Rua do Russel, 270 / 2o Andar, Glória CEP Rio de Janeiro RJ Brasil tel.: , Fax

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rua do Russel, 270 / 2o Andar, Glória CEP 22210 010 Rio de Janeiro RJ Brasil tel.: 55 21 2219 4461, Fax 2558 3006 www.cebri.org.br"

Transcrição

1 Rua do Russel, 270 / 2o Andar, Glória CEP Rio de Janeiro RJ Brasil tel.: , Fax Economista da OCDE diz que empresas brasileiras devem investir mais na África...2 Mercado Aberto...2 Bancos brasileiros fazem parceria para atuar no exterior...3 Estratégia de aproximação com a África é consistente, diz Samuel Pinheiro...3 Brazil and China in Africa: Challenges for Development Cooperation...4 Falta combinar com os chineses também...6 Seminário discute ajuda internacional na África...6 Brasil e China na África: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento...8 Brasília sedia seminário sobre cooperação entre Brasil e China para o desenvolvimento da África...9 Seminário vai abordar parceria entre Brasil e China para desenvolvimento da África...10 Realizado seminário internacional sobre as relações sino brasileiras no Brasil...11

2 Economista da OCDE diz que empresas brasileiras devem investir mais na África da ocde diz queempresas brasileiras devem investir mais na africa/ Portal IG 17/08/2010 Responsável por analisar o desenvolvimento de países da Europa, Oriente Médio e África para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o economista francês Alberto Amurgo Pacheco acredita que o fim da estagnação da África pode gerar boas oportunidades de negócios às empresas brasileiras. Ao investir mais na África, o Brasil terá a chance de exportar mais produtos manufaturados, e não apenas commodities agrícolas e minerais, disse o economista, que veio ao Brasil para participar de seminário que discutia a atuação de países como Brasil e China no desenvolvimento econômico da África, realizado pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI). Amurgo acredita que a reconstrução de países que enfrentaram longos períodos de Guerras Civis, como a Angola, tem gerado demanda por serviços de geração de energia e infraestrutura, algo que já tem sido aproveitado por empresas como Odebrecht, Andrade Gutierrez Camargo Corrêa, além de Vale e Petrobras. Além de potencial econômico para investir na África, o Brasil leva muita vantagem por seus laços culturais, como o idoma português, que é falado em muito dos países que vivem um novo ciclo de expansão econômica, disse o economista. Mercado Aberto cristina frias mercado aberto_12.html Folha de S. Paulo 12/08/2010 Disputa... O Brasil não consegue concorrer com o volume de investimento chinês na África, segundo Adriana de Queiroz, do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais). Por outro lado, as empresas brasileiras ganham espaço por valorizarem políticas de desenvolvimento local....pela África. Para Victor Gao, da Associação Chinesa de Private Equity, os países não competem no continente, pois têm interesses diferentes e economias complementares. O tema será debatido hoje, em SP, no seminário Empresas de Brasil e China na África. 2

3 Bancos brasileiros fazem parceria para atuar no exterior ,00 BANCOS+BRASILEIROS+FAZEM+PARCERIA+PARA+ATUAR+NO+EXTERIOR.html Globo News Conta Corrente 09/08/2010 Banco do Brasil, Bradesco e Banco Espírito Santo apostam no potencial da África e fecham uma parceria de investimentos no continente. Presidente Lula comemora a iniciativa das instituições. A coordenadora do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), Adriana de Queiroz, falou sobre economia e política externa. Veja em vídeo. Estratégia de aproximação com a África é consistente, diz Samuel Pinheiro Portal da Secretaria de Assuntos Estratégicos SAE 10/06/2010 O Brasil, desde o início do governo Lula, adotou uma estratégia de aproximação com a África muito consistente, sem condicionalidades, e a quantidade de acordos de cooperação técnica com o continente atesta a eficiência da política externa brasileira, disse ontem o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Samuel Pinheiro Guimarães, durante palestra no Seminário Internacional Brasil e China na África. No evento, promovido pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) no auditório da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o ministro da SAE disse que o esforço de cooperação entre Brasil e África é estratégico para promover o desenvolvimento e reduzir a pobreza e a desigualdade social tanto do País quanto do continente africano. 3

4 Segundo ele, o apoio dos países africanos nas negociações internacionais também é extremamente importante para o Brasil. A vaga pleiteada pelo País no Conselho de Segurança da ONU é exemplo disso, afirmou. Para Samuel Pinheiro, a política de aproximação tem fundamentos, além de políticos e econômicos, sociais. Estimativas apontam que no Brasil há 90 milhões de negros. Isso significa que somos a segunda maior população de origem africana do mundo, perdendo apenas para a Nigéria. A questão da localização também foi apontada pelo ministro como motivadora da parceria. O continente africano está em frente à costa oriental do Brasil. A questão da segurança do Atlântico Sul interessa a ambos os lados, explicou. De acordo com Samuel Pinheiro, do ponto de vista da cooperação técnica, o Brasil desenvolve uma série de programas com a África. O escritório da Embrapa em Gana, a fábrica de antiretrovirais genéricos da Fiocruz em Moçambique, e os cinco centros de formação e qualificação de mão de obra do Senai em vários países africanos são alguns exemplos. O ministro também destacou o programa brasileiro na formação de oficiais da Marinha da Namíbia e o apoio do Brasil no desenvolvimento da tecnologia do etanol. As 29 embaixadas de países africanos em Brasília e três vôos semanais de Cabo Verde para Fortaleza mostram ainda o grande interesse da África pelo País. Brazil and China in Africa: Challenges for Development Cooperation undp.org/pressroom/pdf/ipcpressroom314.pdf International Policy Centre for Inclusive Growth UNDP 10/06/2010 4

5 IPC IG provided insights to an international seminar held on 9 June in Brasilia to discuss recent trends in the emerging countries growing cooperation with Africa in various fronts. Participants highlighted perspectives for South South Cooperation based on similar challenges and on development innovations coming from Brazil and China. The city of Brasilia was the scene for a major international event aimed at analysing the mounting relevance of the emerging countries particularly Brazil and China in international cooperation initiatives for global development. The seminar Brazil and China in Africa: Challenges for Development Cooperation brought together renowned researchers, government representatives, the private sector and development experts in an effort to investigate the development impacts of the growing presence of Brazil and China in Africa. The event was organised by the Brazilian Centre for International Relations (CEBRI) and received inputs and contributions from the International Policy Centre for Inclusive Growth (IPC IG). Dr. Rathin Roy, Director of IPC IG, delivered a speech advocating for the strengthening of the development component in post conflict and national reconciliation initiatives. He highlighted key aspects to be taken in consideration when managing development cooperation programmes in countries facing conflicts or being part of peacekeeping and peace building operations. One must fully understand the local political dynamics in a historical perspective to manage successful programmes aiming at bringing long lasting peace and development, said Dr. Roy. Dr. Roy also suggested that as long as the debate on peacekeeping and conflict is kept separated from the economic governance at global level we will not see a resolution of this problem and we need to work towards that. The seminar s keynote speaker, H.E. Mr. Samuel Pinheiro Guimarães, Minister Chief of the Secretariat of Strategic Affairs at the Presidency of the Republic, made a closing speech explaining that Africa is a key priority for Brazil s foreign policy agenda. Cooperation between Africa and Brazil is based on similar challenges that open space for technical cooperation programmes that do not implicate in conditionalities, said the Minister. He added that our cooperation is supported by a consistent and prudent strategy and a very solid political commitment; Brazil s historical ties with Africa and the solidarity between our peoples and governments are the fundamental pillars for this growing cooperation. 5

6 Falta combinar com os chineses também direita e centro/2010/06/09/faltacombinar com os chineses tambem/ Revista Exame 09/06/2010 Em tom de desabafo, hoje o embaixador Piragibe Tarragô, subsecretário de assuntos políticos do Itamaraty, disse que além de preocupado com a poderosa competição chinesa por novos mercados africanos, o governo brasileiro anda irritado com a linha diplomática adotada pelo governo de Pequim naquele continente. Existe uma coisa que não é apenas perturbadora, mas que nos incomoda, que é a atuação da China junto aos países africanos para desencorajá los quanto à reforma do Conselho de Segurança da ONU, disse Tarragô. Ele explicou então que a China, que é frontalmente contrária à entrada do Japão no Conselho de Segurança, tem usado seu enorme poder econômico junto aos países africanos onde é uma fonte primordial de investimentos em infraestrutura e exploração mineral pressionando os a não se mexerem em relação à reforma da ONU. A fim de ser admitido como membro permanente do CS, o Brasil uniu se ao Japão, Alemanha e Índia, formando o chamado G4 da ONU. Mas além da conhecida resistência americana à reforma do CS, hoje o Itamaraty passou o recibo de que falta também combinar com os chineses. A afirmação de Tarragô foi feita durante o seminário Brasil e China na África Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento, promovido em Brasília pelo Cebri, o Centro Brasileiro de Relações Internacionais. Seminário discute ajuda internacional na África Clica Brasília (Replicado em: Agência Brasil, Jornal de Brasília, DCI Comércio, Indústria & Serviços, Capital do Pantanal, Direito2.com.br) 09/06/2010 Ministros e diplomatas brasileiros e pesquisadores de vários países discutem hoje, em Brasília, ações internacionais que podem colaborar com a redução da desigualdade social na África, durante o Seminário Brasil e China na África: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento. 6

7 No evento, o subsecretário geral para África e Meio Oriente no Ministério das Relações Exteriores (MRE), Piragibe Tarragô, disse que o continente africano é prioridade permanente na política externa brasileira porque temos interesses em comum, como o combate à fome e o desenvolvimento rural. Segundo ele, mais de cem acordos de cooperação bilateral foram firmados com países africanos desde 2003, em áreas como agricultura, biocombustíveis, saúde, tecnologia, cultura, educação e defesa. Os projetos de biocombustíveis, por exemplo, buscam capacitação, infraestrutura e estudos de viabilidade para produzir etanol no continente. Já os projetos de agricultura, aplicam estudos feitos no cerrado brasileiro para aumentar a produtividade na savana africana e nas plantações de algodão, o que é coordenado por unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na África. As ações da China na África foram apresentadas pelo coordenador do Programa Ásia do Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais em Lisboa (IEEI), Miguel Neves. A China atua no continente com ações estatais e também por meio de empresas privadas, bancos e organizações não governamentais (ONGs) que financiam a indústria e a agronomia, setores que foram marginalizados pela ajuda internacional, de acordo com Neves. Um exemplo é o investimento em infraestrutura agrícola e estudos de fertilidade de terrenos. A China acredita que, futuramente, possa adquirir ou arrendar tais terrenos africanos se ocorrer uma crise alimentar no país. A crise já é prevista e esperada, devido ao crescimento acelerado da população do país asiático. A China adapta as necessidades dos governos locais com as oportunidades que pode gerar para si mesma. É mais uma financiadora do que investidora e por isso, às vezes, cria uma má imagem na África, disse. O que a África necessita não é mais de ajuda, mas de uma reinserção de fato no sistema econômico e político internacional, defendeu o especialista em estudo africanos e diretor do IEEI, Fernando Cardoso. Na tarde de hoje, outros representantes do MRE, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e o ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Samuel Pinheiro, continuarão a discussão de estratégias de cooperação do Brasil e da China para a África. 7

8 Brasil e China na África: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento ler.php?cod_evento=283&filtro= Plurale 09/06/2010 Especialistas e estudiosos sobre Cooperação Internacional se reúnem no dia 9 de junho em Brasília no seminário BRASIL e CHINA na ÁFRICA: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento com o objetivo de avaliar as iniciativas de desenvolvimento global de Brasil e da China, por meio da cooperação internacional (técnica, tecnológica e financeira) de seus governos e instituições. Serão debatidos os empreendimentos brasileiros e chineses para a promoção do desenvolvimento, mitigação da pobreza e redução da desigualdade social na África. O seminário será realizado pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais CEBRI na Confederação Nacional do Comércio, em Brasília. O evento é gratuito. As inscrições estão abertas no site ou telefone Os temas do seminário são centrais na agenda doméstica de países em desenvolvimento como Brasil e China. O foco da análise se restringirá às iniciativas nos países africanos, uma vez que é neles onde estão algumas das mais ambiciosas ações para o desenvolvimento realizadas pelo Brasil, informa Adriana de Queiroz, coordenadora executiva do CEBRI. Brasil e China trabalham no continente africano nas áreas de Agricultura, Segurança Alimentar, Tecnologia, Saúde e Educação. O seminário servirá para um balanço das experiências nacionais dos dois países nos programas de cooperação com a África. As prioridades da China e do Brasil na África de hoje e como o desenvolvimento contribuiu para a revisão estratégica dos interesses brasileiros e chineses nos países africanos estarão no centro dos debates. A intenção é lançar luzes sobre de que maneira as ações do Brasil e China na África repercutem ou refletem seus comportamentos nos fóruns internacionais como a Organização das Nações Unidas, explica Adriana de Queiroz. Segundo ela, as discussões também se darão em torno da criação e a avaliação de mecanismos capazes de monitorar o desempenho dos programas de desenvolvimento resultantes das ações de Brasil e China na África. O evento faz parte do projeto Brasil e China como Novos Atores no Desenvolvimento Global, uma realização do Centro Brasileiro de Relações Internacionais e fruto do convênio com o Ministério para o Desenvolvimento Internacional do Reino Unido (DFID UK). Ele tem por objetivo aumentar o entendimento de atores chaves nas diferentes esferas da sociedade brasileira (empresários, academia, poder público, políticos, etc.) sobre o papel 8

9 central desempenhado pelo Brasil e pela China em temas de desenvolvimento global. (Acesse o hotsite do projeto) Brasil China África O Brasil e a China passaram por mudanças dramáticas em suas sociedades na última década: emergência da classe média e a mudança de hábitos que isso provoca; expansão de programas de combate à pobreza e dos programas sociais; impacto político causado pelo aumento da riqueza; novos padrões de desigualdade social. Aliado a isso, está o papel cada vez mais importante desempenhado por esses países nas redes de produção global, na provisão de commodities (no caso do Brasil), na provisão de financiamento (no caso da China) e sua contribuição às degradações ambientais e seu impacto na mudança do clima. É nesse contexto de importantes mudanças internas que ambos os países criaram ou intensificaram sistemas de cooperação para o desenvolvimento. Têm sido crescentes os fluxos de investimentos e de assistência técnica sul sul. E um dos focos dessa ação concentra se no continente africano. A África tem se tornado o foco da ação emergente do Brasil como um doador internacional, traduzida em grande parte em qualificação profissional, em especial nas áreas de saúde (FIOCRUZ) e agricultura (EMBRAPA), educação e desenvolvimento social. Nesta nova condição de grandes players emergentes, a diversificação e a complexidade dos novos desafios que se apresentam ao Brasil e à China provocam tensões e conflitos de interesse sem precedentes. É preciso reconhecer e entender a qualidade e o peso de suas atuações regionais e no mundo, e entender as mudanças que se processam em grande velocidade, inclusive as culturais. Além disso, a atual crise financeira mundial acirra a necessidade de se entender e antecipar o comportamento da economia chinesa e os possíveis impactos geopolíticos e ambientais. Brasília sedia seminário sobre cooperação entre Brasil e China para o desenvolvimento da África sedia seminario sobre cooperacao entre brasile china para o desenvolvimento da africa Portal Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) 08/06/2010 O Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), com apoio do Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Governo Britânico (DFID), Grupo Odebrecht e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), realiza nesta quarta feira (9/6), a partir das 8h30, em Brasília, o Seminário Internacional Brasil e China na África: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) será representado pelo secretário executivo, Rômulo Paes de 9

10 Sousa, que foi convidado a falar durante o painel Sistemas Existentes de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento. A proposta do evento é promover a análise das iniciativas de desenvolvimento global de Brasil e China através da cooperação internacional (técnica, tecnológica e financeira) de seus governos e instituições. Serão debatidos os empreendimentos de ambas as nações para a promoção do desenvolvimento, diminuição da pobreza e redução da desigualdade social na África temas centrais na agenda doméstica de países em desenvolvimento como Brasil e China. O foco da análise se restringirá às iniciativas nos países africanos, pois é neles que estão sendo empreendidas algumas das mais ambiciosas ações para o desenvolvimento realizadas por Brasil e China. Um exemplo é a instalação, em Gana, de uma filial da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). SERVIÇO Seminário Internacional Brasil e China na África: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento Participação do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Data: 09 de junho de 2010 (quarta feira) Horário: Das 8h30 às 18h30 Local: Auditório da CNC. SBN, Quadra 1, Bloco B. Edifício CNC Brasília (DF) Seminário vai abordar parceria entre Brasil e China para desenvolvimento da África vai abordar parceriaentre brasil e china para desenvolvimento da africa?set_language=es Portal Brasil (Replicado em: JusBrasil Política) 08/06/2010 O Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), com apoio do Departamento para o Desenvolvimento Internacional do Governo Britânico (Dfid), Grupo Odebrecht e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) realiza, nesta quarta feira (9), em Brasília, o Seminário Internacional Brasil e China na África: Desafios da Cooperação para o Desenvolvimento. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) será representado pelo secretário executivo, Rômulo Paes, que foi convidado a falar durante o painel Sistemas Existentes de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento. A proposta do evento é promover a análise das iniciativas de desenvolvimento global de Brasil e China através da cooperação internacional (técnica, tecnológica e financeira) de 10

11 seus governos e instituições. Serão debatidos os empreendimentos de ambas as nações para a promoção do desenvolvimento, diminuição da pobreza e redução da desigualdade social na África temas centrais na agenda doméstica de países em desenvolvimento como Brasil e China. O foco da análise se restringirá às iniciativas nos países africanos, pois é neles que estão sendo empreendidas algumas das mais ambiciosas ações para o desenvolvimento realizadas por Brasil e China. Um exemplo é a instalação, em Gana, de uma filial da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Realizado seminário internacional sobre as relações sinobrasileiras no Brasil Sohu: Xinmin: 18/03/2010 O Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) realizou, hoje, o seminário internacional Brasil, China, e a Arquitetura da Governança Global, no Rio de Janeiro. O instituto se envolve em questões internacionais e de estudos de política externa das instituições públicas brasileiras, cujos membros são na maior parte diplomatas, intelectuais e empresários. Mais de 150 funcionários do governo, acadêmicos, professores universitários e representantes empresariais participaram do seminário. O presidente do CEBRI, ex ministro brasileiro da Indústria e Comércio, ex vice ministro das Relações Exteriores, o embaixador José Botafogo Gonçalves, em seu discurso de abertura, disse que nos últimos anos, o status internacional do Brasil e da China está aumentando rapidamente, além das expectativas das pessoas na comunidade internacional, e também em importantes questões internacionais de interesse comum, tais como a segurança alimentar mundial e a reforma do sistema financeiro internacional, nos quais o Brasil e a China são interlocutores importantes. Assim, com o aumento do status internacional do Brasil, o estudo da relação entre o Brasil e outros países do mundo, especialmente China, Rússia e Índia se tornará mais importante. Ele salientou que o objetivo da realização do seminário seria analisar e estudar a relação entre Brasil e China e discutir como os dois países podem desempenhar seus respectivos papéis na construção da governança mundial. Assessor de política externa do Brasil para o Palácio Presidencial, o embaixador Marcel Biato, ressaltou no evento a emergência de Brasil e China no mundo, o desenvolvimento das relações bilaterais entre os dois países e a promoção do desenvolvimento do mundo multipolar, em meio a uma série de problemas e desafios. Em todas as questões importantes internacionais, o Brasil e a China têm influência relevante. Governo e 11

12 universidades devem dar atenção central e trabalhar em conjunto para dar respostas a estas questões. Ex secretário geral do Ministério das Relações Exteriores, o embaixador Roberto Abdenur, analisou a história recente de desenvolvimento interno de Brasil e China, bem como suas políticas bilaterais econômicas, comerciais, etc. No contexto do rápido desenvolvimento das relações bilaterais, Abdenur salientou que Brasil e China têm interesses comuns, mas também aspirações diferentes. Procurar um terreno comum, melhorar a comunicação e coordenar suas posições são diretrizes que irão ajudar a melhorar os seus status internacionais, além de promover o desenvolvimento das relações bilaterais. O embaixador Paulo Roberto de Almeida, o pesquisador da Universidade de São Paulo (USP), Oliver Stuenkel, e a economista Lia Valls, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), também analisaram as posições de China e Brasil na arena internacional, as semelhanças e diferenças entre os interesses de ambos, suas relações econômicas e comerciais e as áreas de concorrência potencial, apresentando os resultados de suas próprias pesquisas. 12

Estratégia de aproximação com a África é consistente, diz Samuel Pinheiro Portal da Secretaria de Assuntos Estratégicos SAE 10/06/2010

Estratégia de aproximação com a África é consistente, diz Samuel Pinheiro Portal da Secretaria de Assuntos Estratégicos SAE 10/06/2010 Estratégia de aproximação com a África é consistente, diz Samuel Pinheiro http://www.sae.gov.br/site/?p=3655 Portal da Secretaria de Assuntos Estratégicos SAE 10/06/2010 O Brasil, desde o início do governo

Leia mais

Seminários CEsA 2012. 26 de Abril de 2012. Brasil em África: a cooperação. Gerhard Seibert

Seminários CEsA 2012. 26 de Abril de 2012. Brasil em África: a cooperação. Gerhard Seibert Seminários CEsA 2012 26 de Abril de 2012 Brasil em África: a cooperação Gerhard Seibert Centro de Estudos Africanos (CEA), ISCTE-IUL 1. Enquadramento político-histórico 2. História Relações Brasil - África

Leia mais

Relações Brasil-África:

Relações Brasil-África: 53 Relações Brasil-África: cooperação técnica e comércio Lia Valls Pereira Em 2008, o governo brasileiro lançou a Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP). No capítulo sobre Destaques Estratégicos temas

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014 Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria Luanda, 26.05.2014 Agenda 1. Cenário Internacional 2. Formas de apoio 3. Estratégia de atuação na África Depto. de Suporte a Operações

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

RELAÇÕES INTERNACIONAIS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Economist Criação with a MBA in Business Strategy Missão from the Getulio Vargas. Has titles Fatos of Master & Números of Financial Economics, University of London and International

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Programa de Atração de Investimentos

Programa de Atração de Investimentos 1 Programa de Atração de Investimentos Oficina de Trabalho da RENAI - Rede Nacional de Informação sobre o Investimento Brasília, 08 de Junho de. Antecedentes 2 O Governo Brasileiro quer dar prioridade

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África

A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África BRICS Monitor A Cúpula Afro-Indiana de 2011 e a Inserção da Índia na África Junho de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA PROJETOS FRANCO-BRASILEIROS DE COOPERAÇÃO DESCENTRALIZADA TRILATERAL EM BENEFÍCIO DO HAITI E DO CONTINENTE AFRICANO I. CONTEXTO Em junho de 2010, realizou-se, no Palácio do Itamaraty,

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Luiz Carlos T. de Carvalho Assessor Chefe de Comércio e Investimentos Subsecretaria de Relações Internacionais Secretaria de Estado da Casa Civil

Luiz Carlos T. de Carvalho Assessor Chefe de Comércio e Investimentos Subsecretaria de Relações Internacionais Secretaria de Estado da Casa Civil Luiz Carlos T. de Carvalho Assessor Chefe de Comércio e Investimentos Subsecretaria de Relações Internacionais Secretaria de Estado da Casa Civil Governo do Estado do Rio de Janeiro A SUBSECRETARIA DE

Leia mais

INTRODUÇÃO A RELEVÂNCIA DOS BRICS

INTRODUÇÃO A RELEVÂNCIA DOS BRICS INTRODUÇÃO Entre os dias 04 e 06 de junho de 2012, a cidade do Rio de Janeiro sediará a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), durante a qual entidades da sociedade civil

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Ana Cecília de Almeida e Nathália Pereira A Iniciativa Incluir, promovida pelo PNUD Programa

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

4, 5 e 6 de novembro - 2008. O Maior Encontro Sobre Investimentos e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário Latino Americano

4, 5 e 6 de novembro - 2008. O Maior Encontro Sobre Investimentos e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário Latino Americano O Maior Encontro Sobre Investimentos e Desenvolvimento do Mercado Imobiliário Latino Americano 4, 5 e 6 de novembro - 2008 São Paulo - Transamérica Expo Center www.cityscapelatinamerica.com.br 3,000 participantes

Leia mais

Governo da Região Administrativa Especial de Macau - Governos Provinciais e Regionais do Grande Delta do Rio das

Governo da Região Administrativa Especial de Macau - Governos Provinciais e Regionais do Grande Delta do Rio das INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO AMBIENTE Fórum e Exposição Internacional de Cooperação Ambiental (MIECF) Energizing Green Business Growth Macau 27 de março de 2014 SAUDAÇÕES CUMPRIMENTOS

Leia mais

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012

Sinergia com os EUA. Henrique Rezezinski¹. Ano: 2012 ¹ Ano: 2012 1 HENRIQUE REZEZINSKI é membro do Conselho Curador do CEBRI e presidente da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (Amcham-Rio). CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais +55

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture

Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura. Catalysing sustainable Investment in Agriculture Estimulando o investimento sustaintavel na agricultura Catalysing sustainable Investment in Agriculture Oportunidade de Investmento no Corredor da Beira Quase 10 milhões de hectares de solos apropriados

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi P ARCERIA B RASI A Parceria A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi firmada em 2004 com o intuito comum de expandir a atuação de ambas empresas nos países de língua portuguesa. As organizações identificam-se

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável

Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Alemanha e Brasil: Parceiros para o Desenvolvimento Sustentável Por quê? Em nenhum outro país do mundo existem especialmente para a proteção do clima e tantas espécies de plantas e animais como conservação

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos

Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Estado e dinâmica da educação superior: um olhar para os Estados Unidos Fábio José Garcia dos Reis Março de 2010 No Brasil, cabe ao Estado supervisionar, controlar, avaliar, elaborar políticas, autorizar,

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL

SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL SOLICITAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE MANIFESTAÇÕES DE INTERESSE Nº 006/2012 SELEÇÃO DE CONSULTOR INDIVIDUAL Contrato de Empréstimo IPEA/BID nº 1841/OC-BR Projeto: Dinâmica do Sistema Produtivo Brasileiro perspectivas

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

Brasil-China: Uma Agenda de

Brasil-China: Uma Agenda de Brasil-China: Uma Agenda de Colaboração Jorge Arbache BNDES Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2011 1 China Principal parceiro comercial do Brasil Um dos principais investidores estrangeiros

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008

Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008 Seminário A economia argentina e as perspectivas das relações com o Brasil e o Mercosul Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2008 Os interesses empresariais brasileiros na América do Sul Os interesses empresariais

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional.

ENQUADRAMENTO. emergentes, promova o networking, essencial ao sucesso nos seus negócios e permita o crescimento no cenário internacional. ENQUADRAMENTO Portugal plataforma intercontinental e polo de inovação Portugal tem de conseguir capitalizar nos negócios, na academia e nas instituições a enorme vantagem que é integrar o espaço lusófono.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

Apresentando uma nova visão para dar poderes ao consumidor CONGRESSO MUNDIAL. consumersinternational.org

Apresentando uma nova visão para dar poderes ao consumidor CONGRESSO MUNDIAL. consumersinternational.org CONGRESSO MUNDIAL REVELANDO O PODER DO CONSUMIDOR 18 21 DE NOVEMBRO DE 2015 BRASÍLIA Apresentando uma nova visão para dar poderes ao consumidor NÃO PERCA INSCREVA-SE AGORA! consumersinternational.org Vivemos

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

Empresas e Mercado na CHINA atual FGV IBRACH TSINGHUA

Empresas e Mercado na CHINA atual FGV IBRACH TSINGHUA Empresas e Mercado na CHINA atual P r o g r a m a c o n j u n t o FGV IBRACH TSINGHUA Apresentação O Programa Empresas e Mercado na China Atual é uma iniciativa pioneira na América Latina promovida pelo

Leia mais

PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP

PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP PAZ, FRAGILIDADE E SEGURANÇA A AGENDA PÓS-2015 E OS DESAFIOS À CPLP 7 Maio 10 Horas NÚCLEO DE ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO: COM A PARTICIPAÇÃO: Paz, Fragilidade e Segurança A A G E

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Maputo, Moçambique, 2-4 de maio de 2012 Estrutura

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão do Desenvolvimento Económico, das Finanças e do Comércio ACP-EU/101.516/B/13 18.08.2013 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a cooperação Sul-Sul e a cooperação

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia A Coppe Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia nasceu disposta a ser um sopro de renovação na

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho 2009 Apoio Corporativo Áreas de Atuação Companhias Abertas 65,5% Incorporação 5,8% Aço 28,4% Energia Geração & Distribuição 68 anos de operação; Liderança em diversos mercados;

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Internacionalização da Arquitetura Brasileira PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SETORIAL PARA INTERNACIONALIZAÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA AMBIENTE EXTERNO WORKSHOP APRESENTAÇÃO PES AMBIENTE

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes)

Processo nº2-responsável de Projetos (2 vagas Empresas diferentes) Processo nº1-project Manager Construction Company Engenheiro Civil para ser Gerente de Projetos - Experiência de 5 anos em empresas relevantes (construção); Alto nível de habilidades organizacionais e

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO

TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO O PROGRAMA EMPREGOS VERDES DA OIT: TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO Brasília, 07 de dezembro de 2010 Assuntos abordados A Iniciativa Empregos Verdes e as definições do conceito A crise econômica

Leia mais

MISSÃO DO GRUPO DE TRABALHO

MISSÃO DO GRUPO DE TRABALHO 4 de Agosto de 2011 MISSÃO DO GRUPO DE TRABALHO Apresentar um novo modelo de organização de serviços e organismos do Estado vocacionados para: - Promoção e captação de investimento estrangeiro; - Internacionalização

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01

TERMO DE REFERÊNCIA. Código: CONS AI01/2008. Nº de vagas: 01 TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de desenvolvimento, aprofundamento e ampliação de ações e estudos relacionados à análise de tratados de direito econômico internacional

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Development Co-operation Report 2010. Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010. Summary in Portuguese. Sumário em Português Development Co-operation Report 2010 Summary in Portuguese Relatório de Desenvolvimento e Cooperação 2010 Sumário em Português O relatório de Desenvolvimento e Cooperação, emitido pelo Comité de Ajuda

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

A Parceria Apex-Brasil e RENAI

A Parceria Apex-Brasil e RENAI A Parceria Apex-Brasil e RENAI Mário Neves Coordenador-Geral da Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Alexandre Petry Gerente de Promoção e Facilitação de Investimentos da Apex-Brasil Ciclo

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

SEMINÁRIO BRASIL-ARGENTINA RUMO À RIO+20: UM DIÁLOGO SOBRE O FUTURO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Buenos Aires, 9 a 11 de novembro de 2011

SEMINÁRIO BRASIL-ARGENTINA RUMO À RIO+20: UM DIÁLOGO SOBRE O FUTURO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Buenos Aires, 9 a 11 de novembro de 2011 SEMINÁRIO BRASIL-ARGENTINA RUMO À RIO+20: UM DIÁLOGO SOBRE O FUTURO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Buenos Aires, 9 a 11 de novembro de 2011 PROGRAMA PRELIMINAR DIA 1 (09/11) 09h30-09h50 ABERTURA. Reitor

Leia mais