SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES"

Transcrição

1 SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES ANDRÉ FERNANDO ROLLWAGEN Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense JOSEANE AMARAL Instituto Federal de Educação Ciêncai e Tecnologia Sul-Rio-Grandense THIAGO BARBIERI DO AMARAL Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense LUCIANA LONDERO BRANDLI Universidade de Passo Fundo

2 SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES Resumo A geração de resíduos sólidos cresceu consideravelmente nos último anos, principalmente devido ao crescimento populacional, e o aumento no consumo de produtos industrializados. Este fato contribui na ampliação de problemas sociais, econômicos e ambientais. Os catadores e cooperativas de recicladores são fundamentais no processo de gestão de resíduos sólidos. Pois, auxiliam na diminuição de descartes inadequados e destinação de resíduos aos aterros sanitários. No município de Passo Fundo RS, as cooperativas de recicladores são responsáveis pela classificação e destinação de grande quantidade dos resíduos gerados. Devido à inexistência de um software para gestão de resíduos sólidos em algumas dessas cooperativas, o gerenciamento é efetuado manualmente, por meio de anotações informais, ocasionando tomadas de decisão desarticuladas. Em função disso, este trabalho tem por objetivo apresentar o processo de desenvolvimento e implantação do software para gestão de resíduos sólidos em cooperativas de recicladores deste município, o qual deverá proporcionar uma gestão eficiente, disponibilizando relatórios e índices que auxiliarão no controle de processos administrativos e tomada de decisão. Palavras-chave: Gerenciamento de resíduos sólidos. Associações de recicladores. Sistema de informação gerencial. SOFTWARE FOR MANAGING SOLID WASTE IN RECYCLING COOPERATIVES Abstract The solid waste generation has grown considerably in the last years, mainly due to population growth and increased consumption of processed products. This fact contributes to the expansion of social, economic and environmental problems. Scavengers and recyclers Cooperatives are fundamental in the solid waste management process. Therefore assist in the reduction of discharges and improper disposal of waste to landfills. In Passo Fundo - RS, cooperatives recyclers are responsible for sorting and disposal of large amount of waste generated. Due to the lack of a software for management of solid waste in some of these cooperatives, management is performed manually, through informal notes, resulting in disjointed decision taken. As a result, this paper aims to present the process of development and deployment of software for managing solid recyclers in this municipality, which should provide an efficient waste management cooperatives, providing reports and indices that assist in the control of administrative processes and decision making.. Keywords: Solid waste management. Associations recyclers. Management information system.

3 1. INTRODUÇÃO A geração de resíduos vem aumentando exponencialmente, isso ocorre devido ao crescimento populacional, hábitos e costumes da população, ampliação da renda familiar, agregados ao crescente consumo de produtos industrializados. Segundo Taguchi (2010), a geração de resíduos sólidos é inerente ao cotidiano da sociedade. A não reciclagem agregada à destinação incorreta de resíduos sólidos pode agravar os impactos ambientais. Isto se dá devido aos costumes da sociedade, políticas, e também a maneira em que os resíduos são gerenciados. Em seu trabalho McDougall (2001), ressalta a complexidade na gestão de resíduos já relatada por Lynn em 1962, quando propôs uma abordagem de sistemas para a gestão de resíduos em que a problemática fosse visualizada em sua totalidade, como um sistema integrado de operações, funções e componentes. Rathi (2006) considera a responsabilidade pela gestão de resíduos de todos os envolvidos no processo, desde os geradores, coletores, transportadores, recicladores até os responsáveis pela deposição final desses resíduos. Os catadores e recicladores de resíduos executam a coleta seletiva em diversos setores e locais da sociedade. Esses resíduos podem ser obtidos na fonte separados do lixo orgânico; junto a parceiros que doam resíduos; catando recicláveis pelas ruas e lixões; e até classificando os recicláveis misturados ao lixo orgânico não separado pelo gerador. Historicamente, os catadores tiram seu sustento da classificação de resíduos tirados do lixo (GONÇALVES, 2013). O autor considera o trabalho dos catadores e recicladores um serviço prestado a população, auxiliando na questão ambiental, diminuindo o consumo de matéria prima devido à reciclagem. Também auxilia a companhia de limpeza urbana, diminuindo a quantidade de resíduos a serem coletados e destinados a disposição final. Nesse sentido, os catadores e as cooperativas de recicladores de resíduos sólidos tem importante papel social, econômico e ambiental. O processo gerencial de resíduos sólidos executado pelas cooperativas tem relação direta com seu êxito, influenciando na permanência de cooperados e desempenho produtivo. Assim, considera-se importante o registro de dados sobre a reciclagem dos resíduos sólidos por meio de um software para os cooperados na tomada de decisões gerenciais. Stair (2011) relata que essas ferramentas podem trazer diversas vantagens como: minimizar a complexidade dos problemas, facilitar o acesso a informações, simplificar o processo de tomada de decisões e resolver de problemas. Portanto, o cruzamento dessas informações possibilita aos recicladores um gerenciamento de alta qualidade sobre os resíduos sólidos. Rollwagen (2013) em sua pesquisa verificou que as cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS, não utilizavam softwares gerenciais em seus processos administrativos, gerando dificuldades na gestão de resíduos, acarretando acesso a informações incorretas ou desatualizadas. Assim, entende-se como uma necessidade o desenvolvimento de um software para gestão de resíduos sólidos nessas organizações. Portanto, o objetivo deste artigo é apresentar o processo de desenvolvimento e implantação do software para gestão de resíduos sólidos que será utilizado pelas cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A quantidade e a diversidade de resíduos sólidos têm aumentado com o crescimento dos municípios, diminuindo a vida útil dos aterros sanitários, indicando a necessidade de uma gestão sustentável nessa área. Segundo Taguchi (2010), um material torna-se resíduo quando seu gerador considera seu valor insuficiente para conservá-lo.

4 Resíduos sólidos são definidos pela ABNT (2004, p. 1) Como: [...] Aqueles que no estado sólido e semissólido, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível. Portanto, com base na norma, os resíduos sólidos podem ser considerados subprodutos oriundos da atividade humana, de consumo e industrial. Taguchi (2010) enfatiza a necessidade dos gestores públicos preocuparem-se com a problemática da geração de resíduos sólidos, pois atingem o meio ambiente, a economia e a sociedade. Nessas áreas, podem surgir problemas relacionados à qualidade da água e do solo por contaminação de materiais pesados, propagação de animais vetores de doenças, e os altos custos nos processos de coleta, transporte, transbordo, tratamento e na disposição final dos resíduos sólidos. Com base nesses fatos, pode-se relatar a importância da diminuição da disposição de resíduos no solo, o reaproveitamento e a redução dos resíduos. Isso pode ser alcançado pela coleta seletiva e a reciclagem, fatores que auxiliam diretamente na sustentabilidade do município, proteção ambiental e na saúde da população (BESEN, 2011). Segundo Abrelpe (2013) os países desenvolvidos tem valorizado a reciclagem como componente de seus sistemas de gestão de resíduos e recursos, com grandes investimentos em táticas de comunicação e em infraestrutura física buscando ampliação dos percentuais de reciclagem. Isto está diretamente relacionado ao elevado custo do aterro, incineração ou outras formas de tratamentos dos resíduos. Entretanto, países em desenvolvimento têm um setor informal ativo e microempresas de reciclagem, reparo e reuso de recicláveis, evidenciando ações fundamentais economicamente na melhoria de suas taxas. Neste contexto, as cooperativas de recicladores tem papel relevante, pois, auxiliam na diminuição de descartes inadequados e resíduos destinados aos aterros, redução do custo de fornecimento de matérias-primas para indústria e na extração de novos recursos naturais, e na diminuição da proliferação de vetores de doenças (SANTOS, 2012). Segundo Aquino et al. (2009), as cooperativas de recicladores normalmente são constituídas por trabalhadores vindos de classes sociais menos privilegiadas, com vulnerabilidade social, que com o apoio do poder público e órgãos da sociedade, coletam, classificam, acondicionam os resíduos e encaminham a reciclagem. Em alguns casos as cooperativas de recicladores apresentam deficiências no seu processo administrativo, necessitando auxílio externo. No município de Passo Fundo RS o Projeto Transformação presta assessoria às cooperativas em áreas de organização interna, produtividade, autogestão, relação com a sociedade e o poder público. Também apoia os recicladores em suas atividades de coleta, seleção e comercialização de materiais recicláveis (TRANSFORMAÇÃO, 2014). Para uma gestão mais eficiente, com base em Stair (2011), a utilização de um software pode trazer vantagens como melhora no acesso às informações e qualidade da decisão, auxiliando na busca dos objetivos de forma eficiente. Assim, as cooperativas de recicladores por meio do uso de um software podem melhorar seu processo de gestão de resíduos sólidos.

5 3. METODOLOGIA Para a concepção metodológica do software para gestão de resíduos sólidos nas cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS, partiu-se da necessidade de um estudo bibliográfico sobre o tema resíduos sólidos para identificar os aspectos essenciais de uma ferramenta computacional nessa área. O trabalho está sendo desenvolvido em cinco etapas, iniciando pela averiguação da forma de gestão de resíduos exercida pelas cooperativas. A segunda etapa constituiu-se do levantamento de requisitos, seguindo com a análise e projeto do software, após foi desenvolvido o software em questão, e na última etapa, em andamento, o produto está sendo implantado nas cooperativas de recicladores deste município. O desenvolvimento metodológico deste trabalho é exposto na figura 1. Figura 1 Estrutura metodológica do trabalho Averiguação da forma de gestão de resíduos nas cooperativas de recicladores Projeto Transformação Cooperativas de Recicladores Levantamento de requisitos Técnicas de levantamento de requisitos Documento de especificação de requisitos Análise e projeto do software Diagramas de casos de uso Diagramas de classes Desenvolvimento do software Linguagem PHP MySQL Implantação do software nas cooperativas Na primeira etapa estabelecida pela averiguação da forma de gestão de resíduos nas cooperativas de recicladores, identificarem-se os responsáveis pelo processo administrativo das cooperativas e a estrutura de gestão de resíduos. Também se constatou a inexistência de softwares para a gestão de resíduos sólidos. Este procedimento se desencadeou por meio de entrevistas, em um primeiro momento com o coordenador do projeto Transformação e posteriormente com os responsáveis pelas cooperativas, sendo complementado por pesquisa bibliográfica. Em função disso, foram identificados os requisitos fundamentais para o desenvolvimento do software. No levantamento de requisitos, realizado na segunda etapa, foram utilizadas as informações obtidas na fase de averiguação como auxílio na identificação dos requisitos. Seguindo com entrevistas com os responsáveis pelo projeto Transformação e cooperativas de recicladores, análise de documentos e planilhas eletrônicas. Nesse processo foram analisadas planilhas eletrônicas e relatórios utilizados para controle de vendas de recicláveis, gastos e despesas das cooperativas, e divisão de lucro entre os cooperados, horas trabalhas individualmente, e fundo de reserva. Para melhor entendimento dos requisitos, foram realizadas visitas às cooperativas de recicladores, momento em que se aplicou a técnica de levantamento de requisitos role

6 playing 1 (LEFFINGWELL & WIDRIG, 2000), também denominada como etnografia (SOMMERVILLE, 2011), fundamental quando o usuário não consegue identificar ou transmitir as informações necessárias para a identificação dos requisitos. A análise e projeto do software constituído na terceira etapa tem seu arcabouço fundamentado nos dados obtidos na fase de levantamento de requisitos. Conforme Bezerra (2007), a análise requer um estudo minucioso dos requisitos, que serão utilizados na arquitetura dos modelos funcionais para conceber a ferramenta a ser desenvolvida. Segundo Wazlawick (2004), a análise deve apresentar as funcionalidades do software, concentrando-se no domínio do problema, que correspondem a um conjunto de características que deverão estar presentes na ferramenta. Neste processo sempre que possível, deve-se ignorar a existência de um mundo computacional. O projeto é considerado por Bezerra (2007) como um complemento da análise, tendo o foco no domínio da solução computacional. Portanto, de acordo com a tecnologia disponível, determina-se como o sistema será executado para atender aos requisitos. Para modelagem do software, na etapa de análise e projeto, utilizaram-se os diagrama de casos de uso e o diagrama de classes, da Linguagem de Modelagem Unificada (Unified Modeling Language - UML) (BEZERRA, 2007). A quarta etapa instituiu-se pelo desenvolvimento do software, processo em que utilizou a linguagem de programação PHP (Hypertext Preprocessor). Optou-se por esta linguagem por ser open source, 2 e pela facilidade de desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando códigos PHP com HTML (Hyper Text Markup Language) (SOARES, 2011). As informações executadas pelo software são depositadas em um banco de dados. Segundo Damas (p. 16, 2007) um banco de dados é uma coleção de dados estruturados, organizados e armazenados de forma persistente. Também podendo ser conceituado como uma coleção de dados relacionados (ELMASRI & NAVATHE (p.3, 2011). No processo de definição, construção e manipulação do banco de dados optou-se pelo sistema de gerenciamento de banco de dados MySQL, que utiliza a linguagem de consulta estruturada SQL (Structured Query Language) (MANZANO, 2007). A última etapa do trabalho é estabelecida pela implantação do software nas cooperativas de recicladores de Passo Fundo RS. Os responsáveis pelas cooperativas e o coordenador do projeto Transformação participam ativamente do processo, recebendo treinamento e acompanhamento. 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 Gestão de Resíduos nas Cooperativas de Recicladores de Passo Fundo No procedimento de averiguação da forma de gestão de resíduos nas cooperativas de recicladores, identificaram-se os responsáveis por essa tarefa, constatando-se o assessoramento pelo projeto Transformação às cooperativas. Cada cooperativa tem um presidente e um responsável pela contabilidade e registro dos dados administrativos - quando não estão desempenhando essas funções, trabalham na reciclagem com os demais cooperados. As tarefas gerenciais são executadas por demanda, como: o registro das horas trabalhadas é anotado diariamente; vale e divisão dos lucros na primeira quinzena e no final do mês 1 Técnica de observar o usuário na execução de seu trabalho diário. Em casos em que a simples observação não consegue sanar as dúvidas referentes aos requisitos, o engenheiro de software pode executar o trabalho do cliente, passando a ser o usuário do sistema para facilitar a identificação das suas dificuldades e necessidades na realização de determinada tarefa. 2 O programa deve incluir seu código fonte e deve permitir a sua distribuição também na forma compilada. Se o programa não for distribuído com seu código fonte, deve haver algum meio de se obter o mesmo seja via rede ou com custo apenas de reprodução. O código deve ser legível e inteligível por qualquer programador (OPEN SOURCE, 2014).

7 respectivamente; venda dos resíduos selecionados para reciclagem ao completar volume mínimo para transporte. Esse detalhamento é anotado em folhas de caderno nas sedes das cooperativas, e repassado ao projeto Transformação para acompanhamento e auxilio contábil e gerencial. Nessa ocasião os dados são registrados em planilhas eletrônicas. Ao analisar o processo administrativo das cooperativas, evidenciou-se a necessidade do desenvolvimento do software para gerenciá-las. 4.2 Requisitos do Software para Gestão de Resíduos Os dados obtidos na fase anterior serviram como base para o levantamento de requisitos. Esta etapa resultou em um documento de especificação de requisitos 3, onde estão elencados os requisitos primordiais para o desenvolvimento do software. Nesse processo obtém-se uma visão geral do sistema, destacando a finalidade do software em auxiliar as cooperativas em suas ações administrativas e na gestão de resíduos recicláveis. Suas funcionalidades estão organizadas em cadastros, registros e relatórios. Na opção Cadastro, são permitidos: cadastro da cooperativa, recicladores cooperados; materiais recicláveis; comprador dos resíduos e despesas das cooperativas. No menu Registros são armazenados dados das horas trabalhadas pelos recicladores, vendas de resíduos, despesas das cooperativas, divisão de lucro e fundo de reservas. Em relação a essas informações podem ser gerados relatórios por meio do menu Relatórios, que também permite consultas e listagem de relatórios sobre os cadastros da cooperativa, recicladores, materiais recicláveis, compradores e despesas. As especificações obtidas na fase de levantamento de requisitos estão expostas no quadro 1. Quadro 1. Documento de Especificação de requisitos Requisitos Funcionais Cadastrar cooperativa: id, descrição, razão social, endereço, município, cep, responsável, telefone, observação; Cadastrar reciclador: id, nome, idade, rg, órgão expedidor, sexo, escolaridade, data de ingresso no projeto, município, uf, cep, telefone, renda familiar, tipo de moradia, número de pessoas na residência, bolsa na família, observação. Cadastrar materiais recicláveis: id, descrição do tipo, observação. Cadastrar comprador de resíduos: Informações: id, cnpj, endereço, cidade, uf, cep, telefone, obs. Cadastrar despesas: id, descrição, obs. Registrar horas trabalhadas: id, data, horas trabalhadas. Registrar vendas: id, data, valor total da venda, comprador, item reciclável, peso, preço por kg, valor total do item. Registrar despesas: id, despesa, data do vencimento, valor. Gerar divisão de lucros: id do cooperado, data, número de horas trabalhadas, inss, vale, liquido do reciclador. Registrar fundo de reservas: id, data de lançamento, saldo anterior, crédito, débito, total disponível. Relatórios de cadastros: Informações necessárias para a geração: Cooperativa: id inicial e final (intervalo de id). Recicladores: id inicial e final. Materiais recicláveis: id inicial e final. Compradores: id inicial e final, município. Despesas: id inicial e final. 3 O documento de especificação de requisitos está dividido em requisitos funcionais, que determinam as funcionalidades que o software deve ter na visão do usuário (GUEDES, 2011), e requisitos não funcionais que são as consistências, validações e restrições executadas sobre essas funcionalidades (BEZERRA, 2007).

8 Gerar relatório sobre os registros: Informações necessárias para a geração: Horas trabalhadas: id do cooperado inicial e final, data inicial e final (intervalo do período de horas lançadas). Vendas: id inicial e final, data inicial e final, comprador inicial e final. Despesas: id inicial e final, despesa inicial e final, data do vencimento inicial e final. Divisão de lucros: data inicial e final. Fundo de reservas: id inicial e final, data de lançamento inicial e final. Requisitos Não Funcionais Descrição Restrição Categoria Controle de acesso Operador da ferramenta deve estar cadastrado e ter permissão de acesso. Segurança Compatibilidade A ferramenta deve ser compatível com os navegadores Mozilla Firefox, Google Chrome, Internet Explorer. Portabilidade Facilidade uso A ferramenta deve ser de fácil operação, sendo necessário apenas conhecimentos básicos de informática. Usabilidade Backup Backup de dados deve estar disponível e de fácil manuseio. Confiabilidade Os requisitos funcionais e não funcionais relativos à ferramenta desenvolvida, foram apresentados no documento de especificação de requisitos exibido no quadro Análise e Projeto do Software Nesta etapa são apresentados os modelos funcionais do software, tendo por base a fase de levantamento de requisitos. Neste processo são delineados os diagramas de casos de uso e os diagramas de classe. Segundo Guedes (2011, p. 52) o diagrama de casos de uso é conceituado como um diagrama que: [...] procura, por meio de uma linguagem simples, possibilitar a compreensão do comportamento externo do sistema (em termos de funcionalidades oferecidas por ele) por qualquer pessoa, tentando apresentar o sistema por intermédio de uma perspectiva do usuário. Com base no conceito do autor, esses diagramas apresentam as funcionalidades do software em uma visão do usuário. O diagrama de casos de uso envolvendo os cadastros é exibido na figura 2. O ator Operador cooperado tem sob sua responsabilidade cadastrar a cooperativa, recicladores, materiais recicláveis, comprador de resíduos e despesas das cooperativas, também podendo consultar dados e listar relatórios sobre os dados cadastrais. Figura 2 Diagrama de Casos de Uso - Cadastros

9 A função de cadastrar o operador do sistema é do Coordenador do Projeto Transformação, que conforme a figura 2, também está habilitado a cadastrar cooperativas e recicladores, consultar e gerar relatórios relacionados aos cadastros. A figura 3 exibe o diagrama de casos de uso relacionado aos registros de horas trabalhadas pelos recicladores, vendas de produtos recicláveis, lançamento de despesas, divisão de lucros, e fundo de reservas. Essas atribuições em conjunto com as consultas e emissão de relatórios dos respectivos lançamentos são executadas pelo Operador cooperado. Figura 3 Diagrama de casos de uso - Registros Conforme a figura 3, percebe-se que o ator Coordenador do Projeto Transformação também tem acesso aos relatórios sobre os registros. Isso ocorre devido a sua função de assessoria as cooperativas de recicladores. O diagrama de classes também é delineado nessa etapa, detalhando estaticamente a estrutura organizacional das classes existentes no sistema, com seus atributos e métodos. As classes pertencentes ao software para gestão de resíduos sólidos nas cooperativas de recicladores são expostas no diagrama de classes da figura 4, com seus relacionamentos e as respectivas multiplicidades 4. A classe cooperativa mantém informações sobre a cooperativa de recicladores, relacionando-se com a classe reciclador, que por meio de seus atributos registra informações pessoais dos cooperados como nome, endereço, rg, data de nascimento, data associação na cooperativa, entre outros. A classe reciclador está ligada a classe horastrabalhadas, desta forma obtém o tempo de trabalho por reciclador em determinado período para divisão de lucros. As despesas da cooperativa são registradas na classe registrodespesas, que busca dados sobre as mesmas na classe despesas. As vendas efetuadas pela cooperativa são armazenadas na classe vendas que registra os resíduos recicláveis correspondentes a cada venda na classe itensvenda, a qual busca informações referentes aos resíduos na classe materiaisrecicláveis. Vendas também se relaciona com a classe comprador cadastra os compradores de resíduos. 4 Multiplicidades são informações dos limites mínimo e máximo do número de objetos aos quais outro objeto pode estar relacionado (BEZERRA, 2007, p. 114).

10 Dados armazenados nas classes vendas, registrodespesas e reciclador são necessários no processo de divisão dos lucros pelos cooperados, que tem seus resultados armazenados nas classes divisaolucros e detalhedivisao. A classe fundoreservas registra valores guardados para possíveis imprevistos pelas cooperativas, como conserto de equipamentos, aquisição de ferramentas e equipamentos de proteção individual. O fundo de reservas recebe um valor igual ao salário do reciclador que teve maior rendimento. Figura 4 - Diagrama de classes Gestão de resíduos sólidos nas cooperativas de recicladores Conforme figura 4, os métodos das classes correspondentes ao processo de gerenciamento da cooperativa e gestão de resíduos possibilitam cadastro, alteração, exclusão, registro, estorno, consulta de dados e emissão de relatórios sobre os dados existentes Software para Gestão de Resíduos Sólidos em Cooperativas de Recicladores O software apresenta as funcionalidades obtidas nas fases iniciais, necessárias ao processo gerencial das cooperativas de recicladores. Nesta etapa são apresentadas algumas telas do software envolvendo cadastros, registros e relatórios. Para cadastrar cooperativas de recicladores (figura 5), devem ser preenchidos os atributos descrição - equivalente ao nome fantasia, razão social, endereço, município, cep, responsável pela cooperativa e observação. Para uma cooperativa já cadastrada há a possibilidade de alteração e consulta de dados, permitindo também exclusão, caso não existam associados ligados a ela.

11 Figura 5 Cadastro de cooperativas de recicladores O cadastro de materiais recicláveis é exibido na figura 6, em que o atributo tipo corresponde ao material classificado a ser reciclado, por exemplo, vidro, alumínio, ferro, plástico, orgânico, etc. Na observação podem ser inseridas informações complementares sobre o material. Figura 6 Cadastro de materiais recicláveis Os dados sobre os materiais recicláveis, conforme figura 6, podem ser alterados, excluídos e consultados. Nesta tela de cadastro há opção para cancelar a alteração ou inclusão antes que o processo seja finalizado, e também a possibilidade de voltar ao menu principal. Essas alternativas são padronizadas no software, e ainda apresentam outras funcionalidades como nos módulos envolvendo vendas, divisão de lucros e registro de despesas que permitem estorno de informações. As vendas dos produtos recicláveis são registradas no momento em que os resíduos classificados são destinados à reciclagem. A ação é iniciada com a identificação da cooperativa responsável pela classificação dos resíduos, data de envio do material para a reciclagem, destinatário - corresponde ao comprador do material reciclável, e o valor total dos resíduos, preenchido automaticamente pelo software no momento em que o registro dos itens da reciclagem for finalizado. No registro dos itens da reciclagem que compõe o registro de vendas; devem ser informados o material destinado à reciclagem, peso, valor por quilograma. O valor total do item é calculado automaticamente pelo software multiplicando o peso do material pelo valor do quilograma. A soma dos valores totais dos itens vai resultar no valor total da venda dos produtos recicláveis. O formulário para registro de venda de materiais recicláveis é apresentado na figura 7.

12 Figura 7 Registro de vendas de materiais recicláveis Dados sobre a venda de materiais recicláveis podem ser consultados, porém, não são permitidas alterações nem exclusões de registros após efetivação das vendas; o software possibilita apenas estorno de registros. O formulário para emissão de relatórios sobre as vendas de materiais recicláveis (figura 8) permite aplicação de filtros nos atributos cooperativa; data em que foi enviado vendido o material para reciclagem intervalo de datas; e comprador dos produtos recicláveis. Figura 8 Formulário para relatórios de vendas de materiais recicláveis Utilizando o formulário para emissão de relatórios de vendas de materiais recicláveis, exposto na figura 8, obtém-se o relatório de vendas de materiais recicláveis, apresentado na figura 9, responsável pela visualização de dados sobre cooperativas responsáveis pela reciclagem, descrição do material classificado, data da venda do material reciclável, comprador identificado como destinatário, peso em quilograma, e o valor total de cada material.

13 Figura 9 Relatórios de vendas de materiais recicláveis Conforme a figura 9, o campo valor total corresponde ao valor total de cada material destinado à reciclagem. Na última linha do relatório é listada a soma de todos os valores dos materiais recicláveis. Este somatório é executado independentemente do tipo de filtro aplicado na geração do relatório. 4.5 Implantação do Software nas cooperativas A etapa final do trabalho é constituída pela implantação do software nas cooperativas de recicladores de Passo Fundo RS. Nesta fase, que está em andamento, o software para gestão de resíduos sólidos em cooperativas de recicladores está sendo instalado nos computadores das cooperativas e também na sede do projeto Transformação. Os usuários do software e os responsáveis pelas cooperativas recebem treinamento e acompanhamento posterior a implantação. O coordenado do projeto Transformação participa de todo processo de implantação do software junto as cooperativa, prestando assessoria administrativa aos cooperados. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo expôs o processo de desenvolvimento e implantação do software para gestão de resíduos sólidos em cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS. Na identificação dos métodos gerenciais executados pelas cooperativas recicladores, averiguou-se a inexistência de softwares para gestão de resíduos sólidos junto às cooperativas. Em suas sedes os dados são registrados manualmente, e posteriormente são transferidos para planilhas eletrônicas junto ao projeto Transformação. Neste processo, percebeu-se a carência de dados administrativos gerando deficiências gerenciais aos cooperados. A fase de levantamento de requisitos foi alcançada satisfatoriamente. Inicialmente encontraram-se algumas dificuldades relacionadas a pouca documentação sobre a gestão de resíduos nas cooperativas e a dificuldade de detalhar sua forma de gestão. Problema solucionado com a utilização de técnicas de levantamento de requisitos. A análise e projeto do software proveram em modelos funcionais da UML, resultantes do levantamento de requisitos. O software para gestão de resíduos sólidos foi desenvolvido utilizando a linguagem de programação PHP, e o banco de dados foi criado com o sistema de gerenciamento de banco de dados relacional MySQL. Entre as funcionalidades do software estão os cadastros, registros, consultas e emissão de relatórios sobre o processo gerencial das cooperativas de

14 recicladores. Portanto conclui-se que este modelo está coerente com o documento de especificação de requisitos e os modelos funcionais da UML. A implantação do software nas cooperativas está coerente com o cronograma. O primeiro passo nesta etapa foi a instalação do software na sede do projeto transformação e nas cooperativas, e a demonstração do mesmo. Percebeu-se a satisfação e o interesse dos cooperados em relação a utilização do software auxiliando no processo gerencial de resíduos nessas cooperativas. 4. REFERÊNCIAS ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: Resíduos sólidos Classificação. Rio de Janeiro: ABRELPE - Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Resíduos Sólidos: Manual de boas práticas no planejamento p. AQUINO, I.; CASTILHO JR., A.; PIRES, T. A organização em rede dos catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva reversa de pós-consumo da região da grande Florianópolis: uma alternativa de agregação de valor. Gestão & Produção, v.16, n.1, p.15-24, BESEN, G. R. Coleta seletiva com inclusão de catadores: construção participativa de indicadores e índices de sustentabilidade f. Tese (Doutorado em Saúde Pública). Universidade de São Paulo. São Paulo, BEZERRA, E. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML. 2ª ed. Rio de janeiro: Campus/Elsevier, DAMAS, L. SQL Structured query language, 6ª ed. Rio de Janeiro : LTC, ELMASRI, R.; NAVATHE, S. B. Sistema de Banco de Dados. 6ª ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, GONÇALVES, P. Catadores de materiais recicláveis Disponível em: <http://www.lixo.com.br>. Acesso em 17 jun GUEDES, G. T. A. UML 2: uma abordagem prática. 2ª ed. São Paulo: Novatec editora, LEFFINGWELL, D.; WIDRIG, D. Managing software requirements: A unified Approach. Addison-Wesley, MANZANO, J. A. N. G. MySQL 5.0, interativo: guia básico de orientação e desenvolvimento. 1ª ed. São Paulo : Érica, McDOUGALL, F. R.; WHITE, P. R.; FRANKE, M.; HINDLE, P. Integrated solid waste management: a life cycle inventory. 2ª ed. Malden: Backwell Science, OPEN SOURCE. Open Source Initiative. The open source definition. Disponível em: Acesso em 23 abr

15 RATHI, S. Alternative approaches for better municipal solid waste management in Mumbai, India. ScienceDirect. v. 26, n 10, p , ROLLWAGEN, A. F. Protótipo de um sistema de informação para gestão pública integrada de Resíduos Sólidos Urbanos f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental). Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo SANTOS, J. A logística reversa como ferramenta para a sustentabilidade: um estudo sobre a importância das cooperativas de reciclagem na gestão dos resíduos sólidos urbanos. REUNA, v.17, n.2, p.81-96, SOARES, W. PHP5: Conceitos, Programação e Integração com Banco de Dados. 6ª ed. Ver., atual. São Paulo: Érica, SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. 9º ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, STAIR, R. M.; REYNOLDS, G. W. Princípios de Sistemas de Informações. 9º ed. São Paulo: Cengage Learning, TAGUCHI, R. L. Gestão integrada de resíduos sólidos urbanos domiciliares com uso do Balanced Scorecard f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2010; TRANSFORMAÇÃO. Projeto TransformAção Cuidar da vida, cuidar da natureza, cuidar das pessoas. Disponível em: < Acesso em 02 mai WAZLAWICK, R. S. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos. 3ª reimp, Rio de Janeiro, Elsevier, 2004.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios.

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Wanilene Sabará Cassiano Afiliação: Faculdade de Tecnologia de Cruzeiro.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE

UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE ÉDER ALUÍSIO SIMÕES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas HEITOR DE OLIVEIRA SARAIVA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS!

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! Cabo de Santo Agostinho, 2010 Descrição do Projeto Segundo a comissão Mundial sobre o Meio Ambiente

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ONLINE - Novembro de 2012 - Concurso

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Casos de Uso Objetivos Principais dos Casos de Uso: Delimitação do contexto de

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo NTI Núcleo de Tecnologia e Informação Fundação Unirg 1. Introdução A utilização da informática surgiu como uma ferramenta

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS ALVES, Jéssica B. 1 NETO, João B. 1 SOBRAL, Jozias M. 1 SILVA, Kelvin L. S. da 1 PETITTO, Sônia 2 PERRI, Ricardo Alves 3 RESUMO A coleta seletiva é uma forma de

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO

QUANTIFICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO QUANTIFICAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA ASSOCIAÇÃO DOS CATADORES DO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO M. D. MASSAROLLO 1, J. TEGA Jr 2, F. A. B. TOGNON 3, R. TOGNON 4 1 Universidade Estadual do Oeste

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Universidade Estadual do Oeste do Paraná Universidade Estadual do Oeste do Paraná Estudo de Requisitos de um software para uma loja de lentes de contato Bruno Eduardo Soares Leonardo Zanotto Baggio Maykon Valério da Silva Cascavel, 10 de Junho

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2

Metodologia e Gerenciamento do Projeto na Fábrica de Software v.2 .:: Universidade Estadual de Maringá Bacharelado em Informática Eng. de Software III :. Sistema de Gerenciamento de Eventos - Equipe 09 EPSI Event Programming System Interface Metodologia e Gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES CURITIBA 2015 HUGO ARAUJO DE ALMEIDA SGA - SISTEMA GERENCIADOR DE ATIVIDADES Monografia apresentada como requisito

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br CONTABILIDADE RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo. Este

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Documentos. ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007. Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário

Documentos. ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007. Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário Documentos ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007 Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário 68 ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Cabo de Santo Agostinho, 2010. ÍNDICE 1. Local do Projeto...2 2. Descrição do Projeto...2 3.

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com

Material de Apoio. SEB - Contas a Pagar. Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Material de Apoio SEB - Contas a Pagar Versão Data Responsável Contato 1 05/12/2011 Paula Fidalgo paulaf@systemsadvisers.com Conteúdo CONFIGURAÇÃO... 3 Cadastro de Fornecedores... 3 Métodos de Pagamento...

Leia mais

CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO

CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO Joana Fidelis da Paixão (*), Esaú Alisson Sousa Santos, Lizza Adrielle Nascimento Santos * Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade

Prof. Rogerio Valle. Logística Reversa e Sustentabilidade Prof. Rogerio Valle Logística Reversa e Sustentabilidade LOGÍSTICA REVERSA, PROCESSO A PROCESSO (ED. ATLAS) Visão sistêmica dos fluxos de recursos e de produtos Evolução na problemática da sustentabilidade

Leia mais

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa

Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa 11 Abordagem do Tema Reciclagem/Reutilização na Grade Curricular dos Cursos de Engenharia da Unifoa Recycling/Reuse Approaches in the Engineering Curriculum at UniFOA Anderson Luiz Carneiro Esteves 1 Marcella

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

Modelos de processos de desenvolvimento de software

Modelos de processos de desenvolvimento de software Definição Um modelo de processo de software é uma representação abstrata de um processo. Os modelos de processo podem ser desenvolvidos a partir de várias perspectivas e podem mostrar as atividades envolvidas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9

TERMO DE REFERÊNCIA TÍTULO: Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD. GECOQ Gerência de Controle e Qualidade 1/9 TÍTULO: ASSUNTO: GESTOR: TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência para contratação de ferramenta case de AD DITEC/GECOQ Gerência de Controle e Qualidade ELABORAÇÃO: PERÍODO: GECOQ Gerência de Controle e

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade

Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade SEMINÁRIO Reciclagem e Valorização de Resíduos Sólidos - Meio Ambiente e Sustentabilidade Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais 27 de maio de

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Clique no botão para iniciar o treinamento TAREFAS CONTRAT OS RELACIO NAMENT CONFIGURAÇÕES. A ideia é usar os próprios ícones do CGW.

Clique no botão para iniciar o treinamento TAREFAS CONTRAT OS RELACIO NAMENT CONFIGURAÇÕES. A ideia é usar os próprios ícones do CGW. Script CGW Módulo Tarefas Parte I Menu: Clique no botão para iniciar o treinamento ÁREA DE TRABALHO GERAL TAREFAS CONTRAT OS PORTAL DE RELACIO NAMENT FATURAM ENTO FINANCEI RO RELACIO NAMENT O CONFIGU RAÇÕES

Leia mais