CABO VERDE EM FICHA Nome Oficial: República de Cabo Verde Capital: Praia Ilha de Santiago

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CABO VERDE EM FICHA Nome Oficial: República de Cabo Verde Capital: Praia Ilha de Santiago"

Transcrição

1 CABO VERDE EM FICHA Nome Oficial: República de Cabo Verde Capital: Praia Ilha de Santiago Superfície Total: População: km 2 distribuídos por 10 ilhas e alguns ilhéus aprox habitantes (2006) distribuídos por 9 ilhas Língua Oficial: Português Língua Nacional: Crioulo Moeda Nacional: Escudo de Cabo Verde (CVE) Taxa de Câmbio: 1 Euro = 110,265 CVE (valor fixo pelo Acordo de Cooperação Cambial entre Portugal e Cabo Verde, desde 1998) Indicadores macro-económicos milhões Euros Produto Interno Bruto* 721,2 749,5 827,7 954,3 PIB per Capita (USD) 1.771, , , ,3 PIB Agricultura 9,7% 7,4% 5,2% 4,8% PIB Construção 6,5% 7,8% 8,2% 9,2% PIB Indústria 7,9% 7,2% 7,1% 7,0% PIB Pesca 1,7% 1,2% 0,9% 0,8% PIB Serviços (excluindo Turismo e Serv. Bancários intermediários) 56,3% 60,4% 59,8% 52,3% PIB Turismo 10,9% 11,2% 10,4% 18,3% Remessas Emigrantes 86,3 79,4 99,8 98,2 Exportações 11,2 12,1 14,2 16,5 Importações 310,4 349,1 353,0 431,5 Investimento 189,7 194,4 270,6 362,5 Inflação 1,2% (1,9%) 1,7% 5,4% Taxa de Desemprego 15,1% 17% 24,4% 18,3% * PIB a preços de mercado, inclui, além dos VAB sectoriais, taxas e impostos sobre importações (+) e serviços financeiros intermediários (-). Rua D. Filipa de Vilhena nº 6 1º Esq. * LISBOA Página 1 de 17

2 Comércio Português com Cabo Verde Exportações de Cabo Verde Anos Portugal Total % % % % % % % Unid: Euros Principais produtos de exportação (2006): Produtos do Mar (47.1%; 40.5% em 2005); Confecções (28.8; 39.2% em 2005); Calçado/Suas partes (14.4%; 16.4% em 2005). Principais países de exportação (2006): Portugal (49.7%; 51.7% em 2005); Espanha (27.4%; 21.4% em 2005); Marrocos (8.9%; 12.9% em 2005); El Salvador: (6.4%; 0.0% em 2005). Importações de Cabo Verde Anos Portugal Total % % % % % % % Unid: Euros Principais produtos de importação (2006): Produtos Alimentares/Bebidas (27.4%; 30.7% em 2005); Equipamentos/Acessórios de Transporte (11%; 10.6% em 2005); Equipamentos/Materiais de Construção (14.5%; 12.7% em 2005); Equipamentos/Aparelhos Eléctricos (9.1%; 7.4% em 2005); Petróleo e Derivados (12%; 9.8% em 2005). Principais países de importação (2006): Portugal (50.3%; 45.6% em 2005); Holanda (15.3%; 15.7% em 2005); Brasil (6.3%; 8.0% em 2005); Espanha (5.6%; 7.6% em 2005); Itália (4.8%; 4.0% em 2005). Cabo Verde é hoje o 23º mercado externo de Portugal, superior até a alguns países da própria União Europeia. Este facto toma maior relevo se atendermos à pequena dimensão do arquipélago, de apenas habitantes. Página 2 de 17

3 Investimento Português em Cabo Verde Projectos Portugueses aprovados por Actividades ( ) Aprovado Empregos Projectos Indústria Hotelaria e Serv. Turísticos Pescas e Afins Transportes e Actividades Marítimas Banca e Serviços Financeiros Comunicações * Combustíveis * 1 Construção, Imobiliária e Afins Outros Total * Aquisição de empresas já existentes, com manutenção de emprego Em 2006 foram aprovados, em Cabo Verde, 4 projectos de Investimento Externo portugueses, num valor de 5 milhões de Euros. Projectos Portugueses por Sectores (2006) Aprovado Empregos Projectos Indústria Turismo Construção Total: Página 3 de 17

4 Alguns investidores portugueses em Cabo Verde: - Aluguer de Automóveis - Avis, Hertz; - Automóveis - Salvador Caetano; - Banca e Serviços Financeiros Banif, Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, Caixa Geral de Depósitos, Cotacâmbios, Banco Espírito Santo, Montepio Geral; - Calçado - ACO; - Combustíveis - Galp Internacional; - Comércio: Casa Senna (desporto), FCV (distribuição alimentar), Proa (distribuição alimentar), Resul (equipamentos de energia); - Confecções e Vestuário - Afriber, Impetus; - Construção - Armando Cunha, Construções MonteAdriano, MSF e Somague; - Consultadoria e Formação - BDO, Deloitte, Mundiserviços, PriceWaterhouseCoopers e Snede; - Ensino: Universidade Lusófona, Universidade Piaget; - Hotelaria - Grupo Oásis Atlântico, Grupo Pestana; - Imobiliária Design Resorts, Sacramento Campos; - Materiais de Construção Cimpor, Secil e Prelage; - Pescado - Sal Sesimbra (exportação de Lagostas); - Saúde - Labesfal Farma; - Serviços diversos - Sonasa (segurança), Nuno Leónidas Arquitectos; - Serviços Turísticos CVTS, Neptunus e Soltrópico; - Telecomunicações - Portugal Telecom Internacional; - Transportes e Serviços Conexos - TAP, Horus, Marmod, Maersk, Portmar/Portline e Transinsular. Os Acordos Preferenciais de entrada em diversos mercados internacionais, abrangendo mais de 500 milhões de potenciais consumidores na União Europeia (Acordo de Cotonou), Estados Unidos (Sistema Generalizado de Preferências e AGOA- African Growth Opportunity Act ), Canadá (Nova Iniciativa para África), China e CEDEAO (Comunidade Económica dos Países da África Ocidental) tornam a Indústria Ligeira (essencialmente Calçado e Vestuário/Confecções) e as Zonas Francas Comerciais os sectores com potencial de investimento em Cabo Verde. No entanto, de acordo com o último relatório do Banco Mundial, Cabo Verde deverá apostar no Turismo, Sector Financeiro e Pescas. Página 4 de 17

5 RAZÕES PARA INVESTIR EM CABO VERDE Estabilidade política e económica Sistema político parlamentar com eleições livres; Ausência de conflitos políticos, étnicos ou religiosos; Indicadores económicos e sociais estáveis. Situação geográfica privilegiada Equidistante do Norte da América e do Sul de África; A meio caminho entre América do Sul e Europa Central; Servido por carreiras marítimas e aéreas regulares. Acesso preferencial a mercados Produtos originários beneficiam de condições de acesso preferencial aos mercados da União Europeia (Acordo de Cotonou), dos Estados Unidos (Acordos SGP e AGOA), do Canadá (Nova Iniciativa para África), da China e da CEDEAO (Tratado da CEDEAO). Mão-de-Obra Disponibilidade elevada, facilmente Treinável, nível de Produtividade elevado. Incentivos ao investimento externo Disponibilidade de 2 Parques Industriais infraestruturados (Praia-Santiago e Lazareto- São Vicente); 3 Aeroportos Internacionais em funcionamento (Sal, Praia-Santiago e Rabil-Boavista); 1 Aeroporto Internacional em construção (São Pedro-São Vicente); Portos Internacionais (Mindelo e Praia) de boa capacidade; Tecnologias de Comunicação e de Informação eficientes; Disponibilidade de serviços de abastecimento de água e energia. Garantias concedidas pelo Governo Não discriminação, tratamento justo e equitativo; Segurança e Protecção dos bens e direitos; Contas em divisas para livremente realizar suas operações; Transferência em divisas de todos os montantes a que legalmente o empresário tem direito. Regime de recrutamento de trabalhadores estrangeiros, seus direitos e garantias. Página 5 de 17

6 Lei do Investimento Externo INVESTIMENTO EXTERNO Isenções e reduções fiscais; Protecção de Bens e Direitos inerentes ao Investimento Externo; Dedução de impostos sobre lucros reinvestidos; Transferência para o exterior de dividendos e lucros; Abertura de contas em divisas e sua livre movimentação. Decreto Regulamentar do Investimento Externo Estatuto das Empresas Francas Apenas as empresas de produção de bens e serviços destinados exclusivamente à exportação ou à venda a outras empresas francas em Cabo Verde, podem requerer o Estatuto de Empresa Franca. As Empresas Francas são sociedades off-shore que desenvolvem negócios exclusivamente orientados para a exportação ou reexportação de bens e serviços. Incentivos às Exportações e Reexportações de Bens e Serviços Isenções e facilidades aduaneiras; Isenções e reduções fiscais; Livre exportação de produtos. Acordo de Promoção e Protecção de Investimentos entre Portugal e Cabo Verde Convenção para evitar a Dupla Tributação entre Portugal e Cabo Verde Outros Incentivos Financiamento de programas de formação de trabalhadores caboverdeanos; Financiamento de Assistência Técnica. Limites dos Incentivos Os incentivos especiais não se aplicam: Ao investimento externo, que se destine a actividades económicas orientadas fundamentalmente para o mercado interno. Ao investimento externo, que se aplique no sector financeiro, uma vez que este é regulado por lei específica. IMPORTANTE Para aceder à legislação mencionada consultar o canal Investir em Cabo Verde em Página 6 de 17

7 INVESTIMENTO SECTORIAL INDÚSTRIA Estatuto Industrial Condições de acesso e exercício da indústria, os incentivos à Actividade Industrial. Regulamento do Estatuto Industrial Actividade Industrial Determina as actividades para efeitos dos benefícios do Estatuto Industrial. Lei de Desenvolvimento Industrial Fundo de Desenvolvimento Industrial Contribui para o fomento da actividade do sector da Indústria pela concessão de subsídios, prestação de garantias de crédito e bonificação de juros. AGOA African Growth Opportunity Act (EUA) Acordo Comercial preferencial, com os Estados Unidos, para a exportação de Confecções e Vestuário que exige apenas 35% de incorporação em Cabo Verde para satisfazer as regras de origem. Incentivos Isenção de direitos, imposto de consumo na importação dos bens equipamentos e materiais listados; Isenção de fiscal sobre rendimentos gerados por cada novo estabelecimento industrial averbado durante um período de 5 anos. Após esse período os rendimentos serão tributados à taxa de um imposto único de 10%; Dedução de impostos sobre lucros reinvestidos; Bonificação de juros, garantias, avales e emolumentos para bens e materiais incorporados no fabrico de produtos destinados à exportação, Livre exportação de produtos. Outros Benefícios Disponibilidade de Pavilhões Industriais; Formação de operários; Celeridade nos procedimentos. IMPORTANTE Para aceder à legislação mencionada consultar o canal Investir em Cabo Verde em Página 7 de 17

8 INVESTIMENTO SECTORIAL TURISMO Lei Base do Desenvolvimento Turístico Estabelece os objectivos, os princípios, os meios e instrumentos básicos e as políticas enquadrantes do Desenvolvimento Turístico Fundo de Desenvolvimento do Turismo Contribui para o fomento da actividade do sector do Turismo pela concessão de subsídios, prestação de garantias de crédito e bonificação de juros. Lei de Utilidade Turística Atribui benefícios e isenções no âmbito da actividade turística. Mérito Turístico Actividade das Agências de Viagens e Turismo Hotelaria e Similares Zonas de Desenvolvimento Turístico Integral (ZDTI) e Zonas de Reserva e Protecção Turística (ZRPT) Incentivos Isenção de direitos aduaneiros na importação de materiais destinados à construção e exploração de hotéis e estâncias turísticas; Isenção de sisa e de imposto único sobre o património - IUP; 100% de isenção fiscal durante os primeiros 5 anos; Estabilização do regime fiscal (Imposto Único sobre Rendimentos de 10% após o 6º ano de actividade, sem prejuízo de eventuais condições bilaterais mais favoráveis contidas em acordos firmados entre o Estado de Cabo Verde e o Estado de nacionalidade do investidor); Regime de tributação reduzida para os 10 anos seguintes para os empreendimentos de Utilidade Turística ; Dedução de impostos sobre os lucros reinvestidos em actividades similares; Dedução na matéria colectável de despesas incorridas com a formação de trabalhadores caboverdeanos; Fundo de Desenvolvimento do Turismo. Condições especiais de incentivo A celebração de Convenções de Estabelecimento, criando condições excepcionais para cada caso, pode verificar-se para actividades de interesse estratégico. Para aceder à legislação mencionada consultar o canal Investir em Cabo Verde em Página 8 de 17

9 FORMALIDADES E TRAMITAÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO Estatuto de Investidor Externo O Pedido Todas as operações de investimento externo estão sujeitas a autorização prévia (nº1 do Artº 3º da Lei nº 89/IV/93). O pedido de Estatuto de Investidor Externo deve ser efectuado através da Câmara de Comércio Indústria e Turismo Portugal Cabo Verde ou directamente na CI-Cabo Verde Investimentos. Prazo de Resposta A decisão do Ministra das Finanças é transmitida ao potencial investidor num prazo máximo de 30 dias, após a entrega do pedido completo à CI-Cabo Verde Investimentos. Se a resposta não fôr comunicada ao requerente no prazo de 30 dias o pedido é considerado deferido. Certificado de Investidor Externo Este Certificado permite ao Investidor ter acesso aos incentivos previstos na Lei do Investimento Externo (Lei nº 89/IV/93). O Certificado expira se o investimento não for realizado dentro do prazo de 6 meses e é válido por 5 anos. Registo do Investimento Externo As operações de investimento externo que estão referidas no Artigo 5º da Lei nº 89/IV/93 estão sujeitas a registo, mediante a entrega, no Banco de Cabo Verde, de três exemplares do respectivo impresso de registo. Inspecção do Empreendimento Antes do início da actividade, o empreendimento deverá estar devidamente inscrito no departamento estatal respectivo, e será inspeccionado pelas entidades competentes, dentro dos trinta dias a contar da data do pedido de inspecção. IMPORTANTE Para aceder à legislação mencionada consultar o canal Investir em Cabo Verde em Página 9 de 17

10 FORMALIDADES E TRAMITAÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO Estatuto de Empresa Franca Apenas as empresas de produção de bens e serviços destinados exclusivamente à exportação,ou à venda a outras empresas francas em Cabo Verde, podem requerer o Estatuto de Empresa Franca. O Pedido Todas as operações de investimento externo estão sujeitas a autorização prévia (nº1 do Artº 3º da Lei nº 89/IV/93). O pedido de Estatuto de Investidor Externo deve ser efectuado através da CI-Cabo Verde Investimentos ou através da Câmara de Comércio Indústria e Turismo Portugal Cabo Verde. Prazo de Resposta A decisão do Ministro das Finanças e Planeamento é transmitida ao potencial investidor num prazo máximo de 30 dias, após a entrega do pedido completo à CI-Cabo Verde Investimentos. Caso a CI-Cabo Verde Investimentos solicite ao investidor a apresentação de novos elementos ou informações complementares, a contagem do referido prazo suspende-se e é retomada após o requerente ter prestado as informações solicitadas e/ou ter submetido os documentos em falta. Se a resposta não fôr comunicada ao requerente no prazo de 30 dias o pedido é considerado deferido. Certificado de Empresa Franca Este Certificado permite ao Investidor ter acesso aos incentivos previstos na Lei das Empresas Francas (Lei nº 99/IV/93). IMPORTANTE Para aceder à legislação mencionada consultar o canal Investir em Cabo Verde em Página 10 de 17

11 Indústria SECTORES PRIVILEGIADOS DE NEGÓCIO Industria ligeira em geral, com especial relevo para produção de componentes electrónicos, confecções, calçado, pozolana, cimento, sal marinho, transformação de pedras, embalagens, mobiliário, gráfica. Construção Civil Produção de inertes, artefactos de cimento e similares, prestação de serviços na sub-região africana e em especial nos países africanos de língua oficial portuguesa. Pescas Pesca industrial, processamento, conservação e comercialização de pescado. Agricultura Floricultura, fruticultura, horticultura, silvicultura e transformação pecuária (carnes, ovos e queijos). Transportes Transportes de passageiros inter-ilhas, transportes colectivos de passageiros, shipping em direcção à África Ocidental, nos sectores de cabotagem, serviços feeders e trumping. Serviços Serviços de dados e informações via telecomunicações, actividades de apoio ao turismo e à indústria, zonas francas comerciais, agências de marketing e publicidade, serviços financeiros, prestação de serviços na sub-região africana, em especial nos países africanos de língua oficial portuguesa. Turismo Hotéis de luxo, resorts, hotéis executivos, hotéis de desporto (polivalentes, pesca e mergulho), marinas. IMPORTANTE Para aceder à legislação mencionada consultar o canal Investir em Cabo Verde em Página 11 de 17

12 CRIAÇÃO DE EMPRESAS EM CABO VERDE O potencial investidor externo pode constituir uma sociedade optando por qualquer das formas jurídicas legalmente previstas. As Sociedades Anónimas e Por Quotas são as formas jurícas mais comuns, existindo também enquadramento jurídico para Cooperativas e Sociedades Unipessoais. Sociedades Anónimas As Sociedades Anónimas (SA) antes do início da actividade, necessitam cumprir os seguintes imperativos: A sociedade deverá ter um mínimo de dois (2) membros ou accionistas; Capital Social mínimo de Euros ( Escudos Caboverdeanos); O capital deverá ser integralmente subscrito; Um mínimo de 30% do capital subscrito deverá ser realizado com a constituição da empresa, por depósito em instituição bancária local. Os restantes 50% deverão realizar-se nos 3 anos seguintes sob forma estipulada no Contrato de Sociedade. Sociedades por Quotas As Sociedades por Quotas (Lda) devem cumprir os seguintes imperativos: Proceder ao acto de constituição pública da sociedade, indicando o capital social, o número e o valor das quotas; O desdobramento do capital social, subscrito por cada sócio; Capital Social mínimo de Euros ( Escudos Caboverdeanos); Um mínimo de 50% do capital subscrito deverá ser realizado no acto da escritura, por depósito em instituição bancária local. Os restantes 50% deverão realizar-se nos 3 anos seguintes sob forma estipulada no Contrato de Sociedade. Particularidades Importadores e Transitários deverão possuir capital mínimo de Euros ( Escudos caboverdeanos); Grossistas/Armazenistas deverão possuir capital mínimo de Euros ( Escudos Caboverdeanos); Retalhistas deverão possuir capital mínimo de Euros ( Escudos Caboverdeanos). A Câmara de Comércio Indústria e Turismo Portugal Cabo Verde fornece todo o apoio necessário à constituição de Sociedades Comerciais em Cabo Verde Página 12 de 17

13 COMO REGISTAR UMA EMPRESA EM CABO VERDE Solicitar uma certidão quanto à denominação pretendida; Elaborar os Estatutos. Apresentar ao notário o Extracto de Conta, ou Declaração de um Banco a funcionar em Cabo Verde, confirmando depósito em dinheiro dos valores mínimos estipulados por lei para realização do capital social; Realizar Escritura de Constituição da Sociedade; Publicação, no Boletim Oficial do Governo de Cabo Verde, do convénio constitutivo ou os estatutos da sociedade; Registar na Direcção Geral de Contribuições e Impostos - Ministério das Finanças e Planeamento, para efeitos de tributação; Efectuar o Registo junto aos departamentos estatais ou instituições competentes, em função das matérias; Obter a Certidão de Registo da Conservatória. Procedimentos adicionais após criação de empresa: Inscrição na Direcção Geral de Contribuição e Impostos, através da Repartição de Finanças local, para efeitos fiscais; Início de Actividade Provisório (Mod. 109 com data prevista de início de actividade); Início de Actividade Definitivo (Mod. 110); Licença de Actividade Comercial (Câmara Municipal respectiva), Licença de Importador/Exportador (Câmara de Comércio da respectiva Região), Licenciamento Industrial (Direcção Geral de Indústria e Energia). A Câmara de Comércio Indústria e Turismo Portugal Cabo Verde fornece todo o apoio necessário à constituição de Sociedades Comerciais em Cabo Verde Página 13 de 17

14 SISTEMA FISCAL Tributação sobre os Rendimentos - Imposto Único sobre Rendimentos - sobre Pessoas Singulares - sobre Pessoas Colectivas e Equiparadas Tributação sobre o Património - Imposto Único sobre o Património Tributação sobre a Despesa - Imposto sobre o Valor Acrescentado Imposto de Selo sobre as Transacções Convenção para Evitar a Dupla Tributação Imposto Único sobre Rendimentos (IUR) de Pessoas Singulares O IUR (PS) incide sobre o valor global anual (ano civil) das várias fontes de rendimento, quer em dinheiro quer em espécie, destacando-se: - Categoria A: rendimentos prediais derivados da locação total ou parcial de prédios; - Categoria B: rendimentos comerciais e industriais incluindo as mais-valias, prestações de serviços e os rendimentos agrícolas (agricultura e pecuária) e piscatórios; - Categoria C: rendimentos de capitais e outros tais como os provenientes de jogos e lotarias; - Categoria D: rendimentos de trabalho dependente e independente, incluindo pensões e rendas temporárias ou vitalícias. Imposto Único sobre Rendimentos (IUR) de Pessoas Colectivas e Equiparadas As Taxas de Tributação do IUR (PC) são de 30% para os contribuintes do método de verificação e de 20% para os contribuintes do método de estimativa. Para as Instituções Financeiras, monetárias e não monetárias, a taxa de IUR (PC) é de 20% sobre os lucros. Imposto Único sobre o Património (IUP) A taxa de tributação em sede de IUP é de 3% aplicados sobre actos sujeitos a escritura pública e sobre o valor patrimonial dos prédios. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) A taxa do IVA sobre a actividade económica é, na sua generalidade, de 15%, declarando-se isentos um conjunto de bens considerados essenciais no consumo. A Hotelaria e Restauração aplicam IVA a 6%. A sua aplicação não incide sobre o valor do Imposto de Selo. Imposto de Selo (IS) A taxa do imposto de selo de recibo aplicado nas vendas ou transacções e prestações de serviço é de 7 0 / 00 sobre valor da transacção antes de IVA. Página 14 de 17

15 Direitos de Importação Os Direitos de Importação são geralmente aplicados numa base ad-valorem (percentagem sobre o valor das mercadorias de 0, 5, 10, 20, 30, 40 ou 50%). Imposto sobre Consumos Especiais Além dos direitos atrás referidos, os produtos importados estão sujeitos ao Imposto sobre Consumos Especiais (10, 40, 100 ou 150%), que incide sobre determinadas mercadorias e bens considerados supérfluos, de luxo ou indesejáveis (álcool, tabaco, etc...). Dupla Tributação O Sistema Fiscal de Cabo Verde consagra, por Convenção com Portugal, o direito a evitar a Dupla Tributação no respeitante ao Imposto sobre Rendimentos (IRS e IRC) e a Derrama. A Pauta Aduaneira pode ser consultada na Câmara de Comércio Indústria e Turismo Portugal Cabo Verde. Página 15 de 17

16 PREÇOS DE CONSTRUÇÃO (2008) Finalidade Euros/m 2 Edifício Industrial 408 Edifício Residencial 526 Edifício Escritórios 472 Hangar 290 TRABALHO (2005) Em Cabo Verde não existe salário mínimo nacional, embora exista, de há muito, a discussão para o seu estabelecimento. Os salários são estabelecidos por acordo com a empresa. Algumas empresas atribuem os Subsídios de Férias e de Natal. Não se encontra instituído o subsídio de refeição. Notam, as empresas que os criaram, aumento de produtividade com a instalação de refeitórios. Categoria Euros/mês Director Geral Director Licenciado Contabilista Encarregado Geral Encarregado Secretária Electricista/Mecânico Chefe de Armazém Recepcionista Motorista Dactilógrafa Apontador Auxiliar Escriturário Servente Página 16 de 17

17 Seguro de Acidente de Trabalho e Doenças Profissionais * Classe 1-2% para funções administrativas (risco reduzido) * Classe 3-6% para as restantes funções Estes coeficientes aplicam-se a um ordenado máximo de 81,62 Euros (9.000$00 caboverdeanos). Pela desactualização do valor de referência é possível optar pela contratação de um seguro adicional para salários superiores. Encargos com Segurança Social * Encargos da Empresa - 15% * Encargos do Funcionário - 8% (É obrigatória a sua retenção na fonte). Página 17 de 17

www.portugalcaboverde.com CABO VERDE EM FICHA

www.portugalcaboverde.com CABO VERDE EM FICHA CABO VERDE EM FICHA Nome Oficial: República de Cabo Verde Capital: Praia Ilha de Santiago Superfície Total: População: 4.033 km 2 distribuídos por 10 ilhas e alguns ilhéus aprox. 491.575 habitantes (censo

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Maio 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Cabo Verde Condições Legais de Acesso ao Mercado Junho 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 8 2 1. Regime

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appearse Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Cabo Verde Leendert Verschoor Agenda Introdução 1 Ficha

Leia mais

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Apresentação Pública das Oportunidades de Investimentos nas Ilhas de Boa Vista e Maio Boa Vista, Outubro de 2009 INCENTIVOS AO INVESTIMENTO AGENCIA CABO VERDIANA DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS 1 AGÊNCIA

Leia mais

Estrutura da apresentação. 1. Apresentação Mercado Cabo Verde; 7. Oportunidades e dificuldades do mercado;

Estrutura da apresentação. 1. Apresentação Mercado Cabo Verde; 7. Oportunidades e dificuldades do mercado; ABC Mercado de Cabo Verde Portugal Constrói, ABC Mercado de Cabo Verde Estrutura da apresentação 1. Apresentação Mercado Cabo Verde; 2. Novo Governo e as suas prioridades; 3. Como abordar o mercado? 4.

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO

O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O SISTEMA FISCAL MOÇAMBICANO O sistema tributário moçambicano integra impostos directos e impostos indirectos, actuando a diversos níveis, designadamente: a) Tributação directa dos rendimentos e da riqueza;

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos SUMARIO 1-Quem somos, onde estamos -localização geoestratégica, CV em números 2-Nossa economia

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Samuel Fernandes de Almeida 17 e 18 de Fevereiro REGRAS GERAIS DE IMPOSTO INDUSTRIAL Incidência subjectiva Empresas com sede ou direcção efectiva em Angola e empresas com sede e

Leia mais

Doing Business em São Tomé e Príncipe

Doing Business em São Tomé e Príncipe Doing Business em Raul da Mota Cerveira Índice INVESTIMENTO PRIVADO PRESENÇA EM STP IMPOSTOS IMPOSTOS - IRC IMPOSTOS - IRC - LUCROS IMPOSTOS - IRS OUTROS IMPOSTOS CAMBIAL DIREITOS FUNDIÁRIOS CONTRATAÇÃO

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta.

PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO. 1 - Assinale a resposta correcta ou a mais correcta no caso de haver mais do que uma resposta correcta. ORDEM PROFISSIONAL DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FISCALIDADE CABO-VERDIANA EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO 04/07/2013 NOME: B.I. / PASS: PARTE I IVA-IMPOSTO SOBRE VALOR ACRESCENTADO 1 -

Leia mais

LEGISLAÇÕES/2013 ÁREA BANCÁRIA

LEGISLAÇÕES/2013 ÁREA BANCÁRIA LEGISLAÇÕES/2013 ÁREA BANCÁRIA Lei nº 27/VIII/2013, de 21/01/2013- Estabelece Medidas de Natureza Preventiva e Repressiva Contra o Terrorismo e o seu Financiamento e Proceder à primeira Alteração ao Código

Leia mais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais

Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Cabo Verde - Aspectos fiscais Liza Helena Vaz AICEP/ AIP/AIDA/ANEMM/APIA Agenda Tributação em Cabo Verde Aspectos fiscais do investimento português em Cabo Verde

Leia mais

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE INVESTIR EM MOÇAMBIQUE CRIAR UMA EMPRESA DE DIREITO MOÇAMBICANO Constituição de uma sociedade de direito moçambicano (%) Capital social mínimo Representação do capital social Sociedade por Quotas Não existe

Leia mais

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE

Internacionalização de PME. Mercado de MOÇAMBIQUE Internacionalização de PME Mercado de MOÇAMBIQUE 12 de Junho de 2013 Mercado de MOÇAMBIQUE ÍNDICE Índice Introdução MOÇAMBIQUE Sociedades Comerciais e Representações Comerciais Estrangeiras Lei de Investimentos

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Israel Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2011 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 6 2 1. Regime Geral

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Macau Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Macau Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Macau Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 5 3. Quadro Legal 7 2 1. Regime Geral

Leia mais

Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos

Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos 1 /9 Investimento estrangeiro em Moçambique: garantias e incentivos Moçambique tem efectuado um esforço de desenvolvimento muito significativo, procurando fundar sustentadamente o seu processo de crescimento.

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Reforma Fiscal Angolana

Reforma Fiscal Angolana Reforma Fiscal Angolana Impostos sobre aplicação de capitais Imposto de selo Imposto de consumo improve knowledge Luanda 2012 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO Formalidades a cumprir I II III o investidor deverá solicitar uma autorização prévia para concessão do Estatuto de Investidor Externo. O pedido poderá ser efetuado através da agência

Leia mais

25 anos a realizar o sonho de casa própria

25 anos a realizar o sonho de casa própria 25 anos a realizar o sonho de casa própria ÍNDICE 1 CABO VERDE 2 IFH 3 SECTOR IMOBILIÁRIO 4 POSICAO DA IFH NO SECTOR IMOBILIÁRIO 5 PROJECTOS 8 9 PROJECTOS CABO VERDE Arquipélago da África subsaariana,

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Tunísia Condições Legais de Acesso ao Mercado Fevereiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005. de 7 de Julho. Lei do Investimento Externo

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005. de 7 de Julho. Lei do Investimento Externo REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL LEI Nº 5 /2005 de 7 de Julho Lei do Investimento Externo As políticas delineadas no Plano de Desenvolvimento Nacional para o crescimento económico

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar São Tomé e Príncipe Condições Legais de Acesso ao Mercado Abril 2010 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 3 3. Quadro Legal 6 2

Leia mais

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA

SISTEMA FISCAL. 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA SISTEMA FISCAL 27 de Outubro SAMUEL FERNANDES DE ALMEIDA Auditório SIBS PASSAPORTE PARA MOÇAMBIQUE ÍNDICE Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRPC ) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas

Leia mais

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS

QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS ANGOLA: QUESTÕES LEGAIS/FISCAIS Porto, 06 de Março de 2012 ÍNDICE Parte I Parte II FORMAS DE REPRESENTAÇÃO SOCIEDADES SUCURSAIS E ESCRITÓRIOS DE REPRESENTAÇÃO Parte III ASPECTOS ESSENCIAIS DO REGIME FISCAL

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS CABO-VERDIANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS CABO-VERDIANOS. Imposto Base de incidência Taxa SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS CABO-VERDIANOS Imposto Base de incidência Taxa Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS) Contribuições paraa Segurança Social Os

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO

MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO MODIFICAÇÕES MAIS RELEVANTES INTRODUZIDAS PELA NOVA LEI DO INVESTIMENTO PRIVADO Sofia Vale Agosto de 2015 Foi publicada recentemente a nova Lei do Investimento Privado 1 (doravante A Nova LIP ), que contém

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS FUNDOS ESPECIAIS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S M I S T O S ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII)

Leia mais

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário

Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS Workshop sobre o Investimento Responsável no Sector Agrário Cidade Maputo, 23 de Abril de 2015 CONTEÚDO Papel

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

U M O L H A R S O B R E... O S I S T E M A F I S C A L C A B O - V E R D I A N O

U M O L H A R S O B R E... O S I S T E M A F I S C A L C A B O - V E R D I A N O i U M O L H A R S O B R E... O S I S T E M A F I S C A L C A B O - V E R D I A N O 1. INFORMAÇÃO GERAL TAX & BUSINESS A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010

ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS. Carla Pereira. São João da Madeira, 30 de Março de 2010 ORÇAMENTO DO ESTADO 2010 MEDIDAS FISCAIS IRS São João da Madeira, 30 de Março de 2010 1 1 TRIBUTAÇÃO DOS ACTOS ISOLADOS 2 REGIME SIMPLIFICADO 3 MAIS-VALIAS 4 CATEGORIA H - Pensões 5 DECLARAÇÃO Dispensa

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S )

TAX & BUSINESS O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) i N º 1 6 / 1 5 O C E N T R O I N T E R N A C I O N A L D E N E G Ó C I O S D A M A D E I R A ( D E S E N V O L V I M E N T O S R E C E N T E S ) (CINM) O CINM, a que corresponde a Zona Franca da Região

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento:

Resumidamente os citados Decretos Legislativos Presidenciais têm o seguinte enquadramento: 2012 Reforma Fiscal Estimado Cliente, O presente documento tem por finalidade dar a conhecer a publicação no Suplemento do Diário da República, I Série Nº 252 de 30 de Dezembro de 2011, onde foram divulgados,

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS Tribunal de Contas LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos sobre o

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Alemanha Condições Legais de Acesso ao Mercado Setembro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

INVESTIR EM CABO VERDE

INVESTIR EM CABO VERDE INVESTIR EM CABO VERDE CONSTITUIÇÃO DE UMA SOCIEDADE DE DIREITO CABO-VERDIANO Capital social mínimo Representação do capital social Responsabilidade limitada Número mínimo de sócios/acionistas Órgãos sociais

Leia mais

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros

Zonas de Desenvolvimento Elegíveis para Efeitos da Atribuição de Incentivos Financeiros Sectores Alvo Tendo em vista implementar a sua visão de uma transição para uma economia de mercado forte, o Governo de Angola, por intermédio da ANIP, promove activamente o investimento privado por parte

Leia mais

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais 22 TÍTULOS 22.1. Transacção

Leia mais

FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES

FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES Associação Nacional de Jovens Empresários APOIO JURÍDICO FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários Casa do Farol Rua Paulo Gama s/n 4169-006

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

O INVESTIMENTO LOW-COST EM ESPANHA AIMINHO - 26 DE MAIO DE 2014 INVESTIMENTO EM ESPANHA LOW COST I.- Início de actividade II.- Ajudas e subvenções III.- Investir através de Espanha IV.- Prestação de serviços

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 126/2015, Série I, de 01/07, páginas 4545-4547. ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Lei n.º 64/2015, de 1 de julho Estado: vigente Resumo:

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Dezembro de 2004 Número 7 Publicação da Direcção de Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Assinatura do Suplemento ao CEPA com maior liberalização 2. Conferência

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto

www.juristep.com Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto Lei n.º 7/2008, de 27 de Agosto CÓDIGO DE INVESTIMENTOS Este texto tem carácter meramente informativo e não dispensa a consulta dos diplomas originais, conforme publicados no Diário da República. Quando

Leia mais

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S)

CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) CONTRATO DE GESTÃO DE CARTEIRA (S) ENTRE ALTAVISA GESTÃO DE PATRIMÓNIOS, S.A., pessoa colectiva n.º 507 309 189, com sede em Matosinhos, na Rua Roberto Ivens, n.º 1280, 1.º andar sala 6 4450 251 Matosinhos,

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS - 2009 JANEIRO / 2009 Até ao dia 12 Entrega da Declaração Modelo 11, por transmissão electrónica de dados, pelos Notários, Até ao dia 20 - Entrega, pelas Instituições de Crédito

Leia mais

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa

QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS. Imposto Base de incidência Taxa CADERNO FISCAL Setembro 2015 MOÇAMBIQUE SISTEMA TRIBUTÁRIO QUADRO RESUMO DOS PRINCIPAIS IMPOSTOS MOÇAMBICANOS Imposto Base de incidência Taxa IRPS Os residentes sãos tributados relativamente ao seu rendimento

Leia mais

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO

VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO Anexo à Instrução nº 1/96 VIII. NOMENCLATURA DAS OPERAÇÕES ÍNDICE TEMÁTICO A Abatimentos e devoluções - Mercadorias Acções, compra/venda de (ver em Investimento) Aceitação/entrega de notas com movimentação

Leia mais

A D V O G A D O S, L D A. Mozbuilding. Licenciamento de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil. Maputo, Novembro 2012.

A D V O G A D O S, L D A. Mozbuilding. Licenciamento de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil. Maputo, Novembro 2012. A D V O G A D O S, L D A. Mozbuilding Licenciamento de Empreiteiros de Obras Públicas e Construção Civil Maputo, Novembro 2012 Por: JM Caldeira Conteúdo 1. Constituição de Empresas 2. Licenciamento 3.

Leia mais

As obrigações fiscais das Associações de Pais

As obrigações fiscais das Associações de Pais XIII Encontro Regional de Associações de Pais VISEU As obrigações fiscais das Associações de Pais 1 Introdução Definição de Associação Associação é uma organização resultante da reunião legal entre duas

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011

ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 ANEXO 1 À CIRCULAR Nº 06 /EES/2011 CÓDIGO 1 BENS 11 Mercadorias Gerais 111 Exportações / Importações de Mercadorias 11101 Açúcar de Cana ou de Beterraba no Estado Sólido 11102 Água Mineral Natural ou Artificial

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 Assunto: Locação de imóveis Renúncia à isenção L201 2005034 despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 05-01-06 Conteúdo: 1.

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DE MOÇAMBIQUE BENEFICIOS FISCAIS PARA O SECTOR DE HOTELARIA E TURISMO MAPUTO, 05 DE MARÇO DE 2012 REGIME FISCAL APLICÁVEL AO SECTOR

Leia mais

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau

Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Boletim Informativo do CEPA Edição de Março de 2014 Número 48 Publicação da Direcção dos Serviços de Economia de Macau Índice: 1. Balanço da eficácia do Acordo CEPA 2013 2. Primeiro banco com sede em Macau,

Leia mais