Trabalho de Pesquisa. Caderno Científi co. Luís Cláudio Aranha* Francisco José Correa Braga**

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho de Pesquisa. Caderno Científi co. Luís Cláudio Aranha* Francisco José Correa Braga**"

Transcrição

1 Análise clínico-cirúrgica comparativa de dois produtos de enxertia óssea, existentes no mercado nacional e caracterizados como matriz óssea bovina, tendo como referência uma matriz similar produzida com requisitos específi cos Clinical surgical comparative analysis of two bone graft products, available in the domestic market and listed as bovine bone matrix having as reference a similar matrix prepared according to specifi c requirements Luís Cláudio Aranha* Francisco José Correa Braga** RESUMO Dois produtos regulamentados para a comercialização como produtos para enxertia óssea humana foram utilizados em caso cirúrgico com exigência do preenchimento de alvéolos frescos para promoção de neoformação óssea, preparando os locais de forma segura para receber implantes osseointegrados. Um terceiro material similar, servindo como material de referência aos produtos utilizados, foi preparado pela empresa Critéria Indústria e Comércio de Produtos Medicinais e Odontológicos Ltda., a partir de especificações estabelecidas para garantir sua biorreabsorção em tempo hábil. Os três materiais preencheram sítios ósseos semelhantes em uma mesma paciente, em um mesmo momento cirúrgico, utilizando-se de um único protocolo de manipulação. A análise feita foi embasada em resultados apresentados por técnica de tomografia computadorizada (TC), onde ficou evidente que somente um dos produtos apresentou comportamento semelhante ao material de referência. Unitermos Enxerto ósseo; Matriz óssea bovina; Implante oral; Material de referência. ABSTRACT Two regulated bone graft products from domestic market were used in cases requiring surgery with filling of fresh alveoli and promoting local bone formation to receive dental implants. A third similar material was used as reference material for those two products and it was prepared by Critéria Indústria e Comércio de Produtos Medicinais e Odontológicos Ltda., according to established specifications to ensure their bio-resorption in an adequate rate. These three grafting materials filled similar bone sites in one patient using a single protocol handling at the same surgical time. The analysis was based on the findings presented by the computed tomography technique (CT), showing that only one of the regulated two products demonstrated similar behavior to the reference material. Key Words Bone grafts; Bovine bone matrix; Dental implants; Reference material. *Mestre Associação dos Cirurgiões-Dentistas de Campinas ACDC. **Doutor Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares IPEN. 245

2 Aranha LC Braga FJC Introdução O corpo humano responde de forma precisa há um processo regenerativo, muito parecido como nas fases de desenvolvimento e crescimento. Em condições estáveis, o osso necessita de suprimento sanguíneo e de uma base estrutural para deposição de células importantes na neoformação. Nesse processo, o primeiro tempo é a formação de uma matriz osteoide reforçada por osso lamelar e em segundo tempo a regeneração sofre remodelação e adaptação funcional. Para favorecer esse processo natural de regeneração existem alguns meios, combinados ou não, que podem ser usados 1 : Osteoindução pelos fatores de crescimento liberados de partículas ósseas autógenas ou adicionados como proteínas recombinantes em um carreador transplantado no defeito. Osteocondução pelos enxertos, autógenos, alógenos, xenógenos ou aloplásticos que funcionará como arcabouço sólido onde o novo tecido será depositado. Transferência de células-tronco que se diferenciam em osteoblastos. Distração osteogênica. ROG, regeneração óssea guiada, processo de regeneração óssea protegida contra invasão de tecidos formados pela proliferação rápida de células não osteogênicas. para eliminação de risco imunológico e mesmo de contaminação bacteriológica, incluindo a desativação da proteína prion responsável pela encefalopatia espongiforme 6. A rota de processamento contendo a etapa de processamento térmico à alta temperatura (rota B na Figura 1) simplifica o tratamento da matéria-prima pela completa eliminação da matéria orgânica em uma só etapa de processo. Entretanto, além de elevar o grau de cristalinidade, ou seja, possibilitar a rede cristalina do material de obter arranjo ordenado em distâncias atômicas maiores e, com isto, configurar tamanhos maiores de seus cristalitos, os quais exigirão maior energia para se decompor no organismo animal, o tratamento térmico em temperaturas acima de 700ºC sugere a desidroxilação das moléculas de hidroxiapatita. Isto significa que a molécula perdeu uma parte de seu radical OH -7. Protocolos cirúrgicos para aplicação de enxertos xenógenos Os biomateriais minerais de origem animal vêm tendo boa aceitação pelos profissionais cirurgiões-dentistas, principalmente por cinco motivos: 1) maior disponibili- Enxertos ósseos xenógenos reabsorvíveis A estrutura mineral óssea bovina desproteinada, para aplicações como enxerto ósseo, é obtida por meio de processo termoquímico, viabilizando a obtenção de hidroxiapatita com grau de cristalinidade adequada para a sua aplicação como enxerto reabsorvível e ósseocondutor 2-3. O caráter térmico do processo de obtenção do material define sua capacidade de ser reabsorvido ou não pelo organismo, ou seja, quanto maior a temperatura utilizada no processo, maior o seu grau de cristalinidade e consequentemente sua maior resistência a ação do organismo para degradá-lo 4-5. De um modo geral, as rotas de processamento da estrutura mineral óssea bovina para aplicações como enxerto ósseo seguem os fluxogramas apresentados na Figura 1. Ambos os fluxogramas apresentam capacidade Figura 1 Rotas usuais de processamento de hidroxiapatita de origem animal para aplicação como material de enxertia óssea. 246

3 dade no mercado; 2) similaridade com o osso humano; 3) comparativamente aos aloplásticos minerais pela reabsorção em prazo mais adequado para colocação de implantes no sítio enxertado; 4) comparativamente aos alógenos pelo sensível decréscimo do processo inflamatório; 5) comparativamente aos autógenos pela exigência de um único ato cirúrgico Considerando a utilização de biomateriais xenógenos granulados na ROG para preenchimento de alvéolos, ausência óssea decorrente de doenças periodontais, lojas de tumor dentário, elevação de seio etc., preconiza-se o uso de materiais de preenchimento ósseo em conjunto com membranas de PTFE (bioinertes e não reabsorvíeis) 12. Por ser uma técnica clinicamente exigente, este protocolo cirúrgico ocasionava muitas vezes risco de complicações no Esterilização caso de deiscência do tecido mole. No final dos anos 1990, demonstrou-se que substituindo a membrana PTFE por membranas de colágeno reabsorvível, os resultados se mostraram mais favoráveis Esta membrana é hidrofílica e de fácil manuseio, o que minimiza riscos de complicação nos casos de deiscência dos tecidos moles e simplifica a técnica cirúrgica. Material e Métodos Materiais de enxertia óssea utilizados Dois produtos, adquiridos no mercado e identificados como estrutura mineral óssea de origem bovina, denominados aqui de BA e BI, cujas características obtidas de suas bulas constam na Tabela 1, foram utilizados para preenchimento de alvéolos frescos, após extração de elementos dentais condenados em maxila nas seguintes regiões: 11 e 24 conforme classificação da FDI World Dental Federation, respectivamente. Um terceiro material, denominado de material de referência (MR), foi cedido pela empresa Critéria, de acordo com as especificações solicitadas pelos autores, cujos requisitos de processamento constam no fluxograma de processamento da Figura 2 e as características na Tabela 2. O material de referência (MR), identificado também como estrutura mineral óssea de origem bovina, foi utilizado para preenchimento de alvéolo fresco, após extração de elemento dental condenado em maxila na região 21, conforme classificação da FDI World Dental Federation. Características do paciente Paciente JAFC, 49 anos, sexo feminino, sem sinais, TABELA 1 DADOS OBTIDOS DAS BULAS DOS PRODUTOS BI E BA Propriedades BA BI Tamanho de partícula 500 µm a µm 600 µm a µm Composição química Osso bovino desproteinizado liofi lizado Osso bovino inorgânico granulado ph Esterilização Radiação gama Estéril TABELA 2 CARACTERÍSTICAS DO MATERIAL DE REFERÊNCIA Propriedades Dados e valores Sisbov de origem Tamanho de partícula 450 µm a 749 µm Composição química CaO = 58%; P2O5 = 40; MgO = 1%; Na2O = 1% ph 6 Perfi l cristalográfi co Tamanho médio de cristalito 25 kgy Hidroxiapatita 20 m sintomas e/ou doenças crônicas na anamnese, acusou presença em exames clínico e complementar dos seguintes sinais nos elementos 11, 21 e 24: a) mobilidade dental; b) falta de alinhamento na arcada; c) presença de diastema, que vem ao longo do tempo, aumentando devido a defeitos ósseos gerados por doença periodontal; d) falta de estética (Figura 3). Após montagem em articulador semiajustável e planejamento protético, decidiu-se realizar a exodontia seguida da enxertia nos alvéolos frescos com osso liofilizado de matriz bovina de granulação média e recobrimento com membrana de colágeno, no intuito de guiar regeneração óssea para futura instalação de implantes osseointegrados. Pré-operatório A paciente foi medicada no pré-operatório com corticoide de liberação lenta injetável (IM), antimicrobiano de forma preventiva, analgésico de forma preemptiva, ou melhor, antes do trauma operatório, além de benzodiazepínico para diminuição da ansiedade e controle do paciente na noite anterior e uma hora antes do ato operatório. Operatório Como anestésico utilizou-se mepivacaína 2% + epinefrina 1: Fez-se a incisão com relaxantes em dentes vizinhos para preservar o biomaterial utilizado, descolamento total de retalho, exodontia delicada com uso de periótomos, preservando o máximo a crista alveolar. Realizou-se curetagem e irrigação dos 247

4 Aranha LC Braga FJC Figura 2 Fluxograma de processamento do material de referência. Aplicou-se membrana de colágeno sobre cada alvéolo para servir de barreira no processo reparatório. Finalmente, instalou-se prótese parcial removível provisória com arco vestibular para melhor estabilidade e estética (Figuras 4). Figura 3 Estado inicial dos elementos 11, 21 e 24. alvéolos de forma abundante para remoção de tecidos de granulação, dando condição para uma correta reparação óssea. O preenchimento dos alvéolos com os biomateriais seguiu a ordem: 11 com BA, 21 com MR e 24 com BI. Utilizou-se da compactação do biomaterial buscando evitar possíveis lacunas no interior do mesmo. Pós-operatório No pós-operatório a paciente fez uso apenas do complemento do protocolo antimicrobiano e analgésico quando necessário. Proservação de enxerto Como proservação, tomografias computadorizadas foram realizadas: inicial, após oito semanas, após 13 semanas e a última após 18 semanas de pós-operatório, sempre no mesmo centro de radiologia (Figuras 5). Instalação de implantes em área enxertada Após espera cicatricial, dando tempo para uma neoformação óssea de oito meses, realizou-se a instalação de implantes osseointegrados da marca Conexão 248

