FBV - FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FBV - FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 FBV - FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL GILMAR SEVERINO DE MOURA Mudança na legislação societária lei /2007: um estudo fenomenológico junto a profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife PE Recife, 2012

2

3 GILMAR SEVERINO DE MOURA Orientadora Professora Drª. Maria Auxiliadora Diniz de Sá. Mudança na legislação societária lei /2007: um estudo fenomenológico junto a profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife PE Dissertação de mestrado apresentada como requisito complementar para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial do Centro de Pesquisa e Pós- Graduação em Administração - CPPA da Faculdade Boa Viagem Devry Brasil. Recife, 2012

4

5 Dedico este Trabalho especialmente à minha querida professora e orientadora Maria Auxiliadora (Dorinha), pelo seu entusiasmo, sabedoria, paciência, e incentivo.

6 AGRADECIMENTOS Esta parte do trabalho para mim tem uma importância especial, é aqui que eu quero externar meus sinceros agradecimentos: À Deus pela sua infinita bondade e misericórdia permitindo a minha existência, a meus pais Severino Moura e Josefa Miguel, pois sem eles minha historia não teria começado. A minha querida e amada esposa Albênia Dias que durante esta jornada sempre esteve do meu lado me apoiando e incentivando com suas palavras e seus gestos carinhosos. As minhas queridas filhas Marcele e Mariane que são os frutos da minha vida, os meus eternos amores. As minhas irmãs, meus sobrinhos e sobrinhas por entenderem a minha ausência nesse período. A minha Professora e orientadora Maria Auxiliadora Diniz de Sá (Dorinha), por me orientar com tanta paciência, entusiasmo e competência, pelo exemplo de humildade e amor ao próximo, por me fazer acreditar no melhor, pelo amor à cultura organizacional, competência e profissionalismo. A Professora Lúcia Barbosa, pelo comprometimento no início da caminhada quando tudo era novidade, pelo carinho, pelas cobranças, pela competência e especialmente pelo profissionalismo. Ao Professor James Falk, pelo carinho, competência, entusiasmo e pela transmissão do conhecimento. Um estrangeiro brasileiro, um exemplo de profissional que muito admiro e respeito. Ao Professor Augusto, pela paciência, ajuda, dedicação, espírito de colaboração e sobre tudo pelo profissional exemplar. A Secretária do mestrado Albina Simões pela paciência com os alunos que sempre chegam com seus problemas, pela disposição em ajudar e por sempre nos receber com carinho. Meu muito obrigado. A todos os funcionários da Faculdade Boa Viagem. Cada um tem a sua importância e contribuição direta ou indiretamente com esse trabalho. Aos profissionais (Contadores) que muito me ajudaram respondendo o questionário. A todos os alunos do mestrado pelo espírito de companheirismo, pelos trabalhos realizados juntos, pela ajuda nos momentos cruciais, especialmente Heloíso Jr. Malta pelo companheirismo e amizade.

7 As ideias que defendo não são minhas. Eu as tomei emprestadas de Sócrates, eu as roubei de Chesterfield, eu as furtei de Jesus. E se você não gostar das ideias deles, quais seriam as ideias que você usaria? (Dale Carnegie)

8 RESUMO A contabilidade no Brasil passa por um processo de harmonização com as normas internacionais de contabilidade, porém para o sucesso dessa transição foi preciso alterar a legislação societária através da Lei /2007, que trouxe mudanças significativas para os profissionais de contabilidade, que passaram a conviver com alguns problemas organizacionais, culturais e jurídicos. A mudança na legislação societária substitui o modelo baseado em princípios por outro baseado em normas, onde a essência econômica dos fatos prevalece sobre a forma jurídica. Esta dissertação buscou trazer ao conhecimento acadêmico aspectos relativos a mudança na legislação societária lei /2007, e por consequência os impactos dessa mudança junto aos profissionais de contabilidade e das organizações que vem enfrentado um processo de grandes mudanças nas práticas contábeis. O local definido para realização da pesquisa foi a região metropolitana de Recife-PE, e escolheu-se a abordagem qualitativa, principalmente por se configurar como uma forma adequada para compreender a natureza de um fenômeno social, alem de ser uma alternativa viável ao investigador. Para coletar os dados da pesquisa, foram enviados questionários para 35 contadores em diferentes empresas da Região Metropolitana do Recife dos quais 20 questionários retornaram respondidos, representando 57,14% do total de questionários enviados. A pesquisa propôs-se a identificar a percepção dos profissionais de contabilidade com relação a significados, sentimentos, oportunidades e pressupostos culturais; (mitos, valores, crenças, normas e tabus), face à mudanças na legislação societária lei /2007. Analisado os dados coletados, conclui-se que em sua maior a mudança na legislação societária é percebida como positiva, constatam-se significados, sentimentos importantes e também uma visão de oportunidades de crescimento profissional. A maioria dos profissionais considera a mudança como renovadora. Palavras Chave: Mudança, Legislação Societária e Contabilidade.

9 ABSTRACT The accounts in Brazil goes through a process of harmonization with international accounting standards, but to the success of this transition was necessary to change the corporate legislation through Law /2007, which brought significant changes to the accounting profession, who used to deal with organizational, legal and cultural problems changing in corporate law replaces the model based in principles for another one based in norms, where the economic essence of the facts prevail over legal form. This paper sought to bring academic knowledge aspects of the change in corporate law /2007 and consequently all impacts motivated by all changing for accounting professionals and organizations that actually has faced big changing in accounting practices. The metropolitan area of Recife-PE, was the place chose to apply this researcher, decided to use a qualitative approach mainly due to consider this appropriate way to understand a social phenomenon of the nature. To collect the data, were sent 35 questionnaires to professional accountings different companies located in Metropolitan area of Recife counters in the Metropolitan Region of Recife, 20 of the those 35 questionnaires were was answered and resent to us, that represents 57,14% of the sample. The purpose of this researcher is identify the perceptions of accounting professionals in respect meanings, feelings, opportunities and cultural assumptions; (myths, values, beliefs, norms and taboos), due to changes in corporate law /2007. The location defined for the research was the metropolitan area of Recife-PE, and chose a qualitative approach, mainly because it set as an appropriate way to understand the nature of a social phenomenon, besides being a viable alternative to the researcher. Returned questionnaires of which 20 responded, representing 57.14% of total questionnaires sent. The research aimed to identify the perceptions of accounting professionals regarding the, due to changes in corporate law /2007. After Analyze data, its conclude that the biggest changing in corporate law is consider positive, and them meanings, important feelings and also a vision of professional growth opportunities. Most professionals consider the change as renovator. Keywords: changing, Corporate Law and Accounting.

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Os múltiplos atributos da Mudança Organizacional Quadro 2 - Alguns tipos de Mudança Organizacional Quadro 3 - Modelo de resistência individual de Mudança Quadro 4 - Pressupostos clássicos sobre resistência à mudança e possíveis contrapressupostos Quadro 5 - Características gerais do conceito de cultura organizacional Quadro 6 - Composição do CPC... 48

11 LISTA DE SIGLAS S/A - Sociedade Anônima CFC - Conselho Federal de Contabilidade IASC - International Accouting Standards Committee IASB - International Accouting Standards Board IFRS - International Financial Reporting Standars IBRFACON - Instituto Brasileiro dos Auditores Independentes SEC - Securites and Rxchange Commission CVM - Comissão de Valores Imobiliários CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis ABRASCA - Associação Brasileira das Sociedades de Capital Aberto APIMEC - Associação dos Profissionais e Investidores do Mercado de Capitais BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo FIPECAF - Fundação Instituto de Pesquisa contábil Atuárias e Financeira BACEM - Banco Central do Brasil SUSEP - Superintendência de Seguros Privados

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVAS DA PESQUISA Justificativas Teóricas Justificativas Práticas FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MUDANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Necessidade da mudança na organização A exigência do ambiente externo internacional face à globalização Como ficam as pessoas diante das mudanças nas organizações Resistência à Mudança nas organizações Mito sobre a resistência à mudança Fatores de resistência à mudança Pressupostos sobre a gestão da mudança e aspectos culturais LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA METODOLOGIA DA PESQUISA CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA LOCUS DA PESQUISA SUJEITOS DA PESQUISA INSTRUMENTOS DE COLETA DOS DADOS PRÉ-TESTE PROCESSOS DE COLETA DOS DADOS TÉCNICAS DE ANÁLISE DOS DADOS LIMITES E LIMITAÇÕES DA PESQUISA Limites da Pesquisa Limitações da Pesquisa ANÁLISES DOS DADOS SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS À MUDANÇA SENTIMENTOS ATRIBUÍDOS À MUDANÇA OPORTUNIDADES ATRIBUÍDAS À MUDANÇA OS PRESSUPOSTOS SOBRE A GESTÃO DA MUDANÇA CONCLUSÃO... 73

13 REFERÊNCIAS... APÊNDICE (1)... APÊNDICE (2)... APÊNDICE (3)

14 13 1 INTRODUÇÃO Recentemente as organizações empresariais Brasileiras enfrentaram um processo de grandes mudanças na gestão das práticas contábeis decorrente das alterações na Legislação Societária Lei /2007. As mudanças aconteceram do ponto de vista societário e fiscal, e causaram grandes impactos nas organizações empresariais, principalmente na qualidade das informações passadas ao Governo que é o maior interessado nos resultados das empresas e acompanhando as mudanças na Legislação Societária foram criados novos modelos de relatórios para atender ao Governo, apresentando uma contabilidade mais confiável, transparente e harmonizada com as normas internacionais de contabilidade. É possível entender o processo de harmonização como um meio de reduzir as diferenças nas práticas contábeis, de forma que as demonstrações de variados países sejam apresentadas segundo um conjunto de princípios comuns. No Brasil, em 2005 foi criado, pelo Conselho Federal de Contabilidade através da Resolução nº 1.055/05, o CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis, tendo como objetivo: o estudo, o preparo, e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de contabilidade e divulgação de informações dessa natureza, para permitir a emissão de normas pela entidade brasileira, visando à centralização e uniformização do seu processo de produção, levando sempre em conta a convergência da Contabilidade Brasileira aos padrões internacionais, a fim de possibilitar essa convergência e permitir o acesso das empresas a capitais externos com custo e taxa de risco menor no futuro, foi criada em dezembro de 2007 a Lei /2007 que alterou a Lei 6.404,76 (RAN, VASSOLER, 2009). A necessidade de mudança na Legislação Societária brasileira tornou-se indispensável, visto que na comunidade internacional já estavam instituídos os IFRS (International Financial Reporting Standard), traduzidos como um conjunto de pronunciamentos de contabilidade publicados e revisados pelo IASB - International Accounting Standars Board (MOURAD e PARASKEVOPOULOS, 2010).

15 14 As normas IFRS foram adotadas pelos países da União Europeia a partir do final de 2005 com o objetivo de harmonizar as demonstrações financeiras consolidadas. Como o resultado foi além do esperado, a medida foi aceita pela comunidade financeira. E atualmente, mais de 100 países têm intensificado o trabalho para a convergência e já adotam as normas internacionais de contabilidade. Por esse motivo no Brasil também em 2005 foi criado o CPC, que pode ser considerado a tradução dos IFRS. (MOURAD e PARASKEVOPOULOS, 2010). A implantação dos IFRS pela comunidade internacional tornou-se fundamental para adoção das novas práticas contábeis no Brasil. Ainda nesse contexto Mourad e Paraskevopoulos (2010), relatam alguns pontos positivos para adoção dos IFRS e que foram fundamentais para a mudança da nossa Legislação Societária: maior transparência para investimentos, facilidade de captação de créditos em mercado, comparabilidade com empresas do mesmo seguimento em outros países, abertura de oportunidade de trabalho para os funcionários brasileiros em outros países que já adotam as IFRS e maior contato com a língua inglesa, em nível técnico, para a interpretação da aplicação dos IFRS para a entidade, entre outros. Nesse sentido, Silva e Vergara (2003), afirmam que toda mudança resulta em impactos que podem ser positivos e/ou negativos e que passam a ser visto ao longo do tempo e nas últimas décadas, tem se desenvolvido um discurso crescente acerca da importância de se dedicar mais atenção às pessoas, na tentativa de implementar reestruturas ou programas como a qualidade total e a reengenharia. Ainda segundo Silva e Vergara (2003), Alguns dos principais problemas relativos à gestão de mudanças organizacionais intencionais identificados na literatura referem-se às dificuldades de comunicar os objetivos da organização, tornar esses objetivos compreensíveis para as pessoas e fazer as pessoas assimilarem os objetivos e adotarem as mudanças. As alterações na Legislação Societária introduzidas no Brasil pela Lei /2007 é uma realidade e devem ser adotadas por todas as empresas, sejam de sociedade anônima ou equiparadas, que são as empresas limitadas, ou seja aquelas empresas que não são constituídas em forma de sociedade anônima, não importando o seu ramo de atividade com o objetivo de

16 15 atender às normas internacionais de contabilidade e harmonizar as práticas contábeis das empresas brasileiras com as práticas das empresas internacionais. É importante afirmar que as alterações na Legislação Societária não podem ser vistas como uma opção para as empresas, e sim como um dever com base legal amparada pela Lei da S/A. Aquelas empresas que não se adequarem às mudanças, serão consideradas irregulares perante a legislação fiscal e tributária vigente no Brasil e estão sujeitas às penalidades jurídicas e às limitações como, por exemplo: não podem participar de concorrências públicas, o Balanço Patrimonial não tem crédito perante instituições financeiras, entre outras. Diante do exposto, os profissionais de Contabilidade (Contadores) estão passando por uma série de mudança em virtude dessas alterações ocorridas nessa legislação, o que pode afetar de forma significativa os seus conhecimentos e as suas práticas contábeis. Como resultado dessa mudança, muitos profissionais tem se sentido perdido em relação a sua profissão. Para muitos deles, a experiência adquirida durante anos de dedicação faz-lhes questionar sobre o sentimento de segurança do conhecimento adquirido. Entretanto para outros, essa mudança pode ter um caráter de renovação dos seus conhecimentos, isto é, uma oportunidade de estudar e crescer profissionalmente. A mudança na Lei societária restaurou muitos conceitos que até então estavam ultrapassados levando em consideração a rapidez nas informações empresarias, a globalização de mercados, novas técnicas de negócios e informações. Toda essa necessidade de uma nova roupagem nos conceitos de contabilidade, fez com que a contabilidade se consolidasse ainda mais, Sendo agora uma fonte mais rica de informações para gerenciamento do negocio. Nesta perspectiva, resta uma dúvida: que tipos de reações emocionais a mudanças vêm sentindo esses profissionais de contabilidade, em face às alterações na Legislação Societária? Como tem evoluído o processo de implantação dessas mudanças nas organizações? Quais as dificuldades enfrentadas por esses profissionais? Quais os significados que essa mudança tem tido para eles? Quais os sentimentos e os pressupostos que têm sido decisivos na vida deles?

17 16 Sendo assim, esta dissertação pretende responder a seguinte questão de pesquisa: quais reações à mudança pode se identificar em profissionais de contabilidade, da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária /2007? Para se responder a essa questão, foram estabelecidos os seguintes objetivos para esta pesquisa, a seguir.

18 OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Identificar a percepção de profissionais de contabilidade, da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária / Objetivos específicos Perceber significados que profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife-PE, atribuem à mudança, face às alterações na Lei Societária /2007. Verificar sentimentos e oportunidades para profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária /2007. Identificar pressupostos (cultural) sobre a gestão da mudança, na percepção de profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária / JUSTIFICATIVAS DA PESQUISA Nesta parte da dissertação serão apresentadas as justificativas para elaboração deste trabalho e foram divididas em duas partes: Justificativas Teóricas e Justificativas Práticas Justificativas Teóricas A importância deste trabalho é constatada pela carência de publicações científicas em relação às mudanças ocorridas nas organizações e o impacto causado nas pessoas, em função da alteração da Legislação Societária Lei /2007. Este aspecto pode ser confirmado por Franco (1997), quando ele afirma que este é um tema que ainda precisa ser muito explorado e compartilhado com os meios acadêmicos, da mesma forma, percebe-se quase nenhuma publicação científica na área de Ciências Contábeis, envolvendo estudos sobre mudança e cultura organizacional.

19 Justificativas Práticas Considerando o ponto de vista prático, este estudo é relevante, visto que se propõe a investigar aspectos relativos a mudança nas organizações, enfrentadas por profissionais de contabilidade (Contadores) em empresas situadas na Região Metropolitana do Recife PE, decorrentes da alteração na Legislação Societária Lei /2007. É importante ainda, considerar que, por meio deste estudo, os contadores poderão tomar conhecimento sobre reações que a mudança na Legislação Societária pode causar entre eles, auxiliando-os a tomar decisões para as suas carreiras profissionais. Finalmente, este trabalho poderá contribuir com conhecimentos para o gerenciamento do impacto dessa mudança nas organizações.

20 19 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo apresenta os aspectos teóricos que fundamentaram a realização deste trabalho de pesquisa, a saber: Mudança Organizacional e às alterações na Legislação Societária Lei /2007: um estudo fenomenológico junto a profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife PE. 2.1 MUDANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Talvez pela primeira vez na história, a humanidade tenha a capacidade de criar muito mais informação do que o homem pode absorver, de gerar muito mais interdependência do que o homem pode administrar e de acelerar as mudanças com muito mais rapidez do que o homem pode acompanhar (SENGE, 1990, p. 76). Para Araújo, Garcia e Martines (2011, p.3), O processo de mudança é extremamente complexo, já que faz as pessoas se questionarem sobre suas atitudes e até mesmo sobre seus valores, então é natural que a mudança seja provocada e não espontânea. Para Wood Jr. (1995, p.190), mudança é qualquer transformação de natureza estrutural, estratégica, cultural, tecnológica, humana ou de outro componente, capaz de gerar impacto em partes ou no conjunto da organização. Compartilhando com esse pensamento, Araújo, Garcia e Martines (2011), afirmam que a questão tecnológica deve ser considerada um modelo de mudança organizacional. Lima e Bressan (2003). Apud Pinto e Souza, (2007) Define mudança nas organizações como qualquer modificação, planejada ou não, nos componentes organizacionais formais e informais mais relevantes (pessoas, estruturas, produtos, processos e cultura); modificação que seja significativa, atinja a maioria dos membros da organização e tenha por objetivo a melhoria do desempenho organizacional em resposta às demandas internas e externas.

21 20 Porras e Robertson (1992) Apud Pinto e Souza (2007), retrata a mudança como um conjunto de teorias, valores, estratégias e técnicas cientificamente embasadas objetivando mudança planejada do ambiente de trabalho com o objetivo de elevar o desenvolvimento individual e o desempenho organizacional. Wood, Thomaz (2009), apresenta algumas visões de futuro a respeito da mudança e observa que quase todos os artigos e livros publicados sobre o assunto têm iniciado destacando a velocidade fantástica que vem ocorrendo nesse começo de século com as mudanças sociais, tecnológicas, políticas e econômicas. Segundo Wood, Thomaz (2009, p. 5): A diferença entre as publicações situadas entre o final dos anos 60 e o início dos anos 70 e as mais recentes é que essas últimas, ao discurso rotineiro, acrescentam o desafio Japonês ; ou como as empresas e instituições Japonesas transformam-se em organizações de alta performance e como isso, tem afetado o mundo ocidental. Silva e Vergara (2003), apresentam alguns atributos da mudança organizacional que foram considerados fundamental para esta pesquisa.

22 21 Quadro 1 Os múltiplos atributos da mudança organizacional Fonte: RAE VOL. 43 Nº 3 - JUL/SET/2003 Silva e Vergara (2003). Segundo Lima e Bressan (2003), existem vários focos de abordagens da mudança organizacional, que dão origem a uma variedade considerável de tipos de mudança. Partindo desse conteúdo, percebe-se com facilidade a relevância dos diferentes tipos de mudança e, consequentemente, da diferenciação das estratégias gerenciais e técnicas para lidar com cada um dos tipos descritos, destacando-se mudança transformacional versus incremental como tipo de mudança organizacional mais amplamente divulgada porém outros tipos identificados são demonstrados no quadro abaixo (Pinto e Souza, 2007).

23 22 Quadro 2: Alguns tipos de Mudança Organizacional Ford e Ford (1995) Intencional Quando um agente de mudança estabelece - de maneira deliberada e consciente - condições e circunstâncias diferentes das atuais e então busca realizá-las através de um conjunto de ações e intervenções, com ou sem a colaboração de outras pessoas. Não intencional Não é gerada deliberadamente ou conscientemente. Manifesta-se como efeitos colaterais, acidentes, efeitos secundários, ou consequências inesperadas da ação. Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (1998) Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (1998) Micro-mudança Focalizada dentro da organização. Exemplo: redefinição de cargos em uma fábrica ou desenvolvimento de um novo produto. Espontânea Não é gerada nem controlada pelos dirigentes das organizações. É oriunda das ações do dia-a-dia e é guiada por pessoas que não ocupam uma verdadeira posição de autoridade. Macro-mudança Visa à organização inteira, incluindo suas relações com o ambiente. Exemplo: reposicionamento no mercado ou alteração de todas as suas instalações físicas. Planejada Acontece de maneira programada, ou seja, é regida por um sistema ou um conjunto de procedimentos que devem ser seguidos. Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (1998) Dirigida Precisa de um guia com posição de autoridade para supervisionar a mudança e garantir sua implementação. Fonte: Pinto e Souza (2007) Necessidade da mudança na organização Os gestores desejam melhorar a performance de sua empresa, e colaborando com esse sentimento, nos últimos anos o tema mudança organizacional tem sido bastante explorado, inclusive com lançamentos de livros com ponto de vista diversos e qualidade bastante heterogênea (WOOD, 2009). Schmidt, Santos e Fernandes (2004), afirma que as empresas multinacionais no Brasil apresentam seus relatórios e demonstrações contábeis de forma diferenciada, uma para atender a legislação brasileira e outra as exigências do país de origem. Com a harmonização

24 23 das práticas brasileira às internacionais, a tendência é reduzir, e até eliminar, as dificuldades de interpretação das informações financeiras emitidas por empresas brasileiras, e melhorar a qualidade e utilidade das informações apresentadas aos usuários externos. Esta dissertação tem o objetivo de investigar o cotidiano dos profissionais de contabilidade e os problemas enfrentados por eles na aplicação das mudanças na Lei Societária /2007. No contexto literário sobre organizações, a mudança organizacional já é assunto tratado há muito tempo, e tendo sido constatado grandes convergências entre alguns textos mais antigos e outros mais atualizados que tratam do mesmo assunto. O que hoje observamos como novidade é o ritmo e a força com que as mudanças do ambiente vêm sendo impostas às organizações (PINTO e SOUZA, 2007). Segundo Huber e Glick (1995), percebe-se que a velocidade dessa mudança é provocada por duas forças distintas: 1) a força crescente efetiva da tecnologia de informação 2) a força da tecnologia de transporte. Um dado importante afirmado por Silva (1999), é que estamos vivendo uma mudança de época, e não uma época de mudanças, e as organizações precisam seguir acompanhando a força da tecnologia que é parte fundamental na necessidade de mudar (PINTO e SOUZA, 2007). Wood (2009. p.7), Uma pesquisa da Coopers & Lybrand realizada nos Estados Unidos, mostrou que as empresas mudaram principalmente em virtude de novas tecnologias restrições de recursos e adequação de nova legislação. Para Herzog (1991), o gerenciamento das pessoas a chave para enfrentar com sucesso o processo de mudança, mapeando, mantendo alto nível e motivação e evitando desapontamentos, Para ele o grande desafio não é a mudança tecnológica, mas mudar as pessoas e a cultura organizacional renovando os valores para ganhar vantagens competitivas. (WOOD 2009). Ainda segundo Herzog (1991) apud. Wood (2009, p. 7). Mudança no contexto organizacional engloba alterações fundamentais no comportamento humano, nos padrões de trabalho e nos valores em resposta a modificações ou antecipando alterações estratégicas, de recursos ou de tecnologia.

25 24 Segundo Wood (2009), Land e Jarman (1981), desenvolveram uma tipologia para os ciclos da mudança em três fases de crescimento: Formação - criar um comportamento padrão, descobrir a si próprio a seu mundo; Regulamentação - negação de diferença e crescimento por repetição do padrão; Integração - ultrapassa a eficiência do padrão repetitivo para continuar a crescer, reduz rigidez e força os vínculos internos. Wood (2009), relata que Kanter e March (1981), estudam as questões referentes as bases da mudança e afirmam que as tradições e os pontos fortes das organizações devem compor os conceitos e visões que dirigem a mudança. March (1981) apud Wood (2009 p. 8), Considera que as organizações estão constantemente mudando, mas que essas mudanças não podem ser arbitrariamente controladas. Em realidade, a maior parte das mudanças ocorre simplesmente como respostas a alterações no meio ambiente. Mas, apesar de esse processo adaptativo ser rotineiro algumas vezes surpresas podem ocorrer. Isto advém do fato de o processo mudança não ser uma estratégia estritamente racional e consistente, ele envolve incentivos, ações simbólicas, e ambiguidades. Mach (1981) e Elliott (1990), concordam com a idéia que a condução do processo de mudança organizacional precisa ser bem gerenciado pela fato de ser considerado um evento complexo que mexe com o psicológico do individuo. (WOOD 2009). Naisbitt e Aburdene (1986), ressaltam a importância de organizações se adaptarem às mudanças, como condição necessária para a sua sobrevivência. Segundo esses autores, nesses processos, é necessário não esquecer, do capital humano. Nessa nova era a sociedade de informações substituirá a sociedade industrial, mudando radicalmente as estruturas sociais.

26 25 Wood (2009), afirma que ainda segundo Naisbitt e Aburdene (1986), o uso da tecnologia da informação desburocratiza as organizações, e o trabalho será encarado como uma forma de desenvolvimento humano. Rondeau (1999), afirma que as organizações mudam porque a maneira de pensar a gestão também sofre modificações com o tempo. Isso ocorre tanto pelo surgimento de novos modelos de gestão e novas ferramentas, quanto pela própria evolução das correntes de pensamento em administração e gestão de empresas (PINTO e SOUZA, 2007). Entretanto, percebe-se, como afirma Souza e silva (2003), que normalmente a mudança é tratada como um instrumento para mudar coisas, mas não para mudar pessoas. Sendo assim, as pessoas costumam ser pressionadas para adaptarem-se às mudanças realizadas na organização, não se importando com as concepções delas, sobre o mundo, a natureza e a organização. (SOUZA e SILVA, 2003). De acordo com Alves Filho (2011, p. 22), Aprendizagem significa mudança e ela conduz ao conforto à estabilidade, tanto da empresa quanto dos trabalhadores A exigência do ambiente externo internacional face à globalização Do ponto de vista da globalização o cenário econômico tem passado por significativas transformações e em uma sociedade pós-globalizada os investimentos de capitais desconhecem fronteiras. Dessa forma a maioria dos países no mundo tem caminhado para harmonização de suas práticas contábeis. Logo diante da grande demanda de empresas de mercados internacionais se instalando no Brasil, essa economia globalizada passou a exigir do país uma maior convergência com as normas internacionais para que houvesse maior transparência na divulgação dos demonstrativos contábeis das empresas e diante de todos esses acontecimentos, só restava ao Brasil viabilizar o processo para adoção das normas internacionais de contabilidade e nesse sentido foi criada a Lei /2007 com o objetivo de alterar a legislação societária (o autor).

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL REPORTING Belo Horizonte 2012 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins CONTABILIDADE INTERNACIONAL FINANCIAL

Leia mais

BREVÍSSIMA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL

BREVÍSSIMA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL 1. Introdução CONTABILIDADE INTERNACIONAL BREVÍSSIMA HISTÓRIA DA CONTABILIDADE INTERNACIONAL Até recentemente (cerca de 50 anos atrás, o que é relativamente diminuto em termos da história econômica mundial),

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs.

Palavra-Chave: Contabilidade Internacional, Adoção as Normas Internacionais de Contabilidade, CPC-PMEs. CONTABILIDADE INTERNACIONAL: a convergência das Normas Internacionais da Contabilidade aplicada às micros e pequenas empresas no município de Barreiras-BA. Acadêmica: Luana Alves Souza 1 E-mail: Lua.luana23@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE

TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE TÍTULO: ESTUDO DE CASO DE APLICAÇÕES DAS NORMAS INTERNACIONAIS DA CONTABILIDADE (IFRS) NAS PMES E O IMPACTO NA SUA APLICABILIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) está com as inscrições abertas para a primeira turma do MBA em IFRS (Normas

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS A IMPORTÂNCIA DA PADRONIZAÇÃO DAS NORMAS CONTÁBEIS BRASILEIRAS Camila Gomes de Carvalho Nivaldo Grego (OR) RESUMO: Com a abertura da cultura e economia no mundo devido a globalização, possibilitou que

Leia mais

INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL RESUMO

INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL RESUMO INTRODUÇÃO AO INTERNATIONAL FINANCIAL REPORTING STANDARD (IFRS): BENEFÍCIOS E DESAFIOS PARA AS EMPRESAS E IMPACTOS AO PROFISSIONAL CONTÁBIL Aline Franciele Correa Boeno 1 Loíra Karnopp Nolasco 2 Cláudia

Leia mais

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas

EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock. Gestão de pessoas EIM/UFPR AT086 Gestão de Projetos Prof. Umberto Klock Gestão de pessoas PRINCIPAIS TÓPICOS 1. Cultura organizacional e outros desafios de projetos; 2. O papel do gerente de projetos; 3. O relacionamento

Leia mais

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Comunicados Técnicos 30 de agosto de 2013 Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Agenda Comitês Técnicos do IBRACON CNNT Comissão Nacional de Normas Técnicas CNA Comitê de Normas de Auditoria

Leia mais

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Harmonização contábil internacional. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Harmonização contábil internacional Autor: Ader Fernando Alves de Pádua RESUMO O presente artigo tem por objetivo abordar o conceito e os aspectos formais e legais das Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS JAQUELINE DO NASCIMENTO SOUSA O IMPACTO NA MUDANÇA DA LEGISLAÇÃO CONTÁBIL APLICADO EM INDÚSTRIA TÊXTIL FORTALEZA 2013 JAQUELINE

Leia mais

8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR

8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR 25*$1,6026(1250$6,17(51$&,21$,6'(&217$%,/,'$'( 8PSUREOHPDGHSDGURQL]DomR INTRODUÇÃO Com o crescente avanço tecnológico, facilidades de comunicação, rapidez no processamento de informações e mobilidade internacional

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO

HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO HARMONIZAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE: IMPACTOS NO PROCESSO DE ADOÇÃO E OS REFLEXOS NA CONTABILIDADE BRASILEIRA RESUMO No Brasil, o tema Normas Internacionais de Contabilidade (IFRS)

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: MODELO SISTÊMICO E COMPARTILHADO INTRODUÇÃO: As empresas corporativas atualmente desenvolvem visões e políticas que se enquadrem no conceito de desenvolvimento sustentável, responsabilidade

Leia mais

OS DESAFIOS NA CONSULTORIA: a resistência à mudança

OS DESAFIOS NA CONSULTORIA: a resistência à mudança 1 OS DESAFIOS NA CONSULTORIA: a resistência à mudança Sheyla Rosane de Almeida Santos 1 Karina Paes Rabbi 2 Resumo: O presente trabalho constitui-se em um estudo de caso a partir do estágio curricular

Leia mais

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS

HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL IAS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade em Moeda Constante e Conversão de Demonstrações Contábeis para Moeda Estrangeira HARMONIZAÇÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ ORIGEM e COMPOSIÇÃO O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: -ABRASCA: Presidente - ANTONIO DUARTE CARVALHO

Leia mais

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003.

INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. INSTITUTO IBEROAMERICANO DE MERCADOS DE VALORES REUNIÃO DO GRUPO DE ESPECIALISTAS CONTÁBEIS Buenos Aires, Argentina, 19 a 20 de março de 2003. CVM BRASIL O modelo capitalista baseado na economia de mercado

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

2 CULTURA ORGANIZACIONAL

2 CULTURA ORGANIZACIONAL globalização. O modelo apresentado para a realização desde trabalho foi desenvolvido empiricamente por Quinn e Rorbaugh (1984), intitulado Competing Value Model (C.V.M.) ou Modelo de Valores Competitivos.

Leia mais

Modelos Puros de Normatização (Passado(

Modelos Puros de Normatização (Passado( 1 * Modelos Puros de Normatização (Passado( Passado) ) Países de Code Law Governo Legislativo ou Executivo ou Ambos Exemplos: Alemanha Itália Espanha França Japão Brasil etc. 2 Modelos Puros de Normatização

Leia mais

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL.

A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. A ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL: UM COMPARATIVO ANTES E DEPOIS DA ADOÇÃO DO PADRÃO CONTÁBIL INTERNACIONAL. Eliseu Pereira Lara 1 RESUMO: As alterações ocorridas na legislação contábil, visando à adequação

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria²

O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL. Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² O IMPACTO DA LEI 11.638/07 NO MUNDO CONTÁBIL Débora Cristina Dala Rosa¹, José César de Faria² ¹Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação, Avenida Shishima Hifumi,

Leia mais

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Um dos pontos mais polêmicos e de maior impacto nestas alterações das normas de auditoria independente

Leia mais

A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas

A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas A Contabilidade e o Profissional Contábil nas Pequenas e Médias Empresas Irineu De Mula Março/2011 Primeira Fase do Processo de Convergência (Lei 11.638 e 11.941/08) Direito Positivo Brasileiro Alteram

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

Verônica A. Pereira Souto

Verônica A. Pereira Souto COMPORTAMENTO HUMANO NO TRABALHO Verônica A. Pereira Souto VITÓRIA-ES 11 de julho 2009 VERÔNICA APARECIDA PEREIRA SOUTO MINI-CURRÍCULO PSICÓLOGA GRADUADA EM LETRAS/INGLÊS PÓS-GRADUADA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento

Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Trabalho em equipe como fator facilitador da Gestão do Conhecimento Viviane Maravieski Pereira (UTFPR) vivimaravieski@hotmail.com Isaura Alberton de Lima (UTFPR) alberton@cefetpr.br Resumo: Este artigo

Leia mais

Auditoria de Sistemas FATEC 2011

Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Histórico 3.000 a.c. - Antropologistas encontraram registros de atividades de auditoria de origem babilônica ~2.000 a.c - No antigo Egito havia a necessidade de se ratificar

Leia mais

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO

AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO AS MUDANÇAS DA LEI 11.638/07 NO BALANÇO PATRIMONIAL DAS EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO Vanessa Alves Cunha 1, Robernei Aparecido Lima 2 1 Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas,

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS).

São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS). São Paulo, 15 de abril de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini, durante o International Financial Reporting Standards (IFRS). 1 Boa tarde a todos! Em primeiro lugar, gostaria de agradecer, em

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008

JOSÉ APARECIDO MAION jmaion@maioncia.com.br. IRINEU DE MULA idemula@amcham.com.br. DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 DELIBERAÇÃO CVM N o 539, DE 14/03/2008 Aprova o Pronunciamento Conceitual Básico do CPC que dispõe sobre a Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. JOSÉ APARECIDO

Leia mais

O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1

O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1 O SECRETARIADO EXECUTIVO E A FUNÇÃO DE GESTÃO 1 Adriane Lasta Alexandra da Silva 2 1 Considerações Iniciais A área secretarial está conhecendo um novo profissional, o secretário gestor, que é capaz de

Leia mais

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS

CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS CADERNO DE ANOTAÇÕES CONTÁBEIS APLICAÇÃO N 3 As novas práticas contábeis instituídas a partir da Lei 11.638/2007 complementadas pela Lei 11.941/2009 e normatização formulada através da edição dos pronunciamentos

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro

Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro Marcio Marcelo de Oliveira Clubes de futebol com boa governança possuem melhor desempenho? Evidências do mercado brasileiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL APLICAÇÃO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO AUMENTO DA COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL Fábio Augusto Aquino Gonçalves 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação.

Palavras-chave: Alinhamento, domínio, tecnologia de informação. RELACIONAMENTO ENTRE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E A ORGANIZAÇÃO: OS FATORES CRÍTICOS SOBRE O COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL NA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO. José Aparecido Moura Aranha

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial

Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial Faculdade Boa Viagem DeVry Brasil Centro de Pesquisa e Pós-Graduação em Administração - CPPA Mestrado Profissional em Gestão Empresarial KILMA GALINDO DO NASCIMENTO CULTURA ORGANIZACIONAL E TERCEIRIZAÇÃO:

Leia mais

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina

O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES. Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina O IMPACTO DA MUDANÇA NA CULTURA DAS ORGANIZAÇÕES Fabiana Gonçalves, Priscila da C. Custódio Vanessa Mª B. dos Santos, Drª Vera Lúcia Ignácio Molina UNIVAP/ Estudante do curso de Administração de Empresas/fabianacgoncalves@eaton.com

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Introdução A GOVERNANÇA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Referências Gerenciamento Estratégico da Informação. Aumente a Competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como ferramenta

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL

EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA E MUDANÇA ORGANIZACIONAL Ricardo de Miranda Deiró Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail: ricardo.deiro@light.com.br João Antonio da Silva Cardoso Mestrando em Sistemas de Gestão E-mail:

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

FIPECAFI completa 35 anos de pioneirismo na construção da história Contábil, Atuarial e Financeira do Brasil

FIPECAFI completa 35 anos de pioneirismo na construção da história Contábil, Atuarial e Financeira do Brasil FIPECAFI completa 35 anos de pioneirismo na construção da história Contábil, Atuarial e Financeira do Brasil A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) foi fundada

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil IBRACON Instituto dos Auditores do Brasil 6 Regional UCS Universidade de Caxias do Sul -Campus Universitário de Bento Gonçalves Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil Aula Inaugural tema:a

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS Curso: Graduação: Regime: Duração: CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas:

Toda e qualquer análise de mercado irá demandar uma série de etapas a ser seguida, dentre elas: Capítulo 16 - Os Stakeholders O termo foi originado na língua inglesa e hoje, foi completamente absorvido pela área da administração. Traduzido para o português como sendo parte interessada esse termo

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO TÍTULO: O CÓDIGO DE ÉTICA E A VALORIZAÇÃO DO CONTADOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): SUELEN MAYARA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL. Ementário SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO ORGANIZACIONAL Ementário Metodologia de Pesquisa 64 horas Introdução; Paradigmas da investigação social.

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais