Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Como Exportar Finlândia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Como Exportar Finlândia"

Transcrição

1 Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Como Exportar Finlândia

2 COLEÇÃO ESTUDOS E DOCUMENTOS DE COMÉRCIO EXTERIOR COMO EXPORTAR Finlândia

3 Coleção: Estudos e Documentos de Comércio Exterior Série: Como Exportar CEX: 233 Elaboração: Elaboração: Ministério das Relações Exteriores MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos DPR Divisão de Inteligência Comercial DIC Embaixada do Brasil em Helsinque Setor de Promoção Comercial SECOM Coordenação: Divisão de Inteligência Comercial - DIC Distribuição: Divisão de Inteligência Comercial - DIC Os termos e a apresentação de matérias contidas na presente publicação não traduzem expressão de opinião por parte do MRE sobre o status jurídico de quaisquer países, territórios, cidades ou áreas geográficas e de suas fronteiras ou limites. Os termos desenvolvidos e em desenvolvimento empregados em relação a países ou a áreas geográficas não implicam posição oficial por parte do MRE. Direitos reservados. O DPR, que é titular exclusivo dos direitos de autor, permite sua reprodução parcial, desde que a fonte seja devidamente citada. O texto do presente estudo foi concluído em outubro de B823c Brasil. Ministério das Relações Exteriores. Divisão de Inteligência Comercial. Como Exportar: Finlândia/ Ministério das Relações Exteriores._Brasília: MRE, p.; il._ (Coleção estudos e documentos de comércio exterior). 1. Brasil Comércio exterior. 2. Finlândia Comércio Exterior. I. Título. II. Série. CDU: (480:81)

4 Como Exportar FINLÂNDIA SUMÁRIO INTRODUÇÃO...5 MAPA DA FINLÂNDIA...7 DADOS BÁSICOS...9 I ASPECTOS GERAIS População, centros urbanos e indicadores Organização política e administrativa Participação em organizações internacionais e acordos...13 II ECONOMIA, MOEDA E FINANÇAS Conjuntura econômica Principais setores de atividade Indústrias de transformação Moeda e finanças...30 III COMÉRCIO EXTERIOR DA FINLÂNDIA Desenvolvimento recente Origem e direção do comércio Composição por produtos IV RELAÇÕES ECONÔMICAS BRASIL FINLÂNDIA Comércio bilateral Investimentos Principais acordos econômicos entre a Finlândia e o Brasil V ACESSO AO MERCADO Estrutura tarifária Regulamentação das atividades de comércio exterior Documentação e formalidades Transporte marítimo, ferroviário e transporte aéreo Regimes alfandegários especiais VI ESTRUTURA DE MARKETING E VENDAS Canais de distribuição Práticas comerciais Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

5 VII RECOMENDAÇÕES ÀS EMPRESAS BRASILEIRAS ANEXOS...73 I. Endereços...73 II. Informações adicionais...78 BIBLIOGRAFIA...79

6 Como Exportar FINLÂNDIA INTRODUÇÃO A Finlândia está localizada no Norte da Europa, entre a Suécia e a Rússia, e limita-se com o Mar Báltico, com o Golfo da Bósnia e com Golfo da Finlândia. Com 338 mil km² de extensão, tem população de 5,48 milhões de habitantes em 2014, possui expectativa de vida de 80,5 anos. O PIB estimado da Finlândia foi US$ 276,3 bilhões em Países vizinhos: População (milhões) PIB (bilhões) - Rússia 143,7 US$ Suécia 9,7 US$ Noruega 5,2 US$ Estônia 1,3 US$ 26 O PIB per capita da Finlândia de US$ , em 2014, é similar ao do Reino Unido, França e Coreia do Sul. No Índice de Competitividade Mundial de (Fórum Econômico Mundial), a Finlândia ocupa a 3ª posição após a Suíça e Cingapura. A Finlândia é uma sociedade politicamente e economicamente estável e é membro da União Europeia desde A economia finlandesa baseia- -se no conhecimento e é forte em inovação. Os investimentos nacionais duradouros em inovação e uma política de tecnologia voltada para o futuro produziram um conhecimento de especialidade de nível internacional em muitos setores da economia finlandesa. A Finlândia tem vários conglomerados de empresas de alta tecnologia que possuem conhecimento de ponta. Os pontos fortes especiais da Finlândia incluem Tecnologia Limpa, Energia Renovável, Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Assistência Médica e Produtos Farmacêuticos, assim como Mineração, Silvicultura e Indústrias Químicas. Graças à forte cooperação entre as empresas e os institutos de educação superior, as empresas podem se beneficiar diretamente da excelência acadêmica das universidades finlandesas. Em 2012, o total de vendas combinado das empresas de tecnologia limpa da Finlândia foi superior a US$ 28 bilhões, dos quais as exportações contaram em US$ 15 bilhões. A Finlândia tem como objetivo elevar o total faturado do setor de negócios de Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

7 FINLÂNDIA Como Exportar tecnologia limpa para US$ 65 bilhões em 2020 e aumentar as exportações nesta área para mais de US$ 48 bilhões. Em 2011, mais de 10 milhões de toneladas de lixo foram incinerados na Finlândia, 22% a mais que no ano anterior para produzir mais de 10% do consumo total de energia e mais de 1/5, se for incluída a lixívia negra da indústria florestal. A Finlândia é tradicionalmente líder mundial nas indústrias relacionadas à madeira (tecnologia de papel, celulose, madeira). Empresas finlandesas como Pöyry e Metso também estão envolvidas na maioria dos projetos de celulose e papel no Brasil. Devido à demanda decrescente de papel a indústria finlandesa de celulose e papel está desenvolvendo ativamente biorrefinarias criando novos biocombustíveis par substituir combustíveis fósseis e criando novos produtos biocompostos. A Finlândia é um dos países mais atraentes na Europa devido aos recursos naturais, um grande território com uma população pequena e política de impostos favorável. Em cooperação com outras pesquisas geológicas nórdicas e organizações de pesquisa russas, a Geological Survey of Finland (GTK) compilou um novo mapa mostrando todas a minas industriais de minerais, no passado e presente e todos os depósitos relevantes em Fennoscandia (Noruega, Suécia, Finlândia, Carélia e Península de Kola). Para as empresas brasileiras, a Finlândia é uma porta de entrada excelente para a Rússia e os países Bálticos. A despeito do seu vasto território asiático, a Rússia está voltada na direção da Europa e mais de 80% da população vive a oeste de Urais no lado europeu. A filiação da Rússia à Organização Mundial do Comércio estabelece um bom alicerce para a cooperação econômica entre a Finlândia e a Rússia. As empresas brasileiras têm boas chances de realizar negócios com empresas finlandesas fora do território finlandês. 30% de todas as importações russas e 40% de todas as importações da União Europeia que entram na Rússia por terra deparam- -se com a fronteira finlandesa. As empresas brasileiras podem negociar com as empresas finlandesas, as quais têm subsidiárias na Rússia. 6 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

8 Como Exportar FINLÂNDIA MAPA Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

9 FINLÂNDIA Como Exportar Foto: shutterstock.com Catedral de Uspenski em Helsinque, Finlândia 8 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

10 Como Exportar FINLÂNDIA DADOS BÁSICOS Área: km² População: 5,48 milhões de habitantes Densidade populacional: 16 habitantes/km² População economicamente ativa: 2,6 milhões de habitantes Principais cidades: Helsinque(capital), Espoo, Tampere, Vantaa Moeda: Euro ( ) Taxa de câmbio: Euro ( )/US$: 0,73 (2013). Taxa de desemprego: 8,5% Inflação: 0,958% PIB (2014): US$ 267,3 bilhões Composição do PIB (2013): Agricultura: 2,9% Indústria: 25,1% Serviços: 71,9% Crescimento do PIB (últimos 5 anos): ,3% 2,99% 2,57% -1,46% -1,21% Fonte:World Economic Outlook Database October 2012, International Monetary Fund PIB per capita (US$) , , Fonte:World Economic Outlook Database October 2012, International Monetary Fund Crescimento do PIB (previsão para 2015): 0,92 % Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

11 FINLÂNDIA Como Exportar Comércio exterior (US$ 2013): Exportações: US$ 74,3 bilhões Importações: US$ 77,3 bilhões Comércio exterior (Janeiro-Setembro de 2014): Exportações: US$ 56,26 bilhões Importações: US$ 57,96 bilhões Comércio bilateral (US$ 2014): Exportações brasileiras: US$ 401 milhões Importações brasileiras: US$ 628 milhões 10 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

12 Como Exportar FINLÂNDIA I - ASPECTOS GERAIS 1. Localização e superfície 1. População, centros urbanos e indicadores População Em 2014 a população da Finlândia atingiu mil habitantes, segundo dados preliminares do Fundo Monetário Internacional (World Economic Outlook Database-October 2014). Destes 67% residem em cidades ou áreas urbanas, e 33% em áreas rurais. Principais cidades População Helsinque (capital) Espoo Tampere Vantaa Oulu Turku Jyväskylä Kuopio Principais indicadores socioeconômicos A região de Uusimaa (incluindo a região da capital Helsinque, Espoo evantaa) ocupa 3% do território da Finlândia, mas ganhou 40% do PIB da Finlândia em Taxa de alfabetização na Finlândia, 100%. De acordo com o Fórum Econômico Mundial 2011, a Finlândia tem a melhor disponibilidade de cientistas e engenheiros do mundo. No ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de 2013, a Finlândia posicionou-se no 24º lugar 2. Organização política e administrativa A Finlândia é uma sociedade econômica e politicamente estável e é membro da União Europeia desde Governo - Seguindo as eleições parlamentares de março de 2011, a nova coalisão do governo de centro- -direita é formada de 19 cargos ministeriais ocupados pelo Partido Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

13 FINLÂNDIA Como Exportar de Coalizão Nacional (6), o Partido Social Democrático (6), A Liga Verde (2), a Aliança de Esquerda,(2) Democratas Cristãos (1) e o Partido das Pessoas Suecas (2). - Ministério das Relações Exteriores - Programa de Parceria Empresarial da Finlândia - Ministério de Emprego e Economia - TEKES - VTT Centro de Pesquisa Técnica da Finlândia - Pesquisa Geológica da Finlândia (GTK) - Agência Finlandesa de Produtos Químicos e Segurança (Tukes) - Ministério do Meio Ambiente - Ministério da Agricultura e Silvicultura - A Autoridade de Segurança Alimentar Finlandesa Evira - O Instituto Finlandês de Pesquisa Florestal - O Ministério das Finanças - A Aduana Finlandesa - Statistics Finland - Ministério de Assuntos Sociais e Saúde - Fimea - Agência Finlandesa de Remédios - Valvira a Autoridade de Supervisão Nacional de Bem-estar e Saúde - Ministério da Educação e Cultura - Ministério da Justiça - Ministério do Interior - Ministério dos Transportes e Comunicações Organização administrativa A Finlândia compreende 19 regiões. Tem um governo forte baseado na democracia local e tomada de decisões. Há 320 municípios na Finlândia. As autoridades finlandesas locais e conjuntas empregam mais de 439 mil pessoas, o que é aproximadamente 20% da força de trabalho da Finlândia. A despesa anual das autoridades locais foi de US$ 63 bilhões, em Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

14 Como Exportar FINLÂNDIA 3. Participação em organizações internacionais e acordos A Finlândia participa das seguntes organizações internacionais: - Representação Permanente na União Europeia (UE), Bruxelas - Representação Permanente no Conselho da Europa (COE), Strasbourg - Missão Permanente na Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Viena - Missão Permanente na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), Paris - Missão Permanente nas Nações Unidas (ONU), Nova York e Genebra - Missão Permanente à Organização Mundial do Comércio (OMC) e outras organizações internacionais em Genebra - Representante Permanente na União da Europa Ocidental (UEO) - Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Bruxelas - Delegação Permanente na Organização Cultural, Científica e Educacional das Nações Unidas (UNESCO), Paris - Representante Permanente na Associação Internacional de Energia Atômica das Nações Unidas (AEAI), Viena. Cooperação climática As negociações internacionais são conduzidas dentro da Convenção de Enquadramento da Nações Unidas sobre a Alteração Climática (CQNU- AC), na qual a Finlândia negocia na qualidade de um Estado Membro da UE. O Ministério das Relações Exteriores é responsável pelos deveres investidos em serviço exterior e participa das negociações internacionais sobre o clima nesta função. Além disso, serve como a autoridade nacional finlandesa para o mecanismo de desenvolvimento sustentável e monitora a implementação dos projetos CDM. O Ministério do Meio Ambiente é o principal responsável pela preparação e coordenação das ações finlandeses em questões climáticas, e cooperação com outros ministérios. O Ministério do Emprego e Economia é responsável pela elaboração de metas climáticas nacionais e pela negociação de emissões na UE. O Ministério da Agricultura e Silvicultura e o Ministério do Transporte e Comunicações são responsáveis Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

15 FINLÂNDIA Como Exportar pelos assuntos climáticos em seus próprios setores administrativos. A cooperação da Finlândia com as áreas vizinhas A principal meta das apropriações das áreas vizinhas do Ministério das Relações Exteriores será a cooperação regional multilateral, que apoia os objetivos estabelecidos no Programa do Governo, tais como a cooperação da North Dimension e do Ártico, Mar Báltico e o Mar de Barrents. A Finlândia é um membro efetivo do Conselho Ártico, o qual consiste nos oito países com o território ártico. 14 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

16 Como Exportar FINLÂNDIA II - ECONOMIA, MOEDA E FINANÇAS 1. Conjuntura econômica Produto Interno Bruto (PIB) US$ bilhões ,1 248,3 273,9 255,9 267,4 O valor agregado do setor manufatureiro e da indústria de eletrônicos diminuiu consideravelmente em O valor agregado cresceu em algumas indústrias, tais como a de produtos farmacêuticos e de preparações farmacêuticas, e a de abastecimento de energia. A participação do setor manufatureiro do total do valor agregado da economia nacional como um todo foi excepcionalmente baixa. Taxa de desemprego (01/ /2013) Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

17 FINLÂNDIA Como Exportar Alterações anuais do Índice de Preço ao Consumidor ,8% 2,8% 2,6 % 3,5% 1,9% Índice de Preço ao Produtor (IPP) Os preços dos produtos manufaturados caíram especialmente devido a reduções nos preços de produtos de petróleo, fabricação de metais básicos, substâncias químicas e produtos químicos. A queda nos preços para o produtor foi desacelerada principalmente por altos preços de aquecimento urbano, eletricidade e alimentos. O Índice de Preço de Exportação caiu 2,6% e o índice de Preço de Importações 3,3% no ano. Os preços de exportação declinaram especialmente devido a preços mais baixos dos produtos de petróleo e produção de metais básicos a partir de setembro do ano anterior. A queda nos preços foi controlada particularmente pelos altos preços de maquinário e equipamentos elétricos. A queda nos preços de importação foi causada especialmente pelos preços mais baixos de petróleo bruto e minérios metálicos. A queda nos preços foi principalmente controlada pelo aumento do preço da eletricidade. 2. Principais setores de atividade Com relação ao comércio exterior, o setor econômico mais importante é o manufatureiro. A maiores indústrias são de eletrônicos, máquinas, veículos e outros produtos de metais sofisticados, indústria florestal e substâncias químicas Engenharia mecânica Os empreendimentos industriais empregam 131 mil pessoas na Finlândia, tornando-o o maior empregador na indústria de tecnologia. O setor obteve um faturamento total de US$ 36,4 bilhões (2012). Produtos industriais bem sucedidos incluem elevadores, navios para turismo, motores para navios e usinas, máquinas para papel e celulose, equipamento de processamento de minerais e rochas, guinchos e guindastes, maquinário agrícola e de silvicultura. 16 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

18 Como Exportar FINLÂNDIA Índice total de vendas na fabricação de máquinas e equipamentos ,9 % -19,7 % 1,9 % 15,0 % 5,1 % Principais empresas de engenharia mecânica Kone Wärtsilä Cargotec Valmet Konecranes STX Finland Oy Archtech Helsinki Shipyard Tecnip Pori Rolls-Royce Oy Ab Indústria de eletrônicos e eletrotécnicos Em 2012, os empreendimentos industriais empregaram 46,5 mil pessoas na Finlândia e tiveram um total de vendas agregado de US$ 20,9 bilhões. A indústria empregou um adicional de 140 mil trabalhadores no exterior em subsidiárias estrangeiras. A expansão foi especialmente forte na Europa Ocidental e Ásia. Total de vendas na indústria elétrica e eletrônica 2008 US$ US$ % 2010 US$ % 2011 US$ % 2012 US$ % Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

19 FINLÂNDIA Como Exportar Principais empresas na indústria elétrica e eletrônica Nokia ABB Eltel Networks Vacon Tieto Google Rovio Supercell Neogames Indústria metalúrgica Os empreendimentos industriais empregaram 17 mil pessoas na Finlândia e tiveram um total de vendas de US$ 10 bilhões. A indústria finlandesa de processamento de metais é conhecida por seu uso altamente eficiente de energia e matérias-primas. Mais da metade do cobre e um terço do níquel usado mundialmente é produzido usando-se um método de fusão rápida desenvolvido na Finlândia, que autogera a energia requerida no processo. As empresas de processamento de metais fabricam e processam produtos de aço e cobre, aço refinado, zinco e níquel. A reciclagem é uma parte integrante da indústria. Na Finlândia, mais de 90% dos produtos de aço descartados são reprocessados. Mais de 80% do cobre produzido mundialmente é reciclado. Os investimentos fixos da indústria metalúrgica na Finlândia em 2012 foram US$ 700 milhões. Principais empresas na indústria metalúrgica Outokumpu Rautaruukki Oyj (Ruukki) 18 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

20 Como Exportar FINLÂNDIA Norilsk Nickel Harjavalta Oy Kuusakoski Boliden Componenta Freeport Cobalt Oy Luvata Pori Oy Aurubis Finland Oy Cupori Oy Ovako Imatra Oy Ab Níquel é o mineral de exportação do Brasil para a Finlândia mais importante. O Brasil tem uma grande participação no mercado em suprimentos de caulim. Principais empresas de tecnologia em metais e minerais Metso Corporation Outotec Mineração e exploração de pedreiras As atividades de mineração vêm crescendo na Finlândia, com um número crescente de empresas estrangeiras. A Finlândia é um país atraente para investimentos em exploração e mineração graças à boa infraestrutura, mão- -de-obra bem formada e qualificada e bancos de dados geocientíficos abrangentes mantidos pela Geological Survey da Finlândia. A Finlândia também classificou-se recentemente com o melhor lugar no mundo para investimentos de mineração, de acordo com a Pesquisa de Risco Mundial de 2012 da Resourcestocks Magazine. O ouro permanece a principal mercadoria explorada e extraída por várias empresas, mas projetos significativos de metais de base também estão sendo realizados. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

21 FINLÂNDIA Como Exportar Há 12 minas de minerais metálicos que operam na Finlândia atualmente Pesquisa Geológica da Finlândia (Geological Survey of Finland - GTK) A GTK (www.gtk.fi) é o centro de informação nacional geocientífica da Finlândia e participa ativamente em pesquisa internacional e trabalho de projetos. GTK é uma agência de Finland s Ministry of Employment and the Economy. Em cooperação com outras pesquisas geológicas nórdicas e organizações de pesquisas russas, a GTK compilou um novo mapa mostrando todas as minas industriais de minerais, no passado e presente e todos os depósitos relevantes em Fennoscandia (Noruega, Suécia, Finlândia, Carélia e Península de Kola). O mapa foi produzido para uso como uma ferramenta na seleção de áreas estratégicas para a exploração de minerais assim como para pesquisa em geologia econômica. Principais empresas mineradoras Talvivaara Mining Outokumpu Chrome Oy Pyhäsalmi Mine Oy Kevitsa Mining Oy Agnico-Eagle Finland Oy Endomines Kylylahti Copper Oy, Belvedere Mining Oy Dragon Mining Oy Dragon Mining Oy Lappland Goldminers Oy Nordic Mines Oy Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

22 Como Exportar FINLÂNDIA 2.5. Indústria química A indústria química emprega aproximadamente pessoas na Finlândia. A participação deste campo na indústria total de exportação representa 23%. Os principais países importadores da indústria química da Finlândia são Rússia, Alemanha e Suécia. Os dez primeiros países somam aproximadamente 75% das importações da indústria química finlandesa. Em 2012, o valor total das importações dos produtos da indústria química da Finlândia somou US$ 16 bilhões. Principais empresas na indústria química Neste Oil Kemira Tikkurila Yara Suomi Oy Borealis Polymers Oy Indústria florestal A Finlândia está entre os principais fornecedores de produtos relacionados a florestas para o mercado global, especialmente papéis para escrita e impressão e um dos maiores importadores de toras de madeira finas. Um total de 10,7 milhões de toneladas de papel e papelão foram produzidos na Finlândia em A produção diminuiu devido à redução na demanda para tipos de papéis gráficos nos principais mercados da indústria de papéis finlandeses na Europa e a crise econômica. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

23 FINLÂNDIA Como Exportar Principais empresas de papel e celulose Stora Enso UPM-Kymmene Metsä Board Pöyry Indústria alimentícia A indústria de alimentos e bebidas é a quarta maior na Finlândia. A produção bruta da indústria de alimentos e bebidas foi de US$ 15 bilhões em As empresas finlandesas têm mais de 80 unidades de produção no exterior e empresas joint ventures, escritórios de vendas, unidades de embalagem e armazenamento. As exportações da indústria de bebidas e alimentos alcançaram US$ 1,9 bilhão em 2012 e US$ 5,5 bilhões em importações. Os produtos de importação mais importantes em 2012 foram: bebidas alcoólicas, frutas, queijo e café. Os três maiores setores da indústria de alimentos e bebidas processamento de carne, pecuária leiteira e indústria de panificação representam 50% do valor de produção bruta da indústria. A indústria de bebidas e alimentos emprega pessoas aproximadamente. O número de instalações individuais está em torno de trabalhadores. A cadeia toda de processamento de alimentos emprega pessoas, o que é cerca de 12% da força de trabalho empregada. Federação das Indústrias de Bebidas e Alimentos (ELT) A ELT (www.etl.fi) representa os interesses dos diferentes setores da indústria de bebidas e alimentos na Finlândia. A referida Federação tem duas associações de membros, que cobrem a maior parte da produção industrial de alimentos e bebidas. 22 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

24 Como Exportar FINLÂNDIA Principais empresas de processamento de alimentos HK-Scan Group Valio Ltd. Fazer Group Atria Group Paulig Group Raisio Group Altia Vaasan Group Sinebrychoff Apetit Plc Saarioinen Hartwall wwwhkscan.com Produção agrícola Mais de 70% da área terrestre da Finlândia é constituída por florestas, terras cultiváveis e rios. Dois terços das fazendas estão concentrada na produção agrícola e um terço na produção doméstica de animais. Em 2011, a média de terras aráveis de fazendas foi 37,4 hectares. Produção de Cereais Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

25 FINLÂNDIA Como Exportar Na Finlândia, o consumo de carne está crescendo a uma taxa anual de 1 3%. De toda a carne consumida em 2012, 81% era de origem doméstica. Uma vez que a produção de carne bovina e suína caiu de forma estável durante vários anos, o aumento da demanda tem sido atendido pelas importações. Em 2012, a importações cresceram 12%. Na Finlândia, somente a produção de aves aumentou na proporção da demanda Silvicultura A Finlândia, com seus 23 milhões de hectares, é um importante fornecedor e produtos florestais aos mercados mundiais. Suas florestas boreais de coníferas, que incluem uma proporção significativa de espécies de folhas largas, permitiriam remoções anuais de mais de 60 milhões de m³ em uma base sustentável. Em 2012, o consumo total de toras finas de madeira alcançou 71,9 milhões de m³ (incluindo as importações e exportações), dos quais o consumo industrial de madeira totalizou 61,5 milhões de m³. As toras finas de madeira importadas (8,5 milhões de m³) representaram 14% do consumo de madeira industrial. A indústria florestal finlandesa é direcionada, principalmente, para a exportação, e na maioria dos setores da indústria, 65% a 90% da produção vai para o exterior. A Finlândia é o principal exportador de madeira dócil serrada e papel, especialmente papéis gráficos. Geração de eletricidade por fonte de energia Em 2012, a produção de eletricidade na Finlândia totalizou 67.7 terrawatt- -hora (TWh) ou um bilhão de Kilowatt-hora (KWh). A produção caiu 4% em relação ao ano anterior. Por sua vez o consumo total de eletricidade caiu 1% e totalizou 85,1 TWh. Do total de consumo de eletricidade, 80% foi coberto pela produção doméstica e 20% por importações líquidas de eletricidade dos países nórdicos, Rússia e Estônia. As importações líquidas de eletricidade aumentaram 26% em relação ao ano anterior devido à boa situação hídrica nos países nórdicos. 24 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

26 Como Exportar FINLÂNDIA Recursos de energia renovável na produção de eletricidade e calor A produção de eletricidade na Finlândia totalizou 67,7 TWh em Caiu 4% em relação ao ano anterior. A produção de calor para aquecimento urbano cresceu 8% e a de calor para as indústrias permaneceu no nível do ano anterior. 46% da produção de eletricidade e calor foi coberta por fontes de energia renováveis. Produção de eletricidade e calor por fontes de energia 2012 A produção de calor para aquecimento urbano totalizou 36,7 TWh em A produção cresceu 8% em relação ao ano anterior. Mais da metade do aquecimento urbano foi produzida com combustíveis fósseis. Entretanto, o uso de combustíveis renováveis na produção do aquecimento urbano subiu 22% em relação ao ano anterior, o que foi causado pelo crescimento do uso de madeira. Os combustíveis mais usados na produção do aquecimento urbano foram gás natural, carvão mineral e combustíveis da madeira. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

27 FINLÂNDIA Como Exportar A produção do calor para indústrias foi 52,6 TWh em 2012 e caiu ligeiramente em relação ao não passado. Mais de 60% do calor usado nas indústrias foi produzido com combustíveis renováveis. O combustível mais utilizado foi a lixívia negra da indústria florestal e outros combustíveis da madeira. De acordo com o Statistics Finland, o consumo de energia na produção caiu cerca de 5% O uso de energia na produção totalizou 541 PJ. O uso de energia comprada na produção caiu 4% em relação ao ano anterior. Uso de energia em produção O maior consumidor de energia ainda foi a indústria florestal, que gastou 55% de toda a energia usada na produção. A indústria química e a fabricação de metais básicos são também importantes usuários de energia na Finlândia. Em 2012, os combustíveis fósseis foram as fontes de energia mais usadas na produção. O seu uso foi aproximadamente 1/3 da energia consumida. Combustíveis da madeira foram usados especialmente na indústria florestal. 26 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

28 Como Exportar FINLÂNDIA O uso do petróleo, gás natural, carvão e turfa como fonte de energia caiu. A quantidade de petróleo usada pela produção diminuiu 14% em relação ao ano anterior. O total do uso de eletricidade na produção foi 40 terrawatts-hora (TWh) em % da eletricidade usada na produção foi consumido na indústria florestal. A indústria química representou 16% e a fabricação de metais básicos 14% do uso total da eletricidade. Resíduos para energia Em 2011, mais de 10 milhões de toneladas de resíduos foram incinerados, 22% mais que no ano anterior para produzir mais de 10% do consumo total de energia e mais de 1/5, se for incluído a lixívia negra da indústria florestal. A quantidade de resíduos reciclados subiu 18%, aproximadamente 34 milhões de toneladas. com um fator de capacidade de vida médio de mais de 85% e fator de capacidade médio nos últimos dez anos de 95%. Principais empresas de energia: Fortum TVO Fennovoima Gasum Serviços O setor de serviços é o principal ramo de atividade no país e respondeu por 71,9% do PIB, em 2013, seguido do industrial, 25,1% e do agrícola, 2,9%. Energia nuclear A Finlândia tem quatro reatores nucleares que fornecem cerca de 25% de sua eletricidade. Os quatro reatores que existem na Finlândia (cerca de 2700 MW no total líquido) estão entre os mais eficientes do mundo, Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

29 FINLÂNDIA Como Exportar Total de vendas da indústria de serviços O crescimento de mais de US$ 2,5 bilhões nos serviços de importações para US$ 18 bilhões diminuiu o excedente do comércio internacional em Entretanto, as exportações permaneceram inalteradas em US$ 21 bilhões. Em 2012, o excedente totalizou US$ 3,1 bilhões. 28 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

30 Como Exportar FINLÂNDIA Importações, exportações e excedente de comércio exterior em serviços , (Euros/milhões) Os itens mais significativos em exportações de serviços são os de TI, royalties e tarifas de licenças e serviços não classificados, que cobrem 86% das exportações de serviços. As importações cresceram em todos os outros itens de serviços, exceto em serviços de construção, onde diminuíram ligeiramente. O crescimento foi maior em outras atividades de negócios, royalties e tarifas de licenças. Os principais países importadores de serviços foram a Alemanha, Estados Unidos, Suécia e o Reino Unido, os quais aumentaram sua participação na importação de serviços. As importações da Irlanda também quase triplicaram comparadas ao ano anterior. As importações os países da EU15 subiram US$ 10,9 bilhões em A participação dos países da EU15 em todas as importações de serviços aumentaram em relação a 2011 em 60%. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

31 FINLÂNDIA Como Exportar As estatísticas não incluem dados sobre transporte, turismo, seguro e serviços financeiros. Serviços de consultoria A Associação Finlandesa de Firmas de Consultoria SKOL (www.skolry.fi) é uma organização de empregados e profissionais para empresas de consultoria independentes e privadas. SKOL tem como membros 215 firmas de consultoria de engenharia e arquitetura. As empresas que são membros empregam cerca de pessoas na Finlândia e suas subsidiárias estrangeiras empregam pessoas no exterior. 3. Indústrias de transformação - Indústria de eletroeletrônicos Total de vendas de US$ 44 bilhões 157 mil empregados. - Indústria de máquinas e produtos metalúrgicos Total de vendas de US$ 35 bilhões 106 mil empregados. - Fabricação de papel e produtos de papel Total de vendas de US$ 30 bilhões. 46 mil empregados. 4. Moeda e finanças Moeda da Finlândia: Euro desde 01/2002. O Mecanismo de Taxa de Câmbio Europeu (EMR) foi um sistema introduzido pela European Community em março de 1979, como parte do European Monetary System (EMS), para reduzir taxas e alcançar estabilidade monetária na Europa, em preparação para Economic and Monetary Union e a introdução de uma moeda única, o Euro, que ocorreu em 1 de janeiro de Banco da Finlândia O Banco da Finlândia atua como o banco central da Finlândia, autoridade monetária nacional e membro do Sistema Europeu de bancos centrais e o Eurosystem. 30 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

32 Como Exportar FINLÂNDIA Taxa de câmbio: Euro ( )/US$: 0,80 (2014). Finanças públicas A previsão de crescimento do PIB para 2015 é aproximadamente 2% e terá uma base mais ampla que a anterior. O potencial de crescimento econômico é baixo, uma vez que alterações estruturais destruíram a capacidade de produção existente e novos investimentos estão escassos. No final de 2013, havia um total de 308 bancos operando na Finlândia. Estes incluem os bancos de depósitos domésticos, bancos de investimentos e filiais e subsidiárias de instituições de crédito estrangeiras. A parte mais importante da legislação que governa o sistema bancário na Finlândia é a Lei de Instituições de Crédito. O cumprimento das leis e regulamentos é supervisionado pela Autoridade de Supervisão Financeira, que também monitora para que os bancos mantenham uma razão saudável de adequação de capital. O baixo crescimento da economia doméstica refletiu no desenvolvimento dos preços do consumidor e as pressões dos preços dos mercados internacionais de matérias-primas também permaneceram menores. A tarifação indireta mais alta em 2013 e 2014 aumentará os preços em 0,6%. A taxa de desemprego foi de 8,5% em O desemprego decresce vagarosamente devido ao crescimento lento da economia e questões de incidência de mercado. Sistema bancário Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

33 FINLÂNDIA Como Exportar Foto: shutterstock.com Helsinque, Finlândia 32 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

34 Como Exportar FINLÂNDIA III - COMÉRCIO EXTERIOR 1. Desenvolvimento recente O comércio exterior da Finlândia apresentou, em 2013, crescimento de 22,4% em relação a 2009, de US$ 123,8 bilhões para US$ 151,5 bilhões. No ranking da ONU/UNCTAD de 2013, a Finlândia figurou como o 41º mercado mundial, sendo o 45º exportador e o 39º importador. O saldo da balança comercial apresentou-se superavitário ao país em 2009 e No restante do quinquênio analisado foram registrados déficits consecutivos, totalizando em 2013 saldo negativo de US$ 3,0 bilhões. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

35 FINLÂNDIA Como Exportar 2. Origem e direção do comércio As vendas finlandesas foram direcionadas em grande parte aos vizinhos europeus, que absorveram 62% do total em 2013, seguidos da Ásia com 14% e do continente americano com 9%. Individualmente, a Suécia foi o principal destino das vendas finlandesas com 10,8% do total, seguida da Rússia com 9,2%; da Alemanha com 9,0%, dos Países Baixos com 5,9% e dos Estados Unidos com 5,9%. Seguiram-se: Reino Unido (4,8%); China (4,7%); Bélgica (3,2%); França (3,0%) e Estônia (3,0%). O Brasil posicionou-se 24º lugar com 0,8% do total. 34 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

36 Como Exportar FINLÂNDIA Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

37 FINLÂNDIA Como Exportar Os vizinhos europeus são também os principais abastecedores do mercado finlandês. Em 2013, somaram 82% do total, seguidos da Ásia com 7% e do continente americano com 4%. Individualmente, a Suécia foi o principal fornecedor de bens à Finlândia, com 16,0% do total, seguida da Rússia com 15,9%; da Alemanha com 13,7%; e dos Países Baixos com 6,9%. Seguiram- -se: Dinamarca (3,9%); França (3,1%); Estônia (3,0%); China (3,0%); Reino Unido (3,0%); e Bélgica (3,0%). O Brasil posicionou-se no 24º lugar entre os fornecedores do mercado finlandês, com 0,6% do total. 36 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

38 Como Exportar FINLÂNDIA Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

39 FINLÂNDIA Como Exportar 3. Composição por produtos Máquinas mecânicas (máquinas com função própria, máquinas para fabricação de pastas de matérias fibrosas, máquinas para classificar, separar, lavar) foram o principal grupo de produtos da pauta das exportações da Finlândia. Em 2013, as máquinas mecânicas representaram 14,2% do total; seguidas de papel (papel e cartão) com 13,3%; e combustíveis (óleo bruto de petróleo, energia elétrica, gás de petróleo) com 12,9%. Seguiam-se: máquinas elétricas (8,4%); ferro e aço (6,6%); madeira (4,2%); e plásticos (3,8%). 38 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

40 Como Exportar FINLÂNDIA Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

41 FINLÂNDIA Como Exportar A pauta das importações da Finlândia apresentou-se concentrada em combustíves e bens com alto valor agregado. Em 2013, combustíveis (óleo bruto de petróleo, óleo refinado, energia elétrica, hulhas e coques e gás de petróleo) foram o principal grupo de produtos da pauta e representaram 23,4% do total. Seguiram-se: máquinas mecânicas (computadores, árvores de transmissão, impressoras, bombas para líquidos) com 11,8%; máquinas elétricas (aparelhos de telefonia, transformadores elétricos, fios e cabos, circuitos integrados e aparelhos de TV) com 8,3%; e automóveis (carros de turismo, partes e acessórios, veículos para transporte de mercadorias) com 6,7%. 40 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

42 Como Exportar FINLÂNDIA Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

43 FINLÂNDIA Como Exportar Foto: shutterstock.com Kuopio, Finlândia 42 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

44 Como Exportar FINLÂNDIA IV RELAÇÕES ECONÔMICAS BRASIL-FINLÂNDIA 1. Comércio bilateral A Finlândia foi o 59º parceiro comercial brasileiro, com participação de 0,23% no total do comércio em Entre 2010 e 2014, o intercâmbio comercial brasileiro com o país decresceu 21%, de US$ 1,30 bilhão para US$ 1,03 bilhão. Nesse período, as exportações retraíram 15,8% e as importações, 24%. O saldo da balança comercial, desfavorável ao Brasil em todo o período, exceto em 2011 quando registrou superávit de US$ 6 milhões. Em 2014, foi verificado déficit de US$ 227 milhões. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

45 FINLÂNDIA Como Exportar 44 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

46 Como Exportar FINLÂNDIA As exportações brasileiras para a Finlândia são compostas, em sua maior parte, por produtos básicos, que representaram 55,4% do total em 2014, com destaque para café, minério de níquel, soja e caulim). Os semimanufaturados posicionaram-se em seguida com 32,5% (ferroníquel e ferronóbio) e os manufaturados (alumina calcinada e máquinas mecânicas) com 12,1%. Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

47 FINLÂNDIA Como Exportar Os produtos manufaturados somaram 96,3% da pauta das importações em 2014, representados sobretudo por máquinas mecânicas e elétricas, papel e produtos farmacêuticos. Os semimanufaturados posicionaram-se em seguida com 3,5% e os básicos com 0,3%. 46 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

48 Como Exportar FINLÂNDIA Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras

49 FINLÂNDIA Como Exportar Ferro e aço (ferroníquel e ferronióbio) foi o principal grupo de produtos brasileiros exportado para a Finlândia. Em 2014 somaram 30% do total, seguido por café (27,3%); minérios (minérios de níquel e seus concentrados) com 17,2%; soja (6%); produtos químicos inorgânicos (alumina calcinada) com 3,8%; caulim (3,7%). 48 Calendário Brasileiro de Exposições e Feiras 2012

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

RÚSSIA Comércio Exterior

RÚSSIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC RÚSSIA Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COREIA DO SUL Comércio Exterior

COREIA DO SUL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO SUL Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior

ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

LIGA ÁRABE Comércio Exterior

LIGA ÁRABE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIGA ÁRABE Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Agronegócio Internacional

Agronegócio Internacional Boletim do Agronegócio Internacional Agronegócio Internacional Recordistas de vendas no valor total exportado pelo Brasil jan-jul 2014/2013 Edição 03 - Agosto de 2014 O agronegócio representou 44% das

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNASUL Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Agosto

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 7 7 de fevereiro de 2007 M A C R O C H I N A Ano Nº 7 7 de fevereiro de 7 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Consolidado de. Em, a China registrou o maior crescimento anual

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos

CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS. Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos CABO VERDE COMO PLATAFORMA PARA ENTRADA EM OUTROS MERCADOS Agencia Cabo Vendeana de Promoção de Investimentos SUMARIO 1-Quem somos, onde estamos -localização geoestratégica, CV em números 2-Nossa economia

Leia mais

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe

Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de Negócios São Tomé e Príncipe Guia de

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado

Mercados. informação regulamentar. Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Mercados informação regulamentar Finlândia Condições Legais de Acesso ao Mercado Janeiro 2012 Índice 1. Regime Geral de Importação 3 2. Regime de Investimento Estrangeiro 4 3. Quadro Legal 5 2 1. Regime

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária...

Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Brasil: Potência ou Colônia? Uma reflexão necessária... Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas;

Leia mais

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS

O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O ECOSSISTEMA DA INDÚSTRIA SUÍÇA UMA PLATAFORMA DE NEGOCIOS O que você sabe sobre a Suíça? Roger Federer Chocolates Relógios de luxo 2 O que você também deve saber Hotspot para Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia COMÉRCIO INTERNACIONAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O COMÉRCIO BILATERAL BRASIL UNIÃO EUROPEIA EM FOCO PARÃO DE ESPECIALIZAÇÃO AMBIENTAL DAS EXPORTAÇÕES INDUSTRIAIS BRASILEIRAS: mundo e União Europeia

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009

NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME SETORIAL INDÚSTRIA E SERVIÇOS NORDESTE: DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR EM 2009 Ano IV No 2 O nosso

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Departamento de Promoção Internacional do Agronegócio DESAFIOS ÀS EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas

Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas 5ª Oficina de Trabalho Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Manaus, 30 de agosto de 2006 Suíça e Brasil Relações econômicas e perspectivas Olivier Zehnder Primeiro Secretário Embaixada da

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo?

14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS. Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? 14º CONGRESSO BRASILEIRO DO AGRONEGÓCIO FÓRUM ALIMENTOS Vamos tornar o Brasil o primeiro produtor de Alimentos do Mundo? ALAN BOJANIC Ph.D. REPRESENTANTE DA FAO NO BRASIL ALIMENTAR O MUNDO EM 2050 As novas

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa

Nossa História. Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa Nossa História Ajudando o mundo a produzir os alimentos de que precisa O desafio é imenso: acabar com a fome, dobrar a produção de alimentos até 2050 e ajudar a reduzir o impacto ambiental da agricultura

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

ABDI A 2004 11.080) O

ABDI A 2004 11.080) O Atualizada em 28 de julho de 2010 Atualizado em 28 de julho de 2010 1 ABDI ABDI A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial foi instituída em dezembro de 2004 com a missão de promover a execução

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015

A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 A Comunidade Empresarial do IBAS está concentrada em promover fluxos comerciais de US$30 bilhões até 2015 Recomendações da Terceira Reunião de Cúpula do IBAS para questões empresariais, apresentadas aos

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento

Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Unidade 6: América: contrastes no desenvolvimento Capítulo 1: América: Um continente de Contrastes Capítulo 2: Estados Unidos e Canadá Apresentação elaborada pelos alunos do 8º Ano B Montanhas Rochosas

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013

Apimec Florianópolis. Dezembro 2013 Apimec Florianópolis Dezembro 2013 Exoneração de Responsabilidades Esta apresentação não constitui uma oferta, convite ou pedido de qualquer forma, para a subscrição ou compra de ações ou qualquer outro

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador

Standards Online. Acesso à informação direto de seu computador Standards Online Acesso à informação direto de seu computador Comentário dos clientes sobre o BSOL A utilização é fácil e o sistema de download é excelente, quando necessito de uma norma que não se encontra

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais