Corregedoria. Processo Administrativo Disciplinar. Apostila nº 1. Manual, Notas Técnicas e Modelos. Novembro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corregedoria. Processo Administrativo Disciplinar. Apostila nº 1. Manual, Notas Técnicas e Modelos. Novembro de 2013"

Transcrição

1 Corregedoria Processo Administrativo Disciplinar Apostila nº 1 Manual, Notas Técnicas e Modelos Novembro de 2013 Setor de Autarquias Sul - SAS, Quadra 6, Bloco O, 4º andar - Brasília, DF - CEP: Fone: (61) Fax: (61)

2 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL CORREGEDORIA-GERAL PORTARIA COGER Nº 41, de 5 de julho de 2012 (Publicada no Boletim de Pessoal nº 27, de 06/07/12) Aprova as Apostilas Orientadoras da Aplicação do Processo e do Regime Disciplinar. O CORREGEDOR-GERAL DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 305, inciso III do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 587, de 21 de dezembro de 2010, resolve: Art. 1º Ficam aprovadas as Apostilas Orientadoras da Aplicação do Processo e do Regime Disciplinar, bem como suas atualizações, disponíveis na Biblioteca Virtual da Corregedoria-Geral, na intranet da Secretaria da Receita Federal do Brasil. Art. 2º As Unidades da Corregedoria-Geral, seja por seus servidores lotados e em exercício, seja, no que cabível, por servidores convocados ou designados como colaboradores eventuais, no desempenho de suas atribuições referentes a formalização, condução e demais atividades relativas a processos administrativos disciplinares e sindicâncias disciplinares de que trata o art. 143 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, deverão observar as orientações constantes das mencionadas Apostilas. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. ANTONIO CARLOS COSTA D ÁVILA CARVALHO

3 1 Corregedoria Apostilas Orientadoras da Aplicação do Processo e do Regime Disciplinar, aprovadas pela Portaria Coger nº 41/12 Apostila nº 1 Manual de PAD, Notas Técnicas e Modelos Apostila nº 2 Legislação Básica Apostila nº 3 Legislação Complementar Manual de Processo Administrativo Disciplinar - PAD, com remissões à legislação de regência da matéria, Notas Técnicas e Modelos de termos e outros documentos de uso corrente no curso do PAD. As apostilas de Legislação apresentam as informações acerca de publicação das normas, alterações sofridas, revogações, etc. As normas que se apresentam estão atualizadas, com as alterações embutidas. Para facilitar a pesquisa, as duas apostilas contêm índices explicativos, com reprodução dos assuntos abordados na norma (via de regra, reproduzindo a ementa), indicação se está reproduzida na íntegra ou em parte e lista das normas supervenientes que a alteram. Apostila nº 2: Normas de aplicação direta e cotidiana (Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, Regimento Interno da RFB e Portaria RFB nº 136, de 6 de fevereiro de 2013), que regulam o dia-a-dia do órgão, de seu corpo funcional e da atividade correcional. Apostila nº 3: Normas de grande relevância para a matéria, que podem ser consideradas como fontes do processo disciplinar em geral e no âmbito da RFB, agrupadas em função do objetivo de seu emprego ou do assunto de que tratam. Apostila nº 4 Jurisprudência (Decisões Judiciais) Apostila nº 5 Pareceres da AGU, Formulações do Dasp e Enunciados da CGU/CCC Essas apostilas contêm decisões e pareceres relacionados com a matéria disciplinar. Apostila nº 4: Os julgados estão organizados por assunto, em ordem alfabética, com alguns mecanismos para facilitar a busca em função do assunto desejado. O índice contém a reprodução da ementa e dos tópicos abordados. Além disso, ao final de cada grupo por assunto, destacam-se remissões a julgados que, embora estejam em outro grupo, também abordam secundariamente aquele assunto. Apostila nº 5: Contém a íntegra de praticamente todos os pareceres emitidos pela AGU sobre matéria disciplinar, desde Os pareceres estão organizados por assunto, em ordem alfabética, com alguns mecanismos para facilitar a busca em função do assunto desejado. O índice contém a reprodução da ementa e dos tópicos abordados. Além da pesquisa por assunto, o índice também permite pesquisa por numeração, tanto pelo nome do Advogado-Geral que o aprovou, quanto do Consultor que o redigiu. Além disso, ao final de cada grupo por assunto, destacam-se remissões a pareceres que, embora estejam em outro grupo, também abordam secundariamente aquele assunto. Quando aplicável, foi dado destaque ao fato de o parecer ser vinculante (aprovado e publicado). Constam ainda da apostila todas as formulações, pareceres e orientações normativas do antigo Dasp que se mantêm aplicáveis por estarem de acordo com o atual ordenamento e os enunciados emitidos pela Comissão de Coordenação de Correição, da Controladoria-Geral da União.

4 2 Corregedor-Geral da Secretaria da Receita Federal: Marcos Rodrigues de Mello Corregedor-Adjunto da Secretaria da Receita Federal: Luiz Fernando Lorenzi Elaboração da edição original: José Oleskovicz Atualização da presente edição: Carlos Higino Ribeiro de Alencar Cecília Miyuki Ishida Dionísio Carvallhêdo Barbosa Jornandis Morete Galvão José Moacir Ferreira Leão Leonardo Mediano Leite Marcia Fujii Vieira Ceccantini Marcos Salles Teixeira Maria Joana Pereira Rego Nelson Rodrigues Breitman Neudson Cavalcante Albuquerque Onássis Simões da Luz Ronaldo Rodrigues Loureiro Rudinei Junkes.

5 3 Processo Administrativo Disciplinar Apostila nº 1 - Manual, Notas Técnicas e Modelos ÍNDICE MANUAL DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR CAPÍTULO I - DOS DEVERES DE COMUNICAR E DE APURAR IRREGULARIDADES CAPÍTULO II - DAS DENÚNCIAS E REPRESENTAÇÕES CAPÍTULO III - DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR Seção I - Conceito e Abrangência Seção II - Fases do Processo CAPÍTULO IV - DA SINDICÂNCIA DISCIPLINAR CAPÍTULO V - DO AFASTAMENTO DO SERVIDOR ENVOLVIDO CAPÍTULO VI - DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR - PAD (STRICTO SENSU) Seção I - Considerações Gerais Seção II - Da Comissão Seção III - Do Secretário da Comissão Seção IV - Da instauração Seção V - Da Instalação da Comissão Seção VI - Dos Prazos Seção VII - Dos Documentos Seção VIII - Da Instrução e da Notificação da Condição de Acusado Seção IX - Da Inquirição das Testemunhas Seção X - Da Acareação Seção XI - Das Diligências e Perícias Seção XII - Das Requisições e Envios de Informações e Documentos Seção XIII - Do Interrogatório do Acusado Seção XIV - Do Incidente de Sanidade Mental Seção XV - Da Indiciação... 37

6 4 Seção XVI - Da Citação Seção XVII - Da Defesa Seção XVIII - Da Revelia Seção XIX - Do Relatório Seção XX - Do Julgamento CAPÍTULO VII - DA APLICAÇÃO DAS PENALIDADES CAPÍTULO VIII - DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO CAPÍTULO IX - DAS NULIDADES CAPÍTULO X - DA PRESCRIÇÃO CAPÍTULO XI - DA EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE CAPÍTULO XII - DOS CRIMES FUNCIONAIS CAPÍTULO XIII - DA EXONERAÇÃO DE SERVIDOR QUE RESPONDE A PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR CAPÍTULO XIV - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS NOTAS TÉCNICAS Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2005/ Nota Técnica Coger nº 2006/

7 5 Nota Técnica Coger nº 2012/ Nota Técnica Coger nº 2012/ Nota Técnica Coger nº 2012/ MODELOS DOS ATOS PROCESSUAIS MODELO 0 - Parecer de juízo de admissibilidade MODELO 1 - Portaria de designação de comissão de sindicância MODELO 2 - Portaria de designação de comissão de inquérito MODELO 3 - Portaria de designação de comissão de inquérito - Procedimento sumário MODELO 4 - Portaria de afastamento de servidor envolvido em processo disciplinar MODELO 5 - Ata de instalação da comissão e de início dos trabalhos MODELO 6 - Portaria de designação do secretário da comissão MODELO 7 - Memorando à autoridade instauradora comunicando o início dos trabalhos MODELO 8 - Memorando à autoridade local comunicando o início dos trabalhos. 127 MODELO 9 - Notificação de servidor para acompanhar o processo administrativo disciplinar MODELO 10 - Memorando à autoridade instauradora comunicando a notificação de servidor como acusado MODELO 11 - Memorando à autoridade local comunicando a notificação de servidor como acusado MODELO 12 - Notificação de não-servidor para acompanhar o processo administrativo disciplinar MODELO 13 - Memorando à autoridade instauradora comunicando a notificação de não-servidor como acusado MODELO 14 - Memorando à autoridade local comunicando a notificação de nãoservidor como acusado MODELO 15 - Ata de deliberação da comissão MODELO 16 - Termo de juntada de anexos no processo base ou principal MODELO 17 - Termo de juntada de processo no processo base ou principal MODELO 18 - Termo de juntada de processo no processo secundário

8 6 MODELO 19 - Termo de juntada de documentos MODELO 20 - Termo de desapensação de processo no processo base ou principal. 139 MODELO 21 - Termo de desapensação de processo no processo secundário MODELO 22 - Termo de renumeração MODELO 23 - Termo de encerramento de volume de processo MODELO 24 - Termo de abertura de volume de processo MODELO 25 - Termo de abertura de vista (ou de concessão de cópia) MODELO 26 - Termo de desentranhamento MODELO 27 - Memorando do presidente da comissão solicitando prorrogação do prazo da sindicância MODELO 28 - Memorando do presidente da comissão solicitando prorrogação do prazo do inquérito MODELO 29 - Memorando do presidente da comissão solicitando prorrogação do prazo do inquérito - Procedimento sumário MODELO 30 - Portaria de prorrogação do prazo da comissão de sindicância MODELO 31 - Portaria de prorrogação do prazo da comissão de inquérito MODELO 32 - Portaria de prorrogação do prazo da comissão de inquérito - Procedimento sumário MODELO 33 - Memorando do presidente da comissão de sindicância solicitando designação de nova comissão para ultimar os trabalhos MODELO 34 - Memorando do presidente da comissão de inquérito solicitando designação de nova comissão para ultimar os trabalhos MODELO 35 - Portaria de designação de nova comissão de sindicância para ultimar ou refazer o processo administrativo disciplinar MODELO 36 - Portaria de designação de nova comissão de inquérito para ultimar ou refazer o processo administrativo disciplinar MODELO 37 - Intimação para servidor testemunhar MODELO 38 - Memorando à autoridade solicitando declinar local, dia e hora para prestar depoimento MODELO 39 - Memorando ao chefe da unidade comunicando intimação de servidor para prestar depoimento como testemunha ou para ser interrogado como acusado 158 MODELO 40 - Intimação para não-servidor testemunhar MODELO 41 - Notificação ao acusado (servidor) sobre oitiva de testemunha (ou outras diligências)

9 7 MODELO 42 - Notificação ao acusado (não-servidor) sobre oitiva de testemunha (ou outras diligências) MODELO 43 - Termo de inquirição de testemunha MODELO 44 - Termo de declarações MODELO 44A - Ata de deliberação da comissão para realização de oitiva de testemunha por videoconferência MODELO 44B - Intimação para servidor testemunhar por meio de videoconferência MODELO 44C - Portaria de designação de secretário ad hoc para acompanhar a oitiva por videoconferência na sala onde se encontra instalada a comissão MODELO 44D - Portaria de designação de secretário ad hoc para acompanhar a oitiva por videoconferência na sala onde se encontra a testemunha MODELO 44E - Notificação ao acusado sobre oitiva de testemunha por videoconferência MODELO 44F - Termo de inquirição de testemunha por videoconferência MODELO 45 - Intimação para acareação MODELO 46 - Termo de acareação MODELO 47 - Termo de diligência MODELO 48 - Portaria de designação de peritos MODELO 49 - Quesitos da comissão para o perito MODELO 50 - Notificação ao acusado (servidor) para apresentação de quesitos para perícia MODELO 51 - Notificação ao acusado (não-servidor) para apresentação de quesitos para perícia MODELO 52 - Portaria de designação de assessor técnico MODELO 53 - Quesitos da comissão para o assessor técnico MODELO 54 - Auto de reconhecimento de pessoas MODELO 55 - Termo de inventário de bens, exame contábil, conferência de valores ou avaliação de bens MODELO 56 - Ata de tomada de contas MODELO 57 - Auto de coleta de material para exame grafotécnico MODELO 58 - Memorando à autoridade instauradora solicitando exame de sanidade mental do acusado

10 8 MODELO 59 - Memorando solicitando que o acusado seja submetido a exame de sanidade mental MODELO 60 - Intimação de acusado (servidor) para interrogatório MODELO 61 - Intimação de acusado (não-servidor) para interrogatório MODELO 62 - Termo de interrogatório de acusado MODELO 62A - Ata de deliberação da comissão para realização de interrogatório de acusado por videoconferência MODELO 62B - Intimação de acusado para interrogatório por videoconferência MODELO 62C - Portaria de designação de secretário ad hoc para acompanhar o interrogatório por videoconferência na sala onde se encontra instalada a comissão 194 MODELO 62D - Portaria de designação de secretário ad hoc para acompanhar o interrogatório por videoconferência na sala onde se encontra o acusado MODELO 62E - Termo de interrogatório de acusado por videoconferência MODELO 63 - Termo de indiciação do acusado (servidor) MODELO 64 - Termo de imputação de responsabilidade do acusado (nãoservidor) MODELO 65 - Citação de servidor para apresentar defesa MODELO 66 - Citação de não-servidor para apresentar defesa MODELO 67 - Memorando para citação de indiciado (quando o indiciado estiver em exercício em local diverso da sede da comissão) MODELO 68 - Carta precatória de citação de indiciado MODELO 69 - Citação, por edital, de indiciado que se encontra em lugar incerto e não sabido MODELO 70 - Ata de deliberação de prorrogação do prazo para apresentação da defesa MODELO 71 - Termo de revelia MODELO 72 - Memorando solicitando a designação de defensor dativo MODELO 73 - Portaria de designação de defensor dativo MODELO 74 - Defesa dativa de acusado revel MODELO 75 - Relatório da comissão MODELO 75A - Parecer de análise de processo no Escor MODELO 76 - Julgamento de absolvição no Escor ou na Coger

11 9 MODELO 76A - Julgamento de responsabilização no Escor ou na Coger MODELO 77 - Despacho da autoridade instauradora, agravando penalidade de suspensão, para julgamento a cargo do Ministro da Fazenda MODELO 78 - Despacho da autoridade instauradora, acatando proposta da comissão, para julgamento a cargo do Ministro da Fazenda MODELO 79 - Portaria de aplicação de penalidade MODELO 79A - Parecer de análise de processo - Versão resumida, apenas para Codis/Diaco MODELO 80 - Ofício da autoridade instauradora ao Ministério Público Federal, de remessa de cópia de sindicância, quando houver indícios da prática de crime MODELO 81 - Ofício da autoridade instauradora ao Ministério Público Federal, de remessa de cópia de processo administrativo disciplinar, quando houver indícios da prática de crime MODELO 82 - Ofícios do presidente da comissão ao Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União, comunicando existência de procedimento para apurar ato de improbidade MODELOS, POR ORDEM ALFABÉTICA MODELO 15 - Ata de deliberação da comissão MODELO 70 - Ata de deliberação de prorrogação do prazo para apresentação da defesa MODELO 5 - Ata de instalação da comissão e de início dos trabalhos MODELO 56 - Ata de tomada de contas MODELO 57 - Auto de coleta de material para exame grafotécnico MODELO 54 - Auto de reconhecimento de pessoas MODELO 68 - Carta precatória de citação de indiciado MODELO 66 - Citação de não-servidor para apresentar defesa MODELO 65 - Citação de servidor para apresentar defesa MODELO 69 - Citação, por edital, de indiciado que se encontra em lugar incerto e não sabido MODELO 74 - Defesa dativa de acusado revel MODELO 77 - Despacho da autoridade instauradora, agravando penalidade de suspensão, para julgamento a cargo do Ministro da Fazenda

12 10 MODELO 78 - Despacho da autoridade instauradora, acatando proposta da comissão, para julgamento a cargo do Ministro da Fazenda MODELO 60 - Intimação de acusado (servidor) para interrogatório MODELO 61 - Intimação de acusado (não-servidor) para interrogatório MODELO 45 - Intimação para acareação MODELO 37 - Intimação para servidor testemunhar MODELO 40 - Intimação para não-servidor testemunhar MODELO 76 - Julgamento a cargo do Escor ou da Coger MODELO 10 - Memorando à autoridade instauradora comunicando a notificação de servidor como acusado MODELO 13 - Memorando à autoridade instauradora comunicando a notificação de não-servidor como acusado MODELO 7 - Memorando à autoridade instauradora comunicando o início dos trabalhos MODELO 58 - Memorando à autoridade instauradora solicitando exame de sanidade mental do acusado MODELO 14 - Memorando à autoridade local comunicando a notificação de nãoservidor como acusado MODELO 11 - Memorando à autoridade local comunicando a notificação de servidor como acusado MODELO 8 - Memorando à autoridade local comunicando o início dos trabalhos MODELO 38 - Memorando à autoridade solicitando declinar local, dia e hora para prestar depoimento MODELO 39 - Memorando ao chefe da unidade comunicando intimação de servidor para prestar depoimento como testemunha ou para ser interrogado como acusado MODELO 34 - Memorando do presidente da comissão de inquérito solicitando designação de nova comissão para ultimar os trabalhos MODELO 33 - Memorando do presidente da comissão de sindicância solicitando designação de nova comissão para ultimar os trabalhos MODELO 27 - Memorando do presidente da comissão solicitando prorrogação do prazo da sindicância MODELO 28 - Memorando do presidente da comissão solicitando prorrogação do prazo do inquérito MODELO 29 - Memorando do presidente da comissão solicitando prorrogação do prazo do inquérito - Procedimento sumário

13 11 MODELO 67 - Memorando para citação de indiciado (quando o indiciado estiver em exercício em local diverso da sede da comissão) MODELO 72 - Memorando solicitando a designação de defensor dativo MODELO 59 - Memorando solicitando que o acusado seja submetido a exame de sanidade mental MODELO 51 - Notificação ao acusado (não-servidor) para apresentação de quesitos para perícia MODELO 42 - Notificação ao acusado (não-servidor) sobre oitiva de testemunha (ou outras diligências) MODELO 50 - Notificação ao acusado (servidor) para apresentação de quesitos para perícia MODELO 41 - Notificação ao acusado (servidor) sobre oitiva de testemunha (ou outras diligências) MODELO 12 - Notificação de não-servidor para acompanhar o processo administrativo disciplinar MODELO 9 - Notificação de servidor para acompanhar o processo administrativo disciplinar MODELO 80 - Ofício da autoridade instauradora ao Ministério Público Federal, de remessa de cópia de sindicância, quando houver indícios da prática de crime MODELO 81 - Ofício da autoridade instauradora ao Ministério Público Federal, de remessa de cópia de processo administrativo disciplinar, quando houver indícios da prática de crime MODELO 82 - Ofícios do presidente da comissão ao Ministério Público Federal e Tribunal de Contas da União, comunicando existência de procedimento para apurar ato de improbidade MODELO 4 - Portaria de afastamento de servidor envolvido em processo disciplinar MODELO 79 - Portaria de aplicação de penalidade MODELO 52 - Portaria de designação de assessor técnico MODELO 73 - Portaria de designação de defensor dativo MODELO 36 - Portaria de designação de nova comissão de inquérito para ultimar ou refazer o processo administrativo disciplinar MODELO 35 - Portaria de designação de nova comissão de sindicância para ultimar ou refazer o processo administrativo disciplinar MODELO 48 - Portaria de designação de peritos MODELO 6 - Portaria de designação do secretário da comissão MODELO 2 - Portaria de designação de comissão de inquérito

14 12 MODELO 3 - Portaria de designação de comissão de inquérito - Procedimento sumário MODELO 1 - Portaria de designação de comissão de sindicância MODELO 31 - Portaria de prorrogação do prazo da comissão de inquérito MODELO 32 - Portaria de prorrogação do prazo da comissão de inquérito - Procedimento sumário MODELO 30 - Portaria de prorrogação do prazo da comissão de sindicância MODELO 53 - Quesitos da comissão para o assessor técnico MODELO 49 - Quesitos da comissão para o perito MODELO 75 - Relatório da comissão MODELO 25 - Termo de abertura de vista (ou de concessão de cópia) MODELO 24 - Termo de abertura de volume de processo MODELO 46 - Termo de acareação MODELO 44 - Termo de declarações MODELO 20 - Termo de desapensação de processo no processo base ou principal MODELO 21 - Termo de desapensação de processo no processo secundário MODELO 26 - Termo de desentranhamento MODELO 47 - Termo de diligência MODELO 23 - Termo de encerramento de volume de processo MODELO 64 - Termo de imputação de responsabilidade do acusado (não-servidor) MODELO 63 - Termo de indiciação do acusado (servidor) MODELO 43 - Termo de inquirição de testemunha MODELO 62 - Termo de interrogatório de acusado MODELO 55 - Termo de inventário de bens, exame contábil, conferência de valores ou avaliação de bens MODELO 16 - Termo de juntada de anexos no processo base ou principal MODELO 19 - Termo de juntada de documentos MODELO 17 - Termo de juntada de processo no processo base ou principal MODELO 18 - Termo de juntada de processo no processo secundário MODELO 22 - Termo de renumeração

15 MODELO 71 - Termo de revelia 13

16 14 MANUAL DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR CAPÍTULO I - DOS DEVERES DE COMUNICAR E DE APURAR IRREGULARIDADES 1. A autoridade que, na sua jurisdição, tiver ciência de irregularidade no serviço público, é obrigada a promover a sua apuração imediata, mediante instauração de sindicância ou processo administrativo disciplinar, assegurada ao acusado ampla defesa (Lei nº 8.112, de 11/12/90, art. 143) (Nota Técnica Coger nº 2005/3) No âmbito da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), a instauração de sindicância disciplinar e de processo administrativo disciplinar, bem assim a decisão de arquivamento em sede de juízo de admissibilidade, cabem, reservadas iguais competências para o Secretário da Receita Federal do Brasil (Portaria RFB nº 136, de 06/02/13, art. 1º, 1º): I - ao Corregedor, quando tiver ciência de irregularidade no âmbito da RFB; II - ao Chefe de Escritório de Corregedoria (Escor) quando tiver ciência de irregularidade praticada por servidor lotado ou em exercício em unidade descentralizada ou em unidade central localizada na respectiva região fiscal O Secretário da Receita Federal do Brasil poderá, a qualquer tempo, instaurar ou determinar a instauração de sindicância disciplinar ou processo administrativo disciplinar ou avocar sua instauração ou tramitação (Portaria RFB nº 136, art. 1º, 2º) O Corregedor poderá, a qualquer tempo, avocar a instauração ou tramitação de sindicância disciplinar ou processo administrativo disciplinar, exceto nas hipóteses do item 1.7 deste Manual, sem que isso implique revogação parcial ou total da competência dos Chefes de Escor (Portaria RFB nº 136/13, art. 1º, 3º) As sindicâncias disciplinares e os processos administrativos disciplinares serão instaurados, preferencialmente, pelos Chefes de Escritório de Corregedoria, exceto se o objeto da apuração envolver servidores lotados ou em exercício em mais de uma Região Fiscal e a situação não recomendar o desmembramento das apurações, hipótese em que a instauração será feita pelo Corregedor ou pelo Escritório de Corregedoria por ele determinado (Portaria RFB nº 136/13, art. 1º, 4º) Na hipótese de remoção ou alteração de exercício de servidor que estiver respondendo a sindicância disciplinar ou processo administrativo disciplinar, o Corregedor poderá determinar a mudança de local de apuração para o Escritório de Corregedoria que jurisdicione a nova unidade de lotação ou exercício do servidor (Portaria RFB nº 136/13, art. 1º, 5º) Compete ao Corregedor a instauração de sindicância disciplinar e de processo administrativo disciplinar, bem assim a decisão de arquivamento em sede de juízo de admissibilidade, quando os acusados ou investigados ocuparem, à época dos fatos ou à época da instauração, os cargos de Chefe de Gabinete e Chefe de Assessorias do Secretário da Receita Federal do Brasil, Coordenador-Geral, Coordenador Especial, Coordenador Disciplinar, Coordenador, Superintendente, Superintendente Adjunto, assim como em relação aos servidores que praticaram, nestas qualidades, atos passíveis de apuração disciplinar (Portaria RFB nº 136/13, art. 1º, 6º, com a redação dada pela Portaria RFB nº 244, de 27/02/13).

17 Compete ao Secretário da Receita Federal do Brasil a instauração de sindicância disciplinar e de processo administrativo disciplinar, bem assim a decisão de arquivamento em sede de juízo de admissibilidade, quando os acusados ou investigados ocuparem, à época dos fatos ou à época da instauração, os cargos de Secretário-Adjunto, Subsecretário, Corregedor, Corregedor Adjunto, assim como em relação aos servidores que praticaram, nestas qualidades, atos passíveis de apuração disciplinar (Portaria RFB nº 136/13, art. 1º, 7º). 2. O servidor que tiver ciência de irregularidade no serviço público deverá, imediatamente, representar, por escrito, ao titular da unidade, ou, no caso de representação contra o titular da unidade, remetê-la diretamente ao Chefe do Escor da respectiva Região Fiscal, sob pena de responsabilidade administrativa, civil e penal (Lei nº 8.112/90, art. 116, inciso VI, com a redação dada pela Lei nº , de 18/11/11, e Portaria RFB nº 136/13, art. 6º). 3. O titular da unidade deve encaminhar a representação recebida ou, sendo quem primeiramente teve conhecimento da irregularidade, representar diretamente ao Escor, no âmbito da respectiva Região Fiscal (Portaria RFB nº 136/13, art. 6º, 1º). 4. Caberá à autoridade do local da ocorrência dos fatos a apuração de (Portaria RFB nº 136/13, art. 3º): I - responsabilidade dos intervenientes nas operações de comércio exterior, bem assim os respectivos recursos, nos termos do art. 76 da Lei nº , de 29/12/03; II - dano ou desaparecimento de bem público de que trata a Instrução Normativa da Secretaria de Administração Pública da Presidência da República (Sedap) nº 205, de 08/04/88; III - dano ou desaparecimento de mercadorias apreendidas sob guarda da RFB; e IV - extravio de processo administrativo, quando não houver indícios de responsabilidade de servidor. 2º). 5. Servidor é a pessoa legalmente investida em cargo público (Lei nº 8.112/90, art. 6. O servidor responde civil, penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições, sendo a responsabilidade administrativa resultante de ato omissivo ou comissivo praticado no desempenho do cargo ou função (Lei nº 8.112/90, arts. 121 e 124). 7. Reputa-se agente público, para efeitos da apuração de suposto ato de improbidade administrativa, todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função na administração direta, indireta ou fundacional de qualquer dos poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de cinqüenta por cento do patrimônio ou da receita anual (Lei nº 8.429, de 02/06/92, arts. 1º e 2º). 8. Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública (Código Penal - CP, art. 327).

18 16 9. Constitui crime de condescendência criminosa deixar o funcionário, por indulgência, de responsabilizar subordinado que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao conhecimento da autoridade competente (CP, art. 320). CAPÍTULO II - DAS DENÚNCIAS E REPRESENTAÇÕES 10. As denúncias sobre irregularidades serão objeto de apuração, desde que sejam formuladas por escrito, contenham informações sobre o fato e sua autoria e a identificação e o endereço do denunciante, confirmada a autenticidade (Lei nº 8.112/90, art. 144) Quando o fato narrado não configurar evidente infração disciplinar ou ilícito penal, a denúncia será arquivada, por falta de objeto (Lei nº 8.112/90, art. 144, parágrafo único) (Nota Técnica Coger nº 2006/1). 11. A representação funcional contra ilegalidade, omissão ou abuso de poder, determinada pelo inciso XII, do art. 116, da Lei nº 8.112/90, deverá (Portaria RFB nº 136/13, art. 6º, 2º): I - conter a identificação do representante e do representado e a indicação precisa do fato que, por ação ou omissão do representado, em razão do cargo, constitui ilegalidade, omissão ou abuso de poder; II - vir acompanhada das provas ou indícios de que o representante dispuser ou da indicação dos indícios ou provas de que apenas tenha conhecimento; e III - indicar as testemunhas, se houver No caso de denúncia anônima, é licito à autoridade proceder a investigações prévias para verificar a existência de elementos suficientes para firmar juízo de admissibilidade que ampare a apuração dos fatos mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, conforme estabelecido pelo art. 143 da Lei nº 8.112/90 (Enunciado da Comissão de Coordenação e Correição, da Controladoria-Geral da União - CGU/CCC - nº 3, Diário Oficial da União - DOU - de 05/05/11) Quando a representação for genérica ou não indicar nexo de causalidade entre o fato e as atribuições do cargo do representado, deverá ser devolvida ao representante para que preste os esclarecimentos adicionais indispensáveis para subsidiar o exame e a decisão da autoridade competente quanto à instauração de procedimento disciplinar (Portaria RFB nº 136/13, art. 6º, 3º). 12. A representação ou denúncia será encaminhada, pela via hierárquica, ao Escor que jurisdiciona a Região Fiscal da unidade de lotação ou de exercício do servidor, para as providências cabíveis (Lei nº 8.112/90, art. 116, parágrafo único e Portaria RFB nº 136/13, art. 6º). 13. Quando o fato narrado não configurar evidente infração disciplinar ou ilícito penal, a representação será arquivada por falta de objeto (Lei 8.112/90, art. 144, parágrafo único e Portaria RFB nº 136/13, art. 6º, 4º).

19 Atendendo a denúncia ou representação aos requisitos de admissibilidade, o Chefe do Escor determinará a apuração dos fatos, mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar (Lei nº 8.112/90, art. 143) (Nota Técnica Coger nº 2005/3). CAPÍTULO III - DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR Seção I - Conceito e Abrangência 15. O processo administrativo disciplinar é o instrumento destinado a apurar responsabilidade de servidor por infração praticada no exercício de suas atribuições, ou que tenha relação com as atribuições do cargo em que se encontre investido (Lei nº 8.112/90, art. 148). 16. O processo administrativo disciplinar (lato sensu) abrange a sindicância e o processo administrativo disciplinar - PAD (stricto sensu) (Lei nº 8.112/90, art. 143). Seção II - Fases do Processo 17. O processo administrativo disciplinar se desenvolve nas seguintes fases (Lei nº 8.112/90, art. 151): I - instauração, com a publicação do ato que constituir a comissão; II - inquérito administrativo, que compreende instrução, defesa e relatório; e III - julgamento. CAPÍTULO IV - DA SINDICÂNCIA DISCIPLINAR 18. O processo administrativo de sindicância destina-se a apurar irregularidade no serviço público (Lei nº 8.112/90, art. 143) (Modelo 1). 19. Aplicam-se à sindicância as disposições do PAD relativas ao contraditório e ao direito à ampla defesa, especialmente a citação do indiciado para apresentar defesa, assegurando-se-lhe vista do processo na repartição (Constituição Federal - CF, art. 5º, inciso LV e Lei nº 8.112/90, arts. 143 e 145, c/c art. 161, 1º) A menos de ressalvas específicas, todo o conteúdo dos demais Capítulos (com exceção do Capítulo VIII) deste Manual se aplicam indistintamente à sindicância e ao PAD. 20. Da sindicância poderá resultar (Lei nº 8.112/90, art. 145): I - arquivamento do processo (Lei nº 8.112/90, art. 145, inciso I); ou II - aplicação de penalidade de advertência ou suspensão de até 30 (trinta) dias (Lei nº 8.112/90, art. 145, inciso II); ou III - instauração de PAD quando, de acordo com a natureza e gravidade da infração e dos danos dela decorrentes, verifica-se que a penalidade aplicável é a de suspensão por mais de 30 (trinta) dias, demissão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade, ou destituição de cargo em comissão (Lei nº 8.112/90, arts. 145, inciso III e 146).

20 Na hipótese do inciso III do item 20 deste Manual, a comissão de sindicância submeterá à consideração da autoridade instauradora relatório circunstanciado propondo a instauração do respectivo PAD. A sindicância integrará o PAD como peça informativa, podendo prosseguir o novo processo nos mesmos autos ou ser feita juntada por anexação (Lei nº 8.112/90, arts. 145, inciso III e 154). 22. Na anexação, forma de juntada em caráter definitivo, os processos ou documentos juntados passam a fazer parte integrante do processo principal, dele não mais se apartando, sendo, inclusive, as suas folhas numeradas dentro da sequência nele empregada (Portaria da Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MPOG/SLTI - nº 5, de 19/12/02, item e Manual Prático de Formalização, Preparação, Apreciação, Julgamento e Movimentação do Processo Administrativo-Tributário - Maproc, item ). 23. Na apensação, forma de juntada em caráter temporário, os processos ou documentos juntados simplesmente acompanham o processo principal, sem dele fazer parte integrante e sem perder suas características físicas, podendo a qualquer momento ocorrer a desapensação (Portaria MPOG/SLTI nº 5/02, item e Maproc, item ). 24. A anexação ou apensação de um processo administrativo disciplinar a outro somente se dará mediante autorização expressa (despacho) da autoridade competente (Maproc, item 2.34), através de termo de juntada de processo (Modelos 17, 18, 20 e 21). 25. A sindicância não é pré-requisito de PAD, podendo a autoridade, dependendo da gravidade da infração, decidir pela sua imediata instauração, ainda que desconhecida a autoria (Parecer da Advocacia-Geral da União - AGU - nº GQ-12, de 07/02/94, item 12, DOU de 08/02/94). CAPÍTULO V - DO AFASTAMENTO DO SERVIDOR ENVOLVIDO 26. Se a autoridade instauradora de processo administrativo disciplinar considerar inconveniente a permanência do servidor envolvido no exercício do cargo ou função poderá, como medida cautelar e a fim de que o mesmo não venha a influir na apuração das irregularidades, determinar o seu afastamento, pelo prazo de até 60 (sessenta) dias, sem prejuízo da remuneração (Lei nº 8.112/90, art. 147) (Modelo 4) Se o prazo de que trata o item 26 deste Manual for insuficiente, a autoridade instauradora poderá, de ofício ou por solicitação do presidente da comissão, prorrogar o afastamento por igual prazo (sessenta dias), findo o qual cessarão os seus efeitos, ainda que não concluído o processo (Lei nº 8.112/90, art. 147, parágrafo único). 27. O servidor afastado preventivamente nos termos do art. 147 da Lei nº 8.112/90 deverá atender imediatamente a qualquer convocação da comissão, comunicando, previamente e por escrito, qualquer necessidade de ausentar-se do seu domicílio (nos termos definidos no art. 76 do Código Civil - CC), sob pena de o processo prosseguir à sua revelia (Portaria RFB nº 136/13, art. 14, 1º). 28. A autoridade instauradora também poderá, motivadamente, determinar, pelas mesmas razões referidas no item 26 deste Manual e enquanto perdurar a instrução processual, o exercício provisório do servidor em outra unidade administrativa, desde que não haja ônus para o erário (Portaria RFB nº 136/13, art. 14, 2º).

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ANEXO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 1º Comissão de Ética do Ministério da Educação MEC, constituída pela Portaria nº de 623

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006

Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006 Portaria nº 335, de 30 de maio de 2006 D.O.U de 31/05/2006 Regulamenta o Sistema de Correição do Poder Executivo Federal, de que trata o Decreto nº 5.480, de 30 de junho de 2005. O MINISTRO DE ESTADO DO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Ética da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Regimento Interno da Comissão de Ética da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre A Comissão de Ética da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, com base na resolução nº 10, de 29 de setembro de 2008, da Comissão de Ética Pública, estabelece o seguinte Regimento Interno:

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

Dispositivos da Constituição

Dispositivos da Constituição Dispositivos da Constituição DISPOSITIVOS DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL PERTINENTES AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO Art. 19... 1º o controle externo da Câmara Municipal será exercido com o auxílio do Tribunal

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR

MANUAL TÉCNICO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR MANUAL TÉCNICO DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR GOIÂNIA, OUTUBRO DE 2006 Gabinete de Controle Interno - GECONI GO 2 Instrução Normativa nº 25, de 27 de outubro de 2006 Aprova as normas técnicas e

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO MANUAL DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO MANUAL DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO MANUAL DE PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR Judith Amaral Lageano Copiladora Campo Grande-MS 2005 PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 058/2015 DE 21 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 058/2015 DE 21 DE AGOSTO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 058/2015 DE 21

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DA CVM CAPÍTULO I DA COMPETÊNCIA

COMISSÃO DE ÉTICA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DA CVM CAPÍTULO I DA COMPETÊNCIA COMISSÃO DE ÉTICA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE ÉTICA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que a Comissão, em reunião realizada em 31 de janeiro de 2011, com

Leia mais

Corregedoria. Apostila nº 1 Orientadora da Aplicação do Processo e do Regime Disciplinar

Corregedoria. Apostila nº 1 Orientadora da Aplicação do Processo e do Regime Disciplinar Corregedoria Apostila nº 1 Orientadora da Aplicação do Processo e do Regime Disciplinar Consolidação de Normas e Manifestações Vinculantes Aplicáveis ao PAD e Notas Técnicas Coger Outubro de 2015 Setor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 155, DE 14 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 155, DE 14 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 155, DE 14 DE AGOSTO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003.

ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. ORDEM DE SERVIÇO Nº 9, DE 8 DE OUTUBRO DE 2003. Disciplina a formação de processos administrativos no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Publicada no DOE do dia 25/02/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 11-2012/SEGPLAN Regulamenta os procedimentos para abertura de processos, juntada, cópia e demais rotinas de tramitação de processos e documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA

RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA RESOLUÇÃO 001/2015/CE/SINJOR-PA O Presidente da Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará, no uso das atribuições que lhes são conferidas, etc CONSIDERANDO a decisão da Assembleia

Leia mais

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06)

Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Decreta nº 26.978, (DOE de 05/07/06) Introduz alterações no Decreto nº 16106, de 30 de novembro de 1994, que regulamenta a Lei nº 657, de 25 de janeiro de 1994 e consolida a legislação referente ao processo

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, no Título

Leia mais

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015.

PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. PORTARIA Nº 910, DE 7 DE ABRIL DE 2015. Define os procedimentos para apuração da responsabilidade administrativa e para celebração do acordo de leniência de que trata a Lei nº 12.846, de 1º de agosto de

Leia mais

PORTARIA-CONJUNTA Nº 85/2006

PORTARIA-CONJUNTA Nº 85/2006 Publicação:20/09/06 PORTARIA-CONJUNTA Nº 85/2006 Regulamenta a avaliação especial de desempenho do servidor em estágio probatório no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e da Justiça de Primeira

Leia mais

Comissões de Ética Médica*

Comissões de Ética Médica* Espaço CREMERS Comissões de Ética Médica* DR. FERNANDO WEBER MATOS Primeiro-secretário do Cremers. * Texto extraído do Manual Técnico Disciplinar do Cremers, 5 a edição. 78 Revista da AMRIGS, Porto Alegre,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 152/2014/TCE-RO Regulamenta as atividades de correição e inspeção no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO

COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO Aprovado pela Resolução CONSUP nº 136, de 18/11/2010. COMISSÃO DE ÉTICA DO IFRS REGIMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014

DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014 DECRETO Nº 38256 DE 10 DE JANEIRO DE 2014 Institui e altera procedimentos referentes à sindicância administrativa, e dá outras providências. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso das atribuições

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL E TRIBUTOS Orientador Empresarial Crimes contra a Ordem Tributária Representações pela RFB - Procedimentos a

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES

REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DE PORTO ALEGRE REGIMENTO INTERNO DOS CONSELHOS TUTELARES DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Os Conselhos Tutelares, órgãos permanentes e autônomos, não-jurisdicionais,

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 497/GDGSET.GP, DE 24 DE SETEMBRO DE 2014

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 497/GDGSET.GP, DE 24 DE SETEMBRO DE 2014 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 497/GDGSET.GP, DE 24 DE SETEMBRO DE 2014 Institui no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho o Termo Circunstanciado Administrativo (TCA). O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004. Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCU Nº 47, DE 27 DE OUTUBRO DE 2004 Estabelece normas de organização e apresentação de processos de tomada e prestação de contas. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Minuta de Decreto nº (XXX), de (dia) de (mês) de (ano).

Minuta de Decreto nº (XXX), de (dia) de (mês) de (ano). Minuta de Decreto nº (XXX), de (dia) de (mês) de (ano). Aprova o Regimento Interno das Juntas Administrativas de Recursos de Infrações- JARI (nome do prefeito municipal), Prefeito Municipal de (nome do

Leia mais

Controladoria-Geral da União Corregedoria-Geral da União Esplanada dos Ministérios, Bloco A, 2 Andar. Brasília-DF CEP: 70054-900 gabcrg@cgu.gov.

Controladoria-Geral da União Corregedoria-Geral da União Esplanada dos Ministérios, Bloco A, 2 Andar. Brasília-DF CEP: 70054-900 gabcrg@cgu.gov. Controladoria-Geral da União Corregedoria-Geral da União Esplanada dos Ministérios, Bloco A, 2 Andar. Brasília-DF CEP: 70054-900 gabcrg@cgu.gov.br JORGE HAGE SOBRINHO Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS

FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS FENAJ - Federação Nacional dos Jornalistas REGIMENTO INTERNO DAS COMISSÕES DE ÉTICA DOS SINDICATOS DOS JORNALISTAS RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2009 DE 05/05/2009 Título I - Do Regimento Art. 1º Este Regimento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

ANTEPROJETO DE REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL (Sob apreciação do MEC para fins de homologação) Título II Da estrutura

ANTEPROJETO DE REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL (Sob apreciação do MEC para fins de homologação) Título II Da estrutura ANTEPROJETO DE REGIMENTO GERAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL (Sob apreciação do MEC para fins de homologação) Art. 8º... Título II Da estrutura Capítulo I Do Conselho Universitário Seção I Da

Leia mais

"DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta "DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. NIRE nº 35.300.172.507 CNPJ/MF nº 61.486.650/0001-83 Companhia Aberta REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA ESTATUTÁRIO Este Regimento Interno dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

público da administração pública direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Estadual. (Vide art. 9º do Decreto nº 46.030, de 17/8/2011.

público da administração pública direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo Estadual. (Vide art. 9º do Decreto nº 46.030, de 17/8/2011. DECRETO 45851, DE 28/12/2011 DE 28/12/2011 (TEXTO ATUALIZADO) Regulamenta o estágio probatório e a avaliação especial de desempenho do servidor público civil ocupante de cargo de provimento efetivo em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 LEI Nº 17.976 /2014 Delibera sobre o Processo Administrativo Tributário da Secretaria de Finanças e altera dispositivos da Lei nº 15.563, de 27 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992. Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015

RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 RESOLUÇÃO N. TC-0109/2015 Dispõe sobre o procedimento de reconstituição e restauração dos autos de processos do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90 LEI 8.112/90 Art. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I - a nacionalidade brasileira; II - o gozo dos direitos políticos; III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Superintendência da Zona Franca de Manaus Corregedoria CORREGEDORIA ORIENTAÇÕES

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR Superintendência da Zona Franca de Manaus Corregedoria CORREGEDORIA ORIENTAÇÕES CORREGEDORIA ORIENTAÇÕES OUTUBRO/2012 Superintendente da Zona Franca de Manaus Thomaz Afonso Queiroz Nogueira Corregedor Newton Cardoso Nagato Corregedora Substituta Maria do Carmo Oliveira Garcia ÍNDICE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º Este Regimento tem como finalidade regulamentar

Leia mais

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal.

Objetivo das definições: conferir contornos à RFB, definindo o papel do órgão e a sua inserção na Administração Pública Federal. LEI ORGÂNICA DA RFB Definição: Trata-se de projeto de lei com a finalidade de regulamentar o disposto no art. 50 da Lei nº 11.457, que criou a Receita Federal do Brasil, englobando as atividades da extinta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. APROVA A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E OS PROCEDIMENTOS DE ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA JURÍDICA DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 33/2014 Institui o Sistema Integrado de Patrimônio e Administração e Contratos (SIPAC) no âmbito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

INDICE 1 APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES...2

INDICE 1 APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES...2 INDICE 1 APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES...2 1-1 DO PROCESSO ADMINISTRATIVO...2 1-2 - DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR RITO SUMÁRIO...2 1-3 INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS...3 1-4 - DA PRORROGAÇÃO DO PRAZO...4

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

ESTATUTO DISCIPLINAR DOS EMPREGADOS PÚBLICOS DA SERCOMTEL S.A. TELECOMUNICAÇÕES

ESTATUTO DISCIPLINAR DOS EMPREGADOS PÚBLICOS DA SERCOMTEL S.A. TELECOMUNICAÇÕES ESTATUTO DISCIPLINAR DOS EMPREGADOS PÚBLICOS DA SERCOMTEL S.A. TELECOMUNICAÇÕES Titulo I Do Regime Disciplinar Capítulo I Dos Deveres Art. 1º. São deveres do empregado da Sercomtel: I - exercer com zelo

Leia mais

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007

MODELO. Anteprojeto de lei para criação do Conselho Municipal do FUNDEB. Lei Municipal nº, de de de 2007 MODELO O conteúdo do Anteprojeto de Lei abaixo apresentado representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, inciso I, da

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Instala a Comissão de Mediação, Conciliação e Arbitragem da Superintendência Nacional de

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA.

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. DECRETO 44932 2008 Data: 30/10/2008 Origem: EXECUTIVO Ementa: DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - ESP-MG. Relevância LEGISLAÇÃO BÁSICA : Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO N 46, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008 Dispõe sobre a designação de Juízes Federais para acompanhar as correições realizadas pela Corregedoria- Geral. O Corregedor-Geral da Justiça

Leia mais

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA:

CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMENTÁRIOS DA PROVA Questões da prova de Oficial de Justiça PJ-H/2014 Questão 48 (art. 325) Questão 47 (art. 312 parágrafo segundo) QUESTÃO 48 - GABARITO: D QUESTÃO 47 - GABARITO: C CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral da União

Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral da União ANEXO I DA PORTARIA Nº 293, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 (Alterado pela Portaria 147 de 31/01/2011). Procedimentos referentes ao Gerenciamento do Sistema CGU-PAD a serem adotados no âmbito da Corregedoria-Geral

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Boa Vista, 14 de abril de 2015 Diário da Justiça Eletrônico ANO XVIII - EDIÇÃO 5487 242/249 Expediente de 13/04/2015 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre a aprovação do Regimento

Leia mais

Previdenciária Du Pont do Brasil

Previdenciária Du Pont do Brasil Estatuto da Sociedade Previdenciária Du Pont do Brasil Julho de 2014 Estatuto Duprev 1 Julho 2014 Estatuto Duprev Estatuto da sociedade PrEvidEnciária du Pont do Brasil Julho de 2014 Estatuto duprev 3

Leia mais

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS

ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS ERRATA SEPLAG/ SEDF PROFESSOR DE EDUCAÇÃO BÁSICA E ORIENTADOR EDUCACIONAL NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO AUTOR: IVAN LUCAS Na página 115, onde se lê: 31. Pelo menos cinquenta por cento dos cargos em

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

Processo Administrativo Disciplinar

Processo Administrativo Disciplinar Processo Administrativo Disciplinar O Processo Administrativo Disciplinar é o meio de que dispõe a Administração Pública para apuração de responsabilidade de servidor público. No âmbito do Estado da Bahia,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Dispõe sobre a criação, a organização e as atribuições da Ouvidoria do Ministério Público Federal. O Presidente da República, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

STJD para eventos LNB

STJD para eventos LNB SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA DESPORTIVA CAPÍTULO I DA JURISDIÇÃO E ESTRUTURA Art. 1º. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva da STJD para eventos LNB, com sede em São Paulo SP, é órgão da Justiça Desportiva,

Leia mais

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999

Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CORREGEDORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Lei Nº 10.294, de 20 de abril de 1999 Dispõe sobre proteção e defesa do usuário do serviço público do Estado de São Paulo e dá outras

Leia mais

INDICE 1 - APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES...3

INDICE 1 - APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES...3 INDICE 1 - APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES...3 1-1 - DO PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR...3 1-2 - DA INSTAURAÇÃO...4 1-3 - DO AFASTAMENTO DO SERVIDOR ENVOLVIDO...4 1-4 - DO INCIDENTE DE SANIDADE MENTAL...4

Leia mais