The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services"

Transcrição

1 The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services Edited by Sueli Mara Soares Pinto Ferreira Réjean Savard K. G. Saur

2

3 International Federation of Library Associations and Institutions Fédération Internationale des Associations de Bibliothécaires et des Bibliothèques Internationaler Verband der bibliothekarischen Vereine und Institutionen Federación Internacional de Asociaciones de Bibliotecarios y Bibliotecas Federação Internacional de Associações de Bibliotecas e Bibliotecários

4 IFLA Publications 117 The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services O cliente virtual: um novo paradigma para melhorar o relacionamento entre clientes e serviços de informação e bibliotecas L usager virtuel: un nouveau paradigme pour améliorer le service à la clientèle dans les bibliothèques et services d information El cliente virtual: un nuevo paradigma para mejorar el relacionamento entre clientes y servicios de información y biblioteca Satellite Meeting / Reunião Satélite / Colloque Satellite / Reunión Satélite São Paulo, Brasil, August 18 20, 2004 Edited by Sueli Mara Soares Pinto Ferreira and Réjean Savard K G Saur München 2005

5 IFLA Publications edited by Sjoerd Koopman Recommended catalogue entry: The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services / O cliente virtual: um novo paradigma para melhorar o relacionamento entre clientes e serviços de informação e bibliotecas / L`usager virtuel: un nouveau paradigme pour amélioner lê service à la clientèle dans les bibliothèques et services d information / El cliente virtual: un nuevo paradigma para mejorar el relacionamento entre clientes y servicios de información y biblioteca : satellite meeting/reunião satélite/colloque satellite/ reunión satélite. São Paulo, Brasil, August 18 20, 2004 / [International Federation of Library Associations and Institutions]. München : Saur, 2005, xvi, 385 p. 21 cm (IFLA Publications ; 117) ISBN Bibliographic information published by Die Deutsche Bibliothek Die Deutsche Bibliothek lists this publication in the Deutsche Nationalbibliografie; detailed bibliographic data is available in the Internet at U Printed on permanent paper The paper used in this publication meets the minimum requirements of American National Standard Permanence of Paper for Publications and Documents in Libraries and Archives ANSI/NISO Z (R1997) 2005 by International Federation of Library Associations and Institutions, The Hague, The Netherlands Alle Rechte vorbehalten / All Rights Strictly Reserved K.G.Saur Verlag GmbH, München 2005 Printed in the Federal Republic of Germany All rights reserved. No part of this publication may be reproduced, stored in a retrieval system of any nature, or transmitted, in any form or by any means, electronic, mechanical, photocopying, recording or otherwise, without the prior written permission of the publisher. Printed / Bound by Strauss GmbH, Mörlenbach ISBN ISSN (IFLA Publications)

6 Table of Contents/Sumário/Table des Matières/Contenido Preface... ix Prefácio... xi Préface...xiii Prefacio... xv Introduction paper/conferência de abertura/conférences d ouverture/ Conferencia de abertura... 1 A apropriação informacional para a cidadania na América Latina: o ponto de vista do usuário final de programas nacionais de informação e/ou inclusão digital Sueli Mara Soares Pinto Ferreira; Elisabeth Adriana Dudziak (Brasil)... 2 Abstract/Résumé/Resumen User centered web design/design de sistema web centrado no cliente/la conception de sites web axée sur l usager/design de web centrado en el cliente to. Rediseño Portal Cuba Mirta Valdés Morris (Cuba) Abstract/Resumo/Résumé Estruturando a informação para um sistema virtual centrado no usuário: a avaliação do website do Serviço de Biblioteca e Documentação da Faculdade de Direito da USP, Brasil Maria Lucia Beffa; Luciana Maria Napoleone (Brasil) Abstract/Résumé/Resumen The virtual client: who is he and how to join him/o cliente virtual: quem é e como agrupá-lo/l usager virtuel: qui est-il et comment le rejoindre/el cliente virtual: quién es y como agruparlo Presença temática do usuário/cliente virtual em artigos de periódicos brasileiros da área de informação Leilah Santiago Bufrem; Cecília Lícia Ramos e Medina Fabian; Sônia Maria Breda; Sandra Kiyomi Ouchi (Brasil) Abstract/Résumé/Resumen Disseminação seletiva de informações: interação como meio para elaboração do perfil de interesse Leonardo Fernandes Souto (Brasil) Abstract/Résumé/Resumen v

7 Developing new services for academic customers/desenvolvimento de novos serviços para clientes acadêmicos/le développement de nouveaux services pour les clientèles académiques/desarrollo de nuevos servicios para clientes académicos La réserve électronique aux Bibliothèques de l Université Concordia Olivier Charbonneau (Canada) Abstract/Resumo/Resumen The virtual customer: a new paradigm for an university library Alison Ransome; Di Clarke (Australia) Resumo/Résumé/Resumen Medical information and the virtual customer/informação médica e o cliente virtual/l information médicale et l usager virtuel/información médica y el cliente virtual Acesso digital: o direito à informação na área da saúde versus a propriedade intelectual da informação tecnológica Rosana Evangelista; Vanda de Fátima Fulgêncio de Oliveira; Sandra Lúcia Pereira; Valdinéa Sonia Petinari (Brasil) Abstract/Résumé/Resumen Interatividade na Biblioteca Virtual em Saúde Carmen Verônica Mendes Abdala; Ana Maria Cardoso de Araújo; Shirley Dias da Silva; Rosane Taruhn (Brasil) Abstract/Résumé/Resumen Do we need new competencies for the virtual customer?/precisamos de novas habilidades para lidar com o cliente virtual?/quelles compétences pour l usager virtuel?/ Nosotros necesitamos nuevas competencias para trabajar con el cliente virtual? Les nouvelles compétences du bibliothécaire à l ère de l usager extra muros: vers la création de nouveaux produits documentaires en ligne Tarek Ouerfelli (Tunisie) Abstract/Resumo/Resumen The Web Awareness Program: Together Libraries and Media Awareness Network Virtually Serve Canadian Parents and Young People Gwynneth Evans (Canada) Resumo/Résumé/Resumen vi

8 Education and training for the virtual customer/educação e treinamento para o cliente virtual/éducation et formation pour l usager virtuel/la educación y entrenamiento delante del cliente virtual Facilidades para acesso a periódicos eletrônicos: ações do SIBi/USP para o desenvolvimento de um tutorial Adriana Hypólito Nogueira; Alice Mari Miyazaki de Souza; Elenise Maria de Araújo; Eliana Mara Martins Ramalho; Maria Cristina Dziaba; Telma de Carvalho; Valéria Cristina Trindade Ferraz; Virgínia Castilho (Brasil) Abstract/Résumé/Resumen Les besoins d information et de communication de l usager virtuel: cas de l apprenant en formation à distance du second cycle de l EBAD Mamadou Diarra (Sénégal) Abstract/Resumo/Resumen Virtual reference: a marketing perspective/referência virtual: uma perspectiva de marketing/la référence virtuelle: une perspective marketing/la referencia virtual: una perspectiva del marketing Market research and the virtual customer: realities, possibilities, experiences Christie Koontz (USA) Resumo/Résumé/Resumen Greek libraries: a vision for a national entrance to the virtual reference Antonia Arahova; Sarantos Kapidakis (Greece) Resumo/Résumé/Resumen The development and challenges of virtual reference service of library in China Zhang Shuguang (China) Resumo/Résumé/Resumen Management and marketing services for the virtual customer/serviços de marketing e administração para o cliente virtual/management et marketing des services pour l usager virtuel/la dirección y comercialización de los servicios para el cliente virtual BiblioRedes: enlazando comunidades, conectando personas Gonzalo Oyarzún (Chile) Abstract/Resumo/Résumé Quelle offre éditoriale numérique pour l usager «virtuel» des universités françaises? Ghislaine Chartron (France); Marc Minon (Belgique) Abstract/Resumo/Resumen vii

9 Agricultural information and the virtual customer/informação em agricultura e o cliente virtual/l Information agricole et l usager virtuel/información agrícola y el cliente virtual Meeting the information needs of farmers in the electronic environment: lessons from Southern Africa Clemence Namponya (South Africa) Resumo/Résumé/Resumen Produits et services pour les unités documentaires agronomiques tunisiennes: du virtuel au réel Ksibi Ahmed (Tunisie) Abstract/Resumo/Resumen Wrap-up and conclusion/síntese e conclusão/synthèse et conclusion/ Síntesis y conclusión Hacia una perspectiva humana y humanista de la relación virtual biblioteca-usuario Israel A. Núñez Paula (Cuba) Abstract/Resumo/Résumé Le client virtuel: un nouveau paradigme pour l amélioration des rapports entre services d information et clients Amadou Diop (Burkina Faso); Yawo Assigbley (Ghana) Author index/índice de autores/index des auteurs/ Índice de autores Geographic index/índice geográfico/index géographique/índice geográfico viii

10 Preface For several years now, the concept of virtual client or virtual customer has been part of the world of libraries and information services. Librarians indeed have tamed the computer for a long time now, and what we find in libraries are now third and even fourth generation s systems. Internet is also part of the environment of libraries for many years, at least in many countries. It seems like what we call the hybrid character of libraries that is the obligation to manage at the same time virtual and traditional collections and services has fit in little by little with librarians mentalities. And for many specialists, this hybrid library will last still for many many years. Of course we should not forget that the printed document and the person-to-person service on which is built the excellent reputation of libraries, but it is important to look more and more at the virtual side of the library. This phenomenon of the virtual client has not been studied very often in the last years although it is deeply affecting our way of managing and marketing libraries: approaching a customer and satisfying him or her at a distance is commanding challenges much more different than what we find with the traditional model. Just the evaluation of the distant user s needs, not speaking about the non-user needs, requires special skills. A colloquium on these topics was therefore particularly appropriate. Thus we should thank the Management and Marketing Section standing committee members for having supported this meeting from the beginning as well as IFLA itself for authorizing its venue during summer The warm welcome from the Brazilian professional community and from the Sao Paulo colleagues must also be underlined: during those few days, the participants were simply cherished! ix

11 The colloquium was an important success. All will agree on that. And it was such certainly and mainly because of the authors and their papers which we are publishing here. Without the authors no colloquium of course, and we would like to express them our profound recognition. They have brilliantly tackled the very important issues related to the virtual customer: from more generic points of views such as the democratization of access to digital information to more specific questions such as virtual libraries and new services, not forgetting user and librarian education, web site design, more specialized information, etc. In short, the readers of these proceedings will find along these pages a very stimulating content which we hope, will guide them towards better services for virtual clients. We must also stress the multilingual aspect of this publication: if the colloquium was so interesting, it is also because it was the meeting place of various professional experiences coming from many different countries and expressed in four different languages: Portuguese, Spanish, French and English. It is important for an international association such as IFLA to maintain this multilinguism and the papers are presented here in their original language, with abstracts in the four official languages of the colloquium. This is resulting from a fantastic teamwork and we would like to thank again all those who have contributed to this publication. Sueli Mara S.P. Ferreira Satellite Meeting General Chair Universidade de São Paulo, Brasil Réjean Savard Satellite Meeting Program Chair Université de Montreal, Canada x

12 Prefácio O conceito de usuário virtual ou cliente virtual tem sido parte do mundo das bibliotecas e serviços de informação desde muito tempo. Bibliotecários, há décadas, tem incorporado o uso de computadores em suas atividades, produtos e serviços e, como resultado, hoje se tem sistemas de informação de terceira e até quarta geração. Internet é também parte deste contexto, pelo menos na maioria dos países. Tal situação acarreta que este caráter híbrido das bibliotecas qual seja a coexistência de coleções e serviços tradicionais e virtuais esteja alterado passo a passo o cotidiano dos bibliotecários. Para muitos especialistas, esta biblioteca híbrida ainda perdurará por muitos e muitos anos. Naturalmente, não deveríamos esquecer que os documentos impressos e o serviço de atendimento presencial pessoa a pessoa tem sido o carro chefe da excelente reputação das bibliotecas, mas é imprescindível que centremos nossos esforços nos aspectos virtuais de seus atuais serviços e produtos. Este fenômeno do cliente virtual não tem sido suficientemente estudado nos últimos anos, muito embora esteja afetando profundamente a gestão e o marketing das bibliotecas: acercar-se do usuário e atendê-lo satisfatoriamente a distância é uma atividade muito mais desafiante e complexa do que a mesma situação no modelo tradicional presencial. Compreender e a avaliar necessidades de usuários a distância, sem nem ao menos pensar ou falar das necessidades dos não usuários, é uma atividade que requer habilidades especiais. Portanto, um colóquio tratando exatamente do tema dos usuários virtuais e seu relacionamento com a biblioteca foi particularmente apropriado. Assim, devemos inicialmente agradecer aos membros do Standing Committee da Management and Marketing Section e a própria IFLA por ter apoiado a realização deste colóquio em As calorosas boas vindas da comunidade brasileira de profissionais e dos colegas de São Paulo também devem ser mencionadas: durante aqueles poucos dias, todos os participantes simplesmente se sentiram fraternalmente acolhidos! xi

13 O colóquio foi um grande sucesso. Todos concordam plenamente com isto. E tal fato se deu principalmente pela participação de grande número de autores e da qualidade de suas apresentações, cujos respectivos trabalhos estão aqui publicados. Sem eles não existira o colóquio, naturalmente, e assim gostaríamos de expressar-lhes nosso profundo reconhecimento. As apresentações brilhantemente abordaram os mais importantes temas relacionados ao usuário virtual: desde pontos mais abrangentes como a democratização do acesso à informação digital até questões mais específicas como implementação e planejamento de bibliotecas virtuais e novos serviços, sem faltar reflexões sobre educação deste usuário, design de websites, informação especializada em contextos diversificados etc. Em suma, os leitores desta publicação irão encontrar um conteúdo muito estimulante que, esperamos, possa orientá-los em relação a melhores e mais adequados serviços aos seus clientes virtuais. Também não podemos deixar de evidenciar o uso de quatro idiomas nesta publicação. Se o colóquio foi tão interessante e bem sucedido se deve ao fato de ter sido realmente um ambiente de trabalho onde vários profissionais experientes e de tão distintos países puderam se expressar livremente selecionando o idioma que mais lhe fosse confortável dentre o português, espanhol, francês ou inglês. É importante para uma associação internacional como a IFLA manter esta pluralidade de idiomas e, assim, os papers estão aqui publicados em seu idioma original seguido de resumos nos quatro idiomas oficiais do colóquio. Este é o resultado de uma equipe de trabalho fantástica e agradecemos a todos aqueles que contribuíram com esta publicação. Sueli Mara S.P. Ferreira Coordenador Geral da Reunião Satélite Universidade de São Paulo, Brasil Réjean Savard Coordenador Científico da Reunião Satélite Université de Montreal, Canada xii

14 Préface Depuis quelques années déjà, les notions d «usager virtuel» et de «client virtuel» font partie du monde des bibliothèques et des services d information. Les bibliothécaires ont en effet apprivoisé l ordinateur depuis longtemps déjà, et les systèmes de gestion de bibliothèques utilisés actuellement en sont rendus à leur troisième, voire même à leur quatrième génération. Internet fait aussi partie de leur paysage depuis plusieurs années, du moins dans plusieurs pays. En fait, le caractère hybride des bibliothèques c est-à-dire l obligation de composer avec des collections et des services à la fois virtuels et traditionnels s est inscrit peu à peu dans les mentalités des bibliothécaires. Selon plusieurs spécialistes, ce caractère hybride perdurera encore pendant de nombreuses années. Sans oublier bien entendu l imprimé et le service personne à personne qui ont vraiment fait la réputation des bibliothèques, il importe donc de se pencher de plus en plus vers le côté virtuel de la bibliothèque. Ce phénomène d usager ou de client virtuel avait été peu étudié jusqu à tout récemment. Il est pourtant en voie de modifier profondément notre approche du management et du marketing en matière de bibliothéconomie : aborder un client et le satisfaire à distance comporte des défis carrément différents de ceux qu on retrouve dans le modèle traditionnel. Simplement connaître les besoins de cet usager distant requiert des habiletés particulières, sans parler bien entendu du défi supplémentaire que présente le «non-usager virtuel». Un colloque sur ce thème nous semblait donc tout à fait pertinent. Nous devons donc remercier les membres du comité permanent de la Section Management et Marketing de l IFLA d avoir bien reçu cette proposition de colloque satellite, et l IFLA elle-même d en avoir autorisé la tenue à l été de L accueil de la communauté professionnelle brésilienne et des collègues de Sao Paulo doit également être souligné : pendant ces quelques jours, nous avons été tout simplement choyés! Le colloque fut un grand succès. Tous en témoigneront. S il en fut ainsi, c est sans contredit en grande partie aussi à cause des auteurs, ceux-là même dont nous publions ici les compte rendus. Sans auteurs, pas de colloque! Et nous tenons bien entendu à leur témoigner notre immense reconnaissance. xiii

15 Ils ont abordé avec brio un ensemble très important de thèmes reliés à l «usager virtuel» : des problématiques générales en rapport avec la démocratisation de l accès à l information numérique jusqu aux bibliothèques virtuelles et aux nouveaux services, en passant par la formation des utilisateurs et celle des bibliothécaires, la conception de sites web, l accès à une information plus spécialisée, etc. Bref, le lecteur de ces compte rendus trouvera dans ces pages des contenus fort stimulants et qui nous l espérons, pourront les guider vers de meilleurs services à l intention des clientèles virtuelles. Il faut également souligner le caractère multilingue de ce document : si le colloque fut si intéressant c est aussi parce qu il fut le lieu de rencontre de diverses expériences professionnelles issues de nombreux pays et exprimées en quatre langues différentes : le portugais, l espagnol, le français et l anglais. Il était important pour une association internationale comme l IFLA, de maintenir ce côté multilingue et les textes des différents auteurs sont présentés dans leur langue originale, avec des résumés dans les quatre langues officielles du colloque. Il s agit là d un travail d équipe formidable et nous remercions encore une fois tous ceux et celles qui ont collaboré à la préparation de cet ouvrage. Sueli Mara S.P. Ferreira Coordinatrice générale du Colloque satellite Universidade de São Paulo, Brasil Réjean Savard Coordinateur scientifique du Colloque Université de Montréal, Canada xiv

16 Prefacio Desde hace varios años el concepto de cliente virtual o usuario virtual ha formado parte del mundo de las bibliotecas y los servicios de información. Efectivamente, los bibliotecarios han tenido bajo control el computador desde hace tiempo y lo que encontramos ahora en las bibliotecas son sistemas de tercera e incluso cuarta generación. Internet forma parte también del ambiente de las bibliotecas desde hace muchos años, al menos en bastantes países. Parece que lo que denominamos carácter híbrido de las bibliotecas es decir, la obligación de gestionar al tiempo colecciones y servicios virtuales y tradicionales ha calado poco a poco en la mentalidad de los bibliotecarios. Y, para muchos especialistas, esta biblioteca híbrida continuará aún durante muchos, muchos años. Por supuesto, no deberíamos olvidar que es el documento impreso y el servicio persona a persona sobre el que se sustenta la excelente reputación de las bibliotecas, pero es importante observar cada vez más el lado virtual de la biblioteca. Este fenómeno del cliente virtual no ha sido estudiado con frecuencia en los últimos años, a pesar de que está afectando profundamente nuestra forma de gestionar y difundir las bibliotecas: el acercamiento al usuario y su satisfacción a distancia está demandando retos muy distintos a los que encontramos con el modelo tradicional. Precisamente la evaluación de las necesidades del usuario a distancia, sin entrar a considerar las necesidades del no-usuario, requiere métodos especiales. Por tanto, un coloquio sobre estos tópicos era especialmente adecuado. Así, debemos agradecer a los miembros del comité permanente de la Sección de Gestión y Marketing él haber apoyado este encuentro desde el principio, así como a la propia IFLA por autorizar su celebración durante el verano de La cálida bienvenida de la comunidad profesional brasileña y de los colegas de Sao Paulo debe resaltarse también: durante esos pocos días estuvimos sin lugar a dudas mimados!. xv

17 El coloquio fue un gran éxito. Todos estaremos de acuerdo en ello. Y lo fue, clara y principalmente, gracias a los autores y sus artículos, los que publicamos aquí. Sin los autores no existe coloquio, por supuesto, por lo que deseamos expresarles nuestro más profundo reconocimiento. Han abordado con brillantez los temas más importantes relacionados con el usuario virtual: desde puntos de vista más generales, como la democratización del acceso a la información digital, hasta cuestiones más específicas como bibliotecas virtuales y nuevos servicios, sin olvidar la educación del usuario y el bibliotecario, diseño de sitios web, información más especializada, etc... En resumen, los lectores de estas actas encontrarán a lo largo de estas páginas un contenido muy estimulante que, esperamos, les guiarán hacia mejores servicios para los clientes virtuales. Debemos acentuar también el aspecto multilingüe de esta publicación: si el coloquio fue tan interesante es debido asimismo a que fue el lugar de encuentro de variadas experiencias profesionales procedentes de muchos países distintos y expresadas en cuatro idiomas diferentes: portugués, español, francés e inglés. Es importante para una asociación internacional como la IFLA mantener este multilingüismo y los trabajos se presentan aquí en su lenguaje original, con resúmenes en los cuatro idiomas oficiales del coloquio. Es el resultado de un fantástico equipo de trabajo y queremos reiterar nuestro agradecimiento a todos aquéllos que han contribuido a esta publicación. Sueli Mara S.P. Ferreira Coordinador General de la Reunión Satélite Universidade de São Paulo, Brasil Réjean Savard Coordinador Científico de la Reunión Satélite Université de Montreal, Canada xvi

18 Introduction paper Conferência de abertura Conférences d ouverture Conferencia de abertura

19 A apropriação informacional para a cidadania na América Latina: o ponto de vista do usuário final de programas nacionais de informação e/ou inclusão digital 1 Sueli Mara Soares Pinto FERREIRA Professora Doutora da Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, Brasil Elisabeth Adriana DUDZIAK Bibliotecária de Referência da Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, Brasil Resumo O objetivo do trabalho é analisar a percepção dos usuários latino-americanos quanto ao impacto gerado pelos programas nacionais de informação e as TICs (tecnologias de informação e comunicação) nos processos decisórios, em torno do exercício pleno de sua cidadania, a fim de identificar os níveis de apropriação informacional em que se encontram. Inicialmente, são explorados os pontos conceituais e empíricos a respeito da fluência em informação e seus níveis de apropriação: a digital (concepção com ênfase na tecnologia da informação); a informacional propriamente dita (concepção com ênfase nos processos cognitivos) e a social (concepção com ênfase no aprendizado direcionado à inclusão social, que consiste em uma perspectiva integrada de aprendizado e exercício de cidadania). Em segundo lugar, a partir dos objetivos e escopo dos Programas Nacionais de Informação Latino-americanos é traçado um panorama destes programas e do impacto das tecnologias de informação e comunicação na América Latina. Finalmente, aprofundou-se a pesquisa com estudos de caso em algumas iniciativas implementadas no Brasil, no Equador e no Peru, onde se buscou compreender como usuários finais de telecentros e bibliotecas têm se utilizado deles e que mudanças estão sendo geradas nas condições de suas atividades e no exercício de sua cidadania, de acordo com diferentes níveis de apropriação: digital, informacional ou social. Para o estudo foram consideradas as variáveis: motivação, compreensão, dificuldades/lacunas ou limitações, uso das informações/conhecimentos obtidos, projeção/impacto no dia-a-dia e valorização/recomendação do programa. Os resultados apontam para a existência de diferentes e simultâneos níveis de apropriação: nos vários países, mas com predominância do foco ainda para a inclusão digital. 1 Introdução O estudo parte da premissa de que existe uma necessidade de participação ativa de toda a população nos processos decisórios em torno do pleno exercício da cidadania. A fim de 1 Resultado de pesquisa desenvolvida por profissionais e pesquisadores de diversos países da América Latina, sob coordenação da Profa. Dra. Sueli Mara S.P. Ferreira. Autores dos estudos de caso: BRASIL (São Paulo Elisabeth Márcia Martucci e Márcio Rodrigo Falvo/Paraná Patrícia Zeni Marchiori, Sonia Maria Sauaf Mazza, Sérgio Luiz Zacarias, Carlos A. Silvestre Inácio, Elisabeth Dominski Ribeiro, Anderson Adami e Daniela Victório Del Puente/Minas Gerais Marta Pinheiro Aun e Mauro Araújo Câmara/Ceará Márcia Mello de Matos, Eliene G, Vieira do Nascimento e Nirlange Pessoa de Queiroz); EQUADOR (Thaís Pinto, Enrique Abad e Nilma M. Ruas); PERU (Maria Teresa Ferrer Salaverry). Trabalho também apresentado no Congresso IFLA Divisão VIII, Buenos Aires, 24 de agosto de

20 alcançar este objetivo, torna-se necessário promover a ampla e irrestrita inclusão digital, informacional e social em todas as camadas da sociedade. Os Programas Nacionais de Informação implementados na América Latina são o primeiro passo em busca desta atuação cidadã. Observa-se que os programas governamentais em geral têm atendido as demandas relativas ao oferecimento da necessária infra-estrutura na implementação de telecentros e o amplo acesso a microcomputadores e a Internet. O papel dos agentes multiplicadores das propostas governamentais tem sido essencial neste processo e tem se centrado na capacitação técnica e apropriação primeira da tecnologia, enfatizando o desenvolvimento das habilidades dos usuários no uso dos equipamentos e ferramentas de acesso. Assume-se, porém, que a capacitação para a cidadania (objetivo último da inclusão digital e informacional) baseia-se no alcance de um patamar superior de apropriação, não só dos meios (ferramentas e instrumentos de acesso) como também do efetivo acesso intelectual à informação e ao conhecimento. Parte-se da reflexão sobre as informações e acontecimentos, direcionando a produção de uma mudança pessoal pelo processo do aprendizado. Logra-se aqui não somente a aquisição de habilidades, como também a construção de conhecimentos e valores, elementos fundamentais ao pleno exercício da cidadania. O aprendizado é o nível mais elevado de apropriação informacional, onde reside o poder de mudança e a possibilidade de adoção de novas posturas enquanto sujeito (ator social/cidadão). Entretanto, neste momento torna-se necessário avançar nos estudos de modo a verificar o real impacto de tais programas na comunidade, analisar de que modo os usuários finais têm se apropriado dos programas nacionais de informação para que possam ser incluídos na chamada sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem. Neste sentido, esta pesquisa teve como objetivo analisar a percepção dos usuários latinoamericanos quanto ao impacto que programas governamentais de inclusão digital e informacional geram no exercício de sua cidadania, de modo a mapear e sistematizar diferentes níveis de apropriação informacional. 3

The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services

The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services IFLA Publications 117 The virtual customer: a new paradigm for improving customer relations in libraries and information services O cliente virtual: um novo paradigma para melhorar o relacionamento entre

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo

Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo Desafios e Perspectivas para o Orçamento Participativo A Experiência de Belo Horizonte Claudinéia Ferreira Jacinto Secretaria Municipal Adjunta de Planejamento, Orçamento e Informação Prefeitura de Belo

Leia mais

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS

METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS METODOLOGIA PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS DE CASOS 1 O Método do Caso e o Ensino em Administração O uso do Método do Caso nas escolas de administração no Brasil é relativamente recente, embora não haja

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA

ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA ASPECTOS DIDÁTICO-PEDAGÓGICOS NA EDUCAÇÃO CONTINUADA Área Temática: Educação Responsável pelo trabalho: Tatiana Comiotto Menestrina Instituição: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) Departamento:

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

RECYT/MERCOSUL. ESCOLA VIRTUAL DE SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - Proposta Resumida -

RECYT/MERCOSUL. ESCOLA VIRTUAL DE SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - Proposta Resumida - CO-GR.MSUL.INOT.0003 Circulação Restrita RECYT/MERCOSUL ESCOLA VIRTUAL DE SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - Proposta Resumida - Resumo Esta nota resume proposta à RECYT/MERCOSUL de projeto de educação à distância

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL

Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. INCLUSÃO DIGITAL Artigo Publicado na revista Eletrônica F@pciência, Apucarana-PR, v.1, n.1, 61-66, 2007. Resumo INCLUSÃO DIGITAL Leandro Durães 1 A inclusão digital que vem sendo praticada no país tem abordado, em sua

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Projetos e ações da IASLl International Association of School Librarianship Associação Internacional de Bibliotecas Escolares

Projetos e ações da IASLl International Association of School Librarianship Associação Internacional de Bibliotecas Escolares Projetos e ações da IASLl International Association of School Librarianship Associação Internacional de Bibliotecas Escolares Katharina B.L. Berg BIbliotecária Diretora Regional da IASL para América Latina

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização

Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização Trilha 4 Diversidade e Conteúdo Matriz GERAL de sistematização coordenador: Lisandro Zambenedetti Granville relatores: Francele Cocco e Lucas Farinella Pretti A) Questões-chave SUSTENTABILIDADE DE PRODUTORES

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

A formação do engenheiro para as próximas décadas

A formação do engenheiro para as próximas décadas Seminário Inovação Pedagógica na Formação do Engenheiro Universidade de São Paulo Maio de 2003 A formação do engenheiro para as próximas décadas Henrique Lindenberg Neto Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA. Prof. Dr.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA. Prof. Dr. FORMAÇÃO PROFISSIONAL: RESPONSABILIDADE DO PROFESSOR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS DE MERCADO E AO EXAME DE SUFICIÊNCIA Prof. Dr. Valmor Slomski A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Gráfico 2 Distribuição dos países que apresentaram trabalhos sobre Educação de Professores no Congresso Mundial de Istambul 2010

Gráfico 2 Distribuição dos países que apresentaram trabalhos sobre Educação de Professores no Congresso Mundial de Istambul 2010 Perspectivas críticas na formação e desenvolvimento de professores: trabalhos apresentados no Congresso Mundial das Sociedades de Educação Comparada WCCES Istambul 2010 Marta Luz Sisson de Castro msisson@pucrs.br

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Características. Carga horária 24 horas presenciais.

Características. Carga horária 24 horas presenciais. 1 Características Sobre o curso As organizações que apresentam melhores resultados financeiros, são nitidamente as que aprendem a lidar com as incertezas de forma proativa. Em mercados em constante mudança

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas

Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Diretrizes para programas de leitura organizados por bibliotecas - algumas sugestões práticas Introdução A Seção de Leitura da IFLA tem o prazer de apresentar algumas sugestões práticas para as bibliotecas

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Os objetivos principais do programa

Os objetivos principais do programa O que é o GELP? O GELP é uma parceria de líderes e consultores de organizações de ordem mundial. Todos colaborando em uma comunidade global, com equipes de líderes educacionais importantes, que estão seriamente

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009

Caminhos para as cidades digitais no Brasil. Campinas, 26 de março de 2009 Caminhos para as cidades digitais no Brasil Campinas, 26 de março de 2009 Atualmente, faz-se necessário o exame de meios que estimulem a difusão de cidades digitais sustentáveis pelo país, porque, além

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ BIREME - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - OPAS - OMS CENTRO DE INFORMAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA CICT PROJETO BVS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS BRASIL Rio de Janeiro 2002 Doenças Infecciosas e Parasitárias na BVS

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS VICE-GOVERNADORIA ATA DE REUNIÃO. CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel ATA DE REUNIÃO Evento: Local: 2ª Reunião do Comitê Intersetorial de Políticas Públicas para a Juventude CAMG - Palácio Tiradentes Sala Cláudio Manoel Data: 20 de fevereiro de 2013 Horário: 15h00min Nesta

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de símbolos, logotipos e logomarcas com Software Livre

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de símbolos, logotipos e logomarcas com Software Livre MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

COMUNICAÇÕES/DOCUMENTOS

COMUNICAÇÕES/DOCUMENTOS Esta seção visa a oferecer informações sobre os eventos e outras atividades congêneres de interesse de instituições e dos profissionais da informação e tem como propósito, além da divulgação, o incentivo

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO

TEMÁRIO PROVISÓRIO ANOTADO Distr. LIMITADA LC/L.3659(CRM.12/2) 2 de agosto de 2013 PORTUGUÊS ORIGINAL: ESPANHOL Décima Segunda Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Santo Domingo, 15 a 18 de outubro de

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PIBIC 05/06. Departamento de Educação

PIBIC 05/06. Departamento de Educação PIBIC 05/06 Departamento de Educação Alunas: Sandra Mendes Moreira Orientadora: Tânia Dauster Título do Projeto: Escrita na Universidade Os Universitários e as Relações entre Leitura E Escrita ESCRITA

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

CONHECIMENTO E CAPACITAÇÃO: Uma Aliança Estratégica nos Institutos de Pesquisas. Valéria Cristina dos Santos Ribeiro 10 de agosto de 2006 CRH/STD

CONHECIMENTO E CAPACITAÇÃO: Uma Aliança Estratégica nos Institutos de Pesquisas. Valéria Cristina dos Santos Ribeiro 10 de agosto de 2006 CRH/STD CONHECIMENTO E CAPACITAÇÃO: Uma Aliança Estratégica nos Institutos de Pesquisas Valéria Cristina dos Santos Ribeiro 10 de agosto de 2006 CRH/STD OBJETIVO DA PESQUISA: Refletir e construir proposituras

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL. Mariana Balboni osilac@cepal.org

Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL. Mariana Balboni osilac@cepal.org Coletiva de Imprensa Lançamento Sistema de Informação Estatística sobre TIC do OSILAC/CEPAL Mariana Balboni osilac@cepal.org Agenda I. Programa Sociedade da Informação II. Sistema de Informação estatística

Leia mais

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações.

Patrocínios: Governos Nacionais e Locais, empresas, organismos de cooperação internacional, universidades, doações. Criando ferramentas para a garantia ao direito à convivência familiar e comunitária. Documento Preparatório do Seminário Relaf 2013 Fortalecendo os Avanços. Criando ferramentas para a Garantia do Direito

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais