VALIDAÇÃO DE UMA TÉCNICA PARA GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE TESTES COM OBJETOS MOCK

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALIDAÇÃO DE UMA TÉCNICA PARA GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE TESTES COM OBJETOS MOCK"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO VALIDAÇÃO DE UMA TÉCNICA PARA GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE TESTES COM OBJETOS MOCK RENATO MICELI COSTA RIBEIRO Estagiário DALTON DARIO SEREY GUERRERO Orientador Acadêmico SABRINA DE FIGUEIRÊDO SOUTO Supervisora Técnica Campina Grande PB Dezembro de 2009

2 VALIDAÇÃO DE UMA TÉCNICA PARA GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE TESTES COM OBJETOS MOCK APROVADO EM BANCA EXAMINADORA Dalton Dario Serey Guerrero, Prof. DSc. ORIENTADOR ACADÊMICO Joseana Macêdo Fechine, Prof. DSc. MEMBRO DA BANCA Sabrina de Figueirêdo Souto, BSc. MEMBRO DA BANCA

3 AGRADECIMENTOS Agradeço inicialmente a Sabrina Souto, por ter me convidado a auxiliá-la em seu mestrado, me oferecendo a oportunidade de participar desse estágio; agradeço a Dalton Serey, pelas discussões frutíferas, mesmo em face das dificuldades em encontrá-lo; agradeço também a Alexandro Soares, a Pryscilla Dóra e a Cícero Alan Cruz, pelas boas sugestões quanto a conduzir este trabalho; e, finalmente, agradeço a Joseana Fechine, pelos votos de sucesso ao acreditar no êxito deste trabalho.

4 APRESENTAÇÃO Como parte das exigências do curso de Ciência da Computação, da Universidade Federal de Campina Grande, para cumprimento da disciplina de Estágio Integrado, apresenta-se o relatório de estágio, que expõe as atividades desenvolvidas por Renato Miceli Costa Ribeiro, ao curso do período , sob a orientação acadêmica de Dalton Dario Serey Guerrero e supervisão técnica de Sabrina de Figueirêdo Souto. Esse estágio integrado objetivou validar a técnica Automock de geração automática de testes com Objetos Mock. O estágio foi realizado no Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD), localizado na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), bloco CO. Esse ambiente foi bastante propício para a realização do estágio, visto que dispunha de todo o aparato necessário para o desenvolvimento das atividades. O conteúdo do relatório está distribuído conforme a seguinte descrição. Seção 1 Introdução. Seção 2 Ambiente de Estágio. Seção 3 Fundamentação Teórica e Tecnologias Utilizadas. Seção 4 Atividades do Estágio. Seção 5 Considerações Finais. Referências Bibliográficas. Apêndices. Anexos. 4

5 5

6 RESUMO Testar softwares é uma atividade muito importante. É através dela que os testadores descobrem faltas no software, que poderiam causar falhas de execução. Uma boa prática de testes sobre sistemas orientados a objeto consiste em isolar as várias unidades de código do restante do sistema de modo a diminuir a influência entre elas durante a execução dos testes. Para isso, uma solução bastante empregada são os Objetos Mock; entretanto, desenvolver testes com Objetos Mock é uma tarefa tediosa e complexa, além de requerer que os testadores possuam profundo conhecimento do sistema e de suas interações. Em seu mestrado, Sabrina Souto propôs uma técnica chamada Automock, para geração automática de código Mock a partir de testes pré-existentes. Este relatório apresenta as atividades desenvolvidas por Renato Miceli ao longo de seu estágio, que objetivaram avaliar a técnica Automock. Para isso, foram utilizados experimentos e questionários, além de análises quantitativas. Este é um trabalho em andamento e deverá ser concluído por Sabrina Souto ao final de seu mestrado. 6

7 ABSTRACT Testing softwares is an important task. It is by means of it that testers find out faults on softwares, which could lead to execution failures. A recommended testing practice over object-oriented systems consists in isolating the many units of code from the rest of the system, so to decrease the influence between them during the tests' execution. A commonly employed solution for that are the Mock Objects; developing tests with Mock Objects, however, is a tedious and complex task, besides requiring testers to posess deep knowledge about the system and its interactions. On her Masters Course, Sabrina Souto proposed a technique called Automock, for the automatic generation of Mock code out of previously existing tests. This report presents the activities developed by Renato Miceli during his internship, which aimed help evaluating the technique Automock. In order to do that, there have been used experiments and surveys, as well as quantitative analysis. This is an on-going work and should be finished by Sabrina Souto by the end of her Masters Course. 7

