O ILUSTRE DECONHECIDO FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL (FCDF) E SUA REPERCUSSÃO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA BÁSICA NO DF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ILUSTRE DECONHECIDO FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL (FCDF) E SUA REPERCUSSÃO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA BÁSICA NO DF"

Transcrição

1 O ILUSTRE DECONHECIDO FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL (FCDF) E SUA REPERCUSSÃO NA EDUCAÇÃO PÚBLICA BÁSICA NO DF SILVA, Francisco José EIXO: Políticas Públicas e Gestão Educacional/ n.11 Agência Financiadora: CNPq e SEDF Introdução A discussão sobre Fundos Públicos para educação ao longo da década de 90 e início do novo século tem se concentrado sobre o Fundef e o Fundeb, ambos de abrangência nacional. No entanto, existe também um Fundo que se limita a transferir recursos para o Distrito Federal, o Fundo Constitucional do Distrito Federal, previsto na Constituição Federal de 1988 e aprovado em 2002, o qual é objeto de análise desta pesquisa. Apresentar-se-á os marcos legais do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF) e as suas conseqüências no que se refere ao (des)cumprimento do artigo 212 da Constituição Federal (CF/88) no DF. O FCDF já estava previsto no inciso XIV do artigo 21 da CF/88 e foi aprovado por intermédio da Lei /02. Esta lei, além de reforçar a canalização de recursos para a área de segurança, coloca a educação e a saúde [de forma explícita] como áreas assistidas. Os recursos do Fundo são usados, prioritariamente, para pagamento de pessoal, e a educação, apesar de não ser a razão de existir do Fundo, no ano de 2008, provavelmente ficará com mais de 1/3 das verbas deste item de custo. Na verdade, toda a área de segurança (polícia civil, polícia militar e corpo de bombeiros) receberá pouca mais 50%; mas se esta área for desagregada, ter-seá o seguinte: polícia civil (20,86%); polícia militar (21,01%); corpo de bombeiros militar (9,29%). Ainda que a rede pública de educação tenha número de profissionais bem superior a todas as outras, não se pode desconsiderar esse privilégio, até porque a razão de ser do Fundo é a área de segurança, e não a educação. Mas o termo privilégio, conforme a abordagem neste trabalho, é considerado às avessas, na medida em que a metodologia de cálculo da Secretaria de Fazenda do DF considera os aportes do Fundo como receita e como despesa, mas ao mesmo tempo

2 2 deixa de aplicar 25% da receita de impostos próprios na educação básica pública. Enfim, ao utilizar o FCDF para atingir o percentual que deve ser aplicado na educação pública, o DF passa a descumprir a CF/88, segundo a metodologia de cálculo aqui adotada, a qual não considera os aportes de verbas do Fundo Constitucional para o cumprimento do percentual mínimo de receita de impostos que deve ser aplicado na educação básica. Em síntese: a metodologia de cálculo da Secretaria de Fazenda, adotada no período de 2002 a 2006, é tida nesse trabalho como equivocada e prejudicial à educação pública na capital da república, principalmente a longo prazo. Importante registrar que o período em análise é o de 2002 a 2006, mas com o orçamento sendo executado no ano subseqüente. Isso significa que os registros de 2006 estão sendo executados (ou não) nesse ano de Breve apresentação da educação no DF e do Fundo Constitucional O Distrito Federal acumula as funções de estado e município. No âmbito da educação, isso tem conseqüências. O Fundef, por exemplo, considerado uma das mais importantes Fundos da década de 90, teve efeito basicamente nulo na capital federal, tendo em vista pelo menos três fatores: a) a Secretaria de Estado de Educação, órgão responsável pelo sistema de ensino, sempre assumiu todas as etapas e modalidades de ensino da educação básica, tornando nula a importante e complexa discussão e prática da municipalização; b) a obrigatoriedade de canalizar 60%, no mínimo, do que estabelece o Fundef para os profissionais do magistério do ensino fundamental já era cumprida devido ao elevado número de professores atuantes neste nível de ensino; c) o custo/aluno/ano no DF sempre ficou bem acima do valor mínimo por aluno/aluno/ano. Dessa forma, enquanto alguns entes federados, em especial do Norte e Nordeste, foram influenciados pelo Fundef, no DF, nada aconteceu a esse respeito. Quanto ao Fundeb, ainda é cedo para afirmações mais precisas, mas, ao que tudo indica, o mesmo poderá ter um resultado positivo no âmbito da educação infantil. Talvez esse impacto se deva mais ao limitado número de matrículas, efetivamente públicas, do que propriamente pela força do Fundo. Apenas para ilustrar a situação da capital federal a esse respeito, havia em 2006 pouco mais de 600 matrículas em creches públicas. Além disso, a legislação referente o novo Fundo permite a transferência de verbas de receita de impostos para as comunitárias, o que seguramente resultará em ampliação de matrículas não-públicas nestes espaços. Enfim, no DF, é provável que a

3 3 pressão seja pela educação infantil e não pelo ensino médio como em grande parte dos entes federados. As fontes de recursos aplicadas nas escolas públicas do Distrito Federal, de maneira geral, são as seguintes: a) verbas de receita de impostos (arrecadação própria e transferências da União por repartição); b) verbas provenientes do Fundo Constitucional do Distrito Federal, previsto na Constituição Federal (também um tipo específico de transferência da União); c) verbas provenientes do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), na forma de vários programas, tais como Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), Programa Nacional de Merenda Escolar (PNME); Programa Nacional de Transporte Escolar e outros; d) verbas do salário-educação (cota distrital = cota estadual + municipal). Tratar-se-á das duas primeiras, no caso as verbas de receita de impostos e as do FCDF. Mas por que esse Fundo existe? Qual a sua base legal? É o que será apresentado a seguir. O FCDF consta na constituição federal de Mas, atente-se que não estava no texto aprovado em A inserção do tal Fundo é inserida por intermédio da Emenda Constitucional n.º 19 de O inciso XIV do artigo 21 da Carta Magna, de fato, não registrava a expressão fundo próprio, como se pode inferir do texto na íntegra: organizar e manter a polícia federal, a polícia rodoviária e a ferroviária federais, bem como a polícia civil, a polícia militar e o corpo de bombeiros militar do Distrito Federal e dos Territórios (inciso XIV do art. 21, aprovado em 1988). Vale registrar também duas observações: a) primeiro, a educação não constava nem de forma indireta no texto; b) parte da área de segurança do DF (as polícias civil e militar e o corpo de bombeiros) estava junta dos seus pares nos territórios (polícias federal, rodoviária e ferroviária). Bem, de qualquer forma, a ênfase na área de segurança é inquestionável. Por isso a afirmação de que a razão do Fundo é a segurança pública, e não a educação ou quaisquer outras áreas sociais. Mas por que se fala tanto, embora em círculos restritíssimos (em geral na burocracia do DF, no Congresso Nacional e em alguns sindicatos e meios acadêmicos), que o Fundo já constava na Constituição Federal? Por que, conforme em outros exemplos a emenda constitucional é tida com algo que sempre esteve na Constituição, o que é um problema no que tange à própria essência original do texto. Mas esta é outra discussão, a qual não será tratada aqui. Por enquanto, basta frisar que o tal Fundo Constitucional do Distrito Federal não constava, apenas consta. O argumento de que sempre esteve presente na Constituição Cidadã, simplesmente não se sustenta numa.

4 4 Mesmo a Emenda Constitucional n.º 19 de 1998 não inclui de forma direta e na letra da lei o tal Fundo Constitucional. A Emenda n.º 19 de 1998 insere a expressão fundo próprio no novo e válido até hoje inciso XIV do artigo 21 da Constituição que está em vigor. Eis o que o mesmo estabelece como sendo obrigação da União: organizar e manter a polícia civil, a polícia militar e o corpo de bombeiros militar do Distrito Federal, bem como prestar assistência financeira ao Distrito Federal para a execução de serviços públicos, por meio de fundo próprio. A expressão fundo próprio poderia ser substituída por fundo próprio do DF, na medida em que do texto original são retirados todos os elementos que estão fora do Distrito Federal, tais como as policiais federal, rodoviária, ferroviária, bem como os funcionários da segurança dos antigos territórios. Aliás, estes foram também beneficiados por outro Fundo, o qual, obviamente, não terá tratado aqui. Outro detalhe da letra da lei é que a expressão assistência financeira, o que significa a indicação do que seria secundário, refere-se a serviços públicos de forma geral, o que na Lei do Fundo que será apresentada a seguir já é explicitado como sendo a saúde e educação. Pois bem, a EC 19/98 inscreve de forma explícita a obrigatoriedade de um fundo próprio, o qual seria criado 4 anos depois, não sem muita polêmica, principalmente em função do DF, depois de 1988, receber e controlar os seus impostos e transferências, tendo em vista que se tornou ente federado desde então. Enfim, no final de 2002, é aprovada a Lei Ordinária Federal /02, com base no novo artigo 21, inciso XIV da Constituição Federal. Já no seu art. 1º, é dito a que veio o Fundo: Fica instituído o Fundo Constitucional do Distrito Federal FCDF, de natureza contábil, com a finalidade de prover os recursos necessários à organização e manutenção da polícia civil, da polícia militar e do corpo de bombeiros militar do Distrito Federal, bem como assistência financeira para execução de serviços públicos de saúde e educação, conforme disposto no inciso XIV do art. 21 da Constituição Federal. A lei mantém a área de segurança como razão de ser, mas especifica a expressão, antes genérica, assistência financeira ; os serviços públicos que devem receber a tal assistência são: saúde e educação. O fato é que, além dos repasses por repartição de recursos que todos os entes federados fazem jus, o DF passa a receber mais um. Sim, pois o Fundo constitucional é também um tipo de transferência da União, só que, nesse caso, apenas para um ente federado. E não se trata de qualquer aporte de recursos. O FCDF para o ano de 2008

5 5 está orçado em mais de 7 bilhões de reais e que tendem a aumentar ao longo dos anos. Os aportes do Fundo aumentam de acordo com o aumento da receita corrente liquida (RCL), o qual ultrapassou 100% entre 2002 e A existência do FCDF no e para o DF, mais do que quaisquer outras peculiaridades da capital, é talvez a mais marcante, embora ainda desconhecida do público em geral, inclusive no DF. Fundo Constitucional: privilégio para a educação? Segundo a Lei do Fundo, a sua finalidade é prover os recursos necessários à organização e manutenção da polícia civil, militar e corpo de bombeiros (inciso XIV do art. 21 da CF88, já com a modificação da EC. 19/98). Mas como esse Fundo tem sido (re)distribuído entre as áreas sócias do DF? Ao analisar as transferências reais, é impossível desconsiderar o montante de verbas que tem beneficiado a educação, no período de 2002 a Conforme as projeções de gasto para o ano de 2008, o item pessoal ativo da educação, por exemplo, recebe 32% do total. A área de segurança pública, com as suas três carreiras (polícia civil, militar e corpo de bombeiros) e outras estruturas, recebe pouco mais que metade do montante. Esses números já mostram a significativa participação da educação, no que se refere ao recebimento dos recursos do FCDF. Gráfico 1 - Pessoal ativo (FCDF/2008) Educação 32% Segurança 51% Saúde 17%

6 6 Porém, se a área de segurança for desagregada, o pessoal ativo da área de educação supera todos os outros, já que os percentuais seriam os seguintes: polícia civil (21%); polícia militar (21%); e bombeiros militar (9%), conforme gráfico a seguir: Gráfico 2 - Pessoal ativo desagregado (FCDF/2008) Educação 32% Polícia Civil 21% Polícia Militar 21% Saúde 17% Corpo de Bombeiros 9% Se considerarmos o gasto com pessoal inativo, a vantagem para educação aumenta, uma vez que a mesma atinge o percentual de 39%, muito próximo aos 40% que são resultado da soma de todos os inativos da segurança (policiais militares, policiais civis e bombeiros). Ou seja, no que tange aos trabalhadores aposentados, a educação está em empate técnico com as carreiras da área de segurança, que, por sua vez, vale frisar, representam a razão de ser do Fundo Constitucional do DF.

7 7 Gráfico 3 - Pessoal inativo (FCDF/2008) Educação 39% Segurança 40% Saúde 21% No que tange aos impostos do Distrito Federal próprio do DF, assim como em outros entes federados, o ICMS é o imposto mais significativo, sendo responsável, em média, por 60,53%, no período de 2002 a 2006, o que significa que todos os outros (IPVA, ITCD, IPTU, ISS ITBI, IRRFDF) são responsáveis, também em média, por 40%. Gráfico 4 - ICMS e outros impostos próprios ( ) ICMS 60,53% Outros impostos 39,47% Em relação ao que a União transfere, mais uma vez a importância do Fundo Constitucional, também considerado um tipo de transferência constitucional, pode ser comprovada. A transferência por repartição de receita de impostos (FPE, FPM, IPI-Exp

8 8 e Lei Kandir 86/97) é responsável por apenas 18,26% do que é transferido. O restante fica por conta do FCDF. Ou seja, mais de 80% das transferências constitucionais se devem ao Fundo, no período de 2002 a Percebe-se a partir de 2004 o aumento dessa participação, sendo de 15,83% o percentual de repasses por repartição de impostos contra 27,44% do ano anterior. Essa tendência de queda continua até 2006, quando atinge o percentual de 15,41%. Neste ano, então, 85% das transferências da União foram realizadas pelo FCDF. Gráfico 5 - Transferências da União p/ DF ( ) FCDF 81,74% Repartição recurso 18,26% O Fundo Constitucional ganha ainda mais importância e destaque quando fica constatado que o mesmo, de 2002 a 2006, tem um aumento de 104,78%, enquanto as outras transferências crescem apenas 39,28%. Em valores monetários, isso significa a passagem de 856 milhões em 2002 (para ser executado em 2003) para mais de 1,7 bilhão em Ao agregar todos os impostos arrecadados no DF (ICMS e todos os demais) e as transferências da União (repartição de receitas mais o FCDF) e compará-los, verifica-se que os primeiros respondem, no período em estudo, a 73,33% em média. Portanto, as transferências da União não atingem, sequer, 1/3 de 2002 a 2006, o que significa que, do total de receita de impostos, o GDF supera, e muito, o total de transferências da União, nesse caso as referentes à repartição por receita de impostos somada à parte do FCDF que é canalizada para educação. Atente-se que os valores e percentuais mostrados são referentes a 25% dos impostos arrecadados no DF e das transferências.

9 9 Gráfico 6 - Participção dos impostos do DF e transferências ( ) Imposto DF 73,33% Transferências 26,67% Como será mostrado no próximo tópico, contudo, essa importância do DF em arrecadar não se materializa, necessariamente, em mais aplicação de verbas na educação; pelo contrário, o resultado, segundo a interpretação aqui feita, é que sequer o Governo do Distrito Federal aplicou, no período em estudo, o que estabelece o artigo 212 da Constituição Federal, quanto mais os percentuais alegados pelo governo da época, no caso os percentuais acima de 30%, conforme será mostrado a seguir. O Fundo Constitucional beneficia o DF? Não necessariamente! Embora seja contraditório, o fato da educação do DF ser contemplada com um montante significativo de verbas do FCDF não resulta, necessariamente, em benefícios. Por quê? Porque a Secretaria de Fazenda do Distrito Federal adotou uma metodologia de cálculo a qual inclui como receita e como despesa em MDE os recursos oriundos do Fundo Constitucional. Além disso, inclui nesse montante a aposentadoria dos inativos. No período de 2002 a 2005, o Governo do Distrito Federal alega, comprova (contabilmente) e aprova junto ao Tribunal de Contas do Distrito Federal (as contas de 2006 não foram aprovadas ainda) despesas com educação básica pública de mais de 32,43% em média. Isso seria mais que suficiente para cumprir o artigo 212 da

10 10 Constituição Federal. Aliás, poderia até ser considerado um indicativo para ampliar o percentual na Leio Orgânica do DF que, desde a sua promulgação se limitou aos mínimos constitucionais para a educação. É poderia, mas, na verdade factual, não pode, conforme será mostrado. De qualquer os percentuais são bastante significativos quando se considera os aportes do FCDF, conforme mostra a tabela 1. Tabela 1 - Evolução da receita e despesa do DF com FCDF ( Ano Receita (Imp.DF + transf.união) 25% (art. 212) Despesas em MDE* % "realizado" 2002 R$ , ,34 R$ ,22 32,55% 2003 R$ , ,10 R$ ,84 32,63% 2004 R$ , ,26 R$ ,20 31,26% 2005 R$ , ,40 R$ ,00 30,83% 2006 R$ , ,12 R$ ,11 32,31% Média 32,43% Fonte: Secretaria de Fazendo do DF * despesas considerando aquelas realizadas com as fontes impostos próprios e transferências da União (incluindo o FCDF) Contudo, nesse mesmo período, sem os aportes do Fundo Constitucional, ou seja, considerando apenas os impostos arrecadados (ICMS, IPVA, ITCD, IPTU, ISS ITBI e IRRFDF) e as transferências por repartição da União (FPE, FPM, IPI-Exp e Lei Kandir 86/97), a média cai vertiginosamente para 15,21%, sendo que no ano de 2004 o percentual atinge apenas 11,11%. Tabela 2 - Evolução da receita e despesa do DF sem FCDF ( ) Ano Receita (Imp.DF + tranf repart) 25% (art. 212) Despesas em MDE* % "realizado" 2002 R$ ,37 R$ ,09 R$ ,01 16,42% 2003 R$ ,34 R$ ,34 R$ ,80 17,50% 2004 R$ ,06 R$ ,02 R$ ,60 11,11% 2005 R$ ,80 R$ ,20 R$ ,70 12,94% 2006 R$ ,34 R$ ,34 R$ ,08 14,00% Média 15,21% Fonte: Secretaria de Fazendo do DF e Melo * Foram consideradas apenas as despesas cobertas com fontes impostos do DF e transferências por repartição (não inclui o FCDF). Na verdade, considerando que, em todos os anos, o maior percentual foi de 17,5% (2003), o DF estaria em desacordo com a lei, mesmo que tivesse a prerrogativa que não tem, é bom frisar de aplicar apenas o percentual de 18% de receita de impostos que a União é obrigada a aplicar na manutenção e desenvolvimento da educação pública. A diferença entre o que deveria ser aplicado em MDE no DF e não foi é de 2,4 bilhões de reais de verbas de receita de impostos, no período de 2002 a

11 A média do período é impressionante: 460 milhões. Ou seja, quase meio milhão de reais não aplicados na manutenção e desenvolvimento da educação pública, conforme estabelece a legislação em vigor. Vale ressaltar que os valores não aplicados passaram de menos de 300 milhões, em 2003, para mais de 600 milhões em 2004, mantendo tendência de alta até 2006, ano em que a diferença, a menor, entre o que o foi aplicado e o que deveria ser aplicado fica em torno de 650 milhões. Em síntese, conforme já dito, no período, os valores não aplicados, de acordo com a interpretação adotada nessa pesquisa, o GDF deixou de aplicar 2,4 bilhões de reais na educação pública. Caso se faça uma projeção com base nos valores aplicados em 2006, nos cinco subseqüentes anos, ou seja, de 2008 a 2012, o prejuízo será de 3,25 bilhões de reais não aplicados na educação pública e em descumprimento ao artigo 212 da Constituição Federal. Fica claro e transparente que os percentuais aplicados em educação, literalmente, despencam sem os aportes de recursos do FCDF e colocam o Governo do Distrito Federal (GDF) no rol de entes federados que descumprem o que estabelece a Constituição Federal de 1988 para a educação básica [pública]. Os percentuais aplicados com e sem os aportes do Fundo são mostrados no gráfico a seguir: Gráfico 7 - Aplicação com e sem FCDF ( ) 35,00% 32,43% 30,00% 25,00% 20,00% 15,00% 15,21% 10,00% 5,00% 0,00% Com FCDF Sem FCDF Por que ir além da proposta de extinção do Fundo?

12 12 Diferente das vozes que defendem a extinção do Fundo Constitucional, talvez seja interessante mudar o foco para um problema mais grave: a falta de conhecimento e controle público ou social sobre o Fundo. Não se trata de negar que o FCDF ajuda no custeio da máquina administrativa do DF, e sim de, conforme já afirmado, apenas de mudar o foco do debate. Antes de quaisquer elucubrações, vale registrar que o Fundo é desconhecido até mesmo no DF, e por isso não sofre fiscalização e a devida pressão que merece por parte da sociedade civil e de instituições outras do poder público. Isso tem comprometido uma melhor avaliação dos resultados do Fundo. É fundamental que as ações deste Fundo sejam acompanhadas pela sociedade como um todo. O todo aqui caráter amplo, de forma que não se restringe apenas aos trabalhadores das principais áreas afetadas. O FCDF poderia ter sido espaço de mais uma experiência de participação democrática. Poderia, mas não foi. Poucas pessoas no âmbito da sociedade civil desorganizada, ou seja, na parte da sociedade que não está ligada a nenhuma entidade, associativa ou de classe, o Fundo é um ilustre desconhecido. Esse deveria ser o maior problema deste Fundo, e não a simplista e até oportunista proposta de extingui-lo, como o mundo real pudesse ser decidido de forma justa sem conflitos e pessoas reais que sofrem os efeitos de quaisquer decisões. Nesse sentido, a compreensão do conteúdo do Fundo Constitucional precisa ser, urgementemente, compreendido e influenciado por outras vozes. Não porque essas vozes sejam neutras e garantidoras de forma linear e a curto prazo do melhor uso social do Fundo e/ou mesmo da sua existência do mesmo, e sim devido a, simplesmente, serem vozes até então não escutadas e de sujeitos invisíveis e inexistentes no que se refere a esse significativo montante de verbas públicas que, hoje, são canalizadas para algumas áreas sociais da capital da república. Um aspecto que não pode esquecer na análise é que, em 2002, o Presidente da República vetou o artigo 5º da lei que tratava do Conselho de Acompanhamento e Controle Social (CACS) do Fundo. E é importante frisar que todos os incisos do artigo foram vetados, não apenas o V que garantia a presença da sociedade civil. Ou seja, os três representantes das entidades de classe, associações, conselhos profissionais e outras instituições de cada uma das áreas da segurança, saúde e educação (art. 5º, inciso V da Lei /02) foram vetados juntamente com as outras representações (poder executivo local, Ministério da Fazenda e Ministério Público do Distrito Federal). Os desdobramentos desse veto e os ajustamentos posteriores com vistas à participação

13 13 do GDF e dos ministérios citados mereceria também uma averiguação mais atenta, pois, não é razoável crer que esses órgãos públicos deixariam de acompanhar de forma bastante direta os movimentos desse Fundo. O contrário parece ter acontecido com a sociedade civil, tanto a organizada (sindicatos, associações de classe e outras) como a desorganizada (a população em geral). Mas para efeito desse artigo, vale apenas registrar que o desenho primário da lei contribuiu para um acompanhamento muito modesto diante da importância financeira e do significado de privilégio do Fundo Constitucional, o que, no mínimo, significa retrocesso no difícil caminho da democratização do Estado brasileiro e do Distrito Federal de forma especial. Dessa forma e diante dos significativos montantes de verbas do Fundo Constitucional, a discussão sobre o mesmo deveria ser focada não na sua extinção, e sim no seu controle e acompanhamento social, quem sabe com a participação de entidades e sujeitos de outros entes federados. Vale a pena também desenvolver breve abordagem acerca da suposta extinção do Fundo com base no já velho conhecido e pouco resolvido debate sobre igualdade. Ainda que não seja espaço e tempo de aprofundar essa discussão, vale sustentar que igualdade linear e irrestrita é, no mínimo, impossível. É bem verdade, que sustentar ou não se alguma relação ou realidade é justa ou igualitária dependerá da norma aceita para tal, conforme sustenta Bobbio (1994). O fato é que, sem a observância de tal norma aceita, é impossível considerar quaisquer realidades justas. Fora dessa consideração de normas que estabelecem o que seria ou não justo, a rigor, o que existiria seria o caos generalizado, primeiro na consciência e depois na realidade. Sim, pois, a igualdade de tratamento, levada às últimas conseqüências, ter-se-á que mudar outras formas específicas de transferência de recursos, seja da União ou entre os entes federados, e não apenas recursos canalizados para as áreas sociais, como é o caso do FCDF. Pode parecer, nesse momento, uma ponderação mesquinha e talvez seja mesmo- diante dos complexos desafios que se apresentam para a educação e as demais áreas sociais, mas seria necessário também correto (razoável) questionar o direito que alguns entes federados têm de receber os royalties do petróleo devido à instalação de plataformas da Petrobrás no seu espaço territorial ou mesmo o fato do ICMS ser recolhido na origem e não no destino. Imaginar algo diferente disso é, a depender do olhar, injusto, ou não! O que os moradores do município de Campos, no Estado do Rio de Janeiro, e de São Paulo diriam a respeito de mudanças a esse respeito? E os

14 14 tantos outros privilégios, alguns em forma de Fundos, que estão institucionalizados (exemplos: o Fundos Regionais; o Fundo que atende ou atendia ex-servidores dos extintos territórios)? Não cabe agora citar todas as formas de possíveis privilégios que um ou outro ente federado ou região tem ou teve direito em função de uma legislação, ou seja, em função da norma aceita ; e não cabe porque o termo privilégio exige análises que levem em conta outros fatores, e não apenas os montantes de verbas que são ou não canalizados num determinado espaço/tempo. Dessa forma e com base nessa postura, a discussão Fundo Constitucional do Distrito Federal não deveria ser feita de forma isolada de outros marcos legais e contextuais no e do cenário político, social e histórico do Brasil. É, portanto, extremamente simplista argumentar pela extinção do Fundo, embora isso tenha sido feito com base em argumentos, no mínimo, razoáveis. O principal argumento é o fato do Distrito Federal ter se tornado um ente federativo após a Constituição de Com esse status, claro, passou a recolher e ter autonomia sobre vários impostos. Outro argumento, este mais relacionado à realidade factual e social do país, é que, num país de redes públicas tão carentes, a existência de um Fundo para o DF seria uma afronta à miséria educacional que se vive em vários rincões deste pais. No entanto, esses argumentos, tendo em vista a falta de estudos sobre o FCDF, no que se refere ao processo histórico de beneficiamento das capitais em especial Rio de Janeiro e Brasília e a real origem e usos desses recursos, acabam por tornar o debate artificial e equivocado. Mais produtivo seria discuti-lo de forma articulada com o próprio modelo de financiamento da educação pública no país, incluído aí o debate sobre os sucessivos modelos econômicos adotados e também a questão do ensino superior federal, hoje custeado pelo governo federal. Considerações Finais: Uma primeira consideração a fazer sobre a educação pública no DF é a seguinte: se o GDF aplicasse, efetivamente, os 25% dos impostos arrecadados no DF mais as transferências da União por repartição de receitas de impostos em educação, os aportes substituiriam grande parte do montante aplicado hoje com a ajuda do Fundo Constitucional. Isso sugere que a reivindicação de quem sabe e tem poder para se manifestar deveria ser que o GDF cumprisse o preceito constitucional no que se refere à aplicação de verbas de receita de impostos na educação. Mas ao que tudo indica, ou

15 15 melhor, ao que as instituições do DF indicam, essa reivindicação não será tranqüila, tendo em vista que a metodologia adotada pela Secretaria de Fazenda, a qual inclui os aportes do Fundo Constitucional com receita e como despesa, parece ser ponto passivo ou, pelo menos, ainda pouco entendido e questionado no Distrito Federal. O próprio Tribunal de Contas do DF (TCDF), até 2005 (as contas de 2006 não foram aprovadas), aceitou a metodologia adotada, o que pode ter influenciado também a falta de questionamento por parte da Câmara Legislativa. Inclusive a não aceitação das contas de 2006 pelo TCDF tem a ver com a disputa com o Tribunal de Contas da União para saber quem fiscaliza os recursos do Fundo, e não necessariamente com a metodologia de cálculo adotada pela Secretaria de Fazenda. Outra consideração, na realidade, um questionamento é: para onde foi o montante de receita de impostos não aplicado em educação básica pública? Muito se falou que a verbas da educação teriam sido canalizadas para publicidade do governo, mas provas consistentes ainda não foram apresentadas; aliás, se foram, falta divulgá-las de forma ampla e irrestrita para a população do DF e do Brasil. E, por fim, a presente pesquisa conduz também à seguinte dúvida: o GDF teria aplicado 25% da sua receita de impostos na educação, no período de 1989 até 2001? A hipótese é que não, tendo em vista que, antes da existência do Fundo Constitucional a capital já recebia transferências da União. Teriam sido usadas para (des)cumprir o artigo 212 da Constituição Federal? Referências BOBBIO, Norberto. Dicionário de Política (verbete igualdade). Brasília: Editora UnB, BRASIL. Controladoria-Geral da União. Relatório de Auditoria/Prestação de Contas Anual (Fundo Constitucional do Distrito Federal). Relatório n.º Brasília, 30 de junho de 2006, 158p. Disponível em: Acesso: 23 de outuro de 2007, às 15h15. BRASIL. Fundo Constitucional do Distrito Federal. Lei /03. Diário Oficial da União de 30 de dezembro de DAVIES, Nicholas. Fundeb: a redenção da educação básica? Rio de Janeiro-Niterói. Edição do autor. Setembro de GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL/ Secretaria de Fazenda.Relatório de Atividades de 2006, 62p. Disponível em: Acesso em: 24 de outubro de 2007, às 13h43.

16 16 JÚNIOR, Luiz Tacca. Apresentação do relatório de cumprimento de metas do Distrito Federal e de gestão fiscal do poder executivo - referente ao 1º quadrimestre de 2007 (GDF/Secretaria de Fazenda). Audiência pública. Comissão de Economia, Orçamento e Finanças Câmara Legislativa do Distrito Federal. Brasília, 27 de junho de 2007, 13p. Disponível em: Acesso em: 24 de outbro de MELO, Austregésilo Ferreira de. Fundo Constitucional e Orçamento Próprio do Governo do Distrito Federal e as Despesas com Educação. Sindicato dos Professores do Distrito Federal. Brasília, 2006 (memo). MONLEVADE, João Antônio. Demonstrativo de MDE em 2005 no Distrito Federal. Setorial de Educação do Partido dos Trabalhos DF. Seminário de Educação. Brasília, 2006 (memo). TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL. Fundo Constitucional do Distrito Federal. Disponível me: Acesso em: 23 de outubro de 2007, às 17h20. TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL. Análise da manifestação da Secretaria de Fazenda do Distrito Federal. Processo 437/2003. Brasília, 20 de novembro de Disponível em: Acesso em: 24 de outubro de 2007.

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação

Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação Controle da Gestão Orçamentária e Financeira na Educação PROFESSORA: Iza Angélica Carvalho da Silva CONTROLE DO GASTO PÚBLICO Controle é a fiscalização e o acompanhamento de todos os atos e fatos da execução

Leia mais

O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO: ALGUNS PROBLEMAS E DESAFIOS

O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO: ALGUNS PROBLEMAS E DESAFIOS O FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO: ALGUNS PROBLEMAS E DESAFIOS Nicholas Davies, prof. da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ Junho de 2011 e-mail: nicholas@pq.cnpq.br

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159)

0046 - Transferência da Cota-Parte dos Estados e DF Exportadores na Arrecadação do IPI (CF, Art. 159) Programa 0903 - Operações Especiais: Transferências Constitucionais e as Decorrentes de Legislação Específica Número de Ações 22 0044 - Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal - FPE (CF,

Leia mais

O Fundeb: inovações no financiamento da educação básica pública. João Monlevade e Tatiana Britto

O Fundeb: inovações no financiamento da educação básica pública. João Monlevade e Tatiana Britto 60 Fundeb João Monlevade e Tatiana Britto O Fundeb: inovações no financiamento da educação básica pública O Congresso Nacional discute, desde 14 de junho de 2005, quando lhe foi encaminhada a Proposta

Leia mais

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches

Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 15 Metas do PNE para a educação e os impactos no seu financiamento: o Fundeb e as matrículas nas creches 1. Competências de Estados e Municípios e os investimentos em educação no País O sistema educacional

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DA EDUCAÇÂO MUNICIPIO DE ITAPEVA - SP SECRETARIA MUNICPAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO E FINANCIAMENTO

PLANO MUNICIPAL DA EDUCAÇÂO MUNICIPIO DE ITAPEVA - SP SECRETARIA MUNICPAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO E FINANCIAMENTO PLANO MUNICIPAL DA EDUCAÇÂO MUNICIPIO DE ITAPEVA - SP SECRETARIA MUNICPAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO E FINANCIAMENTO Gestão Democrática e participativa dos Conselhos Municipais Desde a Constituição de 1988, no

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES REGIONAIS: OS IMPACTOS FISCAIS DO FUNDEF

EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES REGIONAIS: OS IMPACTOS FISCAIS DO FUNDEF EDUCAÇÃO E DESIGUALDADES REGIONAIS: OS IMPACTOS FISCAIS DO FUNDEF Esta monografia esta concorrendo ao VII Prêmio Tesouro Nacional no Tema (2.4) Tópicos Especiais de Finanças Públicas OUTUBRO 2002 SUMÁRIO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 17/2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO DOS RECURSOS QUE COMPÕEM O FUNDEB E DAQUELES DESTINADOS À MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Goiânia, 18 de junho de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 1 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº

Leia mais

Cristiane P. Melo Francisco c. Borges José Norberto Sousa Lopes Teresinha Minelli Rodrigo Julio Rodolfo Araujo

Cristiane P. Melo Francisco c. Borges José Norberto Sousa Lopes Teresinha Minelli Rodrigo Julio Rodolfo Araujo Teresinha Cristiane P. Melo Francisco c. Borges José Norberto Sousa Lopes Teresinha Minelli Rodrigo Julio Rodolfo Araujo O QUE QUER DIZER A SIGLA FUNDEF? Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 53/2006 FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO (FUNDEB) Ary Jorge Advogado

Leia mais

3.1. O financiamento da educação básica: limites e possibilidades João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG L.F.

3.1. O financiamento da educação básica: limites e possibilidades João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG L.F. 3.1. O financiamento da educação básica: limites e possibilidades João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG L.F. Dourado - UFG A temática do financiamento da educação tem assumido importante

Leia mais

4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL

4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL 4.3 FUNDO CONSTITUCIONAL DO DISTRITO FEDERAL O Distrito Federal, em face de suas peculiaridades, depende, desde sua criação, de repasses da União para manutenção das áreas de segurança, educação e saúde

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

EIXO VII Financiamento da Educação, Gestão, Transparência e Controle Social dos Recursos O financiamento da educação é elemento estruturante para a

EIXO VII Financiamento da Educação, Gestão, Transparência e Controle Social dos Recursos O financiamento da educação é elemento estruturante para a EIXO VII Financiamento da Educação, Gestão, Transparência e Controle Social dos Recursos O financiamento da educação é elemento estruturante para a organização e o funcionamento das políticas públicas

Leia mais

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF

Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Execução e controle das despesas com pessoal conforme as regras da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF Amigos concursandos! Desejo a todos muita paz, tranqüilidade e que seus objetivos estejam caminhando

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO, GESTÃO, TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS RECURSOS

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO, GESTÃO, TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS RECURSOS EIXO VII FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO, GESTÃO, TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL DOS RECURSOS DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO O financiamento da educação é elemento estruturante para a organização e o funcionamento

Leia mais

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB

Fundo Especiais. Fundos Especiais. Fundos Especiais Lei Federal nº 4.320/64. Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Fundo Especiais Fundo Municipal de Educação e FUNDEB Facilitador : Toribio Nogueira de Carvalho Contador, Pós-Graduado em Contabilidade Pública Fundos Especiais Organização e estrutura de mecanismo financeiro,

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

Daniele Regina dos Santos/2014 2

Daniele Regina dos Santos/2014 2 Daniele Regina dos Santos/2014 2 O ORÇAMENTO Em 1215, a Magna Carta outorgada pelo Rei João Sem- Terra, pôs fim à instituição e cobrança indiscriminadas de impostos na Inglaterra, bem como à destinação

Leia mais

FUNDEB EM TERESINA (2006 2009): VALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL?

FUNDEB EM TERESINA (2006 2009): VALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL? FUNDEB EM TERESINA (2006 2009): VALORIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL? Dailane Esmeriana Rodrigues RESUMO O presente texto teve por objetivo analisar como o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da

Leia mais

O CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS MÍNIMOS DE GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE

O CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS MÍNIMOS DE GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE O CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS MÍNIMOS DE GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE Amauri Ramos de Campos 1 Cleiton Fernandes Guimarães 2 Edson Rodrigues da silva 3 MirivanCarneiro Rios 4 RESUMO: O presente

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Confederação Nacional dos Trabalhadores

Leia mais

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores,

Prezadas Senadoras, Prezados Senadores, Carta 035/ 2015 Brasília, 12 de maio de 2015 Carta Aberta da Undime às Senadoras e aos Senadores integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal referente ao PLS 532/ 2009

Leia mais

Metodologia de Cálculo da Receita

Metodologia de Cálculo da Receita Metodologia de Cálculo da Receita A elaboração da presente memória de cálculo destina-se ao esclarecimento da metodologia utilizada para a obtenção dos valores previstos na formação das principais receitas,

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO

ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO ESTUDOS FISCAIS: ESTIMATIVAS DA PARTICIPAÇÃO DOS ENTES DA FEDERAÇÃO NO BOLO TRIBUTÁRIO Estimativas preliminares realizadas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que ainda podem ser alteradas

Leia mais

Crise dos Municípios

Crise dos Municípios Crise dos Municípios Crise Desde a promulgação da Constituição Federal em 1988, quando os Municípios foram elevados a condição de entes federados autônomos ocorre uma constante descentralização da execução

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Pacajá DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA NO BIMESTRE

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ

RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ RPPS SERVIDORES PÚBLICOS DO PARANÁ NATUREZA JURÍDICA ESTRUTURA FINANCIAMENTO SERVIDRES ABRANGIDOS DESAFIOS 1 História da Previdência Surge no dia que as pessoas começam a acumular para o futuro, para o

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITAS

REPARTIÇÃO DE RECEITAS PREPARATÓRIO RIO EXAME DA OAB 5ª PARTE REPARTIÇÃO DE RECEITAS Prof. JOSÉ HABLE www.josehable.adv.br johable@gmail.com A CF/88, ainda, define a repartição de receitas tributárias rias e a sua vinculação

Leia mais

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Governo do Distrito Federal - GDF Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP Transferências voluntárias:

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como "primeira etapa da educação básica" (artigo 29) e delega a ela a finalidade

Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como primeira etapa da educação básica (artigo 29) e delega a ela a finalidade Lei de Diretrizes e Bases 9.394/96(LDB) define a Educação Infantil como "primeira etapa da educação básica" (artigo 29) e delega a ela a finalidade de "desenvolvimento integral da criança até seis anos

Leia mais

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato

Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato 1 Cenário financeiro dos Municípios brasileiros em final de mandato Estudos Técnicos CNM Introdução Em decorrência da surpresa dos dirigentes municipais com a atual dificuldade financeira vivida pelos

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

EIXO VII. Financiamento da Educação, Gestão, Transparência e Controle Social dos Recursos

EIXO VII. Financiamento da Educação, Gestão, Transparência e Controle Social dos Recursos EIXO VII Formatado: Esquerda: 1 cm, Direita: 1,5 cm, Superior: 0,5 cm, Inferior: 0,75 cm, Largura: 29,7 cm, Altura: 21 cm Financiamento da Educação, Gestão, Transparência e Controle Social dos Recursos

Leia mais

Edição Número 243 de 20/12/2006

Edição Número 243 de 20/12/2006 Atos do Congresso Nacional Edição Número 243 de 20/12/2006 EMENDA CONSTITUCIONAL N o 53 Dá nova redação aos arts. 7º, 23, 30, 206, 208, 211 e 212 da Constituição Federal e ao art. 60 do Ato das Disposições

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Altera dispositivos da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012 que Regulamenta o 3 o do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a

Leia mais

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras?

Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Qual o valor que os prefeitos devem repassar às câmaras? Algumas pessoas têm me procurado sobre dúvidas quanto aos repasses feitos pelas prefeituras às câmaras. Em regra, queixam-se que os valores transferidos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

O FUNDEF E AS ESCOLAS COMUNITÁRIAS, FILANTRÓPICAS, CONFESSIONAIS E DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

O FUNDEF E AS ESCOLAS COMUNITÁRIAS, FILANTRÓPICAS, CONFESSIONAIS E DE EDUCAÇÃO ESPECIAL O FUNDEF E AS ESCOLAS COMUNITÁRIAS, FILANTRÓPICAS, CONFESSIONAIS E DE EDUCAÇÃO ESPECIAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Bens Culturais, Diversões e Espetáculos

Leia mais

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014;

- Art. 9º-B da Lei nº 11.350/2006, inserido pelo art. 1º da Lei 12.994/2014; PARECER Nº 01/2014 SOLICITANTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA SEURIDADE SOCIAL CNTSS OBJETO: Vetos Presidenciais à Lei 12.994/2014, que institui piso salarial profissional nacional e diretrizes

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada PROCESSO: 716941 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ÚLTIMO BITENCOURT DE FREITAS PROCEDÊNCIA: PREFEITURA MUNICIPAL DE MONTE ALEGRE DE MINAS ASSUNTO: CONSULTA QUANTO À LEGALIDADE DE REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 Solicitação de Trabalho nº 252/2014 CONOF Solicitante: Deputado Pauderney Avelino ESTUDO TÉCNICO Nº 4/2014 ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS SOBRE A INCLUSÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR COMO DESPESA DE MANUTENÇÃO

Leia mais

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Lei Complementar 141/12 Regulamentação da EC 29/00 CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Regulamenta: 1. Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

A fiscalização pelos Tribunais de

A fiscalização pelos Tribunais de DOI 10.5216/ia.v35i2.12676 A fiscalização pelos Tribunais de Contas de Goiás das receitas e despesas vinculadas à educação* Nicholas Davies, da Universidade Federal Fluminense Resumo: O artigo examinou,

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

MUDANÇAS NOS MARCOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO DE 2003 A 2010: UMA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E NA LDB

MUDANÇAS NOS MARCOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO DE 2003 A 2010: UMA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E NA LDB MUDANÇAS NOS MARCOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA NO PERÍODO DE 2003 A 2010: UMA ANÁLISE DAS ALTERAÇÕES NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL E NA LDB Marcelo Soares Pereira da Silva - Universidade Federal de

Leia mais

*B899694D38* Senhor Presidente Senhores Membros da Mesa Senhoras Deputadas, Senhores Deputados

*B899694D38* Senhor Presidente Senhores Membros da Mesa Senhoras Deputadas, Senhores Deputados Senhor Presidente Senhores Membros da Mesa Senhoras Deputadas, Senhores Deputados Vivemos um momento decisivo para o futuro da educação no Brasil. Três acontecimentos importantes confluíram para produzir

Leia mais

CONSULENTE: Luzia Maria Ferreira (Presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte)

CONSULENTE: Luzia Maria Ferreira (Presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte) PROCESSO N.: 837614 NATUREZA: Consulta CONSULENTE: Luzia Maria Ferreira (Presidente da Câmara Municipal de Belo Horizonte) PROCEDÊNCIA: Município de Belo Horizonte RELATÓRIO Versam os autos sobre Consulta

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PL nº 1992, DE 2007 FUNPRESP PERGUNTAS & RESPOSTAS 1. ORÇAMENTO: PL sem dotação orçamentária? O governo enviou, no dia 06 de fevereiro, de 2012 um projeto de lei (PLN nº 1, de 2012; MSG nº 24/2012) que

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 Altera o 1º do art. 1º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para incluir os estudantes da educação fundamental de jovens e adultos como beneficiários

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DA EDUCAÇÃO EM MUNICÍPIOS CEARENSES COM MELHORES RESULTADOS DO IDEB i

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DA EDUCAÇÃO EM MUNICÍPIOS CEARENSES COM MELHORES RESULTADOS DO IDEB i APLICAÇÃO DOS RECURSOS DA EDUCAÇÃO EM MUNICÍPIOS CEARENSES COM MELHORES RESULTADOS DO IDEB i ANTONIO NILSON GOMES MOREIRA. Secretaria de Educação de Maracanaú/CE. antonionilson2005@ig.com.br GT Gestão,

Leia mais

4 GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FÍSICO FINANCEIRA

4 GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FÍSICO FINANCEIRA 4 GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FÍSICO FINANCEIRA O presente capítulo tem por objetivo mostrar panorama geral sobre os resultados da execução orçamentária e financeira da receita e da despesa dos Orçamentos Fiscal,

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 12/2014

NOTA TÉCNICA N o 12/2014 NOTA TÉCNICA N o 12/2014 Brasília, 21 de Agosto de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Fundo de Participação dos Municípios (FPM) REFERÊNCIA: Constituição Federal de 1988; Resolução TCU nº242; Lei 5.172/1966,

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

WALDERÊS NUNES LOUREIRO * JOÃO BATISTA DO NASCIMENTO **

WALDERÊS NUNES LOUREIRO * JOÃO BATISTA DO NASCIMENTO ** A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FMMDE: UMA EXPERIÊNCIA DE AUTONOMIA FINANCEIRA DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA WALDERÊS NUNES LOUREIRO * JOÃO BATISTA

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S PARECER Interessado: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás - SINPOL. SERVIDOR PÚBLICO. INGRESSO EM 2004. APOSENTADORIA. PARIDADE. INTEGRALIDADE DE PROVENTOS. RELATÓRIO Trata-se de consulta feita

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 1/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 1/2014 Solicitação de Trabalho nº 1.273/2013 CONOF Solicitante: Deputado Davi Alcolumbre ESTUDO TÉCNICO Nº 1/2014 POSSÍVEL CONFLITO ENTRE AS "TRAVAS" E LIMITES DA LRF E O ORÇAMENTO IMPOSITIVO 1. Introdução O

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 15/2015 ARRECADAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA E DO IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS E VALORES PARTILHADOS COM ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS. Maria Emília Miranda Pureza Núcleo

Leia mais

I FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (FUNDEB) - ANO 2010: SITUAÇÃO JURÍDICA E CONTÁBIL

I FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA (FUNDEB) - ANO 2010: SITUAÇÃO JURÍDICA E CONTÁBIL fls. 1 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 78ª PROMOTORIA DA EDUCAÇÃO DE NATAL/RN Av. Marechal Floriano Peixoto, 550, Centro - Natal-RN CEP 59.020-500 Telefones: (84) 3232-7173 / 3232-1581

Leia mais

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Orçamento e Lei de Responsabilidade Fiscal Patrícia Sibely D Avelar Secretária Municipal de Fazenda de Lagoa Santa FORMAÇÃO Graduada em Ciência Contábeis.

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 3/2014

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira ESTUDO TÉCNICO Nº 3/2014 Solicitação de Trabalho nº 253/2014 CONOF Solicitante: Deputado Pauderney Avelino ESTUDO TÉCNICO Nº 3/2014 ASPECTOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS DA FEDERALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1. Introdução O presente

Leia mais

EIXO I. O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação

EIXO I. O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação EIXO I O Plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação Organização e Regulação A garantia do direito à educação de qualidade é um princípio fundamental e basilar para as políticas e gestão

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL ABRIL/2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

CORRUPTO NÃO FAZ GREVE

CORRUPTO NÃO FAZ GREVE CORRUPTO NÃO FAZ GREVE Maria Lucia Fattorelli Coordenadora da Auditoria Cidadã da Dívida www.divida-auditoriacidada.org.br 27/2/2012 Será que os professores do setor público federal, estaduais e municipais

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

Possibilidade de destinação de verbas do Fundeb para entidades assistencialistas

Possibilidade de destinação de verbas do Fundeb para entidades assistencialistas RELATOR: CONSELHEIRO EDUARDO CARONE COSTA Possibilidade de destinação de verbas do Fundeb para entidades assistencialistas EMENTA: CONSULTA PREFEITURA MUNICIPAL CONVÊNIO ENTIDADES COMUNITÁRIAS, CONFESSIONAIS

Leia mais

, 13 de agosto de 2015.

, 13 de agosto de 2015. Painel: Desafios do lado da despesa e possíveis alternativas O financiamento da política pública de saúde Sérgio Francisco Piola 9º Congresso de Gestão Pública do Rio Grande do Norte Natal, 13 de agosto

Leia mais

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN

PL 8035/2010 UMA POLÍTICA DE ESTADO. Plano Nacional de Educação 2011/2020. Maria de Fátima Bezerra. Deputada Federal PT/RN PL 8035/2010 Plano Nacional de Educação 2011/2020 UMA POLÍTICA DE ESTADO Maria de Fátima Bezerra Deputada Federal PT/RN Presidente da Comissão de Educação e Cultura da Câmara Federal O PNE foi construído

Leia mais

3. PRINCÍPIOS, FINS E LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL VIGENTE

3. PRINCÍPIOS, FINS E LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL VIGENTE 3. PRINCÍPIOS, FINS E LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL VIGENTE 3.1 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS FUNDAMENTAIS EM VIGÊNCIA A atual Constituição da República Federativa do Brasil foi promulgada em 5 de outubro de 1988. No

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Art. 1º. O presente piso salarial nacional destina-se aos profissionais do magistério público da educação básica e possui vigência simultânea ao Fundeb, uma vez que se constituiu em âmbito da Lei 11.494/07

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 110, DE 2015 Institui programa de concessão de créditos da União no âmbito do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, denominado Nota Fiscal Brasileira, com o objetivo de incentivar

Leia mais

VI - Sistemas Previdenciários

VI - Sistemas Previdenciários VI - Sistemas Previdenciários Regime Geral de Previdência Social Regime de Previdência dos Servidores Públicos Federais Projeto de Lei Orçamentária Mensagem Presidencial Cabe ao Governo Federal a responsabilidade

Leia mais

1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB

1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB 1. DEFINIÇÃO, COMPOSIÇÃO, CARACTERIZAÇÃO E VIGÊNCIA DO FUNDEB 1.1 O que é o Fundeb? 1.2 Quais os recursos que compõem o Fundeb? 1.3 O Fundeb é Federal, Estadual ou Municipal? 1.4 Qual a vigência do Fundeb?

Leia mais

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho

Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho Diagnóstico Qualitativo e Propostas para o Regime Previdenciário dos Servidores Públicos por Gilberto Guerzoni Filho 1. REGIME PREVIDENCIÁRIO OU ADMINISTRATIVO O principal problema do regime previdenciário

Leia mais

EIXO 1- POLÍTICAS PÚBLICAS, FINANCIAMENTO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO.

EIXO 1- POLÍTICAS PÚBLICAS, FINANCIAMENTO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO. EIXO 1- POLÍTICAS PÚBLICAS, FINANCIAMENTO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DA EDUCAÇÃO. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E A APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEF E DO FUNDEB NA VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL

Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL Prefeitura Municipal de Caeté Secretaria Municipal de Fazenda RELATÓRIO FINANCEIRO MENSAL AGOSTO 2011 1. RECEITA TRIBUTÁRIA A Receita Própria do município compõe-se de tributos de suas competências, definidos

Leia mais

Fonte: Sepe/RJ, Dieese e IBGE Elaboração: Dieese - Subseção Sepe/RJ

Fonte: Sepe/RJ, Dieese e IBGE Elaboração: Dieese - Subseção Sepe/RJ Em praticamente todos os segmentos da sociedade, fala-se muito da importância da educação pública para o desenvolvimento de um povo, e no município do Rio de Janeiro não é diferente. Nas diversas instâncias

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais