Tecnologia da Informação Oportunidades de negócios digitais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia da Informação Oportunidades de negócios digitais"

Transcrição

1 Tecnologia da Informação Oportunidades de negócios digitais Acho que existe um mercado mundial para cerca de cinco computadores. Thomas J Watson Diretor da IBM, em 1958 Entender a dinâmica da indústria de Tecnologia da Informação (TI) não é tarefa simples, pelo fato de ser extremamente difícil definir o que é TI. Em um ambiente de negócios cada vez mais informatizado, a tecnologia se tornou tão presente nas organizações e na vida dos indivíduos de modo geral, que ela chega a passar despercebida. Essa é a síntese da complexidade do setor. No estudo deste mês, o Instituto Inovação buscou entender um pouco do histórico de desenvolvimento das Tecnologias da Informação para, a partir de visões que focaram seus estágios de aplicação e formas de apresentação, traçar um conceito abrangente e ao mesmo tempo simples da TI. Esse conhecimento, associado a uma análise dos ciclos de vida tecnológicos e da dinâmica dessa indústria, além de dados que apontam para as tendências desse mercado, serviram como base para traçar as possíveis oportunidades de negócio desta área. As origens da TI Para realizar a pesquisa histórica, partimos da seguinte definição: Tecnologia da Informação é a aplicação da tecnologia no processamento de informações. 1 Nessa ótica, a história da TI se confunde com a história do homem. De certa forma, considerando tecnologia como uma ferramenta, criada a partir de um conjunto de conhecimentos, que melhore um determinado processo ou condição humana, a linguagem pode ser considerada como a primeira forma de Tecnologia da Informação. A partir do desenvolvimento das sociedades, lidar com as informações e processá-las da melhor forma tem sido uma busca contínua da humanidade. A necessidade de contar levou a criação do dígito e do sistema decimal (inspirados nos dedos humanos). Foram então surgindo as primeiras ferramentas para auxiliar esse processo, sendo a mais antiga o ábaco (instrumento oriental de madeira e contas coloridas, que auxilia na realização de cálculos matemáticos), datado entre 1500 e 3000 A.C. 2 O aprimoramento matemático foi também bastante impulsionado pelo desenvolvimento do comércio. A necessidade do maior controle das quantidades de mercadorias produzidas, da realização de cálculos, impulsionou o desenvolvimento científico que permitiu a criação de ferramentas para o controle e manipulação das informações, desde os primeiros mecanismos de contagem até as calculadoras analógicas 3. 1 BRITO, Marcela. Revista TI 2 CASADO, Santiago. História de la Matemática 3 A palavra analógico vem de análogo. O termo é usado porque que um dispositivo analógico imita diretamente a informação que quer representar. No caso da primeira caulculadora analógica, seu dispositivo baseava-se em discos que giravam de forma análoga ao sistema decimal, sendo que quando um disco chegava ao algarismo nove, girava em uma unidade o disco posterior e voltava ao valor zero. Um sinal de rádio

2 O grande salto da Tecnologia da Informação, contudo, veio com a transição dos sistemas analógicos para os digitais, que operavam diretamente com os números, através do sistema binário 4. Esse novo paradigma foi proporcionado pelos avanços da ciência nos campos da física, química e engenharia, que criaram a válvula, a tecnologia de armazenamentos de dados em meio magnético e os conceitos de programação embutida e memória digital. Em 1958, um fato tornou-se importante marco do desenvolvimento desta indústria. A Texas Instruments descobriu como reunir em uma única pastilha de silício todos os componentes de um circuito eletrônico, criando os circuitos integrados, que dariam origem ao chip. Com o início de sua produção comercial, foi possível produzir computadores em larga escala, o que gerou uma corrida tecnológica mundial, liderada pela IBM. A empresa iria decidir, anos mais tarde, abrir sua plataforma de programação, dando início à revolução do software e hardware, que abriu espaço para o desenvolvimento dos mainframes, minicomputadores e microcomputadores, baseados no sistema operacional DOS, da então desconhecida Microsoft. A partir daí, a padronização de um sistema operacional utilizado em larga escala permitiu a criação de programas que funcionassem em qualquer equipamento, o que deu a Microsoft o quase monopólio do setor. Desse modo, qualquer empresa interessada em desenvolver um equipamento ou programa compatível com o PC, precisaria comprar as ferramentas de programação da Microsoft. A empresa soube se aproveitar muito bem dessa vantagem evoluindo o DOS para o sistema Windows, que introduziu a interface gráfica ao PC e a colocou definitivamente entre os empreendimentos mais prósperos do século XX. Em paralelo ao desenvolvimento das então nascentes indústrias de software e hardware, o mundo assistia ao desenvolvimento das redes de comunicação, que compõe como senda a terceira das funções essenciais da TI: processamento, armazenamento e transporte de informação. Tal desenvolvimento foi responsável pela expansão significativa de uma indústria, a das Telecomunicações. Criada a partir do telégrafo e do telefone, essa indústria foi o berço na última década da telefonia celular, responsável por cerca de um terço das receitas desse setor 5, e da Internet, rede mundial de computadores, que transformaria drasticamente as relações dos indivíduos e das organizações com a informação. Para ilustrar o aumento da importância das Telecomunicações nos últimos anos é possível analisar o crescimento de sua participação no PIB do Brasil. Enquanto em 1990, a as comunicações representavam 1,38% no valor adicionado a preços básicos analógico, por exemplo, imitam diretamente a forma, o tempo e a natureza do conteúdo do sinal que registram, seja som ou imagem. Isso traz uma série de limitações, quanto ao armazenamento, distorções e transmissão desse tipo de informação. Os sistemas digitais, ao contrário, transformam toda a informação em sinais binários, digitais, que podem ser armazenados, processados e transportados de forma muito mais eficiente. 4 O sistema matemático binário utiliza dois algarismos (0 e 1) para representar os números e realizar cálculos. Em analogia, o sistema decimal utiliza dez algarismos (de 0 a 9) e é o sistema matemáticos regularmente utilizado. 5 Fonte: IBGE, A Telefonia Celular contribui com 35% das receitas to setor em 2001.

3 do PIB, em 2002, esse número subiu para 2,72%, representando um crescimento de 97,10%, o segundo maior dentre todos os setores classificados 6. A associação da indústria da Computação à indústria das Telecomunicações é que forma o que hoje conhecemos como Tecnologia da Informação (figura 1). O que é TI Telecomunicações Bancos Saúde Indústrias de base Bens de Consumo Varejo Agricultura etc. Computação Figura 1 A figura mostra que existe uma intercessão entre indústria da computação e todos os outros setores da economia, já que existe um grande número de softwares e equipamentos eletrônicos, específicos para cada segmento. Basta olhar para o funcionamento do setor bancário 20 anos atrás para perceber o impacto da TI Aplicada a esse setor. Compreendendo a dinâmica da indústria Em estudo publicado na Harvard Business Review, Nicholas Carr defende que a importância da TI tem diminuído nas organizações, pelo fato da tecnologia estar tão difundida na sociedade, que se tornou commodity. Assim, bons investimentos em TI não seriam mais diferencial para as empresas, que precisam buscar outras formas de competir. Embora seja possível afirmar que grande parte da TI que utilizamos hoje tenha se tornado commodity, dizer que TI não gera diferencial tecnológico é ignorar o fato de que a indústria da TI está em constante e rápida evolução e de que novos padrões tecnológicos sempre surgirão, muitas vezes criando novos paradigmas que substituem os anteriores. Assim foi com a telefonia celular, com a própria internet, com o e 6 IBGE, Participação das classes e atividades no valor adicionado a preços básicos Apenas o setor da Indústria do Açúcar teve crescimento relativo maior que Comunicações no período.

4 a tendência é de que assim seja com as tecnologias que ainda estão por vir. Seria despropositado afirmar que as empresas que investiram primeiro no não ganharam produtividade e agilidade nas comunicações, em relação a suas concorrentes. Contrapondo Carr, seria mais apropriado dizer que parte da TI que utilizamos hoje se tornou commodity, isto é, foi amplamente difundida, a qual, para efeito de distinção, chamamos neste estudo de TI Comum. Enquadra-se nessa categoria toda gama de tecnologias da informação que estão disponíveis de forma consolidada e comercialmente desenvolvida, para serem utilizadas nas mais diversas aplicações. É possível entender melhor esse conceito de TI Comum ao contrapô-lo ao de TI Aplicada. Nessa categoria estão as aplicações das tecnologias disponíveis em TI Comum. Por exemplo, utilizando as tecnologias da Internet, que estavam disponíveis de forma consolidada, foi possível criar uma aplicação de envio e recebimento de mensagens instantâneas. Em grande parte dos casos, as tecnologias disponíveis em TI Aplicada, são direcionadas a um determinado nicho ou segmento da indústria. Isso porque muitas das aplicações desenvolvidas a partir da TI Comum são específicas, como no caso de software de gerenciamento ou no de equipamentos eletrônicos para a área médica. Na contramão desse caminho, há os casos em que as tecnologias aplicadas migram para a categoria básica, tornando-se TI Comum. Isso ocorre quando estas tecnologias passam a ser utilizadas por um grande número de indivíduos, como no caso do , que era uma aplicação da tecnologia disponível pela Internet e tornou-se padrão mundial. Enquadra-se aí o próprio microcomputador, que é resultado da aplicação de tecnologias básicas nas áreas de eletrônica disponíveis quando da sua criação. O computador era naquela ocasião utilizado somente por grandes empresas, que necessitavam de alto poder de processamento. Hoje, está amplamente difundido e disponível, tornando-se base para a aplicação de outras tecnologias, logo, parte da TI Comum. Esse caminho de volta da tecnologia aplicada para a comum ocorre quando a aplicação é utilizada em grande escala, de forma ampla e consolidada, e perde as características que a definem como específica para um determinado segmento. Podemos citar como tecnologias que estão atualmente se tornando TI Comum, vindas da TI Aplicada, os anti-virus e sistemas de segurança, de modo geral, que há um bom tempo deixaram de ser preocupação exclusiva de bancos e governos; dentre outras. Além das categorias TI Comum e TI Aplicada, há a categoria de TI Básica. Nessa categoria, estão as tecnologias em desenvolvimento. São aquelas que ainda estão em fase de protótipo nos laboratórios de pesquisa e desenvolvimento de empresas e universidades. Tais tecnologias substituirão os padrões vigentes por outros, mais avançados. Enquadram-se também, na TI Básica, os conhecimentos conceituais e os padrões tecnológicos que permitiram o desenvolvimento de tecnologias básicas. Um protocolo de comunicação, por exemplo, que define métodos matemáticos para a comunicação entre dois dispositivos digitais, não existe sozinho, sem que exista o software e o hardware que implementarão tais métodos. Não se trata de uma tecnologia na forma de software ou hardware, mas de um método conceitual, que deve ser aplicado em algum software ou equipamento para funcionar. A partir do momento que esse protocolo de comunicação é aplicado em um chip, que é então embutido em uma placa de rede, que passa a ser reconhecida por um software capaz de se comunicar utilizando o mesmo protocolo, então esta tecnologia tornam-se TI Comum, mas o protocolo em si, permanece como TI Básica.

5 Na TI Básica, portanto, está o conhecimento essencial que permite o desenvolvimento das tecnologias da informação. Matriz de TI Ex: Armazenamento de dados CIÊNCIA MERCADO TI Básica TI Comum TI Aplicada Hardware Dispositivos bioeletrônicos de armazenamento Miniaturização de chips eletrônicos Gravação em trilha magnética Discos rígidos Chips e Cartões de memória HD ATA CD-RW Unidade de backup Data Center Software Algorítmos de compactação de dados Sistemas de arquivos Sistema de armazenamento de dados Bancos de dados Formatos de arquivo (Ex: PDF) Banco de dados relacional Gestão eletrônica de documentos ERP Figura 2 Há na indústria da TI, na fronteira entre TI Básica e TI Comum, uma forte interação entre ciência e mercado, já que o setor é intensivo em pesquisa e desenvolvimento. Dessa forma, as tecnologias em desenvolvimento na categoria TI Básica são produtos de pesquisa, que se tornam comerciais à medida que avançam para a categoria da TI Comum. Vai de encontro a essa idéia o fato de as maiores empresa da TI atuais, como HP, Intel e Microsoft, tenham surgido dentro de centros universitários e mantenham laboratórios privados de pesquisa. Estão também, na fronteira entre TI Básica e TI Comum, os padrões tecnológicos abertos ou open starndards. Tratam-se de tecnologias de desenvolvidas forma centralizada, padronizada e pública por uma organização isenta, responsável por ouvir as demandas do mercado e das empresas do setor e coordenar a evolução de tal padrão, 7 O objetivo dos processos de padronização é evitar que diferentes padrões tecnológicos de uma mesma aplicação gerem incompatibilidades na indústria. É o que ocorre quando empresas tentam impor seus formatos proprietários de tecnologia. Um exemplo foi a competição entre diferentes formatos de gravação e reprodução de vídeo, na década de 80, que fazia com que fitas para video-cassetes VHS não funcionassem nos modelos baseados na tecnologia BETAMAX. Há, contudo, no esforço da indústria a caminho da padronização algumas contradições, já que padronizar significaria perder o domínio comercial sobre certas tecnologias. 7 Os padrões abertos têm também como característica o fato de seguirem uma metodologia própria e bem definida de desenvolvimento. São exemplos de padrões abertos o HTML (linguagem das páginas de internet), o XML (linguagem de comunicação de dados) e o SIP (protocolo para comunicação multimídia).

6 Enquanto parte da indústria volta-se para criar aplicações proprietárias totalmente fechadas,.em oposição aos totalmente abertos, há uma terceira via, que utiliza parte dos conceitos do open standard, porém reserva-se aos direitos comercialização. Um exemplo é a Simbyan, empresa que desenvolve sistemas operacionais para telefones celulares, criada por um consórcio formado pelas principais fabricantes de aparelhos celulares do mundo. É este o mesmo dilema que envolve a temática do software livre, da qual são ícones os sistemas Windows e Linux. A principal questão do dilema software livre vs. Proprietário é quem paga a conta pelo desenvolvimento. No meio dos extremos, estão empresas que adotam posicionamentos híbridos, desenvolvendo aplicações privadas para padrões públicos, abrindo partes de sues códigos-fonte ou concentrado seus modelos de negócio em serviços agregados à tecnologia. Fica mais fácil entender o dilema da padronização e da abertura de código quando se pensa nos ciclos de desenvolvimento de tecnologia em TI. A velocidade com que a indústria cria novos padrões é tão grande, que o tempo necessário para que uma empresa imponha seu próprio padrão cria uma barreira de entrada a seus padrões, uma vez que rapidamente surgem evoluções daquela mesma tecnologia. Com tecnologias padronizadas, os novos padrões são adotados de forma coordenada por todos os players, fazendo com que os sistemas sejam compatíveis entre si e tornando a evolução para novas gerações tecnológicas muito mais simples. As figuras 3 e 4 ilustram a velocidade dos ciclos tecnológicos na TI. No gráfico, está representada a Lei de Moore, pela qual o fundador da Intel, Gordon Moore, preveu, em 1975, a velocidade de evolução dos microprocessadores. Segundo ele, o número de transistores por área (que determina a capacidade de processamento), dobra a cada 2 anos, enquanto os custos permanecem constantes. A Lei de Moore Transistores Trsistores Complexidade dos Circuitos Integrados i i486 Pentium Itanium Pentium 4 Pentium III Pentium II Fonte: Intel MOORE, Gordon. No exponential is forer, but we can delay forever. Fevereiro de Figura 3 Essa é a fórmula da obsolescência programada, adotada como mantra pela indústria da TI, em que o preço dos produtos top de linha mantém-se sempre constante. À

7 medida que os produtos mais modernos vão sendo adotados pelo mercado, o preço cai, dando lugar a uma nova geração tecnológica, mais eficiente, que se torna o novo top de linha. Após algum tempo, com a queda do preço, tal tecnologia se difunde no mercado, enquanto aquela anterior, que outrora estava no topo, é descontinuada. Ciclo de vida de tecnologias em TI Adoção tecnológica Tecnologia A Tecnologia B Tecnologia C Tecnologia D tempo Entrante Top de linha Dominante Padrão Em declínio Descontinuada Tempo 1 Tempo 2 Tempo 3 Tempo 4 Tecnologia A Tecnologia B Tecnologia A Tecnologia C Tecnologia B Tecnologia A Tecnologia D Tecnologia C Tecnologia B Extinta Nova entrante Dominante Extinta Tecnologia A Descontinuada Figura 4 É a adoção da lei de Moore, que garante a constância das margens das empresas da TI e dá previsibilidade ao mercado. Baseadas nessa dinâmica, é que elas conseguem realizar o planejamento de seus negócios no longo prazo. Exatamente por entenderem esse processo, que as grandes empresas investem pesadamente em pesquisa, pois precisam garantir o domínio sob as próximas gerações tecnológicas para manter suas taxas de crescimento. Acompanha essa lógica, uma outra dinâmica, a dinâmica orientada ao surgimento de novos mercados a partir de uma nova tecnologia ou de uma nova geração tecnológica. São nesses momentos, que a expectativa de ganho dos mercados pode ultrapassar o potencial real dos produtos e serviços desenvolvidos a partir de uma determinada tecnologia. Foi assim com a internet, principalmente, nos EUA, e com a terceira geração da telefonia móvel, sobretudo na Europa. São as chamadas bolhas econômicas que possuem uma alta associação com o surgimento de novas tecnologias. Oportunidades de negócios em TI Analisando o histórico de TI, suas definições, seu ciclo de desenvolvimento e as tendências apontadas pelo mercado, o Instituto Inovação listou os principais nichos de Tecnologia da Informação que poderão oferecer oportunidades de negócios nos próximos anos. São eles: Voz sobre IP TV Digital Webservices

8 Segurança digital Computação móvel Nanoeletrônica 3G Estes segmentos estão plotados na figura 5 abaixo, de acordo com sua aplicabilidade (disponibilidade tecnológica, potencial e consolidação), convergência (economia gerada em comunicações, quantidade de aplicações ou dispositivos conectados) e barreiras de entrada (competição, complexidade tecnológica, custo e demanda). Oportunidades de Negócio em TI TI Básica TI Comum TI Aplicada TV Digital Convergência 3G Computação móvel Voz sobre IP Webservices Aplicabilidade Nanoeletrônica Segurança digital Menores barreiras de entrada * - Ponto de vista do desenvolvedor da tecnologia Figura 5 A figura indica ainda onde estão as TI Básicas, TI Comums e TI Aplicadas. A partir de sua análise, é possível ver que o setor de segurança digital está deixando de ser TI Aplicada e tornando-se TI Comum, o que é um forte indicador da tendência de crescimento dessa temática nas organizações. A seguir, tratamos um pouco de cada área.

9 Voz Sobre IP No sistema tradicional de telefonia, a voz trafega em uma rede analógica, distribuída por um emaranhado de cabos e centrais telefônicas. Ao lado dos cabos telefônicos, estão cabos elétricos e, especialmente nas empresas, os cabos de rede, por onde trafegam os dados digitais. A tecnologia Voz Sobre IP (VoIP) permite que a voz seja trafegada pela mesma rede que transporta os dados, economizando infra-estrutura e barateando sensivelmente os custos de comunicação. Essa queda nos custos se dá pelo uso da rede mundial, a Internet. A partir da tecnologia, da mesma forma que um sai do Rio de Janeiro e chega a Hong Kong em segundos e sem custos além dos de acesso à rede, uma chamada de voz pode ser estabelecida entre esses dois pontos a custo zero, ou com o custo aproximado de um 8. Nos EUA e na Europa, a tecnologia VoIP já está sendo utilizada em associação a linhas telefônicas públicas, o que faz com que qualquer pessoa com uma conexão à internet e a assinatura do serviço tenha uma linha local nesses países virtualmente, enquanto está fisicamente em qualquer outro lugar do mundo. Dessa forma, é possível receber ligações de Nova York na sede do Rio de Janeiro, e vice-versa, pagando-se apenas uma ligação local, que pode já estar incluída no pagamento do plano de acesso. Os serviços baseados em VoIP têm diversas outras aplicações, das quais destacam-se também as possibilidades de oferecer videoconferência e ensino a distância. Já incomodam as operadoras de telefonia fixa e de longa distância, que vêem ameaçadas suas receitas de longa distância. O segmento traz oportunidades para o surgimento de novos players, que podem se aproveitar das vantagens econômicas e possibilidades tecnológicas para conquistar nichos de mercado. TV Digital Os aparelhos de TV disponíveis atualmente utilizam freqüências de rádio para a recepção analógica das imagens e som que reproduzem. Com o avanço das redes de comunicação, uma nova geração de aparelhos vem sendo desenvolvida. A TV Digital receberá dados binários e não mais analógicos o que lhe trará uma série de vantagens. A primeira delas é que por ser um canal digital, a rede poderá ser utilizada para transportar não apenas imagens e sons, mas também dados, possibilitando que serviços possam ser agregados ao aparelho, como acesso à internet, telefonia via VoIP, leitura de s, dentre outros serviços interativos. Alguns protótipos de serviços desenvolvidos para a TV Digital permitem, por exemplo, a compra imediata do CD do cantor que está se apresentando na tela ou do vestido da protagonista da novela, a partir do controle remoto. Há também a possibilidade de assistir a filmes, vídeos, programas e documentários sob demanda, de acordo com a conveniência. A 8 Com a tecnologia Voz Sobre IP (VoIP), é possível migrar parte ou todo o tráfego de voz das redes de telefonia convencionais para a internet. Assim, a realização de uma chamada de longa distância custa apenas os custos de acesso à internet, mais os custos de conversão da chamada IP para a rede de telefonia pública local, quando aplicável. Essa conversão IP rede de telefonia convencional é feita na localidade geográfica próxima do número destino da ligação, por isso, os custos nesse caso são o de uma ligação local. A ligação passa a custar o mesmo que um .

10 qualidade da imagem também é beneficiada, pois o formato digital evita distorções e interferências na imagem, que ganha em definição. Outra vantagem é que a transmissão em forma digital economiza infra-estrutura, sendo possível transmitir mais dados com menor largura de banda, em comparação às redes atuais. O canal de transmissão também pode variar, podendo ser satélite, microondas ou cabos terrestres. As principais barreiras aos players que desejam oferecer serviços de dados, conteúdo e infra-estrutura para a TV Digital no Brasil está na indefinição do padrão a ser adotado pelo país. O governo brasileiro tende a criar o seu próprio sistema, em detrimento aos já desenvolvidos nos EUA, Europa e Japão, sob o argumento de gerar divisas para o país (e não royalties para o exterior), ao mesmo tempo em que se criam oportunidades para o desenvolvimento dos centros de pesquisa e indústrias no país, interessadas em explorar o modelo de TV Digital. Webservices Permitir a comunicação entre sistemas diferentes, que rodam em plataformas operacionais diversas, comunicando-se com distintos bancos de dados, através da internet. Esse é o objetivo dos webservices. Baseados em tecnologias padronizadas, como o XML, os webservices são canais de comunicações entre aplicações. Um webservice é uma espécie de conexão que uma aplicação cria com outra, para enviar e receber informações. A padronização da forma com que essas conexões são feitas, utilizando o padrão aberto XML, permite que uma enorme gama de serviços seja criada. A título ilustrativo, uma empresa que trabalha com administração de ações e títulos em bolsa de valores poderia criar um webservice que permitisse a consulta, em tempo real, pela internet, do valor de determinada ação. Esse serviço poderia ser acessado por diversas aplicações, como Microsoft Excel para colocar os valores sempre atualizados em planilhas, por seu website, que permitiria a consulta online a seus clientes ou por suas aplicações gerenciais, que ganhariam em agilidade. Extrapolando esse exemplo, que trata de aplicações mais simples, os webservices podem ser usados para permitir a comunicação entre sistemas de clientes e fornecedores de toda uma cadeia produtiva, disparando processos automaticamente. Os diferenciais dos webservices estão nos baixos custos de comunicação (Internet), e, especialmente, na facilidade de integração (simples, padronizada e compatível com qualquer sistema operacional). Há aí uma enorme gama de oportunidades no desenvolvimento de webservices públicos ou privados para as mais variadas aplicações. Segurança digital O fenômeno da convergência tem feito com que as informações circulem a velocidades cada vez maiores e por um maior número de dispositivos e redes. O próprio avanço da Voz sobre IP, dos webservices e da computação móvel, sendo esta impulsionada pelas redes de dados da telefonia móvel, todas tecnologias aqui apontadas como frutíferas

11 em oportunidades de negócio, gera preocupação com a segurança das informações aí trafegadas. Atuar no desenvolvimento de soluções na área de segurança, contudo, exige o acompanhamento da corrida tecnológica, o que significa altos investimentos em pessoal qualificado e em adoção dessas novas tecnologias assim que estão disponíveis. Sem dúvida, devido à complexidade desse tipo de desenvolvimento, escolher um nicho de mercado é de grande importância aos players da indústria de segurança da informação. Há vários caminhos a seguir dentro desse segmento. Enquanto há empresas especializadas na detecção e remoção de vírus e pragas digitais, outras prestam serviços para bancos, instituições financeiras, buscando evitar fraudes; ou para governos, tentando garantir a confidencialidade das informações. Há também sistemas de segurança específicos para comunicação em tempo real, ou para redes sem fio. Muitas novas oportunidades estão surgindo a partir das soluções de segurança específicas para novas tecnologias, muitas delas citadas neste estudo. A complexidade tecnológica e a variedade de soluções de segurança criam espaço também para o oferecimento de serviços de consultoria sobre como e quais soluções adotar. Destaca-se, ainda, na área de segurança digital, o segmento de biometria, que pode substituir as atuais e frágeis senhas alfanuméricas. A tecnologia consiste no reconhecimento de informações únicas do corpo humano, como a impressão digital, íris ocular ou o formato da mão, como forma de garantir o acesso a ambientes protegidos. Computação móvel A primeira calculadora portátil digital surgiu há 30 anos e de lá para cá, surgiram equipamentos portáteis com capacidade de processamento bilhões de vezes maior. A computação móvel vem crescendo a taxas elevadas, por permitir o acesso e o processamento de informações a qualquer hora e em qualquer lugar. De acordo com o IDC, a venda global de computadores pessoais, que estava com taxas de crescimento desaceleradas nos últimos dois anos, voltará a crescer a saltos largos, subindo 11,4% em 2004 e 11,2% no ano seguinte, graças ao impulso dos computadores portáteis 9. Esse mercado, contudo, não está restrito a notebooks e palmtops. Um segmente ainda pouco explorado no campo da computação móvel é o da telemetria. A Telemetria é um segmento da computação móvel que permite monitorar dados à distância, a partir de dispositivos de computação móvel. Uma aplicação da telemetria seria a leitura eletrônica de relógios medidores de consumo de água ou energia elétrica e o envio dessas informações online para uma central. Outra aplicação é o monitoramente dos batimentos do coração de doentes cardíacos, que pode ser feito a distância por um médico. Com dispositivos telemétricos 9 IDC Previsão de vendas mundiais de computadores pessoais em

12 é possível monitorar equipamentos elétricos para verificar descargas ou mau funcionamento e emitir avisos quando algo estiver errado imediatamente. O maior desafio para viabilizar o uso da telemetria está nas redes de comunicação, que precisariam estar acessíveis, com alta disponibilidade e cobertura, o que torna seu uso ainda caro, já que somente redes de satélite atendem a esses requisitos em nível global. O avanço das redes celulares e sua capacidade de transporte de dados estão mudando esse cenário, criando oportunidade para o fornecimento de novos serviços e aplicações nesse segmento. Nanoeletrônica O segmente de computação móvel, tratado acima, também cria desafios e oportunidades para a cadeia de valor dos equipamentos eletrônicos, gerando demanda para a miniaturização dos componentes microeletrônicos. A criação de dispositivos portáteis cada vez mais leves, potentes e com mais funcionalidades tem guiado o foco de instituições de pesquisa em todo mundo para a nanoteletrônica. O sufixo nano vem da unidade de medida nanômetro (1 nanômetro = 0, m ou um centésimo da espessura de um fio de cabelo) e trata de grandezas muito pequenas. A miniaturização dos componentes eletrônicos em escalas nanométricas além de permitir a disseminação de dispositivos portáteis é crucial para que os computadores continuem expandindo sua capacidade de processamento. Segundo a Intel 10, a tecnologia atualmente existente só é suficiente para manter a taxa de crescimento dos tansistores por área (fator determinante para o desempenho dos processadores) por mais 4 ou 5 anos. Para permitir que as taxas de crescimento continuem constantes, mantendo o ciclo de desenvolvimento de processadores é necessário partir para as escalas nanométricas. O potencial da nanotecnologia é tal, que estimativas do Ministério de Ciência e Tecnologia brasileiro apontam que entre 2010 e 2015 o mercado mundial chegará a movimentar US$ 1 trilhão no segmento 11. Outra questão que a nanoeletrônica promete resolver relaciona-se ao consumo de energia pelos equipamentos eletrônicos. Enquanto o poder de processamento dos equipamentos cresce, exigindo mais energia elétrica, a capacidade de fornecimento e o tamanho das baterias não acompanham o mesmo ritmo, o que vem trazendo problemas para o avanço da indústria. Dessa forma, o desenvolvimento tem caminhado para dois lados: a criação de baterias menores e mais potentes e o desenvolvimento de sistemas eletrônicos que consumam menos energia. Embora dentre os segmentos desse estudo, o da nanoeletrônica seja um dos mais promissores, é o que exige o maior volume de investimentos e cujo retorno deve ocorrer em mais longo prazo. Por essa razão, grande parte dos investimentos no setor vem dos governos e está direcionada a instituições científicas de pesquisa. O governo brasileiro já tem fundo de investimentos específico para o setor, que financia pesquisas 10 MOORE, Gornon. No Exponential is Forever 11 MCT, Temas em C&T: Nanotecnologia. Disponível em É importante ressaltar que a nanoeletrônica é apenas uma das aplicações da nanotecnologia, que tem usos nas áreas de materiais, saúde, indústria têxtil, dentre outras.

13 e empresas interessadas em seu desenvolvimento, contando hoje com R$ 77,7 milhões no orçamento de G As chamadas redes de terceira geração o 3G prometem adicionar a transmissão de dados em alta velocidade às redes de telefonia celular. Pretendem também harmonizar os padrões tecnológicos utilizados para a comunicação celular em todo o mundo, buscando a mesma faixa de freqüência de rádio e a mesma tecnologia de rede para a comunicação, permitindo maior interoperabilidade entre operadoras. Alguns fabricantes prometem velocidades de até 3 Mbps para cada dispositivo (cerca de 55 vezes maior que em uma conexão com um modem doméstico, de 56kpbs). A ambição do 3G já trouxe problemas e frustrações, especialmente na Europa, onde sua adoção consumiu enormes investimentos em infra-estrutura por parte das operadoras, que não correspondeu às expectativas de retorno, o que tem colocado pontos de interrogação sobre o futuro da tecnologia. Apesar dos dimensionamentos equivocados e expectativas exageradas, os benefícios propostos pela tecnologia de terceira geração geram muitas oportunidades de negócio no campo da TI. É para redes 3G que aponta o futuro da TV Digital, da voz sobre IP e da computação móvel. Será através dessa rede que grande parte das aplicações baseadas nessas tecnologias será oferecida e a partir dela, outros novos serviços. Por essa razão o desenvolvimento e a efetiva implantação dessas redes é fator de grande importância para determinar o crescimento da TI globalmente e as empresas que se prepararem para utilizar o potencial por elas oferecido serão beneficiadas. Referências Bilbiográficas BRITO, Marcela. Crise de Identidade. Revista TI, São Paulo, TI Master. 3 mai Disponível em materias/main_materia.asp?codigo=348. Acesso em jun 2004 CASADO, Santiago. História de la Matemática. Sector de Matemática, Chile. Disponível em Acesso em jul 2004 CARR, Nicholas G. IT Doesn t Matter In: HARVARD Business Review, Harvard Business Press, Maio CLUBE Old Bits. Uma breve história da informática. São Paulo, CBO. Disponível em Acesso em jul IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Contas Nacionais. Tabela 11: Participação das classes e atividades no valor adicionado dos preços básicos

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Aula 01 Tecnologias e Perspectiva Histórica Edgar Noda Pré-história Em 1642, Blaise Pascal (1633-1662) construiu uma máquina de calcular mecânica que podia somar

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006

TI no Século XXI. Cesar Bezerra Teixeira 2006 TI no Século XXI Cesar Bezerra Teixeira 2006 Sumário Propósito; Histórico; Tendências Atuais; O Futuro; 2 Propósito Cesar Bezerra Teixeira 2006 3 Propósito Apresentar um histórico da TI e as tendências

Leia mais

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital

WHITEPAPER. Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital WHITEPAPER Guia de compra para câmeras IP: tudo o que você precisa saber antes de adquirir a sua solução digital Câmera IP ou câmera analógica? Se você está em dúvida sobre a aquisição de uma solução analógica

Leia mais

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA

VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA VOIP A REVOLUÇÃO NA TELEFONIA Introdução Saiba como muitas empresas em todo mundo estão conseguindo economizar nas tarifas de ligações interurbanas e internacionais. A História do telefone Banda Larga

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3

Tecnologia da Informação UNIDADE 3 Tecnologia da Informação UNIDADE 3 *Definição * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização. *Definição

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI

Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI Tecnologia da Informação UNIDADE 3:Estrutura organizacional de TI * A segurança da informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor que possuem para a organização.

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Calculadoras Mecânicas

Calculadoras Mecânicas ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Evolução e Desempenho de Computadores 1ª Calculadora - séc. V a.c Muitos povos da antiguidade utilizavam o ábaco para a realização de cálculos do dia a dia, principalmente

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA Service Virtualization PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores:

Leia mais

André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br)

André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) Apresentações; A disciplina: Objetivos; Cronograma; Avaliação; O que é Computação; Breve histórico. DEINFO/UFRPE 2

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment)

Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Serial ATA (SATA - Serial Advanced Technology Attachment) Introdução Os computadores são constituídos por uma série de tecnologias que atuam em conjunto. Processadores, memórias, chips gráficos, entre

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

Microinformática. Perguntas:

Microinformática. Perguntas: Microinformática UNICERP Disciplina: Informática Prof. Denis Henrique Caixeta Perguntas: Como foi a evolução da computação? Qual a função do computador? O que é Hardware? O que é Software? BIT, Byte, etc

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P.

INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. INSTITUTO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, I.P. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda Curso: Técnico de Informática Sistemas (EFA-S4A)-NS Trabalho Realizado Por: Igor_Saraiva nº 7 Com

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

De olho no futuro. 10Minutos Energia

De olho no futuro. 10Minutos Energia 10Minutos Energia Como ganhar impulso no processo de transformação energética De olho no futuro Julho de 2015 Destaques Megatendências e disrupções estão tendo impactos profundos nas estratégias e no papel

Leia mais

acesse: vouclicar.com

acesse: vouclicar.com Transforme como sua empresa faz negócios, com o Office 365. Vouclicar.com A TI chegou para as pequenas e médias empresas A tecnologia é hoje o diferencial competitivo que torna a gestão mais eficiente,

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Sistema computacional Sistemas feitos para resolver problemas Problema: como obter determinado resultado, com base em dados

Leia mais

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra.

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. G. Weinberg 1 A ideia de qualidade é aparentemente intuitiva. Contudo, quando examinado mais longamente,

Leia mais

Como sua empresa pode

Como sua empresa pode Como sua empresa pode [ O guia de segmentação por IP ] Tecnologia de Inteligência de IP e de geolocalização O método de encontrar a localização física e geográfica de um usuário com base unicamente em

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Apresentação da empresa

Apresentação da empresa Apresentação da empresa A SOFTIMPULSE é uma nova empresa de tecnologias de informática criada para dar resposta ao desenvolvimento da sua empresa. A SOFTIMPULSE integra soluções revolucionárias e tecnologicamente

Leia mais

Seminário Computador Óptico

Seminário Computador Óptico Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte, 23 de Junho de 2008 Seminário Computador Óptico Organização de Computadores I Bruno Xavier da Silva Diego de Moura Duarte brunoxs@dcc.ufmg.br diegomd@dcc.ufmg.br

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA

TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 TIM Brasil Padroniza Testes e Antecipa Erros em Aplicações com CA LISA PERFIL DO CLIENTE Indústria: Telecomunicações Empresa: TIM Brasil Colaboradores: 12,167 mil EMPRESA

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade...

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Reduzir custo de TI; Identificar lentidões no ambiente de TI Identificar problemas de performance

Leia mais

CATEGORIAS E TIPOS DE TI

CATEGORIAS E TIPOS DE TI CATEGORIAS E TIPOS DE TI 1 SISTEMAS INFORMÁTICOS 1.1 MAINFRAMES Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO

01. O QUE É? 02. OBJETIVOS DO CURSO 03. CAMPO DE ATUAÇÃO 01. O QUE É? O Curso de Desenvolvimento de Websites é um curso de graduação tecnológica de nível superior com duração de dois anos e meio. Este curso permite a continuidade dos estudos em nível de bacharelado

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência

VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência VIDEOCONFERÊNCIA Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência Pregão Conjunto nº 27/2007 VIDEOCONFERÊNCIA ANEXO I Termo de Referência Índice 1. Objetivo...3 2. Requisitos técnicos e funcionais...3 2.1.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

O Que é Videoconferência e Como Funciona

O Que é Videoconferência e Como Funciona O Que é Videoconferência e Como Funciona Renato M.E. Sabbatini, PhD O objetivo da videoconferência é colocar em contato, através de um sistema de vídeo e áudio, duas ou mais pessoas separadas geograficamente.

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS ADE

AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS ADE Curso: TÉCNICO EM INFORMÁTICA com Habilitação em Programação e Desenvolvimento de Sistemas. AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS ADE NOTA DE AULA 01 Assunto: Introdução a informática. Histórico do computador. Conceitos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel

BGAN. Transmissão global de voz e dados em banda larga. Banda larga para um planeta móvel BGAN Transmissão global de voz e dados em banda larga Banda larga para um planeta móvel Broadband Global Area Network (BGAN) O firm das distâncias O serviço da Rede Global de Banda Larga da Inmarsat (BGAN)

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações IBM Systems and Technology Group Abril de 2013 White Paper de Liderança em Ideias Inovadoras IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações 2 IBM FlashSystem Atendendo ao

Leia mais

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Civil Prof.: Maico Petry Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada para Engenharia História

Leia mais

Quem somos. Não somos o esperado, VAMOS MAIS ADIANTE!

Quem somos. Não somos o esperado, VAMOS MAIS ADIANTE! Bem Vindos Não importa sua necessidade, a MindFi tem soluções completas e especializadas para seu negócio. Prestamos serviços tecnológicos com excelência em atendimento e monitoramento para que seu estabelecimento

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens

SOBRE A CALLIX. Por Que Vantagens Callix PABX Virtual SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens SOBRE A CALLIX Por Que Vantagens Por Que Callix Foco no seu negócio, enquanto cuidamos da tecnologia do seu Call Center Pioneirismo no mercado de Cloud

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS

FÁBRICA DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS DE SOFTWARE FÁBRICA DE PROJETOS FÍSICOS FÁBRICA DE SOFTWARE Quem somos A Fábrica de Software da Compugraf existe desde 1993 e atua em todas as etapas de um projeto: especificação, construção, testes, migração de dados, treinamento e implantação.

Leia mais

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Tipos de Computadores. Sediane Carmem Lunardi Hernandes Tipos de Computadores Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 Introdução Objetivo Apresentar a Lei de Moore e mostrar os vários tipos de computadores 2 a) Lei de Moore Processadores (maioria) são um conjunto

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Disciplina de Informática Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br 1 O que é Informática? Informática A Informática nasceu da ideia de auxiliar o homem nos trabalhos

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Silva Apresentação Bacharel em Análise de Sistemas (UNILINS). Especialização em Geoprocessamento (UFSCar). Mestre em Ciência da Informação (UNESP). Doutorando

Leia mais