Empresas. Caixa INTERNACIONALIZAÇÃO. Negócios de sucesso em Cabo Verde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empresas. Caixa INTERNACIONALIZAÇÃO. Negócios de sucesso em Cabo Verde"

Transcrição

1 Caixa Empresas Esta revista faz parte integrante do Diário Económico nº 5326 de 22 de Dezembro de João Manuel Ribeiro?? Ramirez Grupo Oásis Atlântico DR Central Lobão João Manuel Ribeiro INTERNACIONALIZAÇÃO Negócios de sucesso em Cabo Verde

2

3 Índice Pág. 4 e 5 ENQUADRAMENTO CABO VERDE: A ILHA QUE ESPERA PELOS PORTUGUESES Pág. 6 e 7 CASE-STUDY GRUPO OÁSIS ATLÂNTICO: DESTINO DE PRAIA E NEGÓCIOS Pág. 8 e 9 CASE-STUDY CENTRAL LOBÃO: FERRAMENTAS QUE SE MOLDAM Pág. 10 e 11 CASE-STUDY RAMIREZ: INOVAR NA TRADIÇÃO CONSERVEIRA Pág. 12 e 13 ENTREVISTA NUNO FERNANDES THOMAZ, PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO BEM COMUM Pág. 14 INICIATIVAS APOIO CAIXA: NA PRIMEIRA LINHA DO EMPREENDEDORISMO Pág. 15 AGENDA EVENTOS DE JANEIRO A MARÇO DE 2012

4 ENQUADRAMENTO CABO VERDE A ilha que espera pelos CAIXA EMPRESAS DEZEMBRO Trajectória de crescimento e grande simpatia por quem chega de Portugal: motivos de peso para Cabo Verde entrar na rota dos nossos empreendedores. Cabo Verde é hoje um dos bons destinos para os empresários portugueses investirem. Quatro factores essenciais explicam este excelente potencial: bom clima económico, afinidade cultural, estabilidade política e as próprias oportunidades do mercado. O primeiro critério a ter em conta em qualquer investimento é a economia local. Cabo Verde oferece perspectivas optimistas. Os principais indicadores económicos disponíveis crescimento real do PIB, inflação e taxa de câmbio média confirmam uma trajectória de crescimento. A reforçar este contexto está a legislação que o Estado adoptou para incentivar o investimento externo, em especial em matéria de impostos. Com efeito, são várias as disposições que conferem isenções e benefícios fiscais aos estrangeiros que queiram implementar o seu negócio em Cabo Verde, de que são exemplo a isenção de tributação de lucros e dividendos durante cinco anos, sempre que reinvestidos; a isenção de tributação de amortizações e juros correspondentes a operações financeiras; e a taxa de imposto único sobre rendimentos de dez por cento a partir do sexto ano (sem prejuízo de condições mais favoráveis acordadas com o Estado). Como não há negócios sem pessoas e o seu relacionamento é primordial, os portugueses têm vantagem sobre todos os outros potenciais investidores neste arquipélago africano. A Língua comum e a relação afectuosa nunca quebrada entre os dois países facilitam toda a movimentação dos portugueses em Cabo Verde e fazem com que estes sejam bem-vindos. Com uma economia que está a crescer e quer captar investimento estrangeiro e um povo de braços

5 Infografia: Mário Malhão portugueses O TURISMO é o sector mais óbvio de investimento em Cabo Verde, mas as confecções, o calçado, os transportes e as telecomunicações também constituem grande potencial de negócio. abertos para os portugueses, a estabilidade política surge como o elemento de consolidação, que permite encorajar, em definitivo, o empreendedorismo neste território. Para a consultora Economist Intelligence Unit, Cabo Verde será o país africano politicamente mais estável no biénio Finalmente, o próprio mercado é convidativo ao investimento, apesar do rendimento per capita da população do país ser modesto. A concorrência é grande (designadamente a espanhola e a italiana, em especial no turismo), mas não esgotou a capacidade de absorção de Cabo Verde. O turismo e as actividades conexas (construção civil e imobiliário), que podem tirar proveito da magnífica localização geográfica do arquipélago, surgem como o sector mais óbvio de investimento. No entanto, existem outras áreas de negócio com grande potencial, como indica a Câmara de Comércio, Indústria e Serviços Portugal Cabo Verde: das confecções, calçado e artigos de pele, passando pelos transportes e as telecomunicações. A Caixa em Cabo Verde O Grupo Caixa tem uma presença muito forte em Cabo Verde, sendo um agente económico incontornável daquele país. Dois dos três maiores bancos no território (incluindo o líder de mercado) pertencem ao universo CGD. O Banco Comercial do Atlântico (BCA) é o principal banco do arquipélago (de direito cabo-verdiano) com quotas de mercado superiores a 50% e é maioritariamente detido pela Caixa (59,17%). É hoje um motor de dinamização da economia, tendo também um papel importante na área da responsabilidade social. Presta serviços de banca universal, dando especial enfoque aos segmentos da emigração cabo- -verdiana, dos particulares e das empresas, com quem mantém uma relação e grande proximidade graças à sua extensa rede. Já o Banco Interatlântico (BI) é de direito privado, estando cotado como o terceiro do sistema financeiro de Cabo Verde. Porém, foi eleito como o melhor banco daquele país pelo terceiro ano consecutivo (pela revista World Finance). Estrategicamente, posiciona-se como banco de referência e preferência do sector empresarial e institucional, assim como dos particulares de rendimento alto. Entre BCA e BI, a Caixa está presente em todas as ilhas do arquipélago, com um total de 41 agências. Visite sas INTERNACIONALIZAÇÃO: NEGÓCIOS DE SUCESSO EM CABO VERDE 5

6 Maquete da nova unidade hoteleira do Grupo em Cabo Verde, o Hotel Salinas Sea CASE-STUDY GRUPO OÁSIS ATLÂNTICO Piscina do Hotel Oásis Atlântico Belorizonte DR Esplanada do resort de Porto Grande DR DR Destino de praia e negócios CAIXA EMPRESAS DEZEMBRO Férias em família ou reuniões de trabalho num local inspirador? A oferta versátil do Grupo Oásis Atlântico não separa estes dois universos. O expoente máximo deste modelo inovador abre as portas já em Arrojada no conceito. É como se pode classificar a nova unidade hoteleira que o Grupo Oásis Atlântico Portugal vai disponibilizar já em 2012 e que contou com o financiamento integral do Grupo Caixa. O Salinas Sea constitui a prova edificada de que a separação absoluta entre lazer e negócios é uma opção e não uma inevitabilidade. Este resort de cinco estrelas, que se situará na Ilha do Sal, possui áreas para a prática de actividades de lazer em família ao ar livre (zonas zen, mini-anfiteatro, massagens, zonas de leitura e de música, espaços de água e fogo, jacuzzi) e, paralelamente, modernas salas de conferência, soluções de apoio aos clientes de negócios, atendimento VIP na chegada e na partida. Mário Antão, administrador executivo do Grupo Oásis Atlântico, explica como Cabo Verde e os hotéis do grupo podem ser o local ideal para esta fusão: Nada mais agradável para alguém que está em negócios do que uns momentos de descontracção num bom resort. Os nossos empreendimentos actuais e futuros, em primeira linha de frente de mar, nas melhores praias do país e, simultaneamente, próximos dos grandes centros, permitem esse privilégio. Com um traço que combina inspiração tropical e influências asiáticas, o Salinas Sea disporá de quartos, com e sem portas comunicantes, e suítes. O desenho do empreendimento contempla ainda expectativas de rentabilidade de investidores individuais e institucionais, cujo melhor exemplo são os fundos de pensões ingleses. O Grupo CGD teve um papel fulcral na criação deste empreendimento, já que financiou todo o projecto (através da Caixa Geral de Depósitos, do Banco Interatlântico e do Banco Comercial Atlântico). Um acompanhamento permanente em todo o investimento da Oásis Atlântico em Cabo Verde, conforme realça Mário Antão: O Grupo Caixa constituiu-se num parceiro estratégico para o desenvolvimento dos negócios, permitindo a alavancagem financeira controlada da nossa actividade e a consolidação do Grupo, quer na vertente imobiliária, quer hoteleira. Do lazer aos negócios O que hoje é uma holding, com várias empresas imobiliárias e várias unidades hoteleiras, nasceu, casualmente, num passeio de amigos (empresários) em 1990, durante umas férias em Cabo Verde. Num fim de tarde em Santa Maria (Ilha do Sal), uma casa emblemática chamou a atenção deste grupo de turistas, de tal forma que, fiéis ao espírito da sua profissão, tiveram a ideia de a comprar. Ao procurar o proprietário para poder concretizar a compra, os empresários portugueses constataram que o imóvel pertencia à Companhia de Fomento, então uma das maiores proprietárias imobiliárias da ilha. O sentido de oportunidade fê-los adquirir não apenas essa casa, mas todas as que pertenciam à Companhia do Fomento, por via da compra da empresa. O seu património imobiliário e o preço conseguido levou-os a decidirem iniciar a actividade empresarial em Cabo Verde. Nos anos seguintes, estes empresários investiram directamente na compra de hotéis (Porto Grande e, num processo de privatização, Praia Mar, Belorizonte e Xaguate). O mercado imobiliário e turístico de Cabo Verde encontrava-se então numa fase embrionária, pelo que as oportunidades eram muitas mas as dificuldades também. Não havia uma cadeia de valor definida, os fornecedores quase não existiam e os clientes tinham um perfil bastante distinto dos actuais (eram maioritariamente portugueses e italianos), recorda o administrador executivo da Oásis. Em 1998 é criado o Grupo Oásis Atlântico Portugal, sendo o turismo o elo de ligação entre os seus negócios, sempre localizados em países de língua oficial portuguesa. A lógica de grupo é dominante, visto que cada novo empreendimento é pensado de forma integrada, de modo que cada parte contribua para o todo, visando atingir dois objectivos ambiciosos: um período de recuperação do investimento mais curto (comparado com o negócio hoteleiro tradicional) e uma rentabilidade supranormal nos projectos de promoção imobiliária que reforçam a rede hoteleira. O conceito de Férias em Família é uma das imagens de marca do Grupo. Todas as nossas unida-

7 Suíte presidencial do Hotel Oásis Atlântico Praiamar DR des oferecem condições que contemplam o bem- -estar para um largo segmento etário; assim, avós, pais, filhos e netos têm factores motivacionais e actividades específicas, além de espaços e momentos de convívio conjunto. Esses espaços até podem ser quartos e suítes capazes de albergar famílias inteiras sem qualquer prejuízo da componente conforto. Em 2012, com a abertura do quinto hotel em Cabo Verde, o Grupo Oásis Atlântico passará a deter um total de sete unidades (duas das quais no Brasil) e várias empresas imobiliárias (nos dois países). Na área imobiliária os seus clientes são de diferentes nacionalidades: sobretudo ingleses, mas também espanhóis, alemães, americanos, franceses e chineses. Na área da hotelaria têm como clientes portugueses, franceses, nórdicos, espanhóis, checos, húngaros e ingleses. Ao todo, a Oásis Atlântico emprega 647 pessoas, promovendo o mérito e a circulação dos seus funcionários, de que é exemplo o facto de, até há bem pouco tempo, um colaborador cabo-verdiano ter sido o director regional do Brasil. Para Mário Antão, as mais-valias do mercado de turismo hoteleiro em Cabo Verde são a proximidade aos mercados emissores (fica a três horas e meia de Lisboa e a seis de Londres), o clima e as praias, a cultura e a simpatia dos cabo-verdianos, a segurança e o regime democrático. Em todo o investimento do Grupo Oásis, a Caixa tem um papel determinante, uma vez que, conforme refere este empresário, através dos bancos por si participados apoia a actividade comercial local e colabora no financiamento estrutural sempre que necessário. Neves António Mário Antão, administrador executivo do Grupo Oásis Atlântico DSO 7

8 CASE-STUDY CENTRAL LOBÃO Almerindo Silva, presidente do Conselho de Administração da Central Lobão Ferramentas que se moldam CAIXA EMPRESAS DEZEMBRO Quem trabalhar na agricultura em Cabo Verde poderá fazê-lo com utensílios exclusivos para aquele país. Criados por uma empresa portuguesa de bricolage que está a conquistar cada vez mais espaço no mercado das ilhas. De uma pequena loja no distrito de Aveiro à distribuição em grande escala no mercado internacional. Do comércio a retalho de produtos agrícolas e pequenas ferramentas ao fabrico de ferramentas manuais, ferramentas eléctricas e material eléctrico e de iluminação. O traço expansionista da Central Lobão, em mais de duas décadas de existência, é o retrato perfeito de um Empresário em Nome Individual (ENI) que soube projectar o seu negócio ao estatuto de PME. O processo de internacionalização desta empresa teve início na década de 90, justamente em Cabo Verde. A escolha resultou da conjugação de diversos factores, como a estabilidade política e económica, as perspectivas de crescimento acelerado e a facilidade de comunicação em virtude de existir uma língua comum, refere Almerindo Silva, presidente do Conselho de Administração da Central Lobão. A Caixa Geral de Depósitos assumiu o protagonismo nesta etapa da vida da empresa e, ao longo da nossa história, tem sido sempre um parceiro confiável e essencial ao nosso sucesso; o processo de internacionalização não foi excepção, afirma Almerindo Silva. Como o plano de investimentos não contemplava a presença física (instalações) no país, a procura dos parceiros de negócio ideais e a captação do seu interesse representaram as grandes preocupações e, simultaneamente, a grande dificuldade na entrada no mercado cabo-verdiano. Deste modo, a presença no país é assegurada através dos grandes distribuidores locais que, não só garantem a distribuição, como também possuem pontos de venda para o consumidor final. Territorialmente, a Central Lobão vende produtos em quase todas as dez ilhas do arquipélago. Sem deixar de ser fiel ao conceito original, esta empresa adaptou a oferta ao mercado de Cabo Verde e desenvolveu algumas soluções específicas nas ferramentas para a agricultura. O material eléctrico e de iluminação e as ferramentas eléctricas e manuais são os produtos mais comercializados naquele país africano. Para o responsável máximo desta PME, uma das grandes vantagens deste mercado é ter um enorme potencial no sector do turismo, sendo que os projectos actualmente a decorrer, em fases e em ritmos distintos, asseguram, ainda, um nível de desenvolvimento muito interessante. A evolução da facturação, mesmo num momento sensível da economia, revela a receptividade daquele mercado africano. De 2009 para 2010, o crescimento foi de 22 por cento (de 900 mil euros para 1,1 milhões de euros) e, para 2011, estima-se que rondará os 36,4 por cento. O apoio da Caixa ao negócio é diário e transversal. A CGD é uma instituição líder com uma oferta global, que além dos produtos necessários ao dia-a-dia de uma empresa com presença em distintos mercados, tem um significado acrescido no apoio ao investimento que a Central Lobão tem realizado, sintetiza, deste modo, Almerindo Silva.

9 Origem familiar A loja de 12 m 2 situada no Lobão (freguesia a 12 km de Santa Maria da Feira), sabiamente gerida por António Silva, constitui a génese do que é hoje a Central Lobão. O seu falecimento, em 1984, obrigou o seu filho, Almerindo Silva, a tomar conta do negócio e a redimensioná-lo. A aposta centrou-se na diversificação de produtos e na distribuição por grosso. Quatro anos mais tarde, é formalmente constituída a Central de Ferragens S. Tiago de Lobão, Lda., e, uma década depois, em 1999, ocorre a definitiva mudança: a transformação em sociedade anónima e a alteração do nome para Central Lobão Ferramentas Eléctricas, S.A. Esta PME Líder criou três marcas a ASLO (ferramentas eléctricas, material eléctrico e de iluminação), a VITO (ferramentas manuais) e a ITOOLS (ferramentas eléctricas e manuais para o segmento Faça você mesmo ). O leque de produtos e serviços é quase inumerável, tal a sua extensão, abrangendo ferramentas de pequeno porte (como alicates, martelos, chaves de fendas) até máquinas de médio porte (como geradores e compressores). Ao longo desta evolução, a empresa teve de adaptar as suas instalações. Fruto de um avultado investimento, a empresa passou a situar-se, desde Fotos: João Manuel Ribeiro Oferta variada. Ferramentas para a agricultura, ferramentas eléctricas e manuais, material eléctrico e de iluminação são produtos de eleição em Cabo Verde. 2009, numa ambiciosa plataforma logística com uma área total de m 2 e uma área coberta de m 2, dotada de tecnologia de ponta nos equipamentos e processos logísticos. Em Cabo Verde, em Portugal ou noutros destinos para onde também se expandiu (Espanha, Venezuela, Angola, Moçambique, Guiné e São Tomé), a receita do administrador da Central Lobão é a mesma: Confiança, convicção, perseverança e, claro, qualidade nos produtos. De olho no turismo A Central Lobão investe, também, na área do turismo, detendo dois hotéis no arquipélago (em Santiago Cidade da Praia), o que se traduz na existência de 80 postos de trabalho. A oferta hoteleira será alargada de 80 para 140 quartos, por força de dois novos projectos: a ampliação de um hotel já existente e a construção de um aparthotel, num investimento total de nove milhões de euros. Na área imobiliária, está ainda em curso a construção de 40 apartamentos. Oferta comércio e serviços Com oferta completa e integrada na gestão do seu negócio no curto, médio e longo prazos, a Caixa assegura-lhe benefícios únicos de onde se destacam os seguintes: TPA netcaixa com redução até 40% nas mensalidades e descontos sobre a comissão transaccional (mediante adesão conjunta aos seguintes produtos e serviços: TPA netcaixa, Conta DO netcaixa, domiciliação de pagamentos, Caixa E-banking, Serviço GAT, Limites de Curto Prazo, Caixa Maistesouraria, Seguros de Protecção de Negócio, Multirriscos e Acidentes de Trabalho), sem deixar de beneficiar da totalidade de um serviço ajustado às necessidades do seu negócio; Serviço de Gestão Automática de Tesouraria (GAT) que, através da associação de três contas (conta à ordem, conta poupança e conta corrente) permite, no final do dia, a gestão automática de tesouraria, com transferência de fundos entre contas, em função da necessidade ou excesso de liquidez, e com ganhos de tempo e eficiência para o negócio; Desconto Comercial para apoio à actividade comercial através do desconto de letras, com financiamento das necessidades de exploração do seu negócio; Soluções de poupança com taxas competitivas, diferentes soluções de prazo (1, 3, 6 e 12 meses) e com total comodidade por subscrição, em exclusivo no serviço Caixa E-banking; Seguros da Companhia de Seguros Fidelidade Mundial, em condições vantajosas e desenhados para a actividade comercial; Soluções web para o seu negócio, em parceria com a YUNIT. Para mais informações aceda a Visite ainda uma Agência ou Gabinete Caixa Empresas. INTERNACIONALIZAÇÃO: NEGÓCIOS DE SUCESSO EM CABO VERDE 9

10 CASE-STUDY RAMIREZ Inovar na tradição conserveira CAIXA EMPRESAS DEZEMBRO A confiança passada entre gerações permite à Ramirez um lugar de referência num mercado onde a oferta de peixe fresco é forte. Atum e sardinha são os produtos mais procurados. O consumo per capita de peixe em Cabo Verde é de cerca de 16 kg/ ano, o que perfaz um total que ronda as 13,4 mil toneladas de peixe. Conhecedora desta realidade de um país rodeado pelo mar, a Ramirez tem, há várias décadas, Cabo Verde como um dos destinos de exportação das suas conservas. O atum e a sardinha (confeccionados de diferentes formas) predominam numa lista de três dezenas de produtos, que inclui bacalhau em lata com azeite e alho, polvo, lulas, saladas de atum com vegetais, mexilhões, entre outros. A empresa de Matosinhos vem dinamizando a presença no mercado cabo-verdiano e fê-lo em duas vagas. Primeiro, na década de 90, quando contratou um agente comissionista para aprofundar e diversificar geograficamente a presença da marca no território, e nos últimos três anos, em que se registou uma intensificação desse esforço. Nesse primeiro período de crescimento, o apoio da Caixa teve especial relevo, como refere Manuel Ramirez, administrador para a área do mercado externo da Ramirez, isto porque os pagamentos internacionais eram muito regulamentados na base de cartas de crédito e/ou remessas documentárias e, por vezes, em moeda estrangeira. A Ramirez opera em todos os segmentos do mercado (armazenistas, retalhistas e supermercados) e vende directamente para a capital, Cidade da Praia, na Ilha de Santiago. A intenção da empresa centenária é estabelecer comércio directamente com todo o arquipélago (agora só o faz indirectamente), através da criação de uma rede de importadores. Manuel Ramirez assinala três factores que tornam Cabo Verde num destino de grande potencial para os negócios da Ramirez: A preferência do consumidor cabo-verdiano típico, a forte componente turística que procura e aprecia a nossa gama e, também muito importante, a comunidade residente em Portugal de grande fidelização à nossa marca. O volume de negócios em Cabo Verde tem evoluído positivamente (de 200 mil euros em 2009 para 250 mil euros em 2010), e a meta para os próximos três anos é um crescimento anual de 20 por cento. Desde o primeiro momento em que as conservas Ramirez atravessaram o Atlântico para as mesas do país das mornas e do funaná que o Grupo Caixa tem sido importante: Perde-se no tempo o início da internacionalização da Ramirez no mercado de Cabo Verde, e seguramente foi muito importante a colaboração da Caixa Geral de Depósitos, incluindo o antigo Banco Nacional Ultramarino, que foi um dos principais bancos da empresa durante mais de cem anos, afirma este administrador. A Caixa continua hoje a ser um dos principais bancos da empresa, possibilitando as cartas de crédito e as remessas documentárias, sempre tão importantes na exportação. Manuel Ramirez sublinha que a presença directa da CGD no mercado de Cabo Verde é uma mais-valia que a Ramirez quer continuar a aproveitar no desenvolvimento dos negócios para aquele mercado. 158 anos Atum Ramirez, a carne do mar poucos são os que, com mais de 30 anos, não se lembram do emblemático reclame ao atum mais famoso de Portugal. Porém, já ninguém poderá testemunhar o nascimento da Fábrica de Conservas porque ocorreu no longínquo ano de De matriz familiar, a Ramirez é a fábrica da especialidade mais antiga do mundo em laboração. Começou por estar localizada em Vila Real de Santo António, Olhão, Albufeira e Setúbal. Resistindo a todas as conjunturas sociais e financeiras, a Ramirez fez da permanente inovação, da qualidade do produto e de uma sólida política de marca as suas grandes armas comerciais. Hoje, está presente em 45 países dos cinco continentes. A Ramirez dispõe de duas unidades fabris (em Matosinhos e em Peniche), que concebem quase meia centena de produtos: das sardinhas e do atum às especialidades e aos pratos pré-cozinhados, como os atuns com vegetais em várias receitas. Um dos grandes factores de competitividade (o melhor custo dos produtos) deve-se à inovação ao nível dos processos mediante o desenvolvimento de novas tecnologias ou da adopção de tecnologias surgidas no mercado. O administrador para a área do mercado externo realça que a fidelização dos clientes tem sido conseguida graças à inovação dos produtos, mas também à manutenção de Fotos: João Manuel Ribeiro Manuel Ramirez, administrador para a área do mercado externo da Ramirez um nível de qualidade e de segurança alimentar amplamente reconhecido pelo mercado. A história da Ramirez cruza-se amiúde com a do universo Caixa. A conserveira foi mesmo um dos accionistas de referência do BNU nas primeiras décadas do século XX. Mais tarde, para a dinâmica de internacionalização da empresa, em especial nos países de língua portuguesa, foi determinante a implantação da Caixa em todo o mundo. No presente, os produtos e serviços mais utilizados são o apoio à tesouraria (Programas de Papel Comercial, Crédito em Conta Corrente, desconto de remessas, Créditos Documentários), o apoio ao investimento (leasing mobiliário, leasing imobiliário) e a assistência comercial. Esta última assume particular importância nos países geograficamente mais distantes, nomeadamente Cabo Verde. Na última década, para o mercado cabo-verdiano, temos beneficiado de forma crescente do relacionamento com a CGD, afirma Manuel Ramirez.

11 BCA: credibilidade reconhecida Três importantes distinções obtidas durante os anos de 2010 e 2011 confirmam a qualidade e o prestígio do Banco Comercial do Atlântico (BCA). A conceituada revista inglesa emeafinance elegeu o BCA como o melhor banco a operar em Cabo Verde em 2010, colocando-o no quadro de honra das melhores instituições bancárias de 25 países africanos. Já a Afrosondagem, empresa cabo-verdiana de estudos de opinião, atribuiu nos últimos dois anos o Selo Morabeza à marca BCA, certificando-a com a significativa menção de marca de maior confiança no sistema financeiro daquele arquipélago.??? INTERNACIONALIZAÇÃO: NEGÓCIOS DE SUCESSO EM CABO VERDE 11

12 ENTREVISTA NUNO FERNANDES THOMAZ PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO FUNDO BEM COMUM O Fundo não empresta dinheiro, financia projectos de empreendedorismo CAIXA EMPRESAS DEZEMBRO C onsciente de que há capital humano não aproveitado acima da fasquia dos 40 anos e confiante na capacidade das pessoas em concretizar projectos com valor económico para o país, o Fundo Bem Comum propõe-se a financiar iniciativas empresariais lideradas por quadros médios ou superiores em situação laboral precária ou na iminência do desemprego. Uma missão que tem tanto de fomento do empreendedorismo, como de combate à exclusão social. A Caixa é um dos seus investidores. Qual a missão do Fundo Bem Comum? O Fundo Bem Comum foi promovido pela ACEGE Associação Cristã de Empresários e Gestores, que desde sempre se preocupou com os vários estados de sofrimento social: exclusão social, pobreza e, sobretudo, o desemprego. Sentindo que tínhamos de passar das palavras aos actos, decidimos promover a criação de um fundo de capital de risco que tivesse uma mais-valia especial na pedagogia e criação de emprego. Um fundo para combater um dos maiores, senão o maior paradoxo da actualidade: quanto maior é a expectativa de vida fisiológica, menor é a expectativa de vida profissional. Hoje vive-se até aos 80 anos, mas se a partir dos 40 anos se fica desempregado, só com dificuldade se consegue voltar a ter emprego. Quais os mecanismos que oferece? O Fundo oferece financiamento a projectos cujos promotores sejam quadros médios ou superiores no desemprego ou em situação laboral precária. Não tem sectores preferenciais apenas exclui três: armamento, imobiliário e financeiro. E oferece aos promotores a formação e o acompanhamento de gestão nas suas várias fases. Como é que se acede ao Fundo e quais os critérios de selecção de um projecto? O Fundo tem um site que explícita o que é necessário fazer para apresentar uma candidatura As candidaturas têm duas fases de avaliação. Numa primeira fase, sob três critérios: conceito do negócio, o perfil do promotor e a proposta de valor para o mercado. Passando esta etapa, entra-se numa outra avaliação, mais fina, em quatro dimensões: mercado e competitividade, qualidade das projecções financeiras, capacidade da equipa de gestão e o risco potencial. Este último aspecto justifica-se pelo rigor financeiro que o Fundo põe na sua gestão rigor que pede meças às melhores práticas do sector. É possível a um projecto que não tenha sido aprovado por ter apenas algumas lacunas não ser desperdiçado, ou seja, depois de melhorado ser viabilizado? A outra das missões do Fundo é a criação de uma plataforma de aconselhamento e de reencaminhamento dos projectos que nós consideremos com mérito e sustentabilidade, mas que não caibam no nosso âmbito de aprovação. Esses projectos são reencaminhados para os nossos investidores entre os quais está, desde a primeira hora, a Caixa Geral de Depósitos ou para outras instituições ligadas ao empreendedorismo. Qual é o tempo médio de avaliação de um projecto? Como cada projecto é um caso, não há um tempo médio rígido. Até porque muitas vezes é necessário recorrer a avaliações exteriores, cuja demora não depende de nós. No que depender de nós, e sem prejuízo do rigor, a avaliação é rápida. Quais as regras após a aprovação, no financiamento e pós-financiamento? O Fundo não empresta dinheiro, financia projectos de empreendedorismo, e é isto que, numa primeira análise, o distingue da actividade bancária. Não fazemos apoios de tesouraria para sanear situações financeiras do passado. Queremos, preferencialmente, que seja um projecto de raiz, com um time-to-market de um ano, e com uma componente inovadora e um factor de diferenciação do que já existe. Para isso, logo à partida oferecemos aconselhamento ao promotor tendente ao melhoramento do seu business plan, e depois disponibilizamos para cada projecto o coaching adequado a uma correcta gestão. O Fundo admite entrar até 33 por cento do capital social, não mais pois não queremos assumir a gestão do projecto, mas consideramos outras formas de financiamento, nomeadamente através de suprimentos ou de prestações acessórias. Não pedimos garantias reais outro factor de distinção do financiamento

13 José António Domingues bancário e projectamos o reembolso entre o 4.º e o 7.º ano de vida do projecto. Qual o valor máximo que os projectos podem ter? Não há limites rígidos. Mas há um figurino protótipo dos projectos, que podem variar entre os 100 e os 350 mil euros. Não consideramos candidaturas de dimensão muito inferior tipo 20/40 mil euros pois já cabem no âmbito do microcrédito. E o Fundo em si será dinâmico? Com o sucesso que sejamos capazes de obter nesta primeira fase, pretendemos que se iniciem novas fases, com mais investimentos, mais projectos e, porque não, mais investidores. Como é concretizado o acompanhamento de cada empreendedor, o tal coaching? Este acompanhamento é tão importante como a aprovação do projecto. E é feito de dois modos: primeiro, através de um sistema de informação de gestão que seja aplicável a todos os projectos, para os podermos monitorizar e avaliar da sua evolução; depois, granjeando um apadrinhamento de cada projecto por parte de um associado nosso. Convém lembrar que nos associados da ACEGE estão pessoas com qualificação e experiência de gestão em empresas de sucesso. E são essas pessoas que vão acompanhar o projecto de uma maneira directa, como formadores e orientadores. Quantos projectos já foram aprovados? O Fundo ficou operacional no final de 2010, mas a recepção da primeira vaga de candidaturas fechou-se apenas em meados de Já foram aprovados cinco projectos curiosamente, dois deles acabaram por não recorrer ao Fundo, dado ter obtido apoios financeiros de outras origens. Fundo Bem Comum Criação: Novembro de 2010 Promotor: ACEGE Investidores (com 500 mil euros cada): Grupos CGD, Montepio Geral, BES, José de Mello e Santander Totta Condições objectivas de admissão: desempregado ou alguém em risco de perder o emprego com mais de 40 anos Nuno Fernandes Thomaz 66 anos Licenciado em Direito Vice-presidente da ACEGE Presidente do Conselho de Faculdade, Faculdade de Economia, Universidade Nova de Lisboa Actual administrador da Nutrinveste Ex-administrador da Molaflex, Unifer, Eurofer, Eurogil, Incofina Há sectores mais propícios ao apoio de um fundo de capital de risco como o vosso? Onde gostaríamos de ter mais candidaturas seria na indústria transformadora, agricultura e serviços de apoio a redes de terceira idade, ou saúde e afins. E é com esse objectivo que apelamos vivamente à procura de novas candidaturas. Somos ainda um povo pouco empreendedor? Somos um país onde tradicionalmente existia uma aversão ao risco. Contudo, a diversificação dos modelos empresariais e, recentemente, a crise têm gerado um crescimento do interesse pelo empreendedorismo, visível no surgimento de crescentes incentivos a esta actividade. Sobretudo tem crescido a noção de que o empreendedorismo tem um papel cada vez mais importante na criação de valor na economia e, assim, na contribuição para a ultrapassagem dos difíceis tempos por que passamos. INTERNACIONALIZAÇÃO: NEGÓCIOS DE SUCESSO EM CABO VERDE 13

14 INICIATIVAS APOIO CAIXA Ricardo Teixeira O Presidente da República na sessão de encerramento do Silicon Valley Comes to Lisbon Na primeira linha do empreendedorismo CAIXA EMPRESAS DEZEMBRO O mês de Novembro foi emblemático quanto ao efervescente apoio da Caixa a iniciativas que procuram fomentar novos negócios. Ocompromisso com o empreendedorismo é uma matriz institucional da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e da relação com os seus clientes. Mas, além dos produtos e serviços que cria ou a que se associa, a CGD organiza ou intervém em diversas iniciativas destinadas à comunidade em geral, independentemente dos respectivos participantes serem seus clientes. Como dinamizadora desta importante frente económica em Portugal, a Caixa é promotora de conferências, semanas temáticas e outros eventos dirigidos a diferentes públicos. Só em Novembro passado, apoiou e ajudou a implementação de quatro iniciativas de grande projecção e simbolismo. Integrada num movimento global que envolve mais de cem países, a Semana Global do Empreendedorismo (SGE) pretende ser o grande veículo de difusão desta atitude no mundo empresarial. Seminários, debates e outros eventos à escala nacional e global esclareceram e interligaram participantes, que tiveram ainda oportunidade de identificar uma oportunidade de negócio. Empresários, professores, altos responsáveis políticos e banqueiros de grande relevo na sociedade portuguesa participaram na SGE João Trigo da Roza, presidente da Comissão Executiva da SGE 2011 e da APBA (que organizou em conjunto com a SEDES o lado português do evento), mostrava-se bastante satisfeito no fim da iniciativa: O balanço não poderia ser mais positivo. Contámos com a colaboração de universidades de referência, de câmaras municipais e de associações profissionais, e assim conseguimos chegar a mais de cinco mil participantes em todo o país. Paralelamente, a Caixa associou-se ainda ao Silicon Valley Comes to Lisbon, um encontro de dois dias com o objectivo de promover a partilha intercultural e intelectual entre empreendedores e e inves- tidores onde se lançaram ainda inúmeras pistas para que académicos, profissionais e potenciais empreendedores pudessem inovar em indústrias tão diversas, como os Media, Jogos, Energia e Saúde. O Presidente da República esteve presente e discursou na sessão de encerramento do Silicon Valley Comes to Lisbon. Revestida de especial importância para quem necessita de um primeiro empurrão para o seu negócio, a Semana Nacional de Business Angels (BA) teve também a sua quinta edição no decurso deste mês de Novembro. Com iniciativas em 11 cidades do país do norte, sul, litoral e interior foram realizadas sessões diárias de esclarecimento sobre a actividade desenvolvida pelos BA e, simultaneamente, alguns empreendedores puderam apresentar os seus projectos. Já em Aveiro, sob maior informalidade, realizou- -se o TedxyouthAveiro 2011, um evento que replica o TED & TEDx (encontro anual em que alguns dos principais pensadores e criadores mundiais são convidados a partilharem aquilo que mais os entusiasma), mas que teve como protagonistas estudantes de seis escolas do distrito de Aveiro e quatro oradores convidados.

15 AGENDA 12 Jan. 12 a 15. Batalha EXPOGIFT Salão Profissional de Brindes, Novidades, Utilidades Domésticas e Decoração Exposalão Contactos e informações em e em ou Fev. 8 a 12. Lisboa Nauticampo Salão Internacional de Navegação de Recreio, Desporto, Aventura, Caravanismo e Piscinas AIP Feira Internacional de Lisboa (Parque das Nações) Contactos e informações em e em /35 ou / 15 a 19. Matosinhos Export Home 2012 Mobiliário, Iluminação e Artigos de Casa para Exportação Exponor Contactos e informações em e em / ou Fev./Mar. 29/02 a 3/03. Batalha SINERCLIMA Salão Internacional de Energia, Refrigeração e Climatização Exposalão Contactos e informações em e em ou 29/02 a 4/03. Lisboa BTL 2012 Feira Internacional de Turismo AIP Feira Internacional de Lisboa (Parque das Nações) Contactos e informações em e em /07 ou / aip.pt O serviço Caixa Empresas está disponível em: Rede de Agências Aveiro Anadia Aveiro Avenida Aveiro Espinho Eugénio Rib.º Águeda Feira Fiães Mealhada Beja Beja Odemira Braga Barcelinhos Barcelos Calendário Famalicão Central de Braga Esposende Guimarães Pevidém Vila Nova de Famalicão Vizela Bragança Bragança Castelo Branco Castelo Branco Covilhã Fundão Sertã Coimbra Cantanhede Central Coimbra Figueira da Foz Oliveira do Hospital Évora Estremoz Évora Vila Viçosa Faro Areias de S. João Oura Faro Lagos Loulé Portimão Tavira Vila Real de Santo António Guarda Guarda Leiria Alcobaça Batalha Caldas da Rainha Leiria Marinha Grande Peniche Lisboa Algés Almirante Reis Alvalade Amoreiras Avenida da República Benfica Calhariz Cascais Central Amadora Central de Sintra Central Rua do Ouro Central Sede Loures Moscavide Odivelas Oeiras Parede Pêro Pinheiro Portela Sacavém Torres Vedras Vila Franca de Xira Portalegre Elvas Ponte de Sor Portalegre Porto Castelo da Maia Central do Porto D. Pedro V Trofa Ermesinde Felgueiras Fernão de Magalhães Maia Marco de Canaveses Matosinhos Sul Paços de Ferreira Penafiel Pç. da Liberdade Porto Vila do Conde Vila Nova de Gaia Santarém Abrantes Batalhoz Cartaxo Benavente Coruche Ourém Rio Maior Santarém Torres Novas Setúbal Almada Barreiro Costa da Caparica Cova da Piedade Santiago do Cacém Seixal Setúbal Viana do Castelo Barroselas Ponte da Barca Viana do Castelo Vila Real Chaves Peso da Régua Vila Real Viseu Lamego Mangualde Nelas Tondela Viseu Açores Ponta Delgada Madeira Funchal Rede de Gabinetes Aveiro Águeda Aveiro Oliveira de Azeméis Ovar Braga Braga Guimarães Vila Nova de Famalicão Castelo Branco Castelo Branco Coimbra Coimbra Faro Faro Portimão Guarda Guarda Leiria Batalha Caldas da Rainha Leiria Pombal Lisboa Algés Amadora Cascais Lisboa João XXI (Gab. I) Lisboa João XXI (Gab. II) Lisboa R. Ouro Sintra Torres Vedras Vila Franca de Xira Porto Maia Penafiel Porto Pç. D. João I Porto Av. França Vila Nova de Gaia Santarém Santarém Torres Novas Setúbal Almada Setúbal Viana do Castelo Viana do Castelo Vila Real Vila Real Viseu Viseu Açores Ponta Delgada Madeira Funchal Gestores Multi-agência Aveiro Águeda Aida Albergaria-a-Velha Arouca Avanca Branca Cucujães Esgueira Esmoriz Estarreja Gafanha Nazaré Glicínias Aveiro Ílhavo Murtosa Nogueira do Cravo Oliveira de Azeméis Oliveira do Bairro Oiã Rio Meão S. Bernardo S. João da Madeira Sever do Vouga Sta. Maria de Lamas Torreira Univ. de Aveiro Vagos Vale de Cambra Beja Aljustrel Almodôvar Barrancos Castro Verde Ferreira do Alentejo Moura Serpa Braga Amares Arcozelo Barcelos Cabeceiras de Basto Caldas das Taipas Carandá Braga Celeirós Fafe Gualtar Lamaçães Manhente Barcelos Maximinos Merelim Mira Penha Nogueira Braga Palmeira Braga Póvoa de Lanhoso Prado Santa Tecla Braga Santo António São Vicente Braga São Víctor Terras de Bouro Via Todos Barcelos Vieira do Minho Vila Verde Bragança Alfândega da Fé Carrazeda de Ansiães Macedo de Cavaleiros Miranda do Douro Mirandela Mogadouro Sá Carneiro Bragança Vale d Álvaro Vila Flor Vimioso Vinhais Castelo Branco Alcains Amato Lusitano Boa Esperança Idanha-a-Nova Mação Oleiros Penamacor Proença-a-Nova Quinta das Palmeiras S. Tiago Silvares Teixoso Univ. da Beira Interior Vila de Rei Vila Velha de Ródão Coimbra Arazede Arganil Arnado Bairro Novo Buarcos Calhabé Celas Celas Nova Condeixa-a-Nova Febres Lousã Mira Miranda do Corvo Montemor-o-Velho Paião Pampilhosa da Serra Penela Pedrulha Pólo II Portela Pç. da Républica Santa Clara Soure Souselas Tocha Universidade Vale das Flores Vila Nova de Poiares Évora Alandroal Arraiolos Borba Évora Município Garcia Resende Évora Montemor-o-Novo Mora Portel Qt.ª Moniz Redondo Reguengos de Monsaraz Viana do Alentejo Faro Albufeira Alcoutim Aljezur Almancil Armação de Pêra Baixa Albufeira Castro Marim Gambelas Lagoa Algarve Mercado Vila Real de Sto. Ant.º Monte Gordo Monchique Olhão Penha Faro Quarteira S. Brás de Alportel S. Luís Silves Vilamoura Guarda Celorico da Beira Lg. João Almeida Guarda Pinhel Sabugal Seia Sernacelhe Vilar Formoso Leiria Alvaiázere Ansião Atouguia da Baleia Bairro Azul Caldas da Rainha Barracão Benedita Bombarral Castanheira de Pêra Caranguejeira Gândara dos Olivais Fátima Figueiró dos Vinhos Fonte Nova Pombal Louriçal Maceira Mação Marquês de Pombal Leiria Monte Redondo Nazaré Óbidos Pedrogão Grande Pombal Porto de Mós Pousos Pç. República Caldas da Rainha S. Mamede Lisboa Abrigada Alcabideche Alcântara Alenquer Alfama Alto da Barra Oeiras Alverca do Ribatejo Alvide Anjos Areeiro Arruda dos Vinhos Assembleia da República Av. 5 de Outubro Av. da Liberdade Para mais informações: Belém Bobadela Cacém Cadaval Campo Grande Campo de Ourique Cais do Sodré Carcavelos Carnaxide Carregado CascaisShopping Castilho I Chiado Columbano Conde Valbom Desterro Ericeira Estoril Fontes Pereira de Melo Graça ISEL Jardins da Parede Linda-a-Velha Lourinhã Lumiar Mafra Malvarosa Malveira Massamá Massamá Norte Mem Martins Merceana Miraflores Morais Soares Nova Oeiras Oeiras Fórum Olaias Olivais Paço de Arcos Pç. da Alegria Pç. do Comércio Príncipe Real Prior Velho Queijas Queluz Queluz Ocidental Qta. dos Inglesinhos Quinta de S. José Sacavém Rato Restauradores Rio de Mouro Cacém Rossio Sacavém Sta. Clara Lumiar Sto. Amaro Santos S. Carlos Mem Martins S. Domingos de Benfica S. João do Estoril Saraiva de Carvalho Sobral de Monte Agraço Sobreiro Curvo Taguspark Telheiras Terrugem Vialonga Vila Franca de Xira Jardim Xabregas Portalegre Alter do Chão Arronches Avis Campo Maior Castelo de Vide Crato Elvas Piedade Fronteira Gavião Marvão Monforte Nisa Sousel Porto A Ver-O-Mar Águas Santas Alameda das Antas Alto da Maia Amarante Antas Porto Arcozelo Gaia Areosa Igreja Areosa Porto Avenida Rio Tinto Avintes Bessa Porto Boavista Porto Campo Alegre Canelas Gaia Carlos Alberto Carvalhos Damião de Góis Porto Devesas Fânzeres Fontaínhas Fonte da Moura Foz do Douro Freamunde Freixieiro Gonçalo Cristóvão Gondomar Grijó Leça da Palmeira Lixa Lordelo Lordelo do Ouro Lousada Marquês Porto Matosinhos Monte dos Burgos Olival Oliveira do Douro Pádua Correia Palácio da Justiça Porto Paranhos Parque de S. João Pedras Rubras Perafita Ponte da Pedra Póvoa Praia Póvoa de Varzim Rio Tinto Santos Pousada Porto S. Cosme Gondomar S. Lázaro Porto S. Mamede de Infesta S. Roque da Lameira Soares dos Reis Porto Universidade do Porto Valbom Vermoim Maia Vila Beatriz Vila das Aves Vila Meã Santarém Tomar Entroncamento Torres Novas Sta. Maria Norton de Matos Tomar Setúbal Amora Alcácer do Sal Alcochete Baixa da Banheira Bonfim Canha Charneca da Caparica Colos Combatentes Corroios Cruz de Pau Faralhão Grândola Joaquim de Almeida Lavradio Loja do Cidadão Moita Montijo Palmela Pinhal Novo Pragal Quinta do Conde Quinta da Lomba Santana Sesimbra S. João Baptista Sesimbra Sines Sto. André S. Sebastião S. Julião Torre da Marinha Vendas Novas Verderena Vila Nova de Mil Fontes Viana do Castelo Caminha Arcos de Valdevez Melgaço Monção Ponte de Lima S. Vicente Viana Senhora da Agonia Viana Sobral Valença Vila Nova de Cerveira Vila Real Alijó Alves Roçadas Boticas Cerva Mesão Frio Mondim de Basto Murça Pedras Salgadas Ribeira de Pena Sta. Marta de Penaguião Valpaços Vila Pouca de Aguiar Viseu Armamar Castro Daire Desterro Lamego Expobeiras Mesão Frio Moimenta da Beira Penalva do Castelo Penedono Pç. do Comércio Lamego Resende S. João da Pesqueira S. Mateus Tabuaço Tarouca Vila Nova de Paiva Açores Angra do Heroísmo Angra Avenidas Calheta S. Jorge Corvo D. João III Fajã de Cima Horta Lajes das Flores Lajes do Pico Lagoa S. Miguel Madalena Pico Nordeste Parque Atlântico Povoação Praia da Vitória Ribeira Grande S. Roque Pico Sta. Cruz Flores Sta. Cruz da Graciosa Velas S. Jorge Vila Franca do Campo Vila do Porto Madeira Calheta Camacha Câmara de Lobos Caniço Fórum Jaime Moniz Lido Funchal Machico Madalenas Nazaré Funchal Ponta do Sol Porto Santo Ribeira Brava Sta. Cruz Madeira Santana S.Vicente Madeira CONTACTOS INTERNACIONALIZAÇÃO: NEGÓCIOS DE SUCESSO EM CABO VERDE 15

16

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS Notas: 1 O conselho geral deliberou, em reunião de 15 de outubro, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do EOSAE, agregar as delegações distritais de Beja, Évora e Portalegre numa

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA?

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? 2 C. Predial 1 VISEU NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 BRAGANÇA NÃO 0 C. Civil/Predial/Comercial 2 VILA NOVA DE CERVEIRA NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 VIANA DO CASTELO

Leia mais

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79 Serviço Standard Serviço Especial Peso (Kg) 1 2 3 4 5 Entrega até às 18:00H GRUPOL10H GRUPOL13H GRUPOLSAB GRUPOLMA Entrega até às 10:00H do dia seguinte Entrega até às 13:00H do dia seguinte Entrega ao

Leia mais

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00%

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00% Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Abrantes 0,25% Boticas 0,25% Figueiró dos Vinhos 0,00% Mirandela 0,25% Pombal 0,25% Sertã 0,25%

Leia mais

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp DISTRITO ANGRA DO HEROISMO 1901 ANGRA DO HEROISMO 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1902 CALHETA (AÇORES) 0,800 % 0,500 % 0,80 % 1903 SANTA CRUZ DA GRACIOSA 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1904 VELAS 0,500 % 0,300 % 0,80

Leia mais

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL NUTS3-region NUTS2-region irrigation Area actually (ha) irrigated (ha) Alentejo Central Alentejo 42 675 22 287 Alentejo Litoral Alentejo 40 289 14 427 Alto Alentejo Alentejo 39 974 20 993 Baixo Alentejo

Leia mais

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética ÁGUEDA AGUIAR DA BEIRA ALBERGARIA-A-VELHA ALBUFEIRA ALCÁCER DO SAL ALCANENA ALCOBAÇA ALCOCHETE ALCOUTIM ALENQUER ALFÂNDEGA DA FÉ ALJEZUR ALJUSTREL ALMADA ALMEIDA ALMEIRIM ALMODÔVAR ALTER DO CHÃO AMADORA

Leia mais

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada BRAGANÇA VILA REAL PORTO BRAGA VIANA DO CASTELO ARCOS DE VALDEVEZ 10 de Maio de 2003 14h e 30m Braga Casa dos Crivos Orfeão de Braga CAMINHA 10 de Maio

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Por expressa determinação do Código Administrativo, no seu artigo 6.º, a classificação

Leia mais

Código - Designação Serviço Finanças

Código - Designação Serviço Finanças 01-AVEIRO 19-AGUEDA 4 01-AVEIRO 27-ALBERGARIA-A-VELHA 2 01-AVEIRO 35-ANADIA 3 01-AVEIRO 43-AROUCA 3 01-AVEIRO 51-AVEIRO-1. 1 01-AVEIRO 60-CASTELO DE PAIVA 1 01-AVEIRO 78-ESPINHO 1 01-AVEIRO 86-ESTARREJA

Leia mais

PMP (n.º dias) a 31-12-2007

PMP (n.º dias) a 31-12-2007 (N.º 20 - Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/, publicada no DR n.º 38, 1.ª série, de 22 de Fevereiro) Ordenado por ordem decrescente do PMP em 31-12- a 30-09- a 31-12- VILA FRANCA DO CAMPO 158 182

Leia mais

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada para cobrança em 99 (Exercício de 98) Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada

Leia mais

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015

Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Parceria 5àsec - La Redoute 1 de Janeiro a 28 de Fevereiro 2015 Nome Loja Cidade Distrito ÁGUEDA PINGO DOCE ÁGUEDA Distrito Aveiro ALBERGARIA-A-VELHA RUA ALBERGARIA A VELHA Distrito Aveiro AVEIRO GLICÍNIAS

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 334,00 468,00 589,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 368,00 501,00 645,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 334,00 468,00 589,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 368,00 501,00 645,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013 Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 Com a publicação do Ofício Circulado n.º 20165, do passado dia 5 de Março, foram divulgadas a relação dos municípios

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas ORGANISMOS DE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA QUALIFICADOS PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CONTROLO METROLÓGICO LEGAL (Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PEDIDO DE HABITAÇÃO O presente documento pretende apoiá-lo/a no preenchimento do formulário Pedido de Habitação, informando que os campos identificados com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 73 14 de Abril de 2008 2193 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 68/2008 de 14 de Abril Nos termos do Programa do XVII Governo Constitucional considera

Leia mais

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015

Lojas CTT com Espaços Cidadão. agosto 2015 Lojas CTT com Espaços Cidadão agosto 2015 Lojas CTT com Espaços do Cidadão até final de agosto Distrito Concelho Freguesia- designação atual Loja Lisboa Lisboa Alvalade ALVALADE (LISBOA) Lisboa Amadora

Leia mais

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Acampamento ocasional Câmara Municipal de Braga Acampamento

Leia mais

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Amigas das Pessoas Idosas Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Associação Valorização Intergeracional e Desenvolvimento Activo Amigas das Pessoas Idosas cidades I Estudo nacional sobre amigabilidade

Leia mais

Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores"

Memorando apresentado pelo ME sobre recrutamento e colocação de professores Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores" 0. QUESTÃO PRÉVIA SOBRE A NEGOCIAÇÃO Em primeiro lugar, a FENPROF pretende

Leia mais

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a Classificação: 2 O 5. O 5. O 2 Segurança: 1-AT autoridade tributária e aduaneira Processo: 428/2014 DIREÇÃO DE SERViÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS Oficio Circulado N,o: 20170 de

Leia mais

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães Estimativa (por aproximação grosseira e por defeito) do custo mensal para o Estado de cada capelão em funções nos estabelecimentos de saúde civis (nota: capelães coordenadores auferem vencimentos mais

Leia mais

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças s de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças Após publicação do ofício circulado nº 20170 de 2014-03-1, a Autoridade Tributária emitiu novo ofício circulado o nº20171/2014 de 25-03-2014 no

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2011 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE

ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE ÉPOCA BALNEAR 2012 ACESSIBILIDADE NAS ZONAS BALNEARES PORTUGUESAS NO ÂMBITO DO PROJECTO PRAIA ACESSÍVEL, PRAIA PARA TODOS REGIÃO HIDROGRÁFICA DO NORTE Caminha V. Praia de Âncora costeira C/ cadeira anfíbia

Leia mais

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Linha de Apoio I Território, Destinos e Produtos Ficha Informativa - Junho 2007 Índice Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Desenvolvimento de Pólos Turísticos... 3 Desenvolvimento

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Documento explicativo sobre o artigo 18.º que estabelece as obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Artigo 18.º - Obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo SOU UMA EMPRESA OU

Leia mais

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana.

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana. Documento recebido da Autoridade Tributária relativamente ao processo de seleção de peritos locais de avaliação geral a selecionar por Serviço de Na sequência dos contactos efetuados sobre o assunto em

Leia mais

Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC)

Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC) Postos de Atendimento ao Cidadão (PAC) Serviços Prestados : Alteração de Elementos da Carta de Condução Revalidação da Carta de Condução Posto de Atendimento ao Cidadão - PAC Abrantes Praça Raimundo Soares,

Leia mais

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Secretário de Estado da Administração Local Despacho n.º 10123-A/2015 Considerando

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 Fundo de Investimento Mobiliário RAIZ POUPANÇA ACÇÕES Tipo de Fundo: Fundo de Poupança em Acções Início de Actividade: 21 de Novembro de 1995

Leia mais

Feiras de Coleccionismo e Velharias. Localidade Morada Horário Mais Informações/Contactos. 10h00 22h00. 10h00 18h30. 8h00 13h00.

Feiras de Coleccionismo e Velharias. Localidade Morada Horário Mais Informações/Contactos. 10h00 22h00. 10h00 18h30. 8h00 13h00. 1º SÁBADO DO MÊS Abrantes Praça Barão da Batalha 09h00 13h00 Alverca do Ribatejo Coimbra Convento de Santa Clara a Velha 10h00 22h00 Feira Sem Regras Figueira da Foz R João de Lemos Passeio Sul, Jardim

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais Gouveia (Seia / Coimbra) Grândola (Santiago do Cacém / Évora) Inaugurado em 10/10/1982 Guarda (Guarda / Coimbra) Inaugurado em 27/04/1953 Guimarães (Guimarães / Porto) Arq. Luís Benavente Inaugurado em

Leia mais

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo Norte Santa Maria da Feira Escola Secundária de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas Doutor Ferreira de Almeida, Santa Maria da Feira Vale de Cambra Agrupamento de Escolas das Dairas, Vale de Cambra

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA 133 1. Caixa Central e Empresas do Grupo CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Tel.: 213 809 900 Fax: 213 8 861 CRÉDITO AGRÍCOLA INFORMÁTICA - SISTEMAS DE

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Vila Real, 21 de Fevereiro de 2007 Agenda 1. Enquadramento Legal 2. Amb3E 3. Centros de

Leia mais

Onde e como se vive em Portugal 2011

Onde e como se vive em Portugal 2011 Onde e como se vive em Portugal 2011 25 de junho de 2013 Onde e como se vive em Portugal 2011 De acordo com os resultados definitivos dos Censos 2011 na região de Lisboa regista-se a maior densidade populacional,

Leia mais

Itinerários Complementares

Itinerários Complementares Itinerários Complementares Viana do Castelo IC28 Bragança IC14 Braga Trofa Vila do Conde Santo Tirso Paços de Ferreira IC25 Matosinhos IC1 IC23 IC2 Espinho Paredes Valongo Porto IC24 Gondomar IC29 Porto

Leia mais

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 Portaria n.º 273/2009 de 18 de Março O Programa do XVII Governo Constitucional define que «o sistema [de saúde] deve ser reorganizado a todos

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e está a lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses.

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses. - D2 A Atratividade Online dos Municípios Portugueses Portugal Bem-vindo! Since 2003 Introdução ao A Bloom Consulting desenvolveu a ferramenta (D2) de forma a obter todos os dados relevantes sobre o comportamento

Leia mais

LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS

LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS LOJAS CTT QUE PRESTAM O SERVIÇO DE VALIDAÇÃO DE DOCUMENTOS ALFRAGIDE MONTIJO ABÓBODA ABRANTES ABRAVESES (VISEU) AEROPORTO DAS LAJES (TERCEIRA) AEROPORTO DE FARO AEROPORTO DO FUNCHAL AEROPORTO LISBOA AGUADA

Leia mais

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS Agricultura Familiar no Rural Baixa Densidade Sul: uma síntese Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia (ISA/UL) Sociedade

Leia mais

COMPOSIÇÃO 06 DO GRUPO

COMPOSIÇÃO 06 DO GRUPO 06 COMPOSIÇÃO 06 COMPOSIÇÃO 1. Caixa Central e Empresas do Grupo CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Rua Castilho, 233-233 A 1099-004 LISBOA Tel.: 213 809 900 Fax: 213 855 861 CRÉDITO AGRÍCOLA

Leia mais

Listas. Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio)

Listas. Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio) Listas Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 6/2014, de 26 de maio) Os Agrupamentos de Escolas / Escolas não agrupadas (que aqui serão designados, simplesmente, por Escolas

Leia mais

Multirriscos Habitação

Multirriscos Habitação Produto Âmbito Duração Cliente-alvo Multirriscos Garante casas de habitação em bom estado de conservação, que sejam residência permanente, contra a generalidade dos riscos a que estão sujeitas. Um ano

Leia mais

O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES:

O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES: O SEMINÁRIO CONTA COM 800 PARTICIPANTES INSCRITOS, PROVENIENTES DAS SEGUINTES ENTIDADES: ACES DA LEZÍRIA ACES DE ARCO RIBEIRINHO ACES DE CACÉM - QUELUZ ACES DE LISBOA NORTE ACES DE ODIVELAS ACES DE SEIXAL

Leia mais

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu Mobilidade e Transporte Uma nova campanha com um sentimento familiar Para reforçar o potencial das campanhas DO THE

Leia mais

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

Itinerários Principais

Itinerários Principais Itinerários Principais Bragança Viana do Castelo Braga IP9 Vila Real IP4 Porto Aveiro IP3 Viseu IP5 Guarda Coimbra Leiria Castelo Branco IP6 Santarém IP2 Portalegre IP1 Lisboa Setúbal IP7 Évora IP8 Beja

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA. Escolas inscritas - DRELVT 1001415 Escola Secundária com 3.º Ciclo do Ensino Básico de D. Inês de Castro de Alcobaça Alcobaça Leiria 1001811 Escola Básica do 2º e 3º Ciclos com Secundária de D. Pedro I Escolas D. Pedro I Alcobaça

Leia mais

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance

Leia mais

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade O caso dos PROVERE Joaquim Felício CCDRC/MAIS CENTRO Coimbra, 24 novembro 2014 1 política pública

Leia mais

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004)

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) http:// www.insa.pt Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento

Leia mais

05 Composition of the Group

05 Composition of the Group Composition of the Group 294 1. CAIXA CENTRAL AND GROUP COMPANIES CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Rua Castilho, 233-233 A 1099-004 LISBOA Tel.: 213 809 900 Fax: 213 855 861 CRÉDITO AGRÍCOLA

Leia mais

Portugal. Staples Office Centre Rua Proletariado, nº 4, Portela 2795 Carnaxide Telefone: 21 4165970

Portugal. Staples Office Centre Rua Proletariado, nº 4, Portela 2795 Carnaxide Telefone: 21 4165970 Portugal Rua Proletariado, nº 4, Portela 2795 Carnaxide Telefone: 21 4165970 Casal da Eira - Sto. Onofre 2500 Caldas da Rainha Telefone: 262 870600 Estrada Nacional 9 2645 Alcabideche - Cascais Telefone:

Leia mais

POSTOS ADERENTES. Nota: Esta listagem poderá sofrer alterações.

POSTOS ADERENTES. Nota: Esta listagem poderá sofrer alterações. A1 Mealhada (este) A1 - Km 204 - Enxofães - Murtede Cantanhede 3060 Cantanhede A1 Mealhada (oeste) A1 - Km 204 - Enxofães - Murtede Cantanhede 3060 Cantanhede A1 Santarém (este) A. E. 1 - Km 84 Pernes

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario Direcção-Geral do Orçamento Ministério das Finanças e da Administração Pública Declaração Em cumprimento do disposto no número 7 do art.º 8 da lei 2/2007 de 15 de Janeiro que aprova a Lei das Finanças

Leia mais

ELIMINAÇÃO DE HORÁRIOS NAS ESCOLAS E IMPACTO EM HORÁRIOS-ZERO E DESEMPREGO

ELIMINAÇÃO DE HORÁRIOS NAS ESCOLAS E IMPACTO EM HORÁRIOS-ZERO E DESEMPREGO FENPROF FEDERAÇÃO NACIONAL DOS PROFESSORES ELIMINAÇÃO DE HORÁRIOS NAS ESCOLAS E IMPACTO EM HORÁRIOS-ZERO E DESEMPREGO DISTRITO ESCOLA ou AGRUPAMENTO N.º PROFESSORES PROFESSORES A DACL CONTRATADOS OBSERVAÇÕES

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

Fórum anual da m obilidade transfronteiriça

Fórum anual da m obilidade transfronteiriça Fórum anual da m obilidade transfronteiriça Formação para o emprego: experiências de êxito entre Estremadura e Portugal Cáceres, 23 de Fevereiro de 2010 O IEFP I.P. - Missão O Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade Preâmbulo 1. Tendo em conta que: a) desde o final de 2007 que o Governo assumiu o desenvolvimento das redes de nova geração (RGN) como uma prioridade

Leia mais

VERÃO 2010. Acessibilidade nas praias portuguesas, no âmbito do Projecto Praia acessível

VERÃO 2010. Acessibilidade nas praias portuguesas, no âmbito do Projecto Praia acessível VERÃO 2010 Acessibilidade nas praias portuguesas, no âmbito do Projecto Praia acessível NORTE Caminha V. Praia de Âncora (costeira) C/ cadeira anfíbia Caminha (costeira) Viana do Castelo Carreço (costeira)

Leia mais

(sócia/colaboradora de J. Vasconcelos Marques, arquitectos Lda.)

(sócia/colaboradora de J. Vasconcelos Marques, arquitectos Lda.) Conceição Ferreira Membro AO nº 2939 PROJECTOS 1990 2006 (sócia/colaboradora de J. Vasconcelos Marques, arquitectos Lda.) HOTEIS ***** PARQUE DA GANDARINHA Cascais Licenciamento de Arquitetura VIKING Albufeira

Leia mais

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS

REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS DIRECÇÃO DEZEMBRO DE 2009 REGULAMENTO DAS SECÇÕES SINDICAIS SECÇÃO I Princípios gerais Artigo 1º Âmbito do Regulamento Nos termos dos Estatutos a organização e funcionamento

Leia mais

DENOMINAÇÃO CONCELHO DISTRITO

DENOMINAÇÃO CONCELHO DISTRITO Casa do Povo de Amoreira da Gândara Anadia Aveiro 2004 Casa do Povo de Oliveirinha Aveiro Aveiro 2003 Casa do Povo de Vacariça Mealhada Aveiro 2003 Casa do Povo de Mamarrosa Oliveira do Bairro Aveiro 2004

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E 26 de Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e estáa lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Concurso Interno QZP Amarante (1301) 151099 - Agrupamento de Escolas de Amarante Amarante (1301) 152936 - Agrupamento de

Leia mais

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE

Lista de Associados. > Hospital do Montijo + Hospital Nossa Senhora do Rosário, EPE CENTRO HOSPITALAR DE ENTRE O DOURO E VOUGA, EPE ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DO SISTEMA DE SAÚDE (ACSS) ARS DE LISBOA E VALE DO TEJO, IP ARS DO ALENTEJO, IP ARS DO ALGARVE, IP ARS DO CENTRO, IP ARS DO NORTE, IP CENTRO DE MEDICINA E REABILITAÇÃO DA REGIÃO CENTRO

Leia mais

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO CAPACIDADE INSTALADA NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 CRICAD ARSLVT CRICAD ARSLVT HOSPITAIS DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA ARSLVT LISBOA NORTE (215 157) Freguesias do Concelho de Lisboa:

Leia mais

Sol e Mar. Praias perfeitas. Na crista da onda. Debaixo de água. Chegar a bom porto

Sol e Mar. Praias perfeitas. Na crista da onda. Debaixo de água. Chegar a bom porto Portugal Sol durante todo o ano e uma costa banhada pelo Oceano Atlântico com centenas de quilómetros fazem o destino certo para quem gosta de sol e de mar. Há uma grande oferta de praias com características

Leia mais

Empresas. Caixa EXPORTAÇÕES. Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer

Empresas. Caixa EXPORTAÇÕES. Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer Caixa Empresas Esta revista faz parte integrante do Diário Económico n.º 5456 de 29 de Junho de 2012. EXPORTAÇÕES Nova oferta da Caixa põe os negócios a mexer Hoberman Collection/Corbis/VMI Índice Pág.

Leia mais

Urbanização da Bela Vista, nº 12 A, Cód. Postal: 8200-127. Av. Joaquim Vieira Natividade, nº 13 A, Cód. Postal: 2460-071

Urbanização da Bela Vista, nº 12 A, Cód. Postal: 8200-127. Av. Joaquim Vieira Natividade, nº 13 A, Cód. Postal: 2460-071 Albufeira Loja de Albufeira Urbanização da Bela Vista, nº 12 A, Cód. Postal: 8200-127 Alcobaça Agente ACORDO - COMÉRCIO DE EQUIPA Av. Joaquim Vieira Natividade, nº 13 A, Cód. Postal: 2460-071 Seg. a Sex.

Leia mais

Portugal. Turismo Náutico 20-02-2012. 2011 Quota (%) 2011 Instalações Náuticas (nº) Portos Recreio Docas Recreio. Bandeira Azul (nº)

Portugal. Turismo Náutico 20-02-2012. 2011 Quota (%) 2011 Instalações Náuticas (nº) Portos Recreio Docas Recreio. Bandeira Azul (nº) Turismo áutico Portugal Marinas Instalações áuticas (nº) Portos Recreio Docas Recreio IDICADORE Postos Amarração (nº) Quota (%) Bandeira Azul (nº) 23 13 Total UT II 13.082 100% 16 4 1 1 orte 1.218 2 6

Leia mais

Lista de participantes 2012

Lista de participantes 2012 INSTITUIÇÃO Agrupamento de Escolas de Portel Agrupamento de Escolas Conde de Agrupamento de Escolas Alpha Agrupamento de Escolas Augusto Gil Escola Secundária D. Inês de Castro Agrupamento de Escolas D.

Leia mais

Celebre connosco e leve uma garrafa de gás por apenas 5

Celebre connosco e leve uma garrafa de gás por apenas 5 UTILIZE O SEU VALE NESTES POSTOS PRIO: Aveiro - Pingo Doce Arrifana Aveiro - Pingo Doce Estarreja Aveiro - Pingo Doce Oliveira do Bairro Aveiro - Pingo Doce Aveiro Hiper Aveiro - Pingo Doce Lourosa Travanca

Leia mais

Lista Oficial das Universidades e Academias Seniores reconhecidas em Portugal 1 de Setembro de 2015

Lista Oficial das Universidades e Academias Seniores reconhecidas em Portugal 1 de Setembro de 2015 1 de Setembro de 2015 Nº Nome Entidade Acolhedora 1 Universidade Sénior de Almeirim Associação Sénior de Almeirim 3 Academia de Seniores de Lisboa Associação Cultural e Social de Seniores de Lisboa 4 Academia

Leia mais

Aferição dos resultados internos com os externos (Básico) Evolução dos resultados escolares (Secundário)

Aferição dos resultados internos com os externos (Básico) Evolução dos resultados escolares (Secundário) Listas de escolas com crédito (Aplicação do Despacho Normativo n.º 10-A/2015, de 19 de junho) Os Agrupamentos de Escolas / Escolas não agrupadas (que aqui serão designados, simplesmente, por Escolas )

Leia mais

Incentivo à Criação de Conteúdos na Internet concedido em 2001 Lista das empresas proprietárias ou editoras de publicações subsidiadas

Incentivo à Criação de Conteúdos na Internet concedido em 2001 Lista das empresas proprietárias ou editoras de publicações subsidiadas Incentivo à Criação de Conteúdos na Internet concedido em 2001 Lista das empresas proprietárias ou editoras de publicações subsidiadas EMPRESA CANDIDATA TÍTULO DISTRITO INCENTIVO ATRIBUÍDO (ESCUDOS) Soberania

Leia mais

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro

Relatório de Integração 11/2013 VMER & SIV. Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro 11/2013 Despacho n.º 14898/2011, de 3 de novembro Ponto 7: O INEM, I. P., apresentar um relatório anual ao membro do Governo responsável pela área da saúde que permita a análise interna e a melhoria contínua

Leia mais

Hotel Conde de Águeda Contacto Praça Conde de Agueda, AGUEDA, Aveiro, Portugal Teléfono: +351234610390, Fax: +351234610399

Hotel Conde de Águeda Contacto Praça Conde de Agueda, AGUEDA, Aveiro, Portugal Teléfono: +351234610390, Fax: +351234610399 Aveiro / Portugal AQUA HOTEL (SPA & Wellness) Ra Aquilino Ribeiro 1, OVAR, Aveiro, Portugal Teléfono: +351256575105, Fax: +351256575107 Hotel Conde de Águeda Praça Conde de Agueda, AGUEDA, Aveiro, Portugal

Leia mais