Edition n 51 - le 22 juin 2010 Journal franco-portugais gratuit P.5: Despedida No discurso do 10 de Junho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edition n 51 - le 22 juin 2010 Journal franco-portugais gratuit P.5: Despedida No discurso do 10 de Junho"

Transcrição

1 dition n 51 - le 22 juin 2010 Journal franco-portugais gratuit P.5: espedida Portugalnet uarte ué lves deixa a mbaixada de Portugal em ruxelas, e despede-se da omunidade. P.13: esta o discurso do 10 de Junho avaco ilva apela para investimento dos emigrantes Portugalnet esta do 10 de junho juntou Portugueses na Place lagey. usa - iguel opes

2 2 pinião usojornal elgique n 51 - juin 2010 iche technique usojornal élgica dité par: niki ommunications 47 avenue de talingrad itry sur eine - rance t par: ssociation pour la promotion de la culture lusophone en elgique P, asbl Zeenstraat, terrebeek - elgique Pagination: usojornal irecteur de la publication: arlos Pereira irecteur adjoint: Paulo arvalho olaboraram nesta edição: lara eixeira anuel artins ylvie respo ntónio atalina José opes rancisco arradas orácio ernandes ontact: istribution: Portugalnet onsulting Publicité: P, asbl el : 0032 (0) es publicités sont de la responsabilité des annonceurs! mpression: orélio Print elgique exemplaires usojornal est un concept de niki ommunications. usojornal est gratuit rónica de opinião eflexões sobre a corrupção ntónio anuel Pereira da osta Pinto ic. iências ociais, ociologia, ruxelas epois de alguns anos, numerosas vozes se elevam denunciando os efeitos da corrupção. fenómeno desta prática que atravessa a sociedade em geral, ao contrário do que se possa pensar, não é um fenómeno recente mas bem antigo e epidémico. É o grassar da corrupção que leva a deduzir que tal nunca tenha ocorrido como acontece nos nossos dias. e facto assim é, em virtude das proporções que o fenómeno tomou, desvendando situações longe de serem imaginadas e envolvendo pessoas que à priori estavam acima de toda suspeita. corrupção internacionalizou-se consideravelmente depois de alguns anos, graças ao aparecimento de intermediários especializados que, aproveitando-se da inexistência de uma regulamentação jurídica e económica, puderam agir com toda a liberdade utilizando os paraísos fiscais e os circuitos de branqueamento de capitais. palavra corrupção provém do latim corruptus e significa tornar pútrido, podre. onselho da uropa define a corrupção como a utilização e abuso do poder público a fins privados. Kofi nnan então ecretário das ações nidas declarou na onvenção ontra a orrupção: corrupção é um mal insidioso cujos efeitos são múltiplos. la provoca danos à democracia, ao estado de direito e aos direitos do homem; falseia a sã concorrência dos mercados, danifica a qualidade de vida e cria um terreno propício à criminalidade organizada, ao terrorismo e a outros fenómenos que ameaçam a humanidade. convenção das ações nidas contra a corrupção entrou em vigor em ezembro de 2005 e tinha então sido ratificada por 140 stados membros da. empre que se fala de corrupção, fala-se de algo que subverte uma ordem de regularidade e de confiança. É a corrupção administrativa que atira a atenção das autoridades internacionais que se dedicam ao combate da mesma, em virtude de serem os agentes públicos e os funcionários da administração a deterem um importante poder de decisão. acto considerado crime de corrupção pode variar em função das leis existentes em cada país. Por exemplo, obter ajuda financeira para uma campanha eleitoral, é um acto criminoso em países em que todos os valores gastos nessas campanhas devem provir do erário público, ao contrário de outros, em que a doação financeira é totalmente legal. ó a título de curiosidade, no exas (), a indústria farmacêutica versou 13,2 milhões de dólares aos candidatos eleitorais das eleições entre 1996 e É de salientar, que a corrupção não é um crime sem vítimas. la é um sério obstáculo ao normal funcionamento das instituições e revela-se como uma ameaça ao stado de direito prejudicando o relacionamento entre os cidadãos e a administração. e facto, quando se torna endémica, os fundos públicos deixam de ser investidos em projectos prioritários ou infra-estruturas realmente necessárias, ou custam bem mais do que inicialmente previsto, condicionando o normal desenvolvimento de um país. corrupção é um crime público, daí que as autoridades estejam obrigadas a investigar a partir do momento em que tomam conhecimento da sua existência. ó através de um efectivo funcionamento das instituições democráticas, de um direito da concorrência implementado de forma rigorosa e de um controlo rigoroso por parte dos órgãos fiscalizadores, se poderá combater uma prática tão nefasta. cultura da complacência ou displicência em relação à corrupção, tem-se notado na não produção de legislação que puna este fenómeno de uma forma assaz severa, impedindo por si só, como meio persuasivo, de se cair na tentação de tal prática. s e outras autoridades, têm chamado a atenção para derrapagens no custo final de certas obras fruto por vezes de programação inadequada ou deficiente concepção dos projectos a que urge pôr cobro. Por outro lado, a opacidade que envolve certos processos judiciais sobre a corrupção (que de início, tal como uma corrente de lava incandescente que tudo leva à sua frente, posteriormente se deixa fundir num magma frio sem outras consequências a não ser uma inércia solidificada), permitem vislumbrar a existência de interesses transversais que atravessam todo o tecido social. ax Weber ligava estreitamente a corrupção e a vida política das democracias, que supunha o aparecimento de profissionais da política, que vivem da política e não para a política. Para ele, somente uma classe de políticos com fortuna pessoal poderiam transmitir à política a sua pureza. ord cton afirmou que o poder tende a corromper - e o poder absoluto corrompe absolutamente. usojornal vai de férias aros leitores, arlos Pereira iretor do usojornal omo todos os anos, o uso- Jornal élgica suspende a sua edição durante os meses de julho e agosto. oltaremos, como habitualmente, em setembro, com mais notícias da omunidade portuguesa radicada na élgica. urante estes 10 últimos meses mantivemos uma presença constante nos principais pontos de passagem dos Portugueses residentes na élgica, sempre com distribuição gratuíta. Por isso impõe-se agradecer aqui, publicamente, aqueles que distribuem o jornal. em hajam! urante os próximos dois meses, os Portugueses que residem no estrangeiro rumam em direção de Portugal. esta vaga anual, seguem certamente muitos dos nossos leitores, dos nossos colaboradores e dos nossos clientes. om o tradicional conselho de prudência, formulamos a todos, votos de oas érias. té setembro. bonnement ui, je veux recevoir chez moi, 10 numéros de usojornal (20 euros). on nom et adresse complète (j écris bien lisible) enhor empresário tenha confiança om Prénom dresse: ode el. : a date de naissance: ille J envoie ce coupon-réponse avec un chèque de 20 euros à l ordre de l P, à l adresse suivante : ssociation pour la promotion de la culture lusophone en elgique P, asbl Zeenstraat, terrebeek - elgique no usojornal

3

4 4 10 de Junho usojornal elgique n 51 - juin 2010 Por ocasião do ia de Portugal, de amões e das omunidades Portuguesas ensagem do Presidente da epública às omunidades Portugueses e luso-descendentes, os Portugueses da diáspora, dirijo uma saudação calorosa, neste dia que é de todos nós. 10 de Junho é a data que convoca todos os Portugueses,onde quer que se encontrem.odos são chamados a um reencontro com o seu país, com a terra das suas raízes,num dia que é de Portugal, de amões e das omunidades Portuguesas. omo Presidente de todos os Portugueses, é com particular satisfação que hoje vos falo. s Portugueses que vivem e trabalham no estrangeiro constituem uma parte da ação que muito respeito e valorizo.s omunidades portuguesas, incluindo os luso-descendentes, são um exemplo que muitas vezes tenho sublinhado. m exemplo que é, ao mesmo tempo, comovente, inspirador e mobilizador. inguém fica indiferente ao ver o modo como os Portugueses residentes no estrangeiro persistem em manter vivos os laços que os ligam a Portugal. rgulhamo-nos ao verificar como as omunidades portuguesas souberam adaptar-se e estabelecer laços nos países de acolhimento. legramo-nos com o prestígio que aí alcançaram, prestígio que muito contribui para a afirmação de Portugal no Por ocasião do ia de Portugal m 2005 o overno assumiu um compromisso com os Portugueses residentes no estrangeiro que consiste em garantir o exercício dos direitos de cidadania em plano de igualdade com os demais cidadãos residentes em Portugal, definindo um novo enquadramento da responsabilidade político-institucional em matéria de ligação às omunidades. inco anos volvidos parece oportuno registar as reformas que simbolizam a mudança então anunciada e deram corpo à necessidade de executar políticas consistentes com esse propósito. odernizaram-se os postos da rede consular facilitandose, substancialmente, a relação dos cidadãos da iáspora com a dministração Pública, permitindo qualidade nos serviços prestados e agilidade na obtenção da mais diversa documentação. oje não há, salvaguardadas as realidades respectivas, diferenças de tratamento entre os Portugueses residentes e não residentes. Portugal foi e é pioneiro na dotação de novos meios tecnológicos nas estruturas diplomáticas colocadas ao serviço dos seus nacionais. criação do onsulado irtual é um avanço significativo, em paralelo com a introdução do artão do cidadão cujas capacidades electrónicas de certificação do utente vem potenciar a simplicidade de relação, via web, com a rede consular. par com muitas outras realizações programáticas deu-se corpo a uma nova e mais responsabilizante relação com aqueles que um dia tiveram que procurar, no estrangeiro, melhores condições de realização. Presidência níbal avaco ilva, discursa no 10 de junho, em aro undo, como em várias ocasiões pude testemunhar. econforta-me, além disso, saber que nelas reina um claro espírito de solidariedade em relação àqueles mais atingidos pelos efeitos da crise que afecta os países onde trabalham. vosso exemplo é inspirador e mobilizador para os Portugueses que residem em território nacional., sobretudo, nos tempos de crise que vivemos, também a acção da iáspora pode dar um importante contributo para que Portugal vença as dificuldades do presente e reencontre um caminho de crescimento económico sustentado e de melhoria das condições de vida dos cidadãos. vosso contributo representa uma mais-valia para Portugal e pode ser dado aos mais diversos níveis. esde logo, os Portugueses da diáspora serão bem-vindos se decidirem apostar no seu país de origem, investindo, criando riqueza, gerando emprego. cresce que as omunidades portuguesas podem ser preciosos pontos de contacto para que as nossas empresas aumentem a sua capacidade ra um dever fazê-lo em nome da memória desse passado que levou gerações inteiras para fora do país. e igual modo houve um forte investimento no acompanhamento das necessidades e preocupações nos mais diversos domínios, desenvolvendo intensos programas de relacionamento bilateral com os países de acolhimento, promovendo ou actualizando acordos bilaterais. tribuíram-se ainda novas missões de diplomacia ao nível da respectiva área consular, reforçando, por essa via, as relações com as autoridades regionais em cada país. ubsiste, contudo, um deficit na mobilização para uma maior interacção na economia. a sua relação com a iáspora o país tem desperdiçado o enorme potencial que reside na incomensurável riqueza de relações económicas por estabelecer e tem vivido apegado a uma muito constante ligação ao mercado da saudade. ndependentemente de outros caminhos que possam ser percorridos, parece oportuno reinterpretar as emoções que a saudade anuncia e trazer, à economia nacional, essa realidade tangível que constitui o universo de mais de 120 mil empresários portugueses e luso-descendentes que são actores do desenvolvimento nos mais distintos países de acolhimento. complexidade da construção da nião uropeia, onde Portugal se insere, associada à mais grave crise financeira mundial de que há memória, nos tempos modernos, traz desafios permanentes que apelam à mobilização de molde a recriar instrumentos de maior proximidade entre todos os cidadãos para que o stado possa consolidar-se como factor de construção social. desafio está lançado através da criação da primeira política pública dirigida aos empresários da iáspora etnvest - proporcionando todas as capacidades da rede diplomática e consular na ajuda ao estabelecimento de uma via verde no de colocar produtos nacionais no mercado externo e para que mais estrangeiros visitem Portugal, para negócios ou para conhecerem as nossas paisagens, a nossa cultura, a nossa história. chave da recuperação económica de Portugal reside no aumento das exportações de bens e de serviços. partilha de conhecimentos e informações entre Portugueses que vivem no território nacional e aqueles que vivem e trabalham em outras partes do mundo é da maior relevância para a realização deste objectivo. É hora de apelar à união de todos os Portugueses, onde quer que se encontrem. m nome das responsabilidades que temos perante o futuro, perante os nossos filhos e netos.para que as novas gerações nos recordem como aqueles que, nos momentos decisivos,não viraram a cara e estiveram à altura do que a situação lhes exigia. s Portugueses da diáspora e os luso-descendentes são um exemplo. É também por isso que vos saúdo e vos dirijo uma especial palavra de apreço e reconhecimento, em nome de Portugal, a nossa terra, a terra onde tudo começou. níbal avaco ilva Presidente da epública ensagem do ecretário de stado das omunidades usa - stela ilva ntónio raga, ecretário de stado das omunidades acesso à melhor informação para o investimento e parcerias com empresas e empresários portugueses. política para a língua, designadamente, no que respeita à preservação e ensino junto das omunidades, constitui um imperativo de referência nacional, enquanto elemento estruturante de vinculação à cultura de origem. umpri-lo, muito mais do que um desafio, é uma oportunidade para maior afirmação e reconhecimento face a importantes transformações internacionais, fruto das dinâmicas da globalização, do surgimento de novas condições do seu valor, económico e cultural, e do reconhecimento da língua portuguesa já como vector de desenvolvimento em todos os oito países em que é falado. crescente integração nos curricula dos sistemas educativos dos países de acolhimento ou outros, com quem Portugal mantém relações bilaterais, são sinais relevantes que importa acompanhar e estruturar, para além de outras experiências com origem no seio da própria omunidade, sem descair da rede de nsino Português no strangeiro cuja ambição é corresponder à procura. elebrar o ia de Portugal de amões e das omunidades Portuguesas, vale igualmente pela identificação de valores fundantes na relação com o país. valorização da língua, para além de honrar o património linguístico comum aos falantes, na pluralidade das suas expressões culturais, contribui para prestigiar os portugueses espalhados pelo undo.

5 usojornal elgique n 51 - juin 2010 omunidade 5 úmero dois da mbaixada vai para óquio uarte ué lves deixa a mbaixada de Portugal uarte ué lves, número dois da mbaixada de Portugal na élgica vai cessar funções em ruxelas no final de agosto/inícios de setembro, partindo depois para óquio. través do usojornal, o responsável pelo posto consular, que mostrou grande proximidade com a omunidade portuguesa residente neste país, despede-se. usojornal transcreve na integralidade,a carta de despedida do diplomata: Portugalnet uarte ué lves aras migas, aros migos, uatro anos parece muito tempo: são centenas de dias, milhares de horas. as quatro anos são também um momento breve quando olho agora para trás e vejo que está na hora de partir de ruxelas por ter chegado ao fim a minha colocação. Parece que foi ainda há poucos dias que aqui cheguei, vindo de paragens mais quentes, à descoberta de uma cidade que conhecia de passagem mas que não tinha tido nunca o prazer de descobrir a fundo. Procurar casa, conhecer as pessoas, ambientar-me às novas tarefas, construir laços, fazer novos amigos, sentir o terreno. nfim: os ciclos normais de quem chega, o timbre habitual de cada começo. ruxelas é uma cidade desafiante, que nos interpela, que nos obriga a partir à sua conquista. ó quem aqui vive e não os que aqui estão de passagem para dias de reuniões, mesmo que isso se repita durante anos percebe que há uma qualidade, um acolhimento e uma joie de vivre que ajudaram a fazer destes quatro anos um tempo memorável. sso faz também que a comunidade portuguesa aqui instalada tenha características próprias, traços distintivos que fui aprendendo e tentando conhecer com a ajuda de tantos, conhecedores eméritos do tecido social português na élgica. gora que olho para trás, para o trabalho que fiz, na mbaixada de Portugal em ruxelas e, muito particularmente como ncarregado da ecção onsular fico grato pelas oportunidades que tive e pelo muito que aprendi. o momento de partir, é s comemorações do 10 de Junho - ia de Portugal, de amões e das omunidades Portuguesas, que coincidem com o 40º aniversário do semanário migrante/undo Português, foram assinaladas com a presença de 70 jovens luso-descendentes, oriundos dos quatro cantos do mundo. visita destes jovens a Portugal inseriu-se no âmbito do ncontro undial de Jovens, que decorreu até 11 de junho, terminando exactamente em aro, cidade escolhida para as comemorações do 10 de Junho. troca de experiências, ideias e culturas foi um dos objetivos desta iniciativa, ao mesmo tempo que pretendeu aproveitar a presença das omunidades portuguesas no exterior como mecanismo de divulgação e promoção de Portugal, difundindo a cultura portuguesa e reforçando os laços já existentes com os Portugueses que se encontram sobretudo obrigado que me ocorre dizer: obrigado aos enhores mbaixadores avares de ousa e ramão amos (com quem sucessivamente trabalhei durante estes quatro anos); obrigado a toda a equipa de colaboradores da embaixada com quem partilhei as horas do quotidiano; obrigado às duas equipas consulares que asseguram a nossa representação honorária em ntuérpia e iège; obrigado a todo o movimento associativo português que luta por manter viva a solidariedade e a proximidade entre os portugueses e que é hoje mais forte do que era há uns ncontro mundial de usodescendentes no estrangeiro. urante uma semana, os jovens luso-descendentes, com idades compreendidas entre os 20 e os 35 anos e as mais diversas ocupações profissionais (medicina, fisioterapia, engenharia mecânica, arquitectura, administração, advocacia, área empresarial, gestão, consultadoria, urbanistas e estudantes) participaram nas comemorações oficiais do ia de Portugal, em aro, e foram recebidos pelo Presidente da epública, anos atrás; obrigado aos representantes dos portugueses nas estruturas institucionais representativas dessa comunidade e em quem encontrei uma generosidade impressiva, uma disponibilidade sincera e um honesto espírito de diálogo; obrigado às instituições, públicas e privadas, que foram e são nossos parceiros no trabalho da promoção e divulgação de Portugal;obrigado aos que aceitaram integrar o onselho onsultivo da Área onsular e que foram vozes duma comunidade vasta e heterogénea; obrigado pelas lições de empreendorismo de gente que ousa fazer e pela generosidade que vi, tantas vezes, mulheres e homens nossos contemporâneos a pôr nas coisas. que deixo para trás, fi-lo o melhor que soube e pude. ais e melhor se poderia ter feito? em dúvida. as sinto que foram dados passos e construída uma proximidade. Por isso valeu a pena. gora que estou prestes a partir para longe,para um novo e muito estimulante desafio, permitam-me que vos diga como foi gratificante trabalhar na élgica pelo muito que aqui aprendi e, sobretudo, pelas pessoas que conheci. porque num mundo que está à distância dum teclado,não há distâncias intransponíveis, digo apenas até já, não importa onde. final, ser português,também é isto:estar no mundo como em casa. uarte ué lves níbal avaco ilva. stes jovens de ascendência lusa procuraram, na sua visita a Portugal, a sua identidade, a sua origem, numa iniciativa que reflete o interesse das omunidades portuguesas pelas suas origens e valores de referência da pátria-mãe. programa escolhido permitiu-lhes ter um contacto mais direto com a cultura e forma de vida dos seus progenitores, aproximando-os mais de Portugal. abinete de poio ao migrante em iana do astelo âmara unicipal de iana do astelo vai criar um abinete de poio ao migrante, mediante a assinatura de um Protocolo de colaboração entre a ireção eral dos ssuntos onsulares e omunidades Portuguesas e a utarquia. sta estrutura de apoio aos munícipes servirá sobretudo para garantir o tratamento e encaminhamento das questões e solicitações dos cidadãos emigrados. abinete de poio ao migrante nasce do reconhecimento da importância das omunidades portuguesas e dos seus elos de ligação a Portugal e a iana do astelo. Para tal, vai ser estabelecido um Protocolo que pretende criar esta estrutura de apoio aos munícipes que tenham estado emigrados, que estejam em vias de regressar ou que ainda residam nos países de acolhimento. nova estrutura, ficará afecto um técnico com formação adequada, irá dar as respostas necessárias às solicitações e garantir que é dado o devido tratamento/encaminhamento técnico a partir de um sistema de gestão processual que permita a resolução de todas as questões levantadas, nomeadamente as saídas para o estrangeiro, a cooperação na prevenção das atividades ilícitas de emigração, o regresso temporário ou definitivo a Portugal e ainda a reinserção em Portugal. m causa está, por exemplo, a resolução das questões com a egurança ocial, o aconselhamento jurídico, as oportunidades de emprego, as equivalências e reconhecimento de cursos ou mesmo o acolhimento de emigrantes em situação de doença ou outra forma de vulnerabilidade.

6 6 omunidade usojornal elgique n 51 - juin 2010 overno tem de criar condições para evitar fuga de cérebros chamada fuga de cérebros está a aumentar em Portugal e vai continuar a crescer no futuro, cabendo ao overno criar condições para colmatar essas saídas, defendeu o oordenador do bservatório da migração. umentou o peso da população que migra, não tanto pelas razões económicas, mas mais pela procura de condições de realização pessoal e profissional. obretudo na área do trabalho qualificado e essa é uma emigração que inevitavelmente continuará a aumentar, disse ui Pena Pires. uma entrevista à agência usa, o sociólogo alertou para a necessidade de Portugal criar condições para colmatar a saída de pessoas qualificadas. inguém acreditará se alguém disser que dentro de 10 ou 15 anos teremos capacidade de dar emprego com condições de realização profissional elevadas a setores muito qualificados equiparados aos stados nidos, à nião uropeia (), à rança ou à lemanha. É impossível, afirmou. especialista em migrações contrariou ainda a ideia recente de que há uma nova vaga de emigração, afirmando que essa vaga não é nova, simplesmente esteve muito tempo escondida do olhar público. emigração recomeçou no final dos anos 1980.ssim que se deu a integração europeia,os acordos facilitaram a liberdade de circulação e recomeçou a emigração portuguesa para o espaço europeu, disse. novidade desta vaga emigratória prende-se com os destinos escolhidos. lém dos tradicionais rança, uxemburgo e lemanha, surgiram também o eino nido, spanha e, mais recentemente, ngola. utra novidade da emigração portuguesa prende-se com a sazonalidade, que não existia nos anos 1960 e 1970 quando as pessoas saíam do país para sempre ou por muitos anos,disse. firmando que, por ano, saem de Portugal entre 60 a 70 mil pessoas, ui Pena Pires estima entre 2,3 milhões e 2,5 milhões o número de Portugueses no estrangeiro e ressalva que os cinco milhões frequentemente referidos contabilizam os filhos dos emigrantes já nascidos nos países de acolhimento. esmo assim, é um número muito elevado para um país com 10 milhões de habitantes, ressalvou. sociólogo destacou a dificuldade de se saber ao certo quantos Portugueses saem para trabalhar no estrangeiro porque não há estatísticas de saída, afirmando que os países que as têm são países que não têm um regime democrático. uma análise comparativa entre a emigração dos anos 1960 e a recente, ui Pena Pires disse que as diferenças que existem resultaram da transformação da população portuguesa. arta lemente, da gência usa Prémio organizado pela otec avaco ilva entregou o Prémio mpreendedorismo rónica de opinião Portugal Paulo Pisco eputado (P) eleito pelo círculo eleitoral da uropa Portugal, a íngua Portuguesa e o undo são a nossa Pátria. o longo da nossa istória fomos ganhando raízes nos lugares mais inesperados do planeta. fomos deixando as nossas marcas, dispersas por tantos continentes. evámos a aventura na alma. curiosidade. espírito científico. fé. uita fé: na religião, nos omens, na umanidade. á um impulso irresistível que nos leva a partir. a estar bem onde chegamos. universalismo corre-nos nas veias. força de uma nação feita uropa vive hoje uma profunda crise económica com consequências muito negativas ao nível social, com elevadas taxas de desemprego e medidas restritivas que obrigam os cidadãos a um grande sacrifício e degradam fortemente a condição económica de muitas famílias. enhum stado europeu pode dizer que está imune a esta crise que começou por ser financeira mas que agora se tornou uma crise global com impacto em todos os sectores da economia. Perante ela os diversos overnos europeus têm vindo a impor medidas de contenção à despesa pública, tal como aconteceu em rança com a decisão de congelar os valores da despesa pública durante três anos, numa tentativa de combater o défice do stado. ambém em Portugal os tempos são Presidência ntrega do Prémio mpreendedorismo na iáspora o quadro das omemorações do ia de Portugal, o Presidente da epública entregou o Prémio mpreendedorismo novador na iáspora Portuguesa ao empresário sidoro artaria, numa iniciativa da Portugal ssociação mpresarial para a novação. ste prémio é um forte incentivo à cooperação entre Portugal, a iáspora Portuguesa e os países que a recebem. s empresários que a tem envolvido e premiado têm um grande valor para o nosso País que deve ser aprofundado, afirmou ilipe de otton, presidente do Júri. sidoro artaria é um excelente exemplo da expressão de Portugal na diáspora e considerámos que deveria ser distinguido. sta iniciativa da Portugal, para além de galardoar cidadãos portugueses que se tenham distinguido pelo seu papel empreendedor,inovador e responsável, no contexto das sociedades de acolhimento, destinase a estimular o aprofundamento das relações entre Portugal e os seus cidadãos estabelecidos no estrangeiro, assim como com os respectivos países de acolhimento. na descoberta de novos povos e territórios. tolerância, a abertura, a capacidade de compreender os outros. ma humildade sem fim. ma simplicidade muito nossa, muito discreta. isto são qualidades,não defeitos. s Portugueses sempre aceitaram misturar-se sem preconceitos nem sobranceria. isto é profundamente generoso e humano. amões, ça, Pessoa, aramago. Portugal no esplendor da sua grandeza. onfesso o cansaço de ouvir todos aqueles que insistem em só nos ver em ponto pequeno. m só ver dramas e dificuldades. ão os compreendo. derrotismo é um lugar estranho. ificuldades sempre houve e sempre haverá. as é para isso que cá estamos: para as enfrentar e resolver. as se calhar este rezingar é o sintoma de uma busca inconsciente de dificuldade com o overno do Partido ocialista a impor um conjunto de medidas de tentativa de consolidação orçamental que se traduzem essencialmente num agravamento da carga fiscal e numa redução dos rendimentos das famílias, traduzidas no aumento das taxas de, da sobretaxa de, e na aplicação do imposto de selo ao crédito ao consumo. um momento de crise como este, torna-se indispensável contar com todos e neste todos também se incluem os Portugueses residentes no estrangeiro. Portugal será mais forte se contar com a sua iáspora, mais competente se captar as valências e capacidades de uma omunidade espalhada pelo mundo que foi, é, e seguramente será uma das suas,senão a maior, mais-valia. pergunta que podemos hoje fazer é se as nossas omunidades estarão dispostas a participar nesta causa de quase salvação económica nacional para a qual não contribuíram. u não tenho dúvidas da sua disponibilidade. Para aqueles que têm a memória curta permitam-me apenas que lembre que nos finais dos anos setenta, de uma certa forma de perfeição. m Portugal que teve futuro desde o tempo de.fonso enriques e que terá futuro nos séculos vindouros. emos o mundo em cada Português espalhado pelos continentes. Portugal é toda esta nação que da uropa ao riente, de África às méricas foi construindo países ao longo de muitas gerações e afirmando aquela que é a sexta íngua mais falada. omos uma das nações mais cosmopolitas, que mais culturas e saberes foi integrando com a passagem do tempo. ão somos perfeitos. É verdade. as nenhum povo é.omos o que somos e temos de nos aceitar assim. om orgulho e alegria. em complexos. uero ver Portugal assim. Pela positiva,mesmo quando as crises nos fustigam. esmo quando nos querem desmoralizar. s elhos do estelo ste ano, houve 81 candidaturas. s candidatos têm entre 29 e 91 anos e há representantes de todos os continentes, oriundos de 26 países. o que respeita à actividade desenvolvida pelos candidatos, há uma grande diversidade de setores, destacando-se o empresarial e financeiro,a investigação e ciência e a restauração e turismo. omo tenho repetidamente sublinhado, o País só poderá atingir uma recuperação económica sustentável com uma sólida e profunda aposta no reforço dos fatores de competitividade e na conquista de novos mercados disse na sua intervenção níbal avaco ilva. é precisamente aqui que o contributo da iáspora,o vosso contributo, poderá ser decisivo. É sempre possível mudar o rumo das nossas vidas.à custa de trabalho, de criatividade, da capacidade de correr riscos. ntes de entregar o Prémio, o Presidente da epública disse ainda que o vosso sucesso, como empresários e empreendedores, é atualmente uma mais-valia que Portugal não pode desperdiçar. são vozes tristes e deslocadas no Portugal moderno que hoje somos. credito em nós e na nossa capacidade para vencer. longa istória da nossa emigração, inseparável da istória de Portugal, é a história de um povo vencedor. m povo que sempre deu o melhor de si próprio, tanto no país como fora e que o continua a fazer. ue deixou marcas na vida e nos costumes que ainda hoje são recordadas com afecto. ão um verdadeiro exemplo todos os que um dia partiram para o desconhecido e venceram, muitos sem dinheiro nem escola. m exemplo luminoso de coragem, determinação, perseverança, sabedoria e confiança. Portugal e todas as gerações de Portugueses só podem ser vistos assim. omo vencedores. rónica de opinião crise económica e o papel que poderiam ter as omunidades arlos onçalves eputado (P) num momento em que o nosso país vivia uma situação extremamente difícil, os migrantes nunca deixaram, através das suas remessas e do investimento local, de contribuir, naquela altura de forma decisiva, para o desenvolvimento de Portugal.gora não será diferente. e podemos considerar como certa a vontade e até o desejo dos Portugueses residentes no estrangeiro de puderem ajudar o seu país neste momento difícil teria sido pertinente ter tido políticas que pudessem captar os seus interesses e atrair os seus investimentos. eria sido necessário englobar a área das omunidades nas preocupações do todo nacional e investir na sua ligação ao nosso país. nfelizmente tal não aconteceu. overno do ngenheiro ócrates tem mesmo manifestado uma evidente falta de sensibilidade para esta área nunca a assumindo como prioritária e de interesse nacional. Poderia de novo aqui, para justificar esta minha afirmação, assinalar as não-medidas do overno nesta área mas, sobretudo, o que convém perguntar é se alguém consegue destacar uma medida que promovesse de forma concreta a ligação das nossas omunidades a Portugal. É que esta ligação não pode viver de medidas avulsas, de discursos de circunstância e de eventos promocionais. À imagem de outros países que connosco partilham os destinos da nião uropeia é essencial para o país integrar estes Portugueses nos objectivos de âmbito nacional e na sua afirmação no mundo. ão é possível compreender que um país com a dimensão do nosso no plano demográfico e económico não agarre este propósito de aproveitar este enorme potencial. ssim, neste momento que se vive de grande instabilidade no plano económico e que se assumem algumas insuficiências estruturais do país, talvez seja a boa altura para ponderar e reflectir sobre a vantagem de se assumir a área das omunidades como um pilar essencial da sua promoção externa para bem de Portugal e para bem dos portugueses. ica aqui o desafio.

7

8 8 usofonia usojornal elgique n 51 - juin 2010 ssociação de jovens uso-descendentes foi criada em Portugal lguns luso-descendentes que escolheram Portugal para viver fizeram nascer, a 10 de junho, uma associação destinada a identificar, apoiar e representar os seus pares, sobretudo os que pensam também em vir para o país. xiste um movimento crescente de descendentes de Portugueses que regressam ou mostram vontade de regressar a Portugal e ninguém melhor do que nós, que já o fizemos, sabe o que essas pessoas precisam, disse à gência usa mmanuelle fonso, uma das 12 pessoas que estiveram na génese da ssociação dos Jovens uso-escendentes em Portugal. as a associação vai apoiar e representar também os que continuando a viver no país onde nasceram querem ter vínculos com Portugal, estabelecendo uma relação com essas omunidades no estrangeiro, adiantou. ssociação nasceu, simbolicamente a 10 de junho, ia de Portugal, de amões e das omunidades, e uma das primeiras tarefas será referenciar, ter um quadro estatístico de quantos são os luso-descendentes, quantos voltam, porque neste momento esses dados não existem, referiu mmanuelle fonso. associação vai trazer muito de positivo ao país, criando uma rede de pessoas que conhecem bem diferentes realidades, sustentou esta fundadora, que veio para Portugal para ficar seis meses, num intercâmbio do programa rasmus, e ficou, tendo optado por uma carreira profissional que já conta 18 anos no país onde nasceram os seus pais. s 12 fundadores da associação têm perfis muito diferentes e contam desde um diretor de hotel até um sacerdote, e foi por opção que a maioria, depois de acabar estudos superiores, escolheu Portugal para viver pelo gosto pelo país, afirmou. Para Portugal é uma mais valia porque as pessoas que regressam são pessoas com duas culturas, muitas com cursos superiores, que não custaram nada ao stado português, mas que têm dificuldades em ser devidamente aproveitadas quando regressam, explicou a mesma fonte. Por outro lado, a associação terá um papel ativo a identificar os problemas dos que regressam, como a língua que, disse mmanuelle fonso, muitas não dominam corretamente e acaba ironicamente por ser um fator discriminatório, um problema que a associação quer ajudar a ultrapassar. Pré-campanha eleitoral em abo erde José aria eves e arlos eiga elogiam a iáspora anto o atual Primeiro inistro de abo erde, José aria eves, como o líder do principal partido da oposição, arlos eiga, tâm multiplicado os contactos com aboverdianos da iáspora, com vista à preparação das próximas eleições legislativas no país. á cerca de dois terços da população de abo erde que residem no estrangeiro. Por isso os votos da emigração podem fazer a diferença na noite de contagem eleitoral. s dois responderam às perguntas do usojornal e falaram das omunidades portuguesas. José aria eves usojornal: Porque criou o inistério das omunidades? José aria eves: Para mim é uma das grandes medidas. Já demos o salto, deixando de tratar as omunidades como um apêndice da política externa.á um inistério autónomo para gerir todas as exigências das omunidades emigradas. usojornal: omo articula esse inistério com o dos egócios strangeiros? José aria eves: mbaixador é representante de abo erde e não do inistério dos egócios strangeiros.em de representar o país nas relações bilaterais,mas também tem de trabalhar as outras dimensões, económicas e empresariais, e as omunidades emigradas. ão apenas o atendimento,mas também fazer com que as nossas omunidades façam parte mais ativa na dinâmica nas sociedades de acolhimento. usojornal: omo tem captado o investimento em abo erde dos empresários da diáspora? José aria eves: stamos a trabalhar nos últimos anos nesse sentido. m todas as minhas deslocações encontro jovens empresários.qui há o abo erde usiness lub e a asa de abo erde, onde estive esta manhã, para juntar os empresários e os jovens empreendedores. usojornal: as há incentivos específicos para eles? José aria eves: s emigrantes têm o mesmo estatuto que um investidor externo: há um conjunto de incentivos fiscais e os jovens empresários também têm incentivos próprios,para favorecer empreendorismo juvenil, não pagando impostos durante os três primeiros anos, por exemplo. usojornal: omo avalia o trabalho do nstituto das omunidades? José aria eves: faz um grande s rasileiros residentes no estrangeiro vão eleger brevemente os membros do onselho de epresentantes rasileiros no xterior () e está prevista para breve a abertura de candidaturas para a eleição. ato de candidatura deverá ser feita junto ao inistério das elações xteriores, mas alguns onsulados do rasil espalhados pelo mundo já estão a proceder à recolha de pré-inscrição dos andidatos para favorecer a circulação de informações e o debate sobre candidaturas e propostas. s andidatos vão necessitar de apresentar no onsulado do rasil o nome completo, endereço eletrônico, data de nascimento, local de nascimento,indicar,se for o caso,a associação ou órgão que integra, ocupação,tempo de residência no exterior, razões pelas quais resolveu candidatar-se e pelas quais acredita estar habilitado a representar os rasileiros usa - Paulo ovais abo erde: José aria eves (P) e arlos eiga (p) trabalho. as temos omunidades em todo o mundo. Por exemplo, mais de 800 pessoas recebem pensão social mínima em ão omé. sse fundo é gerido pelo que também tem apoiado projetos culturais, sobretudo nos países onde há mais problemas sociais. a uropa e na mérica, onde há outras condições de vida, negociamos acordos de segurança social, de saúde, temos trabalhado a problemática da mobilidade entre abo erde e a nião uropeia. usojornal: objetivo é mesmo a livre circulação de pessoas e bens? José aria eves: nosso objetivo futuro é a livre circulação. as vai depender do ritmo de transformação de abo erde e do desenvolvimento da nião uropeia. as já temos uma parceria especial, temos aproximação muito forte. os grandes beneficiários são os nossos cidadãos na uropa. usojornal: oposição diz que as instituições têm sido utilizadas para campanha eleitoral... José aria eves: ão intrigas da oposição. overno governa e tem de apresentar as suas políticas. spero que a oposição, para além das críticas e do bota-abaixo que a tem caracterizado, também venha a fazer propostas. arlos eiga usojornal: overno criou um inistério das omunidades em abo erde. omo vê esta medida? arlos eiga: ão criou um inistério, criou um inistro. ssa é uma promessa feita há uns 10 anos pelo P e só agora, antes das eleições se lembra da promessa. scolheu uma pessoa sem ligações às omunidades, foi dirigente em abo erde mas não fez nada de relevante. É conhecido por ter falsificado atestados médicos para detorpar os resultados as eleições de em um processo pendente.oi acusado pelo upremo ribunal de Justiça e só não é condenado porque tem sido eputado e inistro. rata-se de uma pessoa a quem o overno vai dar dinheiro para fazer campanha... para a utilização dos recursos do stado para a campanha do P. usojornal: ntão acha que a ideia é boa, mas a escolha é má? arlos eiga: ão. s omunidades devem ser assunto do Primeiro inistro. questão é tão relevante para abo erde que o Primeiro inistro deve ser o inistro das omunidades. usojornal: omo tem funcionado, na sua opinião, o nstituto das omunidades? de sua região, breve currículo e declaração de que é brasileiro(a), maior de 18 anos,vive há mais de três anos na uropa e tem disponibilidade de tempo para tomar parte nas atividades do onselho de epresentantes rasileiros no xterior. stão previstas reuniões a serem realizadas no rasil e para comparecer a essas reuniões o representante receberá passagem e estipêndio para pagamento de hotel e refeições, mas a função não é remunerada e que o representante deverá servir de canal para o encaminhamento de demandas, sugestões e propostas das omunidades brasileiras no exterior dirigidas ao overno brasileiro. onselho será um mecanismo de interlocução entre a comunidade brasileira no xterior e o overno brasileiro; auxiliará o inistério das elações xteriores na preparação das onferências rasileiros no undo ; acompanhará a implementação das demandas contidas na ta de eivindicações das omunidades brasileiras no xterior; e encaminhará demandas adicionais das comunidades brasileiras no xterior. inistério das elações xteriores está examinando a melhor data para a realização das eleições e preparando ato legal com a definição das funções e mandato dos onselheiros. onselho será composto por 16 membros titulares e 16 suplentes, a serem eleitos pelas omunidades brasileiras no xterior. s suplentes substituirão os titulares, em caso de impedimento destes, nas reuniões do onselho. representação fundamenta-se em bases regionais. ssim quatro titulares e quatro suplentes serão eleitos para representar cada uma das seguintes regiões: mérica do ul e entral,mérica do orte e aribe, uropa, África, Ásia, ceania e riente édio. foi criado na onferência arlos eiga: melhor prova de que o nstituto não funciona são as queixas dos emigrantes. s queixas dos emigrantes quando vão a abo erde tratar dos seus assuntos são sistemáticas e permanentes. Para além disso, o nstituto também tem sido partidarizado, como instrumento de campanha do Partido. as se o nstituto tivesse feito um bom trabalho é natural que a pessoa a ser escolhida para inistro das omunidades, fosse o seu Presidente. usojornal: a área económica, como tenciona captar o investimento dos emigrantes? arlos eiga: emos de criar um bom ambiente de negócios. este momento não é bom, nem para o empresário interno nem para o empresário do exterior. stou a pensar criar um estatuto do emigrante investidor, com incentivos fiscais. caboverdiano que invista em abo erde vai lá deixar os lucros por isso é mais importante do que um investidor estrangeiro. agência abo erde nvestimentos também não tem cumprido o seu papel. urante muito tempo serviu apenas para venda de terrenos. oncerteza que uma instituição como esta tem de ser reformulada. usojornal: stá a prever visitar a élgica? arlos eiga: im, muito em breve estarei aí para encontrar os nossos compatriotas nesse país. usojornal: nde coloca a sua fasquia para as eleições de 2011? arlos eiga: ueremos ganhar as eleições com maioria absoluta e overnar abo erde. arlos Pereira rasileiros vão eleger membros para onselho consultivo usa - mar amilo rasileiros no undo (realizada no io de Janeiro em outubro de 2009) para suceder ao onselho Provisório de epresentantes (P), que havia sido criado na onferência rasileiros no undo (realizada no io de Janeiro em julho de 2007). será, portanto, permanente, mas sua composição será periodicamente renovada, mediante eleições de onselheiros. s eleições para o estão sendo organizadas pelo inistério das elações xteriores e serão realizadas via nternet. alienta-se que as eleições para o não obedecem ao mesmo tipo de inscrição que as eleições presidenciais, em que é necessário o título de eleitor. s eleitores terão de cadastrar-se para poder votar das eleições do e a matrícula consular será um instrumento muito importante para facilitar o cadastramento tanto de eleitores quanto de candidatos.

9

10 10 ultura usojornal elgique n 51 - juin 2010 ivro sobre lmeida arrett apresentado na rfeu ivraria rfeu (ivraria Portuguesa e alega em ruxelas) lançou o livro iagens outras erras lmeida arrett, iplomata em ruxelas ( ) de uarte ué lves, no dia 19 de junho (sábado), às 18h00 (ue du aciturne 43, 1000 ruxelas). obra foi apresentada por ode elputte, jornalista do e orgen. uarte ué lves, o autor, cessa funções na mbaixada de Portugal em ruxelas a seguir ao verão e o mbaixador asco ramão amos presidiu à sessão. sta obra é o n 1 da olecção Portugal-élgica, editada pela rfeu. livro tem prefácio de José utileiro, fotografias de asco ramão amos do busto público de. arrett, da autoria de odrigues astro, existente em aint illes, e grafismo de icardo lmeida. É uma obra apoiada pela aixa eral de epósitos. e ol r a déjà 3 ans! Pour le célébrer, de début de l aventure de he ol, les trois dirigeants, ric oschman, uno osta et Patricia arques, organisent une soirée «inoubliable» le vendredi 25 juin dès 16h00. out commence avec le match résil/portugal en direct à 16h00 et ensuite «on refait le match autour des vins des deux pays, en présence de José eiva, centre avant de J vinhos, de 18h00 à 21h00». en concert à 21h00, «donnera le ton jusqu au bout de la nuit pour débuter notre quatrième année en fanfare». a «fête» commencera par une dégustation de vins, en présence des partenaires / producteurs de he ol r, le jeudi 24 de juin entre 11 et 19h00. n cocktail dînatoire sera servi et orchestré par le chef de l hôtel lbatroz:itor laro. «rois ans de passions, de joies, de luttes et de victoires. rois ans de bonheur» résument les trois entrepreneurs. he ol r venue rugmann 52/ ruxelas arlene oares vec João scada et ébora odrigues and: n estival dédié au fado ntre le 17 et le 25 juillet prochain,9 concerts de fado auront lieu tous les jours à 21h00 dans la chapelle du onasterieum Poortckere à and. es chanteurs de fado, João scada et ébora odrigues seront accompagnés de ernando ilva à la guitare portugaise et d na uisa viola de fado. e n est pas la première fois que les chanteurs se rendront dans cet endroit, puisqu ils étaient déjà venus pour leur première tournée l année dernière et en avril dernier. João scada est un véritable expert du fado castiço et marie l'improvisation pure avec l'art de pouvoir choisir le bon fado au bon moment. ébora odrigues quant à elle chante depuis des années dans des célèbres maisons de fado à isbonne. u côté des musiciens, ernando ilva travaille aujourd'hui comme guitarra portuguesa dans la maison de fado uso,une reférence à isbonne. l y accompagne notamment eleste odrigues,la soeur d'mália odrigues. l a joué avec des artistes d'horizons différents comme afalda rnauth,ulce Pontes,eorge alaras, ariza, ão Kyao, Paulo onzo, arlos do armo, etc. eul membre du quatuor qui n'est pas né en Portugal,na uisa a commencé à chanter le fado il y a 15 ans, et se consacre désormais principalement à la viola de fado. lle a accompagné divers lauréats du concours de fado rande oite de ado no oliseu. édric e ock, l un des responsables de cette organisation, a avoué sa passion pour le fado. «Je ne suis pas du tout portugais, mais grâce à un ami belge proche de la famille qui Porto de ofia ibeiro apresentado na élgica ofia ibeiro cantora de jazz ofia ibeiro apresentou nos dias 18 e 19 deste mês,no Jazz tation, em ruxelas, o seu último trabalho discográfico: Porto. ofia ibeiro nasceu em isboa mas foi em aia e no Porto que fez a sua formação musical. uma primeira fase enquanto elemento do oral Juvenil de aia e depois enquanto aluna da scola de Jazz do Porto. esde então o seu percurso não parou, com uma carreira internacional já invejável,distinguida em vários países da uropa e nos stados nidos. ébora odrigues e João scada Porto, o seu mais recente trabalho discográfico é um projeto musical de convergência cultural realizado em parceria com ui uvignau. disco parte das raíses portuguesas da cantora, mas mistura ritmos brasileiros, tem um poema de ernando Pessoa, uma canção de im Jobim,... Para além de ofia ibeiro (voz), estiveram em palco ui uvignau (contrabaixo e direção musical), icola ndrioli (piano) e athieu ramoli (bateria). avait écrit un livre sur le fado il y a quelques années, j ai pu alors découvrir cet univers musical», déclare-t-il. epuis environ une quinzaine d années le jeune flamand est parti à la découverte du Portugal, qu il dit beaucoup apprécier. «Je connais isbonne comme ma poche. J essaye d aller à des spectacles de fado, j ai notamment vu ntónio ocha, eleste odrigues, amané entre autres». édric de ock espère avoir encore plus de gens dans la salle que les dernières fois. «lle a une capacité pour 150 personnes, on sera loin du compte, mais si elle est à moitié pleine c est déjà très bien». elges, Portugais et bien d autres nationalités friands de ce genre de musique, sont alors attendus lors de ce festival. et événement s encadre dans le esival de la ville de musique, dont «la ville de and a eu le prix de la 4ème place par l nesco. est un estival qui propose diverses activités, concerts, théâtre de rue, cirque, promenades guidées, expositions, débats, etc. ela attire des milliers de personnes dans les rues chaque année», dit-il au usojornal. e projet arte do fado tradicional est né de la collaboration avec les associations, akhla et refpunt. lara eixeira n illetterie itbureau, Kammerstraat 19, 9000 and (0) brem inscrições para a ienal de rtes rasileiras de ruxelas stão abertas as inscrições para participação na ienal de rtes rasileiras de ruxelas que vai ter lugar em setembro e outubro de 2011, na asa das ulturas de aint illes e na alerie a irafe, na capital belga. omo habitualmente, podem participar artistas nas mais diversas modalidades de arte: escultura, pintura, desenho, arte digital impressa, gravura, fotografia artística, instalações, colagens,... Para além de identificar artistas brasileiros residentes no estrangeiro, a ienal quer fazer intercâmbio com associações e artistas do rasil e do mundo, que tenham alguma relação com o rasil. ienal de rtes rasileiras de ruxelas é uma realização de nêz ludé da ilva, artista plástica, membro de l ssociation nternationale des rts Plastiques P-P - nesco,com o apoio do Presidente uis nácio da ilva, do ervice de la ulture de aint illes, da mbaixada do rasil,do inistério das elações xteriores, da _omission ommunautaire rançaise,mart sbl,entre outras instituições de renome. rte Postal «u mo a ultura rasileira» odos os artistas, residentes no rasil e no mundo,sejam brasileiros ou não, estão convidados a enviarem por correio, para a exposição asa das ulturas de aint illes e na alerie la irafe, em ruxelas, uma arte postal, realizada para a ocasião, sobre qualquer aspecto da cultura brasileira, com o tema u mo a ultura rasileira. regulamento de participação na ienal pode ser solicitado para bienalbrasileiradebruxelas.be

11

12 12 ultura usojornal elgique n 51 - juin 2010 issonance de ui alçada astos continua em ruxelas ontinua patente ao público, até 10 de julho, a exposição issonance de ui alçada astos. issonance é a primeira exposição individual de ui alçada astos em ruxelas, apresentada pela alerie ans itre, em colaboração com a mbaixada de Portugal em ruxelas e com o apoio do anco P,assim como da gência de rte era ortês (isboa) e da alerie nvaliden1 (erlim). issonance reúne uma selecção de obras recentes, que justapõe elementos formais e materiais aparentemente discordantes, paralelamente a uma profusão de diversos significados e de associações adjacentes escreve a curadora de ondres liza an. om origem nas suas pesquisas, inseridas na poética do espaço, issonance reverbera com as tensões causadas por contrários que se atraem: ausência e presença, visibilidade e invisibilidade, som e silêncio. alerie ans itre 22 ld arthélémy 1000 ruxelles eatro: rel nos çores, em isboa rel nos çores é o nome da peça de teatro que vai ser apresentada no Jardim de nverno do eatro ão uiz, em isboa, nos próximos dias 24, 25 e 26 de junho, às 22h00. sta é a história da passagem do cantor belga Jacques rel pelos çores. o aial, em 1974, adoeceu com uma forte gripe e foi visto pelo médico uís arlos ecq ota, que o convidou para a sua casa. ma narrativa escrita por uno osta antos e interpretada por inarte ranco que procura recuperar a personagem do artista belga e os çores daquela época.onjugar o universal e o local e desfiar uma narrativa de uma amizade entre duas pessoas no meio de tlântico. á, pois, a ideia de, ao mesmo tempo, dar a conhecer ao público um episódio interessante e rico humanamente e de homenagear um dos maiores artistas mundiais, fazendo um périplo pelas várias fases do seu percurso e da sua existência. sta é uma produção do eatro icaelense, em parceria com o eatro aialense. spectáculo incluído na programação çores egião uropeia m dos maiores vultos da cultura açoriana xposição de anto da aia em ruxelas ntre os dias 12 e 27 de junho teve lugar na aleria aison rand Place em ruxelas, uma exposição onde foram exibidas algumas obras do escultor anto da aia. sta exposição esteve inserida no programa de actividades da celebração dos çores enquanto egião uropeia do no rnesto anto da aia é um dos mais destacados vultos da ultura çoriana. seu espírito criativo e inovador coloca-o como um dos símbolos da modernidade em Portugal. ascido em finais do século XX em ão iguel, anto da aia absorveu diferentes tendências artísticas durante as suas estadias em isboa, Paris, enebra ou adrid. rnesto do anto aria e aia, filho do isconde aria e aia e neto do intelectual e historiador rnesto do anto, adotou o nome artístico de anto da aia ou anto da aya, e faleceu no dia 5 de abril de em problemas financeiros e com um ambiente familiar culto e estimulante (sobretudo da mãe que sempre Portugalnet nauguração da exposição de anto da aia acompanhou a sua carreira), anto da aia enveredou muito cedo pelas artes. ngressou na scola uperior de elas rtes de isboa onde aliás acabou por enveredar por estudos de arquitetura participou na Primeira xposição dos umoristas Portugueses e nesse mesmo ano foi para a scola de elas rtes de Paris. m alão imobiliário na esidência do mbaixador Portugal ive t! em ruxelas: sucesso absoluto rganizado pela âmara de omércio elgo-portuguesa e com o patrocínio da mbaixada de Portugal, realizou-se no último dia 11 de junho, na esidência oficial do mbaixador de Portugal em ruxelas, a quarta edição do alão mobiliário Portugal ive it!, dedicado ao setor do turismo residencial em Portugal. esta edição estiveram em destaque alguns dos melhores projetos imobiliários de Óbidos e do lgarve, tendo sido sorteadas entre os convidados diversas estadias em Portugal e ainda uma viagem de avião ruxelas-isboa-ruxelas. Para uis Palinhos da arvetur, participante pela segunda vez este ano, o evento foi novamente bastante positivo. aí o facto de estarmos aqui novamente com novos projetos prontos a promover as zonas ao longo da costa do lgarve, como avira, ilamoura, uzeta e outras. lém disso, estamos a aproveitar o início do verão e a facilidade de acesso dos belgas à zona do lgarve, pois são apenas duas horas e meia de avião e estas zonas estão todas muito próximas do aeroporto. emos vivendas, apartamentos maiores ou menores e casas individuais, sendo que algumas estão Portugalnet vento decorreu na esidência oficial do mbaixador de Portugal ano depois já expunha no alão dos umoristas na capital francesa. eguiu depois para enebra e para adrid, mas a segunda uerra undial levam-no de novo para isboa. epois da guerra vive entre isboa e Paris, trabalhando e expondo em ambas as cidades. ó em 1954 é que regressou definitivamente à sua cidade natal, Ponta elgada, nos çores. anto da aia está representado em diversas colecções públicas e particulares, com destaque para a alerie nationale du Jeu de Paume,em Paris, e para o Palácio de antana,em Ponta elgada. m 1976 realizou-se uma exposição retrospectiva em sua honra no useu arlos achado em Ponta elgada, que lhe reservou a partir de 1979 uma sala de exposição permanente. ambém o useu do hiado (isboa) conta, entre o acervo do antigo useu acional de rte ontemporânea, obras representativas de anto da aia, o mesmo acontecendo com o useu da uarda. exposição que agora lhe foi dedicada em ruxelas foi uma oportunidade única para dar a conhecer ao público em elga a obra e a história de um dos maiores vultos da escultura çoriana e Portuguesa anto da aia, o scultor Português do ilêncio. anuel artins incluídas em terrenos de golfe, comenta uís Palinhos, consultor imobiliário sénior da arvetur, e que, neste evento, esteve ao mesmo tempo a representar a empresa aint irande, empresa corretora de seguros, crédito e produtos financeiros. Para na chôa, da aixa eral de epósitos, a aixa está desde o início envolvida no projecto Portugal ive t. nosso banco tem uma oferta específica para os estrangeiros que querem investir no nosso país, com total acompanhamento da documentação essencial para esta transação e com o apoio de especialistas na área de crédito. ós queremos apoiar os projetos portugueses, e contribuir para o seu sucesso junto dos investidores, quer sejam portugueses ou estrangeiros, finalizou na chôa, que é a oordenadora do scritório de representação da em ruxelas. s demais empresas participantes deste importante evento para o setor turístico imobiliário português, estão unidas também com o objetivo de divulgar a costa oeste do país, principalmente a zona de Óbidos, que temos a certeza que logo se tornará um novo destino turístico não só para os Portugueses como também para os estrangeiros, disse José artins do antos da ssociação urismo de Óbidos (). sta associação foi criada com a finalidade de promover o território enquanto destino turístico de excelência e definição da marca Óbidos, como sinónimo de qualidade reconhecida, bem como um sinal de referência nacional e internacional que congrega as associadas om ucesso esign esort, eisure, olf & pa, unicípio de Óbidos, Óbidos Patrimonium,ssociação mpresarial do onselho de Óbidos, uintas de Óbidos ountry lub, oyal Óbidus pa & olf esorts e Praia d el ey olf & each esort. lém disso o evento contou ainda com o apoio das empresas P Portugal, usiness ontrol, nd, he ol r, olidi e olden lub abanas. orácio ernandes Presidente ula inaugurou rasil nternacional m cerimónia que ocorreu no Palácio tamaraty, em rasília, e contou com a presença do Presidente ula, foi inaugurado o canal internacional da rasil. estreia da rasil nternacional ocorreu em 49 países africanos, incluindo todos os de língua portuguesa. rata-se de um modelo adotado por vários países, a exemplo dos canais K no Japão, na tália, Pi em Portugal, eutsch Welle na lemanha, no eino nido e P nos. m breve a rasil nternacional chegará aos stados nidos, uropa e Japão. Para alcançar o público africano, a rasil firmou convénio com a maior operadora de a cabo do continente, que oferecerá o canal em seu pacote básico. programação transmitida internacionalmente será idêntica à nacional, com exceção de três programas criados especialmente: rasileiros no undo, voltados para as omunidades brasileiras no exterior; onexão rasil, sobre a posição do rasil em relação a grandes temas mundiais; e ique igado, que apresentará agenda cultural para os brasileiros que vivem no exterior. om o lançamento de seu canal internacional, a rasil pretende divulgar informações sobre o país e seu povo, além de oportunidades económicas. tenderá ainda a uma forte demanda das omunidade brasileiras no exterior, consignada na onferência rasileiros no undo, em que esteve presente eresa ruvinel, iretora-presidente da mpresa rasil de omunicação.

13 usojornal elgique n 51 - juin 2010 esta 13 os dias 19 e 20 de junho ia de Portugal voltou à Place lagey o fim-de-semana passado, durante dois dias, a Place lagey acolheu as comemorações do ia de Portugal, organizadas este ano pela, pela primeira vez, pela recentemente criada ederação das ssociações Portuguesas na élgica. á dez anos que praticamente não havia uma esta assim,para marcar o 10 de junho diz ao usojornal ntónio omes, o Presidente da ederação. oi bonito ver que o movimento associativo retoma a organização deste evento. s autoridades não cederam a totalidade da Place lagey para o evento português porque os comerciantes do mercado não aceitaram. Por isso ficámos apenas com uma parte reduzida do espaço.as este não foi um impedimento para que a ederação organizasse a festa. o sábado havia pouca gente. steve a chover e o tempo não se mostrava convidativo para as pessoas sairem de casa explica ntónio omes. as no domingo houve finalmente gente. s pessoas estavam apertadinhas, nem se podiam mexer, penso que devem ter passado por aqui umas pessoas durante toda a tarde. espaço foi mesmo pequeno. uem passou pela festa pode assistir a representações de cultura popular, com a participação dos ranchos de folclore da peb e da maus,do rupo de bombos e das archas populares da peb. ão conseguimos convencer as associações de fora de Portugalnet Palco instalado na Place lagey para comemorar o ia nacional português ruxelas, porque argumentaram que é longe.é pena,mas quem sabe se na próxima vez eles também participam para que seja uma festa verdadeiramente de toda a omunidade portuguesa espera o Presidente da ederação. ambém foi possível comer e beber no recinto. s associações de ruxelas aderiram facilmente e ocuparam-se dos comes-e-bebes. ouve quem descobrisse os grelhados ou quem não resistisse às cervejas portuguesas, mas o mais difícil era mesmo chegar aos balcões. s bailes foram animados também por grupos da élgica: o conjunto ovo om, no sábado à noite, e o conjunto ovos njos de harleroi, no domingo à tarde. ambém passou por aqui o amano e outros artistas. ecorremos apenas a músicos e cantores de cá. Para além do espetáculo em si e das barracas das associações,dois artistas da omunidade (mélia ilitão e uis lbuquerque) também tiveram a oportunidade de expôr os seus quadros no evento. mbaixador de Portugal na élgica e um adjunto do ourgmestre estiveram na festa no domingo passado. a mbaixada tivemos a promessa de uma ajuda financeira, mas continuamos à espera. pedido foi certamente formulado à ireção eral dos ssuntos onsulares e a resposta ainda não chegou. o entanto, o Presidente ntónio omes considerou a experiência cansativa, mas positiva e prometeu renovar no próximo ano. arlos Pereira utebol: Pedro essa continua no nderlecht Pelo 6 ano consecutivo, o jogador Pedro essa assinou pelo nderlecht. om apenas 11 anos de idade, Pedro essa tem dado nas vistas e na época que agora acabou foi mesmo o apitão da equipa. ada vez é mais difícil, a seleção é cada vez maior diz ao usojornal ndré essa, pai do jovem jogador de futebol. uerem saber se ele evolui fisicamente, se cresce,... tudo isso é tido em consideração. Pedro essa assinou também um primeiro contrato de publicidade com o canal de televisão oo.tualmente, todos os dias, aparece num spot de promoção do canal no lub. Já vai ganhar alguma coisa.ivemos de lhe abrir uma conta no banco que ele só pode mexerquando for de maior idade. ma possível contratação numa equipa portuguesa continua a ser posta de parte.s escolas de formação do porting têm-se mostrado interessadas, mas a decisão de mudar toda a família para Portugal ainda não foi tomada. esta idade, lá como cá, tudo pode correr bem, mas também pode acabar de repente diz o pai do jogador. e as coisas corressem mal, perderia a posição que tenho atualmente na élgica.

14 14 esporto usojornal elgique n 51 - juin 2010 Place lagey: ransmissão do jogo Portugal rasil foi anulada transmissão do jogo de futebol entre o rasil e Portugal, amplamente anunciado para dia 25 de junho, na Place lagey, foi anulado na semana passada. uma semana do evento o enhor ourgmestre da omuna de xelles alterou a sua decisão no que respeita à utilização de som na praça, impedindo-nos assim de promover qualquer tipo de grupo musical ou som explica numa nota Paulo arvalho,presidente da ssociação Ponte, um dos organizadores do evento. endo em consideração as decisões de última hora por parte do enhor ourgmestre e por razões alheias à nossa vontade, encontramo-nos na impossibilidade de realizar o evento. urante o dia estava previsto que os afés portugueses da Place lagey tivessem barracas num espaço que seria adaptado para o efeito, onde seria retransmitido o jogo, mas onde haveria também um palco com muita música e outras animações. organização já tinha alugado tendas, sonorização, os músicos já estavam programados. ão despesas que não conseguimos recuperar disse Paulo arvalho ao usojornal. organização garante que tinha autorização para organizar este evento desde abril e que foi prejudicada com o facto de ter sido organizado no mesmo espaço a esta do 10 de junho. autarquia dá como desculpa que são duas festas seguidas e que não pode ser. uma carta enviada ao ourgmestre e à qual o usojornal teve acesso, Paulo arvalho diz-se admirado e desiludido com a decisão de anular a esta tão tardiamente. o ali de Ypres, na élgica Peugeot port Portugal enfrenta armada de luxo 10 ournoi utsagres oi realizado nos dias 19 e 20 de junho passado no stádio do nderlecht em ruxelas,a décima edição do orneio de futebol de sala ournoi utsagres eniors et eterans. orneio é organizado todos os anos por arlos da ilva do enfica de nderlecht, sempre com o apoio e o patrocínio de grandes empresas como a erveja agres, Portugalnet, upermercados bérico e o iesta lub entre outros. É uma festa entre amigos, com churrasco, bebidas, muita música e onde conseguimos reunir pessoas e equipas de várias nacionalidades como italianos, belgas, marroquinos, gregos e evidentemente Peugeot port Portugal Portugalnet Peugeot 207 de runo agalhães nós portugueses.enho muito orgulho de estar a realizar este orneio pelo décimo ano consecutivo,sempre com muita tranquilidade, respeito ao adversário e o que o fim-de-semana de 25 e 26 de Junho,Ypres será o próximo destino do ntercontinental ally hallenge, que atrai mais pilotos internacionais a cada prova que passa. esde a primeira edição do,o rali belga tem sido um dos mais competitivos do campeonato e a vitória coube sempre ao Peugeot 207. Para a Peugeot port Portugal será mais uma première num terreno estranho e único, frente a uma lista invejável de 103 (!) equipas. um pelotão bem recheado de máquinas e pilotos candidatos à vitória sobressaem os 25 carros da categoria Peugeot, interessada em manter a invencibilidade, terá o maior contingente com uper 2000, entregues a pilotos como Kris eeke, tephane arrazin, uca etti, runo agalhães e hierry euville. koda alinha com oito carros e Juho anninen, Jan Kopecky, reddy oix e ernd asier, entre outros. Proton leva três 2000,com destaque para a aparição de hris tkinson e de lister cae. ord terá ndreas ikkelsen ao volante de um dos seus três carros. e juntarmos os rápidos pilotos locais, a dupla runo agalhães/ arlos agalhães tem à sua espera um desafio difícil e empolgante. a élgica, as equipas encontrarão pisos rápidos e por vezes muito estreitos, onde não será tarefa fácil manter o carro na estrada e onde o mínimo erro pode ser fatal. om um total de 291,28 km de percurso, Ypres promete surpresas. o longo das 19 classificativas que compõem o rali, os pisos escorregadios e traiçoeiros irão dificultar a missão das equipas em chegar ao final, pelo que classificação pode ser uma incógnita até ao derradeiro metro. arlos arros sabe que esta vai ser mais uma prova de fogo para o jovem ampeão nacional,runo agalhães. piloto oficial da Peugeot Portugal está naturalmente entusiasmado com o conceituado encontro belga, que junta pilotos do mais alto nível: É, sem dúvida, uma das provas míticas da uropa e a lista de inscritos é impressionante. ontar com 25 uper 2000 à partida e com nomes tão prestigiados no mundo dos ralis é um excelente aperitivo para o que deverá ser um grande rali.,concluiu. é melhor, sem brigas nem arruaças disse arlos da ilva, um apaixonado pelo.. enfica e que tem tatuado no ombro o escudo do seu clube do coração. Portanto, este é o motivo principal de conseguirmos fazer este evento todos os anos aqui, no stádio do oyal porting lub nderlecht. ão 12 equipas de veteranos no sábado divididos em dois grupos e 12 de seniors no domingo, divididas entre dois grupos por dia que jogam entre si, sendo que, a primeira de cada grupo vai para a final disputar o titulo de ampeã. té ao fecho desta edição conseguimos somente obter os resultados dos veteranos no sábado, onde se sagrou campeã a equipa do arca equipa ulticultural, tendo como vice-campeã a Papy oys equipa belga, seguida em terceiro lugar pela equipa portuguesa do afé osta zul. orácio ernandes

15 usojornal elgique n 51 - juin 2010 Passatempos 15 rinque connosco opa de letras: esporto J P X Z J P X Z Z X J P X Z J P X Z J P P J P J P uoku do usojornal egras do uoku: udoku é um puzzle de colocação de números. puzzle contém algumas pistas iniciais. ada coluna, linha e região só pode ter um número de cada (de 1 a 9). objectivo é preencher todos os campos com números. ada linha de 9 números tem de incluir todos os algarismos de 1 a 9 em qualquer ordem. ada coluna de 9 números tem de incluir todos os algarismos de 1 a 9 em qualquer ordem. cada sub quadro 3x3 tem de incluir todos os algarismos de 1 a 9 em qualquer ordem. esolver o problema requer apenas raciocínio lógico e algum tempo. asquetebol utebol atação iclismo inástica uar Para rir um bocadinho orrer sforço nergia quitação úsculo oleibol ndebol énis olfe ois alunos chegam tarde à escola e justificam-se: 1º luno:cordei tarde, senhor professor! onhei que fui à Polinésia e demorou muito a viagem. 2º luno: eu fui esperá-lo ao aeroporto! Professor: Pode dizer-me o nome de cinco coisas que contenham leite? luno: im, senhor professor: m queijo e quatro vacas. m aluno de ireito a fazer um exame oral: que é uma fraude? esponde o aluno: É o que o r. Professor está a fazer. professor muito indignado: ra essa, explique-se... iz o aluno: egundo o ódigo Penal comete fraude todo aquele que se aproveita da ignorância do outro para o prejudicar! Professora: aria, aponta no mapa onde fica a mérica do orte. aria:qui está. Professora: orrecto. gora turma, quem descobriu a mérica? urma: aria. Professora: João, menciona uma coisa importante que exista hoje e que não havia há 10 anos atrás. João: u! Professora: rancisco, porque é que andas sempre tão sujo? rancisco: em, estou muito mais perto do chão do que a rª. professora.

16

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Realizar exames supletivos com o apoio da representação diplomática brasileira

Realizar exames supletivos com o apoio da representação diplomática brasileira Propostas da Comunidade Brasileira na Bélgica para a II Conferência Brasileiros no mundo, Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, dias 14, 15 e 16 de Outubro de 2009 Considerando os Documentos propositivos

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009

Cidadania Europeia. Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 Cidadania Europeia Debate Ser e Estar na Europa, Pintainho, Janeiro 2009 O que é a cidadania? Vínculo jurídico entre o indivíduo e o respectivo Estado, traduz-se num conjunto de direitos e deveres O relacionamento

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros,

Excelência, Sr Presidente da República, Senhoras e Senhores Ministros, Discurso de sua excelência, o Primeiro Ministro, José Maria Neves, por ocasião da tomada de posse do novo Governo no âmbito da remodelação governamental anunciada no dia 24 de Fevereiro de 2010 Excelência,

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira

Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Discurso da Presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Profª Doutora Elvira Fortunato Lamego, 10 de Junho de 2015 Senhor Presidente

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores,

Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Boa tarde Senhora Presidente da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Maria da Conceição Saraiva da Silva Costa Bento Senhoras e Senhores, Deixem-me dizer-vos que é para mim uma honra participar, na

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça

Ministério da Justiça. Intervenção do Ministro da Justiça Intervenção do Ministro da Justiça Sessão comemorativa do 30º Aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos do Homem Supremo Tribunal de Justiça 10 de Novembro de 2008 Celebrar o

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC BOLETIM SEMANAL MDC ESPECIAL 19 Fev. 2015 Nº 2 DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: O Projecto RCCVGM, que teve como propósito o apoio à reintegração económica

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, nos actos de lançamento das novas notas de 500 e 5000 escudos e do Livro História da Moeda em Cabo Verde, Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES

SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES SESSÃO DE ABERTURA DA XVII ASSEMBLEIA GERAL DO CONSELHO MUNDIAL DAS CASAS DOS AÇORES Hilmar, Califórnia, 29 de Agosto de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro Começo

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO PASSADO: OS PRIMEIROS PASSOS 1 Procura e estabelecimento de um relacionamento profícuo com os países

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde

Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde Conferência Internacional Os Regimes Cambiais face aos Desafios da Economia de Cabo Verde (No Âmbito das Comemorações dos 10 Anos da Assinatura do Acordo de Cooperação Cambial) SESSÃO DE ABERTURA Intervenção

Leia mais

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor.

ser difundida para a população: ainda há esperança. Somos capazes de alterar o destino das gerações futuras, dar-lhes um futuro melhor. Um futuro melhor Várias vezes me questiono se algum dia serei capaz de me sentir completamente realizada, principalmente quando me encontro entregue somente aos meus pensamentos mais profundos. E posso

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Pequenas e médias empresas:

Pequenas e médias empresas: Pequenas e médias empresas: Promovendo ligações empresariais efectivas entre as grandes e as pequenas e médias empresas para o desenvolvimento de Moçambique Comunicação de Sua Excelência Armando Emílio

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto.

Agradeço aos conselheiros que representam todos os Associados do Estado, o que faço na pessoa do Conselheiro Decano, João Álfaro Soto. Agradecimentos: Cumpre-me inicialmente agradecer a toda Diretoria Executiva, especialmente ao Teruo, por confiarem no meu trabalho e me darem toda a autonomia necessária para fazer o melhor que fui capaz

Leia mais

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012

I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH. LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 LEGAL FLASH I SOCIETÁRIO LEGAL FLASH I 14 de AGOSTO, 2012 Lei n.º 29/2012, de 9 de Agosto Novo Regime de Autorização de Residência para Estrangeiros Investidores 2 LEI N.º 29/2012 NOVO REGIME DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto.

Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Senhor Ministro da Administração Interna. Excelência. Registamos, com afeto, a presença de Vossa Excelência, nesta cerimónia uma honra ímpar para este Instituto. Excelentíssimo Senhor Vice-Procurador Geral

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS Exmo. Senhor Presidente do Grupo Caixa Geral de Depósitos, Engº Fernando Faria de Oliveira Exmo. Senhor Presidente do IAPMEI e da InovCapital, Dr. Luís Filipe

Leia mais

Ana Maria Be encourt 1

Ana Maria Be encourt 1 ABERTURA Ana Maria Be encourt 1 Senhor Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhor Embaixador Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Senhora Secretária Regional da Educação

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do heli 1 28-06-2012 Revista de Imprensa 28-06-2012 1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Enfermeiros contra fim

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Jovens Embaixadores de Évora

Jovens Embaixadores de Évora Jovens Embaixadores de Évora Évora, Património, Juventude e Mobilidade Apoiado pela OCPM Organização das Cidades Património da Humanidade Praça de Sertório, 7004-506 ÉVORA - Telef. 266 777 000; 965 959

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas

ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5. As Redes Sociais e as Vendas ENTREVISTA AO DR. PEDRO CARAMEZ 3ª PARTE Podcast # 5 As Redes Sociais e as Vendas www.clubedasvendas.com 1 CDV (Clube das Vendas) Podíamos abordar um pouco a questão do recrutamento, pois há muitos ouvintes

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE

ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE ASSEMBLEIA NACIONAL GABINETE DO PRESIDENTE Discurso de SE o Sr. Presidente da Assembleia Nacional por ocasião da sessão inaugural da III edição do Curso de Liderança e Inovação na Gestão do Desenvolvimento,

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação

CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS. Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação CONSULTA PÚBLICA CRIAÇÃO DA AGÊNCIA EUROPEIA DE DIREITOS FUNDAMENTAIS Contributo da Equipa do Centro de Recursos Anti-Discriminação 17 de Dezembro de 2004 Preâmbulo Sobre o lugar de onde se perspectiva

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 222 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 7 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Comissão Europeia 2015/C 222 A/01

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Sessão de Abertura do 3º Congresso Nacional de Medicina Tropical. 20 Abril 2015

Sessão de Abertura do 3º Congresso Nacional de Medicina Tropical. 20 Abril 2015 Sessão de Abertura do 3º Congresso Nacional de Medicina Tropical 20 Abril 2015 As minhas primeiras palavras são para saudar, na pessoa do Professor Paulo Ferrinho, todos os participantes neste Congresso

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa

Discurso do Secretário de Estado do Emprego. Octávio Oliveira. Dia Nacional do Mutualismo. 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Discurso do Secretário de Estado do Emprego Octávio Oliveira Dia Nacional do Mutualismo 26 de outubro 2013 Centro Ismaili, Lisboa Muito boa tarde a todos! Pretendia começar por cumprimentar o Senhor Presidente

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Publicação Segurança e Turismo: políticas locais concertadas

Publicação Segurança e Turismo: políticas locais concertadas European Forum for Urban Security Publicação Segurança e Turismo: políticas locais concertadas Introdução >>>>>>>>>>>>>>>>>> A Europa é o primeiro destino turístico do mundo. Sector económico de primeira

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO. Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa REABILITAÇÃO URBANA E ARRENDAMENTO: OPORTUNIDADES DO NOVO REGIME JURÍDICO Conferência na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa 18 de maio de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Minhas Senhoras

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS

A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS A CRISE FINANCEIRA E AS GRANDES OBRAS PÚBLICAS Eduardo Catroga 0. INTRODUÇÃO Vou analisar as questões principais seguintes: 1. QUAIS AS QUESTÕES ESTRATÉGICAS CHAVE DA ECONOMIA PORTUGUESA? 2. O QUE É QUE

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Guia Informativo. 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015)

Guia Informativo. 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015) Guia Informativo 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015) Objectivo do Prémio: O Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa tem como objectivo central o

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

RESPOSTA ÀS PERGUNTAS DA JORNALISTA DA LUSA SANDRA MOUTINHO

RESPOSTA ÀS PERGUNTAS DA JORNALISTA DA LUSA SANDRA MOUTINHO RESPOSTA ÀS PERGUNTAS DA JORNALISTA DA LUSA SANDRA MOUTINHO Carlos Pimenta Presidente do Observatório de Economia e Gestão de Fraude Professor Catedrático da Universidade do Porto Observação prévia: Em

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

visão global do mundo dos negócios

visão global do mundo dos negócios Senhor Primeiro Ministro Senhor Ministro da Saúde Senhor Presidente da AM Senhor Presidente do CA da Lenitudes Senhores Deputados Srs. Embaixadores Srs. Cônsules Senhores Vereadores e Deputados Municipais

Leia mais

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 RESOLUÇÃO SECRETARIADO NACIONAL DE 29 DE JANEIRO DE 2015 O ano de 2015 é o primeiro em que nos encontramos integralmente fora da alçada da Troika e no qual o Governo poderia ter operado uma real mudança

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA ABERTURA DA XIV CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA JUSTIÇA DA CPLP

ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA ABERTURA DA XIV CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA JUSTIÇA DA CPLP ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA ABERTURA DA XIV CONFERÊNCIA DOS MINISTROS DA JUSTIÇA DA CPLP A propriedade da terra como fator de desenvolvimento Salão

Leia mais

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal

Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Aese Orçamento do Estado 2016 Uma Perspectiva Pessoal Quando o Fórum para a Competitividade me convidou para esta intervenção, na qualidade de empresário, já se sabia que não haveria Orçamento de Estado

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO DA PRAIA: MEMORANDO DOS JUÍZES DE LÍNGUA PORTUGUESA SOBRE POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Os juízes representantes dos vários países de língua oficial portuguesa e que integram a União

Leia mais

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor,

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor, PREFÁCIO DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil Prezada leitora, estimado leitor, Ao longo dos séculos, a pobreza foi um fenômeno cercado de interesses e de preconceitos. Houve momentos

Leia mais

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum

O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Working Draft Last Modified 30/01/2007 18:09:06 GMT Standard Time O desemprego como oportunidade Fundo Bem Comum Conferência Mercado Laboral: A responsabilidade social das empresas em tempo de crise OJE

Leia mais

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO

República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO República de Moçambique Presidência da República DISCURSO PARA BANQUETE DE ESTADO Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por ocasião do Banquete de Estado

Leia mais

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria.

Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. 1 Abrasa - Ponto de Cultura, Internacional Brasileiros na Áustria. Quem somos: A Abrasa Associação Brasileiro-Afro-Brasileira para o Desenvolvimento da Dança, Cultura Educação e Arte, é uma Instituição

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

Fundo Mundial para o Ambiente

Fundo Mundial para o Ambiente Check upon delivery Só a versão proferida faz fé Fundo Mundial para o Ambiente Comunicação Apresentada por Monique Barbut, directora geral e presidente Fundo Mundial do Ambiente Em visita à Guiné-Bissau

Leia mais

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008

3. PRINCIPAIS TEMÁTICAS E CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÃO DOS OPEN DAYS 2008 1. INTRODUÇÃO Em apenas 5 anos os OPEN DAYS Semana Europeia das Regiões e Cidades tornaram-se um evento de grande importância para a demonstração da capacidade das regiões e das cidades na promoção do

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais