SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES"

Transcrição

1 SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES ANDRÉ FERNANDO ROLLWAGEN Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense JOSEANE AMARAL Instituto Federal de Educação Ciêncai e Tecnologia Sul-Rio-Grandense THIAGO BARBIERI DO AMARAL Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense LUCIANA LONDERO BRANDLI Universidade de Passo Fundo

2 SOFTWARE PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM COOPERATIVAS DE RECICLADORES Resumo A geração de resíduos sólidos cresceu consideravelmente nos último anos, principalmente devido ao crescimento populacional, e o aumento no consumo de produtos industrializados. Este fato contribui na ampliação de problemas sociais, econômicos e ambientais. Os catadores e cooperativas de recicladores são fundamentais no processo de gestão de resíduos sólidos. Pois, auxiliam na diminuição de descartes inadequados e destinação de resíduos aos aterros sanitários. No município de Passo Fundo RS, as cooperativas de recicladores são responsáveis pela classificação e destinação de grande quantidade dos resíduos gerados. Devido à inexistência de um software para gestão de resíduos sólidos em algumas dessas cooperativas, o gerenciamento é efetuado manualmente, por meio de anotações informais, ocasionando tomadas de decisão desarticuladas. Em função disso, este trabalho tem por objetivo apresentar o processo de desenvolvimento e implantação do software para gestão de resíduos sólidos em cooperativas de recicladores deste município, o qual deverá proporcionar uma gestão eficiente, disponibilizando relatórios e índices que auxiliarão no controle de processos administrativos e tomada de decisão. Palavras-chave: Gerenciamento de resíduos sólidos. Associações de recicladores. Sistema de informação gerencial. SOFTWARE FOR MANAGING SOLID WASTE IN RECYCLING COOPERATIVES Abstract The solid waste generation has grown considerably in the last years, mainly due to population growth and increased consumption of processed products. This fact contributes to the expansion of social, economic and environmental problems. Scavengers and recyclers Cooperatives are fundamental in the solid waste management process. Therefore assist in the reduction of discharges and improper disposal of waste to landfills. In Passo Fundo - RS, cooperatives recyclers are responsible for sorting and disposal of large amount of waste generated. Due to the lack of a software for management of solid waste in some of these cooperatives, management is performed manually, through informal notes, resulting in disjointed decision taken. As a result, this paper aims to present the process of development and deployment of software for managing solid recyclers in this municipality, which should provide an efficient waste management cooperatives, providing reports and indices that assist in the control of administrative processes and decision making.. Keywords: Solid waste management. Associations recyclers. Management information system.

3 1. INTRODUÇÃO A geração de resíduos vem aumentando exponencialmente, isso ocorre devido ao crescimento populacional, hábitos e costumes da população, ampliação da renda familiar, agregados ao crescente consumo de produtos industrializados. Segundo Taguchi (2010), a geração de resíduos sólidos é inerente ao cotidiano da sociedade. A não reciclagem agregada à destinação incorreta de resíduos sólidos pode agravar os impactos ambientais. Isto se dá devido aos costumes da sociedade, políticas, e também a maneira em que os resíduos são gerenciados. Em seu trabalho McDougall (2001), ressalta a complexidade na gestão de resíduos já relatada por Lynn em 1962, quando propôs uma abordagem de sistemas para a gestão de resíduos em que a problemática fosse visualizada em sua totalidade, como um sistema integrado de operações, funções e componentes. Rathi (2006) considera a responsabilidade pela gestão de resíduos de todos os envolvidos no processo, desde os geradores, coletores, transportadores, recicladores até os responsáveis pela deposição final desses resíduos. Os catadores e recicladores de resíduos executam a coleta seletiva em diversos setores e locais da sociedade. Esses resíduos podem ser obtidos na fonte separados do lixo orgânico; junto a parceiros que doam resíduos; catando recicláveis pelas ruas e lixões; e até classificando os recicláveis misturados ao lixo orgânico não separado pelo gerador. Historicamente, os catadores tiram seu sustento da classificação de resíduos tirados do lixo (GONÇALVES, 2013). O autor considera o trabalho dos catadores e recicladores um serviço prestado a população, auxiliando na questão ambiental, diminuindo o consumo de matéria prima devido à reciclagem. Também auxilia a companhia de limpeza urbana, diminuindo a quantidade de resíduos a serem coletados e destinados a disposição final. Nesse sentido, os catadores e as cooperativas de recicladores de resíduos sólidos tem importante papel social, econômico e ambiental. O processo gerencial de resíduos sólidos executado pelas cooperativas tem relação direta com seu êxito, influenciando na permanência de cooperados e desempenho produtivo. Assim, considera-se importante o registro de dados sobre a reciclagem dos resíduos sólidos por meio de um software para os cooperados na tomada de decisões gerenciais. Stair (2011) relata que essas ferramentas podem trazer diversas vantagens como: minimizar a complexidade dos problemas, facilitar o acesso a informações, simplificar o processo de tomada de decisões e resolver de problemas. Portanto, o cruzamento dessas informações possibilita aos recicladores um gerenciamento de alta qualidade sobre os resíduos sólidos. Rollwagen (2013) em sua pesquisa verificou que as cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS, não utilizavam softwares gerenciais em seus processos administrativos, gerando dificuldades na gestão de resíduos, acarretando acesso a informações incorretas ou desatualizadas. Assim, entende-se como uma necessidade o desenvolvimento de um software para gestão de resíduos sólidos nessas organizações. Portanto, o objetivo deste artigo é apresentar o processo de desenvolvimento e implantação do software para gestão de resíduos sólidos que será utilizado pelas cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS. 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A quantidade e a diversidade de resíduos sólidos têm aumentado com o crescimento dos municípios, diminuindo a vida útil dos aterros sanitários, indicando a necessidade de uma gestão sustentável nessa área. Segundo Taguchi (2010), um material torna-se resíduo quando seu gerador considera seu valor insuficiente para conservá-lo.

4 Resíduos sólidos são definidos pela ABNT (2004, p. 1) Como: [...] Aqueles que no estado sólido e semissólido, que resultam de atividades de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnica e economicamente inviáveis em face à melhor tecnologia disponível. Portanto, com base na norma, os resíduos sólidos podem ser considerados subprodutos oriundos da atividade humana, de consumo e industrial. Taguchi (2010) enfatiza a necessidade dos gestores públicos preocuparem-se com a problemática da geração de resíduos sólidos, pois atingem o meio ambiente, a economia e a sociedade. Nessas áreas, podem surgir problemas relacionados à qualidade da água e do solo por contaminação de materiais pesados, propagação de animais vetores de doenças, e os altos custos nos processos de coleta, transporte, transbordo, tratamento e na disposição final dos resíduos sólidos. Com base nesses fatos, pode-se relatar a importância da diminuição da disposição de resíduos no solo, o reaproveitamento e a redução dos resíduos. Isso pode ser alcançado pela coleta seletiva e a reciclagem, fatores que auxiliam diretamente na sustentabilidade do município, proteção ambiental e na saúde da população (BESEN, 2011). Segundo Abrelpe (2013) os países desenvolvidos tem valorizado a reciclagem como componente de seus sistemas de gestão de resíduos e recursos, com grandes investimentos em táticas de comunicação e em infraestrutura física buscando ampliação dos percentuais de reciclagem. Isto está diretamente relacionado ao elevado custo do aterro, incineração ou outras formas de tratamentos dos resíduos. Entretanto, países em desenvolvimento têm um setor informal ativo e microempresas de reciclagem, reparo e reuso de recicláveis, evidenciando ações fundamentais economicamente na melhoria de suas taxas. Neste contexto, as cooperativas de recicladores tem papel relevante, pois, auxiliam na diminuição de descartes inadequados e resíduos destinados aos aterros, redução do custo de fornecimento de matérias-primas para indústria e na extração de novos recursos naturais, e na diminuição da proliferação de vetores de doenças (SANTOS, 2012). Segundo Aquino et al. (2009), as cooperativas de recicladores normalmente são constituídas por trabalhadores vindos de classes sociais menos privilegiadas, com vulnerabilidade social, que com o apoio do poder público e órgãos da sociedade, coletam, classificam, acondicionam os resíduos e encaminham a reciclagem. Em alguns casos as cooperativas de recicladores apresentam deficiências no seu processo administrativo, necessitando auxílio externo. No município de Passo Fundo RS o Projeto Transformação presta assessoria às cooperativas em áreas de organização interna, produtividade, autogestão, relação com a sociedade e o poder público. Também apoia os recicladores em suas atividades de coleta, seleção e comercialização de materiais recicláveis (TRANSFORMAÇÃO, 2014). Para uma gestão mais eficiente, com base em Stair (2011), a utilização de um software pode trazer vantagens como melhora no acesso às informações e qualidade da decisão, auxiliando na busca dos objetivos de forma eficiente. Assim, as cooperativas de recicladores por meio do uso de um software podem melhorar seu processo de gestão de resíduos sólidos.

5 3. METODOLOGIA Para a concepção metodológica do software para gestão de resíduos sólidos nas cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS, partiu-se da necessidade de um estudo bibliográfico sobre o tema resíduos sólidos para identificar os aspectos essenciais de uma ferramenta computacional nessa área. O trabalho está sendo desenvolvido em cinco etapas, iniciando pela averiguação da forma de gestão de resíduos exercida pelas cooperativas. A segunda etapa constituiu-se do levantamento de requisitos, seguindo com a análise e projeto do software, após foi desenvolvido o software em questão, e na última etapa, em andamento, o produto está sendo implantado nas cooperativas de recicladores deste município. O desenvolvimento metodológico deste trabalho é exposto na figura 1. Figura 1 Estrutura metodológica do trabalho Averiguação da forma de gestão de resíduos nas cooperativas de recicladores Projeto Transformação Cooperativas de Recicladores Levantamento de requisitos Técnicas de levantamento de requisitos Documento de especificação de requisitos Análise e projeto do software Diagramas de casos de uso Diagramas de classes Desenvolvimento do software Linguagem PHP MySQL Implantação do software nas cooperativas Na primeira etapa estabelecida pela averiguação da forma de gestão de resíduos nas cooperativas de recicladores, identificarem-se os responsáveis pelo processo administrativo das cooperativas e a estrutura de gestão de resíduos. Também se constatou a inexistência de softwares para a gestão de resíduos sólidos. Este procedimento se desencadeou por meio de entrevistas, em um primeiro momento com o coordenador do projeto Transformação e posteriormente com os responsáveis pelas cooperativas, sendo complementado por pesquisa bibliográfica. Em função disso, foram identificados os requisitos fundamentais para o desenvolvimento do software. No levantamento de requisitos, realizado na segunda etapa, foram utilizadas as informações obtidas na fase de averiguação como auxílio na identificação dos requisitos. Seguindo com entrevistas com os responsáveis pelo projeto Transformação e cooperativas de recicladores, análise de documentos e planilhas eletrônicas. Nesse processo foram analisadas planilhas eletrônicas e relatórios utilizados para controle de vendas de recicláveis, gastos e despesas das cooperativas, e divisão de lucro entre os cooperados, horas trabalhas individualmente, e fundo de reserva. Para melhor entendimento dos requisitos, foram realizadas visitas às cooperativas de recicladores, momento em que se aplicou a técnica de levantamento de requisitos role

6 playing 1 (LEFFINGWELL & WIDRIG, 2000), também denominada como etnografia (SOMMERVILLE, 2011), fundamental quando o usuário não consegue identificar ou transmitir as informações necessárias para a identificação dos requisitos. A análise e projeto do software constituído na terceira etapa tem seu arcabouço fundamentado nos dados obtidos na fase de levantamento de requisitos. Conforme Bezerra (2007), a análise requer um estudo minucioso dos requisitos, que serão utilizados na arquitetura dos modelos funcionais para conceber a ferramenta a ser desenvolvida. Segundo Wazlawick (2004), a análise deve apresentar as funcionalidades do software, concentrando-se no domínio do problema, que correspondem a um conjunto de características que deverão estar presentes na ferramenta. Neste processo sempre que possível, deve-se ignorar a existência de um mundo computacional. O projeto é considerado por Bezerra (2007) como um complemento da análise, tendo o foco no domínio da solução computacional. Portanto, de acordo com a tecnologia disponível, determina-se como o sistema será executado para atender aos requisitos. Para modelagem do software, na etapa de análise e projeto, utilizaram-se os diagrama de casos de uso e o diagrama de classes, da Linguagem de Modelagem Unificada (Unified Modeling Language - UML) (BEZERRA, 2007). A quarta etapa instituiu-se pelo desenvolvimento do software, processo em que utilizou a linguagem de programação PHP (Hypertext Preprocessor). Optou-se por esta linguagem por ser open source, 2 e pela facilidade de desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando códigos PHP com HTML (Hyper Text Markup Language) (SOARES, 2011). As informações executadas pelo software são depositadas em um banco de dados. Segundo Damas (p. 16, 2007) um banco de dados é uma coleção de dados estruturados, organizados e armazenados de forma persistente. Também podendo ser conceituado como uma coleção de dados relacionados (ELMASRI & NAVATHE (p.3, 2011). No processo de definição, construção e manipulação do banco de dados optou-se pelo sistema de gerenciamento de banco de dados MySQL, que utiliza a linguagem de consulta estruturada SQL (Structured Query Language) (MANZANO, 2007). A última etapa do trabalho é estabelecida pela implantação do software nas cooperativas de recicladores de Passo Fundo RS. Os responsáveis pelas cooperativas e o coordenador do projeto Transformação participam ativamente do processo, recebendo treinamento e acompanhamento. 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS 4.1 Gestão de Resíduos nas Cooperativas de Recicladores de Passo Fundo No procedimento de averiguação da forma de gestão de resíduos nas cooperativas de recicladores, identificaram-se os responsáveis por essa tarefa, constatando-se o assessoramento pelo projeto Transformação às cooperativas. Cada cooperativa tem um presidente e um responsável pela contabilidade e registro dos dados administrativos - quando não estão desempenhando essas funções, trabalham na reciclagem com os demais cooperados. As tarefas gerenciais são executadas por demanda, como: o registro das horas trabalhadas é anotado diariamente; vale e divisão dos lucros na primeira quinzena e no final do mês 1 Técnica de observar o usuário na execução de seu trabalho diário. Em casos em que a simples observação não consegue sanar as dúvidas referentes aos requisitos, o engenheiro de software pode executar o trabalho do cliente, passando a ser o usuário do sistema para facilitar a identificação das suas dificuldades e necessidades na realização de determinada tarefa. 2 O programa deve incluir seu código fonte e deve permitir a sua distribuição também na forma compilada. Se o programa não for distribuído com seu código fonte, deve haver algum meio de se obter o mesmo seja via rede ou com custo apenas de reprodução. O código deve ser legível e inteligível por qualquer programador (OPEN SOURCE, 2014).

7 respectivamente; venda dos resíduos selecionados para reciclagem ao completar volume mínimo para transporte. Esse detalhamento é anotado em folhas de caderno nas sedes das cooperativas, e repassado ao projeto Transformação para acompanhamento e auxilio contábil e gerencial. Nessa ocasião os dados são registrados em planilhas eletrônicas. Ao analisar o processo administrativo das cooperativas, evidenciou-se a necessidade do desenvolvimento do software para gerenciá-las. 4.2 Requisitos do Software para Gestão de Resíduos Os dados obtidos na fase anterior serviram como base para o levantamento de requisitos. Esta etapa resultou em um documento de especificação de requisitos 3, onde estão elencados os requisitos primordiais para o desenvolvimento do software. Nesse processo obtém-se uma visão geral do sistema, destacando a finalidade do software em auxiliar as cooperativas em suas ações administrativas e na gestão de resíduos recicláveis. Suas funcionalidades estão organizadas em cadastros, registros e relatórios. Na opção Cadastro, são permitidos: cadastro da cooperativa, recicladores cooperados; materiais recicláveis; comprador dos resíduos e despesas das cooperativas. No menu Registros são armazenados dados das horas trabalhadas pelos recicladores, vendas de resíduos, despesas das cooperativas, divisão de lucro e fundo de reservas. Em relação a essas informações podem ser gerados relatórios por meio do menu Relatórios, que também permite consultas e listagem de relatórios sobre os cadastros da cooperativa, recicladores, materiais recicláveis, compradores e despesas. As especificações obtidas na fase de levantamento de requisitos estão expostas no quadro 1. Quadro 1. Documento de Especificação de requisitos Requisitos Funcionais Cadastrar cooperativa: id, descrição, razão social, endereço, município, cep, responsável, telefone, observação; Cadastrar reciclador: id, nome, idade, rg, órgão expedidor, sexo, escolaridade, data de ingresso no projeto, município, uf, cep, telefone, renda familiar, tipo de moradia, número de pessoas na residência, bolsa na família, observação. Cadastrar materiais recicláveis: id, descrição do tipo, observação. Cadastrar comprador de resíduos: Informações: id, cnpj, endereço, cidade, uf, cep, telefone, obs. Cadastrar despesas: id, descrição, obs. Registrar horas trabalhadas: id, data, horas trabalhadas. Registrar vendas: id, data, valor total da venda, comprador, item reciclável, peso, preço por kg, valor total do item. Registrar despesas: id, despesa, data do vencimento, valor. Gerar divisão de lucros: id do cooperado, data, número de horas trabalhadas, inss, vale, liquido do reciclador. Registrar fundo de reservas: id, data de lançamento, saldo anterior, crédito, débito, total disponível. Relatórios de cadastros: Informações necessárias para a geração: Cooperativa: id inicial e final (intervalo de id). Recicladores: id inicial e final. Materiais recicláveis: id inicial e final. Compradores: id inicial e final, município. Despesas: id inicial e final. 3 O documento de especificação de requisitos está dividido em requisitos funcionais, que determinam as funcionalidades que o software deve ter na visão do usuário (GUEDES, 2011), e requisitos não funcionais que são as consistências, validações e restrições executadas sobre essas funcionalidades (BEZERRA, 2007).

8 Gerar relatório sobre os registros: Informações necessárias para a geração: Horas trabalhadas: id do cooperado inicial e final, data inicial e final (intervalo do período de horas lançadas). Vendas: id inicial e final, data inicial e final, comprador inicial e final. Despesas: id inicial e final, despesa inicial e final, data do vencimento inicial e final. Divisão de lucros: data inicial e final. Fundo de reservas: id inicial e final, data de lançamento inicial e final. Requisitos Não Funcionais Descrição Restrição Categoria Controle de acesso Operador da ferramenta deve estar cadastrado e ter permissão de acesso. Segurança Compatibilidade A ferramenta deve ser compatível com os navegadores Mozilla Firefox, Google Chrome, Internet Explorer. Portabilidade Facilidade uso A ferramenta deve ser de fácil operação, sendo necessário apenas conhecimentos básicos de informática. Usabilidade Backup Backup de dados deve estar disponível e de fácil manuseio. Confiabilidade Os requisitos funcionais e não funcionais relativos à ferramenta desenvolvida, foram apresentados no documento de especificação de requisitos exibido no quadro Análise e Projeto do Software Nesta etapa são apresentados os modelos funcionais do software, tendo por base a fase de levantamento de requisitos. Neste processo são delineados os diagramas de casos de uso e os diagramas de classe. Segundo Guedes (2011, p. 52) o diagrama de casos de uso é conceituado como um diagrama que: [...] procura, por meio de uma linguagem simples, possibilitar a compreensão do comportamento externo do sistema (em termos de funcionalidades oferecidas por ele) por qualquer pessoa, tentando apresentar o sistema por intermédio de uma perspectiva do usuário. Com base no conceito do autor, esses diagramas apresentam as funcionalidades do software em uma visão do usuário. O diagrama de casos de uso envolvendo os cadastros é exibido na figura 2. O ator Operador cooperado tem sob sua responsabilidade cadastrar a cooperativa, recicladores, materiais recicláveis, comprador de resíduos e despesas das cooperativas, também podendo consultar dados e listar relatórios sobre os dados cadastrais. Figura 2 Diagrama de Casos de Uso - Cadastros

9 A função de cadastrar o operador do sistema é do Coordenador do Projeto Transformação, que conforme a figura 2, também está habilitado a cadastrar cooperativas e recicladores, consultar e gerar relatórios relacionados aos cadastros. A figura 3 exibe o diagrama de casos de uso relacionado aos registros de horas trabalhadas pelos recicladores, vendas de produtos recicláveis, lançamento de despesas, divisão de lucros, e fundo de reservas. Essas atribuições em conjunto com as consultas e emissão de relatórios dos respectivos lançamentos são executadas pelo Operador cooperado. Figura 3 Diagrama de casos de uso - Registros Conforme a figura 3, percebe-se que o ator Coordenador do Projeto Transformação também tem acesso aos relatórios sobre os registros. Isso ocorre devido a sua função de assessoria as cooperativas de recicladores. O diagrama de classes também é delineado nessa etapa, detalhando estaticamente a estrutura organizacional das classes existentes no sistema, com seus atributos e métodos. As classes pertencentes ao software para gestão de resíduos sólidos nas cooperativas de recicladores são expostas no diagrama de classes da figura 4, com seus relacionamentos e as respectivas multiplicidades 4. A classe cooperativa mantém informações sobre a cooperativa de recicladores, relacionando-se com a classe reciclador, que por meio de seus atributos registra informações pessoais dos cooperados como nome, endereço, rg, data de nascimento, data associação na cooperativa, entre outros. A classe reciclador está ligada a classe horastrabalhadas, desta forma obtém o tempo de trabalho por reciclador em determinado período para divisão de lucros. As despesas da cooperativa são registradas na classe registrodespesas, que busca dados sobre as mesmas na classe despesas. As vendas efetuadas pela cooperativa são armazenadas na classe vendas que registra os resíduos recicláveis correspondentes a cada venda na classe itensvenda, a qual busca informações referentes aos resíduos na classe materiaisrecicláveis. Vendas também se relaciona com a classe comprador cadastra os compradores de resíduos. 4 Multiplicidades são informações dos limites mínimo e máximo do número de objetos aos quais outro objeto pode estar relacionado (BEZERRA, 2007, p. 114).

10 Dados armazenados nas classes vendas, registrodespesas e reciclador são necessários no processo de divisão dos lucros pelos cooperados, que tem seus resultados armazenados nas classes divisaolucros e detalhedivisao. A classe fundoreservas registra valores guardados para possíveis imprevistos pelas cooperativas, como conserto de equipamentos, aquisição de ferramentas e equipamentos de proteção individual. O fundo de reservas recebe um valor igual ao salário do reciclador que teve maior rendimento. Figura 4 - Diagrama de classes Gestão de resíduos sólidos nas cooperativas de recicladores Conforme figura 4, os métodos das classes correspondentes ao processo de gerenciamento da cooperativa e gestão de resíduos possibilitam cadastro, alteração, exclusão, registro, estorno, consulta de dados e emissão de relatórios sobre os dados existentes Software para Gestão de Resíduos Sólidos em Cooperativas de Recicladores O software apresenta as funcionalidades obtidas nas fases iniciais, necessárias ao processo gerencial das cooperativas de recicladores. Nesta etapa são apresentadas algumas telas do software envolvendo cadastros, registros e relatórios. Para cadastrar cooperativas de recicladores (figura 5), devem ser preenchidos os atributos descrição - equivalente ao nome fantasia, razão social, endereço, município, cep, responsável pela cooperativa e observação. Para uma cooperativa já cadastrada há a possibilidade de alteração e consulta de dados, permitindo também exclusão, caso não existam associados ligados a ela.

11 Figura 5 Cadastro de cooperativas de recicladores O cadastro de materiais recicláveis é exibido na figura 6, em que o atributo tipo corresponde ao material classificado a ser reciclado, por exemplo, vidro, alumínio, ferro, plástico, orgânico, etc. Na observação podem ser inseridas informações complementares sobre o material. Figura 6 Cadastro de materiais recicláveis Os dados sobre os materiais recicláveis, conforme figura 6, podem ser alterados, excluídos e consultados. Nesta tela de cadastro há opção para cancelar a alteração ou inclusão antes que o processo seja finalizado, e também a possibilidade de voltar ao menu principal. Essas alternativas são padronizadas no software, e ainda apresentam outras funcionalidades como nos módulos envolvendo vendas, divisão de lucros e registro de despesas que permitem estorno de informações. As vendas dos produtos recicláveis são registradas no momento em que os resíduos classificados são destinados à reciclagem. A ação é iniciada com a identificação da cooperativa responsável pela classificação dos resíduos, data de envio do material para a reciclagem, destinatário - corresponde ao comprador do material reciclável, e o valor total dos resíduos, preenchido automaticamente pelo software no momento em que o registro dos itens da reciclagem for finalizado. No registro dos itens da reciclagem que compõe o registro de vendas; devem ser informados o material destinado à reciclagem, peso, valor por quilograma. O valor total do item é calculado automaticamente pelo software multiplicando o peso do material pelo valor do quilograma. A soma dos valores totais dos itens vai resultar no valor total da venda dos produtos recicláveis. O formulário para registro de venda de materiais recicláveis é apresentado na figura 7.

12 Figura 7 Registro de vendas de materiais recicláveis Dados sobre a venda de materiais recicláveis podem ser consultados, porém, não são permitidas alterações nem exclusões de registros após efetivação das vendas; o software possibilita apenas estorno de registros. O formulário para emissão de relatórios sobre as vendas de materiais recicláveis (figura 8) permite aplicação de filtros nos atributos cooperativa; data em que foi enviado vendido o material para reciclagem intervalo de datas; e comprador dos produtos recicláveis. Figura 8 Formulário para relatórios de vendas de materiais recicláveis Utilizando o formulário para emissão de relatórios de vendas de materiais recicláveis, exposto na figura 8, obtém-se o relatório de vendas de materiais recicláveis, apresentado na figura 9, responsável pela visualização de dados sobre cooperativas responsáveis pela reciclagem, descrição do material classificado, data da venda do material reciclável, comprador identificado como destinatário, peso em quilograma, e o valor total de cada material.

13 Figura 9 Relatórios de vendas de materiais recicláveis Conforme a figura 9, o campo valor total corresponde ao valor total de cada material destinado à reciclagem. Na última linha do relatório é listada a soma de todos os valores dos materiais recicláveis. Este somatório é executado independentemente do tipo de filtro aplicado na geração do relatório. 4.5 Implantação do Software nas cooperativas A etapa final do trabalho é constituída pela implantação do software nas cooperativas de recicladores de Passo Fundo RS. Nesta fase, que está em andamento, o software para gestão de resíduos sólidos em cooperativas de recicladores está sendo instalado nos computadores das cooperativas e também na sede do projeto Transformação. Os usuários do software e os responsáveis pelas cooperativas recebem treinamento e acompanhamento posterior a implantação. O coordenado do projeto Transformação participa de todo processo de implantação do software junto as cooperativa, prestando assessoria administrativa aos cooperados. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este artigo expôs o processo de desenvolvimento e implantação do software para gestão de resíduos sólidos em cooperativas de recicladores do município de Passo Fundo RS. Na identificação dos métodos gerenciais executados pelas cooperativas recicladores, averiguou-se a inexistência de softwares para gestão de resíduos sólidos junto às cooperativas. Em suas sedes os dados são registrados manualmente, e posteriormente são transferidos para planilhas eletrônicas junto ao projeto Transformação. Neste processo, percebeu-se a carência de dados administrativos gerando deficiências gerenciais aos cooperados. A fase de levantamento de requisitos foi alcançada satisfatoriamente. Inicialmente encontraram-se algumas dificuldades relacionadas a pouca documentação sobre a gestão de resíduos nas cooperativas e a dificuldade de detalhar sua forma de gestão. Problema solucionado com a utilização de técnicas de levantamento de requisitos. A análise e projeto do software proveram em modelos funcionais da UML, resultantes do levantamento de requisitos. O software para gestão de resíduos sólidos foi desenvolvido utilizando a linguagem de programação PHP, e o banco de dados foi criado com o sistema de gerenciamento de banco de dados relacional MySQL. Entre as funcionalidades do software estão os cadastros, registros, consultas e emissão de relatórios sobre o processo gerencial das cooperativas de

14 recicladores. Portanto conclui-se que este modelo está coerente com o documento de especificação de requisitos e os modelos funcionais da UML. A implantação do software nas cooperativas está coerente com o cronograma. O primeiro passo nesta etapa foi a instalação do software na sede do projeto transformação e nas cooperativas, e a demonstração do mesmo. Percebeu-se a satisfação e o interesse dos cooperados em relação a utilização do software auxiliando no processo gerencial de resíduos nessas cooperativas. 4. REFERÊNCIAS ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: Resíduos sólidos Classificação. Rio de Janeiro: ABRELPE - Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Resíduos Sólidos: Manual de boas práticas no planejamento p. AQUINO, I.; CASTILHO JR., A.; PIRES, T. A organização em rede dos catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva reversa de pós-consumo da região da grande Florianópolis: uma alternativa de agregação de valor. Gestão & Produção, v.16, n.1, p.15-24, BESEN, G. R. Coleta seletiva com inclusão de catadores: construção participativa de indicadores e índices de sustentabilidade f. Tese (Doutorado em Saúde Pública). Universidade de São Paulo. São Paulo, BEZERRA, E. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML. 2ª ed. Rio de janeiro: Campus/Elsevier, DAMAS, L. SQL Structured query language, 6ª ed. Rio de Janeiro : LTC, ELMASRI, R.; NAVATHE, S. B. Sistema de Banco de Dados. 6ª ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, GONÇALVES, P. Catadores de materiais recicláveis Disponível em: <http://www.lixo.com.br>. Acesso em 17 jun GUEDES, G. T. A. UML 2: uma abordagem prática. 2ª ed. São Paulo: Novatec editora, LEFFINGWELL, D.; WIDRIG, D. Managing software requirements: A unified Approach. Addison-Wesley, MANZANO, J. A. N. G. MySQL 5.0, interativo: guia básico de orientação e desenvolvimento. 1ª ed. São Paulo : Érica, McDOUGALL, F. R.; WHITE, P. R.; FRANKE, M.; HINDLE, P. Integrated solid waste management: a life cycle inventory. 2ª ed. Malden: Backwell Science, OPEN SOURCE. Open Source Initiative. The open source definition. Disponível em: Acesso em 23 abr

15 RATHI, S. Alternative approaches for better municipal solid waste management in Mumbai, India. ScienceDirect. v. 26, n 10, p , ROLLWAGEN, A. F. Protótipo de um sistema de informação para gestão pública integrada de Resíduos Sólidos Urbanos f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil e Ambiental). Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo SANTOS, J. A logística reversa como ferramenta para a sustentabilidade: um estudo sobre a importância das cooperativas de reciclagem na gestão dos resíduos sólidos urbanos. REUNA, v.17, n.2, p.81-96, SOARES, W. PHP5: Conceitos, Programação e Integração com Banco de Dados. 6ª ed. Ver., atual. São Paulo: Érica, SOMMERVILLE, I. Engenharia de Software. 9º ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, STAIR, R. M.; REYNOLDS, G. W. Princípios de Sistemas de Informações. 9º ed. São Paulo: Cengage Learning, TAGUCHI, R. L. Gestão integrada de resíduos sólidos urbanos domiciliares com uso do Balanced Scorecard f. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, 2010; TRANSFORMAÇÃO. Projeto TransformAção Cuidar da vida, cuidar da natureza, cuidar das pessoas. Disponível em: < Acesso em 02 mai WAZLAWICK, R. S. Análise e Projeto de Sistemas de Informação Orientados a Objetos. 3ª reimp, Rio de Janeiro, Elsevier, 2004.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software ECOFROTA TRIBUNAL THEMIS EDILBERTO SILVA 1, AQUILA ISRAEL (1316079) 2, CYNTHIA FERREIRA (1316079) 2, MARKO DE CASTRO (1316119) 2, RAFAELA ALMEIDA (1316189)

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GLPI PERFIL TÉCNICO Versão 2.0 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES PREFEITURA DE GUARULHOS SP 1 Objetivo: Esse manual tem como objetivo principal instruir os

Leia mais

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS)

TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE CONTROLE PATRIMONIAL (SCP) PARA O CORPO DE BOMBEIRO DE MATO GROSSO DO SUL(MS) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS ALVES, Jéssica B. 1 NETO, João B. 1 SOBRAL, Jozias M. 1 SILVA, Kelvin L. S. da 1 PETITTO, Sônia 2 PERRI, Ricardo Alves 3 RESUMO A coleta seletiva é uma forma de

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Documentos. ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007. Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário

Documentos. ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007. Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário Documentos ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007 Sistema de Gestão de Licitações do Site da Embrapa Pecuária Sul Licitações 1.0 - Manual do Usuário 68 ISSN 1982-5390 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário

Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Secretaria de Estado da Saúde de Alagoas SESAU Coordenadoria Setorial de Gestão a Informática - CSGI Sistema de HelpDesk da SESAU Guia do Usuário Maceió 06/02/2012 Técnico Responsável: Bruno Cavalcante

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO CENTRO DE TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DA CATURRITA EM SANTA MARIA-RS Carolina Gaspar Enderle (1) Aluna do curso Técnico em Segurança do Trabalho do Colégio Técnico Industrial

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS

ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS ESPECIFICAÇÃO DO ESCOPO DE SISTEMA DE SOFTWARE A PARTIR DA UTILIZAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS Rosiane da Silva Biscaia Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE

UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE ESTOQUE ÉDER ALUÍSIO SIMÕES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas HEITOR DE OLIVEIRA SARAIVA Discente da AEMS Faculdades Integradas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos

Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Especificação de Sistemas e Especificação de Requisitos Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Escola de Informática Aplicada Curso: Bacharelado em Sistemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE POMBAL Erica Bento SARMENTO 1 Diêgo Lima CRISPIM 2 Jucielio Calado ALVES 3 Alan Del Carlos Gomes

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN - 0103-2569 MANUAL DE USO Sistema de Reserva de Salas INTRANET - ICMC-USP André Pimenta Freire Renata Pontin de M. Fortes N 0 213 RELATÓRIOS TÉCNICOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo

Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo Modelagem do Sistema EMD Vanice Pinheiro do Amaral Silva, Alberto da Silva Lobo NTI Núcleo de Tecnologia e Informação Fundação Unirg 1. Introdução A utilização da informática surgiu como uma ferramenta

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS

BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS 973 BUSCANDO UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA AUXILIAR A GESTÃO DE PRODUÇÃO DO PBL-VE E DO PBL-VS Jéssica Magally de Jesus Santos 1 ; Gabriela Ribeiro Peixoto Rezende Pinto 2 1. Bolsista

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

Manual de Operações Bolsa- Formação

Manual de Operações Bolsa- Formação Manual de Operações Bolsa- Formação Este manual destina-se aos usuários do Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica SISTEC, no que tange à gestão e operacionalização da Bolsa-Formação,

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011

MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 MANUAL DO SISTEMA SIGPLAN - ELABORAÇÃO DA FASE QUALITATIVA DO PPA 2008-2011 O trabalho faz a diferença. Manaus, maio de 2007. Manual de Operação do Sistema de Informações Gerenciais e de Planejamento -

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS

MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS 127 MODELAGEM VISUAL DE UM SOFTWARE PARA O GERENCIAMENTO DAS COMUNICAÇÕES EM GESTÃO DE PROJETOS VISUAL MODELING OF SOFTWARE FOR COMMUNICATION MANAGEMENT IN PROJECT MANAGEMENT Ricardo Rall 1 Arilson José

Leia mais

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema SISTEMA DE CONTROLE DE INDICADORES DE DESEMPENHO VOLTADO À DISPONIBILIDADE DE SERVIÇOS DE TI BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL V3 Eduardo Cuco Roteiroda apresentação 1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software FARMAINFOR - GERENCIAMENTO DA FARMACIA

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software FARMAINFOR - GERENCIAMENTO DA FARMACIA 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software FARMAINFOR - GERENCIAMENTO DA FARMACIA PATRÍCIA LIMA 1, ALEXANDRE ALMEIDA, 2, LAÉCIO 3, OTAVIO 4,, PEDRO HENRIQUE 5, DAIRO 6,EDUARDO RADICHHI 7 LUA

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS!

APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! APROSA Associação das Promotoras Legais Populares do Cabo de Santo Agostinho RECICLARTES RECICLANDO VIDAS! Cabo de Santo Agostinho, 2010 Descrição do Projeto Segundo a comissão Mundial sobre o Meio Ambiente

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios.

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Wanilene Sabará Cassiano Afiliação: Faculdade de Tecnologia de Cruzeiro.

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

ORGANIZADOR DE ANOTAÇÕES WEB

ORGANIZADOR DE ANOTAÇÕES WEB ORGANIZADOR DE ANOTAÇÕES WEB PARA REPRESENTANTES COMERCIAIS ERICK JORDÃO ORIENTADOR: OSCAR DALFOVO ROTEIRO DE APRESENTAÇÃO Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Trabalhos Correlatos Desenvolvimento

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS

AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS AUTOMATIZAÇÃO DE CÁLCULOS HIDRÁULICOS DE PROJETOS DE REDE DE ESGOTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS Fernando Cesar Uzan Graduando em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atualmente trabalha na Coordenadoria

Leia mais

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO

SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO SISTEMATIZAÇÂO DOS TIPOS DE INFORMAÇÂO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EMPRESARIAL E DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÂO E COMUNICAÇÂO Danilo Freitas Silvas Sistemas de informação CEATEC danilofs.ti@gmail.com Resumo:

Leia mais

Manual de Utilização Sistema de Gestão de Campanha Módulo Indústria

Manual de Utilização Sistema de Gestão de Campanha Módulo Indústria Manual de Utilização Sistema de Gestão de Campanha Módulo Indústria 2 Índice / Sumário 1. Introdução ao Sistema 2. Fluxo de Adesão 3. Email Cadastro 4. Email Convite 5. Acesso ao Sistema 6. Pagina Inicial

Leia mais

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots

Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Diretrizes para criação de um padrão de desenvolvimento de sistemas de informação baseados em cots Roosewelt Sanie Da Silva¹ 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rodovia

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA

PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA PLANEJAMENTO DE SENSIBILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS CATADORES DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA DE JETIBA JULHO 2014. Secretarias Parceiras: Secretaria Municipal de Técnica e Planejamento Secretaria Municipal de Trabalho,

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares

Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares Aplicação de uma Metodologia Ágil no Desenvolvimento de um Software Web envolvendo equipes Multidisciplinares Paulo Júnior Varela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR paulovarela@utfpr.edu.br

Leia mais

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção.

Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Reciclagem, Sustentabilidade e Coleta Seletiva a experiência em Viçosa - MG, uma missão do Projeto InterAção. Nádia D. de Souza 1 Kátia G. de Laia 2 Mariana O. Silva 3 Estevão L. M. Gomes 4 Tiago L. A.

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Modelos de Sistemas Casos de Uso

Modelos de Sistemas Casos de Uso Modelos de Sistemas Casos de Uso Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Casos de Uso Objetivos Principais dos Casos de Uso: Delimitação do contexto de

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Klendson Marques Canuto Adriano Santiago Bruno Vamberto Lima Cabral Companhia Energética

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

Cartilha do Gestor de Frota do Órgão / Entidade

Cartilha do Gestor de Frota do Órgão / Entidade Cartilha do Gestor de Frota do Órgão / Entidade SGTA Sistema de Gestão Total de Abastecimento do Governo do Estado de Minas Gerais REV DATA ALTERAÇÃO CRIAÇÃO REVISÃO APROVAÇÃO 01 13/01/14 Versão inicial

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS

AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS AULA 01-02-03 SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Curso: Sistemas de Informação (Subseqüente) Disciplina: Administração de Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br História

Leia mais

Documento de Requisitos

Documento de Requisitos UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Documento de Requisitos Sistema Gerenciador de Atendimento de Chamados Técnicos Grupo: Luiz Augusto Zelaquett

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

3 a Lista de Exercícios

3 a Lista de Exercícios Engenharia de Requisitos 3 a Lista de Exercícios (1) Em relação ao levantamento e análise de requisitos, faz-se a seguinte afirmação: Os requisitos de sistema devem ser capturados, documentados e acordados

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva

Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Modelagem de Sistemas Prof. Marcos Roberto e Silva Diagrama de Casos de Uso Demonstra o comportamento externo do sistema, através de uma linguagem simples. Apresentando o sistema sobre a perspectiva do

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA MUNICIPAL OFICIAL PARA APRESENTAÇÃO DE INFORMAÇÕES QUANTO À GESTÃO DE RESÍDUOS EM SUAS FONTES GERADORAS - PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ONLINE - Novembro de 2012 - Concurso

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais