INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS LAÍS MACENA DE OLIVEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS LAÍS MACENA DE OLIVEIRA"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS LAÍS MACENA DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO JOÃO PESSOA 2012

2 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS LAÍS MACENA DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO JOÃO PESSOA

3 LAÍS MACENA DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Relatório de estágio supervisionado submetido à apreciação da banca examinadora do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Tecnólogo em Construção de Edifícios. Orientadora: Prof.ª Nelma Mirian Chagas de Araújo JOÃO PESSOA

4 RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO LAÍS MACENA DE OLIVEIRA Aprovado em: / /. BANCA EXAMINADORA Profª. Nelma Mirian Chagas de Araújo Profª. Orientadora Profª. Alexsandra Rocha Meira Profª. Examinadora Prof. Gibson Rocha Meira Prof. Examinador Profª. Maria de Fátima Duarte Lucena Coordenadora de Estágio Profª. Roberta Paiva Calvacante Coordenadora do Curso 4

5 Bem-aventurado o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento. Pv

6 DEDICATÓRIA A Deus, que até aqui tem demonstrado Seu grande amor para comigo, através de suas bênçãos maravilhosas nesta longa caminhada aqui na terra; Aos meus pais, que sempre me incentivaram e apoiaram para que eu atingisse este objetivo de vida, bem como pela educação moral, e aos meus irmãos, por me proporcionarem a alegria. Aos parentes e amigos, que contribuíram de forma direta e indireta ao longo desta jornada. Ao meu esposo Geilson Marques de Oliveira, por estar ao meu lado, me incentivado e me dando forças para conclusão deste relatório.. 6

7 AGRADECIMENTOS A minha Orientadora, Profª. Nelma Mirian Chagas de Araújo a quem muito admiro como pessoa e como profissional. A Engenheira Katyuska da Paixão, supervisora deste estágio, bem como ao Tecnólogo Gabriel Alves, pelos grandes ensinamentos transmitidos ao longo do estágio, em função das suas grandes experiências obtidas ao longo do tempo. 7

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Planilha de orçamento do Volare FIGURA 2: Planilha de estrutura do orçamento Volare FIGURA 3: Planilha de composição de custo FIGURA 4: Cronograma de execução de serviços MS PROJECT FIGURA 5: Calendário MS PROJECT FIGURA 6: Planilha orçamentária RM FIGURA 7: Composição de Custo RM FIGURA 8: Cronograma previsto RM

9 LISTA DE TABELAS TABELA 01: Levantamento quantitativo de portas TABELA 02: Produtividade TABELA 03: Cronograma Físico TABELA 04: Cronograma Físico-financeiro TABELA 05: Planilha de controle de cronogramas

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA ORÇAMENTO APROPRIAÇÃO LEVANTAMENTO DE QUANTITATIVO ORÇAMENTO CRONOGRAMAS SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS LEVANTAMENTO DE QUANTITATIVOS DE PORTAS VOLARE MS PROJECT TOTVS (RM) APROPRIAÇÃO DAS OBRAS CRONOGRAMAS DO MAISON DE LYON CRONOGRAMA FÍSICO CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO REGISTRO DE QUALIDADE CONLUSÃO RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS 26 ANEXO A Organograma da Construtora Brascon 27 10

11 1 INTRODUÇÃO Sendo o Tecnólogo um profissional capaz de atuar no gerenciamento da execução de obras de construção de edifícios, cuidando de etapas essenciais que vão desde o planejamento, perpassando por todas as fases de implantação e organização, o relatório aqui apresentado busca relatar as atividades desenvolvidas no estágio supervisionado, a fim de receber o título de Tecnólogo. O estágio foi realizado no escritório da Construtora Brascon Ltda., no período de 29/06 a 31/12/2009, onde foram desenvolvidas atividades no setor de orçamento, planejamento e sistema da qualidade. Em linhas gerais, o estágio serviu para o desenvolvimento prático de atividades profissionais, contribuindo também para o aperfeiçoamento do conhecimento teórico adquirido durante o curso. 2 OBJETIVO Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades exercidas durante o período do estágio supervisionado, onde se colocou em prática o embasamento teórico adquirido durante o curso, tendo assim a aptidão de executar e fiscalizar uma obra, como também fazer um planejamento da mesma. 3 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA A Construtora Brascon Ltda. possui 25 anos de experiência no mercado, construindo empreendimentos nas áreas mais nobres de João Pessoa, experiência esta que contribuiu para que a empresa obtivesse os certificados ISO 9001 e PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat), emitidos pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade industrial), através do BVQI (Bureau Veritas Quality International). Esta empresa construtora caracteriza-se pela execução de projetos relacionados à construção de edifícios multifamiliares. 11

12 4 ORÇAMENTO O orçamento é um dos itens mais importantes no desenvolvimento de um planejamento de obras, senão o mais importante, pois é o que permitirá descobrir se a execução da obra será viável para quem quer que a realize. Para isso, é necessário ter-se conhecimento prévio de itens importantes, como: o fim a que se destina; dimensões do terreno; área de construção; quantitativo dos serviços; impostos incidentes na execução da obra; especificações dos materiais que serão utilizados; mão de obra que será utilizada, dentre outros. De acordo com Limmer (1997), o rçamento é a determinação dos gastos necessários para a realização de um projeto, de acordo com um plano de execução previamente estabelecido, gastos estes estabelecidos em termos quantitativos. O autor acredita que o orçamento de um projeto deve satisfazer aos seguintes objetivos: custo de execução de cada atividade ou serviço; documento contratual, servindo de base para o faturamento da empresa executora do projeto, empreendimento ou obra, e para evitar dúvidas ou omissões quanto a pagamentos; referência na análise dos rendimentos obtidos dos recursos empregados na execução do projeto; instrumento de controle da execução do projeto; e informações para o desenvolvimento de coeficientes técnicos confiáveis, visando ao aperfeiçoamento da capacidade técnica e da competitividade da empresa executora do projeto no mercado. Para Giamusso (1988), orçar uma obra ou um empreendimento consiste em calcular o seu custo da forma mais detalhada possível, a fim de que o custo calculado seja o mais próximo do real. O orçamento deve compreender todos os custos, desde a fase de projeto e levantamentos até a limpeza da obra, englobando supervisão, administração, encargos legais e fiscais, custos financeiros e despesas de comercialização. O autor afirma ainda que um orçamento bem elaborado possibilita a redução de custos, pelo conhecimento dos itens que têm mais influência nesses custos, evitando-se desperdícios, através da procura ou negociação de preços e fiscalização mais rigorosa na execução desses itens. Embora aparentemente simples, orçar uma obra é muito mais que quantificar ou precificar, trata-se de um processo contínuo, começado desde a 12

13 ideia do empreendimento até a sua entrega, visto que durante a execução podem ocorrer imprevistos que necessitem custos adicionais, o que acarretará um custo final mais elevado que o previsto. O orçamentista precisa estar atento a todos os detalhes do projeto, pois em casos especiais, como as obras públicas, por exemplo, custos adicionais podem significar grandes prejuízos e obras inacabadas, visto que o recurso disponível em sua quase totalidade é proveniente dos governos Estadual e Federal. Matos (2006) afirma que orçar não é um mero exercício de futurologia ou jogo de adivinhação. Ele defende a ideia de que orçar deve ser um trabalho bem executado, com critérios técnicos bem estabelecidos, utilização de informações confiáveis e bom julgamento do orçamentista. E ainda que o orçamento em si trata-se de uma estimativa de custos em função da qual o construtor irá atribuir seu preço de venda este, sim, bem estabelecido. Consoante Pargas (1995), orçamento é pura previsão. Sua precisão, em maior parte, depende da qualidade e inteireza do projeto, da fidelidade dos dados obtidos junto às fontes de fornecimento de material, da familiaridade com a mão de obra disponível, da confiança que inspirem garantias contratuais de cumprimento dos prazos de pagamento dos créditos e o rigor das penalidades para o inadimplente, do equilíbrio e da imparcialidade dos termos de ajuste, do conhecimento da legislação fiscal e trabalhista vigentes, da vivência no canteiro de obra, de sólida experiência técnica, da consciência das particularidades das partes contratantes e, muito especialmente, da perícia e bom senso de quem o faz, atributos que se conquistam com a prática frequente orientada pelo confronto constante entre os custos previstos e os que decorrem da apropriação minuciosa das obras executadas. 5 APROPRIAÇÃO Segundo Azevedo (2009), por ser uma atividade que envolve muitos custos, acredita-se que um orçamento bem feito seja suficiente para garantir a previsão de custos de obra da construção civil. Sabe-se que o custo orçado é diferente do custo executado. Situações não previstas no orçamento como, por exemplo, 13

14 inflação, desperdícios, desvios, queda de produtividade etc., podem ocorrer no andamento da obra, ocasionando, muitas vezes, uma grande diferença entre o custo orçado e o executado. A apropriação dos custos é o método pelo qual a empresa terá controle total dos custos financeiros de um determinado serviço, podendo avaliar ainda o desempenho e produtividade da sua mão-de-obra. A apropriação tem como característica a apuração dos serviços executados, visando a obtenção real das quantidades material/mão de obra e dos tempos realmente empregados nos serviços executados, onde as informações colhidas na obra servirão de base para as Composições de Custo Unitário (CPU) de serviços e análise de produtividade. 6 LEVANTAMENTO DE QUANTITATIVOS O levantamento de quantitativos é uma das principais tarefas do orçamentista, é a fase mais importante no processo de elaboração do orçamento, sendo exigido o conhecimento técnico de como é feito determinado serviço. Além do conhecimento dos serviços que envolvem uma obra, inclui cálculos baseados em dimensões precisas fornecidas no projeto, como volume de concreto armado, área de telhado, área de pintura, entre outros, ou em algumas estimativas, por exemplo, volume de escavação em solo. O processo de levantamento de quantidades de cada material deve sempre estar em uma memória de cálculos fácil de ser manipulada, a fim de que possam ser conferidas por outra pessoa e que uma mudança de características ou dimensões do projeto não acarrete um segundo levantamento completo. Os materiais empregados numa obra podem ser de caráter permanente, que ficam incorporados ao produto final, como: concreto, areia, brita, tijolo, entre outros; e de caráter não permanente, que são usados apenas na fase de construção, como escoramentos e instalações improvisadas. 14

15 7 CRONOGRAMAS Segundo Araújo ( 2005), os cronogramas são uma ferramenta de planejamento que permite acompanhar o desenvolvimento físico dos serviços e efetuar previsões de quantitativos de mão de obra, materiais e equipamentos, tanto os incorporados à obra construída quanto aqueles usados na construção, além de permitir que se determine o faturamento a ser feito ao longo da execução da obra, constituindo-se no chamado cronograma físico-financeiro. Para que um cronograma seja bem elaborado, é necessário que as atividades que ele espelha tenham seu desenvolvimento cuidadosamente estudado e sejam ordenadas de forma lógica. 8 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A ISO (International Organization for Standardiza) é uma entidade internacional, não governamental, que desenvolve as normas no âmbito mundial e se aplica a qualquer empresa. Foi criada em 1946 por 25 países, inclusive o Brasil, e possui sua sede em Genebra Suíça. No Brasil, é representada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), organização responsável pelo desenvolvimento das normas em nível nacional. O Programa PBQPH (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat), se aplica às empresas de construção civil, visando organizar o setor da construção civil, buscando melhoria da qualidade do habitat e a modernização produtiva. A Construtora Brascon Ltda., na época do estágio, possuía o Sistema de Avaliação de Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil (SiAC) do PBQB-H, nível A. 15

16 9 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS As atividades desenvolvidas no período do estágio ajudaram a por em prática no cotidiano todos os conhecimentos adquiridos durantes os três anos de estudos no Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios. O estágio teve a supervisão da engenheira Katyska da Paixão, que teve papel fundamental no desenvolvimento do mesmo, ensinando novas técnicas e aprimorando conhecimentos. As principais atividades desenvolvidas durante os seis meses de estágio são apresentadas a seguir: 9.1 Levantamento de quantitativos da obra Maison Miramar O levantamento de quantitativo de portas do Maison Miramar, foi feito por unidade, como mostra a Tabela 01 abaixo. Tabela 01: Levantamento quantitativo de portas PORTAS 2,10 x 0,60 2,10 x 0,70 2,10 x 0,80 2,10 x 0,90 2,20 x 2,10 TÉRREO 4 3 PAV. TIPO COBERTURA GUARITA 1 GARAGEM 1 3 GARAGEM 2 3 CASA DE MÁQ. 2 TOTAL Volare Volare é um software para gestão de obras que já vem com uma base de dados pronta. Elabora o orçamento de obras e propostas técnicas a partir das informações de quantidades de serviços e insumos. Permite a criação de orçamentos e pode utilizar modelos pré-existentes. O referido software trabalha com o banco de dados do TCPO 2003, contendo mais de serviços e insumos, inclui codificação organizada pela classificação Pini, composta por 4 16

17 níveis, e permite que o usuário altere e crie composições e insumos conforme suas necessidades. As Figuras 01,02 e 03 apresentam telas do software. Figura 01: Planilha de orçamento retirada do Volare Figura 02: Planilha de estrutura do orçamento retirada do Volare 17

18 Figura 03: Planilha de composição de custo retirada do Volare MS Project O Microsoft Project é um aplicativo de gerenciamento de projetos utilizado para planejar, programar e representar graficamente as informações sobre projetos. O gerenciamento de projetos pode ser definido pelo planejamento, coordenação e gerenciamento de tarefas e recursos, para a realização de um objetivo específico ou de um conjunto de objetivos. O Ciclo de Gerenciamento de Projetos consiste, de um modo geral, em três etapas: 1. Criação do Projeto: a primeira fase envolve a definição das tarefas, incluindo a sua duração e relação com a globalização do projeto. 2. Gerenciamento do Projeto: a segunda fase envolve o controle das tarefas e recursos até o final do projeto, efetuando as adaptações necessárias, de modo a manter o projeto em funcionamento. 3. Reportagem do Projeto: esta fase inclui gerar relatórios e gráficos para reportar os detalhes do projeto. 18

19 O MS PROJECT foi de extrema importância para a elaboração das atividades de planejamento dos serviços a serem executados. As Figuras 04 e 05 mostram as telas deste aplicativo. Figura 04: Cronograma de execução de serviço com seus antecessores e predecessores retirada do MS PROJECT Figura 05: Calendário retirado do MS PROJECT 19

20 9.1.3 TOTVS (RM) TOTVS é uma empresa multinacional de software sediada aqui no Brasil e RM é um dos aplicativos de solução da TOTVS para sistemas compatíveis com o Windows. As características funcionais do RM visam permitir automações para as rotinas fundamentais de uma empresa que priorizam fatores como agilidade, qualidade e eficiência na execução das existentes no mesmo. O RM não vem com nenhuma base, diferente do Volare, que vem com o TCPO. Ele é feito para empresas que tenham a sua própria composição de serviços. Seu cronograma físico-financeiro facilita o acompanhamento do setor de planejamento e da obra. Esse aplicativo foi muito importante, porque deixou a planilha orçamentária mais próxima da realidade da empresa, como mostram as Figuras 06,07 e 08. Figura 06: Planilha orçamentária retirada do RM 20

21 Figura 07: Composição de custo retirada do RM Figura 08: Cronograma previsto retirado do RM 21

22 9.2 APROPRIAÇÃO DAS OBRAS A produtividade indica a eficiência em transformar tempo em produto. Quanto maior a produtividade, mais unidades de produtos são feitas num determinado espaço de tempo. A Tabela 02 mostra a produtividade de homens-hora de cada categoria de trabalho da Construtora Brascon Ltda. Tabela 02: Produtividade Serviço Equipe Unidade Produtividade 1 Execução de gabarito 2P + 2A m/dia/homem 64,28 2 Montagem de forma de pilar 5P + 6A m/dia/homem 64,28 3 Montagem de forma de viga 5P + 6A m/dia/homem 64,28 4 Montagem de forma de laje 5P + 6A m/dia/homem 64,28 5 Contrapiso virado em obra 2P + 1A m/dia/homem 64,28 6 Contrapiso pronto 2P + 1A m/dia/homem 64,28 7 Alvenaria Interna 2P + 1A m/dia/homem 64,28 8 Execução de placa de piso 2P + 1A m/dia/homem 64,28 9 Chapisco externo 2P + 1A m/dia/homem 64,28 10 Emboço externo - balanci treco 2P + 1A m/dia/homem 64,28 11 Emboco externo 2P + 1A m/dia/homem 64,28 12 Reboco interno 2P + 1A m/dia/homem 64,28 13 Forro de gesso 1P + 1A m/dia/homem 64,28 14 Cerâmica interna 2P + 1A m/dia/homem 64,28 15 Rejunte interno 2A m/dia/homem 64,28 16 Cerâmica xternae 2P + 1A m/dia/homem 64, CRONOGRAMAS DO MAISON DE LYON Cronograma físico É aquele em que constam as etapas dos serviços com os seus respectivos tempos de duração, seguindo uma seqüência de atividades, como mostra a Figura

23 Figura 09: Cronograma Físico Cronograma físico-financeiro É aquele que, além das atividades e dos tempos de execução, contém os valores financeiros de cada atividade, mensais e totais, parciais e acumulados, como mostra a Figura 10. Figura 10: Cronograma físico-financeiro 23

24 9.3 REGISTROS DA QUALIDADE Os registros da qualidade devem ser mantidos legíveis, prontamente identificáveis e recuperáveis. Um procedimento documentado deve ser instituído para definir os controles necessários para identificação, armazenamento, proteção, recuperação, tempo de retenção e destaque dos registros da qualidade, conforme mostra a Figura 11. Figura 11: Planilha de controle de registros (cronogramas) 10 CONCLUSÃO O estágio supervisionado é uma disciplina obrigatória do Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios, de grande importância, que dá oportunidade ao aluno inteirar-se sobre o que acontece realmente em uma obra da construção civil. Proporcionou-me um aprendizado sobre todas as etapas da obra, colocando em prática o que aprendi na sala de aula. Pude desenvolver habilidade, criatividade e bom senso para resolver os desafios diários, contando sempre com o acompanhamento de engenheiros experientes. Foi possível entender melhor a necessidade do administrador da obra quanto a cumprir o prazo determinado para que a obra seja entregue. Aprendi a conviver com diferentes personalidades, que foi de grande significado para minha formação profissional. Assim, concluo que o estágio me proporcionou um grande crescimento pessoal e profissional. 24

25 11 RECOMENDAÇÕES Recomenda-se à Construtora Brascon Ltda. continuar dando oportunidades a novos estagiários, treinando-os com responsabilidade para executar bem os serviços propostos e, dessa forma, torná-lo um bom profissional. Ao IFPB, recomenda-se uma maior sintonia com as construtoras de João Pessoa. A responsabilidade de colocar no mercado de trabalho um profissional qualificado, parte não somente da vontade do aluno, mas também do engajamento da Instituição. 25

26 REFERÊNCIAS AZEVEDO, Marcio L. M. Apropriação de custos na construção civil. Disponível em: <http://www.ecivilnet.com/artigos/apropriação_de_custos.htm>. Acesso em: 14 set MATTOS, A. D. Como preparar orçamento de obras. 6. ed. São Paulo: Pini, ARAÚJO, N. M. C. Construção civil: Uma abordagem macro da produção ao uso. João Pessoa: IFPB: Sinduscon, ARAÚJO, N. M. C. Especificações e orçamentos. João Pessoa: IFPB, (Apostila - Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios) MEIRA, A. R. e ARAÚJO,N. M. C. Qualidade na construção civil. João Pessoa: IFPB, (Apostila - Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios) VOLARE. Manual de treinamento (Apostila). São Paulo: Pini Sistemas, GIAMMUSSO, Salvador Eugênio. Orçamento e custos na construção civil. 1ª Ed. São Paulo: Editora Pini, MATTOS, Aldo Dórea. Planejamento e Controle de Obras. 1ª Ed. São Paulo: Editora PINI, LIMMER, Carl V. Planejamento, Orçamentação e Controle de Projetos e Obras. 1ª Ed. Rio de Janeiro: LTC Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, PARGA, Pedro. Cálculo do preço de venda na construção civil. São Paulo: PINI/Rio de Janeiro: SEAERJ,

27 ANEXO A Organograma da Construtora Brascon Diretoria Assessoria Jurídica Comitê da Qualidade Assessoria Dep. de Pessoal Assessoria Comercial e de Marketing Assessoria Contábil Assessoria de Custo Gerência Administrativa, Financeira e Comercial Gerência de Vendas Gerência Técnica Assessoria em Informática SAC Consultoria de Vendas Assessoria Integrada SESMT/Meio Ambiente Setor Administrativo Setor Financeiro Recepção Serviços Gerais Planejamento e Obras Orçamento Assistência técnica e Manutenção Suprimentos Legenda: Funções que interferem diretamente no sistema da qualidade Funções que interferem indiretamente no sistema da qualidade 27

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. CRONOGRAMA FÍSICO Quando se inicia uma obra, o ideal é saber exatamente quanto tempo os trabalhos vão durar e, consequentemente, quando vão acabar. Por isso,

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS DIRETRIZES BÁSICAS O orçamento de uma obra compõe-se de um conjunto de elementos capazes de quantificar e customizar

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1 PROJETO BÁSICO ORÇAMENTO PARA CONCLUSÃO DAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA 1. OBJETO: Elaboração de planilha orçamentária estimativa e cronograma físico-financeiro para a conclusão das obras do

Leia mais

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque

Relatório de Estágio Curricular. Rafael Menezes Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Rafael Menezes Albuquerque São José dos Campos Novembro2005 Relatório de Estágio

Leia mais

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos

PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos PLEO Planilha Eletrônica de Orçamentos A montagem de um orçamento consistente é uma ciência. Diferentemente de uma simples estimativa de custos, quando a avaliação é empírica, o orçamento que segue os

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA

CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA GERANDO COMPETITIVIDADE ATRAVÉS DO CONHECIMENTO E DA INOVAÇÃO CURSO DE ORÇAMENTAÇÃO DE OBRAS DE ENGENHARIA LOCAL: CREA-PB. DIAS: 10, 11 e 12 de Junho de 2015. Quarta das 19h às 22h; Quinta das 08h às 12h

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

SANTOS, Cícero Marciano da Silva (1); ARAÚJO, Nelma Mirian Chagas de (2)

SANTOS, Cícero Marciano da Silva (1); ARAÚJO, Nelma Mirian Chagas de (2) ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS INDICADORES DE CONSUMO DO TCPO E O CONSUMO REAL DESTES NOS CANTEIROS DE OBRA EM CONSTRUTORAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA PB SANTOS, Cícero Marciano da Silva (1);

Leia mais

TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA - PB

TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE JOÃO PESSOA - PB ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& TCPO X REALIDADE: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS

Leia mais

Ana Carolina Ferreira Gonzaga OBJETIVOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ACADÊMICA

Ana Carolina Ferreira Gonzaga OBJETIVOS PROFISSIONAIS FORMAÇÃO ACADÊMICA Estado Civil Casada Telefone (62)9959-1977 / (62) 3932-0985 Natural Goiânia - GO E-mail ana_cfgonzaga@yahoo.com.br Redes Sociais Facebook: LinkedIn: OBJETIVOS PROFISSIONAIS Área: Gestão/Controle em Engenharia

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CURITIBA 2011 CURSO DE TURISMO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer o

Leia mais

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos

Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Integração entre PCP e Gestão de Custos: Curvas de Agregação de Recursos Carlos T. Formoso Apresentação Técnica de planejamento e controle de obras: Reúne dados de orçamento e planejamento Utiliza dados

Leia mais

Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURITIBA, 2014 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos

CONSTRUTORA A F CINTRA LTDA. Recuperação e Reforço de Estruturas Restauração de Fachadas - Impermeabilizações Pisos - Laudos Técnicos Guarujá, 30 janeiro de 2014. Condomínio Edifício Tivoli Garden. Av. Atlântica, 490. Enseada Guarujá - SP. At.: Sr. Wanderley Síndico. Ref: Execução de serviços de construção de sacadas na fachada frontal,

Leia mais

O diagrama de barras -

O diagrama de barras - 5 Avila & Jungles Planejamento & Controle de Empreendimentos 5.1 O objetivo. O diagrama de barras - porcentagem a ser realizada na unidade de tempo; etc. (SILVA, 2001). A maior desvantagem se encontra

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE GTED GRUPO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DO ACRE GTED GRUPO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES PROJETO BÁSICO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL CONSTRUÇÃO DE UMA OFICINA DE VIATURAS NA EPA/DPF/AC DESENVOLVIMENTO / COORDENAÇÃO: GTED/SR/DPF/AC Atualização out/2012 Objeto Construção de uma oficina para

Leia mais

Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras

Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Disciplina: Gerenciamento de Obras Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Prof. Ms. Daniele Ornaghi Sant Anna Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Programas computacionais gráficos podem

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL MAURICIO GEREMIAS SCOTTI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL MAURICIO GEREMIAS SCOTTI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CTC - CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL MAURICIO GEREMIAS SCOTTI ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO DE UMA RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR FLORIANÓPOLIS (SC) 2014

Leia mais

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL

GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL GERENCIAMENTO DA CONSTRUÇÃO CIVIL FSP - Faculdade Sudoeste Paulista Departamento Engenharia Civil ENGª. M.Sc. Ana Lúcia de Oliveira Daré Cap. 3: OS CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL 3.1 Custos na construção civil

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

Edição 134 -Setembro/2012

Edição 134 -Setembro/2012 Edição 134 -Setembro/2012 Produção organizada Planejamento da obra requer projeto detalhado do canteiro e levantamento completo das informações acerca de equipamentos, materiais e perfil das equipes que

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE UM CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE JACINTO MACHADO SC

DETERMINAÇÃO DE UM CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE JACINTO MACHADO SC DETERMINAÇÃO DE UM CUSTO UNITÁRIO BÁSICO PARA EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIFAMILIARES NO MUNICÍPIO DE JACINTO MACHADO SC RESUMO Bruno Pereira Alexandre (1), Mônica Elizabeth Daré (2) UNESC Universidade

Leia mais

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC

Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas. 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC Orientações para Elaboração de Planilhas Orçamentárias de Obras Públicas 22 e 23 de outubro de 2015 Florianópolis/SC APRESENTAÇÃO O Tribunal de Contas da União lançou, recentemente, um guia denominado

Leia mais

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03

DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 Curitiba, 12 de Dezembro de 2014. DINOP / CENOP LOGÍSTICA CURITIBA (PR) ESCLARECIMENTO N.º 03 TOMADA DE PREÇOS 2014/15001(7419) - Contratação de reforma, sem ampliação, incluindo pavimentação, alvenaria,

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CÉSAR RODIGHERI RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I:

Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras. Unidade I: Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras Unidade I: 0 Informática aplicada ao Gerenciamento de Obras GERENCIAMENTO DE OBRAS Programas computacionais gráficos podem ajudar na elaboração de orçamentos,

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação

7º Simpósio de Ensino de Graduação ORÇAMENTO 7º Simpósio de Ensino de Graduação Autor(es) MARIANA HEREMAN Orientador(es) ELAINE DIAS 1. Introdução As empresas estão buscando sempre atingir seus objetivos por meio de um bom planejamento

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL

RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL RELATO DE EXPERIÊNCIA EM GERENCIAMENTO DE INTEGRAÇÃO DE PROJETOS TÉCNICOS NUMA EMPRESA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Áurea Araujo Bruel, Msc candidate Engenheira Civil, Mestranda do PPGCC/UFPR e-mail aabruel@yahoo.com.br

Leia mais

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento

Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Aula Nº 06 Determinação do Orçamento Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula são, basicamente, apresentar os processos aplicados que possibilitem identificar os recursos necessários para se conduzir

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NÍVEL MESTRADO Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Paulista -

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1-

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1- Módulo de Gestão de Custos -1- A crescente necessidade das empresas, em melhorar o desempenho dos seus projetos, leva automaticamente a uma melhor gestão dos processos de Controle de Custo. O vem para

Leia mais

Utilização de Planilhas Excel na Engenharia Civil

Utilização de Planilhas Excel na Engenharia Civil Utilização de Planilhas Excel na Engenharia Civil Alexandre Negredo, Kevin Barros Ulhoa¹; Medeiros G. C.² ¹ ² Grupo PET Estruturas Universidade Católica de Brasília (UCB) Curso de Graduação em Engenharia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014

PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 01.02.004/2014 01 - Fase Licitatória 01.02 - Análise das especificações, quantidades

Leia mais

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso:

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso: FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo I Florianópolis, março/2012 1 Objetivo do curso: Desenvolver competências (conhecimentos, habilidades

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL MARCELO DADAMO VIEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENGENHARIA CIVIL GRUPAMENTO DE INFRAESTRUTURA E APOIO de SÃO JOSÉ DOS CAMPOS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Aluno: Renato Rodrigues Teles

Leia mais

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia

CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. CDSOFT Tecnologia CDSOFT GerConstrução O SOFWARE DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. O GerConstrução é um software de Gestão Empresarial (ERP) especializado em soluções para processos e negócios da Indústria da Construção Civil.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

DISCIPLINA: ORÇAMENTO E GERENCIAMENTO DE OBRAS 2013/1

DISCIPLINA: ORÇAMENTO E GERENCIAMENTO DE OBRAS 2013/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: ORÇAMENTO E GERENCIAMENTO DE OBRAS 013/1 Mônica Santos Salgado Professor Associado IV - D.Sc monicassalgado@ufrj.

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL

ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL ESTUDO DE CASO: COMPARAÇÃO DE CUSTOS DIRETOS ENVOLVIDOS EM UMA OBRA DE MANUNTEÇÃO PREDIAL Cristian Joaquim (1), Mônica Elizabeth Daré (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)cristianjoaquim@hotmail.com(2)m.dare@terra.com.br

Leia mais

CONSTRUTORAS. Tudo para que a sua construtora tenha maior produtividade e agilidade nos processos mais importantes do dia a dia.

CONSTRUTORAS. Tudo para que a sua construtora tenha maior produtividade e agilidade nos processos mais importantes do dia a dia. Segmento CONSTRUÇÃO E PROJETOS CONSTRUTORAS As soluções de software de gestão para o segmento de construção e projetos da TOTVS são especialistas na construção de resultados para o seu negócio. Um conjunto

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO APERFEIÇOAMENTO ENGENHARIA DE CUSTOS E ORÇAMENTOS TURMA 01 FORMAÇÃO DE CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ana Milagres do Nascimento Engenheira civil orçamentista

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15

RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 RELATÓRIO GERENCIAL TRIMESTRAL 004 JUNHO/15 Relatório Gerencial Trimestral elaborado por: Leandro Toré de Castro Diretor de Contrato 61 3878 4718 ltcastro@odebrecht.com Thiago Galvão Diretor de Contrato

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Graduação em Engenharia Civil OSMAR VIERIA OZELAME FILHO AVALIAÇÃO DO CUSTO UNITÁRIO

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

4.2 MODELOS MATEMÁTICOS PARA A ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 4 PLANILHA ELETRÔNICA 4.1 CONTEXTO O Capítulo 3 tratou do método de pesquisa utilizado, as etapas e as estratégias adotadas neste trabalho. Neste capítulo, discorre-se sobre a planilha eletrônica desenvolvida

Leia mais

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos

ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO. Como garan4r um bom detalhamento de custos ORÇAMENTO EM OBRAS DE SANEAMENTO Como garan4r um bom detalhamento de custos Eng. Rogério Dorneles Severo, PMP Set/2014 Rogério Dorneles Severo, PMP Profissional com mais de 20 anos de experiência em empreendimentos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos?

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos? Portfólio 1. Quem Somos? Somos uma Equipe de Auditores, Consultores e Assessores Empresariais com diversas competências para melhorar o desempenho de qualquer negócio por meio de SISTEMAS DE GESTÃO DA

Leia mais

CÍCERO MARCIANO DA SILVA SANTOS

CÍCERO MARCIANO DA SILVA SANTOS CÍCERO MARCIANO DA SILVA SANTOS ANÁLISE DOS INDICADORES DO TCPO E DE EMPRESAS CONSTRUTORAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS UTILIZADOS NA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS POR EMPRESAS DE JOÃO PESSOA Dissertação submetida

Leia mais

Central. Estágios. Manual de Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado FAECO. 18/Novembro/2013 ATENÇÃO

Central. Estágios. Manual de Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado FAECO. 18/Novembro/2013 ATENÇÃO 2013 1 Central de Estágios FAECO Manual de Elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado Autor: Prof. Me. Luiz Carlos Barbosa de Lima Colaboradores: Prof. Me. Antonio Maia Navarro ATENÇÃO Data Final

Leia mais

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO

DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PARAÍBA DO SUL RJ 2014 2 DA NATUREZA Art. 1. Os alunos do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177

GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 GESTÃO, PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO, PROJETOS E RESULTADOS. EMPRESA REGISTRADA 13-0177 TECHNIQUE A Technique atua desde 1997 nas áreas de infraestrutura, construção civil e industrial, através de consultoria

Leia mais

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Seminário - Juiz de Fora SINDUSCON - SEBRAE Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Gestão do Processo de Projeto

Leia mais

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker

Projeto para. Pavimentação de Calçamento. de Pedra Irregular. da Rua Cândida Correa Becker. dos Trechos Esquina Modesto Vargas. até Manoel Schumacker Projeto para Pavimentação de Calçamento de Pedra Irregular da Rua Cândida Correa Becker dos Trechos Esquina Modesto Vargas até Manoel Schumacker MONTE CARLO SC Janeiro de 2014 Proprietário: PREFEITURA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CADERNO DE ENCARGOS

ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS CADERNO DE ENCARGOS Processo...: 08153-000393/2007-02 Objeto... :Tomada de Preços nº 01/2007 Contratação de empresa para a execução de Serviços de Pintura do prédio Sede da PRT 23ª Região Local...: Rua Presidente Castelo

Leia mais

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral

técnica à Gerência de Unidades de Conservação de Proteção Integral TERMO DE REFERÊNCIA Nº. 03 / 2012 Projeto: Assunto: Serviços Técnicos especializados de Engenharia consultiva de Gerenciamento de Obras e Assessoria técnica para elaboração de projetos de implantação das

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Curso Elaboração de Planilhas de Orçamento de Obras com o Novo SINAPI São Paulo SP 11 e 12 de dezembro de 2014 Professor André Baeta

Curso Elaboração de Planilhas de Orçamento de Obras com o Novo SINAPI São Paulo SP 11 e 12 de dezembro de 2014 Professor André Baeta Curso Elaboração de Planilhas de Orçamento de Obras com o Novo SINAPI São Paulo SP 11 e 12 de dezembro de 2014 Professor André Baeta OBJETIVO Qualificação de profissionais para a elaboração de orçamentos

Leia mais

UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Disciplina: Planejamento de Obras Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi, MSc Disciplina: Planejamento

UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Disciplina: Planejamento de Obras Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi, MSc Disciplina: Planejamento UFMS - CCET - DEC CURSO: ENGENHARIA CIVIL Disciplina: Planejamento de Obras Prof: Engº. Civil Wagner Augusto Andreasi, MSc Disciplina: Planejamento de Obras Tópico: Gerenciamento de Contratos 4- Execução

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Visão Ser reconhecida como a mais sustentável, eficiente e renomada empresa de contabilidade do país.

1 APRESENTAÇÃO. Visão Ser reconhecida como a mais sustentável, eficiente e renomada empresa de contabilidade do país. A Solução Contábil 1 APRESENTAÇÃO A Internet Accounting, empresa do Grupo Partwork, com mais de 17 anos de mercado, agradece pelo contato e confiança depositada. Nosso A Solução objetivo é oferecer Contábil

Leia mais

Vitória, 22 de Julho de 2014.

Vitória, 22 de Julho de 2014. Vitória, 22 de Julho de 2014. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Analista de Dados, Analista de Desenvolvimento, Enfermeiro (a) do Trabalho;

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

Equipamentos Públicos

Equipamentos Públicos Equipamentos Públicos 1 Como fiscalizar Conheça o método de fiscalização das obras dos Fóruns da Bahia Vistoria dos Fóruns de Itabuna e Vitória da Conquista envolve compatibilização dos projetos por meio

Leia mais

CUB e Preço de Venda

CUB e Preço de Venda CUB e Preço de Venda Histórico do CUB: O CUB Custo Unitário Básico tem amparo na Lei 4.591 de 16 de dezembro de 1964, que dispõe sobre as incorporações imobiliárias. Com amparo nesta Lei, surgiu em 1965

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais