CABO VERDE 1. DADOS GERAIS 2. OS BENEFÍCIOS EM INVESTIR EM CABO VERDE UM OLHAR SOBRE O FUTURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CABO VERDE 1. DADOS GERAIS 2. OS BENEFÍCIOS EM INVESTIR EM CABO VERDE UM OLHAR SOBRE O FUTURO"

Transcrição

1 1 DADOS GERAIS População (2013) Área 4030 km 2 Densidade Populacional (2013) 123,8 hab/km 2 Taxa de alfabetização adultos (2012) 85,3% Capital Praia Moeda Escudo Figura 1 Fontes: Banco Mundial, Instituto Nacional de Estatística CV, CIA World Factbook PIB (2013) 1,879 mil milhões US$ PIB P/ SETOR (2013) Primário 9,3% PIB Secundário 18,8% PIB Terciário 71,9% PIB Economia Paralela (2007) 33,4% PIB PIB per capita (2013) 3767,1 US$ Taxa de inflação (2013) 1,5% Taxa de desemprego (2013) 7% (estimativa Organização Int do Trabalho) 2 OS BENEFÍCIOS EM INVESTIR EM CABO VERDE Cabo Verde dispõe de um Código dos Benefícios Fiscais que abrange múltiplos setores e que contempla as áreas consideradas como relevantes pelo Governo Cabo-verdiano Para além de dispor de uma alargada Zona Económica Exclusiva (ZEE), o arquipélago de Cabo Verde está localizado numa zona estratégica, bastante central, entre a Europa e as Américas, sendo uma das suas grandes vantagens os acessos privilegiados aos mercados da União Europeia, dos Estados Unidos e da África Ocidental O desenvolvimento do país tem sido possível devido à estabilidade política de que goza existindo oportunidades na indústria, têxteis e vestuário, eletrónica, medicamentos e produtos farmacêuticos, agro-negócio e pescas A Cabo Verde Investimentos (CI) deverá ser o primeiro ponto de contacto de qualquer empresa ou particular interessado em investir em Cabo Verde Esta é a organização responsável pela promoção e facilitação do investimento em Cabo Verde A CI foi criada em 2005, operando sob a égide do Primeiro-ministro, com o objetivo de dar um novo ímpeto ao Investimento Direto Estrangeiro Assim, foi criado o Balcão Único de Investimento, que será crucial para a promoção, fixação e acompanhamento do investimento no país Esta plataforma reúne num mesmo espaço físico todos os serviços necessários à aprovação de projetos, antes dispersos por várias instituições, assentado na celeridade e desburocratização do processo de investimento, garantindo que o mesmo seja concluído num período máximo de 75 dias Existem duas formas de se manifestar ou mesmo submeter o projecto de investimento para aprovação: presencial ou à distância, tendo este último como suporte, o site institucional da CI 1

2 21 Turismo O setor do turismo que tem sido, nas últimas duas décadas, a base da economia do país, sendo o setor que mais contribuiu para o seu crescimento económico Este continua a ser um dos setores em que existem mais oportunidades de investimento, nomeadamente nas áreas específicas do turismo da saúde, do turismo de desporto e do ecoturismo As entidades que operem no setor do turismo em Cabo Verde beneficiam de isenção de direitos aduaneiros na importação de diversos materiais e equipamentos, desde que destinados à instalação, expansão ou remodelação e empreendimentos com estatuto de utilidade turística e não destinados à venda, bem como de veículos de transporte destinados ao transporte exclusivo de turistas e bagagens, barcos de recreio, pranchas e acessórios, instrumentos e equipamentos destinados à animação desportiva e cultural Estão também isentas do Imposto de Selo as operações de contratação de financiamentos destinados a investimentos levados a cabo nos termos da Lei do Investimento Os investimentos que impliquem a aquisição de imóveis exclusivamente destinados à instalação dos projetos de investimento podem beneficiar ainda de isenção de Imposto Único sobre o Património (IUP), estando a atribuição deste benefício condicionada à respetiva aceitação pelo órgão municipal competente Há ainda uma série de outros benefícios para empresas que operem nesta área, desde benefícios à criação de emprego até ao mecenato, formação, estágios e bolsas e em investimentos de montantes avultados 22 Imobiliária Turística A Imobiliária Turística tem merecido uma atenção redobrada da parte do governo de Cabo Verde O Código dos Benefícios Fiscais (CBF) consagra um regime específico para enquadrar a construção e exploração de alguns empreendimentos turísticos/resorts Os investimentos em causa deverão ser realizados no âmbito da Lei do Investimento, e nessa medida, beneficiarão de um conjunto de benefícios fiscais previstos no âmbito do CBF relativamente ao Imposto Único sobre o Rendimento (IUR), Imposto Único sobre o Património (IUP), Imposto de Selo e direitos aduaneiros Estão isentas do Imposto de Selo as operações de contratação de financiamentos destinados a investimentos levados a cabo nos termos da Lei do Investimento Os investimentos que impliquem a aquisição de imóveis exclusivamente destinados à instalação dos projetos de investimento podem beneficiar ainda de isenção de Imposto Único sobre o Património (IUP), estando a atribuição deste benefício condicionada à respetiva aceitação pelo órgão municipal competente As entidades do sector da imobiliária turística beneficiam ainda de isenção de direitos aduaneiros na importação de um conjunto de materiais ligados a este setor que sejam direcionados para a instalação, expansão ou remodelação dos empreendimentos turísticos não destinados à venda Os veículos de transporte para turistas e bagagens, barcos de recreio, pranchas e acessórios, bem como instrumentos e equipamentos destinados à animação desportiva e cultural também estão abrangidos pelas isenções Os benefícios fiscais concedidos aos projetos de investimento no sector da imobiliária turística estão condicionados à obtenção de licença de exploração turística pelos serviços responsáveis pela área do turismo, a qual deverá ser renovada anualmente Além dos benefícios à luz da Lei do Investimento é possível, de acordo com o CBF, aceder a outros incentivos tais como os benefícios fiscais contratuais e os benefícios de carácter social 2

3 23 Centro Internacional De Negócios O Centro Internacional de Negócios (CIN) surge como um veículo de oportunidades de criação de novas atividades industriais, comerciais e de prestação de serviços, que não envolvam negócios nas áreas do turismo, banca e seguros, imobiliário e construção civil O CIN compreende três áreas: o Centro Internacional Industrial (CII) e o Centro Internacional de Comércio (CIC), que correspondem a áreas geograficamente limitadas, e o Centro Internacional de Prestação de Serviços (CIPS), que compreende todo o território do país Os benefícios fiscais para as entidades que operam no CII e no CIC são mais vantajosas do que as que operem no CIPS As primeiras, e que criem pelo menos 5 postos de trabalho, beneficiam de taxas reduzidas do Imposto Único sobre os Rendimentos (IUR) até 2025, variando entre 2,5% a 5% em função do número de postos de trabalho criados No quadro do CIPS, exige-se a criação de pelo menos dois (2) postos de trabalho, sendo a taxa do IUR aplicável de 2,5% Está também prevista a isenção de imposto de selo na constituição de empresas e no aumento de capital, a isenção de direitos aduaneiros e taxas aduaneiras (em conformidade com a legislação aplicável) e ainda o acesso a isenções de IVA, entre outros benefícios 24 Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) As TIC são uma das grandes áreas prioritárias para o país, estas desempenharão um papel de liderança no desenvolvimento económico do país a médio e longo prazo O Governo de Cabo Verde tem uma agenda de modernização e um modelo integrado de e-governação reconhecido regional e internacionalmente Os benefícios fiscais aplicáveis aos investimentos realizados no sector das TIC, incluindo atividades relacionadas com pesquisa e investigação científica, encontram-se previstos no Código de Benefícios Fiscais (CBF) Os investimentos deverão ser realizados no âmbito da Lei do Investimento O CBF prevê diversos benefícios aplicáveis aos investimentos realizados no sector das tecnologias de informação e comunicação, entre os quais, Imposto único sobre o rendimento (IUR), Imposto único sobre o Património (IUP), Imposto de Selo e direitos aduaneiros Encontram-se ainda disponíveis outros incentivos, dos quais são exemplo, os benefícios fiscais contratuais, os benefícios de carácter social, a internacionalização e o regime do Centro Internacional de Negócios Os investimentos que promovam o desenvolvimento de tecnologias de informação e comunicação podem beneficiar de uma dedução à coleta do IUR de 50% do montante de investimento Há também benefícios na importação de materiais e equipamentos, nomeadamente software, equipamento de natureza científica, material didático e de laboratório que se destinem a ser utilizados para formação e investigação, que possibilitam a isenção de direitos aduaneiro 3

4 25 Transporte Marítimo O Cluster do Mar foi identificado como uma das áreas prioritárias para o país Neste contexto, o Governo está atualmente a promover a Ilha de São Vicente enquanto centro regional de transformação, comercialização e exportação de recursos marinhos São bem-vindos investimentos em armazenamento de frio, manutenção e reparação naval, instalações de transbordo e abastecimento, assim como em parcerias público-privadas para a construção e gestão de um novo porto de águas profundas e de um terminal de cruzeiros na Ilha de São Vicente O transporte marítimo é uma das áreas destacadas pelo Governo cabo-verdiano com várias vantagens para os investidores externos O Código dos Benefícios Fiscais (CBF) prevê diversos benefícios aplicáveis aos investimentos realizados na área dos transportes marítimos, entre os quais, Imposto único sobre o rendimento (IUR), Imposto único sobre o Património (IUP), Imposto de Selo e direitos aduaneiros O crédito fiscal integra o conjunto de benefícios fiscais ao investimento, sendo efetuado por dedução à coleta do IUR, em valor correspondente a 50% dos investimentos relevantes realizados no sector dos transportes marítimos, nos termos da Lei do Investimento Estão isentas de Imposto de Selo as operações de contratação de financiamento destinado a investimentos levados a cabo nos termos da Lei do Investimento Relativamente aos direitos aduaneiros, está prevista uma isenção na importação de vários equipamentos e materiais, como embarcações de comércio e rebocadores, materiais destinados ao fabrico, construção, reparo e peças sobressalentes das mesmas embarcações, tratores rodoviários a atrelados utilizados nos navios de carga e descarga 26 Aviação Civil As empresas de transporte aéreo, concessionárias de serviços públicos, empresas concessionárias de exploração de aeroportos e aeródromos e empresas autorizadas a prestar assistência a aeronaves beneficiam de isenção de direitos aduaneiros na importação de materiais utilizados na construção ou ampliação das infraestruturas já existentes, bem como na importação das aeronaves A aquisição de patentes e licenças para utilização de tecnologia certificada pela entidade competente também é considerada elegível para benefícios fiscais Assim, são bem-vindos investimentos na área da aviação, nomeadamente na privatização da companhia nacional aérea, a TACV O Governo pretende estabelecer parcerias estratégicas com vista ao desenvolvimento de sinergias ao nível do tráfego aéreo e atividades economicamente rentáveis, assim como operações com os mercados africano, europeu, sul e norte americanos, assim como oportunidades na concessão das operações e serviços dos quatro principais aeroportos internacionais Existe ainda um nicho de oportunidades na manutenção de aeronaves e serviços de navegação aérea 27 Energias Renováveis Cabo Verde tem um dos melhores regimes de vento do Mundo (18m/s) e grande potencial para a energia solar, com uma proporção de 6-8 Kwh/m2/day O Governo está atualmente a favorecer o desenvolvimento de um Cluster de energia renovável competitivo, promovendo para o efeito, o investimento em parques de energias renováveis nas principais ilhas 4

5 CABO VERDE As entidades que operem neste setor beneficiam de isenção de direitos aduaneiros na importação de bens, materiais, equipamentos, máquinas, veículos de transporte coletivo e misto destinado aos projetos de investimentos que se enquadrem no âmbito da Lei do Investimento Há ainda a possibilidade de haver isenção de direitos aduaneiros de bens, materiais e equipamentos que sejam destinados à produção de energia elétrica com origem em fontes renováveis A formação também é valorizada neste setor, bem como a criação de emprego 28 Serviços Dada a diversidade deste setor, as deduções fiscais do imposto único sobre o rendimento apresentam naturezas mais variáveis: Fixando-se em valor correspondente a 50% dos investimentos que se traduzem numa prestação de serviços nas áreas do turismo, transporte aéreo e marítimo, energias renováveis, pesquisa e investigação científica, tecnologias de comunicação e informação, bem como nos serviços portuários e aeroportuários; No caso dos investimentos realizados nas demais áreas de negócio, estes beneficiam de um crédito fiscal de 30% do montante do investimento, igualmente dedutível à coleta do exercício Aplicam-se ainda os benefícios previstos para a criação de emprego, formação, estágios e bolsas, mecenato e internacionalização, entre outros 29 Indústria No caso da indústria, é importante que o investidor tenha em conta as leis que definem os objetivos da política industrial no país, bem como as normas que regulamentam as matérias relativas às atividades industriais Ainda assim, há uma série de benefícios para quem decida investir neste setor, que inclui isenção de direitos aduaneiros na importação de bens, materiais, equipamentos, veículos de transporte de mercadorias ou veículos coletivos para utilização de estabelecimentos industriais Há ainda vantagens para quem importe bens relacionados com materiais que sejam incorporados ou utilizados na produção e bens ou serviços destinados à produção de energia elétrica com origem em fontes renováveis, bem como as matérias-primas e afins utilizados no âmbito de novos projetos industriais 210 Setor Financeiro Os benefícios neste setor dividem-se por várias categorias: instituições financeiras internacionais, produtos financeiros (valores mobiliários), fundos de investimento (mobiliário e imobiliário), fundos de capital de risco, fundos de poupança em ações, sociedades gestoras de participações sociais (SGPS), aplicações financeiras a longo prazo e fundos de poupança para a reforma e educação As instituições financeiras internacionais beneficiam de isenção do imposto único sobre o rendimento (IUR) até 2017 e de uma taxa reduzida de 2,5% após esse ano Têm ainda direito à isenção de direitos aduaneiros na importação de materiais e bens que estejam envolvidos no processo de instalação da instituição Os produtos financeiros (valores mobiliários) têm isenção de tributação do IUR até 2017 de dividendos de ações cotadas em bolsa, bem como uma taxa reduzida sobre os rendimentos provenientes de obrigações quando não se tratem de títulos da dívida pública, com colocação pública e cotadas na bolsa de Cabo Verde Relativamente aos fundos de investimento (mobiliário e imobiliário), há vários benefícios relativamente aos rendimentos obtidos em Cabo Verde e fora do país, que vão desde a exclusão à tributação em sede de IUR até taxas de 10% Já os fundos de capital de risco estão totalmente isentos da tributação de IUR, tal como os fundos de poupança em ações 5

6 CABO VERDE Já para as aplicações financeiras a longo prazo não negociáveis, quando o vencimento ocorrer entre os cinco e os dez anos após a constituição, considera-se apenas 50% no apuramento do IUR Caso seja apenas após os dez anos a partir da constituição, considera-se apenas 25% do valor para efeitos de incidência de IUR Os fundos de poupança para a reforma e educação beneficiam de isenção de IUR nos rendimentos obtidos 211 Comunicação Social O sector da comunicação social em Cabo Verde particularmente o domínio do audiovisual, tem conhecido um grande incremento nos últimos anos, com a liberalização do mercado de operadores de televisão e o licenciamento de novos canais Os investimentos na área dos media e comunicação social poderão usufruir também de vários benefícios fiscais, sobretudo no que respeita às taxas aduaneiras As empresas deste ramo estão isentas de direitos aduaneiros sobre a importação de bens destinados ao apetrechamento das suas instalações ou ao serviço de reportagem, como material de isolamento acústico, material fotográfico, equipamento de gravação e leitura digital, câmaras de vídeo e respetivos suportes e equipamentos de som Estão também isentas do Imposto de Selo as operações de contratação de financiamentos destinados a investimentos levados a cabo nos termos da Lei do Investimento Os investimentos que impliquem a aquisição de imóveis exclusivamente destinados à instalação dos projetos de investimento podem beneficiar ainda de isenção de Imposto Único sobre o Património (IUP), estando a atribuição deste benefício condicionada à respetiva aceitação pelo órgão municipal competente 212 Agricultura, Pecuária e Pescas No sector agrícola existem grandes perspetivas de oportunidades de negócio, nomeadamente na: I Melhoria do Agronegócio nas fileiras hortícola (tomate, cenoura, pepino e cebola), de tubérculos (mandioca e batata) e fruteira (banana e papaia); II Transferência de conhecimentos e tecnologias de produção e transformação Neste setor os benefícios incluem isenções de direitos aduaneiros de mercadorias destinadas a explorações agropecuárias, como plantas, sementes, fertilizantes e pesticidas, assim como as máquinas, aparelhos e materiais ligados à rega Neste caso, todo o tipo de equipamento dedicado ao projeto de investimento nos setores da agricultura, pecuária e pescas está isento de direitos aduaneiros aquando da importação Há também benefícios no que toca à criação de emprego, formação, estágios e bolsas 6

7 3 AMBIENTE DE NEGÓCIOS ANÁLISE DOING BUSINESS INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO (LÍQUIDO) (2013) Montante 41 milhões US$ % PIB 2,2% PIB Figura 4 Fonte: Banco Mundial Segundo dados do Banco Mundial, os valores do IDE em Cabo Verde são bastante baixos, tendo representado em 2013 apenas 2,2% do Produto Interno Bruto Este valor pode ser explicado, em parte, pela inexistência de um ambiente favorável ao investimento e à realização de negócios como mostra a análise que se segue, elaborada com base em dados das edições de 2013, 2014 e 2015 do relatório Doing Business 31 Evolução da posição de Cabo Verde no ranking Ease of Doing Business no período O Doing Business é um estudo elaborado anualmente, desde 2003, pelo Grupo do Banco Mundial e que apresenta uma análise detalhada dos custos, requisitos e procedimentos a que uma empresa privada está sujeita em mais de uma centena de países, classificando-os num ranking, o Ease of Doing Business, mas também atribuindo-lhes uma pontuação Quanto mais alta for a posição no ranking (e portanto menor o valor numérico) melhor é a avaliação do país, indicando um sistema regulatório do setor privado melhor e mais simples e uma mais eficaz proteção dos direitos de propriedade O Doing Business tem como objetivo encorajar a eficiência, a acessibilidade e fácil implementação das normas e regulamentos inerentes ao desenvolvimento do setor privado, destacando para tal o importante papel dos governos e das suas políticas para as pequenas e médias empresas EVOLUÇÃO DO RANKING EASE OF DOING BUSINESS ( ) DOS PAÍSES DA CPLP (Total de 189 países) PAÍSES MEMBROS (9 países) 2013 (total de 185 países) RANKING DE CADA ANO Evolução Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau

8 Figura 5 Guiné Equatorial Moçambique Portugal São Tomé e Príncipe Timor-Leste Fonte: Doing Business 2013, 2014 e Banco Mundial Através da análise da evolução do ranking Ease of Doing Business dos últimos três anos, 2013 a 2015, constatamos que apenas quatro países membros da CPLP registaram uma evolução positiva Os restantes cinco países registaram uma evolução negativa ou nula, inserindo-se Cabo Verde neste último grupo Apesar de uma ligeira progressão de 2013 para 2014, voltou à posição inicial de 122 em 2015 Concluímos ainda da análise da figura 5 que, apesar da posição atual ser ainda bastante baixa ao nível global, se nos limitarmos ao universo CPLP, a posição de Cabo Verde coloca o país em terceiro lugar atrás de Portugal e Brasil 32 Análise dos indicadores Doing Business para Cabo Verde O relatório Doing Business 2015 mede os regimes regulatórios aplicáveis às empresas locais em 189 economias, em 11 áreas distintas: Abertura de empresas; Obtenção de alvarás de construção; Obtenção de eletricidade; Registo de propriedade; Obtenção de crédito; Proteção dos investidores minoritários; Pagamento de impostos; Comércio internacional; Execução de contratos; Resolução de insolvência; e Legislação laboral 1 1 Esta não será aqui abordada pois o relatório deste ano não apresenta o ranking das economias ou pontuações para este indicador 8

9 O relatório apresenta dados para duas medidas agregadas o Ranking Ease of Doing Business e a Pontuação Distance to Frontier (Pontuação DTF) O Ranking fornece informação sobre a performance dos regimes regulatórios de negócios de cada economia relativamente à de outras economias em análise (189 no total) Por outro lado, a Pontuação DTF ilustra a distância de uma economia até à fronteira, que representa a melhor performance observada em cada um dos indicadores do Doing Business, transversal a todas as economias, desde 2005 A Distance to Frontier (Distância até à fronteira) é avaliada numa escala de 0 a 100, onde 0 representa a performance mais baixa e 100 representa a fronteira Assim, uma pontuação de 75 significa que essa economia está a uma distância de 25 pontos percentuais da fronteira Uma pontuação de 80, no ano seguinte, representa uma melhoria dessa economia Para efeitos de análise comparativa, os diferentes indicadores que compõem o Doing Business 2015 foram agrupados em função dos três pilares da Estratégia a Médio Prazo ( ) da CE-CPLP: Pilar 1 Melhorar o ambiente de negócios e o clima de investimento; Pilar 2 Alargar o acesso às infraestruturas sociais e económicas; e Pilar 3 Promover o desenvolvimento das empresas RANKING DOS INDICADORES DOING BUSINESS 2015 PARA CABO VERDE (Total de 189 países) Pilares da estratégia CE-CPLP PILAR: 1 PILAR: 2 PILAR: 3 PAÍS Abertura de empresas Obtenção de alvarás de construção Registo de propriedade Obtenção de eletricidade Execução de contratos Obtenção de crédito Proteção dos investidores minoritários Pagamento de impostos Comércio internacional Resolução de insolvência Cabo Verde Figura 6 Fonte: Doing Business Banco Mundial Na figura 6 podemos então observar a posição de Cabo Verde nos rankings de cada uma das 11 áreas que o Doing Business avalia Como podemos verificar, há grandes disparidades entre as várias áreas, com especial destaque para a Resolução de insolvência em que se posiciona mesmo na posição mais baixa Já a área Execução de contratos é a que consegue a melhor posição, a 39ª 9

10 Pilares da estratégia da CE- CPLP PONTUAÇÃO DTF DOS INDICADORES DOING BUSINESS 2015 PARA CABO VERDE (0-100 pontos) PILAR: 1 PILAR: 2 PILAR: 3 PAÍS AVALIAÇÃO TOTAL Abertura de empresas Obtenção de alvarás de construção Registo de propriedade Obtenção de eletricidade Execução de contratos Obtenção de crédito Proteção dos investidores minoritários Pagamento de impostos Comércio internacional Resolução de insolvência Cabo Verde 57,9 87,0 67,5 74,5 63,8 67,9 40,0 35,0 73,1 70,9 0,0 Figura 7 Fonte: Doing Business Banco Mundial A figura 7 mostra-nos a avaliação de Cabo Verde como um todo, mas também das 11 áreas do Doing Business através da atribuição duma pontuação, numa escala de zero a 100 O valor da avaliação total mostra-nos a avaliação positiva de Cabo Verde Consegue 57,9 pontos, o que corresponde a uma avaliação positiva, pois está acima dos 50 pontos num total de 100 Como já tínhamos mencionado, a área Resolução de insolvência registou uma avaliação muito fraca, de zero pontos No entanto, este valor tem uma explicação A pontuação de 0 que indica prática inexistente Isto significa que nos 5 anos anteriores a este estudo não se verificaram casos de recuperação judicial, liquidação judicial ou execução de dívida Da análise da figura 7 retiramos ainda que apenas duas áreas receberam pontuação abaixo dos 50 pontos, o que significa que ainda há fatores a melhorar Assim, Proteção dos investidores minoritários é o indicador com a pontuação mais baixa, apenas 35 pontos, e Obtenção de crédito o segundo pior, com apenas 40 pontos 10

11 33 Avaliação das componentes dos indicadores Doing Business para Cabo Verde AVALIAÇÃO DOS COMPONENTES DOS INDICADORES DOING BUSINESS 2015 DOS PAÍSES DA CPLP PAÍSES MEMBROS (9 países) PORTUGAL BRASIL CABO VERDE MOÇAMBIQUE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GUINÉ EQUATORIAL TIMOR-LESTE GUINÉ-BISSAU ANGOLA PILAR: 1 ABERTURA DE EMPRESAS Procedimentos (número) 96,3 63,4 87,0 83,0 94,0 36,7 83,7 54,8 56, Prazo (dias) 3 83, Custo (% do rendimento per capita) Capital mínimo (% do rendimento per capita) OBTENÇÃO DE ALVARÁS DE CONSTRUÇÃO Procedimentos (número) 2,3% 4,3% 14,3% 17,1% 17,5% 99,0% 0,3% 50,1% 123,5% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 14,3% 127,5% 401,3% 20,0% 77,3 48,3 67,5 73,3 78,5 71,2 67,5 53,0 75, Prazo (dias) Custo (% do rendimento per capita) REGISTO DE PROPRIEDADE Procedimentos (número) 1,4% 0,4% 4,1% 4,4% 2,8% 4,1% 0,3% 18,2% 0,5% 83,7 56,2 74,5 64,5 53,7 54,8 0,0 48,9 46, NP 8 7 Prazo (dias) NP

12 Custo (% do valor do imóvel) CABO VERDE 7,3% 2,5 3,7% 6,9% 9,0% 12,5% NP 10,6% 3,0% 331 Abertura de empresas O reduzido número de dias necessários para abrir uma empresa, apenas dez, é acompanhado pelo ainda mais reduzido número de procedimentos necessários, sendo mesmo o quarto mais baixo dos noves países da CPLP, atrás de Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste O custo de abertura de uma empresa é também o quarto mais baixo dos nove países, correspondendo a 14,3% do rendimento per capita Não existe capital mínimo necessário para abrir uma empresa, o que é positivo 332 Obtenção de alvarás de construção O número de procedimentos para obter alvarás de construção é positivo pois, no contexto dos países da CPLP, encontra-se abaixo da média, 140 O mesmo não se pode dizer do número de dias necessários, 16, o segundo prazo mais elevado na comunidade Já o custo de obtenção de alvarás de construção é partilha o sexto lugar dos nove países juntamente com a Guiné Equatorial, 4,1% do rendimento per capita, ficando apenas à frente de Moçambique e Guiné-Bissau 333 Registo de propriedade Ao nível do registo de propriedade, são necessários seis procedimentos para a sua realização, o segundo valor mais baixo dos países da CPLP, juntamente com Moçambique e Guiné Equatorial e apenas ultrapassado por Portugal O número de dias é de 22, também o segundo valor mais baixo da CPLP O custo de registo de propriedade corresponde a 3,7% do valor do imóvel, o terceiro mais baixo dos nove países PILAR: 2 OBTENÇÃO DE ELETRICIDADE Procedimentos (número) 82,0 89,2 63,8 54,7 80,2 73,8 90,8 36,0 56, Prazo (dias) Custo (% do rendimento per capita) EXECUÇÃO DE CONTRATOS Procedimentos (número) 52,9% 31,6 932,2% 2 484,8% 951,5% 557,6% 654,1% 2 062,2% 660,0% 69,7 53,6 67,6 39,8 32,4 63,2 3,6 37,5 25,

13 Prazo (dias) Custo (% da dívida) 13,8% 16,5% 19,8% 119,0% 50,5% 19,5% 163,2% 25,0% 44,4% 334 Obtenção de eletricidade Em Cabo Verde são necessários sete procedimentos para obter eletricidade, este valor apesar de ser o mais alto dos nove países, está a par do que se pratica em muitos deles sendo o valor médio de cerca de 5 procedimentos Já o número de dias necessários é relativamente reduzido, apenas 88, sendo o quarto país com o número mais reduzido Por sua vez, o custo de obtenção de eletricidade é o quarto mais elevado, com 932,2% do rendimento per capita 335 Execução de contratos Em comparação com os restantes países da CPLP, Cabo Verde regista o terceiro lugar no que ao número de procedimentos necessários para executar contratos diz respeito, 37 Já o número de dias, é um baixíssimo valor de 425, o mais baixo dos nove países O custo da execução de contratos corresponde a 19,8% do valor da dívida, um valor moderado que se posiciona abaixo da média dos nove países PILAR: 3 OBTENÇÃO DE CRÉDITO 45,0 45,0 40,0 30,0 0,0 40,0 20,0 30,0 5,0 Força do índice dos direitos legais (0-12) Profundidade do índice de informações de crédito (0-8) Cobertura de órgãos de registo privados (% de adultos) Cobertura de órgãos de registo públicos (% de adultos) PROTEÇÃO DOS INVESTIDORES MINORITÁRIOS Índice de medida de resolução de conflito de interesses (0-10) 2,0 2,0 2,0 1,0 0,0 6,0 0,0 6,0 1,0 7,0 7,0 6,0 5,0 0,0 2,0 4,0 0,0 0,0 23,4% 63,6% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 100,0% 52,5% 16,7% 5,7% 0,0% 5,1% 5,7% 1,0% 1,8% 59,2 62,5 35,0 51,7 26,7 45,8 50,8 45,8 51,7 6,0 5,7 4,0 6,3 3,3 4,7 4,7 4,7 5,3 13

14 Índice do grau de governança corporativa (0-10) Índice da força de proteção do investidor minoritário (0-10) PAGAMENTO DE IMPOSTOS Pagamentos (número por ano) 5,8 6,8 3,0 4,0 2,0 4,5 5,5 4,5 5,0 5,9 6,3 3,5 5,2 2,7 4,6 5,1 4,6 5,2 77,8 41,3 73,1 66,9 51,7 44,7 80,0 58,7 60, Tempo (horas por ano) Taxa total dos impostos (% do lucro) COMÉRCIO INTERNACIONAL Documentos para exportação (número) Tempo para exportar (dias) Custo para exportar ($US por contentor) Documentos para importação (número) Tempo para importar (dias) Custo para importar ($US por contentor) RESOLUÇÃO DE INSOLVÊNCIA 42,4% 69,0% 21,0% 36,6% 38,2% 44,0% 11,0% 45,5% 52,0% 85,2 66,1 70,9 64,8 68,7 59,7 72,5 67,4 41, ,2 54,5 0,0 40,8 21,7 0,0 0,0 0,0 38,2 Tempo (anos) 2,0 4,0 NP 5,0 6,2 NP NP NP 3,0 Custo (% do ativo) 9,0% 12,0% NP 9,0% 22,0% NP NP NP 7,0% Taxa de recuperação (centavos do dólar) 72 25,

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO Formalidades a cumprir I II III o investidor deverá solicitar uma autorização prévia para concessão do Estatuto de Investidor Externo. O pedido poderá ser efetuado através da agência

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos SUMARIO 1-Quem somos, onde estamos -localização geoestratégica, CV em números 2-Nossa economia

Leia mais

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio Boa Vista, Outubro de 2009 INCENTIVOS AO INVESTIMENTO AGENCIA CABO VERDIANA DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS 1 AGÊNCIA

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS Para os empresários portugueses Ajman Fujairah Sharjah Dubai Ras Al-Khaimah Umm Al Qaiwain O País Designação Oficial: Emirados Árabes Unidos Forma de Estado: Federação de sete Emirados

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto

Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Cabo Verde como plataforma no Atlântico: VELHA realidade num NOVO contexto Lisbon Atlantic Conference 2013 Territorial and Neighboring Cooperation. Lisboa, 5 de Dezembro de 2013 Carlos Rocha Administrador

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar República Checa Condições Legais de Acesso ao Mercado Março 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 184/2015, Série I, de 21/09, páginas 8392-8396. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Portaria n.º 297/2015, de 21 de setembro Estado: vigente Resumo:

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Maio 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Sistemas de Incentivos Portugal 2020

Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Sistemas de Incentivos Portugal 2020 Portugal 2020 Acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia no qual se consagra a política de desenvolvimento económico, social e territorial a promover entre

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude O Governo a apostar nos Cabo-verdianos Incentivos Fiscais Principais Beneficiários: Empresas /Juventude Ganhos do Orçamento Geral do Estado 2010 Incentivos Fiscais A Política de Investimento para 2010

Leia mais

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 1. VISÃO GERAL DA ECONOMIA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. 1.1 Estrutura produtiva UM OLHAR SOBRE O FUTURO

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE 1. VISÃO GERAL DA ECONOMIA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. 1.1 Estrutura produtiva UM OLHAR SOBRE O FUTURO 1 VISÃO GERAL DA ECONOMIA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE População (2013) 192993 Figura 1 Fontes: Banco Mundial, Instituto Nacional de Estatística STP Área 960 Km 2 Densidade Populacional (2013) 201 hab/km 2 Taxa

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa

www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa www.pwc.com/payingtaxes Paying Taxes 2014 Portugal e a CPLP Jaime Esteves 3 de dezembro de 2013, Lisboa Agenda 1. A metodologia do Paying Taxes 2. Resultados de Portugal 3. Resultados da CPLP 4. Reforma

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Reino Unido Condições Legais de Acesso ao Mercado Junho 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO MAPUTO, 05 DE MARÇO DE 2012 REGIME FISCAL APLICÁVEL AO SECTOR

Leia mais

Região Autónoma da Madeira

Região Autónoma da Madeira Região Autónoma da Madeira Área () km 2 801,0 Densidade populacional () Hab/Km 2 309,0 População residente (31.12.) Nº 247.568 População < 15 anos Nº 42.686 População > 65 anos Nº 32.188 Taxa conclusão

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo Benefícios Fiscais Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Condições de Acesso dos Beneficiários... 2 3 Condições de

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/Época Especial 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Doing Business in Brazil

Doing Business in Brazil INVESTIR NO BRASIL Doing Business in Brazil Alfeu Pinto Sócio Boccuzzi e Associados 12 de Abril de 2012 Visão Geral sobre o Brasil Área territorial População PIB Regime cambial brasileiro/reservas Forma

Leia mais

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas

Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Energia e Desenvolvimento A situação de Cabo Verde: Evolução, Ganhos e Perspectivas Indicadores Socioeconómicos Rendimento per capita de 2010 foi de US$3.215, sendo que em 1975 era de US$190 Taxa de alfabetização:

Leia mais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais Liza Helena Vaz AICEP/ AIP/AIDA/ANEMM/APIA Agenda Tributação em Cabo Verde Aspectos fiscais do investimento português em Cabo Verde

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007.

Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos. Maio, 2007. JURISTEP OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Kiluange Tiny/ Rute Martins Santos Maio, 2007. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário

Leia mais

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono

I Jornadas Financeiras Capital de Risco. Fundos de Investimento no Espaço Lusófono I Jornadas Financeiras Capital de Risco Local: Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Data: 07 de Maio de 2015 Fundos de Investimento no Espaço Lusófono António Raposo Subtil (Coordenador RSA-LP)

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego

Comissão para a Reforma do IRC - 2013. Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Uma Reforma orientada para a Competitividade, o Crescimento e o Emprego Principais medidas da Reforma 2 I. Redução da taxa do IRC - A redução das taxas de IRC é fundamental para a atração de investimento

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais

Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Módulo 6 A Interdependência das Economias Atuais Comércio Internacional/Externo: Todas as transações efetuadas entre um país e os restantes países, isto é, entre unidades residentes e unidades não residentes

Leia mais

Vistos Gold As Novas Regras das Autorizações de Residência para Investidores

Vistos Gold As Novas Regras das Autorizações de Residência para Investidores COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Vistos Gold As Novas Regras das Autorizações de Residência para Investidores CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Luís Moreira Cortez Teresa Fanico

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

S. I. Inovação Produtiva

S. I. Inovação Produtiva S. I. Inovação Produtiva Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na área de Inovação

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA

DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA DECLARAÇÃO EMPRESARIAL DE LUANDA Por iniciativa da Confederação Empresarial da CPLP e das associações empresariais dos PALOP, realizou-se em Luanda, República de Angola, a 17 de Julho de 2014, o Fórum

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 14º;29º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 14º;29º Exportações - Comprovativo da isenção nas operações bens em segunda mão Processo: nº 3092, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento A Lei n.º 49/2013, de 16 de julho, criou um incentivo fiscal ao investimento designado por CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento. O presente

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Junho 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 8 2 1. Regime

Leia mais

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário Cidade Maputo, 23 de Abril de 2015 CONTEÚDO Papel

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014 Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria Luanda, 26.05.2014 Agenda 1. Cenário Internacional 2. Formas de apoio 3. Estratégia de atuação na África Depto. de Suporte a Operações

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PARA O RECONHECIMENTO DO INTERESSE DO INVESTIMENTO PARA A REGIÃO. Nota justificativa

PROJETO DE REGULAMENTO PARA O RECONHECIMENTO DO INTERESSE DO INVESTIMENTO PARA A REGIÃO. Nota justificativa PROJETO DE REGULAMENTO PARA O RECONHECIMENTO DO INTERESSE DO INVESTIMENTO PARA A REGIÃO Nota justificativa Considerando que o Governo através do Decreto-Lei n.º 162/2014, de 31 de outubro, aprovou um novo

Leia mais