8 8

9 SUMÁRIO Lista de Siglas e Abreviaturas Lista de Quadros Lista de Tabelas Introdução Ambiente de Estágio Orientador Acadêmico Supervisora Técnica Fundamentação Teórica Linguagem de Programação Java Ambiente de Desenvolvimento Eclipse Testes de Software Automatizados Arcabouço JUnit Classes Stub Objetos Mock Arcabouço EasyMock Atividades Realizadas Revisão Bibliográfica Escrita de Artigo Proposta de Plano de Estágio Documentação das Atividades Seleção de Casos de Teste Participar do LADC' Geração de Testes com Colaboradores Stub Execução de Experimentos Avaliação Preliminar de Tempo de Execução Montagem de Questionário Avaliação Preliminar do Número de Linhas de Código Considerações Finais Referências Bibliográficas APÊNDICE A APÊNDICE B

10 APÊNDICE C APÊNDICE D APÊNDICE E ANEXO A ANEXO B ANEXO C

11 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS BD Banco de Dados CD-ROM Compact Disc, Read-Only Memory CUT Class Under Test (Classe Sob Teste) DSC Departamento de Sistemas e Computação HP Hewlett-Packard IDE Integrated Development Environment IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers LA-WASP Latin American Workshop on Aspect-Oriented Software Development LCD Liquid Crystal Display (Visor de Cristal Líquido) LSD Laboratório de Sistemas Distribuídos LSI Laboratório de Sistemas de Informação SAST Workshop Brasileiro de Teste de Software Sistemático e Automatizado SBSE Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software TDD Test-Driven Development (Desenvolvimento Orientado a Testes) UFCG Universidade Federal de Campina Grande 11

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Classes de Teste e seus respectivos Sistemas

13 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Tempos gastos por participante na execução dos experimentos Tabela 2: Tempos gastos pela ferramenta Automock para gerar código mock Tabela 3: Ganho em tempo por participante frente à geração automática de código mock Tabela 4: Média de ganhos em tempo para intervalos de confiança de 95% Tabela 5: Número de linhas de código dos testes gerados em experimento Tabela 6: Média do total de linhas de código e erros para intervalos de confiança de 95%

14 SEÇÃO I INTRODUÇÃO 14

15 1. INTRODUÇÃO A atividade de construção do conhecimento não está desassociada da prática do saber. Quando ambas caminham unidas, fortalecem-se os conceitos, adquire-se experiência, obtém-se proeficiência e autossuficiência. Participar de um estágio integrado, pois, é ser presenteado com um diferencial. Essa oportunidade única na vida escolar do jovem aprendiz visa apresentar uma visão prática das teorias já conhecidas. É através dela que se vivencia o dia-a-dia de quem corriqueiramente usa pra fins reais os conceitos meramente teóricos de outrora. Para a formação de um profissional, ter sido estagiário lhe dá uma bagagem de conhecimento teórico e prático, firmemente fixados, e que devem lhe acompanhar durante toda a vida. Seguindo essa filosofia, Renato Miceli participou durante o segundo semestre de 2009 de um estágio integrado. Ele foi realizado no Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD), bloco CO do Campus I da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), durante o período escolar , sob orientação acadêmica de Dalton Dario Serey Guerrero e supervisão técnica de Sabrina de Figueirêdo Souto. Este relatório visa apresentar de forma sucinta as atividades desenvolvidas por Renato Miceli ao longo de seu estágio integrado. O estágio integrado desenvolvido teve por objetivo validar a técnica Automock para geração de testes com Objetos Mock (SOUTO, 2009). O foco do estágio foi entender o trabalho proposto, pesquisar soluções de avaliação para problemas similares, e empregar a solução mais adequada para avaliar o Automock sobre o Automock. Objetivo Geral: Validar a técnica e o protótipo de ferramenta Automock de geração de testes com Objetos Mock. 15

16 Objetivos Específicos: Entender o trabalho desenvolvido e proposto por Sabrina Souto, a partir de leitura de documentação por ela produzida, palestras e discussões interpessoais. Pesquisar soluções similares, a fim de identificar melhores abordagens para proceder com a avaliação do trabalho proposto. Conduzir o trabalho de avaliação usando a abordagem mais adequada, oriunda do trabalho de pesquisa, visando identificar a viabilidade, os benefícios e limitações da técnica Automock. O restante do relatório abordará com mais detalhes o ocorrido no decorrer do estágio integrado, focando as causas que resultaram em mudanças no andamento das atividades, embasadas por argumentos que justificam as decisões tomadas. 16

17 SEÇÃO II AMBIENTE DE ESTÁGIO 17

18 2. AMBIENTE DE ESTÁGIO Como citado na seção 1, o estágio integrado foi conduzido no Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD). Este é um laboratório pertencente à Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), no âmbito do Departamento de Sistemas e Computação (DSC), localizado no bloco CO. O grupo de pesquisa em sistemas distribuídos já vem de longas datas: fundado em 1996, já passou por diversas mudanças em infraestrutura básica. Sua localidade atual, inaugurada em 2004, dedica toda uma construção própria ao laboratório. Desde sua fundação, os esforços do grupo de pesquisa estão direcionados para a área de sistemas distribuídos, com foco claro nas sub-áreas de computação em grade, sistemas entre-pares, gerenciamento de Ti orientado a negócios, sistemas de arquivo distribuídos e computação nas nuvens. No LSD foram desenvolvidas soluções conhecidas para ambientes distribuídos. Dentre elas, pode-se citar o OurGrid, para compartilhamento de recursos computacionais ociosos; o Commune, para comunicação segura e confiável entre pares através de uma rede; e o BeeFS, um sistema de arquivos distribuído sobre máquinas desktop, que utiliza da capacidade de armazenamento disponível nelas para criar um grande diretório de arquivos. Muitas outras soluções já foram ou estão em desenvolvimento no laboratório, que conta com o suporte financeiro da gigante da informática Hewlett-Packard (HP), especialmente por meio dos projetos OurGrid e Hybrid Clouds, este do qual o estagiário é pesquisador e desenvolvedor atualmente. Mais informações acerca do ambiente de estágio podem ser obtidas na seção Ambiente de Estágio no Apêndice A. O LSD possui infraestrutura própria e dispõe de salas climatizadas e máquinas de última geração. São computadores de uso pessoal com mouse, teclado e monitor LCD, rodando sistemas Unix/Linux e Windows e serviços básicos associados. Toda essa infraestrutura de informática é apoiada por uma equipe de suporte, disponível em horário comercial para quaisquer problemas 18

19 que haja. Assim, o laboratório satisfaz todos os requisitos necessários para ser posto de trabalho permanente no decorrer do estágio integrado. Acima de tudo, foi no LSD que se iniciou o desenvolvimento da técnica Automock, no contexto do projeto AutoTest, coordenado por Dalton Serey. Apesar do fim desse projeto, o laboratório ainda conserva as infraestrutura de serviços montada para suportá-lo; assim sendo, esse é o local mais que propício para a condução do estágio integrado. Dalton Serey e Sabrina Souto são, respectivamente, o orientador acadêmico e a supervisora técnica desse estágio integrado. Suas informações pessoais e profissionais são descritas em sequência ORIENTADOR ACADÊMICO Nome: Dalton Dario Serey Guerrero Função: Professor Adjunto e Coordenador de Curso Endereço Profissional: Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Centro de Engenharia Elétrica e Informática (CEEI) Coordenação do Curso de Ciência da Computação (CCC) Rua Aprígio Veloso, s/n, Bodocongó CEP Campina Grande - PB, Brasil. Telefone: +55 (83) Endereço de Pessoal: Endereço de Profissional: 2.2. SUPERVISORA TÉCNICA Nome: Sabrina de Figueiredo Souto Função: Mestranda 19

20 Endereço Profissional: Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) Departamento de Sistemas e Computação (DSC) Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Rua Aprígio Veloso, Bloco CO Bodocongó CEP Campina Grande - PB, Brasil. Telefone: +55 (83) Fax: +55 (83) Endereço de Pessoal: Endereço de Profissional: 20

21 SEÇÃO III FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 21

22 3. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 3.1. LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA A linguagem de programação Java (JAVA, 2009) é uma linguagem de programação desenvolvida pela Sun Microsystems, Inc. em 1995 que mescla conceitos dos paradigmas imperativo e orientado a objeto. Sua sintaxe deriva majoritariamente das linguagens de programação C e C++, embora tenha um modelo de objetos bem mais simples e menos facilidades de baixo nível. Foi feita para rodar sobre a Máquina Virtual Java, por meio da interpretação de bytecodes, gerados pela compilação de código-fonte. Para a condução do estágio, foi necessário conhecimento aprofundado sobre o paradigma de programação orientado a objeto e suas boas práticas de projeto, bem como proeficiência na linguagem de programação Java. Essa foi a linguagem utilizada durante todo o trabalho já desenvolvido até o momento, inclusive sendo a linguagem usada para desenvolver o protótipo de ferramenta Automock, os cenários de estudo do protótipo e os sistemas para experimentação. Apesar de ser geral, a técnica Automock só foi implementada em ambientes Java (SOUTO, 2009), tornando esse um requisito fundamental para a atividade de estágio AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO ECLIPSE Um dos mais usados ambientes de desenvolvimento de softwares para a linguagem de programação Java, compreende uma IDE e um sistema de gerenciamento de plug-ins (ECLIPSE, 2009). É o sistema de facto utilizado na UFCG para desenvolvimento de aplicações Java. No contexto do trabalho, essa ferramenta foi de suma importância, pois foi através dela que o protótipo Automock e os casos de teste simples para 22

23 validação foram desenvolvidos (SOUTO, 2009). Esta ferramenta foi usada durante todo o decorrer do estágio para realizar alterações sobre código Java, além de ser tecnologia assistencial obrigatória para os estudos de caso e execução dos experimentos TESTES DE SOFTWARE AUTOMATIZADOS Dentre os maiores princípios da Engenharia de Software estão as recomendadas boas práticas de teste. Testar software é uma técnica eficaz para identificar defeitos em um software que podem ocasionar em falhas de execução. É fato que um maior tempo empregado com atividades de verificação e validação diminui consideravelmente o tempo demandado em atividades de depuração, refatoramento e evolução do software. Para facilitar as atividades de teste de software, inúmeras ferramentas surgiram. Elas se propõem a automatizar o passo-a-passo executado para estimular o software em busca de falhas. Ter se tornado uma tarefa bem menos custosa em termos de tempo contribuiu para tornar o teste de software cada vez mais popular na academia e no mercado ARCABOUÇO JUNIT Dos maiores arcabouços para desenvolvimento de testes de unidade automáticos em sistemas Java é o JUnit (JUNIT, 2009). Na sua atual versão 4.x, é o arcabouço dominante na academia e no mercado para compor testes automatizados sobre softwares Java. Foi com uso do JUnit que o protótipo Automock foi validado. Além disso, os testes que devem ser fornecidos ao protótipo são testes escritos usando o arcabouço JUnit. Assim, todos os testes estudados, alterados e construídos durante o estágio integrado estavam ou foram escritos usando JUnit. 23

24 3.5. CLASSES STUB O conceito de Classes Stub está intimamente ligado às bases do paradigma de programação orientado a objeto. Classes Stub são classes que simulam o comportamento de outras classes do sistema. Para isso, elas devem respeitar o mesmo contrato e retornar respostas predefinidas para certos estímulos fornecidos ao software. O comportamento esperado é definido estaticamente no código da classe Stub. Classes Stub são um dos meios para prover isolamento da CUT em testes de unidade. No entanto, podem se multiplicar ao longo do ciclo de vida do software, por não serem reutilizáveis OBJETOS MOCK Como o conceito de Classes Stub, o conceito de Objetos Mock também está intimamente ligado ao paradigma de programação orientado a objeto. Objetos Mock servem ao mesmo propósito de classes Stub. Diferenciam-se dessas por terem seu comportamento definido dinamicamente em código, no corpo dos métodos de teste. No mais, Objetos Mock têm a capacidade de auxiliar na decisão sobre a falha ou aceitação de um teste, checando a sequência de expectativas que deveriam ter sido satisfeitas quanto a chamadas sobre si. Objetos Mock, bem como Classes Stub, podem tornar a execução do teste mais rápida, por não executarem algoritmos complexos, além de isolar a CUT do restante do ambiente de teste. Por outro lado, código mock é bem custoso de se escrever, requer conhecimento profundo do testador sobre o sistema em estudo, além de ser bastante suscetível a mudanças sutis no código do sistema (pequenas alterações no código podem levar a descartar o código mock). O trabalho proposto visa solucionar esse problema, através de da técnica Automock (SOUTO, 2009). 24

25 Para construir Objetos Mock eficientemente, existe uma variedade de arcabouços disponíveis para a linguagem Java, dentre os quais destaca-se o EasyMock ARCABOUÇO EASYMOCK O EasyMock (EASYMOCK, 2009) é um dos arcabouços de desenvolvimento de código mock mais utilizados dentre os disponíveis para a linguagem de programação Java. Ele provê a construção de Objetos Mock para interfaces e classes Java, registra listas de expectativas e omite completamente a existência de um objeto falso por debaixo do tipo provido pelo objeto. É bastante recomendado para TDD, visto que seu modo único de registro de expectativas o torna imune à maioria dos refatoramentos feitos a códigos Java. Esse arcabouço foi de suma importância para o trabalho de estágio, visto que é com uso dele que o protótipo Automock gera código mock para testes JUnit. Por isso, toda e qualquer atividade que envolvesse Objetos Mock no decorrer desse trabalho necessariamente utilizou o arcabouço EasyMock, para fins de comparação de resultados. 25

26 SEÇÃO IV ATIVIDADES REALIZADAS 26

27 4. Atividades Realizadas Nessa seção são apresentadas as atividades realizadas no decorrer do estágio. Note-se que a sequência de atividades está ordenada cronologicamente, por questões de organização Revisão Bibliográfica Antes de se proceder com o trabalho de avaliação do Automock, foi necessária uma pesquisa bibliográfica inicial do estado-da-arte. O objetivo dessa atividade foi de agregar conhecimento acerca de outras técnicas utilizadas para realizar a avaliação proposta. Foi necessário entender primeiramente o contexto em que se inseria o problema sob estudo, as abordagens que já haviam sido empregadas para resolver tal problema, além de novas abordagens que potencialmente poderiam ser empregadas, para enfim propor uma metodologia adequada para encarar o problema. Assim, essa atividade foi de suma importância para a condução do trabalho de avaliação do Automock. A revisão bibliográfica apresentou Tim Mackinnon como o criador do conceito de Objetos Mock (MACKINNON, 2001). Seu intuito primário era de auxiliar os desenvolvedores a escrever testes para objetos isolados, enquanto seguiam o método Extreme Programming (BECK, 2000). Também foi mostrado que outra abordagem isolar esses objetos são os Stubs, que, mesmo que tenham os mesmos objetivos dos Objetos Mock, não são o mesmo (FOWLER, 2007). De acordo com Meszaros, Stubs proveem respostas predefinidas para as chamadas feitas durante um teste; se usados fora do programado para o teste, é possível que responsam incorretamente (MESZAROS, 2007). Por outro lado, Objetos Mock são dinamicamente préprogramados com expectativas; se usados fora do programado para o teste, eles podem indicar explicitamente uma falha. Há ainda outras características que os diferenciam: por exemplo, Objetos Mock geralmente contam o número 27

28 de vezes que cada operação é invocada, além de verificar os argumentos fornecidos às operações e terem seus valores de retorno pré-estabelecidos. Através dessa atividade pôde-se conhecer uma gama de arcabouços dedicados a auxiliar testadores na construção de testes com Objetos Mock. Dentre eles, pode-se listar o EasyMock (EASYMOCK, 2009) e o GoogleMock (GOOGLEMOCK, 2009). A revisão bibliográfica também revelou alguns trabalhos diretamente relacionados ao Automock. O GenUTest, por exemplo, é uma ferramenta que captura e registra interações entre os objetos durante a execução de programas Java para gerar testes JUnit (PASTERNAK, 2009). Apesar de aparentar ser bastante similar à técnica proposta, GenUTest depende de uma versão funcional do software para executar, e gera testes de unidade para todos as classes do sistema; o Automock, por outro lado, espera que o testador indique um objeto-alvo e provenha algum teste que exercite esse objeto (SOUTO, 2009). Ainda, pelo que consta, o GenUTest, até o presente momento, parece não ter sido levado a público, dificultando o estudo dessa ferramenta que tanto se assemelha ao Automock. Outros trabalhos bem relacionados foram um protótipo de ferramenta para geração de Objetos Mock usando uma combinação de execuções concreta e simbólica de código.net (TILLMANN, 2006), e uma proposta de ferramenta para conversão automática de testes de sistema em uma coleção de testes de unidade, a fim de apoiar a fatoração de testes (SAFF, 2005). Esse último trabalho utiliza a técnica de instrumentação do código binário do sistema, inclusive de todas as suas dependências (por exemplo, as bibliotecas que usa), exceto da CUT. Apesar da similaridade à técnica Automock, nenhum desses trabalhos parece abordar o problema da maneira proposta (SOUTO, 2009), o que aumenta seu trabalho em relevância e originalidade. A partir dessa atividade foram geradas as seções 2 e 1 dos artigos para o SAST'09 e o LA-WASP'09, respectivamente, que podem ser encontrados nos apêndices C e D. 28

29 4.2. Escrita de Artigo Dada a relevância e originalidade do trabalho de geração automática de testes com Objetos Mock, o próximo passo foi documentar seu estágio atual no formato de artigo científico. Embora tenha sido útil para treinar a prática da escrita de documentos formais, o maior objetivo dessa atividade era de apresentar à comunidade científica a abordagem a ser seguida para solucionar o problema da escrita de testes com Objetos Mock. O primeiro fruto dessa atividade foi o artigo escrito para o SAST'09 (vide apêndice C). Por questões de imaturidade do trabalho, esse artigo acabou não sendo submetido para a conferência a tempo. Entretanto, a partir dele foi escrito o artigo para o LA-WASP'09 (vide apêndice D). Esse último trabalho foi submetido ao evento e notificado como aceito. Ele foi defendido por Sabrina Souto durante o evento, ocorrido em outubro de 2009 em Fortaleza. Foi publicado em CD-ROM pela IEEE Computer Society, juntamente com os anais do SBSE' Defesa de Plano de Estágio A ideia do estágio era de realizar a avaliação da técnica Automock por meio de estudos de caso. Para isso, deveria-se averiguar o ganho promovido pela técnica automatizada frente à construção manual de testes com Objetos Mock. Assim, seriam selecionados testes já desenvolvidos para os sistemas sob estudo, que seriam convertidos manualmente e automaticamente (com uso do protótipo de ferramenta) em testes com Objetos Mock. Sobre esses testes com e sem o uso de Objetos Mock seriam aplicadas métricas preestabelecidas: tempo para geração, total de linhas de código, cobertura da execução, número de detecções de erro, equivalência em semântica. O resultado dessas métricas, por uso de diferença simples, geraria o ganho proporcionado pela técnica sobre a construção manual de testes com Objetos Mock. Os sistemas para estudo foram selecionados pela proximidade da equipe de desenvolvimento. Esses sistemas eram o OurBackup, o Hidrogis e o OurGrid. Desenvolvido no LSD nos anos de 2007 e 2008 sob orientação de 29

30 Dalton Serey, o OurBackup (OLIVEIRA, 2008) é voltado para o compartilhamento de arquivos entre amigos, visando o becape cruzado; o Hidrogis foi desenvolvido no Laboratório de Sistemas de Informação (LSI), na UFCG; e o OurGrid (CIRNE, 2006), também desenvolvido no LSD, foca no compartilhamento de poder computacional entre várias grades de máquinas oportunistas. Todos os três sistemas possuem desenvolvedores próximos, o que facilitaria o trabalho de avaliação do Automock. O Plano de Estágio, que pode ser obtido no Apêndice A, foi defendido por meio de uma apresentação, disponível no Apêndice B. Após apreciação do trabalho frente à professora e à turma da disciplina de Estágio Integrado, foi aprovado com a pontuação máxima Documentação das Atividades Foi acordado com a supervisora técnica que todas as atividades relevantes desenvolvidas durante o estágio seriam registradas. Para tanto, foi criado um espaço em wiki no serviço Redmine (REDMINE, 2009), hospedado nos servidores do LSD. As atividades passíveis de documentação são primariamente as reuniões, sejam formais ou informais; o andamento das atividades, sejam de cumprimento obrigatório da disciplina, sejam decorrentes da condução do estágio integrado; quaisquer ideias que forem surgindo, que possam de alguma forma contribuir para melhorar o trabalho. Assim, durante todo o decorrer do estágio, foram postadas anotações que documentam adequadamente as atividades desenvolvidas no âmbito do estágio integrado. Além de tudo, também foram documentados os cronogramas de trabalho, horários de presença no estágio e as atividades desenvolvidas atualmente no âmbito do estágio, tanto do estagiário quanto de seu supervisor técnico. Portanto, o wiki do Redmine tornou-se serviço primordial na boa condução do estágio integrado; obteve status de serviço de centralização das informações concernentes ao estágio, bem como serviço de comunicação confiável público entre o estagiário e seu supervisor técnico. 30

31 4.5. Seleção de Casos de Teste Para dar início à avaliação da técnica Automock, foi necessário selecionar um sistema como ponto de partida para estudá-lo, entendê-lo e, por fim, poder extrair uma suíte de testes que comporia o estudo de caso. O primeiro sistema escolhido foi o OurBackup (OLIVEIRA, 2008). Esse sistema se apresenta em duas versões: a Home, voltada para usuários doméstico, e a Enterprise, direcionada a usuários corporativos. Visto que o estagiário havia participado do desenvolvido da versão Enterprise do OurBackup e isso implicaria em uma curva de aprendizado menos custosa, essa foi a escolha inicial de sistema para estudo. Após alguns estudos sobre o estado atual do sistema, constatou-se que o OurBackup Enterprise não possuia testes adequados para compor a suíte do estudo de caso. Apenas dois testes envolviam uma CUT e seus colaboradores; entretanto, esses testes já possuíam respectivos com uso de mocks. Os demais testes do sistema se encaixam em cinco categorias: ou são testes de unidade, cuja CUT é testada na inexistência de colaboradores; ou são testes de aceitação sobre um módulo servidor, cujo módulo cliente recebe os estímulos de entrada e fornece as respostas de saída; ou são testes de unidade com CUT e colaboradores, cujos colaboradores já são objetos mock; ou são testes de unidade cuja CUT não está bem modularizada, lidando diretamente com o ambiente (seja agregando responsabilidade ou usando instâncias locais de seus colaboradores em seus métodos), quando isso deveria ser feito por meio de colaboradores globais; ou são testes nãodeterminísticos (isto é, nem toda execução admitirá o mesmo comportamento resultante), que envolvem a realização de operações não necessariamente sequenciais (paralelas ou concorrentes) para atingir condições probabilísticas sobre o estado do sistema. (como é a maioria dos sistema distribuídos, senão todos). Além disso, testes adequados para a técnica Automock (chamados testes mockáveis ) não devem ser dependentes do tempo de execução, como ocorre com alguns testes não-determinísticos, uma vez que a substituição de colaboradores reais por Objetos Mock pode alterar o tempo de execução do sistema sensivelmente (imagine colaboradores para acesso a BD ou conexões 31

32 remotas). Dado o uso inviável dos testes do OurBackup Enterprise, não houve outra opção senão descartar o sistema. O próximo sistema sob estudo foi o OurBackup Home. Após diversas análises do sistema e de seus testes, constatou-se que ele apresentava as mesmas deficiências do sistema OurBackup Enterprise. No entanto, sua suíte de testes com Objetos Mock era bem maior. Foi identificado que em ambos os softwares os testes de unidade cuja CUT interage com diversos colaboradores (isto é, os testes focados pelo Automock) já fazem uso de Objetos Mock. Considera-se, pois, sua suíte de testes como de boa qualidade para os padrões atuais de teste de software. Uma alternativa em todo caso seria construir testes para os sistemas sob estudo. Isso requere conhecimento profundo sobre esses sistemas e os relacionamentos estabelecidos entre os objetos em tempo de execução. O tempo de aprendizado seria grande. Portanto, essa foi uma alternativa descartada. Outra alternativa consistia em converter os testes com código mock em testes com colaboradores reais, para então proceder de maneira inversa. No entanto, isso implicaria em realizar manualmente ou dispor de uma ferramenta para tal; ambas as abordagens podem apresentar imperfeições e não garantir equivalência semântica entre os testes original e alterado (vale salientar que avaliar a validade de uma técnica de conversão de testes com código mock em testes com colaboradores reais é da mesma ordem de complexidade de avaliar a técnica Automock). Também requere conhecimento aprofundado do sistema para saber que colaborador real faz o papel exato do Objeto Mock presente em um teste, para questões de substituição. Ainda é um requisito conhecimento acerca da gerência de configuração do sistema, que pode ser bastante complexa, dada a complexidade dos sistemas sob estudo. Por fim, uma limitação dessa abordagem foi de que nem sempre há colaboradores reais no software que se comportem de maneira exata ao modo prescrito pelos Objetos Mock; esse código mock pode realizar o comportamento errôneo (casos de erro ou de alteração do software original), ou ainda servir pra injetar falhas propositais no sistema, desviando do comportamento esperado para um colaborador. Ainda, mesmo que haja colaboradores que se comportem à 32

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC PLANO DE ESTÁGIO Suporte ao DDGfs Experimentos e ambientação

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O CONCEITO DE TDD NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Renan Leme Nazário, Ricardo Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil renazariorln@gmail.com, ricardo@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ 1 Aluna do Curso de Ciência da Computação, integrante do PET-Computação, Depto.

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009

Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga. Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes de carga Um artigo técnico da Oracle Junho de 2009 Identificação rápida de gargalos Uma forma mais eficiente de realizar testes

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

SOFTWARE PROCESSES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos SOFTWARE PROCESSES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 4 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Introduzir modelos de processo de software Descrever uma variedade de modelos de processo

Leia mais

Automock. Interaction-based Mock Code Generation. Renato Miceli Costa Ribeiro

Automock. Interaction-based Mock Code Generation. Renato Miceli Costa Ribeiro Automock Interaction-based Mock Code Generation Renato Miceli Costa Ribeiro renato@lsd.ufcg.edu.br Setembro de 2009 Introdução: construindo testes Fazer testes é importante! Testes ajudam a identificar

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB.

IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE ALTA DISPONIBILIDADE DE REDE E MONITORAÇÃO DINÂMICA DE INFRAESTRUTURA EM SERVIDORES WEB. Marllus de Melo Lustosa (bolsista do PIBIC/UFPI), Luiz Cláudio Demes da Mata Sousa

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software

Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Introdução a Métodos Ágeis de Desenvolvimento de Software Curso de Verão Centro de Competência em Software Livre Departamento de Ciência da Computação - IME / USP Realização: AgilCoop Verão Ágil 2010 Copyleft

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 3 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 3-29/04/2006 1 Monitoria Marina Albuquerque E-mail: monitoriaes2@yahoo.com.br Horário de Atendimento: Terça e quinta de 09:00

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

7 Trabalhos Relacionados A idéia é tentar dar todas as informações que ajudem os outros a julgar o valor da sua contribuição; não apenas as informações que levem o julgamento a uma direção em particular.

Leia mais

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software. Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Construção e Implantação de Software II - Unidade 3- Estratégias Para Testes de Software Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1 1-Estratégia Global 1.1-Visão Global de Estratégias Para Teste A estratégia

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS EM GRID. MACIEL, M.; QUEIROZ, L.M.; GUIMARAES, L.H.M.; MARTINS, M.C.; DE OLIVEIRA, W.V... 391

ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS EM GRID. MACIEL, M.; QUEIROZ, L.M.; GUIMARAES, L.H.M.; MARTINS, M.C.; DE OLIVEIRA, W.V... 391 ! " # ELABORAÇÃO DE HORÁRIOS EM GRID. MACIEL, M.; QUEIROZ, L.M.; GUIMARAES, L.H.M.; MARTINS, M.C.; DE OLIVEIRA, W.V... 391 PROSPECÇÃO DE OPORTUNIDADES NA ÁREA DE T.I. ANDRADE O. F., IZIDORO S. C. S., JUNIOR

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS

RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RECUPERAÇÃO DE DOCUMENTOS TEXTO USANDO MODELOS PROBABILISTICOS ESTENDIDOS Marcello Erick Bonfim 1

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS ALEXANDRE PRADO BARBOSA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ALEXANDRE PRADO BARBOSA Relatório

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation

Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Model Checking of Statecharts using Automatic White Box Test Generation Um artigo de: Doron Drusinsky (Cupertino, CA) Apresentado por: Charles-Edouard Winandy Disciplina: CSE310-4 Engenharia de Software

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

Uma Introdução a Engenharia de Software e Sistemas

Uma Introdução a Engenharia de Software e Sistemas Uma Introdução a Engenharia de Software e Sistemas Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Engenharia da Computação Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville

Leia mais

VIRNA. Virtualizador Nacional

VIRNA. Virtualizador Nacional 1 VIRNA Virtualizador Nacional 2 Sumário Introdução Histórico Contextualização Visão Geral Metáfora do Videogame Termos e Conceitos Funcionamento Visão Geral do Emprego Evolução Benefícios e Necessidades

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais

Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais Recuperação de Imagens na Web Baseada em Informações Textuais André Ribeiro da Silva Mário Celso Candian Lobato Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação {arsilva,mlobato}@dcc.ufmg.br

Leia mais

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT

DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT DOMAIN-DRIVEN DESIGN E TEST-DRIVEN DEVELOPMENT Jaqueline Rissá Franco email: jaquerifr@gmail.com Karla Marturelli Mattos Luciano Mathias Doll João Almeida Resumo: Este artigo mostra novas abordagens na

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA

2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA 2 ALGUMAS PLATAFORMAS DE ENSINO A DISTÂNCIA Neste capítulo faremos uma breve descrição de algumas plataformas para ensino a distância e as vantagens e desvantagens de cada uma. No final do capítulo apresentamos

Leia mais

João Arthur Brunet Monteiro. Março de 2008

João Arthur Brunet Monteiro. Março de 2008 Revisão Bibliográfica em Automação de Testes João Arthur Brunet Monteiro Universidade Federal de Campina Grande Março de 2008 João Arthur Brunet Monteiro (UFCG) Revisão Bibliográfica em Automação de Testes

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Projeto Final de Engenharia de Computação

Projeto Final de Engenharia de Computação Orientações para Desenvolvimento do Projeto Final de Engenharia de Computação compilado por: Noemi Rodriguez texto baseado em: Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final, de Simone Barbosa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias Adauto Trigueiro, Alcione da Costa Pinheiro, Clerton Filho, Kátia Silva Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Leia mais

Lição 1 Introdução à programação de computadores

Lição 1 Introdução à programação de computadores Lição Introdução à programação de computadores Introdução à Programação I Objetivos Ao final desta lição, o estudante será capaz de: Identificar os diferentes componentes de um computador Conhecer linguagens

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 5º MÓDULO AVALIAÇÃO MP1 DATA 05/03/2009 ENGENHARIA DE SOFTWARE Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br Algoritmos Partes básicas de um sistema computacional: Hardware, Software e Peopleware Hardware - Componentes físicos de um sistema de computação, incluindo o processador, memória, dispositivos de entrada,

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

Extração de Requisitos

Extração de Requisitos Extração de Requisitos Extração de requisitos é o processo de transformação das idéias que estão na mente dos usuários (a entrada) em um documento formal (saída). Pode se entender também como o processo

Leia mais

Introdução à Simulação

Introdução à Simulação Introdução à Simulação O que é simulação? Wikipedia: Simulação é a imitação de alguma coisa real ou processo. O ato de simular algo geralmente consiste em representar certas características e/ou comportamentos

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Ciência da Computação 5ª série Sistemas Operacionais A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e! e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do Processo de Desenvolvimento

Leia mais

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico. " Crise do Software

! Software e Engenharia de Software! Engenharia de Software e Programação! Histórico.  Crise do Software Agenda Introdução a Engenharia de Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br http://www.ufpa.br/cdesouza! e Engenharia de! Engenharia de e Programação! Histórico " Crise do! No Silver Bullet! Fases Genéricas do

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Guide to the SWEBOK (Guide to the Software Engineering Body of Knowledge) IEEE Computer Society Professor José Eduardo A. de O. Teixeira - Slide 1 IEEE Institute of Eletric and Eletronic

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 05 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 24 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Processos de Software Engenharia de Requisitos, Projeto,

Leia mais