Martinho Robalo de Brito, Director da Salvaguarda do Património, do IIPC, mestrando em Património e Desenvolvimento pela Uni-CV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Martinho Robalo de Brito, Director da Salvaguarda do Património, do IIPC, mestrando em Património e Desenvolvimento pela Uni-CV"

Transcrição

1 1 Martinho Robalo de Brito, Director da Salvaguarda do Património, do IIPC, mestrando em Património e Desenvolvimento pela Uni-CV Tema: A Interpretação do Património Cultural - Pelourinho ou Picota da Cidade Velha Património da Humanidade. O Património é, antes de ser um problema técnico, um problema cultural! Os bens patrimoniais são escassos, não renováveis, insubstituíveis, Luís Mota Figueira (Uni-CV, Cidade da Praia Cabo Verde ). A gestão da Cidade Velha como patrimonio mundial é tarefa de todos e não apenas das entidades públicas e privadas. O pelourinho é o meu afilhado simbolo da minha existência. Martinho Brito, Julho 09. Palavra-Chave: Património Cultural (Nacional e Universal); Turismo cultural; Gestão Integrada do Património; Conservação e Restauro; Desenvolvimento Sustentado. Resumo A importância da preservação e conservação do património cultural cabo-verdiano é a condição sine qua non para a sua valorização e sua transmissão às gerações vindouras. Com efeito, essa valorização implica a aplicação de medidas de políticas acertadas das entidades públicas visando a gestão integrada e harmoniosa no quadro do desenvolvimento de Cabo Verde. Os Sítios Históricos, os monumentos carecem de classificação e protecção, pois, o desenvolvimento acelerado do país impõe uma reflecção e alguma cautela nas decisões a serem tomadas. No caso da Cidade Velha esse risco é menor, sobretudo agora que acabou de ser declarada Património da Humanidade. Não obstante essas

2 2 prerrogativas, a aplicabilidade, o cumprimento e a fiscalização das normas nacionais e internacionais, passam, ao nosso ver, pelo planeamento e investimento e ainda pela gestão do património cultural virado para o desenvolvimento (turismo Cultural). Para tal, há que investir nas actualizações das normativas, na formação e recrutamento de quadros especializados, implementar o Plano de Gestão ( ), e sobretudo apresentar uma nova forma de organização na gestão, em que a população terá um papel pró-activo. A esse respeito, espera-se que as entidades públicas e privadas e toda a sociedade civil tenham a consciência da necessidade de preservar, conservar e tranaformar o nosso diamante em bens e serviços, vector de desenvolvimento turistico- cultural. Património Cultural (Conceito) O património cultural é uma construção social que resulta da forma como cada sociedade trata os seus bens culturais para a sua valorização, protecção e fruição. Deste modo, o mesmo é entendido como factor da identidade cultural, testemunho da história e condensador de vivências e convivências sociais, realidade psico-sociológica e marco civilizacional. Essa herança cultural é resultado de um processo antropológico, carregado de simbolismo e de valores de grande relevância e dimensão socioeconómica. Processo esse, que estriba na gestão sustentada e integrada, em prol do desenvolvimento sustentado. Para o efeito, a referida gestão deve estar permanentemente virada para a produção de serviços e posta no mercado para consumo dos utentes, particularmente, a população local. Por conseguinte, a preservação do património deve ser integrada numa política do Estado (ordenamento jurídico e administrativo), ao serviço do turismo cultural, tendo presente a melhoria de qualidade vida das pessoas. De referir, que a nossa Constituição da República (CR) no seu artigo 78º, no capitulo da cultura, atribui ao Estado de Cabo Verde a responsabilidade de preservar os bens herdados, baseados na dignidade da pessoa humana. Os bens culturais valem, em primeiro lugar, como factor de desenvolvimento e da personalidade do indivíduo, facultando-lhe o acesso à fruição cultural. (Artigo 78º - Constituição da Republica R CV, Tarefas do Estado).

3 3 A Lei de Base do Património de Cabo Verde 1 define: o Património Cultural como um conjunto de bens materiais e imateriais criados ou integrados pelo povo cabo-verdiano ao longo da história, com relevância para a formação e o desenvolvimento da identidade cultural cabo-verdiana;bens materiais como os elementos móveis e imóveis que pelo seu valor histórico, bibliográfico, artístico, arqueológico e cientifico fazem parte do património cultural cabo-verdiano (art. 3º, alínea c); Bens imateriais os que constituem elementos essenciais da memoria colectiva do povo. Tais como a história e literatura oral, as tradições populares, os ritos e o folclore, a língua, etc; Bens móveis como aqueles que são susceptíveis Pelourinho ou Picota Foto: Martinho Brito de mobilidade no espaço, tais como: objectos etnográficos, elementos arqueológicos, manuscritos antigos, etc; Bens imóveis aqueles que não são susceptíveis de mobilidade, tais como: construções, monumentos, sítios e locais históricos e naturais (Decreto-lei N.º102/III/90, de 29/12). Gestão de Património Cultural A gestão patrimonial deve estar ao serviço da sociedade (em exercício da cidadania) e do seu desenvolvimento. É nessa lógica que o Sítio Histórico Cidade Velha, Património Nacional e Património Mundial está sendo gerido. Aliás, essa ideia está imbricada no Plano de Gestão ( ), elaborado no quadro da candidatura da Cidade Velha, que acatou as recomendações da UNESCO (a participação activa da população local e a descrição do espírito do lugar). O citado plano de gestão foi elaborado com a participação activa da população e dos técnicos da comissão criada para o efeito e com apoio de um expert da UNESCO, em vários módulos. A gestão desse plano obriga a especialização e a organização de competências técnicas e das instituições públicas e privadas, cuja representação estará reflectida no Comité de Gestão (Ministério da Cultura, Câmara local e Forças Vivas ). 1 Decreto-lei nº 102/III/90, publicado in Suplemento do B.O. nº 52 de 29/12/90.

4 4 Ribeira Grande Cidade Velha Foto: Sebastian Moriset, Expert da Unesco, arquivo do IIPC, 2007 Vista do Sitio Histórico, Ribeira Grande, Património Mundial a partir do mar Situação Geográfica Situada a cerca de 12 km a Oeste da Cidade Capital, Praia, a Cidade da Ribeira Grande de Santiago fora implantada num vale profundo rodeado por altas montanhas escarpadas. Vale esse, atravessado por duas grandes Ribeiras (Convento e Águas Verdes). Esta última é a maior e possuidora de uma paisagem luxuriante, impar entre os dois planaltos ou Achadas (Salineiro e Forte). Aliás, a mesma emprestou o nome à primeira Cidade portuguesa nos trópicos - Ribeira Grande. Inicialmente, a fixação populacional foi feita sobre uma cota relativamente baixa, acima do nível do mar, junto à baía. A Cidade cresceu e desenvolveu-se em três grandes áreas ou bairros: Figueira de Portugal, ocupando praticamente todo o interior do vale até bairro de S. Pedro e para NW, S. Brás e a Leste, acompanhando a linha da Costa indo até Bairro S. Sebastião/Sé Catedral. Na confluência destas três áreas, junto ao porto, fica o largo de pelourinho, nosso objecto de estudo 2. Descrição Arquitectónica e Patrimonial A Cidade assentou as suas fundações segundo várias plataformas estruturantes, constituindo a primeira no Largo Central, implantada à cota de 5 metros acima do nível do mar, ligando o núcleo ao ancoradouro. Nesta zona quatrocentista destacavam-se os 2 PEREIRA, Daniel Importância Histórica da Cidade Velha, INBL, 2004

5 5 edifícios da Igreja Hospital da Misericórdia, da Casa da Câmara e do Presídio (Cadeia, em ruínas) e ainda do Pelourinho ou picota. A segunda plataforma dá continuidade à primeira e encontra-se situada entre as cotas de 5 e 10 metros. Formada durante o séc. XVI, esta zona abrange os primeiros quarteirões contíguos ao Largo, desenvolvidos tanto para o Nordeste, quanto para o Oeste. Nas suas proximidades situam-se mais a Norte, para lá da cota de 10 metros, as ruínas do Convento de São Francisco e, a Noroeste, a plataforma de São Brás, a última parte desta zona da Cidade a consolidar-se e onde viriam a instalar-se os jesuítas no início do séc. XVII. Dada a coesão e homogeneidade apresentada pelo conjunto até aqui descrito, chamou-se esta área de "baixa" (BARCELLOS, José:1899). O segundo grupo de plataformas, identificado como a zona "alta", encontra-se situado entre as cotas de 20 e 100 metros a Sudeste e a Norte. Nela destaca-se o Bairro de S. Sebastião, dominado pelas ruínas da Sé Catedral (consolidada) e onde se encontrava o Palácio Episcopal (sem marca). Constituiu-se como zona de expansão da Cidade e formouse a partir das obras da Catedral que tiveram lugar nos finais de Quinhentos. Na última plataforma, situada acima dos 100 metros, encontra-se o reduto defensivo da Cidade, a Fortaleza Real de São Filipe também quinhentista (BARCELLOS, José:1899). Outro elemento regulador do tecido urbano é a padronização do lote, que, não obstante pouco perceptível, se acha presente em praticamente todas as zonas da Cidade. A configuração mais comum é de 30 x 90 palmos, embora também apareçam de 45 x 90 ou 60 x 90 palmos (BARCELLOS, José:1899). O Largo do Pelourinho, que aparenta ter sido o Rossio inicial do burgo, é a primeira área de formação urbana, uma zona que se estruturou a partir do porto, sendo formada pelas ruas do Porto, do Calhau e da Misericórdia e pelos becos que as atravessam.

6 6 A zona das Ruas da Carreira e da Banana, a Oeste do Largo do Pelourinho, terá sido a segunda a formar-se. É aí que se encontra a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, quatrocentista. Juntamente com as Ruas Direita de São Pedro, da Horta Velha e dos Conventos, situadas mais a Norte, compunham o bairro de São Pedro. Para além do sistema defensivo (fortes e pontos de vigias), o sistema religioso (igrejas e capelas), criteriosamente implantado, destacam-se a Sé Catedral, as igrejas da Misericórdia, de Nossa Senhora do Rosário e de Nossa Senhora da Conceição e ainda as Capelas de São Roque, Monte Alverne, Santa Luzia, S. Gonçalo e S. Pedro, algumas delas desaparecidas, restando apenas as ruínas. Da arquitectura civil, quase nada restou, subsistem apenas, no Bairro de São Sebastião, algumas casas arruinadas, provavelmente do séc. 17 ou 18, na Rua Calhau em frente do Presídio um sobrado bem conservado. Em Águas Verdes existe também uma Casa de Morgado com arquitectura da época colonial (séc. XVI a XVIII). População A primeira Cidade erigida nos trópicos no séc. XV conheceu uma densidade populacional até meados do séc. XVIII, período da transferência da capital para a Cidade da Praia. O grosso da população actual teve a sua origem a partir dos finais do séc. XVIII e início do séc. XIX, em que as populações rurais invadiram a antiga Cidade já em ruína. São essas gentes que fizeram sobreviver o Sítio Histórico até hoje. Dados Populacionais, Conforme Senso 2000 De acordo com o Senso de 2000, a actual Cidade possui 1145 pessoas, 219 agregados familiares. Cada agregado é constituído por 5,2 pessoas, sendo que 70% é menor de 29 anos de idade, 25% é maior de 15 anos, 18% são jovens desempregados (forças de trabalho), 40% dos empregados não são qualificados. (Censo 2000 INE).

7 7 Defesa e Protecção do Património A defesa, valorização e divulgação do património cultural passam por uma melhor gestão e rentabilização dos recursos disponíveis (sector económico) que garantam o funcionamento integrado do património, numa perspectiva de servir os interesses da população em geral. A coordenação entre os espaços culturais e patrimoniais facilita a referida gestão e responderá às demandas emergentes associadas ao turismo. Para isso, propomos que face às características do arquipélago e perante as fracas disponibilidades técnicas e financeiras do País, se invista na formação dos técnicos e no investimento financeiro a longo prazo. Esse investimento impõe a criação de um núcleo duro capaz de formar uma equipa técnica pluridisciplinar a partir das Universidades em Cabo Verde e do reforço das competências e autonomias (técnicas e financeiras) do Instituto da Investigação e do Património Culturais do Ministério da Cultura, abarcando as mais diversas áreas de intervenção patrimonial. Por conseguinte, essa equipa multissectorial iria assegurar a conservação, restauro e divulgação bem como a gestão, de forma a garantir a autenticidade e a sua transmissão às gerações vindouras. Neste sentido, há que considerar a complexidade inerente aos sistemas de sustentação exigidos pelos diferentes tipos de bens patrimoniais. Da Salvaguarda a Valorização Resultado de uma miscigenação de povos vindos da Europa, principalmente portugueses e da Costa Ocidental da África, particularmente da chamada Rio da Guiné, o povo caboverdiano possui uma cultura rica e diversificada. Experiência única na história da humanidade, pelo menos conhecida até hoje. Essa mistura pode ser observada em cada um dos traços culturais desse povo, tanto na sua língua, como na literatura, na arte, na arquitectura, na tradição oral, na música, na dança, nas tecnologias tradicionais, entre outras manifestações. Sabe-se que, como diz Verónica Freire, esses bens culturais nunca beneficiaram de grande atenção por parte das autoridades coloniais portuguesas, no tocante à sua valorização e ou preservação, devido, talvez, à maior atenção atribuída a outros aspectos sociais. Apenas na década de 60, (do séc. XX), por ocasião das comemorações do quinto centenário da descoberta do arquipélago, houve uma certa preocupação em relação à preservação, em geral, e de alguns monumentos, em especial, situados na que foi a primeira capital de Cabo Verde, a Cidade Velha. (FREIRE, Verónica, 1993: 65).

8 8 Após a independência, foi criada, através de um despacho do Primeiro-ministro, publicado no Boletim Oficial nº. 51, de 23 de Dezembro de 1978, uma Comissão Nacional presidida pelo Ministro de Coordenação Económica, e Comissões Locais presididas por Delegados de Governo em cada Concelho, com o objectivo de promover a defesa, a preservação e o restauro dos monumentos nacionais. Ainda nesse âmbito, esteve em Cabo Verde em finais de 1980, em missão da UNESCO, o Arqt.º Paulo de Azevedo, que fez um diagnóstico exaustivo dos bens culturais do país e a definição de um plano de acção governamental em benefício do património cultural. (FREIRE, Verónica, 1993:66) Do Restauro à Protecção O Estado, nesse caso, deve posicionar-se como o principal mentor na luta pela preservação daquilo que constitui herança cultural do povo cabo-verdiano. Esta tarefa não é só do Estado, mas sim de todos nós. No caso da Cidade Velha, o processo de restauro tem sido da iniciativa das entidades públicas, com importante apoio da cooperação internacional, portuguesa e espanhola. Todavia, esta tarefa deve ser da responsabilidade da sociedade civil, sobretudo dos moradores e dos investidores, sob pena de corremos o risco de ver desaparecer importantes legados do nosso passado. A criação do Instituto Nacional da Cultura ( ), em Outubro de 1990, em substituição da Direcção Geral do Património Cultural (DGPC, anos 80), foi uma outra medida a favor do nosso património porque, além de herdar a principal atribuição dessa mesma Direcção Geral, recebeu ainda as atribuições da também extinta Direcção Geral de Animação Cultural. Esta instituição criada pelo Decreto nº. 99-A/90 de 27 de Outubro, tem o objectivo segundo o seu Estatuto, promover a defesa e a consolidação da identidade cultural nacional, a preservação, a valorização e a divulgação do património histórico e cultural de Cabo Verde, dinamizando e desenvolvendo actividades culturais, fomentando e apoiando todas as manifestações do espírito criador do povo Cabo-verdiano (FREIRE, Verónica, 1993: 66). De 1997, ano da extinção do INAC, até 2001, foi criado o Gabinete da Salvaguarda do Património, cuja função era igual às da DGPC e do INAC, coordenado directamente pelo Gabinete do Ministro da Cultura de então. De referir que foi nesta data que a cooperação espanhola entrou na Cidade Velha, apoiando o projecto de restauro em fases: 1ª Fase (1998) Fortaleza Real de S. Filipe, consolidação dos muros, da parte interna e externa.

9 9 2ª Fase (2000) Criação do Centro Interpretativo, com resumo histórico do sítio e de cada um dos monumentos existentes. Ainda foram criados serviços de apoios logísticos. 3ª Fase (2002) Restauros da Igreja de Rosário e do Convento S. Francisco; criação da Pousada de S. Pedro, em prol do turismo. 4ª Fase (2004) Intervenção no Património: Restauro do Pelourinho, criação de uma nova esplanada e a requalificação do seu envolvente, incluindo as fachadas das habitações e os muros de protecção do mar na zona do porto e muralha de protecção das ribeiras (Convento S. Francisco e Águas Verdes). E a intervenção no sector agrícola: construção do Centro de Tratamento e Transformação dos Produtos Agrícolas, mudança de sistema de rega para gota a gota num raio de 50 hectares, com novas tecnologias, quer no sistema de bombagem como no controlo através de computadores. 5ª Fase (previsão 2006, iniciou em 2008) Restauro e requalificação das casas sociais em todos os bairros tendo já concluída a reabilitação das 17 casas do bairro S. Sebastião. Do Património Cultural Turismo Cultural e Desenvolvimento Segundo os especialistas do património cultural, a gestão patrimonial deve contribuir para o desenvolvimento. Este deve reger-se pelos seguintes princípios orientadores: a) aproveitar os recursos endógenos e não depender excessivamente dos exógenos; b) centrar todas as acções voltadas para o Homem (planeamento, programação e execução de todos os programas e acções, do sítio turístico; c) apostar na formação e especialização da população local, para que possa ganhar a independência e a autonomia. Nesta perspectiva, o desenvolvimento é um processo em construção que envolve programas (práticas), discursos e imaginários com o objectivo de mudar uma comunidade, um território ou um grupo de pessoas. No caso da Cidade Velha, a conservação do sítio é e será sempre voltada para o turismo cultural, pois, os investimentos já realizados só trarão benefícios para a população local ou população cabo-verdiana, se for vendido como produto turístico. Restauro de murro em frente da casa Agencia turística - antes Casa Restaurada - depois

10 10 Segundo o antropólogo GARCÍA CANCLINI, Nestor (1990), a relação entre património cultural e desenvolvimento turístico coloca a população em cena permanente. Nesta óptica, a conservação do património cultural na Cidade Velha deverá funcionar como uma plataforma identitária da nação cabo-verdiana e como um mecanismo de resistência face a mudanças sociais rápidas, para se proteger dos efeitos da globalização. Da Divulgação a Dinamização do Património O processo da salvaguarda, promoção e divulgação do património é longo, árduo e complexo. O Governo de Cabo Verde tem promovido várias acções para a sensibilização da população local, desde 1975 até esta parte. Mas, todo o esforço parece insuficiente, se não houver uma mudança de mentalidade e da atitude das pessoas perante o seu património. Assim, no âmbito dos projectos já realizados em concertação com a população local (organizadas em Associações Comunitárias e a Comissão Instaladora do Município), foram efectuados encontros gerais e sectoriais, por forma, a mantê-la sempre informada e formada. Porém, esta campanha de sensibilização só terá efeito se ela for sistemática e articulada. A população local está e deverá estar sempre no centro das preocupações. O Governo de Cabo Verde (Ministério da Cultura IIPC) e a Câmara local têm realizado campanhas de sensibilização, (reuniões, conferências, palestras, programas televisivos, radiofónicos, jornais, etc.), junto da população e das instituições públicas e privadas como: Comissão Instaladora do Município, Escolas, Igrejas, Delegações dos Serviços Desconcentrados, Comerciantes, Nacionais e Estrangeiros. Empresários, Investidores Portão de Nos Ilha, Fortaleza Real de S. Filipe, Foto do Arquivo IIPC O reconhecimento e a valorização da Cidade Velha, enquanto património cultural nacional, podem ser avaliados nas muitas visitas de estudos, palestras,

11 11 conferências, seminários, etc., efectuadas (nesse e sobre esse local), quer ao nível nacional e internacional. Gestão do Circuito Histórico 3 O circuito turístico integrado foi criado pelo Ministério da Cultura, a partir 2000, sob a gestão do Instituto da Promoção Cultural e depois Instituto Nacional da Investigação, da Rua Banana, com as suas casas lindas casas Promoção e do Património (gestão Culturais pública). Contudo, foi em 2005 que passou para a gestão privada, no quadro de um decreto. Este foi aprovado em Conselho de Ministros e materializado em contrato de concessão assinado entre o Instituto da Investigação e do Património Culturais e a Empresa Espanhola-Caboverdiana (Próim-tur). Empresa essa, que tem por função gerir o citado circuito. Ela é possuidora de uma larga experiência ao nível da gestão do turismo cultural. Não obstante, reclamações de alguns moradores, junto do IIPC e da Câmara local, a empresa tem desenvolvido algumas acções tais como a gestão do pessoal e a manutenção de todo o circuito, das Ribeiras e das vias de acesso. No entanto, é bom realçar que a implementação deste projecto não tem sido pacífico, porque a população se sente alheia nesse processo de gestão. Circuito Turístico Integrado Este circuito assenta sobre alguns eixos: gestão integrada de qualidade, manutenção dos monumentos; promoção e divulgação da Cidade Velha, no país e no estrangeiro; trazer um grande número de turistas e pagar uma renda anual. Valor esse que poderá ser aumentado, consoante os lucros anuais. Do circuito fazem parte: Fortaleza Real de S. Filipe, Sé Catedral, Pelourinho/Esplanada, Ruas da Carreira e da Banana, Igreja do Rosário, Convento S. Francisco e Pousada S. Pedro. 3 Decreto Regulamentar nº09/2005, de 21 de Março de 2005, Circuito Turístico Integrado da Cidade Velha, in B.O. nº 12 de 21/03/05.

12 12 A referida empresa tem um contrato renovável com o Estado de Cabo Verde, de 5 em 5 anos até 15 anos consecutivos. Com este propósito, o Governo pretende imprimir uma outra dinâmica do turismo cultural e na gestão do sítio como património nacional. É de salientar que quanto a este capítulo devemos ter alguma cautela, pois, o Sitio Património Mundial possui uma capacidade de carga, muita reduzida. A Cidade não tem ainda serviços de restauração e quartos capazes de responder às demandas pretendidas. Contudo, a sua aproximação da capital propicia o aumento da sua capacidade, mas mesmo a Praia não tem grande capacidade de carga. Basta ver, por exemplo, a realização de eventos internacionais na capital para se sentir a falta de camas. Cidade da Ribeira Grande Esta Cidade do séc. XV pode ser classificada como cidade orgânica (Cidade Medieval), pese embora o seu crescimento não nascesse a partir de um núcleo já existente, mas sim a partir do porto. Segundo Luís Benavente (1960) a cidade da Ribeira Grande, o primeiro núcleo populacional formado pelos portugueses no Ultramar, desenvolveu-se de modo a receber foral e seu consequente pelourinho, no início do séc. XVI, enquanto insígnia municipal 4. Citando ainda GOMES (2006, p.172) na mesma época em que a Cidade da Ribeira Grande recebia o seu pelourinho, a cidade de Guarda em Portugal substituía a sua [picota] 5, de características tipicamente medievais por um pelourinho de características semelhantes ao da Cidade velha. E sublinha o autor, o da Cidade Velha teria sido importado de Lisboa, não só pela inexistência no Arquipélago do material com que foi construído, como também pelas suas semelhanças com o pelourinho de Guarda. Descrição do Pelourinho 4 BENAVENTE, Luís, citado pelo Mestre Lourenço, agora Doutor, in Ciências Humanas em Revista, Uni. Federal do Maranhão, EDUFMA, GOMES, Lourenço, 2006, p Picota é a designação mais antiga e mais popular do pelourinho e empacotar vem de picota, isto é, consistia em expor à vergonha [de] criminosos e malfeitores presos na barra erguida em local público da Vila ou Cidade, que não fossem réus de pena mais grave que aplicação de açoites.

13 13 Este monumento é, sem dúvida, uma obra de arte que merece ser interpretada com cientificidade. Assim sendo, a sua estrutura compõe-se de três partes: Plataforma/Base, Fuste/Coluna e Capitel, acrescida de esfera armilar encimada com Cruz de Cristo. A sua plataforma/base octogonal de pedra calcária talhada em blocos sobrepostos e recortados de forma simétrica, no horizontal e proporcional em três degraus que, segundo GOMES (2006), nos lembrem a arquitectura clássica que configurou as ordens arquitectónicas greco-romanas. A Fuste/coluna é também em pedra calcária com o seu torso manuelino, dividido ao meio por frisos talhados bem como uma argola pequena de ferro na divisória interior, cuja função era pendurar as mãos dos infractores que iam ser castigados ou exposto na praça pública. Entre a coluna e capitel existem 4 ganchos de ferro que, segundo os especialistas foram concebidos em forma de tronco cone estriado, que funcionavam como espaço de pendurar os meliantes ou os fora da lei. Por último, existe uma esfera armilar, seguida de uma Cruz de Cristo em ferro, símbolo da cristandade. Pelourinho como símbolo de poder e justiça e símbolo da nossa identidade Na tentativa de se fazer uma análise formal dos aspectos simbólicos e antropológicos deste monumento, há que atender algumas características formais como sejam: a harmonia, o equilíbrio, a beleza estética, a monumentalidade e a coerência das soluções arquitectónicas. Este património poder ser interpretado como poder constituído (Câmara, representante da administração do reino), como símbolo do renascimento (homem como centro de tudo), assumido por D. Manuel (manuelino). Ponto de encontro do comércio de escravos e doutros produtos agro-pecuários, que emprestou nome aos nossos muitos pequenos mercados rurais e urbanos (pelourinhos de Assomada, Órgãos, S. Domingos, etc.). Do ponto de vista antropológico, no sentido mais restrito, o pelourinho serviu de ponto de encontros e desencontros de homens e de culturas (escravos, vendedores, compradores e sacerdotes, etc.). Esses escravos instruídos ou ladinizados e vendidos enformam a nossa diáspora negra nas Américas e/ou no mundo novo. Porém, para nós, esses encontros forçados de culturas ou pelo menos de traços culturais mestiços eram levados pelos negros africanos às terras longínquas. Em suma, o emblemático pelourinho/cidade Velha, emergiu da cultura genuína (cabo-verdiana).

14 14 Actualmente, o largo do pelourinho funciona como ponto de encontro e paragem obrigatória, dos visitantes. O nosso monumento fica localizado em frente da Câmara local, ao lado dos Restaurantes Pelourinho, propriedade do Estado de Cabo Verde e Churrasqueira do Sr. Fausto. Situa-se no coração da Cidade, onde tudo gira à sua volta (festivais, festas, jogos tradicionais, discussões politicas, sociais, desportivas e culturais, etc.). Do ponto de vista de marketing, o pelourinho é a nossa cartão-de-visita para os seus visitantes, quer nacionais residentes ou da diáspora quer os internacionais. Aliás, o pelourinho está sobejamente divulgado tanto nos trabalhos de investigação publicados ou trabalhos meramente académicos, como nos documentários, entre outros. Intervenções no bem cultural Nesta pesquisa sabe-se que a primeira intervenção foi proposto pelo Pe. António Brásio por ocasião das Comemorações do Quinto Centenário do Descobrimento das Ilhas de Cabo Verde, em que o mesmo descrevia a situação geral da Cidade e do pelourinho: como sucedeu ao célebre e imponente Coliseu de Roma, os templos de Ribeira Grande transformaram-se em pedreira pública, onde qualquer um podia ir, impunemente, arrancar as pedras das sacristias e dos altares, os cunhais lavrados, as canteiras das janelas e das portas 6 A par disso o autor chamou atenção para a necessidade de intervir no pelourinho. A concretização desta intervenção veio com o arquitecto Luís Benavente (1960), que reportando-se ao pelourinho descrevia assim: Possuía no cimo ferros cruzados e argola no fuste da coluna e parte desta desapareceu e foi substituída por um troço de pedra no intuito de fazer, às vezes, do pedaço que não houve possibilidade de se reaver. Ainda, esse autor proponha a remoção do pelourinho para (ser levado) para a Metrópole (onde iria) ser restaurado em 15 de Novembro de As partes entre parênteses são do autor. Outra intervenção de fundo foi em 2005, no quadro da 4ª fase da cooperação espanhola. Intervenção essa que consistia na limpeza geral com jacto de arreia desde da plataforma 6 BRASIO, Antonio Monumentos Sacros de Santiago, in Cabo Verde, ano, XI, n. 130, 1960, p Op. Citado pela Arquitecta, Djamila PERREIRA Cidade Velha Histórico, Restauração e Intervenção, GOMES, Lourenço Ciências Humanas em revista, Uni. Federal de Maranhão, EDUFMA, 2006

15 15 até ao capitel, que foi retirado nos finais dos anos 70 (Independência Nacional). Mas a maior recuperação foi a conservação e colocação do armilar completado com Cruz de Cristo, que se encontrava no armazém do IIPC na Praia. Mais antes, foi restaurado o capitel de que faltava uma parte, que o armilar completo iria suportar. Para a sua protecção foram colocadas correntes suspensas por dez suportes de ferro à volta, que simbolizam a defesa e valorização deste monumento. Ficha de levantamento do Monumento Localização: Praça/largo (nome da Praça/Largo: Largo do Pelourinho da Ribeira Grande (Cidade Velha), Rua de Calhau, Zona central, na proximidade do edifício emblemático a antiga sede administrativa (Câmara local), renovada e ao lado da ruína da Igreja/Hospital Misericórdia. Este monumento encontra-se restaurado e protegido por uma corrente e vários postes metálicos à sua volta. Tipo: urbano Designação: Pelourinho da Ribeira Grande, Ilha Santiago, Cabo Verde A memória oral do Pelourinho: sabe-se que o monumento em causa é o símbolo da municipalidade e da justiça e sobretudo espaço de venda de escravos e de produtos agro-pecuários. Em suma, espaço de encontros e desencontros socioculturais que ainda hoje é visível na evocação do passado das populações locais e visitantes. Objecto único na Ribeira Grande e quiçá em Cabo Verde. Identificar a fonte: Pelourinho de Cidade Velha: (fontes de Instituto dos Arquivos Nacionais/Torre de Tombo, pasta 2085), in Luís Benavente/arquitecto, Lisboa, Pelourinho da Ribeira Grande, Ilha Santiago, Cabo Verde, pelo Mestre Lourenço Gomes, in Ciências Humanas em Revista da Universidade Federal do Maranhão, EDUFMA, v.4,n.2, 2006 Quem ordenou a sua construção: Administração reinol da época do D. Manuel I. Autor do projecto: provavelmente, o Arquitecto Marco Pires, conforme o Mestre Lourenço, p. 174, citando Rodrigues (2001, p. 157). Planta de localização: existe no arquivo da Torre de Tombo Ano de início da construção do monumento: 1512

16 16 Quem dirigiu a construção do monumento: não sabemos, supomos que este monumento foi confeccionado em Portugal e montado em Cabo Verde. Quando foi terminada: não encontramos pistas, mas sabe-se que foi inaugurado em 1512, aquando da criação da primeira Câmara dos deputados, por isso mesmo é que foi colocado o pelourinho no largo da praça em frente da referida Câmara. Recolher imagens fotográficas de: 2ª Parte da fuste e do capitel do pelourinho Esfera armilar e Cruz de Cristo, no actual Museu de arqueologia, em conservação, 2005 Alçado, do Pelourinho dos anos 60, Arquitecto Luís Benavente, Pelourinho actual, Foto M Brito Capit el Fuste Pelourinho 1990 sem esfera armilar e cruz de Cristo Foto arquivo: IIPC Base

17 17 Pelourinho em degradação no ano 1992, AHN, dossier candidatura, 2007 Estado de conservação: Base óptimo ( X ); bom ( ); medíocre ou mau ( ) Estrutura: óptimo ( X ); bom ( ); medíocre ou mau ( ) Base octogonal em pedra calcária: óptimo ( ); bom ( X ); medíocre ou mau ( ) Coluna ou Fuste Clássica, ou melhor Neoclássica que ganhou mais tarde em Portugal a estética renascentista (conhecida por estilo manuelino): óptimo ( X ); bom ( ); medíocre ou mau ( ) Capitel, com quatro ganchos de ferro: óptimo ( X ); bom ( ); medíocre ou mau ( ) Esfera armilar: óptimo ( ); bom ( X ); medíocre ou mau ( ) Decoração externa: pedra branca talhada - óptimo ( X ); bom (); medíocre ou mau () CONCLUSÃO Este trabalho visa sobretudo interpretar os aspectos formais e simbólicos do pelourinho (obra de arte por excelência), que exige inventariar e incorporar as motivações políticas, sociais, económicas e arquitectónicas, alicerçadas nas seguintes características: a harmonia, o equilíbrio, a beleza estética, a monumentalidade e a coerência das soluções arquitectónicas apreciáveis (GOMES, 2006). Assim sendo, a interpretação do pelourinho (património cultural) vai cingir-se a uma agregação de valores histórico-arquitectónicos, social-antropológicos e simbólicos, porque, a questão da interpretação do património é fundamental na sua relação com o público. Aliás, o bem não interpretado não existe. Ao estudar, conservar/restaurar um determinado património, está-se a preservá-lo, mas a sua divulgação passa por interpretálo e valorizá-lo. É neste quadro que se vai interpretar o pelourinho como património, algo que não foi nada fácil. Contudo, espera-se que se consiga contribuir para uma melhor interpretação. Desta interpretação e valorização do pelourinho pode-se considerar, citando o referido Gomes (2006, p. 178), que o pelourinho é Inspirado em modelos construtivos clássicos, veio o manuelino mostrar como a cultura renascentista influenciou a época moderna, no caso concreto com as colunas, elementos que, no todo onde se insere, ostenta a beleza e harmonia sempre com o fim de conferir maior dignidade a quem era destinado

18 18 celebrizar. A presença manuelina de entre outros lugares pode-se encontrar na coluna, no capitel e nas ornamentações incluindo a esfera armilar e a cruz de Cristo. Em suma, o pelourinho tem elevado valor patrimonial e artístico, pese embora a sua representação símbolo da justiça e do sofrimento. De resto, concluímos que este património está bem conservado e a população local e/ou visitantes têm fruído o seu valor cultural. O sítio histórico, Património Mundial (2009) está protegido pela lei de base do património cultural e classificado (1990) e foi reclassificado como património nacional (2009). Não obstante estas normas existentes, o funcionamento das instituições responsáveis pela gestão têm enfrentado algumas dificuldades. Para o efeito, no quadro da classificação da Cidade Velha, a património universal, o Ministério da Cultura está no processo da revogação da Lei de base e na sua regulamentação. Juntamente com a Câmara local está-se a fazer a actualização da norma de construção, dotar o Gabinete Técnico Conjunto (Câmara local e o Ministério da Cultura) de meios para o seu funcionamento e, ainda, implementar o processo do Comité de Gestão do Sítio Património Universal. BIBLIOGRAFIA ALBUQUERQUE, Luís de: O Descobrimento das Ilhas de Cabo Verde, in História Geral de Cabo Verde, Vol. I, Instituto de Investigação Científica Tropical Lisboa e Direcção do Património Cultural de Cabo Verde, ALBUQUERQUE, Luís de e SANTOS, Maria Emília Madeira, Coord: História Geral de Cabo Verde, vol. I, Lisboa, IICT/DGPCCV, ALMADA, J. Luís H, Parecer Jurídico sobre a lei de base do património, AMARAL, Ilídio: Cabo Verde: Introdução Geográfica, in História Geral de Cabo Verde Vol. I, Instituto de Investigação Científica Tropical Lisboa e Direcção do Património Cultural de Cabo Verde, BARCELLOS, José C. de Senna: VOLUMES, I II, III, IV, Subsídios para a História de Cabo Verde e Guiné, 2ª Edição, Praia, BENAVENTE, Luís Luís Benavente/ arquitecto, Instituto dos Arquivos Nacionais/torre de Tombo, Lisboa, BRÁSIO, António Monumentos Sacros de Santiago, in Cabo Verde, ano, XI, n. 130, BRITO, Martinho Robalo: A Comunidade Cabo-Verdiana do Bairro Alto Cova da Moura Buraca, Concelho de Amadora e o Sonho de um Museu de Vizinhança e Comunitário, Projecto-piloto (Monografia de Licenciatura), UNL FCSH, Lisboa, 2000.

19 19 CARREIRA, António: Migrações nas Ilhas de Cabo Verde, ICLD, 2ª Ed., Lisboa, CHAVES, Luís Os pelourinhos portugueses, Gaia, S/E, CONTI, Flávio Como conhecer a Arte Grega, Lisboa: Edições 70, CONVENÇÃO DA UNESCO, Sobre a Protecção do Património Mundial Cultural e Natural, Paris, 23 de Novembro, CRUCES, F.: Problemas en torno a la Restitución del Patrimonio. Una Visión desde la Antropología, Política y Sociedad n. º 27, FREIRE, Verónica dos Reis: A Experiência Cabo-verdiana no Domínio do Património, in Separata da Revista Africana Especial Universidade Portucalense, Porto, GARCÍA CANCLINI, Nestor: Los Usos Sociales del Patrimonio Cultural, Encarnación Aguilar Criado (org.), Patrimonio Etnológico. Nuevas Perspectivas de Estudo, Sevilla, Instituto Andaluz de Patrimonio Histórico, JANSON, H. W. Historia de Arte, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, LOPES FILHO, João: Cabo Verde: Apontamentos Etnográficos, Lisboa, Ed. do autor, Cabo Verde Subsídios para um Levantamento Cultural, Plátano, Lisboa, Vozes da Cultura Cabo-verdiana, Ulmeiro, Lisboa, Introdução à Cultura Cabo-verdiana, ISE República de Cabo Verde, Gráfica da Praia, GOMES, Lourenço O símbolo da Autoridade na Obra de Arte Colonial: o caso de pelourinho da Cidade Velha Santiago de Cabo Verde, Ciências Humanas em revista, Uni. Federal de Maranhão, EDUFMA, São Luís, PESSOA, Fernando dos Santos: Utilizar Hoje a Ecomuseologia, in Ecomuseologia Como Forma de Desenvolvimento Integrado, X Jornadas sobre a Função Social do Museu, Póvoa de Lanhoso, PEREIRA, Daniel A Importância Histórica da Cidade Velha, (Ilha de Santiago Cabo Verde), IBNL, Praia, PEREIRA, Djamila Cidade Velha Histórico, Restauração e Intervenção, Belo Horizonte, PEREIRO PÉREZ, X.: Patrimonialização e Transformação das Identidades Culturais, em Portela, J. e Castro Caldas, J. (coords.): Portugal Chão. Oeiras: Celta Editora, In: PEREIRO PÉREZ, X.: Património Cultural: O Casamento entre Património e Cultura, ADRA n.º 2. Revista dos Sócios do Museu do Povo Galego, In: PINTO, José Madureira: a Produção Social de Identidades; in Revista crítica de Ciências Sociais; nº. 32, 1998.

20 20 RODRIGUES, Adriano Vasco Pelourinho da Cidade Velha, in Revista Africana nº6 especial, Porto, CEAO, Uni. Portugalense, RODRÍGUEZ BECERRA, S. (1997): Patrimonio Cultural, Patrimonio Antropológico y Museos de Antropología, in Boletín del Instituto Andaluz del Patrimonio Histórico n. º 21. RODRIGUES, Francisco Luciano Lima (2007): O Direito ao Património Cultural Preservado Um Direito e Uma Garantia Fundamental in Pensar, Fortaleza, Edição Especial. RODRIGUES, Nélida: Os Museus em Cabo Verde, in III Encontro de Museus de Países e Comunidades de Língua Portuguesa, SEC, JDGB, CP-ICOM, Bissau, ROLLA, Giancarlo: Bienes Culturales y Constitución - Revista del Centro de Estudios Constitucionales. Madrid, enero/abril, nº. 2, SANTANA, A.: Mirando culturas: La Antropología del Turismo, em Rubio Gil, A. (coord.): Sociología del turismo. Barcelona: Ariel, pp , SEMEDO, J. Maria e TURANO, M. R. CABO VERDE O Ciclo Ritual das festividades da Tabanca, Spleen, SOUSA e SILVA, José Sancho de: Intervenção do Sub-Director Geral da Direcção-Geral do Turismo, in Ecomuseologia Como Forma de Desenvolvimento Integrado, X Jornadas sobre a Função Social, Póvoa de Lanhoso,

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial

Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial Projecto de Candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial 1 Coimbra - 1941 Coimbra - 2001 2 Pólo II - Estado actual Pólo III - Estado actual 3 Pólo I - Estado actual 4 Pólo I - Estado actual

Leia mais

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL

A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL 349 A CIDADELA DE CASCAIS: O MONUMENTO, A ENVOLVENTE URBANA E O VALOR SOCIAL Jacinta Bugalhão O conjunto monumental militar designado globalmente como Cidadela de Cascais (e que engloba, nesta acepção,

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro?

Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Centro Histórico de Santarém: Como integrar a herança cultural nos desafios do futuro? Vive-se um tempo de descrédito, generalizado, relativamente às soluções urbanísticas encontradas para o crescimento

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010

Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 A Fábrica do Inglês: reabilitação do património industrial corticeiro Encontro Internacional Património Cultural, a Cortiça e os Museus, Seixal, 2 e 3 de Julho de 2010 Sumário: O Museu da Cortiça da Fábrica

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha

Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Um projecto central na reabilitação da frente ribeirinha Na frente ribeirinha de Lisboa, a poucos minutos do Parque das Nações, desenvolve-se um novo condomínio que enquadra toda a estrutura pré-existente

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Eng.º José Pinto Leite

Eng.º José Pinto Leite Dia 27 de Maio Investimento e sustentabilidade Eng.º José Pinto Leite Programa Polis Congresso LIDER A 09 Sustentabilidade e o POLIS José Manuel Pinto Leite IST 27/05/2009 1 Sustentabilidade e o POLIS

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007)

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) ( DR N.º 85, Série I 3 Maio 2007 3 Maio 2007 ) Emissor: Presidência do

Leia mais

Em 1951 foi fixada a respectiva ZEP, publicada no Diário do Governo (II Série) n.º 189 de 16/08/1951, que inclui uma zona non aedificandi.

Em 1951 foi fixada a respectiva ZEP, publicada no Diário do Governo (II Série) n.º 189 de 16/08/1951, que inclui uma zona non aedificandi. INFORMAÇÃO DSBC/DRCN/09 data: 14.01.2009 cs: 597682 Processo nº: DRP/CLS - 2398 Assunto: Revisão da Zona Especial de Protecção do Santuário de Panóias, freguesia de Panóias, concelho e distrito de Vila

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho

Concurso Fotográfico Património e Paisagem Urbana do Concelho JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2011 PATRIMONIO E PAISAGEM URBANA As Jornadas Europeias do Património, promovidas em Portugal pelo IGESPAR a 23/24/25 de Setembro, são uma iniciativa anual do Conselho

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social 1 A FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Estabelecida em 1963 por Vasco Maria Eugénio de Almeida Missão:

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PROJECTO DE ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESHTE I&D

PROJECTO DE ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESHTE I&D PROJECTO DE ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ESHTE I&D CAPÍTULO I NATUREZA, SEDE E FINS ARTIGO 1º Natureza A Fundação ESHTE I&D, adiante designada simplesmente por Fundação, é uma instituição de direito privado,

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Cerimónia Oficial da XIII - Edição do Festival Músicas do Mundo 22 de Julho 2011. Caros Sineenses Visitantes e participantes do F.M.

Cerimónia Oficial da XIII - Edição do Festival Músicas do Mundo 22 de Julho 2011. Caros Sineenses Visitantes e participantes do F.M. Câmara Municipal Presidência Cerimónia Oficial da XIII - Edição do Festival Músicas do Mundo 22 de Julho 2011. Caros Sineenses Visitantes e participantes do F.M.M de Sines Bem vindos à nossa grande festa

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º /XI RECOMENDA AO GOVERNO A SUSPENSÃO DE TODAS AS ACÇÕES RELATIVAS À TRANSFERÊNCIA DE MUSEUS E À CRIAÇÃO DE NOVOS MUSEUS NO EIXO AJUDA/BELÉM, ATÉ À ELABORAÇÃO

Leia mais

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos.

ANTE PROJECTO DA PROPOSTA DE LEI DE BASES DO PLANEAMENTO ECONÓMICO E SOCIAL. CAPITULO I Princípios Gerais e Objectivos. Nota explicativa O actual quadro jurídico do planeamento económico e social, aprovado pela Lei nº 52/II/85, de 10 de Janeiro, encontra-se desactualizado face à nova realidade jurídica, política, económica

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 444/VIII ASSEGURA A DEFESA E VALORIZAÇÃO DO TAPETE DE ARRAIOLOS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 444/VIII ASSEGURA A DEFESA E VALORIZAÇÃO DO TAPETE DE ARRAIOLOS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 444/VIII ASSEGURA A DEFESA E VALORIZAÇÃO DO TAPETE DE ARRAIOLOS Exposição de motivos O artesanato é, sem dúvida, um sector de actividade que contribui poderosamente para o reforço de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

A Vila. Na vila de Barrancos

A Vila. Na vila de Barrancos Locais a visitar A Vila Na vila de Barrancos podem ainda encontrar-se belos exemplares do típico casario alentejano, de arquitectura popular: casas caiadas de branco, de piso térreo, construídas em taipa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO

CARTA EUROPEIA DO DESPORTO CARTA EUROPEIA DO DESPORTO Objectivo da Carta... 3 Definição e âmbito de aplicação da Carta... 3 O movimento desportivo... 4 Instalações e actividades... 4 Lançar as bases... 4 Desenvolver a participação...

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

O Concelho de Beja. Localização

O Concelho de Beja. Localização O Concelho de Beja Localização Beja, capital de distrito, situa-se na região do Baixo Alentejo, no coração da vasta planície alentejana. É sede de um dos maiores concelhos de Portugal, com cerca de 1150

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em Portugal: o Núcleo da Mundet do Ecomuseu Municipal do Seixal

Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em Portugal: o Núcleo da Mundet do Ecomuseu Municipal do Seixal Encontro internacional PATRIMÓNIO CULTURAL, A CORTIÇA E OS MUSEUS Auditório Municipal Fórum Cultural do Seixal 2-3 Julho 2010 Do (re)conhecimento à salvaguarda e valorização do património corticeiro em

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Para Preservar e Divulgar a Memória do Porto. Os Arquivos das Organizações Populares.

Para Preservar e Divulgar a Memória do Porto. Os Arquivos das Organizações Populares. Universidade Popular do Porto Candidatura de projecto à Porto 2001 SA, Capital da Cultura Para Preservar e Divulgar a Memória do Porto. Os Arquivos das Organizações Populares. Agosto de 1999 (reformulado

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico

PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA. I Contributo histórico PROJECTO DE LEI N.º 524/VIII ELEVAÇÃO DA POVOAÇÃO DE ANCEDE, NO CONCELHO DE BAIÃO, À CATEGORIA DE VILA I Contributo histórico Ancede, população que sé estende ao longo do rio Douro, tem raízes históricas

Leia mais

O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE

O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE 1. CARACTERIZAÇÃO DE CABO VERDE 1.1 Aspectos físicos f e demográficos Situado no Oceano Atlântico, a cerca

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1292/XII/4.ª. Valorizar a Ria Formosa e clarificar o estatuto jurídico do núcleo da Culatra. Exposição de Motivos

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1292/XII/4.ª. Valorizar a Ria Formosa e clarificar o estatuto jurídico do núcleo da Culatra. Exposição de Motivos PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1292/XII/4.ª Valorizar a Ria Formosa e clarificar o estatuto jurídico do núcleo da Culatra Exposição de Motivos A Ria Formosa constitui indiscutivelmente uma das mais importantes

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

INMOTION CARACTERIZAÇÃO:

INMOTION CARACTERIZAÇÃO: INMOTION CARACTERIZAÇÃO: O PROVERE INMotion identifica como recursos endógenos a natureza e Biodiversidade assentes nos patrimónios natural e cultural com características únicas e diferenciadoras desta

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades

Trajectória de Actividades do Instituto das Comunidades INTRODUÇÃO O IC, criado pela Resolução do Conselho de Ministros nº 64/2001, de 3 de Setembro, é um serviço personalizado do Estado, encarregue de promover e executar a política governamental relacionada

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO PASSADO: OS PRIMEIROS PASSOS 1 Procura e estabelecimento de um relacionamento profícuo com os países

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

Largo Ramos da Costa, 7520 Sines. Responsável pelos sectores de Eletricidade e de Serralharia da Autarquia.

Largo Ramos da Costa, 7520 Sines. Responsável pelos sectores de Eletricidade e de Serralharia da Autarquia. M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Oliveira, José Manuel Santana De Oliveira Morada Praceta Nau Roxo, Lote n.º 5 Sines 7520-268 SINES Telefone 961740416 Fax 269630239 Correio electrónico

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Licenciatura em Ciências da Comunicação, Vertente Jornalismo, pela Universidade Autónoma de Lisboa, completada com média final de 13 valores

Licenciatura em Ciências da Comunicação, Vertente Jornalismo, pela Universidade Autónoma de Lisboa, completada com média final de 13 valores Informação Pessoal Nome Nuno Miguel Fernandes Aires Data de Nascimento 24 de Julho de 1971 Morada Avenida 5 Outubro, 25 6º andar 8000 Faro Nacionalidade Portuguesa Telemóvel 915 333 112 E-mail naires@msn.com

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades

Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades Objectivos O Curso de Especialização em Sociologia Mobilidades e Identidades pretende fornecer aos futuros profissionais da área da Sociologia

Leia mais

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde.

Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO. Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde. Projeto de Voluntariado para a Cooperação: MUITO MAIS MUNDO Plano de acção para o Município de Santa Cruz, Santiago, Cabo Verde Versão concisa Coordenadores: Dr. José Mendes Alves, Câmara Municipal de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

Urbanismo em Braga Dos Romanos ao Renascimento

Urbanismo em Braga Dos Romanos ao Renascimento Índice Objectivos... 2 Introdução... 3 As origens urbanas de Braga... 4 Evolução da paisagem urbana de Braga... 6 Planificação - Renascimento... 8 O Paço Arquiepiscopal... 10 Conclusão:... 11 Netgrafia...

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

HELLO CABO VERDE EXPO 2011

HELLO CABO VERDE EXPO 2011 New Bedford, 31 de Janeiro de 2011 HELLO CABO VERDE EXPO 2011 Exposição sobre as Oportunidades de Negócios e Turismo em Cabo Verde New Bedford, MA 27 a 29 de Maio de 2011 OBJECTIVO O objectivo da exposição

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO

A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Évora, 22-24 de Setembro de 2005 A PAISAGEM COMO ELEMENTO DA IDENTIDADE E RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO Zoran Roca e José António Oliveira CEGED Centro de Estudos de Geografia e Desenvolvimento Universidade

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Execução Anual das Grandes Opções do Plano

Execução Anual das Grandes Opções do Plano das Grandes Opções do Plano 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO BÁSICO 01 01 /1 Infraestruturas de Ano Anos seguintes Anos Anteriores Ano 01 01 /1 1 Centro Escolar de Caria 0102 07010305 E

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais