Empresários e Emigrantes conhecem as Oportunidades de Investimento na ilha do Fogo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresários e Emigrantes conhecem as Oportunidades de Investimento na ilha do Fogo"

Transcrição

1 Empresários e Emigrantes conhecem as Oportunidades de Investimento na ilha do Fogo Observatório Fiscal Tributações Autónomas no IRPC a partir de 2015 Paginas 4 e 5 Ligação Marítima Cabo Verde Senegal operacionalizada em Julho - Pag 10 Delegação Pernambucana busca novas oportunidades de negócios em Cabo Verde - Pag 6 Conversa Aberta - O Novo Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares - Pag 5

2 É com grande satisfação que recebemos os nossos novos Associados da CCISS, que com sua a força particular, vêm reforçar a representatividade do patronato. Em nome do Presidente da CCISS e da Direcção queiram receber as boas vindas da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento. Boletim Informativo da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento EDITORIAL Estimado Associado, Em vários encontros informais com empresários e contabilistas, temos ouvido diversas manifestações de desagrado, inconformismo e desmotivação, perante os novos procedimentos tributários que a recente reforma fiscal trouxe, em sede de aprovação do novo Código de Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares e Colectivas. De igual modo registamos algumas críticas dirigidas às Câmaras de Comercio e à Ordem Profissional de Auditores e Contabilistas Certificados (OPACC), de não terem representado e defendido de forma adequada os interesses da Classe Empresarial, isso na sequência das afirmações tanto da Sra. Ministra das Finanças como do Sr. Primeiro-Ministro de que a classe empresarial foi ouvida no âmbito do processo desta reforma. Com efeito, a sociedade está a interpretar que a CCISS e a OPACC deram um aval positivo ou concordaram plenamente com os novos códigos. No concernente, da nossa parte, importa referir que: A CCISS foi chamada a pronunciar-se após o diploma ter dado entrada na Assembleia Nacional e após a marcação Pharmajaque Soc. Unip. Lda Sector: Farmácia Santiago: Achada Igreja - Picos Contactos: da Sessão Plenária para a sua discussão e aprovação (fomos ouvidos pelo Governo e pelos Grupos Parlamentares do PAICV e do MPD na Semana anterior à discussão na Assembleia). Isto é, não houve a devida e atempada socialização e fomos solicitados para pronunciar tardiamente; A CCISS não deu aval positivo ao documento. O que aconteceu foi uma negociação dos pontos mais agravantes (nomeadamente pagamentos por conta, taxas de tributação autónoma, bens de uso misto, pagamentos no ano transitório ). Em relação ao pagamento por conta, a primeira proposta da CCISS consistia em eliminar os artigos que falam de pagamento por conta, o que não foi aceite pelo Governo; A CCISS não considera que esta reforma seja assunto encerrado pelo que continua engajada a dialogar com os seus Associados e o Governo no sentido da eliminação dos ruídos criados nesta matéria e na defesa intransigente dos anseios da Classe Empresarial. É neste sentido, que depois da realização de uma Sessão de esclarecimentos sobre o IRPS, ainda no decorrer do Mês de Maio a CCISS tem agendado uma acção de Formação sobre o IRPC e sobre o Código de Benefícios Fiscais. Fusinvest Sector: Revista Executiva e Imobiliária Santiago: Praia Contactos: Maximiano Mendes Tavares Sector: Construção Santiago: Tarrafal Contactos: / Isone Information Syst Sector: Informática Santiago: Palmarejo Contactos: Silos Macangatu Sector: Importação e Exportação Santiago: Palmarejo Contactos: Advanced Solutions Sector: Tic s- Software de Gestão Primavera e Redes Santiago: Achada S. António Contactos: Mendes e Pereira, Lda Sector: Comercio Geral Santiago: Calabaceira Contactos: Serralharia Vidal CV,Lda Sector: Metalurgica Santiago: Achada Grande Trás Contactos: Anazé Turismo e recreação, Lda Sector: Turismo e Hotelaria Santiago: Prainha Contactos: Praia Express, Lda Sector: Correio Express e Prestação de Serviço Santiago: Achada Santo António Contactos: V & G, Importação e Exportação Sector: Comercio Geral/Importação Santiago: Palmarejo Contactos: / Primacis CV, Lda Sector: Tecnologias de Informação Santiago: Achada S. António Contactos: Ciber - Café Santo Amaro Sector: Cyber Café Santiago: Tarrafal Contactos: WL, Lda - Freedom Sector: Restauração Santiago: Chã de Areia Contactos: Scout Metal CV, Lda Sector: Construção Civil Santiago: Chã d Areia Contatos: New Look, Lda Sector: Publicidade e Eventos Santiago: Achada Grande Frente Contactos: MARCV - Escola Técnica de Formação em Saúde e Educação, Sociedade Unipessoal Sector: Formação Profissional Santiago: Palmarejo Contactos:

3 Seminário - Cabo Verde como Plataforma para a CEDEAO Promover a internacionalização e o estabelecimento de parcerias entre as empresas e empresários da CPLP, e tornar Cabo Verde numa plataforma empresarial lusófona para entrar no mercado da CEDEAO foram os principais assuntos do seminário organizado pela CCISS em parceria com a Associação Industrial Portuguesa - Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) no dia 24 na sua sede. O evento contou com as intervenções do Vice- Presidente da CCISS, Sr. Rui Amante da Rosa,do administrador executivo da ADEI, Sr. Francisco Fortes, do representante da AIP e do consultor Sr. Agnelo Sanches que apresentaram as fraquezas, pontos fortes e vantagens do tecido empresarial cabo-verdiano, comparativamente ao mercado CEDEAO e as oportunidades que os países dessa região africana representam para os países da CPLP De acordo com Rui Amante da Rosa esta é uma excelente oportunidade para dar a conhecer e saber qual o caminho para entrar no mercado económico da CE- DEAO, mas é necessário levar em conta as barreiras que são imprescindíveis serem ultrapassadas nomeadamente a barreira linguística, e a falta de conhecimento daquele mercado visto que diverge de país por país. Já o Sr. Francisco Mantero, presidente da ELO e em representação da Associação Industrial Portuguesa acrescentou, que a iniciativa da realização deste seminário deu-se sobretudo pela proximidade socioeconómica entre os dois países e pelo facto de pertencerem a um espaço comum, CEDEAO. Segundo Francisco Mantero, além da CEDEAO, Cabo Verde tem a vantagem de estar também associado ao AGOA, que isenta de taxas alfandegárias as exportações para os Estados Unidos, tem parcerias com a União Europeia (Especial e para a Mobilidade) e ainda a ligação ao Euro, via acordo cambial com o Tesouro português. O evento decorreu na sequencia da vinda da missão empresarial da AIP-CCI a Cabo verde com o intuito de conhecer a realidade empresarial do país e encontrar parcerias com empresas locais. Empresas nacionais e portuguesas procuram estabelecer parcerias Uma Delegação Empresarial, com uma dezena de empresas Portuguesas, esteve em Cabo Verde de 22 a 24 de Maio, para realizar encontros B2B, procurar parcerias e conhecer um pouco da realidade empresarial de Cabo Verde. No total foram realizados cerca de 3 dezenas de encontros entre empresas dos dois países e visitas programadas às instalações de algumas empresas nacionais que manifestaram interesse em reunirem com empresas portuguesas. Nesta missão participam empresas do sector energias, charcutaria e congelados, reparação e manutenção de sistemas electrónicos, aéreo, transportes, desenvolvimento de softwares, contabilidade, e saúde que já têm encontros marcados com empresas do mesmo ramo de actividade com empresas nacionais. As empresas Cabo-verdianas que conseguirem fechar parceria com um congénere Portuguesa serão convidadas a visitar Portugal, para conhecerem as instalações das empresas Portuguesas. IIª Gala do GPA marcada para Outubro A Gala da IIª edição do Green Project Awards Cabo Verde GPA CV, iniciativa que pretende reconhecer as boas práticas em projectos que promovem o desenvolvimento sustentável, em Cabo Verde, acontecerá no dia 17 de Outubro, na cidade da Praia. A presente edição terá cinco categorias e duas menções honrosas, nomeadamente Energias Renováveis e Eficiencia Energética, Iniciativa de Mobilização, Novas Tecnologias (Pesquisa e Cooperação, Recursos Naturais (Gestão e Conservação), Turismo Sustentável, Agricultura e Inovação e Empreendedorismo Jovem. As candidaturas estão abertas e decorrerão até o dia 5 de julho. Para mais informações queira contactar a Direcção Geral do Ambiente 3

4 Observatório Fiscal Tributações Autónomas no IRPC a partir de 2015 Com a aprovação do novo Código do Imposto sobre o rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC), foram criadas diversas taxas de tributação autónoma, apenas aplicáveis aos sujeitos passivos enquadrados no regime de contabilidade organizada. É importante ter presente que nas tributações autónomas não está em causa a tributação de um rendimento gerado no fim do período tributário pela pessoa colectiva, mas antes a tributação directa de determinadas despesas, consubstanciando cada despesa um facto tributário autónomo, a que o contribuinte fica sujeito, venha ou não a ter rendimento tributável no fim do período. O legislador terá visado tributar, por esta via, despesas que se encontram na zona de intersecção da esfera pessoa e da esfera empresarial, de modo a dissuadir as sociedades a apresenta-las com regularidade e de elevado montante, para evitar, designadamente, que os sujeitos passivos de IRPC utilizem tais despesas para proceder a distribuição camuflada de lucros e evitar remunerações em espécie mais atraentes por razões exclusivamente fiscais. Assim, o novo Código do IRPC estabelece no seu artigo 89.º as taxas de tributação autónoma que vão vigorar a partir de 1 de Janeiro de 2015 sobre encargos em que os sujeitos passivos incorram durante o ano, relativamente a: Despesas não documentadas, sem prejuízo da sua não consideração como gasto fiscal 40% A desconsideração das despesas não documentadas na determinação do lucro tributável estabelecida no artigo 29º e a posterior aplicação de uma taxa de tributação autónoma, leva a que os sujeitos passivos evitem apresentar este tipo de despesas, assumindo, assim, uma finalidade de prevenção, bem como compensar a ausência de tributação na esfera do respetivo beneficiário. Encargos relacionados com viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, motos e motociclos 10% A incidência da tributação autónoma sobre os encargos com as viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, não deixa de ser uma medida controversa. É inegável que muitas as empresas necessitem de ter automóveis no seu activo para o desenvolvimento da respectiva actividade (como por exemplo, empresas de distribuição, empresas comerciais com forte componente de vendedores que se deslocam em viaturas da empresa). Contudo, existe uma dificuldade clara na aferição de quem realmente tira proveito da utilização de tais viaturas, se a empresa ou o colaborador. Despesas de representação 10% A justificação desta tributação prende-se com o facto de as despesas de representação estarem numa zona menos clara, na medida em que se podem adequar a finalidades privadas ou empresariais. Facilmente se percebe que é muito difícil distinguir aquilo que é do âmbito negocial ou de lazer quando, por exemplo, uma empresa organiza um jantar, mesmo que sejam apontadas, à partida, razões de negócio. Ajudas de custo e compensação pela deslocação em viatura própria do trabalhador 10% Remunerações em espécie (sobre o valor real ou de mercado) 10% A sujeição tributação autónoma destes dois tipos de despesa visa retrair a empresa ao pagamento de importâncias que pode não ser sujeitas a tributação na esfera dos seus trabalhadores. Importâncias pagas ou devidas, a qualquer título, a pessoas singulares ou a entidades que beneficiem de regime de tributação privilegiada (conforme definido no Código Geral Tributário), salvo se o sujeito passivo puder provar que correspondem a operações efetivamente realizadas e não têm um carácter anormal ou um montante exagerado 60%. A tributação autónoma aplicável a este tipo de despesas poderá ser considerada como uma forma de compensar eventuais formas de elisão fiscal. No caso em que o sujeito passivo beneficie de regime de tributação privilegiada ou que apresente prejuízo fiscal no período de tributação a que respeitem os encargos, as taxas de tributação são elevadas em 10 pontos percentuais. Esta disposição terá em nosso entender os seguintes objetivos: (i) como parte do prejuízo apurado poderá ter sido fruto de gastos dedutíveis em que a empresa terá incorrido, de forma abusiva, com o intuito de pagar menos imposto, a tributação autónoma serviria como compensação da falta de receita; (ii) a tributação autónoma pode implicar uma penalização das sociedades que apresentem prejuízo fiscal no fim do período e, nessa medida, não deveria ter realizado despesas deste tipo; (iii) desencorajar a ocorrência de certas despesas que poderem contribuir para atingir prejuízo fiscal no final do período. Ainda que estes objetivos possam ter o seu mérito, o agravamento de 10 ponto percentuais é sem dúvida excessivo, uma vez que já são bastante elevadas as taxas aplicadas a cada uma das despesas previstas. Além de que a aplicação da tributação autónoma a cada despesa incorrida, tem, por si só, subjacente o objetivo de prevenir ou compensar eventuais fugas de imposto. São excluídos de tributação autónoma os encargos com viaturas ligeiras de passageiros, motos e motociclos: Quando tais veículos estejam afectos à exploração de serviço público de transporte, destinados a serem alugados no exercício da actividade normal do sujeito passivo Relativamente a sujeitos passivos que pelas características das suas operações, demonstrem necessidades adicionais de uso de viaturas ligeiras de passageiros ou mistas e disponham de uma frota superior a 50. 4

5 Observatório Fiscal Tributações Autónomas no IRPC a partir de 2015 No quadro seguinte sintetizam-se a natureza dos encargos sujeitos a tributação autónoma e as respetivas taxas, normal e agravada. Para demonstrar o efeito desta tributação adicional junta-se um pequeno exemplo demonstrativo: Nesta situação, o valor das tributações autónomas representa cerca de 12% do valor total de imposto a pagar, o que não deixa de ser significativo. Acresce ainda referir que no que respeita às despesas de representação o gasto não éº- aceite em 50%, pelo que a tributação efectiva destas despesas deve levar em consideração a não aceitação fiscal do gasto acrescido do valor da tributação autónoma. No caso em que o sujeito passivo registe prejuízo fiscal no período e por conseguinte não tem imposto sobre o rendimento, o valor das tributações autónomas sobre o mesmo valor de despesas vai subir para $00. Assim, bem se vê que o impacto económico das tributações autónomas nas empresas não é uma matéria desprezável no efeito da carga fiscal a partir de 2015, pelo que esta vai ser uma matéria de preocupação adicional para os empresários. Esta informação é de carácter informativa geral, não dispensando a consulta de serviços profissionais. A BTOC Consulting não se responsabiliza por qualquer dano ou prejuízo emergente de decisão tomada com base nesta informação BTOC Consulting Para esclarecimentos e informações adicionais consulte Conversa Aberta - O Novo Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares No Passado dia 15 de Abril, a CCISS em parceria com o Ministério das Finanças organizou nas suas instalações uma Sessão de Esclarecimentos dirigida aos seus associados em torno do novo Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, ministrada pela Sra. Maria Da Luz De Pina Gomes. O encontro foi bastante participativo e esclarecedor permitindo aos inúmeros Empresários, Contabilistas e Técnicos Oficiais de Conta presentes na Sala colocarem as suas questões e debaterem todos os aspectos considerados menos claros constantes do referido código, quais sejam, nomeadamente pagamentos por conta, taxas de tributação autónoma, bens de uso misto, pagamentos no ano transitório. Tendo em conta o enorme interesse demonstrado pela Classe Empresarial sobre a Reforma Fiscal em curso e os ruídos que ainda persistem, a CCISS agendou para o mês de Maio, a realização de uma acção de formação sobre o novo Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC) e uma sessão de esclarecimentos sobre o novo Código de Benefícios Fiscais. De lembrar que a CCISS já havia realizado a formação sobre novo Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS), de 9 a 13 de Março, ministrada pela formadora Celina Lizardo, na qual participaram mais de duas dezenas de formandos. Siga-nos em: blogdacciss.blogspot.com 5

6 Delegação Pernambucana busca novas oportunidades de negócios em Cabo Verde A CCISS recebeu a visita de uma delegação de empresários pernambucanos que se encontram de visita ao nosso País por ocasião da preparação do vôo inaugural Praia/Recife/Praia e no intuito de virem explorar oportunidades de negócio em Cabo Verde. A referida delegação foi encabeçada pelo Consul Honorário de Cabo Verde em Pernambuco, Sr. Ricardo Galdino e compreendia empresários do sector de serviços, comunicação e marteking, construção civil, educação, saúde, segurança e agenciamento, que procuram oportunidades de negócio no nosso país. A ilustre delegação foi recebida na CCISS pelo Vice-Presidente Gil Évora, pelo Secretário-Geral José Luis Neves e pela técnica da área de comunicação, Lisia Ramos. Os membros da CCISS forneceram as informações solicitadas sobre os associados da CCISS, o tecido empresarial caboverdiano, as áreas de potencial interesse para os investidores pernambucanos e o clima económico no País. Os empresários de Pernambuco manifestaram também a sua intenção de criarem as condições para que os empresários caboverdianos que visitem Recife e Pernambuco possam ter uma assistência á chegada e possam contar com todo o apoio que necessitem para a realização das suas actividades em território brasileiro. CCISS participa no coloquio sobre desenvolvimento das PME s para os países da CPLP, em Macau A CCISS esteve representada no Fórum de Macau, que decorreu entre os dias 30 de Março a 12 de Abril com o objectivo de debater sobre desenvolvimento das pequenas e médias empresas de Língua Portuguesa visando à intensificação da cooperação na área dos recursos humanos do interior da China, Macau e dos países de língua Portuguesa. Aquando da realização do Fórum houve o lançamento oficial da plataforma electrónica online que visa a recolha e distribuição de produtos alimentares dos países lusófonos aproximando os importadores do Interior da China aos fornecedores dos Países de Língua Portuguesa e potenciar negociações e trocas comerciais. O portal também apoiará as empresas expositoras de todas as regiões disponibilizando um canal diversificado de exposição e ajudando na exploração do mercado e na criação de oportunidades de negócios. Além da representatividade no fórum, a CCISS participou em várias sessões de bolsas de contactos com os empresários chineses que demonstraram interesse em fomentar parcerias em sec- tores de interesse comum nomeadamente, o turismo, indústrias criativas, convenção e exposição, construção, importação e exportação de bebida e productos alimentares e também novas energias. A CPLP esteve presente com representantes do governo e empresários do Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, e Timor-Leste. Desde a sua criação em 2003, o Fórum de Macau tem sido um mecanismo complementar à cooperação bilateral e de fomento à cooperação económica e comercial entre a China e os países de língua portuguesa, tendo Macau como plataforma, estando a ser explorado se desenvolvidos projectos nos sectores do comércio, investimento, agricultura, recursos humanos, turismo, indústria farmacêutica, saúde e cultura. 6

7 Encontro com Empresários e Emigrantes na ilha do Fogo A CCISS realizou, em parceria com a ADEI, Câmara Municipal de S.Filipe e a UNITEL T+, um encontro de auscultação, com emigrantes e empresários da ilha do Fogo, no âmbito das comemorações da Festa 1º de Maio, na Cidade de São Felipe. O Presidente da CCISS, Jorge Spencer Lima, fez a abertura do evento, dando as boas vindas aos operadores, emigrantes e convidados presentes, e apresentou de seguida o estudo Oportunidades de Negócio na Ilha do Fogo, destacando o papel da Ilha do Fogo no Turismo e a sua potencialidade nos mais diversos domínios de actividades económicas, nomeadamente, agro-negócio: agricultura, pecuária e indústria de transformação. No final da intervenção, Spencer Lima agradeceu a todas as Câmaras Municipais da Ilha do Fogo que apoiaram na feitura da Brochura Oportunidades de Negócios na Ilha do Fogo e ainda mencionou que a CCISS pretende realizar o mesmo estudo nas restantes ilhas de Sotavento (Santiago, Maio e Brava). O evento contou com a intervenção do Dr. Sílvio Martins Representante da ADEI que enfatizou o Portfólio de projectos e programas de apoio aos Empresários da Ilha do Fogo. A seguir, foi dado a palavra ao Representante da Unitel T+ Dr. Aláudio Ramos, que começou por agradecer a Câmara de Comércio pelo convite e por estar sempre disponível em ajudar as empresas/ associados a afirmar-se no mercado. Apresentou ainda os produtos da Unitel T+ e as actividades planeadas a se realizar na Ilha sobre o lema Djar Fogo na Peto. Os Empresários levantaram várias questões nomeadamente o deficiente serviço prestado pela Electra, a ilegalidade do comércio informal, entre outros, sendo a questão que suscitou maior polémica, a da prestação de serviços da Direcção Geral de Contribuição e Impostos em relação às dificuldades e necessidades especifícas que atravessam para operacionalizarem os seus serviços. Sendo assim, ficou o compromisso de se realizar, brevemente, um encontro Empresarial na Ilha do Fogo com a Sra. Ministra das Finanças. No final do evento, o Presidente da CMSF, Sr. Luís Pires realçou o percurso da Ilha do Fogo e destacou a necessidade de se continuar a apostar no desenvolvimento da referida Ilha. Após o encerramento do encontro, os empresários foram convidados a participar de um almoço convívio com a actuação da Banda Tito Paris. 7

8 Galiano Consulting Fundada a 7 de Março de 2013, a Galiano Consulting Cabo Verde é uma empresa certificada na norma ISO 9001:2008, direcionada para a Formação e para a Consultoria nas áreas da Gestão e Racionalização, Implementação e manutenção de sistemas de gestão da Qualidade, Ambiente, Segurança, Segurança Alimentar, Responsabilidade Social e Recursos Humanos, sendo líder de mercado no sector do Comércio Automóvel, bem como prestação de serviços de Segurança no Trabalho. A entrada no mercado nacional deu-se em 2012, com prestações de serviços ao NOSI e a Casa do Cidadão e desde então a porta tem sido mantido aberta com mais desafios pela frente Quem é a Galiano Consulting Cabo Verde e o que vos distingue da concorrência? A Galiano Consulting Cabo Verde é uma empresa de consultoria e formação na área da gestão de empresas. O que nos distingue da concorrência é a experiência acumulada dos nossos consultores, os quais são maioritariamente senior nas várias áreas da nossa oferta. Perante uma solicitação de um Cliente, salvo áreas muito específicas, não necessitamos de importar competências. Elas residem aqui em Cabo Verde. 2 - Quais são os produtos e serviços que têm ao dispor do mercado Cabo-verdiano? A nossa oferta abrange as áreas da Consultoria e Formação. Na Consultoria, temos 4 divisões: Sistemas de Gestão visando a certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade, Ambiente, Segurança, Responsabilidade Social, Segurança Alimentar e Segurança da Informação, bem como sistemas visando a Excelência da Gestão, nomeadamente os associados aos modelos de prémios de excelência (EFQM, CAF, EQUASS, ); Gestão de Recursos Humanos; Gestão de Empresas, com grande enfoque em reestruturações e melhorias de produtividade; Segurança e Saúde no Trabalho, [em Portugal somos inclusivamente autorizados pela Autoridade das Condições de Trabalho (equivalente ao IGT de Cabo Verde)] para prestar esses serviços; Na Formação, a nossa oferta é vasta, tendo como particularidade, que os nossos formadores são maioritariamente consultores, i.e., especialistas com conhecimento prático de implementação das metodologias mais atuais. 3 - Que razões levaram a escolherem Cabo Verde como um mercados a apostar? No início começou por ser um conjunto de desafios colocados pela Casa do Cidadão e pelo NOSI. À medida que fomos conhecendo o mercado, constatamos que Cabo Verde necessitava e, mais do que isso, procurava competências que vindo ao encontro da nossa experiência poderíam constituir uma mais valia para as empresas Caboverdianas e para o País, bem como contribuir para a melhoria das competências dos quadros, dos técnicos e dos colaboradores em geral das empresas caboverdianas. Foi com base neste pressuposto que resolvemos criar a Galiano Consulting Cabo Verde 4 - O mercado tem as suas especificidades e limites. Quais as maiores dificuldades encontradas durante a fase de abertura/implementação da Galiano Consulting Cabo Verde? Nós gostamos de pensar em Qualidade e não em Quantidade. Somo sonhadores? Talvez! Mas qual é o consultor que não sonha poder contribuir para a melhoria do tecido empresarial de um País? Alguns de nós trabalhamos em Associações em Portugal, nomeadamente a nossa Diretora Geral que foi Diretora Geral da Associação Portuguesa para a Qualidade durante 5 anos. Não só participámos em múltiplas reestruturações empresariais, como detemos um número invejável de empresas Clientes certificadas. As principais dificuldades sentidas na fase de abertura/implementação da Galiano Consulting Cabo Verde foram de ordem burocráticas e pelo desconhecimento da Empresa. 5 - Como tem sido a aderência da classe empresarial aos vossos serviços e qual a estratégia que estão a utilizar para conquistar este mercado? Responderei com um slogan publicitário de Fernando Pessoa, de 1929, acerca de uma bebida muito popular: Primeiro estranha-se, depois entranha-se. A razão fundamental tem a ver com o facto de ser uma empresa desconhecida neste mercado. Para além disso, sempre fomos muito low profile. 90% dos nossos Clientes, em Portugal, chegaram à Galiano Consulting por recomendação de outros Clientes. Isto significa que, se por um lado, temos Clientes que confiam, quase, cegamente em nós e o fazem há já quase vinte anos, o nosso crescimento é mais lento do que seria utilizando outras estratégias. Apostamos na qualidade dos nossos consultores e formadores e na sua capacidade de colocar os interesses dos nossos Clientes em primeiro lugar. Um exemplo? Bom, já não é a primeira nem será certamente a ultima vez, que nos recusamos a fazer um trabalho solicitado por um Cliente, por não ser tecnicamente a melhor solução para os problemas que apresentou. A primeira vez que o fize- 8

9 Galiano Consulting mos, a Administração desse Cliente ficou perplexa com a nossa postura e contratou a concorrência para realizar o referido serviço. Dois anos depois, veio contratar-nos para fazer aquilo que nos propusemos. 14 anos passados continua nossa Cliente. Aqui em Cabo Verde tem sido semelhante. Criamos a empresa em Cabo Verde não por falta de trabalho em Portugal. Não temos pressa. Queremos crescer sustentadamente, pelo reconhecimento da qualidade do nosso trabalho. 5 - Como pode uma empresa ter acesso aos produtos e serviços da Galiano Consulting CV? Estamos sediados no Palmarejo, em frente ao Liceu, no nº 46. Estamos no Facebook. A reestruturação do nosso site está quase finalizada. 6 - Como avalia o papel da CCISS, como representante da classe empresarial de Sotavento. A CCISS tem um papel fundamental de apoio à classe empresarial, não só promovendo o networking, como divulgando novas abordagens, tendências de gestão, que possam ajudar a classe empresarial no seu desenvolvimento. Por outro lado, a promoção através de todos os eventos que leva a cabo, feiras, exposições workshops, parcerias, revela um desejo de promoção da classe empresarial do barlavento que a Galiano Consulting considera, a todos os títulos, notável. Iª Edição da Feira de Saldos A CCISS em parceria com a FIC S.A. organizará na cidade da Praia de 22 a 24 de Maio, uma grande operação de saldos FEIRA DE SALDOS O certame tem como propósito fomentar o comércio entre as empresas/lojas e os consumidores. Seja para aumentar o seu volume de vendas, seja para resolver o problema de espaço no armazém, tantas vezes ocupados com mercadorias e artigos de venda improvável ou susceptíveis deteriorações. O momento é oportuno para prática de preços concorrenciais! A Feira de Saldos representa uma iniciativa para a venda, propiciando a oportunidade de escoar o stock de mercadorias a preços atractivos para o consumidor, portanto, nada tendo a ver com a vertente exposicional. Sejam coisas novas ou antigas, será um mercado onde é permitido vender de tudo um pouco: calçado e confecções, perfumaria e cosmética, brinquedos, equipamentos diversos, materiais de construção, informática, alimentação, produtos de higiene, bebidas, papelaria e livros, mobiliário, electrodomésticos, utensílios metálicos e em plástico, telecomunicações, entre outros. A IIIª Edição da Feira Internacional de Agronegócios - Feira de Actividades Económicas ligas aos Sectores Agrícola e Pecuário, terá lugar na cidade da Praia, entre os dias, 29, 30 e 31 de Maio, sob o lema Acrescentar valor, Transformar e internacionalizar. O cluster do agronegócio foi identificado como um dos sectores prioritários a ser desenvolvido, com vista a criar novas IIIª Feira Internacional de Agronegócios oportunidades sócio-economicas, através da promoção e desenvolvimento de produtos de qualidade, de alto valor acrescentado, visando a redução das importações, o que facilitará a conexão com o sector do turismo. No contexto do sector agrícola cabo-verdiano, a agregação de valor apresenta-se como uma estratégia importante para os produtores rurais aumentarem a rentabilidade da actividade e atingirem novos mercados. Tal estratégia pode ser implementada através da classificação dos produtos de acordo com normas de qualidade estabelecida, utilização de embalagens adequadas, industrialização da produção e desenvolvimento da marca do produto. É nesta perspectiva que a IIIª Edição desta Feira surge para chamar a atenção dos produtores agrícolas que por meio da agregação de valor, o pequeno agricultor tem condições de desenvolver produtos para serem consumidos em um nicho específico de mercado A feira contará com a participação de instituições governamentais, privados do sector do agro-pecuário e de empresas e instituições internacionais do sector. A Feira Internacional de Agronegócios será realizada pelo Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR) a FIC, S.A. 9

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

REGULAMENTO. Preâmbulo

REGULAMENTO. Preâmbulo REGULAMENTO Preâmbulo O espírito de iniciativa, a criatividade, a capacidade de detectar e aproveitar oportunidades, de assumir o risco e formar decisões, constituem premissas essenciais para o sucesso

Leia mais

Regulamento. Prémio Desafio OUSAR: Criar a minha Empresa

Regulamento. Prémio Desafio OUSAR: Criar a minha Empresa Regulamento Prémio Desafio OUSAR: Criar a minha Empresa 2011/2012 Artigo 1º Organização e objetivo A AIMinho Associação Empresarial (AIMinho) leva a efeito o Prémio Desafio OUSAR: Criar a minha Empresa

Leia mais

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro

Agricultura Presente, um Projecto com Futuro Direcção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo Agricultura Presente, Agricultura Presente, um Projecto com Futuro um Projecto com Futuro (LVT) 4.878 projetos aprovados Investimento

Leia mais

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EDITAL Nº5/2015 MEDIDA II - INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL EM FORMAÇÃO CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Para os efeitos convenientes torna-se público que se encontra aberto, a partir do

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal aposta no Sistema Educativo Formação e Criação de Novas Infra-Estruturas UMA OPORTUNIDADE PARA O SEU SECTOR CO-FINANCIADO 75% 1ª PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA DA FILEIRA DA EDUCAÇÃO AIP - Feiras, Congressos

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

PROGRAMA PRODER COOPERAR EM PORTUGUÊS MISSÃO A CABO VERDE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL. 14 a 19 de Novembro 2011

PROGRAMA PRODER COOPERAR EM PORTUGUÊS MISSÃO A CABO VERDE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL. 14 a 19 de Novembro 2011 PROGRAMA PRODER COOPERAR EM PORTUGUÊS MISSÃO A CABO VERDE ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONAL DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 14 a 19 de Novembro 2011 QUEM NÃO SAI DE SUA CASA, CRIA MIL OLHOS PARA NADA A TERRAS DE

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2014-2016) 4ª Conferência Ministerial Preâmbulo

Leia mais

Consultoria Estratégica

Consultoria Estratégica Quem somos e o que fazemos A Select Advisor é uma empresa de Consultoria Estratégica Ajudamos à criação de valor, desde a intenção de investimento e angariação de parcerias até ao apoio de candidaturas

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 3 - VALORIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA Ação 3.3 INVESTIMENTO NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS Enquadramento Regulamentar

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Feira Internacional do Maputo (FACIM) 2015. e do Dia do Exportador

Feira Internacional do Maputo (FACIM) 2015. e do Dia do Exportador REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Discurso de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente da República de Moçambique, por Ocasião da Abertura da 51ª. Edição da Feira Internacional do

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO. SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SÍNTESE DA 15 a SESSÃO PLENÁRIA DO OBSERVATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO Maputo, Abril de 2014 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. TEMAS APRESENTADOS...

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise

Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde. Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Comemorações do 35º Aniversário do Banco de Cabo Verde Conferência internacional sobre A mobilização de oportunidades no pós-crise Senhora Ministra das Finanças, Senhores Representantes Diplomáticos, Senhores

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude O Governo a apostar nos Cabo-verdianos Incentivos Fiscais Principais Beneficiários: Empresas /Juventude Ganhos do Orçamento Geral do Estado 2010 Incentivos Fiscais A Política de Investimento para 2010

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS VI CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - VI Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _

1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ 1.ª SESSÃO NOVA LEGISLAÇÃO TURÍSTICA (ANIMAÇÃO TURÍSTICA, RJET E ALOJAMENTO LOCAL) _ RESUMO _ Novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos (RJET) Inovadora, simplificadora e de maior facilidade

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Ser empreendedor em Portugal é ser:

Ser empreendedor em Portugal é ser: Ser empreendedor em Portugal é ser: Um pouco louco; Muito curioso; Muito persistente; Capaz de arriscar de forma sustentada; É ter noção das limitações do mercado nacional e das potencialidades do mercado

Leia mais

newsletter Nº 78 JULHO / 2013

newsletter Nº 78 JULHO / 2013 newsletter Nº 78 JULHO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 O conceito de Indispensabilidade do Gasto para a Realização do Rendimento 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt

Junta de Freguesia de Carnaxide www.jf-carnaxide.pt UNIVERSIDADE SÉNIOR DE CARNAXIDE - APRENDIZAGEM E LAZER ARTIGO 1º Aspectos Gerais REGULAMENTO 1- A Universidade Sénior de Carnaxide - Aprendizagem e Lazer, adiante designada por USCAL, tem por objectivo

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 RELATÓRIO FINAL MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 1. Introdução À semelhança de iniciativas anteriores, a Nersant organizou

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE

D SCUR CU S R O O DE D SUA U A EXCE DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE, DR. RUI MARIA DE ARAÚJO, POR OCASIÃO DA ATRIBUIÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP A

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI

01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 01 JULHO 2014 LISBOA GJ AIP-CCI 1 CENTRO DE MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM 2 PONTOS DA INTERVENÇÃO: SOBRE O CENTRO DE ARBITRAGEM PROPRIAMENTE DITO: GÉNESE LEGAL DESTE CENTRO ESTRUTURA ORGÂNICA ÂMBITO

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio Boa Vista, Outubro de 2009 INCENTIVOS AO INVESTIMENTO AGENCIA CABO VERDIANA DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS 1 AGÊNCIA

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS

PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS Projecto do PNUD financiado pela Cooperação Espanhola Ministério da Hotelaria e Turismo República de Angola Angola PROJECTO DESENVOLVENDO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS SEMINÁRIO PNUD / CNUCED "GESTÃO DE PROJECTOS

Leia mais

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

PARCERIA DE FUTURO 2015 年 第 二 届 中 国 葡 萄 牙 庆 典 未 来 的 合 作 关 系 COM FÓRUM EMPRESARIAL E CONFERÊNCIA DE NEGÓCIOS 含 商 务 论 坛 及 商 业 贸 易 会 议

PARCERIA DE FUTURO 2015 年 第 二 届 中 国 葡 萄 牙 庆 典 未 来 的 合 作 关 系 COM FÓRUM EMPRESARIAL E CONFERÊNCIA DE NEGÓCIOS 含 商 务 论 坛 及 商 业 贸 易 会 议 II GALA PARCERIA DE FUTURO 2015 年 第 二 届 中 国 葡 萄 牙 庆 典 未 来 的 合 作 关 系 COM FÓRUM EMPRESARIAL E CONFERÊNCIA DE NEGÓCIOS 含 商 务 论 坛 及 商 业 贸 易 会 议 PRAÇA DO COMÉRCIO LISBOA 2015 年 10 月 29 日, 里 斯 本 商 业 广 场, Pátio

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos)

CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO. Artigo 1º. (Natureza) Artigo 2º. (Objectivos) CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL REGULAMENTO Artigo 1º (Natureza) O Conselho Municipal de Desenvolvimento Económico e Social (CMDES) é um órgão de reflexão e consulta no domínio

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira

Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Auto-avaliação da Licenciatura em Gestão e Administração Hoteleira Relatório Resumo Junho de 2012 Índice 1. Objectivo... 3 2. Enquadramento... 3 3. Trabalho realizado... 3 4. Dados síntese da Licenciatura

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu. Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Guia de preenchimento do Formulário de Candidatura da Entidade Organizadora ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1. Descrição... Erro! Marcador não definido. 2. Entidade Gestora...

Leia mais

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas Internacionalização e Promoção Externa Leça da Palmeira, 26 de Junho de 2008 A/C Direcção Comercial/Exportação

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Agosto de 2006 Número 17 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Cerimónia de entrega de Certificados do Exame Nacional de Qualificação

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais