344 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "344 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE 2013"

Transcrição

1 344 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE 2013 Deliberação nº 002/CTEC/2013 No uso da competência conferida pelo artigo 45º, nº 1, alínea c) do Estatuto da Ordem Pro ssional de Auditores e Contabilistas Certi cados, aprovado pelo Decreto-Lei nº 12/2000 de 28 de Fevereiro, e do artigo 58º, nº 1, alíneas a) e b) do Regulamento de Admissão, Estágios e Exames, o Conselho Técnico aprova os seguintes programas e elementos de consulta permitidos, bem como xa as datas, horas e locais de realização das provas do exame para Auditor Certi cado: PROGRAMAS: Grupo I Matérias enquadramento geral 1. Economia Geral e da Empresa 1.1 Modelos económicos. Circuito Económico e Fronteira de Possibilidades de Produção. 1.2 Medição da Atividade Económica e das Variáveis Económicas; 1.3 Contabilidade Nacional: Principais Agregados e Grandezas Macroeconómicas 1.4 Consumo Privado, Poupança das Famílias e Investimento; Consumo, rendimento disponível e poupança Função consumo e função poupança Propensão marginal ao consumo e à poupança; propensão média Determinantes do investimento Função Investimento Investimento e stock de capital próprio 1.5 O Estado e as Finanças Públicas Finanças Públicas e o papel do Estado Despesas públicas: teoria e prática Receitas públicas: teoria e prática O sector público: âmbito, estrutura e contas O Orçamento do Estado Política orçamental. 1.6 Comércio Externo e Balança de Pagamentos Teorias de Comércio Internacional e Investimento: Da Vantagem Comparativa Absoluta à Concorrência Imperfeita com Rendimentos Crescentes Comércio Externo de Cabo Verde, Investimento Direto Estrangeiro e Investimento Direto de Cabo Verde e a Balança de Bens e Serviços Balança de Pagamentos Grau de Abertura da Economia de Cabo Verde o Exportações e Importações Integração de Regional de Mercados e na OMC Organização Mundial de Comércio Políticas Aduaneiras, Promoção de Exportações e Incentivos à Fixação de Emprego 1.7 Procura e Oferta Agregadas Componentes da procura e oferta agregadas Equilíbrio económico geral 1.8 Moeda, Sistema Bancário e Política Monetária O nanciamento da economia Mercado nanceiro: Mercado de capitais; mercado cambial e mercado de títulos Bolsa de Valores Agregados monetários e massa monetária Criação de moeda e multiplicador monetário Instrumentos de controlo da massa monetária Moeda e nanciamento da economia Os instrumentos de política monetária e a determinação das taxas de juro de curto prazo A determinação das taxas de juro de médio e longo prazo A liquidez externa da economia Os mercados cambiais e a determinação da taxa de câmbio A política monetária do banco central 1.9 Crescimento Económico e Ciclos de Desenvolvimento Crescimento e desenvolvimento económico Indicadores de desenvolvimento Ciclos económicos 1.10 Princípios básicos da teoria da procura e da oferta Procura e suas determinantes. Procura rendimento e procura cruzada. Procura individual e de mercado Oferta e suas determinantes. Oferta individual e oferta de mercado O mercado: quantidade e preço de equilíbrio. Funções dos preços e mecanismo da mão «invisível» Excedente do consumidor, excedente do produtor e excedente económico 1.11 Elasticidades da procura e da oferta. Formas de intervenção governamental Elasticidade preço da procura e fatores que a determinam Elasticidade rendimento e elasticidade cruzada da procura Elasticidade preço da oferta e fatores que a determinam Efeitos da aplicação de um imposto especí co e de um subsídio Preços máximos e mínimos A Teoria do consumidor e a procura Utilidades total e marginal. O paradoxo do valor Reta orçamental, curvas de indiferença e maximização da utilidade do consumidor Bens normais e inferiores Curva de rendimento consumo e curva de Engel. Curva de preço-consumo e curva da procura. Efeitos rendimento e substituição Exceções à lei da procura. O caso dos bens de Giffen A Teoria do produtor e a oferta Função de produção, rendimentos decrescentes e estádios de produção Produção no logo prazo e rendimentos à escala Da produção aos custos. Custos globais O custo marginal e a lei da oferta Custos médios Economias de escala e curva de aprendizagem A contabilidade das empresas. Lucro contabilístico e lucro económico O mercado de concorrência perfeita Pressupostos do modelo Maximização do lucro em concorrência perfeita A decisão de produzir no curto prazo e a condição de encerramento. Curva de oferta da empresa. Limiar de rendibilidade O equilíbrio no longo prazo Monopólio Origens e formas de concorrência imperfeita Monopólio: caracterização e origens Maximização do lucro do monopolista e ine ciência em monopólio. Grau de monopólio Discriminação de preços Oligopólio e concorrência monopolística Caracterização geral do oligopólio Concorrência oligopolística. Equilíbrio no curto e logo prazos Relação empresas e Estado; empresas públicas 1.18 A Gestão das Empresas e Outras Organizações A empresa e o seu ambiente; A Gestão e os desa os atuais à gestão Direção: Motivação, Liderança, Comunicação e Negociação; cultura da Empresa/Organização; Processo de Decisão: Organização, Processos e Estruturas Planeamento: Etapas e níveis do Planeamento: Estratégico, Tático e Operacional, orçamentação; implementação e controlo

2 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE Horizontes do planeamento Objetivos estratégico, tático e operacional: Alinhamento e coerência de objetivos Gestão Estratégica Pensamento estratégico e sentido e alcance do conceito de estratégia Inputs e análise estratégica e modelos de análise estratégica Formulação e dinâmica da estratégia organizacional Implementação estratégica O Balanced Scorecard como instrumento de gestão estratégica Perspetivas estratégicas; Metas, indicadores e iniciativas Mapa estratégico; Implementação e comunicação de resultados Gestão das áreas funcionais: Objetivos, princípios gerais, métodos e técnicas Gestão da Produção e de Operações: - Produtos e processo de produção; Desenho de bens e serviços; Planeamento e programação da produção; Gestão de materiais;- Gestão de projeto; Gestão de Marketing/Vendas: Articulação entre o planeamento estratégico e o planeamento operacional; Política de Produto; Política de Distribuição; Política de Preço; Política de Comunicação; Gestão do Aprovisionamento/Compras: Gestão de stocks e gestão das compras na perspetiva da cadeia logística; Sistemas de gestão de stocks; Processo de compra e a sua gestão. Estratégias de compras; Avaliação da performance das compras e dos fornecedores: Gestão de Pessoas: Sistemas Integrados de Informação em GRH; Planeamento de Recursos Humanos; Estratégia e GRH; Recrutamento e Seleção; Sistema de Gestão de Carreiras, Avaliação de Desempenho, Sistema Remuneratório; Liderança; Sistema de Formação, Comunicação e Cultura Organizacional Gestão Financeira e Contabilística Gestão de Sistemas de informação e de Projetos. Objetivos, métodos e técnicas Gestão de Risco Operacional: Gestão de Risco Operacional pela abordagem COSO (Objetivos da Gestão de Riscos, Relacionamento Objetivos vs Componentes); Componentes da Gestão de Risco; Funções e Responsabilidades; Limitações da Gestão de Risco Operacional Controlo: Processo e Técnicas de Controlo Controlo Estratégico Gestão e Controlo Orçamental Controlo Operacional Responsabilidade social e desempenho organizacional 1.19 Estratégias nos Negócios Internacionais Estratégias de Internacionalização Análise CAGE (Cultural, Administrative (Government), Geographic, and Economic forces) Análise Intra-Indústria Produtos/Mercados: Análise de Portfolio e de Mercados Externos Modos de Entrada Fontes de Vantagem Competitiva Riscos do comércio internacional 2 Estatística e Matemática Financeira 2.1 Estatística Números índices Análise Exploratória de Dados: Estatística Descritiva Noções de população e amostra. Tipos de variável estatística e escalas de medida Tabulação de dados. Representações grá cas Características Amostrais: Medidas de localização, dispersão, assimetria e concentração Dados bivariados: representação grá ca, reta de regressão dos mínimos quadrados. Coe ciente de correlação Probabilidades Conceito de variável aleatória: variável aleatória discreta e variável aleatória contínua Função de probabilidade e função de distribuição Características populacionais: valor médio, variância e desvio-padrão Técnicas de amostragem 2.2 Cálculo nanceiro Regimes de capitalização: juro simples e juro composto Equivalência de capitais e taxas Rendas Reembolso de empréstimos métodos de amortização 2.3 Cálculo atuarial Seguros de Vida Fundos de Pensões Planos de Bene cio Responsabilidades com pensões 3 Informática/Sistemas de Informação 3.1 Dados, informação, informática, sistema informático, sistema de comunicação de dados e sistema de informação. 3.2 Processamento de texto, folha de cálculo e apresentações por computador 3.3 Bases de dados e gestão de dados e informações 3.4 Sistemas de Informação de Gestão Informação, Tecnologias e Sistemas de Informação Planeamento, Desenvolvimento e Exploração de Sistemas de Informação Controlo Interno de Sistemas de Informação As Normas de Segurança Informática ISO e ISO Ferramentas de Análise de Dados e Avaliação de Risco de Sistemas CAATs Computer Assisted Audit Tools Ferramentas de Avaliação de Risco de Sistemas 3.6 Auditoria de Sistemas de Informação Importância da Auditoria de Sistemas para o processo de Auditoria Financeira A Auditoria de Sistemas de Informação em Cabo Verde e no Mundo O ISACA 3.7 A Análise de Risco dos Sistemas de Informação Organização da Função Informática Medidas de Contingência Redes e Telecomunicações Equipamento Terminal Servidores e Software de Sistema Aplicações e Bases de Dados Segurança Lógica e segurança física Desenvolvimento e Teste Gestão da Segurança Grupo II Matérias de enquadramento jurídico- scal 4 Direito Civil e Laboral 4.1 Direito Civil Princípios fundamentais e fontes do Direito civil; Teoria geral do objeto da relação jurídica e do facto jurídico; Negócio jurídico e simples ato jurídico; E cácia e a ine cácia do decurso do tempo nas relações jurídicas.

3 346 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE Das obrigações em geral Conceito, estrutura e função da obrigação A relação obrigacional e seus elementos (sujeito, objeto, facto jurídico e garantia) Fontes das obrigações contratos, negócios unilaterais, gestão de negócios, enriquecimento sem causa, responsabilidade civil; Sujeito das obrigações: Obrigações de sujeito indeterminado; obrigações conjuntas; obrigações solidárias; Objeto das obrigações; modalidades das obrigações, transmissão de créditos e de dívidas; garantia geral e especial das obrigações; Cumprimento das obrigações; não cumprimento: realização coativa da prestação; causas de extinção das obrigações Contratos em especial Locação nanceira Sociedades civis Empresários individuais Direitos reais Noção, classi cação; objeto A posse: conceito, fundamentos de proteção, efeitos e defesa; Direito de propriedade: conceito, modos de aquisição, restrição e meios de defesa; Direitos reais limitados: noção, modos de constituição e extinção. 4.2 Direito Laboral Contrato de trabalho e guras a ns, modalidades de contrato de trabalho, conteúdo e vicissitudes; Direitos e deveres da entidade patronal e dos trabalhadores; Proteção no trabalho; as relações coletivas de trabalho, Instrumentos autónomos e normativos da regulamentação coletiva de trabalho; as contraordenações laborais Sistema de Proteção Social; Bases do Sistema de Segurança Social de trabalhadores por conta de outrem; Regime dos trabalhadores por conta própria; Regime dos trabalhadores independentes Convenção para a Segurança Social Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho 5 Direito Comercial e de Empresas Comerciais 5.1 Direito Comercial Direito comercial e os atos de comércio e seu regime geral; Comerciantes e o seu estatuto geral; A empresa e o estabelecimento comercial; Sociedades comerciais; Títulos de crédito; Contratos comerciais em geral; Contratos comerciais em especial: associação em participação, agrupamento complementar de empresas e o consórcio; representação e mandato comerciais; contratos de distribuição; contratos de transporte; contratos de compra e venda e de troca mercantis; reporte; locação comercial; transmissão e reforma de títulos mercantis. 5.2 Direito das Empresas O problema da Empresa como objeto de negócios; A negociação do estabelecimento e determinação do estabelecimento; A Empresa e o contrato; Os contratos de nanciamento: leasing e factoring; as Garantias Bancárias; A Empresa e a responsabilidade: a responsabilidade civil por produtos, a responsabilidade civil por serviços e a responsabilidade por dano ambiental. 5.3 Direito das Sociedades Comerciais Conceito de Sociedade Comercial Tipos de Sociedades Constituição de Sociedades Estruturas de governação Estruturas de scalização Apreciação anual da situação da sociedade Deliberações Sociais Alterações do contrato de sociedade fusões, cisões, transformações, dissolução e liquidação Coligação de sociedades 6 Fiscalidade Cabo-verdiana 6.1 Aspetos fundamentais do sistema jurídico- scal Ordenamento jurídico scal Relação jurídica scal Administração scal Procedimento tributário Garantias dos contribuintes Benefícios scais Transgressões e crimes scais Processo contencioso e processo judicial tributário 6.2 Sistema scal Imposto Único sobre os Rendimentos (IUR) Incidência Objetiva e Subjetiva Isenções Bases de Tributação/Métodos de Cálculo de Imposto Liquidação e cobrança Taxas do imposto Tributação de não Residentes Obrigações acessórias Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Incidência Objetiva e Subjetiva Isenções Regras de localização das operações Inversão de sujeito passivo (Autoliquidação) Exigibilidade e liquidação do IVA Taxas do imposto Método de dedução do IVA Obrigações acessórias Regimes especiais Reembolso do IVA Impostos Especiais sobre o Consumo Direitos de Importação Imposto de selo Incidência Taxas do imposto Tributação das operações nanceiras Tributação das operações societárias Tributação das transmissões patrimoniais Tributação dos atos jurídicos documentados Obrigações impostas pelo Código do Imposto de Selo Imposto Único sobre o Património (IUP) Incidência Taxas do Imposto Liquidação do Imposto Obrigações scais dos sujeitos passivos Investimento Estrangeiro Incentivos ao Investimento Estrangeiro Benefícios Fiscais em vigor Fiscalidade Internacional. Convenções para evitar a dupla tributação e a evasão scal

4 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE Grupo III Matérias de base contabilístico- nanceira 7 Contabilidade Financeira e Aprofundada 7.1 Conceitos fundamentais, Método contabilístico e Sistema de Processamento da Informação Contabilística A Contabilidade como instrumento de gestão; Tipo de Informação / Divisões da Contabilidade; Método de Registo Contabilístico O Sistema de Classi cação e de Informação Demonstrações nanceiras 7.2 O Sistema de Normalização Contabilística e de Relato Financeiro Decreto-Lei nº5/2008, de 4 de Fevereiro Estrutura Conceptual (EC); Normas de Relato Financeiro (NRF) Regime Especial para Pequenas Entidades (REPE) Normas Interpretativas (NI) Código de Contas (CC) 7.3 O Relato Financeiro Estrutura conceptual Apresentação das demonstrações nanceiras Políticas contabilísticas, alterações nas estimativas e erros Acontecimentos após a data do balanço Procedimentos contabilísticos de início e m de exercício Demonstrações nanceiras 7.4 Controlo interno, processamento contabilístico, reconhecimento, mensuração, divulgação e relato nanceiro das principais operações e acontecimentos dos ciclos: Caixa, depósitos bancários e instrumentos nanceiros Compras e outras operações com fornecedores Gastos e operações com pessoal Inventários e Ativos biológicos Vendas, prestações de serviços e contas a receber Ativos xos tangíveis, ativos intangíveis e propriedades de investimento Operações de m e de início de exercício 7.5 Harmonização Contabilística Internacional Necessidades, objetivos e vantagens da normalização contabilística internacional Principais organismos de normalização a nível internacional Objetivos e atribuições do IASB Processo de elaboração das normas internacionais de contabilidade Normas Internacionais de Contabilidade e Normas Internacionais de Relato Financeiro 7.6 Normas de Relato Financeiro e Normas Internacionais de Contabilidade/Normas Internacionais de Relato Financeiro NRF 1/IAS 1 - Apresentação das Demonstrações Financeiras NRF 2/IAS 7 Demonstração de Fluxos de Caixa NRF 3/IAS 8 Politicas Contabilísticas, alterações nas estimativas contabilísticas e erros NRF 4/IAS 24 Divulgação de partes relacionadas NRF 5/IAS 10 Acontecimentos após a data do balanço NRF 6/IAS 38 - Ativos Intangíveis NRF 7/IAS 16 - Ativos Fixos Tangíveis NRF 8/IFRS 5 Ativos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas NRF 9/IAS 17 Locações NRF 10/IAS 40 - Propriedades de Investimento NRF 11/IAS 23 - Custos de Empréstimos Obtidos NRF 12/IAS 41 Agricultura NRF 13/IAS2 Inventários NRF 14/IAS 11 Contratos de Construção NRF 15/IAS 20 Contabilização dos subsídios do Governo e divulgação de apoios do Governo NRF 16/ IAS 32/IFRS 7 e 9 Instrumentos Financeiros NRF 17/IAS 36 - Imparidade de Ativos NRF 18/IAS 18 Rédito NRF 19/IAS 37 Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes NRF 20/IAS 21 Os efeitos de alterações em Taxas de Câmbio NRF 21/IAS 19 e 26 Benefícios dos Empregados NRF 22/IAS 12 Impostos sobre o Rendimento NRF 23/IAS 28 e 31 (IFRS 11 a partir de 2013) Interesses em empreendimentos conjuntos e investimentos em associadas NRF 24/IRFS 3 - Concentração de Atividades Empresariais NRF 25/IAS 22 e 27 (partes substituídas pela IFRS 10 a partir de 2013) Investimentos em Subsidiárias e Consolidação IAS 34 Informação Financeira Intercalar IFRS 8 - Informação Financeira por Segmentos IRFS 12 Divulgações de interesses noutras entidades IFRS 13 Mensuração do justo valor 7.7 Outros temas de Contabilidade Financeira Constituição das sociedades Prestações suplementares/suprimentos/prestações acessórias Modi cações do capital: Aumento de capital; Redução do capital;amortização e remissão de capital; Quotas e ações próprias Transformação de sociedades Dissolução e liquidação de sociedades Alterações do Capital Próprio 7.8 Prestação de contas nas sociedades e aplicação dos resultados O dever de relatar face ao SNCRF, Regulamentos Fiscais e Código das Empresas Comerciais Preparação de um conjunto completo de demonstrações - nanceiras. Demonstrações nanceiras e individuais e demonstrações nanceiras e consolidadas Elaboração do Relatório de Gestão; Apreciação e publicidade das contas anuais Outros tipos de relato: Prestação de contas à Administração Fiscal; Balanço Social; Relatórios de sustentabilidade Aplicação de resultados Direitos dos sócios, em especial o direito à informação 8 Controlo de Gestão 8.1 A Informação para a tomada de decisão - A Contabilidade Geral / A Contabilidade Analítica e de Gestão / A Gestão Orçamental A Contabilidade Geral e a informação para a gestão - Demonstrações Financeiras - Performance nanceira global A Contabilidade Analítica e de Gestão Os custos: de nição, classi cação, análise e relação com os resultados Os sistemas de articulação contabilística e a determinação do custo dos produtos Análise, contabilização e controlo dos elementos do custo total A departamentalização dos gastos. Centros de análise e controlo Métodos de custeio método direto ou de custos especí cos; método indireto ou por processo; Produção conjunta e em Curso de Fabrico; Centros de Gastos Sistemas de custeio: Custeio Total, Custeio Variável e Custeio Racional; Custos padrões CBA Custeio Baseado nas Atividades A Contabilidade de Gestão e a tomada de decisão: O modelo Custo Volume - Resultado (CVR); análise de rendibilidade e risco; a decisão de investimento, as políticas de formação do preço de venda; Preços de transferência interna

5 348 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE Controlo de Gestão As perspetivas da organização e o papel do Controlo de Gestão O valor e a medição da performance As múltiplas perspetivas da performance: negócio, mercado, processos e pessoas Os instrumentos de Controlo de Gestão Planeamento Estratégico e planos operacionais a médio prazo; Controlo Estratégico e Operacional Tableaux de Bord e Balanced Scorecard Gestão orçamental - A orçamentação e as demonstrações nanceiras previsionais; controlo orçamental apuramento e análise dos desvios Controlo do orçamento de Investimentos Performance Financeira e Responsabilização - Centros de Responsabilidade Estrutura Organizacional em Centros de Responsabilidade Critérios nanceiros para a avaliação dos desempenhos: A perspetiva dos custos nos centros de custos; A perspetivas dos resultados nos centros de resultados; A perspetivas da rendibilidade e criação de valor nos Centros de Investimentos Preços de transferência interna. 9 Análise e Gestão Financeira 9.1 Instrumentos-Base da Análise Financeira 9.2 Dos Documentos Contabilísticos aos Documentos Financeiros para Análise 9.3 Análise do equilíbrio nanceiro Estrutura nanceira Estrutura nanceira e capitais permanentes Interdependência entre estrutura nanceira e estrutura de resultados Fontes de nanciamento Equilíbrio nanceiro De curto prazo De médio e longo prazo Tesouraria e estruturas de nanciamento Reestruturação nanceira Indicadores e sua interpretação 9.4 Análise da rendibilidade e do crescimento Tipos de rendibilidade Indicadores e sua interpretação Efeito nanceiro de alavanca Modelos de análise da rendibilidade dos capitais próprios Rendibilidade dos capitais próprios e crescimento susstentável 9.5 Fluxos de caixa e meios libertos Análise da demonstração de uxos de caixa Auto nanciamento e uxos de caixa/variação de disponibilidades 9.6 Risco da empresa Indicadores de risco - Baseados nas demonstrações contabilístico- nanceiras - Baseados no mercado Fatores condicionantes e de agravamento do risco. Sinais de alarme 9.7 Análise da Performance Financeira - complementos Análise de valor com base nos resultados residuais Os conceitos de capital: balanço económico O custo de capital: características e cálculo da taxa; Resultados residuais: O EVA (Economic value added) Geração de valor futuro Avaliação pelo cash- ow: o VAL valor atual líquido; O VALA Valor atual líquido ajustado; Análise com base em resultados residuais: MVA Market value added Performance nanceira por segmentos: a lógica da absorção de custos 9.8 O Planeamento Financeiro O planeamento nanceiro no processo de planeamento geral da empresa Metodologia de elaboração dos documentos nanceiros previsionais 9.9 Gestão Financeira de curto prazo A gestão do ativo circulante e do exigível a curto prazo As aplicações e as fontes de nanciamento de curto prazo 9.10 Gestão Financeira a Longo Prazo Decisão de Investimento e Risco: Conceito e tipos de projetos; Metodologia de avaliação; Critérios de avaliação; Análise de Risco e Incerteza; Financiamento a Médio e Longo Prazo O nanciamento com capitais próprios: Capital inicial, auto nanciamento e aumentos de capital; Abertura do capital e as ofertas públicas iniciais; O capital de risco; O nanciamento com dívida: Empréstimos bancários; Leasing; Empréstimos obrigacionistas; Empréstimos externos; Project nance. Grupo IV Matérias de auditoria e comportamentais 10 Auditoria Financeira 10.1 Contexto nacional e internacional da auditoria 10.2 Normas emitidas pela International Federation of Accountants (IFAC) 10.3 As Normas Internacionais de Auditoria (ISA) e as Normas Internacionais de Controlo de Qualidade (ISQC) 10.4 As Normas Internacionais de Auditoria e o Estatuto da OPACC 10.5 Aspetos gerais da auditoria Objetivos da auditoria de um auditor independente e condução de uma auditoria de acordo com as normas de auditoria As fases da auditoria Acordar os termos dos compromissos de trabalhos de auditoria Consideração de leis e regulamentos numa auditoria de demonstrações Financeiras Prova de auditoria Documentação de auditoria Coordenação, direção e supervisão de auditoria Recurso a outros auditores e a peritos 10.6 Planeamento da auditoria Compreensão da Entidade e do seu ambiente Revisão Analítica Materialidade Risco de Auditoria Considerações sobre fraude Prova e documentação 10.7 Avaliação do risco de distorção material 10.8 Obtenção de prova direta sobre as asserções Procedimentos gerais Análise de rubricas especí cas Técnicas de amostragem 10.9 Finalização da Auditoria e Relato Revisão do Risco de Auditoria e da Materialidade Continuidade e eventos subsequentes Redação de Relatórios

6 II SÉRIE N O 19 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 3 DE ABRIL DE Comunicações com o Órgão de Gestão Outros assuntos Trabalhos especiais Controlo de qualidade. 11 Auditoria Operacional e de Gestão 11.1 Enquadramento da auditoria operacional e de gestão Controlo interno: Objetivos, componentes, instrumentos, relevância e limitações Tipos de riscos. O risco total da empresa e suas componentes A gestão do risco e a criação de valor para as organizações Metodologias de análise do controlo interno e de gestão de risco. A metodologia COSO ERM (Enterprise Risk Management) Governação, controlo interno e gestão de risco Modelo input-output e os critérios/dimensões do desempenho: qualidade, economia, e ciência, e cácia, efetividade e sustentabilidade A função auditoria, o controlo interno, o controlo de gestão e a gestão de risco 11.2 Auditoria Operacional e de Gestão: Conceito, objeto e relação com os outros tipos de auditoria Normas e organismos normalizadores no âmbito das auditorias operacionais e de gestão Metodologias e técnicas da auditoria operacional e de gestão Fases do trabalho de auditorias operacionais e de gestão Planeamento, execução e documentação numa auditoria operacional e de gestão Relato em auditoria operacional e de gestão Avaliação e controlo de qualidade numa auditoria operacional e de gestão 11.3 Novos desa os/campos de atuação das auditorias operacionais e de gestão 11.4 Auditoria baseada no risco Etapas do planeamento Matriz de risco e controlo Programas de trabalho/testes a realizar Evidências a recolher/documentação 11.5 Elaboração do Plano de Atividades da Estrutura de Auditoria baseada no risco 12 Teorias de Comportamento e Ética Pro ssional 12.1 Teorias de comportamento Valores, atitudes, motivação e aprendizagem Liderança, comunicação e gestão de con itos Decisão, planeamento, processos de grupos, gestão de equipa e gestão de con itos Estrutura organizacional, Políticas e Práticas de Gestão de Pessoas Cultura, Desempenho e Desenvolvimento e Organizacional Con itos de interesses, estruturas de governação e responsabilidade social 12.2 Ética e deontologia pro ssional Objeto, conceito e dimensões de ética Ética e deontologia pro ssional Regras éticas Comportamento ético Dilemas éticos A ética na atividade pro ssional Ética e tomada de decisão Ética em contabilidade Ética em auditoria Ética na gestão As competências das Organizações Pro ssionais Códigos deontológicos 12.3 Ética e deontologia, estatuto pro ssional e regulamentos A função do auditor certi cado O normativo pro ssional Estatuto da OPACC - Ordem dos Auditores e Contabilistas Certi cados Código de Ética e Deontologia Pro ssional da OPACC Código de Ética da IFAC Regulamentos e outros instrumentos pro ssionais da OPACC O Auditor Certi cado no Código das Empresas Comerciais e no Código do Mercado de Valores Mobiliários Situações particulares A independência dos auditores certi cados Os vários níveis de controlo de qualidade Responsabilidades dos Auditores Certi cados Sigilo pro ssional Honorários. *** ELEMENTOS DE CONSULTA PERMITIDOS: Códigos não anotados; Legislação avulsa não anotada, de relevância no domínio das matérias de enquadramento jurídico- scal; Legislação que compõe o Sistema de Normalização Contabilística e de Relato Financeiro, não anotada; Normas Internacionais de Contabilidade e Normas Internacionais de Relato Financeiro; Normas Internacionais de Controlo de Qualidade (ISQC), Auditoria, Revisão, Asseguração e Serviços Relacionados da IFAC - International Federation of Accountants; Normas Internacionais Para a Prática Pro ssional de Auditoria Interna do IIA The Institute of Internal Auditors; Tabela Estatística e Tabelas Financeiras; Estatuto da OPACC - Ordem de Auditores e Contabilistas Certi cados; Código de Ética e Deontologia Pro ssional da OPACC; Código de Ética da IFAC International Federation of Accountants; Regulamentos e outros instrumentos pro ssionais da OPACC; Pode utilizar máquina de calcular não programável. Não é permitida a utilização pelos candidatos, na sala de exame, de meios de telecomunicação, incluindo equipamentos de microinformática. Praia, 1 de Março de 2013 O Presidente do Conselho Técnico, José Mário Sousa

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA AUDITOR CERTIFICADO PROGRAMA DAS MATÉRIAS

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA AUDITOR CERTIFICADO PROGRAMA DAS MATÉRIAS Grupo I Matérias enquadramento geral 1 Economia Geral e da Empresa 1.1 Modelos económicos. Circuito Económico e Fronteira de Possibilidades de Produção. 1.2 Medição da Atividade Económica e das Variáveis

Leia mais

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO PROGRAMA DAS MATÉRIAS

ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO PROGRAMA DAS MATÉRIAS Grupo I Matérias de base contabilístico-financeira 1 Contabilidade Geral e Financeira 1.1 Conceitos fundamentais, Método contabilístico e Sistema de Processamento da Informação Contabilística 1.1.1 A Contabilidade

Leia mais

OBJECTIVOS GERAIS INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO

OBJECTIVOS GERAIS INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO FORMAÇÃO EM CONTROLO INTERNO E AUDITORIA, CONTABILIDADE APROFUNDADA, DIREITO CIVIL E LABORAL, DIREITO COMERCIAL E DAS EMPRESAS COMERCIAIS E FISCALIDADE CABO-VERDIANA INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO Nos termos

Leia mais

INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO

INTRODUÇÃO/ENQUADRAMENTO FORMAÇÃO APROFUNDADA EM CONTABILIDADE FINANCEIRA, CONTROLO DE GESTÃO, ANÁLISE E GESTÃO FINANCEIRA, AUDITORIA FINANCEIRA, AUDITORIA OPERACIONAL E DE GESTÃO E TEORIAS DO COMPORTAMENTO E ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Programas das Unidades Curriculares Mestrado em Contabilidade

Programas das Unidades Curriculares Mestrado em Contabilidade Programas das Unidades Curriculares Mestrado em Contabilidade Contabilidade de Gestão Avançada O papel da Contabilidade de Gestão nas organizações; Introdução aos conceitos e objectivos dos custos; Imputação

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007

MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007 MESTRADO EM CONTABILIDADE 2006-2007 PROGRAMA DAS DISCIPLINAS 1 DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 1º TRIMESTRE Financial Reporting e Normas Internacionais - Harmonização contabilística internacional - Estrutura

Leia mais

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014

Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 www.pwc.pt/academy Formação para executivos, quadros médios e superiores Novembro de 2014 Formação profissional para profissionais. Mobilizar e capacitar profissionais Valorizar conhecimentos, experiências

Leia mais

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA SITUAÇÃO ACTUAL CRITÉRIOS DE RECONHECIMENTO SITUAÇÃO PRÉ - BOLONHA ADAPTAÇÃO A BOLONHA DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2009.1A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ADMINISTRAÇÃO... 4 02 CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA I... 4 03 MATEMÁTICA... 4 04 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 05 NOÇÕES

Leia mais

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO

COMISSÃO DE INSCRIÇÃO COMISSÃO DE INSCRIÇÃO JURI DE EXAME PROVA DE EXAME Artigo 13.º do Regulamento de Inscrição e Exame ANO 2007 2º Grupo de Matérias DATA PROGRAMAS DETALHADOS DOS MÓDULOS QUE INTEGRAM O EXAME DO 2º GRUPO DE

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES ANEXO 01 CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES PERFIL DOS CANDIDATOS 1 2 3 4 de Custos Intermediária Introdução à Adm e Comp Organizacional Economia

Leia mais

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos Contabilidade Geral 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Objeto e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004.

RESOLUÇÃO. Esta Resolução entra em vigor nesta data, revogadas as disposições contrárias. Campinas, 16 de novembro de 2004. RESOLUÇÃO CONSEAcc CPS 3 /2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE CAMPINAS, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de Campinas,

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 083/2003 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

RESOLUÇÃO CONSEPE 083/2003 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. RESOLUÇÃO CONSEPE 083/2003 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1ª EDIÇÃO I/2011 EDITAL EXAME DE SUFICIÊNCIA N

DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1ª EDIÇÃO I/2011 EDITAL EXAME DE SUFICIÊNCIA N ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1ª EDIÇÃO I/2011 EDITAL EXAME DE SUFICIÊNCIA N.º 01/2010)) 1. CONTABILIDADE GERAL a) A Escrituração Contábil:

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E FISCALIDADE COM OPÇÃO DE SIMULAÇÃO EMPRESARIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E FISCALIDADE COM OPÇÃO DE SIMULAÇÃO EMPRESARIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E FISCALIDADE COM OPÇÃO DE SIMULAÇÃO EMPRESARIAL As exigências e complexidade crescentes com que se deparam as empresas e organizações em geral, requerem da parte

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Ano Lectivo 2011-2012 Parte I Introdução 1 Economia: conceito, objecto e método 2 Organização da actividade económica 3 Breve história da economia e dos sistemas económicos Parte II Microeconomia 4 O comportamento dos consumidores

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS

MATRIZ CURRICULAR CIÊNCIAS CONTÁBEIS Curso: Graduação: Regime: Duração: CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS -

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PROGRAMA DAS CADEIRAS

PROGRAMA DAS CADEIRAS MESTRADO EXECUTIVO EM GESTÃO COM ESPECIALIZAÇÃO EM FINANÇAS PROGRAMA DAS CADEIRAS 1º CICLO ESTRATÉGIA TRONCO COMUM Compreender a importância do raciocínio estratégico, mais formal ou menos formal Desenhar

Leia mais

RESOLUÇÃO. São Paulo, 18 de novembro de 2004. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. São Paulo, 18 de novembro de 2004. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc - SP 006/2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus CONSEAcc, do câmpus de

Leia mais

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre Trabalho de Grupo Contabilidade Geral 1 Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre 1 1 Objectivo Pretende-se com o presente trabalho que os alunos procedam a uma análise sintética do Novo Sistema de Normalização

Leia mais

CURRICULUM VITAE ELEMENTOS PESSOAIS HABILITAÇÕES LITERÁRIAS

CURRICULUM VITAE ELEMENTOS PESSOAIS HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CURRICULUM VITAE ELEMENTOS PESSOAIS Nome: André Filipe Antunes de Sousa Tavares HABILITAÇÕES LITERÁRIAS o Licenciatura em Gestão pela Cooperativa de Ensino Universidade Lusíada do Porto, finalizada a 27

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 9ª Edição 2º semestre 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Após três exercícios em que a entrada em vigor de novas normas e alterações às existentes

Leia mais

RESOLUÇÃO. Itatiba, 17 novembro de 2004. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Itatiba, 17 novembro de 2004. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc - IT 12/2004 APROVA AS EMENTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÂO DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Itatiba, no

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Gestão e Administração de Serviços de Saúde 1.º ANO 1º SEMESTRE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE TOMAR. Gestão e Administração de Serviços de Saúde 1.º ANO 1º SEMESTRE Gestão e Administração de Serviços de Saúde 1.º ANO 1º SEMESTRE Conceitos básicos em ciência económica. Contabilidade nacional como técnica de medição da actividade económica. Diferentes correntes de pensamento

Leia mais

CONTABILIDADE E FISCALIDADE

CONTABILIDADE E FISCALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE 2015-2016 2 PÓS-GRADUAÇÃO CONTABILIDADE E FISCALIDADE COORDENAÇÃO Prof. Doutor Eduardo Barbosa do Couto Mestre António Samagaio APRESENTAÇÃO Este curso de Pós-Graduação

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO. I Série SUMÁRIO. Número 48. Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008 I Série Número 48 BOLETIM OFICIAL 3.º SUPLEMENTO MINISTÉRIO DA FINANÇAS: Portaria nº 49/2008: Aprova o Código de Contas do Sistema de Normalização Contabilístico e

Leia mais

CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE

CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE CAPÍTULO I A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE ÍNDICE A ORGANIZAÇÃO ÍNDICE DA CONTABILIDADE Capítulo I - A ORGANIZAÇÃO DA CONTABILIDADE 1. As necessidades de Informação nas empresas... 27 2. O ciclo contabilístico...

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO:

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Apresentação A Comissão de Normalização Contabilística aprovou em Julho de 2007 o projecto do novo Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

344 Contabilidade e Fiscalidade

344 Contabilidade e Fiscalidade 344 Contabilidade e Fiscalidade A Inspeção Tributária nas Empresas Empresários, Diretores, Técnicos Oficiais de Contas. Não existentes. Formação Continua. Destinatários Requisitos de acesso Modalidade

Leia mais

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A

INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA - IES DECLARAÇÃO ANUAL. PERGUNTAS & RESPOSTAS Anexo A. Formulários ANEXO A Formulários ANEXO A 90) QUAL É A UNIDADE MONETÁRIA A CONSIDERAR PARA PREENCHIMENTO DA IES? O preenchimento deve ser efetuado em euros, com duas casas decimais. 91) COMO DEVO PREENCHER O QUADRO 02-A? Este

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Financeira e Controladoria Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Financeira e Controladoria tem por objetivo o fornecimento

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

MBA CONTROLES INTERNOS (COMPLIANCE)

MBA CONTROLES INTERNOS (COMPLIANCE) MBA CONTROLES INTERNOS (COMPLIANCE) Disciplinas Carga horária Gestão de Pessoas 12 Ética Empresarial 15 Cálculos Financeiros 18 Estatística 30 Contabilidade Societária e para Instituições Financeiras (com

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão

Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Pós-Graduação Governança dos Negócios: Direito, Economia e Gestão Turmas de Agosto de 2014 Início das Aulas: 18/08/2014 Termino das Aulas: 31/08/2015 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL

CAPÍTULO II - A CONTABILIZAÇÃO DO IMPOSTO SOBRE OS LUCROS SITUAÇÃO INTERNACIONAL AGRADECIMENTOS... NOTA PRÉVIA... ABREVIATURAS... RESUMO... PREFÁCIO... INTRODUÇÃO... BREVE ABORDAGEM DA PROBLEMÁTICA E OBJECTIVOS DO ESTUDO... METODOLOGIA... PLANO DA INVESTIGAÇÃO... PARTE I - AS RELAÇÕES

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NO SECTOR NÃO LUCRATIVO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NO SECTOR NÃO LUCRATIVO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NO SECTOR NÃO LUCRATIVO Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão 1 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo de harmonização

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS ANALISTA DO SEGURO SOCIAL CONHECIMENTOS BÁSICOS VOLUME I ÍNDICE Língua Portuguesa 1 Compreensão e interpretação de textos.... 1 2 Tipologia textual.... 10 3 Ortografia

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO

CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO CENTRO DE CARIDADE NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO Demonstrações Financeiras 31 de Dezembro de 2014 Índice Balanço... 3 Demonstração dos Resultados por Naturezas... 4 Demonstração dos Fluxos de Caixa...

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas

Exame para Contabilista Certificado. Contabilidade Financeira Aprofundada. Duração: 2 horas Nome: Nº do BI/ Passaporte Duração: 2 horas Leia atentamente as questões. Depois, coloque no quadradinho que fica na parte superior direito de cada questão, a alínea correspondente à melhor resposta. Se

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira

EXEMPLO. Prática Financeira II Gestão Financeira EXEMPLO Tendo em conta as operações realizadas pela empresa CACILHAS, LDA., pretende-se a elaboração da Demonstração de fluxos de caixa, admitindo que o saldo de caixa e seus equivalentes, no início de

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Turno: MATUTINO/NOTURNO Matutino Currículo nº 8 Noturno Currículo nº 8 Reconhecido pelo Decreto n 83.799, de 30.07.79, D.O.U. de 31.07.79 Renovação de Reconhecimento Decreto

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

MBA CONTROLADORIA, FINANÇAS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

MBA CONTROLADORIA, FINANÇAS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO MBA CONTROLADORIA, FINANÇAS E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 1. APRESENTAÇÃO O curso de MBA em Controladoria, Finanças e Planejamento Tributário desenvolvido pela FAACZ visa oferecer aos participantes instrumentais

Leia mais

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira

INTRODUÇÃO. Análise Financeira. Gestão Financeira INTRODUÇÃO 1 Análise Financeira Dar a conhecer a situação económico-financeira e monetária A partir de documentos de informação contabilística Situação financeira Equilíbrio Financeiro, Solvabilidade,

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Desafios da Gestão Financeira

Desafios da Gestão Financeira Desafios da Gestão Financeira Agenda Gestão de Parques Habitacionais Sistema de Normalização Contabilística aplicável às Administrações Públicas (SNC-AP) Gestão de Parques Habitacionais Sistema de Gestão

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO -

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO - CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FISCALIDADE - REGULAMENTO - Artigo 1.º Objecto O presente regulamento enquadra e estabelece as regras de funcionamento do curso de pós-graduação em fiscalidade, organizado pelo

Leia mais