Auditoria em Odontologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditoria em Odontologia"

Transcrição

1 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Título: Auditoria em Odontologia: Controle Técnico Administrativo Autor: Editora:, 2001 Série AUDITORIA EM ODONTOLOGIA Auditoria em Odontologia Controle Técnico-administrativo Copyright 2001 by Esta apostila não poderá ser reproduzida, no total ou em parte, sem a prévia autorização do autor, que pode ser obtida através do ou do site Auditoria em Odontologia i

2 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Sumário Título: Auditoria em Odontologia: Controle Técnico- Administrativo Autor: Editora:, 2001 Definições e Conceitos Auditoria Controle Outros conceitos Princípios Fundamentais Atividades básicas do controle Principais instrumentos da auditoria Relatório de visita Check-list credenciamento Carta de notificação Controle Administrativo Senhas Automação de processos Análise de Risco Fluxogramas Central de Regulação e Call Center Call Center Virtual Controle Estatístico Stop Loss Curva Sazonal Reembolso Usuário Considerações Controle Técnico Tabelas de honorários Rol de Procedimentos ANS Serviços excluídos Protocolos Clínicos Avaliação Técnica Glosa Rede Credenciada ii

3 Credenciamento Seleção Hierarquização / Regionalização Níveis de atenção Parâmetros Cálculo dos recursos necessários Influência sobre os custos Descredenciamento Anexo à portaria 3046/ Exercício de cálculo da necessidade Bibliografia Recomendada iii

4 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Definições e Conceitos Título: Auditoria em Odontologia: Controle Técnico- Administrativo Autor: Editora:, 2001 Antes de darmos início ao estudo sobre os mais diversos métodos de auditoria utilizados em planos de assistência odontológica e os seus mecanismos de controle, é importante ter muito claro os principais conceitos que usaremos ao longo deste estudo, garantindo assim uma melhor compreensão. Vejamos primeiramente algumas definições retiradas de reconhecidos dicionários da língua portuguesa e de autores consagrados: Auditoria significa: Segundo o dicionário Aurélio: a) o exame analítico e pericial que segue o desenvolvimento das operações contábeis, desde o início até o balanço. Note que aqui o foco está na operação contábil. Podemos perceber que o termo auditoria que utilizamos em saúde foi na verdade emprestado daquela atividade. Segundo o dicionário Aires da Mata Filho: a) o mesmo que ouvidoria. Observe que esta definição distoa completamente da anterior, mas serve para dar um maior esclarecimento dos rumos que esta palavra tomou até podermos utilizá-la para o fim que conhecemos hoje, em saúde. Segundo outros autores: O conceito de auditoria (audit) foi proposto por Lambeck em 1956 e tem como premissa a avaliação da qualidade da atenção com base na observação direta, registro e história clínica do cliente. As atividades da auditoria concentram-se nos processos e resultados da prestação de serviços e pressupõem o desenvolvimento de um modelo de atenção adequado em relação às normas de acesso, diagnóstico, tratamento e reabilitação. Consistem em controlar e avaliar o grau de atenção efetivamente prestado pelo sistema, comparando-a a um modelo pré-definido. A auditoria é um conjunto de atividades desenvolvidas tanto para controle (auditoria operacional) quanto para avaliação de aspectos específicos e do sistema em si (auditoria analítica). Segundo o Profº. Dario Paterno (in Auditoria e Análise de Contas Médico-Hospitalares de Adrianos Loverdos), a auditoria pode ser entendida como um conjunto de medidas através das quais, peritos internos ou externos revisam as atividades operacionais de determinados setores de uma instituição, com a finalidade de medir a qualidade dos serviços prestados. Controle significa: Segundo o dicionário Aurélio: a) ato ou poder de controlar; b) domínio; c) governo; d) fiscalização exercida sobre as atividades de pessoas, órgãos, departamentos ou sobre produtos, etc. 1

5 Segundo o dicionário Aires da Mata Filho: a) verificação, vigilância e exame de certos atos ou de certos fatos. Segundo Fayol, o pai da administração: Em uma empresa, o controle consiste em verificar se tudo se realiza conforme o programa adotado, as ordens dadas e os princípios admitidos. Tem por finalidade assinalar a falta e os erros a fim de que possa repará-los e evitar sua repetição. Aplica-se a tudo, às coisas, às pessoas e aos atos. É mister assegurar-se do ponto de vista administrativo de que o programa existe, que é aplicado e levado em dia, que as conferências de coordenação se realizam, etc. Há que assegurar-se, do ponto de vista comercial, que os produtos são apreciados em quantidade e preço. Do ponto de vista financeiro, deve-se realizar o controle sobre os recursos, as necessidades, sobre o emprego de fundos, etc. Isto posto, podemos concluir que: Auditoria: verificação se o que se diz ter sido o foi e se está de acordo com parâmetros quantitativos e qualitativos pré-definidos. Controle: mecanismos de fiscalização e monitorização que se aplicam aos processos e aos produtos da assistência à saúde. Outros Conceitos: Análise: (lise = quebra) decomposição de um todo em suas partes constituintes; exame de cada parte de um todo a fim de conhecer sua natureza, suas proporções, suas funções, suas relações, etc. Operadora: é o nome dado aos também chamados convênios ou planos odontológicos, que realizam intermediação de atendimento neste campo da saúde. Prestador: é como também é chamado os recursos (cirurgião-dentista, clínicas, hospitais, laboratórios, etc) que prestam serviço a uma operadora, seja por contrato direto seja por credenciamento. Indicador: cifra ou relação numérica que representa ou indica determinado fenômeno ou evento, mediante o qual se podem fazer comparações. Ex. mortalidade infantil. Indicador de desempenho: cifra ou relação numérica que aponta e verifica determinados atributos de um processo ou de seus resultados, com o objetivo de comparar estas medidas com metas previamente estabelecidas. Perícia é o nome dado a um procedimento de avaliação clínica determinado por ordem policial ou judicial, a fim de que um processo ou investigação possa ser realizado corretamente e ter prosseguimento com bases técnicas. Os peritos, que precisam ser necessariamente cirurgiões-dentistas, devem fazer os exames odontolegais com imparcialidade. Todo cirurgião-dentista pode ser indicado/nomeado para atuar como perito judicial. Isso lhe é garantido pela Lei 5.081, de 24 de Agosto de 1966, que regula o exercício da odontologia no Brasil. Diz o seu artigo 6º: Compete ao cirurgião-dentista: IV - proceder à perícia odontolegal em foro civil, criminal, trabalhista e em sede administrativa. Avaliação técnica: muitas vezes também chamada de avaliação clínica ou perícia em sede administrativa, a avaliação técnica é a investigação realizada não por ordem policial ou judicial, mas para comprovar o cumprimento de normas técnicas além de fazer uma análise qualitativa do serviço prestado. São as avaliações clínicas realizadas pré e/ou pós tratamento. 2

6 O avaliador deverá se ater a informar ao solicitante (geralmente o auditor) o que foi perguntado ou aquilo que está vendo e comprovando, abstendo-se de colocar suas opiniões pessoais e seu julgamento. { O profissional não deve manifestar qualquer consideração sobre o caso ao paciente no ato do exame. Uma falha comum é o perito/avaliador técnico acabar por manifestar sua opinião, piorando uma relação muitas vezes já litigiosa entre as partes, ocasionando também problemas de ordem ética com o colega que executou o trabalho anterior, objeto de perícia. Portanto, o profissional que faz a perícia deve manter sigilo e abster-se de comentários, sejam eles positivos ou negativos, acerca do caso. Tampouco deve fazer expressões faciais que denunciem sua opinião. Muitas vezes, apenas estas expressões faciais, olhares ou expressões verbais curtas (Puxa!, Nossa!, Hummm!!... ou semelhante) são causadoras de constrangedoras interpretações na relação mencionada acima. Muita atenção! Via de regra, os especialistas em odontologia legal já possuem esta formação específica e por esta razão sabem manter a devida imparcialidade. No entanto, os demais colegas precisam observar isso de forma ativa. Tanto o cirurgião-dentista avaliador técnico quanto o perito devem atuar com total isenção e imparcialidade, descrevendo apenas o que pode relatar e comprovar por meio de exames clínicos e complementares, inclusive radiológicos, e de acordo com a solicitação feita por autoridade quer esta seja policial, judicial ou administrativa. A perícia em sede administrativa pode também ser realizada para comprovar se determinadas regras administrativas do convênio (empresa) foram obedecidas ou não. 3

7 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Título: Auditoria em Odontologia: Controle Técnico- Administrativo Autor: Editora:, 2001 Princípios Fundamentais As ações de controle podem ser feitas através de: Atuação direta da chefia imediata, exercida por subordinação, numa relação de supervisão e inspeção; Órgãos especializados em realizar supervisão; pode ser setores de empresas para este fim; Inspeção in loco; pode ser feita de forma direta ou indireta, ou seja, com o paciente ou não; Dados de registro (relatórios, boletins, fichas, fluxogramas, etc) Cada empresa deve procurar reconhecer qual modo deve ser adotado e em qual momento. Geralmente, são necessários modos combinados de controle dentro de uma mesma corporação, em face das diferentes cadeias de processos existentes. As ações de controle podem variar também de acordo com o grau de precisão requerida pela empresa e/ou pelo processo. Quanto maior a precisão necessária, mais e melhores métodos serão utilizados. Mais de perto deverá ser esta fiscalização. { Além disso, um serviço de auditoria deve estar baseado em integração entre o diagnóstico situacional de saúde da operadora e do plano, os problemas detectados, as prioridades estabelecidas técnica, política e socialmente, a coerência entre as ações realizadas e as planejadas, de forma a subsidiar os órgãos gestores e pessoas que tomam decisões, possibilitando a redefinição de prioridades e a reformatação do plano odontológico em amplos aspectos. A Auditoria Odontológica apresenta alguns pressupostos, a saber: A existência de um sistema de informações estruturado, atualizado e eficiente; Rigoroso monitoramento da regularidade, da qualidade e da fidedignidade dos registros das fichas de atendimentos e prontuários entre outros; O estabelecimento e cumprimento de fluxos dos procedimentos administrativos; Análise de serviços prestados dirigidos para a qualidade; Organização do sistema de saúde (quando hierarquizado), de forma a garantir a acessibilidade, levando em conta as necessidades dos grupamentos populacionais; Organização das atividades para que ocorram de forma sistemática e contínua, possibilitando a identificação precoce de problemas, a implementação imediata de procedimentos corretivos e o acompanhamento do grau de correção. As ações de Controle e Avaliação - ou simplesmente Auditoria - podem ser didaticamente divididas em: Auditoria Operacional (Controle) Auditoria Analítica (Avaliação) Auditoria Analítica (Avaliação) Segundo Avedis Donabedian, podemos dividir o processo de avaliação didaticamente em três diferentes tipos, a saber: 4

8 Estrutura Processo Resultado Envolve também ações de melhoria contínua (ciclo PDCA), com base em hipóteses levantadas quanto a identificação de problemas e soluções. Estes assuntos de auditoria analítica não serão tratados aqui. Esta apostila irá se ater exclusivamente na auditoria operacional. Auditoria Operacional (Controle): A Auditoria Operacional consiste na realização de atividades voltadas para controle das ações desenvolvidas principalmente pela rede credenciada. Concentra-se nas condições físicas, mecanismos de regulamentação e desenvolvimento de ações e programas de saúde. As ações de controle dos atendimentos realizados pelos prestadores devem ser sistematizados. Obs.: o sistema (público) nacional de auditoria foi criado pela lei 8689 de 7 de março de 1993, artigo 6º, regulamentado pelo Decreto-lei 1651 de 28 de setembro de Atividades básicas da auditoria operacional Autorizar previamente a realização de procedimentos mais complexos e custosos; Analisar os casos concluídos; Vistoriar os recursos credenciados; Controlar o cumprimento das normas técnico-administrativas da operadora por parte do prestador e do usuário; Verificar denúncias de usuários e prestadores; Analisar e auditar atendimentos ambulatoriais individuais; Acionar a auditoria analítica a partir da detecção de distorções ou problemas específicos; Analisar e auditar in loco as solicitações de internações, quando de tratamento de pacientes especiais ou bucomaxilo-facial. Principais Instrumentos da auditoria: Regulamento do programa/plano; Diretrizes da empresa; Contratos e convênios com a rede prestadora; Manual do credenciado e do usuário; Portarias governamentais, de vigilância sanitária, etc; Prontuários de pacientes; Tabelas de honorários adotadas; Sistema de informações de saúde da empresa e de mercado; Código de ética. A auditoria operacional em ambulatório deve concentrar-se nos procedimentos de alto custo e alta complexidade, tais como: 5

9 Algumas cirurgias (aumento de coroa clínica, remoção de cistos, exodontia de inclusos, apicectomias, etc); Próteses; Traumatologia; Ortodontia. Análise de prontuário: se for necessário solicitar ao credenciado algum documento extraordinário para a auditoria que pertença ao prontuário do paciente, devemos lembrar que este prontuário não pode ser retirado da unidade/consultório, salvo em casos especiais e com os devidos documentos que a autorizem. Durante uma visita ao credenciado deve-se procurar observar: Instalações físicas; Localização e acesso; Limpeza/higiene; Conservação do local e do equipamento; Adequação e conformidade com o contrato e tipo de serviço prestado; Recursos humanos (ACD, secretária, protético, etc); Tipo de serviço prestado por outros recursos que porventura também atendam no local; Equipamentos a disposição (tipo, quantidade e correta manipulação); Legalidade do consultório e do equipamento, quando necessário; Qualidade do atendimento (humano) por parte de toda a equipe. In loco (paciente internado): Demais itens anteriores, mais: Avaliar a compatibilidade entre o procedimento realizado, anamnese, exame físico e outros exames eventualmente solicitados; Avaliar a compatibilidade com normas administrativas, manuais, etc; Verificar se o cliente pode ou não fazer aquele procedimento, naquele momento, etc; Verificar se o recurso pode executar, contratualmente, aquele procedimento; Verificar itens de hotelaria; Conferir taxas de sala e de utilização de equipamentos, conforme contratado; Etc. Documentos investigados : Solicitação de autorização para o procedimento - Confrontar com o solicitado, autorizado e executado. Prontuário - História clínica As visitas periódicas facilitam o diagnóstico precoce de problemas com o prestador, com a qualidade das instalações e equipamentos, de relacionamento, etc. Além disso, as visitas de supervisão aos consultórios e clínicas garantem ao profissional auditor uma maior proximidade com os colegas prestadores e conseqüentemente, facilitam o processo de entendimento e acordo quando de eventuais problemas entre a tríade prestador/operadora/usuários. 6

10 Há muitos benefícios nas visitas periódicas aos colegas, mas esta deve ser uma decisão estratégica de cada operadora. Lembre-se também que esta aproximação que ocorre entre o auditor e a rede credenciada pode gerar um aumento nas expectativas desta e que precisarão ser satisfeitas. Modelo de relatório de visita Se for detectado algum problema durante a visita, deverá ser feito : Orientação ao profissional quanto ao mal procedimento, verbalmente e por escrito; Carta de notificação para adequação às normas contratuais, com prazos, assinados por ambos (auditor e prestador); Registro da ocorrência em banco de dados da empresa para esse fim. No anexo 1 há um modelo de ficha que deve ser utilizada durante a visita técnica aos consultórios credenciados. É uma espécie de check-list das visitas. No anexo 2 há um modelo de formulário utilizado no credenciamento que pode também ser levado à visita técnica para conferência. No anexo 3 temos um exemplo de carta de notificação. 7

11 RELATÓRIO DE VISITA Responsável técnico: ESTRUTURA FÍSICA Problemas detectados ou observações gerais: RECURSOS HUMANOS Problemas detectados ou observações gerais: EQUIPAMENTOS Problemas detectados ou observações gerais: QUALIDADE Problemas detectados ou observações gerais:, de de ass. Credenciado ass.auditor 8

12 Nome: Credenciamento Dados do Consultório. Endereço/Local de Atendimento (em caso de atender em 2 ou mais endereços autorizados, preencher fichas separadas): Horário de atendimento: ( marque com um X os horários disponíveis) 2a. 3a. 4a. 5a. 6a. Sab. Manhã ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Tarde ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) EQUIPAMENTOS QUE POSSUI ( Marque com X ): ( ) Cadeira Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Equipo Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) RX Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Negatoscópio Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Amalgamador Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Fotopolimerizador Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Estufa Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Autoclave Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Ultrassom Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Jato de Bicarb. Marca: Tempo de uso: Condições:* B Q ( ) Bomba Suc. Vácuo Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Esfigmo Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Estetoscópio Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Unid.Portátil Oxig. Marca: Tempo de uso: Condições*: B Q ( ) Outros ( especificar) : * : No ítem Condições, marcar: B para bom e Q para quebrado ou inoperante Importante: O aparelho de RX está registrado na vigilância sanitária sob número, tendo seu último Alvará oficializado em / /. Metragem da sala de espera: m2 Metragem da sala de consulta: m2 No. de banheiros para pacientes: 9

13 Assinale com um X no espaço indicado, as informações abaixo que forem verdadeiras: ( ) Há estacionamento próprio para clientes ( ) Há facilidade de estacionamento nas vias próximas ao consultório ( ) Há ponto de ônibus e/ou metrô próximo ao consultório ( ) Possui microcomputador ( ) Possui software odontológico. Qual? ( ) Possui Fax ( ) Há secretária/recepcionista ( ) Trabalha com ACD ( Auxiliar Odontológica). Nº CRO da ACD: ( ) Trabalha com THD ( Técnico em Higiene Dental ). Nº CRO da THD: Outras informações que achar necessária: Eu,, confirmo as informações por mim acima prestadas e as tenho como verdadeiras, estando ciente que qualquer inveracidade nelas poderá acarretar meu descredenciamento automático., de de 200 Assinatura do Credenciado _ Para uso exclusivo da (NOME DA OPERADORA): Consultório visitado em : / / Por: Observações: 10

14 Nome da Operadora A/C Dr., de de 20. CARTA DE NOTIFICAÇÃO Prezado Dr. ; Em / / nosso auditor odontológico realizou visita técnica de inspeção em seu consultório, na sua presença, tendo sido observadas algumas irregularidades citadas a seguir: Assim sendo, notificamos ao Sr. para que normalize ao que foi acimo exposto e justifique o ocorrido, por escrito, num prazo de dias a contar do recebimento desta. A não apresentação das justificativas e/ou regularização do solicitado pode acarretar sanções como previsto em seu contrato de credenciamento, artigo 3 º, parágrafo único. Em caso de dúvidas ou necessidade de esclarecimentos, colocamos à sua disposição o telefone ou Atenciosamente; Dr. Fulano de Tal Auditor, CD Dr. Cicrano Chefe do setor, CD 11

15 Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a autorização da Editora. Título: Auditoria em Odontologia: Controle Técnico- Administrativo Autor: Editora:, 2001 Controle Administrativo O papel das senhas As chamadas senhas podem ser bastante úteis em diversas situações. São mais comuns em operadoras que trabalham com centrais de regulação, como veremos um pouco mais adiante. Elas podem ser utilizadas para: Solicitar (e liberar, se for o caso) autorização prévia para a realização de determinado procedimento; Fornecer ao sistema um panorama claro de quem está em tratamento odontológico, com que credenciado, etc; Subsidiar os auditores para visitas técnicas; Servir de código interno para liberação de casos especiais ou comunicação entre auditores; Dar maior segurança ao prestador em receber seu pagamento; Dar maior garantia ao usuário em ser atendido; Dar certeza à operadora de liberar somente procedimentos coberto pelo plano; Rastrear o fluxo de pacientes pelo sistema; Promover o rateio interno de contas da operadora. Outros... Autorizações prévias: As autorizações prévias devem ser solicitadas principalmente para: Procedimentos de difícil comprovação clínica pós-tratamento; Procedimentos de alto custo; Procedimentos de alta complexidade e difícil execução (espec. rara, p. exemplo); Exceções à tabela; Procedimentos de caráter exclusivamente cosmético mas que sejam cobertos pelo plano; Procedimentos que você definir que precisam ser altamente controlados. 12

16 Automação de Processos (Auditoria por Processo Eletrônico) O sistema de análise e fluxo de documentos dentro da operadora deve ser feita por meio magnético, isto é, via computadores, que estes sejam micro, mini ou de grande porte (main frame), o que vai variar conforme o tamanho e as necessidades de cada empresa. Seqüência de passos: 1º) Análise de cadastro do usuário e do prestador 2º) Análise de elegibilidade do usuário do prestador especialidade coberta 3º) Análise de inconsistências qualitativas de procedimentos 4º) Análise de inconsistências quantitativas de procedimentos (repetição em prazos inferiores aos permitidos e quantidades autorizadas) 5º) Análise técnica O sistema, sempre que possível, deve emitir relatórios periódicos para o auditor, de forma a facilitar o trabalho de levantamento e apuração das irregularidades. O sistema pode triar os casos, criando-se uma pontuação que leve em conta: Perfil do prestador (se apresenta ou não problemas anteriores com a operadora, tempo de credenciamento, reclamações de usuários, modus operandi, etc) Perfil do usuário (grupo de risco - idade, sexo, salário, tempo de associado, vínculo etc) Perfil do tratamento (implante, orto, próteses, buco - tipo e quantidade) Valor do tratamento (por faixas: acima de $, $$ ou $$$) Com a pontuação estabelecida, o sistema deve classificar e apontar os grupos de maior ou menor risco de apresentar irregularidades: Baixo Risco: auditado somente por sistema eletrônico Médio Risco: deve ser conferido pelo auditor Grande Risco: deve ser conferido pelo auditor e feito perícia Altíssimo Risco: deve ser também circularização e visita (pente fino) Os casos de AR correspondem a menos de 5% do volume. Os casos de GR correspondem a aproximadamente 15% do volume. Os casos de MR correspondem a aproximadamente 55% do volume. Os casos de BR correspondem a menos de 25% do volume. 13

17 25% 5% 15% 55% Altíssimo Risco Grande Risco Média Risco Baixo Risco Assim, podemos definir melhor a alocação de recursos e em que área devemos atuar mais contundentemente como auditores e em quais casos podemos afrouxar o cinto. 14

18 Fluxograma Precisamos também conhecer muito bem todos os fluxos internos dos documentos e das tomadas de decisões na empresa, a fim de melhor ajustarmos nossa atividade profissional. Vamos ver agora alguns dos principais símbolos utilizados em fluxogramas, isto é, em desenhos esquemáticos que representam o fluxo de informações, documentos e decisões dentro da empresa/setor/plano. Processo processo alternativo decisão Dados documento vários doc. Terminação preparação entrada manual Operação manual dados armazenados conector Ou agrupar classificar somador 15

19 Entrega de fichas e planilhas Conferência de Dados cadastrais Não Está OK? Não Verif. do problema Corrigível? Sim Correção Sim Digitação Altíssimo Risco Processamento Eletrônico Risco Grande Risco Inconsistências? Sim Médio Risco Não Pagamento Baixo Risco Auditoria pós pgt Está OK? Não Glosa Sim Fim 16

20 ETAPA ENTREGA das fichas e planilhas CONFERÊNCIA DADOS FUNDAMENTAIS DIGITAÇÃO PROCESSAMENTO DAS FICHAS /PLANILHAS ANÁLISE, por risco PERÍCIA ( se necessário) GLOSAS (se necessário) PAGAMENTO RESPONSÁVEL Credenciado Pessoal Adm. Digitador Computador Pessoal Adm. (BR, MR em parte) CD Auditor (MR, GR e AR) CD Perito CD Auditor Sistema, Pessoal Adm. Importante: todos aqueles funcionários que têm acesso às informações pessoais dos pacientes, têm a responsabilidade de resguardá-las, assim como devem manter o sigilo sobre o tipo de tratamento a que se submete(u) cada usuário em particular, tanto por razões éticas como morais e legais. Esse fato, dentro de empresas de autogestão é de particular importância, pois muitas vezes, as fichas com tratamentos de pessoas conhecidas dos funcionários (colegas, conhecidos, chefes, presidente da empresa, esposa do amigo, etc) passam em suas mãos e podem ser motivos de comentários desagradáveis. Central de Regulação e Call Center Central de regulação é um instrumento da auditoria operacional que controla a relação entre oferta e demanda. Se a oferta de serviços é menor que a demanda de clientela, é necessário garantir o acesso do cliente/usuário de maneira racional, evitando a utilização inadequada ou exagerada dos serviços. Se a oferta de serviços for maior que a necessidade da clientela, é necessário controle a fim de evitar abusos na utilização do sistema. Oferta excessiva gera, frequentemente, sobre-utilização. Funções da Central de Regulação e Atendimento: a) Orientar o encaminhamento dos pacientes para níveis de maior ou menor complexidade; b) Controlar a utilização de urgências; c) Agendar consultas nas diversas especialidades; d) Monitorar a utilização de cada prestador; e) Distribuir os usuários pelo sistema; f) Agilizar o processo de autorização; g) Atualizar dados cadastrais, tanto do usuário quanto do prestador; h) Autorizar a emissão de guias; i) Autorizar previamente a realização de procedimentos mais complexos e custosos; j) Acolher denúncias de usuário, prestadores, ou profissionais de saúde; k) Direcionar o atendimento a prestadores preferenciais para o caso; l) Apoiar o prestador em questões técnicas e administrativas Há diversas formas de se operacionalizar uma central de regulação. Às vezes, cada prestador possui um código de acesso registrado no sistema que lhe garante a comunicação com a CR. O prestador liga e pede autorização (senha) para o atendimento e/ou a realização de determinado procedimento, identificando a si próprio e ao paciente, o que ajuda inclusive, a atualização de dados cadastrais. 17

21 O usuário, por sua vez, pode ligar para pedir a autorização para a realização de seu tratamento, numa espécie de emissão de guia. A CR pode servir de porta de entrada para qualquer utilização do plano assistencial. A liberação de senhas, tanto para o usuário quanto para o prestador (especialmente este último) pode ser um importante instrumento de gerenciamento da utilização, hierarquização, distribuição e da demanda. A CR pode servir também como fornecedor de indicadores de performance operacional, por prestador, embasando estudos atuariais e estatísticos de um modo geral, ou seja, controla, avalia e gera banco de dados confiáveis. Os técnicos que realizarão o atendimento na CR deverão ser treinados tanto para o bom atendimento ao público (prestador e usuário) quanto em informações técnicas sobre os produtos (planos) e sistemáticas utilizadas em cada caso. Assim, as informações prestadas e os serviços solicitados serão rápidos e precisos. A CR deve manter o cadastro de prestadores sempre atualizado, pois esta é uma das principais razões de consulta a esse tipo de sistema, principalmente quando é associado a central de atendimento (telemarketing). Call Center Virtual O Customer Relationship Management (CRM) é uma estratégia de negócios que garante que todas as informações existentes sobre os clientes estejam armazenadas numa mesma base de dados, acessível a todos os setores da empresa - objetivando oferecer um tratamento altamente personalizado a cada consumidor de forma individualizada. O foco voltado para o consumidor vem ganhando forças recentemente por meio do chat, ferramenta de batepapo da Internet, muito conhecida principalmente pelos adolescentes. O curioso é que o chat está se tornandor uma poderosa ferramenta para a equipe de call center poder atender o consumidor em tempo hábil, com respostas prontas, precisas e rápidas. Muitos clientes desistem de realizar suas compras na web por não encontrarem exatamente o que procuram, pelas dificuldades e temores das transações comerciais e financeiras, mas principalmente por terem de ficar muito tempo esperando uma resposta de um atendente ao telefone, interrompendo sua navegação na Internet. O Call Center virtual nada mais é que um chat que permite que o usuário converse com o atendente e solicite informações sobre o produto desejado disponível na Web sem precisar interromper sua navegação. Controle Estatístico: Estatística é o ramo da matemática usado para descrever ou provar observações. São fatos os dados de natureza numérica, reunidas, classificadas e tabuladas de forma a apresentar informações significativas sobre o assunto. É de suma importância para o controle de ações em saúde, principalmente quando feito através de estudo de séries históricas, com base em um bom banco de dados. Devemos realizar estudos estatísticos constantes de forma a monitorar em níveis comparativos, o andamento do plano odontológico como um todo, assim como a performance da rede prestadora, perfil de utilização da tabela, etc. É importante então manter todos os bancos de dados sempre atualizados. São exemplos de fontes de dados: Cadastro de prestadores e de usuários; Registro de procedimentos realizados (por profissional, por dente, por face, por região, etc...); 18

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO Prezado (a) Doutor (a): A ORAL ODONTO é uma empresa criada e administrada por profissionais dentistas que se dedicam a oferecer os melhores recursos

Leia mais

Institucional Invest Oral

Institucional Invest Oral Institucional Invest Oral A Invest Oral Fundada em 2003, por nosso sócio fundado Dr. Fabio Loriato Calmon; possui grande expertise conquistada ao longo de seus 12 anos de existência; Uma empresa operadora

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Página: 1. Revisão: 16/12/2008. G:\TI\Negocios\Manuais_WebGuias\WebGuias 1.08.doc

Página: 1. Revisão: 16/12/2008. G:\TI\Negocios\Manuais_WebGuias\WebGuias 1.08.doc Página: 1 Página: 2 INDICE EMISSÃO DE GUIAS VIA INTERNET... 3 WEBGUIAS...4 1. Página Inicial...5 2. Alterando a senha padrão fornecida pela Santa Casa Saúde:...6 3. Mensagens WEB...7 4. Autorização de

Leia mais

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de

www.santahelenasuade.com.brmecanismos de 1 www.santahelenasuade.com.brmecanismos de Regulação 2 A CONTRATADA colocará à disposição dos beneficiários do Plano Privado de Assistência à Saúde, a que alude o Contrato, para a cobertura assistencial

Leia mais

Guia Prático de Utilização do Plano

Guia Prático de Utilização do Plano Guia Prático de Utilização do Plano Aqui você tem o que há de melhor para a sua saúde. O QUE É A UNIMED APRESENTAÇÃO Sua finalidade é prestar assistência médica e hospitalar de alto padrão, dentro do sistema

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Manual do Prevencionista

Manual do Prevencionista Manual do Prevencionista Sumário 1- Introdução 2- Instruções de atendimento 2.1- Identificação do beneficiário 2.2- Quanto ao tratamento 2.2.1- Etapas do atendimento 2.2.1.1- Situação atual 2.2.1.2- Fichas

Leia mais

Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência

Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência Manual de Orientações Técnicas e Administrativas de Serviços em Check-up da Tempo USS - Serviços de Assistência Maio de 2011 1. Apresentação Apresentamos o Manual de Orientações Técnicas e Administrativas

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

SulAmérica Odonto Empresarial

SulAmérica Odonto Empresarial SulAmérica Odonto Empresarial O sorriso dos seus colaboradores está em nossos planos. A partir de 100 vidas sulamerica.com.br Sobre a SulAmérica A SulAmérica Seguros, Previdência e Investimentos, com 116

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

MÓDULO 1.0 Tela inicial do sistema, onde é identificado o usuário pelo próprio CRO sendo coerente com a senha, lhe é permitido o acesso via WEB ao sistema DENTAL GROUP. Quando carrego a tela de menu já

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução 3 O e-sic 4 Primeiro acesso 5 Cadastrando-se no e-sic 6 Acessando o e-sic 7 Funções do e-sic 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic 9 Como fazer um pedido de

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M

Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M Política de Atendimento Técnico, Suporte e Assistência aos softwares SiplanControl-M 1. Introdução a política 2. Quem está elegível para solicitar suporte? 3. Horário de atendimento 4. Que tempo de resposta

Leia mais

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter

Software de Compras. Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter Software de Compras Manual de treinamento para usuários do OutBuyCenter OutBuyCenter Software para o gerenciamento de compras integradas (eprocurement e supply chain), objetiva a rápida tramitação de compras

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB

MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB MANUAL DO PRESTADOR FATURAMENTO WEB 0 Sumário Introdução... 2 Funcionalidades... 2 Requisitos Necessários... 2 Faturamento Web... 3 Faturamento Simplificado... 4 Faturamento Detalhado... 9 Faturamento

Leia mais

Manual de Orientação ao Beneficiário OdontoGroup. Prezado Beneficiário, Seja Bem-Vindo!

Manual de Orientação ao Beneficiário OdontoGroup. Prezado Beneficiário, Seja Bem-Vindo! Prezado Beneficiário, Seja Bem-Vindo! É uma honra para a OdontoGroup tê-lo como cliente. Afinal, são mais de 18 anos trabalhando para levar a você e à sua família uma das melhores e mais seguras coberturas

Leia mais

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS FASCÍCULO DO BENEFICIÁRIO VERSÃO 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. CONSULTA/ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA EM PRONTO ATENDIMENTO

Leia mais

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar

PLANO DE SAÚDE. Tenha em mãos informações importantes. Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar PLANO DE SAÚDE Tenha em mãos informações importantes Guarde junto com o cartão do seu plano de saúde para consultar quando precisar A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora

Leia mais

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS

SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS SISTEMA HILUM FISIOTERAPIAS 2014 Tecnologia da Informação - TI Unimed Cascavel MANUAL HILUM 4.0 - FISIOTERAPIA A ANS estabeleceu um padrão de Troca de Informação em Saúde Suplementar - TISS para registro

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS - MANUAL DO USUÁRIO

PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS - MANUAL DO USUÁRIO SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DO ESTADO DA BAHIA ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SEVIDORES ESTADUAIS PLANSERV PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS - MANUAL DO USUÁRIO CONTATO: 3116-4789/ 3116-4741 AGOSTO/2007

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP

Sistema de Gestão da Qualidade Serviços Associados Manual de Procedimentos ATAP Pág. 1 / 6 1 Objetivos do Programa Neste manual, estão descritos os procedimentos, a política e os pré-requisitos que regem o Programa para Assistência Técnica Autorizada Perto, singularmente denominada

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS AMBULATORIAIS DE EMERGÊNCIA (FASCÍCULO DO PRONTO-SOCORRO E DO PRONTO ATENDIMENTO) VERSÃO I - 2013 ÍNDICE APRESENTAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS

Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar PADRÃO TISS RADAR TISS Operadoras Edição 2014 ERRATA Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS. Padrão de Troca de Informações na Saúde Suplementar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC)

A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR. Comissão Nacional de Convênios e Credenciamentos (CNCC) 1 A IMPORTÂNCIA DA REGULAÇÃO E DA CONTRATUALIZAÇÃO EM SAÚDE SUPLEMENTAR 2 CONCEITOS 3 SAÚDE SUPLEMENTAR: atividade que envolve a operação de planos privados de assistência à saúde sob regulação do Poder

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

Dúvidas Freqüentes: Autorizador Web

Dúvidas Freqüentes: Autorizador Web Dúvidas Freqüentes: Autorizador Web 1. Como faço pedido de intercâmbio pelo autorizador? Acessando a página inicial do autorizador encontrará na barra de tarefas lateral a opção INTERCÂMBIO. Para intercâmbio,

Leia mais

Octávio Antonio Filho

Octávio Antonio Filho Octávio Antonio Filho Redes Abrangência e território Distribuição desigual dos cirurgiões-dentistas Fonte: Morita, Maria Celeste. Perfil atual e tendências do cirurgião-dentista brasileiro / Maria Celeste

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Objetivo Principal. Objetivos Secundários

Objetivo Principal. Objetivos Secundários Objetivo Principal O Personal Med Hospitalar foi resultado de um longo esforço de O&M em hospitais de vários portes e regiões do Brasil. O sistema foi concebido a partir do detalhamento de 176 processos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SAÚDE BUCAL NOTA TÉCNICA ASS: Credenciamento e repasse de recursos para os Laboratórios Regionais de

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL

QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL QUANTO VALE O SEU TRABALHO? PARTE 2: HONORÁRIOS NUTRIS BRASIL Por Profa.Dra. Cyllene de M.OC de Souza Dra em Ciência e Tecnologia de Alimentos (UFRRJ), Mestre em Vigilância Sanitária (INCQS-FIOCRUZ) Supervisora

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS Contrato que entre si fazem, na melhor forma de direito, de um lado( nome da operadora), com sede na rua..., n o...,bairro..., em(nome da cidade), (Estado), inscrita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Manual do Prestador Versão TISS 3.02

Manual do Prestador Versão TISS 3.02 Manual do Prestador Versão TISS 3.02 Caro(a) Prestador(a) Serviços, É com muito prazer e satisfação que aproveitamos esta página para demonstrar nosso agradecimento em relação à confiança depositada por

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS DE SADT ELETIVO (FASCÍCULO DO SADT ELETIVO) VERSÃO I - 2013 Instituto Curitiba de Saúde ICS - Plano Padrão ÍNDICE APRESENTAÇÃO

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento

Módulo Faturamento. Da prestação de serviço à remuneração dos médicos. www.centralxclinic.com.br. 1 Configuração do faturamento Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

RANKING DE INTERCÂMBIO

RANKING DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO Ranking de Intercâmbio A Unimed do Brasil na busca pela qualificação dos processos operacionais do Sistema Unimed, vem trabalhando na modernização do Ranking de Intercâmbio, de forma

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS CONSULTÓRIOS/CLÍNICAS CREDENCIADAS PARA ATENDIMENTO ELETIVO (FASCÍCULO DO ATENDIMENTO ELETIVO) VERSÃO I - 2013 Instituto

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde:

Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde. Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Saiba tudo sobre o seu Plano de Saúde Veja aqui as principais dúvidas e respostas sobre o CorreiosSaúde: Pergunta: O Plano de Saúde dos Correios mudou? A PostalSaúde é um novo Plano? Resposta: Não. O Plano

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Manual Ilustrado Repasse de Honorários Médicos

Manual Ilustrado Repasse de Honorários Médicos Junho - 2014 Índice Título do documento 1. Objetivos... 3 2. Introdução... 3 3. Cadastros... 4 3.1. Cadastro de Desconto em Repasse... 4 3.2. Cadastro de Critério Geral de Repasse... 4 3.3. Cadastro de

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Guia de Ambientação Março/2011

Guia de Ambientação Março/2011 Guia de Ambientação Março/2011 APRESENTAÇÃO Caro cursista, Bem vindo ao Guia de Ambientação. Este documento é dirigido a você, participante. Com ele, você conhecerá como está estruturada a interface de

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais