TRANSPLANTE ÓSSEO: ASPECTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSPLANTE ÓSSEO: ASPECTOS"

Transcrição

1 TRANSPLANTE ÓSSEO: ASPECTOS LEGAIS PARA A REFLEXÃO DA PRÁTICA EM ENFERMAGEM Atualidades BONE TRANSPLANT: LEGAL ASPECTS FOR REFLECTION IN NURSING PRACTICE Alessandra Mazzo Caldonha * Miyeko Hayashida ** Isabel Amélia Costa Mendes *** RESUMO: Este estudo de reflexão traça algumas considerações acerca da existência e funcionamento de Banco de Ossos tendo por base a legislação existente no país e a literatura disponível. Destaca aspectos inquietantes relacionados à adequação ética e legal dos serviços às normas que dispõem sobre a realização de transplantes ósseos, bem como da participação do enfermeiro na organização e funcionamento de serviços que executam os procedimentos de captação, processamento, estocagem e distribuição dos tecidos ósseos utilizados em enxertos. Palavras-chave: Enfermagem; transplante; cirurgia; osso. ABSTRACT: This reflexive study presents some considerations about the existence and functioning of bone banks, based on present Brazilian legislation and available literature. Some worrying aspects about these services ethical and legal compliance with standards for bone transplant procedures, as well as about nurses participation in the organization and functioning of the services that collect, process, store and distribute the bone tissue used in transplants, are highlighted. Keywords: Nursing; transplant; surgery; bone. INTRODUÇÃO O processo de regulamentação, bem como os procedimentos adotados para doação, captação, armazenamento e recepção de ossos nos hospitais dotados de serviços de Banco de Ossos foram abordados em outro estudo 1, quando se ressaltou a importância do conhecimento acerca dos aspectos legais que regulamentam o seu funcionamento. No âmbito legal, entende-se por Banco de Tecidos Musculoesqueléticos o serviço que contenha instalações físicas, recursos materiais e humanos adequados e que seja responsável pela captação, triagem, coleta, identificação, processamento, estocagem e distribuição de tecidos musculoesqueléticos de procedência humana, com finalidade terapêutica ou científica 2. Há autores 3 que consideram adequada a escolha da palavra banco, pelo seu significado: agrega vários depósitos para um fundo comum, embora nem sempre o depositante seja um dos beneficiários, mas contribui para aqueles que necessitam dele. Na atualidade, o Banco de Tecidos Musculoesqueléticos, que passaremos a denominar como Banco de Ossos, pode ser considerado um dos serviços mais requisitados em ortopedia, dada a sua importância na realização de técnicas cirúrgicas aprimoradas de enxertia. A literatura aponta para um crescente índice de utilização de enxertos em ortopedia, com indicações variadas como reposição de perdas R Enferm UERJ 2006 abr/jun; 14(2): p.287

2 Transplante ósseo ósseas, revisões de artroplastia e ressecções de tumores ósseos 4, enxertos ósseos em artroplastia de quadril 5, 6 e em cirurgias de coluna 7,8. Em curto prazo, a manutenção de um serviço de Banco de Ossos passará a ser considerado imprescindível em locais onde se realizam intervenções ortopédicas que requeiram estoque de grandes quantidades e diversificadas formas anatômicas desse material 9. Com o domínio do manuseio e a conquista da qualidade do aloenxerto muitos pacientes poderão beneficiar-se utilizando os materiais armazenados em bancos de tecidos no seu tratamento 10. Desde a sua implantação nos hospitais nacionais, os Bancos de Ossos passaram por uma série de modificações. Os registros na literatura nacional demonstram que tais Bancos normalmente funcionam acoplados a um hospital universitário de grande porte e ligados a uma estrutura maior, o Banco de Tecidos 3,4,9, É importante destacar que só a implantação do Banco de Ossos e sua regulamentação não são suficientes para a realização dos transplantes ósseos; é preciso ainda obter o registro junto à Coordenação Nacional de Transplantes 15. No território nacional, oficialmente há registro de seis Bancos de Ossos cadastrados, sendo três na cidade de São Paulo, um na cidade do Rio de Janeiro, um em Florianópolis e um em Curitiba 16. Especificamente no Estado de São Paulo, em estudo 1 realizado em 2002, obteve-se a informação de que 10 hospitais gerais (13% dos hospitais que responderam ao questionário enviado), acima de 100 leitos, realizavam transplantes ósseos. Desses, dois forneceram a informação posterior, que investigava as condições de funcionamento de Banco de Ossos, mas que não possuíam esse serviço e oito não responderam. Os resultados podem indicar que alguns hospitais realizam o transplante ósseo, mas não contam com serviços estruturados e regulamentados nos moldes estabelecidos para o funcionamento de Banco de Ossos. Frente ao exposto, alguns aspectos podem ser considerados inquietantes, desencadeando questionamentos, especialmente no que diz respeito ao conhecimento dos profissionais sobre os aspectos técnicos e ético-legais que regulamentam os serviços que utilizam enxertos ósseos. Os objetivos deste estudo são apresentar uma reflexão e tecer algumas considerações sobre a inserção do enfermeiro frente aos aspectos legais do funcionamento de Banco de Ossos; e divulgar a legislação existente no país acerca da implantação e funcionamento de Banco de Ossos, especialmente para despertar ou subsidiar as ações dos profissionais de enfermagem atuantes na área. METODOLOGIA Trata-se de um estudo de atualidade que apresenta uma reflexão sobre a inserção do enfermeiro em serviço de Banco de Ossos, tendo como base a legislação que regulamenta o seu funcionamento. A legislação existente em âmbito nacional e utilizada como material de referência para o desenvolvimento do estudo foi extraída da base de dados da pesquisa sobre a Enfermagem em Banco de Ossos: da implantação à assistência 1. A legislação consultada contempla inclusive as especificações dos aspectos técnicos e ético-legais referentes ao doador cadáver, doador vivo, assinatura do termo de orientação e doação, receptor, registros, preservação e acondicionamento de tecidos ósseos. A legislação que trata sobre a manipulação de enxertos ósseos foi composta por: -Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de , que dispõe sobre a remoção de órgãos e tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências; -Decreto Lei nº 2.268, de 30 e junho de , que regulamenta a Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências; -Portaria nº 3.407, de 5 de agosto de , que aprova o regulamento técnico sobre as atividades de transplantes e dispõe sobre a Coordenação Nacional de Transplantes (contém os requerimentos de autorização para os estabelecimentos e equipes realizarem enxerto de tecido ósteocondro-fascio-ligamentoso); -Portaria nº 904, de 16 de agosto de , que regulamenta o funcionamento e cadastramento dos bancos de tecidos ósteo-fásciocondro-ligamentosos, com o intuito de garantir a qualidade dos padrões técnicos e de qualidade que a complexidade do procedimento requer; -Portaria nº 1.686, de 20 de setembro de , que revoga a Portaria nº 904, de 16 de agosto de 2000, considera a necessidade da utiliza- p.288 R Enferm UERJ 2006 abr/jun; 14(2):

3 ção, a qualidade do processo de captação, estocagem, armazenamento e implantação e estabelece normas para regulamentar os bancos de tecidos músculo-esqueléticos. A INSERÇÃO DO ENFERMEIRO NOS SERVIÇOS DE TRANSPLANTES ÓSSEOS E OS ASPECTOS LEGAIS VIGENTES Do ponto de vista prático, a regulamentação não esgotou a discussão, pelo contrário, trouxe mais desafios para os profissionais que atuam na área, em especial para a enfermagem. Como os enxertos ósseos são procedimentos realizados em centro cirúrgico, acreditamos que o enfermeiro deva conhecer a legislação para instrumentalizar e questionar sobre a sua participação no processo de instalação e funcionamento dos Bancos de Ossos. A falta de conhecimento acerca dos aspectos determinados por forças legais pode levar os profissionais de saúde a participarem involuntariamente de infrações ético-legais e até mesmo em conflitos internos institucionais. Conforme dados contidos no texto sobre a Captação de Órgãos 20, o país conta atualmente com uma lista de espera de órgãos de mais de 25 mil pessoas. Ao acrescer os pacientes à espera de um enxerto ósseo não incluídos nesse número, é possível dimensionar a expectativa de demanda para os serviços dessa natureza. O processo de captação e doação de ossos não difere dos demais órgãos, e como tal deve ser encarado com a mesma seriedade e respeito às normas ético-legais que requerem o processo de transplante de órgãos. Como enfermeiros, é desejável que tenhamos conhecimento da legislação específica e das implicações éticas e legais que envolvem os procedimentos, uma vez que as ações técnicas e humanas que abarcam os transplantes comprometem o resultado final do trabalho desenvolvido pelos profissionais que atuam na equipe. Concordamos com a proposta de que o profissional de enfermagem deve abandonar a ignorância ético-profissional-legal de cidadania e assumir o papel de responsabilidade perante a sociedade que espera ser assistida com dignidade, ética e humanidade 21:7. A oportunidade de envolvimento com equipes variadas, num ambiente extremamente dinâmico como o do centro cirúrgico, fornece ao enfermeiro uma riqueza de situações e experiências diferenciadas na assistência e na administração do serviço, o que poderá conferir-lhe conhecimento e capacidade técnico-operacional para elaborar e implementar projetos de implantação de Banco de Ossos. Em geral, pelas suas próprias características profissionais, o enfermeiro é inovador nas suas ações e dotado de espírito empreendedor. Assim, com o domínio do conhecimento da técnica, da legislação e dos aspectos éticos e legais torna-se o profissional mais indicado para responder pela organização e funcionamento de Banco de Ossos, o que encontra respaldo na literatura 4, No aspecto formal, o profissional enfermeiro foi pela primeira vez inserido na equipe do Banco de Tecidos do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo apenas em 1998, quando o serviço foi reestruturado, com a proposta de atuação efetiva em todas as etapas: captação, processamento, estocagem e distribuição dos aloenxertos 4. O atendimento às determinações da Portaria nº e Portaria nº torna árduo o processo de legalização do Banco de Ossos, exigindo mais do que competência administrativa. Assim, consideramos importante que os profissionais de saúde recebam preparo para tais empreendimentos nos cursos de formação, pois na prática há muita cobrança e exigência de conhecimentos ético-legais, desconhecidos para muitos envolvidos nesse tipo de assistência. Como enfermeiros, participando da assistência em todas as suas dimensões e especificidades, é desejável a busca pelo conhecimento e recursos necessários para enfrentar tal responsabilidade. Há relato na literatura apontando que os Bancos de Ossos e os transplantes ósseos têm sido impulsionados pelo trabalho do enfermeiro 4,22,26. Há que se ressaltar que, embora fazendo parte efetivamente da equipe, o enfermeiro também não é mencionado na Portaria nº que regulamenta o funcionamento dos Bancos de Ossos no país, assim como na Portaria nº que trata das atividades relacionadas aos transplantes e dispões sobre a Coordenação Nacional de Transplantes. Acreditamos que haja evidências de que o enfermeiro participa efetivamente das ações dos Bancos de Ossos, bem com das Organizações de Procura de Órgãos e Centrais de Transplantes, R Enferm UERJ 2006 abr/jun; 14(2): p.289

4 Transplante ósseo uma vez que marca sua presença em discussões sobre o tema em cursos e eventos científicos. Assim, urge a necessidade de regulamentar a sua inclusão, pois desconhecemos pronunciamento oficial dos órgãos de classe que trate da participação do enfermeiro nas ações específicas de um Banco de Ossos. CONSIDERAÇÕES FINAIS Acreditamos que o acesso ao conteúdo expresso na legislação do país seja o primeiro passo em busca do estabelecimento de padrões mínimos em termos de qualidade da assistência prestada nos serviços de Banco de Ossos. Paralelamente, somos concordantes com a idéia de que os órgãos de classe reivindiquem a nossa representação nos serviços, nos quais muitas vezes assumimos a responsabilidade técnica, porque detemos o conhecimento, mas não temos o reconhecimento formal da responsabilidade das atividades prestadas por um serviço de tal complexidade como o Banco de Ossos. É igualmente desejável que essa discussão também ocorra no âmbito interno das instituições, que atentem para os aspectos legais do funcionamento dos serviços para que o enfermeiro não assuma a responsabilidade administrativa na ilegalidade. De nossa parte, cabe-nos a iniciativa de desenvolver cada vez mais o tema, investindo em pesquisas que mostrem a realidade e proponham soluções para intervir de tal forma que possa aproximá-la das determinações legais vigentes. Aos enfermeiros que atuam em serviços que realizam ou pretendam realizar tratamento cirúrgico de patologias osteo-articular, chamamos sua atenção para a necessidade de consultar os conteúdos da Portaria nº , Lei , Decreto Lei nº e principalmente da Portaria nº , referente às normas para cadastramento dos serviços e especialmente às exigências quanto à equipe técnica, instalações físicas, equipamentos, controle de qualidade, alteração de local de instalação e renovação de licença de funcionamento. REFERÊNCIAS 1. Caldonha AM. Enfermagem empreendedora Banco de Ossos: da implantação à assistência [tese de douorado]. Ribeirão Preto (SP): Universidade de São Paulo; Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.686, de 20 de setembro de Aprova normas para a autorização de funcionamento e cadastramento de Banco de tecidos músculo-esqueléticos. Brasília (DF): Ministério da Saúde, Carvalho ET, Batalha ESC, Andreucci M. Emprego de ossos conservado em cirurgia ortopédica: banco de osso. Acta Ortop Brás. 1996; 4(1): Giovani AMM et al. Captação e processamento de tecidos para transplantes ósseos: um novo desafio de atuação do enfermeiro. Nursing; 2000; 3(21): Alencar PG et al. Uso de enxerto autólogo de cabeça femural em artroplastia total de quadril primária. Rev Bras Ortop. 1999; 34(9/10): Rondinelli PC, Cabral FP, Freitas EH, Penedo JL, Silveira SLC, Medina BT. Cirurgia de revisão na artroplastia do quadril com utilização de enxerto de Banco de Ossos. Rev.Bras Ortop.1993; 28(6): Sarwat AM, Brien JPO, Renton P, Sutcliffe JC. The use of allograft (and avoidance of autograft) in anterior lumbar interbody fusion: a critical analysis. Eur Spine J. 2001; 10: Malinin TI, Brown MD. Bone allografts in spinal surgery. Clin Orthop and Related Reserc. 1981; 15 (4): Roos MV, Camisa Jr A, Michelin AF. Procedimentos de um Banco de Ossos e a aplicabilidade dos enxertos por ele proporcionados. Acta Ortop Bras. 2000; 8(3): Amatuzzi MA. Banco de tecidos: estruturação e normatização. Rev Bras Ortop.2000; 35(5): Feofiloff ET, Garcia RJ. Técnicas de obtenção, processamento, armazenamento e utilização de homoenxertos ósseos: protocolo do Banco de Ossos da Escola Paulista de Medicina. Rev Bras Ortop.1996; 31(11): Rondinelli PC, Cabral FP, Freitas EH, Penedo JL, Leite JEL, Silveira SLC. Rotina de Banco de Ossos do Hospital de Traumato-Ortopedia (HTO-RJ). Rev Bras Ortop. 1994; 29(6): Fazzi A. Banco de osso: da obtenção, preparo, conservação e utilização do enxerto ósseo congelado resultado de 239 casos [tese de doutorado]. São Paulo: Universidade de São Paulo; Biagini S. Padronização da rotina operacional em Banco de Ossos realizada por um serviço hemoterápico: propostas de elaboração de normas. Rev Bras Ortop.1999; 34(6): Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3.407, de 5 de agosto de Aprova regulamento técnico sobre as atividades de transplantes e dispõe sobre a Coordenação Nacional de Transplantes. Brasilia (DF): Ministério da Saúde; Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos. Registro Brasileiro de Transplantes-RBT. 2001; 7 (4): Ministério da Saúde (BR). Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. Brasília (DF): Ministério da Saúde, Ministério da Saúde (BR). Decreto lei nº 2.268, de 30 de junho de Regulamenta a lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. Brasília (DF): Ministério da Saúde; p.290 R Enferm UERJ 2006 abr/jun; 14(2):

5 19. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 904, de 16 de agosto de Regulamenta o funcionamento e cadastramento do banco de tecido ósteo-fáscio-condroligamentoso. Brasília (DF): Ministério da Saúde; Conselho Regional de Enfermagem (SP). Captação de órgãos: a vida continua. Rev COREN-SP. 2001; 3 (5): Leifert RMC. Negligência e conivência. uma reflexão sobre as perigosas armadilhas para os profissionais de enfermagem. Rev COREN-SP. 2002; 4 (Edição especial): Piasecki PA. The nursing role in limb salvage surgery. Nurs Clin North America 1991; 26(1): Patton JG. Looking for guarantees. Holist Nurs Pract. 1995; 9(3): Aho AJ, Hirn M; Aro HT; Heikkila JT; Meurman O. Bone bank service in Finland. Acta Orthop. Scand. 1998; 69: Nather A. Organization, operational aspects and clinical experience of National University of Singapore Bone Bank. Ann Acad Med. 1991; 20: Nather A. Bone banking and transplantation in developing countries. Transplantation Proceedings, 1992; 24(5): TRASPLANTE ÓSEO: ASPECTOS LEGALES PARA REFLEXIÓN DE LA PRÁCTICA EN ENFERMERÍA RESUMEN: Este estudio reflexivo traza algunas consideraciones acerca de la existencia y del funcionamiento de banco de huesos con base en la legislación existente en Brasil y la literatura disponible. Destaca aspectos inquietantes relacionados a la adecuación ética y legal de esos servicios a las normas sobre la realización de trasplantes óseos, y también sobre la participación del enfermero en la organización y en el funcionamiento de servicios que ejecutan los procedimientos de captación, procesamiento, almacenamiento y distribución de los tejidos óseos utilizados en injertos. Palabras Clave: Enfermería; trasplante; cirugía; hueso. Recebido em: Aprovado em: Notas * Enfermeira. Doutora em Enfermagem Fundamental pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-USP (EERP-USP). Enfermeira do Centro Cirúrgico do Hospital São Francisco, Ribeirão Preto-SP. Docente do Centro Universitário Claretiano de Batatais-SP. ** Enfermeira. Doutora em Enfermagem Fundamental. Chefe da Seção de Apoio Laboratorial da EERP-USP. *** Enfermeira. Professora Titular e Diretora da EERP-USP. Centro Colaborador da OMS para o desenvolvimento da pesquisa em enfermagem. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto-USP. Avenida Bandeirantes, 3900 Campus USP Ribeirão Preto SP. E- mail: R Enferm UERJ 2006 abr/jun; 14(2): p.291

RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. RESOLUÇÃO CONSEPE 75/2006 APROVA O REGULAMENTO DA ESTRUTURAÇÃO DO BANCO DE DENTES HUMANOS, DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

REBEn. produção científica da enfermagem brasileira

REBEn. produção científica da enfermagem brasileira Revista Brasileira de Enfermagem REBEn REVISÃO PESQUISA Doação e transplante de órgãos: produção científica da enfermagem brasileira Organ donation and transplantation: Brazilian nursing publications Donación

Leia mais

REFLEXIONES - ENSAYOS

REFLEXIONES - ENSAYOS REFLEXIONES - ENSAYOS EVOLUÇÃO DAS CENTRAIS DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO: HISTÓRIA, ATUALIDADES E PERSPECTIVAS PARA A ENFERMAGEM EVOLUCIÓN DE LAS CENTRALES DE MATERIAL Y ESTERILIZACIÓN: HISTORIA, ACTUALIDAD

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 073/2011 Assunto: Responsabilidade pelo Controle, Guarda e Dispensação de Medicamentos de Pesquisa Clínica. 1. Do fato Solicitado parecer sobre o controle, guarda e dispensação

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

Portaria nº 1.117, DE 01 DE AGOSTO DE 2001.

Portaria nº 1.117, DE 01 DE AGOSTO DE 2001. Portaria nº 1.117, DE 01 DE AGOSTO DE 2001. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE:

O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE: PORTARIA N 42/MS/SAS DE 17 DE MARÇO DE 1994 O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1. Estabelecer os procedimentos de Alta Complexidade da área de Ortopedia. constantes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 027 / 2011 Assunto: Autotransfusão intra-operatória. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem na autotransfusão intra-operatória.

Leia mais

Treinamento com foco no faturamento assistencial: uma inovação no serviço de educação continuada

Treinamento com foco no faturamento assistencial: uma inovação no serviço de educação continuada ARTIGO ORIGINAL / RESEARCH REPORT / ARTÍCULO ORIGINAL Treinamento com foco no faturamento assistencial: uma inovação no serviço de educação continuada Training with a focus in assistance invoicing: an

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO. Capítulo I REGIMENTO INTERNO Capítulo I Da constituição, localização, finalidade e missão da Comissão Intra- Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes Art. 1º A Comissão Intra-Hospitalar de Doação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

UTILIZAÇÃO DAS TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO SOBRE ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM TREVIZAN, M.A.; MENDES, I.A.C.; GALVÃO, C.M.; SAWADA, N.O. Utilização das teorias administrativas na produção do conhecimento sobre administração em enfermagem. Rev. Bras. Enf, v.44, n.4, p.36-40, 1991.

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014

PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 PARECER COREN-SP GAB n 010/2011 PRCI 107.590 Revisão e atualização em 2014 Ementa: Realização de testes prétransfusionais por profissionais de Enfermagem. 1. Do fato Enfermagem. Solicitado parecer sobre

Leia mais

O enfermeiro assistencial e educador em uma unidade de transplante renal: uma questão desafiadora

O enfermeiro assistencial e educador em uma unidade de transplante renal: uma questão desafiadora REVISIONES O enfermeiro assistencial e educador em uma unidade de transplante renal: uma questão desafiadora El enfermero asistencial y educador en una unidad de trasplante renal: un desafío *de Oliveira

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º.

REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos capítulo III 1º. REGIMENTO INTERNO Da constituição, localização, finalidade e missão do Banco de Olhos O Banco de Olhos da Santa Casa de Campo Grande é constituído de uma estrutura administrativa, conforme o capítulo III

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 051 / 2010 Assunto: Colocação da faixa Esmarch pelo Auxiliar/Técnico de Enfermagem 1. Do fato Solicitado parecer por auxiliar de enfermagem quanto à colocação da faixa de Esmarch

Leia mais

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ Através do presente sintetizamos as exigências legais previstas

Leia mais

Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes

Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes 2. Gestão dos Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes O Ministro da Saúde assinou hoje (21/10/2009) o novo Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Veja aqui os pontos

Leia mais

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS

TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS câncer. 3 Atualmente, fatores como envelhecimento populacional, intenso processo de TRANSFUSÃO DE HEMOCOMPONENTES: CUIDADOS PRIORITÁRIOS DE ENFERMAGEM EM IDOSOS João Evangelista da Costa - UFRN. hevan33@oi.com.br

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014

PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 PARECER CT COREN-SP 043 /2013 PRCI n 100.988 Tickets nº 280.394, 280.449, 286. 884, 297.386, 299.915 Revisão e atualização em Junho de 2014 Ementa: Passagem, cuidados e manutenção de PICC e cateterismo

Leia mais

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006

RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 Página 1 de 5 Publicado Portal do Cofen - Conselho Federal de Enfermagem (http://site.portalcofen.gov.br) Início > RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 - REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 306/2006 RESOLUÇÃO COFEN-200/1997 -

Leia mais

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM COMO DEFINIR E APLICAR A POLÍTICA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Julho/ 2011 Definição de Política: Como Definir e Aplicar a Política da Assistência de Enfermagem - Conjunto dos fenômenos e das práticas

Leia mais

Prevalência de marcadores microbiológicos em tecido ósseo de doadores e cadáveres do Banco de Tecidos Musculoesqueléticos de Passo Fundo

Prevalência de marcadores microbiológicos em tecido ósseo de doadores e cadáveres do Banco de Tecidos Musculoesqueléticos de Passo Fundo rev bras ortop. ;49(4):8 9 www.rbo.org.br Artigo Original Prevalência de marcadores microbiológicos em tecido ósseo de doadores e cadáveres do Banco de Tecidos Musculoesqueléticos de Passo Fundo Bruno

Leia mais

DO FIM AO RENASCIMENTO

DO FIM AO RENASCIMENTO Foto: Arquivo Sistema de Procura de Órgãos e Tecidos do Hospital das Clínicas (SPOT-HC) DO FIM AO RENASCIMENTO A MORTE DE UNS PODE SALVAR A VIDA DE OUTROS QUE ESTÃO EM RISCO 6 Não há lado bom quando uma

Leia mais

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP Andréa Tamancoldi Couto Enfermeira chefe de seção Centro Cirúrgico

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.055, DE 2004 (Apensados Projetos de Lei nº 4.555, de 2004, e nº 7.216, de 2006) Cria o Programa Nacional de Coleta, Armazenamento,

Leia mais

PARECER COREN-SP 002/2015 CT Processo nº 5334/2014

PARECER COREN-SP 002/2015 CT Processo nº 5334/2014 PARECER COREN-SP 002/2015 CT Processo nº 5334/2014 Ementa: Prescrição de coberturas para tratamento de feridas por Enfermeiro 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre prescrição de coberturas/correlatos

Leia mais

Cinthia P. Vigna 1 ; Marcia G. Perroca 2. Resumo

Cinthia P. Vigna 1 ; Marcia G. Perroca 2. Resumo ARTIGO ORIGINAL Utilização de sistema de classificação de pacientes e métodos de dimensionamento de pessoal de enfermagem The use of patient classification system and methods for nursing staff dimensioning

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 9 Família Lima. Fundamentação Teórica: Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva CASO COMPLEXO 9 Família Lima : Consulta de enfermagem na Saúde Coletiva Eliana Campos Leite Saparolli A consulta de enfermagem é uma atividade privativa do enfermeiro respaldada pela atual legislação do

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1

CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 CAPTAÇÃO DE ALUNOS DO CURSO DE ENFERMAGEM PARA DOAÇÃO DE SANGUE FRENTE A CARÊNCIA VIVENCIADA 1 BENDER, Leticia Silmara 2 ; MARZARI, Carla 3 ; MENEGAZZI, Bruna Boff 4 ; NEVES, Bruna Sartori 5 ; QUADROS,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização JOURNAL OF SPECIALIZED NURSING CARE

Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização JOURNAL OF SPECIALIZED NURSING CARE NEPAE-NESEN Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização JOURNAL OF SPECIALIZED NURSING CARE 2008 Cuidados Intensivos Métodos Dialíticos e Transplante COORDENAÇÃO/EDITORIA Prof. Dra. Isabel Cruz isabelcruz@uol.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 270 de 24 de junho de 1999

MINISTÉRIO DA SAÚDE. SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 270 de 24 de junho de 1999 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 270 de 24 de junho de 1999 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e: Considerando as disposições da Lei

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 043 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 043 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 043 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a realização de cálculo de dimensionamento de pessoal de Enfermagem em Hospital Psiquiátrico Assunto: Dimensionamento

Leia mais

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000)

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000) Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: As dimensões do Cuidar e as Competências da

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA Estágio docência realizado num hospital universitário do estado do rio de janeiro relato de experiência Teaching internship held in a university hospital in the state of rio de janeiro

Leia mais

de pessoal de enfermagem: um modelo de planilha de custos *

de pessoal de enfermagem: um modelo de planilha de custos * Marli de Carvalho Jerico Treinamento Valéria Castilho e desenvolvimento de pessoal de enfermagem: um modelo de planilha de custos * TRAINING AND DEVELOPMENT OF THE NURSING STAFF: A MODEL OF SPREAD SHEET

Leia mais

PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015

PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015 1 PARECER COREN-SP 004/2015 CT PRCI n 2339/2015 Ementa: Atuação de Enfermeiro na função de assessor/consultor em empresa de produtos médico-hospitalares. 1. Do fato Solicita-se esclarecimento se o enfermeiro

Leia mais

Bancos de Células e Tecidos ligados a Hemocentros. CETEBIO Júnia Guimarães Mourão Cioffi

Bancos de Células e Tecidos ligados a Hemocentros. CETEBIO Júnia Guimarães Mourão Cioffi Bancos de Células e Tecidos ligados a Hemocentros CETEBIO Júnia Guimarães Mourão Cioffi Fundação Hemominas Fundação Centro de Hematología e Hemoterapia de Minas Gerais Fundação Pública, de direito público

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS NORMAS E ROTINAS CUIABÁ - 2012 1 DO HUJM Apresentação: A Comissão de Óbito do Hospital Universitário Julio Muller tem as seguintes finalidades: - Normatizar e padronizar os procedimentos e as condutas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO

UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO UTILIZAÇÃO DA LIDERANÇA COMO INSTRUMENTO GERENCIAL NO PROCESSO DE TRABALHO DO ENFERMEIRO ISABELA FERNANDA LARIOS FRACAROLLI ANAIR LAZZARI NICOLA Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, Paraná,

Leia mais

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO

TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Área temática: Qualidade de vida, envelhecimento ativo e bem sucedido. TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: CONTRIBUIÇÃO DO IDOSO Ana Elza O. Mendonça 1 ; Izaura Luzia Silvério Freire 2 ; Gilson de Vasconcelos Torres

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 262, DE 1 DE AGOSTO DE 2011. Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS NO BRASIL

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS NO BRASIL ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS NO BRASIL Flaviana Anselmo Dantas 1 Daniele de Souza Vieira 2 Jaqueline de Oliveira Souza 3 Leiliane Teixeira Bento Fernandes 4 Ana Aline Lacet

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR 1- Considerações gerais As cirurgias de coluna têm indicação médica conforme exames de imagem e apresentação clínica. As cirurgias

Leia mais

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha.

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. Qualidade máxima e confiança são fundamentais no momento de escolher um hospital, e você precisa do que há de melhor na área médica. Por isso, prepare-se para

Leia mais

A PROFISSÃO DE ADMINISTRADOR

A PROFISSÃO DE ADMINISTRADOR 94 A PROFISSÃO DE ADMINISTRADOR THE ADMINISTRATION PROFESSION LA PROFESIÓN DE ADMINISTRADOR Tiago Mendes de Oliveira (Entrevistador) 1 Pedro Rocha Fiuza (Entrevistado) 2 RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

REVISIONES DIAGNÓSTICOS

REVISIONES DIAGNÓSTICOS REVISIONES DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM PACIENTES INTERNADOS POR QUEIMADURA DIAGNÓSTICOS DE ENFERMERÍA EM PACIENTES INTERNADOS POR QUEMADURAS * Barichello, E., ** Vieira da Silva, MC., ***Barbosa, MH.,

Leia mais

DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: aspectos éticos e legais 1. ORGAN DONATION AND TRANSPLANTATION: ethical and legal aspects 1

DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: aspectos éticos e legais 1. ORGAN DONATION AND TRANSPLANTATION: ethical and legal aspects 1 DOAÇÃO E TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS: aspectos éticos e legais 1 ORGAN DONATION AND TRANSPLANTATION: ethical and legal aspects 1 Vanessa Costa de Melo 2 Gyl Dayara Alves de Carvalho 3 Odinélia Batista Arantes

Leia mais

GLOSAS HOSPITALARES RELACIONADAS AS NÃO CONFORMIDADES ENCONTRADAS NOS PRONTUÁRIOS

GLOSAS HOSPITALARES RELACIONADAS AS NÃO CONFORMIDADES ENCONTRADAS NOS PRONTUÁRIOS 1 GLOSAS HOSPITALARES RELACIONADAS AS NÃO CONFORMIDADES ENCONTRADAS NOS PRONTUÁRIOS Elenir Ferreira de Souza 1 Laudiceia Neves Scalabrini 1 Marcos Freita dos Santos 1 Ana Carolina Cardoso de Almeida 2

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 CC. 010062310 INFORMAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE EQUIPES PARA TRANSPLANTE DE TECIDO OSTEO-CONDRO-FÁCIO-LIGAMENTOSO

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012)

PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012) COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 3.055, de 2004 (Apensos os PLs 4.555, de 2004; 7.216, de 2006; 2.458, de 2007; 3.322, de 2012 e 3.786, de 2012) Cria o Programa Nacional de Coleta,

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE BANCO DE TECIDOS DO HOSPITAL DE CÂNCER DO MATO GROSSO

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE BANCO DE TECIDOS DO HOSPITAL DE CÂNCER DO MATO GROSSO TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE BANCO DE TECIDOS DO HOSPITAL DE CÂNCER DO MATO GROSSO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS ROTEIROS DE INSPEÇÃO SANITÁRIA EM CNCDO e OPO 1. Considerações iniciais Este documento tem por objetivo instruir a Vigilância Sanitária no preenchimento dos roteiros

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS E REGULAÇÃO GERÊNCIA DE TRANSPLANTES

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS E REGULAÇÃO GERÊNCIA DE TRANSPLANTES PROJETO do I FORUM INTERNACIONAL DE COORDENADORES DE TRANSPLANTE DO BRASIL Dezembro de 2008 Objeto I Fórum Internacional de Coordenadores de Transplante do Brasil. Público Alvo 250 profissionais de saúde

Leia mais

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO

APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO RESUMO APRAZAMENTO DE MEDICAÇÃO ATIVIDADE PARA O ENFERMEIRO FREIRE, Ana Maria de Sousa Silva OLIVEIRA, Thiciana Souza de RESUMO Objetivou-se, com este estudo, conhecer a opinião dos enfermeiros sobre a atividade

Leia mais

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA

PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL PROFICIÊNCIA Disciplina: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade S NT1: A importância do processo histórico no desenvolvimento da Terapia Intravenosa (TI): da anatomia à fisiologia

Leia mais

PARECER COREN-SP 07/2015 CT Processo nº 2699/2015

PARECER COREN-SP 07/2015 CT Processo nº 2699/2015 PARECER COREN-SP 07/2015 CT Processo nº 2699/2015 Ementa: Realização de curativo pelo técnico de imobilização ortopédica. 1. Do fato Enfermeira solicita parecer sobre realização de curativo pelo técnico

Leia mais

SIMULAÇÃO NO ENSINO EM SAÚDE: REFLEXÕES SOBRE APLICAÇÃO PRÁTICA, FORMAÇÃO EM SAÚDE E ÉTICA.

SIMULAÇÃO NO ENSINO EM SAÚDE: REFLEXÕES SOBRE APLICAÇÃO PRÁTICA, FORMAÇÃO EM SAÚDE E ÉTICA. SIMULAÇÃO NO ENSINO EM SAÚDE: REFLEXÕES SOBRE APLICAÇÃO PRÁTICA, FORMAÇÃO EM SAÚDE E ÉTICA. Raphael Raniere de Oliveira Costa 1 Soraya Maria de Medeiros 2 João Bosco Filho 3 Maria Betânia Maciel da Silva

Leia mais

Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes?

Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes? Você sabia que 56% dos órgãos ofertados não são aproveitados pelas equipes de transplantes? O Sistema Nacional de s precisa de nossa ajuda. É chegada a hora de PULSAR VIDA. Através de ações estratégicas,

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

- Busca Ativa de Doador de Órgãos e Tecidos

- Busca Ativa de Doador de Órgãos e Tecidos Portaria n.º 92/GM Em 23 de janeiro de 2001. O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

ASPECTOS ÉTICO-LEGAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM SAÚDE DO TRABALHADOR: REFLEXÕES NECESSÁRIAS

ASPECTOS ÉTICO-LEGAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM SAÚDE DO TRABALHADOR: REFLEXÕES NECESSÁRIAS DOI: 0.405/cienccuidsaude.v0i.50 ASPECTOS ÉTICO-LEGAIS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM SAÚDE DO TRABALHADOR: REFLEXÕES NECESSÁRIAS Maria Cristina Cescatto Bobroff* Júlia Trevisan Martins** RESUMO Este artigo

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA O ENCAMINHAMENTO DE PROJETO DE PESQUISA I. FORMA E CONTEÚDO DO PROJETO DE PESQUISA: O projeto de pesquisa deverá ser escrito em português e conter necessariamente os seguintes

Leia mais

COMUNICAÇÃO ENTRE ENFERMEIROS E IDOSOS SUBMETIDOS À PROSTATECTOMIA

COMUNICAÇÃO ENTRE ENFERMEIROS E IDOSOS SUBMETIDOS À PROSTATECTOMIA COMUNICAÇÃO ENTRE ENFERMEIROS E IDOSOS SUBMETIDOS À PROSTATECTOMIA Kamila Nethielly Souza Leite (UFPB), e-mail: ka_mila.n@hotmail.com Joana D arc Lyra Batista (UEPB), e-mail: jdlb16@hotmail.com Tatiana

Leia mais

PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 356, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Publica a proposta de Projeto de Resolução "Boas Práticas em procedimentos para organização e funcionamento dos serviços de transplante de órgãos". O MINISTRO DE

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH PROGRAMA DE RESIDÊNCIA INTEGRADA MULTIPROFISSIONAL EM ATENÇÃO HOSPITALAR - PRIMAH DIRETRIZES PEDAGÓGICAS DO PROGRAMA ESTÃO BASEADAS NAS AÇÕES QUE COMPORTAM ATIVIDADES Multiprofissionalidade e interdisciplinaridade:

Leia mais

vidas tecnologia salva Quando a Inovação

vidas tecnologia salva Quando a Inovação Inovação Quando a tecnologia salva vidas Sistema da Central de Transplantes do Estado de São Paulo, com tecnologia Microsoft, torna mais ágil e segura a administração das filas de pacientes que esperam

Leia mais

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS

O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS 1 O CONHECIMENTO DOS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REALIZAÇÃO DO EXAME CLÍNICO DAS MAMAS THE KNOWLEDGE OF FAMILY HEALTH PROGRAM NURSES ABOUT PERFORMING CLINICAL BREAST EXAMINATIONS KÊNIA

Leia mais

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667

PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 PARECER COREN-SP 007/2014 CT PRCI nº 099.152/2012 Tickets nº 277.202, 277.242, 281.850, 284.033, 290.514 e 302.667 Ementa: Solicitação de exames por Enfermeiro e avaliação de resultado. 1. Do fato Enfermeiras

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

; NESC!FlOCRÜzl IIBL.IOTEcAJ MINISTÉRIO DA SAÚDE

; NESC!FlOCRÜzl IIBL.IOTEcAJ MINISTÉRIO DA SAÚDE ; NESC!FlOCRÜzl IIBL.IOTEcAJ 8 MINISTÉRIO DA SAÚDE A, SECRETARIA DE VIGILANCIA SANITARIA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA CURSO REGIONALIZADO DE ESPECIALIZAÇÃO PARA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 PARECER COREN SP Nº 022/CAT/2010 Assunto: Antissepsia da pele antes de vacina por via intramuscular. 1. Do fato Solicitado parecer por graduando de enfermagem sobre a antissepsia da pele antes da administração

Leia mais

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO

PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO PERCEPÇÃO DO ENFERMEIRO ASSISTENCIAL ACERCA DA UTILIZAÇÃO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM Franciele Foschiera * Cláudia Silveira Viera** RESUMO Objetivou-se neste estudo discutir a utilização do processo de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 PARECER COREN-SP 057 /2013 CT PRCI n 102.625 e Ticket n 287.004, 289.375 Ementa: Realização de PCMSO por Enfermeiro e Técnico de Enfermagem. 1. Do fato Solicitação de parecer sobre a realização de Programa

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

Programa de Especialização Cirurgia do Quadril (R4) Treinamento Avançado em Cirurgia do Quadril. Goiânia GO / Maio de 2015.

Programa de Especialização Cirurgia do Quadril (R4) Treinamento Avançado em Cirurgia do Quadril. Goiânia GO / Maio de 2015. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS HOSPITAL DE URGÊNCIA DE GOIÂNIA (HUGO) / HOSPITAL GERAL DE GOIÂNIA ALBERTO RASSI () SERVIÇO DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA / SERVIÇO DE CIRURGIA DO QUADRIL

Leia mais

PARECER COREN-SP CT 059/2013 PRCI nº 108.356 Ticket nº 327.807

PARECER COREN-SP CT 059/2013 PRCI nº 108.356 Ticket nº 327.807 PARECER COREN-SP CT 059/2013 PRCI nº 108.356 Ticket nº 327.807 Ementa: Monitoramento de paciente com contenção do tipo luva. 1. Do fato Enfermeira refere utilização de impresso para anotação de dados de

Leia mais

NOTA PREVIA PRIMEIRO CURRÍCULO DE ENFERMAGEM NO BRASIL E ARGENTINA: UM ESTUDO COMPARATIVO

NOTA PREVIA PRIMEIRO CURRÍCULO DE ENFERMAGEM NO BRASIL E ARGENTINA: UM ESTUDO COMPARATIVO 88 NOTA PREVIA PRIMEIRO CURRÍCULO DE ENFERMAGEM NO BRASIL E ARGENTINA: UM ESTUDO COMPARATIVO FIRST NURSING CURRICULUM IN BRAZIL AND ARGENTINA: A COMPARATIVE STUDY EN PRIMER CURRÍCULO DE ENFERMERÍA EN BRASIL

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

SAÚDE OCUPACIONAL E ENFERMAGEM: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

SAÚDE OCUPACIONAL E ENFERMAGEM: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SAÚDE OCUPACIONAL E ENFERMAGEM: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Maria Helena Palucci Marziale Emília Campos de Carvalho Ana Emilia Pace Ferraz Hujiko Enoki RESUMO - Buscando identificar produção cientlfica sobre

Leia mais

Papel do Hospital das Clínicas

Papel do Hospital das Clínicas Conquistas e Desafios na Atenção à Saúde Pública em Ribeirão Preto Papel do Hospital das Clínicas Milton Roberto Laprega 22 de maio de 2010 Ensino Pesquisa Assistência à saúde satisfação do paciente 1

Leia mais

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação:

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 52, de 11 de junho de 2003. D.O.U de 12/06/2003 O Diretor-Presidente Substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

Londrina PR, de 09 a 12 de Junho de 2015. Ellana Barros Pinheiro 1

Londrina PR, de 09 a 12 de Junho de 2015. Ellana Barros Pinheiro 1 A INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL EM MEIO A DINÂMICA AMBULATÓRIO DE TRANSPLANTE DE CÓRNEA E A FILA DE ESPERA POR UMA CÓRNEA NO ESTADO DO PARÁ Ellana Barros Pinheiro 1 Resumo: O presente artigo

Leia mais

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA,

EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA, EDUCAÇÃO EM TRANSPLANTES PROMOVIDA POR UMA LIGA ACADÊMICA FARIA, William Macedo Lourenço de 1 ; SANTOS, Dênis Ferreira dos 1 ; MAYNARDE, Israel Guilharde 1 ; DIAS, Raquel Vieira 1 ; ALMEIDA, Ricardo Araújo

Leia mais

PARECER COREN-SP 058/2013 CT PRCI nº 101.087 Tickets nºs 280.712, 282.616, 286.730 e 287.728

PARECER COREN-SP 058/2013 CT PRCI nº 101.087 Tickets nºs 280.712, 282.616, 286.730 e 287.728 PARECER COREN-SP 058/2013 CT PRCI nº 101.087 Tickets nºs 280.712, 282.616, 286.730 e 287.728 Ementa: Transcrição de medicamento para prontuário eletrônico e transcrição de receita médica vencida pelo Enfermeiro.

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS

Hemovida. Agência Transfusional Visão Geral. Versão do produto: 2.0.7. Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento: 1.0 Fevereiro de 2007 MS DATASUS Hemovida Agência Transfusional Visão Geral Versão do produto: 2.0.7 Edição do documento:

Leia mais

Considerando inexistir matéria regulamentando a relação profissionais/leitos;

Considerando inexistir matéria regulamentando a relação profissionais/leitos; Resolução COFEN Nº 189/96 Normatiza em âmbito Nacional a obrigatoriedade de haver Enfermeiro em todas as unidades de serviço onde são desenvolvidas ações de Enfermagem durante todo o período de funcionamento

Leia mais