgia da Mão

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016. Cirurgia da Mão FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 Cirurgia da Mão Gabarito da Prova realizada em 22/nov/2015 A Banca Examinadora alerta que o gabarito divulgado corresponde a um

Leia mais

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco

Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Lesoes Osteoarticulares e de Esforco Dr.Roberto Amin Khouri Ortopedia e Traumatologia Ler/Dort Distúrbio osteoarticular relacionado com o trabalho. Conjunto heterogênio de quadros clínicos que acometem:

Leia mais

Arquivos Catarinenses de Medicina

Arquivos Catarinenses de Medicina Arquivos Catarinenses de Medicina ISSN (impresso) 0004-2773 ISSN (online) 1806-4280 RESUMO EXPANDIDO Experiência do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Universitário Cajuru em reconstrução de membro

Leia mais

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME:

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) A luxação

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL:

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. UPA Ortopedia

Diretrizes Assistenciais. UPA Ortopedia Diretrizes Assistenciais UPA Ortopedia Versão eletrônica atualizada em fev/2012 DIRETRIZ DE ATENDIMENTO ORTOPÉDICO NAS UNIDADES DE PRIMEIRO ATENDIMENTO (UPAs) DO HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN As Unidades

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Freqüentemente o aparecimento é bilateral. Observa-se uma predisposição genética, com evidencias do caráter familiar hereditário, embora nem todos

Freqüentemente o aparecimento é bilateral. Observa-se uma predisposição genética, com evidencias do caráter familiar hereditário, embora nem todos SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone: (53) 3233 8800 Introdução:

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR

ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR 6 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR ILUSTRAÇÕES: JOSÉ FALCETTI REDAÇÃO: PROF. RAMES MATTAR JUNIOR PROF. RONALDO J. AZZE SEMIOLOGIA DA MÃO SEMIOLOGIA DA MÃO Prof. Rames Mattar Júnior Prof.

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS

TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS República de Moçambique Ministério da Saúde Programa Nacional de Cirurgia TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Número 3 Outubro de 2001 Infecções da mão Dr. Manuel Rodrigues Simão TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Número

Leia mais

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima

Complexo do cotovelo. Diogo Barros de Moura Lima Complexo do cotovelo Diogo Barros de Moura Lima Anatomia Complexo do cotovelo Articulação umeroulnar Cotovelo Articulação umerorradial Articulação radiulnar proximal (pronação/supinação) flexão/extensão

Leia mais

PRÉ-REQUISITO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA OU CIRURGIA PLÁSTICA

PRÉ-REQUISITO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA OU CIRURGIA PLÁSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA / HOSPITAL DAS CLÍNICAS COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA / COREME RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA OU CIRURGIA

Leia mais

30 M. Virmond/ A. Goes. Prótese de silicone para o primeiro espaço interósseo

30 M. Virmond/ A. Goes. Prótese de silicone para o primeiro espaço interósseo 30 M. Virmond/ A. Goes Prótese de silicone para o primeiro espaço interósseo Ainda que esta deformidade não resulte em diminuição da funcionalidade da mão, ela acarreta severas dificuldades na área psico-social

Leia mais

Objetivo O trabalho tem objetivo de demonstrar a importância do uso de órteses em pacientes com hanseníase que possui um comprometimento neural.

Objetivo O trabalho tem objetivo de demonstrar a importância do uso de órteses em pacientes com hanseníase que possui um comprometimento neural. A UTILIZAÇÃO DE ÓRTESES EM PACIENTES COM HANSENIASE Cléocione Araújo de Moraes-cleo_moraes9@hotmail.com Natália Santos Raymundo-nathisan@bol.com.br Pedro Paulo Todareli-soupepo@hotmail.com.br Paula Sandes

Leia mais

HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO

HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO 1 HIPERFLEXÃO DO CARPO EM CÃO ADULTO RELATO DE CASO JULIANO MORELLI MARANGONI¹, RICARDO LIMA SALOMAO 2, ELZYLENE LÉGA PALAZZO 3, PAULA FERREIRA DA COSTA 3, PATRICIA NADJA DE OLIVEIRA REY 4, MARINA LAUDARES

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

Protetização. Prof.ª Dr.ª Juliana Yule

Protetização. Prof.ª Dr.ª Juliana Yule Protetização Prof.ª Dr.ª Juliana Yule Tratamento do membro residual Indivíduos que não recebem um curativo rígido ou prótese temporária usam faixas elásticas ou atrofiadores para a redução da dimensões

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Clínica Cirúrgica

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Clínica Cirúrgica Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Saúde Departamento de Clínica Cirúrgica OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS DIÉRESE, HEMOSTASIA E SÍNTESE Edevard J de Araujo eja2536@gmail.com OPERAÇÕES

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário

Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Exames Radiográficos de Membros Superiores e Cintura Escapular: Abordagem, Incidências e Posicionamentos do Usuário Marinei do Rocio Pacheco dos Santos 1 1 Considerações Iniciais As radiografias de membros

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Artroscopia do Cotovelo

Artroscopia do Cotovelo Artroscopia do Cotovelo Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo Artroscopia é uma procedimento usado pelos ortopedistas para avaliar, diagnosticar e reparar problemas dentro

Leia mais

RECONSTRUÇÃO DA REGIÃO CERVICAL E DO TERÇO MÉDIO E INFERIOR DA FACE COM RETALHO LIVRE E EXPANDIDO PARAESCAPULAR PÓS-SEQÜELA DE QUEIMADURA

RECONSTRUÇÃO DA REGIÃO CERVICAL E DO TERÇO MÉDIO E INFERIOR DA FACE COM RETALHO LIVRE E EXPANDIDO PARAESCAPULAR PÓS-SEQÜELA DE QUEIMADURA RELATO DE CASO Figueiredo JCA et al. RECONSTRUÇÃO DA REGIÃO CERVICAL E DO TERÇO MÉDIO E INFERIOR DA FACE COM RETALHO LIVRE E EXPANDIDO PARAESCAPULAR PÓS-SEQÜELA DE QUEIMADURA Reconstruction of neck and

Leia mais

011 ESTABELECIDO EM 10/11/2006

011 ESTABELECIDO EM 10/11/2006 Protocolo para Tratamento da Fratura-luxação Trans-escafoperisemilunar do Carpo e da Luxação Perisemilunar do Carpo 011 ESTABELECIDO EM 10/11/2006 ÚLTIMA REVISÃO EM 31/08/2009 NOME DO TEMA \\ Protocolo

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 42. No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 42 QUESTÃO 26 No 3º mês de vida, a criança mantém a cabeça contra a gravidade na postura prono por várias razões, EXCETO: a) Alteração do posicionamento dos membros superiores.

Leia mais

RETALHOS INTRANASAIS EM RECONSTRUÇÃO DO FORRO NASAL INTRANASAL FLAPS IN LINING RECONSTRUCTION

RETALHOS INTRANASAIS EM RECONSTRUÇÃO DO FORRO NASAL INTRANASAL FLAPS IN LINING RECONSTRUCTION RETALHOS INTRANASAIS EM RECONSTRUÇÃO DO FORRO NASAL INTRANASAL FLAPS IN LINING RECONSTRUCTION WEISSHEIMER, Leonardo *; VILLELA, Gabriele Miotto*; RUSCHEL, Felipe Fernandes*; FERREIRA, Marcelo Tonding*;

Leia mais

Sutura elástica - uma alternativa para grandes perdas cutâneas

Sutura elástica - uma alternativa para grandes perdas cutâneas Ideias e Inovações SOCIEDADE BrASIlEIrA DE CIrurgIA plástica Brazilian Society of PlaStic Surgery Sutura elástica - uma alternativa para grandes perdas cutâneas Elastic suture: an alternative for extensive

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA DISSECAÇÃO DA APONEUROSE PLANTAR PARA MELHOR COMPREENÇÃO DA FASCEÍTE PLANTAR E ESTUDO DE NOVAS FORMAS DE TRATAMENTO 1

IMPORTÂNCIA DA DISSECAÇÃO DA APONEUROSE PLANTAR PARA MELHOR COMPREENÇÃO DA FASCEÍTE PLANTAR E ESTUDO DE NOVAS FORMAS DE TRATAMENTO 1 IMPORTÂNCIA DA DISSECAÇÃO DA APONEUROSE PLANTAR PARA MELHOR COMPREENÇÃO DA FASCEÍTE PLANTAR E ESTUDO DE NOVAS FORMAS DE TRATAMENTO 1 SANTOS, Danillo Luiz 1 ; PEREIRA, Thatiany de Castro 2 ; CAMPOS, Adriana

Leia mais

CORREÇÃO CIRURGICA DAS HIPERTROFIAS DO LÓBULO DA ORELHA

CORREÇÃO CIRURGICA DAS HIPERTROFIAS DO LÓBULO DA ORELHA CORREÇÃO CIRURGICA DAS HIPERTROFIAS DO LÓBULO DA ORELHA DR. LINNEU M. SILVEIRA Cirurgião do Asilo-Colonia Pirapitingui'. Assistente da cadeira de Técnica Operatória e Cirurgia Experimental da Escola Paulista

Leia mais

Lesão Meniscal. Projeto Diretrizes. Autoria: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia

Lesão Meniscal. Projeto Diretrizes. Autoria: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Lesão Meniscal Autoria: Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Elaboração Final: 1 de setembro de 2008 Participantes: Fontenelle CRC, Abreu AV, Albuquerque RP O Projeto Diretrizes, iniciativa

Leia mais

AMPUTAÇÕES. Principais tipos de amputação para membro inferior. Falangectomia. Amputação transmetatársica (diáfise do metatarso).

AMPUTAÇÕES. Principais tipos de amputação para membro inferior. Falangectomia. Amputação transmetatársica (diáfise do metatarso). AMPUTAÇÕES 1. Indicações. Uma perda irreparável do aporte sanguíneo de um membro doente ou lesionado é a única indicação absoluta para a amputação, independentemente de todas as outras circunstancias.

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DA ARTICULAÇÃO FEMOROTIBIOPATELAR EM CÃES POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DOS IMPLANTES TIGHTROPE

ESTABILIZAÇÃO DA ARTICULAÇÃO FEMOROTIBIOPATELAR EM CÃES POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DOS IMPLANTES TIGHTROPE ESTABILIZAÇÃO DA ARTICULAÇÃO FEMOROTIBIOPATELAR EM CÃES POR MEIO DA UTILIZAÇÃO DOS IMPLANTES TIGHTROPE Bruna Yumi Sakamoto 1 ; Lisiane Zaniboni 1 ; Claudia Russo 2 RESUMO: A ruptura do ligamento cruzado

Leia mais

Reparação de defeitos parciais do nariz após excisão tumoral

Reparação de defeitos parciais do nariz após excisão tumoral REPARAÇÃO DE DEFEITOS PARCIAIS DO NARIZ... Jaeger et al. Reparação de defeitos parciais do nariz após excisão tumoral Repair of partial nose defects after tumor excision Marcos Ricardo de Oliveira Jaeger

Leia mais

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR www.cesarmar)ns.com.br INCIDÊNCIA - 5-10% (Harner, 1997) - Freq. não diagnosticada ( Shelbourne, 1997) - + de 90% são associadas a outros lig. - Lesões LCM afastar

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

1.1 NOME 1.2 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO JULIO ALBERTO SONCINI. Filiação: Alberto Oswaldo Soncini e Maria Jenny D. Soncini

1.1 NOME 1.2 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO JULIO ALBERTO SONCINI. Filiação: Alberto Oswaldo Soncini e Maria Jenny D. Soncini 1.1 NOME JULIO ALBERTO SONCINI Filiação: Alberto Oswaldo Soncini e Maria Jenny D. Soncini Data de nascimento: 18 de outubro de 1957. Naturalidade : São Paulo- SP Nacionalidade: Brasileira. 1.2 DADOS DE

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR

ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR 4 ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR ILUSTRAÇÕES: JOSÉ FALCETTI REDAÇÃO: PROF. RAMES MATTAR JUNIOR PROF. RONALDO J. AZZE LESÃO DO APARELHO EXTENSOR LESÃO DO APARELHO EXTENSOR REIMPLANTE

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da

Dados Pessoais: História social e familiar. Body Chart. Questões especiais Exames Complementares Rx (23/08/2012) placa de fixação interna a nível da Dados Pessoais: Nome: M. Idade: 29 Morada: Contacto: Médico: Fisioterapeuta: Profissão: Técnica de comunicação Diagnóstico Médico: Síndrome de Kienbock História Clínica: 2009-1 mês após uma mudança de

Leia mais

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo

Oncologia. Oncologia. Oncologia 16/8/2011 PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS. Patologia. Onkos tumor. Logia estudo PRINCÍPIOS DA CIRURGIA ONCOLÓGICA EM CÃES E GATOS Onkos tumor Logia estudo Oncologia - Estudo das neoplasias em toda sua extensão, investigando o processo patológico desordenado e incontrolável de proliferação

Leia mais

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR

Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Diretrizes Assistenciais TRAUMA RAQUIMEDULAR Versão eletrônica atualizada em fev/2012 Março - 2009 1. Conceito, Etiologia e Epidemiologia 1. Trauma raquimedular é a lesão da medula espinhal que provoca

Leia mais

LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES

LEIA, COM ATENÇÃO, AS SEGUINTES INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PROCESSO SELETIVO UNIFICADO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016/2 Grupo H: Pré-Requisito: Cirurgia Plástica ou Ortopedia e Traumatologia Especialidade: Cirurgia de Mão BOLETIM DE

Leia mais

VERSATILIDADE DO RETALHO LATERAL DO BRAÇO MICROCIRÚRGICO

VERSATILIDADE DO RETALHO LATERAL DO BRAÇO MICROCIRÚRGICO RTIGO ORIGINL Retalho lateral do braço microcirúrgico em reconstruções complexas VERSTILIDDE DO RETLHO LTERL DO BRÇO MICROCIRÚRGICO EM RECONSTRUÇÕES COMPLEXS Versatility of free lateral arm flap in complex

Leia mais

Management of fingertip injuries

Management of fingertip injuries CONDUT RTIGO DE DS REVISÃO LESÕES D EXTREMIDDE... raga Silva et al. Conduta das lesões da extremidade distal dos dedos RESUMO Management of fingertip injuries clínica, o diagnóstico e as possibilidades

Leia mais

Estudo da mobilização precoce no pós-operatório da tendinopatia flexora da mão

Estudo da mobilização precoce no pós-operatório da tendinopatia flexora da mão Estudo da mobilização precoce no pós-operatório da tendinopatia flexora da mão (Study of the early mobilization in the post-operative flexor tendinopathy of the hand) Thiago Santos Tavares 1 ; Paulo Autran

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

HALLUX FLEXUS APÓS FRATURA DOS OSSOS DA PERNA CASO RARO DE ENCARCERAMENTO DO TENDÃO DO FLEXOR HALLUCIS LONGUS

HALLUX FLEXUS APÓS FRATURA DOS OSSOS DA PERNA CASO RARO DE ENCARCERAMENTO DO TENDÃO DO FLEXOR HALLUCIS LONGUS Portuguese Journal of Orthopaedics and Traumatology 105 SOCIEDADE PORTUGUESA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Rev Port Ortop Traum 23(1): 105-111, 2015 CASO CLÍNICO HALLUX FLEXUS APÓS FRATURA DOS OSSOS DA

Leia mais

NARIZ. TUDO sobre. cirurgia de

NARIZ. TUDO sobre. cirurgia de TUDO sobre cirurgia de NARIZ Entenda como deve ser feito o planejamento de uma cirurgia de nariz, quais as técnicas mais indicadas, como funciona o procedimento cirúrgico e o processo de recuperação SUMÁRIO

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

41 F. Duerksen. Amputação e reabilitação do amputado

41 F. Duerksen. Amputação e reabilitação do amputado 41 F. Duerksen Amputação e reabilitação do amputado Em qualquer programa que trate pacientes de hanseníase, encontraremos um grande número de amputados e outros tantos necessitando uma amputação. Se levarmos

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE:

O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE: PORTARIA N 42/MS/SAS DE 17 DE MARÇO DE 1994 O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1. Estabelecer os procedimentos de Alta Complexidade da área de Ortopedia. constantes

Leia mais

RETALHO SURAL DE FLUXO REVERSO EM ILHA

RETALHO SURAL DE FLUXO REVERSO EM ILHA RTIGO ORIGINL Retalho sural de fluxo reverso em ilha RETLHO SURL DE FLUXO REVERSO EM ILH Reverse flow sural artery flap LÚCIO FLÁVIO MNET MRTINS ELÉM 1, JOSÉ CESÁRIO D SILV LMD LIM 2, FELIPE PCHECO MRTINS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE FISIOTERAPIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOTERAPIA TRAUMATO-ORTOPÉDICA TRATAMENTO CINÉTICO FUNCIONAL DAS PATOLOGIAS DO COMPLEXO ANTEBRAÇO, PUNHO E MÃO

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA REGIONAL MINAS GERAIS AUTORIZAÇÃO DE TRATAMENTO Eu,, identidade autorizo o Dr. Jorge Antônio de Menezes, médico cirurgião plástico, membro associado da Sociedade

Leia mais

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli

O COMPLEXO DO OMBRO TENDINITE DE OMBRO. Dra. Nathália C. F. Guazeli 3 Março/2013 TENDINITE DE OMBRO Dra. Nathália C. F. Guazeli GALERIA CREFITO 3 / 78.186 F O COMPLEXO DO OMBRO Para entender o que é Tendinite de Ombro, vale a pena conhecer um pouquinho como ele é composto,

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais