PLANO ESTRATÉGICO PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS DE CABO VERDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO ESTRATÉGICO PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS DE CABO VERDE 2011-2020"

Transcrição

1 PLANO ESTRATÉGICO PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS DE CABO VERDE

2 AGENDA 1.Situação Actual e evolução da procura 2. Atlas e Projectos Renováveis 3. Visão para o sector energético 4. Plano de Acção

3 1. Situação actual e evolução da procura ÍNDICE

4 PARQUE ELECTROPRODUTOR ACTUAL ASSENTE EM COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS POTÊNCIA INSTALADA DO PARQUE ELECTROPRODUTOR (2010) 4,3 MW 2% Potência MW ,02 MW 0,16 MW 0,05 MW 0,05 MW 0,02 MW 0,05 MW 0,02 MW 0,05 MW 2,8 MW 0,02 MW 11 MW 7,4 MW 0,3 MW 0,9 MW 11% 5% 100% Santo Antão 7,7 MW 2,6 MW 0,04 MW 100% São Nicolau 2,7 MW 0,08 MW 40% 11% 47% Sal 20,3 MW 0,6 MW 10,4 MW 2,5 MW 6,8 MW 0,03 MW % 4,5 MW 0,39 MW Tecnologia São Vicente 19,6 MW 2% 0,08 MW Eólica 10% Solar Diesel 33% 40% Rede Fuel Diesel + Fuel 20 kv 2,8 MW 55% Santiago 50,3 MW 60% Boavista 5 MW 100% 4 MW 4 MW 1,5 MW 2% 98% Brava 1,65 MW 0,15 MW 2,1 MW 1,4 MW 1,34 MW 0,06 MW 0,8 MW Fogo 4,3 MW 0,17 MW 0,9 MW 5 MW 7,4 MW 1,56 MW 100% Maio 1,5 MW 26 MW Fonte: ELECTRA; Análise Gesto Energia CV.2011.A

5 DEPENDÊNCIA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS É UMA DAS PRINCIPAIS RAZÕES PARA OS PROBLEMAS DO SECTOR ELÉCTRICO EM CABO VERDE AUMENTO DO PREÇO DO PETRÓLEO REFLECTE-SE EM 98% DA GERAÇÃO DE ELECTRICIDADE DE CABO VERDE AUMENTO DOS PREÇOS PARA REFLECTIR CUSTO DO PETRÓLEO RESULTA EM AUMENTO DAS PERDAS % da produção de energia em 2009 Forte correlação entre perdas e tarifas 80% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 54,4 MW 238 GWh 2% 2% 46% 21% 52% 77% Perdas 30% 25% 20% 17% 18% 19% 17% 22% 25% 27% Tarifa (ECV) 26% % 20% 10% 0% Potência Geração 15% % Eólico Diesel Fuel Aumento dos custos de combustível Perdas Arquipélago Tarifa electricidade Redução das receitas AUMENTO DOS PREÇOS DE ENERGIA / PERDA DE COMPETITIVIDADE CV.2011.A

6 O CONSUMO DE ELECTRICIDADE NO ARQUIPÉLAGO DE CABO VERDE IRÁ MAIS DO QUE DUPLICAR NOS PRÓXIMOS 10 ANOS EVOLUÇÃO DO CONSUMO POR ILHA GWh Brava Brava Maio Maio Boavista Boavista São Nicolau Fogo Santo Antão Santo Antão Sal São Vicente Vicente Santiago Santiago X 2,2 2% 15% % 12% 403 9% 16% 12% % 17% 12% 18% 20% 47% 52% 50% 52% Fonte: ELECTRA; Análise Gesto Energia Na ilha do Sal não se considerou o consumo das unidades hoteleiras alimentadas pela APP (sistema isolado) CV.2011.A

7 CABO VERDE CONTINUARÁ A AFIRMAR-SE NO CONTINENTE AFRICANO Apoio MWh/capita 2,5 Seychelles Áf rica Subsariana* 2,0 Cabo Verde Namibia Mauritius Botswana 1,5 Swaziland Gabon 1,0 0,5 0,0 Zimbabwe Zambia Mozambique '10 '11'12 '07 '02 '04 '05 '06 '09 '08 '03 '01 Cameroon Ghana '00 Republic of Congo Lesotho Côte d'ivoire Kenya Nigeria Senegal Benin '13 '14 '15 '16 Angola '17 '18 '19 '20 Equatorial Guinea PIB/capita (USD) * Excluindo África do Sul Fontes: EIA; IMF; UN; Análise GeSto CV.2011.A

8 OS PROJECTOS RENOVÁVEIS EM CURSO PERMITEM ATINGIR 25% EM 2011/2012, MAS APENAS REPRESENTARÃO 16% EM 2020 PROJECTOS RENOVÁVEIS EM CURSO PRODUÇÃO DE ORIGEM RENOVÁVEL EM CABO VERDE (% GERAÇÃO TOTAL) Santo Antão Eólico 1 MW 1 MW 0,6 MW Potência MW 5,95 MW 0,3 MW São Vicente Eólico 6,25 MW São Nicolau Sal Eólico 8,25 MW Solar 2,5 MW 7,65 MW 2,5 MW GWh ,55 MW GWh Tecnologia Eólica Solar Boavista Eólico 2,55 MW % 25% 20% 16% Rede Outros projectos 1 20 kv Santiago Eólico 9,4 MW Solar 5 MW Maio Renováveis Térmica 1 Microgeração, iluminação pública fotolvoltaica, sistemas isolados fotovoltaicos e micro-hídrica Brava Eólico 0,15 MW Fogo 9,4 MW Sem uma nova aposta nas energias renováveis a dependência dos combustíveis fósseis continuará a crescer 0,15 MW 5 MW Fonte: ELECTRA; Análise Gesto Energia Cenário Intermédio CV.2011.A

9 2. Atlas e projectos de energias renováveis

10 CABO VERDE TEM UM POTENCIAL DE CERCA DE MW DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DOS QUAIS SE SELECCIONARAM PROJECTOS COM 650 MW POTENCIAL DE INSTALAÇÃO DE POTÊNCIA RENOVÁVEL ASSOCIADO ÀS ZONAS DE DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS (ZDER) IDENTIFICADAS vs PROJECTOS PRIORITÁRIOS 562 MW Solar: 315 MW Eólico: 241 MW Bombagem: 70 MW RSU: 7,5 MW Geotermia: 3 MW Ondas: 14 MW ~23x ~6x Solar Solar Eólica RSU Total Projectos estudados Eólica Bombagem RSU Geotermia Ondas Total Projectos Potência 2010instalada prioritários (2010) identificados Fonte: Gesto Energia Na presente análise estão considerados os projectos que se encontram em curso 10

11 O RECURSO EÓLICO É O MAIS COMPETITIVO (1) Utility: Tx. de desconto 6,8% (2) Geotermia: Tx. de desconto 19,6% (3) 9 ilhas estudo cenário intermédio Fonte: ELECTRA; Análise Gesto Energia 11

12 O RECURSO SOLAR É COMPETITIVO COM O FUEL ÓLEO QUANDO FINANCIADO MEDIANTE LINHAS DE CRÉDITO AS CENTRAIS SOLARES ESTÃO A SER UM SUCESSO EM PRODUÇÃO E CUSTOS kwh A energia das Centrais Solares já superou a eólica verificada em 2009 Produção real acumulada das centrais solares 10,000,000 9,000,000 8,000,000 /MWh e é uma das fontes mais económicas em termos de custos efectivos da Electra (análise dos primeiro 7 meses Santiago) ~120 7,000,000 6,000,000 5,000,000 4,000,000 3,000,000 2,000,000 Solar (real) Produção eólica Outros custos a incorrer no futuro (Reembolso da dívida, Operação & Manutenção, ) 1,000,000 0 Solar projecção anual Set/10 Dez/10 Mar/11 Jun/11 Set/ Solar Santiago Heavy Fuel Custos Efectivos - Pagamento de juros a Portugal no período por kwh 12

13 241MW DE PROJECTOS EÓLICOS COM ELEVADO POTENCIAL DE RECURSO 4,25 MW 1 MW Santo Antão 13,75 MW 4,25 MW Sal 45,9 MW Recurso Eólico m/s 2,7 3,0 4,25 MW 5,95 MW 10,2 MW 7,65 MW 2,55 MW 1,3 MW São Nicolau 15,8 MW 14,5 MW 11,05 MW 15,3 MW 7,65 MW 5,95 MW 5,95 MW 3,0 3,5 3,5 4,0 4,0 4,5 4,5 5,0 5,0 5,5 5,5 6,0 São Vicente 26,35 MW 2,55 MW 2,55 MW 7,65 MW 5,95 MW 4,25 MW 6,0 6,5 6,5 7,0 7,0 7,5 7,5 8,0 8,0 8,5 Boavista 22,95 MW 8,5 9,0 Santiago 76,5 MW Potência Power MW Maio 14,5 MW Fogo 19,6 MW 14,5 MW Brava 6 MW 6 MW 1,7 MW 17,9 MW 12,75 MW 3,4 MW 3,4 MW 6,8 MW 6,8 MW 18,7 MW 4,25 MW 5,1 MW 9,4 MW 5,95 MW Fonte: RisØ Na presente análise estão considerados os projectos que se encontram em curso 13

14 FORAM ESTUDADOS COM DETALHE AS LOCALIZAÇÕES DE CADA PARQUE EÓLICO IDENTIFICADO Apoio Santiago, Parque eólico de Monte Leão Potência: 3,4 MW Energia: 13,6 GWh Santiago, Parque eólico de Rui Vaz Potência: 3,4 MW Energia: 12,2 GWh São Vicente, Parque eólico de João D Évora Potência: 10,2 MW Energia: 46,5 GWh Sal, Parque eólico de Serra Negro Potência: 6,0 MW Energia: 18,0 GWh Santo Antão, Parque eólico Lombo da Torre Potência: 11,1 MW Energia: 27,6 GWh Fogo, Parque eólico de cova Figueira Potência: 17,9 MW Energia: 58,1 GWh Fonte: Gesto Energia 14

15 DO ENORME POTENCIAL SOLAR DE CABO VERDE FORAM PRIORITIZADOS 315MW Santo Antão 4 MW 4 MW Sal 20 MW 7,5 MW Potência MW São Nicolau 2 MW 20 MW São Vicente 7,5 MW 1 MW 1 MW 15 MW MW Radiação Solar Global kwh/m 2 /ano Boavista 30 MW Santiago 243 MW Maio 3 MW Fogo 4 MW 1 MW 1 MW Brava 1,3 MW 1,3 MW 25 MW 25 MW 40 MW 30 MW 20 MW 30 MW 15 MW 35 MW 1 MW 4 MW 17 MW 6 MW Na presente análise estão considerados os projectos que se encontram em curso 15

16 DAS RESTANTES FONTES RENOVÁVEIS CABO VERDE DEVERÁ APOSTAR NOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) GEOTERMIA ONDAS Fonte de energia estável e amiga da rede Combustível de baixo custo Recurso suficiente para central de 5 MW em Santiago e 2,5 MW em São Vicente Existe pouca probabilidade de existência de um sistema geotérmico de alta temperatura nas ilhas estudadas (Fogo e Santo Antão) A única zona que apresenta uma área com baixa resistividade possível de ser associada a um reservatório geotérmico é a Caldeira, na ilha do Fogo - No entanto, a probabilidade de existência de um reservatório é baixa devido à ausência de alguns sinais típicos de reservatórios geotérmicos Energia das ondas com recurso limitado, muito concentrado em 4 meses (Janeiro, Fevereiro, Março e Dezembro) - 20 kw/m vs. 40 a 60 kw/m na Europa Tecnologia ainda em fase de investigação e desenvolvimento implica custos de geração de energia muito significativos e incertos Fluxo de energia (kw/m) Localização e recurso estimado do potencial reservatório da lha do Fogo Recurso (GJ/m2)

17 LOCALIZAÇÃO PROJECTOS IDENTIFICADOS Potência MW ,25 MW 4,25 MW 4 MW 1 MW 4,25 MW 3,5 MW 7,5 MW 5,95 MW 10,2 MW 3,5 MW 2,5 MW 7,65 MW 2,55 MW São Vicente Eólico 26,35 MW Solar 7,5 MW RSU 2,5 MW Marítima 3,5 MW Hídrica 10 MW Santo Antão Eólico 13,75 MW Solar 4 MW Marítima 3,5 MW 10 MW 1,3 MW 1 MW 1 MW São Nicolau Eólico 5,8 MW Solar 2 MW 14,5 MW Sal Eólico 45,9 MW Solar 20 MW Marítima 3,5 MW 11,05 MW 15 MW 20 MW 3,5 MW 15,3 MW 7,65 MW 2,55 MW 5,95 MW 5,95 MW 2,55 MW 3,5 MW 7,65 MW 4,25 MW 5,95 MW Tecnologia Eólica 15 MW Solar RSU Hídrica Geotermia Marítima Santiago Eólico 76,5 MW Solar 243 MW RSU 5 MW Hídrica 60 MW Boavista Eólico 22,95 MW Solar 30 MW Marítima 3,5 MW Rede Grid 60 kv Projecto 20 kv Projecto 20 kv Existente Fogo Eólico 19,6 MW Solar 4 MW Geotermia 3 MW 20 MW 20 MW 1 MW 14,5 MW 1 MW Maio Eólico 14,5 MW Solar 3 MW Brava Eólico 6 MW Solar 1,3 MW 1,3 MW 6 MW 1,7 MW 3 MW 4 MW 17,9 MW 20 MW 25 MW 3,4 MW 12,75 MW 18,7 MW 5,95 MW 3,4 MW 25 MW 17 MW 6,8 MW 4,25 MW 5,1 MW 5 MW 6 MW 6,8 MW 30 MW 40 MW 15 MW 35 MW 30 MW 20 MW 1 MW 17

18 ÍNDICE 3. Visão para o sector energético SITUAÇÃO ACTUAL E EVOLUÇÃO DA PROCURA ATLAS E PROJECTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS CENÁRIOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E PLANO ENERGÉTICO 18

19 É POSSÍVEL ATINGIR OS 50% DE RENOVÁVEIS EM 2020 COM UM CONJUNTO DE REQUISITOS AO NÍVEL DO FINANCIAMENTO E INFRA-ESTRUTURAS % 60% 50% 40% 30% 20% 10% % É possível atingir os 50% de energias renováveis % da Produção com base em ER 25% 4% 22% 41% 3% 4% 35% % 7% 4% 39% Santiago S. Vicente S. Vicente S. Vicente Sal Sal S. Sal AntãoS. Antão S. Antão Fogo Fogo Fogo Solar SolarEólico EólicoBombagem Solar BombagemRSU Eólico RSUGeotermia Bombagem GeotermiaOndas RSU Ondas Geotermia Ondas 38 Desde que se cumpram os seguintes requisitos: Financiamento dos projectos em Santiago e São Vicente com base em Linhas de Crédito concessionais Por forma a compensar produzir renováveis com limitações de produção elevadas nos momentos de excesso de energia Simplifica a gestão do sistema num contexto de elevadas restrições técnicas Investimento em Bombagem Pura em Santiago e na linha São Vicente/Santo Antão Bombagem permite acumular o excesso de energia eólica nos períodos de menor consumo Linha SV/SA aumenta robustez do sistema e deduz custos em Santo Antão Investimento em Sistemas FlyWheel em Santiago e São Vicente que permitem reduzir a reserva térmica Substituem parcialmente as centrais térmicas para garantir a segurança do sistema Fonte: Análise Gesto Energia Cenário Intermédio; Modelo SIMRES 19

20 CABO VERDE 50% RENOVÁVEL IMPLICA SUPERAR OS 50% NAS MAIORES ILHAS PENETRAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS EM % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 10% Atingir valores próximos de 60% em Santiago e S.Vicente requer investimento em infra-estruturas 57% 58% 11% 5% 2% 43% 45% Santiago S. Vicente / Santo Antão 35% 4% 31% 33% 9% 24% 24% 8% 16% 36% 36% 22% 7% 14% 52% 48% 7% 4% 39% Sal Fogo S. Nicolau Boavista Maio Brava Total Eólico Solar RSU 100% 50% Renovável 20

21 EM SANTIAGO DEVERÁ SER CONSTRUÍDA UMA CENTRAL DE BOMBAGEM PARA ARMAZENAR A ENERGIA EM EXCESSO DO VENTO DURANTE A NOITE FORAM IDENTIFICADAS 3 LOCALIZAÇÕES COM POTENCIAL PARA A CENTRAL Obras principais: 2 barragens, circuito hidráulico, central hidroeléctrica, ligação à rede eléctrica nacional, acessos AHE MATO SANCHO (água doce) Potência instalada: 20 MW (2 x 10 MW reversíveis) Estimativa de custo: 43,4 M 2,17 M /MW AHE RIBEIRA DOS PICOS (água doce) Potência instalada: 20 MW (2 x 10 MW reversíveis) Estimativa de custo: 41,8 M 2,09 M /MW AHE CHÃ GONÇALVES (água doce) Potência instalada: 20 MW (2 x 10 MW reversíveis) Estimativa de custo: 42,6 M 2,13 M /MW Fonte: Gesto Energia 21

22 CENTRAL DE BOMBAGEM DE CHÃ GONÇALVES SANTIAGO DESENHOS DE PORMENOR: LOCALIZAÇÃO E ESQUEMA GERAL DAS INFRAESTRUTURAS Apoio Fonte: Gesto Energia 22

23 EM S. VICENTE É NECESSÁRIO INVESTIR NUMA LINHA MARÍTIMA PARA SANTO ANTÃO E EM SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO (FLYWHEELS) LIGAÇÃO MARÍTIMA SÃO VICENTE / SANTO ANTÃO VOLANTES DE INÉRCIA (FLYWHEELS) Cabo submarino permitirá melhorar, significativamente, a qualidade e custo da energia em Santo Antão, criando escala suficiente no novo sistema interligado Investimento de 13,6M Potência [MW] StandBy Descarga Carga StandBy Descarga BackUp StandBy Entrada em serviço de +1 Grupo Fuel Diesel Flywheel Renovável Fuel LCOE [ /MWh] Análise económica da interligação marítima São Vicente / Santo Antão Tempo [minutos] No ANEXO D a este Plano de Investimentos encontra-se detalhado o estudo em regime dinâmico que sustenta Sistemas de armazenamento de curta duração que permitem compensar variações bruscas dos recursos intermitentes 0 Fonte: Beacon Power São Vicente Santo Antão São Vicente + Santo Antão s/ cabo Cabo submarino São Vicente + Santo Antão 23 Rápido tempo de resposta, conseguindo compensar em tempo real as variações de tensão e frequência Investimento de 9,4M

24 PROJECTOS EM 2020 NO CENÁRIO 50% DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Santo Antão Eólico 1 MW Solar 2 MW Potência MW MW 1 MW 0,6 MW Sal Eólico 9,95 MW Solar 2,5 MW 7,65 MW Rede kv Projecto 20 kv Projecto 20 kv Existente 5,95 MW 2,6 MW 2,5 MW 1 MW 7,7 MW São Vicente Eólico 16,45 MW Solar 1 MW RSU 2,5 MW 0,33 MW 0,4 MW São Nicolau Eólico 0,33 MW Solar 0,4 MW 1,7 MW 2,5 MW 2,55 MW 7,65 MW 2,55 MW Tecnologia Eólica Solar Boavista Eólico 12,75 MW RSU Hídrica Santiago Eólico 48,5 MW Solar 15 MW RSU 5 MW Hídrica 20 MW Maio Eólico 0,85 MW Solar 0,6 MW Fogo Eólico 1,7 MW Solar 1 MW 0,85MW Brava Eólico 0,85 MW Solar 1,3 MW 1,3 MW 0,85 MW 1 MW 1,7 MW 3,4 MW 3,4 MW 6,8 MW 6,8 MW 9,4 MW 18,7 MW 5 MW 20 MW 0,6MW 9 MW 6 MW 24

25 4. Plano de Acção 25

26 Plano de Acção Cabo Verde 50% Renovável Eixo 5 Lançar um cluster de Energias Renováveis Criar uma estrutura de operação e manutenção Criar um curso de Energias Renováveis na UniCV Instalar uma fábrica de painéis solares fotovoltaicos em Cabo Verde Eixo 1 Preparar a infra-estrutura Construir uma central hidroeléctrica de bombagem pura em Santiago Instalar os centros de despacho e automatização do arranque de unidades diesel Executar e reforçar o plano de investimentos em redes e geração térmica Eixo 4 Maximizar a eficiência Reduzir as perdas écnicas e não técnicas em 50% Maximizar a eficiência energética em 10% Reduzir os custos de energia no sector eléctrico em 10% Introduzir o veículo eléctrico e atingir uma taxa de penetração de 5% do parque automóvel Eixo 3 Implementar os projectos de Energias Renováveis Reservar áreas para o desenvolvimento de Energias Renováveis Internalizar no sector eléctrico os custos das linhas de crédito Aprovar o Plano Estratégico Sectorial das Energias Renováveis (PESER) Superar os 90 MW de potência eólica; instalar 2 MW de energia solar fotovoltaica por ano; central de RSU na praia e Mindelo Promover a microgeração em grandes consumidores Tornar a ilha da Brava 100% renovável Eixo 2 Garantir o financiamento e envolver o sector privado Aumentar linhas de crédito para Energias Renováveis até 300 milhões de Euros Internalizar no sector eléctrico os custos das linhas de crédito Desenvolver parcerias público-privadas (PPP) para os projectos de Santiago e São Vicente Apostar na produção independente nas restantes ilhas e microgeração em todo o Arquipélago 26

27 EIXO 1 PREPARAR A INFRA-ESTRUTURA Investimento em infra-estruturas renováveis Investimento em geração térmica Sistemas de despacho 7,4 M Central de bombagem pura Potência Térmica [MW] 180 Cabo submarino 13,6 M ,5 M Volantes de inércia + diesel 9,4 M São Vicente Volantes de inércia Santiago 15,1 M Grupos a descomissionar Grupos a instalar 2020 Diesel Fuel 50% RENOVÁVEIS IMPLICA INSTALAR UM CONJUNTO DE INFRA-ESTRUTURAS DE SUPORTE QUE GARANTAM A SEGURANÇA DO SISTEMA EM MOMENTOS DE ELEVADA PENETRAÇÃO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E QUE MINIMIZEM O DESPERDÍCIO 27

28 EIXO 2 GARANTIR O FINANCIAMENTO E ENVOLVER O SECTOR PRIVADO Investimento total Cenário 50% Renováveis M Potência Renovável Infra-estruturas Renováveis Redes Potência Térmica Total MAIS DE 300 MILHÕES DE EUROS EM INVESTIMENTOS RENOVÁVEIS 28

29 EIXO 3 IMPLEMENTAR PROJECTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS ZONAS PROPOSTAS PARA O DESENVOLVIMENTOS DE ENERGIAS RENOV]AVEIS, ZDER 143 MW DE POTÊNCIA RENOVÁVEL A INSTALAR RESERVAR ZONAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS 29

30 EIXO 3 IMPLEMENTAR PROJECTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS Potência renovável a instalar Potência renovável a instalar por ilha MW MW ,7 11,9 2,7 0,7 12,8 1,5 2, , Hídrico RSU Solar Eólico 0 Santiago São Vicente + Santo Antão Sal Fogo São Nicolau Boavista Maio Brava Total Hídrico RSU Solar Eólico 143 MW DE POTÊNCIA RENOVÁVEL TOTAL INSTALADA EM

31 EIXO 4 MAXIMIZAR A EFICIÊNCIA Evolução das perdas de energia eléctrica Cenário de eficiência energética % Perdas 30% GWh % 20% 18% 22% 26% GWh 464 GWh 670 GWh 590 GWh 15% 13% GWh 302 GWh 385 GWh 338 GWh 10% 200 5% 100 0% Objectivo Cenário Intermédio Cenário Eficiência Energéticica POTENCIAL PARA MELHORAR A EFICIÊNCIA, PARTICULARMENTE AO NÍVEL DAS PERDAS QUE LIMITAM O POTENCIAL DE RENTABILIZAR E RECUPERAR OS FORTES INVESTIMENTOS ASSUMIDOS NO PLANO DE ACÇÃO 31

32 EIXO 5 LANÇAR O CLUSTER DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS Criação de postos de trabalho Cluster das Energias Renováveis Ø 386 Ø empregos periódicos (valor médio ) Protocolos com centros de Investigação e Desenvolvimento Curso de energias Renováveis Protocolos com Universidades Internacionais Plataforma de O&M Cluster de Energias Renováveis Incentivos (fiscais e outros) Fábricas / Prestadores de serviços Tot al Construção indirectos Construção directos O&M indirectos O&M directos empregos cont ínuos Centro de incubação de pequenas e médias empresas de energia Linhas de financiamento (IFC, BAD, EGF, UNIDO, PPP, outros) Produção independente Microgeração A META DE 50% RENOVÁVEIS ATÉ 2020 CRIA UM CONJUNTO DE OPORTUNIDADES DE DESENVOLVIMENTO, EMPREGO E EXPORTAÇÃO PARA CABO VERDE 32

33 Visão para o Sector Energético ÍNDICE Uma central de Bombagem em Santiago Redução de toneladas de CO2 equivalente por ano Top 10 mundial em taxa de penetração de energias renováveis Mais de 90 MW de eólica instalados 2 Centrais de Resíduos Sólidos Urbanos Mais de 800 postos de Ligação por cabo trabalho directos e submarino entre SITUAÇÃO ACTUAL indirectos E EVOLUÇÃO criados DA PROCURA S.Vicente e Sto. Antão ATLAS E PROJECTOS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS 20% de redução dos VISÃO 2020 PARA O SECTOR ELÉCTRICO custos de energia Poupança de 75 Ilha da Brava 100% Investimento milhões de litros e Renovável adicional de 300 cerca de 35 Milhões Milhões de euros em combustíveis por ano 33

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde

Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde Estratégia e Política Energética do Governo de Cabo Verde Caracterização do Sector Energético de Cabo Verde Sistema Eléctrico de Cabo Verde O sector eléctrico é dividido em sistemas de produção e distribuição.

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Sobre a Contratação dos Parques Fotovoltaicos

Sobre a Contratação dos Parques Fotovoltaicos Sobre a Contratação dos Parques Fotovoltaicos As acusações veiculadas pela oposição no Parlamento relativas à contratação de duas centrais fotovoltaicas, para além da evidente má-fé que lhes está subjacente,

Leia mais

PROMOÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DE PEQUENA E MEDIA DIMENSÃO EM CABO VERDE

PROMOÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DE PEQUENA E MEDIA DIMENSÃO EM CABO VERDE PROMOÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIAS RENOVÁVEIS DE PEQUENA E MEDIA DIMENSÃO EM CABO VERDE JANSENIO DELGADO RENEWABLE ENERGY EXPERT ECREEE PRAIA, 12 DE NOVEMBRO DE 2012 www.ecreee.org 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Atlas de Energias Renováveis de Moçambique. Estoril, 25 de Junho de 2015

Atlas de Energias Renováveis de Moçambique. Estoril, 25 de Junho de 2015 Atlas de Energias Renováveis de Moçambique Estoril, 25 de Junho de 2015 Sistema de Gest\ao de Qualidade com o Certificado N 26INNOQ/13 Sistema de Gestão da Qualidade com Certificado Nº PT08/02280 Sistema

Leia mais

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE. Plano de investimentos

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE. Plano de investimentos PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE Plano de investimentos Copyright 2011, Gesto Energia S.A. Av. Cáceres Monteiro nº 10, 1º Sul 1495-131 Algés Portugal CV.2011.E.002.1 O presente documento foi elaborado

Leia mais

Renováveis em Cabo Verde

Renováveis em Cabo Verde Promoção das Energias Renováveis em Cabo Verde III Conferencia da RELOP Rio de Janeiro 4 e 5 de Novembro 2010 Apresentação :Rito Évora Administrador ARE Índice Porquê energias renováveis? Onde estamos?

Leia mais

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em Estratégia Para a Energia Sustentável em CABO VERDE Plano de Ação para as Energias Renováveis Plano de Ação para a Eficiência Energética Agenda de Ação para Energia Sustentável para Todos Enquadramento

Leia mais

Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas

Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas ESTUDO DE CASO EMPRESA Verticalmente integrada (Produção; Distribuição; Comercialização) Electricidade, Água e Saneamento Pública Privada Contrato

Leia mais

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS República de Angola MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS Conferência e exposição ipad angola 2011 Luanda, 15 de Setembro de 2011 Fontes de Energias renováveis no Contexto angolano APRESENTAÇÃO SANDRA CRISTÓVÃO

Leia mais

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE. Plano energético renovável Cabo Verde

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE. Plano energético renovável Cabo Verde PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE Plano energético renovável Cabo Verde Copyright 2011, Gesto Energia S.A. Av. Cáceres Monteiro nº 10, 1º Sul 1495-131 Algés Portugal CV.2011.E.0001.1 O presente documento

Leia mais

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. DADOS GERAIS 3. A CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTOS NACIONAL 4. O IMPACTO DAS RENOVÁVEIS NA FACTURA DE ELECTRICIDADE E

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS 162 I SÉRIE N O 7 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 CONSELHO DE MINISTROS Resolução nº 7/2012 de 3 de Fevereiro A elevada dependência dos combustíveis fósseis é uma das principais

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 Tema de Pesquisa: Internacional 07 de Dezembro de 2012 Revista de Imprensa 07-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 2. (PT) -

Leia mais

Energia Solar Térmica em Cabo Verde: Situação Atual e Perspetivas de Desenvolvimento

Energia Solar Térmica em Cabo Verde: Situação Atual e Perspetivas de Desenvolvimento Energia Solar Térmica em Cabo Verde: Situação Atual e Perspetivas de Desenvolvimento JORNADA TÉCNICA SOBRE A CLIMATIZAÇÃO SOLAR EM CABO VERDE PROJECTO APRENMAC 28 DE OUTUBRO, 2015 PRAIA CABO VERDE Antúnio

Leia mais

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes

ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE O caso das renováveis Intermitentes ELECTRICIDADE E SUSTENTABILIDADE LUIS MIRA AMARAL Engenheiro (IST) e Economista (Msc NOVASBE) ORDEM DOS ENGENHEIROS 21 de Setembro de 2015 1 I - O MONSTRO ELECTRICO PORTUGUÊS: EÓLICAS, BARRAGENS, CENTRAIS

Leia mais

Energia, investimento e desenvolvimento económico

Energia, investimento e desenvolvimento económico Energia, investimento e desenvolvimento económico Aníbal Fernandes ENEOP Eólicas de Portugal Mesa Redonda Energia Eólica ERSE, 10 Fevereiro 2010 Prioridades de política energética e benefícios económicos

Leia mais

A Hidroenergia no Contexto Nacional

A Hidroenergia no Contexto Nacional AcquaLiveExpo Um Desafio Geracional A Hidroenergia no Contexto Nacional Luís Braga da Cruz (FEUP) Lisboa 22 de Março de 2012 Os Primeiros Aproveitamentos Hidroeléctricos em Portugal O primeiro ciclo da

Leia mais

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020

Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 Energia Solar Térmica Ponto da situação e caminhos para 2020 João Farinha Mendes ENERGIA 2020 Um objectivo a 10 anos 8-9 Fevereiro 2010 2 As Energias Renováveis no Programa do XVIII Governo - Objectivos

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE. Estudo da evolução da procura

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE. Estudo da evolução da procura PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE Estudo da evolução da procura Copyright 211, Gesto Energia S.A. Av. Cáceres Monteiro nº 1, 1º Sul 1495-131 Algés Portugal CV.211.E.1.1 O presente documento foi elaborado

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010

Energia Eólica e Impactes Tarifários. Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Energia Eólica e Impactes Tarifários Pedro Verdelho 10 Fevereiro 2010 Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação dos custos da Produção em Regime Especial 3. O Sobrecusto

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

Revisão Regulamentar 2011

Revisão Regulamentar 2011 Revisão Regulamentar 2011 21 Junho 2011 Comentário Síntese Na generalidade: A quase totalidade t d das preocupações e sugestões apresentadas pela EDA nos últimos anos foram contempladas. No entanto, algumas

Leia mais

Como Apresentar Projetose Exemplos de Operações por João Real Pereira Sumário ExemplosdeProjectosITF ComoApresentarProjetos PipelinedeProjetos Oportunidades nos Sectores dos TransportesedaEnergia Conclusões

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética

Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Plano Nacional de Acção para a Eficiência Energética Apresentação da Versão para Discussão Pública Fevereiro 2008 Coordenação : Apoio : Forte inversão da intensidade energética

Leia mais

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento

5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA. Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento 5º Workshop Técnico 2007 C3P NASA Peniche, 7 de Novembro de 2007 Energias Renováveis: Factor de Desenvolvimento O Sol pode ser um recurso? Moura e Amareleja: 2.200 KWh/m2 Soma da irradiação anual global,

Leia mais

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA

CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA CONFERENCIA & EXPOSIÇÃO DO IPAD ANGOLA TEMA: AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DA APOSTA PELAS ENERGIAS RENOVAVEIS EM ANGOLA. EXPERIENCIAS DA PROVÍNCIA DO HUAMBO Apresentado por: Eng. Adolfo Elias Gomes Director

Leia mais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

Sessão de Discussão Pública Compromisso para o Crescimento Verde

Sessão de Discussão Pública Compromisso para o Crescimento Verde Sessão de Discussão Pública Compromisso para o Crescimento Verde Fundação de Serralves, Porto, 2 de Dezembro de 2014 Cláudio Monteiro (FEUP) cdm@fe.up.pt Objetivos Com a capacidade instalada renovável

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP

III Conferência Anual da RELOP Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade III Conferência Anual da RELOP Rio de Janeiro 4 Novembro 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia e Nacional 2. Remuneração e alocação

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade

Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade Energias Renováveis, Regulação e Sustentabilidade XIV Reunión Anual Iberoamericana de Reguladores de la Energía Salvador - Bahía 28 a 30 de Abril de 2010 Vítor Santos Agenda 1. A Política Energética Europeia

Leia mais

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE

PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE PLANO ENERGÉTICO RENOVÁVEL CABO VERDE Especificação conceptual do modelo SIMRES Copyright 2011, Gesto Energia S.A. Av. Cáceres Monteiro nº 10, 1º Sul 1495-131 Algés Portugal O presente documento foi elaborado

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

Contributo para o quase zero de energia no edificado

Contributo para o quase zero de energia no edificado Energia nos EDIFÌCIOS: 40 % da energia primária consumida Contributo para o quase zero de energia no edificado 24% das emissões de GEE 30% do consumo de electricidade (per capita: 1,5 MWh/ano) Edifícios

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

O SALTO DA ENERGIA. salto

O SALTO DA ENERGIA. salto O SALTO DA ENERGIA Os países africanos precisam de estratégias energéticas que promovam o crescimento e reduzam a pobreza energética, fazendo ainda a transição para uma economia com baixas emissões de

Leia mais

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Cap 1: Energia e Macroeconomia ANGOLA-Petróleo e macroeconomia (milhões de USD, salvo indicação em contrário) 2006 2007 2008 2009 Vendas líquidas

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Armazenamento de energia: Tecnologias alternativas. Alberto Barbosa

Armazenamento de energia: Tecnologias alternativas. Alberto Barbosa Armazenamento de energia: Tecnologias alternativas Alberto Barbosa Crescimento da geração a partir de fontes renováveis Variabilidade da geração de electricidade das renováveis Constrangimentos de transmissão

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos

Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos As Energias do Presente e do Futuro Oferta e Eficiência Energética em Sistemas Eléctricos J. A. Peças Lopes (jpl@fe.up.pt) Introdução Caracterização da Situação 1. Aumento do consumo de electricidade 2.

Leia mais

Água Quente Solar para Portugal

Água Quente Solar para Portugal INICIATIVA PÚBLICA AQSpP Água Quente Solar para Portugal J. Farinha Mendes Presidente da SPES www.spes.pt Portugal - um dos países da Europa com maior disponibilidade de recurso solar Eficiência Energética

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional

Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Medida Solar Térmico 2009 Impulsionar a Eficiência Energética e a Economia Nacional Alargamento a Instituições Particulares de Solidariedade Social e Associações Desportivas de Utilidade Pública Lisboa,

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

Promoção de Sistemas de Energias Renováveis de Pequena e Média Dimensão em Cabo Verde

Promoção de Sistemas de Energias Renováveis de Pequena e Média Dimensão em Cabo Verde Towards Sustainable Energy Promoção de Sistemas de Energias Renováveis de Pequena e Média Dimensão em Cabo Verde Jansénio Delgado Renewable Energy Expert ECREEE Praia 11 de Setembro de 2014 O Projeto GEF

Leia mais

CENTRAL SOLAR FOTOVOLTAICA DE AMARELEJA REFERÊNCIA MUNDIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS

CENTRAL SOLAR FOTOVOLTAICA DE AMARELEJA REFERÊNCIA MUNDIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS CENTRAL SOLAR FOTOVOLTAICA DE AMARELEJA REFERÊNCIA MUNDIAL NO DESENVOLVIMENTO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS A MAIOR CENTRAL FOTOVOLTAICA DO MUNDO COM SEGUIDORES SOLARES AMARELEJA ENTRADA PRINCIPAL A central

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DA VITÓRIA EEM/DSP 1 117 MWe Central Térmica da Vitória 1 Descrição Geral A Central Térmica da Vitória entrou em funcionamento em 1979, para fazer

Leia mais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Lanheses Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Especializações Inteligentes e Clusters Regionais: como exportar, com que apoios e para que mercados? Viana do Castelo

Leia mais

Banco de questões n.º1

Banco de questões n.º1 Banco de questões n.º1 Tema Terra em transformação Energia Lê o texto seguinte 1 : Introdução A grande diferença entre a nossa civilização e as anteriores é a capacidade de transformar e utilizar energia

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva Lisboa, 4 de Agosto

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

Proposta Técnica Para Fornecimento de 3MW de Energia Eólica e 2.5MW de Geração Elétrica Térmica em Cova Figueira e São Filipe, Fogo.

Proposta Técnica Para Fornecimento de 3MW de Energia Eólica e 2.5MW de Geração Elétrica Térmica em Cova Figueira e São Filipe, Fogo. Cape Verde Wind, LLC Proposta Técnica Para Fornecimento de 3MW de Energia Eólica e 2.5MW de Geração Elétrica Térmica em Cova Figueira e São Filipe, Fogo Apresentado ao: Ministério da Energia Elaborado

Leia mais

Sustentando o Crescimento Face à Incerteza Global

Sustentando o Crescimento Face à Incerteza Global Sustentando o Crescimento Face à Incerteza Global Perspectivas económicas regionais para África Subsaariana Outubro 2012 Victor Lledó Representante Residente do FMI para Moçambique 7 de Novembro de 2012

Leia mais

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades

Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Utilização Racional de Biomassa Florestal Mitos e Realidades Paulo Canaveira Seminário Tecnicelpa Bioenergias. Novas Tendências 30 Março 2007 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no

Leia mais

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética

Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética Carlos Firme 07 de Julho de 2010 Índice 1. A Biomassa no Contexto das Energias Renováveis 2. A Emergência de um novo tipo de investidor 3. Os Economics

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE)

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Seminário : Inovação na Construção, Técnicas e Materiais de Construção sustentável Auditório da Associação

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Energias Renováveis em Portugal

Energias Renováveis em Portugal Energias Renováveis em Portugal António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Antonio.Joyce@ineti.pt

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas

Os combustíveis fósseis e as energias alternativas Os combustíveis fósseis e as energias alternativas O que são combustíveis fósseis: Os combustíveis fósseis são compostos por hidrocarbonetos e são usados por exemplo como combustível. São alguns exemplos

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia

Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Medida Solar Térmico 2009 A eficiência energética como dinamizador da economia Instituições Particulares de Solidariedade Social e Clubes e Associações de Utilidade Pública Desportiva 20 de Outubro 2009

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt O recurso energético e o mercado potencial Estado actual da tecnologia Custos A Energia das Ondas em Portugal Conclusões Energia das Ondas: Estado de desenvolvimento e perspectivas antonio.sarmento@ist.utl.pt

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E RECURSOS NATURAIS WORKSHOP SOBRE MECANISMO DESENVOLVIMENTO LIMPO MDL São Tomé, 5 a 9.9.11 Panorama Energético Nacional Eng.º Leonel Wagner Neto (MDNE/MEREE) ENQUADRAMENTO

Leia mais

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes:

Esta radiação que atinge o solo é constituída por três componentes: Energia Solar O Sol é a nossa principal fonte de energia, responsável pela manutenção das várias formas de vida existentes na Terra. Trata-se de um recurso praticamente inesgotável e constante, quando

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI)

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI) TERMOS DE REFERÊNCIA PARA UM ESTUDO DE MERCADO NA REGIÃO DOS PALOP CENTRO DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL (CERMI) DE CABO VERDE Resumo Cabo Verde assume claramente a energia renovável como

Leia mais

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal

Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Impactos técnicos e económicos da electrificação gradual do sector dos transportes em Portugal Lisboa, 9 de julho de 2015. Joaquim Delgado Jdelgado@estv.ipv.pt Sumário 2/16 1ª Parte Breve caraterização

Leia mais

África à espera investim

África à espera investim África à espera investim Capa Os investimentos nas energias renováveis já permitiram instalar, até 2008, mais de 280 mil MW de potência em todo o mundo, mas África só comparticipa com 2300 MW - de um investimento

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA

Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? Posição conjunta da CELPA e da AIMMP sobre BIOMASSA para ENERGIA Centrais Eléctricas de Biomassa Uma Opção Justificável? O uso de biomassa florestal

Leia mais

A eterna memoria dos meus pais, António David e Martina Monteiro e aos meus tios,

A eterna memoria dos meus pais, António David e Martina Monteiro e aos meus tios, Dedicatória... O caminho percorrido até aqui, nem sempre foi fácil A eterna memoria dos meus pais, António David e Martina Monteiro e aos meus tios, José Soares e Antónia Santos i Agradecimentos Acima

Leia mais

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008

Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Portugal Eficiência 2015 Análise 2008 Coordenação : Apoio : 0 Forte inversão da intensidade energética nos 2 últimos anos No entanto, a intensidade energética nacional continua significativamente acima

Leia mais

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP)

Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Geração Distribuída Diesel na Ponta (GDDP) Palestra apresentada a Diretoria do INEE em 25 de janeiro de 2012 Péricles Pinheiro Filho Atualizada em 2012-07-17 Considerações Iniciais Péricles Pinheiro Filho

Leia mais

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010

CONFERÊNCIA. Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA. Lisboa, 7 de Julho de 2010 CONFERÊNCIA Biomassa Financiar uma Fonte Limpa de Produção Energética FINANCIAMENTO DE CENTRAIS DE BIOMASSA Lisboa, 7 de Julho de 2010 Luís Sousa Santos lsantos@besinv.pt Financiamento de Centrais de Biomassa

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais