Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde"

Transcrição

1 Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009

2 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde, no que tange ao abastecimento de água e saneamento Produção de água para consumo humano Distribuição de água Águas residuais Taxas de cobertura das redes Investimentos Saneamento Básico em Cabo Verde Qualidade e Ambiente Conclusões e perspectivas

3 Apresentação da ELECTRA ELECTRA Empresa de Electricidade e Água, S.A é uma Sociedade Anónima. O objecto, social definido pelos seus estatutos, consiste na produção, distribuição e venda de electricidade em todo o território nacional, de água na Praia, Mindelo, Sal e Boavista, bem como a recolha e o tratamento para a reutilização de águas residuais na cidade da Praia, podendo dedicar-se a outras actividades relacionadas com o seu objecto social. Privatizada em 2000, venda de 51% das acções a um parceiro estratégico. Hoje, 85% é do Estado; 15% dos Municípios Localização: A empresa é constituída por nove Delegações distribuídas em todo o território nacional, e a sua sede social fica localizada na Rua Dr. Baltazar Lopes da Silva S. Vicente, com o Tel: ; Fax: ;

4 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Produção de água para o consumo humano em Cabo Verde Em Cabo Verde, a produção de água para o consumo humano, provém na maior parte, da dessalinização da água do mar. Sistemas consumidores de energia. ELECTRA está circunscrita a S. Vicente, Sal, Boa Vista e na Cidade da Praia, maiores centros urbanos. Nas restantes ilhas a produção e distribuição de água potável é da responsabilidade dos Municípios, águas subterrâneas. Em Porto Novo há uma pequena unidade de 2 x 500 m3, privado, APN, espanhola. Sal tem APP, privado.

5 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Capacidade instalada Produção de água (m 3 /d) Ilha/Unidade Produção Produção Processo Designação Var Evaporação m ulti-efeitos MED ,3% Osm ose Inversa RO ,4% Osm ose Inversa RO ,5% Osm ose Inversa RO ,8% Osm ose Inversa RO ,4% S.Vicente ,9% Com pressão Mecânica Vapor MVC Com pressão Mecânica Vapor MVC ,5% Osm ose Inversa UNIHA ,0% Osm ose Inversa UNIHA ,0% Sal ,9% Com pressão Mecânica Vapor MVC Com pressão Mecânica Vapor MVC ,4% Boavista ,9% Com pressão Mecânica Vapor MVC ,8% Osm ose Inversa Osm ose Inversa RO 5000 Pridesa ,8% Dessalinizada ,5% Galerias Furos ,4% Subterrânea ,6% Santiago (Praia) ,1% Total Dessalinizada ,6% Total Subterranea ,6% Total Electra ,6%

6 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Evolução da produção A evolução da Produção de água ao longo dos últimos 5 anos registou uma taxa média de 1.0%, reprimida. A ELECTRA produziu no ano m3 de água sendo m3 de água dessalinizada (92%do total) e m3 de água de origem subterrânea (9,0%). Em relação ao ano 2007 houve um aumento da produção de água em 0,6% o que corresponde a m Milhares m

7 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Distribuição de Água Durante o ano 2008 foram entregues à distribuição m3 de água, cerca de 99,2% do total produzido. O consumo interno foi de m3 de água, cerca de 0,8% do total produzido. As perdas totalizaram em 2008 cerca de m3 de água cerca de 31,5% do total produzido. Em relação ao ano 2007 houve um aumento de 0,9%. Houve um aumento das perdas nos sistemas de distribuição de Boavista (2,8%) e Santiago (4,9%) e uma diminuição nos sistemas da S. Vicente (4,8%) e Sal de (2,8%). Estudo de redução de perdas solicitado à cooperação espanhola

8 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Distribuição de Água Repartição da água produzida m 3 Água produzida Consumo Água enviada a distribuição Unidade produção Origem Quantidade Interno S.Vicente Dessalinização Sal Dessalinização Boavista Dessalinização Santiago (Praia) Dessalinização Subterrânea Santiago (Praia) Total Electra

9 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Águas residuais A Electra exerce a actividade de recolha e tratamento de águas residuais na Cidade da Praia. No ano de 2008 foram recolhidas cerca de m3 de águas residuais na estação de tratamento (ETAR). O caudal médio diário foi de m3 (máximo m3, mínimo 563 m3), um incremento de 24.4% face ao ano anterior. A totalidade de águas residuais recolhida ( m3) teve tratamento primário, secundário e terciário. Durante o ano de 2008 foram executadas 262 novas ligações à rede de esgotos, um aumento de 4.4% face ao ano anterior. Nos restantes centros populacionais do País essa actividade é da responsabilidade dos Municípios.

10 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Taxa de cobertura Evolução das Taxas de Cobertura das Redes de Água ** Reais Taxa crescimento Projecções ILHA /Concelho Médio S.VICENTE 49,8% 51,4% 52,5% 54,8% 56,0% 56,6% 58,0% 58,7% 60,4% 102,4% 61,9% 63,4% 65,0% SAL 46,4% 46,3% 45,6% 45,1% 44,5% 43,5% 43,1% 43,3% 43,7% 99,3% 43,4% 43,0% 42,7% BOAVISTA 23,2% 23,4% 24,9% 26,0% 26,1% 28,1% 29,3% 30,2% 30,8% 103,6% 31,9% 33,0% 34,2% PRAIA (SANTIAGO) 22,5% 26,0% 27,6% 34,4% 39,3% 41,2% 44,4% 44,9% 45,0% 109,1% 49,1% 53,5% 58,4% TOTAL 1 34,3% 36,7% 37,9% 42,2% 45,2% 46,3% 48,5% 49,0% 49,7% 104,7% 52,0% 54,5% 57,0% A taxa de cobertura de água potável é de 54%, e o consumo per capita em 2008 foi de 20,4 Lts/hab/dia. Evolução das taxas de Cobertura de Saneamento ILHA /Concelho Praia 8,0% 17,0% 18,0% 109,4% 19,7% 21,6% 23,6% * - Clientes domésticos / Nº de famílias ** - Clientes totais / Nº de famílias

11 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde, incluindo o abastecimento de água e o saneamento Investimentos Investimento a Custos Totais (1000 ECV /1000 Euros) A ctividade x 1000 C VE x 1000 Euros Produção Energia ,76 Distribuição de Energia ,90 Produção de Água ,90 Distribuição de Água ,84 Saneam ento ,85 Investim ento Não Especifico ,53 Distribuição de Energia 17% Produção de Água 6% Investimento Distribuição Não de Especifico Água 6% 0% Investimentos Saneamento 1% Total Produção Energia 70% Evolução dos Investimentos PE PA DE DA SN e Outros

12 Aumento da capacidade de Produção da empresa no que tange à água Produção de água Aumento da capacidade de produção de água Cidade da Praia de 2 x m³/dia (auto-financiamento) Aumento da capacidade de produção da central do Palmarejo com Aumento da capacidade de produção da central do Palmarejo com uma nova unidade de dessalinização de m³/dia (finais de 2009). Cooperação com a Espanha. Dessalinizador de m3/dia para S. Vicente; Dessalinizador de m3/dia para o Sal Grande manutenção de Dessalinizadores

13 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Distribuição de água potável Investimentos Endógenos e Manutenção na rede de Distribuição de água Execução de pequenas extensões de rede.

14 Papel da empresa no desenvolvimento sustentável de Cabo Verde no que tange ao abastecimento de água e saneamento Qualidade e Ambiente A Empresa dá atenção e continuidade ao programa de monitorização da qualidade da água produzida e distribuída nos concelhos da Praia e Ribeira Grande -Santiago, e ilhas de São Vicente, Sal e Boa Vista, de acordo com o Plano de Controlo de Qualidade existente na Empresa. O programa de actividades contempla a recolha de amostras para ensaios laboratoriais ensaios físico-químicos e microbiológicos, em vários pontos de amostragem, nomeadamente, nas unidades dessalinizadoras, reservatórios, rede de distribuição e fontanários.

15 Saneamento Básico em Cabo Verde Evacuação de águas residuais domésticas (Dados INE) Dos agregados familiares residentes no país ou seja a grande maioria ( 76 % ) tinha acesso a água potável ; com isto Cabo Verde já realizou a meta dos 10 objectivos do Milénio para o desenvolvimento OMD ( dados do Instituto Nacional de Estatística Perfil de Pobreza em Cabo Verde Dos agregados apenas ou seja 45 %, tinham casa de banho e retrete ; ou seja 3 em 4 pessoas davam destino impróprio as águas residuais, isto é deitavam nas no redor da casa ou então atiravam nas na natureza. A maioria dos agregados familiares viviam em casa individual ( parte da casa que em regra geral não tem condições de habitabilidade.

16 Saneamento Básico em Cabo Verde Evacuação de águas residuais domésticas (Dados INE) repartição dos agregados por ilha de residência e posse de casa de banho com retrete segundo o estatuto face a pobreza e o sexo do chefe:

17 Saneamento Básico em Cabo Verde Evacuação de águas residuais domésticas (Dados INE) repartição dos agregados por forma de evacuação das águas residuais segundo ilha de residência: Evacuação de águas residuais domésticas (Dados INE) repartição dos agregados pobres e não pobres segundo ilha de residência:

18 Saneamento Básico em Cabo Verde Evacuação de águas residuais domésticas (Dados INE) repartição percentual dos agregados por forma de evacuação das águas residuais segundo ilha de residência:

19 Saneamento Básico em Cabo Verde Recolha e tratamento dos resíduos sólidos urbanos ( RSU s ) A recolha e tratamento dos resíduos sólidos urbanos nos Centros Urbanos do País é da responsabilidade das Autarquias. Os Municípios tem esforçado no sentido de colocar contentores de recolha de resíduos sólidos em pontos estratégicos dos Centros Urbanos, assim como programas de recolha, informação e sensibilização da população de forma a melhorar as condições sanitárias e ambientais das populações. O destino final dos resíduos sólidos em todo o país são as Lixeiras em Céu Aberto, salvo a ilha de São Nicolau que já possui um Aterro Sanitário. Estão em curso projectos de construção de novos Aterros Sanitários nas ilhas de Santiago, São Vicente e Sal.

20 Conclusões e perspectivas Pode se considerar que a situação do Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde é satisfatório e está em bom caminho. Contudo, há ainda grandes esforços a serem feitos nos domínios da Produção e Distribuição de água potável; Drenagem e Tratamento das águas residuais; Recolha e tratamento de resíduos sólidos urbanos. No que diz respeito à ELECTRA, ela terá que envidar esforços na procura de financiamento para investimentos nos seguintes domínios : Aumento da produção de água potável através da dessalinização. Para a Cidade da Praia, está previsto a aquisição de mais uma unidade de produção OI de m3 /dia ainda a ser instalado este ano ( finais 2009 ). A entrada em funcionamento desta unidade, permitirá manter minimamente a rede de distribuição em carga, que por sua vez fará melhorar a qualidade da água (coloração avermelhada da água distribuída em certos bairros).

21 Conclusões e Perspectivas (cont.) Aumento da produção de água nas ilhas do Sal e S. Vicente a curto prazo. Remodelação e Extensão das redes secundárias da rede de distribuição de água potável da Cidade da Praia, de forma a permitir um abastecimento aceitável dos bairros periféricos da Capital. Extensão das redes secundárias de drenagem das águas residuais da Cidade da Praia e Mindelo de forma a contemplar novos bairros.

22 Conclusões e perspectivas (cont.) De salientar que está a decorrer actualmente no país as obras do Plano Sanitário da Praia e Mindelo (remodelação e extensão das infra estruturas das redes de água potável ; drenagem e tratamento das águas residuais domésticas ; infelizmente essas obras não contemplarão a maioria dos Bairros. Isto indica, que nos próximos anos, a ELECTRA terá que investir não somente no aumento da produção de água potável através da dessalinização, mas também nas grandes remodelações e extensões das redes de distribuição de água dos Grandes Centros Urbanos, de forma a abastecer via rede pública, as populações das zonas periféricas.

23 Conclusões e perspectivas Bairros periféricos da Capital sem abastecimento de água potável via rede e sem rede de drenagem das águas residuais

24 Conclusões e perspectivas Drenagem das Águas Residuais, tratamento e valorização Os dois maiores Centros Urbanos do País ( Praia e Mindelo ) estão equipados com rede de drenagem das águas residuais, assim como Estações de Tratamento de Águas Residuais ETAR, que permite rendimentos superiores a 80 %( DQO ; DBO5 ; MES). O efluente tratado é reutilizado na rega de jardins públicos ( Praia e Mindelo). Na Cidade da Praia, o sistema de tratamento é mais eficaz ( tratamento terciário ) o que permite utilizar a água tratada na construção civil entre outras utilidades. A Vila Turística de Santa Maria -ilha do Sal, já está equipada também de uma ETAR, que ainda não está a funcionar.

25 Conclusões e perspectivas O tratamento das águas residuais desses grandes Centros Populacionais, favorece a preservação do Meio Ambiente, em especial a protecção da Orla Marítima (Litoral )

26 Fim Obrigado! Visite o site

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO

DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO CÂMARA MUNICIPAL DA PRAIA DOS SISTEMAS MUNICIPAIS PARA A CRIAÇÃO DE UMA EMPRESA INTERMUNICIPAL DE ÁGUA E SANEAMENTO NA ILHA DE SANTIAGO - A reforma em curso e as necessidades em investimentos imediatos

Leia mais

Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas

Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas Estratégia Empresarial, Investimentos e Infra-estruturas ESTUDO DE CASO EMPRESA Verticalmente integrada (Produção; Distribuição; Comercialização) Electricidade, Água e Saneamento Pública Privada Contrato

Leia mais

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO EM CABO VERDE

DIAGNÓSTICO DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO EM CABO VERDE DIAGNÓSTICO DO SECTOR DE ÁGUA E SANEAMENTO EM CABO VERDE Novembro de 2007 INDICE PREÂMBULO... 1 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS... 2 I. QUADRO JURÍDICO E POLÍTICO... 3 I.1. Quadro Jurídico... 3 I.2 Quadro

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

Joana Rodrigues. Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A.

Joana Rodrigues. Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira, S.A. SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA O presente projecto, co-financiado pelo Fundo de Coesão da União Europeia, contribui para a redução das disparidades sociais e económicas entre

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA ILHA DE SANTIAGO O processo de criação de um sistema intermunicipal e o desafio da sua viabilização Gilberto SILVA Sumário 1. O quadro legal e institucional de gestão

Leia mais

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola

PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola PESGRU - Plano Estratégico para a Gestão de Resíduos Urbanos em Angola 1º CONGRESSO DOS ENGENHEIROS DE LÍNGUA PORTUGUESA 18 de Setembro de 2012 Agenda da apresentação do PESGRU I. Enquadramento do PESGRU

Leia mais

Workshop de disseminação dos resultados da pobreza em Cabo Verde RESULTADOS DO QUIBB

Workshop de disseminação dos resultados da pobreza em Cabo Verde RESULTADOS DO QUIBB Workshop de disseminação dos resultados da pobreza em Cabo Verde RESULTADOS DO QUIBB 2007 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS INDICADORES INCIDENCIA DA POBREZA DISTRIBUIÇÃO DOS POBRES

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde Por: António Pedro B. BORGES Coordenador da Comissão de Reforma do Sector da Água e Saneamento MAHOT - Praia, Cabo Verde

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

INDICE MENSAGEM DO PRESIDENTE CA / CEO 2 ELECTRA EM NÚMEROS 4 ORGANIGRAMA 6 ÓRGÃOS SOCIAIS E CORPO DIRECTIVO 7 FACTOS RELEVANTES NA VIDA DA EMPRESA 8

INDICE MENSAGEM DO PRESIDENTE CA / CEO 2 ELECTRA EM NÚMEROS 4 ORGANIGRAMA 6 ÓRGÃOS SOCIAIS E CORPO DIRECTIVO 7 FACTOS RELEVANTES NA VIDA DA EMPRESA 8 A Electra Empresa de Electricidade e Água, SARL é uma Sociedade Anónima, cujo objecto social definido pelos seus estatutos, consiste na produção, distribuição e venda de electricidade em todo o território

Leia mais

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Caraterização das práticas relacionadas com o consumo de água nas empresas de alojamento turístico de Montemor-o-Novo Anualmente,

Leia mais

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 Índice INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO... 3 1. SECTOR DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS...

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2013 INSTITUIÇÃO O FPEF Fundo de Promoção do Emprego e da Formação foi criado através da Resolução nº 05/2012 de 25 de Janeiro, tendo os seus Estatutos sido publicados no BO

Leia mais

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo

Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Inquérito Multi- Objectivo Contínuo Estatísticas Sobre o Trabalho das Crianças Principais resultados (preliminares) Praia, 27 de Junho de 2013 PLANO DE APRESENTAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA PRINCIPAIS RESULTADOS:

Leia mais

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras

5.11 Vagos. 5.11.1 Forças motoras 5.11 Vagos O concelho de Vagos, com uma área de aproximadamente 165 km 2 possui onze freguesias: Calvão, Covão do Lobo, Fonte de Angeão, Gafanha da Boa Hora, Ouca, Ponte de Vagos, Sosa, Vagos, Santo António

Leia mais

INDICADORES ESTATÍSTICOS

INDICADORES ESTATÍSTICOS INDICADORES ESTATÍSTICOS Indicadores Ano Unidade Estrutura Territorial Área 28 Km 2 27 332,4 92 9, Concelhos - Freguesias 28 nº 47-31 38-426 Lugares 28 nº 947 26797 Cidades Estatísticas 28 nº 15 151 Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

X Ambiente e Salubridade

X Ambiente e Salubridade X Ambiente e Salubridade 1. Abastecimento de Água A taxa de Cobertura de Abastecimento de água no Concelho de Pombal é de aproximadamente 99%, podendo deste modo considerar-se que cobre todas as freguesias

Leia mais

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento

31ª Reunião Comissão de Acompanhamento 31ª Reunião Comissão de Acompanhamento Apresentação do projecto 2001/PT/16/C/PE/007 Sistema Multimunicipal de abastecimento de água e de saneamento de Raia, Zêzere e Nabão Índice 1. Apresentação da Águas

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2013-2016

Grandes Opções do Plano 2013-2016 Grandes Opções do Plano 2013-2016 Plano Plurianual de Investimentos 2013-2016 O Grupo Águas de Portugal apresentou aos Municípios do Oeste, no segundo semestre de 2009, as possibilidades de constituição

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO República de Cabo Verde Chefia do Governo CENTRO DE POLÍTICAS ESTRATÉGICAS PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO CABO VERDE, MARÇO DE 2010 PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO ÍNDICE ABREVIATURAS UTILIZADAS...

Leia mais

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar

ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar A Crise da Água ATITUDES QUE DEVES DE TOMAR: Economizar Reciclar e Reutilizar ÁGUA A água é um recurso natural que depende da maneira como o Homem a utiliza para ser renovável ou não. Quando se pensa que

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305

ANEXO A. Carta Educativa do Concelho de Mafra Anexo A, Pág. 305 ANEXO A Anexo A, Pág. 305 Jardim de Infância (JI) Faixa Etária: 3 aos 5 anos Observações Percursos escola-habitação A pé - preferencial até 15 minutos; Em transporte público - máx. aceitável 20 minutos.

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE PELO QUE S. MIGUEL TEM DE MELHOR. Na altura em que se completam dez anos sobre o início da actividade da AMISM, é oportuno fazer um balanço

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Sociedade de Desenvolvimento Turístico das Ilhas de Boa Vista e Maio, SA

Sociedade de Desenvolvimento Turístico das Ilhas de Boa Vista e Maio, SA Sociedade de Desenvolvimento Turístico das Ilhas de Boa Vista e Maio, SA MISSÃO E OBJECTIVOS Iª APOIBM, Ilha da Boa Vista, 15 de Outubro de 2009 NATUREZA SOCIETÁRIA E Sociedade CAPITAL SOCIAL anónima de

Leia mais

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro

Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO. Universidade de Aveiro Fase 1 Agosto de 2007 RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO SELECTIVO O relatório foi elaborado pela equipa da UA Celeste Coelho (coordenação) Fátima Alves Filomena Martins Teresa Fidélis Sandra Valente Cristina Ribeiro

Leia mais

2004-2009 MEMÓRIA DE ACTIVIDADES. ADANE Amigos para o Desenvolvimento de África 1/7

2004-2009 MEMÓRIA DE ACTIVIDADES. ADANE Amigos para o Desenvolvimento de África 1/7 2004-2009 MEMÓRIA DE ACTIVIDADES ADANE Amigos para o Desenvolvimento de África 1/7 A ADANE Moçambique é uma pessoa colectiva, de direito privado, sem fins lucrativos, dotada de personalidade jurídica,

Leia mais

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira.

5.7 Murtosa. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário da água da rede de abastecimento público no concelho de Mira. 5.6.4.3 Tratamento de água para consumo humano A água captada pela Câmara (captação da Lagoa) é sujeita a tratamento de filtragem e cloragem. 5.6.4.4 Tarifário de água O Quadro 5.66 apresenta o tarifário

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável

1 Qualificar os serviços de Abastecimento de água potável nos núcleos rurais com mais de 10 economias nas áreas quilombolas nas áreas indígenas Planilha de Objetivos, Indicadores e Ações Viabilizadoras GT Saneamento A Santa Maria que queremos Visão: "Que até

Leia mais

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos;

Dotar o território de instrumentos de planeamento de gestão compatíveis com a preservação e conservação dos recursos; 1. Medida 3.5.: Apoio ao Desenvolvimento do Sistema Ambiental e do Ordenamento 2. Descrição Esta medida contempla o apoio aos investimentos a realizar nos domínios do Ordenamento do Território e do Desenvolvimento

Leia mais

INQUÉRITO MULTI-OBJECTIVO CONTÍNUO ESTATÍSTICAS DE CONDIÇÕES DE VIDA

INQUÉRITO MULTI-OBJECTIVO CONTÍNUO ESTATÍSTICAS DE CONDIÇÕES DE VIDA INQUÉRITO MULTI-OBJECTIVO CONTÍNUO ESTATÍSTICAS DE CONDIÇÕES DE VIDA Praia, 16 de Maio 2016 OBJECTIVOS O módulo sobre as condições de vida surge com o objectivo magno de contribuir para o conhecimento

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal

A Evolução dos Serviços de Água em Portugal A Evolução dos Serviços de Água em Portugal AcquaLifeExpo Lisboa, 22-25 de Março de 2012 Centro Empresarial Torres de Lisboa Rua Tomás da Fonseca, Torre G 8º 1600-209 LISBOA - PORTUGAL www.ersar.pt Tel.:

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

Notas Explicativas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Notas Explicativas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 8.2. NOTAS EXPLICATIVAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1. O Balanço e a Demonstração de Resultados, foram elaborados de acordo com as normas estabelecidas no Ponto n.º 13 do POCAL Plano

Leia mais

Abastecimento de Água

Abastecimento de Água AA Abastecimento de Água Tipo de cliente Doméstico Não doméstico IPSS's Autarquia 0 a 10 m3 0,6300 0 a 50 m3 0,9500 0 a 50 m3 0,9500 0,0500 11 a 20 m3 1,0000 51 a 80 m3 1,3000 51 a 80 m3 1,3000 0

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida

Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012. Folha de Informação Rápida Inventário Anual aos Estabelecimentos Hoteleiros 2012 Folha de Informação Rápida 2013 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas do Turismo 2012 Inventario Anual dos Estabelecimentos Hoteleiros Presidente

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS. Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada O QUE SÃO ÁGUAS RESIDUAIS? São águas que resultam de diversos usos ou atividades ligadas à vida humana:

Leia mais

José Saldanha Matos. Instituto Superior Técnico

José Saldanha Matos. Instituto Superior Técnico José Saldanha Matos Instituto Superior Técnico Água, saneamento e higiene para todos Água para a energia, energia para a água Água e alimento para pôr fim à pobreza Os múltiplos usos e funções dos serviços

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

- a educação no sentido da sustentabilidade; - a qualidade ambiental.

- a educação no sentido da sustentabilidade; - a qualidade ambiental. O Projecto ecoxxi procura reconhecer as boas práticas de sustentabilidade desenvolvidas ao nível do município, valorizando um conjunto de aspectos considerados fundamentais à construção do Desenvolvimento

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO DIRECÇÃO PROVINCIAL DE RECURSOS MINERAIS E ENERGIA DE MANICA Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO Manica, 30 Junho à 04 Julho 2008 Elaborado por: José F. Quelhas Av. 25 de Setembro, 1218-2 o

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Sistema Nacional do Cadastro Predial CABO VERDE

Sistema Nacional do Cadastro Predial CABO VERDE Congresso Internacional JORNADAS TÉCNICAS SOBRE EL VALOR ESTRATÉGICO DE LA INFORMACION TERRITORIAL 05 de Julho de 2012 Santa Cruz de Tenerife - Canárias Sistema Nacional do Cadastro Predial CABO VERDE

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

SANASA Produtos e Serviços

SANASA Produtos e Serviços SANASA Produtos e Serviços Áreas de Atuação PRODUTOS Recebimento/Tratamento de Efluentes não domésticos Água de Reúso Contratos de fidelidade (Para Água e Esgoto ) Para clientes com consumo acima de 80m³/mês.

Leia mais

Inventario Anual 2010

Inventario Anual 2010 1- ANÁLISE DOS PRINCIPAIS RESULTADOS DO INVENTÁRIO ANUAL AOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS 2010 I- Estabelecimentos hoteleiros e capacidade hoteleira Segundo o inventário anual realizado pelo Instituto Nacional

Leia mais

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística

Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Porquê que a Guiné-Bissau necessita de uma Estratégia Nacional de Desenvolvimento de Estatística Como podem as estatísticas nacionais contribuir aos avanços direccionados a satisfação das necessidades

Leia mais

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde Iara Jassira Costa Barros Introdução Localização geográfica: 500km da costa ocidental da África Clima: Tropical seco, 2 estações seca

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Exemplo de Requerimento Zona Franca Industrial Documento disponível em: www.ibc-madeira.com EXEMPLO DE REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE INSTALAÇÃO

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

ESTUDO/DIAGNÓSTICO SOBRE O MERCADO DE EMPREGO EM CABO VERDE

ESTUDO/DIAGNÓSTICO SOBRE O MERCADO DE EMPREGO EM CABO VERDE ESTUDO/DIAGNÓSTICO SOBRE O MERCADO DE EMPREGO EM CABO VERDE ÍNDICE Praia, Fevereiro de 2008 CRCP nº 2.0742006/06/12 B.O. nº 30 DE 28/07/2006 NIPC nº 252444850 Cap. Social 5.000.000$00 PAGINA O. SINTESE

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

visite o nosso site em:

visite o nosso site em: 1 O QUE É A BOLSA DE VALORES? As bolsas de valores são mercados secundários especialmente organizados onde são transaccionados valores mobiliários. Trata-se de mercados estruturados e dotados de instrumentos

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Revista de Imprensa Julho 2008. 1 - Jornal O Correio.com, 19-07-2008, Nazaré inspira-se em Cascais

Revista de Imprensa Julho 2008. 1 - Jornal O Correio.com, 19-07-2008, Nazaré inspira-se em Cascais Revista de Imprensa Julho 2008 Cascais Atlântico 1 - Jornal O Correio.com, 19-07-2008, Nazaré inspira-se em Cascais 3 Cascais Energia 2 - Mais Ambiente.pt, 31-07-2008, Primeiro edifício municipal do país

Leia mais

PAY-AS-YOU-THROW. Um longo caminho para percorrer. - Caso de Óbidos - Filipa Silva Santos

PAY-AS-YOU-THROW. Um longo caminho para percorrer. - Caso de Óbidos - Filipa Silva Santos PAY-AS-YOU-THROW Um longo caminho para percorrer - Caso de Óbidos - Estrutura 1 Introdução 1.1 Relevância do Tema 1.2 Objectivos 1.3 Constrangimentos 2 O que é o PAYT? 3 Tarifários Variáveis 3.1 Alternativas

Leia mais

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900

CORRENTES CAPITAL TOTAL RECEITAS 17 526 004 7 283 896 24 809 900 DESPESAS 12 372 900 12 437 000 24 809 900 ANÁLISE DO ORÇAMENTO: RECEITA E DESPESA O orçamento para 2014 volta a ser mais contido que o anterior, situando-se em 24.809.900, ou seja menos 4,3% que o de 2013. Como se verá mais à frente, o plano de

Leia mais

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS

UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS UM CONTRIBUTO PARA A GESTÃO DE PRAIAS COSTEIRAS CARACTERIZAÇÃO DO CONCELHO DE CASCAIS Área do Concelho de Cascais 97,1km 2 Parque Natural de Sintra-Cascais ocupa 33 km 2 Nº de habitantes 205 117 O MAR

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL SITUAÇÃO DO SANEAMENTO BÁSICO DO BAIRRO KIDÉ, JUAZEIRO/BA: UM ESTUDO DE CASO NO ÂMBITO DO PET CONEXÕES DE SABERES SANEAMENTO AMBIENTAL Juliana Maria Medrado de Melo (1) Graduanda em Engenharia Agrícola

Leia mais

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1

Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas, 2013 1 Instituto Nacional de Estatística Estatísticas de Empresas Inquérito Anual às Empresas 2013 Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto

Leia mais

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt)

Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) Digestão anaeróbia Santino Di Berardino em Porto santo Unidade de BIOENERGIA, LNEG, Est. do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, Portugal. (e-mail: santino.diberardino@mail.ineti.pt) 1 1 Introdução O desenvolvimento

Leia mais

OBJETIVO prioridade da agenda política.

OBJETIVO prioridade da agenda política. SANEAR É VIVER OBJETIVO Propor ao governo e à sociedade ações que melhorem o desempenho do saneamento do país e elevem o tema ao status de prioridade da agenda política. A exemplo da ação que resultou

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV)

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Subprojecto 2.1 Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde Ilha de Santiago

Leia mais

= e-learning em Educação Ambiental =

= e-learning em Educação Ambiental = Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo = e-learning em Educação Ambiental = PRINCIPAIS RESULTADOS DO RELATÓRIO FINAL Dezembro de 2010 Título: Financiamento: Plataforma de e-learning

Leia mais

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional:

MODELO A. Ano de. 1- Identificação e caracterização do embalador regional e ou responsável pela colocação de produtos no mercado regional: MODELO A Modelo a preencher pelos embaladores regionais e/ou responsáveis pela colocação de produtos no mercado regional (nº 1 do Artigo 3º da Portaria nº 4/2002, de 31 de Janeiro) Dados estatísticos relativos

Leia mais

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública

Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve um sistema baseado na participação pública Vaz, P. (1) ; Coelho, P. (2) ; Mascarenhas, A. (1) ; Beja, I (1) ; Subtil, E. (2) ; Dores. A (1) ; Calixto.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais