ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALERTA DE TEMPESTADES APLICADO ÀS REFINARIAS DA PETROBRAS NO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALERTA DE TEMPESTADES APLICADO ÀS REFINARIAS DA PETROBRAS NO PARANÁ"

Transcrição

1 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ALERTA DE TEMPESTADES APLICADO ÀS REFINARIAS DA PETROBRAS NO PARANÁ Marco A. R. Jusevicius 1, Cesar A. A. Beneti 1, Leonardo Calvetti 1 RESUMO: Este trabalho apresenta os resultados de desempenho dos alertas de tempo severo (neste caso, tempestades capazes de produzir descargas atmosféricas) emitidos pelo SIMEPAR para as Unidades de Negócios da Petrobras no Paraná: REPAR (Refinaria Presidente Getúlio Vargas, na cidade de Araucária) e SIX (Industrialização do Xisto, na cidade de São Mateus do Sul). É mostrado que este sistema possui POD da ordem de 0.8, POFD da ordem de 0.35 e o skill avaliado pelo Threat Score (TS) e da ordem de 0.5. O custo desse sistema em termos de tempo de alerta (quando as atividades em locais desprotegidos devem ser suspensas) é da ordem de 300 horas/ano. ABSTRACT: This work presents the performance results of severe weather alerts (in this case, alerts for storms with lightning activities) issued by SIMEPAR to Petrobras refineries in Parana State, REPAR (President Getulio Vargas, Araucaria) and SIX (Shale Industrialization, at Sao Mateus do Sul). The results show that this system has a Probability od Detection (POD) score around 0.8, Probability of False Detection (POFD) around 0.35 and a Threat Score (TS) with skill in the order of 0.5. The cost of this system in terms of time of alert (when the activities in umprotected sites must be suspended) is in the order of 300 hours/year. Palavras-Chave: Nowcasting, descargas atmosféricas, previsão de tempo. INTRODUÇÃO Num contexto mundial, a incidência de descargas atmosféricas no território brasileiro é uma das maiores em todo o mundo, conforme dados de sensores embarcados em satélite (LIS e OTD), coletados nos últimos anos. Esse fato faz com que o risco de acidentes com pessoas que estejam em locais desprotegidos seja bastante significativo. Nos Estados Unidos, estudos mostram que as descargas atmosféricas estão em segundo lugar em número de mortes relacionadas a fenômenos ambientais, perdendo apenas para as inundações (Lushine et. all, 2005). Não existe estatística confiável no Brasil sobre o número de ocorrências de acidentes (sejam fatais ou não) em relação à incidência de descargas atmosféricas, porém estima-se que o número de óbitos seja superior a 100 pessoas por ano. Com a instalação e a ampliação de redes de detecção de descargas atmosféricas em alguns países nas ultimas décadas, a disponibilidade de dados qualificados em tempo real sobre a incidência de descargas atmosféricas também aumentou e tornou possível monitorar áreas críticas de forma ininterrupta. (Bonnet, 2004) destaca que esses dados podem ser úteis para atores do setor produtivo que sofrem o impacto da ocorrência de descargas atmosféricas. Este trabalho mostra os resultados da operação do sistema de monitoramento e alerta de descargas atmosféricas para as plantas industriais de refino da Petrobras no Paraná. 1 Instituto Tecnológico SIMEPAR, Centro Politécnico da UFPR, Caixa Postal 19100, CEP , Curitiba, PR. Tel: (41) , Fax: (41) ,

2 METODOLOGIA Sistema de monitoramento e alerta de tempestades Numa refinaria de petróleo, determinadas atividades de trabalho (sejam rotineiras ou excepcionais) são realizadas em ambientes abertos e desprotegidos em relação à incidência de descargas atmosféricas (como construção/manutenção de equipamentos e instalações industriais, manutenção de áreas verdes, inspeção de equipamentos a céu aberto, entre outros) e que podem envolver contingentes de algumas dezenas até milhares de trabalhadores simultaneamente. A Petrobras, em função de acidentes relacionados à ocorrência de descargas atmosféricas já registradas anteriormente, buscou uma alternativa que pudesse ser utilizada na rotina diária de trabalho nesses locais e que permitisse que o setor de SMS (Saúde, Meio Ambiente e Segurança) agir de forma preventiva nas refinarias e seus arredores. No final de 2002, o SIMEPAR propôs a implantação de um sistema de monitoramento e alerta de tempestades específico para as áreas das refinarias da Petrobras no qual, trabalhando de modo ininterrupto (24 horas / 7 dias por semana), fosse possível disponibilizar informações em tempo real de incidência de descargas atmosféricas nas áreas de interesse das plantas industriais e emitir, quando necessário, alertas específicos para as áreas que estejam em risco iminente de ocorrência de atividade elétrica por causa de tempestades, permitindo uma evacuação segura numa situação de tempestade elétrica. Os sistemas de monitoramento meteorológico do SIMEPAR utilizados no Paraná estão mapeados na Figura 1 e são descritos em (Beneti et. all, 2004). Fig. 1 Distribuição dos sensores ambientais à disposição do SIMEPAR no estado do Paraná e as áreas de monitoramento da REPAR e da SIX. A equipe de meteorologistas de monitoramento e previsão de tempo do SIMEPAR sistematicamente acompanha as condições do tempo nas áreas das refinarias do Paraná com todas as variáveis meteorológicas disponíveis. Duas informações básicas são geradas, a saber: Boletim: a cada três horas é emitido um boletim meteorológico bastante sucinto, referente à área da refinaria e

3 seus arredores, descrevendo as condições atuais do tempo e prevendo como será sua evolução nas próximas três horas. Assim, a refinaria é mantida atualizada em relação à evolução dos sistemas meteorológicos que se encontram nas proximidades. Se uma tempestade eletricamente ativa é detectada numa área relativamente próxima (até 200 km de distancia da refinaria), essa tempestade passa a ser monitorada integralmente, acompanhando sua trajetória, atividade elétrica e outras características nos sistemas de monitoramento. Alerta: no momento que esta tempestade representar ameaça de provocar descargas atmosféricas na área de risco da refinaria (uma área de até 15 km ao redor da REPAR e de 20 km ao redor da SIX), é realizado um contato telefônico com a refinaria em questão e é emitido um alerta para a mesma, onde o meteorologista comunica que a área da refinaria passou ao estado de alerta (isso significa que há risco de ocorrência de descargas atmosféricas na refinaria e seus arredores em até uma hora). Em seguida, essa informação é disseminada pela internet em página exclusiva dos usuários. O monitoramento da área prossegue para avaliar a trajetória e a atividade elétrica da(s) tempestade(s) e, quando não houver mais risco significativo de novas ocorrências de descargas atmosféricas na área de risco, novo contato telefônico e efetuado com a refinaria para retirar a mesma do estado de alerta para descargas atmosféricas. Todas as informações geradas pelo sistema de monitoramento e alerta de tempestades (alertas, boletins, informações de descargas atmosféricas, imagens de satélite, entre outras) ficam disponibilizadas para as refinarias através de um sítio exclusivo na internet para consulta e todas as comunicações com as refinarias são armazenadas no banco de dados do SIMEPAR para consultas posteriores. Avaliação dos alertas emitidos A avaliação desse sistema é realizada através da comparação entre as informações dos alertas emitidos para a refinaria e as informações de descargas atmosféricas ocorridas na área da mesma avaliadas pela Rede Integrada Nacional de Descargas Atmosféricas (Beneti et all, 2000). As informações básicas dos alertas são os horários de entrada e de saída da refinaria do estado de alerta. Com essas informações, juntamente com as coordenadas das áreas críticas da refinaria, é feita uma pesquisa no banco de dados de descargas atmosféricas para verificar a real incidência das mesmas durante o período em que a área ficou em alerta. Assim, verifica-se se houve incidência de raios no período de alerta e se após o final do período de alerta (até uma hora) não houve reincidência de descargas atmosféricas na área de risco. Esses dados então são tabulados na forma de uma tabela de contingência e dela são extraídas as informações para a elaboração das avaliações e do skill score. Esta metodologia é descrita em (Wilks,1995). A tabela de contingência e os índices usados neste trabalho são os seguintes:

4 OBSERVADO SIM NÃO PREVISTO NÃO SIM A (houve raios no período de alerta) C (houve raios ate uma hora após a retirada do B (não houve raios no período de alerta) D (não houve raios ate uma hora após a retira POD = A / (A+C); POFD = B / (B+D); BIAS = (A+B) / (A+C); TS = A / (A+B+C) alerta) do alerta) RESULTADOS Os resultados da análise dos alertas emitidos para a REPAR e a SIX são mostrados nas Figuras 2 e 3. O período de análise dos alertas emitidos para a REPAR vai de dez/02 a jul/06 e o referente à SIX vai de set/05 a jul/06. A Figura 2 mostra a evolução dos índices POD, POFD, BIAS e TS numa base anualizada. Fig. 2 Resultados das análises da tabela de contingência para a REPAR e SIX, a) POD e POFD (anualizado), b) BIAS (anualizado) e c) TS (anualizado). É observado que o POD REPAR (Fig. 2a) aumentou de cerca de 0.65 para 0.8 no decorrer desses três anos de operação, mostrando que o sistema conseguiu aumentar sua destreza durante

5 esse período de operação. O POD SIX apresenta valores semelhantes da REPAR. O POFD REPAR mostrou um decréscimo ao longo da operação mais discreto que o índice anterior. O POFD SIX mostra-se um pouco menor, mas da mesma magnitude que o anterior. O BIAS REPAR (Fig. 2b) apresenta uma elevação significativa desde o início da operação naquela refinaria, de onde podemos inferir que com o passar do tempo o sistema se comportou de maneira mais conservadora, alertando mais vezes a área de monitoramento que o realmente ocorrido. O BIAS SIX se apresenta, neste início de trabalho, da mesma ordem de grandeza que o da REPAR. O índice Threat Score (TS) da REPAR (Fig. 2c) mostra que o sistema se apresenta relativamente estável desde o início das operações, com valores da ordem de 0.5 (o intervalo de variação e de 0 a 1). O TS SIX mostra que o sistema aplicado àquela área de monitoramento apresenta índice de avaliação geral bastante similar. A Figura 3 mostra a evolução, desde o início da operação, do número de horas e quantidade de alertas emitidos para a REPAR e a SIX, assim como o número de horas médio por alerta para cada refinaria numa base anualizada. Fig. 3 Analise da duração do alertas emitidos para a REPAR e SIX, a) horas em estado de alerta e numero de alertas (anualizado) e b) horas medias por alerta (anualizado). A curva de horas de alerta da REPAR (Fig. 3a) mostra que o início da operação projetava um total de horas de alerta anual da ordem de 400 horas. No decorrer da operação, com ajustes operacionais que foram incorporados e também uma temporada de tempestades menos ativa na área (2004/2005), o sistema operou com valores da ordem de 250 horas/ano, voltando em seguida a valores de ate 350 horas/ano por causa de uma temperada de tempestades (2005/2006) mais ativa que a anterior, Atualmente o sistema opera na casa de 300 horas/ano. Os valores da SIX caíram rapidamente de mais de 500 horas/ano para valores similares ao da REPAR. Analisando o número de alertas anuais projetados para as áreas observamos que esse parâmetro variou bem menos que a quantidade de horas anuais projetadas, começando com cerca de 180 alertas anuais, chegando a um mínimo de 120 alertas por ano, e hoje projetando uma operação com cerca de 150 alertas anuais. Apesar da série menor, a projeção atual da SIX é mais animadora, com projeção anual de pouco

6 mais de 100 alertas anuais. Isso se reflete no número de horas médio por alerta (Fig. 3b), onde vemos que na REPAR a tendência mostra claramente uma queda no período médio por alerta emitido, estando hoje da ordem de 2 horas. Esses números mostram que existe um aprendizado relativamente rápido deste sistema com o comportamento das tempestades na área, onde os meteorologistas que realizam o monitoramento rapidamente conseguem discernir sobre quais tempestades realmente irão atingir a áreas de risco das refinarias. Com isso pode-se diminuir o total de horas de alerta com um nível razoável de segurança para a refinaria, atingindo um equilíbrio entre a ação de proteção de vidas humanas e o custo de pessoal parado em função desta ação. CONCLUSÕES O sistema de monitoramento e alerta de tempestades para as refinarias da Petrobras no Paraná funciona de modo operacional desde o início de 2003 para a REPAR e de setembro de 2005 para a SIX. Os índices calculados mostram que a eficiência desse sistema no sentido de prevenir acidentes é bastante satisfatório frente a grande diversidade de situações onde as nuvens de tempestade podem levar risco de incidência de descargas atmosféricas para as áreas das refinarias, a um custo de horas de alerta relativamente baixo. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem o empenho de Márcia Terezinha Zilli e Elizabeth Sayuri Hosogawa na programação computacional da avaliação dos índices e geração dos resultados aqui apresentados e aos meteorologistas do setor de Monitoramento e Previsão de Tempo do SIMEPAR pelo trabalho incessante e abnegado no monitoramento e alerta de tempestades para essas refinarias. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Beneti, C. A. A., E. A. Leite, S. A. M. Garcia, L. A. R. Assunção, A. Cazetta Filho, e R. J. Reis (2000). RIDAT - Rede integrada de detecção de descargas atmosféricas perspectivas e futuro. IN: XI CONG. BRAS. DE METEOROLOGIA, Rio de Janeiro, RJ. Beneti, C. A. A., M. A. R. Jusevicius, L. Calvetti, A. A. P. Filho (2004). Características elétricas e hidrometeorologicas de uma tempestade severa no Paraná. IN: XIII CONG. BRAS. DE METEOROLOGIA, Fortaleza, CE. Bonnet, M. (2004). Use of Lightning Data Services in the Industry. IN: 18th International Lightning Detection Conference ILDC Helsinki, Finland. Lushine, J. B., W. P. Roeder, J. R. Varvrek (2005). Lightning safety for schools: an update. IN: 14 th Symposium on Education. The 85 th AMS Annual Meeting. San Diego, CA, USA. Wilks, D.S. (1995). Statistical Methods in Atmospheric Sciences, Academic Press, USA.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

SISTEMA DE ANÁLISE E MONITORAMENTO DE TEMPESTADES ATMOSFÉRICAS PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

SISTEMA DE ANÁLISE E MONITORAMENTO DE TEMPESTADES ATMOSFÉRICAS PARA LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 05 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA DE ANÁLISE E MONITORAMENTO

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO

PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO PREVISÃO DE TEMPO POR ENSEMBLE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE UM EVENTO DE TEMPO SEVERO Antônio Marcos Mendonça 1, Alessandro Sarmento Cavalcanti 2, Antônio do Nascimento Oliveira 2, Fábio Hochleitner 2, Patrícia

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP 15 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERACAO DE SISTEMAS ELETRICOS GOP ANÁLISE METEOROLOGICA

Leia mais

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin, Augusto José Pereira Filho, Departamento de Ciências Atmosféricas-IAG, Universidade

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI. Estudo das Tempestades Elétricas através de Sensores Ópticos

Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI. Estudo das Tempestades Elétricas através de Sensores Ópticos Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI Estudo das Tempestades Elétricas através de Sensores Ópticos Nome da orientadora: Rosangela Barreto Biasi Gin Depto: Física Nome do aluno: Murilo

Leia mais

Jorge Luiz de Oliveira jorge11@bol.com.br. Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br

Jorge Luiz de Oliveira jorge11@bol.com.br. Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br VERIFICAÇÃO DAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO DIVULGADAS PELOS JORNAIS PARA A CIDADE DO RIO DE JANEIRO Jorge Luiz de Oliveira jorge11@bol.com.br Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br Universidade

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica. Desenvolvimento de sensor elétrico para monitoramento remoto de tempestades atmosféricas

Projeto de Iniciação Científica. Desenvolvimento de sensor elétrico para monitoramento remoto de tempestades atmosféricas Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI Desenvolvimento de sensor elétrico para monitoramento remoto de tempestades atmosféricas Nome do orientador: Rosangela Barreto Biasi Gin Depto:

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas.

O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL. Palavras-chave: tornado, radar meteorológico, tempestades severas. O TORNADO NA CIDADE DE MUITOS CAPÕES, RIO GRANDE DO SUL Lizandro Oliveira Jacóbsen (1), Fernando Mendonça Mendes (2) RESUMO: As tempestades severas que causaram muitos estragos e danos no norte e nordeste

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI. Estudo das Descargas Atmosféricas através de uma Câmera Rápida

Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI. Estudo das Descargas Atmosféricas através de uma Câmera Rápida Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI Estudo das Descargas Atmosféricas através de uma Câmera Rápida Nome da orientadora: Rosangela Barreto Biasi Gin Depto: Física Nome do co-orientador:

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. COMPORTAMENTO DA PREVISÃO DE PRECIPITAÇÃO SIMULADA PELO MODELO WEATHER RESEARCH AND FORECASTING (WRF) PARA O ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. HUGO ELY DOS ANJOS RAMOS 1,4, JOSÉ GERALDO FERREIRA DA SILVA 2,4,

Leia mais

Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará

Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará Verificação da previsão numérica do tempo por ensemble regional no estado do Ceará Cleiton da Silva Silveira 1, Alexandre Araújo Costa 2, Francisco das Chagas Vasconcelos Júnior 3, Aurélio Wildson Teixeira

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica. Desenvolvimento de sensores Flat Plate para monitoramento das descargas atmosféricas

Projeto de Iniciação Científica. Desenvolvimento de sensores Flat Plate para monitoramento das descargas atmosféricas Projeto de Iniciação Científica Centro Universitário da FEI Desenvolvimento de sensores Flat Plate para monitoramento das descargas atmosféricas Nome do orientador: Rosangela Barreto Biasi Gin Depto: Física

Leia mais

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS

PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS CONTRIBUÍMOS PREVISÃO E DETECÇÃO DE TORNADOS: PROBLEMAS INERENTES Paulo Pinto Instituto de Meteorologia, I.P. MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS V Encontro Nacional de Riscos Auditório

Leia mais

Projeto P&D. Alerta Raios. Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE. Coelce Companhia Energética do Ceará. USP Universidade de São Paulo

Projeto P&D. Alerta Raios. Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE. Coelce Companhia Energética do Ceará. USP Universidade de São Paulo Projeto P&D Alerta Raios Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE Coelce Companhia Energética do Ceará USP Universidade de São Paulo 1. Página inicial A página inicial apresenta um cabeçalho contendo

Leia mais

Raquel Silva Lima - INFRAERO 1 Mauro Neutzling Lehn INFRAERO 1. Palavras-Chave: Previsão de trovoada, Skill Score, Aeroporto de Guarulhos.

Raquel Silva Lima - INFRAERO 1 Mauro Neutzling Lehn INFRAERO 1. Palavras-Chave: Previsão de trovoada, Skill Score, Aeroporto de Guarulhos. AVALIAÇÃO DAS PREVISÕES DE TROVOADA NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GUARULHOS NO PERÍODO DE 1º DE DEZEMBRO DE 2005 A 31 DE MARÇO DE 2006 Raquel Silva Lima - INFRAERO 1 Mauro Neutzling Lehn INFRAERO 1 RESUMO

Leia mais

SISRAIOS UM SISTEMA INTERATIVO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS

SISRAIOS UM SISTEMA INTERATIVO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS SISRAIOS UM SISTEMA INTERATIVO DE ANÁLISE E VISUALIZAÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS Cesar Beneti beneti@simepar.br Carlos Vasconcellos cav@simepar.br Instituto Tecnológico SIMEPAR Caixa Postal

Leia mais

Serviço de gestão, operação, monitoramento e. atividades do datacenter interno

Serviço de gestão, operação, monitoramento e. atividades do datacenter interno Serviço de gestão, operação, monitoramento e documentação das atividades do datacenter interno VISÃO POR TECNOLOGIA MODELO DE OPERAÇÃO IN LOCO -ASSISTIDA A LPCti disponibiliza uma equipe de profissionais

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA Severo Ferreira Sampaio Gelson Nunes Felfili

Leia mais

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (INFRAERO), dbsantos@infraero.gov.br ANÁLISE ESTATÍSTICA DA PREVISIBILIDADE DOS ÍNDICES TERMODINÂMICOS NO PERÍODO CHUVOSO DE 2009, PARA AEROPORTO INTERNACIONAL DE SALVADOR/BA Deydila Michele Bonfim dos Santos 1 Carlos Alberto Ferreira Gisler

Leia mais

Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro CCMN / IGEO / Departamento de Meteorologia

Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro CCMN / IGEO / Departamento de Meteorologia SISTEMA ALERTA-RIO: VERIFICAÇÃO OBJETIVA DAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA Maria Gertrudes Alvarez Justi da Silva justi@acd.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro CCMN / IGEO / Departamento

Leia mais

SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGOS. www.tracom.com.br (11) 5641-3631

SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGOS. www.tracom.com.br (11) 5641-3631 SISTEMA DE DETECÇÃO DE RELÂMPAGOS www.tracom.com.br (11) 5641-3631 ÍNDICE 1. Conceito Relâmpagos; 2. Composição Strike Guard; 2.1. Básico; 2.1.1. Geral; 2.1.2. Sensor; 2.1.3. Receptor; 2.2. Opcionais;

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PREVISÃO METEOROLÓGICA E MONITORAMENTO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS Cesar Augustus Assis Beneti Eduardo Alvim Leite Instituto Tecnológico SIMEPAR

Leia mais

2 - MATERIAL E MÉTODOS

2 - MATERIAL E MÉTODOS Previsão de Curto Prazo de Eventos Extremos utilizando Redes Neurais Artificiais para o Aeroporto de Guarulhos-SP Juliana Hermsdorff Vellozo de Freitas 1,Phd. Gutemberg Borges França 1, DSc. Manoel Valdonel

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

Serviço de Service Desk e Field Service Interno

Serviço de Service Desk e Field Service Interno Serviço de Service Desk e Field Service Interno MODELO DE OPERAÇÃO SERVICE DESK INTERNO MODELO DE OPERAÇÃO SERVICE DESK INTERNO Console de gerenciamento Alertas Usuário Remoto VISÃO DE INFRA ESTRUTURA

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler

Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Previsão e monitoramento

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí

Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de SC Sistema de Monitoramento e Alerta da Bacia do Itajaí Tecnologia e Sistemas de Informação Lúcia Morais Kinceler Previsão e monitoramento

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software

Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Utilização de FMEA nos Processos de Desenvolvimento e Teste de Software Bolívar Arthur Butzke 1, Karine Baiotto 1, Msc. Adalberto Lovato 1, Msc. Vera Lúcia Lorenset Benedetti 1 1 Sistemas de Informação

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR CLIMATOLOGIA DE RELÂMPAGOS NO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin Departamento de Ciências Atmosféricas - IAG, Universidade de São Paulo - USP, R. do Matão No. 1226 Cidade Universitária,

Leia mais

PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL

PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL PROJETO OCEANOP INFORMAÇÕES METEOROLÓGICAS PARA REGIÃO OCEÂNICA DO BRASIL Angelo Barcelos BARBARIOLI 1, César Henrique de Assis RIBEIRO 1 & Luiz Silva do COUTO 1 RESUMO O monitoramento permanente de parâmetros

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS

PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE EM INFRA-ESTRUTURAS SUPORTADAS POR SERVIÇOS TERCEIRIZADOS DE REDE DE COMUNICAÇÃO DE DADOS Roosevelt Belchior Lima Neste artigo será apresentada uma proposta de acompanhamento

Leia mais

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SENDI 2004 XVI SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 467 METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DE CORRELAÇÃO ENTRE INTERRUPÇÕES E CAUSAS EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA C. C. B. de

Leia mais

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A.

José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. SISTEMA DE CONTROLE LOGÍSTICO DE FROTAS DE CAMINHÕES FLORESTAIS José A. Totti Diretor Florestal - Klabin S.A. 1. RESUMO O desenvolvimento da tecnologia contribuiu para a evolução da gestão e dos controles

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Enio Giotto Elódio Sebem Doádi Antônio Brena Universidade Federal de Santa

Leia mais

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

Avisos meteorológicos: Uma visão operacional do grupo de previsão do tempo do CPTEC/INPE

Avisos meteorológicos: Uma visão operacional do grupo de previsão do tempo do CPTEC/INPE Avisos meteorológicos: Uma visão operacional do grupo de previsão do tempo do CPTEC/INPE Andrade, K. M. (1), Lima, M. V. (2), Escobar, G. C. J. (3). RESUMO: Este trabalho tem como objetivo mostrar o procedimento

Leia mais

A experiência do TECPAR

A experiência do TECPAR Inteligência Artificial em aplicações industriais A experiência do TECPAR Dr. Eng. Milton Pires Ramos Centro de Engenharia de Sistemas Inteligentes Empresa pública vinculada à Secretaria de Estado da Ciência,

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ

VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ VARIABILIDADE TEMPORAL E ESPACIAL DO VENTO MÉDIO E DE RAJADA NO PARANÁ José E. Prates (1) e-mail: jeprates@simepar.br Marcelo Brauer Zaicovski (1) e-mail: brauer@simepar.br Alexandre K. Guetter (1) e-mail:

Leia mais

Seminário Emergência Ambiental

Seminário Emergência Ambiental Seminário Emergência Ambiental Plano Diego Henrique Costa Pereira Analista Ambiental Departamento de Qualidade Ambiental na Indústria Ministério do Meio Ambiente 02 e 03 de Outubro de 2013 Belo Horizonte

Leia mais

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV. XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Uso de Localizador GPS Aplicado à Manutenção de Linhas de Transmissão de 69kV e 138kV.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GOP Grupo de Estudo de Operação de Sistemas Elétricos SISTEMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR

PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR PARANÁ ---------------------------- GOVERNO DO ESTADO PROGRAMA FORMAÇÃO DE GESTORES PARA O TERCEIRO SETOR CURITIBA Maio 2012 1 PROGRAMA TÍTULO: Formação de Gestores para o Terceiro Setor. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Pedro José Faure Gonçalves. Gas Detect

Pedro José Faure Gonçalves. Gas Detect Pedro José Faure Gonçalves Gas Detect Projeto apresentado nas disciplina de Microprocessadores II e Eletrônica II Ministrado pelo prof. Afonso Miguel No curso de Engenharia de Computação Na Universidade

Leia mais

http://www.inpe.br/elat

http://www.inpe.br/elat Pesquisador Responsável Dr. Kleber P. Naccarato kleber.naccarato@inpe.br / kleber@tempestades.org.br (12) 3029-8131 / 8112-6620 Coordenadora Operacional Iara Mazzei Trindade iara@tempestades.org.br (12)

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

CENTRO INTEGRADO DE MOBILIDADE URBANA - CIMU

CENTRO INTEGRADO DE MOBILIDADE URBANA - CIMU CENTRO INTEGRADO DE MOBILIDADE URBANA - CIMU A nova fronteira na gestão pública de transporte e trânsito OBJETIVO Integrar as áreas de trânsito e transportes do Município de São Paulo através da automação

Leia mais

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet.

Implantação de sistema computacional aplicado a informações meteorológicas para internet. Autor: Irene Cristina Pereira Corrêa Orientador(a): Júlia Clarinda Paiva Cohen Co-orientador: Paulo Afonso Fischer Kuhn Filiação: Curso de Meteorologia / Universidade Federal do Pará E-mail: irenecristinacorrea@hotmail.com

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

Dräger Nós investimos em material e em pessoal para você. Dräger. Tecnologia para a Vida

Dräger Nós investimos em material e em pessoal para você. Dräger. Tecnologia para a Vida ST-804-2007 Dräger Nós investimos em material e em pessoal para você GUARDAS E MATERIAIS DE SEGURANÇA GESTÃO DE PARADAS PROGRAMADAS E DE ALUGUÉIS Dräger. Tecnologia para a Vida INTRODUÇÃO 02 ST-333-2008

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ

SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ Marcelo Brauer Zaicovski Sistema Meteorológico do Paraná SIMEPAR Caixa Postal 19100, Jardim das Américas,

Leia mais

PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento. Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral Filho Rosária Di Gangi CPFL Paulista CPFL Paulista CPFL Paulista

PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento. Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral Filho Rosária Di Gangi CPFL Paulista CPFL Paulista CPFL Paulista XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil PID Melhoria na Gestão dos Prazos de Atendimento Vanessa M. M. Feldmann Milton Biral

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

Vigilância Industrial

Vigilância Industrial Vigilância Industrial Câmeras Obzerv com Seleção de Profundidade Ativa (ARGC) ARGC-750 ARGC-2400 ARGC-2400 thermovision 2 APLICAÇÕES Vigilância de perímetro e proteção contra terroristas e invasores Proteção

Leia mais

RIDAT - REDE INTEGRADA DE DETECÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL, APLICAÇÕES E PERSPECTIVAS

RIDAT - REDE INTEGRADA DE DETECÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL, APLICAÇÕES E PERSPECTIVAS RIDAT - REDE INTEGRADA DE DETECÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL, APLICAÇÕES E PERSPECTIVAS Cesar Augustus Assis Beneti Eduardo Alvim Leite Instituto Tecnológico SIMEPAR Caixa Postal

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 1 PI System na CEMIG Presented by André Cavallari Wantuil D. Teixeira Agenda Institucional; Implantação do PI System na CEMIG; Hidrologia e Planejamento Energético; CMDR - Centro de Monitoramento e Diagnóstico

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 242 Monitoramento e Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Um Único Dispositivo para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003

Technology and Security Risk Services. Novembro, 2003 Technology and Security Risk Services Novembro, 2003 1. Por que escrevemos o livro? 2. Objetivo do livro 3. Conteúdo do livro 4. Dúvidas Acesso aos sites financeiros cresceu 199% em dois anos; Os sites

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico

Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico Previsão da Manutenção de Disjuntores de Alimentadores de Distribuição através do Método Probabilístico F. Sato, Unicamp e J. P. Mamede, ELEKTRO Resumo Na previsão da manutenção de disjuntores utiliza-se

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

Controle de Mudanças em Ambiente de Produção

Controle de Mudanças em Ambiente de Produção Controle de Mudanças em Ambiente de Produção Ederaldo Antônio Mirandola, Ivan Antônio Miranda Campos Júnior, Jeferson Adriano Martins MBA em Gestão de Sistemas de Informação Universidade Católica de Brasília

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS

A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE PELA NBR ISO/IEC 17025: 2005 E SEUS FATORES CRÍTICOS ENQUALAB-2006 Congresso e Feira da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 30 de maio a 01 de junho de 2006, São Paulo, Brasil A IMPLEMENTAÇÃO DA GARANTIA DA QUALIDADE

Leia mais

Gerência de Redes NOC

Gerência de Redes NOC Gerência de Redes NOC Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os conceitos fundamentais, assim como os elementos relacionados a um dos principais componentes

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Gerenciamento de Alteração de Escopo

Gerenciamento de Alteração de Escopo Gerenciamento de Alteração de Escopo PRIMEIRO CONCEITO Escopo - Gerenciamento das variações do contrato, inicia-se no seu gerenciamento do escopo, que deve possuir O a capacidade de assegurar que o projeto

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil.

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. Resumo Francisco de Assis Diniz adiniz@inmet.gov.br Ricardo Lauxe Reinke Estagiário Instituto Nacional

Leia mais

Computação Móvel para Contribuir à Educação e Sustentabilidade - Estudo de Caso

Computação Móvel para Contribuir à Educação e Sustentabilidade - Estudo de Caso Computação Móvel para Contribuir à Educação e Sustentabilidade - Estudo de Caso COSTA, P. M. a,a*, MONTEIRO, R. L. a,b* a. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte b. Universidade Federal de

Leia mais

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO ESTUDO DO CRESCIMENTO DE GOTÍCULAS E GOTAS NO CCNC-DSCC. PARTE ΙI: TEMPO DE CRESCIMENTO Ednardo Moreira Rodrigues 1, Carlos Jacinto de Oliveira 2, Francisco Geraldo de Melo Pinheiro 2, Jonathan Alencar

Leia mais

Ferramenta computacional integradora para identificação de trens e vagões em alarmes de hotbox

Ferramenta computacional integradora para identificação de trens e vagões em alarmes de hotbox ARTIGO Ferramenta computacional integradora para identificação de trens e vagões em alarmes de hotbox Robson de Abreu Sirtoli, Carlos Magno Carvalho de Souza*, Jacqueline Ângela Gobbo Sossai Departamento

Leia mais

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN

PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO VOLKSWAGEN PRINCÍPIO: PERFEIÇÃO Manutenção Produtiva Total MANTER CONSERVAR PREVENIR REPARAR SUBSTITUIR ADEQUAR MELHORAR PRODUÇÃO

Leia mais

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE

V SBQEE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE TENSÃO EM CONSUMIDORES INDUSTRIAIS PARA AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 04 167 Tópico: Análise, Diagnósticos e Soluções MONITORAMENTO DA QUALIDADE

Leia mais

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO.

DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. DESCONCENTRAÇÃO INDUSTRIAL E EMPREGO NAS REGIÕES METROPOLITANAS DE BELO HORIZONTE, GOIÂNIA E RIO DE JANEIRO. Vivian Fernanda Mendes Merola vfmerola1@gmail.com Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS Esclarecimento I PERGUNTA 1: PREGÃO ELETRÔNICO Nº 2013/023 ESCLARECIMENTOS 7.5.3. documentação técnica do fabricante dos componentes cotados, incluindo partes de manuais e catálogos, que comprovem o atendimento

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais