Indicadores sociodemográficos e estruturais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores sociodemográficos e estruturais"

Transcrição

1 Cabo Verde Indicadores sociodemográficos e estruturais Valor Unidade Superficie Km2 Dens. Populacional 124 Hab/KM2 Reservas Externas ^9 $ Cabo Verde: previsões económicas (unidade: taxa de crescimento %) PIB PIB Nominal Deflator do PIB Inflação (IPC) Investimento (% PIB) Poupança Nacional Bruta (% PIB) Dívida Pública (% PIB) Saldo Orçamental (% PIB) Balança Corrente (10^9 $) Balança Corrente (% PIB) População (10^6) População anos (% total) PIB PPP (10^9 $) PIB per capita PPP $ PIB per capita $ Exportações (%) Bens (%) Importações (%) Bens (%) Agricultura (% PIB) Indústria (% PIB) Serviços (% PIB) Esperança Vida à nascença (anos) Fonte: FMI (World Economic Outlook - outubro de ); Banco Mundial (restantes dados históricos sem previsões). Departamento de Estudos abril de

2 Conjuntura Atividade: Cabo Verde é uma pequena economia aberta, muito condicionada pela conjuntura externa, o que se explica pela elevada dependência face às importações de energia e de alimentos e face aos fluxos de capitais oriundos do estrangeiro. Neste sentido, a economia foi particularmente penalizada nos últimos anos, inicialmente pela crise financeira global (que provocou, em, uma pontual queda de 1.3% da economia cabo-verdiana) e posteriormente (em menor grau) pela crise da dívida soberana da Europa e consequente double dip das economias dos principais parceiros do país (Portugal e Espanha representam mais de 50% das relações comerciais do arquipélago com o exterior). Ao longo de, os indicadores de conjuntura foram sugerindo um contínuo abrandamento da dinâmica económica, também influenciado pela deterioração da confiança dos agentes económicos e do balanço do sistema bancário, com o FMI a prever em outubro de um crescimento do PIB de 1.5% para, em abrandamento face aos 2.5% estimados para, depois de a economia já ter abrandado 1.5 p.p. no ano anterior. Para além do enquadramento económico internacional, apesar do bom comportamento evidenciado pelo setor do turismo, o abrandamento económico do país foi também provocado por uma contração da procura interna. O FMI prevê uma forte aceleração do crescimento económico para (+4.4%), beneficiando da retoma em Portugal e Espanha, acelerando posterioremente para 4.6% em e 5.0% em, ainda assim, mantendo-se bem distante dos crescimentos acima dos 9.0% observados em e. Inflação: A inflação média anual foi de 1.5% em, situando-se 1.0 p.p. abaixo da observada em e representando o segundo abrandamento consecutivo (+4.5% em ) e ficando em menos de metade da que era prevista em outubro pelo FMI (+3.3%). Um abrandamento que tem prosseguido já em, com o INE de Cabo Verde a reportar novas desacelerações da inflação média dos últimos dozes meses em janeiro e em fevereiro, para 1.1% e 0.9%, respetivamente. Departamento de Estudos abril de

3 Index of Economic Freedom - The Heritage Foundation Cape Verde s economic freedom score is 66.1, making its economy the 60th freest in the Index. Its overall score is 2.4 points better than last year, with substantial gains in labor freedom, business freedom, investment freedom, and the management of government spending. Cape Verde is ranked 3rd out of 46 countries in the Sub-Saharan Africa region, and its overall score is higher than the global and regional averages. Over the 20-year history of the Index, Cape Verde has advanced its economic freedom score by 16.4 points, a top 20 improvement. The overall increase has been broad-based in seven of the 10 economic freedoms including trade freedom, financial freedom, the management of government spending, and freedom from corruption, scores for which have improved approximately 25 points or more. Achieving its highest economic freedom score ever in the Index, Cape Verde has advanced well into the ranks of the moderately free. While moving toward higher levels of economic freedom, it has made considerable progress in income growth and poverty reduction. The government continues to support policies that promote free trade and open markets. Background Cape Verde is a stable, multi-party parliamentary democracy. Jose Maria Neves of the African Party for the Independence of Cape Verde became prime minister after the February legislative elections, and opposition leader Jorge Carlos Fonseca won the presidency later that year. Cape Verde has few natural resources and is subject to frequent droughts and serious water shortages. Services dominate the economy, and about 82 percent of food is imported. Cape Verde has close economic and political ties to the European Union, which has granted it special partnership status. Its currency is pegged to the euro, and it joined the World Trade Organization in. Remittances account for over 20 percent of GDP. Current economic reforms are aimed at lowering regulatory hurdles for business and driving down high unemployment. Rule of Law Private property is reasonably well protected. Political and economic governance is generally regarded as among the region s best. The government is creating a reliable and easily accessible land registration system that is expected to strengthen the investment climate. The constitutional provision for an independent judiciary is generally respected, but the judicial system is inefficient, and the case backlog causes significant delays. Limited Government The top individual income tax rate is 35 percent, and the top corporate tax rate is 25 percent. Other taxes include a value-added tax (VAT). The overall tax burden has risen to 20.2 percent of GDP, and government expenditures amount to 32.3 percent of gross domestic output. Public debt continues to climb and has reached over 100 percent of GDP. The government s most recent budget increased the VAT tax on the tourism sector. Regulatory Efficiency The regulatory framework has been modernized. The business start-up process is now more straightforward, with lower minimum capital requirements, but licensing requirements remain time-consuming and costly. Despite reform efforts, the rigidity of the labor market continues to impose a high cost on businesses. The market determines most prices, but the government subsidizes electricity and water as well as an unprofitable state-owned airline. Open Markets Cape Verde s average tariff rate is 10.2 percent. It is easy to import goods compared to other countries in the region. Several state-owned companies have been privatized with participation from foreign investors. The financial system is dominated by banking, and banking assets constitute over 90 percent of financial sector assets. The share of non-bank financial institutions is negligible except for the state-owned pension fund. Departamento de Estudos abril de

4 Indicadores de Risco Cabo Verde: Rating Heritage Foundation (unidade: score %) Overall Score Property Rights Freedom from Corruption Government spending Fiscal Freedom Business Freedom Labor Freedom Monetary Freedom Trade Freedom Investment Freedom Financial Freedom Fonte: The Heritage Foundation. Country's Score Over Time Country Comparisons Moody's S&P Fitch Cabo Verde - B B+ Chart Book 10 Cabo Verde - GDP Growth 5,500 Un: $ Cabo Verde Per Capita GDP 8 6 5,000 4,500 4, , Source:IMF (October ) GDP Growth (%) Cabo Verde Investment () 3,000 2,500 2,000 1, Source:IMF (October ) Per Capita GDP Cabo Verde Gross National Saving () Source:IMF (October ) Source:IMF (October ) Departamento de Estudos abril de

5 Cabo Verde Current Account () Source:IMF (October ) Source:IMF (October ) Source:IMF (October ) Cabo Verde Inflation Rate Inflation Rate Cabo Verde Public Debt () Un: 10^6 Source:IMF (Oct. ) Source:IMF (October ) Cabo Verde - Population Population Growth Rate (%) Cabo Verde Unemployment Rate Unemployment Rate Cabo Verde Budget Balance () Source:IMF (October ) Departamento de Estudos abril de

6 DEPARTAMENTO DE ESTUDOS Rui Bernardes Serra Chief Economist José Miguel Moreira Senior Economist Advertência Este documento foi elaborado pelo Departamento de Estudos da Caixa Económica Montepio Geral e é disponibilizado com intuito e para fins exclusivamente informativos. Todos os dados, análises e considerações nele contidas estão simplesmente baseadas no que estimamos ser as melhores informações disponíveis, recolhidas a partir de fontes oficiais e outras consideradas credíveis, não assumindo, todavia, qualquer responsabilidade por erros, omissões ou inexatidões das mesmas. As opiniões e previsões expressas refletem somente a perspetiva e os pontos de vista dos autores na data da sua elaboração, podendo ser livremente modificadas a todo o tempo e sem aviso prévio. Neste contexto, o presente documento não pode, em circunstância alguma, ser entendido como convite ao investimento, seja de que natureza for, nem como proposta ou oferta de negócio de qualquer tipo. Qualquer decisão de investimento deve ser devidamente ponderada, fundamentada na análise crítica, pelo investidor, de toda a informação publicamente disponível sobre os ativos a que respeita, suas características e adequação ao perfil de risco assumido, e devem ter em conta todos os documentos emitidos ao abrigo da regulamentação das entidades de supervisão, nomeadamente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Nem o Montepio, na qualidade de emitente do documento, nem nenhuma entidade sua dominante ou dominada ou qualquer outra integrante do Grupo Montepio em que se insere, pode, consequentemente, ser responsabilizada por eventuais perdas ou prejuízos decorrentes de decisões de investimento que, quem quer que seja, tenha tomado, mesmo que por levar em conta elementos constantes deste documento. Por outro lado, uma vez que este documento não contempla qualquer tipo de informação privilegiada ou reservada, nem constitui nenhum conselho ou convite ao investimento, as empresas do Grupo Montepio mantêm o direito de, nos limites da lei, transacionar ou não, ocasional ou regularmente, qualquer ativo direta ou indiretamente relacionado com o âmbito deste relatório. O relatório pode ser reproduzido, desde que seja citada a fonte. Departamento de Estudos abril de

GUINÉ. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // março 2015 GUINÉ

GUINÉ. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // março 2015 GUINÉ MONTEPIO l Departamento de Estudos // março GUINÉ GUINÉ Indicadores sociodemográficos e estruturais Superfície > 25 857Km2 Dens. Populacional> 5 Hab/Km2 Reservas Externas>.611^9 $ 1 MONTEPIO l Departamento

Leia mais

Unidade: taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Unidade: taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Superfície 11 56 Km 2 Densidade Populacional 193 Hab/Km 2 Reserv as Ex ternas 3,521 1^9 $ MONTEPIO Departamento de Estudos // junho QATAR Previsões económicas e indicadores sociais e demográficos Unidade:

Leia mais

SUÍÇA. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // outubro 2014 SUÍÇA. Superficie > 41 277 Km2

SUÍÇA. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // outubro 2014 SUÍÇA. Superficie > 41 277 Km2 MONTEPIO l Departamento de Estudos // outubro SUÍÇA SUÍÇA Indicadores sociodemográficos e estruturais Superficie > 41 277 Km2 Dens. Populacional> 194 Hab/Km2 Reservas Externas> 505 10^9 $ 1 MONTEPIO l

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

1. THE ANGOLAN ECONOMY

1. THE ANGOLAN ECONOMY BPC IN BRIEF ÍNDICE 1. THE ANGOLAN ECONOMY 2. EVOLUTION OF THE BANK SECTOR 3. SHAREHOLDERS 4. BPC MARKET RANKING 5. FINANCIAL INDICATORES 6. PROJECTS FINANCE 7. GERMAN CORRESPONDENTS 1. THE ANGOLAN ECONOMY

Leia mais

Unidade: taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Unidade: taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Superfície 196 722 Km 2 Densidade Populacional 74 Hab/Km 2 Reserv as Ex ternas 1,616 10^9 $ MONTEPIO Departamento de Estudos // agosto SENEGAL Previsões económicas e indicadores sociais e demográficos

Leia mais

Definição de competitividade

Definição de competitividade TRIBUTAÇÃO E COMPETITIVIDADE VII Jornadas do IPCA 25.11.2006 Claudia Dias Soares Universidade Católica Portuguesa Definição de competitividade EC 2004: a sustained rise in the standards of living of a

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões

1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões PORTUGAL COMO DTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO 2012 Sumário Executivo Índice 1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões Este estudo baseou-se em informação

Leia mais

Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça

Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Portugal Outsourcing 2008/2010 PORTUGAL COMO DESTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO

Leia mais

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD PRESENTATION APIMEC BRASÍLIA ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD 1 1 Brasília, February, 5th 2015 Ellen Regina Steter WORLD

Leia mais

Unidade: taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Unidade: taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Superfície 3 6Km 2 Densidade Populacional Hab/Km 2 Reserv as Ex ternas 2,9 ^9 $ MONTEPIO Departamento de Estudos // junho EMIRADOS Previsões económicas e indicadores sociais e demográficos Unidade: taxa

Leia mais

and Troika Troika dossiers Structural Reforms and Troika Reformas Troika Reformas Estruturais e Troika

and Troika Troika dossiers Structural Reforms and Troika Reformas Troika Reformas Estruturais e Troika dossiers Structural Reforms and /Reformas Structural Reforms and Reformas Structural Reforms and Reformas Last Update Última Actualização: 25/01/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

BlueBiz. Infraestruturas para a competitividade. Parque Empresarial da Península de Setúbal

BlueBiz. Infraestruturas para a competitividade. Parque Empresarial da Península de Setúbal BlueBiz Parque Empresarial da Península de Setúbal Infraestruturas para a competitividade Paulo Mateus Calado CFO aicep Global Parques pmcalado@globalparques.pt Portugal uma localização estratégica Setúbal:

Leia mais

ÁFRICA DO SUL. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // fevereiro 2015 ÁFRICA DO SUL

ÁFRICA DO SUL. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // fevereiro 2015 ÁFRICA DO SUL MONTEPIO l Departamento de Estudos // fevereiro ÁFRICA DO SUL ÁFRICA DO SUL Indicadores sociodemográficos e estruturais Superficie > 1 219 090Km2 Dens. Populacional> 43 Hab/Km2 Reservas Externas> 41.20210^9

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

Competitiveness in the Brazilian economy: challenges & opportunities

Competitiveness in the Brazilian economy: challenges & opportunities Competitiveness in the Brazilian economy: challenges & opportunities Erik Camarano MBC CEO Thursday, June 6th, 2013 Woodrow Wilson International Center for Scholars 6th Floor Auditorium SPONSORS SHORT-TERM

Leia mais

Portugal ID Portugal BI. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Last Update Última Actualização: 17-06-2014

Portugal ID Portugal BI. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Last Update Última Actualização: 17-06-2014 dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica Portugal ID Portugal BI Last Update Última Actualização: 17-06-2014 Copyright 2014 Portugal Economy Probe PE Probe Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa CADERNO FISCAL Setembro 2015 MOÇAMBIQUE SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS Imposto Base de incidência Taxa IRPS Os residentes sãos tributados relativamente ao seu rendimento

Leia mais

Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech

Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech Portugal entre dois fogos: desafios internos e obstáculos externos Rafael Doménech Lisboa, Dezembro 15-16, 2014 Mensagens principais Crescimento global vai acelerar em 2015 apesar da correção em baixa

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %)

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %) Brasil e Coréia: Qualquer similaridade é mera coincidência? a Faz algum tempo que argumentamos sobre as lições importantes que a Coréia oferece ao Brasil. O país possui grau de investimento há muitos anos,

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Enhancing opportunities

Enhancing opportunities www.pwc.com/pt Enhancing opportunities Tourism, Hospitality and Leisure in Portugal and Cape Verde 2 PwC Qualquer que seja o seu posicionamento e objectivos no sector do Turismo e Lazer, estamos habilitados

Leia mais

Síntese Estatística de Conjuntura Short-term Economic Indicators. - Nº 19/2015-8 de maio de 2015 May, 08, 2015

Síntese Estatística de Conjuntura Short-term Economic Indicators. - Nº 19/2015-8 de maio de 2015 May, 08, 2015 Shortterm Economic Indicators Nº 19/ May, 08, 1 Shortterm Economic Indicators Nº 19/ May, 08, Índice Temático / Thematic Index 1. Conjuntura Internacional / International Economic Situation Página / Page

Leia mais

Nossa equipe está preparada para orientá-lo sobre estratégias de. investimento independentes que auxiliem na construção do seu patrimônio

Nossa equipe está preparada para orientá-lo sobre estratégias de. investimento independentes que auxiliem na construção do seu patrimônio 1 Nossa equipe está preparada para orientá-lo sobre estratégias de investimento independentes que auxiliem na construção do seu patrimônio 2 Educação Financeira Imprensa... Press Releases 3 Labor Particition

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo PRESS RELEASE 8 de Dezembro de 2009 Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo FNABA representou Portugal, em Pequim (China), na First Global Conference da World Business

Leia mais

The Portuguese Economy in Angola

The Portuguese Economy in Angola Luanda via Lisbon Parcerias luso-alemãs para uma presença mais forte em Angola The Portuguese Economy in Angola João Luís Traça Member of the Executive Board WHO ARE WE? The Portugal-Angola Chamber of

Leia mais

Unidade : taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020

Unidade : taxa de crescimento % 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 Superfície 909 840 670 Km 2 Densidade Populacional 4 Hab/Km 2 Reserv as Ex ternas 62,756 10^9 $ MONTEPIO Departamento de Estudos // maio CANADÁ Previsões económicas e indicadores sociais e demográficos

Leia mais

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa

Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Demasiado tarde para ser perdoada? Uma análise sintética sobre o impacto de uma renegociação da dívida pública Miguel Coelho Universidade Lusíada de Lisboa Lusíada. Economia & Empresa. Lisboa, n.º 16/2013

Leia mais

As variáveis macroeconómicas importantes numa economia aberta incluem:

As variáveis macroeconómicas importantes numa economia aberta incluem: Aula Teórica nº 12 Sumário: Um modelo macroeconómico de economia aberta As variáveis macroeconómicas importantes numa economia aberta incluem: exportações líquidas investimento externo líquido taxas de

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais

Rating soberano do Brasil

Rating soberano do Brasil Rating soberano do Brasil Regina Nunes Presidente Standard & Poor s no Brasil Outubro 2014 Permission to reprint or distribute any content from this presentation requires the prior written approval of

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais

Relacionamento Investidores Anjos e Fundos de Investimento

Relacionamento Investidores Anjos e Fundos de Investimento Relacionamento Investidores Anjos e Fundos de Investimento Cate Ambrose Presidente e Diretora Executiva Latin American Private Equity & Venture Capital Association Congresso da Anjos do Brasil 2013 LAVCA

Leia mais

GUINÉ-BISSAU. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // janeiro 2015 GUINÉ-BISSAU

GUINÉ-BISSAU. Indicadores sociodemográficos e estruturais. MONTEPIO l Departamento de Estudos // janeiro 2015 GUINÉ-BISSAU GUINÉ-BISSAU Indicadores sociodemográficos e estruturais Superficie > 36 125 Km2 Dens. Populacional > 42 Hab/Km2 Reservas Externas > 0.303 10^9 $ 1 Guiné-Bissau/previsões económicas Unidade: taxa de crescimento

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas

Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020. Parecer do Conselho das Finanças Públicas Previsões macroeconómicas subjacentes ao Programa de Estabilidade 2016-2020 Parecer do Conselho das Finanças Públicas 20 de abril de 2016 O Conselho das Finanças Públicas é um órgão independente, criado

Leia mais

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL

REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL REAL ESTATE MARKET IN BRAZIL JOÃO CRESTANA President of Secovi SP and CBIC National Commission of Construction Industry SIZE OF BRAZIL Population distribution by gender, according to age group BRAZIL 2010

Leia mais

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos

SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos SAP fecha 2008 com Crescimento de Dois Dígitos A SAP aumenta a um ritmo de 14% as receitas de software e de serviços relacionados com software em 2008 e apresenta um crescimento nas receitas totais de

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Em 2007, a economia local atingiu

Em 2007, a economia local atingiu 2. A ECONOMIA DE MACAU 2.1 Conjuntura macroeconómica e sectorial 2.1.1 Evolução global Em 2007, a economia local atingiu novamente um crescimento de dois dígitos, atribuível aos sectores prósperos do jogo

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Síntese Estatística de Conjuntura Short-term Economic Indicators. - Nº 38/2015-18 de setembro de 2015 September, 18, 2015

Síntese Estatística de Conjuntura Short-term Economic Indicators. - Nº 38/2015-18 de setembro de 2015 September, 18, 2015 Shortterm Economic Indicators Nº 38/ 1 Shortterm Economic Indicators Nº 38/ Índice Temático / Thematic Index 1. Conjuntura Internacional / International Economic Situation Página / Page Previsões de crescimento

Leia mais

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1)

Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank. Depósitos com pré-aviso até 3 meses. equiparados até 2 anos (1) B.0.1 AGREGADOS MONETÁRIOS DA ÁREA DO EURO (a) EURO AREA MONETARY AGGREGATES (a) Saldos em fim de mês End-of-month figures Fonte / Source: Banco Central Europeu / European Central Bank M3 Circulação monetária

Leia mais

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro Pedro Silva Ferreira Diretor do Departamento de Contabilidade e Controlo do Banco de Portugal 7 outubro 0 Lisboa XIII Conferência sobre

Leia mais

Insurance Sector Sector Segurador. Insurance Sector Sector Segurador. dossiers. Banking and Insurance. Banca e Seguros

Insurance Sector Sector Segurador. Insurance Sector Sector Segurador. dossiers. Banking and Insurance. Banca e Seguros dossiers Banking and Insurance Banca e Last Update Última Actualização: 21/4/214 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 214 Portugal Economy Probe PE Probe

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais Financeiras por Sector Institucional Quarterly Financial National Accounts by Institutional Sector

Contas Nacionais Trimestrais Financeiras por Sector Institucional Quarterly Financial National Accounts by Institutional Sector Estatísticas Temáticas de Conjuntura 21 de abril de 2016 April, 21, 2016 Contas Nacionais Trimestrais Financeiras por Sector Institucional by Institutional Sector - 2006 a 2015 - - 2006 to 2015 - Dados

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

HOW DO YOU BECOME A LAWYER IN BRAZIL?

HOW DO YOU BECOME A LAWYER IN BRAZIL? HOW DO YOU BECOME A LAWYER IN BRAZIL? Doing Business in Brazil: Pathways to Success, Innovation and Access under the Legal Framework Keynote Speaker: Mr. José Ricardo de Bastos Martins Partner of Peixoto

Leia mais

The Portuguese- Speaking. World. O Mundo Lusófono. The Portuguese- speaking World / O Mundo Lusófono. Portuguese Speaking. World O Mundo Lusófono

The Portuguese- Speaking. World. O Mundo Lusófono. The Portuguese- speaking World / O Mundo Lusófono. Portuguese Speaking. World O Mundo Lusófono dossiers Portuguese Speaking O Mundo Lusófono The Portuguese- speaking / The Portuguese- Speaking Last Update Última Actualização: 20-08-2014 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado

Leia mais

PROGRAMA EQUITY FIRST PRODUCT SUMÁRIO. Citibank International plc

PROGRAMA EQUITY FIRST PRODUCT SUMÁRIO. Citibank International plc PROGRAMA EQUITY FIRST PRODUCT SUMÁRIO Citibank International plc Valores Mobiliários auto-call Escalator até 50.000.000 euros associados aos Índices EURO STOXX 50 SM, Nikkei 225 e S&P 500 com vencimento

Leia mais

Este documento faz parte de uma iniciativa entre o Expresso e a PwC que compara países semelhantes a Portugal em população ou PIB.

Este documento faz parte de uma iniciativa entre o Expresso e a PwC que compara países semelhantes a Portugal em população ou PIB. Países como nós Portugal vs Grécia Este documento faz parte de uma iniciativa entre o Expresso e a PwC que compara países semelhantes a Portugal em população ou PIB. Índice Dados gerais Estado e Finanças

Leia mais

Foreign Investments and Brazilian Tax Regime

Foreign Investments and Brazilian Tax Regime Foreign Investments and Brazilian Tax Regime André Ricardo Passos May/2010 1 Agenda 1 Brazilian Macroeconomics 2 Legal Regime 3 Taxation Regime 2 Agenda 1 Brazilian Macroeconomics 3 Direct Foreign Investment

Leia mais

Nele, retomaremos as técnicas e estratégias de resolução de questões de interpretação de texto descritas e estudadas anteriormente.

Nele, retomaremos as técnicas e estratégias de resolução de questões de interpretação de texto descritas e estudadas anteriormente. Introdução Almiro Lara* Neste capítulo trabalharemos a resolução de questões de interpretação de texto de uma recente prova para o cargo de Analista e Inspetor da Comissão de Valores Mobiliários, a CVM.

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM. Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 61/2013. TEXTO In Ten Years of Bolsa Família, Federal Expenses with Assistance Triple

WWW.ADINOEL.COM. Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 61/2013. TEXTO In Ten Years of Bolsa Família, Federal Expenses with Assistance Triple TEXTO In Ten Years of Bolsa Família, Federal Expenses with Assistance Triple In the ten years of the Bolsa Familia program, completed on Sunday, the biggest change in the federal government's budget was

Leia mais

Aspectos Macroeconómicos do Crescimento Inclusivo. Victor Lledó e Rodrigo Garcia-Verdu Fevereiro de 2011

Aspectos Macroeconómicos do Crescimento Inclusivo. Victor Lledó e Rodrigo Garcia-Verdu Fevereiro de 2011 Aspectos Macroeconómicos do Crescimento Inclusivo Victor Lledó e Rodrigo Garcia-Verdu Fevereiro de 2011 Plano geral da apresentação 1. Definição e fundamentação lógica do crescimento inclusivo 2. O crescimento

Leia mais

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association

Future Trends: Global Perspective. Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Future Trends: Global Perspective Christian Kjaer Chief Executive Officer European Wind Energy Association Brazil Wind Power 2010 Rio de Janeiro 1 September 2010 Members include the following leading players:

Leia mais

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica.

International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros. Economic Outlook. Económica. dossiers Economic Outlook Conjuntura International Trade: Statistics and Top 10 Partners Comércio Internacional: Estatísticas e Top 10 Parceiros Last Update Última Actualização 15-07-2015 Prepared by PE

Leia mais

Monitoring Brazilian FDI in Latin America

Monitoring Brazilian FDI in Latin America Monitoring Brazilian FDI in Latin America About us A Research Center which seeks to generate and disseminate knowledge about internationalization process of Brazilian firms. Products Scanning of Brazilian

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO LILIANA MORENO BRITO DA GRAÇA REFORMAS ECONÓMICAS EM CABO VERDE: PRIVATIZAÇÕES E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS.

UNIVERSIDADE DO PORTO LILIANA MORENO BRITO DA GRAÇA REFORMAS ECONÓMICAS EM CABO VERDE: PRIVATIZAÇÕES E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS. UNIVERSIDADE DO PORTO LILIANA MORENO BRITO DA GRAÇA REFORMAS ECONÓMICAS EM CABO VERDE: PRIVATIZAÇÕES E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIAIS. 2010 UNIVERSIDADE DO PORTO LILIANA MORENO BRITO DA GRAÇA REFORMAS ECONÓMICAS

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Caixa Capital FCR Caixa Empreender+ e os Business Angels

Caixa Capital FCR Caixa Empreender+ e os Business Angels Caixa Capital FCR Caixa Empreender+ e os Business Angels José Pedro Alenquer 18 Fevereiro 2014 0 Caixa Geral de Depósitos Benchmark Operator in the Portuguese Financial System PE & V C Investment Banking

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Departamento de Estudos // março 2015. Superfície 799 380 Km2. Densidade Populacional 32 Hab/Km2. Reservas Externas 2 811 10^9 $ MONTEPIO

MOÇAMBIQUE. Departamento de Estudos // março 2015. Superfície 799 380 Km2. Densidade Populacional 32 Hab/Km2. Reservas Externas 2 811 10^9 $ MONTEPIO INDICADORES SOCIAIS DEMOGRÁFICOS E ESTRUTURAIS Superfície 799 380 Km2 Densidade Populacional 32 Hab/Km2 Reservas Externas 2 811 10^9 $ MONTEPIO Departamento de Estudos // março 2015 MOÇAMBIQUE Moçambique/

Leia mais

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14

Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em 4T14 dez 1 ANÁLISE ECONÓMICA Portugal: Mantém-se o ritmo de recuperação débil, mas estável, em T1 Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento / Ana María Almeida Claudino Neste último trimestre

Leia mais

Ponto de Situação 31 de janeiro 2015" Ajustamento português " Retoma económica" Investimento: agora é o momento"

Ponto de Situação 31 de janeiro 2015 Ajustamento português  Retoma económica Investimento: agora é o momento Ponto de Situação 31 de janeiro 2015! 1 2 3 Ajustamento português Retoma económica Investimento: agora é o momento Ajustamento Português! A Missão da CE, BCE e FMI foi concluída de forma bemsucedida. Reformas

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Tecnologia e Inovação na era da Informação

Tecnologia e Inovação na era da Informação Tecnologia e Inovação na era da Informação Cezar Taurion Executivo de Novas Tecnologias Chief Evangelist ctaurion@br.ibm.com TUDO EM TEMPO REAL TECNOLOGIA PERVASIVA E COMPUTAÇÃO SOCIAL A SOCIEDADE HIPERCONECTADA

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Departamento de História Programa de Pós-Graduação em História Econômica A Política Econômica Externa do Governo Castelo Branco

Leia mais

Criação de Ecossistemas de Impacto Luis Fernando Laranja

Criação de Ecossistemas de Impacto Luis Fernando Laranja Criação de Ecossistemas de Impacto Luis Fernando Laranja Inovação: os dois Pilares * Inovação Tecnológica + * Inovação Social (Modelo de Negócio) A Kaeté Investimentos Objetivo de ser uma das principais

Leia mais

Portugal Hub Logístico Global

Portugal Hub Logístico Global Portugal Hub Logístico Global Intervenção de Ricardo Félix 10/11/2009 Logistema - Consultores em Logística Portugal Hub Logístico Global - Agenda Portugal Logístico O conceito e a oportunidade Plataformas

Leia mais

African Economic Outlook 2010

African Economic Outlook 2010 23 April 2009 2009 Medindo o Pulso de África African Economic Outlook 2010 Perspectivas Económicas em África 2010 Mobilização dos Recursos Públicos e Ajuda em África Mozambique 14 de Dezembro de 2010 UNECA

Leia mais

The Challenges of Global Food Supply Chains Os Desafios da Cadeia Global de Alimentos. David Acheson, MD Leavitt Partners LLC

The Challenges of Global Food Supply Chains Os Desafios da Cadeia Global de Alimentos. David Acheson, MD Leavitt Partners LLC The Challenges of Global Food Supply Chains Os Desafios da Cadeia Global de Alimentos David Acheson, MD Leavitt Partners LLC Outline Esboço Factors Driving Changes Fatores que impulsionam as mudanças Challenges

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Overview. Resumo. dossiers. Financial Markets. Mercados Financeiros. Mercados Financeiros. Capital Markets Overview / Mercados Financeiros Resumo

Overview. Resumo. dossiers. Financial Markets. Mercados Financeiros. Mercados Financeiros. Capital Markets Overview / Mercados Financeiros Resumo dossiers Capital Markets Overview / Mercados Resumo Financial Markets Mercados Financial Markets Overview Mercados Resumo Last Update Última Actualização: 12/213 Next Release Próxima Actualização: 5/214

Leia mais

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa

Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado. Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado Carlos da Silva Costa Economia portuguesa Garantir a estabilidade para alicerçar um crescimento sustentado I. As raízes

Leia mais

THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT

THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT THE BRAZILIAN PUBLIC MINISTRY AND THE DEFENSE OF THE AMAZONIAN ENVIRONMENT Raimundo Moraes III Congresso da IUCN Bangkok, November 17-25 2004 ENVIRONMENTAL PROTECTION IN BRAZIL The Constitution states

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES PROTECÇÃO IV 2011-2014 NOTES Advertências ao investidor: Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado por parte do Investidor Risco de

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6)

Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6) Estatísticas do Setor Externo Adoção da 6ª Edição do Manual de Balanço de Pagamentos e Posição Internacional de Investimentos (BPM6) Nota Metodológica nº 4 Dívida externa Junho de 2015 1. Introdução A

Leia mais

Panorama Global da Economia. Abril-Maio 2014

Panorama Global da Economia. Abril-Maio 2014 Panorama Global da Economia Abril-Maio 2014 As coisas estão a melhorar Spain Italy France Germany Euro Zone UK Japan USA Advanced Economies Emerging Economies World O crescimento global está a acelerar

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Prestação Hoteleira no Turismo de Saúde. Francisco Serra. (Apresentação Convidada) fserra@ualg.pt

Prestação Hoteleira no Turismo de Saúde. Francisco Serra. (Apresentação Convidada) fserra@ualg.pt (Apresentação Convidada) Francisco Serra fserra@ualg.pt Turismo O turismo compreende as viagens e alojamento de pessoas em locais fora da sua zona de residência, durante não mais do que um ano consecutivo,

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais