Movimento para a Democracia. O Presidente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Movimento para a Democracia. O Presidente"

Transcrição

1 Movimento para a Democracia O Presidente Caros militantes e simpatizantes do MpD Ilustres convidados Minhas senhoras e meus senhores Em nome de todos os membros dos órgãos nacionais do MPD ora cessantes, as minhas primeiras palavras são de saudação e agradecimento. Saudação aos ilustres representantes do corpo diplomático, agradecendo não só a sua presença aqui, mas também a atenção e consideração que mostraram pelo MpD ao longo do nosso mandato. E agradecendo mais, o apoio nunca recusado ao nosso país por parte dos nossos parceiro internacionais que representam. Saudação ao ilustre representante da Internacional Democrática do Centro, IDC, Coordenador Geral, Alberto Ruiz Thierry, que nos veio trazer o apoio da organização que congrega os partidos do mundo que comungam dos princípios e valores da democracia do Centro. Muito obrigado Alberto, por teres vindo. Saudação às ilustres delegações dos partidos de países amigos que nos deram a honra da sua presença neste evento e daqueles que, não podendo estar presentes, nos enviaram mensagens de apoio e incentivo. Refiro-me às delegações dos partidos de São Tomé e Príncipe, as do Aliança Democrática Independente (ADI), chefiada pelo seu Presidente, Patrice Trovoada, e do Partido da Convergência Democrática (PCD), chefiada pelo seu Secretário Geral, Alzemiro dos Prazeres; de Angola, a da Coligação Ampla para a Salvação de Angola Coligação Eleitoral (CASA-CE), chefiada pelo seu Presidente, Abel Chivucuvuko; da Guiné Bissau, a do Partido da Renovação Social (PRS), chefiada pelo seu Secretário Geral, Florentino Mendes Pereira; de Moçambique, a do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), chefiada pelo seu Presidente Davis Simango; de Portugal, Movimento Partido da Terra (MPT), chefiada pelo seu membro da Comissão Política, José Inácio Faria; da China, o Partido Comunista da China (PCC), representado por S.E o Embaixador da China em Cabo Verde; do Senegal, em representação do Presidente da Câmara de Dakar, Barthelemy Diaz. Importa ainda referir, também de Portugal, a delegação do Partido Social Democrata (PSD), que chegará amanhã, chefiada pelo seu Secretário Geral, Matos Rosa. De Cuba, o Partido Comunista de Cuba (PCC), e do Brasil, o Partido dos Democratas do Brasil, enviaram mensagens. A todos vós, caros amigos, os nossos agradecimentos sinceros pela honra, distinção e encorajamento que nos deram, com a vossa presença e com as vossas mensagens. 1

2 Saúdo a presença aqui dos representantes dos partidos cabo-verdianos,.., agradecendo o gesto e reafirmando o nosso comprometimento sincero com a concertação política em matérias de interesse fundamental para o país. Igualmente saúdo os parceiros sociais aqui representados, associações sindicais, patronais e profissionais, exprimindo-lhes o nosso reconhecimento do seu papel fundamental na sociedade cabo-verdiana e na promoção de um Cabo Verde cada vez mais democrático, mais justo e inclusivo e mais desenvolvido em ambiente de paz e estabilidade. Saúdo mais, todas as instituições e personalidades que nos honraram e nos encorajam, com a sua presença ou mensagem. Saúdo calorosamente, a presença aqui de todos os ex-presidentes do MpD, dizendo-lhes quão a sua nos alegra e nos distingue tê-los conosco hoje e como nos sentimos gratos eternamente pelo que fizeram pelo nosso partido comum, pelos sacrifícios pessoas que consentiram e pelas contribuições fundamentais que deram para que sejamos o que hoje somos: um partido com uma história brilhante e inigualada de serviço a Cabo Verde, sempre! Saúdo, também e com alegria, todos ex-dirigentes do partido e todos os ex-deputados e exautarcas em listas do partido ou por ele apoiadas que aqui vieram, agradecendo-lhes o contributo que integrados no sistema MpD, deram para a história gloriosa do partido e para o progresso de Cabo Verde. E porque os últimos são os primeiros, saúdo agora, em nome de todos os militantes e simpatizantes o novo Presidente do MpD, Dr. José Ulisses Correia e Silva, agradecendo-lhe profundamente o ter-se disponibilizado para a missão espinhosa mas exaltante de liderar o nosso partido neste momento de desafios tão grandes e para encarnar as esperanças renovadas que todos temos no MpD e em Cabo Verde. Saúdo, ainda, os delegados à X Convenção Nacional exprimindo a confiança de que saberão estar á altura do momento histórico que vivemos no MpD. E saúdo finalmente a grande massa de militantes, simpatizantes e amigos do MpD ou de simples amigos da democracia que se apresentou nesta sessão de abertura e, através deles, a todas e todos militantes e simpatizantes do partido e a todas as cabo-verdianas e caboverdianos espalhados pelas ilhas e pela Diáspora, pelo apoio que nunca deixaram de dar aos valores, princípios e bandeiras da nossa organização e pela contribuição fundamental que têm dado em prol deste Cabo Verde di nôs. Caros militantes e simpatizantes Ilustres convidados Minhas senhoras e meus senhores O MpD embora ainda jovem de apenas 23 anos, já tem uma história brilhante, de que todos nos devemos orgulhar, ao serviço de Cabo Verde, sempre. Tirando-lhes as grilhetas do medo e da opressão, devolvemos aos cabo-verdianos a sua liberdade confiscada pelo regime de partido único: a liberdade de consciência e de ter opinião própria, diferente da de outras pessoas e contrária á do Poder; a liberdade de a exprimir pelos 2

3 mais diversos modos; a liberdade de se reunir com outras pessoas e de se manifestar publica e pacificamente; a liberdade de se associar a outros para promover interesses coletivos. Nós entregámos de novo aos cabo-verdianos a sua liberdade de deslocação e de emigração, que o regime do partido único havia coartado. Nós trouxemos aos trabalhadores cabo-verdianos a liberdade e o pluralismo sindicais, Nós abrimos aos homens de cultura cabo-verdianos o espaço da liberdade de criação intelectual, artística e cultural que o regime de partido único havia encerrado. Nós garantimos aos professores, às famílias, aos jovens e à sociedade civil a liberdade de aprender, de educar e de ensinar libertando-os da formação, da escola e do ensino programados segundo diretrizes ideológicas do partido único; Nós criámos as condições para a liberdade e o pluralismo da comunicação social e para a emergência da comunicação social privada. Contra o sistema em que o partido único era a força política dirigente do Estado e da sociedade e nele concentrava, centralizava e unificava todos os poderes, com a arma da lei nós destruímos a organização institucional desse sistema e sobre elas instituímos e institucionalizamos, de raiz, o Estado de direito democrático, com pluralidade de partidos e organizações políticas, com separação de poderes e a sua subjugação à lei e com um Poder Local democrático e autónomo forte, próximo das populações e abrimos espaço a uma sociedade civil também autónoma e ativa. Contra a conceção que via os nossos emigrantes como estrangeirados e mera fonte de divisas, nós restituímos aos nossos irmãos da diáspora a dignidade de serem parte integrante da Nação cabo-verdiana e participarem ativamente na vida política, económica, social e cultural de Cabo Verde Nós devolvemos aos tribunais e aos juízes a sua independência imanente. Nós demos às Forças Armadas e à Policia a dignidade constitucional e institucional que devem ter numa sociedade democrática, elevando-os da condição mero braço armado do partido único à de instituições republicanas fundamentais ao serviço da soberania, da paz e da segurança de Cabo Verde e dos cabo-verdianos, submetidas exclusivamente aos órgãos legítimos do poder político. Nós dignificámos a Função Pública, designadamente no que respeita à formação, à remuneração, à carreira e às condições de trabalho, com especial destaque para os docentes, o pessoal da saúde, os polícias e os militares. Na busca da igualdade de oportunidades para todos, a nós se deve o acesso universal ao ensino básico, o alargamento do ensino secundário a todos os concelhos, a institucionalização da formação profissional, o acesso à formação superior no estrangeiro a milhares de atuais quadros do país e o lançamento das bases para o ensino superior publico e privado em Cabo Verde; A nós também se deve a universalização do acesso a cuidados primários de saúde, a instalação de centros de saúde e a colocação de médicos em todos os concelhos; 3

4 A nós se deve ainda o lançamento das bases para a estruturação, a consolidação e alargamento de um sistema de Segurança Social universal e inclusivo e a ideia e a instituição da pensão social de regime não contributivo para os mais vulneráveis e pobres da nossa sociedade. A nós se deve igualmente a atenção para o problema habitacional e a instituição de um sistema de fomento da habitação social e económica, envolvendo o Estado e os municípios, bem como a montagem de um sistema de crédito bonificado à habitação jovem. No plano internacional, graças ao MpD entrámos no concerto das Nações democráticas do Mundo: fomos considerados o farol da democracia em Africa e, pela primeira e única vez, fizemos parte da governação mundial, como membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU. Sobre as ruinas do descalabro em que se traduziu a economia estatizada montada pelo regime de partido único, nós lançámos as bases de uma economia de mercado, baseada na iniciativa privada, nacional e estrangeira. Editando leis, privatizando empresas públicas e criando mecanismos de diversos tipos, promovemos o surgimento de um setor privado dinâmico, na agricultura, na indústria, na pesca, na construção civil, nas telecomunicações, na banca e seguros, na energia, na marinha mercante e nos mais variados serviços. Criámos um sistema financeiro normal, pondo termo à aberração que era o sistema de banco único. Abrimos o país ao investimento externo direto e iniciámos o desenvolvimento do turismo, até então ignorado pelo regime de partido único, unicamente com base em considerações ideológicas. Criámos um ambiente de negócios favorável ao investimento em geral. Para unificar o mercado interno e potenciar as condições de desenvolvimento de todas as ilhas e de atração do investimento, construímos portos de raiz na Boavista, no Maio e na Brava, reconstruimos o do Fogo, concluímos o de São Nicolau e modernizámos o de São Vicente; modernizamos o aeroporto internacional do Sal, construímos o novo aeroporto da Praia, melhorámos os de S.Vicente, S.Nicolau, Maio, Mosteiros e Santo Antão, recuperámos o de São Filipe e concluímos o da Brava; adquirimos barcos de cabotagem construídos de raiz para as condições do nosso país. E as nossas políticas produziram resultados concretos em benefício do dia a dia dos caboverdianos. Nos dez anos em que o MpD esteve no poder, a economia cresceu a um ritmo acelerado e sustentado, com taxas de crescimento largamente superiores aos da década de oitenta e aos dos anos A década de noventa é claramente a que maior número de postos de trabalho criou, e aquela em que o crescimento médio anual do emprego foi mais acentuado (4,7%), tanto em relação à década de 80 ( 3,7%) como em relação à década 2000 ( 2,3%). Durante os dez anos de governo do MpD, fomos capazes de fazer baixar o desemprego em sentido lato de 25% para 17%, e pela primeira e única vez na história de Cabo Verde independente, a taxa de desemprego em sentido estrito situou-se abaixo de 9%; o PIB per capita subiu vincadamente e os rendimentos das famílias, bem como o nível de vida médio das pessoas melhoraram de modo efetivo e substancial; e Cabo Verde subiu de forma consistente e sustentada no Índice de Desenvolvimento Humano. 4

5 Infelizmente, treze anos passados o país vai mal. E até mesmo os que sempre estiveram em estado de negação, os que enterraram a cabeça na areia, os que não quiseram ver os sinais de alarme, os que continuaram e continuam a vender ilusões, os que se deixaram iludir pela propaganda incessante do Governo, são agora obrigados a reconhecer que Cabo Verde está em profunda crise. O desemprego é o problema social mais grave do país. Atinge neste momento uma das taxas mais elevadas de sempre. Mais de 38 mil desempregados procuram um posto de trabalho sem sucesso. E se contarmos os desempregados desencorajados, que o Governo retirou das estatísticas de desemprego por conveniência própria, mas que não deixam de estar desempregados, o número real de desempregados é de quase 60 mil. É uma situação de desastre nacional! Nos dois últimos anos, o número de desempregados em sentido estrito aumentou 80%! E só em 2012, aumentou 52%! É obra! O que me leva a reafirmar aqui o que já disse noutra ocasião: os Governos do PAICV transformaram-se em fábricas de produção de desempregados em série. Aconteceu na década de oitenta, está a acontecer desde Perante este gravíssimo problema social, o que faz o Governo? Muito pouco, para além da retórica e da desresponsabilização. Mas o desemprego aumenta porque a economia não cresce. Desde 2008, a taxa de crescimento médio anual da economia foi inferior a 0,5%, o que é no mínimo ridículo, para um país que precisa urgentemente de criar postos de trabalho para os milhares de jovens que chegam todos os anos ao mercado. A grande mentira do crescimento robusto propagandeado pelo Governo, afinal, não era mais do que isso mesmo, uma grande mentira! E a economia não cresce porque o Governo não tem política de crescimento e só pensa no Estado e no investimento público. Depois de dezenas e dezenas de milhões de contos de investimento público, temos uma economia que não cresce, não cria emprego, não cria rendimento para as famílias e está sobre endividada. O Governo é, assim, inteiramente responsável pelo desperdício na utilização de recursos públicos em investimentos sem rentabilidade económica ou social. É também responsável pela má utilização dos impostos que os contribuintes pagam todos os dias em investimentos públicos de duvidosa rentabilidade social, realizados sem concurso e que regra geral excedem largamente os orçamentos iniciais, mesmo quando não são concluídos. E é ainda responsável pela má gestão do investimento público, denunciada pelo próprio FMI e pelo Banco de Cabo Verde. Os rendimentos reais das famílias caíram dramaticamente nos últimos anos, a pobreza e a desigualdade social aumentaram enormemente, devido ao drástico agravamento do desemprego, que deixa dezenas de milhares de famílias sem salários, a principal fonte de rendimento das famílias cabo-verdianas. Acresce o peso da carga fiscal a que estão sujeitos os rendimentos familiares, para compor um quadro muito negativo da situação financeira da maior parte das famílias cabo-verdianas. A violência, a delinquência e a insegurança tomaram conta das principais cidades do país. Os cabo-verdianos assistem, impotentes e muito preocupados a crimes cada vez mais hediondos, ao aumento desmesurado da criminalidade contra os cidadãos e os seus bens, à proliferação de gangs e, sobretudo à incapacidade do Governo para fazer frente a esta degradação das condições de vivência social e para dar cumprimento à principal obrigação de qualquer Estado: dar segurança às pessoas e comunidades. 5

6 A justiça continua cada vez mais morosa e de difícil acesso, criando um sentimento de revolta perante a impunidade e a denegação da justiça a que todos têm direito. Os indicadores de saúde mostram que Cabo Verde não atingirá os objetivos do milénio que foram fixados pelas Nações Unidas para o ano Pelo contrário, as tendências dos principais indicadores apontam claramente em sentido inverso, seja quanto à incidência da tuberculose, à epidemia de SIDA, à mortalidade infantil e à mortalidade materna. As empresas privadas vivem momentos extremamente difíceis, sufocadas pela carga fiscal e parafiscal a que estão sujeitas, pelo marasmo económico e pelas dificuldades de acesso ao crédito, o qual nos últimos 18 meses tem sido quase que absorvido exclusivamente pelo Estado. O INPS foi transformado pelo Governo no principal financiador interno do Estado e instrumento da política do Governo, descurando a solvabilidade a longo prazo do sistema de proteção social, em particular as pensões dos trabalhadores. Com uma arrogância sem limites, o INPS não publica as contas nem dá quaisquer satisfações às empresas e aos trabalhadores que são afinal quem o financia, através das contribuições que mensalmente pagam. O Estado deixou de se comportar como pessoa de bem, recusando reembolsar o IVA e IUR de 2008 a esta parte, cobrados a mais às empresas e pessoas singulares, apesar de inúmeras e reiteradas promessas do Governo. A corrupção e o nepotismo ganham cada vez mais expressão e abarcam todas as esferas da atividade económica e social, assumindo particular relevância em certas áreas chave da governação, como foi recentemente noticiado. O sistema financeiro encontra-se muito fragilizado, como consequência do elevado nível de crédito mal parado, que por seu lado reflete a estagnação da economia e as dificuldades das empresas e das famílias em honrar os seus compromissos com a banca. O endividamento do Estado, das empresas e das famílias, atingiu patamares insustentáveis, numa espiral extremamente perigosa para a saúde da nossa economia. O endividamento externo do país no seu conjunto, público e privado, atinge níveis nunca alcançados desde a Independência. O défice das contas do Estado atinge proporções insuportáveis, nunca antes vistos em Cabo Verde, num processo infernal que obriga a recorrer a empréstimos internos e externos para cobrir os excessos da despesas do Estado, o que por seu turno se traduz em aumento da despesa pública pela via do substancial agravamento dos juros da dívida pública. A acentuada quebra do Investimento externo, consequência direta do mau ambiente de negócios no país e da muito fraca competitividade externa de Cabo Verde, pode revelar-se desastrosa para o único sector da economia com potencial de crescimento a curto e longo prazo, o turismo. Essa quebra do IDE, num momento em que tanto o continente africano como a região oeste africana beneficiam de fluxos crescentes desse investimento, demonstram a incapacidade e falta de visão das políticas para o turismo, bem caracterizadas elo recente agravamento da carga fiscal que incide sobre o sector, num momento em que este se encontra bem longe da consolidação. 6

7 É este o panorama global da situação atual do país. Uma situação de crise que há muito se havia anunciada e que foi provocada essencialmente pelas políticas erradas de um Governo, que se revelou surdo e cego perante as evidências, e que teimosamente continua a trilhar os mesmos caminhos que nos estão a conduzir ao abismo. Reafirmo agora tudo o que o MpD tem dito ao longo dos últimos anos e os avisos que sistematicamente fizemos sobre os perigos e riscos das políticas desastradas e desajustadas do Governo. Alertámos para a necessidade de mudar de rumo, não fomos ouvidos. Pelo contrário, de cada vez que exercemos o direito de nos expressar sobre as políticas míopes do Governo, recebemos como resposta a arrogância, a intolerância, o rancor, a vaidade, o ódio mesmo, de quem se julga único detentor da verdade. Mas os factos são teimosos, e contra factos não há argumentos. Nem a manipulação mais abjeta da comunicação social do Estado por parte do Governo, nem as declarações bombásticas e a propaganda permanente, podem esconder por muito tempo a realidade tal como ela é. Para trás ficam o tempo perdido, as oportunidades desperdiçadas, as promessas de crescimento económico de dois dígitos, de desemprego de um dígito, de décimo terceiro mês. Para trás ficam as declarações otimistas e insensatas do Governo, sobre a blindagem e a boa saúde da economia cabo-verdiana, que hoje fazem rir, para não chorar, tal era a sua falta de fundamento Para trás fica a mentira do pretenso crescimento robusto da economia, como afirmava o Governo ainda recentemente aquando da discussão do Orçamento do Estado de 2013, crescimento robusto que os números recentemente publicados pelo INE e pelo Banco de Cabo Verde vieram desmentir frontalmente. Para trás fica a vaidade, a petulância e a insensatez dos que, iludidos pela bonança da ajuda externa e das receitas do IVA, julgaram que tudo lhes era permitido, que todos os excessos podiam ser absorvidos, que não tinham contas a prestar a ninguém. Passada a euforia, esfumada a cortina de ilusões, a dura realidade impõe-se a todos, exceto ao Governo que, em estado de permanente negação, continua a desresponsabilizar-se perante a crise que alimentou com as suas políticas desastrosas. Para o Governo, os responsáveis pela crise atual são sempre os mesmos, ou seja, os anos noventa e a crise internacional. É como se não tivesse existido Governo nos últimos 13 anos. Ou melhor, é como se o Governo dos últimos 13 anos fosse constituído pelos anos noventa e pela crise internacional. O primeiroministro, os ministros, os dirigentes do Estado, esses, nada têm a ver com a situação atual, é tudo culpa dos outros. A verdade é completamente diferente e a responsabilidade pela situação dramática que o país vive neste momento é do Governo que governou 13 anos seguidos sem impedimentos institucionais ou de outra natureza. 7

8 Como oposição, fizemos o nosso trabalho. Alertámos, denunciámos, explicámos, propusemos com sentido de responsabilidade. Não fomos ouvidos! O Governo deve, pois, assumir inteiramente as suas responsabilidades. Mas, em vez de arrepiar caminho e rever a sua estratégia, o Governo continua cegamente a conduzir o país para o precipício. É preciso mudar de rumo, antes que a situação atinja um ponto de ebulição que seria desastroso para o nosso país. Caros amigos Cabo Verde precisa de uma outra visão da política, em todas as suas dimensões. E em primeiro lugar, é preciso fazer a economia crescer de novo e crescer muito, apoiar o sector privado nacional e atrair investimento externo, para criar emprego e diminuir o flagelo do desemprego. O partido no poder não tem soluções para os graves problemas que o país enfrenta. As receitas que conhece são mais do mesmo, ou seja, mais investimento público em infraestruturas, mais despesa pública, mais défice orçamental, maior endividamento externo, mais subordinação do empresariado nacional, mais clientelismo, mais mãos estendidas à caridade internacional, mais impostos, mais taxas, mais burocracia, mais entraves à atividade empresarial, mais centralização, concentração e partidarização da Administração. O poder atual não consegue sair desta teia em que voluntariamente, e por opção ideológica, se enredou, e cujos resultados estão hoje à vista de todos que tenham olhos para ver. O país precisa de uma política de investimento público diferente, mais seletiva, rigorosa e equilibrada. Precisa de uma política nacional de suporte ao empresariado nacional, de combate determinado à corrupção e ao tapete vermelho. Cabo Verde precisa de reformas profundas que transformem as instituições do Estado em servidoras da sociedade e não em mestres e pretensos donos da sociedade civil. O país precisa de uma visão diferente do desenvolvimento e de uma política de investimentos públicos dirigida prioritariamente à qualificação dos recursos humanos, não pela criação de universidades e mais cursos a esmo, mas pela via de um sistema de ensino de alto nível, exigente, com forte componente científica e técnica, um sistema educativo moderno e de qualidade, da pré-primária ao ensino superior. Precisamos de uma política educacional ao serviço de uma visão estratégica para o país, concertada entre todos os atores da nossa sociedade e não imposta de cima, como acontece atualmente. Cabo Verde precisa de reforçar a sua aposta no turismo, o único sector com o potencial adequado para servir de motor do desenvolvimento, sem esquecer outras áreas que podem aumentar a autonomia do país na geração de recursos externos de que tanto necessitamos. O MpD é o partido que pode trazer um novo elan à economia, à democracia e à sociedade cabo-verdiana. O seu ideário, as suas opções políticas, a sua matriz de pensamento, a sua experiência e os resultados que alcançou, nunca igualados, permitem-lhe levar a cabo as profundas reformas indispensáveis para fazer o país sair do marasmo, do atoleiro e do beco sem saída a qua conduziram as opções políticas do Paicv. 8

9 Nós somos a esperança dos cabo-verdianos para mudar a situação calamitosa a que o nosso país foi conduzido! Cabo Verde precisa do MpD a governar! Caros amigos O partido terminou este ciclo em boa posição e em boa forma. Se é certo que não ganhámos as eleições legislativas, soubemos recuperar e, com humildade, aprender com os erros cometidos nessas eleições. Por isso, logo a seguir, fomos determinantes para colocar como Presidente da Republica uma personalidade democrática com o perfil desenhado pela Constituição, com manifesta e já sentida vantagem para a consolidação da nossa democracia. E um ano depois vencemos de forma categórica as eleições autárquicas, gerindo agora o dia a dia de mais de 70% da população residente. Temos sido uma oposição séria, responsável e patriótica que foi a primeira a alertar e nunca deixou de alertar quanto às consequências negativas das políticas adotadas pelo Governo e das ilusões demagógicas em que os cabo-verdianos têm sido embalados pela situação; e que primeiro apresentou propostas de políticas alternativas para inverter o curso descendente em que o país se encontra, políticas que agora são assumidas explicita ou implicitamente pela generalidade dos que observam o país, dentro e fora. Como organização dispomos agora de condições infraestruturais para uma ação política permanente e eficaz em todos os cantos do país e nos Estados de acolhimento das nossas comunidades e para melhor comunicar com as nossas bases e a sociedade. Elegemos um novo Presidente consensual e estamos a fazer a renovação e a transição itergeracional de modo tranquilo e em ambiente de responsabilidade e comunhão de valores, princípios e objetivos. Sentimos, à nossa volta, um bom nível de participação e mobilização. Podemos, pois, ambicionar fazer mais e melhor do que até aqui. Temos essa responsabilidade e obrigação perante os cabo-verdianos e os desafios com que Cabo Verde está confrontado. É neste contexto e com a ambição legítima de vencer em toda a linha o próximo ciclo eleitoral, em 2016, que se inicia a nossa X Convenção Nacional. Convenção que debaterá e aprovará importantes instrumentos orientadores, os quais farão o nosso partido estar cada vez mais aberto e ligado á sociedade e ser cada vez mais transparente. Convenção que também dotará o nosso partido de uma direção nova e rejuvenescida, sob uma nova liderança dotada de legitimidade democrática insofismável, dada pelo voto direto altamente expressivo dos militantes em eleições internas sérias e regulares. Vivemos, um ambiente positivo de grandes esperanças no futuro próximo do nosso partido, sob a liderança do Dr. José Ulisses Correia e Silva. O seu percurso político e as qualidades pessoais de liderança, capacidade de trabalho, honestidade e probidade e determinação, associadas à sua visão política, ao espírito de 9

10 diálogo, à capacidade de trabalhar em equipa e à maturidade demonstrada no exercício de altos cargos políticos, fazem dele um líder de líderes e são a garantia de uma liderança para os novos tempos e os grandes desafios que esperam o MpD e Cabo Verde. Não tenha dúvidas, senhor Presidente do Mpd. Os próximos tempos serão difíceis para o país, e irão testar as suas qualidades de liderança e a sua visão política. As expectativas de todos nós, membros do MpD são muito elevadas. Mas as nossas esperanças e confiança são ainda maiores, de que conseguirá fazer o partido triunfar Também o são as da sociedade cabo-verdiana que o conhece e o aprecia. Por isso mesmo, os nossos adversários já se lançaram, em desespero, numa campanha baixa, anti-democrática e abjeta de ataques pessoais e de assassinato de carater, sob a cobertura cobarde da imunidade parlamentar de alguns deputados da Nação. Mas não se intimide, nem se perturbe. No enorme esforço que terá que consentir e na luta tremenda que terá de liderar, estou certo de traduzir o sentimento geral ao afirmar que pode contar com o apoio forte, corajoso e consequente de todos nós, a geração anterior e a nova geração de membros e dirigentes do MpD. Estou também seguro de que a sociedade caboverdiana terá uma nova oportunidade para apreciar as suas qualidades de liderança e saberá transmitir-lhe o encorajamento de que precisará para levar o barco a bom porto. Estou absolutamente convicto de que o MpD está em boas mãos. Pessoalmente sabe que poderá contar comigo onde, quando e como julgar útil, necessário ou conveniente. Vou terminar com uma saudação muito especial a todos os militantes e simpatizantes, que sempre estiveram com o MpD, e que sempre e em todas as circunstâncias o apoiaram com convicção, coerência e desprendimento, dando tudo e nada pedindo. Novos tempos se avizinham. As mudanças políticas necessárias para repor Cabo Verde no caminho certo, exigem que o MpD seja Governo. É este o grande desafio do partido: preparar-se para ganhar as eleições legislativas de 2016 e insuflar nova vida à democracia, à economia e à sociedade cabo-verdianas. Nesta luta, não nos devemos esquecer de que a sociedade cabo-verdiana é plural, e de que o nosso ideário político indica-nos o caminho da autonomia como o único capaz de libertar as energias criadoras da sociedade. Chega de criar dependência nas pessoas e na sociedade, como tem feito o Paicv! É tempo de retomar as bandeiras do humanismo, da liberdade, da autonomia, da ousadia, do empenho individual e coletivo e do mérito como padrão de avaliação! É tempo de libertar a sociedade do medo e da auto censura! É tempo de nos libertarmos das amarras de ideologias que secundarizam o indivíduo em relação ao Estado! 10

11 É mais do que tempo de voltar a permitir à sociedade civil o papel central que deve ter no desenvolvimento do nosso país! É tempo de acabar com a dependência, a subserviência, o clientelismo, a compra de consciências. É tempo de voltar a apostar na descentralização do poder, na atenuação dos desequilíbrios regionais e no desenvolvimento humano o sustentado destas ilhas. Todos juntos, na diversidade de opiniões, mas em unidade de ação, em prol de Cabo Verde, sempre! Não poderia, porém, concluir sem um agradecimento pessoal especial: ao Secretário Geral, José Moreira, ao Conselho de Administração e ao pessoal da sede nacional, com quem privei quase diariamente ao longo dos últimos três anos e nove meses; e aos membros dos órgãos nacionais cessantes e de todos os órgãos do sistema MpD, incluindo as estruturas concelhias, regionais e da diáspora, o grupo parlamentar, os autarcas, a JPD ou as Mulheres Democráticas, pela vossa dedicação e lealdade ao partido e pelos sucessos que assim permitiram ao MpD. Tive muita honra em partilhar responsabilidades e trabalhar convosco. Muito obrigado. Parque 5 de Julho, 12 de Julho de 2013 Carlos Veiga Presidente do MpD 11

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República

Mensagem de Ano Novo. do Presidente da República Mensagem de Ano Novo do Presidente da República Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2015 Boa noite. Desejo a todos um Feliz Ano de 2015. Os meus votos dirigem-se a todos os Portugueses, quer aos que residem

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros,

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros, Discurso de sua excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves, por ocasião da tomada de posse do novo Governo no âmbito da remodelação governamental anunciada no dia 24 de Fevereiro de 2010 Excelência,

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque

Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis. Maria Luís Albuquerque Portugal com Futuro: Finanças Públicas Sustentáveis Maria Luís Albuquerque 25 de agosto de 2015 Universidade de Verão do PSD Castelo de Vide 25 de agosto de 2015 Tema: Portugal com Futuro: Finanças Públicas

Leia mais

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia,

Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, ATO DE POSSE, 9 DE AGOSTO 2013 Emídio Gomes Presidente da CCDR-N Senhor Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Senhor Ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Senhor Secretário

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

República de Moçambique. Presidência da República

República de Moçambique. Presidência da República República de Moçambique Presidência da República Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique e Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança, por ocasião

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015

Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa. 25 de dezembro de 2015 Mensagem de Natal do Primeiro-Ministro António Costa 25 de dezembro de 2015 Boa noite. Estamos a chegar ao fim de um ano muito exigente para todos os portugueses. Um ano que ainda impôs às famílias enormes

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

visão global do mundo dos negócios

visão global do mundo dos negócios Senhor Primeiro Ministro Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da AM Senhor Presidente do CA da Lenitudes Senhores Deputados Srs. Embaixadores Srs. Cônsules Senhores Vereadores e Deputados Municipais

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Declaração Politica do MpD Instrumentalização do INPS Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Colegas Deputados, Senhores Membros do Governo, No

Declaração Politica do MpD Instrumentalização do INPS Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Colegas Deputados, Senhores Membros do Governo, No Declaração Politica do MpD Instrumentalização do INPS Senhor Presidente da Assembleia Nacional, Colegas Deputados, Senhores Membros do Governo, No quotidiano da vida, os cabo-verdianos querem ter trabalho

Leia mais

O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for. Francisco Sá Carneiro, Lisboa, 1972

O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for. Francisco Sá Carneiro, Lisboa, 1972 JAIME O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for Francisco Sá Carneiro, Lisboa, 1972 RAMOS As Razões para uma candidatura à liderança do PPD/PSD Madeira As eleições

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL

POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL POSIÇÃO DA UGT SOBRE A ACTUAÇÃO DO FMI EM PORTUGAL O crescimento económico e a redução do desemprego são hoje os grandes desafios que a Europa enfrenta. Em Portugal, a situação económica e social é hoje

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Lilg Covas, Renata e Zuzinha para este encbntro.

Lilg Covas, Renata e Zuzinha para este encbntro. PALAVI i DOGOC >OR TASSO 9TI NO EVENTO DA F1---,LIA DE k----socovas EM SÃO PAULO ~22/10/2001~ Senhoras e Senhores, eu gostaria, primeiramente, de dizer da minha honra de ter sido convidado por Dona Lilg

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Sr. Presidente da Assembleia Nacional por ocasião da sessão inaugural da III edição do Curso de Liderança e Inovação na Gestão do Desenvolvimento,

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA ABERTURA DA XIV CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA JUSTIÇA DA CPLP

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA ABERTURA DA XIV CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA JUSTIÇA DA CPLP ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA ABERTURA DA XIV CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA JUSTIÇA DA CPLP A propriedade da terra como fator de desenvolvimento Salão

Leia mais

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA CERIMÓNIA DE GRADUAÇÃO DOS ESTUDANTES FINALISTAS DA UNTL

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA CERIMÓNIA DE GRADUAÇÃO DOS ESTUDANTES FINALISTAS DA UNTL DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA CERIMÓNIA DE GRADUAÇÃO DOS ESTUDANTES FINALISTAS DA UNTL Centro de Convenções de Díli 26 de Novembro de 2012 Magnífico

Leia mais

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia,

Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro da Economia, ANGOLA NO CONTEXTO DA INTEGRAÇAO ECONÓMICA REGIONAL 29 de Setembro, 2015 Intervenção do Doutor Paolo Balladelli, Representante Residente do PNUD em Angola Sua Excelência, Doutor Abrahão Gourgel, Ministro

Leia mais

Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou

Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou 2 Celebrando 20 Anos de Liberdade e Democracia Em 27 de Abril de 1994, a África do Sul deixou de lado séculos de discriminação e opressão para formar uma nova sociedade construída sobre o fundamento da

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

DISCURSO DE ENCERRAMENTO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA REUNIÃO COM OS PARCEIROS DE DESENVOLVIMENTO DE

DISCURSO DE ENCERRAMENTO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA REUNIÃO COM OS PARCEIROS DE DESENVOLVIMENTO DE DISCURSO DE ENCERRAMENTO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA REUNIÃO COM OS PARCEIROS DE DESENVOLVIMENTO DE TIMOR-LESTE DE 2015 Díli 6 de Junho de 2015 Excelência

Leia mais

Declaração UM NOVO RUMO PARA PORTUGAL

Declaração UM NOVO RUMO PARA PORTUGAL Declaração UM NOVO RUMO PARA PORTUGAL Portugal precisa de um novo rumo. As graves crises que hoje vivemos exigem de nós um novo olhar, uma nova vontade e novas soluções. Um novo olhar para as suas causas

Leia mais

SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Brasília, 04 de maio de 2000 Muitos dos Senhores que estão aqui hoje me conhecem e podem portanto imaginar o quanto é importante e especial para mim este dia. Ver

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI

O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal. por Hossein Samiei. Conselheiro, Departamento Europeu do FMI O Papel Central das Reformas Estruturais no Programa Economico do Portugal por Hossein Samiei Conselheiro, Departamento Europeu do FMI Conferência Sobre Reformas Estruturais no Contexto do Programa de

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Proposta de ACORDO DE GOVERNO E DE COLABORAÇÃO POLÍTICA ENTRE O PSD E O CDS/PP

Proposta de ACORDO DE GOVERNO E DE COLABORAÇÃO POLÍTICA ENTRE O PSD E O CDS/PP Proposta de ACORDO DE GOVERNO E DE COLABORAÇÃO POLÍTICA ENTRE O PSD E O CDS/PP As eleições do passado dia 4 de Outubro deram à coligação integrada pelo PSD e pelo CDS/PP uma vitória clara, embora sem maioria

Leia mais

Sessão de Abertura do 3º Congresso Nacional de Medicina Tropical. 20 Abril 2015

Sessão de Abertura do 3º Congresso Nacional de Medicina Tropical. 20 Abril 2015 Sessão de Abertura do 3º Congresso Nacional de Medicina Tropical 20 Abril 2015 As minhas primeiras palavras são para saudar, na pessoa do Professor Paulo Ferrinho, todos os participantes neste Congresso

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 DE NOVEMBRO PALÁCIO DA REPÚBLICA

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal?

A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal? A sustentabilidade energética e a estratégia Europa 2020: Que oportunidade para um novo papel do poder local em Portugal? Como é do conhecimento geral, a Estratégia de Lisboa definida pela Comissão Europeia

Leia mais

POLÍTICA REIVINDICATIVA 2015-2016

POLÍTICA REIVINDICATIVA 2015-2016 POLÍTICA REIVINDICATIVA 2015-2016 Proposta para o Crescimento Económico e Social da RAM A UGT Madeira seguindo a linha de ação da UGT Portugal, que aprovou e tornou público, em Abril de 2015, o seu Guião

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto.

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Senhor Ministro da Administração Interna. Excelência. Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Excelentíssimo Senhor Vice-Procurador Geral

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL POSICIONAMENTO POLÍTICO DO DEPUTADO DO PAICV EUCLIDES CENTEIO SOBRE A LIBERDADE DE IMPRENSA

ASSEMBLEIA NACIONAL POSICIONAMENTO POLÍTICO DO DEPUTADO DO PAICV EUCLIDES CENTEIO SOBRE A LIBERDADE DE IMPRENSA ASSEMBLEIA NACIONAL POSICIONAMENTO POLÍTICO DO DEPUTADO DO PAICV EUCLIDES CENTEIO SOBRE A LIBERDADE DE IMPRENSA ESTE PARTIDO DA MAIORIA E DA TRANSFORMAÇÃO DE CABO VERDE, ESTE PAICV, TEM O PRAZER DE FELICITAR

Leia mais

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL

Eurobarómetro Standard 80. OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Eurobarómetro Standard 80 OPINIÃO PÚBLICA NA UNIÃO EUROPEIA Outono 2013 RELATÓRIO NACIONAL PORTUGAL Esta sondagem foi encomendada e coordenada pela Comissão Europeia, Direcção-Geral da Comunicação Este

Leia mais

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015

Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo. II Cimeira de Presidentes de Parlamentos. Lisboa, 11 de maio de 2015 Assembleia Parlamentar da União para o Mediterrâneo II Cimeira de Presidentes de Parlamentos Lisboa, 11 de maio de 2015 Senhora Presidente da Assembleia da República, Senhores Presidentes, Senhores Embaixadores,

Leia mais

Discurso de Abertura do Presidente da APAVT no 40º Congresso da Associação Pedro Costa Ferreira Évora, 5 de dezembro de 2014

Discurso de Abertura do Presidente da APAVT no 40º Congresso da Associação Pedro Costa Ferreira Évora, 5 de dezembro de 2014 Discurso de Abertura do Presidente da APAVT no 40º Congresso da Associação Pedro Costa Ferreira Évora, 5 de dezembro de 2014 (protocolo) Exmo. Senhor Vice Primeiro Ministro de Portugal, cumprimento o,

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA.

GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA. GANHAR AS ELEIÇÕES. GOVERNAR PORTUGAL. REVITALIZAR A DEMOCRACIA. 1. AFIRMAR UMA ALTERNATIVA DE GOVERNO O Partido Socialista tem de ganhar as próximas eleições legislativas com condições políticas, sociais

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 18 de maio de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

Um novo caminho para a Europa: Plano da CES para o investimento, crescimento sustentável e empregos de qualidade

Um novo caminho para a Europa: Plano da CES para o investimento, crescimento sustentável e empregos de qualidade Um novo caminho para a Europa: Plano da CES para o investimento, crescimento sustentável e empregos de qualidade Adotado na reunião do Comité Executivo da CES a 7 de Novembro de 2013 Introdução A situação

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

18.º FÓRUM EUROPEU DE WACHAU, NA ÁUSTRIA. Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro

18.º FÓRUM EUROPEU DE WACHAU, NA ÁUSTRIA. Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro 18.º FÓRUM EUROPEU DE WACHAU, NA ÁUSTRIA Wachau, na Áustria, 15 de junho de 2013 Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Começo, naturalmente, por saudar todos os presentes,

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por ocasião do Banquete de Estado

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento.

DISCURSO DE POSSE. Sinto-me extremamente honrado ao assumir a Presidência da ACISB/CDL nesta cerimônia, agradeço a Deus por este momento. DISCURSO DE POSSE Boa Noite a todos! Cumprimento o ex-diretor presidente Sebastião Calais, o Prefeito Leris Braga, o vice-prefeito Alcemir Moreira, o presidente da Câmara de Vereadores Juarez Camilo, o

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

Intervenção de Manuel Freitas Primeiro Candidato à Câmara Municipal de Felgueiras. Caros Camaradas e Amigos,

Intervenção de Manuel Freitas Primeiro Candidato à Câmara Municipal de Felgueiras. Caros Camaradas e Amigos, Intervenção de Manuel Freitas Primeiro Candidato à Câmara Municipal de Felgueiras Caros Camaradas e Amigos, Quero partilhar convosco a minha satisfação e o quanto me sinto honrado por ter recebido o convite

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino Magnífico Reitor, Senhoras Vice-Reitoras, Senhores Vice-Reitores Caras/os Colegas, Amigos, Estudantes e Funcionários Minhas Senhoras e Meus Senhores Regresso, hoje, a este espaço da Reitoria da Universidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Rua: Correia do Brito, N º 952, Ponta - Gêa / Telefax n º 843366531 Gabinete do Reitor

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Rua: Correia do Brito, N º 952, Ponta - Gêa / Telefax n º 843366531 Gabinete do Reitor INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Rua: Correia do Brito, N º 952, Ponta - Gêa / Telefax n º 843366531 Gabinete do Reitor IV CERIMÓNIA DE GRADUAÇÃO DISCURSO DO REITOR DO ISCTAC

Leia mais

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO

INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02. José Pedro AGUIAR-BRANCO INTERVENÇÃO ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2008.10.02 José Pedro AGUIAR-BRANCO Senhor Presidente Srs. Ministros Senhoras e Senhores Deputados 1. A segurança e a justiça constituem um pilar fundamental do Estado

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Carta ao povo brasileiro

Carta ao povo brasileiro Carta ao povo brasileiro O Brasil quer mudar. Mudar para crescer, incluir, pacificar. Mudar para conquistar o desenvolvimento econômico que hoje não temos e a justiça social que tanto almejamos. Há em

Leia mais

Encontro das Instituições Particulares de Solidariedade Social Católica da Diocese,

Encontro das Instituições Particulares de Solidariedade Social Católica da Diocese, Encontro das Instituições Particulares de Solidariedade Social Católica da Diocese, Data: 21 de Janeiro de 2012 Agradeço o convite do Senhor Bispo da Diocese de Bragança-Miranda para participar na oração

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, KAY RALA XANANA GUSMÃO, NA TERCEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE PEQUENOS ESTADOS-ILHA EM VIAS DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial Novas Oportunidades e Novos Riscos: As Perspectivas para a África Subsariana e Moçambique David Lipton, Primeiro Subdirector-Geral do FMI Fundo Monetário Internacional Universidade Politécnica, Maputo

Leia mais

Mensagem do 1º de Dezembro de 2012

Mensagem do 1º de Dezembro de 2012 Mensagem do 1º de Dezembro de 2012 Por S.A.R. o Duque de Bragança 1 Portugueses: Estamos a viver mais um 1º de Dezembro, o dia em que se afirmou a vontade de independência nacional e os portugueses disseram

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais