DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães"

Transcrição

1 DIREITO EMPRESARIAL Prof. Maurício Andrade Guimarães Matéria: Obrigações do empresário: O Regime Empresarial Registro: matrícula, arquivamento e autenticação Órgãos de Atuação: DNRC e Junta Comercial Escrituração: princípios, métodos, livros Balanço Patrimonial 1. O Regime Empresarial São as obrigações do empresário - Registro (art. arts a do Código Civil) - Escrituração (arts a do Código Civil) - Balanço Patrimonial Periódico 2. O Registro Art. 967 do CC. É obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de sua atividade. Lei n /1994 disciplina o registro de empresas mercantis e atividades afins Órgãos Responsáveis pelo registro: DNRC Departamento Nacional de Registro do Comércio (âmbito Federal) Competência Fiscalizatória e Normativa Junta Comercial (âmbito Estadual) Competência Executória Consequências da Falta de Registro: Responsabilidade ilimitada pelas obrigações da empresa Ilegitimidade para requerer a falência de outro empresário Não poderá requerer a recuperação judicial Nome Empresarial - ausência de proteção jurídica

2 3. Atos do Registro MATRÍCULA: somente para alguns profissionais (leiloeiros, intérpretes, administradores de armazéns gerais) ARQUIVAMENTO AUTENTICAÇÃO 3.a ARQUIVAMENTO Arquivamento dos atos Compreende os documentos relativos à constituição, alterações, dissolução e extinção de firmas mercantis individuais e sociedades empresárias. Art. 985 do CCivil: A sociedade adquire personalidade jurídica com a inscrição, no registro próprio e na forma da lei, dos seus atos constitutivos (arts. 45 e 1.150). Quando requerer o arquivamento do ato na Junta Comercial? Até 30 dias da data da sua assinatura Se descumprir o prazo de 30 dias, o ato somente terá efeito jurídico a contar da data do seu arquivamento na Junta Comercial. Inatividade da Empresa: 10 anos sem arquivar nenhum documento na junta comercial Cancelamento automático do registro da empresa 3.b AUTENTICAÇÃO Os livros (instrumentos de escrituração) devem ser autenticados pelas Juntas Comerciais para garantir sua veracidade. Valor probante dos livros autenticados Tentativa de evitar eventuais adulterações 3.c ESCRITURAÇÃO: Art do Código Civil. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico.

3 PRINCÍPIOS DA ESCRITURAÇÃO: - Princípio da Fidelidade: a escrituração deve corresponder à realidade Visa manter a confiabilidade dos lançamentos Art do CCivil. A escrituração será feita em idioma e moeda corrente nacionais e em forma contábil, por ordem cronológica de dia, mês e ano, sem intervalos em branco, nem entrelinhas, borrões, rasuras, emendas ou transportes para as margens. -Princípio do Sigilo: exceto para o fisco e por ordem judicial Art do CCivil. Ressalvados os casos previstos em lei, nenhuma autoridade, juiz ou tribunal, sob qualquer pretexto, poderá fazer ou ordenar diligência para verificar se o empresário ou a sociedade empresária observam, ou não, em seus livros e fichas, as formalidades prescritas em lei. Art do CCivil. O juiz só poderá autorizar a exibição integral dos livros e papéis de escrituração quando necessária para resolver questões relativas a sucessão, comunhão ou sociedade, administração ou gestão à conta de outrem, ou em caso de falência. -Princípio da Uniformidade Temporal: uniformidade de método contábil para a escrituração, apesar do decurso do tempo. LIVROS: Espécies de Livros: - Obrigatório: LIVRO DIÁRIO Art do C. Civil. No Diário serão lançadas, com individuação, clareza e caracterização do documento respectivo, dia a dia, por escrita direta ou reprodução, todas as operações relativas ao exercício da empresa. - Facultativos: Livro Razão - No livro Razão, ao invés de fazer o lançamento pelo dia da operação, os lançamentos são feitos pelas contas a que dizem respeito. Livro CAIXA: registra qualquer entrada e saída de dinheiro

4 FORÇA PROBATÓRIA DA ESCRITURAÇÃO: Art. 226 do Código Civil. Os livros e fichas dos empresários e sociedades provam contra as pessoas a que pertencem, e, em seu favor, quando, escriturados sem vício extrínseco ou intrínseco, forem confirmados por outros subsídios. Parágrafo único. A prova resultante dos livros e fichas não é bastante nos casos em que a lei exige escritura pública, ou escrito particular revestido de requisitos especiais, e pode ser ilidida pela comprovação da falsidade ou inexatidão dos lançamentos. OBSERVAÇÕES: - Regra Geral: a escrituração é obrigatória (art do Código Civil) - Agentes Fiscais e Previdenciários: - Súmula 439 do STF: Estão sujeitos a fiscalização tributária ou previdenciária quaisquer livros comerciais, limitado o exame aos pontos objeto da investigação. - Livros Autenticados meio de prova contra e a favor do empresário - Responsabilidade técnica pela elaboração do livro empresarial contador - Responsabilidade pela conservação do livro empresarial empresário - Lei de Falências Crime: Art. 178 da Lei de Falências. Deixar de elaborar, escriturar ou autenticar, antes ou depois da sentença que decretar a falência, conceder a recuperação judicial ou homologar o plano de recuperação extrajudicial, os documentos de escrituração contábil obrigatórios: Pena detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, e multa, se o fato não constitui crime mais grave. 4. BALANÇO PATRIMONIAL: CONCEITO: É levantamento do ativo e do passivo, bem como a demonstração dos resultados da empresa. Art do Código Civil. O empresário e a sociedade empresária são obrigados a seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência com a documentação respectiva, e a levantar anualmente o balanço patrimonial e o de resultado econômico. Regra Geral: o balanço deve ser feito anualmente Exceção (balanço semestral) Sociedades Anônimas Instituições Financeiras

5 O empresário é livre para escolher o período anual ou ele deve corresponder ao ano civil? O empresário é totalmente livre para escolher o período de exercício da sua demonstração contábil. (Ex.: 01/julho a 30/junho) Exceção à Regra: as Instituições Financeiras tem obrigação de fazer o balanço patrimonial e de resultado todo dia 30 de junho e 31 de dezembro (balanço semestral com data fixa) CODIGO TRIBUTARIO NACIONAL CTN Art. 195 do CTN. Para os efeitos da legislação tributária, não tem aplicação quaisquer disposições legais excludentes ou limitativas do direito de examinar mercadorias, livros, arquivos, documentos, papéis e efeitos comerciais ou fiscais, dos comerciantes industriais ou produtores, ou da obrigação destes de exibilos. Parágrafo Único: Os livros obrigatórios de escrituração comercial e fiscal e os comprovantes dos lançamentos neles efetuados serão conservados até que ocorra a prescrição dos créditos tributários decorrente das operações a que se refiram

LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho. I. Obrigações comuns a todos os empresários

LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho. I. Obrigações comuns a todos os empresários LIVROS EMPRESARIAIS/ ESCRITURAÇÃO MERCANTIL (Ponto 4) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Obrigações comuns a todos os empresários - Registrar-se conseqüência pelo descumprimento: Irregularidade.

Leia mais

Nesta matéria vamos tratar dos prazos de prescrição para a guarda de documentos contábeis, declarações acessórias e dos tributos federais pagos.

Nesta matéria vamos tratar dos prazos de prescrição para a guarda de documentos contábeis, declarações acessórias e dos tributos federais pagos. GUARDA DE DOCUMENTOS E LIVROS Prazos de Prescrição 1. Introdução Com a chegada do novo ano, as empresas têm a necessidade de guardar os documentos fiscais de períodos anteriores e com eles vêm dúvidas

Leia mais

Sistema Nacional de Registro Mercantil (SINREM) Ex Vi Legis www.exvilegis.wordpress.com REGISTRO DE EMPRESA

Sistema Nacional de Registro Mercantil (SINREM) Ex Vi Legis www.exvilegis.wordpress.com REGISTRO DE EMPRESA REGISTRO DE EMPRESA Afirma o artigo 967 do Código Civil: É obrigatória a inscrição do empresário no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, antes do início de sua atividade. O Registro

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Fernando Passos Assistente José Branco Peres Neto versão: www.tonirogerio.com.br 2 Bimestre

DIREITO EMPRESARIAL Prof. Fernando Passos Assistente José Branco Peres Neto versão: www.tonirogerio.com.br 2 Bimestre Obrigações comuns a todos os empresários. Quando tratamos das obrigações comuns a todos empresários estamos tratando da regra geral, ou seja, todos empresários e sociedades empresárias que não estiverem

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.330/11 Aprova a ITG 2000 Escrituração Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento no disposto na alínea f

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T XX ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL 3 19 FORMALIDADE DA ESCRITURAÇÃO EM FORMA ELETRÔNICA 20 29 ESCRITURAÇÃO

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 11/07/2011.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 11/07/2011. ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL - Regras Gerais Aplicáveis Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 11/07/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Objetivo da Norma 3 - Alcance da Norma 4 - Formalidades da

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA No 94, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2002 Dispõe sobre a especificação de atos integrantes da Tabela de Preços dos Serviços prestados pelos órgãos do Sistema Nacional de Registro de Empresas

Leia mais

003 - EXTINCAO/DISTRATO 003 - EXTINCAO/DISTRATO

003 - EXTINCAO/DISTRATO 003 - EXTINCAO/DISTRATO 002 - ALTERAÇÃO 040 - CONVERSAO DE SOCIEDADE CIVIL / SOCIEDADE SIMPLES 041 - CONVERSAO EM SOCIEDADE CIVIL / SOCIEDADE SIMPLES 042 - INCORPORACAO 043 - FUSAO 044 - CISAO PARCIAL 045 - CISAO TOTAL 046 -

Leia mais

AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS

AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS 1 AULA 2 - REGISTRO DE EMPRESAS Introdução funções: O Código Comercial de 1850 criou os Tribunais de Comércio que tinha duas 1) Julgar os conflitos que envolviam comerciantes; 2) Função administrativa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRET ARIA DA FAZENDA JU NTA C OM ERCI AL DO E STADO DE S ÃO P AU LO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRET ARIA DA FAZENDA JU NTA C OM ERCI AL DO E STADO DE S ÃO P AU LO DELIBERAÇÃO JUCESP N 1, DE 06 DE ABRIL DE 2010. Aprova Tabela de Preços dos atos pertinentes ao Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins O PLENÁRIO DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS ATO SERVIÇOS PRESTADOS PELA JUNTA COMERCIAL DE ALAGOAS CÓDIGO DO ATO CÓDIGO DO EVENTO PRAZO PARA ARQUIVAMENTO DAR (Código 3220-4) DARF (Código 6621) 1. EMPRESÁRIO (até 4 vias) (213-5) 1.1. Inscrição (registro

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS SERVIÇOS PRESTADOS PELA 1. EMPRESÁRIO (213-5) DO F 1.1. Inscrição (registro inicial) 080 080 02 dias úteis R$ 85,00 R$ 10,00 1.2 Alteração (exceto para filiais) Alteração de nome empresarial (código de

Leia mais

Material de apoio para a disciplina de Direito Civil V Professor Foed Saliba Smaka Jr. Faculdade do Litoral Paranaense ISEPE Guaratuba 2015.

Material de apoio para a disciplina de Direito Civil V Professor Foed Saliba Smaka Jr. Faculdade do Litoral Paranaense ISEPE Guaratuba 2015. Material de apoio para a disciplina de Direito Civil V Professor Foed Saliba Smaka Jr. Faculdade do Litoral Paranaense ISEPE Guaratuba 2015. ADVERTÊNCIA Os textos apresentados neste trabalho correspondem

Leia mais

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Registro de Empresa Obrigações aos Empresários São obrigações dos empresários: a) Seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TURISMO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE ALAGOAS SERVIÇOS PRESTADOS PELA DO DO F 1. EMPRESÁRIO (213-5) 1.1. Inscrição (registro inicial) 080 080 02 dias úteis R$ 88,00 R$ 10,00 1.2 Alteração (exceto para filiais) Alteração de nome empresarial (código

Leia mais

JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE MINAS GERAIS (Anexo 1- Entendimentos) ENTENDIMENTOS E106 E107 E108 E109 E110 E111 E112 E113 Spe- Prazo de duração O prazo de duração deve ser limitado ao término de empreendimento de objeto específico e determinado,

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL JOSÉ RODRIGO D. VIEIRA PONTO 1: ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL PONTO 2: REGISTRO PÚBLICO PONTO 3: ---

DIREITO EMPRESARIAL JOSÉ RODRIGO D. VIEIRA PONTO 1: ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL PONTO 2: REGISTRO PÚBLICO PONTO 3: --- DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL PONTO 2: REGISTRO PÚBLICO PONTO 3: --- ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL: ART. 1142-49 1 CC e ART. 51 2 E SS lei 8245/91 complexo de bens. Integram a

Leia mais

GOVERNO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ

GOVERNO DO PIAUÍ SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E TECNOLÓGICO JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PIAUÍ TABELA DE PREÇOS PÚBLICOS JUCEPI Vigência 06/04/2015 ATOS INTEGRANTES DA TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS DO REGISTRO PÚBLICO DE EMPRESAS MERCANTIS E ATIVIDADES AFINS Ordem 01 ATOS SERVIÇOS PRESTADOS Normal

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade II DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade II DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade II DIREITO SOCIETÁRIO Introduçao A unidade II aborda: falência; recuperação judicial e extrajudicial; intervenção e liquidação de instituições financeiras. Introduçao ART.

Leia mais

PARTE I INTRODUÇÃO REGRA GERAL

PARTE I INTRODUÇÃO REGRA GERAL PARTE I INTRODUÇÃO Este guia tratará dos prazos de guarda e manutenção de livros e documentos fiscais, seja de competência federal, estadual ou municipal, bem como das multas decorrentes da falta, atraso

Leia mais

Escrituração Contábil Digital - ECD. Instrutor: Márcio Tonelli (tt.consultoria.sped@gmail.com)

Escrituração Contábil Digital - ECD. Instrutor: Márcio Tonelli (tt.consultoria.sped@gmail.com) Escrituração Contábil Digital - ECD Instrutor: Márcio Tonelli (tt.consultoria.sped@gmail.com) CONCEITO Sped Contábil Escrituração Contábil Digital ECD Escrituração Contábil em Forma Digital Livro Digital

Leia mais

TABELA DE ATOS E EVENTOS

TABELA DE ATOS E EVENTOS TABELA DE ATOS E EVENTOS CÓDIGO DESCRIÇÃO DO ATO (O ATO CORRESPONDE AO DOCUMENTO A SER ARQUIVADO) DO ATO CÓDIGO DESCRIÇÃO DO EVENTO (O EVENTO CORRESPONDE A FATO QUE REQUER DO TRATAMENTO PARTICULARIZADO

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

DECADÊNCIA E CONSERVAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS

DECADÊNCIA E CONSERVAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS DECADÊNCIA E CONSERVAÇÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS Elaborado em 11.2007. José Hable Auditor tributário da Secretaria de Fazenda do Distrito Federal, graduado em Agronomia pela UFPR, Administração de Empresas

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

PRAZOS DE GUARDA E MANUTENÇÃO DE LIVROS E DOCUMENTOS

PRAZOS DE GUARDA E MANUTENÇÃO DE LIVROS E DOCUMENTOS PRAZOS DE GUARDA E MANUTENÇÃO DE LIVROS E DOCUMENTOS Regra geral Regra geral, o prazo de guarda e manutenção de livros e documentos fiscais, seja de competência federal, estadual ou municipal, tem ligação

Leia mais

DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2

DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2 DIREITO COMERCIAL MÓDULO 2 Índice 1. Títulos de crédito...4 1.1 origem... 4 1.2 O crédito... 4 1.3 Conceito geral dos títulos de crédito... 4 1.4 Características dos títulos de crédito... 4 1.5 independência...

Leia mais

3 Micro e pequenos empresários, 167

3 Micro e pequenos empresários, 167 Nota do autor, xix 1 HISTÓRICO, 1 1 A invenção do comércio e do mercado, 1 2 Antiguidade, 5 3 Idade média e moderna, 16 3.1 Direito comercial no Brasil, 19 4 Unificação do direito privado, 20 5 A valorização

Leia mais

Dúvidas sobre livros mercantis

Dúvidas sobre livros mercantis Dúvidas sobre livros mercantis 1 - Para o registro do balanço como documento de interesse, na Junta Comercial, exige-se que seja informado o número das folhas do livro Diário em que foi retirado o balanço?

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

Direito de empresa. Prof. Cristiano Erse. www.erse.com.br

Direito de empresa. Prof. Cristiano Erse. www.erse.com.br Direito de empresa Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br Do direito comercial ao direito de empresa Direito comercial: foco nos atos de comércio e no comerciante. Direito empresarial: foco na empresa e

Leia mais

Exigibilidade. Introdução

Exigibilidade. Introdução 1 Exigibilidade Introdução 1. Considerações: Os devedores de um título de crédito são de duas categorias: o chamado devedor principal, que, na letra de câmbio, é o aceitante, e os coobrigados, que, nesta

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte TEORIA DA CONTABILIDADE 1. CONTA: Conta é o nome técnico que identifica cada componente patrimonial (bem, direito ou obrigação), bem como identifica um componente de resultado (receita ou despesas). As

Leia mais

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA

REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA REVISÃO 21 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS - RENOVAÇÃO QUALIFICAÇÃO TÉCNICA PASTA AMARELA 1. Na renovação a empresa deverá informar, por escrito, se houve ou não alteração dos documentos de Qualificação Técnica

Leia mais

ESCRITURAÇÃO É uma técnica que se utiliza dos lançamentos para controlar os elementos patrimoniais.

ESCRITURAÇÃO É uma técnica que se utiliza dos lançamentos para controlar os elementos patrimoniais. MÓDULO IV CONTABILIDADE GERENCIAL ESCRITURAÇÃO As variações no patrimônio, sejam no aspecto qualitativo ou quantitativo, devem ser registradas formalmente através de um modelo racional e sistematizado.

Leia mais

1. Legislação empresarial:

1. Legislação empresarial: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Legislação empresarial PONTO 2: Conceitos de Direito Empresarial PONTO 3: Excluídos do Regime Jurídico Empresarial PONTO 4: Espécies de Empresário PONTO 5: Gênero de Sociedades

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Junta Comercial do Estado de São Paulo ANEXO I A QUE SE REFERE À DELIBERAÇÃO JUCESP Nº 01, DE 18 DE MARÇO DE 2015. TABELA DE PREÇOS DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO JUCESP APROVADA PELO COLÉGIO DE VOGAIS DA JUCESP EM SESSÃO PLENÁRIA

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS Formas de retorno e garantia de direito Orientações sobre retenção http://www.mpas.gov.br A Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro

Leia mais

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007.

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. DESCRIÇÃO DAS EMENTAS, OBJETIVOS, PLANO DE DISCIPLINAS E BIBLIOGRAFIA. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS Ementa: Empresa. Técnicas de Administração,

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

ÓRGÃOS E ATOS DO REGISTRO DE EMPRESA DIREITO EMPRESARIAL I 5º DIV PROFESSORA CAMILA ILÁRIO

ÓRGÃOS E ATOS DO REGISTRO DE EMPRESA DIREITO EMPRESARIAL I 5º DIV PROFESSORA CAMILA ILÁRIO ÓRGÃOS E ATOS DO REGISTRO DE EMPRESA DIREITO EMPRESARIAL I 5º DIV PROFESSORA CAMILA ILÁRIO O empresário é obrigado a inscrever-se no Registro das Empresas antes de dar início à exploração do negócio a

Leia mais

ASSUNTOS SOCIETÁRIOS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2010

ASSUNTOS SOCIETÁRIOS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2010 ANO XXI - 2010-4ª SEMANA DE JUNHO DE 2010 BOLETIM INFORMARE Nº 26/2010 ASSUNTOS SOCIETÁRIOS ESCRITURAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS E DAS SOCIEDADES EMPRESÁRIAS - AUTENTICAÇÃO DOS LIVROS - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

CURSO PRÁTICA CONTÁBIL www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013

CURSO PRÁTICA CONTÁBIL www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos e Jurídicos Goiânia - Goiás - 21/08/2013 SINDICATO DOS CONTABILISTAS ESTADO GOIÁS CONSELHO REGIONAL CONTABILIDADE GOIÁS CONVÊNIO CRCGO / SCESGO CURSO PRÁTICA CONTÁBIL www.scesgo.com.br Otávio Martins de Oliveira Júnior Diretor Assuntos Técnicos

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

Decadência e Prescrição em Matéria Tributária

Decadência e Prescrição em Matéria Tributária CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO Decadência e Prescrição em Matéria Tributária F A B I A N A D E L P A D R E T O M É G O I Â N I A, 1 1 / 0 4 / 2 0 1 5 CICLO DE POSITIVAÇÃO DO DIREITO CONSTITUIÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 102, DE 25 DE ABRIL DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 102, DE 25 DE ABRIL DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 102, DE 25 DE ABRIL DE 2006 Dispõe sobre a autenticação de instrumentos de escrituração dos empresários, sociedades empresárias, leiloeiros e tradutores públicos e intérpretes comerciais.

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE TRIBUTÁRIO FCC Lançamento 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Um contribuinte do Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU possuía

Leia mais

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Direito Societário Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Importância do Direito Societário Conhecimento Jurídico como ferramenta para a gestão de negócios

Leia mais

A ESCRITURAÇÃO DOS LIVROS EMPRESARIAIS

A ESCRITURAÇÃO DOS LIVROS EMPRESARIAIS A ESCRITURAÇÃO DOS LIVROS EMPRESARIAIS MATHEUS CAMPOLINA MOREIRA Bacharel em Direito pela FD-UFMG, Especialista em Gestão Estratégica pela FACE-UFMG, Advogado em Belo Horizonte. RESUMO: Escrituração é

Leia mais

Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de

Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de Imagem da Contabilidade/Contador Ambiente contábil Viés fiscal Fisco se apropriou da Contabilidade Objetividade das normas/dificuldade de evidenciação Inexistência de escrituração contábil Inexistência

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE EMPRESARIAL

VISÃO DA COMUNIDADE EMPRESARIAL SEMINÁRIO SPED ACE GUARULHOS 20/03/2009 VISÃO DA COMUNIDADE EMPRESARIAL Paulo Roberto da Silva BRASIL - SITUAÇÃO ATUAL EX. OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS DOS ESTADOS SPED UMA NOVA ERA NA ESCRITURAÇÃO NACIONAL SPED

Leia mais

LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º ÍNDICE. Lei n.º 15/2001

LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º ÍNDICE. Lei n.º 15/2001 LEI N.º 15/2001, DE 5 DE JUNHO Artigo 1.º Lei n.º 15/2001 Artigo 1.º Regime Geral das Infracções Tributárias... 15 Artigo 2.º Norma revogatória... 16 Artigo 5.º Alteração da Lei das Finanças Locais...

Leia mais

Portaria CAT 29, de 4.3.2011.

Portaria CAT 29, de 4.3.2011. Portaria CAT 29, de 4.3.2011. LEGISLAÇÃO ESTADUAL (Diário Oficial do Estado de São Paulo) Portaria COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAT/SP nº 29, de 04.03.2011 D.O.E.: 05.03.2011.

Leia mais

Responsabilidade na sucessão. Maria Rita Ferragut Doutora PUC/SP e Livre-docente USP

Responsabilidade na sucessão. Maria Rita Ferragut Doutora PUC/SP e Livre-docente USP Responsabilidade na sucessão Maria Rita Ferragut Doutora PUC/SP e Livre-docente USP Responsabilidade por sucessão Arts. 129 a 133 do CTN Transferência da obrigação de quitar o crédito tributário para um

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. DECADÊNCIA. PRESCRIÇÃO. PRAZO INICIAL. O processo do trabalho guarda perfeita simetria ao processo administrativo tributário posto

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO EXCLUSÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Art. 175 ao Art. 182 CTN Centro de Ensino Superior do Amapá Direito Financeiro e Tributário II Professora: Ilza Facundes Macapá-AP, 2013.1

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICOP AGOSTO 2009

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICOP AGOSTO 2009 Seminário NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICOP AGOSTO 2009 MUDANÇAS AS E DESAFIOS PARA A CONTABILIDADE PÚBLICA P NO BRASIL Lino Martins da Silva Prof. Associado do Programa de

Leia mais

SPED Contábil. ECD Escrituração Contábil Digital. Vera Lucia Gomes 28/08/2008 ABBC. www.spednet.com.br 1

SPED Contábil. ECD Escrituração Contábil Digital. Vera Lucia Gomes 28/08/2008 ABBC. www.spednet.com.br 1 SPED Contábil ECD Escrituração Contábil Digital Vera Lucia Gomes 28/08/2008 ABBC www.spednet.com.br 1 Programa Apresentação e Objetivos Regulamentação Livros contemplados Aspectos importantes da legislação

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA. Fases:

DIREITO EMPRESARIAL EVOLUÇÃO HISTÓRICA. Fases: 1 DIREITO EMPRESARIAL Fases: EVOLUÇÃO HISTÓRICA 1. Conceito Subjetivo (Id. Média): mercadores somente os associados estavam sujeitos às normas das corporações; 2. Conceito Objetivo (Sistema Francês 1807-1808):

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005

RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 RESOLUÇÃO CONSEAcc-SP 2/2005 ALTERA AS EMENTAS E CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DAS DISCIPLINAS CH1301 - COMERCIAL I, CH1306 - COMERCIAL II E CH1308 - COMERCIAL III, DO CURSO DE, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

OFICIO CIRCULAR DIPOA/SDA No 42/2010 Brasilia, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspecao de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFICIO CIRCULAR DIPOA/SDA No 42/2010 Brasilia, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspecao de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPUBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUARIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFICIO CIRCULAR DIPOA/SDA No 42/2010 Brasilia, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspecao de

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu Direito Tributário

Pós-Graduação Lato Sensu Direito Tributário Pós-Graduação Lato Sensu Direito Tributário Professora FABIANA DEL PADRE TOMÉ Mestre e Doutora em Direito Tributário pela PUC/SP Disciplina SUSPENÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO Que é crédito tributário? Crédito

Leia mais

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro

Exposição. 1. Município de Londrina ajuizou execução fiscal em face de Alessandro APELAÇÃO CÍVEL N. 638896-9, DA COMARCA DE LONDRINA 2.ª VARA CÍVEL RELATOR : DESEMBARGADOR Francisco Pinto RABELLO FILHO APELANTE : MUNICÍPIO DE LONDRINA APELADO : ALESSANDRO VICTORELLI Execução fiscal

Leia mais

SPED CONTÁBIL TREINAMENTO CONTABIL, 2014

SPED CONTÁBIL TREINAMENTO CONTABIL, 2014 SPED CONTÁBIL TREINAMENTO CONTABIL, 2014 SPED PRAZOS O que é SPED? Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) ou Escrituração Digital Contábil (ECD) é a substituição da escrituração em papel pela Escrituração

Leia mais

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio...

ÍNDICE. Alguns estudos do autor... Prefácio... ÍNDICE Alguns estudos do autor................... Prefácio..................................... 5 11 Capítulo I - CONCEITO DE DIREITO TRIBUTÁRIO 1. Direito financeiro e direito tributário........ 23 2.

Leia mais

Infrações Fiscais. Contraordenações

Infrações Fiscais. Contraordenações Infrações Fiscais O incumprimento das obrigações fiscais ou a prática de determinas atos que visem evitar ou diminuir ilicitamente os impostos devis podem constituir contraordenações ou ser consideras

Leia mais

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ!

Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03. Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Professor Gabriel Rabelo Contabilidade 03 Simulado de Contabilidade para o ISS RJ! Olá colegas! Realizaremos hoje um pequeno simulado para o concurso do ISS RJ. Lembrando que quaisquer dúvidas podem ser

Leia mais

Escrituração Contábil Digital ECD. Brasília, 18 de maio de 2012

Escrituração Contábil Digital ECD. Brasília, 18 de maio de 2012 Escrituração Contábil Digital ECD Brasília, 18 de maio de 2012 Abrangência do Sped NF-e Integração ECD NFS-e ReceitanetBX EFD Int e-lalur CT-e EFD Social FCont EFD Contribuições e-lalur Livro Eletrônico

Leia mais

CARREIRAS JURÍDICAS - INTENSIVO I Material de Apoio - Direito Tributário Eduardo Sabbag Causas de exclusão do crédito tributário MATERIAL DO PROFESSOR

CARREIRAS JURÍDICAS - INTENSIVO I Material de Apoio - Direito Tributário Eduardo Sabbag Causas de exclusão do crédito tributário MATERIAL DO PROFESSOR 1 CARREIRAS JURÍDICAS - INTENSIVO I Material de Apoio - Direito Tributário Eduardo Sabbag Causas de exclusão do crédito tributário MATERIAL DO PROFESSOR I- ANOTAÇÕES DE AULA II- QUESTÕES DE CONCURSO I-

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011. O Livro de Apuração do Lucro Real, também conhecido pela sigla Lalur, é um livro de escrituração

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011. O Livro de Apuração do Lucro Real, também conhecido pela sigla Lalur, é um livro de escrituração ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Lalur 001 O que vem a ser o Livro de Apuração do Lucro Real (Lalur)? O Livro de Apuração do Lucro Real, também conhecido pela sigla Lalur, é um livro de escrituração de

Leia mais

SUMÁRIO. Sumário 7 APRESENTAÇÃO... 23

SUMÁRIO. Sumário 7 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário 7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 23 Capítulo 1 CONTABILIDADE GERAL... 25 Aspectos iniciais pertinentes ao Exame de Suficiência... 25 1. Patrimônio e Variações Patrimoniais... 26 1.1. Conceito e Objeto...

Leia mais

CONTRATOS INTERNACIONAIS

CONTRATOS INTERNACIONAIS FACULDADE DE TECNOLOGIA DA ZONA LESTE CONTRATOS INTERNACIONAIS HILTON DA SILVA - PROFESSOR DE DIREITO hiltonds@ig.com.br hilton@cavalcanteesilva.com.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS O contrato é o instrumento

Leia mais

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. e) A aplicação retroativa de legislação tributária formal pode atribuir responsabilidade tributária aterceiros.

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. e) A aplicação retroativa de legislação tributária formal pode atribuir responsabilidade tributária aterceiros. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 01- Sobre o lançamento, com base no Código Tributário Nacional, assinale a opção correta. a) O lançamento é um procedimento administrativo pelo qual a autoridade fiscal, entre outras

Leia mais

A constituição do crédito tributário e o Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Daniela de Andrade Braghetta Mestre e doutoranda PUC/SP

A constituição do crédito tributário e o Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Daniela de Andrade Braghetta Mestre e doutoranda PUC/SP A constituição do crédito tributário e o Sistema Público de Escrituração Digital SPED Daniela de Andrade Braghetta Mestre e doutoranda PUC/SP Tempos modernos trazendo ajustes a novas tecnologias Situações

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.687, DE 2012 Altera o inciso I do artigo 37 da Lei nº 8.934, de 18 de novembro de 1994, que Dispõe sobre o Registro Público

Leia mais

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

Questões selecionadas por Fernanda Almeida Fernandes de Oliveira.

Questões selecionadas por Fernanda Almeida Fernandes de Oliveira. Questões selecionadas por Fernanda Almeida Fernandes de Oliveira. Email: fernandaafoliveira@gmail.com Disciplina: Direito Empresarial I Data: 05/05/13 Gabarito: 1) E 2) B 3) E 4) D 5) A 1- (FGV - 2010

Leia mais

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte

a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o contribuinte Unidade VIII I. PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO 1. Acepções e espécies a) conjunto de atos administrativos tendentes ao reconhecimento de uma situação jurídica pertinente à relação entre o Fisco e o

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Emolumentos 80621 O delegatário abstém-se de cobrar emolumentos para o registro dos atos constitutivos, como atas, estatutos, etc., das entidades sem fins lucrativos? 80622 O delegatário abstém-se

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIV EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em março de 2014, o Estado A instituiu, por meio de decreto, taxa de serviço de segurança devida pelas pessoas jurídicas com sede naquele Estado, com base de cálculo

Leia mais

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE

RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE compilações doutrinais RESPONSABILIDADE PESSOAL DOS SÓCIOS ADMINISTRADORES NOS DÉBITOS TRIBUTÁRIOS QUANDO DA DISSOLUÇÃO IRREGULAR DA SOCIEDADE Carlos Barbosa Ribeiro ADVOGADO (BRASIL) VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO

Leia mais

I Alterações do Manual de Orientação do Leiaute do Sped Contábil (ECD)

I Alterações do Manual de Orientação do Leiaute do Sped Contábil (ECD) Nota Técnica do Sped Contábil nº 001, de 16 de dezembro de 2013 Dispõe sobre as alterações no Manual de Orientação do Leiaute do Sped Contábil. Considerando que o Ato Declaratório Executivo n o 33, de

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.731, DE 2009 Altera as Leis n.ºs 8.218, de 29 de agosto de 1991, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, para permitir a

Leia mais

TÍTULO IV Do Registro de Títulos e Documentos CAPÍTULO I Das Atribuições

TÍTULO IV Do Registro de Títulos e Documentos CAPÍTULO I Das Atribuições TÍTULO IV Do Registro de Títulos e Documentos CAPÍTULO I Das Atribuições Art. 127. No Registro de Títulos e Documentos será feita a transcrição: (Renumerado do art. 128 pela Lei nº 6.216, de 1975). I -

Leia mais

DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL 77.893. Pessoal Ativo (1) 68.130. Pessoal Inativo e Pensionistas 31.582

DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL 77.893. Pessoal Ativo (1) 68.130. Pessoal Inativo e Pensionistas 31.582 UNIÃO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO DEMONSTRATIVO DAS DESPESAS COM PESSOAL PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO/2002 A DEZEMBRO/2002 LRF, art. 55, inciso I,

Leia mais

Confira os prazos para guarda de documentos trabalhistas previdenciários

Confira os prazos para guarda de documentos trabalhistas previdenciários Confira os prazos para guarda de documentos trabalhistas previdenciários Para resguardar os interesses dos trabalhadores e do fisco, os documentos inerentes à vida da empresa devem ser arquivados por determinado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A Administração Fazendária de determinado Estado, por entender que a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT enquadra-se como contribuinte do IPVA incidente

Leia mais

Travessa Francisco de Leonardo Truda, n 40 10 andar Centro Histórico Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3301-1600 www.garrastazu.com.

Travessa Francisco de Leonardo Truda, n 40 10 andar Centro Histórico Porto Alegre, RS CEP 90010-050 Fone/Fax: 3301-1600 www.garrastazu.com. SÍNTESE DOS ELEMENTOS DA AUTOFALÊNCIA A Falência é disciplinada pela Lei nº 11.101/05 e visa a promover a execução do devedor de maneira coletiva, reunindo todos os credores. O processo falimentar ocorre

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA APELADO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2006.021661-7/002 Capital RELATOR : Miguel de Britto Lyra Filho Juiz de Direito convocado. APELANTE : Indústria Reunidas F. Matarazzo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS CONSELHO MUNICIPAL DE TRIBUTOS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS CONSELHO MUNICIPAL DE TRIBUTOS DECISÃO PARADIGMÁTICA NÚMERO 1.000.001 Folha 1 / 8 RELATÓRIO 1. A empresa acima identificada foi autuada em decorrência de Ordem de Fiscalização regular O. F. Nº (...), instruída mediante processo administrativo

Leia mais

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL)

PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) PLANO DE AULAS CURSO ONLINE PRINCIPAIS TEMAS PFN (GRUPO 1 + PROCESSO CIVIL) Disciplina: Direito Constitucional Ravi Peixoto, Procurador Municipal. 10 (Dez) horas/aulas. 1 2 3 4 5 6 7 57:00m 54:00m 50:00m

Leia mais

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL - XIV. I Introdução:

RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL - XIV. I Introdução: RECUPERAÇÃO JUDICIAL E EXTRAJUDICIAL - XIV I Introdução: - A Lei nº 11.101/05 contém duas medidas judiciais para evitar que a crise na empresa venha a provocar a falência de quem a explora, ou seja, a

Leia mais

Cadastro de Fornecedores

Cadastro de Fornecedores CASA DA MOEDA DO BRASIL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE CONTRATAÇÕES E SUPRIMENTOS DEGCS DIVISÃO DE EDITAIS, CONTRATOS E DESENVOLVIMENTO COMERCIAL DE FORNECEDORES - DVEF SEÇÃO DE QUALIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Câmara Municipal De Natividade Da Serra

Câmara Municipal De Natividade Da Serra DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A INCRIÇÃO NO REGISTRO CADASTRAL (Em conformidade com os artigos 28 a 31 da Lei Federal Nº 8.666/93 e demais alterações posteriores): PESSOA JURÍDICA 1 - Documentação Relativa

Leia mais

SMPE. Departamento de Registro Empresarial e Integração. Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Secretaria de Racionalização e Simplificação

SMPE. Departamento de Registro Empresarial e Integração. Secretaria da Micro e Pequena Empresa. Secretaria de Racionalização e Simplificação SMPE Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração drei@planalto.gov.br 25/02/2014 DREI 1 Benefícios gerais das novas

Leia mais