Tecnologia da Informação Oportunidades de negócios digitais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia da Informação Oportunidades de negócios digitais"

Transcrição

1 Tecnologia da Informação Oportunidades de negócios digitais Acho que existe um mercado mundial para cerca de cinco computadores. Thomas J Watson Diretor da IBM, em 1958 Entender a dinâmica da indústria de Tecnologia da Informação (TI) não é tarefa simples, pelo fato de ser extremamente difícil definir o que é TI. Em um ambiente de negócios cada vez mais informatizado, a tecnologia se tornou tão presente nas organizações e na vida dos indivíduos de modo geral, que ela chega a passar despercebida. Essa é a síntese da complexidade do setor. No estudo deste mês, o Instituto Inovação buscou entender um pouco do histórico de desenvolvimento das Tecnologias da Informação para, a partir de visões que focaram seus estágios de aplicação e formas de apresentação, traçar um conceito abrangente e ao mesmo tempo simples da TI. Esse conhecimento, associado a uma análise dos ciclos de vida tecnológicos e da dinâmica dessa indústria, além de dados que apontam para as tendências desse mercado, serviram como base para traçar as possíveis oportunidades de negócio desta área. As origens da TI Para realizar a pesquisa histórica, partimos da seguinte definição: Tecnologia da Informação é a aplicação da tecnologia no processamento de informações. 1 Nessa ótica, a história da TI se confunde com a história do homem. De certa forma, considerando tecnologia como uma ferramenta, criada a partir de um conjunto de conhecimentos, que melhore um determinado processo ou condição humana, a linguagem pode ser considerada como a primeira forma de Tecnologia da Informação. A partir do desenvolvimento das sociedades, lidar com as informações e processá-las da melhor forma tem sido uma busca contínua da humanidade. A necessidade de contar levou a criação do dígito e do sistema decimal (inspirados nos dedos humanos). Foram então surgindo as primeiras ferramentas para auxiliar esse processo, sendo a mais antiga o ábaco (instrumento oriental de madeira e contas coloridas, que auxilia na realização de cálculos matemáticos), datado entre 1500 e 3000 A.C. 2 O aprimoramento matemático foi também bastante impulsionado pelo desenvolvimento do comércio. A necessidade do maior controle das quantidades de mercadorias produzidas, da realização de cálculos, impulsionou o desenvolvimento científico que permitiu a criação de ferramentas para o controle e manipulação das informações, desde os primeiros mecanismos de contagem até as calculadoras analógicas 3. 1 BRITO, Marcela. Revista TI 2 CASADO, Santiago. História de la Matemática 3 A palavra analógico vem de análogo. O termo é usado porque que um dispositivo analógico imita diretamente a informação que quer representar. No caso da primeira caulculadora analógica, seu dispositivo baseava-se em discos que giravam de forma análoga ao sistema decimal, sendo que quando um disco chegava ao algarismo nove, girava em uma unidade o disco posterior e voltava ao valor zero. Um sinal de rádio

2 O grande salto da Tecnologia da Informação, contudo, veio com a transição dos sistemas analógicos para os digitais, que operavam diretamente com os números, através do sistema binário 4. Esse novo paradigma foi proporcionado pelos avanços da ciência nos campos da física, química e engenharia, que criaram a válvula, a tecnologia de armazenamentos de dados em meio magnético e os conceitos de programação embutida e memória digital. Em 1958, um fato tornou-se importante marco do desenvolvimento desta indústria. A Texas Instruments descobriu como reunir em uma única pastilha de silício todos os componentes de um circuito eletrônico, criando os circuitos integrados, que dariam origem ao chip. Com o início de sua produção comercial, foi possível produzir computadores em larga escala, o que gerou uma corrida tecnológica mundial, liderada pela IBM. A empresa iria decidir, anos mais tarde, abrir sua plataforma de programação, dando início à revolução do software e hardware, que abriu espaço para o desenvolvimento dos mainframes, minicomputadores e microcomputadores, baseados no sistema operacional DOS, da então desconhecida Microsoft. A partir daí, a padronização de um sistema operacional utilizado em larga escala permitiu a criação de programas que funcionassem em qualquer equipamento, o que deu a Microsoft o quase monopólio do setor. Desse modo, qualquer empresa interessada em desenvolver um equipamento ou programa compatível com o PC, precisaria comprar as ferramentas de programação da Microsoft. A empresa soube se aproveitar muito bem dessa vantagem evoluindo o DOS para o sistema Windows, que introduziu a interface gráfica ao PC e a colocou definitivamente entre os empreendimentos mais prósperos do século XX. Em paralelo ao desenvolvimento das então nascentes indústrias de software e hardware, o mundo assistia ao desenvolvimento das redes de comunicação, que compõe como senda a terceira das funções essenciais da TI: processamento, armazenamento e transporte de informação. Tal desenvolvimento foi responsável pela expansão significativa de uma indústria, a das Telecomunicações. Criada a partir do telégrafo e do telefone, essa indústria foi o berço na última década da telefonia celular, responsável por cerca de um terço das receitas desse setor 5, e da Internet, rede mundial de computadores, que transformaria drasticamente as relações dos indivíduos e das organizações com a informação. Para ilustrar o aumento da importância das Telecomunicações nos últimos anos é possível analisar o crescimento de sua participação no PIB do Brasil. Enquanto em 1990, a as comunicações representavam 1,38% no valor adicionado a preços básicos analógico, por exemplo, imitam diretamente a forma, o tempo e a natureza do conteúdo do sinal que registram, seja som ou imagem. Isso traz uma série de limitações, quanto ao armazenamento, distorções e transmissão desse tipo de informação. Os sistemas digitais, ao contrário, transformam toda a informação em sinais binários, digitais, que podem ser armazenados, processados e transportados de forma muito mais eficiente. 4 O sistema matemático binário utiliza dois algarismos (0 e 1) para representar os números e realizar cálculos. Em analogia, o sistema decimal utiliza dez algarismos (de 0 a 9) e é o sistema matemáticos regularmente utilizado. 5 Fonte: IBGE, A Telefonia Celular contribui com 35% das receitas to setor em 2001.

3 do PIB, em 2002, esse número subiu para 2,72%, representando um crescimento de 97,10%, o segundo maior dentre todos os setores classificados 6. A associação da indústria da Computação à indústria das Telecomunicações é que forma o que hoje conhecemos como Tecnologia da Informação (figura 1). O que é TI Telecomunicações Bancos Saúde Indústrias de base Bens de Consumo Varejo Agricultura etc. Computação Figura 1 A figura mostra que existe uma intercessão entre indústria da computação e todos os outros setores da economia, já que existe um grande número de softwares e equipamentos eletrônicos, específicos para cada segmento. Basta olhar para o funcionamento do setor bancário 20 anos atrás para perceber o impacto da TI Aplicada a esse setor. Compreendendo a dinâmica da indústria Em estudo publicado na Harvard Business Review, Nicholas Carr defende que a importância da TI tem diminuído nas organizações, pelo fato da tecnologia estar tão difundida na sociedade, que se tornou commodity. Assim, bons investimentos em TI não seriam mais diferencial para as empresas, que precisam buscar outras formas de competir. Embora seja possível afirmar que grande parte da TI que utilizamos hoje tenha se tornado commodity, dizer que TI não gera diferencial tecnológico é ignorar o fato de que a indústria da TI está em constante e rápida evolução e de que novos padrões tecnológicos sempre surgirão, muitas vezes criando novos paradigmas que substituem os anteriores. Assim foi com a telefonia celular, com a própria internet, com o e 6 IBGE, Participação das classes e atividades no valor adicionado a preços básicos Apenas o setor da Indústria do Açúcar teve crescimento relativo maior que Comunicações no período.

4 a tendência é de que assim seja com as tecnologias que ainda estão por vir. Seria despropositado afirmar que as empresas que investiram primeiro no não ganharam produtividade e agilidade nas comunicações, em relação a suas concorrentes. Contrapondo Carr, seria mais apropriado dizer que parte da TI que utilizamos hoje se tornou commodity, isto é, foi amplamente difundida, a qual, para efeito de distinção, chamamos neste estudo de TI Comum. Enquadra-se nessa categoria toda gama de tecnologias da informação que estão disponíveis de forma consolidada e comercialmente desenvolvida, para serem utilizadas nas mais diversas aplicações. É possível entender melhor esse conceito de TI Comum ao contrapô-lo ao de TI Aplicada. Nessa categoria estão as aplicações das tecnologias disponíveis em TI Comum. Por exemplo, utilizando as tecnologias da Internet, que estavam disponíveis de forma consolidada, foi possível criar uma aplicação de envio e recebimento de mensagens instantâneas. Em grande parte dos casos, as tecnologias disponíveis em TI Aplicada, são direcionadas a um determinado nicho ou segmento da indústria. Isso porque muitas das aplicações desenvolvidas a partir da TI Comum são específicas, como no caso de software de gerenciamento ou no de equipamentos eletrônicos para a área médica. Na contramão desse caminho, há os casos em que as tecnologias aplicadas migram para a categoria básica, tornando-se TI Comum. Isso ocorre quando estas tecnologias passam a ser utilizadas por um grande número de indivíduos, como no caso do , que era uma aplicação da tecnologia disponível pela Internet e tornou-se padrão mundial. Enquadra-se aí o próprio microcomputador, que é resultado da aplicação de tecnologias básicas nas áreas de eletrônica disponíveis quando da sua criação. O computador era naquela ocasião utilizado somente por grandes empresas, que necessitavam de alto poder de processamento. Hoje, está amplamente difundido e disponível, tornando-se base para a aplicação de outras tecnologias, logo, parte da TI Comum. Esse caminho de volta da tecnologia aplicada para a comum ocorre quando a aplicação é utilizada em grande escala, de forma ampla e consolidada, e perde as características que a definem como específica para um determinado segmento. Podemos citar como tecnologias que estão atualmente se tornando TI Comum, vindas da TI Aplicada, os anti-virus e sistemas de segurança, de modo geral, que há um bom tempo deixaram de ser preocupação exclusiva de bancos e governos; dentre outras. Além das categorias TI Comum e TI Aplicada, há a categoria de TI Básica. Nessa categoria, estão as tecnologias em desenvolvimento. São aquelas que ainda estão em fase de protótipo nos laboratórios de pesquisa e desenvolvimento de empresas e universidades. Tais tecnologias substituirão os padrões vigentes por outros, mais avançados. Enquadram-se também, na TI Básica, os conhecimentos conceituais e os padrões tecnológicos que permitiram o desenvolvimento de tecnologias básicas. Um protocolo de comunicação, por exemplo, que define métodos matemáticos para a comunicação entre dois dispositivos digitais, não existe sozinho, sem que exista o software e o hardware que implementarão tais métodos. Não se trata de uma tecnologia na forma de software ou hardware, mas de um método conceitual, que deve ser aplicado em algum software ou equipamento para funcionar. A partir do momento que esse protocolo de comunicação é aplicado em um chip, que é então embutido em uma placa de rede, que passa a ser reconhecida por um software capaz de se comunicar utilizando o mesmo protocolo, então esta tecnologia tornam-se TI Comum, mas o protocolo em si, permanece como TI Básica.

5 Na TI Básica, portanto, está o conhecimento essencial que permite o desenvolvimento das tecnologias da informação. Matriz de TI Ex: Armazenamento de dados CIÊNCIA MERCADO TI Básica TI Comum TI Aplicada Hardware Dispositivos bioeletrônicos de armazenamento Miniaturização de chips eletrônicos Gravação em trilha magnética Discos rígidos Chips e Cartões de memória HD ATA CD-RW Unidade de backup Data Center Software Algorítmos de compactação de dados Sistemas de arquivos Sistema de armazenamento de dados Bancos de dados Formatos de arquivo (Ex: PDF) Banco de dados relacional Gestão eletrônica de documentos ERP Figura 2 Há na indústria da TI, na fronteira entre TI Básica e TI Comum, uma forte interação entre ciência e mercado, já que o setor é intensivo em pesquisa e desenvolvimento. Dessa forma, as tecnologias em desenvolvimento na categoria TI Básica são produtos de pesquisa, que se tornam comerciais à medida que avançam para a categoria da TI Comum. Vai de encontro a essa idéia o fato de as maiores empresa da TI atuais, como HP, Intel e Microsoft, tenham surgido dentro de centros universitários e mantenham laboratórios privados de pesquisa. Estão também, na fronteira entre TI Básica e TI Comum, os padrões tecnológicos abertos ou open starndards. Tratam-se de tecnologias de desenvolvidas forma centralizada, padronizada e pública por uma organização isenta, responsável por ouvir as demandas do mercado e das empresas do setor e coordenar a evolução de tal padrão, 7 O objetivo dos processos de padronização é evitar que diferentes padrões tecnológicos de uma mesma aplicação gerem incompatibilidades na indústria. É o que ocorre quando empresas tentam impor seus formatos proprietários de tecnologia. Um exemplo foi a competição entre diferentes formatos de gravação e reprodução de vídeo, na década de 80, que fazia com que fitas para video-cassetes VHS não funcionassem nos modelos baseados na tecnologia BETAMAX. Há, contudo, no esforço da indústria a caminho da padronização algumas contradições, já que padronizar significaria perder o domínio comercial sobre certas tecnologias. 7 Os padrões abertos têm também como característica o fato de seguirem uma metodologia própria e bem definida de desenvolvimento. São exemplos de padrões abertos o HTML (linguagem das páginas de internet), o XML (linguagem de comunicação de dados) e o SIP (protocolo para comunicação multimídia).

6 Enquanto parte da indústria volta-se para criar aplicações proprietárias totalmente fechadas,.em oposição aos totalmente abertos, há uma terceira via, que utiliza parte dos conceitos do open standard, porém reserva-se aos direitos comercialização. Um exemplo é a Simbyan, empresa que desenvolve sistemas operacionais para telefones celulares, criada por um consórcio formado pelas principais fabricantes de aparelhos celulares do mundo. É este o mesmo dilema que envolve a temática do software livre, da qual são ícones os sistemas Windows e Linux. A principal questão do dilema software livre vs. Proprietário é quem paga a conta pelo desenvolvimento. No meio dos extremos, estão empresas que adotam posicionamentos híbridos, desenvolvendo aplicações privadas para padrões públicos, abrindo partes de sues códigos-fonte ou concentrado seus modelos de negócio em serviços agregados à tecnologia. Fica mais fácil entender o dilema da padronização e da abertura de código quando se pensa nos ciclos de desenvolvimento de tecnologia em TI. A velocidade com que a indústria cria novos padrões é tão grande, que o tempo necessário para que uma empresa imponha seu próprio padrão cria uma barreira de entrada a seus padrões, uma vez que rapidamente surgem evoluções daquela mesma tecnologia. Com tecnologias padronizadas, os novos padrões são adotados de forma coordenada por todos os players, fazendo com que os sistemas sejam compatíveis entre si e tornando a evolução para novas gerações tecnológicas muito mais simples. As figuras 3 e 4 ilustram a velocidade dos ciclos tecnológicos na TI. No gráfico, está representada a Lei de Moore, pela qual o fundador da Intel, Gordon Moore, preveu, em 1975, a velocidade de evolução dos microprocessadores. Segundo ele, o número de transistores por área (que determina a capacidade de processamento), dobra a cada 2 anos, enquanto os custos permanecem constantes. A Lei de Moore Transistores Trsistores Complexidade dos Circuitos Integrados i i486 Pentium Itanium Pentium 4 Pentium III Pentium II Fonte: Intel MOORE, Gordon. No exponential is forer, but we can delay forever. Fevereiro de Figura 3 Essa é a fórmula da obsolescência programada, adotada como mantra pela indústria da TI, em que o preço dos produtos top de linha mantém-se sempre constante. À

7 medida que os produtos mais modernos vão sendo adotados pelo mercado, o preço cai, dando lugar a uma nova geração tecnológica, mais eficiente, que se torna o novo top de linha. Após algum tempo, com a queda do preço, tal tecnologia se difunde no mercado, enquanto aquela anterior, que outrora estava no topo, é descontinuada. Ciclo de vida de tecnologias em TI Adoção tecnológica Tecnologia A Tecnologia B Tecnologia C Tecnologia D tempo Entrante Top de linha Dominante Padrão Em declínio Descontinuada Tempo 1 Tempo 2 Tempo 3 Tempo 4 Tecnologia A Tecnologia B Tecnologia A Tecnologia C Tecnologia B Tecnologia A Tecnologia D Tecnologia C Tecnologia B Extinta Nova entrante Dominante Extinta Tecnologia A Descontinuada Figura 4 É a adoção da lei de Moore, que garante a constância das margens das empresas da TI e dá previsibilidade ao mercado. Baseadas nessa dinâmica, é que elas conseguem realizar o planejamento de seus negócios no longo prazo. Exatamente por entenderem esse processo, que as grandes empresas investem pesadamente em pesquisa, pois precisam garantir o domínio sob as próximas gerações tecnológicas para manter suas taxas de crescimento. Acompanha essa lógica, uma outra dinâmica, a dinâmica orientada ao surgimento de novos mercados a partir de uma nova tecnologia ou de uma nova geração tecnológica. São nesses momentos, que a expectativa de ganho dos mercados pode ultrapassar o potencial real dos produtos e serviços desenvolvidos a partir de uma determinada tecnologia. Foi assim com a internet, principalmente, nos EUA, e com a terceira geração da telefonia móvel, sobretudo na Europa. São as chamadas bolhas econômicas que possuem uma alta associação com o surgimento de novas tecnologias. Oportunidades de negócios em TI Analisando o histórico de TI, suas definições, seu ciclo de desenvolvimento e as tendências apontadas pelo mercado, o Instituto Inovação listou os principais nichos de Tecnologia da Informação que poderão oferecer oportunidades de negócios nos próximos anos. São eles: Voz sobre IP TV Digital Webservices

8 Segurança digital Computação móvel Nanoeletrônica 3G Estes segmentos estão plotados na figura 5 abaixo, de acordo com sua aplicabilidade (disponibilidade tecnológica, potencial e consolidação), convergência (economia gerada em comunicações, quantidade de aplicações ou dispositivos conectados) e barreiras de entrada (competição, complexidade tecnológica, custo e demanda). Oportunidades de Negócio em TI TI Básica TI Comum TI Aplicada TV Digital Convergência 3G Computação móvel Voz sobre IP Webservices Aplicabilidade Nanoeletrônica Segurança digital Menores barreiras de entrada * - Ponto de vista do desenvolvedor da tecnologia Figura 5 A figura indica ainda onde estão as TI Básicas, TI Comums e TI Aplicadas. A partir de sua análise, é possível ver que o setor de segurança digital está deixando de ser TI Aplicada e tornando-se TI Comum, o que é um forte indicador da tendência de crescimento dessa temática nas organizações. A seguir, tratamos um pouco de cada área.

9 Voz Sobre IP No sistema tradicional de telefonia, a voz trafega em uma rede analógica, distribuída por um emaranhado de cabos e centrais telefônicas. Ao lado dos cabos telefônicos, estão cabos elétricos e, especialmente nas empresas, os cabos de rede, por onde trafegam os dados digitais. A tecnologia Voz Sobre IP (VoIP) permite que a voz seja trafegada pela mesma rede que transporta os dados, economizando infra-estrutura e barateando sensivelmente os custos de comunicação. Essa queda nos custos se dá pelo uso da rede mundial, a Internet. A partir da tecnologia, da mesma forma que um sai do Rio de Janeiro e chega a Hong Kong em segundos e sem custos além dos de acesso à rede, uma chamada de voz pode ser estabelecida entre esses dois pontos a custo zero, ou com o custo aproximado de um 8. Nos EUA e na Europa, a tecnologia VoIP já está sendo utilizada em associação a linhas telefônicas públicas, o que faz com que qualquer pessoa com uma conexão à internet e a assinatura do serviço tenha uma linha local nesses países virtualmente, enquanto está fisicamente em qualquer outro lugar do mundo. Dessa forma, é possível receber ligações de Nova York na sede do Rio de Janeiro, e vice-versa, pagando-se apenas uma ligação local, que pode já estar incluída no pagamento do plano de acesso. Os serviços baseados em VoIP têm diversas outras aplicações, das quais destacam-se também as possibilidades de oferecer videoconferência e ensino a distância. Já incomodam as operadoras de telefonia fixa e de longa distância, que vêem ameaçadas suas receitas de longa distância. O segmento traz oportunidades para o surgimento de novos players, que podem se aproveitar das vantagens econômicas e possibilidades tecnológicas para conquistar nichos de mercado. TV Digital Os aparelhos de TV disponíveis atualmente utilizam freqüências de rádio para a recepção analógica das imagens e som que reproduzem. Com o avanço das redes de comunicação, uma nova geração de aparelhos vem sendo desenvolvida. A TV Digital receberá dados binários e não mais analógicos o que lhe trará uma série de vantagens. A primeira delas é que por ser um canal digital, a rede poderá ser utilizada para transportar não apenas imagens e sons, mas também dados, possibilitando que serviços possam ser agregados ao aparelho, como acesso à internet, telefonia via VoIP, leitura de s, dentre outros serviços interativos. Alguns protótipos de serviços desenvolvidos para a TV Digital permitem, por exemplo, a compra imediata do CD do cantor que está se apresentando na tela ou do vestido da protagonista da novela, a partir do controle remoto. Há também a possibilidade de assistir a filmes, vídeos, programas e documentários sob demanda, de acordo com a conveniência. A 8 Com a tecnologia Voz Sobre IP (VoIP), é possível migrar parte ou todo o tráfego de voz das redes de telefonia convencionais para a internet. Assim, a realização de uma chamada de longa distância custa apenas os custos de acesso à internet, mais os custos de conversão da chamada IP para a rede de telefonia pública local, quando aplicável. Essa conversão IP rede de telefonia convencional é feita na localidade geográfica próxima do número destino da ligação, por isso, os custos nesse caso são o de uma ligação local. A ligação passa a custar o mesmo que um .

10 qualidade da imagem também é beneficiada, pois o formato digital evita distorções e interferências na imagem, que ganha em definição. Outra vantagem é que a transmissão em forma digital economiza infra-estrutura, sendo possível transmitir mais dados com menor largura de banda, em comparação às redes atuais. O canal de transmissão também pode variar, podendo ser satélite, microondas ou cabos terrestres. As principais barreiras aos players que desejam oferecer serviços de dados, conteúdo e infra-estrutura para a TV Digital no Brasil está na indefinição do padrão a ser adotado pelo país. O governo brasileiro tende a criar o seu próprio sistema, em detrimento aos já desenvolvidos nos EUA, Europa e Japão, sob o argumento de gerar divisas para o país (e não royalties para o exterior), ao mesmo tempo em que se criam oportunidades para o desenvolvimento dos centros de pesquisa e indústrias no país, interessadas em explorar o modelo de TV Digital. Webservices Permitir a comunicação entre sistemas diferentes, que rodam em plataformas operacionais diversas, comunicando-se com distintos bancos de dados, através da internet. Esse é o objetivo dos webservices. Baseados em tecnologias padronizadas, como o XML, os webservices são canais de comunicações entre aplicações. Um webservice é uma espécie de conexão que uma aplicação cria com outra, para enviar e receber informações. A padronização da forma com que essas conexões são feitas, utilizando o padrão aberto XML, permite que uma enorme gama de serviços seja criada. A título ilustrativo, uma empresa que trabalha com administração de ações e títulos em bolsa de valores poderia criar um webservice que permitisse a consulta, em tempo real, pela internet, do valor de determinada ação. Esse serviço poderia ser acessado por diversas aplicações, como Microsoft Excel para colocar os valores sempre atualizados em planilhas, por seu website, que permitiria a consulta online a seus clientes ou por suas aplicações gerenciais, que ganhariam em agilidade. Extrapolando esse exemplo, que trata de aplicações mais simples, os webservices podem ser usados para permitir a comunicação entre sistemas de clientes e fornecedores de toda uma cadeia produtiva, disparando processos automaticamente. Os diferenciais dos webservices estão nos baixos custos de comunicação (Internet), e, especialmente, na facilidade de integração (simples, padronizada e compatível com qualquer sistema operacional). Há aí uma enorme gama de oportunidades no desenvolvimento de webservices públicos ou privados para as mais variadas aplicações. Segurança digital O fenômeno da convergência tem feito com que as informações circulem a velocidades cada vez maiores e por um maior número de dispositivos e redes. O próprio avanço da Voz sobre IP, dos webservices e da computação móvel, sendo esta impulsionada pelas redes de dados da telefonia móvel, todas tecnologias aqui apontadas como frutíferas

11 em oportunidades de negócio, gera preocupação com a segurança das informações aí trafegadas. Atuar no desenvolvimento de soluções na área de segurança, contudo, exige o acompanhamento da corrida tecnológica, o que significa altos investimentos em pessoal qualificado e em adoção dessas novas tecnologias assim que estão disponíveis. Sem dúvida, devido à complexidade desse tipo de desenvolvimento, escolher um nicho de mercado é de grande importância aos players da indústria de segurança da informação. Há vários caminhos a seguir dentro desse segmento. Enquanto há empresas especializadas na detecção e remoção de vírus e pragas digitais, outras prestam serviços para bancos, instituições financeiras, buscando evitar fraudes; ou para governos, tentando garantir a confidencialidade das informações. Há também sistemas de segurança específicos para comunicação em tempo real, ou para redes sem fio. Muitas novas oportunidades estão surgindo a partir das soluções de segurança específicas para novas tecnologias, muitas delas citadas neste estudo. A complexidade tecnológica e a variedade de soluções de segurança criam espaço também para o oferecimento de serviços de consultoria sobre como e quais soluções adotar. Destaca-se, ainda, na área de segurança digital, o segmento de biometria, que pode substituir as atuais e frágeis senhas alfanuméricas. A tecnologia consiste no reconhecimento de informações únicas do corpo humano, como a impressão digital, íris ocular ou o formato da mão, como forma de garantir o acesso a ambientes protegidos. Computação móvel A primeira calculadora portátil digital surgiu há 30 anos e de lá para cá, surgiram equipamentos portáteis com capacidade de processamento bilhões de vezes maior. A computação móvel vem crescendo a taxas elevadas, por permitir o acesso e o processamento de informações a qualquer hora e em qualquer lugar. De acordo com o IDC, a venda global de computadores pessoais, que estava com taxas de crescimento desaceleradas nos últimos dois anos, voltará a crescer a saltos largos, subindo 11,4% em 2004 e 11,2% no ano seguinte, graças ao impulso dos computadores portáteis 9. Esse mercado, contudo, não está restrito a notebooks e palmtops. Um segmente ainda pouco explorado no campo da computação móvel é o da telemetria. A Telemetria é um segmento da computação móvel que permite monitorar dados à distância, a partir de dispositivos de computação móvel. Uma aplicação da telemetria seria a leitura eletrônica de relógios medidores de consumo de água ou energia elétrica e o envio dessas informações online para uma central. Outra aplicação é o monitoramente dos batimentos do coração de doentes cardíacos, que pode ser feito a distância por um médico. Com dispositivos telemétricos 9 IDC Previsão de vendas mundiais de computadores pessoais em

12 é possível monitorar equipamentos elétricos para verificar descargas ou mau funcionamento e emitir avisos quando algo estiver errado imediatamente. O maior desafio para viabilizar o uso da telemetria está nas redes de comunicação, que precisariam estar acessíveis, com alta disponibilidade e cobertura, o que torna seu uso ainda caro, já que somente redes de satélite atendem a esses requisitos em nível global. O avanço das redes celulares e sua capacidade de transporte de dados estão mudando esse cenário, criando oportunidade para o fornecimento de novos serviços e aplicações nesse segmento. Nanoeletrônica O segmente de computação móvel, tratado acima, também cria desafios e oportunidades para a cadeia de valor dos equipamentos eletrônicos, gerando demanda para a miniaturização dos componentes microeletrônicos. A criação de dispositivos portáteis cada vez mais leves, potentes e com mais funcionalidades tem guiado o foco de instituições de pesquisa em todo mundo para a nanoteletrônica. O sufixo nano vem da unidade de medida nanômetro (1 nanômetro = 0, m ou um centésimo da espessura de um fio de cabelo) e trata de grandezas muito pequenas. A miniaturização dos componentes eletrônicos em escalas nanométricas além de permitir a disseminação de dispositivos portáteis é crucial para que os computadores continuem expandindo sua capacidade de processamento. Segundo a Intel 10, a tecnologia atualmente existente só é suficiente para manter a taxa de crescimento dos tansistores por área (fator determinante para o desempenho dos processadores) por mais 4 ou 5 anos. Para permitir que as taxas de crescimento continuem constantes, mantendo o ciclo de desenvolvimento de processadores é necessário partir para as escalas nanométricas. O potencial da nanotecnologia é tal, que estimativas do Ministério de Ciência e Tecnologia brasileiro apontam que entre 2010 e 2015 o mercado mundial chegará a movimentar US$ 1 trilhão no segmento 11. Outra questão que a nanoeletrônica promete resolver relaciona-se ao consumo de energia pelos equipamentos eletrônicos. Enquanto o poder de processamento dos equipamentos cresce, exigindo mais energia elétrica, a capacidade de fornecimento e o tamanho das baterias não acompanham o mesmo ritmo, o que vem trazendo problemas para o avanço da indústria. Dessa forma, o desenvolvimento tem caminhado para dois lados: a criação de baterias menores e mais potentes e o desenvolvimento de sistemas eletrônicos que consumam menos energia. Embora dentre os segmentos desse estudo, o da nanoeletrônica seja um dos mais promissores, é o que exige o maior volume de investimentos e cujo retorno deve ocorrer em mais longo prazo. Por essa razão, grande parte dos investimentos no setor vem dos governos e está direcionada a instituições científicas de pesquisa. O governo brasileiro já tem fundo de investimentos específico para o setor, que financia pesquisas 10 MOORE, Gornon. No Exponential is Forever 11 MCT, Temas em C&T: Nanotecnologia. Disponível em É importante ressaltar que a nanoeletrônica é apenas uma das aplicações da nanotecnologia, que tem usos nas áreas de materiais, saúde, indústria têxtil, dentre outras.

13 e empresas interessadas em seu desenvolvimento, contando hoje com R$ 77,7 milhões no orçamento de G As chamadas redes de terceira geração o 3G prometem adicionar a transmissão de dados em alta velocidade às redes de telefonia celular. Pretendem também harmonizar os padrões tecnológicos utilizados para a comunicação celular em todo o mundo, buscando a mesma faixa de freqüência de rádio e a mesma tecnologia de rede para a comunicação, permitindo maior interoperabilidade entre operadoras. Alguns fabricantes prometem velocidades de até 3 Mbps para cada dispositivo (cerca de 55 vezes maior que em uma conexão com um modem doméstico, de 56kpbs). A ambição do 3G já trouxe problemas e frustrações, especialmente na Europa, onde sua adoção consumiu enormes investimentos em infra-estrutura por parte das operadoras, que não correspondeu às expectativas de retorno, o que tem colocado pontos de interrogação sobre o futuro da tecnologia. Apesar dos dimensionamentos equivocados e expectativas exageradas, os benefícios propostos pela tecnologia de terceira geração geram muitas oportunidades de negócio no campo da TI. É para redes 3G que aponta o futuro da TV Digital, da voz sobre IP e da computação móvel. Será através dessa rede que grande parte das aplicações baseadas nessas tecnologias será oferecida e a partir dela, outros novos serviços. Por essa razão o desenvolvimento e a efetiva implantação dessas redes é fator de grande importância para determinar o crescimento da TI globalmente e as empresas que se prepararem para utilizar o potencial por elas oferecido serão beneficiadas. Referências Bilbiográficas BRITO, Marcela. Crise de Identidade. Revista TI, São Paulo, TI Master. 3 mai Disponível em materias/main_materia.asp?codigo=348. Acesso em jun 2004 CASADO, Santiago. História de la Matemática. Sector de Matemática, Chile. Disponível em Acesso em jul 2004 CARR, Nicholas G. IT Doesn t Matter In: HARVARD Business Review, Harvard Business Press, Maio CLUBE Old Bits. Uma breve história da informática. São Paulo, CBO. Disponível em Acesso em jul IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. Tabela 11: Participação das classes e atividades no valor adicionado dos preços básicos

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Apresentação da empresa

Apresentação da empresa Apresentação da empresa A SOFTIMPULSE é uma nova empresa de tecnologias de informática criada para dar resposta ao desenvolvimento da sua empresa. A SOFTIMPULSE integra soluções revolucionárias e tecnologicamente

Leia mais

3. - Os computadores a transístores

3. - Os computadores a transístores 3. - Os computadores a transístores Já vimos que na primeira metade do século XX as válvulas electrónicas de vácuo que eram usadas nos aparelhos eléctricos e electrónicos desde rádios, televisores, telefones,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Aula 01 Tecnologias e Perspectiva Histórica Edgar Noda Pré-história Em 1642, Blaise Pascal (1633-1662) construiu uma máquina de calcular mecânica que podia somar

Leia mais

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Trabalho Realizado Por: Igor_Saraiva nº 7 Com

Leia mais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais

AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais AULA1 Introdução a Microprocessadores gerais Disciplina: Aplicações Avançadas de Microprocessadores (AAM) Prof. Eduardo Henrique Couto ehcouto@hotmail.com 2014/1 Apresentação do Professor: Cronograma:

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3 ARQUITETURA DE VON NEUMANN E DESEMPENHO DE COMPUTADORES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Tipos de Arquitetura Arquitetura de von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006 TI no Século XXI Cesar Bezerra Teixeira 2006 Sumário Propósito; Histórico; Tendências Atuais; O Futuro; 2 Propósito Cesar Bezerra Teixeira 2006 3 Propósito Apresentar um histórico da TI e as tendências

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor :

Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Introdução aos Sistemas de Computação (ISC) Curso de Administração de Negócios Eletrônicos Professor : Marco Antônio Chaves Câmara Lista de Exercícios 3 Nome do Aluno : 1. Sobre as unidades de disco rígido

Leia mais

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Análise e Projeto de. Aula 01. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Aula 01 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Análise e Projeto de Sistemas I Horário das Aulas: 2as feiras das 10h10 às 11h40 e 5as feiras das 08h25

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Introdução. Sistemas Computacionais Classificação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação

Introdução. Sistemas Computacionais Classificação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Introdução à Computação Sistemas Computacionais Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis de Araújo joseana@computacao.ufcg.edu.br

Leia mais

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios.

Aplicativos Informatizados da Administração. Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Aplicativos Informatizados da Administração Hardware A evolução e o impacto dos computadores nas áreas de negócios. Habilidades, Competências e Bases Tecnológicas Bases tecnológicas: Fundamentos de equipamentos

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Calculadoras Mecânicas

Calculadoras Mecânicas ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Evolução e Desempenho de Computadores 1ª Calculadora - séc. V a.c Muitos povos da antiguidade utilizavam o ábaco para a realização de cálculos do dia a dia, principalmente

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br)

André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) Apresentações; A disciplina: Objetivos; Cronograma; Avaliação; O que é Computação; Breve histórico. DEINFO/UFRPE 2

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. por: André Aparecido da Silva. Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec

HARDWARE e SOFTWARE. por: André Aparecido da Silva. Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec HARDWARE e SOFTWARE por: André Aparecido da Silva Disponível em: http://www.oxnar.com.br/2015/unitec No âmbito eletrônico o termo hardware é bastante utilizado, principalmente na área de computação, e

Leia mais

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM?

INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? INFORME PORQUE TELEFÓNIA EM NUVEM? Porque a Voz na Nuvem? 2 Índice Introdução... 3 Baixo Custo... 4 REQUISITOS MÍNIMOS DE CAPITAL... 4 EQUIPAMENTOS GENÉRICOS... 4 UTILIZAÇÃO DE MAIORES RECURSOS... 4 DESPESAS

Leia mais

Microinformática. Perguntas:

Microinformática. Perguntas: Microinformática UNICERP Disciplina: Informática Prof. Denis Henrique Caixeta Perguntas: Como foi a evolução da computação? Qual a função do computador? O que é Hardware? O que é Software? BIT, Byte, etc

Leia mais

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes Tipos de Computadores Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 Introdução Objetivo Apresentar a Lei de Moore e mostrar os vários tipos de computadores 2 a) Lei de Moore Processadores (maioria) são um conjunto

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Histórico dos Computadores

Histórico dos Computadores Histórico dos Computadores O mais antigo equipamento para cálculo foi o ábaco (Fig. 1), que era um quadro com arruelas móveis, dispostas em arames paralelos, tendo, portanto, um mecanismo simples. Surgido

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software

Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software Identificar e descrever os componentes da infraestrutura de TI Identificar e descrever os principais tipos de tecnologia de hardware e de armazenamento, e entrada

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos

tendências MOBILIDADE CORPORATIVA Setembro/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 03 Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos tendências EDIÇÃO 03 Setembro/2012 MOBILIDADE CORPORATIVA Introdução Cenário atual Tendências Vantagens Riscos Recomendações para adoção de estratégia de mobilidade 02 03 04 06 07 08 A mobilidade corporativa

Leia mais

Introdução a Computação. A Primeira Geração. A Segunda Geração. Geração dos Computadores. Geração dos Computadores. Geração de Computadores

Introdução a Computação. A Primeira Geração. A Segunda Geração. Geração dos Computadores. Geração dos Computadores. Geração de Computadores Introdução a Computação Geração de Computadores 1ª Geração: 1950 Circuitos eletrônicos a Válvulas Operações Internas em Milissegundos Programados em Linguagem de Máquina 1 2 A Primeira Geração O UNIVAC

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 1 Introdução: Um computador é uma máquina (conjunto de partes eletrônicas e eletromecânicas) capaz de sistematicamente coletar, manipular e fornecer resultados da manipulação de dados para um ou mais objetivos.

Leia mais

18/03/2010. Os computadores de hoje são dispositivos eletrônicos que, sob direção e controle de um programa, executam quatro operações básicas:

18/03/2010. Os computadores de hoje são dispositivos eletrônicos que, sob direção e controle de um programa, executam quatro operações básicas: Introdução à Computação DSC/CEEI/UFCG Sistemas de Computação O computador é uma máquina eletrônica capaz de receber informações, submetê-las a um conjunto especificado e pré-determinado de operações lógicas

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais

Série SV8000 UNIVERGE 360. UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Série SV8000 UNIVERGE 360 UNIVERGE 360 - Unificando as Comunicações Empresariais Tudo a ver com mudança E estar preparado para ela Com UNIVERGE360 você estabelece a direção. O ambiente de trabalho está

Leia mais

Introdução ao Sistema de Informação

Introdução ao Sistema de Informação Introdução ao Sistema de Informação Prof.: Luiz Mandelli Neto Conhecer sistemas de informação é essencial para os administradores. Sobreviver Prosperar O sistema de informação auxilia as empresas: Estender

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Hardware. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Hardware André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Gerações de hardware Tipos de computadores Partes do Microcomputador Periféricos Armazenamento de

Leia mais

Computador, transistores, registradores e circuitos integrados

Computador, transistores, registradores e circuitos integrados Computador, transistores, registradores e circuitos integrados 1 Filosofia da disciplina EA869...1 2 Portas lógicas...3 3 Lógica seqüencial...5 4 Flip-flops: um sumário...6 5 Registradores e o computador...8

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

O Que é Videoconferência e Como Funciona

O Que é Videoconferência e Como Funciona O Que é Videoconferência e Como Funciona Renato M.E. Sabbatini, PhD O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES - Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Centenas de tipos diferentes de computadores foram projetados e construídos ao longo do ciclo evolutivo dos computadores digitais.

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC UNIDADE 03 UNIDADE 03 / AULA 06 UNIDADE 03 Apostila Estácio Sociedade da Informação de Demerval L. Polizelli e Adalton M. Ozaki, 1ª Edição/2007 1 O CONHECIMENTO DIGITALIZADO 2 O que é informação? É um conjunto de

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Telecomunicações e Teleprocessamento

Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações e Teleprocessamento Telecomunicações Telecomunicações podem ser definidas como comunicações por meios eletrônicos, normalmente a grandes distâncias. Como veículos de transmissão podem

Leia mais

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português

OECD Communications Outlook 2005. Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE. Sumário Executivo. Summary in Portuguese. Sumário em Português OECD Communications Outlook 2005 Summary in Portuguese Perspectivas 2005 das Comunicações da OCDE Sumário em Português Sumário Executivo Após a explosão da "bolha dot-com", a indústria de telecomunicações

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Civil Prof.: Maico Petry Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada para Engenharia História

Leia mais

Introdução à Informática. Introdução à Informática

Introdução à Informática. Introdução à Informática Introdução à Informática Introdução à Informática Generalidades Prof.: Ruy Alexandre Generoso Prof.: Ruy Alexandre Generoso Introdução Computador Máquina eletrônica capaz de receber informações, submetê-las

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução à Computação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Informática x Computação

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Disciplina de Informática Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br 1 O que é Informática? Informática A Informática nasceu da ideia de auxiliar o homem nos trabalhos

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007

TIC Empresas 2007 DESTAQUES 2007 TIC Empresas DESTAQUES Os computadores estão presentes em 95% das empresas, sendo que a informatização aumenta de acordo com o porte. Entre as que utilizam computadores, o acesso à Internet é quase integral:

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas

O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas ARTIGO O Brasil e a Internet Ubíqua: Avanços e Perspectivas AUTORES Antonio Eduardo Ripari Neger Presidente da Associação Brasileira de Internet (ABRANET). Engenheiro formado pela Unicamp, advogado formado

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior vilson.junior@ifsc.edu.br Agenda Introdução Estrutura e função Classes de Computadores Fundamentos Tendências na Tecnologia Contextualizado - Mas

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Apresentação da disciplina UFRPE 2014.2 George Valença georgevalenca@deinfo.ufrpe.br Um pouco sobre mim Formação acadêmica Doutorado Tese: Ecossistemas de Software Projeto de Pesquisa

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

TIC Microempresas 2007

TIC Microempresas 2007 TIC Microempresas 2007 Em 2007, o Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação do NIC.br, no contexto da TIC Empresas 2007 1, realizou pela primeira vez um estudo sobre o uso das

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais