CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA"

Transcrição

1

2 Portugal é por tradição um país de migrações, dado que apesar do incremento da imigração, os portugueses continuam a emigrar... CAUSAS DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA A motivação económica, que se traduz pela procura de emprego, de melhores salários e de melhores condições de vida, está na origem da saída de portugueses do país, que vêem noutros destinos a esperança num futuro melhor.

3 Como é que a mobilidade se refletiu na evolução da população portuguesa neste período? Ao longo dos anos, os movimentos migratórios, quer internos, quer externos, tem influenciado as caraterísticas demográficas e sociais do país, refletindo-se diretamente no comportamento da população portuguesa no tempo e no espaço. Podemos apontar duas fases distintas na 2.ª metade do séc. XX: Saldo migratório Espaço Tempo Fase I Negativo Diminuição da população Intracontinentais Incremento temporárias Fase II Após 1973 Positivo Aumento da população Intracontinentais e intercontinentais Aumento temporárias

4 A evolução do número de emigrantes portugueses no séc. XX

5 FASE I ( ) Principais destinos FASE I ENTRE Maior período de emigração da população portuguesa; Emigração sobretudo intra-continental; A Venezuela é destino dos madeirenses e os EUA e Canadá são destinos de açorianos.

6 FASE I ( ) É um período marcado pelo aumento da emigração ilegal.

7 FASE I ( ) É um período marcado pelo aumento da emigração ilegal devido a: Morosidade na organização dos processos; Restrições impostas pelos países recetores; Degradação acelerada das condições de vida em Portugal;

8 FASE I ( ) É um período marcado pelo aumento da emigração ilegal devido a: Guerra colonial em África; Intensificação das perseguições políticas em Portugal.

9 FASE I ( ) CAUSAS DO FLUXO MIGRATÓRIO Em Portugal: Falta de recursos e de emprego; Baixo nível de vida e baixos salários; Falta de estruturas de apoio às famílias e às atividades socioculturais;

10 FASE I ( ) CAUSAS DO FLUXO MIGRATÓRIO Em Portugal: Regime político (ditadura de Salazar); Guerra colonial nas ex-províncias africanas; O desenvolvimento dos transportes e comunicações internacionais.

11 FASE I ( ) CAUSAS DO FLUXO MIGRATÓRIO Nos países de destino: O grande desenvolvimento económico da Europa Ocidental após a II Guerra Mundial; Necessidade de reconstrução das estruturas produtivas necessidade de mão-de-obra barata para a indústria, construção civil e serviços pouco qualificados.

12 FASE I ( ) CONSEQUÊNCIAS DO FLUXO MIGRATÓRIO PARA PORTUGAL: Diminuição da população ativa, que levou, nas áreas rurais, ao abandono dos campos e ao esforço de mecanização dos campos agrícolas; Aumento da taxa de analfabetismo (que era inferior na população que emigrou, cerca de 17%, contra 30% na população do país);

13 FASE I ( ) CONSEQUÊNCIAS DO FLUXO MIGRATÓRIO PARA PORTUGAL: Subida dos salários e o investimento em nova tecnologia na indústria, sobretudo a de capital estrangeiro; Envelhecimento demográfico; Entrada de divisas (dinheiro enviado pelos emigrantes) estrangeiras.

14 FASE II (Após 1973) Após 1973, a população portuguesa aumentou, o saldo migratório passou a ser positivo, apesar de decrescer na década de 1980 e de registar um abrandamento nos últimos anos. FORTE DIMINUIÇÃO DA EMIGRAÇÃO PORTUGUESA 1973 Crise Petrolífera (Subida vertiginosa dos preços do petróleo que levou a graves consequências económicas). Grande AUMENTO DO DESEMPREGO nos países da Europa Ocidental. - Os países da Europa ocidental impuseram restrições à imigração, com o objetivo de diminuir o desemprego da sua população. - Incentivaram o regresso de alguns imigrantes aos seus países de origem, dando indemnizações.

15 FASE II (Após 1973) Crise económica internacional de de Abril de Melhoria da situação económica portuguesa: - Fim da Guerra Colonial; - Democratização da sociedade portuguesa; - Entrada de Portugal na CEE (atual UE) em 1986; - Melhoria do nível de vida da população; - Melhoria da qualidade de vida. - Decréscimo da emigração portuguesa - Regresso de muitos emigrantes a Portugal

16 FASE II (Após 1973) Década de 1970 Nesta década, temos um aumento da imigração em Portugal, em resultado... - Da descolonização e do retorno dos portugueses das ex-colónias; - Do regresso dos emigrantes, sobretudo os que se encontravam numa situação de impedimento, antes do 25 de Abril, de voltarem a Portugal.

17 FASE II (Após 1973) Década de 1980 Nesta década, assistimos a um aumento da emigração, um incremento e predomínio da emigração temporária, em consequência, por exemplo: Do fim dos condicionalismos administrativos que restringiam a saída do país; Da assinatura dos acordos de Schengen, que estabelecem a livre circulação de pessoas nos países signatários; Do desenvolvimento das infraestruturas e dos meios de transporte; Da globalização da economia.

18 FASE II (Após 1973) Década de 1980 Nesta década, verificamos ainda: um incremento da imigração, originária dos países africanos de expressão portuguesa (PALOP), especialmente de Cabo Verde; um aumento do regresso da população emigrante a Portugal devido à melhoria do nível de vida em Portugal.

19 FASE II (Após 1973) Década de 1990 A partir desta década, Portugal passa também a ser um país de imigrantes, que representam já 3,7% do total da população em Os imigrantes não são só de países de expressão portuguesa (com destaque para Brasil e Cabo Verde) mas também... Da Europa de Leste (Ucrânia, Roménia, entre outros) Da Europa Ocidental (como o Reino Unido) Da Ásia (como a China)

20 FASE II (Após 1973) A partir da década de Origem da população estrangeira residente em Portugal (2001 e 2011)

21 FASE II (Após 1973) A partir da década de Apesar de desde esta altura, também sermos um país de imigrantes, Portugal continua a ser um país de emigrantes mas com destinos e um perfil diferenciados dos encontrados na década de sessenta: A par da emigração intracontinental, os destinos intercontinentais regressam, como Angola, Moçambique e Brasil; A emigração temporária predomina; Surge o aumento da emigração de jovens qualificados; A emigração de caráter individual substitui a familiar; A emigração feminina aumenta, apesar de predominar a masculina;

22 Em suma... O aumento da população em 2% entre 2001 e 2011 foi consequência da imigração compensando o decréscimo da natalidade. Com a taxa de fecundidade dos portugueses a diminuir, a substituição das gerações em Portugal teve o contributo dos imigrantes. As migrações e a evolução da população portuguesa Num futuro próximo, perspetiva-se uma baixa mais acentuada da Taxa de Crescimento Efetivo, já que o saldo migratório será negativo. A nova vaga emigratória de portugueses recupera antigos destinos dentro da Europa e países de expressão portuguesa.

Estatísticas Demográficas 2014

Estatísticas Demográficas 2014 Estatísticas Demográficas 214 3 de outubro de 215 Saldos natural e migratório negativos atenuam-se face ao ano anterior Em 214 verificou-se uma diminuição da população residente, mantendo a tendência observada

Leia mais

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal José Rebelo dos Santos ESCE / IPS jose.rebelo@esce.ips.pt Lisboa, 7 de outubro de 2016 Sumário: Objetivos Contextualização do desemprego

Leia mais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais A População e o Território 1 A População e o Território Parte 1 2 Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais 1 Uma ocupação progressivamente mais intensa do território nacional: 3 A ocupação do solo em

Leia mais

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012

Número de nados vivos volta a diminuir em 2012 Estatísticas Demográficas 29 de outubro de 2013 Número de nados vivos volta a diminuir em O número de nados vivos desceu para 89 841 (96 856 em 2011) e o número de óbitos aumentou para 107 612 (102 848

Leia mais

A POPULAÇÃO PORTUGUESA: Contrastes na distribuição e evolução O sistema urbano nacional

A POPULAÇÃO PORTUGUESA: Contrastes na distribuição e evolução O sistema urbano nacional UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 5. A POPULAÇÃO PORTUGUESA: Contrastes na distribuição e evolução O sistema urbano nacional IPS-ESE ME12C André Silva A População Portuguesa

Leia mais

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS

TEMA I. A POPULAÇÃO, UTILIZADORA DE RECURSOS E ORGANIZADORA DE ESPAÇOS 1.1. A população: evolução e diferenças regionais 1.1.1. A evolução da população na 2ª metade do século XX Preparação para exame nacional Geografia A 1/8 Síntese: Evolução demográfica da população portuguesa

Leia mais

OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012

OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012 OS MEDIA E AS ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2012 Número de emigrantes em 2012 foi superior ao total de nascimentos Público.pt - 30/10/2013 Num só ano, mais de 120 mil portugueses deixaram o país. São ordens

Leia mais

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães

PRINCIPAIS TENDÊNCIAS DEMOGRÁFICAS: AS ÚLTIMAS DÉCADAS Cláudia Pina, Graça Magalhães Cláudia Pina, Graça Magalhães A desaceleração do crescimento demográfico e, mais recentemente, o decréscimo dos volumes populacionais a par com um continuado processo de envelhecimento demográfico consubstanciam

Leia mais

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012

População residente em Portugal volta a diminuir em 2012 9 95 29 9 954 958 9 974 391 1 8 659 1 43 693 1 84 196 1 133 758 1 186 634 1 249 22 1 33 774 1 394 669 1 444 592 1 473 5 1 494 672 1 511 988 1 532 588 1 553 339 1 563 14 1 573 479 1 572 721 1 542 398 1

Leia mais

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL MODERA CRESCIMENTO

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL MODERA CRESCIMENTO População Estrangeira Residente em Portugal Resultados provisórios 2002 2 de Julho de 2003 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL MODERA CRESCIMENTO Em 2002, a população estrangeira com a situação regularizada,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

Paulo Tumasz Junior. Tipos de Migração

Paulo Tumasz Junior. Tipos de Migração Paulo Tumasz Junior Tipos de Migração APRESENTAÇÕES Slides - Migrações: Deslocamentos de pessoas no decorrer do tempo; - Mudança de endereço por diversos fatores e motivos; - As migrações podem ser forçadas

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL

A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL A EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL FASES DO CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: Até 1750 Regime Demográfico Primitivo Crescimento muito lento da população mundial; Taxa de mortalidade elevada; Taxa de natalidade elevada;

Leia mais

Geografia 8.º. População e povoamento - 1

Geografia 8.º. População e povoamento - 1 Geografia 8.º População e povoamento - 1 GRUPO I A figura 1 representa as fases da evolução da população mundial, entre o ano 500 e 2050* (*estimativa). A figura 2 representa a repartição da taxa bruta

Leia mais

Introdução. disponível). Ver capítulos Methodological remarks e Metadata. PORTUGUESE EMIGRATION FACTBOOK 2015: FOREWORD (versão portuguesa)

Introdução. disponível). Ver capítulos Methodological remarks e Metadata. PORTUGUESE EMIGRATION FACTBOOK 2015: FOREWORD (versão portuguesa) Introdução 01. Em 2014, a emigração portuguesa manteve-se em alta. 1 Tal como em 2013, mais de 110 mil portugueses deixaram o país. A persistência destes volumes elevados de saídas durante os últimos cinco

Leia mais

CAPÍTULO I - Demografia

CAPÍTULO I - Demografia 18 Diagnóstico Social do Município de Fornos de Algodres CAPÍTULO I - Demografia Conteúdo População Residente Distribuição Populacional Densidade Populacional Estrutura Populacional Distribuição da População

Leia mais

IMIGRAÇÃO - ANÁLISE QUANTITATIVA

IMIGRAÇÃO - ANÁLISE QUANTITATIVA Atualização Diagnóstico Social Área Imigração IMIGRAÇÃO - ANÁLISE QUANTITATIVA Indicadores - População residente por nacionalidade - População Estrangeira por continente de origem - População Imigrante

Leia mais

DEMOGRAFIA DEMOGRAFIA

DEMOGRAFIA DEMOGRAFIA DEMOGRAFIA DEMOGRAFIA - Refere-se ao estudo das populações humanas e sua evolução temporal no tocante ao seu tamanho, distribuição espacial, composição e características gerais TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA Refere-se

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS Como pode cair no enem (ENEM) As migrações transnacionais, intensificadas e generalizadas nas últimas décadas do século XX, expressam aspectos particularmente

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004

Seminário> Família: realidades e desafios. Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 Instituto de Defesa Nacional / Lisboa - Dias 18 e 19 de Novembro de 2004 1 Migrações e famílias em >Maria Lucinda Portugal Fonseca Estrutura da apresentação 1. Papel da família no processo migratório:

Leia mais

Resultados Provisórios POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL 2001

Resultados Provisórios POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL 2001 Informação à Comunicação Social 24 de Julho de 2002 Resultados Provisórios POPULAÇÃO ESTRANGEIRA EM PORTUGAL 2001 1. População Estrangeira Residente Os dados estatísticos, reportados a 31 de Dezembro de

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

Tipos de migrações Causas e consequências Fluxos migratórios no mundo

Tipos de migrações Causas e consequências Fluxos migratórios no mundo Tipos de migrações Causas e consequências Fluxos migratórios no mundo As migrações populacionais remontam aos tempos pré históricos. O homem parece estar constantemente à procura de novos horizontes. O

Leia mais

Movimentos Migratórios em Portugal. Paulo Carvalhuço

Movimentos Migratórios em Portugal. Paulo Carvalhuço Movimentos Migratórios em Portugal Paulo Carvalhuço Instituto de Emprego e Formação Profissional Centro de Formação e Reabilitação Profissional de Alcoitão Imigração em Portugal 1. Que mudanças se registaram

Leia mais

O desenvolvimento e a questão demográfica

O desenvolvimento e a questão demográfica A DEMOGRAFIA E A ECONOMIA O desenvolvimento e a questão demográfica O conhecimento das dinâmicas populacionais revela-se de grande importância para fornecer informação, nomeadamente aos decisores de políticas

Leia mais

Portugal ainda é cais de partida: alguns dados da emigração no período

Portugal ainda é cais de partida: alguns dados da emigração no período Portugal ainda é cais de partida: alguns dados da emigração no período 1992-2003 1 Dulce PIMENTEL e-geü Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade

Leia mais

Paulo Tumasz Junior. Migrações Brasileiras II

Paulo Tumasz Junior. Migrações Brasileiras II Paulo Tumasz Junior Migrações Brasileiras II APRESENTAÇÕES Slides - Efeitos das migrações: - Econômicas, demográficas e sociais; - Chega e saída; - Consequências populacionais: - Chegada: Aumento da população,

Leia mais

A integração socioprofissional dos imigrantes: contexto e desafios *

A integração socioprofissional dos imigrantes: contexto e desafios * 11.ª Conferência Internacional Metropolis, Lisboa, 5 de Outubro de 2006 A integração socioprofissional dos imigrantes: contexto e desafios * Rui Pena Pires (Professor no ISCTE e investigador no CIES-ISCTE)

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

PROVA ESCRITA DE GEOGRAFIA A 10+11º Anos

PROVA ESCRITA DE GEOGRAFIA A 10+11º Anos ESCOLA SECUNDÁRIA C/3º CICLO MANUEL DA FONSECA (Prova de Exame a nível de escola ao abrigo do Decreto-Lei nº 357/2007, de 29 de Outubro) Duração da Prova: Cursos científico-humanísticos 90 minutos + 30

Leia mais

Maria João Valente Rosa Paulo Chitas. Portugal: os Números. Ensaios da Fundação

Maria João Valente Rosa Paulo Chitas. Portugal: os Números. Ensaios da Fundação Maria João Valente Rosa Paulo Chitas Portugal: os Números Ensaios da Fundação Índice Nota Introdutória 9 1. População 11 1.1. Portugal na barreira dos 10 milhões 11 1.2. Mães menos jovens e com menos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

Crescimento demográfico da América Anglo-Saxônica e da América Latina

Crescimento demográfico da América Anglo-Saxônica e da América Latina Respostas das sugestões de avaliação Unidade 4 1. a) A população americana se distribui de maneira irregular pelo seu território; ou seja, algumas regiões são mais povoadas que outras. b) Essa distribuição

Leia mais

DEMOGRAFIA De janeiro a maio nasceram menos 1036 bebés do que no mesmo período do ano passado, interrompendo a recuperação de 2015 e 2016.

DEMOGRAFIA De janeiro a maio nasceram menos 1036 bebés do que no mesmo período do ano passado, interrompendo a recuperação de 2015 e 2016. 2 DEMOGRAFIA De janeiro a maio nasceram menos 1036 bebés do que no mesmo período do ano passado, interrompendo a recuperação de 2015 e 2016. Sem aumento da fecundidade, a perda de população vai agravar-se.

Leia mais

GEOGRAFIA. Prof.: Zidane e Wilton Pires

GEOGRAFIA. Prof.: Zidane e Wilton Pires GEOGRAFIA Prof.: Zidane e Wilton Pires AGROPECUÁRIA QUESTÕES AGRÁRIAS (DISTRIBUIÇÃO DAS TERRAS E SUAS CONSEQUÊNCIAS) Concentração fundiária (origem do período colonial: sesmarias, capitanias hereditárias);

Leia mais

Onde: P o = população conhecida no instante t o. N (t o, t x ) = nascimentos registrados e ocorridos no período t o, a t x

Onde: P o = população conhecida no instante t o. N (t o, t x ) = nascimentos registrados e ocorridos no período t o, a t x Conceito: a população é dinâmica Os elementos que definem a dinâmica da população são: NASCIMENTOS ÓBITOS MIGRAÇÃO POPULAÇÃO Nascimentos Imigração Onde: P X = P O + N (to,tx) O (to, tx) + I (to, tx) E

Leia mais

Nome: Ano: Turma: Nº.: Grupo I - População e povoamento. 1- Escreve, antes de cada frase / definição, o número correspondente ao conceito respectivo.

Nome: Ano: Turma: Nº.: Grupo I - População e povoamento. 1- Escreve, antes de cada frase / definição, o número correspondente ao conceito respectivo. Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Silves Sul Doc. 59 PGA - Prova Global do Agrupamento Departamento de Ciências Sociais e Humanas Geografia 8º Ano Prova: C Nome: Ano: Turma: Nº.:

Leia mais

Evolução da população do Concelho de Cascais

Evolução da população do Concelho de Cascais Evolução da população do Concelho de Cascais 197-211 5, 4,5 4, 3,5 Homens 3, 2,5 2, 1,5 1,,5, Idades 95 + 9-94 85-89 8-84 75-79 7-74 65-69 6-64 55-59 5-54 45-49 4-44 35-39 3-34 25-29 2-24 15-19 1-14 5-9

Leia mais

Índice Geral 1. EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE DENSIDADE POPULACIONAL FAMÍLIAS, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS... 7

Índice Geral 1. EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE DENSIDADE POPULACIONAL FAMÍLIAS, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS... 7 0 Índice Geral 1. EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE... 2 2. DENSIDADE POPULACIONAL... 5 3. FAMÍLIAS, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS... 7 4. ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO RESIDENTE... 9 5. NATURALIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

04. POPULAÇÃO BRASILEIRA E SEUS MOVIMENTOS

04. POPULAÇÃO BRASILEIRA E SEUS MOVIMENTOS 04. POPULAÇÃO BRASILEIRA E SEUS MOVIMENTOS O povo brasileiro Darcy Ribeiro (1922-1997) renomado antropólogo brasileiro teve a educação como grande causa de sua vida dedicou-se a tentar entender a alma

Leia mais

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS

POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS População Estrangeira em Portugal 23 28 de Junho de 24 POPULAÇÃO ESTRANGEIRA CRESCE A RITMO INFERIOR AO DOS ÚLTIMOS ANOS Em 23, segundo informação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a população estrangeira

Leia mais

MIGRAÇÕES E DESENVOLVIMENTO HUMANO

MIGRAÇÕES E DESENVOLVIMENTO HUMANO RESUMO Interpreta-se a defesa do desenvolvimento humano, abordando as naturezas da migração e os seus fatores, bem como os reflexos estatais, desde o planeamento à repulsa cidadã. PALAVRAS-CHAVE desenvolvimento

Leia mais

Estatísticas Demográficas 30 de Setembro de

Estatísticas Demográficas 30 de Setembro de Estatísticas Demográficas 3 de Setembro de 24 23 Em 23, e face ao ano anterior, a natalidade decresceu 1,6%, enquanto que a mortalidade aumentou 2,3%. A mortalidade infantil e fetal continuaram em queda.

Leia mais

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA

Geografia 8º ano. Planificação a longo prazo 2013/2014. Filipe Miguel Botelho TOSHIBA 0/04 Geografia 8º ano Planificação a longo prazo Filipe Miguel Botelho TOSHIBA Planificação a longo prazo 8º ano - Geografia º Período Aulas º Período Aulas º Período Aulas TEMA B MEIO NATURAL Tema C População

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 julho 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Sociedade, Tecnologia e Ciência!

Sociedade, Tecnologia e Ciência! Sociedade, Tecnologia e Ciência! NG 6 - URBANISMO E MOBILIDADE! Mobilidades Locais e Globais Helder Alvalade! Objectivos!! conhecer os vários tipos de migrações;! identificar consequências demográficas,

Leia mais

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa

Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas. Constança Urbano de Sousa Política Europeia de Imigração: Evolução e Perspectivas Constança Urbano de Sousa Notas preliminares Imigração e Asilo Conceito comunitário de estrangeiro Cidadão comunitário Estrangeiro: nacional de Estado

Leia mais

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes?

A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? A fecundidade em Portugal: Como seria sem as mulheres imigrantes? MADALENA RAMOS, ISCTE-IUL, CIES-IUL (madalena.ramos@iscte.pt) ANA CRISTINA FERREIRA, ISCTE-IUL, DINÂMIA/CET-ISCTE-IUL (cristina.ferreira@iscte.pt)

Leia mais

A População Brasileira e Mundial

A População Brasileira e Mundial A População Brasileira e Mundial A População Brasileira e Mundial 1. As pirâmides representam a estrutura etária da população mundial e são resultantes da interação de dois elementos básicos: o crescimento

Leia mais

Tipos de Migrações. podem ser quanto ao espaço. Êxodo Rural Êxodo Urbano Intracontinental Intercontinental

Tipos de Migrações. podem ser quanto ao espaço. Êxodo Rural Êxodo Urbano Intracontinental Intercontinental Migrações Humanas O acto migratório envolve ou a necessidade de mobilizar-se em função da sobrevivência (defesa da própria vida, liberdade, possibilidades económicas, causas ecológicas) ou bem a vontade

Leia mais

Maioria dos emigrantes

Maioria dos emigrantes Maioria dos emigrantes portugueses continua a ser pouco qualificada A ideia de que a emigração é hoje feita por pessoas altamente qualificadas "é uma ilusão". Mesmo no Reino Unido, o destino que mais atrai

Leia mais

(ALMEIDA, Lúcia Marina de; RIGOLIN, Tércio Barbosa. Fronteiras da globalização: geografia geral e do Brasil. São Paulo, Ática, 2004, p. 228).

(ALMEIDA, Lúcia Marina de; RIGOLIN, Tércio Barbosa. Fronteiras da globalização: geografia geral e do Brasil. São Paulo, Ática, 2004, p. 228). Migrações Mundiais 1. (FUVEST 2009) Com base no mapa e nos seus conhecimentos sobre as migrações internacionais, assinale a alternativa INCORRETA: a) Alguns países europeus e os EUA apresentam um significativo

Leia mais

artigo - investigação & práticas

artigo - investigação & práticas Escola Superior de Educação - Instituto Politécnico de Bragança artigo - investigação & práticas Inverno demográfico Demographic Winter João Pedro Lopes Moreno Escola EB 2,3 Paulo Quintela morenopedro@live.com.pt

Leia mais

Teste Diagnóstico I Geografia

Teste Diagnóstico I Geografia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

Formanda: Curso: Módulo: Formador(a): Data: Introdução 2 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo.

Formanda: Curso: Módulo: Formador(a): Data: Introdução 2 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo. Fluxos Migratórios Introdução 2 Conceitos de Migração, Imigração, Emigração e Êxodo. 4 Principais fluxos migratórios portugueses ao longo dos tempos. 4 Vantagens e desvantagens dos fluxos migratórios...

Leia mais

Instituto t Nacional de Estatística

Instituto t Nacional de Estatística Apresentação dos Resultados Definitivos do Recenseamento Geral da População e Habitação - RGPH 2010 - Instituto t Nacional de Estatística tí ti CABO VERDE Gabinete do Censo Resultados definitivos do RGPH

Leia mais

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL 3. PORTUGAL NO NOVO QUADRO INTERNACIONAL 3.1. A 1.

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL 3. PORTUGAL NO NOVO QUADRO INTERNACIONAL 3.1. A 1. 1. A evolução económica: 1986 1992 - Integração na CEE: em vigor a partir de 1.jan.1986 - Fundos Estruturais / Fundo de Coesão: vinda de capitais da CEE para Portugal - Melhoria da situação económica internacional

Leia mais

pág. 94/95, gráficos, quadros

pág. 94/95, gráficos, quadros pág. 94/95, gráficos, quadros 2.1.1. Estagnação do mundo rural - Assimetrias Norte / Sul (minifúndio / latifúndio) - Índices de produtividade muito baixos (comparados com a Europa) - Campos sobrepovoados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 6 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início: 15 setembro 2014 *Fim: 16 dezembro 2014 *Início: 5

Leia mais

Direção Regional de Estatística da Madeira

Direção Regional de Estatística da Madeira 03 de outubro de 2014 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 A presente publicação compila os diferentes indicadores divulgados ao longo do ano relativos ao comportamento demográfico

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL

9. ALTERAÇÕES GEOESTRATÉGICAS, TENSÕES POLÍTICAS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS ATUAL 1. A evolução económica: 1986 1992 - Integração na CEE: em vigor a partir de 1.jan.1986 - Fundos Estruturais / Fundo de Coesão: vinda de capitais da CEE para Portugal - Melhoria da situação económica internacional

Leia mais

AMADO. Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS

AMADO. Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS AMADO ORA Censos 2011 SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS SÍNTESE DOS RESULTADOS DEFINITIVOS POPULAÇÃO RESIDENTE, POPULAÇÃO PRESENTE, FAMÍLIAS, NÚCLEOS FAMILIARES, ALOJAMENTOS E EDIFÍCIOS.. 3 POPULAÇÃO

Leia mais

pág. 94/95, gráficos, quadros

pág. 94/95, gráficos, quadros pág. 94/95, gráficos, quadros 2.1.1. Estagnação do mundo rural - Assimetrias Norte / Sul (minifúndio / latifúndio) - Índices de produtividade muito baixos (comparados com a Europa) - Campos sobrepovoados

Leia mais

A Emigração Portuguesa. Julho, 2010

A Emigração Portuguesa. Julho, 2010 Julho, 2010 . 1. 2. As Remessas dos Emigrantes 3. Perspectivas da Emigração Portuguesa 4. Anexos Julho 2010 2 1. Crescimento da população. Entre 2000 e 2009, verifica-se uma desaceleração na taxa de crescimento

Leia mais

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não

Ei-los que partem. Virão um dia ricos ou não contando histórias de lá de longe onde o suor se fez em pão virão um dia ou não Ei-los que partem Ei-los que partem novos e velhos buscando a sorte noutras paragens noutras aragens entre outros povos ei-los que partem velhos e novos Ei-los que partem de olhos molhados coração triste

Leia mais

Estatísticas Demográficas 2004

Estatísticas Demográficas 2004 Estatísticas Demográficas 2004 28 de Novembro de 2005 A população residente em Portugal, em 31/12/2004, estimou-se em 10 529 255 indivíduos. Os nascimentos decresceram 2,9% e os óbitos 6,2%, face a 2003.

Leia mais

Migrações e coesão social:

Migrações e coesão social: Conferência Horizontes para uma Área Metropolitana de Lisboa inteligente, sustentável e inclusiva 4 5 Julho 2013 Migrações e coesão social: contexto AML Maria Lucinda Fonseca CEG/IGOT UL Contexto: dinâmicas

Leia mais

RETRATO DA REALIDADE EMIGRATÓRIA EM PORTUGAL

RETRATO DA REALIDADE EMIGRATÓRIA EM PORTUGAL Emigração em Portugal 2002 17 de Junho de 2003 RETRATO DA REALIDADE EMIGRATÓRIA EM PORTUGAL Portugal, à semelhança de outros países do sul da Europa, viu alterada a sua tradição migratória, de uma forma

Leia mais

CIP - Europa Laboral em Síntese

CIP - Europa Laboral em Síntese CIP - Europa Laboral em Síntese Nº 5 janeiro de 2015 DESTAQUES Relatório sobre o emprego e desenvolvimentos sociais na Europa (2014) A Comissão Europeia publicou, em janeiro, o seu relatório sobre o emprego

Leia mais

A POPULAÇÃO BRASILEIRA

A POPULAÇÃO BRASILEIRA A origem dos brasileiros A população brasileira é heterogênea e foi constituída por três principais grupos étnicos Indígena Cafuzo Negro africano Caboclo ou mameluco Branco europeu Mulato A miscigenação,

Leia mais

População: Características e crescimento da população mundial

População: Características e crescimento da população mundial População: Características e crescimento da população mundial IFMG - Campus Betim Professor Diego Alves de Oliveira Disciplina de Geografia - 3º Ano 2016 7 bilhões de pessoas no planeta em 2012; Distribuição

Leia mais

OEm Fact Sheets 02 dezembro de 2014

OEm Fact Sheets 02 dezembro de 2014 oem Observatório da Emigração Remessas 2013 Inês Vidigal*, Rui Pena Pires** * Universidade de Lisboa (UL), IGOT-UL, Lisbon, Portugal; Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Investigação

Leia mais

Prova Escrita de Geografia A

Prova Escrita de Geografia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Geografia A 0.º e.º Anos de Escolaridade Prova 79/.ª Fase Critérios de Classificação 9 Páginas 202 COTAÇÕES

Leia mais

Distinguir estado de tempo e clima. Descrever estados de tempo

Distinguir estado de tempo e clima. Descrever estados de tempo ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 8º Aulas previstas 1º Período: 30 (45 ) 2º Período: 32 (45 ) 3º Período: 20 (45 ) UNIDADE

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro

Agrupamento de Escolas de Terras de Bouro Perfil de aprendizagem de História 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO Das sociedades recolectoras às primeiras civilizações Das sociedades recolectoras às primeiras sociedades produtoras 1. Conhecer o processo

Leia mais

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO 1 TRABALHO E SISTEMAS DE ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O ser humano trabalha quando cria a vida ou melhora as condições de vida. O trabalho transforma a natureza O trabalho também serve a estratificação está

Leia mais

Conceitos e taxas demográficas

Conceitos e taxas demográficas POPULAÇÃO Conceitos e taxas demográficas POPULAÇÃO ABSOLUTA: Refere-se ao total de habitantes de um país. POPULAÇÃO RELATIVA OU DENSIDADE DEMOGRÁFICA: Corresponde ao número de habitantes por quilômetro

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4

DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS. Aula 4 DINÂMICA POPULACIONAL E INDICADORES DEMOGRÁFICOS Aula 4 NOS DÁ A IDÉIA DA COMPOSIÇÃO DA POPULAÇAO... Década de 30 A ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER passou de aproximadamente 41 anos Década de 50 Viviam média

Leia mais

Teresa Ferreira Rodrigues Filipa de Castro Henriques

Teresa Ferreira Rodrigues Filipa de Castro Henriques Teresa Ferreira Rodrigues Filipa de Castro Henriques Desafios demográficos colocados à sociedade portuguesa 3 grandes objetivos 1. Efetuar o diagnóstico das características demográficas estruturantes da

Leia mais

Migração interna e internacional no continente na perspectiva da CIPD além de Seminário Internacional ALAP Rio de Janeiro Julho 2013

Migração interna e internacional no continente na perspectiva da CIPD além de Seminário Internacional ALAP Rio de Janeiro Julho 2013 Migração interna e internacional no continente na perspectiva da CIPD além de 2014 Seminário Internacional ALAP Rio de Janeiro Julho 2013 Migração Internacional Final Século XX O tema migração internacional

Leia mais

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um

Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um CRESCIMENTO DESENVOLVIMENTO PARCERIAS Construir Parcerias quer dizer ter a oportunidade e a coragem de empreender, no mercado dos Países de Língua Portuguesa, de forma a se obter um espaço (CONFEDERAÇÃO

Leia mais

Gabarito da Prova Bimestral 3º Bimestre Geografia 3º Ano

Gabarito da Prova Bimestral 3º Bimestre Geografia 3º Ano Gabarito da Prova Bimestral 3º Bimestre Geografia 3º Ano 1. a) O que define uma metrópole é a influência que exerce nas dinâmicas sociais, econômicas e urbanas de outras cidades, por apresentar em seu

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Migração no Mundo Obs 1 : conflitos armados, étnicos, intolerância, religiosos ou políticos, e a fome formam os principais fatores repulsivos;

Leia mais

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior

Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Os desafios da Gestão e da Qualidade do Ensino Superior nos Países e Regiões de Língua Portuguesa 15 de Novembro de 2011 Sustentabilidade: Desafio Actual do Ensino Superior Instituto Superior Técnico,

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, 08 / 04/ 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:7º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

461 ANOS DE SÃO PAULO

461 ANOS DE SÃO PAULO 461 ANOS DE SÃO PAULO O envelhecimento e a dinâmica populacional dos distritos paulistanos O envelhecimento é um processo progressivo na capital, passando de 6 idosos para cada 10 jovens, em 2010, a 12

Leia mais

PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRAVA-SE NO FUTURO

PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRAVA-SE NO FUTURO 12 DE Junho de 23 PROJECÇÕES DE POPULAÇÃO RESIDENTE EM PORTUGAL 2-25 ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO AGRAVA-SE NO FUTURO As Projecções de População Residente em Portugal, no horizonte 2-25, revelam um envelhecimento

Leia mais

Introdução ao Estudo da População

Introdução ao Estudo da População Introdução ao Estudo da População Introdução O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Entre o início e o fim do século XX a população mundial

Leia mais

Transição demográfica

Transição demográfica Transição demográfica u Teoria da transição demográfica foi proposta considerando-se as relações entre crescimento populacional e desenvolvimento socioeconômico. u O desenvolvimento econômico e a modernização

Leia mais

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira

Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira Mercado de Trabalho da Região Norte Eduardo Pereira 1 a sessão NORTE & PESSOAS 12 MAIO Instituto de Design de Guimarães www.ccdr-n.pt/norte-pessoas O Mercado de Trabalho da Região Norte 1. Da viragem do

Leia mais

Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016

Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016 Per spetivas do Emprego e das questo es Soci ais no Mundo Sumário executivo Te nde ncias 2016 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE INVESTIGAÇÃO 1 Sumário executivo A economia global está

Leia mais

PROJEÇÕES DA POPULAÇÃO EM IDADE ESCOLAR E PLANEAMENTO DE EQUIPAMENTOS EDUCATIVOS

PROJEÇÕES DA POPULAÇÃO EM IDADE ESCOLAR E PLANEAMENTO DE EQUIPAMENTOS EDUCATIVOS PROJEÇÕES DA POPULAÇÃO EM IDADE ESCOLAR E PLANEAMENTO DE EQUIPAMENTOS EDUCATIVOS Lúcia Santos Fundação para a Ciência e a Tecnologia (SFRH/BD/91094/2012) Cristina Barros Faculdade de Letras da Universidade

Leia mais

1. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança PORTUGAL NO MUNDO PROMOVER A PAZ E A SEGURANÇA

1. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança PORTUGAL NO MUNDO PROMOVER A PAZ E A SEGURANÇA 1. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança PORTUGAL NO MUNDO PROMOVER A PAZ E A SEGURANÇA 2º Encontro Conhecimento e Cooperação - Lisboa, 06-06-2013 2. Portugal no Mundo Promover a Paz e a Segurança

Leia mais

MULTICULTURALIDADE. Contributos para Melhor Cuidar. Nursing Perspectives Contributions to Better Care

MULTICULTURALIDADE. Contributos para Melhor Cuidar. Nursing Perspectives Contributions to Better Care MULTICULTURALITY Nursing Perspectives Contributions to Better Care MULTICULTURALIDADE Perspectivas da Enfermagem: Contributos para Melhor Cuidar JoséCarlosdosReisLopes Margarida Coutinho Santos Maria Salomé

Leia mais

A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro

A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro + A dinâmica demográfica do sul de Portugal: características do passado e desafios para o futuro. Lídia Patrícia Tomé & Filipe Ribeiro + Estrutura da apresentação 2 1. Evolução da Estrutura Populacional;

Leia mais

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016

Saldos migratórios OEm Fact Sheets 04 setembro de 2016 oem Observatório da Emigração Saldos migratórios 2000-2013 Rui Pena Pires e Inês Espírito-Santo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL),

Leia mais