Como Investir em Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como Investir em Angola"

Transcrição

1 Como Investir em Angola 1

2 2 ANIP -Agência AgênciaNacional Nacionalpara parao InvestimentoPrivado A ANIP é a entidade governamental responsável pela execução da política nacional relativa ao investimento privado, sua promoção, coordenação e supervisão; Criada em 2003 por Decreto nº 44/03 de 4 de Julho de 2003.

3 Caracterização do País Situada na Costa Ocidental do Sudoeste Africano, é banhada pelo Oceano Atlantico; 1,246,700 Km² (481,354 sq. mi); milhas(1.650km) de costa; Fazfronteiracom o Congo Brazzaville, República Democrática do Congo, Zâmbia e Namíbia; 20,9 milhões de habitantes; LínguaOficial: Português; Religiões: Católica e Protestante; Ponto maisalto: Monte Moco(2,620 m) no Huambo; 3

4 Vantagens de Investir em Angola 4 Acesso a 12% dos Lençóis Aquáticos Africanos. Cujos principais rios são Kwanza, Zaire, Cunene e Cubango; Riqueza em Fauna e Flora; Diversidade de minérios: diamantes, ferro, ouro, fosfatos, manganês, cobre, chumbo, zinco, volfrâmio, tungsténio, Titânio, crómio, mármore, granito e urânio; 7,4 milhões de hectares de terra arável e pastos, dos quais menos de 3% estão cultivados; Microclimas; Estabilidade Política e Económica desde 2002; Uma das economias que mais cresce no Mundo;

5 5 Indicadores Macroeconómicos Pressupostos do OGE Produção Annual de barris(milhões) ,7 PreçoporbarrilemUSD Comportamento do Produto Nacional Crescimento PIB % ,8 Crescimento PIB não Petrolífero% ,5 crescimento do PIB Petrlífero% , ,4 Taxa Annual de Inflação% ,

6 Productos Países Importações Usd 15,74 biliões Usd 18,1 biliões Usd 21,4 biliões Maquinaria, equipamentos eléctricos, veículos motorizados, peças, medicamentos, productos alimentares, téxteise bens militares. Portugal, China, EUA, Brasil, Coréia do Sul, França, Holanda, Áfricado Sul Exportações Usd 40,083 biliões Usd 52,3 biliões Usd 60,9 biliões Petróleo,diamantes, sisal, peixe, madeirae algodão. China, EUA, França, África do Sul, Canadá,Índia, Taiwan

7 7 Evolução dos Investimentos Privados Ano Nº de Projectos Valor (Mil USD) , , , ,60 2º Semestre (a) ,94 (a) Lei nº 20/2011 de 20 de Maio de 2011: As propostas de investimento só foram recebidas a partir de Junho de 2011

8 8 Requisitos e Procedimentos USD 1 milhão Impresso de Candidatura Aprovação do regime contractual (ANIP) Aprovação do Regime Contractual (Titular Poder Executivo) Projectosde até USD 10 milhões (60 dias no máximo) Projectosacima de USD 10 milhões (75 dias no máximo)

9 Incentivos e Benefícios Fiscais 9

10 10 Tratamento favorável será concedido nas seguinte áreas: Infra-estruturas Ferroviárias, Rodoviárias, Portuárias e Aeroportuárias Indústria Transformadora Habitação social Agricultura e Pecuária Energia e Águas Telecomunicações e Tecnologias de Informação Indústria de Pescas e derivados, incluíndo a construçãobarcos de redes Hotelaria e Turismo

11 Zonas de Desenvolvimento Transferência dos dividendos Incentivos Fiscais Zona A Zona B Zona C (Luanda, principais municípios de Benguela, Lobito, Huila andcabinda) A partir de USD 50 milhões 1⁰Ano; De USD 10 milhões atéusd 50 milhões 2⁰Ano; De USD 1 milhão até USD 10 milhões -3º ano; (restantes municipios de Benguela, Cabinda, Huíla, Kwanza Norte, Kwanza Sul, Bengo, Uíge, Lunda Norte e Lunda Sul) A partir de USD 5 milhões 1⁰ano; De USD 1 milhão até USD 5 milhões 2 ano 11 (Huambo, Bié, Moxico, Kuando Kubango, Cunene, Namibe, Malange e Zaire) A ser negociado As percentagens de dividendos transferíveis serão negociados caso a caso e deverão ser incluídos no contrato da empresa.

12 12 Incentivos Fiscais Os lucros resultantes de investimento privado podem auferir de isenção ou redução do pagamento do imposto industrial, quando aplicados na: ZonaA,porumperíodode1a5anos; ZonaB,porumperíodode1a8anos; ZonaC,porumperíodode1a10anos; Na Zona C, a isenção e redução tributária podem ser concedidas a fornecedores secundários(subcontractors). Os incentivos fiscais serão concedidos após a implementação do projecto e desde que pelo menos 90% da força laboral estimada esteja activa. A redução percentual máxima a conceder não poderá exceder os 50%.

13 13 Tipos de Sociedade 1. Sucursal 2. Sociedade por Quotas 3. Sociedade Anónimas

14 14 Acordos de Protecção Recíproca de Investimento África Europa América Latina Cabo-Verde França Cuba Guiné Bissau Alemanha Namíbia Inglaterra Itália Portugal Holanda Espanha Suíssa Rússia

15 Oportunidades de Negócio 15

16 16 1. Sector de Transportes Estratégia Privatização; Sistema integrado de transportes; Ligar o sistema de transportes angolano ao da SADC; Instituições qualificadas para fazer o planeamento urbano; Órgãosreguladoresparacadatipo demeiosde transporte; Construir 3 corredores que comecem nos portos e terminem nos caminhos de ferro; Revitalização do transporte marítimo e sistema de distribuiçãopararestabelecera competitividade de empresas nacionais; Modernização dos portos;

17 Áreas de Investimento Estradas Transporteinterprovincial e intermunicipalde passageiros; Transporte de mercadorias de médio e grande porte; Estuda-se a propostade incentivosparataxis individuais Caminhos de Ferro O Estado é donodas companhiasferroviáriascfl, CFB e CFM; Área aberta à investimentos em todas as suas vertentes; O Governo aprovou um estudo preliminar, o Ango Ferro para melhorar, construir e ampliar todas as linhas de caminho de ferro angolano. Corredores Malange, Lobito and Namibe, criados pelo governo; Sector público e o privado podem investir; Desdequedêemacessoaomar à paísesnãolitorâneose por consequência estimulem o desenvolvimento regional; 17

18 Áreas de Investimento Portos Aberto ao investimentos; Porto que pode ser arrendado: Luanda Portos em uso: Lobito, Namibe, Cabinda, Soyo e Porto Amboim; Transporte Marítimo Tanto a navegação costeira e transporte marítimo internacional em Angola são actividades liberalizadas; Aviação Actividade liberalizada para transporte aéreo nacional; Transporte aéreo internacional é uma atividade condicionada pelo exercício de direitos de tráfego a ser negociado com a companhia aérea nacional; O investimento privado é possível no processo de remodelação de infraestrutura e prestação de serviço; 18

19 Sector de Transportes Projectos Aumento da capacidade de transporte rodoviário; Remodelação dos camainhosde ferro de Luanda (CFL), Ferroviária de Benguela (CFB) e Ferroviária Moçâmedes (CFM); Implementação do projeto SITLOB; Remodelação do Porto do Lobito, do Namibe, Soyo e Amboim; Construção do porto seco de Viana; Aquisição de equipamentos de ajuda à navegação marinha; Regeneração da infraestrutura aeronáutica; Aquisição de equipamentos de Aviação e de ajuda à navegação; Formação profissional; 19

20 2. Sector das Telecomunicações Delimitação de sectores de lei -Lei nº 5/02 de 16 de abril de 2002; -Reserva absoluta de Estado: rede básica de telecomunicações; -Reserva relativa de Estado: serviços de telecomunicações de uso público e as actividades económicas susceptíveis de serem contratados por entidades não pertencentes ao setor público, por meio de um contrato de concessão. Desafios -Aumentar a concorrência no mercado de telefonia; - Melhorar os serviços de Internet e universaliza-lo; - Melhorar a oferta de segmento corporativo; - Regular duopólio da televisão paga; 20

21 3. Sector de Energia Iniciativas: Modernizar e expandir a capacidade de produção de electricidade; Promover o desenvolvimento da rede eléctrica nacional, incluindo os sistemas Norte/Central e Central/Sul; Promover o desenvolvimento de pequenas centrais hidro-eléctricas para a electrificação das zonas rurais); Colocar em prática o Programa Nacional de Electrificação, que inclui o desenvolvimento de novas fontes de energia; Aumentar e diversificar a produção de electricidade utilizando a energia derivada da água, energia eólica, solaredefontesdebiomassa; Reorganização institucional do sector eléctrico, com a possibilidade de criação de empresas privadas para a produção e distribuição de electricidade; 21

22 Sector de Energia 22 Producção de Energia O sector está a ir de sua capacidade instalada de MW à 5,500 MW no prazo de 5 anos; O governo planeia entregar à operadores privados, por meio de concursos públicos, para construção e operação; Parceria público-privada Revisão da Lei Geral de Electricidade; Esta inclui a produção e distribuição de energia por entidades privadas no âmbito das concessões do Governo; Sistema de geração de energia Norte: Luanda, Bengo, Malange, Kwanza Norte e Kwanza Sul; Centro: Benguela e Huambo; Sistema Sul: Huíla e Namibe;

23 4. Sector de Águas Angola é o segundo país mais dotado em África em termos de recursos hídricos com chuvas intensas em quase todo o país; 60% de Angola regista uma chuva média anual de cerca de 1000mm Apenas 50% da população tem acesso à água potável e só 16% tem água canalisada; 23 Vale investir na infraestrutura das cidades, redes de alongamento, tratamento de água, abastecimento e no sistema de esgoto.

24 5. Sector da Agricultura e Gado 24 Vantagens Mercado interno potencial; 3 milhões de hectares de solo arável, Condições climáticas favoráveis; Biodiversidade e ambiente sem solos, água ou atmosfera poluídos; Existência abundante de água; Zonas mais irrigadas: Bengo, Cabinda, Luanda e Huíla Principais Plantações: tubérculos, cereais e frutas

25 25 Sector da Agricultura e Gado Programas do Governo Promoção do agro-negócio Agroindústrias, Exploração sustentável dos recursos florestais; Regulamentos veterinários e sanitários; Construção e reabilitação de infraestruturas de áreas irrigadas, armazéns e silos; Pesquisa e desenvolvimento Capacitação e treinamento Promoção do crédito rural

26 26 Invista no futuro, Invista em Angola! PowerPoint por: Ana Karina Silva, Processado por: T. Veiga Revisado por: Maria Luísa Abrantes, Tradizido por: Lynn de Albuquerque

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

COMO INVESTIR EM ANGOLA

COMO INVESTIR EM ANGOLA 1 COMO INVESTIR EM ANGOLA FINANCIAMENTO ÀS INFRAESTRUTURAS, À AGRICULTURA E AGRO-INDÚSTRIA 26 de Maio de 2014 Apresentação de: Maria Luísa Abrantes, PhD Secretária de Estado e PCA da ANIP 2 ANIP - Agência

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA

Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO PORTUGAL ANGOLA Luís Conceição Jorge Dias OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO CAPITAL: LISBOA CAPITAL: LUANDA AIA Março 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Caracterização do Mercado Angolano 1,2 milhões de Km2 Fronteiras com RDC, Zâmbia

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Operações de investimento estrangeiro (%) Outros investimentos 2 Processo de investimento externo Reinvestimento externo ETAPAS DE INVESTIMENTO 3 INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte:

LEI N.º /03. de de. Nestes termos, ao abrigo da alínea f) do artigo 90º da Lei Constitucional, a Assembleia Nacional aprova a seguinte: LEI N.º /03 de de A existência de uma Lei Geral Tributária é hoje corrente em muitos Estados, representando um instrumento de racionalização, de estruturação e de estabilidade dos sistemas tributários.

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO

Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado. LEI No.17/03 de 25 de JULHO Lei sobre os Incentivos Fiscais e Aduaneiros ao Investimento Privado LEI No.17/03 de 25 de JULHO Artigo 1.º Âmbito da aplicação A presente lei regula os procedimentos, os tipos e modalidades de concessão

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA

AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA AS INFRAESTRUTURAS DOS TRANSPORTES EM ANGOLA LUANDA, 26 DE MAIO DE 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Potenciais áreas para o investimento público e privado. 1. PRINCIPAL ORIENTAÇÃO DO SECTOR

Leia mais

Potencial de Desenvolvimento e o Plano de Desenvolvimento Económico da Província de Cabinda

Potencial de Desenvolvimento e o Plano de Desenvolvimento Económico da Província de Cabinda GOVERNO PROVINCIAL DE CABINDA Fórum Empresarial Angola- USA Potencial de Desenvolvimento e o Plano de Desenvolvimento Económico da Província de Cabinda GOVERNO PROVINCIAL DE CABINDA Agenda Sociedade Angolana

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por:

PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: PROGEST, fundada no ano de 1989 em Luanda, Angola como uma Empresa de Projectos Técnicos, Consultoria e Gestão, por: Manuel Alfredo Resende de Oliveira (Engenheiro Civil Instituto Superior Técnico) Valério

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA GABINETE DO SECRETARIO DE ESTADO 1 Caracterizacao do Sector Industrial; Os Grandes Objectivos do Sector Industrial e as Accoes em curso; As Infra-estruturas de Apoio as Actividades Produtivas; As Oportunidades de Negocios no Sector Industrial

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

Investir em Angola. 1-Incentivos a) Local Estratégico b) Exportação c) Recursos Naturais d) Investidores Estrangeiros

Investir em Angola. 1-Incentivos a) Local Estratégico b) Exportação c) Recursos Naturais d) Investidores Estrangeiros Investir em Angola 1-Incentivos a) Local Estratégico b) Exportação c) Recursos Naturais d) Investidores Estrangeiros 2-Razões para Investir a) Estabilidade Económica e Militar 3-Investimento Estrangeiro

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009

SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 I-INTRODUÇÃO II-SITUA SITUAÇÃO ACTUAL E PROJECTADA NOS PLANOS NACIONAIS E NO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 II-PRIORIDADES DO PROGRAMA EXECUTIVO DO SECTOR ELÉCTRICO DE 2009 IV CALENDÁRIO

Leia mais

Condições Legais de Acesso ao Mercado

Condições Legais de Acesso ao Mercado Condições Legais de Acesso ao Mercado Página 1/10 Índice 1. Regime Geral de Importação 2 2. Regime de Investimento Estrangeiro 6 3. Quadro Legal 7 Página 2/10 1. Regime Geral de Importação No contexto

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana

Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana Número 11 6 de Julho 2010 Serviço Grupagem Aérea para Luanda, agora também disponível com saídas do Porto nos voos de fimde-semana Para mais informações contacte-nos através do email comercial.africa@rangel.com

Leia mais

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007.

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007. JURISTEP OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos Maio, 2007. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário

Leia mais

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Aprovação da nova Lei do Investimento Privado em Angola Lei nº 14/15, de 11 de Agosto Investimento Privado Para efeitos da presente Lei, considera-se

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda

Programa de Transformação do Sector Eléctrico. Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda Programa de Transformação do Sector Eléctrico Apresentação na Conferência 30 e 31 de Maio de 2013 Luanda 30 de Maio de 2013 1 Programa de Transformação do Sector Eléctrico Agenda 1. Enquadramento do Programa

Leia mais

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico

PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico PTSE Programa de Transformação do Sector Eléctrico João Saraiva Engenheiro Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA E ÁGUAS INTERNATIONAL

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE República de Angola MINISTÉRIO DO AMBIENTE PLANO DE ACÇÃO NACIONAL SOBRE MARFIM NIAP 2015-2016 12 de Fevereiro de 2015 0 Abreviatura: DINIC DIPIC DNB DNF IDF INBAC INTERPOL ME MINHOTUR MINJDH NIAP UNODEC

Leia mais

Desafios da Regulação Regional

Desafios da Regulação Regional Desafios da Regulação Regional A perspectiva da Movicel no contexto da implementação da nova rede G/ U Carlos Brito Data: 14 de Abril de 2011 Agenda 01. A Movicel no contexto das Telecomunicações Móveis

Leia mais

Sistema Financeiro Angolano Breve Apresentação

Sistema Financeiro Angolano Breve Apresentação Sistema Financeiro Angolano Breve Apresentação I Encontro das Instituições Financeiras da CE-CPLP Amilcar Silva Lisboa, 2 de Julho 2014 Índice I. Apresentação do Sistema Financeiro Angolano 1. Sistema

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos SUMARIO 1-Quem somos, onde estamos -localização geoestratégica, CV em números 2-Nossa economia

Leia mais

RESUMO DA DESPESA DO ÓRGÃO POR PROGRAMA

RESUMO DA DESPESA DO ÓRGÃO POR PROGRAMA Página : 1 de 18 Assembleia Nacional Presidência Da República Prog. De Reestrut.E Modern. Das Forças De Def. E Segurança Gabinete Do Vice-Presidente Da República Tribunal Constitucional Programa De Desenv.

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS ANGOLA: QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS Porto, 06 de Março de 2012 ÍNDICE Parte I Parte II FORMAS DE REPRESENTAÇÃO SOCIEDADES SUCURSAIS E ESCRITÓRIOS DE REPRESENTAÇÃO Parte III ASPECTOS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL

Leia mais

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde 2011 / Portugal 2012 / Brasil 2013 / Angola 2014 / Cabo Verde Índice: - Porquê GetOut? - O Congresso do Empreendedor Lusófono - Angola - Missão ao Congresso Porquê GetOut? Portugal: Crescimento económico

Leia mais

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário Cidade Maputo, 23 de Abril de 2015 CONTEÚDO Papel

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China

República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China República de Angola Ministério das Finanças Gabinete de Apoio Técnico Linha de Crédito/Eximbank da China COBERTURA DE RISCO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO DE ORIGEM PORTUGUESA COSEC RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA ACTUALIZAÇÃO DA PREVISÃO SAZONAL PARA A ÉPOCA 2013/2014 REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO-FEVEREIRO-MARÇO DE 2014 JANEIRO, 2014 LUANDA-ANGOLA 1 1. INTRODUÇÃO Os peritos da área do clima dos países da Comunidade

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

ANGOLA, NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS 1*

ANGOLA, NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS 1* ANGOLA NEGÓCIOS E INVESTIMENTOS 1* 1. Informação geral sobre o país - Designação oficial: República de Angola; - Superfície: 1.246.700 km2; - Extensão da Costa Atlântica: 1.650 Km; - Fronteiras Terrestres:

Leia mais

Tendências Económicas e Oportunidades de Negócio e Investimento em Angola Fórum Económico e Empresarial Angola-Itália

Tendências Económicas e Oportunidades de Negócio e Investimento em Angola Fórum Económico e Empresarial Angola-Itália Tendências Económicas e Oportunidades de Negócio e Investimento em Angola Fórum Económico e Empresarial Angola-Itália 08 de Abril de 2014 Ministério da Economia Agenda 1. Apresentação de Angola 2. Política

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Memorando Sobre o Estado da Cooperação entre a República de Angola e a União Europeia

Memorando Sobre o Estado da Cooperação entre a República de Angola e a União Europeia REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO PLANEAMENTO UNIDADE TÉCNICA E ADMINISTRATIVA PARA A COOPERAÇÃO ACP-CE Memorando Sobre o Estado da Cooperação entre a República de Angola e a União Europeia Junho de 2003

Leia mais

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009

Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Luanda Electricidade um factor estratégico de crescimento e desenvolvimento Segunda Conferência RELOP Cabo Verde 6, 7 e 8 Julho de 2009 Declaração de VISÃO & MISSÃO (o que queremos ser) Consolidar e Liderar

Leia mais

O Sector Ferroviário na CPLP (Angola e Moçambique)

O Sector Ferroviário na CPLP (Angola e Moçambique) @ O Sector Ferroviário na CPLP (Angola e Moçambique) 27 de Setembro, 2012 Conteúdo 1. Quem Somos 1.1. Um Projecto Corporativo 1.2. O Nosso Caminho 1.3. As Nossas Áreas de Intervenção 1.4. As Nossas Credenciais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO (PALÁCIO DE VIDRO LUANDA AV. 4 DE FEVEREIRO, 7 ) 0 BEM VINDOS A CONFERÊNCIA E EXPOSIÇÃO IPAD ANGOLA 1 PALESTRA SOBRE PROGRAMA DE CONEXÃO DAS ZONAS REMOTAS COM AS GRANDES CIDADES-

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique. Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio

Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique. Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio Workshop Internacionalização - Angola e Moçambique Moçambique: Caracterização do Mercado e Oportunidades de Negócio 6 de Março de 2012 1 Agenda Dados Demográficos dados Sociais dados Políticos dados Económicos

Leia mais

Bem vindos. Desafio de Angola

Bem vindos. Desafio de Angola Bem vindos Desafio de Angola República de Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte e a nordeste pela República Democrática do Congo, a leste pela Zâmbia,

Leia mais

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social

Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Mário de Jesus Economista Membro fundador do FRES Fórum de Reflexão Económica e Social Se tivermos em atenção os factos, comprovados pelos registos e estatísticas mais ou menos oficiais, de cariz económico,

Leia mais

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas Internacionalização e Promoção Externa Leça da Palmeira, 26 de Junho de 2008 A/C Direcção Comercial/Exportação

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Dados Pessoais: Naturalidade: Beira. Mandato: 2015/2017. Vice-Presidente do Conselho de Administração, WHATANA INVESTMENTS CORP

Dados Pessoais: Naturalidade: Beira. Mandato: 2015/2017. Vice-Presidente do Conselho de Administração, WHATANA INVESTMENTS CORP Dados Pessoais: Data de nascimento: 25 de Março de 1952 Naturalidade: Beira Nacionalidade: Moçambicana Cargo: Presidente do Conselho de Administração Início de Funções: 2015 Mandato: 2015/2017 Cargo que

Leia mais

Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos.

Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos. Solidário com Angola, o Microcrédito Sol apoia cada vez mais angolanos. Conheça agora 14 testemunhos reais de pessoas que já beneficiaram da ajuda do Microcrédito Sol. Pessoas que acreditaram em si e nas

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 01. A REDE NACIONAL DE PLATAFORMAS LOGISTICAS 01. INTRODUÇÃO 02. PRIORIDADES NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS 02.

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos

Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos 1 /9 Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos Moçambique tem efectuado um esforço de desenvolvimento muito significativo, procurando fundar sustentadamente o seu processo de crescimento.

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P. ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P).

Leia mais

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009

PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009. Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 JORNADAS TÉCNICAS SUBSAHARIANAS DE ÁGUA E SANEAMENTO PROGRAMA DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO DE ANGOLA EM 2009 Apresentado por: Pedro Silva (DNA/SEA) Maio de 2009 1-CONSTRUÇÃO

Leia mais

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Excelência, Senhor Vice Governador da Província de Benguela, Dr. João Felizardo em representação do Engº Isaac Francisco Maria dos

Leia mais

9. PROJECTOS ESTRUTURANTES PRIORITÁRIOS

9. PROJECTOS ESTRUTURANTES PRIORITÁRIOS 9. PROJECTOS ESTRUTURANTES PRIORITÁRIOS 9.1. Estruturantes - Conceito 132. Os projectos estruturantes (PE) são investimentos de dimensão significativa, de natureza pública ou privada, que concorrem para

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 Tema de Pesquisa: Internacional 07 de Dezembro de 2012 Revista de Imprensa 07-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 2. (PT) -

Leia mais

PANORAMA MERCADO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

PANORAMA MERCADO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PANORAMA MERCADO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Resumo Setor de Bens de Capital Dados Gerais Mercado Internacional Programa Brazil Machinery Solutions; Dados de Exportação; Ações - África Panorama de Moçambique;

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, presidiu hoje, no Palácio Presidencial da Cidade Alta, à reunião do Sector Produtivo, que tinha na sua agenda o relatório das

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

I. TENDÊNCIAS GLOBAIS: MUNDIAL

I. TENDÊNCIAS GLOBAIS: MUNDIAL I. TENDÊNCIAS GLOBAIS: MUNDIAL Após períodos de crescimento na movimentação global de contentores por via marítima a crise económica mundial provocou, em 2009, uma quebra dessa tendência, que está agora

Leia mais

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA Índice 1. Introdução 2 2. Angola: Características e dados económicos 3 2.1 Informação Geral 3 2.2 Indicadores Económicos 3 2.3 Oportunidades de Comércio e Investimento em

Leia mais

LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Angola Com o Apoio ÍNDICE p. 3 PREÂMBULO TÍTULO I Disposições Gerais Capítulo I Objecto, Definições e Âmbito Artigo 1. (Objecto) Artigo 2. (Definições) Artigo 3. (Âmbito) Artigo

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola

Apresentação Institucional. FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola Apresentação Institucional FERMAT Materiais de Construção, S.A. Luanda, Janeiro de 2010 - Republica de Angola 1 Índice 1. Grupo Importrading 2. Fermat Company Profile 3. Produtos comercializados 4. Nova

Leia mais

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA

GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA GUIA DE INVESTIMENTO EM ANGOLA Índice 1. Introdução 2 2. Angola: Características e dados económicos 3 2.1 Informação Geral 3 2.2 Indicadores Económicos 3 2.3 Oportunidades de Comércio e Investimento em

Leia mais

www.h3p.pt Um parceiro para o Desenvolvimento de Angola

www.h3p.pt Um parceiro para o Desenvolvimento de Angola www.h3p.pt Um parceiro para o Desenvolvimento de Angola A H3P, UM PARCEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO EM ANGOLA APRESENTAÇÃO A h3p, Engenharia e Gestão, S.A., é uma empresa de direito angolana, constituída

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

Lei n.º 20/11 de 20 de Maio - Lei do Investimento Privado -

Lei n.º 20/11 de 20 de Maio - Lei do Investimento Privado - Lei n.º 20/11 de 20 de Maio - Lei do Investimento Privado - Página 1/54 O investimento privado, a par do investimento público, continua a ser uma aposta estratégica do Estado, para a mobilização de recursos

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público

República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público República de Angola MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Uma experiência de Gestão da Qualidade pelo Normativo Internacional ISO 9001 num Organismo Público Depois de inflação de 3 dígitos em 2002 Consolidação Macroeconómica

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Angola Dossier de Mercado Julho 2010 Índice 1. O País 5 1.1 Angola em ficha 5 1.2 Organização política e administrativa 6 1.3 Recursos e estrutura produtiva 6 1.3.1 Agricultura,

Leia mais

A Bancarização da Economia em Angola

A Bancarização da Economia em Angola A Bancarização da Economia em Angola O que os dados estatísticos nos dizem Níria Lopes Oramalu V Fórum de Economia e Finanças 11 de Dezembro de 2013 Agenda 1. Indicadores de Bancarização 2. Disponibilidade

Leia mais

MERSADEV. www.mersadev.co.ao MERSAGROUP

MERSADEV. www.mersadev.co.ao MERSAGROUP MERSADEV www.mersadev.co.ao MERSAGROUP O QUE NOS DIFERENCIA MÉTODO FLEXÍVEL RESULTADOS FORMAÇÃO 80% PRÁTICA GESTÃO DE PROJECTO QUALITY CONTROL DISPONIBILIDADE QUALQUER HORÁRIO NA SUA EMPRESA 90% DE SATISFAÇÃO

Leia mais

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt

Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Aspectos Relevantes para Investidores Arial Bold Alinhado esquerda 27 pt Portugueses em Angola Arial Bold (Orador) Alinhado esquerda 17 pt Arial (Data) Alinhado esquerda 14 pt Partilhamos a Experiência.

Leia mais

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar -

O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO - Uma Visão Complementar - O SISTEMA ELÉCTRICO ANGOLANO Adolfo Steiger-Garção Professor Catedrático FCT-UNL / UNINOVA CTS Francisco Reis Professor ISEL / UNINOVA CTS Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Distribuição e Logística em Angola. Data Novembro 2005

FICHA TÉCNICA. Título Distribuição e Logística em Angola. Data Novembro 2005 FICHA TÉCNICA 2 Título Distribuição e Logística em Angola Data Novembro 2005 Promotor/Editor AIP/CCI Associação Industrial Portuguesa / Câmara de Comércio e Indústria Projecto Acção de Promoção Integrada

Leia mais