Uma Cooperativa. Orientada pela Estratégia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma Cooperativa. Orientada pela Estratégia"

Transcrição

1 Uma Cooperativa Orientada pela Estratégia

2 Apresentação Fundada em 1969 com o objetivo de levar a energia à área rural dos municípios de sua área de atuação

3 Área suprida pela AES sul Área suprida pela CEEE Área de atuação da CERTAJA

4 Municípios Rio Pardo Santa Cruz do Sul Passo do Sobrado Vale Verde General Câmara Taquari Triunfo Montenegro Bom Retiro do Sul Tabaí Fazenda Vila Nova Paverama Brochier Nova Santa Rita Capela de Santana Barão do Triunfo Sertão Santana Cerro Grande do Sul Sentinela do Sul

5 Alguns números... Mais de associados consumidores km de redes de energia elétrica transformadores instalados 75 gwh de energia distribuídos no ano

6 NEGÓCIOS ATUAIS Distribuição de Energia Supermercado Agroveterinária Agroindústria Geração de energia*

7 AGROINDÚSTRIA Trabalha com a secagem, beneficiamento e comercialização de grãos. As marcas comercializadas são: Arroz CERTAJA Arroz COMITAL Arroz Sabor do Sul Feijão CERTAJA

8 AGROVETERINÁRIA Apresenta uma estrutura moderna com uma ampla variedade de produtos, direcionados, principalmente, às necessidades do homem do campo. Conta com uma excelente equipe de vendedores preparados para oferecer assistência técnica qualificada aos produtores. Possui 2 lojas: matriz em Taquari e Filial em Vendinha Montenegro / Triunfo.

9 SUPERMERCADO É um dos mais modernos e diversificados da região, oferecendo seus serviços, tanto aos associados da cooperativa quanto à população em geral. Possui duas lojas, sendo ambas em Taquari.

10 Desmembramento CERTAJA ENERGIA CERTAJA DESENVOLVIMENTO

11 Um pouco de história... Fundação em 17 de outubro de Diversificação: lojas de materiais elétricos e eletrodomésticos 12 lojas 1993 Encampação da COMITAL A partir de 1994 Implantação de um sistema de gestão profissional orientado pela estratégia e trazendo a filosofia da cooperação para as relações funcionais

12 Um pouco de história... A partir de 1996 Implantação do Planejamento Estratégico e Planejamento Financeiro (orçamento anual) A partir de 2001 Implantação do trabalho em Equipe (formalizado) A partir de 2003 A Árvore Estratégica A partir de 2005 BSC - A organização focada na estratégia

13 Criação do RH estratégico Recrutamento e seleção Integração do novo funcionário Programas de capacitação pessoal Ambiente de trabalho Programa de Participação nos Resultados

14 Criação do Setor de Comunicação e Marketing MARKETING: voltado para a área comercial, criando promoções, publicidade, eventos, etc... COMUNICAÇÃO: voltado para o trabalho de comunicação com o associado, através do jornal Certajano, programas de rádio como o Certaja Comunidade e, principalmente, o Projeto de Integração com o Associado (PIA)

15 PIA Desenvolvido pelo Setor de Comunicação da Certaja, a partir de 1988, o PIA visa buscar uma maior aproximação com o quadro social. Criação de núcleos em todas as comunidades atendidas Reuniões mensais nos núcleos Reuniões com os líderes de núcleos Sementes do Cooperativismo

16 PIA Desenvolvimento de cursos em parceria com Sindicatos Rurais e SENAR Eletricista Rural Motores Elétricos Produção de hortaliças Uso da motoserra Fabricação de compotas e conservas Artesanato Manutenção e operação de tratores e retroescavadeira Fabricação caseira de derivados do leite Administração rural, etc.

17 PIA - cursos

18 PIA reuniões de núcleos

19 PIA Sementes do Cooperativismo

20 Missão Fornecer energia de boa qualidade e custo baixo aos nossos associados e clientes.

21 Valores e Princípios Cooperação: Valorizamos o trabalho em equipe com responsabilidade e lealdade, procurando retribuir a confiança que nos é dada pelos associados. Comprometimento: Assumimos nossa parcela na busca da visão de futuro da empresa e no cumprimento de nossa missão, com persistência e criatividade. Competência: Valorizamos os talentos que prezam pela excelência de seu trabalho, demonstrando coerência, seriedade de propósitos e realização pessoal. Ética: Cumprimos os compromissos legais e institucionais, respeitando nossos valores e princípios.

22 COOPERAÇÃO Trabalho em equipe Valorização das equipes Eliminação de níveis hierárquicos Equipes de trabalho multisetoriais

23 consolidação de uma ambiente participativo e sinergético... Em abril a Direção da cooperativa apresentou uma proposta de implantação do Trabalho em Equipe, onde foi criado o grupo SUPERAÇÃO, com o objetivo de desenvolver os trabalhos com as equipes do Supermercado, afim de melhorar cada vez mais o desempenho do mesmo.

24 Implantação em toda a empresa, consolidando a estratégia de TE

25

26 COMPROMETIMENTO Clima organizacional Políticas de envolvimento: benefícios Grupo Integração/ACERTA Pré Assembléia Programa de participação nos resultados ProM 120

27 Programa de Remuneração Estratégica -PROM 120 SETOR PRODUTO 12 - Gerência da Geral Qual idade Geral 13 - Recursos Humanos (RH) FÓRM ULA ÍTEM PESO M 120 M 100 M 80 Pesquisa de Opinião Interna Opinião do Cl iente Interno(Q) ,5 Orçamento Despesas do mês (C) Geral Orçamento Despesas do M ês Geral (Comportamental ) Pontuação na auditoria (Func. Admitidos+func.demitidos)/2*100 /M édia de func. No período (Horas perdidas/ (Horas perdidas+total de horas trabal hadas)) x100 Desempenho no 5S Índice de Rotação de Pessoal Índice de Absenteísmo 10 0,77 0,86 0,9 Pesquisa ao final de cada treinamento Grau de Satisfação dos treinandos Pesquisa de opinião interna Opinião do Cl iente Interno ,5 Geral Geral Programas de treinamento Geral Princípios que nortearam a elaboração deste programa: Ser viável economicamente-funcionários e empresa devem sair ganhando. Ser Motivador-Que realmente comprometa os funcionários, motivando-os a buscar uma real melhoria sobre os resultados. Ser Justo-os critérios devem refletir justiça e chances iguais para todos. Ser Cooperativo-Deve induzir à cooperação entre os setores, e não à competição.

28 EVENTOS Festa de Fim de ano Teatro

29 EVENTOS Festa junina Jogos de Integração Semana Farroupilha Noite das Panquecas

30 EVENTOS Anonimus Gourmet Futebol de Mesa Sitracooper Boliche Baile da Batatinha

31 EVENTOS Dia da Criança Luau Aniversários Dia das Mães Excursões

32 COMPETÊNCIA Recrutamento e seleção Treinamento de Integração Desenvolvimento profissional estratégico Convênios com Instituições de ensino Reuniões de treinamento

33 REUNIÕES

34 ÉTICA Pagamos todos os tributos Cumprimos as obrigações legais e fiscais Programas sociais

35 Semana do Meio Ambiente

36 Coleta Seletiva do Lixo

37 Tratamento de resíduos

38 Programa Jovens Aprendizes

39 A Organização Orientada pela Estratégia

40 A Tradução da Estratégia Fornecer energia de boa qualidade e custo baixo aos nossos associados e clientes.

41 Mapa do Sucesso Certajano Associados Finanças Processos Internos Aprendizado e Crescimento

42 Mapa do Sucesso Certajano Associados Finanças Atendimento excelente Fornecer Energia de boa qualidade Garantia de fornecimento de energia Aumentar disponibilidade de recursos p/ pagam. e invest. Aumento do resultado total P/ investimentos Buscar a independência financeira comercial Automação de redes Reestruturação do serviço de atendimento Plano de contas ANEEL Geração própria economicamente viável Aprendizado e Crescimento Redução de perdas de energia Intensificação da fiscal. de medições e Iluminação Pública Rede 69kv SISTEMA ELÉTRICO Aumento da produtividade operacional com segurança Aumento da prod. Adm. Aumentar captação de recursos para investimentos Processos Internos Fornecer Energia com preço compatível Padronização de equipamentos e procedimentos Desenvolvimento de TE Capacitação em Atendimento Implantação do Oracle Renovação do Hardware Implantação Discoverer Telemedições Monitoramento do TE Sistema de Helpdesk Implantação Designer INFORMÁTICA Desenvolvimento de lideranças(gestores e líderes) Capacitação técnica

43 Mapa do Sucesso do Supermercado Associados Finanças Atendimento excelente Fornecer Energia de boa qualidade Aumentar disponibilidade de recursos p/ pagam. e invest. Aumento da receita Clientes Processos Internos Aumento da Participação no mercado local (MarketShare) Diversificaç ão de produtos de fabricação própria Aprendizado e Crescimento Garantia de fornecimento de energia Buscar a independência financeira comercial Aumento do resultado Aumento da produtivida de operacional Aumento da prod. Adm. Fidelizaç ão do cliente Aumentar a participação % açougue na RB do SUPER Aumento da base do cartão Desenvolvimento de TE Melhorar qualidade do produto carne Monitoramento do TE Capacitação do Pessoal em vendas Implantação do Oracle Renovação do Hardware Implantação Discoverer Sistema de Helpdesk Implantação Designer INFORMÁTICA Desenvolvimento de lideranças(gestores e líderes)

44 Mapa do Sucesso da Agroveterinária Associados Atendimento excelente Finanças Garantia de fornecimento de energia Fornecer Energia de boa qualidade Buscar a independência financeira comercial Aumentar disponibilidade de recursos p/ pagam. e invest. Diminuir inadimplência Reduzir o risco financeiro Redução Relativa das Cts. clientes e estoques Clientes Qualificar carteira de clientes Manutenção de ROI atrativo a LP Garantir a captação de recursos Buscar a fidelização dos clientes Processos Internos Criar tele-vendas Palestras técnicas Aprendizado e Crescimento Melhorar Fluxo de Caixa Aumento da prod. Adm. Capacitação Técnica em tele-vendas palestras técnicas Vendas Externa Desenvolvimento de TE Elaboração de projetos Venda externa Implantação do Oracle Renovação do Hardware Implantação Discoverer Monitoramento do TE Sistema de Helpdesk Implantação Designer INFORMÁTICA Desenvolvimento de lideranças(gestores e líderes)

45 Mapa do Sucesso da Agroindústria Associados Atendimento excelente Finanças Fornecer Energia de boa qualidade Aumentar disponibilidade de recursos p/ pagam. e invest. ROI atrativo Clientes Aumento da venda na marca de 3os Processos Internos Aprendizado e Crescimento Garantia de fornecimento de energia Buscar a independência financeira comercial Eliminar ou reduzir risco de mercado. (variações do preço do arroz) Aumento da prod. Adm. Reduzir custo financeiro Reduzir estoque próprio Aumentar capacidade de comercialização Limitação no recebimento para saldo de compras Programação de compras Aumento da capacidade de beneficiamento Desenvolvimento de TE Diversificação do Mix Monitoramento do TE Implantação do Oracle Renovação do Hardware Implantação Discoverer Sistema de Helpdesk Implantação Designer INFORMÁTICA Desenvolvimento de lideranças(gestores e líderes)

46 Super Certaja - Mapa Estratégico 2007 Perspectiva dos Associados (Missão) INDIC Fornecer energia de boa qualidade e custo baixo para nossos associados e clientes Gerar Recursos Para SF3 Aumento da receita Perspectiva Financeira Aumento do resultado SF1 SF4 MELHORAR PARTICIPAÇÃO NO MERC. LOCAL COM FOCO NAS CL. B E C CONQUISTAR NOVOS CLIENTES (B E C) - RETENÇÃO DOS CLIENTES ATUAIS SCL1 SCL2 - SCL3 SF2 Aumento da produtivida de operacional Manter margen s SCL4 Manter os preços na média do mercado Proposta de valor ao cliente: Oferecer a melhor experiência de compra de alimentos da cidade SCL8 Perspectiva Aumento da Melhoria dos Atendimento Melhorar Reduzir base do dos Clientes serviços: Sac Diferenciado cartão e entregas visualizaçã o e acesso aos produtos SCL6 SCL5 o tempo de espera nos filas cartão SCL10 SCL9 Variedade SCL7 SI1 Terminal de consulta SI 2 Perspectiva Interna SI 3 SI 4 Melhori a SAC Atend CCC no Super Perspectiva do crescimento e Aprendizado Padrão e trein. entregas SC1 Aumentar o No. De caixas Melhorar Lay-out e sinalizaçã o Atendimen to Padronizad o Campanha permanente SI 12 SI 8 SI 6 Aumento da área de vendas Desenvolvimen to CRM SI 5 SI 9 Ger, Categorias SI 11 SI 7 Treinar func. SC2 SI 10 Diluir as vendas da 1ª sem. do mês Admin. estoque s SI 13 SI 14 Aperfeiçoar prod. próprios SI 15 Eliminação de desperdícios Processo de precificação SC6 Proj. de ampl. Super Criar padrões SC4 SC3 SC5 Criar sistema de pesquisa de preços Mapear processos chave

47 Indicadores Estratégicos MÊS MAIO PERSPECTIVA BSC SUPERMERCADO 2008 INDICADOR PERSPECTIVA SF1.1- ROI do Supermercado SF2.1 - Produtividade Operacional SF3.1 - Incremento da receita SF4.1 - Margem Líquida s/ Vendas FINANCEIRA ACOMPANHAMENTO aval. planos SF1.1 SF2.1 SF3.1 SF4.1 status OK OK 4 SCL1.1 - Participação no mercado local (Classes A, B e C) SCL2.1 - Participação no mix CERTAJA (Classes A, B e C) SCL3.1 - Índice de retenção dos clientes SCL4.1 - Média dos preços em relação ao mercado SCL5.1 - Índice de satisfação com as entregas de Rancho SCL6.1 - Índice da Satisf. s/ atendimento - Frente de Caixa SCL6.2 - Índice da Satisf. s/ atendimento - Padaria SCL6.3 - Índice da Satisf. s/ atendimento - Açougue SCL6.4 - Índice da Satisf. s/ atendimento - Hortifruti SCL6.5 - Índice da Satisf. s/ atendimento - Mercearia SCL7.1 - Índice de satisfação do cliente s/ sinalização SCL8.1 - Tempo de espera nas filas (check-out) SCL8.2 - Tempo de Espera na Fila do Açougue SCL8.3 - Tempo de Espera na Fila da Padaria SCL9.1 - Porcentagem de faturamento no CCC SCL Satisfação do cliente s/ variedade (prod. próprios) PERSPECTIVA DOS CLIENTES 16 SCL1.1 SCL2.1 SCL3.1 SCL4.1 SCL5.1 SCL6.1 SCL6.2 SCL6.3 SCL6.4 SCL6.5 SCL7.1 SCL8.1 SCL8.2 SCL8.3 SCL9.1 SCL10.1 OK OK zerado zerado zerado zerado OK OK OK OK OK zerado zerado zerado zerado zerado

48 Indicadores Estratégicos MÊS MAIO PERSPECTIVA BSC SUPERMERCADO 2008 INDICADOR SI1.1 - Prontidão da implantação do Terminal de Consulta SI2.1 - Índice de Satisfação do SAC SI3.1 - Pront. da implant. do atendimento do CCC no Super SI4.1 - Pront. da implantação do atendimento padronizado SI5.1 - Prontidão da implantação do CRM SI6.1 - Prontidão da melhoria do lay-out e sinalização SI7.1 - Prontidão da implant. do Gerenciamento por Categorias SI8.1 - Número de caixas final do Super (P12 e P5) SI9.1 - Área final de vendas (P12 e P5) SI Redução perc. de vendas na primeira semana do mês SI Prontidão do Plano de Aperfeiçoamento dos Prod. Próprios SI Prontidão da implantação da campanha SI Prontidão do projeto de adm. dos estoques SI Prontidão da criação do processo de precificação SI Prontidão do Plano de eliminação dos desperdícios PERSPECTIVA INTERNA ACOMPANHAMENTO aval. planos plano1 SI2.1 plano4 plano8 plano9 plano10 plano11 SI8.1 SI9.1 SI10.1 plano14 plano12 plano15 plano17 plano19 status SI11 OK SI31 SI41 SI51 SI61 SI71 OK OK OK SI111 SI121 SI131 SI141 SI151 Plano 5 plano6 plano8 plano7 plano2 plano16 plano18 SC11 SC12 SC21 SC31 SC41 SC51 SC61 15 PERSPECTIVA DO APRENDIZADO E CRESCIMENTO 7 SC1.1 SC1.2 SC2.1 SC3.1 SC4.1 SC5.1 SC6.1 - Prontidão do Padrão de entregas - Prontidão da capacitação do pessoal de entregas - Prontidão da capacitação do pessoal em atendimento - Prontidão dos padrões de atendimento - Prontidão da ampliação do Super - Prontidão do sistema de precificação - Prontidão dos processos mapeados

49 NOME RESUMO SF2.1 HISTÓRICO SF2.1 - Produtividade Operacional DESCRIÇÃO DO PROCESSO DESPESAS DIRETAS São os valores gastos nos processos diretos do Setor, incluindo-se aí o rateio da Adm. Comercial, e que podem ser averiguados a qualquer instante no DESOR. RECEITA LÍQUIDA É a Receita Bruta das vendas e serviços reduzida das devoluções e impostos. Este indicador visa saber se está aumentando ou diminuindo o peso destas despesas diretas sobre a RECEITA LÍQUIDA. FÓRMULA 15,03% 14,42% 16,02% 17,21% 19,67% 20,68% 22,22% 22,30% METAS 13,75% 13,31% 15,67% 16,93% 16,45% 18,55% 20,42% 21,82% 20,70% JUN INDICADOR ABR Indicadores Estratégicos 25,00% DESPESAS DIRETAS / RECEITA LÍQUIDA 20,00% 15,00% 10,00% 5,00% DEZ NOV OUT SUPFIN3 SET PLANOS ASSOCIADOS: SF2.1 AGO PEDRO, NATAL E MARCIANO JUL CONTROLLER RESPONSÁVEL: MAI MENSAL MAR PERIODICIDADE DE APURAÇÃO: 0,00% FEV CONTABILIDADE (DESOR) JAN RESPONSÁVEL PELA APURAÇÃO: METAS ACOMPANHAMENTO VALORES METAS 1 JAN 21,21% 22,02% 2 FEV 21,01% 21,78% 3 MAR 19,86% 21,12% 4 ABR 19,93% 21,04% 5 MAI 19,96% 21,20% 6 JUN 0,00% 21,14% 7 JUL 0,00% 21,16% 8 AGO 0,00% 21,10% 9 SET 0,00% 21,05% 10 OUT 0,00% 21,02% 11 NOV 0,00% 21,02% 12 DEZ 0,00% 20,70%

50 Indicadores Estratégicos RESUMO INDICADOR NOME HISTÓRICOVALORES METAS ,07% 20,78% ,79% 20,88% ,95% 23,33% ,73% 23,86% ,91% 24,32% Gráfico ,61% 25,85% Histórico ,57% 26,85% ,13% 27,42% ,65% 26,84% SF4.1 - Margem Líquida s/ Vendas DESCRIÇÃO DO PROCESSO 35,00% FÓRMULA 30,00% 25,00% = (Venda Líquida - CMV) / Venda Líquida 20,00% 15,00% 10,00% PERIODICIDADE DE APURAÇÃO:MENSAL DEZ NOV OUT SET AGO JUL JUN MAI ABR MAR FEV 0,00% DESOR RESPONSÁVEL PELA APURAÇÃO: JAN 5,00% METAS CONTROLLER RESPONSÁVEL: PLANOS ASSOCIADOS: ACOMPANHAMENTO0 1 0 JAN 0 VALORES 28,16% 26,84% METAS 0 2 FEV 28,17% 26,84% 0 3 MAR 28,04% 26,84% 0 4 ABR 28,99% 26,84% 0 5 MAI 28,65% 26,84% 0 6 JUN 0,00% 26,84% 0 7 JUL 0,00% 26,84% 0 8 AGO 0,00% 26,84% 0 9 SET 0,00% 26,84% 0 10 OUT 0,00% 26,84% 0 11 NOV 0,00% 26,84% 0 12 DEZ 0,00% 26,84%

51 Indicadores Estratégicos RESUMO INDICADORSF1.1 NOME HISTÓRICO SF1.1- ROI do Supermercado DESCRIÇÃO DO PROCESSO O ROI é um indicador econômico típico dos Centros de Resultados. É obtido pela divisão do resultado líquido, excluindo o custo financeiro do imobilizado, do centro de resultado, pelo total dos investimentos imobilizados. O DESOR apresenta uma planilha com os valores do ROI de todos os Centros de Resultados da Certaja. Os valores orçados e realizados são VALORES MÉDIOS MENSAIS COM BASE ACUMULADA. METAS 2,08% 1,72% FÓRMULA (RESULTADO ANTES DAS DF / ATIVO LÍQUIDO) 2,50% 2,00% 1,50% 1,00% 0,50% CONTABILIDADE (DESOR) RESPONSÁVEL PELA APURAÇÃO: 0,00% JA N FE V M A R A BR M A I JU N JU L A G O S ET O U T N O V D E Z PERIODICIDADE DE APURAÇÃO:MENSAL CONTROLLER RESPONSÁVEL: PEDRO, NATAL E MARCIANO ACOMPANHAMENTO 1 JAN 1,15% VALORES 0,44% METAS 2 FEV 1,32% 0,51% SF1.1 SUPFIN2 PLANOS ASSOCIADOS: 3 MAR 1,91% 0,75% 4 ABR 2,26% 0,85% 5 MAI 2,08% 0,90% METAS JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ 0,93% 0,94% 0,95% 0,97% 1,20% 1,50% 1,72%

52 Indicadores Estratégicos MÊS MAIO PERSPECTIVA PERSPECTIVA DO ASSOCIADO PERSPECTIVA FINANCEIRA BSC CORPORATIVO 2008 INDICADOR CA1.1 - DEC (Desligamentos Equivalentes por Consumidor) CA1.2 - FEC (Freqüência Equivalente por Consumidor) CA1.3 - TMA CA1.4 - Índice de unidades consumidoras com tensão crítica (ICC) CA2.1 - Preço médio do kwh em relação ao preço médio ANEEL 6 CA3.1 - Índice Aneel de Satisfação do Consumidor CF1.1 - Rel. entre o exig. de LP e o pass. finan. total (ELP/PFT) CF2.1 - Resultado Líquido Total CF3.1 - ROI comercial CF3.2 - Geração de caixa comercial CF4.1 - Produtividade Administrativa (Custos Adm/Rec. Líq. Total ) CF5.1 - Produtividade Operacional (Custos Operacionais / RL) CF5.2 - Custo do Homem-Hora/Custo do mercado 8 CF6.1 - Perdas de energia ACOMPANHAMENTO aval. planos CA1.1 CA1.2 CA1.3 CA1.4 CA2.1 CA3.1 CF1.1 CF2.1 CF3.1 CF3.2 CF4.1 CF5.1 CF5.2 CF6.1 status OK OK OK zerado OK zerado OK OK OK OK OK OK OK OK

53 Indicadores Estratégicos MÊS MAIO PERSPECTIVA BSC CORPORATIVO 2008 INDICADOR CI1.1 - Prontidão da Automação de Equipamentos CI2.1 - Prontidão Implantação 69kv PERSPECTIVA CI3.1 - Prontidão da reestruturação do serviço de atendimento CI4.1 - Prontidão PCH Morrinhos INTERNA CI4.2 - Prontidão outras PCH s CI5.1 - Fiscalização de medições CI5.2 - Fiscalização de Iluminação pública CI6.1 - Conclusão do plano de contas ANEEL CI7.1 - Prontidão da Telemedição 10 CI8.1 - Desenvolvimento de TE (pesquisa) CC1.1 - Prontidão dos padrões CC2.1 - Prontidão da implantação Oracle PERSPECTIVA CC3.1 - Prontidão da implantação do sistema Helpdesk CC4.1 - Prontidão da implantação do Designer DO APRENDIZADO CC5.1 - Prontidão do treinamento dos gestores em Discoverer CC6.1 - Prontidão da renovação do Hardware E CRESCIMENTO CC7.1 - Prontidão Capacitação em Atendimento CC8.1 - Conclusão do sistema de monitoramento de TE CC9.1 - Prontidão do treinamento em liderança 10 CC Prontidão do treinamento técnico FECOERGS ACOMPANHAMENTO aval. planos BSCENGI ADM69KV BSCSODI GERMOR GEROUT CI5.1 FISCILU PCONTAS ENGTEL CI8.1 ENGPAD BSCCPD1 BSCCPD3 BSCCPD7 BSCCPD5 BSCCPD6 CAPATEND RH5 PLIDER ENGCAP status CI11 CI21 CI31 CI41 CI42 OK CI52 CI61 CI71 zerado CC11 CC21 CC31 CC41 CC51 CC61 CC71 CC81 CC91 CC101

54 Indicadores Estratégicos INDICADOR NOME RESUMO CA1.3 HISTÓRICO REALIZADO METAS , , CA1.3 - TMA gráfico DESCRIÇÃO DO PROCESSO O índice mede em minutos o tempo que em média as equipes de atendimento do Setor de Operação da Certaja levam para atender ocorrências de emergência. Trata-se do quociente entre a somatória dos tempos transcorridos desde o recebimento da reclamação até o restabelecimento do fornecimento, ou do término do atendimento, nos casos onde não houve interrupção de fornecimento, e o número de ocorrências no período de apuração. 120,00 FÓRMULA 100,00 TMA = 80,00 Hf (i ) Hi (i ) 60,00 i= 1 i 40,00 i= 1 20,00 Sendo: PERIODICIDADE DE APURAÇÃO: MENSAL CONTROLLER RESPONSÁVEL: JJMARROS PLANOS ASSOCIADOS: SODTMA JU L AG O SE T O U T NO V DE Z MICHAEL M AI JU N RESPONSÁVEL PELA APURAÇÃO: JA N FE V M AR AB R 0,00 CA1.3 METAS ACOMPANHAMENTO 1 VALORES METAS JAN 50, FEV 51, MAR 76, ABR 56, MAI 105, JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

55 Indicadores Estratégicos INDICADOR NOME RESUMO CA1.1 CA1.1 - DEC (Desligamentos Equivalentes por Consumidor) HISTÓRICO REALIZADO METAS , ,79 33, ,33 22, ,55 gráfico DESCRIÇÃO DO PROCESSO 1. Índice que mede quanto tempo em média cada consumidor do conjunto considerado privou-se do fornecimento de energia elétrica no período. Esta medida é feita em horas e o período considerado é de um ano. 2. Este indicador é apurado mensalmente com auxílio do SGD, com base nas ocorrências do COD. Todos desligamentos programados e não programados, temporários ou permanentes, afetam este índice. 3. A responsabilidade do Setor de Engenharia sobre este item esta ligado ao acompanhamento e estudos, definindo e encaminhando ações que contribuam para sua redução, tais como: definição de capacidade e locais de chaves fusíveis, definição de ajustes e locais de instalações de religadores automáticos, orientação quanto aos locais com necessidade de manutenções preventivas/ corretivas, FÓRMULA 56,00 54,00 O cálculo do índice DEC, dentro do programa SGD tem a seguinte fórmula: 50,00 DEC = 52,00 Ca (i ) xt (i ) 48,00 i= 1 46,00 Cs 44,00 Sendo: 42,00 ÉDERSON PERIODICIDADE DE APURAÇÃO: MENSAL (valores acumulados de 1 ano) CONTROLLER RESPONSÁVEL: JJMARROS JA N FE V M A R A BR M A I JU N JU L A G O S ET O U T N O V D E Z RESPONSÁVEL PELA APURAÇÃO: CA1.1 METAS PLANOS ASSOCIADOS: ACOMPANHAMENTO 1 VALORES METAS JAN 55,04 53,55 2 FEV 50,76 53,55 3 MAR 46,42 53,55 4 ABR 47,98 53,55 5 MAI 47,13 53, JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ 53,55 53,55 53,55 53,55 53,55 53,55 53,55

56 ORÇAMENTO Realizado CERTAJA DESENV - Orçamento Geral CENTRO: Consolidado CODIGO CONTA RECEITA A VISTA RECEITA A PRAZO RECEITA BRUTA DEVOL.A VISTA DEVOL.A PRAZO ICMS COFINS E PIS ISSQN DEDUCOES S/RECEITA 10 RECEITA LIQUIDA CMV LUCRO BRUTO MAO DE OBRA DESP.C/PESSOAL TRANSPORTE JAN , , ,41 (15.225,31) (7.967,53) ( ,13) (85.621,66) (50,00) ( ,64) ,77 ( ,25) ,52 ( ,42) (6.189,75) (41.325,36) ANO: 2008 Resultado do Mês FEV , , ,63 (13.191,67) (5.607,22) ( ,68) (87.483,30) (50,00) ( ,87) ,76 ( ,77) ,99 ( ,96) (5.641,49) (33.407,37) MAR , , ,30 (13.957,10) (5.121,79) ( ,30) (99.890,86) (210,00) ( ,04) ,26 ( ,36) ,91 ( ,80) (5.868,20) (36.130,88) ABR , , ,93 (12.736,49) (4.502,33) ( ,57) (92.758,19) (650,00) ( ,58) ,35 ( ,34) ,02 ( ,21) (5.407,13) (40.954,05) MAI , , ,42 (12.605,13) (5.039,12) ( ,25) (88.260,91) (400,00) ( ,42) ,00 ( ,43) ,57 ( ,05) (5.702,96) (37.043,77)

57 ORÇAMENTO CERTAJA DESENV - Desempenho Mensal CENTRO: MES: ANO: MAIO 2008 Consolidado ZZZZ COD CONTA RECEITA A VISTA RECEITA A PRAZO RECEITA BRUTA DEVOL.A VISTA DEVOL.A PRAZO ICMS COFINS E PIS ISSQN DEDUCOES S/RECEITA 10 RECEITA LIQUIDA CMV LUCRO BRUTO MAO DE OBRA DESP.C/PESSOAL TRANSPORTE SERV.DE TERC. TREINAMENTO DEPRECIACAO MATER.UTILIZADO VALORES DO MÊS VALORES ACUMULADOS DO ANO ORÇADO REAL. DIFER. AH (%) ORÇADO REAL. DIFER. AH (%) AV (%) , , ,45 26, , , ,31 8,45 69, , , ,97 157, , , ,08 47,28 42, , , ,42 67, , , ,39 20,55 111,88 0,00 0,00 0,00 0, , , ,60 133, , , ,58 186,84-1, , , ,68 868, , , ,79 121,06-0, , , ,47 29, , , ,06 5,45-6, , , ,06 18, , , ,42 3,52-3,76-400,00 0,00 0,00 0, , ,57 258,43-19,00-0, , , ,80 47, , , ,41 16,98-11,88 0,00 0,00 0,00 0, , , ,62 70, , , ,98 20,98 100,00 0,00 0,00 0,00 0, , , ,95 73, , , ,25 19,14-75, , , ,67 60, , , ,71 27,00 24,60 0,00 0,00 0,00 0, , , ,87 24, , , ,80 14,30-7, , , ,31 62, , ,90 703,63-2,44-0, , , ,04 24, , , ,21-1,40-1, , , ,99 44, , , ,68 31,57-0, , , ,76-200, , , ,19-83,74-0, , , ,58-4, , , ,17-9,34-1, , , ,98 10, , ,27-63,97 0,04-1,23

58

59 Uma Cooperativa Orientada pela Estratégia 1 1

60 Apresentação Fundada em 1969 com o objetivo de levar a energia à área rural dos municípios de sua área de atuação 2

61 Área suprida pela AES sul Área suprida pela CEEE Área de atuação da CERTAJA 3 ver com a Deise mapa sem legendas. Pedi ao Sorriso, que ficou de providenciar. 3

62 Municípios Rio Pardo Santa Cruz do Sul Passo do Sobrado Vale Verde General Câmara Taquari Triunfo Montenegro Bom Retiro do Sul Tabaí Fazenda Vila Nova Paverama Brochier Nova Santa Rita Capela de Santana Barão do Triunfo Sertão Santana Cerro Grande do Sul Sentinela do Sul 4 Conferir municípios 4

63 Alguns números... Mais de associados consumidores km de redes de energia elétrica transformadores instalados 75 gwh de energia distribuídos no ano 5

64 NEGÓCIOS ATUAIS Distribuição de Energia Supermercado Agroveterinária Agroindústria Geração de energia* 6 6

65 AGROINDÚSTRIA Trabalha com a secagem, beneficiamento e comercialização de grãos. As marcas comercializadas são: Arroz CERTAJA Arroz COMITAL Arroz Sabor do Sul Feijão CERTAJA 7 7

66 AGROVETERINÁRIA Apresenta uma estrutura moderna com uma ampla variedade de produtos, direcionados, principalmente, às necessidades do homem do campo. Conta com uma excelente equipe de vendedores preparados para oferecer assistência técnica qualificada aos produtores. Possui 2 lojas: matriz em Taquari e Filial em Vendinha Montenegro / Triunfo. 8 8

67 SUPERMERCADO É um dos mais modernos e diversificados da região, oferecendo seus serviços, tanto aos associados da cooperativa quanto à população em geral. Possui duas lojas, sendo ambas em Taquari. 9 9

68 Desmembramento CERTAJA ENERGIA CERTAJA DESENVOLVIMENTO 10

69 Um pouco de história... Fundação em 17 de outubro de Diversificação: lojas de materiais elétricos e eletrodomésticos 12 lojas 1993 Encampação da COMITAL A partir de 1994 Implantação de um sistema de gestão profissional orientado pela estratégia e trazendo a filosofia da cooperação para as relações funcionais 11

70 Um pouco de história... A partir de 1996 Implantação do Planejamento Estratégico e Planejamento Financeiro (orçamento anual) A partir de 2001 Implantação do trabalho em Equipe (formalizado) A partir de 2003 A Árvore Estratégica A partir de 2005 BSC - A organização focada na estratégia 12

71 Criação do RH estratégico Recrutamento e seleção Integração do novo funcionário Programas de capacitação pessoal Ambiente de trabalho Programa de Participação nos Resultados 13

72 Criação do Setor de Comunicação e Marketing MARKETING: voltado para a área comercial, criando promoções, publicidade, eventos, etc... COMUNICAÇÃO: voltado para o trabalho de comunicação com o associado, através do jornal Certajano, programas de rádio como o Certaja Comunidade e, principalmente, o Projeto de Integração com o Associado (PIA) 14

73 PIA Desenvolvido pelo Setor de Comunicação da Certaja, a partir de 1988, o PIA visa buscar uma maior aproximação com o quadro social. Criação de núcleos em todas as comunidades atendidas Reuniões mensais nos núcleos Reuniões com os líderes de núcleos Sementes do Cooperativismo 15

74 PIA Desenvolvimento de cursos em parceria com Sindicatos Rurais e SENAR Eletricista Rural Motores Elétricos Produção de hortaliças Uso da motoserra Fabricação de compotas e conservas Artesanato Manutenção e operação de tratores e retroescavadeira Fabricação caseira de derivados do leite Administração rural, etc. 16 O público de cada curso varia entre 10 a 15 pessoas. Os cursos são teóricos e práticos. Senar participa com o instrutor. A Certaja organiza e participa com material para as aulas práticas. O Sindicato agenda os cursos junto ao SENAR. 16

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília INTEGRANDO UM DIAGNÓSTICO À GESTÃO POR PROCESSOS Pedro Barreto SUMÁRIO 1 Diagnóstico financeiro versus

Leia mais

MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO

MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO OPERAÇÃO DE LOJA Açougue Prático e Teórico Açougue Prático e Verticalizado Atendimento - amenizando filas em supermercados Cartazista Cartazista

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 4 - BSC Abril 2015 Pauta Planejamento Estratégico; Cadeia de valor; BSC Balanced Scorecard; Mapa Estratégico; Indicadores de desempenho e metas; Plano de ações;

Leia mais

FILOSOFIA EMPRESARIAL

FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL FILOSOFIA EMPRESARIAL Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL MISSÃO SACIAR NATURALMENTE A SEDE DOS GAÚCHOS. Bebidas S/A Troféu Prata FILOSOFIA EMPRESARIAL VISÃO QUEREMOS SER

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão

II Forum PLANISA de Gestão da Saúde. Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão II Forum PLANISA de Gestão da Saúde Como o Hospital Mãe de Deus usa o Planejamento Estratégico como ferramenta de Gestão HOSPITAL MÃE DE DEUS 380 leitos 2.234 funcionários 68.000 m 2 - área construída

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2015

Programa de Remuneração Variável 2015 Programa de Remuneração Variável 2015 APRESENTAÇÃO A Remuneração Variável é parte representativa nas práticas de gestão de pessoas. O modelo tradicional de pagamento através de salário fixo, tornou-se

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa II Conferência RELOP Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa AES SUL - Concessionária de Distribuição de Energia Elétrica da Região Sul do Brasil Estratégias Empresariais:

Leia mais

GESTÃO ADMINISTRATIVA

GESTÃO ADMINISTRATIVA GESTÃO ADMINISTRATIVA A Andrade s Consultoria em Gestão Empresarial é uma empresa que desenvolve projetos de consultoria customizados de acordo com as necessidades de cada cliente. Nossos projetos são

Leia mais

Mário Ibide STAB Out. 2012

Mário Ibide STAB Out. 2012 pessoas processos resultados Mário Ibide STAB Out. 2012 um consumo de país rico Motivado pelo crescimento da renda, o Brasil irá experimentar uma década de expansão do consumo. Fonte: Revista Exame - Ago.

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

Gestão da operação. A Matiolli

Gestão da operação. A Matiolli A diretoria presta contas ao conselho O Executivo Principal presta contas ao de Administração Cada diretor é responsável pelas suas atribuições Diretoria Executivo Principal Os diretores prestam contas

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Evolução e conceito de geomarketing. 2. Técnicas de geoprocessamento. Geomarketing : Tomada de Decisão no Varejo

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014

NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 NÚCLEO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL 2014 WORKSHOPS CH DATA HORÁRIO INVESTIMENTO CONTEÚDO 1. Razões para prestar um fantástico atendimento. 2. Motivação e empregabilidade. 3. Fidelização do cliente. 4.

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados Mauro Ricardo Machado Costa Dezembro/2008 1 SEMINÁRIO INTERNACIONAL Performance Budgeting: Orçamento por Resultados PLANEJAMENTO

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Arezzo&Co Investor Day Gente e Gestão Raquel Carneiro. Apresentação do Roadshow Diretora de Gente & Gestão

Arezzo&Co Investor Day Gente e Gestão Raquel Carneiro. Apresentação do Roadshow Diretora de Gente & Gestão Arezzo&Co Investor Day Gente e Gestão Raquel Carneiro Apresentação do Roadshow Diretora de Gente & Gestão 1 1 Sistema de Gestão Crescente cultura de meritocracia e foco em resultados Programa BSC Premissas

Leia mais

O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI

O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI O Programa de Medição e Análise em uma pequena empresa de TI Estudo de Caso da Mirante Informática Ltda Sumário 1. A Mirante & O Programa de Qualidade CMMI-N2 3. Medição e Análise da Estratégia Organizacional

Leia mais

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011

Resultados 3T11. Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Resultados 3T11 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2011 Agenda Perfil Coelce e Conquistas 1 Mercado de Energia 2 Resultados Operacionais 3 Resultados Econômico-Financeiros 4 Perguntas e Respostas

Leia mais

GESTÃO CORPORATIVA - DGE

GESTÃO CORPORATIVA - DGE GESTÃO CORPORATIVA Heleni de Mello Fonseca Diretoria de Gestão Empresarial - DGE Apresentador: Lauro Sérgio Vasconcelos David Belo Horizonte, 29 de maio de 2006 1 AGENDA Direcionamento Estratégico Iniciativas

Leia mais

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br Olá! A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas. Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: TELEMARKETING (Cód. 107635) Escolaridade: Ensino médio completo e/ou superior cursando

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella

Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella Aplicação da Metodologia BPM Case SOCOR Jacqueline Furtado Portella Gestora Hospitalar Especialista em Gestão em Saúde Gestora de Processos de Negócio Junho/2013 Agenda I) O contexto do Hospital Socor

Leia mais

Reunião com Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LOJAS RENNER S.A.

Reunião com Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LOJAS RENNER S.A. Reunião com Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LOJAS RENNER S.A. São Paulo, 8 de dezembro de 2005 1 Aviso Legal Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação,

Leia mais

Empresário Empreendedor

Empresário Empreendedor Empresas x Tributação Empresário Empreendedor Carga Tributária Obrigações acessórias Receita Federal Receita Estadual Previdência Social Receita Municipal Situação Tributária do Negócio Para o Empresário

Leia mais

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS

EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS EXECUÇÃO DE PROGRAMAS ESTRATÉGICOS 6º FÓRUM NACIONAL DE ESTRATÉGIA NA PRÁTICA & GESTÃO POR PROCESSOS Conteúdo da Apresentação Modelo de Gestão de Porto Alegre Alinhamento Planejamento Estratégico e Orçamento

Leia mais

Pós Graduação em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV), finalizando.

Pós Graduação em Gestão Empresarial - Fundação Getúlio Vargas (FGV), finalizando. Fábio Ramos do Carmo Brasileiro, Casado, 35 anos Rua José Pinto Junior, 21 San Vale, Natal RN Telefone: (84) 9441-8355 E-mail: fabioramos.profissional@gmail.com OBJETIVO Atuar de forma eficiente e eficaz

Leia mais

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho

Eficiência Energética Aplicada na Indústria. Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência Energética Aplicada na Indústria Dr. Pedro Magalhães Sobrinho Eficiência 1 - Virtude de se obter um determinado efeito. 2 - Atitude, competência, eficácia em um cargo que se ocupa ou trabalho

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes

Olinda - Pernambuco - Brasil. Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento com os clientes XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Torpedo: Um Novo Canal de Relacionamento Uso de novas tecnologias no relacionamento

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

RESULTADOS 4T11 E 2011 Grupo Pão de Açúcar e Viavarejo (Globex)

RESULTADOS 4T11 E 2011 Grupo Pão de Açúcar e Viavarejo (Globex) RESULTADOS 4T11 E 2011 Grupo Pão de Açúcar e Viavarejo (Globex) 17 de fevereiro de 2012 GRUPO PÃO DE AÇÚCAR - RESULTADOS 4T11 E 2011 Enéas Pestana, Presidente do Grupo Pão de Açúcar 2 Evolução operacional

Leia mais

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL

PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL PLANEJAMENTO FISCAL E GERENCIAL Palestrante: SONIA SEGATTI Economista e Executiva de Gestão em Contabilidade Rural Nível Fiscal e Gerencial 1 A Deus coube criar a vida. Aos agricultores cabe preservar

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL

INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL INDICADORES DE DESEMPENHO PARA AUDITORIA INTERNA EM UM CENÁRIO DE CRISE ANTONIO EDSON MACIEL DOS SANTOS IIA BRASIL Diga-me como me medes que eu te digo como me comportarei Eliyahu Goldtratt Agenda Alinhamento

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br

Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: www.crescerh.com.br Olá! A CRESCER RH dispõe de vagas em diversas áreas. Outras oportunidades podem ser visualizadas através de nosso site: ASSISTENTE DE TI (Cód. 119060) Área de atuação: Assistente de TI, responsável pela

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA:

RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA CONSULTORIA: UMA TECNOLOGIA DE PONTA VOLTADA PARA O LUCRO E QUALIDADE INFORMAÇÕES CADASTRAIS RAZÃO SOCIAL: RETURN ASSESSORIA E CONSULTORIA EMPRESARIAL LTDA.

Leia mais

Soluções de Tecnologia da Informação

Soluções de Tecnologia da Informação Soluções de Tecnologia da Informação Software Corporativo ERP ProdelExpress Diante da nossa ampla experiência como fornecedor de tecnologia, a PRODEL TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO oferece aos seus clientes

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista...

Sumário. Introdução... Diagnóstico... Objetivo: 100% de Aprovação... A Conquista... Créditos Gilson Ribeiro Gomes Economista Jonatas Costa Monte Alto Administrador de Empresas Felipe Augusto da Silva Mendes - Psicólogo Bruna Albuquerque Graduanda em Administração de Empresas Sumário Introdução...

Leia mais

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO

MD CONSULTORIA EM RECURSOS HUMANOS SITE WWW.MDRH.COM.BR E-MAIL MDRH@MDRH.COM.BR TELEFONE 49 3323 5804 CADASTRO TOTALMENTE GRATUITO SELECIONA: Farmacêutico Descrição: Para responder tecnicamente pela distribuição dos medicamentos, auxiliar os representantes nas orientações necessárias, auxiliar os clientes, fornecer treinamentos quanto

Leia mais

Desafios Recursos Humanos para Minas Subterrâneas. Palestrante: Adm Valter de Oliveira

Desafios Recursos Humanos para Minas Subterrâneas. Palestrante: Adm Valter de Oliveira Desafios Recursos Humanos para Minas Subterrâneas Palestrante: Adm Valter de Oliveira Desafios Recursos Humanos para Minas Subterrâneas Ênfase: Talentos Humanos Palestrante: Adm Valter de Oliveira Capital

Leia mais

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios

Cargo Descrição e Requisitos Benefícios Vitória, 25 de Junho de 2012. A Selecta, empresa de Recrutamento e Seleção, divulga as vagas de emprego em aberto, com destaque para: Vendedor Externo, Assistente de Crédito e Cobrança, Auxiliar Administrativo,

Leia mais

Sistema Gestão de Gente

Sistema Gestão de Gente Sistema Gestão de Gente Uma organização moderna requer ferramentas de gestão modernas, que incorpore as melhores práticas de mercado em gestão de recursos humanos, que seja fácil de usar e que permita

Leia mais

Sistemas de Informação: tipos e características

Sistemas de Informação: tipos e características Sistemas de Informação: tipos e características Tipos de sistemas de informação. Os quatro tipos principais de sistemas de informação. Sistemas do ponto de vista de pessoal Sistemas de processamento de

Leia mais

Gestão Estratégica. BSC: As 4 perspectivas de valor Metáfora da Árvore

Gestão Estratégica. BSC: As 4 perspectivas de valor Metáfora da Árvore Gestão Estratégica 8 Mapas Estratégicos Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br BSC: As 4 perspectivas de valor Metáfora da Árvore Financeira Cliente Processos Internos Colaboradores 1 BSC:

Leia mais

Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Plano Estratégico 2013-2022

Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Plano Estratégico 2013-2022 Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Plano Estratégico 2013-2022 1 Visão Geral do Processo Fase 1 Fase 2 Mobilização e Nivelamento Conceitual Diagnóstico do Desempenho Estratégico da FPCRJ Análise

Leia mais

Arranjo Produtivo Local APL Associação Terra Cozida do Pantanal

Arranjo Produtivo Local APL Associação Terra Cozida do Pantanal Arranjo Produtivo Local APL Associação Terra Cozida do Pantanal Rio Verde de MT MS Novembro/ 2010 1 PRESIDENTE DA ATCPAN Natel Henrique Farias de Moraes VICE PRESIDENTE DA ATCPAN Luiz Claudio Sabedotti

Leia mais

PALESTRA SINDIPOSTO 11/12/13

PALESTRA SINDIPOSTO 11/12/13 PALESTRA SINDIPOSTO 11/12/13 Empresa criada em maio de 2012 com o objetivo de prestar serviços no segmento Revendedor com foco principal nas relações Revenda x Distribuidoras, Treinamento de Pessoal, qualificando

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008

Teleconferência de Resultados 3T08 18 de Novembro de 2008 Teleconferência de Resultados 18 de Novembro de 2008 Palestrantes Abel Rochinha Presidente da Coelce Luiz Carlos Bettencourt Diretor Financeiro e de RI da Endesa Brasil 1 1 Destaques 2 Mercado AGENDA s

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015

Empresa de Distribuição de Energia Vale Paranapanema S/A Resultados do 3º trimestre de 2015 Resultados do 3º trimestre de 2015 São Paulo, 13 de novembro de 2015 A Administração da Empresa de Distribuição de Energia do Vale Paranapanema ( EDEVP ou Companhia ) apresenta os resultados do terceiro

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Implantando o Planejamento de Custos de Pessoal no Ambiente Complexo de uma Empresa de Grande Porte

Implantando o Planejamento de Custos de Pessoal no Ambiente Complexo de uma Empresa de Grande Porte Implantando o Planejamento de Custos de Pessoal no Ambiente Complexo de uma Empresa de Grande Porte Rodrigo Petrus Planejamento e Avaliação de RH Rodrigo Fernandes Gerente de Projeto de TIC SAP Forum Brasil

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE

GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE GESTÃO DE PESSOAS E PRODUTIVIDADE 2 Download da Apresentação www.gptw.com.br publicações e eventos palestras Great Place to Work - Missão 3 Construindo um Excelente Ambiente de Trabalho 4 1 2 3 4 O que

Leia mais

15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados.

15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados. 15 anos entregando soluções empresariais que constroem resultados. Agronegócio brasileiro. Aqui vive um país inteiro! CONSULTORIA EM USINAS SUCROALCOOLEIRAS APORTE - Análise de Potencial de mercado com

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA

GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil GESTÃO DE EMPRESAS PARCEIRAS NA CELPA Severo Ferreira Sampaio Gelson Nunes Felfili

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO ELABORANDO O PLANO DE NEGÓCIOS 16h Entendendo o negócio Perfil do Empreendedor de Sucesso Visão e missão do Negócio Características do Plano de Negócios Plano de Investimento

Leia mais

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013

Resultados 4T12. Fevereiro, 2013 Resultados 4T12 Fevereiro, 2013 Principais destaques de 2012 Operacional Geração de energia 27% superior à garantia física e 3% acima da registrada em 2011 - Exposição ao mercado spot de 4,4% de setembro

Leia mais

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG

Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos. Márcio Roldão INDG Seminário GVcev Ferramentas e Aplicações voltadas à melhoria dos processos Márcio Roldão INDG ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL - INDG; NOVAS OPORTUNIDADES DE MELHORIA DOS RESULTADOS:

Leia mais

S E M P R E E.R.P. Sistema de Gestão Empresarial. Angel Brasil Sistemas +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840. www.angelbrasilsistemas.com.

S E M P R E E.R.P. Sistema de Gestão Empresarial. Angel Brasil Sistemas +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840. www.angelbrasilsistemas.com. S E M P R E Sistema de Gestão Empresarial E.R.P. +55 14 8147-0493 - +55 14 3221-0840 www.angelbrasilsistemas.com.br O SEMPRE É UM E.R.P. Enterprise Resource Planning Definição de ERP Sistemas Integrados

Leia mais

Fundamentos de Modelo de Gestão Orientado para Resultados

Fundamentos de Modelo de Gestão Orientado para Resultados Árvores do Cerrado, muitas e únicas, assim como as organizações. Planejamento Estratégico Fundamentos de Modelo de Gestão Orientado para Resultados Prof. Gilmar Mendes 2011 O CONTEXTO da sociedade industrial

Leia mais

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH

O RH Alinhado ao Negócio. Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH Alinhado ao Negócio Ferramentas da Qualidade Aplicada ao RH O RH ALINHADO AO NEGÓCIO Essencial x fundamental As pessoas e a empresa A importância da estratégia Navegar é preciso A espinha dorsal do

Leia mais

de 2014, sinalizava 0,00 382.137,00 26% 37% 36% Saldo Líquido R$ Receitas R$ Períodoo 23.228,84 O baixo valor Fundos R$ Custeio Codepama Reserva

de 2014, sinalizava 0,00 382.137,00 26% 37% 36% Saldo Líquido R$ Receitas R$ Períodoo 23.228,84 O baixo valor Fundos R$ Custeio Codepama Reserva RELATÓRIO FINANCEIRO DEE 2014 Apresentamos a situação financeira do Condomínio Retiro do Chalé de 2014. 1. Situação ao Final de 2013 A situação financeira ao final de 2013, apresentada saldo total de R$

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF

Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF Planejamento Fiscal 2015 DM/SMF PLANEJAMENTO FISCAL 2015 CAPITULO I APRESENTAÇÃO O Planejamento Fiscal do DM/SMF - Departamento de Impostos Mobiliários da Secretaria Municipal de Fazenda materializa-se

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE

ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE ÁREA: CONTÁBIL / FISCAL / ADM / RH / ECONOMIA / PUBLICIDADE ASSISTENTE ADMINISTRATIVA Necessário experiência com comercial/vendas interna, cálculos e rotina administrativa e aos sábados até ao meio dia

Leia mais