LOTE 8 AVALIAÇÃO EX-ANTE E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PROGRAMA OPERACIONAL DO ALENTEJO. Relatório Final da Avaliação Ex-ante

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOTE 8 AVALIAÇÃO EX-ANTE E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PROGRAMA OPERACIONAL DO ALENTEJO. Relatório Final da Avaliação Ex-ante"

Transcrição

1 CONCURSO PARA A AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS COM VISTA À REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EX-ANTE E DAS AVALIAÇÕES AMBIENTAIS ESTRATÉGICAS NECESSÁRIAS PARA A PREPARAÇÃO DOS NOVOS PROGRAMAS OPERACIONAIS LOTE 8 AVALIAÇÃO EX-ANTE E AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA DO PROGRAMA OPERACIONAL DO ALENTEJO Relatório Final da Avaliação Ex-ante (versão corrigida com base na versão do PO de 13 de Agosto de 2014) QUATERNAIRE PORTUGAL, CONSULTORIA PARA O DESENVOLVIMENTO S.A. 16 de outubro de 2014

2 EQUIPA TÉCNICA QP António Manuel Figueiredo (coordenação global) Artur Costa Lurdes Cunha Maria Elisa Pérez Babo João Silva Mariana Rodrigues Carla Melo (AAE) (Simbiente) Sérgio Costa (AAE) (Simbiente) COLABORAÇÕES ESPECÍFICAS Gisela Ferreira Magda Porta 2

3 ÍNDICES Índices 3 Sumário Executivo 8 Executive Sumary INTRODUÇÃO Contextualização da AEA Estrutura do relatório Síntese metodológica RESPOSTA ÀS QUESTÕES DE AVALIAÇÃO Dimensão estratégica da programação, relevância e pertinência do diagnóstico e contributos para a Estratégia EUROPA Coerência interna do PO Coerência externa do PO Princípios horizontais Indicadores, monitorização e avaliação Consistência da alocação dos recursos financeiros AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Síntese da Análise da AAE Principais efeitos do POR ALENTEJO e recomendações da AAE Síntese de Recomendações Conclusões PRINCIPAIS CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Conclusões Recomendações 108 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ELETRÓNICAS 113 ANEXOS 117 ANEXO Nº 1 - Teoria da programação e fatores críticos principais 118 ANEXO Nº 2 Lista de Entidades Auscultadas 142 ANEXO Nº 3 Reuniões de Auscultação 143 ANEXO Nº 4 Fundamentação do Diagnóstico 154 ANEXO Nº 5 - Coerência com Acordo de Parceria e Estratégia ANEXO Nº 6 Coerência Interna (EP) 184 3

4 ANEXO Nº 7 Coerência Interna (PI) 186 ANEXO Nº 8 Elementos de enquadramento da resposta à questão de avaliação ANEXO Nº 9 Coerência Externa 205 ANEXO Nº 10 Indicadores e monitorização 213 Índice de Quadros Quadro n.º 1 Ponto de Situação Regional e Nacional para o alcance dos indicadores da EE 2020 e PNR 28 Quadro n.º 2 - Relação entre a ambição regional e a EE Quadro n.º 3 - Mobilização de fontes e métodos de sistematização da informação (Questões 1 a 7) 36 Quadro n.º 4 - Fundamentação dos níveis de sinergia e de complementaridade entre Eixos Prioritários 37 Quadro n.º 5 - Mobilização de fontes e métodos de sistematização da informação (Questões 8 e 9) 43 Quadro n.º 6 - Articulação entre o PO Alentejo e os PO Temáticos 44 Quadro n.º 7 - Articulação entre PO Alentejo e PDR (FEADER) e FEAMP 46 Quadro n.º 8 - Articulação do PO Alentejo com o PO Cooperação Transfronteiriça, PO Inter-regional e PO Mediterrâneo 50 Quadro n.º 9 - Mobilização de fontes e métodos de sistematização da informação (Questão 10 a 14) 55 Quadro n.º 10 - Prioridades de Investimento e Tipologias de Ação que combatem as desigualdades 56 Quadro n.º 11 Sinergias entre áreas de intervenção consagradas no POR na secção dos princípios horizontais e prioridades de investimento 57 Quadro n.º 12 - Bateria de Indicadores sugeridos 65 Quadro n.º 13 - Distribuição da Comparticipação Comunitária, por Eixo Prioritário 71 Quadro n.º 14 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP1, por Domínio de Intervenção 72 Quadro n.º 15 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP2, por Domínio de Intervenção 72 Quadro n.º 16 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP3, por Domínio de Intervenção 73 Quadro n.º 17 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP4, por Domínio de Intervenção 73 Quadro n.º 18 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP5, por Domínio de Intervenção 74 Quadro n.º 19 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP6, por Domínio de Intervenção 74 Quadro n.º 20 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP7, por Domínio de Intervenção 75 Quadro n.º 21 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP8, por Domínio de Intervenção 75 Quadro n.º 22 - Distribuição da Comparticipação Comunitária do EP9, por Domínio de Intervenção 76 Quadro n.º 23 - Principais efeitos e recomendações no âmbito dos FCD da AAE 82 Quadro n.º 24 - Síntese das principais recomendações por FCD 94 Quadro n.º 25 - Síntese da Especialização Inteligente Alentejo 124 Quadro n.º 26 - Síntese dos domínios de Especialização Inteligente Alentejo 126 Quadro n.º 27 Cruzamento dos Ativos Estratégicos e as Prioridades 130 4

5 Quadro n.º 28 - Cruzamento entre as Iniciativas Âncora e Prioridades de Intervenção 130 Quadro n.º 29 Matriz de apresentação de Sinergias entre Constrangimentos Estruturais e Prioridades de Intervenção 132 Quadro n.º 30 Matriz de apresentação das Sinergias entre as Prioridades de Intervenção e Iniciativas Âncora 133 Quadro n.º 31 Alocação das Prioridades de Intervenção, Constrangimentos Estruturais e Ativos Diferenciadores às Prioridades de Investimento (e Eixo) 135 Quadro n.º 32 - Objetivos específicos do PO e correspondência com o Acordo de Parceria e Estratégia Europa Quadro n.º 33 - Matriz de apresentação das sinergias entre objetivos 184 Quadro n.º 34 Matriz de sinergia entre objetivos por prioridade de investimento 186 Quadro n.º 35 Justificação das sinergias identificadas 191 Quadro n.º 36 Coerência entre PO Alentejo e os restantes PO Temáticos 205 Quadro n.º 37 Indicadores: EIXO 1 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME 215 Quadro n.º 38 - Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: EIXO 1 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS PME 217 Quadro n.º 39 - Análise dos indicadores (Eixo 1) 218 Quadro n.º 40 Indicadores: EIXO 2 ENSINO E QUALIFICAÇÃO DO CAPITAL HUMANO 220 Quadro n.º 41 Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: EIXO 2 ENSINO E QUALIFICAÇÃO DO CAPITAL HUMANO 225 Quadro n.º 42 - Análise dos indicadores (Eixo 2) 227 Quadro n.º 43 Indicadores: EIXO 3 INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO 230 Quadro n.º 44 - Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: EIXO 3 INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO 233 Quadro n.º 45 - Análise dos indicadores (Eixo 3) 235 Quadro n.º 46 Indicadores: EIXO 4: DESENVOLVIMENTO URBANOSUSTENTÁVEL 237 Quadro n.º 47 - Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: EIXO 4: DESENVOLVIMENTO URBANOSUSTENTÁVEL 239 Quadro n.º 48 - Análise dos indicadores (Eixo 4) 241 Quadro n.º 49 Indicadores: EIXO 5: EMPREGO E VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSO ENDÓGENO 243 Quadro n.º 50 Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: EIXO 5: EMPREGO E VALORIZAÇÃO ECONÓMICA DE RECURSO ENDÓGENO 247 Quadro n.º 51 Análise dos indicadores (Eixo 5) 249 Quadro n.º 52 Indicadores: EIXO 6 COESÃO SOCIAL E INCLUSÃO 251 Quadro n.º 53 Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: EIXO 6 COESÃO SOCIAL E INCLUSÃO 254 Quadro n.º 54 Análise dos indicadores (Eixo 6) 256 Quadro n.º 55 Indicadores: Eixo 7 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E MOBILIDADE 258 Quadro n.º 56 Valores Base e Valores Alvo dos Indicadores: Eixo 7 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E MOBILIDADE 260 Quadro n.º 57 - Análise dos indicadores (Eixo 7) 261 5

6 Quadro n.º 58 Indicadores: Eixo 8 AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE 262 Quadro n.º 59 Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: Eixo 8 AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE 264 Quadro n.º 60 - Análise dos indicadores (Eixo 8) 265 Quadro n.º 61 - Indicadores: Eixo 9 CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL E MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 267 Quadro n.º 62 Valores de Base e Valores Alvo dos Indicadores: Eixo 9 CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL E MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 270 Quadro n.º 63 - Análise dos indicadores (Eixo 9) 271 6

7 Acronímia A Ativos Diferenciadores AAE Avaliação Ambiental Estratégica AC Administração Central ADC Agência de Desenvolvimento e Coesão ADL Associação de Desenvolvimento Local AEA Avaliação Ex-ante ALV Aprendizagem ao Longo da Vida AP Acordo de Parceria CCDR-A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional da Região Alentejo CE Comissão Europeia CE Constrangimentos Estruturais CEF Cursos de Educação e Formação CELE Comércio Europeu de Licenças de Emissão CIM Comunidade Intermunicipal CLDS- Contratos Locais de Desenvolvimento Social CQEP Centros para a qualificação e o ensino profissional CTE Centro de Emprego TeSP Cursos Tecnológicos Superiores Profissionais DLBC Desenvolvimento Local de Base Comunitária DRE Direção Regional de Educação DSRA Direção de Serviços Regionais do Alentejo EE 2020 Estratégia Europa 2020 EEI Estratégia de Especialização Inteligente EEI A Idem Alentejo EIDL Estratégia Integrada de Desenvolvimento Local ELD Estratégias Locais de Desenvolvimento EM Estados Membros EP Eixo Prioritário EREI Estratégia Regional de Especialização Inteligente FC Fundo de Coesão FEADER Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas FEAMP Fundo Europeu dos Assuntos do Mar e das Pescas FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional FEEI Fundos Europeus Estruturais e de Investimento FSE Fundo Social Europeu GAC Grupo de Ação Costeira GAL Grupo de Ação Local GEE Gases de Efeito de Estufa GT Grupo de Trabalho I&D Investigação e Desenvolvimento I&D&I Investigação e Desenvolvimento e Inovação I&DT Investigação e Desenvolvimento Tecnológico ICC Indicadores Comunitários Comuns ICI Inquérito Comunitário à Inovação IFDR Instituto Financeiro para o Desenvolvimento Regional ILE Iniciativas Locais de Emprego INE Instituto Nacional de Estatística IPCTN Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional ISCED International Standard Classification of Education ITI Investimento Territorial Integrado LE Linhas Estruturantes NUTS - Nomenclaturas de Unidades Territoriais OT Objetivo Temático PAR Plano de Ação Regional PCT Parques de Ciência e Tecnologia PDR Plano de Desenvolvimento Rural PIEF Programa Integrado de Educação e Formação PINT Prioridades de Intervenção PME Pequenas e Médias Empresas PMSE Programa Mais Sucesso Escolar PNR Programa Nacional de Reformas PO Programa Operacional POA Programa Operacional do Alentejo POCH Programa Operacional do Capital Humano POR Programa Operacional Regional POSEUR Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos PROT Plano Regional de Ordenamento do Território PROVERE Programas de Valorização Económica de Recursos Endógenos QP Quaternaire Portugal QREN Quadro de Referência Estratégica Nacional RF Relatório Final RFP Relatório Final Preliminar RIS 3 Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente RTE-T - Rede Transeuropeia de Transportes RVCC Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências SCTN Sistema Científico e Tecnológico Nacional SI Sistema de Incentivos SRI Sistema Regional de Inovação SRTT Sistema Regional de Transferência de Tecnologia TICE Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica UE União Europeia V Vetores 7

8 SUMÁRIO EXECUTIVO Contexto e metodologia A avaliação ex-ante (AEA) do Programa Operacional (PO) Regional do Alentejo foi realizada com o objetivo de responder a um conjunto de questões de avaliação que definiam o objeto da avaliação com recurso a metodologias de avaliação theory-driven (formulação da teoria da programação do PO Alentejo e da correspondente identificação dos respetivos fatores críticos) e da realização de momentos complementares de auscultação de stakeholders com intervenção relevante na futura implementação do PO, designadamente três painéis de discussão (entidades envolvidas na Estratégia Regional de Especialização Inteligente EREI Alentejo, discussão mais alargada sobre os fatores críticos da programação e uma reunião com as Associações de Desenvolvimento Local - ADL s e Comunidades Intermunicipais - CIM s) e quatro entrevistas individuais (Agência Regional de Energia e Ambiente do Norte Alentejano e Tejo, Fundação Eugénio Almeida, Centro Tecnológico da Pedra Natural de Portugal e Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo). Ao nível da contextualização, sublinha-se o facto da equipa de AEA ter trabalhado com 4 versões do PO Alentejo, tendo o Relatório Inicial, o Relatório Final Preliminar e o Relatório Final analisado versões do PO sucessivamente reformuladas e ajustadas (uma vez que o PO começou a ser elaborado num período anterior ao conhecimento das delimitações do Acordo de Parceria), o que obrigou a uma resposta às questões de avaliação por aproximações sucessivas a versão final deste relatório corresponde ao documento de 14 de agosto. Para além disso, o acesso aos PO temáticos (PO Competitividade e Internacionalização, PO Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos, PO Emprego e Inclusão Social e PO Capital Humano, assim como o PDR FEADER), com os quais o PO Alentejo se deve articular no território da Região, foi muito tardio e incompleto, não existindo mesmo informação completa sobre a programação do FEAMP. As versões para discussão pública do Programa de Cooperação Territorial Portugal-Espanha e do Programa Mediterrânico foram também tardiamente conhecidas. Adicionalmente, os trabalhos de AEA decorreram durante algum tempo sem conhecimento por parte da equipa de avaliação da versão definitiva da proposta de AP (só disponibilizada em 31 de janeiro de 2014). A versão final do AP foi conhecida já em plena revisão deste Relatório Final. Dada a abordagem por aproximações sucessivas às questões de avaliação em função das sucessivas versas do PO analisadas, foi possível garantir alguma interação entre os resultados da AEA e a progressiva elaboração do PO, com destaque para as melhorias observadas no sistema de indicadores. Objeto de avaliação O objeto de avaliação é configurado por um conjunto de questões de avaliação definidas em sede de caderno de encargos que a equipa de AEA organizou em seis dimensões: Dimensão estratégica da programação: relevância, pertinência e fundamentação do diagnóstico estratégico prospetivo que suporta a estratégia do PO; incorporação das orientações da Estratégia Europa 2020 e do Plano Nacional de Reformas e contributo do PO Alentejo para as metas europeias da Estratégia 2020; conformidade com as orientações do Acordo de Parceria (AP); abordagem integrada ao desenvolvimento territorial; Princípios horizontais da programação e grau de envolvimento de stakeholders: igualdade de oportunidades e de género, princípios da parceria e da não discriminação, desenvolvimento sustentável e diferentes formas de envolvimento de stakeholders na concretização do PO; Coerência interna: sinergias e complementaridades entre diferentes eixos prioritários do PO e respetivas prioridades de investimento mobilizadas e análise crítica das tipologias de ações (não propriamente medidas) tendo em vista os objetivos específicos a atingir em cada prioridade de investimento; Coerência externa: sinergias e complementaridades a respeitar entre os PO temáticos com intervenção no território da Região e o PO Alentejo, o mesmo se aplicando à intervenção do

9 PDR-FEADER na Região, tendo por base as formulações conhecidas das cadeias de programação e a delimitação definida em sede de AP; Conformidade da alocação de recursos financeiros: avaliação da consistência das alocações conhecidas com a dimensão estratégica da programação e a sua hierarquia de objetivos identificada pela teoria da programação; Sistema de indicadores: avaliação da pertinência, consistência e exequibilidade dos indicadores propostos tendo em conta a dimensão baseada em resultados da programação e a medida da transformação que se pretende atingir com a programação. Principais Conclusões Tendo em conta que o PO Alentejo 2020 aborda a implementação do Plano de Ação Alentejo 2020 apenas nos termos que o Acordo de Parceria prescreve ser o seu domínio de intervenção, deve ser assinalada a centralidade que na sua estratégia assume a concretização da Visão Estratégica que marca o referido Plano de Ação, oportunamente validado em sede do Conselho Regional. Com base no recurso às metodologias de avaliação theory-driven, a AEA identifica no PO Alentejo alguns fatores críticos de programação, definidos essencialmente em função da aplicação da Visão Estratégica que enquadra o Plano de Ação e o PO. Os fatores críticos da programação sistematizam não só potenciais desenvolvimentos e melhorias do PO até à fase da sua regulamentação e implementação mas proporcionam também à futura monitorização estratégica da programação uma boa base de trabalho. Destacam-se os seguintes fatores críticos: Ao nível da governança regional para a estruturação de um Sistema Regional de Inovação Alentejo é crucial para a Região consolidar infraestruturas de base tecnológica com proximidade às empresas, capazes de sinalizar as necessidades de inovação e de incorporação de conhecimento e tecnologia de que essas empresas carecem para a desejada evolução da base produtiva regional, sem colocar de parte a proximidade ao ecossistema regional de Lisboa e os avanços conseguidos no período de programação que está a terminar. É necessário assegurar uma procura empresarial de arranque e para isso as entidades de intermediação no SRI Alentejo são cruciais. Adicionalmente assinala-se a necessidade de regulamentar sistemas de incentivos suscetíveis de acolher a especificidade da Região Alentejo que consiste em mobilizar a ambição dos OT1 e OT3 num ambiente empresarial de procura potencial de incentivos que não é fluida e que precisa de ser ela própria dinamizada. A Visão Estratégica assumida requer uma política de cidades, de natureza integrada e o Acordo de Parceria e o próprio tardaram em encontrar uma saída airosa para essa dificuldade. A solução encontrada passou pela mobilização dos objetivos temáticos OT 4, OT 6 e OT9, dando origem a um eixo prioritário próprio de desenvolvimento urbano sustentável (EP 4) focado nos centros urbanos regionais e estruturantes e intervenções de outros EP, mobilizando as mesmas prioridades de investimento dirigidas aos centros urbanos complementares da Região. O fator crítico da programação aqui presente residirá na capacidade de engenharia de projeto que a Região e os municípios revelarão em matéria de combinação de intervenções orientadas para o baixo carbono, preservação e valorização ambiental e regeneração urbana física, económica e social. O PROT-Alentejo terá aqui um relevante instrumento de implementação das suas orientações. Os efeitos dinamicamente perversos que o declínio demográfico tem gerado no desenvolvimento da Região exigem uma forte injeção de emprego qualificado, designadamente jovem, na Região, desejavelmente combinada com uma política mais focada de atração de residentes. O contributo mais sério para este rejuvenescimento qualificado, ou menos de reforço de ativos qualificados, tem no PO o seu principal instrumento de concretização nos EP 1 e 3 e no potencial de intervenção dos instrumentos de apoio à evolução da base produtiva regional. A programação do PO necessita por isso de alguma métrica orientadora para definir a ambição das duas políticas de emprego que as cadeias de programação introduzem: a do emprego mais qualificado e a do emprego inclusivo. Esta 9

10 distinção é, no entender da AEA, crítica para dimensionar as diferentes dimensões de apoio ao empreendedorismo acolhidas pela programação. O modelo territorial do Alentejo coloca alguns desafios à política inclusiva a acolher pelo PO, aconselhando a uma política descentralizada e concretizada em estreita articulação com os ITI NUTS III e os diferentes DLBC, rurais, costeiros e urbanos (áreas desfavorecidas). O fator crítico nesta sugestão é a da vontade e capacidade dos municípios para no âmbito dos ITI intermunicipais NUTS III acolher parcerias com outros atores locais para levar à prática esta política inclusiva mais descentralizada. Tal modelo pode apresentar a vantagem não despicienda de contribuir para um melhor aproveitamento de serviços coletivos e de redes para o apoio social já existentes nos territórios municipais. Outro fator crítico da programação sinalizado pela AEA reside na abordagem da sustentabilidade ambiental como prioridade horizontal. Nessa perspetiva, a Visão Estratégica apela a que a questão da sustentabilidade ambiental atravesse a questão da competitividade a abordar por via dos EP 1 e 3. E aqui uma vez mais é a EREI-Alentejo que pode contribuir para funcionar como o elemento organizador da prioridade horizontal. Esta dimensão é crucial para assegurar que dinâmicas de investimento em curso, por exemplo, nos domínios da agricultura intensiva sejam compatíveis com a Visão Estratégica. A AEA sinaliza que existem na Região problemáticas e iniciativas que poderiam aconselhar ITI de geometria mais flexível do que as NUTS III, entendidas como instrumentos de integração de instrumentos e de políticas. É o caso, por exemplo, da valorização da paisagem do montado, de territórios mais atingidos pela desertificação e degradação de solo arável (foco nas mudanças climáticas) e do próprio Alqueva. Esta possibilidade é compatível com o espírito com que os ITI surgem nos documentos da Comissão Europeia e o próprio Acordo de Parceria não deixa de admitir a exceção: sem prejuízo de prever a possibilidade de concretizar ITI noutras configurações territoriais, dirigidas a operações em domínios limitados e selecionados. A AEA compreende, todavia, a sensibilidades dessas alternativas em termos de custos de transação e de coordenação. Em matéria de conformidade da estratégia do PO com o diagnóstico prospetivo, a programação realiza um esforço notório de fundamentação das opções estratégicas do PO, potenciando não só o investimento institucional realizado no âmbito da elaboração do Plano de Ação, mas também o capital de conhecimento aprofundado que a CCDR Alentejo tem vindo a acumular sobre a Região, incluindo o papel exercido pelos trabalhos de fundamentação técnica do PROT Alentejo. A versão final do PO Alentejo alarga significativamente o número de metas estratégicas globais com as quais se compromete, observando-se também uma apreciável melhoria da sua métrica em termos de indicadores globais relacionáveis com a bateria de indicadores de resultado. Para além disso o SWOT que acompanha a versão do PO objeto de avaliação constitui, apesar da sua consistência analítica, um instrumento meramente formal e estático de explicitação do quadro estratégico da programação, não sendo legível de que modo o SWOT permitiu chegar à formulação do quadro estratégico adotado pelo programa. Os elementos coligidos apresentam um potencial dinâmico de leitura cruzada de oportunidades, ameaças, pontos fortes e pontos fracos que não é aproveitado. Em matéria de contributo do PO Alentejo para a Estratégia Europa 2020 o facto da versão final do PO Alentejo ter integrado metas estratégicas globais, em geral alinhadas com as metas da Estratégia Europa 2020 e com as do Plano Nacional de Reformas, permite uma leitura mais consistente do modo como se propõe contribuir para estes referenciais estratégicos. A AEA realça a evolução operada na formulação das metas estratégicas globais, cobrindo integralmente na última versão do PO todos os objetivos: (i) 15% de aumento do PIB regional; (ii) assumir-se como região innovation follower em 2020; (iii) aumentar a percentagem de pessoas com anos com formação superior; (iv) reduzir a taxa de abandono escolar de 20,3% em 2013 para 10% em 2020; (v) aumentar a percentagem de adultos envolvidos em atividades de ALV; (vi) reduzir as assimetrias regionais em 10% medidas pelo desviopadrão do PIB regional; (vii) reduzir a taxa de desemprego regional de 16% em 2012 para 13,6% em 2020; (viii) reduzir em 10% o consumo de energia elétrica. Do ponto de vista do contributo para a dimensão do crescimento inteligente, a AEA conclui que é manifesta e praticamente impossível à região do Alentejo atingir no período de programação a meta prevista em matéria de despesas de 10

11 I&D no PIB de 3%, assumindo antes o PO a meta de subida de estatuto no quadro do perfil de regiões no Innovation Scoreboard. Em matéria de crescimento inclusivo, o PO Alentejo é mais incisivo no seu contributo para a melhoria das qualificações como instrumento de modernização inclusiva, sinalizando três metas estratégicas: redução do abandono escolar precoce, aprendizagem ao longo da vida (ALV) e diminuição da taxa de desemprego regional. Do ponto de vista do contributo do PO para as dimensões do crescimento sustentável, a AEA sinaliza a debilidade de se limitar à redução do consumo de energia elétrica. A elaboração do Plano de Ação Alentejo 2020 envolveu um conjunto significativo de stakeholders, cobrindo esmagadoramente o tecido institucional da Região, embora não tenha sido fácil à AEA identificar os contributos concretos que essa participação trouxe ao diagnóstico estratégico prospetivo da Região e à Visão Estratégica diferenciadora que enquadra o PO. A AEA concluiu ainda que a dinâmica de participação de stakeholders na programação será fortemente tributária do modo como os ITI CIM NUTS III vierem a organizar a implementação dos seus próprios Planos de Ação, envolvendo ou não parceiros institucionais, sendo neste caso crucial clarificar se essa intervenção estará limitada a parceiros que inscrevem apenas a sua atividade no território da CIM ou se, pelo contrário, as CIM chamarão para esses processos entidades do tecido institucional regional. Relativamente à coerência interna do PO Alentejo, a análise de correspondência entre eixos prioritários e prioridades de investimento associadas não identifica nenhum exemplo de incoerência interna da programação, antes pelo contrário permitiu ilustrar a evidência de que existem diferentes eixos prioritários a convergir para alguns dos objetivos estratégicos declinados da Visão. É particularmente relevante a coerência interna a garantir entre o EP 4 (Desenvolvimento Urbano Sustentável) focado nos centros urbanos regionais e estruturantes e os EP 6, 7 e 8 que mobilizam as mesmas PI e estarão focados nos centros urbanos complementares. Do ponto de vista da conformidade existente entre as medidas antecipáveis na programação e os objetivos estratégicos do PO, é necessário salientar que as tipologias de ação que constam da apresentação dos objetivos específicos associados a cada prioridade de investimento são ainda explicitadas de modo bastante agrupado. Nesse contexto, a resposta à questão de avaliação trabalha algumas dessas tipologias de ação, discute-as criticamente do ponto de vista do seu contributo esperado para os objetivos. O PO adota uma grande diversidade de tipologias de operações nos domínios que correspondem aos seus objetivos fundamentais (focando a intervenção em matérias diretamente relacionadas com a competitividade, complementada com intervenções de sustentabilidade e qualificação territorial e de qualificação inclusiva da população). Esta opção, principalmente se tivermos em consideração que há ainda tipologias que, na Região, serão implementadas através de outros instrumentos financeiros, gera riscos de dispersão territorial e temática de operações, dificultando a concentração de apostas em medidas mais alinhadas com a Visão Estratégica e tornando muito complexa a monitorização de resultados e impactes. A racionalidade e a focagem estratégica deverão ser garantidas através de critérios de seleção de projetos que se sustentem, ao nível regional e sub-regional, em bases sólidas: uma estratégia regional de especialização inteligente bem definida, apoiada num sistema regional de inovação articulado, devidamente acompanhado por instrumentos de planeamento e gestão regionais complementares: o PROT Alentejo, um pacto regional para a qualificação, o emprego e a inclusão social e uma iniciativa-âncora, prevista no PAR, para a Economia Social. A avaliação da coerência externa do PO Alentejo permitiu detetar os seguintes fatores críticos: Serão críticos os resultados do grupo de trabalho que articulará a EEI Alentejo com a ENEI e restantes estratégias regionais, já que existem margens de potencial sobreposição de ações e riscos de não coordenação de políticas e domínios de especialização; O domínio da formação carece de uma articulação e delimitação mais cuidada com o PO Inclusão Social e Emprego, que não está ainda explicitada no PO Alentejo; O fator mais visível de sobreposição no domínio da Sustentabilidade e Uso Eficiente dos Recursos encontra-se associado à mobilidade ecológica, embora não se afigure complexo regulamentar as áreas de intervenção de cada PO evitando áreas de sobreposição. Ainda no contexto de avaliação da coerência externa importa referir que se detetaram alguns critérios de delimitação que poderão constituir obstáculos à governação do programa. No domínio da 11

12 Competitividade e Internacionalização, onde os critérios de dimensão da empresa e do projeto em diferentes tipologias de ação induzem um certo nível de complexidade (o sistema de incentivos de inovação depende da dimensão do projeto e não da dimensão da empresa, ao contrário dos restantes), bem como a existência de uma delimitação dúbia dos projetos multi-regionais baseada no investimento residual de outras regiões em sede de PO Alentejo. Quanto ao domínio Inclusão Social e Emprego, as ações direcionadas ao aumento da eficácia na inserção do mercado de trabalho por via da formação e ajustamento entre qualificações e aptidões e necessidades da economia, também merecem uma articulação entre agentes para que não exista sobreposição de iniciativas, embora o POR exerça exclusividade de intervenção em três níveis: regional, NUTIII (dos ITI), e local/intraurbano (nas DLBC, que podem intervir sobretudo em zonas urbanas desfavorecidas). Detetam-se, então, problemas de modelo de governação e coordenação a ter em conta, sobretudo na necessidade de clarificar se os ITI NUTS III em preparação mostrarão apetência por intervir nesta matéria. O vasto território da Região Alentejo comporta um conjunto de recursos importantes, cujo padrão estabelece um conjunto de complementaridades relevantes de abordagem do PO Alentejo com os instrumentos de financiamento do FEADER e do FEAMP, sobretudo nas matérias relativas aos Domínios Temáticos da Competitividade e da Sustentabilidade. Os DLBC poderão apoiar ações relacionadas com o empreendedorismo e a animação económica através das PI 8.3. (FSE) e 8.8. (FEDER), sendo que o envelope financeiro para essas ações no âmbito das DLBC estará incluído nas PI 9.6. (FSE) e (FEDER). Não obstante, desses apoios poderão resultar contributos também para os OT3 Reforçar a competitividade das pequenas e médias empresas dos setores agrícola, das pescas e da aquicultura e OT6 Preservar e proteger o ambiente e promover a utilização eficiente dos recursos. A problemática das articulações (basicamente, delimitação de fronteiras e potenciação de sinergias/complementaridades de intervenção) entre ITI e DLBC deve ser contextualizada aos seguintes níveis: Na conceção das ELD e dos PDCT, nomeadamente, tendo em consideração a ausência de apoios com origem nas Prioridades de investimento; Na definição do modelo de governação, encontrando soluções que permitam ultrapassar duas tradicionais dificuldades: a coordenação entre organismos da Administração Central e Regional na gestão e acompanhamento das intervenções e a coordenação regional/local, frequentemente inibidora da mobilização de recursos experimentados de promoção do desenvolvimento. A análise ao PO Alentejo no que concerne à aplicação na programação dos princípios horizontais revela que, nomeadamente no domínio da igualdade entre homens e mulheres, apesar desta matéria ter sido debatida no processo de preparação do PO e de serem preocupações diagnosticadas na Região, estas não foram vertidas, de forma evidente, para o documento de programação. Sobre a consistência da alocação dos recursos financeiros, a programação financeira do PO Alentejo evidencia uma concentração de recursos no Eixo Competitividade e Internacionalização das PME (33,6%), seguida de Desenvolvimento Urbano Sustentável (11,7%), Coesão Social e Inclusão (10,1%) e de Eficiência Energética e Mobilidade (9,5%). Esta distribuição de recursos afigura-se coerente com a Estratégia definida para a Região e com as necessidades identificadas, concentrando os recursos na promoção da competitividade das empresas, na promoção do emprego e na valorização do capital humano e permite, no entender da AEA, completar o foco produtivo com dois importantes domínios de regulação da competitividade: a promoção das mais-valias ambientais, culturais e patrimoniais, designadamente nos três tipos de centros urbanos definidos no PROT Alentejo (regionais, estruturantes e complementares) e a coesão social. Finalmente, em matéria de indicadores, monitorização e avaliação, a AEA sinaliza o desequilíbrio observado entre dois grupos de questões de avaliação. Em matéria de cobertura de objetivos e prioridades temáticas, definição clara de indicadores e aferição de progressos na concretização dos objetivos, o PO Alentejo regista uma significativa evolução ao longo das suas sucessivas versões, apresentando nesses critérios uma apreciável resposta a esses critérios. Porém, no que respeita a questões de meta-informação e meta-alimentação do sistema de indicadores, fundamentação técnica de formas de cálculo de metas intermédias e finais e estratégia seguida no quadro de desempenho do PO, a AEA regista a não disponibilização de matérias suficientes para ajuizar da fundamentação com que 12

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Atelier Inclusão Social

Atelier Inclusão Social Atelier Inclusão Social Porto, 3 de setembro de 2013 ccdr-n.pt/norte2020 Atelier Inclusão Social: Estrutura de apresentação Sumário 1. Enquadramento Europeu: Próximo ciclo da Politica de Coesão 2. Investimentos

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL

FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL FUNDOS EUROPEUS APOIAM INOVAÇÃO SOCIAL/EMPREENDEDORISMO SOCIAL Rosa Maria Simões Vice-presidente do Conselho Diretivo Agência para o Desenvolvimento e Coesão, IP 8 de maio de 2014, Teatro Municipal do

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Dotação financeira reforçada: 2.155 M

Leia mais

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020

ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 30 de julho 2014 ACORDO DE PARCERIA 2014-2020 PORTUGAL 2020 1 Portugal 2020, o Acordo de Parceria (AP) que Portugal submeteu à Comissão Europeia estrutura as intervenções, os investimentos e as prioridades

Leia mais

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 ÍNDICE Esquema resumo..pág. 2 Introdução...pág. 3 Objetivos Temáticos pág. 3 Eixos Prioritários...pág. 4 Eixo 1: Investigação, Desenvolvimento e Inovação..pág. 5 Eixo 2: Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA

GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 SPAIN - FRANCE - PORTUGAL - BELGIUM - BRAZIL - CHILE - CANADA GUIA PORTUGAL 2020 NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS 2014-2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? www.f-iniciativas.com GUIA PORTUGAL 2020 QUEM? COMO? QUANDO? PORQUÊ? 1. O que é Portugal 2020 2. Metas para o Portugal

Leia mais

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.ii 1 de dezembro, Coimbra CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.ii 1 de dezembro, Coimbra CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS REUNIÃO DE TRABALHO PI 10.ii 1 de dezembro, Coimbra CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS A REGIÃO CENTRO DIAGNÓSTICO DA REGIÃO AMBIÇÃO DA REGIÃO 5 OBJETIVOS: Ser Innovation Follower de acordo com o

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO

UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO UM OLHAR PARA O MUNDO RURAL DLBC - A NOVA ESTRATÉGIA PARA O TERRITÓRIO LIMITES DO TERRITÓRIO DE INTERVENÇÃO CONSTRUÇÃO DA ESTRATÉGIA - Acordo Parceria 2020 - PDR 2014-2020 - PORA 2020 - PROT OVT - EIDT

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Estratégia Regional do Centro de Portugal 2014-2020. Fundos Comunitários e Desenvolvimento Empresarial IPL, 15 de maio de 2014

Estratégia Regional do Centro de Portugal 2014-2020. Fundos Comunitários e Desenvolvimento Empresarial IPL, 15 de maio de 2014 Estratégia Regional do Centro de Portugal 2014-2020 Fundos Comunitários e Desenvolvimento Empresarial IPL, 15 de maio de 2014 Região Centro no contexto nacional % de Portugal População(2011): 2.327.755

Leia mais

Sessões Temáticas. POCH 1 www.poch.portugal2020.pt PROGRAMA OPERACIONAL CAPITAL HUMANO

Sessões Temáticas. POCH 1 www.poch.portugal2020.pt PROGRAMA OPERACIONAL CAPITAL HUMANO PO CAPITAL HUMANO Apresentação do Programa na Região Norte, Centro e Alentejo Sessões Temáticas POCH 1 www.poch.portugal2020.pt AGENDA Estratégia UE 2020 e o Portugal 2020 Dos constrangimentos e oportunidades

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínios Temáticos ISE e Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 8.3/8.8/9.6/9.10/8.5

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água

O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água O novo ciclo 2014-2020 Inovação e fundos estruturais no sector da água Porto, 9 de Fevereiro 2012 Paulo Areosa Feio Coordenador Calendário 5 th Report on Economic, Social and Territorial Cohesion & public

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO E COESÃO, I. P. AVALIAÇÃO EX-ANTE PROGRAMA OPERACIONAL DO CAPITAL HUMANO

AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO E COESÃO, I. P. AVALIAÇÃO EX-ANTE PROGRAMA OPERACIONAL DO CAPITAL HUMANO AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO E COESÃO, I. P. AVALIAÇÃO EX-ANTE PROGRAMA OPERACIONAL DO CAPITAL HUMANO QUATERNAIRE PORTUGAL, CONSULTORIA PARA O DESENVOLVIMENTO S. A. Outubro de 2014 RELATÓRIO FINAL ÍNDICE

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020

Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Principais diferenças entre 2007-2013 / 2014-2020 Fundos 2 Objetivos 2 Etapas formais de programação 2 Abordagem estratégica 2 Âmbito Geográfico 3 Concentração Temática 4 Condicionalidades Ex ante 5 Adicionalidade

Leia mais

Portugal 2020. Modelo de governação

Portugal 2020. Modelo de governação Portugal 2020 Modelo de governação Princípios gerais: Princípio da racionalidade económica subordinação de qualquer decisão de apoio dos fundos à aferição rigorosa da sua mais-valia económica, social e

Leia mais

As regiões no Portugal 2020

As regiões no Portugal 2020 As regiões no Portugal 2020 O Acordo de Parceria O Modelo de Governação Agência para o Desenvolvimento e Coesão Fevereiro e março de 2015 Temas O Acordo de Parceria O Modelo de Governação Acordo de Parceria

Leia mais

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego

Solidariedade. Inovação. Oportunidade. Cultura. A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s. E m p r e s a s C o o p e rativa s. Inclusão Social e Emprego Solidariedade A s s o c i a ç õ e s F u n d a ç õ e s P a r c e r i a Oportunidade Cultura E m p r e s a s C o o p e rativa s Empreendedorismo PORTUGAL Inclusão Social e Emprego Inovação A c o r d o I

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Caracterização do Promotor

Caracterização do Promotor Pactos para o Desenvolvimento e Coesão Territorial Convite para a apresentação de candidaturas Nº 03/2015, 17-03-2015 Notas de Apoio ao Preenchimento do Formulário Caracterização do Promotor Concurso Campos

Leia mais

Avisos para a apresentação de

Avisos para a apresentação de Avisos para a apresentação de Ref Mês/Ano Domínio Temático OT PI Tipologia de Intervenção PO CI PO SEUR PO CH PO ISE PO Lisboa PO Algarve PO Norte PO Centro PO Alentejo Abertura Calendário Encerramento

Leia mais

2 RELATÓRIO FINAL NOVEMBRO.14

2 RELATÓRIO FINAL NOVEMBRO.14 2 RELATÓRIO FINAL NOVEMBRO.14 AVALIAÇÃO EX-ANTE PROGRAMA OPERACIONAL DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO RELATÓRIO FINAL Promotor Agência para o Desenvolvimento e Coesão, I.P. Autoria CEDRU Centro de Estudos

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO LOCAL ORIENTADO PARA A COMUNIDADE POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011 Esta

Leia mais

PO CAPITAL HUMANO Sessão Temática

PO CAPITAL HUMANO Sessão Temática PO CAPITAL HUMANO Apresentação do Programa Região Norte Sessão Temática Europarque Santa Maria da Feira 2015 03 11 POCH 1 www.poch.portugal2020.pt AGENDA Estratégia UE 2020 e o Portugal 2020 Dos constrangimentos

Leia mais

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012

Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 Iniciativa JESSICA Financiamento de Projectos Sustentáveis de Reabilitação Urbana Perspectivas para o Período 2014-2020 de Programação dos Fundos Comunitários Nuno Vitorino Faro 22 Junho 2012 JESSICA (Joint

Leia mais

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV Financiamento Regional e Portugal 2020 Alexandra Rodrigues Seminário CTCV 9 abril 2015 Foco Temático no conjunto dos FEEI Sustentabilidade e eficiência no Uso de Recurso 6.259 M 25% Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais

Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Portugal 2020 Lançados Programas Operacionais Novos PO detêm um valor global de quase 12,2 mil M de financiamento comunitário Alerta de Cliente Dezembro de 2014 Temas/Assuntos: Numa cerimónia realizada

Leia mais

O Apoio à Qualificação, Internacionalização e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Qualificação, Internacionalização e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Qualificação, Internacionalização e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 14 de nov de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

Portugal 2020: Objetivos, Desafios e Operacionalização

Portugal 2020: Objetivos, Desafios e Operacionalização Portugal 2020: Objetivos, Desafios e Operacionalização Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Estrutura Operacional do Portugal 2020 3. Nova Lógica de Programação Estrutural 4. Objetivos

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

Ajuda on-line. Caracterização do Promotor. Os campos de preenchimento obrigatório são assinalados com um asterisco (*)

Ajuda on-line. Caracterização do Promotor. Os campos de preenchimento obrigatório são assinalados com um asterisco (*) Ajuda on-line Os campos de preenchimento obrigatório são assinalados com um asterisco (*) Tendo em conta os campos disponíveis para preenchimento no formulário e o estipulado no Aviso do Convite para a

Leia mais

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015

Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 REDE INTERMUNICIPAL DE PARCERIAS DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E ÀS EMPRESAS, COM IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL DA REGIÃO DO ALGARVE Sessão de apresentação. 08 de julho de 2015 1 1 CONTEÚDOS

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015

.: Instrumentos de financiamento de apoio à competitividade no âmbito do Portugal 2020. 14 de Janeiro de 2015 14 de Janeiro de 2015 O que é o Portugal 2020? O Portugal 2020 é um Acordo de Parceria assinado entre Portugal e a Comissão Europeia, que reúne a atuação dos 5 fundos estruturais e de investimento europeus

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

Enquadramento do Portugal 2020

Enquadramento do Portugal 2020 Enquadramento do Portugal 2020 Unidade de Política Regional Faro, 28 de setembro de 2015 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades temáticas 2. Principais Mudanças e Desafios 3. Novo Enquadramento

Leia mais

Declaração Ambiental Agosto de 2015

Declaração Ambiental Agosto de 2015 Declaração Ambiental Agosto de 2015 NOTA INTRODUTÓRIA Atendendo ao parecer das entidades consultadas e ao resultado da consulta pública, relativos ao processo de Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) do

Leia mais

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades Bragança, 16 de Outubro 2014 1 A Inovação em Portugal - Alguns dados recentes Em relação à média da União

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 17/12/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012, 8/08/2012, 12/11/2012 e 16/09/2013 SISTEMA DE APOIO A PARQUES DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

O Novo Quadro Comunitário de Apoio. Rita Lufinha Borges

O Novo Quadro Comunitário de Apoio. Rita Lufinha Borges O Novo Quadro Comunitário de Apoio Rita Lufinha Borges Índice O que é o? Os Novos Instrumentos de Financiamento - Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI) Eixos Estratégicos Enquadramento Jurídico

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

agricultura TAGUS, 22 de Janeiro de 2015

agricultura TAGUS, 22 de Janeiro de 2015 agricultura TAGUS, 22 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro-

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: O foco na Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão AIP, 5 de março de 2015 Prioridades Europa 2020 Objetivos Europa 2020/ PNR

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO INOVAÇÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (PI 1.2, 3.1 E 3.3)

SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO INOVAÇÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (PI 1.2, 3.1 E 3.3) SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO INOVAÇÃO EMPRESARIAL E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (PI 1.2, 3.1 E 3.3) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 17 TIPOLOGIAS

Leia mais

Cidades Sustentáveis 2020 Um quadro de referência estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável

Cidades Sustentáveis 2020 Um quadro de referência estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável Cidades Sustentáveis 2020 Um quadro de referência estratégico para o desenvolvimento urbano sustentável O caminhopara um quadrode referência nacionalparao Desenvolvimento Urbano Sustentável 2020 1. Conhecero

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

Iniciativa Jessica Evento Anual O crescimento começa nas cidades

Iniciativa Jessica Evento Anual O crescimento começa nas cidades Iniciativa Jessica Evento Anual O crescimento começa nas cidades Instrumentos Financeiros no Portugal 2020 Dina Ferreira, Agência para o Desenvolvimento e Coesão, I.P. Tópicos: 1. Enquadramento 2. A utilização

Leia mais

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA

INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA INCLUSÃO SOCIAL & CAPITAL HUMANO: PRINCIPAIS PRIORIDADES ALTO MINHO 2020 13 DE NOVEMBRO DE 2015 VILLA MORAES, PONTE DE LIMA ÍNDICE 1- DIAGNÓSTICO SÍNTESE: IDEIAS-CHAVE 1.1 - DINÂMICA POPULACIONAL 1.2 EDUCAÇÃO

Leia mais

ELENA e Portugal 2020

ELENA e Portugal 2020 ELENA e Portugal 2020 Convenção Low Carbon de um Oeste Sustentável Dinis Rodrigues Caldas da Rainha, 9 de julho de 2013 AGENDA Tema 1 Portugal 2020 Tema 2 - ELENA 1 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PLANO DE AÇÃO ALTO ALENTEJO 2020

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PLANO DE AÇÃO ALTO ALENTEJO 2020 ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PLANO DE AÇÃO ALTO ALENTEJO 2020 Dezembro, 2014 Ficha Técnica Estratégia de Desenvolvimento Territorial e Plano de Ação Alto Alentejo 2020 Promotor Comunidade

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

PAINEL III: MEDIDAS DE COMBATE AO INSUCESSO E ABANDONO

PAINEL III: MEDIDAS DE COMBATE AO INSUCESSO E ABANDONO SEMINÁRIO ABANDONO ESCOLAR E (IN)SUCESSSO EDUCATIVO: BALANÇO E PERSPETIVAS 2014-2020 PAINEL III: MEDIDAS DE COMBATE AO INSUCESSO E ABANDONO ESCOLAR: FINANCIAMENTOS COMUNITÁRIOS Teatro Diogo Bernardes POCH

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

MINHO Inovação A Estratégia de de Especialização Inteligente e os Territórios de baixa Densidade

MINHO Inovação A Estratégia de de Especialização Inteligente e os Territórios de baixa Densidade MINHO Inovação A Estratégia de de Especialização Inteligente e os Territórios de baixa Densidade Conferência Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que Instrumentos de Financiamento 20214-2020 Escola Superior

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO 21-4-2015 UNIÃO EUROPEIA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Fundos Europeus Estruturais e de Investimento Índice A. Madeira 14-20 Instrumentos de Apoio ao tecido empresarial.

Leia mais

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020

Turnaround Social 26/07/2015. Instrumentos de Financiamento Portugal 2020. 27 junho 2015. Portugal 2020 Instrumentos de Financiamento Portugal 2020 27 junho 2015 Portugal 2020 1 Apoios ao setor social A estratégia constante do PO ISE procura dar resposta a um conjunto de compromissos assumidos por Portugal

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL INTEGRADO POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE durante o período de programação 2014-2020

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS INTERNACIONALIZAÇÃO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo específico... 3 2. A área geográfica

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

Follow-up das Recomendações da Avaliação Intercalar do Programa Intervir+

Follow-up das Recomendações da Avaliação Intercalar do Programa Intervir+ Follow-up das Recomendações da Avaliação Intercalar do Programa Intervir+ 2012 INTERVIR+ para uma Região cada vez mais europeia REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA UNIÃO EUROPEIA FEDER Programa Operacional Objetivo:

Leia mais

(página propositamente deixada em branco)

(página propositamente deixada em branco) (página propositamente deixada em branco) AVALIAÇÃO EX A NTE DO POR ALGA RVE 2014-2020 RELATÓRIO FINAL OUTUBRO 2014 AVALIAÇÃO EX-ANTE PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALGARVE 2014-2020 RELATÓRIO FINAL

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014 Parecer da CGTP-IN O Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 tem uma dotação de fundos

Leia mais

Desenvolvimento Local de Base Comunitária

Desenvolvimento Local de Base Comunitária Autoridade de Gestão do Programa de Desenvolvimento Rural 2020 Autoridade de Gestão do PROMAR Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PME (PI 3.2 E 3.3)

SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PME (PI 3.2 E 3.3) SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO PME (PI 3.2 E 3.3) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 22 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa?

PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? PORTUGAL 2020: Como financiar a sua empresa? QUAL O MONTANTE DE APOIOS COMUNITÁRIOS ATRIBUÍDOS A PORTUGAL? 25 Mil Milhões de Euros. Outros Programas* Este é o montante que Portugal vai receber em fundos

Leia mais

Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território.

Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. TAGUS, 20 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020

Coesão económica social e territorial. Crescimento inteligente sustentável e inclusivo. Estratégia Europa 2020 PROGRAMA OPERACIONAL INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO 18 de fevereiro de 2015 1 Coesão económica social e territorial Enquadramento Crescimento inteligente sustentável e inclusivo Estratégia Europa 2020 Agenda

Leia mais

ELEnA European Local ENergy Assistance

ELEnA European Local ENergy Assistance ECO.AP Programa de Eficiência Energética na Administração Pública ELEnA European Local ENergy Assistance Lisboa, 6/03/2015 Desafios 1 Conhecimento: a) Edifícios/equipamentos; b) Capacidade técnica; c)

Leia mais