APRESENTAÇÃO SUCINTA DAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NOS SECTORES PRIMÁRIO, INDUSTRIAL OU DE TRANSFORMAÇÃO E SERVIÇOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO SUCINTA DAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NOS SECTORES PRIMÁRIO, INDUSTRIAL OU DE TRANSFORMAÇÃO E SERVIÇOS"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO SUCINTA DAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NOS SECTORES PRIMÁRIO, INDUSTRIAL OU DE TRANSFORMAÇÃO E SERVIÇOS

2 2

3 Índice Nota de Abertura pag. 5 ADEI - Missão, Visão e Objecto pag. 6 Matriz de intervenções específicas para pag Introdução pag Âmbito e objectivos do estudo pag Oportunidades de negócio pag Sector de Produção Primária pag Agricultura pag Pecuária pag Pesca pag Sector Industrial ou de Transformação pag Industria transformadora pag Industria de construção pag Sector de Serviços pag Serviços de apoio ao turismo e lazer pag Serviços de saúde e serviços relacionados pag Educação e serviços relacionados pag Transporte, armazenagem e comunicação pag Actividades financeiras e serviços relacionados pag Comércio e outros serviços pag Tecnologia de informação pag Prestação de outros serviços pag Conclusão pag. 28 3

4

5 Apresentação sucinta de oportunidades de negócios Ministro do Turismo, Indústria e Energia Dr. Humberto Santos de Brito NOTA DE ABERTURA O Governo de Cabo Verde tem planos ambiciosos para a dinamização da economia, tornando-a competitiva, sustentável, e com prosperidade partilhada por todos, como está registado no primeiro de quatro eixos em que se estriba o Orçamento do Estado para Nesses planos, consta a promoção do desenvolvimento do sector privado, do investimento e da alta produtividade como a principal forma de se conseguir o objectivo nacional de edificação de uma economia dinâmica, competitiva e inovadora portadora de prosperidade para todos. O sector privado é o motor do crescimento. É o sector privado que compete no mercado global. Apesar do governo ter papéis cruciais, é o sector privado que lidera a inovação, cria tecnologias e manufactura produtos. O desafio cometido à ADEI Agencia para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação é o do apoio à construção de um sector privado capaz de competir, encarando a dura realidade dos mercados hodiernos. Não há alternativas. No sector agrícola, há que promover a sua modernização e empresarialização. Para a ADEI, é uma prioridade e, felizmente, tem havido resultados encorajadores. No sector produtivo, continua a haver um grande deficit. O desafio é grande. Com esta brochura pretende-se dar a conhecer, de uma forma geral, as oportunidades de negócios nos sectores primário, industrial ou de transformação e serviços. A ADEI estará disponível a prestar esclarecimentos adicionais e ajuda específica aos empreendedores. Tratar-se-á de colocar em prática os ensinamentos obtidos. Juntos, envidando esforços para transformar o país numa economia moderna e competitiva. O MTIE Ministério do Turismo, Indústria e Energia, enquanto entidade governamental que tutela a ADEI, associa-se a esta iniciativa, essencial para se perseguir o grande objectivo de melhoria da qualidade de vida dos cabo-verdianos. 5

6 6

7 Matriz de Intervenções Específicas para De acordo com a Global Competitiveness Report 2010 da World Economic Forum, os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector privado em Cabo Verde continuam a ser as dificuldades de acesso ao crédito, a pequenez do mercado, a formação e qualificação profissional, a burocracia e a fiscalidade. Assim, foi política do governo a criação da ADEI Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação para trabalhar para a promoção desse sector, com a seguinte matriz de intervenções: Quadro 1.1: Objectivos específicos da ADEI: Infra-estruturas e funcionamento ao nível nacional Criar Gabinetes do Empreendedor ao nível nacional; Criar o Manual de Procedimentos e Qualidade, Promoção ao nível nacional da competitividade das empresas cabo-verdianas Competição Nacional de Planos de Negócios Parcerias com entidades nacionais e internacionais para a promoção de incubadoras e empresas; Feiras temáticas Apoio a iniciativas comunitárias Transferência de tecnologia Instrumentos de gestão e Plano estratégico; Mapear MPME s e Oportunidades de negócio Criar observatório do empreendedorismo (Estudo GEM) Abordagem sustentada e integrada para a produtividade e competitividade do sector empresarial privado Capacitação de MPMES e reforço da sua capacidade competitiva Programa de capacitação de longa duração (business coaching) Programa PME Express Programa Acesso ao Mercado /apoio à agro-indústria, a pecuária e o artesanato Implementação de novos métodos de cultivo e Entreposto Agrícola e Comercial Promoção de Incubadoras; Cluster TIC Promoção de competências para a competitividade e inovação Promoção da cultura empreendedora Promoção de cultura empreendedora nas Escolas Maratona do empreendedorismo Oficinas de Empreendedorismo Momento empreendedor Concurso de ideias Programa TV e rádio Mudar de Vida Formulação e implementação de políticas de melhoria do ambiente de negócios Promoção de Cultura Industrial Fórum de negócios Acesso ao financiamento Promoção da Sociedade de Garantia Mútua para facilitar acesso ao crédito por parte das MPME s; Melhoria na qualidade da informação financeira nas empresas; Planeamento de negócios. Lei de recuperação de empresas 7

8 1. Introdução Desde a independência nacional, Cabo Verde tem registado progressos significativos focalizados na transformação da economia, na modernização do país e da sociedade e na capacitação dos recursos humanos. Um elemento chave da agenda do Governo é a modernização da sociedade e das instituições. Depois de ter alcançado o estatuto de país de rendimento médio temos, a adesão à Organização Mundial do Comércio e a parceria especial com a União Europeia, Cabo Verde ambiciona atingir standards mais altos de desenvolvimento, um processo que tem na transformação da economia nacional a grande aposta da Nação cabo-verdiana. O desafio do Governo, consiste na criação de um ambiente mais favorável ao investimento e aos negócios e o objectivo é densificar o tecido empresarial nacional, reforçar a competitividade das empresas e desenvolver a capacidade empreendedora dos caboverdianos, particularmente dos jovens. Para isso, o Governo tem apostado na promoção das pequenas e médias empresas com vista a facilitar o seu acesso ao financiamento. O Novo Banco, constitui uma resposta às necessidades específicas das micro, pequenas e médias empresas cabo-verdianas, ao mesmo tempo que vão ser constituídos fundos de garantia e capitais de risco. A Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação, ADEI, é o instrumento central para a materialização da agenda de alargamento da rede de pequenas e médias empresas, trabalhando em parceria e estreita articulação com as associações empresariais. O alargamento do acesso a mercados e a promoção da internacionalização das empresas nacionais é outro investimento garantido graças ao estabelecimento de um sistema de qualidade e certificação de empresas e à aprovação de uma lei-quadro que cria facilidades e incentivos adequados para encorajar as exportações. Mudanças transformacionais anunciam-se, igualmente, no ambiente de negócios, através da criação não só de um quadro legal e institucional adequado como também da infraestrutura física para simplificar, agilizar e reduzir os custos associados à tramitação relativa ao investimento, à criação e ao funcionamento das empresas. Contudo, o país continua a ter como grande desafio a energia e a água, um requisito fundamental para elevar a capacidade nacional de produção de bens e serviços, estando em fase de implementação projectos estruturantes, entre os quais a construção de centrais únicas em várias ilhas e a interligação de Santiago, Fogo, Santo Antão, São Nicolau e Boa Vista. 8

9 Neste particular, as energias renováveis podem ser a solução estratégica para reduzir a dependência e utilizar formas de energia ambientalmente sustentáveis, sobretudo se o Centro Regional de Energias Renováveis da CEDEAO for instalado em Cabo Verde, permitindo, deste modo, a construção de núcleos industriais e de investigação para ocupar um espaço no mercado regional de energias renováveis. A infra-estruturação de todo o país é um dos maiores investimentos conseguidos por Cabo Verde, nos últimos anos. Estradas continuam a ser construídas e em construção em todos os cantos do país, assim como portos vão sendo objecto de modernização, tendo na mira unificar o mercado nacional e apoiar o crescimento do turismo. No domínio aeroportuário, a construção de três aeroportos internacionais e o up-grade de todos os aeroportos existentes são a ambição do Governo empenhado num sector de telecomunicações também mais competitivo e com uma qualidade de serviço cada vez melhor. No processo de modernização de Cabo Verde a empresarialização do sector agrícola promete ser outra conquista porquanto vai-se basear em novas competências e novos métodos de produção e de organização como vem sendo testado com a recuperação e valorização das bacias hidrográficas, a mobilização da água e a introdução de novas raças melhoradas, ao que se acresce a construção de novas barragens e um investimento significativo no sector das pescas e do desenvolvimento da aquacultura. A todo esse esforço se junta um investimento na melhoria da governação electrónica, estando prevista a construção de um Centro Tecnológico que alia as necessidades da governação aos interesses académicos e empresariais, o que permitirá o fortalecimento de um sector económico ligado às TIC. Até 2011, os dois grandes objectivos da política económica são a redução da taxa de desemprego com um crescimento acelerado e robusto da economia, num quadro de reforço e fomento do sector privado, sendo as principais metas do Governo a redução da taxa de desemprego para níveis inferiores a 10% e o aumento de taxas de crescimento do PIB para dois dígitos. Para a identificação de ideias que possam ser oportunidades de negócios, o Governo encomendou à Universidade de Cabo Verde o Estudo sobre As Novas Oportunidades de Negócios em Cabo Verde para inventariar as oportunidades de negócios existentes, bem como os sectores com maiores potencialidades e onde existem melhores oportunidades nas diversas ilhas e concelhos do país. 9

10 1.1 Âmbito e Objectivos do Estudo O crescimento e a competitividade da economia cabo-verdiana constitui o principal eixo da actuação do Governo, que se propôs, para esta legislatura, construir sobre a dinâmica de transformação em curso um patamar superior de desenvolvimento assente em novos paradigmas de crescimento e competitividade, a saber: um crescimento forte, gerador de riquezas e movido pelo sector privado; uma economia competitiva assente no desenvolvimento de vantagens competitivas, suportada pela inovação, pela produtividade e pela qualidade; e um crescimento gerador de emprego e conducente à redução da pobreza. Neste contexto, os dois objectivos maiores da política económica serão, até 2011, a redução da taxa de desemprego com um crescimento acelerado e robusto da economia, num quadro de reforço e fomento do sector privado, sendo as principais metas do Governo a redução da taxa de desemprego para níveis inferiores a 10% e o aumento de taxas de crescimento do PIB para dois dígitos. Paralelamente a essas medidas, o Governo apostou forte na consolidação dos sectores dinâmicos da economia onde a possibilidade de criação de vantagens competitivas se conjuga com a propensão para a criação do emprego e o fortalecimento de linkages intersectoriais que condicionam a promoção dos sectores dinâmicos. Nos últimos anos, o crescimento económico tem sido superior a 7% por ano e o desemprego tem diminuído gradualmente resultante da dinâmica empresarial e dos investimentos directos estrangeiros, que aliam o investimento privado externo ao nacional, consolidando, desta forma, os alicerces do desenvolvimento do arquipélago com base no dinamismo do sector privado. As políticas macroeconómicas têm sido orientadas para manter o equilíbrio das variáveis fundamentais (inflação, câmbio, orçamento, balança de pagamentos, etc.), favorecendo a criação de bases sólidas e um ambiente estável para o investimento e a consolidação da dinâmica da economia. Em três décadas, o país multiplicou o rendimento per capita por 10 e está, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI), bem 10

11 posicionado para alcançar as principais metas dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio em 2015, incluindo a redução da pobreza em 50% (comparativamente a 1990). O investimento privado nacional e estrangeiro tem constituído o principal motor do desenvolvimento numa economia que, durante décadas, foi dinamizada pelas transferências dos emigrantes e pela ajuda externa. Por outro lado, os investimentos externos directos no sector produtivo, essencialmente no turismo, passaram a desempenhar um papel primordial, a par dos investimentos nos sectores imobiliário e bancário. Apesar dos progressos registados, persistem constrangimentos de vária ordem: condições climáticas adversas, mercado pequeno e fragmentado, ausência de escala e de tradição industrial e infra-estruturas insuficientes, entre outros. O mercado interno aumentou sem sinais de um salto qualitativo significativo e as instituições (regras formais e informais) ainda não demonstraram coerência com a criação de um ambiente de negócios favoráveis ao desenvolvimento. O país possui um elevado grau de abertura económica, tornando-se susceptível aos efeitos adversos que ocorrem no mercado internacional. Sendo um dos factores de dinamização do crescimento económico, o Investimento Externo Directo (IDE), muito dependente da conjuntura internacional, coloca o país perante enormes desafios, agravados pela sua grande vulnerabilidade às evoluções e choques internacionais e pelos constrangimentos internos, nomeadamente o desemprego e a pobreza que atingem milhares de cabo-verdianos em todos os cantos do país. Por outro lado, ainda que Cabo Verde tenha vindo a registar índices relativamente confortáveis a nível do desenvolvimento humano, constitui uma constatação generalizada que esse desenvolvimento pode ser potenciado através do desenvolvimento da capacidade empreendedora da sociedade caboverdiana, o que passa, necessariamente, pela implementação de políticas de qualificação dos recursos humanos e de promoção activa dos empreendimentos. 11

12 Como se demonstrará ao longo do Estudo, Cabo Verde possui um potencial expressivo de oportunidades de negócios que, no entanto, só podem ser transformado em empreendimentos de sucesso se a aposta nessas políticas for maximizada nos próximos anos. Neste contexto, a análise das oportunidades, dos desafios e dos riscos encorajam a formulação de políticas baseadas numa visão do futuro e a agenda nacional de longo prazo requer o conhecimento aprofundado das novas oportunidades de negócios no país. O Estudo sobre as Novas Oportunidades de Negócios em Cabo Verde é, assim, concebido para inventariar e maximizar as possibilidades e potencialidades de promoção de empreendimentos e negócios, numa perspectiva que, ancorada nos avanços proporcionados pela ciência e tecnologia possam: Ter em conta a abrangência intersectorial das actividades económicas, sem prejuízo da especialização da economia em áreas determinadas; Maximizar os efeitos sinergéticos da abordagem sistémica do processo de transformação do país e das regiões; Garantir a viabilidade a prazo dos projectos e iniciativas económicas; Salvaguardar o equilíbrio ambiental; e Promover empregos sustentáveis. Objectivo Geral do Estudo: Oferecer subsídios ao Governo para um maior conhecimento sobre o ambiente de negócios no país e oferecer aos potenciais investidores, em geral, e aos empresários cabo-verdianos, em particular, um documento orientador capaz de permitir a identificação dos sectores onde os investimentos terão maiores chances de sucesso e sustentabilidade. Objectivos Específicos: Caracterizar o ambiente de negócios; Avaliar a situação das empresas existentes, por sector de actividade e por área geográfica; Identificar as potencialidades e as novas áreas de negócios; Identificar o perfil do empreendedor cabo-verdiano; e Formular hipóteses de novas áreas que constituem oportunidades de negócios e geradoras de emprego. 12

13 2. Oportunidades de Negócios Atendendo às opções metodológicas indicadas, foram identificadas oportunidades de negócio nos seguintes sectores: Produção primária; Industrial ou de transformação; Serviços. Porque os números são suficientemente elucidativos, limita-se a uma sucinta explicitação das oportunidades de negócios, optando por apresentar uma lista exaustiva dessas mesmas oportunidades, de forma hierarquizada, tomando-se como índice referencial (ION) uma análise ponderada dos seguintes factores: capital, tecnologia, mercado, recursos humanos, matéria-prima e escala da unidade empresarial. A localização geográfica das oportunidades de negócios tem carácter indicativo, o que se explica pelo facto de estarmos em presença de algo dinâmico e resulta de uma análise ex post com base em entrevistas a especialistas. O carácter indicativo da localização explicase, por um lado, pelo carácter dinâmico dos empreendimentos socioeconómicos sujeitos a variações resultantes de conjunturas diversas (de natureza política, económica, financeira, climática, etc.) e, por outro lado, por as opções feitas incidirem sobre os espaços considerados mais vocacionados, deixando-se, todavia, em aberto, a possibilidade de eleição de outras regiões ou localidades para a implantação de empresas ou negócios. 2.1 Sector de Produção Primária Cabo Verde é caracterizado pela forte dispersão territorial em virtude de ser constituído por um conjunto de ilhas isoladas e com características muito específicas, sendo que em Santiago, Fogo, Brava, Santo Antão e São Nicolau existem condições naturais propícias para a prática de actividades ligadas à agricultura. Todavia, estas actividades podem ser, também, potenciadas nas outras ilhas com recurso a técnicas modernas como a cultura em estufa, a captação de água através de nevoeiro, a rega gota-a-gota e a hidroponia. As principais oportunidades de negócios detectadas em Cabo Verde no sector de produção estão inseridas nas actividades de agricultura, pecuária e pesca, conforme mostra a Tabela 1. 13

14 2.1.1 Agricultura As oportunidades identificadas na agricultura estão ligadas à criação de empresas especializadas nas áreas da horticultura, cultura de tubérculos, raízes, legumes secos, floricultura, cultura de abelhas, viveiros e mudas florestais e ervas medicinais. A aposta nestes sectores deve extravasar as suas formas tradicionais de exploração para uma aposta convergente nas técnicas modernas de cultivo e de irrigação e, sobretudo, na especialização, organização colectiva de produtores em empresas especializadas ou em cooperativas de produção com o objectivo não só de organizar a actividade como também ter escala suficiente de forma a permitir menores custos de distribuição e redução do preço final dos produtos, garantindo, assim, a competitividade dos mesmos face aos produtos importados. Estas áreas de negócios foram apontadas por muitos dos inquiridos como as que podem substituir a importação de grande parte de produtos alimentares, nomeadamente frutos e produtos hortícolas e contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos agricultores e qualidade alimentar da população, de acordo com o enunciado no Plano Estratégico da Agricultura. Uma vez que Cabo Verde é um país com grandes constrangimentos a nível de solos cultiváveis e, sobretudo, de recursos hídricos, a aposta nas novas tecnologias no domínio da agricultura foi identificada como um forte potencial de investimento em Cabo Verde, designadamente técnicas como hidroponia, captação de água através de nevoeiro, rega gota-a-gota e cultura em estufa. Esta última foi referida como uma oportunidade a explorar no país, podendo ser um dos meios de combate à sazonalidade dos produtos hortícolas e ao forte inflacionamento dos preços dos produtos nas épocas baixas ou de menor produção. A agricultura biológica é também identificada, por alguns dos inquiridos, como sendo uma oportunidade a ser explorada, podendo, igualmente, contribuir para a mudança do estilo de vida da população e da sua segurança alimentar. 14

15 2.1.2.Pecuária Aliada à produção agrícola, a pecuária aparenta ser uma eminente oportunidade de negócio para o país, nomeadamente nas actividades ligadas à apicultura, avicultura, caprinocultura, ovinicultura, bovinicultora e suinicultura. No entanto, estas actividades só constituirão oportunidades de negócios rentáveis e geradoras de emprego, caso suplantem a forma tradicional de criação de gado e apostem em técnicas mais modernas e eficientes de criação de animais, com introdução de espécies melhoradas. Paralelamente, é necessário que haja uma certa organização empresarial com a necessária valorização da cadeia produtiva: produção, distribuição e comercialização dos produtos derivados da criação de gado. A questão da escala de produção é um outro aspecto fundamental para o sucesso de negócio. Deve-se preocupar com a escala mínima que permite, por um lado, reduzir o custo unitário dos produtos e, por outro, ser competitivo a ponto de superar a concorrência dos produtos importados Pesca A situação geográfica privilegiada do arquipélago torna o mar um grande tesouro natural. No mar podem surgir inúmeras oportunidades de negócio, mas os especialistas inquiridos acreditam que especial atenção deve ser dada à piscicultura, criação de peixe em viveiros e pesca comercial. Contudo, estas actividades devem ser encaradas do ponto de vista empresarial para serem rentáveis financeiramente, gerar emprego e contribuir para o desenvolvimento económico do país. As mesmas são, igualmente, apresentadas como forma de aproveitar o potencial das águas territoriais e da Zona Económica Exclusiva do país e têm um forte potencial para contribuir para a exportação, o que acaba por ajudar no equilíbrio da balança comercial do país. A criação de lojas de venda de materiais de pesca convencional e desportiva foi proposta como uma oportunidade de negócio pelos especialistas. Porém, uma percentagem significativa dos inquiridos apontou, também, a necessidade de criação de oficinas de confecção de materiais de pesca nas ilhas com vocação pesqueira e turística como, por exemplo, Maio, Santiago, Sal e Boa Vista. 15

16 Tabela 1 Áreas de negócio: sector primário por localização, zona estratégica e nível de exigência (ION) Área de negócio Localização Zonas estratégicas ION* Pesca comercial -industrial Nacional Nacional 50,9% Piscicultura Zonas Rurais Nacional 44,3% Pesca Comercial - artesanal Nacional Nacional 38,0% Bovinicultora Zonas Rurais Santiago, Fogo, Santo Antão 37,4% Suinicultura Zonas Rurais Nacional 35,9% Avicultura Zonas Rurais, Nacional 35,3% Floricultura Zonas Rurais Catarina, São Filipe 35,3% Horticultura Nacional Nacional 35,3% Apicultura (cultura de abelhas) Zonas Rurais Nacional 34,7% Legumes secos Zonas Rurais Nacional 34,0% Viveiros e mudas florestais e ervas medicinais Zonas Rurais Nacional 34,0% Caprinocultura Zonas Rurais Maio, São Nicolau, Boa Vista, Fogo, Porto Novo 32,7% Cultura de tubérculos e raízes Zonas Rurais Nacional 31,4% ION Índice de Oportunidades de Negócios *Quanto menor valor, maior será a facilidade/oportunidade de negócios Sector Industrial ou de Transformação Nos últimos anos, o sector industrial tem sido objecto de atenção por ser, normalmente, gerador de quantidades significativas de emprego e forte base de desenvolvimento económico de inúmeros países. Cabo Verde, por não possuir recursos naturais de grande valor e os poucos existentes não serem explorados de forma óptima, limita o desenvolvimento do sector industrial. 16

17 O Governo tem atribuído incentivos fiscais nos sucessivos orçamentos ao sector industrial, mas, devido ao facto de não haver um grande mercado, as empresas não fazem grandes investimentos porque não conseguem produzir em escala suficiente de forma a conseguir custos unitários dos produtos mais baixos para torná-los mais competitivos face aos produtos importados. O seu desenvolvimento é fortemente condicionado pelo sector de produção primário, pois acaba por ter como matérias-primas os produtos originados na actividade produtiva e não só, servindo, também, para a produção de insumos e equipamentos usados no sector de produção primário e no de serviços. Neste sentido é identificado como uma área importante pelos efeitos de encadeamento para frente (serviços tais como comércio) e para trás (produção primária de matérias-primas). As oportunidades de negócio foram desagregadas em duas áreas macro dentro do sector industrial: Indústria transformadora A produção de compotas, licores, doces, queijos, vinhos, processamento de carnes e peixes apresenta-se como uma grande oportunidade de negócio. Através da transformação de produtos agroalimentares pode-se fazer a conservação dos produtos nas épocas de maiores excedentes no mercado, diminuindo os desperdícios e a volatilidade dos preços no mercado, sem falar que este sector pode ser de forte contributo para o aumento da exportação do país e tem capacidade para estimular a produção primária da matéria-prima, podendo gerar empregos significativos em zonas rurais e pouco desenvolvidas. Por isso, esta é uma oportunidade prioritária a ser apoiada pelo Governo. As oportunidades de negócios identificadas para este subsector estão apresentadas na Tabela 2. 17

18 Tabela 2 Áreas de negócio: sector industrial por localização, zona estratégica e nível de exigência (ION) Área de negócio Localização Zonas estratégicas ION* Indústria de produção, instalação e manutenção de equipamentos de energias renováveis Indústria de dessalinização (com recurso à energia solar) Indústria de bebidas Nacional Santo Antão, Santiago, S. Nicolau, Fogo 44,6% Indústria de transformação de produtos agro-alimentares Nacional Fábrica de frutas desidratadas Nacional Nacional 42,0% Indústria de processamento de pescado Indústria de fabricação de vestuário e calçados Grandes centros urbanos Centros urbanos Indústria e comércio de brita Nacional Nacional 40,0% Indústria de fabricação de massas alimentares Centros urbanos Empresa de reciclagem (papel, pneus, plástico) Nacional Nacional 39,0% Indústria de transformação de leite e derivados de leite Zonas Rurais Santiago, Fogo, Santo Antão 38,9% Indústria de reciclagem Centros urbanos Indústria de produção de sabões e detergentes Nacional Nacional 38,7% Indústria de fabricação de embalagens Indústria de panificação e pastelaria Indústria de confecção de insumos e equipamentos destinados à agricultura, pecuária e pesca Fábrica de brinquedos pedagógicos Centros urbanos Centros urbanos Grandes centros urbanos Centros urbanos Indústria de cerâmica Santiago, Maio, Porto Novo Santiago, Maio, Porto Novo 36,7% Fabricação de tijolos Nacional Nacional 36,4% Fábrica de polpa de frutas Nacional Nacional 36,4% Oficina de molduras Centros urbanos Nacional 36,4% Indústria de fabricação de rações; Zonas Rurais Nacional 36,3% Indústria de produção de alimentos congelados e pré-cozidos Fábrica caseira de produtos de chocolate Indústria de fabricação de peças decorativas Fábrica de bijutarias Fábrica de brindes Fábrica de temperos secos Centros urbanos Nacional Nacional Centros urbanos Centros urbanos Nacional Fábrica de doces e geleias Nacional Centros urbanos 33,4% Fábrica de vassouras Nacional Nacional 32,4% 72,0% 71,9% 43,0% 41,1% 40,1% 40,0% 38,8% 38,4% 38,4% 38,3% 37,0% 36,2% 36,1% 35,3% 34,6% 34,6% 33,6% Fábrica de palito de dente e para gelados; Indústria de produção de peças de artesanato e peças culturais Fábrica de gelo Centros urbanos Centros urbanos Nacional 32,3% 31,3% 31,0% ION Índice de Oportunidades de Negócio *Quanto menor valor, maior será a facilidade/oportunidade de negócios 18

19 2.2.2 Indústria de construção Ao nível da indústria de construção, as oportunidades de negócios identificadas estão apresentadas na Tabela 3. Tabela 3 Áreas de negócio: sector de construção por localização, zona estratégica e nível de exigência (ION) Área de negócio Localização Zonas estratégicas ION* Empresas de gestão e fiscalização de obras Nacional Nacional 51,7% Empresas de manutenção de infra-estruturas públicas Nacional Nacional 50,8% Empresas de construção habitacional de baixo custo Nacional Nacional 50,2% Empresas de acabamento e decoração Nacional Nacional 50,0% Empresa de construção civil Nacional Nacional 49,7% Empresas de produção, aluguer de equipamentos e material de cofragem Nacional Nacional 49,7% Empresas de imobiliária Centros urbanos Nacional 49,6% ION Índice de Oportunidades de Negócios *Quanto menor valor, maior será a facilidade/oportunidade de negócios 19

20 2.3. Sector dos Serviços O sector dos serviços constitui uma grande oportunidade, graças aos fortes investimentos feitos, nos últimos anos, na educação, na inovação dos serviços financeiros, nas tecnologias de informação e comunicação, nos serviços de apoio ao turismo e lazer, bem como aos fortes incentivos do Governo para a criação de um ambiente favorável de negócios num sector que poderá fazer de Cabo Verde uma plataforma internacional de negócios, um país exportador de serviços e um destino turístico preferencial devido às condições climáticas particulares que oferece, à boa governação e à estabilidade política que o caracterizam. Relativamente às oportunidades emergentes no sector dos serviços, foram identificadas as seguintes áreas: Serviços de apoio ao turismo e lazer Ao nível dos Serviços de apoio ao turismo e lazer, as oportunidades de negócios identificadas estão apresentadas na Tabela 4. Tabela 4 Áreas de negócio: sector de serviços de apoio ao turismo por localização, zona estratégica e nível de exigência (ION) Área de negócio Localização Zonas estratégicas ION* Empresas de imobiliária turística Nacional Zonas turísticas 46,1% Empresas de turismo náutico Praia, Tarrafal, São Domingos, Maio, Mindelo, Sal, Boa Vista Praia, Tarrafal, São Domingos, Maio, Mindelo, Sal, Boa Vista Empresas de turismo desportivo Centros urbanos Praia, Maio, Mindelo, Sal, Boa Vista 43,7% Cervejaria Centros urbanos Praia, Mindelo, Sal, São Filipe 42,9% Parques de diversão para adultos e crianças Centros urbanos Praia, Mindelo, Sal, São Filipe 42,6% Empresas de eco-turismo Nacional Zonas turísticas 41,6% Empresas de turismo rural Nacional Santiago, Fogo, Santo Antão, S. Nicolau Empresas de pousadas de juventude Nacional Nacional 41,4% Empresas de apoio ao turismo com serviços diversos (agencias) 44,3% 41,4% Nacional Nacional 41,0% Empresas de fornecimento de refeições (catering) Centros urbanos Praia, Maio, Mindelo, Sal, Boa Vista 40,8% Empresas de organização e promoção de eventos Centros urbanos Praia, Maio, Mindelo, Sal, Boa Vista 40,6% Empresas de restauração: churrascaria, pastelaria, confeitarias; restaurantes Centros urbanos Nacional 40,0% Empresas de artesanato Nacional Santiago, Fogo, Santo Antão 35,3% ION Índice de Oportunidades de Negócios *Quanto menor valor, maior será a facilidade/oportunidade de negócios 20

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DO TRABALHO, FORMAÇÃO PROFISSIONAL E SOLIDARIEDADE SOCIAL PROGRAMA NACIONAL DE LUTA CONTRA A POBREZA (PNLP) PROGRAMA DE LUTA CONTRA A POBREZA NO MEIO RURAL(PLPR) C.P. 236, Praia, Tel.: 238/61-36-50,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão

PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA. Plano da sessão plano estratégico del desenvolvimento económico local PLANOESTRATÉGICO DO DESENVOLVIMENTOECONÓMICOLOCAL ECONÓMICO LOCAL DE S. JOÃO DA MADEIRA Equipa técnica: Assessor: João Pedro Guimarães Colaboradores:

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude O Governo a apostar nos Cabo-verdianos Incentivos Fiscais Principais Beneficiários: Empresas /Juventude Ganhos do Orçamento Geral do Estado 2010 Incentivos Fiscais A Política de Investimento para 2010

Leia mais

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt

Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Várzea de Mesiões - Apartado 177 2354-909 Torres Novas Tel.:249839500-249839509 e-mail:geral@nersant.pt - site:www.nersant.pt Projectos a Desenvolver pela Nersant 2007-2013 Prioridades Estratégicas Nersant

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente. Senhoras e Senhores Deputados. Senhoras e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores Membros do Governo O actual momento de crise internacional que o mundo atravessa e que, obviamente, afecta a nossa Região, coloca às

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Emprego e Formação Profissional

Emprego e Formação Profissional (%) Emprego e Formação Profissional Panorama: Maio 2010 Emprego: taxa de desemprego a 13,1% em 2010 O Instituto Nacional de Estatística, INE, apresentou os resultados da primeira fase do Inquérito ao Emprego

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima MINHO IN Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia

Leia mais

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020

Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 Plano Estratégico para a Fileira da Construção 2014-2020 1. A EVOLUÇÃO DOS MERCADOS 1.1 - A situação dos mercados registou mudanças profundas a nível interno e externo. 1.2 - As variáveis dos negócios

Leia mais

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao

Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao Desenvolvimento Através de projectos estruturantes, 1. construir as referências da modernidade dos países e das regiões, 2. criar redes sólidas de suporte ao desenvolvimento económico, 3. mobilizar os

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL República de Moçambique MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL Maputo, 06 de Outubro de 2006 1 PORQUE INSISTIR NO MEIO RURAL? Representa mais de 95% do território

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA SUMÁRIO 1. Generalidades- Factores/Alterações 2. Fundamentos para as Alterações 3. Opções de Política

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015

Visão e Estrategia Guiné-Bissau 2025 - Dominio das Infra-estruturas. Macau, 5 de Junho de 2015 REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Encontro Ministerial «Desafios para Cooperação entre China e os Paises de Lingua Portuguesa no dominio das Infra-estruturas: Alternativas de Financiamento» Visão e Estrategia

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022

No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Grupo do Banco Africano de Desenvolvimento No Centro da Transformação de África Estratégia para 2013-2022 Sumário Executivo A Estratégia do Banco Africano de Desenvolvimento para 2013-2022 reflecte as

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV Financiamento Regional e Portugal 2020 Alexandra Rodrigues Seminário CTCV 9 abril 2015 Foco Temático no conjunto dos FEEI Sustentabilidade e eficiência no Uso de Recurso 6.259 M 25% Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

DESAFIO PORTUGAL 2020

DESAFIO PORTUGAL 2020 DESAFIO PORTUGAL 2020 Estratégia Europa 2020: oportunidades para os sectores da economia portuguesa Olinda Sequeira 1. Estratégia Europa 2020 2. Portugal 2020 3. Oportunidades e desafios para a economia

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo. 5 de março de 2013

CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo. 5 de março de 2013 CRER NO CENTRO DE PORTUGAL: um ambicioso desafio coletivo 5 de março de 2013 A Região Centro no Contexto Nacional Portugal Região Centro % Municípios 308 100 32,5 Área (km 2 ) 92.212 28.199 30,6 População,

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia.

AGENDA. Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. PORTUGAL A INOVAR O Desafio do Desenvolvimento Regional AGENDA Da Globalização à formulação de uma estratégia de Crescimento e Emprego para a União Europeia. Objectivos Plano Tecnológico, a resposta portuguesa

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

Critérios de selecção

Critérios de selecção Emissor: GRATER Entrada em vigor: 01-06-2009 Associação de Desenvolvimento Regional Abordagem LEADER Critérios de selecção Os projectos serão pontuados através de fórmulas ponderadas e terão de atingir

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020

Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Desenvolvimento Local nos Territórios Rurais: desafios para 2014-2020 Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural: Experiências de Sucesso em Portugal e na Europa Castro Verde - 06 de Março 2013 Joaquim

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007.

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007. JURISTEP OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos Maio, 2007. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Com algum detalhe destaca-se e reforça-se algumas considerações, como segue:

Com algum detalhe destaca-se e reforça-se algumas considerações, como segue: A proposta das micro-missões é de grande interesse e dinamizadora da actividade comercial/internacionalização das empresas portuguesas que querem abordar melhor as diferentes regiões espanholas, com destaque

Leia mais

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em

CABO VERDE. Estratégia Para a Energia Sustentável em Estratégia Para a Energia Sustentável em CABO VERDE Plano de Ação para as Energias Renováveis Plano de Ação para a Eficiência Energética Agenda de Ação para Energia Sustentável para Todos Enquadramento

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº1/2014 MEDIDA I - INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do dia 10 de Março até ao dia

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Dotação financeira reforçada: 2.155 M

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO O Programa Nacional de Microcrédito, criado pela Resolução do Conselho de Ministros Nº 16/2010, pretende ser uma medida de estímulo à criação de emprego e ao empreendedorismo entre

Leia mais