5 A B Figuras 4 Exodontia (a) com posterior preenchimento dos alvéolos com biomaterial compactado (b). A B C Figuras 5 Tomografias computadorizadas após 8(a), 13(b) e 18(c) semanas. (três unidades do tipo AR Morse com superfície Porous e medidas de 3,75 mm x 11,5 mm), colocação direta de cicatrizadores promovendo instalação de implantes em One Stage. No transoperatório não ocorreu nenhum tipo de intercorrência. Como proservação, instruiu-se a paciente a utilizar no pós-operatório clorexidina 0,12% de forma tópica e aplicada no local da sutura por dez dias, além de uso de escova pós-operatória com cerdas ultramacias. Como monitoramento, avaliou-se a paciente no primeiro mês semanalmente e no segundo e terceiro mês a cada 15 dias. Após três meses, realizou-se a instalação de coroas provisória parafusadas sobre os implantes para aguardo da maturação gengival (Figuras 6). 249

6 Aranha LC Braga FJC A B C D E Figuras 6 Sequência de fases: cirúrgica e protética provisória. Resultados Figura 7 Grânulos de BA aparentes após oito meses do preenchimento do alvéolo. Os três materiais criaram condições favoráveis para instalação de implantes osseointegrados de forma protocolar, ou seja, utilizando-se de fresas e kit cirúrgico. O osso encontrado demonstrou resistência suficiente para estabilizar os implantes. Mesmo após oito meses de espera cicatricial, após regeneração óssea guiada (ROG), foi encontrada presença de grãos do biomaterial não reabsorvidos no alvéolo onde foi utilizado o material BA (Figura 7). No que diz respeito à resistência de fresagem ou dureza do osso neoformado durante a instalação dos implantes osseointegrados, o material BA mostrou maior resistência enquanto o material BI e MR se mostraram similares. Na TC foi observado no período de três e quatro meses após ROG hipodensidade e maior irregularidade nas regiões de material BA e BI e hiperdensidade, maior regularidade e aumento de volume ósseo na região do material MR. Discussão Os princípios da Regeneração Óssea Guiada estão bem documentados quanto aos defeitos ósseos e as necessidades de aumento de volume ósseo. Ao ser le- 250

7 sado um tecido, imediatamente se inicia o processo de cicatrização, porém, o mecanismo que o controla, como substâncias ou estímulos nos são, ainda, em grande parte, desconhecido. Existe relato na literatura de que a reparação do tecido ósseo ocorre por regeneração semelhante ao osso original; contudo, o principal obstáculo para essa reparação é a invasão de células fibroblásticas, o que resulta em tecido conjuntivo cicatricial 15. Também é observado que, devido às diferenças de velocidade de divisão e diferenciação celulares dos diferentes tecidos, o conjuntivo frouxo e o epitelial competem com vantagem com o tecido ósseo, impedindo sua regeneração de forma adequada Outro fato importante de se observar é que os fibroblastos, além de ocuparem o espaço da célula óssea, produzem um ou mais fatores que são inibidores da osteogênese e da diferenciação celular óssea 18. Todo o protocolo cirúrgico e protético aqui realizado confirma o que já foi preconizado na literatura: Buscando previsibilidade executamos, com instrumentos da fisiologia, alterações no processo regenerativo, levando a resultados previsíveis e favoráveis para o paciente 19. Conclusão Os três biomateriais utilizados cumpriram com suas funções no sentido de reparação óssea para sustentação de implantes, seguindo o protocolo usual de ROG. Houve diferenciação em reabsorção e modelação do osso no biomaterial BA em comparação com os biomateriais BI e MR no prazo de cicatrização de oito meses, sendo que o primeiro demonstrou visualmente a presença de grânulos não reabsorvidos do material, o que relacionamos possivelmente à técnica de processamento do material por rota B, conforme Figura 1. Quanto à resistência a fresagem também observamos maior dureza no material BA do que nos biomateriais BI e MR, o que nos faz pensar que as diferentes técnicas de processamentos podem nos trazer diferentes resultados, os quais podem ser selecionados de acordo com o perfil do paciente, quanto a reparação óssea, idade e para determinados fins. A barreira física através de osso particulado e membrana de colágeno são biomateriais ideais para permitir somente acesso de células com capacidade de regeneração óssea. São necessárias ainda condições fisiológicas ideais que permitam essa regeneração; respeitando as fases fisiológicas de regeneração tecidual conseguiu-se modular efeito adverso e com isso acelerar processo reparatório. Nota de esclarecimento Nós, os autores deste trabalho, não recebemos apoio financeiro para pesquisa dado por organizações que possam ter ganho ou perda com a publicação deste trabalho. Nós, ou os membros de nossas famílias, não recebemos honorários de consultoria ou fomos pagos como avaliadores por organizações que possam ter ganho ou perda com a publicação deste trabalho, não possuímos ações ou investimentos em organizações que também possam ter ganho ou perda com a publicação deste trabalho. Não recebemos honorários de apresentações vindos de organizações que com fins lucrativos possam ter ganho ou perda com a publicação deste trabalho, não estamos empregados pela entidade comercial que patrocinou o estudo e também não possuímos patentes ou royalties, nem trabalhamos como testemunha especializada, ou realizamos atividades para uma entidade com interesse financeiro nesta área. Endereço para correspondência: Luís Cláudio Aranha Rua Emilio Ribas, 805 Sala Campinas SP Referências 1. Buser D. 20 anos de regeneração óssea guiada na Implantodontia. Suíça: Ed. Quintessence; cap. 2.p Eggli PS, Muller WE, Schenk RK. Porous Hydroxiapatite and Tricalcium Phosphate Cylinders with Two Different Pore Size Ranges Implanted in the Cancellous Bone of Rabbits. Clin. Orthop 1988;232: Alexander H. Parsons JR. Ricci JL. Bajpai PK, Weiss AB. Calcium-Based Ceramics and Composites in Bone Reconstruction. CRC Critical Reviews in Biocompatibility. CRC Press, Boca Raton 1988;4: Meira CR, Prado GG, Salvador VLR, Martinez LG, Braga FJC. Hydroxyapatite Physical-Chemistry Standards: Crystallite Dimension Versus Degradation Rate. Ouro Preto: Colaob; Mendonça TA, Conz MB, Barros TC, Sena LA, Soares GA, Granjeiro JM. Physicochemical characterization of two deproteinized bovine xenografts. Braz Oral Res 2008;22(1): Wenz B, Oesch B, Horst M. Analysis of the risk of transmitting bovine spongiform encephalopathy through bone grafts derived from bovine bone. Biomaterials 2001;22: Ooi CY, Hamdi M, Ramesh S. Properties of hydroxyapatite produced by annealing of bovine bone. Ceramics International 2007;33: Caicoya SO. Bases Biológicas del Injerto Óseo. In: Vila CN, Marían FG, Caicoya SO (Org.). Tratado de Cirugia Oral e Maxilofacial. Madri: Arán Ediciones; 2004.p vol. 2. Cap Oliveira RC, Sicca CM, Silva TL, Cestari TM, Oliveira DT, Buzalaf MAR et al. Efeito da temperatura de desproteinização no preparo de osso cortical bovino microgranular: avaliação microscópica e bioquímica da resposta celular em subcutâneo de ratos. Rev. Fac. odontol. Bauru 1999;7(3/4): Munaretto JC. Análise histológica e radiográfica de enxerto ósseo alógeno congelado em defeito ósseo alveolar. Estudo experimental em Ratos. [dissertação]. Faculdade de Odontologia-UFRGS; Galia CR, Macedo CAS, Rosito R, Mello TM, Diesel C, Moreira LF. Caracterização físico-química de ossos liofilizados de origem bovina e humana. Rev. Col. Bras. Cir 2009;36(2): Dahlin C, Linde A, Gottlow J, Nyman S. Healing of bone defects by guide tissue regeneration. Plast. Reconstr. Surg 1988;81: Hürzeler MB, Strub JR. Guided bone regeneration around exposed implants: a new bioresorbable device and bioresorbable membrane pins. Pract. Periodontics Aesthet. Dent 1995;7:37-47, quiz Zitzmann NU, Naef R, Schärer P. Resorbable versus nonresorbable membranes in combination with Bio-Oss for guided bone regeneration. Int. J. Oral Maxillofac. Implants 1997;12: Schenk RK. Bone Regeneration Biologic Basis. In: Guided Bone Regenerations in Implant Dentistry. Chicago: Ed. Quintessence; 1994.p Nyman S, Karring T, Bergenholtz G. Bone regeneration in alveolar bone dehiscences produced by jiggling forces. J. Periodontal Res 1982;17(3): Schmid J, Wallkamm B, Hammerle CH, Gogolewski S, Lang NP. The significance of angiogenesis in guided bone regeneration. A case report of a rabbit experiment. Clin. Oral Implants Res 1997;8(3): Ogiso M, Tabata T, Lee RR, Borgese D. Delay method of implantation enhances implantbone binding: a comparison with the conventional method. Int. J. Oral Maxillofac. Implants 1995;10(4): Barbosa ALT, Silva WP, Martinez Jr. W, Cunha HA, Cruz RM. Falhas mecânicas e biológicas das próteses sobreimplantes. ImplantNews 2006;3(3):

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

Instruções de Uso TCP DENTAL HP

Instruções de Uso TCP DENTAL HP Visando a praticidade e facilidade ao acesso às instruções de uso, a Ortech Medical está disponibilizando os documentos para download no site: www.ortechmedical.com.br. IMPORTANTE: Para baixar as instruções

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS. Straumann BoneCeramic

VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS. Straumann BoneCeramic VITALIDADE E VOLUME ÓSSEO AO REDOR DOS IMPLANTES DENTÁRIOS Straumann BoneCeramic A VITALIDADE QUE VOCÊ QUER AO REDOR DOS SEUS IMPLANTES RESTAURAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO VOLUME ÓSSEO PARA UM ÓTIMO RESULTADO

Leia mais

Bem-vindo Revista Periodontia Março-2001

Bem-vindo Revista Periodontia Março-2001 Bem-vindo Revista Periodontia Março-2001 REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA - REVISÃO DA LITERATURA Sinopse Ana Vitória IMBRONITO* Victor E. Arana-Chavez** José Hildebrando Todescan*** SINOPSE Este trabalho de revisão

Leia mais

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia

Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Utilização do rh-bmp2 na Implantodontia Dra. Patricia Fretes Coord. do curso de atualização em Implantodontia IOA PY Profa. adjunta do curso de especialização em Implantodontia IOA PY Especialista em Implantes

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO Amanda Roberta Barbosa Juliasse Da Silva ¹ Márcio Baltazar Conz ² Diferentes biomateriais têm

Leia mais

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING AUTORES: MOTTA, Sergio. Coordenador dos Cursos de Aperfeiçoamento de

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas Bruno Salles Sotto Maior 1 Henrique Furlani Sotto Maior 2 Rodrigo Guerra de Oliveira 3

Leia mais

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução

Biomateriais. Catálogo. Biomateriais. Excelência e Evolução Biomateriais Excelência e Evolução Catálogo Biomateriais Empresa Linha de Produtos Inovação com qualidade A Bionnovation é uma empresa brasileira especializada na fabricação de biomateriais, que oferece

Leia mais

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico Artigo Técnico Implantologia Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico José Ferreira Médico dentista Prática clínica em Implantologia Aluno

Leia mais

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO * - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ** - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ***

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico

Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico Artigo Caso Clínico Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico Guided bone regeneration with immediate loading in esthetic site: a clinical case report Recebido

Leia mais

Implantes em alvéolos frescos relato de dois casos

Implantes em alvéolos frescos relato de dois casos RELATOS DE CASO Implantes em alvéolos frescos relato de dois casos Dental implant in fresh sockets two case reports Alexandre Poso MALUF 1, Cecilia da Rocha BRITO 2 RESUMO O tratamento com implantes dentários

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na

A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a. 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância na 13 2 Hidroxiapatita 2.1. Aplicações biomédicas da hidroxiapatita A hidroxiapatita (HA) é um constituinte natural dos ossos e possui de 30% a 70% da massa dos ossos e dos dentes. Além de ter grande importância

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

Demineralized Homogeneous Bone Graft in Sockets after Extraction: a Report of Two Cases

Demineralized Homogeneous Bone Graft in Sockets after Extraction: a Report of Two Cases USO DO ENXERTO DESMINERALIZADO HOMÓGENO EM ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO: RELATO DE CASOS Demineralized Homogeneous Bone Graft in Sockets after Extraction: a Report of Two Cases Recebido em 15/03/05 Aprovado em

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA ARLEI MARTINS DA ROSA

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA ARLEI MARTINS DA ROSA UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA ARLEI MARTINS DA ROSA REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA NA IMPLANTODONTIA PASSO FUNDO 2008 1 ARLEI MARTINS DA ROSA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Karina Seyboth Horn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO. Karina Seyboth Horn UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Karina Seyboth Horn O USO DE BIOMATERIAIS EM IMPLANTES FENESTRADOS: UMA REVISÃO ATUAL Porto Alegre 2011

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

Provisionalização imediata com múltiplos implantes de diâmetro reduzido

Provisionalização imediata com múltiplos implantes de diâmetro reduzido Provisionalização imediata com múltiplos implantes de diâmetro reduzido Danilo Maeda Reino Cirurgião-dentista. Especialista, Mestre e Doutor em Periodontia pela FORP-USP. Glauber Macedo Rama Cirurgião-dentista.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) Chamada Pública Universal 03/2006 1.1. N do Contrato:

Leia mais

IMPLANTODONTIA E REABILITAÇÃO ORAL

IMPLANTODONTIA E REABILITAÇÃO ORAL Duração: 12 meses aperfeiçoamento e 30 meses especialização Periodicidade: 1 módulo/mês PÚBLICO ALVO: Cirurgiões dentistas que queiram iniciar sua formação em implantodontia e reabilitação oral, como também

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO Equipe: Coordenador Geral: Prof. Dr. Rafael Pinelli Henriques Doutor pela FOB USP Bauru S.P. Diretor COPH Bauru Coordenadora Específica: Profa. Dra. Gabriela Gennaro Especialista

Leia mais

Remodelação óssea com utilização do material de enxerto xenógeno ORTHOGEN: relato de casos

Remodelação óssea com utilização do material de enxerto xenógeno ORTHOGEN: relato de casos Remodelação óssea com utilização do material de enxerto xenógeno ORTHOGEN: relato de casos Eduardo Mukai, Sueli Mukai RESUMO A utilização de enxertos ósseos para viabilizar a instalação de implantes dentários

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

Previsibilidade em áreas estéticas: o conceito da abordagem imediata

Previsibilidade em áreas estéticas: o conceito da abordagem imediata Relato de Caso Previsibilidade em áreas estéticas: o conceito da abordagem imediata Mauro Tosta*, Paulo Ferraz**, Gastão Soares de Moura Filho***, Leda Guerra****, Cintia Helena Coury Saraceni*****, Marina

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

PRESERVAÇÃO ALVEOLAR COMO ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO

PRESERVAÇÃO ALVEOLAR COMO ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS CHRISTOPHER CHRIZANTO BRAGANHOLLO PRESERVAÇÃO ALVEOLAR COMO ALTERNATIVA AO TRATAMENTO DO ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO CURITIBA 2013 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Leia mais

SIMPLESMENTE MELHOR STRAUMANN SLActive

SIMPLESMENTE MELHOR STRAUMANN SLActive SIMPLESMENTE MELHOR Straumann SLActive SLActive DESENVOLVIDA PARA OBTER OSSEOINTEGRAÇÃO RAPIDAMENTE E MANTER A MESMA A LONGO PRAZO 1 Maior previsibilidade com a SLActive, através da obtençã de estabilidade

Leia mais

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt

DOSSIER. Biomateriais. Recriar a Biologia. Texto: ANA ALBERNAZ. 28 www.saudeoral.pt Biomateriais Recriar a Biologia Texto: ANA ALBERNAZ 28 Mesmo em época de crise económica em que o investimento em Investigação e desenvolvimento abrandou, continuam a surgir novos diária e cujo valor é

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRAS NARJHARA PALMA SOARES UTILIZAÇÃO DE BIOMATERIAIS EM ALVÉOLOS APÓS EXODONTIA PARA MANUTENÇÃO DA CRISTA ÓSSEA ALVEOLAR Brasília, 2012 NARJHARA PALMA SOARES

Leia mais

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000 Nome Curso: IMPLANTE. Implantando idéias, um curso diferente. Curso de extensão Universitária Natureza: Teórico prático Data do inicio do curso: 27 de agosto de 2010 Local: Clinica Universitário Módulo

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA INTEGRADA II Código: ODO-031 Pré-requisito: Clínica

Leia mais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Retrospective study of 59 patients treated with intraoral autogenous bone graft and dental implants

Leia mais

Histological evaluation of inorganic bovine bone graft in maxillary sinus: a case report

Histological evaluation of inorganic bovine bone graft in maxillary sinus: a case report Avaliação histológica de osso bovino inorgânico em seio maxilar: relato de caso Histological evaluation of inorganic bovine bone graft in maxillary sinus: a case report Recebido em 06/06/2006 Aprovado

Leia mais

Implantes dentários, parede alveolar, áreas estéticas

Implantes dentários, parede alveolar, áreas estéticas Condutas de planejamento em área estética na região anterior da maxila associada à carga imediata para implantes unitários imediatamente após extração: revisão de literatura. Lívia Morelo Amaral Resumo

Leia mais

Straumann Dental Implant Sistem & Regenerative System

Straumann Dental Implant Sistem & Regenerative System Straumann Dental Implant Sistem & Regenerative System Straumann Líder mundial em implantondia, regenerativos e restaurações dentárias Pioneira em implante dentários Soluções odontológicas disponíveis

Leia mais

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos lveolar reconstruction with autogenous bone graft and titanium micromesh: analysis of 16 cases Rafael Ortega-Lopes*

Leia mais

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES (Antibioticoterapia profilática) Mestrandos: Érika Maria Carvalho Bitencourt Iury Oliveira Castro Rafaella Mosquera Chaves Thiago Oliveira Sousa

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR UTILIZANDO UM NOVO BIOMATERIAL SINTÉTICO: RELATO DE CASO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR UTILIZANDO UM NOVO BIOMATERIAL SINTÉTICO: RELATO DE CASO Relato de Caso Clínico Caderno Científi co ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR UTILIZANDO UM NOVO BIOMATERIAL SINTÉTICO: RELATO DE CASO Histomorphometric analysis of a new synthetic

Leia mais

Regeneração Ósseo Guiada utilizando Tela de Titânio e Osso autógeno com Biomaterial na Região Posterior de Mandíbula

Regeneração Ósseo Guiada utilizando Tela de Titânio e Osso autógeno com Biomaterial na Região Posterior de Mandíbula 1 Iara Rodrigues Castro Borges Regeneração Ósseo Guiada utilizando Tela de Titânio e Osso autógeno com Biomaterial na Região Posterior de Mandíbula Monografia apresentada a Faculdades Unidas do Norte de

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA

TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Prof. Dr. Eduardo Januzzi ( Brasil ) Doutorado em Saúde Baseada em Evidências

Leia mais

Papila entre dentes: o que é possível antes da intervenção restauradora

Papila entre dentes: o que é possível antes da intervenção restauradora DICAS DE PERIODONTIA Por que é importante? O que é necessário? Papila entre dentes: o que é possível antes da intervenção restauradora SIQUEIRA JR, Sérgio Especialista em Periodontia e Implantodontia Mestre

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE SOEBRÁS REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA: MEMBRANA REABSORVÍVEL X NÃO- ABSORVÍVEL. Florianópolis, 2009

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE SOEBRÁS REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA: MEMBRANA REABSORVÍVEL X NÃO- ABSORVÍVEL. Florianópolis, 2009 1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE SOEBRÁS REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA: MEMBRANA REABSORVÍVEL X NÃO- ABSORVÍVEL Florianópolis, 2009 2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE SOEBRÁS REGENERAÇÃO ÓSSEA

Leia mais

As bases biológicas do plasma rico em plaquetas

As bases biológicas do plasma rico em plaquetas As bases biológicas do plasma rico em plaquetas The biologics basis of the platelet-rich plasma Elaine Duarte Artuso de Mello* Guilherme Paulo Scarpel de Mello** Luciana Alves da Silva*** Maria Aparecida

Leia mais

Caso Selecionado. Odontologia Estética Integrada - a busca do equilíbrio

Caso Selecionado. Odontologia Estética Integrada - a busca do equilíbrio Caso Selecionado Odontologia Estética Integrada - a busca do equilíbrio Cláudio de Pinho Costa, José Maria Gratone, Paulo Martins Ferreira, Tatiana Costa Ribeiro O conhecimento e domínio dos princípios

Leia mais

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Programa O curso de pós-graduação em periodontologia da MD Formação em parceria com a Clínica Gingiva de Madrid destina-se a todos os Médicos Dentistas

Leia mais

Técnicas cirúrgicas para regeneração óssea viabilizando a instalação de implantes

Técnicas cirúrgicas para regeneração óssea viabilizando a instalação de implantes Técnicas cirúrgicas para regeneração óssea viabilizando a instalação de implantes José Cícero Dinato * Leandro Soeiro Nunes ** Ricardo Smidt *** Parece indiscutível, atualmente, que a indicação de implantes

Leia mais

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Este dispositivo médico implantável requer procedimentos específicos e altamente especializados. Somente deverá ser realizado por cirurgiões dentistas com

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL HERRERO FACULDADE DE TECNOLOGIA HERRERO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA. João Vianey da Costa

SOCIEDADE EDUCACIONAL HERRERO FACULDADE DE TECNOLOGIA HERRERO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA. João Vianey da Costa 0 SOCIEDADE EDUCACIONAL HERRERO FACULDADE DE TECNOLOGIA HERRERO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA João Vianey da Costa MEMBRANAS E BARREIRAS NA REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA (R.O.G.) SÃO PAULO 2014

Leia mais

ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO

ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO Cláudio Rodrigues Rezende Costa Alysson Ribeiro Melo RESUMO Os enxertos autógenos são cada vez mais utilizados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CSS DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CSS DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - CSS DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMILA ATAIDE REBOUÇAS XENOENXERTO VERSUS ENXERTO AUTÓGENO EM CIRURGIA

Leia mais

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45 SMILt Tabela de Preços/Descontos Designação Público em geral Comunidade IPLeiria Consulta de Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária 50 45 Consulta de Urgência 50 45 Dentisteria e Estética Restauração

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de:

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de: EDITAL DE SELEÇÃO 002/2016 Estarão abertas, a partir do dia 04 de março de 2016, as inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas nas Áreas de Concentração

Leia mais

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português 1 - CONSULTA 10110 Exame clínico/consulta S/Custo 2 - ODONTOLOGIA PREVENTIVA 20630 Destartarização, polimento (Limpeza) S/Custo 20610 Aplicação tópica

Leia mais

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function Ponto de Contato Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function José Norberto Garcia Nesello* Manoel Martin Junior** Carlos Marcelo

Leia mais

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA?

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? 1 O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? A descoberta da Osseointegração pelo professor Brånemark, na década de 50, revolucionou a reabilitação dos pacientes com ausências dentárias, com a utilização dos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de Tratamento Odontológico Versão eletrônica atualizada em Janeiro 2009 A EQUIPE DE SAÚDE BUCAL NA UTMO Fernanda de Paula Eduardo Letícia Mello Bezinelli Pacientes que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA FERNANDA PIMENTA PIASSI MOMENTOS DE INSTALAÇÃO DOS IMPLANTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA FERNANDA PIMENTA PIASSI MOMENTOS DE INSTALAÇÃO DOS IMPLANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA FERNANDA PIMENTA PIASSI MOMENTOS DE INSTALAÇÃO DOS IMPLANTES BELO HORIZONTE 2011 FERNANDA PIMENTA PIASSI MOMENTOS DE INSTALAÇÃO DOS IMPLANTES

Leia mais

A nova dimensão na regeneração do tecido mole

A nova dimensão na regeneração do tecido mole A nova dimensão na regeneração do tecido mole Geistlich Mucograft : a matriz 3D... Seguindo sua tradição de pioneiro, com a Geistlich Mucograft, a nova matriz 3D, a Geistlich leva a regeneração do tecido

Leia mais

Tratamento de erupção passiva alterada para melhorar a estética do sorriso

Tratamento de erupção passiva alterada para melhorar a estética do sorriso DICAS DE PERIODONTIA Tratamento de erupção passiva alterada para melhorar a estética do sorriso Clozza, Emanuele Residente, Departamento de Periodontia e Implantodontia, New York, NY, EUA Suzuki, Takanori

Leia mais

IMPLANTOLOGIA Y REHABILITACION ORAL

IMPLANTOLOGIA Y REHABILITACION ORAL UNIVERSIDAD SANTO TOMÁS Chile - Santiago 04 al 09 noviembre 2013 Brasil - Belo Horizonte 10 al 15 marzo 2014 INFORMACIONES / INSCRIPCIONES Chile - Santiago 04 al 09 noviembre 2013 Con la colaboración de

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Implantodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Liliane Camargo

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Liliane Camargo UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Liliane Camargo VARIAÇÃO DA TÉCNICA DO RETALHO PEDICULADO PALATINO PARA AUMENTO DE VOLUME VESTIBULAR NO SEGUNDO ESTÁGIO CIRÚRGICO DOS IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS CURITIBA 2011

Leia mais

SOEBRAS ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA

SOEBRAS ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA SOEBRAS ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA ELEVAÇÃO DO ASSOALHO DO SEIO MAXILAR ANAPOLIS2010 KEILIANE DE SOUZA MELO ELEVAÇÃO DO ASSOALHO DO SEIO MAXILAR Projeto de Pesquisa apresentado ao curso de especialização

Leia mais

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICO MERIDIONAL - IMED CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA RICARDO PINTO RODRIGUES

FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICO MERIDIONAL - IMED CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA RICARDO PINTO RODRIGUES FACULDADE MERIDIONAL IMED CENTRO DE ESTUDOS ODONTOLÓGICO MERIDIONAL - IMED CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA RICARDO PINTO RODRIGUES REGENERAÇÃO ÓSSEA GUIADA EM ROSCAS CERVICAIS EXPOSTAS DE IMPLANTE

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante.

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante. ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO DE TÓRUS MANDIBULAR. DESCRIÇÃO DE CASO DE RECONSTRUÇÃO DE MAXILA E INSTALAÇÃO IMEDIATA DE UM IMPLANTE COLOCADO EM FUNÇÃO IMEDIATA AUTOGRAFT OF MANDIBULAR TORUS. DESCRIPTION FOR RECONSTRUCTION

Leia mais

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila Implantologia Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila A reabilitação total da arcada superior dentária constitui um desafio à escala das possibilidades

Leia mais

Maximize os seus resultados estéticos com a mínima invasão

Maximize os seus resultados estéticos com a mínima invasão Maximize os seus resultados estéticos com a mínima invasão Recomendações técnicas para aplicação é uma alternativa aos enxertos autógenos de tecido mole. Baseado na experiência clínica de mais de cinco

Leia mais

Paciente do sexo masculino,

Paciente do sexo masculino, CASO CLÍNICO Implantologia oral Implante imediato em dente fracturado pela técnica de único estágio cirúrgico utilizando implante de conexão tipo cone morse e plataforma switch Desde a divulgação dos primeiros

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS ANDRÉ FERREIRA BACCARIN

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS ANDRÉ FERREIRA BACCARIN FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS ANDRÉ FERREIRA BACCARIN O uso do Geistlich Bio-Oss como substituto ósseo em cirurgias de elevação do seio maxilar: revisão da literatura São Carlos 2013 ANDRÉ FERREIRA

Leia mais

Aesthetics in Implantology from Reconstruction to Prosthesis: a Case Report

Aesthetics in Implantology from Reconstruction to Prosthesis: a Case Report Estética em implantodontia, da reconstrução à prótese - apresentação de um caso clínico esthetics in Implantology from Reconstruction to Prosthesis: a Case Report Recebido em 19/06/2007 provado em 20/08/2007

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Fernando Schwambach

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Fernando Schwambach Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Fernando Schwambach Enxertos em Bloco utilizando Banco de Ossos CURITIBA 2010 Fernando Schwambach Enxertos em Bloco utilizando Banco de Ossos

Leia mais

CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR

CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR CURSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO ORAL E ESTÉTICA PERIIMPLANTAR 2012 2013 INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Rose Cabral Telemóvel 935 014 972 e-mail: rose.cabral@signovinces.com.br Daniele Siqueira Telefones:

Leia mais

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA, TRAUMATOLOGIA E PRÓTESE BUCO-MAXILO-FACIAIS Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

Bem vindo a Geistlich Pharma AG. Apresentação de empresa

Bem vindo a Geistlich Pharma AG. Apresentação de empresa Bem vindo a Geistlich Pharma AG Apresentação de empresa A família Geistlich sucesso feito em casa Empresa familiar com mais de 150 anos de tradição Sucesso duradouro, obtido com o nosso trabalho. Com liberdade

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

Biomateriais aplicados a Implantodontia

Biomateriais aplicados a Implantodontia de Carvalho PSP Rosa AL Bassi APF Pereira LAVD Biomateriais aplicados a Implantodontia Biomaterials applied to Implantology Paulo Sérgio Perri de Carvalho* Adalberto Luiz Rosa** Ana Paula Farnezi Bassi***

Leia mais

30º CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PERIODONTIA

30º CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PERIODONTIA 30º CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM PERIODONTIA Fevereiro a Novembro/2014 Coordenador: José Alfredo Gomes de Mendonça Av. Pasteur, 89 / conj. 1507/10 - Bairro Funcionários Belo Horizonte - MG - 30.150-290

Leia mais

CHRISTIAN MOURA NOGUEIRA NOVA TÉCNICA CIRÚRGICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR UTILIZANDO APENAS COÁGULO SANGUÍNEO

CHRISTIAN MOURA NOGUEIRA NOVA TÉCNICA CIRÚRGICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR UTILIZANDO APENAS COÁGULO SANGUÍNEO CHRISTIAN MOURA NOGUEIRA NOVA TÉCNICA CIRÚRGICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR UTILIZANDO APENAS COÁGULO SANGUÍNEO BARRETOS 2014 CHRISTIAN MOURA NOGUEIRA NOVA TÉCNICA CIRÚRGICA DE LEVANTAMENTO DE SEIO

Leia mais

ENXERTO DE TECIDO MOLE:

ENXERTO DE TECIDO MOLE: ENXERTO DE TECIDO MOLE: ALIADO ESTÉTICO PARA IMPLANTES ANTERIORES As restaurações implanto-suportadas para reposicionamento de dentes unitários têm se tornado um estado da arte na implantodontia atual.

Leia mais

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares

Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento Radicular Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2013 Cristiana Andreia Rodrigues Tavares Técnicas de Recobrimento

Leia mais

MAXILLARY SINUS LIFT WITH AUTOGENOUS GRAFT WITH IMMEDIATE INSTALLATION OF DENTAL IMPLANTS SURGICAL CLINIC CASE REPORT

MAXILLARY SINUS LIFT WITH AUTOGENOUS GRAFT WITH IMMEDIATE INSTALLATION OF DENTAL IMPLANTS SURGICAL CLINIC CASE REPORT LEVANTAMENTO DE SEIO MAXILAR COM ENXERTO AUTÓGENO E INSTALAÇÃO IMEDIATA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRÁVEIS MAXILLARY SINUS LIFT WITH AUTOGENOUS GRAFT WITH IMMEDIATE INSTALLATION OF DENTAL IMPLANTS SURGICAL

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO.

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO. ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA. A IMPLANTE E PROVISÓRIO IMEDIATO RELATO DE CASO CLÍNICO CORDENADOR: DR. SERGIO MOTTA. ALUNO: DR. FABIO CAMILO.

Leia mais

Coautor do livro Restauração Dentoalveolar Imediata - Implantes com carga imediata em alvéolos

Coautor do livro Restauração Dentoalveolar Imediata - Implantes com carga imediata em alvéolos Com a maturidade atingida nesses quase 10 anos de desenvolvimento e uso da técnica RDI, novos passos foram dados no sentido de aperfeiçoá-la e aplicá-la em maior profundidade. Hoje, a técnica já é amplamente

Leia mais