FBV - FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FBV - FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL"

Transcrição

1 FBV - FACULDADE BOA VIAGEM CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CURSO MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO EMPRESARIAL GILMAR SEVERINO DE MOURA Mudança na legislação societária lei /2007: um estudo fenomenológico junto a profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife PE Recife, 2012

2

3 GILMAR SEVERINO DE MOURA Orientadora Professora Drª. Maria Auxiliadora Diniz de Sá. Mudança na legislação societária lei /2007: um estudo fenomenológico junto a profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife PE Dissertação de mestrado apresentada como requisito complementar para obtenção do grau de Mestre em Gestão Empresarial do Centro de Pesquisa e Pós- Graduação em Administração - CPPA da Faculdade Boa Viagem Devry Brasil. Recife, 2012

4

5 Dedico este Trabalho especialmente à minha querida professora e orientadora Maria Auxiliadora (Dorinha), pelo seu entusiasmo, sabedoria, paciência, e incentivo.

6 AGRADECIMENTOS Esta parte do trabalho para mim tem uma importância especial, é aqui que eu quero externar meus sinceros agradecimentos: À Deus pela sua infinita bondade e misericórdia permitindo a minha existência, a meus pais Severino Moura e Josefa Miguel, pois sem eles minha historia não teria começado. A minha querida e amada esposa Albênia Dias que durante esta jornada sempre esteve do meu lado me apoiando e incentivando com suas palavras e seus gestos carinhosos. As minhas queridas filhas Marcele e Mariane que são os frutos da minha vida, os meus eternos amores. As minhas irmãs, meus sobrinhos e sobrinhas por entenderem a minha ausência nesse período. A minha Professora e orientadora Maria Auxiliadora Diniz de Sá (Dorinha), por me orientar com tanta paciência, entusiasmo e competência, pelo exemplo de humildade e amor ao próximo, por me fazer acreditar no melhor, pelo amor à cultura organizacional, competência e profissionalismo. A Professora Lúcia Barbosa, pelo comprometimento no início da caminhada quando tudo era novidade, pelo carinho, pelas cobranças, pela competência e especialmente pelo profissionalismo. Ao Professor James Falk, pelo carinho, competência, entusiasmo e pela transmissão do conhecimento. Um estrangeiro brasileiro, um exemplo de profissional que muito admiro e respeito. Ao Professor Augusto, pela paciência, ajuda, dedicação, espírito de colaboração e sobre tudo pelo profissional exemplar. A Secretária do mestrado Albina Simões pela paciência com os alunos que sempre chegam com seus problemas, pela disposição em ajudar e por sempre nos receber com carinho. Meu muito obrigado. A todos os funcionários da Faculdade Boa Viagem. Cada um tem a sua importância e contribuição direta ou indiretamente com esse trabalho. Aos profissionais (Contadores) que muito me ajudaram respondendo o questionário. A todos os alunos do mestrado pelo espírito de companheirismo, pelos trabalhos realizados juntos, pela ajuda nos momentos cruciais, especialmente Heloíso Jr. Malta pelo companheirismo e amizade.

7 As ideias que defendo não são minhas. Eu as tomei emprestadas de Sócrates, eu as roubei de Chesterfield, eu as furtei de Jesus. E se você não gostar das ideias deles, quais seriam as ideias que você usaria? (Dale Carnegie)

8 RESUMO A contabilidade no Brasil passa por um processo de harmonização com as normas internacionais de contabilidade, porém para o sucesso dessa transição foi preciso alterar a legislação societária através da Lei /2007, que trouxe mudanças significativas para os profissionais de contabilidade, que passaram a conviver com alguns problemas organizacionais, culturais e jurídicos. A mudança na legislação societária substitui o modelo baseado em princípios por outro baseado em normas, onde a essência econômica dos fatos prevalece sobre a forma jurídica. Esta dissertação buscou trazer ao conhecimento acadêmico aspectos relativos a mudança na legislação societária lei /2007, e por consequência os impactos dessa mudança junto aos profissionais de contabilidade e das organizações que vem enfrentado um processo de grandes mudanças nas práticas contábeis. O local definido para realização da pesquisa foi a região metropolitana de Recife-PE, e escolheu-se a abordagem qualitativa, principalmente por se configurar como uma forma adequada para compreender a natureza de um fenômeno social, alem de ser uma alternativa viável ao investigador. Para coletar os dados da pesquisa, foram enviados questionários para 35 contadores em diferentes empresas da Região Metropolitana do Recife dos quais 20 questionários retornaram respondidos, representando 57,14% do total de questionários enviados. A pesquisa propôs-se a identificar a percepção dos profissionais de contabilidade com relação a significados, sentimentos, oportunidades e pressupostos culturais; (mitos, valores, crenças, normas e tabus), face à mudanças na legislação societária lei /2007. Analisado os dados coletados, conclui-se que em sua maior a mudança na legislação societária é percebida como positiva, constatam-se significados, sentimentos importantes e também uma visão de oportunidades de crescimento profissional. A maioria dos profissionais considera a mudança como renovadora. Palavras Chave: Mudança, Legislação Societária e Contabilidade.

9 ABSTRACT The accounts in Brazil goes through a process of harmonization with international accounting standards, but to the success of this transition was necessary to change the corporate legislation through Law /2007, which brought significant changes to the accounting profession, who used to deal with organizational, legal and cultural problems changing in corporate law replaces the model based in principles for another one based in norms, where the economic essence of the facts prevail over legal form. This paper sought to bring academic knowledge aspects of the change in corporate law /2007 and consequently all impacts motivated by all changing for accounting professionals and organizations that actually has faced big changing in accounting practices. The metropolitan area of Recife-PE, was the place chose to apply this researcher, decided to use a qualitative approach mainly due to consider this appropriate way to understand a social phenomenon of the nature. To collect the data, were sent 35 questionnaires to professional accountings different companies located in Metropolitan area of Recife counters in the Metropolitan Region of Recife, 20 of the those 35 questionnaires were was answered and resent to us, that represents 57,14% of the sample. The purpose of this researcher is identify the perceptions of accounting professionals in respect meanings, feelings, opportunities and cultural assumptions; (myths, values, beliefs, norms and taboos), due to changes in corporate law /2007. The location defined for the research was the metropolitan area of Recife-PE, and chose a qualitative approach, mainly because it set as an appropriate way to understand the nature of a social phenomenon, besides being a viable alternative to the researcher. Returned questionnaires of which 20 responded, representing 57.14% of total questionnaires sent. The research aimed to identify the perceptions of accounting professionals regarding the, due to changes in corporate law /2007. After Analyze data, its conclude that the biggest changing in corporate law is consider positive, and them meanings, important feelings and also a vision of professional growth opportunities. Most professionals consider the change as renovator. Keywords: changing, Corporate Law and Accounting.

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Os múltiplos atributos da Mudança Organizacional Quadro 2 - Alguns tipos de Mudança Organizacional Quadro 3 - Modelo de resistência individual de Mudança Quadro 4 - Pressupostos clássicos sobre resistência à mudança e possíveis contrapressupostos Quadro 5 - Características gerais do conceito de cultura organizacional Quadro 6 - Composição do CPC... 48

11 LISTA DE SIGLAS S/A - Sociedade Anônima CFC - Conselho Federal de Contabilidade IASC - International Accouting Standards Committee IASB - International Accouting Standards Board IFRS - International Financial Reporting Standars IBRFACON - Instituto Brasileiro dos Auditores Independentes SEC - Securites and Rxchange Commission CVM - Comissão de Valores Imobiliários CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis ABRASCA - Associação Brasileira das Sociedades de Capital Aberto APIMEC - Associação dos Profissionais e Investidores do Mercado de Capitais BOVESPA - Bolsa de Valores de São Paulo FIPECAF - Fundação Instituto de Pesquisa contábil Atuárias e Financeira BACEM - Banco Central do Brasil SUSEP - Superintendência de Seguros Privados

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Objetivos Específicos JUSTIFICATIVAS DA PESQUISA Justificativas Teóricas Justificativas Práticas FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA MUDANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Necessidade da mudança na organização A exigência do ambiente externo internacional face à globalização Como ficam as pessoas diante das mudanças nas organizações Resistência à Mudança nas organizações Mito sobre a resistência à mudança Fatores de resistência à mudança Pressupostos sobre a gestão da mudança e aspectos culturais LEGISLAÇÃO SOCIETÁRIA METODOLOGIA DA PESQUISA CARACTERÍSTICAS DA PESQUISA LOCUS DA PESQUISA SUJEITOS DA PESQUISA INSTRUMENTOS DE COLETA DOS DADOS PRÉ-TESTE PROCESSOS DE COLETA DOS DADOS TÉCNICAS DE ANÁLISE DOS DADOS LIMITES E LIMITAÇÕES DA PESQUISA Limites da Pesquisa Limitações da Pesquisa ANÁLISES DOS DADOS SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS À MUDANÇA SENTIMENTOS ATRIBUÍDOS À MUDANÇA OPORTUNIDADES ATRIBUÍDAS À MUDANÇA OS PRESSUPOSTOS SOBRE A GESTÃO DA MUDANÇA CONCLUSÃO... 73

13 REFERÊNCIAS... APÊNDICE (1)... APÊNDICE (2)... APÊNDICE (3)

14 13 1 INTRODUÇÃO Recentemente as organizações empresariais Brasileiras enfrentaram um processo de grandes mudanças na gestão das práticas contábeis decorrente das alterações na Legislação Societária Lei /2007. As mudanças aconteceram do ponto de vista societário e fiscal, e causaram grandes impactos nas organizações empresariais, principalmente na qualidade das informações passadas ao Governo que é o maior interessado nos resultados das empresas e acompanhando as mudanças na Legislação Societária foram criados novos modelos de relatórios para atender ao Governo, apresentando uma contabilidade mais confiável, transparente e harmonizada com as normas internacionais de contabilidade. É possível entender o processo de harmonização como um meio de reduzir as diferenças nas práticas contábeis, de forma que as demonstrações de variados países sejam apresentadas segundo um conjunto de princípios comuns. No Brasil, em 2005 foi criado, pelo Conselho Federal de Contabilidade através da Resolução nº 1.055/05, o CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis, tendo como objetivo: o estudo, o preparo, e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de contabilidade e divulgação de informações dessa natureza, para permitir a emissão de normas pela entidade brasileira, visando à centralização e uniformização do seu processo de produção, levando sempre em conta a convergência da Contabilidade Brasileira aos padrões internacionais, a fim de possibilitar essa convergência e permitir o acesso das empresas a capitais externos com custo e taxa de risco menor no futuro, foi criada em dezembro de 2007 a Lei /2007 que alterou a Lei 6.404,76 (RAN, VASSOLER, 2009). A necessidade de mudança na Legislação Societária brasileira tornou-se indispensável, visto que na comunidade internacional já estavam instituídos os IFRS (International Financial Reporting Standard), traduzidos como um conjunto de pronunciamentos de contabilidade publicados e revisados pelo IASB - International Accounting Standars Board (MOURAD e PARASKEVOPOULOS, 2010).

15 14 As normas IFRS foram adotadas pelos países da União Europeia a partir do final de 2005 com o objetivo de harmonizar as demonstrações financeiras consolidadas. Como o resultado foi além do esperado, a medida foi aceita pela comunidade financeira. E atualmente, mais de 100 países têm intensificado o trabalho para a convergência e já adotam as normas internacionais de contabilidade. Por esse motivo no Brasil também em 2005 foi criado o CPC, que pode ser considerado a tradução dos IFRS. (MOURAD e PARASKEVOPOULOS, 2010). A implantação dos IFRS pela comunidade internacional tornou-se fundamental para adoção das novas práticas contábeis no Brasil. Ainda nesse contexto Mourad e Paraskevopoulos (2010), relatam alguns pontos positivos para adoção dos IFRS e que foram fundamentais para a mudança da nossa Legislação Societária: maior transparência para investimentos, facilidade de captação de créditos em mercado, comparabilidade com empresas do mesmo seguimento em outros países, abertura de oportunidade de trabalho para os funcionários brasileiros em outros países que já adotam as IFRS e maior contato com a língua inglesa, em nível técnico, para a interpretação da aplicação dos IFRS para a entidade, entre outros. Nesse sentido, Silva e Vergara (2003), afirmam que toda mudança resulta em impactos que podem ser positivos e/ou negativos e que passam a ser visto ao longo do tempo e nas últimas décadas, tem se desenvolvido um discurso crescente acerca da importância de se dedicar mais atenção às pessoas, na tentativa de implementar reestruturas ou programas como a qualidade total e a reengenharia. Ainda segundo Silva e Vergara (2003), Alguns dos principais problemas relativos à gestão de mudanças organizacionais intencionais identificados na literatura referem-se às dificuldades de comunicar os objetivos da organização, tornar esses objetivos compreensíveis para as pessoas e fazer as pessoas assimilarem os objetivos e adotarem as mudanças. As alterações na Legislação Societária introduzidas no Brasil pela Lei /2007 é uma realidade e devem ser adotadas por todas as empresas, sejam de sociedade anônima ou equiparadas, que são as empresas limitadas, ou seja aquelas empresas que não são constituídas em forma de sociedade anônima, não importando o seu ramo de atividade com o objetivo de

16 15 atender às normas internacionais de contabilidade e harmonizar as práticas contábeis das empresas brasileiras com as práticas das empresas internacionais. É importante afirmar que as alterações na Legislação Societária não podem ser vistas como uma opção para as empresas, e sim como um dever com base legal amparada pela Lei da S/A. Aquelas empresas que não se adequarem às mudanças, serão consideradas irregulares perante a legislação fiscal e tributária vigente no Brasil e estão sujeitas às penalidades jurídicas e às limitações como, por exemplo: não podem participar de concorrências públicas, o Balanço Patrimonial não tem crédito perante instituições financeiras, entre outras. Diante do exposto, os profissionais de Contabilidade (Contadores) estão passando por uma série de mudança em virtude dessas alterações ocorridas nessa legislação, o que pode afetar de forma significativa os seus conhecimentos e as suas práticas contábeis. Como resultado dessa mudança, muitos profissionais tem se sentido perdido em relação a sua profissão. Para muitos deles, a experiência adquirida durante anos de dedicação faz-lhes questionar sobre o sentimento de segurança do conhecimento adquirido. Entretanto para outros, essa mudança pode ter um caráter de renovação dos seus conhecimentos, isto é, uma oportunidade de estudar e crescer profissionalmente. A mudança na Lei societária restaurou muitos conceitos que até então estavam ultrapassados levando em consideração a rapidez nas informações empresarias, a globalização de mercados, novas técnicas de negócios e informações. Toda essa necessidade de uma nova roupagem nos conceitos de contabilidade, fez com que a contabilidade se consolidasse ainda mais, Sendo agora uma fonte mais rica de informações para gerenciamento do negocio. Nesta perspectiva, resta uma dúvida: que tipos de reações emocionais a mudanças vêm sentindo esses profissionais de contabilidade, em face às alterações na Legislação Societária? Como tem evoluído o processo de implantação dessas mudanças nas organizações? Quais as dificuldades enfrentadas por esses profissionais? Quais os significados que essa mudança tem tido para eles? Quais os sentimentos e os pressupostos que têm sido decisivos na vida deles?

17 16 Sendo assim, esta dissertação pretende responder a seguinte questão de pesquisa: quais reações à mudança pode se identificar em profissionais de contabilidade, da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária /2007? Para se responder a essa questão, foram estabelecidos os seguintes objetivos para esta pesquisa, a seguir.

18 OBJETIVOS DA PESQUISA Objetivo Geral Identificar a percepção de profissionais de contabilidade, da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária / Objetivos específicos Perceber significados que profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife-PE, atribuem à mudança, face às alterações na Lei Societária /2007. Verificar sentimentos e oportunidades para profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária /2007. Identificar pressupostos (cultural) sobre a gestão da mudança, na percepção de profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife-PE, face às alterações na Lei Societária / JUSTIFICATIVAS DA PESQUISA Nesta parte da dissertação serão apresentadas as justificativas para elaboração deste trabalho e foram divididas em duas partes: Justificativas Teóricas e Justificativas Práticas Justificativas Teóricas A importância deste trabalho é constatada pela carência de publicações científicas em relação às mudanças ocorridas nas organizações e o impacto causado nas pessoas, em função da alteração da Legislação Societária Lei /2007. Este aspecto pode ser confirmado por Franco (1997), quando ele afirma que este é um tema que ainda precisa ser muito explorado e compartilhado com os meios acadêmicos, da mesma forma, percebe-se quase nenhuma publicação científica na área de Ciências Contábeis, envolvendo estudos sobre mudança e cultura organizacional.

19 Justificativas Práticas Considerando o ponto de vista prático, este estudo é relevante, visto que se propõe a investigar aspectos relativos a mudança nas organizações, enfrentadas por profissionais de contabilidade (Contadores) em empresas situadas na Região Metropolitana do Recife PE, decorrentes da alteração na Legislação Societária Lei /2007. É importante ainda, considerar que, por meio deste estudo, os contadores poderão tomar conhecimento sobre reações que a mudança na Legislação Societária pode causar entre eles, auxiliando-os a tomar decisões para as suas carreiras profissionais. Finalmente, este trabalho poderá contribuir com conhecimentos para o gerenciamento do impacto dessa mudança nas organizações.

20 19 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo apresenta os aspectos teóricos que fundamentaram a realização deste trabalho de pesquisa, a saber: Mudança Organizacional e às alterações na Legislação Societária Lei /2007: um estudo fenomenológico junto a profissionais de contabilidade da Região Metropolitana do Recife PE. 2.1 MUDANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Talvez pela primeira vez na história, a humanidade tenha a capacidade de criar muito mais informação do que o homem pode absorver, de gerar muito mais interdependência do que o homem pode administrar e de acelerar as mudanças com muito mais rapidez do que o homem pode acompanhar (SENGE, 1990, p. 76). Para Araújo, Garcia e Martines (2011, p.3), O processo de mudança é extremamente complexo, já que faz as pessoas se questionarem sobre suas atitudes e até mesmo sobre seus valores, então é natural que a mudança seja provocada e não espontânea. Para Wood Jr. (1995, p.190), mudança é qualquer transformação de natureza estrutural, estratégica, cultural, tecnológica, humana ou de outro componente, capaz de gerar impacto em partes ou no conjunto da organização. Compartilhando com esse pensamento, Araújo, Garcia e Martines (2011), afirmam que a questão tecnológica deve ser considerada um modelo de mudança organizacional. Lima e Bressan (2003). Apud Pinto e Souza, (2007) Define mudança nas organizações como qualquer modificação, planejada ou não, nos componentes organizacionais formais e informais mais relevantes (pessoas, estruturas, produtos, processos e cultura); modificação que seja significativa, atinja a maioria dos membros da organização e tenha por objetivo a melhoria do desempenho organizacional em resposta às demandas internas e externas.

21 20 Porras e Robertson (1992) Apud Pinto e Souza (2007), retrata a mudança como um conjunto de teorias, valores, estratégias e técnicas cientificamente embasadas objetivando mudança planejada do ambiente de trabalho com o objetivo de elevar o desenvolvimento individual e o desempenho organizacional. Wood, Thomaz (2009), apresenta algumas visões de futuro a respeito da mudança e observa que quase todos os artigos e livros publicados sobre o assunto têm iniciado destacando a velocidade fantástica que vem ocorrendo nesse começo de século com as mudanças sociais, tecnológicas, políticas e econômicas. Segundo Wood, Thomaz (2009, p. 5): A diferença entre as publicações situadas entre o final dos anos 60 e o início dos anos 70 e as mais recentes é que essas últimas, ao discurso rotineiro, acrescentam o desafio Japonês ; ou como as empresas e instituições Japonesas transformam-se em organizações de alta performance e como isso, tem afetado o mundo ocidental. Silva e Vergara (2003), apresentam alguns atributos da mudança organizacional que foram considerados fundamental para esta pesquisa.

22 21 Quadro 1 Os múltiplos atributos da mudança organizacional Fonte: RAE VOL. 43 Nº 3 - JUL/SET/2003 Silva e Vergara (2003). Segundo Lima e Bressan (2003), existem vários focos de abordagens da mudança organizacional, que dão origem a uma variedade considerável de tipos de mudança. Partindo desse conteúdo, percebe-se com facilidade a relevância dos diferentes tipos de mudança e, consequentemente, da diferenciação das estratégias gerenciais e técnicas para lidar com cada um dos tipos descritos, destacando-se mudança transformacional versus incremental como tipo de mudança organizacional mais amplamente divulgada porém outros tipos identificados são demonstrados no quadro abaixo (Pinto e Souza, 2007).

23 22 Quadro 2: Alguns tipos de Mudança Organizacional Ford e Ford (1995) Intencional Quando um agente de mudança estabelece - de maneira deliberada e consciente - condições e circunstâncias diferentes das atuais e então busca realizá-las através de um conjunto de ações e intervenções, com ou sem a colaboração de outras pessoas. Não intencional Não é gerada deliberadamente ou conscientemente. Manifesta-se como efeitos colaterais, acidentes, efeitos secundários, ou consequências inesperadas da ação. Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (1998) Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (1998) Micro-mudança Focalizada dentro da organização. Exemplo: redefinição de cargos em uma fábrica ou desenvolvimento de um novo produto. Espontânea Não é gerada nem controlada pelos dirigentes das organizações. É oriunda das ações do dia-a-dia e é guiada por pessoas que não ocupam uma verdadeira posição de autoridade. Macro-mudança Visa à organização inteira, incluindo suas relações com o ambiente. Exemplo: reposicionamento no mercado ou alteração de todas as suas instalações físicas. Planejada Acontece de maneira programada, ou seja, é regida por um sistema ou um conjunto de procedimentos que devem ser seguidos. Mintzberg, Ahlstrand e Lampel (1998) Dirigida Precisa de um guia com posição de autoridade para supervisionar a mudança e garantir sua implementação. Fonte: Pinto e Souza (2007) Necessidade da mudança na organização Os gestores desejam melhorar a performance de sua empresa, e colaborando com esse sentimento, nos últimos anos o tema mudança organizacional tem sido bastante explorado, inclusive com lançamentos de livros com ponto de vista diversos e qualidade bastante heterogênea (WOOD, 2009). Schmidt, Santos e Fernandes (2004), afirma que as empresas multinacionais no Brasil apresentam seus relatórios e demonstrações contábeis de forma diferenciada, uma para atender a legislação brasileira e outra as exigências do país de origem. Com a harmonização

24 23 das práticas brasileira às internacionais, a tendência é reduzir, e até eliminar, as dificuldades de interpretação das informações financeiras emitidas por empresas brasileiras, e melhorar a qualidade e utilidade das informações apresentadas aos usuários externos. Esta dissertação tem o objetivo de investigar o cotidiano dos profissionais de contabilidade e os problemas enfrentados por eles na aplicação das mudanças na Lei Societária /2007. No contexto literário sobre organizações, a mudança organizacional já é assunto tratado há muito tempo, e tendo sido constatado grandes convergências entre alguns textos mais antigos e outros mais atualizados que tratam do mesmo assunto. O que hoje observamos como novidade é o ritmo e a força com que as mudanças do ambiente vêm sendo impostas às organizações (PINTO e SOUZA, 2007). Segundo Huber e Glick (1995), percebe-se que a velocidade dessa mudança é provocada por duas forças distintas: 1) a força crescente efetiva da tecnologia de informação 2) a força da tecnologia de transporte. Um dado importante afirmado por Silva (1999), é que estamos vivendo uma mudança de época, e não uma época de mudanças, e as organizações precisam seguir acompanhando a força da tecnologia que é parte fundamental na necessidade de mudar (PINTO e SOUZA, 2007). Wood (2009. p.7), Uma pesquisa da Coopers & Lybrand realizada nos Estados Unidos, mostrou que as empresas mudaram principalmente em virtude de novas tecnologias restrições de recursos e adequação de nova legislação. Para Herzog (1991), o gerenciamento das pessoas a chave para enfrentar com sucesso o processo de mudança, mapeando, mantendo alto nível e motivação e evitando desapontamentos, Para ele o grande desafio não é a mudança tecnológica, mas mudar as pessoas e a cultura organizacional renovando os valores para ganhar vantagens competitivas. (WOOD 2009). Ainda segundo Herzog (1991) apud. Wood (2009, p. 7). Mudança no contexto organizacional engloba alterações fundamentais no comportamento humano, nos padrões de trabalho e nos valores em resposta a modificações ou antecipando alterações estratégicas, de recursos ou de tecnologia.

25 24 Segundo Wood (2009), Land e Jarman (1981), desenvolveram uma tipologia para os ciclos da mudança em três fases de crescimento: Formação - criar um comportamento padrão, descobrir a si próprio a seu mundo; Regulamentação - negação de diferença e crescimento por repetição do padrão; Integração - ultrapassa a eficiência do padrão repetitivo para continuar a crescer, reduz rigidez e força os vínculos internos. Wood (2009), relata que Kanter e March (1981), estudam as questões referentes as bases da mudança e afirmam que as tradições e os pontos fortes das organizações devem compor os conceitos e visões que dirigem a mudança. March (1981) apud Wood (2009 p. 8), Considera que as organizações estão constantemente mudando, mas que essas mudanças não podem ser arbitrariamente controladas. Em realidade, a maior parte das mudanças ocorre simplesmente como respostas a alterações no meio ambiente. Mas, apesar de esse processo adaptativo ser rotineiro algumas vezes surpresas podem ocorrer. Isto advém do fato de o processo mudança não ser uma estratégia estritamente racional e consistente, ele envolve incentivos, ações simbólicas, e ambiguidades. Mach (1981) e Elliott (1990), concordam com a idéia que a condução do processo de mudança organizacional precisa ser bem gerenciado pela fato de ser considerado um evento complexo que mexe com o psicológico do individuo. (WOOD 2009). Naisbitt e Aburdene (1986), ressaltam a importância de organizações se adaptarem às mudanças, como condição necessária para a sua sobrevivência. Segundo esses autores, nesses processos, é necessário não esquecer, do capital humano. Nessa nova era a sociedade de informações substituirá a sociedade industrial, mudando radicalmente as estruturas sociais.

26 25 Wood (2009), afirma que ainda segundo Naisbitt e Aburdene (1986), o uso da tecnologia da informação desburocratiza as organizações, e o trabalho será encarado como uma forma de desenvolvimento humano. Rondeau (1999), afirma que as organizações mudam porque a maneira de pensar a gestão também sofre modificações com o tempo. Isso ocorre tanto pelo surgimento de novos modelos de gestão e novas ferramentas, quanto pela própria evolução das correntes de pensamento em administração e gestão de empresas (PINTO e SOUZA, 2007). Entretanto, percebe-se, como afirma Souza e silva (2003), que normalmente a mudança é tratada como um instrumento para mudar coisas, mas não para mudar pessoas. Sendo assim, as pessoas costumam ser pressionadas para adaptarem-se às mudanças realizadas na organização, não se importando com as concepções delas, sobre o mundo, a natureza e a organização. (SOUZA e SILVA, 2003). De acordo com Alves Filho (2011, p. 22), Aprendizagem significa mudança e ela conduz ao conforto à estabilidade, tanto da empresa quanto dos trabalhadores A exigência do ambiente externo internacional face à globalização Do ponto de vista da globalização o cenário econômico tem passado por significativas transformações e em uma sociedade pós-globalizada os investimentos de capitais desconhecem fronteiras. Dessa forma a maioria dos países no mundo tem caminhado para harmonização de suas práticas contábeis. Logo diante da grande demanda de empresas de mercados internacionais se instalando no Brasil, essa economia globalizada passou a exigir do país uma maior convergência com as normas internacionais para que houvesse maior transparência na divulgação dos demonstrativos contábeis das empresas e diante de todos esses acontecimentos, só restava ao Brasil viabilizar o processo para adoção das normas internacionais de contabilidade e nesse sentido foi criada a Lei /2007 com o objetivo de alterar a legislação societária (o autor).

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br

Auditoria Efeitos da Convergência. FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Auditoria Efeitos da Convergência FERNANDO CALDAS Sócio da 100PORCENTO AUDIT, CONSULT, SOLUÇÕES S.A. www.100porcento.srv.br Final do Século XX Início do processo de globalização Diminuição das fronteiras

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS MUDANÇAS NO GERADOR DE DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Visando a redução de riscos nos investimentos internacionais, além de ter mais facilidade de comunicação internacional no mundo dos negócios, com o uso de

Leia mais

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26

ADERÊNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DAS ENTIDADES FECHADAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR AO IAS 26 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis Contabilidade de Entidades de Previdência Privada e Seguradoras ADERÊNCIA DAS

Leia mais

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista

Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista Pesquisa: Cultura de Saúde Marcos J. C. Baptista 26/10/2011 A saúde das pessoas e o negócio Pessoa (bem-estar x doença) Produtividade (custo de oportunidade) Empresa (custo contábil) Stakeholders > 15

Leia mais

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil

IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Ano X - Nº 77 - Julho/Agosto de 2014 IFRS A nova realidade de fazer Contabilidade no Brasil Profissionais da Contabilidade deverão assinar prestações de contas das eleições Ampliação do Simples Nacional

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Conceito de Cultura Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou descobriu ou desenvolveu ao aprender

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI

Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI Abertas inscrições para o MBA em IFRS da FIPECAFI A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) está com as inscrições abertas para a primeira turma do MBA em IFRS (Normas

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009

DELIBERAÇÃO CVM Nº 610, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 43 do Comitê de Pronunciamentos Contábeis, que trata da adoção inicial dos pronunciamentos técnicos CPC 15 a 40. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC

O Comitê de Pronunciamentos - CPC. Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de Contabilidade - FBC O Comitê de Pronunciamentos - CPC Irineu De Mula Diretor da Fundação Brasileira de - FBC Objetivo: O estudo, o preparo e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de e a divulgação de informações

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009

QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Universidade Federal Fluminense Oficina de Trabalho Elaboração de Provas Escritas Questões Objetivas Profª Marcia Memére Rio de Janeiro, janeiro de 2013 QUESTÃO 11 ENADE Administração/2009 Cada uma das

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil

Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil IBRACON Instituto dos Auditores do Brasil 6 Regional UCS Universidade de Caxias do Sul -Campus Universitário de Bento Gonçalves Curso de pós Graduação em Auditoria Fiscal e Contábil Aula Inaugural tema:a

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO

MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1. Fabíola dos Santos Passanha. Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO MUDANÇAS NO PERFIL ORGANIZACIONAL DE EMPRESAS PRIVADAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA 1 Fabíola dos Santos Passanha Faculdade de Agudos - FAAG RESUMO Adotar estratégias de mudança que sejam efetivas envolve

Leia mais

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA

NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS NORMAS CONTÁBEIS APLICÁVEIS ÀS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL: SEGUNDO AS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE ALUNO: MINASSON ELIAS FERREIRA ORIENTADOR: PROF. Ms. GESIEL DE

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio.

Gestão de Pessoas. Capacidade de gerar resultados a partir das pessoas e dos processos inerentes ao negócio. Gestão Corporativa Governança Corporativa é o conjunto de processos, costumes, políticas, leis que regulam a maneira como uma empresa é dirigida, administrada ou controlada. PROCESSOS PESSOAS TECNOLOGIA

Leia mais

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Função Gerencial. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Função Gerencial Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem por objetivo levar aos seus leitores à uma aproximação teórica dos estudos da administração empresarial, enfocando a importância

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores NÚCLEO AVANÇADO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Desenvolvimento Humano de Gestores De acordo com a Resolução n o 1 de 08/06/2007 da CES do CNE do MEC Coordenação

Leia mais

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem

Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem 1 * Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC Origem Em função das Necessidades de: - convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas

O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas O IFRS e as cooperativas de crédito no Brasil - Efetividade das ações das auditorias internas e externas JOÃO PAULO VIANA MAGALHÃES Departamento de Supervisão de Cooperativas de Crédito e Instituições

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais