Telefonia sobre IP. Roteiro. Roteiro. IX Seminário de Capacitação Interna. Paulo Aguiar GT-VOIP/RNP NCE/IM UFRJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Telefonia sobre IP. Roteiro. Roteiro. IX Seminário de Capacitação Interna. Paulo Aguiar (aguiar@ufrj.br) GT-VOIP/RNP NCE/IM UFRJ"

Transcrição

1 Telefonia sobre IP IX Seminário de Capacitação Interna Paulo Aguiar GT-VOIP/RNP NCE/IM UFRJ Roteiro Telefonia tradicional versus VoIP Regulamentação de VoIP Como garantir qualidade para VoIP Protocolos de sinalização para VoIP: H.323 e SIP Interoperação H.323/SIP Gateways VoIP/PBX Arquitetura do Piloto VoIP Medições de Qualidade de Voz na RNP Demo do Piloto VoIP Conclusões RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 2 Roteiro Telefonia tradicional versus VoIP Regulamentação de VoIP Como garantir qualidade para VoIP Protocolos de sinalização para VoIP: H.323 e SIP Interoperação H.323/SIP Gateways VoIP/PBX Arquitetura do Piloto VoIP Medições de Qualidade de Voz na RNP Demo do Piloto VoIP Conclusões RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 3 1

2 * 8 # * 8 # * 8 # * 8 # Telefonia Tradicional assinante rede de telefonia tradicional (TDM) assinante voz analógica sobre par trançado voz analógica sobre par trançado PBX PBX Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Coleta amostras de voz (1 byte) a cada 125 µs (freqüência de 8 khz) 8 khz x 8 bits = 64 kbps Na rede de telefonia tradicional, a voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps Banda alocada completamente para a sessão de voz Sinal digital é convertido novamente em analógico para ser enviado ao assinante Comutação por circuito, sem filas ou atrasos intermediários RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 4 Telefonia Tradicional assinante rede de telefonia tradicional (TDM) assinante voz analógica sobre par trançado voz analógica sobre par trançado PBX PBX Os dígitos discados são usados para montar a rota até o destino Caso um canal de 64 kbps não esteja disponível em qualquer enlace intermediário, o estabelecimento da chamada é interrompido e ouvimos o sinal de chamada não completada Quando ouvimos o toque de chamada no destino, essa é a confirmação de que um circuito fim-a-fim de 64 kbps foi estabelecido RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 5 Telefonia Tradicional Serviços complementares no PBX Chamada em espera Call forward Call transfer Serviço de secretária eletrônica Call conference Call ID (BINA) Usuários realmente fazem uso corrente destas facilidades? Essenciais ou estratégicas? RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 6 2

3 * 8 # * 8 # Telefonia Tradicional Disponibilidade/Confiabilidade Os cinco noves 99,999% = MTBF/(MTBF+MTTR) Base de qualidade Qualidade da ligação Percentagem de chamadas completadas Mas, com a integração entre telefonia fixa e celular isso permanece? RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 7 Telefonia IP Telefone IP Telefone IP rede local voz pacotizada rede local voz pacotizada lnternet Roteador IP Roteador IP Amostras de voz são acumuladas em pacotes IP e enviadas pela Internet Pode ser enviada sem compressão, resultando em taxa de voz de 64 kbps Pode ser comprimida, resultando em taxas de voz até 5,3 kbps Intervalos de silêncio podem ser suprimidos, economizando banda adicionalmente Problemas Atrasos, variação de atraso (jitter) e perdas de pacotes podem comprometer a qualidade da ligação RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 8 Cenários VoIP a) PBX Gateway Internet Gateway PBX b) PSTN Gateway Internet Gateway PBX c) PBX Gateway Internet Estação IP d) PSTN Gateway Internet Estação IP e) Estação IP Internet Estação IP RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 9 3

4 * 8 # * 8 # Vantagens de VoIP Para Usuário Flexibilidade DDR pode não ser disponível ou PBX pode não receber/originar chamadas Telefone pode não ser ubíquo Rede pode existir mas não telefone Custos Tarifas de longa distância são proibitivas Impacto em cooperação nacional e internacional Impacta interação durante ausências e viagens Tendência atual para o futuro RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 10 Perfil de Custo Telefônico Grande universidade (ex. UFRJ) DDD/DDI 31 % Celular 37 % Impulsos 8 % Fixo 24 % Troncos, assinaturas, linhas privadas RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 11 VoIP em Apoio a Mobilidade PBX da operadora PSTN gateway PSTN/VoIP lnternet Usuário pode manter um número de telefone sem estar fisicamente na área atendida pelo código Em caso de mudança física, número não precisa ser alterado Chamadas da PSTN ao número antigo são direcionadas para o usuário via Internet Rio de Janeiro (21) roteador LAN Adaptador VoIP/ FXS Telefone analógico Salvador (71) (21) XXXX RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 12 4

5 Roteiro Telefonia tradicional versus VoIP Regulamentação de VoIP Como garantir qualidade para VoIP Protocolos de sinalização para VoIP: H.323 e SIP Interoperação H.323/SIP Gateways VoIP/PBX Arquitetura do Piloto VoIP Medições de Qualidade de Voz na RNP Demo do Piloto VoIP Conclusões RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 13 Uso de VoIP nos EUA Muitas companhias oferecem atualmente o serviço VoIP como substituição ao telefone convencional Atrativo Usuário pode escolher um código de área desejado Mantém o número em caso de mudança física RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 14 Numeração E.164 dos Provedores VoIP nos EUA Provedores VoIP obtém número diretamente dos operadores de telefonia fixa (LEC Local Exchange Carrier) Estes números não são contabilizados igualmente como um número fixo na alocação de numeração ou previsão de expansão do código de área da localidade geográfica Provedores VoIP podem obter numeração sem o controle exigido dos provedores fixos tradicionais Questão Uma vez que provedores VoIP se interconectam com a PSTN, não deveriam também as regras de cessão de numeração convencionais seriam aplicadas a eles? RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 15 5

6 Exaustão de Numeração Uso de VoIP pode encorajar usuários a manter múltiplos números com códigos de área diversos Preferência por certos códigos de área podem levar a exaustão de numeração alocada a determinada área Questões Deveria ser levado em consideração como os provedores VoIP usam a numeração? O serviço VoIP deveria ter seus próprios códigos de área? RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 16 Propriedade do Número A legislação diz que a numeração é um recurso público e que não é propriedade de quem a recebe Número não pode ser comercializado (vendido, alugado) por quem recebeu Quando serviço é discontinuado, o número retorna ao provedor Questão Deve ficar claro para o usuário que quando ele compra o serviço de um provedor, qualquer que seja ele, o número alocado a ele não é sua propriedade RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 17 Portabilidade do Número A legislação americana considera três casos de portabilidade Em relação ao provedor de serviço (exigida pela FCC) Usuário pode manter o número do telefone caso mudem de provedor Está implementado na telefonia fixa e em implantação no celular Em relação a localização (em estudo apenas) Permite usuários manter o número de telefone ao mudar de local físico Em relação do serviço Usuário retém o número de telefone quando mudando de serviço dentro de uma mesma operadora, sem prejuízo de qualidade, confiabilidade ou conveniência RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 18 6

7 Questões Relativas a Portabilidade Provedores VoIP pretendem oferecer portabilidade fazendo acordos com LECs Quando um usuário recebe um número E.164 de um provedor VoIP, ele será capaz de portar o número para uma operadora fixa se solicitado? Este porte estará limitado a uma área geográfica? Devem haver interfaces de serviço bem definidas entre os provedores VoIP e de telefonia fixa? Quando ocorre portabilidade da PSTN para VoIP, em caso de liberação do número, este número fica com quem? Com o provedor VoIP ou com a LEC original? Portabilidade limitada de localização deverá ser também oferecida pela PSTN ou não haverá um padrão para portabilidade de localização? RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 19 VoiIP nos EUA Conclusões Regulamentação existente e consolidada apenas para PSTN Obrigações e deveres Administração da numeração Fóruns de discussão Voip traz novos desafios e legislação terá que se revista e adequada RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 20 VoIP no Brasil Regulamentação SCM (serviço comunicação multimídia) permite a exploração do uso de VoIP Licença SMC deve ser obtida R$ 9.000,00 fixo, para qq abrangência (área geográfica restrita, nacional e/ou internacional) Não permite terminar chamada na telefonia fixa (licença para a exploração de telefonia fixa requerida) Uma dúzia de empresas só no primeiro semestre de 2003 Pendente Interoperação entre provedores VoIP Interoperação com PSTN (gateways, numeração) Avaliação do serviço e métricas para garantir qualidade ao usuário RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 21 7

8 Roteiro Telefonia tradicional versus VoIP Regulamentação de VoIP Como garantir qualidade para VoIP Protocolos de sinalização para VoIP: H.323 e SIP Interoperação H.323/SIP Gateways VoIP/PBX Arquitetura do Piloto VoIP Medições de Qualidade de Voz na RNP Demo do Piloto VoIP Conclusões RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 22 Como a voz é transportada fim a fim? Digitalização da voz feitas nos CODECs (codificador/decodificador) nas pontas Usam DSP (processador digital de sinal), analisando várias amostras de voz simultaneamente Geram unidades de informação a intervalos regulares (10 ms, 20 ms e 30 ms são comuns) Saída do CODEC é enviada em pacotes de tamanho reduzido usando a pilha de protocolos RTP/UDP/IP Cabeçalho de RTP = 12 bytes Cabeçalho de UDP = 8 bytes Cabeçalho de IP = 20 bytes RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 23 RTP/RTCP (RFC1889) RTP (Real-time Transport Protocol) Tipo de mídia Timestamps Facilitam a gerência de buffer de compensação de jitter Seqüenciamento Ordenamento dos pacotes Não define o formato da carga (payload) RTCP (protocolo de controle do RTP) Informações dos participantes de uma sessão RTP Estatísticas de desempenho (perda e atraso) entre fontes e receptores Relatórios regulares (máx. de um a cada 5s por fonte) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 24 8

9 CODECs de Áudio Para conseguir compressão, precisam analisar um conjunto de amostras de voz de forma antecipada (lookahead) CODECs complexos, que obtêm grande compressão, geram maiores atrasos de codificação e decodificação Na reprodução da voz, os pacotes de mídia têm que estar presentes na entrada do CODEC em instantes precisos Se pacote é atrasado em demasia na rede, ele é desperdiçado (perdido) e alguma técnica como interpolação tem que ser usada para compensar RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 25 CODECs de Áudio ITU-T G.711 (PCM) A Law e µ Law: níveis de quantização da voz 64 kbps (50 ou 33 pcts/s) Intervalos de 20 ou 30 ms Atraso de processamento e complexidade mínimos ITU G.729A 8 kbps (50 ou 33 pcts/s) Intervalos de 20 ou 30 ms Codificação ACELP (Algebraic- Code-Excited Linear-Prediction) Atraso de codificação 10 ms (quadro), 5 ms (lookahead), 10 ms (processamento) = 25 ms ITU-T G ,3 kbps (158bits/30ms) 6,3 kbps (189bits/30ms) Tipos de Codificação: ACELP para 5,3 kbps ML-MLQ para 6,3 kbps Algoritmo parecido com o G.729, entretanto com maior janela de observação (180 amostras). Atraso de codificação 30 ms (quadro), 7,5 ms (lookahead), 30 ms (processamento) = 67,5 ms RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 26 Consumo Real de Banda Codec G.711 Taxa de Amostragem (ms) 20 Payload de voz (bytes) 160 Pacotes por segundo 50 Largura de banda consumida 80 kbps G kbps G.729 A kbps G.729 A kbps RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 27 9

10 CODECs de Áudio Supressão de Silêncio e Ruído de Conforto O Anexo B do G.729 e Anexo A do G descrevem o detector de atividade de voz (VAD), e o gerador de ruído de conforto para a compressão de silêncio; Entretanto, o VAD pode apresentar alguns problemas indesejáveis como falhas no começo das palavras devido ao limiar para detectar a atividade da voz. Começam a aparecer versões dos codecs com mecanismos mais apropriados para suportar ambientes com altas perdas (em rajadas, etc) G.711 com PLC (packet loss concealment) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 28 Problemática VoIP Qualidade da voz impactada por perda, atraso e variação de atraso (jitter) Perda (ideal < 1%, < 2% aceitável) Jitter Se for alto, pacote atrasado é considerado perdido Atraso Para conversa interativa, atraso máximo fim-a-fim deve ser inferior a 150 ms (ITU-T) Valores de 200 ms ainda toleráveis na prática Tráfego de voz deve ter tratamento prioritário sempre nas filas de transmissão! Eco RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 29 Eco Eletrônico Conversão dos 2 fios dos telefones dos assinantes para 4 fios que fazem a conexão das centrais de longa distância (hybrid) Normalmente não se percebe este eco, confundido-o com o som da própria voz. Em caso de atrasos superiores a 30 ms, circuitos canceladores de eco devem ser utilizados Acústico Fração do sinal acústico é realimentada entre altofalante e microfone Solução: Usar headset RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 30 10

11 Problemática VoIP Componentes de Atraso Atrasos nos codificadores de voz 25 ms (G.729a), até 100 ms (G.723.1) Envolve lookahead do algoritmo, supressão de eco, supressão de ruído, etc Buffer de compensação de jitter 30 a 60 ms, configurável Atrasos nas filas dos elementos de rede (variável) Atrasos de propagação no meio físico 10 ms/ 1000 km Atrasos de serialização RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 31 Atraso de Serialização Tempo para a transmissão de pacotes que já estão enfileirados no buffer de transmissão FIFO da interface física Estes buffers existem para manterem o meio físico sempre ocupado em altas taxas O atraso de serialização pode ser crítico em enlaces de baixa velocidade Tempo de serialização = (1500 bytes)x(8 bits/byte)/64 kbps = 187,5 ms Solução Fragmentação na Camada de Rede / Camada de Enlace (Multilink PPP, FR) Uso de LFI (fragmentação e interleaving nas interfaces) Limitação do número de buffers de transmissão (tx-ring) nas interfaces de saída RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 32 Perda de Pacotes Causada por congestionamentos ou atrasos Dependendo do CODEC, o impacto da perda é maior ou menor, em função da distribuição da perda Mecanismos de Forward Error Correction (FEC) ou redundância de caminho podem ser usados Aumentam o tráfego na rede Somente suportados por codecs mais recentes Alternativas de recuperação podem ser baseadas na exploração do pacote anterior ou interpolação Perda pode ser em nível 2 por falta de buffers em switches com descasamento de banda e sem tratamento diferenciado para tráfego de voz Usar priorização para o tráfego de voz, nas camadas de enlace e rede para diminuir/eliminar perda e atraso RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 33 11

12 QoS no Ethernet IEEE 802.1Q/p preâmbulo 7 bytes SFD 1 DA 6 SA 6 TAG 4 LEN 2 LLC? FCS 4 TPID 2 Tagged Protocol Identifier (TPID) 0x8100 denota quadro IEEE 802.1Q Tagged Control Information (TCI) PRI CFI VLAN ID 3-bit de IEEE 802.1p (PRI), COS (class of service) 1-bit CFI (canonical format identifier) 12-bit identificador de VLAN (VLAN ID) TCI 2 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 34 QoS no IP Precedência IP e DSCP Precedência IP usa os 3 bits mais significativos do campo TOS (Type of Service) do cabeçalho IPv4 A proposta de serviços diferenciados (DiffServ) utiliza os 6 bits mais significativos do mesmo campo TOS como Code Points (DSCP RFC 2474). Ver/ IP IP Hlen TOS LEN ID Offset TTL Proto FCS Source Dest. DATA RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 35 Recomendações de Classificação de Tráfego Tráfego de Voz DSCP EF, IP Precedence 5, COS 5 Tráfego de Sinalização de Voz DSCP AF31, IP Precedence 3, COS 3 Vídeoconferência DSCP AF41, IP Precedence 4, COS 4 Streaming Vídeo DSCP AF13, IP Precedence 1, COS 1 Dados Críticos GOLD (DSCP AF21-23, IP Precedence 2, COS 2) SILVER (DSCP AF11-AF13, IP Precedence 1, COS 1) Less-Than-Best-Effort DSCP 2-6, IP Precedence 0, COS 0 Best-Effort DSCP BE, IP Precedence 0, COS 0 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 36 12

13 Esquema LLQ + LFI nos Roteadores LLQ LFI WFQ POLICE PQ Voice VoIP Control Classe X Classe Y Default (BE) PQ CBWFQ FRAGMENT I N T E R L E A V E TX RING LTBE RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 37 Habilitação de QoS em Roteadores Valores default para vários buffers devem ser configurados Buffer para o tráfego não prioritário Função da taxa do enlace Se enlace é muito congestionado, buffer default pode adicionar atraso excessivo Buffer FIFO (tx-ring) nas interfaces Ajustar para valores que garantam atraso de serialização menor que 10 ms por hop (regra prática) Aplicação de QoS exige policiamento nas bordas do backbone para desmarcar tráfego não autorizado Importante aceitar tráfego marcado somente de fonte confiável Impacto na performance de roteadores com políticas de QoS deve ser avaliado Impacto pode depender do tipo de roteador e do número de interfaces RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 38 Aplicação de QoS Lembrar que QoS para voz deve ser fim-a-fim Dar tratamento prioritário para VoIP em todas as interfaces dos roteadores Dar tratamento prioritário/diferenciado nos buffers das switches internas de rede local Dar tratamento prioritário em todos os backbones trafegados Ter banda em excesso não é garantia de condições instantâneas de qualidade em qualquer regime de tráfego RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 39 13

14 VoIP em Backbones de Alta Velocidade Abilene, backbone da Internet 2, opera com enlaces óticos de 10 Gbps Ethernet e roteadores sem QoS Testes de performance entre estações Linux entre Europa (Amsterdam) e EUA (Caltech) obtiveram o recorde atual de 5,4 Gbps médios numa transmissão TCP de uma hora de duração TCP adaptado para alta performance usando pacotes de bytes Para manter a taxa durante todo o período exige buffers elevados nos nós do caminho Rota é preenchida com pacotes em toda sua extensão Qualquer atraso de serialização acarreta um crescimento rápido da fila pois a taxa média de operação é acima de 50% da utilização do enlace e instantaneamente podemos estar operando com utilização próxima de 100%. Configurações atuais de roteadores do backbone da Abilene podem permitir atraso de 100 ms por roteador, no pior caso Não seria aceitável para serviço VoIP RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 40 Medindo a Qualidade Avaliações Subjetivas Mean Opinion Score (MOS) Valor de 1 (inaceitável) a 4,5 (excelente) representando a qualidade do áudio Avaliações Objetivas ITU-T G.113 Valores de 0 (pior) a 100 (melhor) Usa tabela de valores subjetivos previamente medidos para analisar a qualidade E-model (ITU-T G.107 e ETSI ETR250) Combina diversos parâmetros de performance em um modelo computacional complexo Pode ser mapeado em MOS RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 41 Medindo a Qualidade Avaliações Subjetivas Mean Opinion Score (MOS) Valor de 1 (inaceitável) a 4,5 (excelente) representando a qualidade do áudio Recomendações ITU-T P Methods for subjective determination of transmission quality MOS para avaliação de chamadas telefônicas ITU-T P Subjective performance assessment of telephone-band and wideband digital codecs MOS para avaliação de codecs RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 42 14

15 Medindo a Qualidade Avaliações Objetivas E-model (ITU-T G.107 e ETSI ETR250) Modelo computacional complexo que avalia e quantifica a degradação da qualidade de ligações devido ao processamento da voz, perdas na rede de pacotes entre outras interferências do meio ITU-T G.113 Fator R: valores de 0 (pior) a 100 (melhor) Usa tabela de valores subjetivos previamente medidos para analisar a qualidade Pode ser mapeado em MOS RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 43 Medindo a Qualidade Outros métodos Métodos Objetivos Perceptuais ITU-T P Perceptual evaluation of speech quality (PESQ): An objective method for end-to-end speech quality assessment of narrow-band telephone networks and speech codecs RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 44 E-Model versus MOS R Satisfação do Usuário MOS 100 Desejável Aceitável Muito Satisfeito Satisfeito Alguns usuários insatisfeitos Muitos usuários insatisfeitos Quase todos os usuários insatisfeitos Não Recomendado RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 45 15

16 Influência do Codec na Qualidade da Voz RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 46 Influência de Atraso e Perda One-Way Delay ITU G > % Packet Loss ITU G.113 G729A (VAD) , , ITU G.113 G.723 (VAD) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 47 Roteiro Telefonia tradicional versus VoIP Regulamentação de VoIP Como garantir qualidade para VoIP Protocolos de sinalização para VoIP: H.323 e SIP Interoperação H.323/SIP Gateways VoIP/PBX Arquitetura do Piloto VoIP Medições de Qualidade de Voz na RNP Demo do Piloto VoIP Conclusões RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 48 16

17 Chamada VoIP Dividida em etapas Localização do usuário Descobrir o IP destino com base no número telefônico ou alias Negociação dos parâmetros para a chamada Tipo de CODEC Estabelecimento dos canais para a mídia de voz Portas UDP para RTP/RTCP RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 49 Protocolos VoIP H.323 ITU-T SIP (Session Initiation Protocol) IETF RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 50 Elementos H.323 Gatekeeper: Gerencia o registro, status e Gateway H.323/PSTN: tradução dos admissão de usuários formatos de transmissão e (RAS) procedimentos de comunicação Rede de Central entre H.323 e Rede Telefônica Telefonia (PSTN) Telefônica (PBX) Convencional Rede Local Gatekeeper Terminal H.323: ponto final da comunicação multimídia Terminal H.323 Terminal H.323 Terminal H.323 Servidor de Conferência : suporte a conferências entre três ou mais pontos terminais MCU Gateway PSTN/H.323 Herança da rede telefônica Endereçamento de números telefônicos Encapsulamento das mensagens de sinalização ISDN Maior tempo de padronização Maior quantidade de produtos Padrão usado pelo Internet2 VOIP Working Group RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 51 17

18 Sinalização H.323 Protocolo H.225 RAS Requisições de Registro/Admissão/Status Acontecem sempre dos terminais H.323 para o GK Sinalização de Estabelecimento de Chamada (Q.931/H.225) e Controle de Mídia (H.245) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 52 Protocolo RAS RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 53 H.225 e H.245 TCP Porta 1720 TCP Porta X, Y TerminalCapabilitySet Portas UDP w, z TerminalCapabilitySetAck SETUP TerminalCapabilitySet CALL PROCEEDING TerminalCapabilitySetAck OpenLogicalChannel OpenLogicalChannelAck ALERTING CONNECT OpenLogicalChannel OpenLogicalChannelAck T1 T2 T1 T2 H H.245 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 54 T1 T2 RTP/RTCP 18

19 Modos de Operação com GK Dois modos de operação entre terminais H.323 Modo Direto Modo GK Routed (GK como PROXY) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 55 Operação de GK em Modo Direto Quando da admissão da chamada, GK provê ao terminal H.323 o endereço IP do terminal destino; Cliente H.323 antes de RAS estabelecer ou receber uma chamada sempre solicita autorização ao GK correspondente (CAC simples); A sinalização de estabelecimento de Terminal chamada prossegue H.323 diretamente entre os terminais H.323. Gatekeeper Gatekeeper RAS RAS Sinalização Q.931 H.245 RTP / RTCP Terminal H.323 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 56 Modo Direto de Sinalização RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 57 19

20 GK como Proxy de Sinalização GK intermedia a sinalização de estabelecimento de chamada (Q.931) e de negociação da mídia (H.245), como se ele fosse o terminal chamador; Canais de mídia são estabelecidos diretamente entre os terminais H.323. RAS Terminal H.323 Gatekeeper Q.931 H.245 RAS Q.931 H.245 RTP / RTCP Gatekeeper Q.931 RAS H.245 Terminal H.323 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 58 GK como Proxy de Sinalização e de Mídia GK intermedia a sinalização de estabelecimento de chamada (Q.931) e de negociação da mídia (H.245), como se ele fosse o terminal chamador; Mídia é estabelecida passando pelo GK, se ele atuar como proxy de mídia. RAS Terminal H.323 Gatekeeper RAS Q.931 H.245 GK proxy de mídia e sinalização Q.931 Q.931 H.245 RTP / RTCP H.245 RTP / RTCP RAS Terminal H.323 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 59 Problema Crucial em H.323 Tempo para estabelecimento de uma chamada (GK como PROXY no exemplo abaixo) Pedir autorização ao GK para admissão da chamada e localização do destino (ARQ/ACF) Autorização terá que ser enviada até o GK que serve o destino e este retornará a confirmação de autorização ao GK iniciador Abrir sessão TCP para sinalização de estabelecimento da chamada (H.225/Q.931) (com GK ou direto) Enviar SETUP ao GK e este repassa até GK final, que repassa até o destino Usuário destino é alertado do pedido de conexão e ALERTING retornado Quando usuário aceita a chamada, CONNECT é retornado Abrir sessão TCP para negociar canal de controle H.245 (informação recebida no ALERT ou CONNECT) Negociar codecs via H.245 Negociar portas UDP para os canais de mídia RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 60 20

21 Procedimentos Avançados FAST CONNECT ou FAST START Envia informação de codecs e porta UDP para recepção de mídia junto com SETUP Ao receber CONNECT, recebe informação de codec e porta UDP para envio de mídia ao destino Procedimento permite que mensagens de voz sejam enviadas ao iniciador da chamada antes de completar a chamada Coleta de DTMF de cartão pré-pago, por exemplo, para bilhetagem antes de transferir a chamada. RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 61 Procedimentos Avançados Tunelamento de H.245 no canal de sinalização H.225/Q.931 Permite que primitivas H.245 sejam transmitidas como elementos adicionais de msg Q.931 (Q.931 FACILITY) Elimina o atraso da abertura da sessão TCP para H.245 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 62 Segurança H.235 Por endpoint Mensagens RAS são autenticadas através de uma senha Por chamada Mensagens RAS são validadas com base em um código de usuário e PIN (requer IVR) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 63 21

22 Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, June 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems H.450.(1) (serviços suplementares) H.323 v3, Fev 2000 H.323 v4, Mar 2001 Aprimoramentos em H.450.X, H.460.X H.323 v5, Jul 2003 H.460.X, H.350 RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 64 Documentação H.323 International Multimedia Teleconferencing Consortium (IMTC) SG16 Pago TIPHON (Telephony and Internet Protocols Harmonization Over Networks) Projeto ETSI Gratuita RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 65 Session Initiation Protocol (SIP) Produto do grupo de trabalho MMUSIC da IETF RFC 2543, (Fev/1999) (início em 1995) RFC 3261, SIP (Jun/2002) Usa características da Internet, como: URLs (para endereçamento) Comunicação entre domínios administrativos através de DNS Herança do protocolo HTTP Requisições e respostas no formato texto MIME-types, podendo enviar qualquer conteúdo no corpo das mensagens SIP (como fotos, vídeo, páginas web) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 66 22

23 Funções Básicas do SIP Convite de usuários para participar de sessões multimídia Encontrar a localização atual do usuário para entregar o convite Transporte de descrições de sessões Modificações on-the-fly de sessões Terminação de sessões RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 67 Arquitetura SIP User Agent SIP (UA SIP) Terminais finais da comunicação Enviam e recebem requisições Acessam o usuário ou executam programas para determinar a resposta a uma requisição Exemplos Telefones SIP SIP Gateways SIP/PSTN Servidores SIP RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 68 SIP Session Initiation Protocol Exemplo de Mensagem SIP (1): INVITE SIP/2.0 From : Cesar Marcondes Subject : VOIP Development Meeting To : Vitor Via : SIP/2.0/UDP proxysip.voip.nce.ufrj.br Servidor Redirect: envia uma Call-ID : Cliente SIP: ponto final mensagem da para os clientes contendo o novo endereço SIP Content-type comunicação : application/sdp multimídia procurado CSeq : 8324 INVITE Content-Length : SIP Client 12 Servidor SIP Proxy Exemplo de Mensagem SIP (12) : SIP/ OK Servidor Proxy: realiza a From : Vitor sinalização como se fosse o To : Cesar Marcondes originador da chamada Via : SIP/2.0/UDP proxysip.uol.com.br Call-ID : CSeq : 8324 INVITE Servidor SIP Proxy RTP/RTCP Servidor SIP Redirect SIP Client Data Data Servidor SIP Proxy Location Service Data Data RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 69 23

24 Mensagem SIP INVITE SIP/2.0 From : Cesar Marcondes Subject : VOIP Development Meeting To : Vitor Via : SIP/2.0/UDP proxysip.voip.nce.ufrj.br Call-ID : Content-type : application/sdp CSeq : 8324 INVITE Content-Length : 187 v=0 o=user IN IP s=meeting Room i=discussion about SIP XP Technology c=in IP /127 t=0 0 m=audio 3456 RTP/AVP 0 O campo de carga do pacote normalmente contém a descrição da mídia da sessão Protocolo SDP [RFC 2327] Estabelece os canais de mídia sem atraso ou complexidade Modo texto (em oposição a H.323 que usa ASN.1) RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 70 Sinalização SIP Telefone SIP INVITE SIP/2.0 SIP/ Trying SIP/ Ringing SIP/ OK ACK SIP/2.0 Audio BYE SIP/2.0 SIP/2.0 OK RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 71 Endereçamento SIP Endereços SIP são URLs (Uniform Request Location) Scheme : sip/http/ftp/ , Nome do Usuário, Senha (Opcionalmente), Nome do Host (Porta Opcional), Parâmetros, Cabeçalhos e Corpo Permite a utilização de outros tipos de URI tel URIs http URLs para redirecionamento para browser - mailto URLs - Vasta infra-estrutura de URI utilizada RNP Capacitação Interna/2003 GT-VOIP 72 24

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VOIP Avançado Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VoIP (maio/02-maio/04) Capacitar instituições para disseminação de VoIP Implantar

Leia mais

Tutorial de Voz sobre IP

Tutorial de Voz sobre IP Tutorial de Voz sobre IP VIII Seminário de Capacitação Interna Cesar Marcondes GT-VOIP/RNP Capacitação Interna RNP GT-VOIP Tópicos Introdução sobre VOIP (atraso, jitter, perda) Cenários básicos (PC-PC,

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

GT-VOIP: Balanço de Atividades

GT-VOIP: Balanço de Atividades GT-VOIP: Balanço de Atividades Paulo Aguiar GT-VOIP/RNP 19/05/2003 4o. WRNP GT-VOIP 1 Objetivos do GT-VOIP Piloto VOIP Implantar um piloto de telefonia sobre IP no backbone da RNP Premissas Aquisição de

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Defesa de Dissertação de Mestrado do IM/NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro Mestrando: Leandro Caetano Gonçalves Lustosa Orientador: Prof. Paulo

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Ambiente Atual (GT-VoIP)

Ambiente Atual (GT-VoIP) Ambiente Atual (GT-VoIP) Operação baseada em H.323 Cada instituição possui um GK para implantação de plano de numeração local DGK centralizado armazena os prefixos E.164 de cada uma das instituições GT-VOIP

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro)

HTVix HA 211. Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) 1 HTVix HA 211 1. Interfaces Entrada de alimentação 12VDC / 500mA (Positivo no centro) Conector RJ11 para conexão de aparelho telefônico analógico ou o adaptador para telefone e rede de telefonia convencional

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol Session Initiation Protocol Carlos Gustavo A. da Rocha Session Initiation Protocol Desenvolvido pelo IETF RFC 2543 (Fev 1999) RFC 3261 (Jun 2002) É um protocolo de sinalização para sessões multimídia Negociação;

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de

Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Web Teia de alcance mundial (World Wide Web WWW) Web composta de Agentes de usuário para a Web (browsers) Servidores Web Protocolo de transferência de hipertexto (HyperText Transfer Protocol HTTP) Web

Leia mais

Manual do Radioserver

Manual do Radioserver Manual do Radioserver Versão 1.0.0 Alex Farias (Supervisão) Luiz Galano (Comercial) Vinícius Cosomano (Suporte) Tel: (011) 9393-4536 (011) 2729-0120 (011) 2729-0120 Email: alex@smartptt.com.br suporte@smartptt.com.br

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA

CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA CARTA CONVITE 010/2014 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNCIA 1. Implantação de Sistema de Call Center 1.1. O software para o Call Center deverá ser instalado em servidor com sistema operacional Windows (preferencialmente

Leia mais

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Consumo de Banda Codec Taxa de Amostragem (ms) Payload de voice (bytes) Pacotes por segundo Largura de banda consumida G.711 20 160 50 80 kbps G.711

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP

O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP O Paradigma da Alta Disponibilidade e da Alta Confiabilidade do SIP Visão Geral As redes convergentes trilharam um longo caminho desde a década de 1990. Novas aplicações, como as mensagens instantâneas,

Leia mais

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy

REDES II. e Heterogêneas. Prof. Marcos Argachoy Convergentes e Heterogêneas Prof. Marcos Argachoy REDES CONVERGENTES Cont./ Principais preocupações: Disponibilidade de Banda Valor Máximo de Atraso (ligação com sinal de câmbio) Jitter Perda de Pacotes

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz

Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz Voz sobre IP I: A Convergência de Dados e Voz A tecnologia Voz sobre IP (VoIP) permite que o tráfego de uma comunicação telefônica ocorra numa rede de dados, como a Internet. Portanto, as ligações podem

Leia mais

WRNP 2009. Proxies e Gateways. Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

WRNP 2009. Proxies e Gateways. Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ WRNP 2009 Proxies e Gateways Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Tópicos Proxy Troca de tráfego com outras redes Princípios do Proxy do serviço fone@rnp Configuração para operação com o Proxy Conexões

Leia mais

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002

GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi. Setembro de 2002 GT-VOIP Relatório I.9: Avaliação do Ambiente Sphericall da Marconi Setembro de 2002 Objetivo deste estudo é realizar testes de análise de performance, funcionalidade, confiabilidade e sinalização com o

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas

Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas Telefonia IP na UFSC Experiências e Perspectivas BoF VoIP Experiências de Perspectivas RNP, Rio de Janeiro, 22 Agosto 2011 Edison Melo SeTIC/UFSC PoP-SC/RNP edison.melo@ufsc.br 1 Histórico Serviço VoIP4All

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Implementação de Gateway de Sinalização entre Protocolos de Telefonia IP SIP/H.323

Implementação de Gateway de Sinalização entre Protocolos de Telefonia IP SIP/H.323 Implementação de Gateway de Sinalização entre Protocolos de Telefonia IP SIP/H.323 Bruno F. M. Ribeiro bruno@land.ufrj.br Paulo H de Aguiar Rodrigues aguiar@ufrj.br Cesar A. C. Marcondes cesar@posgrad.nce.ufrj.br

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP

VoIP. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. Tecnologias Atuais de Redes VoIP 1. Introdução Muitas empresas ao redor do mundo estão conseguindo economizar (e muito) nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. Tudo isso se deve a uma tecnologia chamada (Voz sobre IP).

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

Diretoria de Operações RNP

Diretoria de Operações RNP Alexandre Grojsgold Diretoria de Operações RNP I Workshop POP-RS julho/2005 O que é VoIP? Conversas telefônicas feitas sobre a Internet, sem passar pela rede de telefonia convencional em oposição a...

Leia mais

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES

REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES 26/07/12 09:56 REDES HETEROGENEAS E CONVERGENTES das vantagens das redes convergentes valor agregado B) simplicidade C) praticidade D) operacionalização E) manutenção das vantagens do VoIP manutenção de

Leia mais

VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP

VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP

ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP ESTUDO DOS PROTOCOLOS DA TELEFONIA IP E ANÁLISE DE UMA REDE DE VOZ SOBRE IP Ronaldo Mafra Salgado rmsalgado@yahoo.com.br Thelma Virginia Rodrigues thelma@pucpcaldas.br Marcos Trevisan Vasconcelos marcostv@pucpcaldas.br

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Proposta de Numeração VoIP Nacional

Proposta de Numeração VoIP Nacional GT-VOIP Relatório I.5: Proposta de Numeração VoIP Nacional Janeiro de 2003 Este relatório apresenta o plano de numeração preliminar definido com base na experiência em montar e gerenciar o ambiente VOIP

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação

Intelbras GKM 2210T. 1. Instalação 1 Intelbras GKM 2210T 1. Instalação 1º Conecte a fonte de alimentação na entrada PWR, o LED Power acenderá; 2º Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP

Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP Fabio David Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP Orientador: Prof. Paulo Henrique de Aguiar Rodrigues, Ph.D. Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada.

Autenticação modo Roteador. Após finalizar a configuração, seu computador obterá o IP e a página de configuração do ATA poderá ser acessada. 2. Conecte a porta WAN do GKM 2210 T ao seu acesso à internet (porta ethernet do modem). O LED WAN acenderá; 3. Conecte a porta LAN à placa de rede do PC. O LED LAN acenderá; 4. Conecte o(s) telefone(s)

Leia mais

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP

Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP IV Workshop VoIP Serviço fone@ms Projeto Piloto MS - RNP Alex Galhano Robertson Recife, 29 de maio de 2009 Agenda Serviços Digitais para Saúde O serviço fone@ms Visão Geral Premissas Treinamento A rede

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000

CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 CONFIGURAÇÃO DO ATA ZINWELL ATA ZT-1000 Características Protocolos Interface de Rede Características das Chamadas Codecs Instalação Física Configuração Acessando o ATA pela primeira vez Modificações a

Leia mais

CGW-PX1 Gateway SIP GSM

CGW-PX1 Gateway SIP GSM Interface de conexão SIP entre PABX e rede Celular Interconecte seu PABX ou Switch SIP com a rede celular GSM O gateway CGW-PX1 é um dispositivo que interconecta seu PABX ou switch de voz com as redes

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

200.1045.00-4 REV 020

200.1045.00-4 REV 020 Manual do Usuário VoIP XT-50 200.1045.00-4 REV 020 Sumário 1. Introdução...3 1.1. Hardware...3 1.2. Software...4 2. Configurador WEB...4 2.1. Login...4 2.2. Informações do Sistema...5 2.3. Agenda...5 2.4.

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun

VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun VOIP: Um Estudo de Caso Utilizando o Servidor Stun Fabrício José Rodrigues Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais