CABO VERDE. Ecossistema Inovador Cabo Verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CABO VERDE. Ecossistema Inovador Cabo Verde"

Transcrição

1 CABO VERDE Ecossistema Inovador Cabo Verde

2 ÍNDICE Contexto 21 O Sistema Público de I+D 05 Estructura empresarial 36 Organizaçoes / Infraestructuras de suporte à Inovaçao

3 ÍNDICE O Governo 56 Bibliografia 52 O Sistema Educativo

4 CONTEXTO Contexto Contexto Geográfico A República de Cabo Verde é um arquipélago constituido por dez ilhas e alguns ilheus. Está situado no Oceano Atlantico, na Costa Ocidental da Africa, a uma distancia de aproximadamente 500 Km de Senegal, nas coordenadas N, 24 00W. Cabo Verde encontra-se estratégicamente situado no Oceano Atlantico onde cruzam as principais rotas de Navios que fazem o trajecto Norte / Sul. Conta com uma superficie de Km2 e os países mais próximos do Continente Africano seriam o Senegal, Gambia e Mauritania. O Arquipélago está divido em dois grupos, que seria Barlavento onde encontram-se incluidas as ilhas do Norte, como seria Santo Antao, Sao Vicente, Santa Luzia, Sao Nicolau, Sal e Boavista e por outro lado Sotavento constituido pela ilha de Santiago, Fogo e Brava. A Cidade capital do país é a Cidade da Praia que encontram-se situada na zona sul da ilha de Santiago. 01

5 CONTEXTO Location: Western Africa, group of islands in the North Atlantic Ocean, west of Senegal Geographic coordinates: N, W Map references: Africa Area: total: 4,033 sq km country comparison to the world: 176 land: 4,033 sq km water: 0 sq km Fonte: World Factbook - CIA O clima do país nao varia praticamente durante o ano, cálido, a uma temperatura média de 26 graus, com precipitaçao excassa e um terreno irregular. O ponto mais alto seria o do Volcao do Fogo com 2.839m de altitude onde houve a última errupçao volcanica em Os principais recursos naturais seriam o sal, basalto, calcário, peixe e argila. Climate: temperate; warm, dry summer; precipitation meager and erratic Terrain: steep, rugged, rocky, volcanic Elevation extremes: lowest point: Atlantic Ocean 0 m highest point: Mt. Fogo 2,829 m (a volcano on Fogo Island) Natural resources: salt, basalt rock, limestone, kaolin, fish, clay, gypsum Fonte: World Factbook - CIA Cabo Verde está presente em importantes Acordos Internacionais como é caso do Protocolo de Kyoto, Desertificaçao, Espécies em extinçao, Mudanças climáticas, Biodiversidade, Poluiçao de Navios, etc. 02

6 CONTEXTO Contexto Demográfico O número total da populaçao de Cabo Verde está por volta de meio milhao de habitantes, ou seja, no ano 2013 havia residentes em Cabo Verde e em 2014 prevese residentes. Cerca de 70% sao de raça mestiça (crioula), 28% de origens Africanos e 1% de origem Europeu. A língua oficial em Cabo Verde é o portugues. Também existe o dialecto local chamado crioulo que é uma mistura de portugues e palavras africanas. A religiao predominante no país é a Católica (77% da populaçao) seguida pelos Protestantes (3,7% da populaçao) e Muçulmana (1,8% da populaçao). Ethnic groups: Creole (mulatto) 71%, African 28%, European 1% Languages: Portuguese (official), Crioulo (a blend of Portuguese and West African words) Religions: Roman Catholic 77.3%, Protestant 3.7% (includes Church of the Nazarene 1.7%, Adventist 1.5%, Universal Kingdom of God.4%, and God and Love.1%), other Christian 4.3% (includes Christian Rationalism 1.9%, Jehovah s Witness 1%, Assembly of God.9%, and New Apostolic.5%), Muslim 1.8%, other 1.3%, none 10.8%, unspecified 0.7% (2010 est.) Fonte: World Factbook CIA 03

7 CONTEXTO A populaçao é essencialmente jovem e segundo os dados do INE, representa cerca de 68% do total da populaçao, com uma idade média de 24 anos ( 23 anos masculino e 25 anos femenino). A populaçao urbana representa 65% do total da populaçao cabo-verdiana e 35% seriam habitantes que vivem no meio rural. Na ilha de Santiago habitam cerca de 56% do total da populaçao, seguido de Santao Antao, Sao Vicente, Fogo e Sal com 16%, 8%, 7% e 6% respectivamente. Constata-se que a populaçao cabo-verdiana residente no exterior do país duplica o número da populaçao residente em Cabo Verde, devido aos grandes fluxos migratórios durante os anos 70 e 80. Os principais destinos dos emigrantes cabo-verdianos sao Estados Unidos de América, Europa (Portugal, Holanda, França), Angola, Senegal e Brasil. 04

8 CONTEXTO Contexto Cultural De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatistica de Cabo Verde INE CV, no ano 2013 cerca de 87% da populaçao com idade igual ou superior a 15 anos podem ler e escrever, 90% da populaçao urbana é alfabetizada e 82% da populaçao rural tem um nível cultural básico. Quanto à taxa de alfabetizaçao da populaçao segundo grupos etários e sexo, verifica-se que em Cabo Verde 87% da populaçao é alfabetizada, onde 98% da populaçao com idade de 15 a 24 anos podem ler e escrever, seguido de 97% para a populaçao com idade de 25 a 34 anos e 81% para a populaçao com idade compreendida entre 35 a 64 anos. Segundo os dados da INE CV, constata-se que a populaçao com idade igual ou superior a 4 anos cerca de 9% da populaçao nao tem nenhuma instruçao escolar, 3% da populaçao tem nível pré escolar, 2% sao alfabetizados, 43% tem o nível básico, 35% nível secundário, 2% nível médio e por último 7% da populaçao tem um nível de ensino superior. Fonte: INE CV 05

9 CONTEXTO Também como se pode verificar no quadro mais abaixo, na faixa etária de 15 a 34 anos de idade é onde se concentram os individuos com maior número de anos de estudo. Ambos sexos, tanto masculino como feminino, em média tem o mesmo número de anos de estudo. Fonte: INE CV 06

10 CONTEXTO Contexto Económico A Economia cabo-verdiana continua a enfrentar dificuldades devido à recessao económica que existe actualmente nos países que sao os principais parceiros comerciais para o país, designadamente os países da Europa e também devido a uma reduçao da demanda interna. O crescimento económico baixou de 4% em 2011 para 1,2% em As previsoes apontam para um crescimento em 2013 na ordem de 0,5%. A Economia do principal parceiro externo do país, a Área do Euro, continuou a ressentir-se devido às consequências da severa crise económica. Ainda que houve uma tendencia de recuperaçao, principalmente no segundo trimestre, o seu PIB registou uma contracçao real de 0,5% e a taxa de desemprego da regiao registou 12,1%, considerado um valor histórico. Devido ao factor externo persistentemente adverso, notou-se uma evoluçao menos favorável da economia cabo-verdiana. Mais concretamente, dad a sua elevada integraçao na Zona Euro, as crises da dívida soberana e bancária na regiao contagiaram a economia nacional via balança de pagamentos, em primeriro lugar, com a reduçao do Investimento Externo Estrangeiro (desde 2009), das exportaçoes de bens, da ajuda pública ao desenvolvimento e por último da reduçao das remessas dos emigrantes para apoio familiar e para investimento. Neste quadro, a Economia Cabo-verdiana registou um fraco crescimento, o Banco de Cabo Verde estima que o Produto Interno Bruto tenha crescido em termos reais em torno de 0,5%) e a taxa de desemprego permaneceu em níveis elevados a 16,4%, afectando principalmente a jovens à procura do primeiro emprego. 07

11 CONTEXTO Devido ao ciclo económico, o risco à estabilidade financeira também continuou a aumentar. O crédito mal-parado (créditos e juros vencidos) permaneceu elevado, condicionando as decisoes de financiamento da economia pelos bancos, nao obstante o moderado afrouxamento monetário. Ainda num contexto de reduzido crescimento económico, devido ao arrefecimento cíclico e a constragimentos estructurais de Cabo Verde, impoe a necessidade de estabilidade macroeconómica, consolidaçao das contas públicas e reorientaçao do papel do Estado na economia, tendo em vista a minimizaçao dos riscos macroeconómicos, sobretudo os do investimento privado no país. sistema financeiro, o aumento da produtividade e empregabilidade dos trabalhadores e o reforço significativo da governança e das instituiçoes públicas e privadas. Os desafios a que Cabo Verde enfrenta devido à graduaçao a país de rendimento medio, requer a criaçao de mecanismos adequado à captaçao da poupança privada para financiar e sustentar um crescimento económico mais acelerado e de acordo com as expectaivas e necessidades da populaçao. Também é importante a actuaçao dos agentes económicos, designadamente os poderes públicos e a classe empresarial, tendo como o objetivo o desenvolvimento sustentável do 08

12 Fonte: Banco de Cabo Verde 09

13 CONTEXTO Houve uma desaceleraçao do PIB de 4% em 2011 para 1,2% em O Banco de Cabo Verde estima um crescimento na ordem de 0,5% do PIB para o ano Embora o sector turistico obteve um bom desempenho, as remessas e os fluxos de capital privado continuaram a diminuir e também diminuiu o índice de confiança interno. O IPC teve uma forte caida, atingindo 0,6% em Março de No quadro Externo, o défice da conta corrente diminuiu, contribuindo assim para um saldo positivo de pagamentos e permitindo que as reservas internacionais aumentem aproximadamente a 4,5 meses de importaçao. O FMI prevê um crescimento para o PIB cabo-verdiano no ano 2014 na ordem dos 3%, tendo em conta a melhoria dos íncides macroeconómicos na zona Euro, um bom presságio para o Turismo e um aumento das remessas e do investimo directo estrangeiro. A nível interno estima-se que a confiança dos consumidores e investidores aumentem impulsado por uma política económica expansiva. A inflaçao deverá aumentar à medida que recupere a actividade económica, mas deverá situar-se abaixo dos 3%. O défice na conta corrente deverá aumentar em 2014 quando aumente a importaçao. Quanto ao orçamento de Estado, o défice orçamental diminuiu para aproximadamente 7% do PIB em 2013, cerca de dois pontos percentuais menos que ano anterior. No entanto as necessidades de financiamento totais aumentaram significativamente, registando 13% do PIB, fazendo com que a Dívida Pública alcance 98% do PIB em Dezembro de Os principais riscos à curto prazo para Cabo Verde estao relacionados com a frágil recuperaçao da economia da Área do Euro e a uma possível crise financeira que possa afectar essa zona. Cabo Verde deve implementar reformas estructurais necessárias para aumentar a competitividade e o potencial de crescimento do país. 10

14 Cabo Verde: Selected Economic Indicators, Fonte: FMI 11

15 CONTEXTO Contexto Laboral: Estatistica do Emprego e do mercado de trabalho Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatistica de Cabo Verde, para o ano 2013 o mercado de trabalho contabilizou em total pessoas que se encontram com idade de trabalhar, ou seja, a populaçao activa o que representa 60,10% do total do mercado. Os individuos de sexo masculino representam 67% da populaçao activa em Cabo Verde enquanto que os individuos de sexo femenino representam cerca de 53% do mercado. As pessoas consideradas populaçao inactiva representam 40% do total do mercado. Dentro do grupo da populaçao activa, os individuos que estao empregados representam 50,3% do mercado e os que se encontram em desemprego representam praticamente 10% do mercado. 12

16 CONTEXTO Distribuiçao da populaçao de 15 anos ou mais por situaçao na actividade económica segundo meio de residência e sexo Relativamente à taxa de actividade (%) nacional, distribuido por concelho, constata-se que no total do mercado cabo-verdiano existem 60,10% de pessoas consideradas activas. Quanto a Concelhos, verifica-se que a cidade da Praia, Sal e Boavista sao os que registam um maior índice de actividade, representando aproxidamante 65%, 80% e 83% respectivamente. Fonte: INE CV 13

17 CONTEXTO Fonte: INE CV 14

18 CONTEXTO Quanto ao perfil dos activos ocupados por meio de residência para o ano 2013, constata-se que para o total do mercado laboral cabo-verdiano em média os individuos que sao considerados activos têm uma idade média de 38 anos com uma média de estudos de 8 anos. Dentro deste grupo, os individuos de sexo masculino representam 54% do mercado enquanto que os do sexo femenino representam 46% do total do mercado. e a retalho, reparaçao de veículos representando cerca de 17% do mercado e a Administraçao Pública e Defesa, segurança social que representa 9,3% do mercado. Cabe destacar também que os sectores como a construçao e a indústria transformadora têm um importante peso no mercado laboral cabo-verdiano representando 7,9% e 7,6% respectivamente. De salientar que no meio urbano, os individuos de sexo masculino representam 53% do mercado e os do femenino 47% aproximadamente. No meio rural, os individuos activos de sexo masculino representam 56% do mercado laboral e os de sexo femenino representam 46% do mercado. Referente à distribuiçao por ramo de actividade, verifica-se que os sectores onde predominam o emprego seriam principalmente a Agricultura, produçao animal, caça, floresta representando 22,1% do mercado, seguido do Comércio a grosso Fonte: INE CV 15

19 CONTEXTO Fonte: INE CV 16

20 CONTEXTO Quanto ao sector de actividade em funçao do meio de residência, constata-se que no meio rural existe um grande número de individuos que trabalham no sector primário, um total de 58,2% do mercado, enquanto que o sector secundario e terciário tem uma maior importância no meio urbano, representando cerca de 20% e 74% respectivamente. menor taxa de desemprego sería a dos maiores de 65 anos. Fonte: INE CV Relativamente à taxa de desemprego em Cabo Verde, para o ano 2013 resgistou 16,4%, verifica-se que a faixa etária mais afectada é sem dúvida a dos individuos com idade entre os 15 a 24 anos, representando aproximadamente 35% do total dos desempregados. Também de destacar a alta percentagem de jovens com idade de 25 a 35 anos que também encontramse em situaçao de desemprego, registando praticamente 20% dos desempregados. A faixa etária onde registase 17

21 CONTEXTO Contexto I+D De acordo com os dados disponíveis desde o Ministério de Ensino Superior, Ciência e Tecnologia, a nível institucional, a Ciência e Teconologia estao sob a responsabilidade do Ministério da Educaçao e Valorizaçao dos Recursos Humandos que criou para o efeito a Direcçao de Ciência e Tecnologia enquadrada da Direcçao Geral do Ensino Superior e Ciência. De destacar que está prevista na lei a criação de uma Comissão Consultiva para a Ciência e Tecnologia, que funciona junto do Director-Geral do Ensino Superior e Ciência, e sob a sua presidência, configurada como órgão de análise, reflexão e concertação sobre as questões concernentes à definição e execução da política nacional do ensino superior e da política nacional de ciência e tecnologia, respectivamente. Desde o ano 2009 que foi aprovado o Estatuto do Pessoal Investigador, estipulando, no essencial o paralelismo com a carreira docente do ensino superior. Este diploma aplicase aos individuos que realizam, de forma sistemática, actividades de investigaçao científica, tecnológica e aplicadas em Instituiçoes categorizadas para o efeito. O papel do Estado nesta matéria é também exercida indirectamente por alguns Institutos, designadamente: O ISE (Instituto Superior de Educação), na cidade da Praia, e o ISECMAR (Instituto Superior de Engenharia e Ciências do Mar), no Mindelo, ambas instituições públicas de Ensino Superior; O INIDA (Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário) em São Jorge dos Órgãos - instituto público com vocação para a investigação; 18

22 CONTEXTO O INDP (Instituto Nacional de Desenvolvimento das Pescas), cuja vocação é a realização de estudos e a execução de acções nos diversos domínios das ciências ligadas à pesca a fim de propor recomendações destinadas a melhorar os resultados sócio-económicos proporcionados pelas diferentes actividades da pesca, tendo em conta os planos e programas do Governo para esse sector; O INE (Instituto Nacional de Estatísticas), o AHN (Arquivo Histórico Nacional) e o IBN (Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro) são instituições cujas actividades são de importância para a execução de investigação nas áreas sociais e história. O INMG (Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica) que tem como objectivo a prestação de serviços e investigação na área de meteorologia e geofísica; O INGRH (Instituto Nacional de Gestão de Recursos Hídricos) que se dedica à prospecção e gestão de recursos hídricos. O IIPC (Instituto de Investigação do Património Cultural) cujo domínio de intervenção é o património e a cultura. 19

23 CONTEXTO Contexto Institucional Desde a Independencia de Cabo Verde, proclamado a 05 de Julho de 1975, o país registou progressos significativos relativos à transformaçao da economia, na modernizaçao do país e da Sociedade e principalmente no principal activo de Cabo Verde que sao os recursos humanos. Em 1956, Amílcar Cabral criou o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), com o objetivo de lutar contra o colonialismo e iniciando o percurso para a Independência. A 19 de Dezembro de 1974 foi assinado um acordo entre e PAIGC e Portugal, instaurando-se um Governo de transiçao em Cabo Verde. O mesmo Governo preparou as eleiçoes para uma Assembleia Nacional Popular que em 5 de Julho de 1974 proclamou a independência. Em 1991, devido às primeiras eleiçoes pluripartidárias realizadas no país, foi instituída uma democracia parlamentar com todas as instituiçoes de uma democracia moderna. Cabo Verde é hoje considerado um exemplo na regiao da África Ocidental e é reconhecido internacionalmente pela estabilidade política, social, étnica e religiosa que oferece aos possíveis investidores estrangeiros. De destacar que o país fez a transiçao de país em vias de desenvolvimento a país de rendimento medio. Um dos principais desafios na agenda do Governo de Cabo Verde é a modernizaçao das Instituiçoes. Após a adesao à Organizaçao Mundial do Comercio e a parceria especial com a Uniao Europeia, Cabo Verde ten outros desafios e pretende alcançar níveis mais altos de desenvolvimento, um processo que passa essencialmente pela transformaçao da economia nacional. O desafio do Governo consiste em criar um ambiente de negocio mais favorável para os investidores e o objetivo é reforçar o tecido empresarial cabo-verdiano, fazendo com que sejam mais competitivos e promover a capacidade empreendedora dos cabo-verdianos, principalmente da camada jovem. 20

24 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Estructura Empresarial em Cabo Verde Segundo os dados publicados pelo Instituto Nacional de Estatistica de Cabo Verde, o número de empresas aumentou significativamente em relaçao a 2007, ou seja, a nível global Cabo Verde passou de ter empresas constituidas para em Na ilha da Boavista quase que duplicou o número de empresas em relaçao a No entanto, constata-se uma reduçao do número de empresas nas ilhas do Fogo e Brava em relaçao a

25 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE O número de empresas activas aumentou a uma taxa média anual de 4,0% de 2007 a O número de empresas activas aumentou 2,5% em relaçao a 2011, ou seja, mais 220 empresas no mercado abo-verdiano. Na ilha da Boavista e Santo Antao registou-se um aumento mais significativo, de 608 empresas a 804 e de 303 a 373 empresas respectivamente. 22

26 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Quanto à evoluçao do volume de negócios nas empresas cabo-verdianas, constata-se que diminuiu 3,1% em 2012 em relaçao a 2011, mais concretamente, cerca de -7,6 milhoes de contos. Na ilha da Boavista mais do que duplicou entre 2007 e Em 2012, observa-se uma diminuiçao no volume de negócios das empresas em quase todas as ilhas de Cabo Verde, excepto a ilha do Sal e Boavista que sao precisamente as ilhas mais desenvolvidas no sector turistico. 23

27 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Relativamente à evoluçao das empresas por forma jurídica, constata-se que as empresas constituidas por Sociedades Unipessoais diminuiram o seu peso no número total das empresas passando de 91% para 75% do universo das empresas activas em Cabo Verde de 1997 a As Sociedades aumentam significativamente a sua posiçao no tecido empresarial cabo-verdiano, passando de 6,2% no ano 2007 para cerca de 21% em

28 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE No que se refere à equidade de género na gestao das empresas cabo-verdianas, constatase que a nível global 35% das empresas cabo-verdianas sao lideradas por mulheres. Fonte: INE CV 25

29 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE As empresas constituidas em Sociedade, tendem a aumentar a sua participaçao no tecido empresarial cabo-verdiano. Apesar de representar cerca de 25% do total das empresas em Cabo Verde, representam 70% do emprego e 90% do volumen de negócios em

30 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Quanto às empresas que realizam Comercio Exterior, constatase uma diminuiçao nos principais indicadores desde 2002, ainda assim representam 33% do total de emprego em Cabo Verde e 57% do volume de negócio. Fonte: INE CV 27

31 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Relativamente às empresas com capital maioritário ou exclusivamente estrangeiro, observa-se que aumentou o seu peso na economia cabo-verdiana, passando de 2 empresas a 12 empresas desde 1997 a Representam 26% do total do emprego em 2012 e houve uma evoluçao positiva e crescente relativamente ao volume de negócio. Fonte: INE CV 28

32 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE A economia cabo-verdiana está representada principalmente por empresas do sector terciário e continua a ser de longe o sector mais importante para o país. O comercio, o transporte, o turismo e os serviços públicos sao os principais sectores do país e representa cerca de 80% do PIB. O turismo apresenta-se como a principal fonte de riqueza do país. Apesar do cenário negativo que afecta as economias estrangeiras, principalmente as da Europa, as entradas dos turistas desde finais de 2009 começou um processo de recuperaçao, que consequentemente afecta o sector de construçao. é propicio para o cultivo ( hectares) e a maioria está ocupada por plantaçoes de milho, cereais, frutas e verduras. A Pesca é um dos recursos naturais do país com forte potencial de cresimento. Apesar que ainda nao é correctamente gerido, as vendas dos pescados representam cerca de 10% da exportçao do país. De acordo com as últimas informaçoes do INE CV, o sector secundário tende a ganhar peso na economia cabo-verdiana, aumentando o número de empresas que se dedicam a este sector de 2002 a Apesar que diminuiu o seu peso no emprego, aumentou nos restantes indicadores. Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística, o sector terciário vem perdendo timidamente o seu peso na economia a favor dos outros sectores. No entanto, o sector secundário ainda nao tem um papel importante na Economia pelo que representa actualmente uma boa oportunidade de negócio. A Agricultura e Pecuaria representa sómente 8% do PIB. Calculase que no arquipélago sómente o 10% do terreno 29

33 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Fonte: INE CV 30

34 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Relativamente ao sector terciário, constata-se que houve uma pequena diminuiçao no número de empresas deste sector desde 2007 a 2012, no entanto representa cerca de 75% do emprego em Cabo Verde pelo que ainda representa o sector mais importante na economia caboverdiana. Fonte: INE CV 31

35 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Comércio Dentro do sector terciário, o Comércio continua a ser o sector mais importante da economia, no entanto vem perdendo o seu peso. Desde o ano 2002 até 2012, tem vindo a diminuir o número de empresas cabo-verdianas que se dedicam ao comércio, mais concretamente de 62 empresas em 2002 a 48 empresas em Quase metade das empresas cabo-verdianas trabalham no ramo do comércio e geram um 25% do emprego nas empresas. De destacar que o volume de negócio diminuiu de 2002 a

36 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Turismo Relativamente ao turismo, constata-se que tem vindo a ganhar peso no tecido empresarial cabo-verdiano, contribuindo a 9% do volume de negócio e 16% do emprego em Segundo os dados mais recentes publicados pelo INE CV, no segundo trimestre de 2014 o número de turistas que visitaram Cabo Verde aumentou em um 4,3% face ao trimestre homólgo e no mesmo periodo, as dormidas decresceram ligeiramente ( -0,1%). Fonte: INE CV 33

37 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Construçao No ramo da construçao e Imobiliária, constata-se que houve uma perda de peso no emprego de 2007 a 2012, no entanto aumentou o volume de negócio de 2007 a A construçao teve um papel importante no crescimento económico do país, devido ao boom turistico e na construçao de habitaçoes para os cabo-verdianos que vivem na diáspora. No entanto, a construçao de infraestructuras hoteleiras teve uma importante diminuiçao nos últimos anos devido à reduçao dos investimentos estrangeiros no sector, afectado principalmente pelo cenario de crise economico que existe actualmente nas economias europeias. 34

38 ESTRUCTURA EMPRESARIAL EM CABO VERDE Acesso às TIC No que se refere às empresas cabo-verdianas com acesso às TIC Tecnologia de Informaçao e Comunicaçao, constata-se que 18% das empresas em Cabo Verde têm acesso a internet, em A ilha do Sal apresenta melhor indicador com um 30% de empresas com acesso a Internet. As ilha do Sal, Boavista e Sao Vicente estao por encima da média nacional, com 30%, 23% e 21% respectivamente. 35

39 O SISTEMA PÚBLICO DE I+D O Sistema Público de I+D Estructura da Investigaçao e Desenvolvimento Como se referiu anteriormente, com a abertura da Universidade de Cabo Verde UNI CV, a gestao e a execuçao da Ciência e Tecnologia teve outra abordagem. De destacar que existem Instituiçoes públicas como o Núcleo Operacional para a Sociedade de Informaçao (NOSI) e o Instituto das Telecomunicaçoes (IT) que pela natureza das suas actividades é necessário a utilizaçao de tecnologias de ponta designadamente as Tecnologias de Informaçao e Comunicaçao. A competência do estado nesta matéria é também exercida indirectamente por alguns institutos tais como o ISE (Instituto Superior de Educação), na cidade da Praia, e o ISECMAR (Instituto Superior de Engenharia e Ciências do Mar), no Mindelo, ambos instituições públicas de Ensino Superior, o INAG (Instituto Nacional de Administração e Gestão), o INIDA (Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário), o INDP (Instituto Nacional de Desenvolvimento das Pescas), o INMG (Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica), INGRH (Instituto Nacional de Gestão de Recursos Hídricos), o IIPC (Instituto de Investigação do Património Cultural), o INE (Instituto Nacional de Estatísticas), o AHN (Arquivo Histórico Nacional) e o IBN (Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro). Referente à Universidade de Cabo Verde UNI CV, os Projectos de Investigaçao sao desenvolvidos em cinco ítens como sao os Projectos Internacionais, Projectos da Área das Ciências Naturais, da Vida e Ambiente - CNVA; Projectos da Área das Ciências Exactas, Tecnologias e Engenharias - CETE; Projectos da Área das Ciências Humanas, Sociais e Artes CHSA e Projectos da Área das Ciências Económicas, Jurídicas e Políticas CEJP. Estes programas e projectos de investigaçao estao inseridos em Unidades Orgânicas como Escolas, Departamentos, Centros e Cátedras e em Núcleos. 36

40 O SISTEMA PÚBLICO DE I+D Centros Cátedras Os Centros são espaços inter-unidades orgânicas vocacionados exclusivamente para investigação e extensão (Estatutos da Uni-CV, art. 32º), baseados em equipas mobilizadas em função de projectos. Na UNI-CV existem os seguintes Centros: Centro de Investigação em Género e Família CIGEF, criado por deliberação do Conselho de Estratégia e Governo nº 10, de Junho de 2008; Centro de Investigação em Desenvolvimento Local e Ordenamento do Território CIDLOT, aprovado pela deliberação do Conselho de Estratégia e Governo nº 11, de Junho de 2008; Centro de Investigação em Ciências Políticas e Sociais CICPS, aprovado por deliberação do Conselho da Universidade, de 3 de Outubro de As Cátedras foram criadas em 2012 / 2013 e actualmente sao os seguintes: Cátedra Amílcar Cabral, aprovada pela deliberação do Conselho da Universidade nº 8, de 18 de Outubro de 2012; Cátedra Baltasar Lopes da Silva, aprovada pela deliberação do Conselho da Universidade nº 6, de 18 de Abril de Por últimos os programas e projectos de investigao sao ainda desenvolvidos nos seguintes Núcleos: Núcleo de Memórias NU_ME, aprovado pela deliberação n.º 16 do Conselho da Universidade, de 19 de Dezembro de

41 O SISTEMA PÚBLICO DE I+D Núcleo de Investigação em Língua, Literatura e Cultura cabo-verdianas NILC_CV, aprovado pela deliberação n.º 17 do Conselho da Universidade, de 30 de Julho de Núcleo de Investigação em Matemática e Aplicações NUMAT; Núcleo de Investigação em Saúde e Ciências Biomédica NUBIOM; Núcleo de Investigação em Desenvolvimento Rural Sustentável NIDRS; De salientar o Programa de Iniciaçao Científica que é enquadrado por um protocolo de cooperaçao assinado em 2009 com a Coordenaçao do Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior CAPES, Brasil. Neste Programa, até o ano 2013, 127 estudantes de cursos de graduaçao, que apresentaram os seus projectos, foram acolhidos nas Universidades Brasileiras para participar em Congressos Científicos. Actualmente está em curso a construçao do Programa iciência, com o principal objetivo de incentivar, desde o início da sua formaçao universitária, o envolvimento dos estudantes da Uni-CV em actividades de I+D. Núcleo de Investigação em Tecnologias de Energia, Água e Manutenção NICTEAM; Núcleo de Ciências da Terra NICTERRA. 38

42 O SISTEMA PÚBLICO DE I+D Como é normal, tendo em conta um país com poucos recursos económicos e naturais, Cabo Verde tem sempre dificuldade em financiar o sector da Ciência & Tecnologia. Segundo o Orçamento do Estado para o presente ano, 2013, o Estado cabo-verdiano disponibilizou escudos para a Área da Educaçao onde está previsto para as despesas de funcionamento escudos e para o Investimento cerca de escudos. e a conjuntura económica intrenacional desfavorável, Cabo Verde foi recomendado pela FMI de reduzir gradualmente os gastos, pelo que cabe ao sector privado aproveitar estes investimentos e dinamizar a economia. Como se referiu anteriormente no contexto económico, a política do Governo de Cabo Verde nos últimos anos tem vindo a investir muito em sectores considerados estratégicos para o crescimento e desenvolvimento do país e o sector da Educaçao e mais concretamente Ciência & Tecnologia também beneficiou destes investimentos. No entanto, devido ao aumento do défice público, do cenário actual adverso 39

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO

ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, CRESCIMENTO E COMPETITIVIDADE Edificação / Reforço do Sector Privado ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação PROJECTO Conteúdo: 1. Enquadramento 2. Objectivos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE

O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE O IMPACTO DA DESCENTRALIZAÇÃO NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO LOCAL A EXPERIÊNCIA DE CABO VERDE 1. CARACTERIZAÇÃO DE CABO VERDE 1.1 Aspectos físicos f e demográficos Situado no Oceano Atlântico, a cerca

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos SUMARIO 1-Quem somos, onde estamos -localização geoestratégica, CV em números 2-Nossa economia

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Senhora Ministra das Finanças, Senhores Representantes Diplomáticos, Senhores

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde Por: António Pedro B. BORGES Coordenador da Comissão de Reforma do Sector da Água e Saneamento MAHOT - Praia, Cabo Verde

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

R E L ATÓRIO L O C AL I N T R O DUÇÃO

R E L ATÓRIO L O C AL I N T R O DUÇÃO R E L ATÓRIO L O C AL D e s p e s a T I C n a A d m i n i s t r a ç ã o P ú b l i c a, 2 0 1 1 : Q u a i s a s O p o r t u n i d a d e s n o A c t u a l A m b i e n t e d e C r i s e E c o n ó m i c a

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC BOLETIM SEMANAL MDC ESPECIAL 19 Fev. 2015 Nº 2 DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: O Projecto RCCVGM, que teve como propósito o apoio à reintegração económica

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 Índice INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO... 3 1. SECTOR DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS...

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!»

Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» Concurso de Ideias e Planos de Negócio «Start-Up Universitário!» REGULAMENTO Preâmbulo A capacitação da força laboral com formação avançada e a criação de um sector privado forte, adequando-os aos desafios

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Plano de Negócios Maria José Aguilar Madeira Silva Professora Auxiliar do DGE UBI 1 Objectivos Programa Conteúdo Lista de Questões

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002

2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 2º Fórum Lusófono de Mulheres em Postos de Tomada de Decisão Luanda, 17-18 de Julho 2002 Tema: A Situação Actual da Educação das Jovens e Mulheres Leontina Virgínia Sarmento dos Muchangos Direcção Nacional

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio DECRETO EXECUTIVO Nº / DE DE O Governo da República de Angola e a Assembleia Nacional aprovaram o quadro jurídico legal, que define um conjunto de iniciativas e acções de alcance

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov.

19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. 19ª Edição FIC Feira Internacional de Cabo Verde Ilha de S. Vicente Cidade do Mindelo Laginha 18-22 de Nov. Stop-over Ilha de Santiago Cidade da Praia 16-17 de Nov. Proj. Conjunto Internacionalização PT2020

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento.

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade. Enquadramento. Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes sobre a Qualidade 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação das Atitudes e Conhecimentos dos Residentes

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL

REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL REGULAMENTO PROJECTO EMPREGO JOVEM E COESÃO SOCIAL Página 1 de 7 CAPITULO I Enquadramento O Projecto Emprego Jovem e Coesão Social enquadra-se no Programa Regional para a Coesão Social e o Emprego Jovem,

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas

Observatório da Criação de Empresas. Observatório da Criação de Empresas Observatório da Criação de Empresas O Observatório da Criação de Empresas é um projecto desenvolvido pelo IAPMEI, com a colaboração da Rede Portuguesa de Centros de Formalidades das Empresas (CFE), que

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Reforma institucional do Secretariado da SADC

Reforma institucional do Secretariado da SADC Reforma institucional do Secretariado da SADC Ganhamos este prémio e queremos mostrar que podemos ainda mais construirmos sobre este sucesso para alcançarmos maiores benefícios para a região da SADC e

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Elaborado por: Pedro Moreno Brito Sob a orientação do Professor Doutor J. Manuel Nazareth

Elaborado por: Pedro Moreno Brito Sob a orientação do Professor Doutor J. Manuel Nazareth 1 Análise da Situação Demográfica de Cabo Verde 90-2000 Dissertação de Mestrado em Estatística e Gestão de Informação ISEGI/UNL Elaborado por: Pedro Moreno Brito Sob a orientação do Professor Doutor J.

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hóspedes 1º Tr. 2015 1 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Método e Gestão de Informação Serviço de Conjuntura Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas

Leia mais