TRANSMISSÃO DE DADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSMISSÃO DE DADOS"

Transcrição

1 TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015

2 SUMÁRIO 1) Analógico e digital 2) Sinais analógicos periódicos 3) Sinais digitais 4) Perda na transmissão 5) Limites na taxa de dados 6) Desempenho

3 1. Analógico e digital No contexto analógico: Dado analógico refere-se à informação que é contínua, e possui valores contínuos; Sinais analógicos possui infinitos valores dentre de um intervalo pré determinado. No contexto digital: Dado digital refere-se a uma informação que possui estados discretos, e possui valores discretos. Sinais digitais possui valores limitados dentro de um intervalo pré determinado

4 2. Sinais analógicos periódicos Um sinal analógico periódicos simples é modelado a partir da função trigonométrica seno, ao qual é denominada onda senoidal (ou senóide). Um sinal simples é constituído por uma única onda senoidal. Um sinal composto é constituído por múltiplos sinais analógicos, através da Análise de Fourier.

5 2. Sinais analógicos periódicos Parâmetros de uma onda senoidal: Período (T): refere-se à quantidade de tempo que uma onda precisa para completa 1 ciclo. Geralmente é expresso em segundos (s); Frequência (f): é a quantidade de ciclos que uma onda percorre em uma unidade de tempo. Exemplo de unidades: Hz (Hertz), rpm (rotações por minuto). Período e frequência são duas grandezas inversamente proporcionais entre si.

6 2. Sinais analógicos periódicos Frequência é a taxa de variação de um ciclo em relação ao tempo. Variações em um curto espaço de tempo implica em alta frequência. Variações em um amplo espaço de tempo implica em baixa frequência. Se um sinal não apresenta mudança, então sua frequência é igual a zero. Se um sinal mudança instantânea, então sua frequência é infinita.

7 2. Sinais analógicos periódicos Fase de uma onda descreve a posição da onda senoidal em relação ao tempo 0. O deslocamento da posição da onda em relação ao tempo 0s indica a fase de uma onda. Os valores típicos são: 0º, 90º e 180º

8 2. Sinais analógicos periódicos Comprimento de onda: Distância entre duas sucessivas cristas ou dois sucessivos vales; Diz respeito ao alcance de muitos equipamentos com transmissão sem fio; James Maxwell demonstrou que a velocidade de propagação de uma onda magnética é próxima à velocidade da luz no vácuo.

9 2. Sinais analógicos periódicos Comprimento de onda: λ f =c c= 1 μ 0 ε 0 λ :comprimento de onda f :frequência c : velocidade de propagação μ 0 : permissividade ε 0 : permeabilidade

10 2. Sinais analógicos periódicos Domínio de tempo e domínio de frequência: Domínio de tempo: onda eletromagnética é representada em função do tempo para se propagar; Domínio de frequência: onda eletromagnética é representada em função da sua frequência máxima Uma onda no domínio de tempo possui apenas o seu pico de frequência representado no domínio de frequência.

11 2. Sinais analógicos periódicos Sinais compostos: Uma onda senoidal simples não é útil para comunicação de dados. É necessário um sinal composto várias ondas senoidais simples. De acordo com a Análise de Fourier, qualquer sinal composto é uma combinação de ondas senoidais simples, de diferente valor de fase, amplitude e frequência.

12 2. Sinais analógicos periódicos Sinais compostos: Se o sinal composto é periódico, a decomposição de sinais oferece uma série de frequências discretas. Se o sinal composto é não periódico, a composição corresponde na combinação de sinais com frequência contínua.

13 2. Sinais analógicos periódicos Sinais compostos: Decomposição do sinal composto

14 2. Sinais analógicos periódicos Largura de banda: é a diferença entre a maior e a menor frequência de um sinal composto. Largura de banda de um sinal periódico. Observe que os valores de frequência são discretos. Largura de banda de um sinal não periódico. Observe que os valores de frequência são contínuos.

15 3. Sinais digitais Uma informação também pode ser representada por um sinal digital. O bit 1 pode ser codificado com um valor de tensão positivo, e o bit 0 pode ser 0 V. Um sinal digital pode ter mais que 1 nível, o que significa poder enviar mais que 1 bit em cada nível.

16 3. Sinais digitais Transmissão em banda base: Transmissão em banda base preserva o formato do sinal digital. É possível somente se houver um canal passa baixa com uma largura de banda infinita ou muito larga.

17 3. Sinais digitais Transmissão passa banda Se o canal disponível é um canal passa banda, não podemos enviar o sinal diretamente. É necessário converter o sinal digital em um sinal analógico antes de transmiti-lo.

18 3. Sinais digitais Transmissão passa banda: modulação de um sinal

19 4. Perdas na transmissão A transmissão de sinais através dos meios não é perfeita. O que está sendo enviado não é o mesmo que está sendo recebido. Principais tipos de perda: Atenuação Distorção Ruído.

20 4. Perdas na transmissão Unidades de medidas e comparações Watt [W] Unidade de potência básica, associada a maior parte em sistemas elétricos decibéis [db]: Relação entre a potência de entrada e saída em um sistema de transmissão. decibéis relativos à 1 miliwatt [dbm] Forma de estabelecer relação entre Watt e decibéis.

21 4. Perdas na transmissão Unidades de medidas e comparações decibéis [db] Seja o exemplo: 10 1 = 10 log 10 (10) = 1bels 10 2 = 100 log 10 (100) = 2bels 10 3 = log 10 (1000) = 3bels 10 4 = log 10 (10000) = 4bels bels = log 10 (P1/P2) decibels = 10*log 10 (P1/P2) 10:1 = 10 1 bel AP 100mW 100:1 = bel P dbm =10 log P 2 P 1 Laptop 1 10mW 10:1 = 10 1 bel Laptop 2 1mW

22 4. Perdas na transmissão Atenuação: Quando um sinal trafega por um meio de transmissão, ele perde parte de sua energia para superar a resistência do meio. Denominamos como atenuação de sinal

23 4. Perdas na transmissão Distorção: Significa que um sinal muda sua forma ou formato, em termos de suas componentes: frequência, amplitude e fase. Distorção também é definida como a erros introduzidos no sinal de entrada da tensão, quando esta sofre algum tipo de processamento.

24 4. Perdas na transmissão Ruído: São fatores externos que causam distorção do sinal após a sua entrada e antes da sua saída. Meios de transmissão sujeitos à energia térmica, motores de indução e aparelhos elétricos estão sujeitos à ruídos.

25 4. Perdas na transmissão Relação Sinal Ruído: A relação sinal ruído, também conhecida como Signal Noise Rate (SNR), é a razão entre o sinal desejado (sinal) como o que não é desejado (ruído) SNR= potência média do sinal potência média do ruído Essa relação também pode ser expressa em decibéis: SNR db =10 log 10 SNR

26 5. Limites na taxa de dados Quanto rápido um dado pode ser enviado? Taxa de transmissão depende: largura de banda disponível; nível de sinais utilizados; qualidade do canal (perdas na transmissão); frequência de transmissão.

27 5. Limites na taxa de dados Teorema de Nyquist: onde: R=2. B. log 2 L R: taxa de transferência [bps]; B: largura de banda [Hz]; L: nível de sinal. O teorema de Nyquist é aplicado em canais de transmissão sem ruídos.

28 5. Limites na taxa de dados Capacidade de Shannon: onde: C=B.log 2 (1+SNR) C: capacidade de transferência [bps]; B: largura de banda [Hz]; SNR: relação sinal ruído (valor relativo). A capacidade de Shannon é aplicada em canais de transmissão com ruídos.

29 6. Desempenho A questão é: qual é o nível de qualidade da sua rede? Variáveis de desempenho: Largura de banda Throughput Latência Produto largura de banda - atraso

30 6. Desempenho Largura de banda Largura de banda em Hertz: conforme já discutido, representa a diferença entre o maior e o menor valor de frequência de um sinal composto. Largura de banda em bit por segundo: representa o número de bits que um canal de comunicação pode transmitir. Throughput: representa a quantidade de dados transferidos de um ponto a outro ponto.

31 6. Desempenho Latência É o tempo que uma mensagem inteira leva para chegar em seu destino por completo. A latência é composta pela soma do: Tempo de propagação; Tempo de transmissão; Tempo de fila; Tempo de processamento.

32 6. Desempenho Latência Tempo de propagação: representa o tempo necessário para um bit ser transmitido da origem até o destino. tempo propagação= distância velocidade de propagação Tempo de transmissão: tempo que uma mensagem (conjunto de todos os bits, primeiro ao último) gasta para chegar ao seu destino. tamanho mensagem tempo transmissão= largura de banda

33 6. Desempenho Produto largura de banda - retardo O produto largura de banda-retardo define o número de bits capaz de preencher o enlace de dados. Conceito do produto largura de bandaretardo:

REDES DE COMPUTADORES. Comunicação de Dados

REDES DE COMPUTADORES. Comunicação de Dados Sinais Uma das funções mais importantes da camada física é converter informação em sinais eletromagnéticos para poder enviá-los num meio de transmissão. Sejam estas informações uma sequência de 1s e 0s

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 4 Camada Física Camada Física - Sinais Funções Características físicas (mecânicas e elétricas) das interfaces e dos meios. Define quais os tipos

Leia mais

Teorema de Nyquist Teorema da Amostragem

Teorema de Nyquist Teorema da Amostragem Teorema de Nyquist Teorema da Amostragem Em um canal livre de ruídos, a única limitação imposta à taxa de transmissão de dados será devida à largura de banda do canal. A formulação para esta limitação

Leia mais

Princípios de telecomunicações. Uma abordagem sobre os meios de transmissão. Prof. Dr.David David B.

Princípios de telecomunicações. Uma abordagem sobre os meios de transmissão. Prof. Dr.David David B. Princípios de telecomunicações Uma abordagem sobre os meios de transmissão. Prof. Dr.David David B. 1 Princípios de Telecomunicações FONTE RUÍDO DESTINO Sinal da mensagem transmissor Sinal transmitido

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Abril de 2012 Sumário 1 2 3 4 Térmico de Intermodulação

Leia mais

Transmissão da Informação

Transmissão da Informação Volnys B. Bernal (c) 1 Transmissão da Informação Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Transmissão da Informação Processo de comunicação Informação

Leia mais

Introdução a Modulação

Introdução a Modulação Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Introdução a Modulação Fontes: Prof. Deise Monquelate Arndt Princípios de Sistemas de Telecomunicações,

Leia mais

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer

CCNA 1 Teste de Cabos. Kraemer CCNA 1 Teste de Cabos Testes de Cabos Tipos de sinais Características dos meios de cobre Características dos meios ópticos Tipos de sinais Sinal Analógico (ondas senoidais) Variam continuamente O que é

Leia mais

Aula. Princípios de Comunicação

Aula. Princípios de Comunicação Aula Princípios de Comunicação Tipos de Sinal Sinal Analógico MAX MIN Sinal Digital MAX MAX = 1 MIN Sinal Binário MIN = 0 MAB-510 2 Aterramento Terra de Segurança Dá aos elétrons um condutor extra (que

Leia mais

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução.

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução. Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade Resolução Distorção Faixa dinâmica Faixa de frequência: Determina as frequências

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores e Banco de dados

FACULDADE PITÁGORAS. Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores e Banco de dados FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores e Banco de dados Transmissão de Dados Prof. Ulisses Cotta Cavalca DADOS E SINAIS Notas de aula do livro:

Leia mais

Camada Física. Professor Ivan Pires. Introdução. Licenciatura Plena em Computação

Camada Física. Professor Ivan Pires. Introdução. Licenciatura Plena em Computação Licenciatura Plena em Computação Professor Ivan Pires Introdução Dígitos binários (bits) para representar dados. Fisicamente utilizam: Corrente elétrica, ondas de rádio ou luz 1 Comunicação Assíncrona

Leia mais

Comunicações Digitais

Comunicações Digitais 1 - Introdução Enlace de um Sistema de Comunicação fonte mensagem transdutor Transmissor Modulador canal ruído receptor transdutor destino mensagem (estimada) sinal de entrada sinal com distorção sinal

Leia mais

Sinais digitais e analógicos

Sinais digitais e analógicos Sinais digitais e analógicos Conhecer os conceitos básicos do processo de comunicação de dados e identificar sinais analógicos e digitais. Apesar de a maioria dos computadores não ser capaz de responder

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceitos básicos de comunicação. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceitos básicos de comunicação A comunicação é um processo de transferência e processamento de informações entre dois pontos por meio

Leia mais

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 1 Princípios de Telecomunicações PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 Bloco de Comunicação Genérico Emissor sinais analógicos x sinais digitais Sinais

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Revisão da aula anterior... Banda passante e largura de banda Hz e bps Banda

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados /24 2. Características dos sinais digitais 2. Características dos sinais digitais 2/24 Características dos sinais digitais Sinal

Leia mais

Entregue no mínimo 15 questões à sua escolha PROVA QUESTÃO 01

Entregue no mínimo 15 questões à sua escolha PROVA QUESTÃO 01 Entregue no mínimo 15 questões à sua escolha PROVA 2013-1 QUESTÃO 01 A multiplexação é usada para transmissão de vários sinais em um único meio físico (canal). Descreva as três formas como se pode fazer

Leia mais

BCC361 Redes de Computadores ( ) - Prof.: Reinaldo Silva Fortes LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Introdução e Camada Física

BCC361 Redes de Computadores ( ) - Prof.: Reinaldo Silva Fortes LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Introdução e Camada Física BCC361 Redes de Computadores (2014-02) - Prof.: Reinaldo Silva Fortes LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Introdução e Camada Física Escolha 15 questões para entregar. Obrigatório que sejam 2 ou 3 de cada prova. PROVA

Leia mais

Apresentação... 1 Introdução... 1

Apresentação... 1 Introdução... 1 Apresentação O objetivo principal deste texto é servir como material básico para uma disciplina introdutória sobre sistemas de comunicações em um curso de Engenharia Elétrica. Ele tem abrangência limitada,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF Redes de Computadores N

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA APLICADA INF Redes de Computadores N UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSIUO DE INFORMÁICA DEPARAMENO DE INFORMÁICA APLICADA INF054 - Redes de Computadores N Utilização de ferramentas analíticas e gráficas na representação e avaliação

Leia mais

Professor: Jarbas Araújo.

Professor: Jarbas Araújo. Professor: Jarbas Araújo professorjarbasaraujo@gmail.com Sinais Digitais Analógicas 2 O que e o sinal Analógico? A onda senoidal possui um padrão que se repete (esse padrão é chamdo de ciclo). Cada ciclo

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE COMUNICAÇÕES

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE COMUNICAÇÕES CONCEITOS BÁSICOS SOBRE COMUNICAÇÕES DEFINIÇÕES Comunicação processo pelo qual a informação é transmitida de forma confiável de um ponto, no espaço e no tempo, denominado fonte, para outro ponto, o destino.

Leia mais

Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados

Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados Conceitos Básicos de Teleprocessamento e Comunicação de Dados Desde 1838, quando Samuel F. B. Morse transmitiu, pela primeira vez, uma mensagem

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I - Atenuação & Largura de Banda por Helcio Wagner da Silva. p.1/24 Introdução Nenhum meio de transmissão é capaz de transmitir sinais sem que parte da energia desses sinais se perca

Leia mais

Meios de Transmissão de Dados. Fundamentos. Silvio Lucas. FP.AC

Meios de Transmissão de Dados. Fundamentos. Silvio Lucas. FP.AC Meios de Transmissão de Dados Fundamentos Silvio Lucas silvio.lucas@ymail.com 2009 FP.AC.010.00 Dos primórdios... Modelo de Referência TCP/IP 2 Apenas relembrando A camada física, por exemplo: Trata de

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Conceitos Básicos de Áudio Digital

Conceitos Básicos de Áudio Digital Aula 07 Conceitos Básicos de Áudio Digital Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Som Conceitos Iniciais

Leia mais

Transmissão de Informação

Transmissão de Informação Transmissão de Informação 1.Multiplexação e Modulação Sempre que a banda passante de um meio físico for maior ou igual à banda passante necessária para um sinal, podemos utilizar este meio para a transmissão

Leia mais

II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal

II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Causa dos erros na transmissão Modelo AWGN (canal físico) Modelo BSC (canal discreto) Efeito do ruído

Leia mais

Amostragem de Sinais

Amostragem de Sinais UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Amostragem de Sinais Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva jmauricio@cear.ufpb.br 1 Amostragem (Sampling) Para um sinal

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO MODULAÇÃO DE PULSO Evelio M. G. Fernández - 2011 Sistemas de Comunicações Digitais Sistema digital no sentido de utilizar uma seqüência de símbolos pertencentes a um conjunto

Leia mais

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial LISTA de exercícios da disciplina SEL413 Telecomunicações. A lista não está completa e mais exercícios serão adicionados no decorrer do semestre. Consulte o site do docente para verificar quais são os

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES DIGITAIS. José Carlos Vitorino

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES DIGITAIS. José Carlos Vitorino PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES DIGITAIS José Carlos Vitorino Agosto - 2011 MODULAÇÕES CHAVEADAS A modulação é necessária nos modems analógicos e nos rádios digitais porque o meio de transmissão não permite

Leia mais

29/05/14. Exemplos : Ondas em cordas, ondas na superfície de um líquido, ondas sonoras, etc.

29/05/14. Exemplos : Ondas em cordas, ondas na superfície de um líquido, ondas sonoras, etc. Classificação das ondas Natureza Ondas Mecânicas Ondas Eletromagnéticas Modo de vibração Transversais Longitudinais Dimensão Unidimensionais Bidimensionais Tridimensionais Natureza das ondas Natureza das

Leia mais

Física II. Capítulo 04 Ondas. Técnico em Edificações (PROEJA) Prof. Márcio T. de Castro 22/05/2017

Física II. Capítulo 04 Ondas. Técnico em Edificações (PROEJA) Prof. Márcio T. de Castro 22/05/2017 Física II Capítulo 04 Ondas Técnico em Edificações (PROEJA) 22/05/2017 Prof. Márcio T. de Castro Parte I 2 Ondas Ondas: é uma perturbação no espaço, periódica no tempo. 3 Classificação quanto à Natureza

Leia mais

TE239 - Redes de Comunicação Lista Exercícios 1. 1 Questões Discursivas. Carlos Marcelo Pedroso. 2 de abril de 2015

TE239 - Redes de Comunicação Lista Exercícios 1. 1 Questões Discursivas. Carlos Marcelo Pedroso. 2 de abril de 2015 Carlos Marcelo Pedroso 2 de abril de 2015 1 Questões Discursivas Exercício 1: Suponha a planta apresentada na Figura 1. Imprima a planta baixa em uma folha e, utilizando um lápis, escreva o projeto de

Leia mais

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara ELETRICIDADE Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Tensão (e/ou corrente) contínua Corrente contínua CC (ou DC - do inglês direct current)

Leia mais

ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Introdução aos Sistemas de Comunicação Industrial

ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Introdução aos Sistemas de Comunicação Industrial ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Introdução aos Sistemas de Comunicação Industrial Prof. Eduardo Simas (eduardo.simas@ufba.br) DEE Departamento de Engenharia Elétrica Escola Politécnica - UFBA 1 Introdução Muitas

Leia mais

Sumário CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA. Prof. Fábio da Conceição Cruz 21/10/ Introdução. 2. Formas de ondas alternadas senoidais

Sumário CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA. Prof. Fábio da Conceição Cruz 21/10/ Introdução. 2. Formas de ondas alternadas senoidais CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA Prof. Fábio da Conceição Cruz Sumário 1. Introdução 2. Formas de ondas alternadas senoidais 3. Respostas dos dispositivos às tensões senoidais 4. Potência em corrente alternada

Leia mais

I-8 Digitalização e Reconstrução

I-8 Digitalização e Reconstrução I-8 Digitalização e Reconstrução Comunicações (15 de novembro de 2016) ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Enquadramento em SCD Transmissão de sinal analógico sobre SCD 2. Teorema da Amostragem Ritmo

Leia mais

Características da Tensão e da Corrente Alternada

Características da Tensão e da Corrente Alternada Características da Tensão e da Corrente Alternada Evandro Bastos dos Santos 9 de Abril de 2017 1 Introdução Até aqui vimos como funciona circuitos de corrente contínua. Hoje veremos que existem circuitos

Leia mais

Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina- Redes de Comunicação 2013/2014 Módulo1-Comunicação de Dados

Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina- Redes de Comunicação 2013/2014 Módulo1-Comunicação de Dados Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Disciplina- Redes de Comunicação 2013/2014 Módulo1-Comunicação de Dados O decibel: Definição; Historia do uso do bel e do decibel;

Leia mais

Princípios das comunicações sem fio

Princípios das comunicações sem fio Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Princípios

Leia mais

II-6 Análise de ruído e capacidade de canal

II-6 Análise de ruído e capacidade de canal II-6 Análise de ruído e capacidade de canal Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Causa dos erros na transmissão Modelo AWGN e ISI Modelo BSC Efeito do ruído Relação sinal/ruído 2. Curvas

Leia mais

1 Exercícios da Parte 1 Introdução. Lista de Exercícios 01 - Introdução e Camada Física

1 Exercícios da Parte 1 Introdução. Lista de Exercícios 01 - Introdução e Camada Física BCC361 Redes de Computadores (2012-02) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor Reinaldo Silva Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Lista de Exercícios 01 - Introdução

Leia mais

PEA-5716 COMPONENTES E SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO E SENSOREAMENTO A FIBRAS ÓPTICAS

PEA-5716 COMPONENTES E SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO E SENSOREAMENTO A FIBRAS ÓPTICAS EPUSP Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - EPUSP Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas - PEA Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa 3, No.158 Butantã - São Paulo - SP

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 5

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 5 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 5 Índice 1. Ruídos, Atenuação e Falhas em Rede...3 1.1 Distorção e ruído... 3 1.1.1 Distorção... 3 1.1.2 Distorção por atenuação... 3 1.1.3 Distorção por

Leia mais

I-7 Digitalização e Reconstrução

I-7 Digitalização e Reconstrução I-7 Digitalização e Reconstrução (29 Novembro 2010) 1 Sumário 1. Teorema da Amostragem 1. Ritmo de Nyquist 2. Amostragem Ideal e Natural (análise no tempo e na frequência) 1. Sinais Passa Baixo 2. Sinais

Leia mais

AULA03 TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES WIRELESS

AULA03 TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES WIRELESS AULA03 TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES WIRELESS 1 DADOS E SINAIS CAP 3 PAG. 57-63 Uma das principais funções da camada física é transportar dados na forma de sinais eletromagnéticos por um meio de transmissão.

Leia mais

Introdução a aquisição e processamento de sinais

Introdução a aquisição e processamento de sinais TAPS Introdução a aquisição e processamento de sinais Prof. Theo Z. Pavan Departamento de Física - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto-USP Roteiro Aquisição de sinais e frequência

Leia mais

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 01. Prof. Marcelino Andrade

Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 01. Prof. Marcelino Andrade Dispositivos e Circuitos Eletrônicos AULA 01 Prof. Marcelino Andrade Ementa do Curso Introdução aos materiais semicondutores. Junção PN. Diodos de junção e suas características terminais. Aplicações dos

Leia mais

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008.

Bibliografia. Forouzan, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw-Hill, 2008. Redes Sem Fio Você vai aprender: Contextualização das redes sem fio; Fundamentos de transmissão de sinais digitais; Fundamentos de radio comunicação; Arquiteturas em redes sem fio; Redes WLAN padrão IEEE

Leia mais

Noções de corrente alternada

Noções de corrente alternada Noções de corrente alternada Corrente alternada, ou CA (em inglês AC) é uma corrente elétrica cuja intensidade e sentido variam periodicamente, ao contrário da corrente contínua cuja direção permanece

Leia mais

Redes de Computadores Prof. Ivair Teixeira ivair.teixeira@aedu.com

Redes de Computadores Prof. Ivair Teixeira ivair.teixeira@aedu.com Redes de Computadores Prof. Ivair Teixeira ivair.teixeira@aedu.com Nesta Aula Nessa Aula Digitalização de sinais analógicos Codificação. Bibliografia: RSCD - Stallings, William - Redes e Sistemas de Comunicação

Leia mais

Analisador de Espectro

Analisador de Espectro Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Analisador de Espectro Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Analisador de Espectro 1 Analisador de Espectro É basicamente um voltímetro com seletor de

Leia mais

FÍSICA MÓDULO 17 OSCILAÇÕES E ONDAS. Professor Sérgio Gouveia

FÍSICA MÓDULO 17 OSCILAÇÕES E ONDAS. Professor Sérgio Gouveia FÍSICA Professor Sérgio Gouveia MÓDULO 17 OSCILAÇÕES E ONDAS MOVIMENTO HARMÔNICO SIMPLES (MHS) 1. MHS DEFINIÇÃO É o movimento oscilatório e retilíneo, tal que a aceleração é proporcional e de sentido contrário

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A JANEIRO 2012

FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A JANEIRO 2012 FICHA DE TRABALHO DE FÍSICA E QUÍMICA A JANEIRO 2012 APSA Nº12 11º Ano de Escolaridade 1- As ondas electromagnéticas são utilizadas nas comunicações a longas distâncias. Porquê? Dê exemplos em que essas

Leia mais

Propagação em Pequena Escala. CMS Bruno William Wisintainer

Propagação em Pequena Escala. CMS Bruno William Wisintainer Propagação em Pequena Escala CMS 60808 2016-1 Bruno William Wisintainer bruno.wisintainer@ifsc.edu.br Definição Modelos que caracterizam as variações rápidas da potência do sinal quando o móvel é deslocado

Leia mais

Analisador de espectros por FFT

Analisador de espectros por FFT Analisador de espectros por FFT A transformada de Fourier (FT) é uma ferramenta matemática utilizada essencialmente para decompor ou separar uma função ou forma de onda em senóides de diferentes frequências

Leia mais

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Ondulatória Parte 1 Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Ondas mecânicas; Ondas sonoras. INTRODUÇÃO Ondas de vários tipos estão presentes em nossas vidas. Lidamos com os mais diversos

Leia mais

Comunicação de informação a longas distâncias. Questão 1: Por que foi Marconi tão importante na história das telecomunicações?

Comunicação de informação a longas distâncias. Questão 1: Por que foi Marconi tão importante na história das telecomunicações? APSA Radiação electromagnética e comunicação Questão 1: Por que foi Marconi tão importante na história das telecomunicações? R: Marconi desenvolveu a tecnologia de produção e receção de ondas eletromagnéticas.

Leia mais

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Áudio Digital

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Áudio Digital Redes Multimídia 2016.2 Formatos de Áudio e Vídeo Digital Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

UNIDADE I Aula 3 Sinal. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 3 Sinal. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 3 Sinal Fonte: Rodrigo Semente Vimos na aula passada o seguinte... A transmissão da informação em Sistemas de Comunicação pressupõe a passagem de sinais através de meios físicos. Neste sentido,

Leia mais

Prof. Rafael Gross.

Prof. Rafael Gross. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Repetidor Usado basicamente em redes de topologia em barramento, o repetidor permite que a extensão do cabo seja aumentada, criando um novo segmento de rede.

Leia mais

Decibel db Exemplo dbw e dbm Exercícios. Tópicos avançados em sistemas de telecomunicações. Renato Machado

Decibel db Exemplo dbw e dbm Exercícios. Tópicos avançados em sistemas de telecomunicações. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br Santa Maria, 12 de Março de 2012 Sumário 1 2 3 4 Sumário

Leia mais

Considerações gerais sobre medidas elétricas

Considerações gerais sobre medidas elétricas Considerações gerais sobre medidas elétricas Medidas de distorções, ruído e relação sinal/ruído (S/N) Distorção e ruído estão presentes em qualquer sistema físico real e normalmente contribuem para a deterioração

Leia mais

Rede de Computadores Comunicação de Dados, Transmissão de Dados e Meios de Transmissão

Rede de Computadores Comunicação de Dados, Transmissão de Dados e Meios de Transmissão Comunicação de Dados, Transmissão de Dados e Meios de Transmissão MSc. Eugénio Macumbe Comunicação de Dados As redes de comunicação existem para que dados possam ser enviados de um lugar para outro, essa

Leia mais

Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital

Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital CETEL- Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital 1) Modulação Digital 1.1) Vantagens da Comunicação Digital

Leia mais

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Corrente Alternada 1. Objetivo Uma medida elétrica é a

Leia mais

Transmissão de Sinais Digitais

Transmissão de Sinais Digitais Transmissão de Sinais Digitais Pedro Alípio pma@di.uminho.pt CC-DI Universidade do Minho Transmissão de Sinais Digitais p.1/19 Sumário Transmissão de sinais digitais Largura de banda Meios de Transmissão

Leia mais

Codificação de Bloco

Codificação de Bloco Codificação de Bloco A codificação de blocos foi desenvolvida para melhorar o desempenho da codificação de linha, tendo em vista que necessitamos de algum tipo de redundância que assegure a sincronização.

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS

FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Princípios de Comunicações Aulas 05 e 06 Milton Luiz Neri Pereira (UNEMAT/FACET/DEE) 1 Fonte de informação

Leia mais

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 6 Taxas de Transmissão Máxima em um Canal: Teorema de Nyquist e Teorema de Shannon Fonte: Rodrigo Semente Sabemos que, quanto maior a banda passante de um meio físico, maior o número de

Leia mais

b. Período, freqüência e freqüência angular;

b. Período, freqüência e freqüência angular; Nome: Matrícula: Data da entrega: Exercícios(Análise de Sinais e Decibel) 1. Dados os gráficos das tensões senoidais a seguir, pedem-se para ambos sinais: a. Valor da amplitude; b. Período, freqüência

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 LAB METROLOGIA ELÉTRICA. Prof: Vicente Machado Neto

EXPERIÊNCIA 1 LAB METROLOGIA ELÉTRICA. Prof: Vicente Machado Neto EXPERIÊNCIA 1 LAB METROLOGIA ELÉTRICA Prof: Vicente Machado Neto EFEITO DE CARGA DE AMPERÍMETRO E VOLTÍMETRO EFEITO DE CARGA INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO Quando utilizamos um instrumento de medição para conhecer

Leia mais

TE-060 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3

TE-060 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3 f(x) 3 1 1.- O sinal xt πt πt 1 cos 1 sin 1 TE-6 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3 3 Volts, é amostrado e processado por um quantizador uniforme de 7 its, funcionando

Leia mais

Redes de Computadores. Meios de comunicação sem fios

Redes de Computadores. Meios de comunicação sem fios Meios de comunicação sem fios Características da ligação! Largura de banda de um meio de transmissão, W, é a diferença entre a maior e a menor frequência comportadas, ou seja, é a amplitude da sua gama

Leia mais

Parâmetros de transmissão. Professor: Cleber Jorge Amaral

Parâmetros de transmissão. Professor: Cleber Jorge Amaral Parâmetros de transmissão Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Processo de comunicação 1) Geração de uma ideia, padrão ou imagem na origem 2) Descrição desta ideia com certa precisão utilizando símbolos

Leia mais

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações Comunicações (30 de setembro de 2016) ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Classificação de sinais 2. Sinais contínuos e discretos 3. Sinais não

Leia mais

Revisão: Ondas Eletromagnéticas (EM) Capítulo 2 do Battan.

Revisão: Ondas Eletromagnéticas (EM) Capítulo 2 do Battan. Revisão: Ondas Eletromagnéticas (EM) Capítulo 2 do Battan. Campo Elétrico - E O campo elétrico E - é um conceito definido pela força que uma carga (usualmente uma carga de teste) experimentaria se fosse

Leia mais

Modulação e Codificação

Modulação e Codificação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação Engenharia de Telecomunicações e Informática Modulação e Codificação Ano Lectivo 2001/2002 2º

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE

INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) 2 o SEMESTRE DE 2013 Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência

Leia mais

Camada Física. Agenda CONCEITOS BÁSICOS. Conceitos básicos; Meios de transmissão; Modulação digital e Multiplexação.

Camada Física. Agenda CONCEITOS BÁSICOS. Conceitos básicos; Meios de transmissão; Modulação digital e Multiplexação. Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte 3 Rede

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Ondas. Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio.

Ondas. Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio. Ondas Ondas Denomina-se onda o movimento causado por uma perturbação que se propaga através de um meio. Uma onda transmite energia sem o transporte de matéria. Classificação Quanto à natureza Ondas mecânicas:

Leia mais

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária II.1. Introdução Como as distâncias dos enlaces via satélite são muito grandes, faz-se necessário

Leia mais

1 T. Ondas acústicas ONDAS. Formalismo válido para diversos fenómenos: o som e a luz, por exemplo, relacionados com dois importantes sentidos.

1 T. Ondas acústicas ONDAS. Formalismo válido para diversos fenómenos: o som e a luz, por exemplo, relacionados com dois importantes sentidos. Ondas acústicas ONDAS Formalismo válido para diversos fenómenos: o som e a luz, por exemplo, relacionados com dois importantes sentidos. Descrição válida para fenómenos periódicos ALGUNS CONCEITOS RELACIONADOS

Leia mais

Aula 22. Conversão Sigma-Delta (continuação)

Aula 22. Conversão Sigma-Delta (continuação) Aula 22 Conversão Sigma-Delta (continuação) A estrutura mostrada na figura A.22.1 é chamado modulador Sigma-Delta (Σ- ). Esta estrutura, além de ser mais simples, pode ser considerada como uma versão suavizada

Leia mais

Fundamentos para Eletrônica e Sistemas de Medidas

Fundamentos para Eletrônica e Sistemas de Medidas Fundamentos para Eletrônica e Sistemas de Medidas Prof.: Geraldo Cernicchiaro geraldo@cbpf.br O curso pretende apresentar fundamentos físicos para se entender a eletrônica, e as bases de tecnologia moderna,

Leia mais

Meios físicos. Par Trançado (TP) dois fios de cobre isolados

Meios físicos. Par Trançado (TP) dois fios de cobre isolados Meios físicos bit: propaga entre pares de transmissor/receptor enlace físico: o que fica entre transmissor e receptor meio guiado: sinais se propagam em meio sólido: cobre, fibra, coaxial meio não guiado:

Leia mais

Cap. 2 Hart, Eletrônica de Potência. Cálculos de potência

Cap. 2 Hart, Eletrônica de Potência. Cálculos de potência Cap. 2 Hart, Eletrônica de Potência Cálculos de potência Material auxiliar Revisão de circuitos RL Me Salva! RLC10 - Indutores: Introdução https://www.youtube.com/watch?v=yaicexbwtgg Me Salva! RLC11 -

Leia mais

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações Comunicações (24 de março de 2017) ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Classificação de sinais 2. Sinais contínuos e discretos 3. Sinais não periódicos

Leia mais

Observação: As ondas são as que antecedem, a perturbação formada de espumas, há o transporte de energia e a oscilação, não há o transporte da matéria.

Observação: As ondas são as que antecedem, a perturbação formada de espumas, há o transporte de energia e a oscilação, não há o transporte da matéria. ONDAS Para a Física, a onda é uma perturbação que se propaga no espaço ou em qualquer outro meio. Elas são classificadas em relação à natureza, direção e energia de propagação. Definição: As ondas são

Leia mais

TE239 - Redes de Comunicação Lista Exercícios 1. 1 Questões Discursivas. Carlos Marcelo Pedroso. 5 de abril de 2017

TE239 - Redes de Comunicação Lista Exercícios 1. 1 Questões Discursivas. Carlos Marcelo Pedroso. 5 de abril de 2017 Carlos Marcelo Pedroso 5 de abril de 2017 1 Questões Discursivas Exercício 1: Sobre os sistemas de Cabeamento Estruturado, responda: a) Quais as principais normas sobre Cabeamento Estruturado? b) Qual

Leia mais

Parte 2 - Comunicação de Dados

Parte 2 - Comunicação de Dados 0 Roteiro: Sinais Parte 2 - Comunicação de Dados Sinais Analógicos Sinais Digitais Modos de Operação Tipos de transmissão Formas de transmissão serialb Largura de Banda Capacidade de um Canal Modulação

Leia mais

Aula 07 Propriedades da resposta ao impulso

Aula 07 Propriedades da resposta ao impulso Aula 07 Propriedades da resposta ao impulso Bibliografia OPPENHEIM, A.V.; WILLSKY, A. S. Sinais e Sistemas, a edição, Pearson, 00. ISBN 9788576055044. Páginas 6-69. HAYKIN, S. S.; VAN VEEN, B. Sinais e

Leia mais

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM

SOM. Para ouvir um som são necessários os seguintes elementos: PROPAGAÇÃO DO SOM SOM O som corresponde à vibração de partículas constituintes de um meio material elástico (onda sonora). Para termos uma sensação sonora é necessário que se produzam, pelo menos, vinte vibrações por segundo

Leia mais