PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL"

Transcrição

1 PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL SALVADOR ILHÉUS ARATU RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 ABRIL

2 PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2011 Relatório de Gestão do exercício de 2011 apresentado aos órgãos de controle interno e externo como prestação de contas ordinárias anual a que esta Unidade Jurisdicionada está obrigada nos termos do art. 70 da Constituição Federal, elaborado em conformidade das disposições da Instrução Normativa TCU nº 63/2010, da Decisão Normativa TCU nº 108/2010 e da Portaria-TCU nº 123/201 e das orientações do órgão de controle interno. Não consolida outras unidades. SALVADOR, ABRIL

3 ORGANOGRAMA 3

4 AUTORIDADES CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Rogério de Abreu Menescal - Conselheiro Presidente - Representante da Secretaria de Portos da Presidência da República Cilair Rodrigues de Abreu - Conselheiro - Representante do Ministério do Planejamento, Gestão e Orçamento Fernando Roth Schmidt - Conselheiro - Representante do Governo do Estado da Bahia José Muniz Rebouças - Conselheiro - Diretor Presidente da CODEBA Libério Menezes Filho - Conselheiro - Representante do Conselho de Autoridade Portuária e Classe Empresarial. Luiz Borba Souza - Conselheiro - Representante dos Empregados da CODEBA Paulo Sérgio Oliveira Passos - Conselheiro - Representante do Ministério dos Transportes CONSELHO FISCAL Jones de Oliveira Carvalho - Presidente - Representante do Governo do Estado da Bahia Denis do Prado Netto - Conselheiro - Representante da Secretaria Tesouro Nacional Leonardo Carreiro Albuquerque- Conselheiro - Representante do Ministério dos Transportes Jurema Augusta Ribeiro Valença - Conselheira - Representante da Secretaria Especial de Portos da Presidência da República. DIRETORIA EXECUTIVA José Muniz Rebouças - Diretor Presidente da CODEBA Antônio Carlos Marcial Tramm - Diretor de Gestão Comercial e de Desenvolvimento Newton Ferreira Dias - Diretor de Gestão Administrativa e Financeira Renato Neves da Rocha Filho - Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária 4

5 SUMÁRIO PÁGINA Lista de Abreviações e Siglas...6 Estrutura do Relatório de Gestão... 7 Introdução... 8 Identificação da Unidade Jurisdicionada... 9 Parte A - Institucional Responsabilidades Institucionais Indicadores e Informações Institucionais Gestão de Programas e Ações Parte B - Informações Contábeis da Gestão Demonstrações Financeiras Pareceres das Auditorias Pareceres dos Órgãos Colegiados Ata da AGO dos Acionistas Parte C - Conteúdo de Informações Específicas da UJ Informações específicas Anexos Balanço Patrimonial, Notas Explicativas, Pareceres, Declarações, Quadros e Tabelas Complementares. 5

6 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS RG - Relatório de Gestão CGU Controladoria Geral da União CNAE - Classificação Nacional de Atividades Econômicas CISET - Secretaria de Controle Interno CODEBA - Companhia das Docas do Estado da Bahia ANTAQ - Agência Nacional de Transportes Aquaviários EBITDA - Lucro antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização ISPS CODE - Código Internacional para proteção de Navios e Instalações Portuárias LOA Lei Orçamentária Anual REFIS - Programa de Recuperação Fiscal FUNDAF - Fundo Especial de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento das Atividades de Fiscalização SECEX Secretaria de Controle Externo SRFB - Secretaria da Receita Federal do Brasil SEP/PR - Secretaria de Portos da Presidência da República SIASG - Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais SIAFI - Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SICONV - Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SIORG - Sistema de Informações Organizacionais do Governo RAP - Restos a Pagar TCU - Tribunal de Contas da União TI Tecnologia da Informação UJ - Unidade Jurisdicionada DPR Diretor Presidente DIP - Diretoria de Infraestrutura e Gestão Portuária DCD - Diretoria de Gestão Comercial e de Desenvolvimento DAF - Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira CFI - Conselho Fiscal CONSAD - Conselho de Administração COA - Coordenação de Auditoria Interna CAE - Coordenação de Assuntos Estratégicos CSE - Coordenação da Secretaria Executiva CJU - Coordenação Jurídica ASCON - Assessoria de Comunicação CDN - Coordenação de Desenvolvimento de Negócios CAD - Coordenação de Gestão Administrativa CRF - Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros CIE - Coordenação de Infraestrutura PORSAL - Coordenação de Gestão Portuária de Salvador PORART - Coordenação de Gestão Portuária de Aratu PORTIL - Coordenação de Gestão Portuária de Ilhéus TECON - Terminal de Contêiner EVTE - Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica PORTOBRAS - Empresa de Portos do Brasil 6

7 ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE GESTÃO PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Conteúdo Geral do Relatório de Gestão ITEM 1 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Identificação da UJ ITEM 2 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Informações sobre o planejamento e gestão da UJ ITEM 3 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos ITEM 4 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Situação dos Restos a Pagar de exercícios anteriores ITEM 5 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Composição do quadro de servidores ativos ITEM 6 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Instrumentos de transferências vigentes no exercício ITEM 7 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Modelo da declaração de atualização de dados do SIASG E SICONV ITEM 8 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Situação do comprimento das obrigações impostas pela Lei 8730/1993 ITEM 9 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Estrutura dos controles internos da Unidade Jurisdicionada ITEM 10 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Gestão ambiental e Licitações Sustentáveis ITEM 11 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Gestão dos bens imóveis de uso especial ITEM 12 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Gestão de Tecnologia da Informação TI ITEM 13 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Despesa com cartão de crédito corporativo ITEM 14 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Renuncias tributárias sob a gestão da Unidade Jurisdicionada ITEM 15 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Deliberações do TCU ITEM 16 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Recomendações da unidade de controle interno ou de auditoria PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010I Informações Contábeis da Gestão ITEM 1 DA PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Atestado de conformidade das demonstrações contábeis ITEM 4 DA PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Composição acionária do capital social PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Conteúdo Específico por Unidade Jurisdicionada ITEM 10 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Indicadores Análise da situação econômica-financeira ITEM 12 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Remuneração dos Conselhos de Administração e Fiscal e Administradores ITEM 1 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Supervisão de contratos de gestão celebrados com organizações sociais 7

8 ANEXOS Balanço Patrimonial, Notas Explicativas, Pareceres, Declarações, Quadros e Tabelas Complementares. INTRODUÇÃO O relatório de gestão 2011 foi organizado de forma atender às especificações da Portaria TCU 123 de 12 de maio de 2011 e Decisão Normativa - TCU nº 108 de 24 de novembro de Não foram incluídas informações do Anexo II da DN TCU 108/2010, os seguintes itens: Item 13 da Parte A, Item 1 da Parte C, Item 5 da Parte C, Item 7 da Parte C, por não se aplicarem à Unidade Jurisdicionada. Deixados de informar os Itens 3,4,6,7,11,14, da Parte A E Itens 16,19,30,37 e 38 da Parte C por não haver ocorrência de dados no exercício 2011 na Unidade Jurisdicionada. 8

9 ITEM I DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE JURISDICIONADA Quadro A Identificação da UJ Relatório de Gestão Individual Poder e Órgão de Vinculação Poder: Poder Executivo Órgão de Vinculação: Secretaria de Portos da Presidência da República Código SIORG: Identificação da Unidade Jurisdicionada Denominação completa: Companhia das Docas do Estado da Bahia Denominação abreviada: CODEBA Código SIORG: 702 Código LOA: Código SIAFI: Situação: Ativa Natureza Jurídica: Sociedade de Economia Mista Principal Atividade: Administração da Infraestrutura e Gestão Portuária Código CNAE: /01 Telefones/Fax de contato: (71) (71) (71) Página na Internet: Endereço Postal: Av. da França, nº 1.551, Estação Marítima Visconde de Cayru, Comércio, CEP Salvador - Bahia Normas relacionadas à Unidade Jurisdicionada Normas de criação e alteração da Unidade Jurisdicionada Constituída através de Seção Pública, em 17 de fevereiro de Outras normas infralegais relacionadas à gestão e estrutura da Unidade Jurisdicionada Documento da constituição, através de Ata da Seção Pública. Manuais e publicações relacionadas às atividades da Unidade Jurisdicionada Publicação da Ata de Constituição da CODEBA em 17 de março 1977, Diário Oficial do Estado da Bahia de 17 de março de Unidades Gestoras e Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Unidades Gestoras relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome - Porto de Salvador, Porto de Aratu-Candeias e Porto de Ilhéus Gestões relacionadas à Unidade Jurisdicionada Código SIAFI Nome Relacionamento entre Unidades Gestoras e Gestões Código SIAFI da Unidade Gestora Código SIAFI da Gestão

10 INFORMAÇÕES SOBRE RESPONSABILIDADES INSTITUCIONAIS DA UNIDADE JURISDICIONADA, PLANEJAMENTO E GESTÃO. 1 - COMPETENCIA INSTITUCIONAL A Companhia das Docas do Estado da Bahia CODEBA foi constituída através da Seção Pública realizada com a Assembleia Geral dos Acionistas em 17 de fevereiro de 1977, cuja Ata de Constituição foi publicada no Diário Oficial do Estado da Bahia em 16 de março A CODEBA é uma sociedade de economia mista, vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República - SEP, regendo-se pela legislação relativa às sociedades por ações, no que lhe for aplicável. A CODEBA tem por objeto social, em harmonia com os planos e programas da SEP, exercer as funções da Autoridade Portuária, previstas na legislação específica, e realizar a administração e exploração comercial dos portos organizados no Estado da Bahia. Compete à CODEBA, entre outras atribuições, promover a realização de estudos, planos e projetos e realização de obras e serviços, de construção, ampliação, melhoramento, manutenção, operação dos portos e instalações portuárias sob sua jurisdição e responsabilidade; arrendamento de áreas e instalações portuárias, fiscalizando-as. O capital social da CODEBA fechado no balanço da empresa em 2011, foi de R$ ,00 (cento e oitenta milhões, oitocentos e trinta e um mil e noventa e nove reais). Este valor foi reduzido em relação ao que foi aprovado pela Assembleia Geral dos Acionistas em 27 de maio de 2011, em função da absorção do prejuízo acumulado de R$ ,00. A Estrutura Organizacional é composta por Assembleia Geral de Acionistas, Conselhos Fiscal e de Administração e Diretoria Executiva. A Diretoria Executiva, por sua vez, é composta pelo Diretor Presidente, Diretoria de Gestão Administrativa e Financeira, Diretoria de Infraestrutura e Gestão Portuária e Diretoria de Gestão Comercial e de Desenvolvimento Unidades Administrativas Porto de Salvador Localizado na Baia de Todos os Santos, o Porto de Salvador possui metros de cais acostável, nove armazéns cobertos e mais de 100 mil m² de pátios, que somam uma capacidade estática de m³. Tem como principal característica ser um porto com perfil exportador de produtos do Centro Industrial de Aratu e do Pólo Petroquímico de Camaçari, tendo como principal carga, os contêineres. Neste sentido possui um moderno terminal de contêineres, instalado numa área de 117 mil m², um dos mais bem equipados entre os terminais portuários do país Porto de Aratu-Candeias Localizado na enseada do Caboto no município de Candeias foi idealizado para apoiar o desenvolvimento industrial do Estado, em especial ao Pólo Petroquímico de Camaçari, tendo como especialização a movimentação de graneis sólidos minerais e graneis líquidos através de seis berços de atracação e uma vasta retroárea que permite a estocagem de minérios em armazéns ou em pátio aberto, ou de tancagem para armazenamento dos produtos químicos e derivados do petróleo, oriundos ou destinados aos setores petroquímico, de siderurgia e de mineração Porto de Ilhéus O Porto de Ilhéus atende as regiões Sul e sudeste do Estado e foi concebido com objetivo de escoar a produção cacaueira. Nos últimos anos o porto mudou o seu perfil passando a atender a demanda eventual da soja produzida no oeste baiano e alguns produtos da sua hinterlândia, a exemplo dos minérios de magnésio, magnesita e níquel. 10

11 2 - PLANEJAMENTO E GESTÃO A Companhia das Docas do Estado da Bahia - CODEBA -, é responsável pela administração dos portos organizados do Estado e tem por missão fomentar a atividade portuária, promovendo, controlando e disponibilizando infraestrutura com eficiência, de forma econômica e sócioambientalmente sustentável, proporcionando condições adequadas para ligação entre os modais marítimo e terrestre nestes portos. Através dos portos públicos de Salvador, Aratu-Candeias e Ilhéus foram movimentadas em ,1 milhões de toneladas de carga. Nos terminais de uso privativo, da PETROBRAS, DIAS BRANCO, DOW BRASIL, GERDAU E FORD que integram o Complexo Portuário da Baia de Todos os Santos e que se utilizam do canal de acesso marítimo mantido pela CODEBA, a movimentação somou 23,2 milhões de toneladas, totalizando assim 32,3 milhões de toneladas. O desempenho das cargas movimentadas nos portos públicos apresentou pequeno recuo de 2,5%, sobretudo no Porto de Aratu-Candeias, podendo ser atribuído à falhas de abastecimento energético no início do ano que paralisou parcialmente o polo industrial de Camaçari, refletindo na menor participação da nafta petroquímica, matéria prima básica de todo processo industrial daquele setor, com reflexo na cadeia dos demais produtos químicos e petroquímicos processados nas unidades fabris da Braskem, as quais também passaram por problemas técnicos operacionais em boa parte do primeiro semestre. Em contrapartida, ocorreram resultados positivos, a exemplo da forte participação dos desembarques dos fertilizantes e da evolução da carga em contêineres, ambos superando as marcas anuais anteriores. Nos terminais de uso privativo a movimentação foi de 23,2 milhões de toneladas e nestes também houve um recuo em patamar quase idêntico ao dos portos públicos, menos 2,8%. Incluindo a movimentação nos portos públicos e terminais de uso privativo, o modal do transporte aquaviário no Complexo Portuário da Baia de Todos os Santos, atingiu a marca de 32,2 milhões de toneladas, apresentando retração de 2,7,% em relação a A receita operacional bruta oriunda de serviços de exploração e administração dos portos somou R$ 104,4 milhões, 19,8% superior a de Somada à receita com alugueis, arrendamentos e outras receitas, totalizou R$ 118 milhões, o melhor desempenho financeiro na história da empresa. Após as deduções (cancelamentos, impostos e custos dos serviços) o lucro bruto totalizou R$ 51,3 milhões. As despesas operacionais e administrativas somaram R$ 106,1 milhões; incluindo o provisionamento de possíveis demandas trabalhistas, a empresa apresentou pelo segundo ano consecutivo um resultado positivo, desta feita com um lucro líquido de R$ 6,6 milhões. A corrente de comércio de produtos processados nos terminais portuários (US$ 15,1 bilhões) representou 80,4% do total do Estado da Bahia. Dessa forma para a unidade do Porto de Salvador totalizou US$ 6,3 bilhões, para Ilhéus US$ 0,3 bilhões e Aratu-Candeias incluindo terminais de uso privativo na Baia de Todos os Santos somou US$ 8,5 bilhões. ¹ O processamento dos dados da corrente de comércio é feito por unidade administrativa da Receita Federal. 11

12 3 - ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO AÇÕES ADMINISTRATIVAS Em 2011 a CODEBA deu continuidade a identificação e realização dos projetos que viabilizassem o incremento de cargas e melhorias no desempenho operacional nos portos públicos. I - iniciado um amplo serviço de manutenção corretiva no sistema de movimentação de graneis sólidos do Porto de Aratu-Candeias, utilizando recursos de custeio na ordem de R$ 12 milhões; II - alteração no layout em diversas áreas arrendadas no Porto Organizado de Salvador, com vistas liberar as áreas arrendadas para a ampliação do Terminal de Contêineres; III - elaboração dos estudos de modelagem e de elementos técnicos, incluindo Edital para Licitação de obras para o prolongamento da estrutura de abrigo (quebra-mar) do Porto de Salvador, na direção norte; IV - elaboração de elementos técnicos para contratar Projeto Básico e elaboração de Edital Para Licitação do Projeto, com vista a construção de plataformas de acostagem/operação/amarração em concreto armado dotada de condições para atender os equipamentos de movimentação de graneis líquidos no Porto de Aratu-Candeias; V - elaboração do Caderno de Encargos para licitar/contratar o projeto para dragagem no Porto de Ilhéus com aproveitamento de material para restabelecimento das praias do litoral norte do município; VI- concretização das negociações que permitiram ao Porto de Ilhéus receber equipamentos destinados às usinas geradoras de energia eólicas, produtos de alto valor agregado contribuindo para o incremento na receita do porto. VII - aquisição de novas balanças rodoviárias para o Porto de Aratu-Candeias; VIII - deslocamento da balança rodoviária do Porto de Salvador; IX - licitação do novo terminal de navios de turismo do Porto de Salvador com previsão para início das obras em abril 2012; X - construção de vestuários, banheiros e sanitários para os trabalhadores avulsos do Porto de Aratu-Candeias. Outras ações consideradas relevantes foram desenvolvidas na CODEBA, valendo citar: DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Continuidade no desenvolvimento do portfólio de negócios junto às empresas que manifestaram interesse em novos projetos na atividade portuária. Registre-se também a participação da CODEBA em feiras de negócios, entre elas, a INTERMODAL, no sentido de divulgar as potencialidades dos portos baianos. Deu início ao Plano Anual de Fiscalização, cumprindo a programação estabelecida em duas vertentes: a) fiscalização administrativa com acompanhamento das informações gerenciais para elaboração de quadro de controle das atividades administrativas/financeiras/operacionais e estatísticas que gera relatórios de acompanhamento mensal; b) fiscalização in loco nas instalações das áreas arrendadas através de visitas técnicas pela equipe de fiscalização. Como resultado, a consolidação das vistorias e coletas de informação junto aos arrendatários permitiu 12

13 aos mesmos saber quando e a quem se dirigir para tratar dos trâmites documentais de natureza contratual. Com a intensificação do processo de fiscalização por parte da ANTAQ, a CDN buscou interagir com os agentes daquele órgão fiscalizador no sentido de atender as exigências no menor prazo possível e oficializar antecipadamente as recomendações. Foi constituída comissão juntamente com área jurídica com vistas adequar os contratos de arrendamentos a Resolução da ANTAQ. Elaborado estudo para viabilizar a utilização de áreas no Porto de Ilhéus objetivando atender a demanda para operações off-shore. Tendo em vista a divergência de interesses, as negociações passaram a ser tratadas pela Diretoria da CODEBA e a TRANSPETRO. Elaboração e análise do EVTE com vistas a regularização do arrendamento do Terminal de Produtos Gasosos no Porto de Aratu-Candeias, com envio da documentação à ANTAQ; Elaboração e análise do EVTE com vistas a regularização do arrendamento de área coberta para estocagem de graneis sólidos no Porto de Aratu-Candeias, com envio da documentação à ANTAQ; Elaboração e análise do EVTE com vistas a regularização do arrendamento de área para estocagem de carga solta e de contêineres no Porto de Salvador, com envio da documentação à ANTAQ; Devolvidos aos interessados os EVTEs elaborados por empresas privadas, para os portos de Salvador e Aratu-Candeias; após análise da CDN, foi constatada a necessidade de adequação dos mesmos. Posteriormente serão encaminhados à ANTAQ, com previsão de aprovação para o meado de ASSESSORIA JURÍDICA Deu continuidade aos processos judiciais em que o Município de Salvador cobra IPTU e Taxa de Lixo, obtendo resultados positivos, uma vez que o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia reconheceu reiteradas vezes a imunidade tributária da Companhia, fato este que impede a cobrança do IPTU. Quanto a Taxa de Lixo, a CODEBA vinha perdendo nos processos judiciais, em razão da constitucionalidade do tributo, chancelada pela Súmula Vinculante nº 19 do Supremo Tribunal Federal. Contudo, aproveitando-se do benefício concedido pela Lei da Anistia 8.087/11, a CODEBA quitou toda a dívida garantindo uma economia de R$ 1,7 milhões dos R$ 4,3 milhões de débito total existente. Em relação ao Imposto Sobre Serviços não houve alterações significativas. A ação proposta movida contra o Município de Ilhéus teve a liminar negada; na ação contra o Município de Salvador o pedido de liminar ainda não foi apreciado pela Justiça; em ambos casos os portos desses municípios são obrigados a recolher o ISS. Em contrapartida, não há recolhimento desse tributo para o Município de Candeias em função da liminar concedida pelo Poder Judiciário daquela Comarca. No campo criminal obteve-se dois trancamentos de ações por meio de habeas corpus, relativos ao processo criminal por desobediência envolvendo um funcionário, e outro referente suposto crime de maus tratos aos animais (abandono de cães). A área jurídica da empresa acompanhou os envolvidos, todos funcionários da empresa, na prestação de depoimentos em três inquéritos. 13

14 Os processos de ações trabalhistas cujos valores em fase de execução somavam nos pedidos das reclamações em torno de R$ 462 mil, foram acordados pela área jurídica pagando-se R$ 353 mil, significando uma economia para a CODEBA na ordem de R$ 109 mil. Apesar das ocorrências em menor escala no decorrer deste ano, a área jurídica esteve atenta com relação aos bloqueios judiciais, não permitindo que se concretizassem ASSUNTOS ESTRATÉGICOS Dado continuidade ao acompanhamento do Plano de Ação dos projetos estratégicos. Por esta Coordenação foi também elaborada uma proposta para implantação do Sistema de Planejamento Estratégico a ser iniciado em Entre os programas desenvolvidos na área de Gestão Ambiental, vale destacar: - a atualização do Programa de Proteção a Riscos Ambientais e cumprimento dos respectivos planos de ação; - atualização do programa de coleta seletiva para reimplantação em 2012; - elaboração do diagnóstico sobre o cumprimento da NR 29; - elaboração do plano de ação para cumprimento de protocolos da ANVISA, referentes a gerenciamento de resíduos, gestão do sistema de abastecimento de água para consumo humano, gerenciamento de águas residuais e dejetos líquidos, controle de animais sinantrópicos nocivos, climatização e área reservada para centro de atendimento a emergência. Obtidas licença ambiental do INEMA com vista a conclusão da dragagem de aprofundamento do cais do terminal de contêineres e licença de implantação para construção do Terminal de Passageiros do Porto de Salvador. Para o Porto de Ilhéus foram elaborados estudos ambientais, conforme determinação do IBAMA com vista a dragagem de manutenção daquele porto. Na Política Ambiental da empresa, deu-se continuidade às medidas visando redução de consumo enérgico, tais como construção de sala específica para os servidores, substituição de monitores CRT por LCD, adoção de impressão corporativa, redução de resíduos de TI, com locação de equipamentos que podem ser reutilizados quando não mais atenderem as especificações de desempenho da empresa Foram realizadas alterações nas normas de Licença Renumerada, do Horário de Trabalho e Frequência, de Viagem a Serviço, do Controle de Extintores, de Equipamentos de Proteção Individual, todas aprovadas pela DEX, e, Norma de Movimentação, Armazenagem e Transporte de Produtos Perigosos e Norma de Tráfego, Trânsito e Estacionamento nos portos públicos, as duas últimas em fase de elaboração. Realizado treinamento a todos empregados e gestores sobre primeiros socorros. Na área de TI, trabalhou-se nos seguintes pontos: Segurança - Adoção de política de backup, firewall, redundância de servidores e discos, sistemática de acesso à rede; Eficiência - consolidação de servidores, revisão de infraestrutura de rede, helpdesk para atendimento a primeiro nível; Controle reavaliação das políticas de acesso à rede e à internet; Equipamentos - readequação do parque de máquinas, de raks e ativo de rede; Software - Implantação de novo ERP, reativação de sistemas de operações portuárias e readequação de softwares e equipamentos ligados às normas portuárias. 14

15 ADMINISTRATIVA E RECURSOS HUMANOS As ações desenvolvidas pela área administrativa tiveram como foco principal os seguintes itens: Folha de pagamento - implantado sistema ERP da folha, implantação do contracheque eletrônico, auditoria de eventos da folha para cada funcionário; Frequência - adquirido novo relógio de ponto adequado para a Portaria do Ministério do Trabalho; Exame periódicos - implantada nova forma de convocação para os exames periódicos; Treinamento - concluído primeiro módulo do treinamento da guarda portuária; implantação da rotina para novos funcionários, com realização de palestras, dinâmicas de grupo, exibição de vídeo institucional, normas ambientais e de segurança e visita aos portos; Estágio- implantados, a padronização de fardamento, a norma de conduta, a sistemática de entrevistas para seleção dos estagiários; Consumo - realizado controle de gastos administrativos com combustíveis, celular, telefone fixo e serviço de taxi. Médico e Social - inscrito o plano odontológico da empresa na ANS e apresentação de proposta para gestão do plano odontológico; Almoxarifado - implantado sistema ERP para almoxarifado e baixa no patrimônio de peças sem uso no almoxarifado a mais de 10 anos; Patrimônio - implantado sistema ERP para patrimônio e início do processo de leilão para 2012; Compra - implantado sistema ERP para compras, aquisição de nova central telefônica, processo de registro de preço do material de limpeza, material de escritório e manutenção; Contrato - licitação/contrato de serviços de locação de veículos com substituição da frota por carros novos para a operação e guarda portuária FINANÇAS E CONTÁBEIS Implantado novo sistema de TI para a área financeira e contábil nos módulos de Faturamento, Contas a Pagar, Contas a Receber e Contabilidade. Os demais módulos, Fiscal, Orçamento e Gestão Financeira de Contratos estão em fase de desenvolvimento com previsão de estarem concluídos no primeiro semestre de Em função da implantação do novo sistema ocorreram atrasos na liberação dos balanços mensais. Superadas as dificuldades iniciais para liberação dos relatórios contábeis, as demonstrações financeiras e contábeis do exercício 2011 foram concluídas e encaminhadas para manifestação das auditorias, interna e independente que se manifestaram de forma favorável, não obstante a opinião com ressalvas. Os demonstrativos dos resultados apontaram uma receita com participação mais expressiva relativa ao faturamento oriundo das movimentações de carga receita operacional -, enquanto nas despesas os itens mais expressivos foram com pessoal incluindo encargos e benefícios, despesas tributárias, serviços terceirizados e de manutenção. Os recursos provenientes do dow-payment de R$ 25 milhões, relativo ao aditamento do Contrato 12/2000, foram aplicados no mercado aberto, resultando na geração de receita financeira na ordem de R$ 1,7 milhão de reais no decorrer de

16 O superávit esperado para o presente exercício seria bem mais expressivo que o finalizado, não fosse o provisionamento no mês de dezembro de possíveis demandas trabalhistas e tributárias, o que levou a empresa fechar o exercício com um resultado líquido menor que o previsto INFRA ESTRUTURA PORTUÁRIA As ações foram voltadas com vistas a realização de benfeitorias direcionadas para a atividade operacional dos portos, valendo citar: No Porto de Salvador: - Elaboração do projeto e orçamento doo Terminal de Passageiros - Pintura externa dos armazéns; - Limpeza do leito marinho no trecho dos armazéns 1 e 2; - Contratação de novas cancelas de acesso para veículos; - Readequação do projeto do quebra-mar; - Adequação da interligação do porto com a Via Expressa; - Aquisição de defensas do tipo tronco cônico para os armazéns 1 ao 4º; - Conclusão da dragagem do canal de acesso e bacia de evolução. No Porto de Aratu-Candeias: - Recuperação da estrutura principal do descarregador de navios do TGS I; - Elaboração do caderno de encargos para licitação da 2º etapa da recuperação dos restantes das estruturas dos equipamentos no TGS. - Recuperação dos gates de acesso; - Aquisição de duas novas balanças rodoviárias; - Aquisição do rolamento da empilhadeira do Pátio de Estocagem; - Colocação de engates de livramento rápido no Terminal de Graneis Líquidos; - Conclusão da dragagem do canal de acesso e bacia de evolução. No Porto de Ilhéus: - Aquisição de defensas tronco cônica; - Substituição da plataforma da balança; - Recuperação do sistema de drenagem; - Recuperação da passarela do dolfin; - Confecção do conjunto de escadas de acesso ao tombador de veículos com grãos. - Recuperação das coberturas dos armazéns; - Aquisição de boias de sinalização do canal do porto; Ficaram pendentes de soluções: - A homologação da nova profundidade do cais para a cota -15 m., para os portos de Salvador e Aratu-Candeias, a ser efetiva pela Capitania dos Portos; - O assentamento das defensas face a problemas com a licitação; - Dragagem de manutenção e de aprofundamento para o Porto de Ilhéus, com pendências na área ambiental ainda não resolvidas. 16

17 4 - FATORES CONDICIONANTES O ano de 2011 tinha tudo para recuperar-se da retração de cargas nos portos públicos após os dois anos em que a economia global passou por forte crise econômica, vivenciada com maior ênfase no biênio 2009/2010, refletindo na economia do estado e por consequência na atividade portuária. Entretanto, fatores externos mudaram o cenário positivo que se esperava; falhas no abastecimento de energia elétrico no início do ano que afetou o maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul, o Polo Petroquímico de Camaçari com mais de 90 empresas químicas, petroquímicas e de outros ramos de atividade como indústria automotiva, de celulose, metalurgia do cobre, têxtil, bebidas e serviços. A Braskem, uma dos maiores usuárias dos portos de Aratu- Candeias e Salvador, foi uma das mais atingidas pelas falhas no suprimento energético e por consequência reduziu de forma acentuada o processamento da nafta, sua principal matéria prima, repercutindo no resultado negativo dos demais derivados químicos que passaram no Porto de Aratu-Candeias durante todo o ano de Outro setor prejudicado foi o das exportações dos produtos baianos mantido sem evolução comparados aos últimos dois anos; sobrevalorização da moeda em relação ao dólar e alta taxa de juros tiveram forte peso para essa ocorrência. Portanto, o cenário positivo que se esperava para 2011, foi parcialmente modificado, uma vez que os portos públicos baianos, especialmente Salvador e Aratu-Candeias detém uma forte dependência do desempenho dos polos industrias localizados em sua hinterlândia. Não obstante o resultado adverso no total de cargas movimentadas, o desempenho financeiro da CODEBA para o exercício 2011 foi positivo, fechando com uma receita bruta próxima a R$ 118 milhões, permitindo uma folga de caixa suficiente para realizar despesas de custeio extremamente necessárias especialmente na área de manutenção, com foco no sistema de movimentação de graneis sólidos do Porto de Aratu-Candeias, aquisição novas defensas e de balanças rodoviárias A empresa passou por ajustes internos visando melhorar a oferta da infraestrutura portuária. Um desses ajustes teve por objetivo a alteração do layout nas áreas arrendadas no Porto de Salvador, inclusive mudança de local da balança rodoviária, com vistas a ocupação da área adicional arrendada pelo terminal de contêineres e início das obras civis para ampliação e modernização, o que de certa forma ocasionou problemas de ordem logística no desempenho daquele terminal em função das limitações físicas impostas pelos serviços em fase de execução. Deu-se continuidade aos esforços no sentido de concretizar a Dragagem do Porto de Ilhéus no PAC 2. O passo inicial foi a elaboração do Caderno de Encargos para licitar/contratar o projeto onde se inclui o aproveitamento de material para restabelecimento das praias do litoral norte do município; o segundo passo decorre da liberação da licença ambiental; foram elaborados estudos ambientais, conforme determinação do IBAMA com vista a dragagem de manutenção daquele porto. A CODEBA aguarda a licença de operação por parte daquele órgão. Em nível de gestão o foco se concentrou na formulação de uma reestruturação organizacional e do novo plano de cargos e salários que atendessem às atuais necessidades da empresa e de crescimento futuro. Apesar dos esforços da CODEBA com ambos estudos concluídos, por ser necessário passar por avaliação dos órgãos de fiscalização, os mesmos não foram concretizados durante o exercício. Em situação idêntica e pelos mesmos motivos encontra-se o Acordo Coletivo 2011, ainda não assinado. O terminal de contêineres já está com profundidade adequada para atender aos navios fullcontainers de maior porte; a dragagem para cota -15m do berço do terminal foi concluída, mas 17

18 depende da homologação da Capitania dos Portos; na retroárea do terminal alguns problemas de ordem técnica de engenharia fora do previsto provocaram um atraso na conclusão das obras de contenção das fundações; os novos equipamentos, Portêineres e RTG Rubber Tired Grantry chegaram ao terminal no prazo previsto, mas estão aguardando a conclusão das obras civis e rede elétrica compatível que permitam a instalação e operação. Os equipamentos que compõem o sistema de granéis sólidos no Porto de Aratu-Candeias, ainda que tenham passado por uma ampla reforma corretiva, necessitam que se dê continuidade ao processo, especialmente daqueles localizados na área do pátio de graneis sólidos, cuja ocupação continua limitada em função da precariedade dos equipamentos ali instalados. A desejada repotencialização do sistema e outras ações neste sentido devem ficar por conta de um eventual futuro arrendatário do terminal A limitação da profundidade nos berços de acostagem no Porto de Ilhéus continua sendo o grande empecilho à atracação de navios de maior porte, dificultando inclusive atração de cargas da sua hiterlandia, a exemplo da celulose. Estudos nesse sentido foram iniciados, mas a concretização dos objetivos ainda passa por longo processo de maturação, em vista das licenças ambientais e do alto valor do investimento. 5 - MEDIDAS CORRETIVAS A Diretoria definiu como ação básica a retomada de processos pendentes de soluções em períodos anteriores, de acordo com as prioridades definidas em função do vulto e do retorno mais imediato dos benefícios a serem alcançados. Na área contábil e financeira, apesar dos problemas iniciais encontrados para a implantação de um novo sistema de tecnologia de informação para esses setores, os objetivos passaram a ser alcançados com a emissão dos balanços mensais que estavam travados em decorrência das mudanças das rotinas, culminando com a entrega das demonstrações financeiras praticamente dentro do prazo previsto. Na área comercial, foi implantado procedimento visando obter informação que permitirá o acompanhamento físico das instalações portuárias com áreas arrendadas, de onde serão emitidos relatórios gerenciais de controle para efeito de verificação do cumprimento das cláusulas contratuais, a exemplo de cumprimento de metas e qualidade de serviço dos arrendatários aos usuários. No plano dos contratos de arrendamentos de áreas que estavam vencidos, após ações tanto administrativas quanto jurídicas, os mesmos foram cancelados, dando-se continuidade, contudo, no setor jurídico as providencias adicionais para efeito de execuções judiciais com vistas ao pagamento de multas contratuais previstas em contrato. Em função da Resolução da ANTAQ, foi criada no âmbito da área comercial uma comissão com membros das áreas, comercial e jurídica, que iniciou ações no sentido de adequar os contratos de arrendamentos de acordo com a nova norma. Desenvolvidas ações tratativas no sentido de atender uma demanda para operações off-shore no Porto de Ilhéus, ainda não foram concluídas em função das divergências nos interesses comerciais. Há, contudo, uma tendência favorável que esta ação seja concretizada no início de Os EVTEs, elaborados por empresas privadas, foram devolvidos para que sejam adequados a normatização da ANTAQ. A reavaliação dos estudos ficou para primeiro semestre de Para incremento de novas receitas a médio prazo criou-se condições favoráveis para as operações de desembarque dos geradores de energia eólica, equipamentos de alto valor agregado, aliada a continuidade dos embarques com minério de níquel e de forma pioneira a 18

19 magnesita, gerando com isso um considerável incremento na receita resultando no maior valor de faturamento dos últimos quatro anos. no Porto de Ilhéus, A longo e em médio prazo, a CODEBA vem desenvolvendo entendimentos juntos a empresas privadas, entre elas a Vale, Bahia Mineração, Jac Motors, entre outras interessadas na utilização dos portos públicos, tanto no arrendamento de áreas quanto para movimentação de novas cargas. Foram concretizadas todas as medidas necessárias para permitir a construção e instalação do novo terminal de passageiro para uso comercial e de turismo no Porto de Salvador. O processo da licitação decorreu ainda no período deste exercício, contando com a presença de inúmeras empresas. A previsão de homologação da empresa vencedora segue o cronograma, com perspectiva de início das obras a partir do segundo trimestre de Ações outras, desenvolvidas pelas coordenações, a maioria delas alcançaram os resultados esperados, conforme já citado no item Ações Administrativas. Foram adotados critérios de sustentabilidade como o consumo consciente, redução de papel e demanda energética, intervindo em suas ramificações, a exemplo do aumento do link da internet e do link de interligação entre portos. Substituição dos monitores CRT por LCD, notadamente mais econômicos e implantando o sistema de impressão corporativa inter-áreas. Acionadas também medidas corretivas nas áreas dos serviços de transporte, almoxarifado, patrimônio, serviços gerais e compras, com vistas a um melhor gerenciamento e otimização de despesas. Implantadas novas regras para a qualificação de operadores nos portos públicos. Estas regras valorizaram o desempenho dos operadores e o preparo e cobrança dos técnicos responsáveis na Autoridade Portuária por sua verificação, bem como a implantação da reestruturação do quadro da CODEBA, que propõe um líder em cada porto voltado a este controle. Estabeleceu-se uma sistemática de acompanhamento dos projetos em que são verificados o cumprimento das metas, o andamento dos planos de ação e a discussão das anomalias e suas medidas corretivas. 6 - CONCLUSÃO A perspectiva para 2012, no que tange a movimentação de cargas nos portos públicos, é de se alcançar um resultado superior ao dos últimos dois anos. Ressalve-se, contudo, que diante da propalada crise econômica envolvendo alguns dos principais mercados externos consumidores dos produtos baianos, esta perspectiva possa não vir se concretizar. No Porto de Salvador conta-se com a esperada conclusão das obras de ampliação e modernização do terminal de contêineres o que permitirá a atração de novos usuários exportadores e importadores e o retorno de alguns armadores após o fim das limitações físicas do antigo terminal. Com isto, a perspectiva de incremento dos contêineres fica bastante promissora. Em Aratu-Candeias, se espera com ênfase o retorno da nafta petroquímica o que permitirá um incremento dos demais derivados químicos líquidos retraídos no ano anterior por fatos já citados anteriormente; entre os graneis sólidos, a perspectiva de repetição do excelente desempenho dos fertilizantes é incerta por se tratar de uma comoditie que sofre oscilação em função do mercado. No Porto de Ilhéus, com as limitações físicas de cais e área, são pequenas as possibilidades de evolução significativa na movimentação de cargas; espera-se que se mantenha no mesmo 19

20 patamar do ano anterior, contando como mais provável os embarques do minério de níquel, magnesita, os eventuais de soja e no desembarque de amêndoa do cacau. Os pontos focais das ações continuarão voltadas para a situação de infraestrutura, para o econômico-financeiro e para a gestão de pessoas, esta última, com expectativa de se encontrar uma solução definitiva com relação ao quadro de empregados e ao plano de cargos e salários. 7 - INDICADORES DE DESEMPENHO MOVIMENTAÇÃO DE CARGA NOS PORTOS PÚBLICOS E TUPs Os portos públicos fecharam o ano de 2011 com movimentação de carga acima de 9 milhões de toneladas, com pequena retração em relação ao ano anterior em 2,5%. O resultado foi reflexo da brusca queda nos desembarques da nafta petroquímica, repercutindo no desempenho dos demais derivados químicos em forma de graneis líquidos que passam pelo Porto de Aratu-Candeias. Em contrapartida, os resultados dos portos de Salvador e Ilhéus superaram os registrados no ano anterior, enquanto nos terminais de uso privativo também apresentaram retração entre os derivados químicos e petroquímicos. O Porto de Salvador fechou o ano com 3 milhões 597 mil toneladas, o segundo melhor resultado na sua história, com crescimento de 3,8% em relação ao registrado em 2010, com evolução na importação, especialmente entre os contêineres que marcaram novo recorde de movimentação. No Porto de Aratu-Candeias somaram 5,2 milhões de toneladas contra 5,6 milhões do ano anterior, representando queda de 7,2%, 406 mil toneladas a menos, concentrada basicamente na retração da nafta petroquímica, o que refletiu nos demais derivados químicos. Contrariamente aos líquidos, os graneis sólidos mantiveram-se estáveis apesar da perda da Alumina após a desativação da unidade industrial; destaque para os fertilizantes e seus derivados que fecharam o ano com uma marca recorde próximo a 1 milhão de toneladas. O Porto de Ilhéus totalizou 248 mil toneladas, crescimento de 23% em relação ao ano anterior. A retração da soja foi compensada pelo escoamento de novas cargas, algumas de forma pioneira, especialmente minério de magnesita e equipamentos para usinas geradoras de energia eólica. Nos terminais de uso privativo, a movimentação totalizou 23,2 milhões de toneladas, com destaque para o Terminal da Petrobras com 19,4 milhões e Dias Branco, 2,7 milhões, seguidos pela Dow com 742 mil, Gerdau com 290 mil t. e Ford com 115 mil unidades de veículos. Somando portos públicos e TUPs, a movimentação no Complexo Portuário da Baia de Todos os Santos atingiu 32,2 milhões de toneladas, resultado bem próximo ao registrado no ano anterior. Tabela I - Comparativo da movimentação de carga nos portos públicos da CODEBA Em tonelada COMPARATIVO ANUAL PERÍODO ANO DE 2010 ANO DE 2011 VAR % EXPORTAÇÃO (5,0) IMPORTAÇÃO (0,8) TOTAL (2,5) 20

21 Gráfico I - Evolução mensal da movimentação de carga nos portos da CODEBA em 2011 Tabela II - Principais Produtos Movimentados nos Portos Públicos da CODEBA Em tonelada ANO DE 2011 SENTIDO PRODUTO SALVADOR ILHEUS ARATU-CANDEIAS Químicos e Petroquímicos E Celulose X Cobre e derivados P Frutas e Sucos O Sisal R Ferro Ligas T Alimentos e Bebidas A Cacau Oxido de Magnésio Soja Minério de Níquel Nafta Petroquímica I Concentrado de Cobre M Fertilizantes e derivados P Trigo em grãos O Químicos e Petroquímicos R Outros Minerais T Alimentos A Equipamentos Amêndoa do Cacau Tabela III - Comparativo da movimentação de cargas nos Terminais de Uso Privativo Em tonelada PERÍODO COMPARATIVO ANUAL ANO DE 2010 ANO DE 2011 VARIAÇÃO % EXPORTAÇÃO (9.5) IMPORTAÇÃO ,0 TOTAL (2,8) 21

22 Gráfico II - Evolução de cargas nos Terminais de Uso Privativo em 2011 Tabela IV - Comparativo da Movimentação de Cargas nos Portos Públicos e Terminais de Uso Privativo na Baia de Todos os Santos. Em tonelada PERÍODO COMPARATIVO ANUAL ANO DE 2010 ANO DE 2011 VARIAÇÃO % EXPORTAÇÃO (8,0) IMPORTAÇÃO ,2 TOTAL (2,7) Gráfico III - Evolução de cargas no Complexo Portuário da Baia de Todos os Santos. 22

23 7.2 - PORTO DE SALVADOR Tabela V - Comparativo da Movimentação de Cargas no Porto de Salvador Em tonelada PERÍODO COMPARATIVO ANUAL ANO DE 2010 ATÉ DE 2011 VARIAÇÃO % EXPORTAÇÃO (0,3) IMPORTAÇÃO ,2 TOTAL ,8 Gráfico IV - Evolução da Movimentação de Cargas no Porto de Salvador em PORTO DE ARATU-CANDEIAS Tabela VI - Comparativo da Movimentação de Carga no Porto de Aratu-Candeias Em tonelada PERÍODO COMPARATIVO ANUAL ANO DE 2010 ANO DE 2011 VARIAÇAO % EXPORTAÇÃO (13,3) IMPORTAÇÃO (4,5) TOTAL (7,2) Gráfico V - Evolução da Movimentação de Cargas no Porto de Aratu-Candeias em

24 7.4 - PORTO DE ILHÉUS Tabela VII - Comparativo da Movimentação de Carga no Porto de Ilhéus Em tonelada COMPARATIVO ANUAL PERÍODO ANO DE 2010 ANO DE 2011 VARIAÇÃO % EXPORTAÇÃO ,1 IMPORTAÇÃO (12,2) TOTAL ,9 Gráfico VI - Evolução da movimentação de cargas no Porto de Ilhéus em DESEMPENHO DO TERMINAL DE CONTEINERES Tabela VIII - Comparativo da Movimentação de Contêineres Em TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés) PERÍODO COMPARATIVO ANUAL ANO DE 2010 ANO DE 2011 VARIAÇÃO % EXPORTAÇÃO ,7 IMPORTAÇÃO ,4 SUB TOTAL ,6 REMOÇÃO E TRANSBORDO (30,8) TOTAL Gráfico VII - Evolução da Movimentação de Contêineres em TEU em

25 ITEM II DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 PROGRAMA DE GOVERNO QUADRO A DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO POR PROGRAMA DE GOVERNO Identificação do Programa de Governo Código no PPA 1460 Denominação Vetor Logístico Nordeste Meridional Tipo do Programa Finalístico Objetivo Geral Ampliar a capacidade de transporte terrestre e das vias navegáveis interiores Objetivos Específicos - Gerente Jorge Ernesto Pinto Fraxe Público Alvo Usuários de transporte nos Estados da Bahia e Sergipe Inicial Informações orçamentárias e financeiras do Programa Em R$ 1,00 Dotação Restos a Pagar Despesa Despesa não Final Empenhada Liquidada processados Valores Pagos Informações sobre os resultados alcançados Referência Índice Indicador Índice atingido Ordem (Unidade Data Índice inicial Índice final previsto no no medida) exercício exercício Fórmula de Cálculo do Índice - Análise do Resultado Alcançado Não consta no Sigplan indicador cadastrado para o programa 1460 Ordem Indicador (Unidade medida) Referência Data Índice inicial Índice final Índice previsto no exercício Índice atingido no exercício Fórmula de Cálculo do Índice Análise do Resultado Alcançado Não consta no Sigplan indicador cadastrado para o programa 1460 Fonte:CODEBA 25

26 QUADRO A EXECUÇÃO FÍSICA DAS AÇÕES REALIZADAS PELA UJ Função Subfunção Programa Ação Tipo da Ação Prioridade LL Projeto 1 Unidade de Medida % de execução física Meta prevista Meta realizada 67% 0% P4 Projeto 3 km LK Projeto P4 Projeto 3 % de execução física % de execução física 50% 0% 17% 0% TV Projeto 3 unid Atividade 3 unid 21 0, JS Projeto 3 % de execução física 100% 0% JR Projeto 3 unid D07 Projeto 3 % de execução física 3% 3% VQ Projeto PJ Projeto Q3 Projeto QF Projeto D39 Projeto 3 % de execução física % de execução física % de execução física % de execução física % de execução física 13% 3% 100% 0% 100% 0% 100% 0% 60% 0% BA Projeto 3 unid 104% 0% OJ Projeto P1 Projeto 3 % de execução física % de execução física 53% 0% 100% 0% Atividade 4 unid Atividade Atividade Atividade Fonte: CODEBA (Dados inseridos no SIEST - Sistema de Informações das Estatais) Análise Crítica: A execução do orçamento de investimento no exercício 2011 apresentou baixa execução. As ações com recursos da União pouco avançaram, ficando as ações com recursos próprios com 68% do total executado. Meta a ser realizada em

27 Fonte do recurso Valor aprovado (Lei + créditos) Contingenciado/ cancelado/ solicitado cancelamento Valor empenhado Valor repassado (R$ 1,00) Executado LOA RAP 2009/ PAC 2 e PAC Copa Saldos de Exercícios* Geração Própria* TOTAL *Valor em caixa desde o início do exercício Do total de R$ aprovados na LOA 2011, foram contingenciados R$ , restando empenhado R$ , 48% do valor aprovado, ficando para repasse em Durante o exercício foi solicitado pela SEP e encaminhado pela CODEBA o status das licitações/contratações em andamento e o corte foi realizado com base nestas informações. O contingenciamento foi comunicado à Companhia em novembro/2011 através do Ofício n 1.726/2011/SEP/PR. A execução do orçamento de investimento até dezembro atingiu R$ 1,8 milhão. Neste exercício enfrentamos dificuldades na realização das licitações e algumas tiveram que ser reiniciadas devido a mudanças nas regras do BDI que compõe os preços das obras de engenharia. Além disso, o foco nas obras do PAC demandaram grande concentração dos técnicos da área de engenharia da CODEBA. Dentre as 7 ações aprovadas para 2011 (exceto PAC), 3 foram contratadas entre junho e agosto e seguem em execução. As outras tiveram atrasos para o lançamento da licitação ou estão com licitação em andamento. Do total do RAP 2009, R$ 1 milhão da ação para estudos e projetos foi cancelada e para a ação de instalação do porteiner estava empenhado R$ ,00 do qual foi repassado em 04/08/2011 R$ ,41, finalizando assim as pendências para a ação, ficando o saldo cancelado. Dentre as ações de RAP 2010 e de saldos de exercícios anteriores estão em execução alguns contratos para a ação do ISPS-Code (ação 10VQ) e de Estudos e Projetos (ação 6504), estando as outras com atrasos nos elementos técnicos para a licitação ou com licitação em andamento. Vale destacar que a ação para as Obras de Contenção no Cais da Ponta Sul no Porto de Salvador (ação 1D39), teve sua licitação anulada, já em sua fase final, devido às mudanças nas regras do BDI. Para a ação foi repassado R$ 4 milhões a ser reaberto em 2012 como saldo de exercícios anteriores. Nova licitação já está em andamento. 27

28 Em suma, com recursos da União foram realizadas a aquisição de cancelas de alto fluxo, armas para a guarda portuária e estão contratados o EVTE para a dragagem de aprofundamento do Porto de Ilhéus, o fornecimento de defensas para os portos de Salvador e de Ilhéus, a modernização da sinalização náutica de Ilhéus que seguem com a execução dos seus contratos. A execução dos investimentos com recursos próprios atingiu 68% do total realizado. Ainda assim, não foi possível realizar a licitação para a reforma do prédio sede, ação para a qual solicitamos suplementação de R$ 3 milhões. No entanto, foi realizada a reforma dos vestiários dos TPA s do Porto de Aratu-Candeias, a aquisição de nova central telefônica, aquisição de duas balanças rodoviárias para o Porto e Aratu-Candeias e estão em andamento o fornecimento e instalação de 15 engates de livramento rápido e a reforma de cobertura da portaria 3, ambas no Porto de Aratu. As obras do PAC devem ser iniciadas em A licitação referente à construção do Novo Terminal de Passageiros de Salvador do PAC Copa foi aberta em 03 de janeiro de 2012, após ajustes solicitados tanto pelos licitantes, quanto dos órgãos fiscalizadores. A Ampliação do Quebra-mar do Porto de Salvador, após atualização da planilha de preços do projeto passou a ser estimado em valor superior ao aprovado para a ação e aguarda a aprovação da LOA 2012 para início dos trâmites necessários para suplementar a ação. Os repasses tiveram como prioridade os PAC s e os RAP s. Desta forma, o total previsto para PAC s foi repassado, mesmo com atraso nas licitações. Os RAP s receberam R$ 7,9 milhões. DETALHAMENTO DA EXECUÇÃO: O orçamento de investimento da CODEBA está inserido em dois programas: : Vetor Logístico Nordeste Meridional : Investimento das empresas estatais em infraestrutura de apoio As ações estão vinculadas aos programas conforme pode ser visualizado no quadro abaixo: Programa N Título 1460 Vetor logístico nordeste meridional Func. Programática P Ação Título Repotencialização do Sistema de Movimentação de Granéis Sólidos dos TGS I e II e Pátio de Minérios do Porto de Aratu (BA) Adequação das vias internas do Porto de Aratu (BA). Modernização de Sistemas de Sinalização e Balizamento Náutico no Porto de Aratu (BA). Prolongamento do caminho de rolamento da P PJ J.0029 empilhadeira TGS do Porto de Aratu (BA) Estudos e Projetos para Dragagem de TV.0029 Aprofundamento no Porto de Ilhéus (Ba) Modernização de Sistemas de Sinalização e 28

29 0807 Investiment o das empresas estatais em infraestrutu ra de apoio Q Balizamento Náutico no Porto de Ilhéus (BA) Implantação de Equipamentos de Esforços para JS.0029 Cais do Porto de Ilhéus (BA) Implantação do Sistema de Segurança Portuária ( VQ.0029 ISPS Code) no Porto de Salvador (BA) Implantação de Equipamentos de Esforços para JR.0029 Cais do Porto de Salvador (BA) Modernização de Sistemas de Sinalização e QF.0029 Balizamento Náutico no Porto de Salvador (BA) D Instalação de Portêiner no Porto de Salvador (BA) D Obra de Contenção no cais da Ponta Sul no Porto de Salvador (BA) Adaptação de Armazém para Terminal de LL.0029 Passageiros no Porto de Salvador (BA) Ampliação do Quebrarmar no Porto de Salvador LK (BA) Construção, Ampliação e Modernização da Infra- DX.0029 Estrutura Portuária do Estado da Bahia Estudos e Projetos para Racionalização da Operação Portuária e Proteção ao Meio Ambiente Prevenção, Preparação e Enfrentamento para a BA.0029 Pandemia de Influenza (BA) Instalação de Bens Imóveis Manutenção e Adequação de Bens Imóveis Manutenção e Adequação de Bens Móveis, 29 Veículos, Máquinas e Equipamentos Manutenção e Adequação de Ativos de 29 Informática, Informação e Tele Processamento Segue o detalhamento por ação de investimento 1. PROGRAMA 1460 VETOR LOGÍSTICO NORDESTE MERIDIONAL 1.1 DADOS GERAIS Tipo De Programa Objetivo Geral Gerente do Programa Gerente Executivo Indicadores ou Parâmetros Utilizados Público Alvo Finalístico Promover eficiência e efetividade nos fluxos de transporte na região dos estados da BA e SE Jorge Ernesto Pinto Fraxe Obra executada (% execução física) e estudo realizado (unidade) Usuários de transporte nos Estados da Bahia e Sergipe 1.2 GESTÃO DAS AÇÕES AÇÃO P Repotencialização do Sistema de Movimentação de Granéis Sólidos dos TGS I e II e Pátio de Minérios do Porto de Aratu (BA) 29

30 Tipo Projeto Finalidade Modernizar e automatizar os equipamentos operacionais instalados nos Terminais de Graneis Sólidos I e II e Pátio de Minérios, visando restabelecer a capacidade produtiva, aumentar a disponibilidade e segurança operacional, reduzir custos com manutenção, desobstruir gargalos responsáveis pela descontinuidade operacional, recuperar e atrair novas cargas, conservar e aumentar vida útil do patrimônio público. Descrição Transformar o acionamento mecânico dos equipamentos operacionais em comando automático e recuperar as estruturas. Unidade responsável pelas decisões estratégicas Companhia das Docas do Estado da Bahia Unidades executoras Companhia das Docas do Estado da Bahia Área responsável por gerenciamento/execução Companhia das Docas do Estado da Bahia Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 100% R$ % R$ COMENTÁRIOS: A CODEBA solicitou o cancelamento da ação, mas o mesmo não foi publicado AÇÃO P Adequação das vias internas do Porto de Aratu (BA). Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Ampliar a largura dos acessos para 6 m. mais acostamento. Duplicação da pista de acesso viário na parte externa da entrada do Porto de Aratu. Ação em parceria com a SUDIC. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 50% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Houve atraso na elaboração dos elementos técnicos para iniciar a licitação. Para esta ação houve contingenciamento de R$ 6 milhões, ficando o saldo empenhado para repasse em

31 1.2.3 AÇÃO PJ.0029 Modernização de Sistemas de Sinalização e Balizamento Náutico no Porto de Aratu (BA). Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 Projeto Atender às novas profundidades do canal e bacias de manobra de maneira que a norma seja atendida. Substituição de todas as bóias por outras articuladas.. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 100% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Em função da realização da dragagem realizada no final de 2010, se fez necessária a elaboração de um novo projeto executivo, que foi vinculada à ação Esta licitação segue em andamento. Para esta ação houve contigenciamento de R$ 3 milhões AÇÃO J.0029 Prolongamento do caminho de rolamento de granéis sólidos do Porto de Aratu (BA) Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Ampliar o caminho de rolamento da empilhadeira, permitindo a estocagem mecanizada em toda área do Pátio, como também a movimentação de carga em graneis sólidos de forma automatizada, atendendo as Normas Técnicas e Portuária. Consiste em ampliar em mais 347 m a pista em concreto armado do caminho de rolamento da empilhadeira Stacker, adequar as instalações elétricas/mecânica e eletrônica, inclusive prolongamento das estruturas metálicas e esteiras transportadoras para atendimento a nova extensão do deslocamento desse equipamento. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 53% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Houve atraso na elaboração dos elementos técnicos para iniciar a licitação. 31

32 1.2.5 AÇÃO TV Estudos e Projetos Para Dragagem de Aprofundamento no Porto de Ilhéus (BA) Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Proceder a estudos de viabilidade técnica, comercial e ambiental para subsidiar os projetos de aprofundamento do Porto de Ilhéus. Elaboração de projetos de proteção ao meio ambiente e de viabilidades econômica e comercial, objetivando subsidiar os projetos de aprofundamento do Porto de Ilhéus. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 87 % R$ ,00 0 % R$ COMENTÁRIOS: Os estudos serão realizados através de Convênios com o INPH. O documento segue em negociação/elaboração AÇÃO Q Modernização de Sistemas de Sinalização e Balizamento Náutico no Porto de Ilhéus (BA). Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Atender às novas profundidades do canal e bacias de manobra de maneira que a norma seja atendida. Consiste em substituir todas as bóias por articuladas, visando atender às novas profundidades do canal e bacias de manobra.. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 100% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Serviço contratado e em execução.para esta ação houve contigenciamento de R$ , fato que não compromete a execução da ação AÇÃO JS.0029 Implantação de Equipamentos de Esforços para Cais do Porto de Ilhéus (BA) 32

33 Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Aquisição de equipamentos de amortização de esforços para o cais Aquisição de equipamentos de amortização de esforços para o cais para dotar as estruturas de acostagem de operacionalidade com segurança após as obras de dragagem de aprofundamento e contenção da infra-estrutura do cais. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 100 % R$ % R$ COMENTÁRIOS: Serviço contratado e em execução AÇÃO VQ Implantação do Sistema de Segurança Portuária (ISPS Code) no Porto de Salvador (BA) Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Implantação do sistema de segurança (ISPS Code) no Porto de Salvador visando atender às exigências da legislação internacional vigente. Execução de serviços complementares para melhorar a infraestrutura visando atender a legislação de segurança vigente. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 13% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Para esta ação foi repassado R$ 765,869,0, finalizando o saldo de RAP para a mesma. Foi finalizado em 2011 um contrato de fornecimento e instalação de cancelas de alto fluxo para os três portos e segue em execução em 2012 um contrato para treinamento da guarda portuária. 33

34 1.2.9 AÇÃO JR.0029 Implantação de Equipamentos de Esforços para Cais do Porto de Salvador (BA). Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Aquisição de equipamentos de amortização de esforços para o cais Aquisição de equipamentos de amortização de esforços para o cais para dotar as estruturas de acostagem de operacionalidade com segurança após as obras de dragagem de aprofundamento e contenção da infraestrutura do cais Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 100 % R$ % R$ COMENTÁRIOS: Serviço contratado e em execução AÇÃO QF.0029 Modernização de Sistemas de Sinalização e Balizamento Náutico no Porto de Salvador (BA). Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Atender às novas profundidades do canal e bacias de manobra de maneira que a norma seja atendida. Consiste em substituir todas as bóias por outras articuladas, visando atender às novas profundidades do canal e bacias de manobra. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 100 % R$ % R$ COMENTÁRIOS: Em função da realização da dragagem realizada no final de 2010, se fez necessária a elaboração de um novo projeto executivo, que foi vinculada à ação Esta licitação segue em andamento. Para esta ação houve contigenciamento do total do recurso, R$ 5 milhões. 34

35 AÇÃO D Instalação de Portêiner no Porto de Salvador (BA) Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Modernizar a infra-estrutura portuária. Instalação de equipamento adequado para movimentação de contêiner. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 3% R$ ,00 3% R$ ,00 COMENTÁRIOS: Este recurso é um RAP do exercício Repassado e pago notas em aberto. Encerrada a ação. O saldo foi cancelado AÇÃO D Obra de Contenção no cais da Ponta Sul no Porto de Salvador (BA) Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Conter as fundações do cais para permitir o aprofundamento do leito marinho. Consiste em construir estrutura de concreto na parte frontal do cais, visando contê-lo para aprofundar o leito marinho dos berços de atracação. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 60% % R$ COMENTÁRIOS: Para esta ação foi repassado R$ ,0, ficando o saldo em RAP para repasse em A licitação para contratação desta obra (concorrência 2/2011) foi anulada. Estão em atualização os elementos para nova licitação. 35

36 AÇÃO LL.0029 Adaptação de Armazém para Terminal de Passageiros no Porto de Salvador (BA) Tipo Finalidade Projeto O investimento objetiva, primeiramente, garantir leitos em navios para a COPA 2014 e, como legado, atender à demanda do turismo marítimo, por meio da implantação de terminal marítimo de passageiros, para atendimento adequado ao embarque e desembarque de passageiros e tripulantes. Descrição Elaboração de projetos, EVTE, licenças ambientais, equipamentos e obras para adaptação de Armazém para Terminal Marítimo de Passageiros. Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 67% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Para esta ação houve repasse do total aprovado, R$12 milhões. A licitação está em andamento AÇÃO LK.0029 Ampliação do Quebrarmar no Porto de Salvador (BA) Tipo Finalidade Projeto Viabilizar futuramente, a a implantação de um novo Terminal para Conteineres, junto ao Cais de Água de Meninos, possibilitando a ampliação do atendimento à crescente demanda de movimentação de carga conteinerizada. Descrição Ampliação da estrutura de abrigo (quebramar norte) em 405 metros, abrigando os novos berços de atracação e bacia de manobra. Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 50 % R$ % R$ COMENTÁRIOS: Houve repasse do total aprovado, R$ 5milhões. Os estudos de análise hidrodinâmica estão prontos, o projeto básico está concluído. Temos a LP já expedida e aguardamos a LI. Após 36

37 atualização da planilha de preços do projeto passou a ser estimado em valor superior ao aprovado para a ação e aguarda a aprovação da LOA 2012 para início dos trâmites necessários para suplementar a ação. Em preparação elementos técnicos para iniciar a licitação AÇÃO DX Construção, Ampliação e Modernização da Infra Estrutura Portuária no Estado da Bahia Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Construção, modernização e ampliação da infra-estrutura portuária no Estado da Bahia, nos Portos de Salvador, Aratu e Ilhéus. Recursos originados de Emenda Parlamentar destinados à utilização em obras diversas de modernização e ampliação dos Portos da CODEBA. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 17% R$ ,00 0% R$ COMENTÁRIOS: Houve atraso na elaboração dos elementos técnicos para iniciar a licitação AÇÃO Estudos e Projetos Para Racionalização da Operação Portuária e Proteção ao Meio Ambiente Tipo Atividade Finalidade Proceder a estudos de viabilidade técnica, comercial e ambiental para subsidiar os projetos de aprofundamento dos Portos e os arrendamentos de áreas. Descrição Elaboração de projetos de proteção ao meio ambiente e de viabilidades econômica e comercial, objetivando subsidiar os projetos de aprofundamento dos Portos e os arrendamentos de áreas operacionais. Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia 37

38 METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 21 estudos R$ ,2 estudos R$ ,00 COMENTÁRIOS: Em execução contrato de EVTEA para a dragagem de Ilhéus AÇÃO BA.0029 Prevenção, Preparação e Enfrentamento para a Pandemia de Influenza (BA) Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Atividade Prevenção e combate à Pandemia de Influenza. Obras de Construção e Infra-estrutura com instalação de equipamentos visando a prevenção e combate à pandemia de influenza. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA 98% R$ % R$ COMENTÁRIOS: Este recurso é oriundo das ações 1K87 e 115F que foram remanejados para esta nova ação aprovada através da MP 515 de 28/12/2010. Este recurso está destinado à construção da 1ª etapa da central de tratamento de resíduos sólidos do Porto de Salvador, e a licitação para esta obra foi finalizada em dez/2009, portanto, aproximadamente doze meses antes da autorização legal. Consultada sobre a possibilidade de realizar a obra, a empresa ganhadora da licitação afirmou que não tem interesse em realizar a obra. Licitação em andamento 2. PROGRAMA 0807 INVESTIMENTO DAS EMPRESAS ESTATAIS EM INFRAESTRUTURA DE APOIO 2.1 DADOS GERAIS TIPO DE PROGRAMA Objetivo Geral Gerente do Programa Gerente Executivo Indicadores ou Parâmetros Utilizados Público Alvo Apoio às Políticas Públicas e Áreas Especiais Dotar a área administrativa de condições necessárias para prestar adequado suporte à área operacional Imóvel instalado; Governo 38

39 2.2 GESTÃO DAS AÇÕES AÇÃO Instalação de bens imóveis Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Projeto Dotar a área administrativa de condições necessárias para prestar adequado suporte à área operacional. Construção, ampliação, aquisição ou instalação de imóveis de uso da administração, bem como das atividades de apoio à área operacional. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia José Muniz Rebouças METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA - R$ ,00 - R$ COMENTÁRIOS: A CODEBA solicitou o cancelamento da ação,mas o mesmo não foi publicado AÇÃO Manutenção e Adequação de Bens Imóveis Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Atividade Realizar despesas com manutenção e obras de adequação que prolonguem a vida útil dos bens imóveis e melhorem a qualidade dos serviços prestados aos usuários. Realização de obras de alvenaria, de estruturas e instalações; obras de manutenção nas tubulações de água, esgoto, telefone e energia elétrica etc, em edificações que sejam contabilizadas no imobilizado. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia José Muniz Rebouças METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2011 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA - R$ R$ ,00 COMENTÁRIOS: A suplementação solicitada pela CODEBA destina-se a reforma do prédio sede e anexo,mas a obra não foi iniciada.está contratada e em execução a reforma da portaria 3 do porto de Aratu. 39

40 2.2.3 AÇÃO Manutenção e Adequação de Bens Móveis, Veículos, Máquinas e Equipamentos Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Atividade Realizar despesas com manutenção e obras de adequação que prolonguem a vida útil dos bens móveis, veículos, máquinas e equipamentos proporcionando melhor qualidade dos serviços prestados aos usuários. Realização de serviços de manutenção e adequação nos bens móveis, veículos, máquinas e equipamentos de propriedade das empresas estatais que sejam contabilizados no imobilizado. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia José Muniz Rebouças METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2010 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA - R$ R$ ,00 COMENTÁRIOS: Foram adquiridas novas centrais telefônicas para os três portos. No Porto de Aratu foram substituídas duas balanças rodoviárias e está contratada e em execução a substituição de 15 engates de livramento rápido AÇÃO Manutenção e Adequação de Ativos de Informática, Informação e Teleprocessamento Tipo Finalidade Descrição Unidade responsável pelas decisões estratégicas Unidades executoras Área responsável por gerenciamento/execução Coordenador nacional da ação Responsável pela execução da ação no nível local (quando for o caso) Atividade Realizar despesas com manutenção e adequação e aquisição de bens nas áreas de informática, informação e teleprocessamento que prolonguem a vida útil dos ativos das respectivas áreas e proporcionem melhor qualidade dos serviços prestados aos usuários. Aquisição de bens e serviços de manutenção e adequação de equipamentos das áreas de informática, informação e teleprocessamento de propriedade das empresas estatais que sejam contabilizados no imobilizado. Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia Companhia das Docas do Estado da Bahia José Muniz Rebouças METAS E RESULTADOS DA AÇÃO - EXERCÍCIO 2010 PREVISTAS REALIZADAS FÍSICA FINANCEIRA FÍSICA FINANCEIRA - R$ R$ ,00 COMENTÁRIOS: Foram adquiridos diversos equipamentos de informática. 40

41 QUADRO A 2. DESEMPENHO ORÇAMENTÁRIO/FINANCEIRO QUADRO A IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS Denominação das Unidades Orçamentárias Código da UO Código SIAFI da UGO COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO BAHIA Análise Crítica As despesas correntes da CODEBA são regidas por uma estrutura desenvolvida pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, denominada Programa de Dispêndios Globais. Desta forma, esta Companhia apresenta o PDG aprovado e o executado em Esclarecemos que o PDG foi inicialmente aprovado através do decreto de 29/11/2010, sendo posteriormente reprogramado e aprovado através do Decreto de 10/11/2011. Destacamos também que no histórico recente a diferença entre a proposta orçamentária e a aprovada resume-se apenas aos dispêndios de capital, ficando todas as outras rubricas inalteradas. Informações do PDG 2011: DICOR - Discriminação das Origens de Recursos Valores acumulados (R$1,00) Decreto Executado 7.065/ RECEITAS Subsídio do Tesouro Receita Operacional Venda de Bens e Serviços Demais Receitas Operacionais Receita Não Operacional Receitas Financeiras (Juros e outras) Instituições Financeiras Demais Receitas Não Operacionais OUTROS RECURSOS Aumento do Patrimônio Líquido Participação da União no Capital - Tesouro Participação no Capital - Empresas Estatais Controladora - Outros recursos Outras Estatais Demais Recursos p/ Aumento do Patrimonio Liquido TOTAL DOS RECURSOS

42 DICAR - Discriminação das Aplicações de Recursos Decreto Executado 7.065/ DISPÊNDIOS DE CAPITAL Investimentos no Ativo Imobilizado Pessoal de investimento Sistema de Tecnologia da Informação Aquisição e Manutenção de Equipamentos de Tecnologia da Informação Aquisição e Manutenção de Software de Processamento de Dados Demais Demais DISPÊNDIOS CORRENTES Pessoal e Encargos Sociais Salário Base Horas-Extras Comissões Por Função Outros Adicionais Gratificação Extraordinária Encargos Sociais Benefícios Sociais Contrib. Patron. (Assoc.Func.-Prev. Priv e Seg.) Contrib. Patron. (Assoc.Func.-Assist. Médica) Demais Inativos e Pensionistas Programas de desligamento voluntario Materiais e Produtos Material de Consumo Serviços de Terceiros Prestação de Serviço Técnico, Adm. e Oper Tecnologia da Informação Demais Dispêndios Indiretos com Pessoal Próprio Auxílio-Alimentação Cesta Básica Auxílios educação, Creche e Outros Tecnologia da Informação - Treinamento de Pessoal Demais Disp. Ind. com Pessoal Próprio Propaganda e Publicações Oficiais Publicidade Legal Publicidade Mercadológica Publicidade Institucional Patrocinio Publicidade de utilidade Publica Demais Serviços de Terceiros Utilidades e Serviços Tributos e Encargos Parafiscais Vinculados a Receita Vinculados ao Resultado Demais Tributos e Encargos Parafiscais Outros Dispêndios Correntes Locação de Equipamento de Processamento de Dados Equipamentos de Processamento de Dados Demais Royalties Aluguéis Multas Variação Monetária de Outras Obrigações Dispêndios com Pessoal Participação no lucro ou resultado Demandas Trabalhistas Previdência Privada - Cobertura de Deficit Demais Dispêndios Correntes TOTAL DOS DISPÊNDIOS

43 DFLUX - Demonstrativo do Fluxo de Caixa Decreto Executado 7.065/ Disponível Inicial Ingressos de Capital Do Patrimônio Líquido (=DICOR ) Entradas Gerais Entradas de Vendas e Outras Receitas Operacionais Entradas de Receitas Não Operacional (Exceto Financ.) Recuperação de Adiant., Depositos. e Outras Aplicações Principal Instituições Financeiras Mutuos com Empresas do Exterior Outras Fontes Rendimento Instituições Financeiras Mutuos com Empresas do Exterior Outras Fontes Receb. Recur. Terc. (Cauções, Dep. e Outras Obrig.) Total dos Recursos Financeiros Saídas de Capital Pagamentos de Emprestimos e Financ Investimentos no Ativo Imobilizado Saídas Gerais Pag de Contas e Outras Obrigações Pessoal e Encargos Sociais Devol. Recur.Terc. (Cauçõe, Depositos e Outras Obrig.) Demais Despesas e Custos Materiais e Produtos Serviços de Terceiros Utilidades e Serviços Tributos e Encargos Parafiscais Outros Dispêndios Correntes Demais Dispêndios Adiantamentos, Depositos e Outras Aplicações Instituições Financeiras Mutuos com empresas no exterior Demais Aplicações Total das Saídas Disponível Final FEFCx - Fechamento do Fluxo de Caixa Decreto Executado 7.065/ Disponível Inicial Total dos Recursos Total dos Dispêndios Subtotal Operações de Crédito de Curto Prazo Empréstimos Amortização Variação de Contas a Pagar e Demais Obrigações Contas a Pagar Vincendo Vencido Demais Obrigações Variação de Contas a Receber Vincendo Vencido Variação de Adiant., Depositos e Outros Créditos Ajuste de Receitas e Despesas Financeiras Disponível Final

44 NEFIL - Necessidade de Financiamento Líquido Decreto Executado 7.065/ I - Receitas Totais II - Despesas Totais III - Ajuste Critério Comp/Caixa ( ) Contas a Pagar Vincendo (+) Contas a Receber (-) ( ) Ajuste de Receitas/Despesas Fin. (+) (31.572) ( ) IV - Resultado Nominal ( I - II + III ) V - Juros - Caixa (Rec - Desp) VI - Superávit/Déficit Primário ( IV - V ) ITEM 3 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU Nº 108/2010 Quadro A Reconhecimento de Passivos por Insuficiência de Créditos ou Recursos Valores em R$ Identificação da Conta Contábil Código SIAFI Denominação Linha Detalhe UG Credor Saldo Final em Movimento Movimento Saldo Final em (CNPJ/CPF) 31/12/2010 Devedor Credor 31/12/ Razões e Justificativas: NÃO HOUVE MOVIMENTAÇÃO E SALDOS DE RESTOS A PAGAR DE EXERCICIOS ANTERIORES Fonte: Coordenação de Recursos Financeiros da CODEBA ITEM 4 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 Quadro A Situação dos restos a pagar de exercícios anteriores Restos a Pagar Processados Montante Inscrito Cancelamentos Pagamentos acumulados acumulados Restos a Pagar não Processados Ano de Inscrição Ano de Inscrição Saldo a Pagar em 31/12/2011 Montante Inscrito Cancelamentos Pagamentos acumulados acumulados Saldo a Pagar em 31/12/2011 Observações: NÃO HOUVE PAGAMENTO E CANCELAMENTO DE RESTOS A PAGAR DE EXERCÍCIOS ANTERIORES. 44

45 ITEM 5 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Força do trabalho - Situação em 31/12/11 Em unidade Tipologias dos Cargos Autorizada Lotação Efetiva Ingressos no exercício Egressos no exercício 1. Servidores em cargos efetivos ( ) Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira ( ) Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de carreira em exercício provisório Servidores requisitados de outros órgãos e esferas Servidores com Contratos Temporários Total de Servidores (1+2) Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A.5.2 Situação que reduzem a Força do Trabalho na UJ - Situação em 31/12/11 Quantidade de Tipologias dos afastamentos pessoas na situação em 31 de dezembro 1. Cedidos ( ) Exercício de Cargo em Comissão Exercício de Função de Confiança Outras situações previstas em leis específicas (especificar as leis) Art 543 CLT 8 2. Afastamentos ( ) Para Exercício de Mandato Eletivo Para Estudo ou Missão no Exterior Para Serviço em Organismo Internacional Para Participação em Programa de Pós-Gradução Stricto Sensu no País - 3. Removidos ( ) De oficio, no interesse da Administração A pedido, a critério da Administração A pedido, independentemente do interesse da Administração para acompanhar cônjuge/companheiro A pedido, independentemente do interesse da Administração por Motivo de saúde A pedido, independentemente do interesse da Administração por Processo seletivo - 4. Licença remunerada ( ) Doença em pessoa da família Capacitação - 5. Licença não remunerada ( ) Afastamento do cônjuge ou companheiro Serviço military Atividade política Interesses particulares Mandato classista 1 6. Outras situações (Especificar o ato normativo) - 7. Total de servidores afastados em 31 de dezembro ( ) 18 Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA 45

46 A Detalhamento estrutura de cargo em comissão e funções gratificadas Tipologias dos cargos em comissão e das funções gratificadas Autorizada Lotação Efetiva Ingressos no exercício Egressos no exercício 1. Cargos em comissão Cargos Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento superior Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de outros órgãos e esferas Sem vínculo Aposentados Funções gratificadas Servidores de carreira vinculada ao órgão Servidores de carreira em exercício descentralizado Servidores de outros órgãos e esferas Total de servidores em cargo e em função (1+2) Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A Quantidade de servidores por faixa etária na UJ Tipologias do Cargo Quantidade de Servidores por Faixa Etária Até 30 anos De 31 a 40 anos De 41 a 50 anos De 51 a 60 anos Acima de 60 anos 1. Provimento de cargo efetivo Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários Provimento de cargo em comissão Cargos de Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções gratificadas Totais (1+2) Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A Quantidade de servidores por nível de escolaridade Tipologias do Cargo Quantidade de pessoas por nível de escolaridade Provimento de cargo efetivo Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira Servidores com Contratos Temporários Provimento de cargo em comissão Cargos de Natureza Especial Grupo Direção e Assessoramento Superior Funções gratificadas Totais (1+2) LEGENDA Nível de Escolaridade 1 - Analfabeto; 2 - Alfabetizado sem cursos regulares; 3 - Primeiro grau incompleto; 4 - Primeiro grau; 5 - Segundo grau ou técnico; 6 - Superior; 7 - Aperfeiçoamento / Especialização / Pós-Graduação; 8 Mestrado; 9 Doutorado/Pós Doutorado/PhD/Livre Docência; 10 - Não Classificada. 46

47 A.5.6 Composição do quadro de servidores inativos Posição Regime de proventos / Regime de aposentadoria De Servidores Aposentados até 31/12 Quantidade De Aposentadorias iniciadas no exercício de referência 1. Integral Voluntária Compulsória Invalidez Permanente Outras (Aposentadoria por invalidez) Proporcional Voluntária Compulsória Invalidez Permanente Outras Totais (1+2) 12 0 Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A Composição do quadro de instituidores de pensão Quantidade de Beneficiários de Pensão Regime de proventos do servidor instituidor Iniciada no exercício de Acumulada até 31/12 referência 1. Aposentado Integral Proporcional Em Atividade Total (1+2) Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A Composição do quadro de estagiário Nível de escolaridade Quantitativo de contratos de estágio vigentes 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 4º Trimestre Despesa no exercício (em R$ 1,00) 1. Nível superior , Área Fim Área Meio Nível Médio , Área Fim Área Meio Total (1+2) ,59 Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA 47

48 Tipologias/ Exercícios Exer cícios Exer cícios Exer cícios Exer cícios Exer cícios Exer cícios Exer cícios A Quadro de custos de pessoal no exercício de referencia e nos dois anos anteriores - Em R$ Vencimentos e vantagens fixas Retribu ições Gratificações Despesas Variáveis Adicionai s Indeni zações Benefícios Assistenci ais e previdenciários Demais despesas variáveis Despesas de Exercícios Anteriores Decisões Judiciais Membros de poder e agentes políticos Servidores de Carreira que não ocupam cargo de provimento em comissão Servidores com Contratos Temporários Servidores Cedidos com ônus ou em Licença Servidores ocupantes de Cargos de Natureza Especial Servidores ocupantes de cargos do Grupo Direção e Assessoramento Superior Servidores ocupantes de Funções gratificadas Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A.5.10 Terceirização da mão de obra empregada pela UJ Descrição dos cargos e atividades do plano de cargos do órgão em que há ocorrência de servidores terceirizados Total Egressos no exercício Quantidade no final do exercício Ingressos no exercício Análise crítica da situação da terceirização no órgão Não se aplica. Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA 48

49 A Relação dos empregados terceirizados substituídos em decorrência da realização de concurso público ou de provimento adicional autorizado. Nome do empregado terceirizado substituído Cargo que ocupava no órgão Data do D.O.U. de publicação da dispensa Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A Autorizações expedidas pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão para realização de concursos públicos para substituição de terceirizados Nome do órgão autorizado a realizar o concurso ou provimento adicional Norma ou expediente autorizador, do exercício e dos dois anteriores Número Data Quantidade autorizada de servidores Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA A Contrato de prestação de serviços de limpeza, higiene e vigilância ostensiva. Unidade Contratante Nome: COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA UG/Gestão: CNPJ: : / Ano do contrato 2007 L 2011 L Área Natureza Informações sobre os contratos Período Empresa contratual de Identificação Contratada execução das do Contrato (CNPJ) atividades contratadas O 020/07 O 015/ Nível de Escolaridade exigido dos trabalhadores contratados F M S Início Fim P C P C P C / /07 03/ E / /11 10/ E 2011 L O 37/11 / /11 Ativo Observações: O Contrato nº 037/2011 com a empresa / CNPJ ocorreu em decorrência da rescisão unilateral do Contrato nº 015/2011 firmado com a empresa CMPJ / vencedora do Programa de Licitação). Sit. LEGENDA Área: (L) Limpeza e Higiene; (V) Vigilância Ostensiva. Natureza: (O) Ordinária; (E) Emergencial. Nível de Escolaridade: (F) Ensino Fundamental; (M) Ensino Médio; (S) Ensino Superior. Situação do Contrato: (A) Ativo Normal; (P) Ativo Prorrogado; (E) Encerrado. Fonte: Coordenação de Recursos Humanos da CODEBA 49

50 A Contrato de prestação de serviços com locação de mão de obra Unidade Contratante Nome: COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA UG/Gestão: CNPJ: / Informações sobre os contratos Ano do contrato Observações: Área Natureza Identificação do Contrato O 001/2011 O 013/2011 Empresa Contratada (CNPJ) Período contratual de execução das atividades contratadas Nível de Escolaridade exigido dos trabalhadores contratados F M S Início Fim P C P C P C / /11 Ativo P / /11 Ativo P Sit. LEGENDA Área: 1. Conservação e Limpeza; 2. Segurança; 3. Vigilância; 4. Transportes; 5. Informática; 6. Copeiragem; 7. Recepção; 8. Reprografia; 9. Telecomunicações; 10. Manutenção de bens móvies 11. Manutenção de bens imóveis 12. Brigadistas 13. Apoio Administrativo Menores Aprendizes 14. Outras Natureza: (O) Ordinária; (E) Emergencial. Nível de Escolaridade: (F) Ensino Fundamental; (M) Ensino Médio; (S) Ensino Superior. Situação do Contrato: (A) Ativo Normal; (P) Ativo Prorrogado; (E) Encerrado. Quantidade de trabalhadores: (P) Prevista no contrato; (C) Efetivamente contratada. 5.6 Indicadores gerenciais sobre Recursos Humanos As UJ que não tenham indicadores desenvolvidos para a área de pessoal devem fazer constar essa informação no Relatório de Gestão e informar se há previsão de desenvolvê-los. Não há indicadores desenvolvidos para a área de pessoal. Há perspectiva, porém, de adequação desses indicadores, na gestão 2012/2013, com a aprovação no plano de cargos de pessoal na empresa. 50

51 ITEM 6 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Instrumentos de transferências vigentes no exercício Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. ITEM 7 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Modelo da declaração de atualização dados no SIASG e SICONV Os dados sobre contratos, convênios e congêneres, não são informados no Sistema SIASG e SICONV. Ver declaração do gestor nos anexos ITEM 8 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Situação do cumprimento das obrigações impostas pela Lei 8.730/93 Detentores de Cargos e Funções obrigados a entregar a DBR Autoridades (Incisos I a VI do art. 1º da Lei nº 8.730/93) Cargos Eletivos Funções Comissionadas (Cargo, Emprego, Função de Confiança ou em comissão) Situação em relação às exigências da Lei nº 8.730/93 Momento da Ocorrência da Obrigação de Entregar a DBR Posse ou Início Final do Final do do exercício de exercício da exercício Função ou Função ou financeiro Cargo Cargo Obrigados a entregar a DBR Entregaram a DBR Não cumpriram a obrigação Obrigados a entregar a DBR Entregaram a DBR Não cumpriram a obrigação Obrigados a entregar a DBR Entregaram a DBR Não cumpriram a obrigação Fonte: Coordenação de Recursos Humanos. VER DECLARAÇÃO DO GESTOR DA UJ NOS ANEXOS ITEM 9 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Estrutura de Controles Internos da UJ Aspectos do sistema de controle interno Avaliação Ambiente de Controle Os altos dirigentes da UJ percebem os controles internos como essenciais à consecução dos objetivos da unidade e dão suporte adequado ao seu x funcionamento. 2. Os mecanismos gerais de controle instituídos pela UJ são percebidos por todos os servidores e funcionários nos diversos níveis da estrutura da unidade. x 3. A comunicação dentro da UJ é adequada e eficiente. x 4. Existe código formalizado de ética ou de conduta. x 5. Os procedimentos e as instruções operacionais são padronizados e estão postos em documentos formais. x 6. Há mecanismos que garantem ou incentivam a participação dos funcionários e servidores dos diversos níveis da estrutura da UJ na elaboração dos x procedimentos, das instruções operacionais ou código de ética ou conduta. 7. As delegações de autoridade e competência são acompanhadas de definições claras das responsabilidades. x 8. Existe adequada segregação de funções nos processos da competência da UJ. x 9. Os controles internos adotados contribuem para a consecução dos resultados planejados pela UJ. x Avaliação de Risco Os objetivos e metas da unidade jurisdicionada estão formalizados. x 51

52 11. Há clara identificação dos processos críticos para a consecução dos objetivos e metas da unidade. x 12. É prática da unidade o diagnóstico dos riscos (de origem interna ou externa) envolvidos nos seus processos estratégicos, bem como a identificação da probabilidade de ocorrência desses riscos e a consequente adoção de medidas x para mitigá-los. 13. É prática da unidade a definição de níveis de riscos operacionais, de informações x e de conformidade que podem ser assumidos pelos diversos níveis da gestão. 14. A avaliação de riscos é feita de forma contínua, de modo a identificar mudanças no perfil de risco da UJ, ocasionadas por transformações nos ambientes interno e x externo. 15. Os riscos identificados são mensurados e classificados de modo a serem tratados x em uma escala de prioridades e a gerar informações úteis à tomada de decisão. 16. Existe histórico de fraudes e perdas decorrentes de fragilidades nos processos x internos da unidade. 17. Na ocorrência de fraudes e desvios, é prática da unidade instaurar sindicância x para apurar responsabilidades e exigir eventuais ressarcimentos. 18. Há norma ou regulamento para as atividades de guarda, estoque e inventário de x bens e valores de responsabilidade da unidade. Procedimentos de Controle Existem políticas e ações, de natureza preventiva ou de detecção, para diminuir x os riscos e alcançar os objetivos da UJ, claramente estabelecidas. 20. As atividades de controle adotadas pela UJ são apropriadas e funcionam x consistentemente de acordo com um plano de longo prazo. 21. As atividades de controle adotadas pela UJ possuem custo apropriado ao nível de x benefícios que possam derivar de sua aplicação. 22. As atividades de controle adotadas pela UJ são abrangentes e razoáveis e estão x diretamente relacionados com os objetivos de controle. Informação e Comunicação A informação relevante para UJ é devidamente identificada, documentada, x armazenada e comunicada tempestivamente às pessoas adequadas. 24. As informações consideradas relevantes pela UJ são dotadas de qualidade x suficiente para permitir ao gestor tomar as decisões apropriadas. 25. A informação disponível à UJ é apropriada, tempestiva, atual, precisa e acessível. x 26. A Informação divulgada internamente atende às expectativas dos diversos grupos x e indivíduos da UJ, contribuindo para a execução das responsabilidades de forma eficaz. 27. A comunicação das informações perpassa todos os níveis hierárquicos da UJ, em x todas as direções, por todos os seus componentes e por toda a sua estrutura. Monitoramento O sistema de controle interno da UJ é constantemente monitorado para avaliar x sua validade e qualidade ao longo do tempo. 29. O sistema de controle interno da UJ tem sido considerado adequado e efetivo x pelas avaliações sofridas. 30. O sistema de controle interno da UJ tem contribuído para a melhoria de seu x desempenho. LEGENDA Níveis de Avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente não aplicado no contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válido. Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente aplicado no contexto da UJ. 52

53 ITEM 10 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Gestão Ambiental e Licitações Sustentáveis Aspectos sobre a gestão ambiental Avaliação Licitações Sustentáveis A UJ tem incluído critérios de sustentabilidade ambiental em suas licitações que levem em consideração os processos de extração ou fabricação, utilização e descarte dos produtos e matérias primas. x Se houver concordância com a afirmação acima, quais critérios de sustentabilidade ambiental foram aplicados? 2. Em uma análise das aquisições dos últimos cinco anos, os produtos atualmente adquiridos pela unidade são produzidos com menor consumo de matéria-prima e maior x quantidade de conteúdo reciclável. 3. A aquisição de produtos pela unidade é feita dando-se preferência àqueles fabricados por fonte não poluidora bem como por materiais que não prejudicam a natureza (ex. x produtos de limpeza biodegradáveis). 4. Nos procedimentos licitatórios realizados pela unidade, tem sido considerada a existência de certificação ambiental por parte das empresas participantes e produtoras (ex: ISO), como critério avaliativo ou mesmo condição na aquisição de produtos e serviços. x Se houver concordância com a afirmação acima, qual certificação ambiental tem sido considerada nesses procedimentos? 5. No último exercício, a unidade adquiriu bens/produtos que colaboram para o menor consumo de energia e/ou água (ex: torneiras automáticas, lâmpadas econômicas). x Se houver concordância com a afirmação acima, qual o impacto da aquisição desses produtos sobre o consumo de água e energia? 6. No último exercício, a unidade adquiriu bens/produtos reciclados (ex: papel reciclado). x Se houver concordância com a afirmação acima, quais foram os produtos adquiridos? 7. No último exercício, a instituição adquiriu veículos automotores mais eficientes e menos poluentes ou que utilizam combustíveis alternativos. x Se houver concordância com a afirmação acima, este critério específico utilizado foi incluído no procedimento licitatório? 8. Existe uma preferência pela aquisição de bens/produtos passíveis de reutilização, reciclagem ou reabastecimento (refil e/ou recarga). x Se houver concordância com a afirmação acima, como essa preferência tem sido manifestada nos procedimentos licitatórios? 9. Para a aquisição de bens/produtos é levada em conta os aspectos de durabilidade e x qualidade de tais bens/produtos. 10. Os projetos básicos ou executivos, na contratação de obras e serviços de engenharia, possuem exigências que levem à economia da manutenção e operacionalização da x edificação, à redução do consumo de energia e água e à utilização de tecnologias e materiais que reduzam o impacto ambiental. 11. Na unidade ocorre separação dos resíduos recicláveis descartados, bem como sua x destinação, como referido no Decreto nº 5.940/ Nos últimos exercícios, a UJ promoveu campanhas entre os servidores visando a diminuir o consumo de água e energia elétrica. x Se houver concordância com a afirmação acima, como se procedeu a essa campanha (palestras, folders, comunicações oficiais, etc.)? 13. Nos últimos exercícios, a UJ promoveu campanhas de conscientização da necessidade de proteção do meio ambiente e preservação de recursos naturais voltadas para os seus x servidores. Se houver concordância com a afirmação acima, como se procedeu a essa campanha (palestras, folders, comunicações oficiais, etc.)? Considerações Gerais: LEGENDA 53

54 Níveis de Avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente não aplicado no contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válida: Significa que o fundamento descrito na afirmativa é integralmente aplicado no contexto da UJ. ITEM 11 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Gestão de Bens Imóveis de Uso Especial Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. ITEM 12 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Gestão da Tecnologia da Informação (TI) Quesitos a serem avaliados Planejamento da área 1. Há planejamento institucional em vigor ou existe área que faz o planejamento da UJ como um todo. Avaliação Há Planejamento Estratégico para a área de TI em vigor. x 3. Há comitê que decida sobre a priorização das ações e investimentos de TI para a UJ. x Perfil dos Recursos Humanos envolvidos 4. Quantitativo de servidores e de terceirizados atuando na área de TI Há carreiras específicas para a área de TI no plano de cargos do Órgão/Entidade. Segurança da Informação 6. Existe uma área específica, com responsabilidades definidas, para lidar estrategicamente com segurança da informação. 7. Existe Política de Segurança da Informação (PSI) em vigor que tenha sido instituída mediante documento específico. Desenvolvimento e Produção de Sistemas 8. É efetuada avaliação para verificar se os recursos de TI são compatíveis com as necessidades da UJ. x 9. O desenvolvimento de sistemas quando feito na UJ segue metodologia definida. x 10. É efetuada a gestão de acordos de níveis de serviço das soluções de TI do Órgão/Entidade oferecidas aos seus clientes. 11. Nos contratos celebrados pela UJ é exigido acordo de nível de serviço. x Contratação e Gestão de Bens e Serviços de TI 12. Nível de participação de terceirização de bens e serviços de TI em relação ao desenvolvimento interno da própria UJ. 84% 13. Na elaboração do projeto básico das contratações de TI são explicitados os benefícios da contratação em termos de resultado para UJ e não somente em termos de TI. 14. O Órgão/Entidade adota processo de trabalho formalizado ou possui área específica de gestão de contratos de bens e serviços de TI. 15. Há transferência de conhecimento para servidores do Órgão/Entidade referente a produtos e serviços de TI terceirizados? Considerações Gerais: LEGENDA Níveis de avaliação: (1) Totalmente inválida: Significa que a afirmativa é integralmente NÃO aplicada x x x x x x x 54

55 ao contexto da UJ. (2) Parcialmente inválida: Significa que a afirmativa é parcialmente aplicada ao contexto da UJ, porém, em sua minoria. (3) Neutra: Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na afirmativa no contexto da UJ. (4) Parcialmente válida: Significa que a afirmativa é parcialmente aplicada ao contexto da UJ, porém, em sua maioria. (5) Totalmente válida: Significa que a afirmativa é integralmente aplicada ao contexto da UJ. ITEM 13 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Despesas com cartão de crédito corporativo Não se aplica à Unidade Jurisdicionada. ITEM 14 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Renúncias Tributárias sob Gestão da UJ Não houve ocorrência de renúncia tributária na Unidade Jurisdicionada ITEM 15 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Cumprimento das deliberações do TCU atendidas no exercício Denominação completa: COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA Unidade Jurisdicionada Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Código SIORG Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida Diligência Ofício nº 06/ / Nº 84/2011 TCU/SEFTI, 10/01/2011. Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Código SIORG Descrição da Deliberação: Coletar informações a respeito dos sistemas integrados de gestão pelas Empresas Estatais Federais, relacionados ao Tema de Maior Significância-sistema de Gestão das Empresas Estatais. Setor responsável pela implementação Providências Adotadas Setor de Informática Coordenação de Assuntos Estratégicos CAE /CODEBA Código SIORG Síntese da providência adotada: Foi feito uma reunião com o Líder da área para discutir qual dos questionários seria o que enquadrava a empresa CODEBA desde quando se tratava também de empresa estatal. Síntese dos resultados obtidos Atendido através da inscrição do responsável Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não existiu entraves no encaminhamento das providências. Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida / TCU-Plenário - Ofício nº 1.908/2011 TCU/SECOB-4 Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Código SIORG 55

56 Descrição da Deliberação: Obras de Adaptação do Armazém para Terminal Marítimo de Passageiros no Porto de Salvador-BA Ação da Copa do Mundo de Setor responsável pela implementação Coordenação de Infra Estrutura Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: Houve o atendimento ao Ofício TCU Nº 2.908/2011, de 07/10/2011, através da CE DPR Nº 190/2011, de 05/10/2011, encaminhando arquivos anexos com toda documentação solicitada. Síntese dos resultados obtidos Pronto atendimento Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor As providências foram tomadas a seu tempo. Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida /2010 (eletrônico) 732/2011-TCU - Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Código SIORG Descrição da Deliberação: Irregularidades no Pregão Eletrônico nº 58/2010, conduzido pela Companhia das Docas do Estado da Bahia CODEBA, tendo por objeto a contratação de empresa especializada para prestação de serviços de limpeza, asseio e conservação diária das unidades da CODEBA, especificamente na sede e nos Portos de Salvador, Aratu e Ilhéus. Setor responsável pela implementação Pregoeiro da CODEBA Ivair Alves Santos. Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: Foi encaminhada ao Tribunal de Contas TCU uma correspondência pelo Pregoeiro, comunicando o Parecer Jurídico sugerindo a anulação do certame e publicado no Diário Oficial da União nº 235, de 09/12/2010 Aviso de Anulação do Pregão Eletrônico nº 58/2010. Síntese dos resultados obtidos Anulação do certame e publicado no Diário Oficial da União nº 235, de 09/12/2010 Aviso de Anulação do Pregão Eletrônico nº 58/2010. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor As providências foram tomadas com celeridade. Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida / (Eletrônico) 1372/2011-TCU-Plenário Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Código SIORG CDN Coordenação de Negócios Descrição da Deliberação: Solicitação para reabertura do processo TC Nº /2009-5, apreciado mediante Acórdão nº 2363/2009- Plenário, em vista da notícia de aditamento do contrato de arrendamento portuário firmado entre a Companhia das Docas do Estado da Bahia CODEBA e a TECON Salvador S/A, aumentando a área de exploração portuária a cargo da referida empresa, mediante a incorporação da área denominada Ponta Norte, do Porto de Salvador. Setor responsável pela implementação Providências Adotadas Código SIORG 56

57 Diretoria Executiva da Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese da providência adotada: 1. A CODEBA já decidiu por meio de sua Diretoria Executiva e de sua Presidência, em caráter definitivo, por aditar o Contrato de Arrendamento Portuário nº 012/2000; e 2. por meio da RESOLUÇÃO nº 1.780, ANTAQ, de 03/08/2010, Aquele órgão deliberou, em definitivo por autorizar a CODEBA a ampliar a área denominada Ponta Norte do Porto de Salvador com localização no município de Salvador- BA, sendo que a ampliação se dará de imediato. Síntese dos resultados obtidos Atendimento cumprido. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A Deliberações do TCU pendentes de atendimento ao final do exercício Denominação completa: Unidade Jurisdicionada - Deliberações do TCU Deliberações expedidas pelo TCU Código SIORG Ordem Processo Acórdão Item Tipo Comunicação Expedida Órgão/entidade objeto da determinação e/ou recomendação Código SIORG - - Descrição da Deliberação: Setor responsável pela implementação Justificativa para o seu não cumprimento: -- Justificativa apresentada pelo seu não cumprimento Código SIORG Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A Recomendações do OCI atendidas no exercício -- Unidade Jurisdicionada Denominação completa: COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Código SIORG Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 01 Relatório de Monitoramento nº 19/2011- OS ANEXO II Ofício nº 176/2012/COAUD/CISET/ SG-PR 57

58 Órgão/entidade objeto da recomendação SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Código SIORG Conforme Anexo II a CISET RECOMENDA QUE A CODEBA ADOTE MEDIDAS NO SENTIDO DE: a) Manter e conservar os sistemas de Controle de Acesso, Monitoramento e Alarme atualmente implantados nos Portos Vinculados à CODEBA com vistas a possibilitar o seu funcionamento regular, além de adquirir novos equipamentos para aumentar e garantir a segurança de suas instalações e inibir o acesso de pessoas não autorizada. b) Adotar um cronograma físico-financeiro de investimentos no âmbito de toda a CODEBA, com vistas a racionalizar e controlar o nível de investimentos e adequação operacional dos requisitos do ISPS CODE. c) Orientar os arrendatários da CODEBA a comunicarem ilícitos à Guarda Portuária, dando cumprimento aos Planos de Segurança dos Portos da CODEBA que estão integrados aos Planos de Segurança do ISPS CODE. d) Adotar rotinas informatizadas para reportar, controlar e parametrizar os Registros de Ilícitos Penais, conforme determina a Resolução CONPORTOS nº 39/2007. e) Atualizar o Plano de Segurança Pública Portuária dos Portos Públicos vinculados à CODEBA, a fim de garantir a sua segurança e os atendimentos aos preceitos do ISPS CODE. f) Designar formalmente os Supervisores de Segurança Portuária dos Portos Organizados vinculados à CODEBA, em cumprimento à Resolução-CONPORTOS nº 22/2004. g) Adotar medidas de gestão para que a incidência de casos de procedimentos licitatórios fracassados e desertos diminua por meio da promoção e treinamentos aos empregados envolvidos nos procedimentos licitatórios da CODEBA, bem como da utilização de estudos sobre o mercado em que está inserido o objeto da licitação a ser realizada. Setor responsável pela implementação Diretoria de Infra Estrutura - DIP Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: A COA encaminhou a Correspondência Interna CI nº 022/2012, de 14 de março de 2012 à DIP para conhecimento e manifestações sobre as recomendações da CISET. Síntese dos resultados obtidos Foi dado um prazo para o atendimento, porém este prazo ainda não foi esgotado. Em elaboração do atendimento/cumprimento. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Ressalta-se que devido à data do recebimento do Relatório da CISET para o conhecimento das constatações e respectivas recomendações não houve o tempo suficiente para que o completo atendimento pela Companhia. Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 02 Nota Técnica nº 47/ Ofício nº 30/2011/COAUD/CISET/ CC-PR Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET 58

59 Descrição da Recomendação: Inserção no PAINT/2012, de sugestões contidas na Nota Técnica 47/2010, encaminhada através do Ofício 806/2010/COAUD-CISET-CC-PR, de 30/11/2010. Informa que foram analisadas as alterações inseridas no Plano e que estão de acordo com as providências tomadas pela COA. Setor responsável pela implementação Providências Adotadas Foi acusado o recebimento do Ofício e tomadas as providências cabíveis, em 20 de janeiro de 2011, após aprovação através de CE COA Nº 001/2011. Síntese da providência adotada: Inserida a ação solicitada pela CISET no PAINT e encaminhada através da CE COA nº 001/2011. Síntese dos resultados obtidos Código SIORG Aprovado o PAINT após a inserção da ação. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A comunicação se fez com celeridade. Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 03 Diligência nº 13/2011. Ofício nº 61/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 26/01/2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Solicita informações acerca de diversos procedimentos administrativos da CODEBA. Setor responsável pela implementação CAD (Coordenação de Gestão Administrativa). Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: Foi encaminhado cópia da Diligência para as áreas: CJU (Área Jurídica) CAD (Área Administrativa) CDN (Área de Negócios), através das CI s COA nºs. 003/2011; 004/11; 006/11 e 016/11 e atendimento à CISET através da CE DPR Nº 020, de 14 de fevereiro de Síntese dos resultados obtidos Houve o atendimento através da CE DRP nº 020/2011, de 14 de fevereiro de 2011 encaminhado à CISET. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor As providêmncias se deram a contento. Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 04 Nota Técnica nº 06/2011 Plano de Providências - Ofício nº 078/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 31/01/2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG 59

60 SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Trata-se do Plano de Providências relativo ao RELATÓRIO Nº 16/2010 de 16/09/2010, informando que esta Nota foi para o TCU para julgamento relativo ao exercício Setor responsável pela implementação Gestão da CODEBA Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: Houve o atendimento da CODEBA através da CE DPR nº 200/2010, de 20/10/2010, em resposta às Constatações no citado Relatório, acatando as justificativas apresentadas sem prejuízo da Companhia, mas fazendo propostas de atenção e observações nas futuras contratações, tomando como parâmetros e sistemática de cálculos e valores máximos fixados no Acórdão do TCU nº 6771/2009 1ª Câmara, bem como nas Portarias e Instruções Normativas do MPOG/SLTI. Síntese dos resultados obtidos O atendimento foi realizado. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não tem críticas a serem levantadas. Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 05 Ofício COAUD/SISET - Ofício nº 236/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 12/04/2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Recomenda observância às diretrizes emanadas da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias (Resoluções nº 12 e 3, ambas de 31/12/2010). Setor responsável pela implementação Gestão da CODEBA Síntese da providência adotada: Providências Adotadas Houve o atendimento através da CE DPR nº 101, de 30 de junho de 2011 à CISET. Síntese dos resultados obtidos Código SIORG Mudança do estatuto para compor as recomendações requeridas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Não houve a ocorrência de tatores negativos. Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 06 Nota Técnica nº 16/2011 Ofício nº 331/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 18/05/

61 Órgão/entidade objeto da recomendação SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Código SIORG Descrição da Recomendação: Trata-se de Denúncia de possíveis irregularidades ocorridas em procedimentos administrativos no âmbito da Companhia. As análise foram realizadas quanto aos Fatos 3,4,5 e 8, visto que para os demais o próprio CGU entendeu não caber atenção do Controle Interno. Resultando que a maioria dos fatos apontados na Carta dizem respeito às questões procedimentais em que servidores apresentam sugestões e recomendações à CODEBA. Setor responsável pela implementação Gestão da CODEBA Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: Quanto aos fatos analisados pelo TCU foram consideradas apenas os de números 3 e 4 como procedentes, intenção que requerei providências da CODEBA. Os fatos 5 e 8 o próprio TCU concluiu pela improcedência. Síntese dos resultados obtidos Em curso Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 07 Ofício ASSES/CISET-PR - Ofício nº 362/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 30/05//2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Trata-se de Convite a representante para participação da 5ª Reunião do CTA Comitê Técnicos de Auditoria Setor responsável pela implementação Coordenação de Auditoria Interna - COA Síntese da providência adotada: Solicitação de autorização para participação no CTA. Providências Adotadas Código SIORG Síntese dos resultados obtidos Houve o encaminhamento da CI COA nº 39/2011, de 02/06/2011 ao DPR (Diretor Presidente da CODEBA) o qual aprovou a solicitação com a participação do Coordenador de Auditoria. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Atualização e melhor escopo do trabalho da Auditoria. Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 08 Reiteração do Ofício de nº 236/ASSES-CISET-PR, - Ofício nº 61

62 de 12/04/ /2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 28/06//2011. Código Órgão/entidade objeto da recomendação SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Recomenda observância às diretrizes emanadas da CGPAR, por meio das Resoluções nºs 2 e 3, ambas de 31/12/2010. Solicita apresentar inventário sobre as medidas necessárias em cumprimento às citadas Resoluções. Setor responsável pela implementação Gestão da CODEBA Síntese da providência adotada: Providências Adotadas Houve o atendimento através da CE DPR nº 101, de 30/06/2011. Síntese dos resultados obtidos Código SIORG Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 09 Nota Técnica nº 18/2011, 22/06/2011. Ofício nº 06//2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 29/06/2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Trata-se de conta vinculada em contratos de serviços terceirizados. Recomenda as práticas que conferem à gestão dos contratos de serviços. Setor responsável pela implementação Gestão da CODEBA Síntese da providência adotada: Providências Adotadas Foram acolhidas as recomendações e adotadas as práticas sugeridas. Síntese dos resultados obtidos Código SIORG Realizadas diligências no sentido ded compor as informações requeridas. Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 10 Diligência nº 75/ Ofício nº 811/2011/COAUD/CISET/ 62

63 Órgão/entidade objeto da recomendação SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Trata-se de informar o quantitativo de pessoal comissionado na CODEBA. Setor responsável pela implementação CAD Coordenação de Gestão Administrativa Síntese da providência adotada: Providências Adotadas Houve o atendimento pela CAD encaminhando a Relação citada. Síntese dos resultados obtidos CC-PR, de 04/11/2011. Código SIORG Código SIORG Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 11 Diligência nº 84/ Ofício nº 825/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 07/11/2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Trata-se de informar a execução do PAINT/2011. Setor responsável pela implementação COA Coordenação de Auditoria Interna Providências Adotadas Código SIORG Síntese da providência adotada: Houve o atendimento pela COA com a elaboração do quadro das Ações de auditoria programadas no PAINT e com as executadas. Síntese dos resultados obtidos - Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor - Recomendações da CISET Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida 12 Apresentação de Equipe - Ofício nº 844/2011/COAUD/CISET/ CC-PR, de 29/11/2011. Órgão/entidade objeto da recomendação Código 63

64 SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA - CISET Descrição da Recomendação: Trata-se apresentação da Equipe de Auditoria de Monitoramento 2011 Setor responsável pela implementação COA Auditoria Interna Síntese da providência adotada: Houve o atendimento à solicitação. Síntese dos resultados obtidos Providências Adotadas SIORG Código SIORG Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A Recomendações do OCI pendentes de atendimento ao final do exercício Denominação completa: Unidade Jurisdicionada Código SIORG Recomendações do OCI Recomendações expedidas pelo OCI Ordem Identificação do Relatório de Auditoria Item do RA Comunicação Expedida Órgão/entidade objeto da recomendação Código SIORG Descrição da Recomendação: Setor responsável pela implementação Providências Adotadas Código SIORG Justificativa para o seu não cumprimento: Análise crítica dos fatores positivos/negativos que facilitaram/prejudicaram a adoção de providências pelo gestor ITEM 16 DA PARTE A DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 A Recomendações da Unidade de Controle Interno ou de Auditoria Interna atendidas no exercício. Caracterização da Recomendação expedida pela Unidade de Controle Interno ou Auditoria Interna Identificação do Relatório de RAINT RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES DE AUDITORIA Auditoria INTERNA - 01/2011 Data do Relatório de Auditoria Fevereiro de 2011 Item do Relatório de Auditoria 7 Comunicação Expedida/Data Entrega realizada através de , e na participação da reunião do CDA 64

65 Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação Descrição da Recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Tratando-se do RAINT, não chega a fazer propriamente uma recomendação, mas, uma pretensão da COA em aplicar no decorrer do exercício de 2011, orientações para que todas as informações pertinentes a este tipo de Relatório, exigido conforme Instruções/Decisões Normativas sejam encaminhadas à COA, pelos responsáveis na medida em que os fatos /atos ocorram. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação Coordenação de Auditoria Interna - COA CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos Foi criada uma comissão na Companhia para que pudesse consolidar as informações pertinentes para compor a Prestação de contas da empresa assim como o Relatório Anual de Atividades de Auditoria Interna. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria EXECUÇÃO DA RECEITA - 02/2011 Data do Relatório de Auditoria Maio de 2011 Item do Relatório de Auditoria 7 Comunicação Expedida/Data Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação Descrição da Recomendação Através de . CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Recomenda-se que, a administração mantenha contato com a Receita federal, com a finalidade desse Órgão, poder entregar toda a movimentação da receita para essa Autoridade portuária. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação Coordenação de Gestão do Porto de Salvador CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos O Coordenador da Gestão do Porto de Salvador, por força das suas atribuições, diligenciou ações no intuito de atender às recomendações. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria FOLHA DE PAGAMENTO EMPREGADOS EFETIVOS. Data do Relatório de Auditoria 14/06/2011 Item do Relatório de Auditoria VI (Recomendações) sub item 1 e 2 Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia destinatária da recomendação 1. Que todas as intercorrências do mês sejam registradas em folha de pagamento agregadas a notas explicativas; Descrição da Recomendação 2. Recomenda-se a necessidade de um analista de folha de pagamento, no sentido de melhorar a qualidade dos trabalhos. Providências adotadas pela unidade interna responsável 65

66 Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CAD Coordenação de Gestão Administrativa CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos 1. Foi mantido contato com o responsável pela folha sobre o detectado e o mesmo ficou de tomar as providências cabíveis. 2. Com relação ao item 2 Atendida. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria Data do Relatório de Auditoria Item do Relatório de Auditoria CONTRATOS E CONVÊNIOS DIVERSOS CONTRATOS VIGENTES. Junho/2011 Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Descrição da Recomendação a) Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação Além das Recomendações contidas neste Relatório de nº 04/2011, foi formada uma Comissão pela Portaria DPR nº 148, de 26/08/2011, objetivando solucionar as divergências da Diretoria Executiva dos Contratos firmados na empresa, foram sugeridas a seguir as providências abaixo descritas as quais já estão em curso: a) promover com urgência que se faz necessária, diligências administrativas para criar grupo multidisciplinar com vistas à NORMATICAÇÃO DO PROCESSO DE CONTRTAÇÃO NA CODEBA. Oportunidade em que se fará também, o proveito das informações colhidas por esta Comissão no curso deste Trabalho; b) Averiguar a possibilidade de fazer reviver o NÚCLEO DE CONTRATOS voltado para as necessidades legais e administrativas da atualidade, com a devida preparação dos seus membros, para acompanhar a sistemática de contratação e oferecer suporte técnico administrativo quando do gerenciamento dessa atividade na CODEBA; c) Averiguar a possibilidade de ampliar, como forma de redução de custos e controle, da proposta mais vantajosa numa licitação ser aproveitada por outros órgãos e entidades. Procedimento que se vulgarizou sob a denominação de CARONA como bem assegura o Decreto nº 3.931, de 19 de setembro de 2001; d) Determinar que as informações para compor o RELATÓRIO DA DIRETORIA, enquanto não se cria o sistema de Informação Integrado, deve ser enviado e assinado pelo titular de cada área. CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria PATRIMÔNIO Nº 05/2011 Data do Relatório de Auditoria Julho de 2011 Item do Relatório de Auditoria Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia 66

67 destinatária da recomendação Descrição da Recomendação 01- Que a CAD cumpra as formalidades de preenchimento do TRB (Termo de Recebimento de Bens patrimoniais) Que a CAD/patrimônio proceda a uma analise profunda sobre a real situação administrativo-contábil das linhas telefônicas da companhia. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CAD - Coordenação de Gestão Administrativa CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria ARRENDAMENTO - PORTO DE SALVADOR Data do Relatório de Auditoria 01 DE AGOSTO DE 2011 Item do Relatório de Auditoria Comunicação Expedida/Data Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação Descrição da Recomendação A entrega foi realizada através da participação do Coordenador na reunião do CDA e CFI. CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia 1 - Com relação ao Contrato de nº 14/90 Banco Real, recomenda-se realização imediata da licitação com a finalidade de regularização do mesmo. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CDN - Coordenação de Desenvolvimento e Negócios CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos A Recomendação consta do Processo de nº 157/2010 Parecer Jurídico de nº 177/2010 Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria VIAGEM /2011 Data do Relatório de Auditoria 01 a 15 de setembro de 2011 Item do Relatório de Auditoria Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia destinatária da recomendação 01 Recomenda-se a criação de uma central única de emissão de passagens. Descrição da Recomendação 02 A cobrança por parte da Coordenação de Gestão Administrativa CAD dos relatórios de quem viaja. 67

68 03 Que a empresa contratada, a Propag emita relatórios conforme determina a cláusula oitava do contrato 034/ Recomenda-se que a aquisição de passagens aéreas deva se restringir apenas para o uso da funcionalidade da CODEBA. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CAD Coordenação de Gestão Administrativa CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos As recomendações já estão dispostas para a área que cuida dessas atividades e tais sugestões serão aproveitadas no curso do trabalho que será desenvolvido para essa atividade no período futuro. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria SEGURANÇA PORTUÁRIA - ISPS CODE Data do Relatório de Auditoria 01 a 15 de julho de 2011 Item do Relatório de Auditoria Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Descrição da Recomendação 01 Recomenda-se a contratação urgente de empresa para manutenção do parque de segurança portuária. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CAD Coordenação de Gestão Administrativa CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos Do relatório existente ficaram estabelecidas as recomendações já dispostas para a área que cuida dessas atividades e tais sugestões serão aproveitadas no curso do trabalho que será desenvolvido para essa atividade no período futuro. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de RELATÓRIO TÉCNICO RT Nº 01/2011 Auditoria PAGAMENTO DE JUROS E MULTAS Data do Relatório de Auditoria 15 a 20 de abril de 2011 Item do Relatório de Auditoria Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia 1) Que a administração financeira justifique o pagamento de juros e multas dos tributos. Descrição da Recomendação 2) Que a administração financeira passe a demonstrar, juntamente aos balancetes mensais, pagamentos de multas e juros fiscais, quando houver. 68

69 Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CRF Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos Atendida. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria Data do Relatório de Auditoria Item do Relatório de Auditoria RELATÓRIO TÉCNICO RT Nº 02/2011 CONTRATOS POR INEXIGIBILIDADE E DISPENSA DE LICITAÇÃO Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Descrição da Recomendação 1) Recomenda-se que a empresa justifique o quantitativo de Processos por Dispensa de Licitação e Inexigibilidade. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CRF Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos Atendida. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor Identificação do Relatório de Auditoria Data do Relatório de Auditoria Item do Relatório de Auditoria NOTA TÉCNICA DE AUDITORIA Nº 02/2011 CERTIFICADO DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO Comunicação Expedida/Data - Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Descrição da Recomendação -Após a análise dos fatos ocorridos deva a Coordenação de Desenvolvimento e Negócios CDN, apenas emitir certificado com a devida documentação oficial obedecendo ao que determina a Norma de Pré-Qualificação. Providências adotadas pela unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação CODEBA Companhia das Docas do Estado da Bahia Síntese dos resultados obtidos 69

70 G ov er no Free Float Governo Atendida. Análise crítica dos fatores positivos e negativos que facilitaram ou prejudicaram a adoção de providências pelo gestor A Recomendações da Unidade de Controle Interno ou de Auditoria Interna pendentes de atendimento Caracterização da Recomendação expedida pela Unidade de Controle Interno ou Auditoria Interna Identificação do Relatório de Auditoria ---- Item do Relatório de Auditoria ---- Comunicação Expedida ---- Nome da unidade interna da UJ destinatária da recomendação ---- Descrição da Recomendação ---- Justificativas da unidade interna responsável Nome da unidade interna da UJ responsável pelo atendimento da recomendação Justificativas para o não atendimento PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 INFORMAÇÕES CONTÁBEIS DA GESTÃO ITEM 1 DA PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 B Declaração do Contador atestando a conformidade das demonstrações contábeis Declaração do Gestor da Unidade Jurisdicionada está no ANEXOS. ITEM 3 DO DA PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Informações contidas no Balanço Patrimonial Está no ANEXOS ITEM 4 DA PARTE B DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 B Composição Acionária do Capital Social da UJ UJ COMO INVESTIDA Denominação completa: COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA Ações Ordinárias (%) ACIONISTAS 31/12/ /12/ /12/2009 Tesouro Nacional 49,01 48,99 48,97 Outras Entidades Governamentais 0,99 1,01 1,03 Fundos de Pensão Ações em Tesouraria % Governo 50,0 50,0 50,0 Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas Capital Estrangeiro % free float Subtotal Ordinárias (%) Ações Preferenciais (%) ACIONISTAS 31/12/ /12/ /12/2009 Tesouro Nacional 49,01 48,99 48,

71 Free Float Outras Entidades Governamentais 0,99 1,01 1,03 Fundos de Pensão que recebem recursos públicos Ações em Tesouraria % Governo Pessoas Físicas Pessoas Jurídicas Capital Estrangeiro % free float Subtotal Preferenciais (%) 0,50 0,50 0,50 Total 100% 100% 100% B.4.2 Investimentos Permanentes em outras sociedades UJ COMO INVESTIDORA - POSIÇÃO EM 31/12/2011 Denominação Investidora --- Ações Ordinárias (% de participação) Empresa Investida 31/12/ /12/ /12/ Ações Preferenciais (% de participação) Empresa Investida 31/12/ /128/ /12/ PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 CONTEÚDO ESPECÍFICO POR UNIDADE JURISDICIONADA ITEM 10 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 C Indicadores Análise da Situação Econômico-financeira Indicadores de desempenho econômico-financeiro Indicadores Liquidez Corrente 203,57 109,43 33,49 Garantia de Capitais de Terceiros 0,24 0,25 0,07 Endividamento 0,17 0,17 0,05 Lucratividade 6,67 14,74-19,61 Rentabilidade Operacional do PL 4,66 9,63-7,44 Rentabilidade Final do PL 3,37 7,14-7,21 Rentabilidade dos Investimentos em Controladas/Coligadas Rentabilidade do Ativo total 0,02 0,05-0,05 Imobilização do Patrimônio Líquido 103,85 123,41 127,71 Provisão Média da Carteira de Crédito 14,01 15,48 32,62 Índice de Eficiência 0,35 0,24 0,43 C Análise da distribuição da riqueza gerada pela UJ Indicadores de distribuição de riqueza Exercícios Indicadores Participação de Empregados no VA 48% 40% 62% Participação de Governos no VA 35% 29%% 38% Participação de Terceiros no VA 8% 14% 26 % Participação de Acionista no VA Grau de Retenção do VA 9% 17% -26% Grau de Capacidade de Produzir Riqueza 99% 99% 98% Grau de Riqueza Recebida em Transferência 1%% 1% 2% Grau de Contribuição na Formação de Riquezas de Outras Entidades 27% 20% 27% Grau de Contribuição do PL na Geração de Riqueza 36% 39% 29% 71

72 ITEM 12 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 C Remuneração paga aos membros dos conselhos administrativo e fiscal. Ver Informações inseridas no ANEXOS com formatação adaptada em substituição ao modelo da Tabela da Portaria 108/2010. C Detalhamento da remuneração paga aos administradores. Ver Informações inseridas no ANEXOS com formatação adaptada em substituição ao modelo da Tabela da Portaria 108/2010. ITEM 16 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Consultores contratados na modalidade produto no âmbito dos projetos de cooperação técnica com organismos internacionais. Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. ITEM 19 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Informações sobre o contrato de gestão supervisionado pela Unidade Jurisdicionada. Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. ITEM 30 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 108/2010 Evolução do Plano Nacional de Desmobilização no exercício de 2011 Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. ITEM 37 DA PARTE C DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 Informações sobre Caracterização de Contrato de Gestão. Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. ITEM 38 DO ANEXO II DA DN TCU 208/2010 Identificação dos Termos de Parceria Não houve ocorrência na Unidade Jurisdicionada. 72

73 ANEXOS 73

74 ITEM 3 DA PARTE A 74

75 ITEM 4 DA PARTE A 75

76 ITEM 6 DA PARTE A 76

77 ITEM 7 DA PARTE A 77

78 ITEM 8 DA PARTE A 78

79 ITEM 14 DA PARTE A 79

80 ITEM I DA PARTE B 80

81 Item 12 da Parte C - Remuneração dos membros dos conselho administrativo e fiscal e dos administradores. 81

82 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: ISABEL BERNARDO DIAS DE FIGUEIREDO Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 30/10/2003 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 231,21 231,21 Totais Provento 231,21 231,21 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) Totais Desconto Totais Líquidos --> 231,21 231,21 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF Funcionário: FERNANDO ROTH SCHMIDT Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 18/04/ ,21 231,21 231,21 Demissão: 231,21 231,21 231,21 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO ,00 Totais Provento 2.888, ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 817,84 817, INSS Normal IRF (Normal) 165,96 165,96 165,96 165,96 663, Ajuste Liquido Adt Desconto Totais Desconto 165,96 165,96 817,84 165, , ,68 Totais Líquidos --> 1.278, ,04 626, , , ,32 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.888, ,00 626, , , , , , , Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 82

83 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: LUIZ BORBA SOUZA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 01/01/2007 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 601,60 120,33 721, HONORARIOS CONSELHEIRO Totais Provento 601, , ,93 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) Ajuste Liquido Adt Desconto Totais Desconto Totais Líquidos --> 601,60 120,33 721,93 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF Funcionário: MARCO ANTONIO ROCHA MEDEIROS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO 601,60 601,60 601,60 Admissão: 01/10/2007 Demissão: 31/07/ , , , , , ,93 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 1.323, ,74 Totais Provento 1.323, ,74 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 817,84 817, INSS Normal IRF (Normal) Totais Desconto 817,84 817,84 Totais Líquidos --> 505,90 505,90 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.323,74 505, , ,74 505, ,74 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 83

84 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: NELIO LACERDA WANDERLEI Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 01/11/2007 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 308,28 308,28 Totais Provento 308,28 308,28 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 33,91 33, IRF (Normal) Totais Desconto 33,91 33,91 Totais Líquidos --> 274,37 274,37 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF Funcionário: CARLOS ALBERTO LA SELVA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO 308,28 308,28 274,37 Admissão: 01/12/2007 Demissão: 31/07/ ,28 308,28 274,37 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 1.083, ,06 Totais Provento 1.083, ,06 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 817,84 817, INSS Normal IRF (Normal) Totais Desconto 817,84 817,84 Totais Líquidos --> 265,22 265,22 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.083,06 265, , ,06 265, ,06 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 84

85 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: ULISSES SOUZA OLIVEIRA JUNIOR Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 01/07/2008 Demissão: 01/01/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total PASEP 34,20 34, Gratificacao Natalina 1.323, , HONORARIOS CONSELHEIRO ,00 Totais Provento 1.478, , ,83 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 165,96 165,96 165,96 497,88 Totais Desconto 165,96 165,96 165,96 497,88 Totais Líquidos --> 1.278, , , , , ,95 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.888, , , , , , , , ,63 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 85

86 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: MAURO BARBOSA DA SILVA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 01/10/2008 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 1.744, , , , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 317, , IRF (Normal) 116,70 116,70 116,70 116,70 466, Ajuste Liquido Adt Desconto 1.285, , Diarias (DB) Totais Desconto 458,84 758,84 875,54 758,84 575,54 758,84 458,84 575,54 458,84 458, , , ,88 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,12 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , , , , , , , , ,40 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 86

87 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: CILAIR RODRIGUES DE ABREU Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 01/05/2008 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 1.744, , , , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 136,31 136, INSS Normal IRF (Normal) 165,96 165,96 165,96 165,96 663, Ajuste Liquido Adt Desconto Diarias (DB) Totais Desconto , ,96 736, , , ,15 Totais Líquidos --> 1.278, , , , , ,85 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.888, , , , , , , , , Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 87

88 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: JOSE DI BELLA FILHO Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 01/10/2008 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 1.744, , , , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 317, , IRF (Normal) 116,70 116,70 116,70 116,70 466, Ajuste Liquido Adt Desconto 1.285, , Diarias (DB) Totais Desconto 458,84 758,84 875,54 758,84 875,54 758,84 458,84 575,54 458,84 458, , , ,88 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,12 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , ,32 Funcionário: MARCO AURELIO LUIZ MARTINS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO 1.285, , , , ,32 Admissão: 01/10/2008 Demissão: 31/07/ , , , , , , , , ,40 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 1.323, , HONORARIOS CONSELHEIRO ,00 Totais Provento 1.323, ,63 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 145, , IRF (Normal) 116,70 116,70 116,70 350,10 Totais Desconto 158,84 158,84 275,54 158,84 275,54 158,84 158,84 275,54 158,84 158,84 158,84 145, ,93 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,70 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , , , , , , , , ,12 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 88

89 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: NEWTON FERREIRA DIAS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 09/12/2008 Demissão: 16/04/2006 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 842,33 842, HONORARIOS CONSELHEIRO ,00 Totais Provento 842, ,33 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 165,96 165,96 165,96 497,88 Totais Desconto 165,96 165,96 165,96 497,88 Totais Líquidos --> 1.278, , ,04 842, ,45 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.888,00 Funcionário: JOSE MUNIZ REBOUCAS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL 2.888,00 Admissão: 11/08/2009 Demissão: 2.888,00 842,33 842,33 842, , , ,33 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 601,65 601, HONORARIOS CONSELHEIRO 7.22 Totais Provento 2.045, ,65 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 45,83 45, Ajuste Liquido Adt Desconto Totais Desconto 1.489, ,83 Totais Líquidos --> 555, ,82 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.045, , , , , ,65 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 89

90 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :01:42 Funcionário: LIBERIO MENEZES FILHO Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 04/12/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 120,33 120, HONORARIOS CONSELHEIRO Totais Provento 1.564, ,33 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 172,07 172, IRF (Normal) Ajuste Liquido Adt Desconto 1.285, ,16 Totais Desconto 1.457, ,23 Totais Líquidos --> 107,10 107,10 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.564, , , , , ,26 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 90

91 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :55:40 Funcionário: EZIO DE LUNA FREIRE JUNIOR Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: DEMITIDO Admissão: 30/04/2004 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 308,28 308,28 Totais Provento 308,28 308,28 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) Totais Desconto Totais Líquidos --> 308,28 308,28 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF Funcionário: JUREMA AUGUSTA RIBEIRO VALENCA Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL 308,28 308,28 308,28 Admissão: 22/09/2006 Demissão: 308,28 308,28 308,28 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total PASEP 110,82 110, Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 1.744, , , , , , , , , , , , ,82 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158, IRF (Normal) 165,96 165, Diarias (DB) Totais Desconto , , ,80 Totais Líquidos --> 1.395, , ,02 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , ,16 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 91

92 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :55:40 Funcionário: JONES DE OLIVEIRA CARVALHO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 30/04/2007 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO ,00 Totais Provento 2.888, ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 817,84 817, INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 317, , IRF (Normal) 116,70 116,70 Totais Desconto 158,84 158,84 158,84 158,84 976,68 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 158,84 434, ,46 Totais Líquidos --> 1.285, , , ,16 467, , , , , , , , ,54 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , ,16 626, , , , , , , , , , , , , ,92 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 92

93 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :55:40 Funcionário: LILIAN MARIA CORDEIRO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 01/05/2008 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 1.744, , , , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 136,31 136, INSS Normal IRF (Normal) 165,96 165, Diarias (DB) Totais Desconto , , ,27 Totais Líquidos --> 1.307, , ,73 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.307, , , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 93

94 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :55:40 Funcionário: LEONARDO CARREIRO ALBUQUERQUE Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 01/05/2008 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 842,33 842, HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 1.744, , , , , , , ,00 842, ,33 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adto Grat Natalina DESC 136,31 136, INSS Normal IRF (Normal) Diarias (DB) Restituiçao Honorarios 842,33 842,33 Totais Desconto , , ,64 Totais Líquidos --> 1.307, ,69 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.307, , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 94

95 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :55:40 Funcionário: EDUARDO JOSE DE SANTANA Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: DEMITIDO Admissão: 10/08/2009 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Ajuste Liquido Férias pagas 535,49 535, Gratificacao Natalina 601,67 601, HONORARIOS CONSELHEIRO 7.22 Totais Provento 2.581, ,16 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 225,02 860, IRF (Normal) 28,95 28,95 Totais Desconto 158,84 158,84 158,84 158,84 253,97 889,33 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , ,83 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , ,29 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 95

96 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: FERNANDO ROTH SCHMIDT Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 18/04/2006 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.806, , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 23,02 225,63 248, Diarias (DB) Totais Desconto 23, ,63 958,65 Totais Líquidos --> 1.782, , ,35 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.806, , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 96

97 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: LUIZ BORBA SOUZA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 01/01/2007 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.806, , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 23,02 225,63 248, Diarias (DB) Totais Desconto 23, ,63 958,65 Totais Líquidos --> 1.782, , ,35 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.806, , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 97

98 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: MAURO BARBOSA DA SILVA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 01/10/2008 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 2.454, , , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 357, , IRF (Normal) 152,93 152, Diarias (DB) Totais Desconto 1.168, , , , , , ,75 888,75 888,75 888,75 888, , ,95 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,05 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , , , , , , , , ,82 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 98

99 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: CILAIR RODRIGUES DE ABREU Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 01/05/2008 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias ,00 365,00 365,00 365,00 365,00 365, Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 2.154, , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 23,02 225,63 248, Diarias (DB) ,00 365,00 365,00 365,00 365,00 365, Totais Desconto ,00 365,00 365,00 388,02 365,00 365, , ,65 Totais Líquidos --> 1.782, , ,35 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.806, , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 99

100 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: JOSE MUNIZ REBOUCAS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 11/08/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.806, , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 23,02 225,63 248, Diarias (DB) Totais Desconto 23, ,63 958,65 Totais Líquidos --> 1.782, , ,35 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.806, , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 100

101 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: LIBERIO MENEZES FILHO Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 04/12/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias 355,00 355,00 355,00 355,00 355,00 355,00 355, , Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.799, , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 357, , IRF (Normal) 152,93 152, Diarias (DB) 355,00 355,00 355,00 355,00 355,00 355,00 355, , Totais Desconto 158,84 513,84 513,84 513,84 553,66 533,75 533,75 533, ,75 888,75 888, , ,95 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,05 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , , , , , , , , ,82 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 101

102 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :20:42 Funcionário: ROGERIO DE ABREU MENESCAL Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 15/01/2010 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 2.154, , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 357, , IRF (Normal) 152,93 152, Diarias (DB) Totais Desconto 158,84 868,84 868,84 868,84 908,66 888,75 888,75 888,75 888,75 888, , , ,95 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,05 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , , , , , , , , ,82 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 102

103 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :19:25 Funcionário: JUREMA AUGUSTA RIBEIRO VALENCA Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 22/09/2006 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.744, , , , , , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 152,26 23,02 225,63 400, Diarias (DB) Totais Desconto , , , ,91 Totais Líquidos --> 1.291, , , ,09 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.888, , , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 103

104 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :19:25 Funcionário: JONES DE OLIVEIRA CARVALHO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 30/04/2007 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.806, ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 357, , IRF (Normal) 104,60 152,93 257,53 Totais Desconto 158,84 158,84 263,44 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 510, ,55 Totais Líquidos --> 1.285, , , , , , , , , , , , ,45 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF Funcionário: LILIAN MARIA CORDEIRO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL 1.285, , , , , , ,34 Admissão: 01/05/ , ,25 Demissão: 1.446, , , , , , , ,98 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total HONORARIOS CONSELHEIRO 7.401, Diarias Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.744, , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 152,26 23,02 175, Diarias (DB) Totais Desconto , , ,28 Totais Líquidos --> 1.291, , ,72 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 2.888, , , , , , ,00 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 104

105 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :19:25 Funcionário: EDUARDO JOSE DE SANTANA Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: DEMITIDO Admissão: 10/08/2009 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diferenca Honorarios 181,00 181,00 Totais Provento 1.806, ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 158,84 158,84 158,84 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 357, , IRF (Normal) 104,60 152,93 257, Ajuste Liq.Ferias pag.desc 535,49 535,49 Totais Desconto 694,33 158,84 263,44 158,84 198,66 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 178,75 510, ,04 Totais Líquidos --> 749, , , , , , , , , , , , ,96 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.285, , , , , , , , , , , , , , , , ,98 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 105

106 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :19:25 Funcionário: DENIS DO PRADO NETTO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 28/05/2010 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina 812,50 812, HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios Totais Provento , , , , , ,50 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 225,63 84,68 310, Diarias (DB) Totais Desconto 225, , ,31 Totais Líquidos --> 3.024, , ,19 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , ,50 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 106

107 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: PAULO SERGIO OLIVEIRA PASSOS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 02/04/2001 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios Totais Provento 3.444, , , , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 378,84 154,98 533, IRF (Normal) 166,19 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11,66 471, Rest. Proventos (Isento) Diarias (DB) Totais Desconto 2.170,03 154, , ,66 11, , ,53 11, ,84 Totais Líquidos --> 1.273, , , , , , , , ,26 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 3.444, , , , , , , , ,28 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 107

108 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: FERNANDO ROTH SCHMIDT Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 18/04/2006 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 1.819, , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11,66 335,42 Totais Desconto 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11,66 335,42 Totais Líquidos --> 1.800, , , , , , , , ,68 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.819,02 97, , , , , , ,10 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 108

109 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: LUIZ BORBA SOUZA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 01/01/2007 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Estouro Periodo Venc 550,52 550, Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 1.819, , ,62 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total DIF.PORTUS JUN/ ,48 109, DIF.PORTUS JUL/ ,26 110, DIF.PORTUS AGO/ ,26 110, DIF.PORTUS SET/ ,26 110, Portus Contrib Outubro ,26 110, INSS Normal IRF (Normal) 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 962,13 11, ,02 Totais Desconto 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11, ,65 11, ,54 Totais Líquidos --> 1.800, , , , , , , , ,08 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.819,02 97, , , , , , ,29 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 109

110 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: MAURO BARBOSA DA SILVA Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: DEMITIDO Admissão: 01/10/2008 Demissão: 31/07/2011 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total HONORARIOS CONSELHEIRO Diarias Totais Provento 2.335, , , , Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 178,75 178,75 178,75 178,75 715, IRF (Normal) Diarias (DB) Totais Desconto 888,75 888,75 888,75 888, ,00 Totais Líquidos --> 1.446, , , , ,00 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.446, , , , ,75 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 110

111 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: CILAIR RODRIGUES DE ABREU Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 01/05/2008 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Diarias Viagem Mês Anterior Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 2.335, , , , , , , , , , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adiant.Diarias Mês Anterior INSS Normal IRF (Normal) 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11,66 335, Diarias (DB) Totais Desconto , , , , , , ,53 11, ,42 Totais Líquidos --> 1.800, , , , , , , , ,68 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.819,02 97, , , , , , ,10 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 111

112 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: JOSE MUNIZ REBOUCAS Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 11/08/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 1.819, , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 366,57 11,66 455, Diarias (DB) Totais Desconto 18,93 11,66 11,66 11, ,66 11,66 366,57 11, ,46 Totais Líquidos --> 1.800, , , , , , , , ,64 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.819,02 97, , , , , , , ,63 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 112

113 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: LIBERIO MENEZES FILHO Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 04/12/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Diarias Viagem Mês Anterior 1.775, , Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 2.335, , , , , , , , , , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adiant.Diarias Mês Anterior 1.775, , INSS Normal 178,75 178,75 178,75 178,75 200,09 189,42 189,42 189,42 189,42 189,42 354,07 189, , IRF (Normal) 169,91 169, Diarias (DB) Totais Desconto 888,75 888, , , , , , , , , ,98 189, ,59 Totais Líquidos --> 1.446, , , , , , , , , , , , ,51 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.446, , , , ,02 97, , , , , , , , , , , , ,17 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 113

114 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :49:49 Funcionário: ROGERIO DE ABREU MENESCAL Estabelecimento: 6 - CODEBA - CONSELHO DE ADMINISTRACAO Centro de Custo: CDA Situação: NORMAL Admissão: 15/01/2010 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Diarias Viagem Mês Anterior 1.775, , Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 2.335, , , , , , , , , , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adiant.Diarias Mês Anterior 1.775, , INSS Normal 178,75 178,75 178,75 178,75 200,09 189,42 189,42 189,42 189,42 189,42 354,07 189, , IRF (Normal) 169,91 169, Diarias (DB) Totais Desconto 888,75 888,75 888,75 888, , , , , , , ,98 189, ,59 Totais Líquidos --> 1.446, , , , , , , , , , , , ,51 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.446, , , , ,02 97, , , , , , , , , , , , ,17 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 114

115 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :47:35 Funcionário: JUREMA AUGUSTA RIBEIRO VALENCA Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 22/09/2006 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 2.335, , , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal IRF (Normal) 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11,66 335, Diarias (DB) Totais Desconto ,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11, ,42 Totais Líquidos --> 1.800, , , , , , , , ,68 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.819,02 97, , , , , , ,10 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 115

116 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :47:35 Funcionário: JONES DE OLIVEIRA CARVALHO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 30/04/2007 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 1.819, , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 178,75 178,75 178,75 178,75 200,09 189,42 189,42 189,42 189,42 189,42 354,07 189, , IRF (Normal) 169,91 169,91 Totais Desconto 178,75 178,75 178,75 178,75 200,09 189,42 189,42 189,42 189,42 189,42 523,98 189, ,59 Totais Líquidos --> 1.446, , , , , , , , , , , , ,51 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.446, , , , ,02 97, , , , , , , , , , , , ,17 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 116

117 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :47:35 Funcionário: LEONARDO CARREIRO ALBUQUERQUE Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 01/05/2008 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Totais Provento 3.722, , , , , ,09 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 154,98 154,98 189,42 189,42 189,42 189,42 354,07 189, , Dif.INSS Normal (mês anterior) 34,44 34, IRF (Normal) 169,91 169, Diarias (DB) Totais Desconto 154,98 154,98 223, , , , , , ,48 Totais Líquidos --> 1.567, , , , , , , , ,61 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF Funcionário: EDUARDO JOSE DE SANTANA Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: DEMITIDO 1.567, , , ,59 Admissão: 10/08/2009 Demissão: 31/07/ , , , , , , ,96 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total HONORARIOS CONSELHEIRO 6.50 Totais Provento 6.50 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total INSS Normal 178,75 178,75 178,75 178,75 715, IRF (Normal) Totais Desconto 178,75 178,75 178,75 178,75 715,00 Totais Líquidos --> 1.446, , , , ,00 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.446, , , , ,75 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 117

118 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :47:35 Funcionário: DENIS DO PRADO NETTO Estabelecimento: 5 - CODEBA - CONSELHO FISCAL Centro de Custo: CFI Situação: NORMAL Admissão: 28/05/2010 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Diarias Viagem Mês Anterior Gratificacao Natalina HONORARIOS CONSELHEIRO , Diarias Diferenca Honorarios 97,01 97,01 Totais Provento 2.335, , , , , , , , , , , ,10 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adiant.Diarias Mês Anterior INSS Normal IRF (Normal) 18,93 11,66 11,66 11,66 11,66 11,66 246,53 11,66 335, Diarias (DB) Totais Desconto , ,66 11, , , , , , ,42 Totais Líquidos --> 1.800, , , , , , , , ,68 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF 1.819,02 97, , , , , , ,10 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 118

119 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 18/04/ :01:02 Funcionário: MARCELO DA GAMA LOBO Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA COMERCIAL Situação: DEMITIDO Admissão: 28/09/2007 Demissão: 19/02/2009 Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios , , Ferias Proporcionais idenizada 5.937, , Fr.Proporc.Abono Indenizado 1.979, , Ferias Venc Indenizadas Fr. Venc Abono50% Indeniz Diarias de Viagem Gratificacao Natalina 2.375, ,00 Totais Provento , ,65 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Funcionario 6, , Adiant.Salario (DB) , , Adiantamento Diarias INSS Normal 334,28 354,07 688, IRF (Normal) 3.163, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 6.739, , IRF Pgto Normal 2.374, , Ligacoes Telefonicas 87,77 87, Liquido de Quitacao , ,92 Totais Desconto 4.941, , ,58 Totais Líquidos --> , ,07 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , ,72 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 119

120 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :18:11 Funcionário: ANTONIO CELSO ALVES PEREIRA FILHO Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DAF Admissão: 13/03/2009 Demissão: 23/09/2011 Situação: DEMITIDO: Rescisão de contrato de trabalho sem justa causa por iniciativa do empregador ou exoneração de ofício de servidor de cargo efetivo ou exoneração de cargo em comissão Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios Diarias de Viagem PASEP 6,04 6, Gratificacao Natalina , ,00 Totais Provento , , ,04 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Funcionario 6,00 9,60 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,30 6,30 58, Adiantamento Diarias INSS Normal 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354, , IRF (Normal) 1.471, , , , , , , , , , , Ligacoes Telefonicas 96,56 140,97 237, Dif.Vale Alimentacao 2,40 2,40 Totais Desconto 1.826, , , , , , , , , , ,66 Totais Líquidos --> 6.723, , , , , , , , , , ,38 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , ,97 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 120

121 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 17/04/ :22:55 Funcionário: NEWTON FERREIRA DIAS Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Situação: NORMAL Admissão: 28/03/2005 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Subst.Crg.Confianca , , Honorarios 4.749, , Ferias Normais Abono Pecuniario Abono de Ferias 50% 20 Dias Adc s/ Abono Pec Ferias 2.375, , Auxilio Dependente Especial 636,00 636,00 636,00 636,00 636, Adto Gratif Natalina - Diretor 7.125, , Diarias de Viagem , , Gratificacao Natalina Totais Provento , , , , , , , , ,98 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Ferias Pagas no Mes , , Alimentacao Funcionario 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,30 6,30 72, Adto Grat Natalina DESC 1.977, , Adiantamento Diarias , , INSS Normal 334,28 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 354,07 708, , Dif.INSS Normal (mês anterior) 19,79 19, IRF (Normal) 2.944, , , , , , , , , , , , , IRF (Ferias) 3.118, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 5.199, , Ligacoes Telefonicas 32,77 137,07 6,23 83,76 259, Dif.Vale Alimentacao 2,40 2, Restituiçao Honorarios Totais Desconto , , , , , , , , , , , ,13 Totais Líquidos --> , , , , , , , , , , , , ,85 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,08 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 121

122 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 18/04/ :48:53 Funcionário: RENATO NEVES DA ROCHA FILHO Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA E GESTÃO PORTUARIA Situação: NORMAL Admissão: 03/09/1979 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 18 - DC-PROC , , , , ,18 538,71 538,71 538,71 538,71 596,63 596, , Diferenca Reajuste 1.259, , Honorarios Diferenca Reajuste - 13 sal. 911,77 911, Ferias Normais , , , Abono de Ferias 50% 20 Dias 8.481, , , Emprestimo de Ferias (CR) , , , Salario Adiantamento Venc 8.481, , , Diarias de Viagem PASEP 138,88 138, Diferenca de Fr Pagas 2.735, , Gratificacao Natalina , , PORTUS - Dev. Contribuicao 527,70 527, ADIC DE RISCO DEC JUDICIAL 6.264, , , , , , , , , , , , Adic. Risco Dec Judicial 430,98 430,98 Totais Provento , , , , , , , , , , , , ,02 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Ferias Pagas no Mes , , Provisao Desconto Ferias 5.088, , Emprestimo de Ferias(DB) 3.144, , , , , , , , , , , Alimentacao Funcionario 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,00 6,30 6,30 72, PORTUS Fl.Normal 926,89 981,76 981,76 981,76 981,76 981,76 981,76 981,76 981,76 981,76 981,76 981, , Salario Adiantamento Desc 8.481, , Mensalidade Sindical 328,91 328,91 328,91 328,91 328,91 254,45 254,45 264,14 381,67 257,68 336,00 524, , ASSISTENCIA MEDICA 204,54 155,68 155,68 155,68 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168, , ASSITENCIA MEDICA 390,88 586,32 586,32 586,32 586,32 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 390, ,32 AGREGADO PLAMEC Cred.Direto Odonto 47,46 47, PLAMEC Especial 169,15 169, Adiantamento Diarias INSS Normal 229,58 354,07 354,07 354,07 354,07 354, , Dif.INSS Normal (mês anterior) 19,79 19, IRF (Normal) 5.009, , , , , , , , , , , ,89 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 122

123 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2009 Emissão: 18/04/ :48:53 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total IRF (Ferias) 6.197, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 6.197, , Contrib. Fed. Nac. Portuaria 26,31 26,31 26,31 26,31 26,31 20,36 20,36 21,13 30,53 20,61 26,88 41,98 313, Dif.Vale Alimentacao 2,40 2, PORTUS - Contrib Atraso 54,87 527,70 582, PORTUS - Contrib. Atraso s/13. 28,44 28,44 Totais Desconto , , , , , , , , , , , , ,04 Totais Líquidos --> , , , , , , , , , , , , ,65 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,12 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 123

124 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :45:57 Funcionário: JOSE MUNIZ REBOUCAS Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETOR PRESIDENTE Situação: NORMAL Admissão: 10/08/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios Diarias de Viagem , , , , Gratificacao Natalina Diferenca Honorarios Totais Provento , , , , Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Funcionario 6,30 6,30 6,30 6,30 12,95 7,33 6,64 6,64 6,64 6,64 6,64 6,64 85, Adiantamento Diarias , , , , INSS Normal 375,81 375,81 375,81 375,81 375,81 375,81 381,41 381,41 381,41 381,41 381,41 381, , IRF (Normal) 3.328, , , , , , , , , , , , , Ligacoes Telefonicas 163,64 163,64 Totais Desconto 6.550, , , , , , , , , , , , ,48 Totais Líquidos --> , , , , , , , , , , , , ,52 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , ,49 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 124

125 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :48:25 Funcionário: NEWTON FERREIRA DIAS Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA ADMINISRATIVA E FINANCEIRA Situação: NORMAL Admissão: 28/03/2005 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios , , Ferias Normais , , Abono Pecuniario , , Abono de Ferias 50% 20 Dias 4.275,00 475, , , Adc s/ Abono Pec Ferias 2.375, , , Diarias de Viagem , ,00 355,00 355, Gratificacao Natalina Diferenca Honorarios Totais Provento , , , , , , ,00 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Ferias Pagas no Mes , , , Alimentacao Funcionario 6,30 6,30 6,30 6,30 12,95 7,33 6,64 6,64 6,64 6,64 6,64 6,64 85, Adiantamento Diarias , ,00 355,00 355, INSS Normal 375,81 375,81 375,81 375,81 375,81 375,81 381,41 381,41 381,41 381,41 381,41 762, , IRF (Normal) 817, , , , , , , , , , , , , IRF (Ferias) 3.560, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 2.806,90 311, , Rest. Ferias Pagas 2.375, ,00 Totais Desconto , , , , , , , , , , , , ,77 Totais Líquidos --> 4.818, , , , , , , , , , , , ,23 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , ,95 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 125

126 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :50:53 Funcionário: RENATO NEVES DA ROCHA FILHO Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA Situação: NORMAL Admissão: 03/09/1979 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 18 - DC-PROC ,63 596,63 596,63 596,63 596,63 596,63 609,37 824,36 618,27 618,27 618,27 618, , Honorarios , , Ferias Normais , , , Ferias Variaveis 0,01 0,01 0, Abono Pecuniario 4.276, , , Abono Pecuniário variaveis 0,01 0,01 0, Abono de Ferias 50% 20 Dias 4.276, , , Adc s/ Abono Pec Ferias 1.425, , , Emprestimo de Ferias (CR) , , , Dif.Incorp.Judicial 173,28 8,90 182, Diarias de Viagem 3.195, ,00 355, ,00 355, , , , DEVOLUCAO IH SAUDE 27,32 27,32 AGREGADO PASEP 143,56 143, Devol. Proventos (isent.) 272,46 272, Dif Adc Risco -PROC ,64 39,47 808, Gratificacao Natalina Diferenca Honorarios ADIC DE RISCO DEC JUDICIAL 2.646, , , , , , , , , , , , ,89 Totais Provento , , , , , , , , , , , , ,97 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Ferias Pagas no Mes , , Emprestimo de Ferias(DB) 2.120, , , , , , , , , , , , Quitacao Emprestimo Ferias 4.240, , , Alimentacao Funcionario 6,30 6,30 6,30 6,30 12,95 7,33 6,64 6,64 6,64 6,64 6,64 6,64 85, PORTUS Fl.Normal 1.042, , , , , , , , , , , , , Salario Adiantamento Desc 911,77 911, Mensalidade Sindical 262,40 262,40 262,40 262,40 288,65 288,65 303,82 404,53 290,42 290,42 290,42 678, , ASSISTENCIA MEDICA 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 168,46 180,23 180,23 180, , ASSITENCIA MEDICA 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 390,88 418,20 418,20 418, ,52 AGREGADO PLAMEC Cred.Direto Odonto 41,04 9,00 14,62 94,32 158, DIF.ASSIST. MEDICA 11,78 11, DIF. ASSIST.MED.AGREGADO 27,32 27,32 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 126

127 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2010 Emissão: 18/04/ :50:53 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Adiantamento Diarias 3.195, ,00 355, ,00 355, , , , DIF IH SAUDE AGREGADO 27,32 27, INSS Normal 375,81 375,81 375,81 757,22 381,41 381,41 381,41 381,41 381, , IRF (Normal) 3.789, , , , , , ,09 908, , , , , , IRF (Ferias) 3.866, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 3.866, , Rest. Proventos (Isento) 272,46 272, Rest. Ferias Pagas 0, , , Contrib. Fed. Nac. Portuaria 20,99 20,99 20,99 20,99 23,09 23,09 24,31 32,36 23,23 23,23 23,23 54,31 310, PORTUS - Contrib Atraso 93,10 93,10 Totais Desconto , , , , , , , , , , , , ,40 Totais Líquidos --> 5.585, , , , , , , , , , , , ,28 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,89 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 127

128 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :56:48 Funcionário: ANTONIO CELSO ALVES PEREIRA FILHO Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA COMERCIAL Admissão: 13/03/2009 Demissão: 23/09/2011 Situação: DEMITIDO: Rescisão de contrato de trabalho sem justa causa por iniciativa do empregador ou exoneração de ofício de servidor de cargo efetivo ou exoneração de cargo em comissão Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios , , , , , , , Ferias Normais , , , Abono Pecuniario 5.333, , , Abono de Ferias 50% 20 Dias 3.555, , , Adc s/ Abono Pec Ferias 1.777, , , Diarias Viagem Mês Anterior Gratificacao Natalina , , Fr.Proporc.Abono Indenizado 2.825, , Diarias de Viagem 1.065, , Devol. Proventos (isent.) 0,16 0, Férias Proporcionais 8.477, , Diferenca Honorarios 318,40 318,40 Totais Provento , , , , , , , , ,43 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Func. Diretor 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 36, Ferias Pagas no Mes , , Alimentacao Funcionario 6,64 6,64 6,64 6,64 26, Adiant.Diarias Mês Anterior Vale Alimentacao 910,28 910, Adiantamento Diarias 1.065, , INSS Normal 405,86 405,86 811,72 405,86 405,86 405,86 406,09 406,09 406, , IRF (Normal) 3.471, , ,28 618, , , , , , , IRF (Ferias) 2.982, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 2.982, , Ligacoes Telefonicas 20,07 20, Dif.Vale Alimentacao 0,57 0, Restituiçao Honorarios 4.521, ,39 Totais Desconto 4.948, , , , , , , , , ,06 Totais Líquidos --> , , , , , , , , , ,37 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,81 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 128

129 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :59:11 Funcionário: JOSE MUNIZ REBOUCAS Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETOR PRESIDENTE Situação: NORMAL Admissão: 10/08/2009 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Diferenca Reajuste 566,87 566, Honorarios , , , , , , , , , Ferias Normais , , , , Abono Pecuniario 5.666, , , , Abono de Ferias 50% 20 Dias 3.777, , , , Adc s/ Abono Pec Ferias 1.888, , , Abono de Férias 50% 10 Dias 3.002, , Diarias Viagem Mês Anterior Saldo 10 Dias Trab.Férias 6.004, , Dif. Retroat. Abono Pecuniário 850,30 850, Diarias de Viagem , , Devol. Proventos (isent.) 0,17 0, Gratificacao Natalina , , Diferenca Honorarios 1.014, , Diarias de Viagem M50% , , ,70 Totais Provento , , , , , , , , , , ,41 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Func. Diretor 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 57, Ferias Pagas no Mes , , Alimentacao Funcionario 6,64 6,64 6,64 6,64 26, Adiant.Diarias Mês Anterior Rest. Abono Ferias a maior 3.002, , Adiantamento Diarias , , , , , INSS Normal 405,86 811,72 405,86 405,86 405,86 405,86 406,09 406,09 812,18 451,43 406, , IRF (Normal) 3.870, ,60 865, , , , , , , , , , , IRF (Ferias) 3.351, , IRF Recolhido no Pgto Ferias 3.351, , , Restit. Proventos (Trib) 566,87 566, Rest. Ferias Pagas 850,30 850, Dif.Vale Alimentacao 0,57 0,57 Totais Desconto 7.123, , , , , , , , , , , , ,58 Totais Líquidos --> , , , , , , , , , , , , ,83 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 129

130 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :59:11 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,58 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 130

131 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :03:50 Funcionário: NEWTON FERREIRA DIAS Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA Situação: NORMAL Admissão: 28/03/2005 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios 5.333, , , , , , , , , Ferias Normais , , , Abono Pecuniario 4.800,01 533, , , Abono de Ferias 50% 20 Dias 5.333, , /3 Férias 3.767, , Adc s/ Abono Pec Ferias , , /3 Abono Pecuniário 1.883, , Saldo 10 Dias Trab.Férias 5.651, , Diarias de Viagem 1.775,00 355, Devol. Proventos (isent.) 0,17 0, Gratificacao Natalina , , Diferenca Honorarios 955,20 955,20 Totais Provento , , , , , , , , , , ,93 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Func. Diretor 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 57, Ferias Pagas no Mes , , Alimentacao Funcionario 6,64 6,64 6,64 6,64 26, Adiantamento Diarias 1.775,00 355, INSS Normal 405,86 405,86 405,86 405,86 405,86 405,86 406,09 406,09 406,09 406,09 812, , IRF (Normal) 725, , , , , , , , , , , , , IRF Recolhido no Pgto Ferias 3.560, , , Ligacoes Telefonicas 36,08 93,02 129, Dif.Vale Alimentacao 0,57 0,57 Totais Desconto , , , , , , , , , , , , ,27 Totais Líquidos --> 4.576, , , , , , , , , , , , ,66 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,61 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 131

132 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :01:09 Funcionário: RENATO NEVES DA ROCHA FILHO Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA Situação: NORMAL Admissão: 03/09/1979 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 18 - DC-PROC ,27 618,27 618,27 759, , Diferenca Reajuste 1.287, , Honorarios , , , , , , , , Ferias Normais , , Abono de Ferias 50% 20 Dias , , Emprestimo de Ferias (CR) , , PIS PASEP 147,02 147, Diferença Férias Retroativa 2.883, , Salario Adiantamento Venc , , Diarias de Viagem 355, , ,18 101,18 DEV.ASSIST.MED.AGREGADO Estouro Periodo Venc 313,34 313, Devol. Proventos (isent.) 0, , , Gratificacao Natalina 3.361, , , DC-PROC (inf) 627,45 627,45 627,45 627,45 627,45 711,65 711, , PORTUS - Dev. Contribuicao 20,80 20, ADIC DE RISCO DEC JUDICIAL 2.783, , , , , , , ,59 (inf) Diferenca Honorarios 955,20 955, ADIC DE RISCO DEC JUDICIAL 2.742, , , , ,35 Totais Provento , , , , , , , , , , , , ,34 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Func. Diretor 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 7,21 57, Cont.Portus-Ajuste Férias 1.146, , PLAMEC Cred.Direto Odonto 22,14 22,14 22,14 66, Emprestimo de Ferias(DB) 1.900, , , , , , , , , , , , Quitacao Emprestimo Ferias 1.900, , Alimentacao Funcionario 6,64 6,64 6,64 6,64 26, Rest. Abono Ferias a maior 1.131, , , , PORTUS Fl.Normal 1.125, , , , , , , , , , , Desc. Adiant. Gratificação , , ,20 Natalina DIF.PORTUS JUN/2011 0,84 0, Grat.Natalina-Portus Atraso 2009/ ,65 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br) 2.519,65 132

133 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :01:09 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Mensalidade Sindical 290,42 340,83 290,42 301,92 305, , ASSISTENCIA MEDICA 180,23 180,23 180,23 180,23 180,22 180,22 180,22 180,22 180,22 195,27 195,27 195, , ASSITENCIA MEDICA 209,10 209,10 209,10 209,10 209,10 209,10 209,10 209,10 209,10 226,56 226,56 226, ,58 AGREGADO PLAMEC Cred.Direto Odonto 172,80 28,79 50,93 50,93 28,79 28,79 28,79 389, Adiantamento Diarias 355, , INSS Normal 405,86 405,86 405,86 405,86 405,86 405,86 812,18 406,09 406,09 406,09 406, , IRF (Normal) 4.169, , , , , , , , , , , , IRF Recolhido no Pgto Ferias 7.212, , Restit. Proventos (Trib) 423,99 423, Rest. Ferias Pagas 2.883, , Contrib. Fed. Nac. Portuaria 23,23 27,27 23,23 24,15 24,43 122, Estouro Periodo Anterior Desc 313,34 313, Dif.Vale Alimentacao 0,57 0, PLAMEC Cred.Direto Odonto 55,83 22,14 77, PLAMEC Cred.Direto Odonto 63,83 63,83 63,83 63,83 63,83 319, PLAMEC Cred.Direto Odonto 22,14 22,14 Totais Desconto 8.838, , , , , , , , , , , , ,30 Totais Líquidos --> , , , , , , , , , , , ,96 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,23 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br)

134 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA AV DA FRANCA 1551 COMERCIO Ficha Financeira Ano: 2011 Emissão: 17/04/ :06:16 Funcionário: ANTONIO CARLOS MARCIAL TRAMM Estabelecimento: 1 - CODEBA - Cia. das Docas do Est. Bahia / SEDE Centro de Custo: DIRETORIA COMERCIAL Situação: NORMAL Admissão: 23/09/2011 Demissão: Provento Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2 - Honorarios , , , , Diarias de Viagem Gratificacao Natalina 4.238, ,80 Totais Provento , , , ,40 Desconto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total Alimentacao Func. Diretor 7,21 7,21 7,21 21, Adiantamento Diarias INSS Normal 406,09 406,09 406, , IRF (Normal) 3.827, , , ,82 Totais Desconto 4.240, , , ,72 Totais Líquidos --> , , , ,68 BASE INSS BASE FGTS BASE IRRF , , , , , , , , , , , ,13 Sistema Desenvolvido pelo Maker 2 (www.softwell.com.br)

135

136

137 BALANÇOS PATRIMONIAS BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) Nota ATIVO Explicativa n o 31/12/ /12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/ /12/2010 Nota CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades Fornecedores Clientes Obrigações sociais e trabalhistas Adiantamentos a fornecedores Impostos e contribuições Empréstimos de férias Contribuições à previdência complementar Impostos a recuperar Provisão para indenizações trabalhistas Estoques Depósitos e cauções Despesas antecipadas Créditos a terceiros por força de convênio Outras contas a receber Arrendamento Outras contas a pagar TOTAL DO CIRCULANTE TOTAL DO CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE Depósitos judiciais Investimentos Impostos e contribuições Imobilizado Créditos a terceiros por força de convênio Provisão para contingências TOTAL DO NÃO CIRCULANTE Arrendamento TOTAL DO NÃO CIRCULANTE PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social 18(a) Lucros/Prejuízos acumulados ( ) SUBTOTAL Adiantamento para futuro aumento de capital TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. José Muniz Rebouças Diretor - Presidente C.P.F Newton Ferreira Dias Diretor de Gestão Administrativa e Financeira C.P.F Renato Neves da Rocha Filho Antônio Carlos Marcial Tramm Diretor de Infra-Estrutura e Gestão Portuária Diretor Gestão Comercial e Desenvolvimento C.P.F C.P.F Fernando Luiz Vieira Coord.de Gestão de Recursos Financeiros Luiz Fernando Pereira Mettig Contador CRC - BA Documentos originais estão assinados pelos gestores.

138 DEMONSTRATIVO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais, exceto lucro (prejuízo) por ações) RECEITA BRUTA Nota Explicativa n o 31/12/ /12/2010 (Ajustado) Serviços de exploração e administração de portos Aluguéis e arrendamentos Outras receitas operacionais DEDUÇÕES Cancelamentos e restituições ( ) ( ) Impostos sobre faturamento (PIS/Cofins/ISS) ( ) ( ) ( ) ( ) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA CUSTO DOS SERVIÇOS 21 ( ) ( ) LUCRO BRUTO (DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS Gerais e administrativas 22 ( ) ( ) Honorários da Administração 26 ( ) ( ) Depreciação e amortização ( ) ( ) Contingências/Indenizações trabalhistas ( ) ( ) ( ) ( ) RESULTADO OPERACIONAL ANTES DOS EFEITOS FINANCEIROS Resultado financeiro, líquido 23 ( ) ( ) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA E DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Imposto de renda e contribuição social ( ) ( ) LUCRO (PREJUÍZO) DO EXERCÍCIO Lucro (prejuízo) por ação do capital social (lote de 1.000) 0,24 0,42 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. José Muniz Rebouças Diretor - Presidente C.P.F Newton Ferreira Dias Diretor de Gestão Administrativa e Financeira C.P.F Antônio Carlos Marcial Tramm Renato Neves da Rocha Filho Diretor Gestão Comercial e Desenvolvimento Diretor de Infra-Estrutura e Gestão Portuária C.P.F C.P.F Fernando Luiz Vieira Coord. de Gestão de Recursos Financeiros Luiz Fernando Pereira Mettig Contador CRC - BA Documentos originais estão assinados pelos gestores.

139 Demonstrações das Mutações do Patrimônio Líquido DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) Adiantamento para futuro Nota Capital Prejuízos aumento Explicativa n o social acumulados Subtotal de capital Total SALDO EM 01 DE DEZEMBRO DE ( ) Aumento de capital com créditos de acionistas ( ) Créditos de acionistas (AFAC): Aporte União Atualização monetária SELIC Aporte Estado Atualização monetária SELIC Lucro Líquido do exercício SALDO EM 31 DE DEZEMBRO DE ( ) Aumento de capital com créditos de acionistas ( ) - Créditos de acionistas (AFAC): - - Aporte União Atualização monetária SELIC Aporte Estado Atualização monetária SELIC Lucro Líquido do exercício Absorção prejuízo Reversão prejuízo 18b SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. José Muniz Rebouças Newton Ferreira Dias Renato Neves da Rocha Filho Diretor - Presidente C.P.F Diretor de Gestão Administrativa e Financeira C.P.F Diretor de Infra-Estrutura e Gestão Portuária C.P.F Antônio Carlos Marcial Tramm Fernando Luiz Vieira Luiz Fernando Pereira Mettig Diretor Gestão Comercial e Desenvolvimento Coord.de Gestão de Recursos Financeiros Contador CRC - BA C.P.F Documentos originais estão assinados pelos gestores.

140 Demonstração dos Fluxos de Caixa DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS OPERAÇÕES 31/12/ /12/2010 Lucro (prejuízo) do exercício Ajustes para reconciliar o resultado do exercício com recursos provenientes de atividades operacionais: Provisão para devedores duvidosos ( ) Depreciação e amortização Provisão para perda (Impairment ) - Variações monetárias e juros passivos - Provisão para indenizações trabalhistas e contingências ( ) ( ) Outros ajustes - Aumento (redução) de ativos Clientes ( ) Adiantamentos a fornecedores Empréstimos de férias ( ) Impostos a recuperar ( ) ( ) Estoques ( ) ( ) Despesas pagas antecipadamente - Depósitos judiciais ( ) ( ) Ajustes de exercícios anteriores Outros ativos ( ) ( ) Aumento (redução) de passivos ( ) ( ) Fornecedores ( ) Obrigações sociais e trabalhistas Impostos e contribuições ( ) Contribuições a previdência complementar ( ) Provisão para indenizações ( ) Depósitos e cauções ( ) ( ) Créditos a terceiros por força de convênio ( ) ( ) Obrigações com arrendamento ( ) Outros passivos (53.529) RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS FLUXO DE CAIXA UTILIZADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Aumento do imobilizado ( ) ( ) RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO ( ) ( ) FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Créditos de acionistas RECURSOS LÍQUIDOS PROVENIENTES DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Aumento (redução) no caixa e equivalentes Disponibilidades no início do exercício Disponibilidades no final do exercício As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. Documentos originais estão assinados pelos gestores.

141 DEMONSTRAÇÃO DOS VALORES ADICIONADOS DEMONSTRAÇÃO DOS VALORES ADICIONADOS (INFORMAÇÃO ADICIONAL) REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) 31/12/ /12/ RECEITAS Vendas de mercadorias, produtos e serviços Outras receitas INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (inclui os valores dos impostos - ICMS, IPI, PIS e Cofins) ( ) ( ) 2.1. Custos dos produtos, das mercadorias e dos serviços vendidos ( ) ( ) 2.2. Materiais, energia, seviços de terceiros e outros ( ) ( ) 3. VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2) DEPRECIAÇÃO E AMORTIZAÇÃO ( ) ( ) 5. VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3-4) VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA Receitas financeiras VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5+6) DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO Pessoal Remuneração direta Benefícios FGTS Impostos, taxas e contribuições Federais Estaduais Municipais Remuneração de capital de terceiros Juros Outras Remuneração de capitais próprios Lucro (prejuízo) do exercício As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras. José Muniz Rebouças Diretor - Presidente C.P.F Newton Ferreira Dias Diretor de Gestão Administrativa e Financeira C.P.F Antônio Carlos Marcial Tramm Renato Neves da Rocha Filho Diretor Gestão Comercial e Desenvolvimento Diretor de Infra-Estrutura e Gestão Portuária C.P.F C.P.F Fernando Luiz Vieira Coord. de Gestão de Recursos Financeiros Luiz Fernando Pereira Mettig Contador CRC - BA Documentos originais estão assinados pelos gestores.

142 NOTAS EXPLICATIVAS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) ÍNDICE 1. CONTEXTO OPERACIONAL 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 3. SUMÁRIO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS 4. DISPONIBILIDADES 5. CLIENTES 6. ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES 7. IMPOSTOS A RECUPERAR 8. ESTOQUES 9. OUTRAS CONTAS A RECEBER 10. IMOBILIZADO 11. FORNECEDORES 12. OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS 13. IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES 14. CONTRIBUIÇÕES A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 15. DEPÓSITOS E CAUÇÕES 16. CRÉDITOS DE TERCEIROS POR FORÇA DE CONVÊNIOS 17. PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS e depósitos judiciais 18. PATRIMÔNIO LÍQUIDO 19. ADIANTAMENTOS PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL (AFAC) 20. RECEITA BRUTA 21. CUSTOS DOS SERVIÇOS 22. DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS 23. RESULTADO FINANCEIRO 24. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR 25. INSTRUMENTOS FINANCEIROS 26. SALÁRIO A EMPREGADOS E ADMINISTRADORES 27. COBERTURA DE SEGUROS (NÃO AUDITADO) 28. ARRENDAMENTO

143 NOTAS EXPLICATIVAS 1. CONTEXTO OPERACIONAL A CODEBA - Companhia das Docas do Estado da Bahia é uma sociedade de economia mista, de capital autorizado, vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República, que tem por objetivo social, em harmonia com os planos e programas dessa Secretaria, exercer as funções de Autoridade Portuária, previstas em legislação específica, e realizar a administração e exploração comercial dos Portos Organizados no Estado da Bahia. A Companhia opera com os seguintes portos: Porto de Salvador, Porto de Aratu-Candeias e Porto de Ilhéus. As atividades da Companhia, por serem tratadas num contexto macroeconômico, têm a condução de sua gestão econômico-financeiro sujeita às decisões do Governo Federal. 2. APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotas no Brasil, as quais abrangem legislação societária, os pronunciamentos e orientações e interpretações emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis e as normas emitidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e apresentadas de forma comparativa em R$ (real) conforme moeda funcional da Companhia. a. As demonstrações Financeiras apresentadas com base nos saldos contábeis dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e 31 de dezembro de 2010 são compostas de: 1) Balanço Patrimonial na forma de Ativo (bens e direitos), Passivo (obrigações) e Patrimônio Líquido, de modo a expressar a posição econômico-financeira e patrimonial; 2) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), apresentando o reconhecimento das receitas, custos e despesas; 3) Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL), objetivando mostrar as variações ocorridas no Patrimônio Líquido; 4) Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC), cuja principal função é mostrar a geração ou consumo dos recursos financeiros e sua aplicação no desenvolvimento das operações da companhia. 3. SUMÁRIO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS a. Estimativas contábeis A preparação das demonstrações financeiras requer que a Administração efetue estimativas e premissas, baseadas em fatores objetivos e subjetivos, que afetam os montantes apresentados nas demonstrações financeiras. Os principais valores estimados correspondem à: provisão para créditos de liquidação duvidosa, depreciação do ativo imobilizado, provisão para perda (impairment test), provisão para contingências e avaliação de instrumentos financeiros. A liquidação das transações que envolvem essas estimativas poderá resultar em valores significativamente divergentes dos registrados nas demonstrações financeiras devido às imprecisões inerentes ao processo de sua determinação. A Administração da Companhia revisa as estimativas e premissas de forma anual. b. Ativo circulante As disponibilidades estão representadas por saldos em caixa, depósitos bancários e aplicações financeiras. As aplicações financeiras estão registradas ao custo acrescido dos rendimentos incorridos até a data do balanço, que não supera o valor de mercado. Vide nota explicativa n o 4. As contas a receber de clientes são registradas pelo valor faturado, incluindo os respectivos impostos diretos de responsabilidade tributária da Companhia. O giro das contas a receber da Companhia é de curto prazo, sendo liquidadas normalmente em um período inferior a 60 dias, representando substancialmente os valores justos nas datas de encerramento das demonstrações financeiras, não havendo, portanto, a necessidade de ajustes ao valor presente. A provisão para créditos de liquidação duvidosa, constituída sobre os créditos de difícil recebimento, foi julgada suficiente pela Administração da Companhia, para fazer face às perdas na realização destes valores a receber. Vide nota explicativa n o 5. Os estoques são demonstrados ao custo médio das compras, inferior aos custos de reposição. Os demais ativos circulantes são apresentados pelo valor de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias auferidas, deduzidas da provisão necessária para refletir o valor de realização.

144 c. Investimentos Estão avaliados pelo método de custo. d. Ativo imobilizado Estão avaliados ao custo de aquisição e formação corrigido monetariamente até 31 de dezembro de 1995, acrescidos das adições ocorridas a partir de 1 o de janeiro de 1996, que estão registrados pelo valor original, deduzido da perda por desvalorização considerando o valor recuperável dos bens (impairment test). Para fins de cálculo da depreciação, foi feito estudo dos bens para levantamento da vida útil remanescente dos mesmos. Conforme taxas apresentadas na Nota Explicativa N 10. e. Passivo circulante e não circulante Estão demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis e, quando aplicável, incluem os encargos e as variações monetárias incorridos até a data do balanço patrimonial. f. Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o lucro líquido O Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição social sobre o lucro líquido (CSLL) são calculados com base na legislação fiscal em vigor, pelo método do lucro real e considerando a opção pelo Regime Tributário Transitório (RTT), previsto na Medida Provisória nº 449, de 3 de dezembro de 2008, convertido na Lei nº , de 27 de maio de A Companhia possuía créditos fiscais decorrentes de prejuízos acumulados e de base de cálculo negativa da contribuição social não refletidos nas suas demonstrações financeiras dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2009 e Tais créditos fiscais não foram registrados contabilmente em decorrência do histórico de apuração de resultados negativos nos últimos exercícios sociais. g. Provisão para contingências A Companhia é parte integrante em diversos processos judiciais no âmbito trabalhista, tributário e cível, que surgem no curso normal de suas atividades. A provisão para contingência está constituída mediante a avaliação de riscos prováveis, suportadas por parecer jurídico do seu advogado interno, dos fatos conhecidos em 31 de dezembro de 2011e Vide nota explicativa n º 17. h. Apuração do resultado As receitas e as despesas são reconhecidas pelo regime de competência dos exercícios. i. Mudança nas práticas contábeis e divulgações requeridas No ano de 2009, ainda como parte do processo de convergência às Normas Internacionais de Contabilidade, foram emitidos os Pronunciamentos Técnicos CPC de nº 15 a nº 40 e interpretações técnicas diversas, com vigência obrigatória a partir do exercício de 2010, com efeito retroativo para 2009 para fins de comparação, na forma estabelecida no Pronunciamento Técnico CPC 43 Adoção inicial dos Pronunciamentos Técnicos CPC 15 a 40. Dessa forma, as demonstrações financeiras do exercício social findo em 31 de dezembro de 2011 foram elaboradas e estão apresentadas considerando os Pronunciamentos Técnicos emitidos no ano de DISPONIBILIDADES Caixa Bancos Aplicações financeiras (a) Total (a) Aplicação no BB Extramercado FAE regulamentada pela instrução CVM 409/2004 e resolução Bacen /2005, CVM Renda Fixa.

145 5. CLIENTES Contas a receber de clientes Provisão para devedores duvidosos ( ) ( ) Total ADIANTAMENTOS A FORNECEDORES Abrigo do Marinheiro OGMOSA Órgão Gestor da Mão-de-obra S.A Robrasa Ananda Lage Rosilene Metropasse Atranspi Outros Total IMPOSTOS A RECUPERAR Imposto de Renda Retido na Fonte Contribuição social retida na fonte Cofins Retido na Fonte PIS/Pasep Retido na Fonte Total ESTOQUES Almoxarifado Porto de Aratú Almoxarifado Porto de Salvador Almoxarifado Porto de Ilhéus Outros - - Total OUTRAS CONTAS A RECEBER Adiantamentos de férias Auxílio doença Contas a receber AHSFRA (a) Outras Total (a) Refere-se as faturas pagas pela Companhia relacionadas com a administração da Hidrovia do Vale do São Francisco que se encontram pendentes de ressarcimento pelo Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transporte DNIT, cujo convênio (por meio do qual a

146 Companhia exercia a administração da referida hidrovia) foi encerrado no ano de A Administração da Companhia está mantendo negociações com a Direção do DNIT para o ressarcimento das citadas faturas. 10. IMOBILIZADO Taxa anual de depreciação Custo corrigido Depreciação acumulada (Ajustado) Líquido Líquido Móveis, máquinas e equipamentos 10% a 33% Veículos e embarcações Equipamentos de 22% a 33% informática Edificações e pavimentações Terrenos 20% a 24% 4% e 5% Instalações Obras em andamentos Adiantamentos para (a) 1,4%a 6,7% imobilização (b) Total (a). A Companhia procedeu, para a data-base de 31 de dezembro de 2009, a uma análise sobre a recuperação dos valores registrados no seu ativo imobilizado (impairment test), por intermédio de uma empresa especializada contratada. A avaliação foi efetuada considerando apenas o valor recuperável por venda (em base de mercado), ou seja, sem determinar o valor recuperável resultante do uso dos bens, uma vez que não havia sido concluída a referida avaliação para aquela data. Para o exercício a findo em 31 de dezembro de 2010, foi realizado o teste pelo método de fluxos de caixa descontados. Para o exercício encerrado em 31 de dezembro de 2011 a CODEBA realizou novo teste no seu Ativo Imobilizado, por nova Empresa contratada. (b). Nesta rubrica estavam contabilizados os adiantamentos para a aquisição do equipamento de movimentação de contêineres Portainer destinado ao Porto de Salvador, adquirido por meio do Contrato nº 089/020/0, de 5 de abril de 1989, o qual não se encontrava ainda em operação. Em 2010, após a conclusão da montagem, realizamos a imobilização do equipamento, que passou a fazer parte integrante do aditivo ao contrato n 12/2000 Codeba/Tecon. (c). Mutações do ativo imobilizado: Saldo inicial (líquido) em 1 o de janeiro de Aquisições e adiantamentos para imobilizações Baixas líquidas Reversão da provisão para perda Impairment Quotas de depreciação ( ) Saldo final (líquido) em 31 de dezembro de FORNECEDORES Fornecedores de serviços Fornecedores de materiais Outros

147 Total O Aumento do item Fornecedores refere-se a aquisição A COPABO da defensas do mês de dezembro de OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS INSS Empregados INSS Empresa INSS Serviços prestados (37.097) FGTS Provisão para férias Provisão de encargos sobre férias Outras obrigações Total IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES Tributos Próprios - CSLL I. Renda ISS Cofins PIS/Pasep Outros Tributos de Terceiros Retidos na Fonte - ISS Fonte Tributos diversos - IN n o 306/ IRRF Tributos Parcelados - ISS Processo n o 20782/2007 (a) ISS Processo n o 18585/2008 (b) (-) Juros a amortizar ( ) ( ) Cofins PIS/Pasep Embasa Total Passivo circulante Passivo não circulante Total (a) (b) Parcelamento firmado em 4 de outubro de 2007 em 120 parcelas, restando 12 parcelas no passivo circulante e 57 no passivo não circulante. Parcelamento firmado em 3 de novembro de 2008 em 48 parcelas, restando 8 parcelas no passivo circulante e dez no passivo não circulante.

148 14. CONTRIBUIÇÕES A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Contribuições normais (a) Contribuições especiais (b) Total (a) (b) (c) Refere-se a dívida com o Portus Instituto de Seguridade Social relativas às Contribuições da Codeba (parte Patronal) e dos seus funcionários ao Plano de Previdência Privada. Refere-se ao saldo do Acordo de Integralização de possível insuficiência de Reserva de Tempo de Serviço Anterior RTSA, celebrada entre a Codeba e o Portus Instituto de Seguridade Social no mês de dezembro de Em março de 2004, o Portus ajuizou contra a Codeba uma ação de cobrança do crédito oriundo do referido instrumento na 14ª Vara Cível do Rio de Janeiro - RJ, solicitando o pagamento integral do saldo da dívida. Em 14 de setembro de 2005, foi celebrado um novo acordo para o pagamento desta Reserva. Conforme informações do atuário independente, o valor estimado em 31 de dezembro de 2011 do déficit atuarial com o Plano de Benefícios Portus 1 PBP1 é de R$ (R$ em 31 de dezembro de 2010). A Administração da Codeba vem acompanhando a evolução do déficit atuarial e decidiu pela sua não contabilização, inclusive para manter um procedimento consistente em relação às demais Companhias Docas, patrocinadoras desse plano de benefícios. (d) Vide outras informações sobre a Previdência Complementar na nota explicativa n o DEPÓSITOS E CAUÇÕES Depósitos para garantia de taxas portuárias (a) Depósitos para garantia de contratos Total (a) Referem-se às antecipações de taxas portuárias efetuadas pelas empresas que utilizam os serviços dos Portos, que são compensadas no momento da emissão da fatura pela Companhia. 16. CRÉDITOS DE TERCEIROS POR FORÇA DE CONVÊNIOS Magnesita S.A. (a) Braskem Petroquímica do Nordeste S.A. (b) Total No passivo circulante No passivo não circulante Total (a) (b) Refere-se ao Convênio firmado para viabilização de obras de pavimentação e iluminação do pátio de contêineres do Porto de Salvador, financiado pela Magnesita, cujo saldo está sendo amortizado com créditos da Companhia referentes ao arrendamento de uma área no Porto de Aratu, destinada à transferência de suas instalações de armazenamento e exportação para o referido porto. O Contrato de Arrendamento n o 003/2002, para exploração de instalações portuárias correspondente a uma área de ,80 m 2 localizada no Porto de Aratu, é de 25 anos a contar de 1 º de março de Refere-se ao Convênio firmado para recuperação e ampliação da área de tancagem de produtos gasosos do Porto de Aratu, cujos recursos foram aportados pela Braskem. Por meio do Contrato nº 27/93, foi arrendada a mesma área recuperada e ampliada, correspondente a ,54 m², pelo prazo de 20 anos, a partir de julho de Em 29 de novembro de 2002, foi aditado o Contrato nº 27/93, visando à adaptação às normas da Lei nº 8.630/1993, em atendimento às determinações do Tribunal de Contas da União, passando, à época, o débito para R$ , corrigido pela variação do IGP-DI da FGV, dividido em 128 parcelas, a serem amortizadas com o valor devido pela arrendatária referente ao arrendamento.

149 17. PROVISÃO PARA CONTINGÊNCIAS E DEPÓSITOS JUDICIAIS Ações cíveis Ações trabalhistas circulante (i) Ações trabalhistas - não circulante (i) O Acréscimo das Ações Cíveis é em virtude do provisionamento do IPTU e as Novas Ações Trabalhistas e Atualizações (-) Depósitos judiciais (-) Penhora Total a. A Companhia adota o procedimento de só reconhecer uma provisão quando considera provável a possibilidade de uma sentença contrária, com base nas informações do seu advogado interno, conforme as práticas contábeis brasileiras. b. A Companhia possui vários processos judiciais pendentes de julgamento, relacionados com causas trabalhistas, tributárias e cíveis. O setor Jurídico da Companhia estima que as causas judiciais, cuja possibilidade de perda é possível, montam, aproximadamente, de R$30 milhões, sendo R$4 milhões de causas trabalhistas, R$11 milhões de causas cíveis e R$15 milhões de causas tributárias. c. As declarações de rendimentos e demais encargos tributários e previdenciários, resultantes das operações da Companhia, estão sujeitos a lançamentos adicionais, após o exame por parte das autoridades fiscais, dentro dos prazos prescricionais. d. Resumo da movimentação: Provisão para Contingências Depósitos Judiciais Saldo inicial em 1 de janeiro de Adições Baixas ( ) ( ) Saldo final em 31 de dezembro de PATRIMÔNIO LÍQUIDO a. Capital social O capital social subscrito e integralizado em 31 de dezembro de 2011 é de R$ representado por ações nominativas, sem valor nominal, conforme demonstrativo a seguir: Quantidade de ações Ordinárias

150 Preferenciais Total i. As ações preferenciais não têm direito a voto, são inconversíveis em ações ordinárias e gozam da prioridade no recebimento do dividendo mínimo obrigatório e no reembolso do capital em caso de liquidação da Companhia. ii. Por intermédio da reunião da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 30 de junho de 2011, foi aprovado o aumento do capital social em R$ ,41, passando de R$ para R$ mediante créditos de acionistas. Por intermédio da Reunião da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 23 de setembro de 2011 foi autorizado a Absorção do Prejuízo Acumulado no valor de R$ passando o Capital de R$ para R$ b. Ajuste de exercícios anteriores No presente exercício, foram efetuados os seguintes lançamentos de ajustes contábeis, referentes a exercícios anteriores a 2011: Em foi realizada a reversão de faturas baixadas pela Aplicação Provisão para Devedores Duvidosos Total do ajuste realizado ADIANTAMENTOS PARA FUTURO AUMENTO DE CAPITAL (AFAC) Referem-se aos recursos aportados pela União Federal e pelo Estado da Bahia, para aplicação em investimentos no ativo imobilizado, acrescido da atualização monetária com base na variação da taxa SELIC do exercício de Por intermédio do Decreto s/n, de 10 de junho de 2011, publicado no diário oficial da União em 13 de junho de 2011, seção 1, foi autorizado o aumento do capital social da Companhia, com a emissão de novas ações mediante créditos da União consignados no Orçamento Geral, aprovado pela Lei nº , de 30 de dezembro de RECEITA BRUTA Serviços de exploração e administração de portos Maritima Acostagem Infraestrutura terrestre Armazenagem Equipamentos portuários Diversos Aluguéis e arrendamentos Arrendamentos áreas cobertas Arrendamentos áreas descobertas

151 Outros Outras receitas operacionais Total CUSTOS DOS SERVIÇOS Pessoal e encargos ( ) ( ) Depreciações ( ) ( ) Custo com benefícios de pessoal ( ) ( ) Custo com materiais ( ) ( ) Custo com serviços de manutenção e reparos ( ) ( ) Custo com serviços de terceiros ( ) ( ) Outros ( ) (10.861) Total ( ) ( ) 22. DESPESAS GERAIS E ADMINISTRATIVAS Pessoal e encargos ( ) ( ) Despesa com benefícios de pessoal ( ) ( ) Despesa com materiais ( ) ( ) Despesa com serviços de manutenção e reparos ( ) ( ) Outros encargos ( ) ( ) Despesa com serviços de terceiros ( ) ( ) Despesas tributárias ( ) ( ) Outras (19.881) (99.171) Total ( ) ( ) Em 2011 foram executados serviços de manutenção e reparos, que estavam reprimidos ao longo dos anos deficitários da Companhia. O crescimento das contas manutenção e reparos e serviços de terceiros se deve, principalmente, à contratação de serviços de recuperação geral nas estruturas metálicas dos equipamentos operacionais e pátio de minério do Porto de Aratu- Candeias, contrato 11/2010. Pessoal/Encargos Aumento do Efetivo Administrativo mais Reajuste Salarial 9,44% no Biênio 2010/2011. Despesas Tributárias Aumento na Receita Operacional gerando acréscimo no COFINS/PIS E ISS. 23. RESULTADO FINANCEIRO Receitas financeiras Atualizações monetárias

152 Receitas eventuais Recuperação de despesas Multas contratuais Outras receitas financeiras Despesas financeiras Variações monetárias passivas - - Despesas bancárias (43.670) (54.068) Juros e multas ( ) ( ) Outras atualizações monetárias ( ) ( ) Encargos sobre Portus ( ) Outros encargos financeiros (16.640) ( ) ( ) ( ) Total ( ) ( ) 24. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Companhia, com outras empresas do sistema portuário nacional, é patrocinadora do plano de suplementação de aposentadoria e outros benefícios de risco a funcionários, por meio do Portus Instituto de Seguridade Social, entidade fechada de previdência complementar. O plano de benefícios é multipatrocinado na modalidade de Benefícios definidos e tem por objetivo conceder a seus segurados a suplementação do valor dos benefícios concedidos pela Previdência Social Oficial No atual plano de benefícios, a aposentadoria dos segurados é calculada considerando: (a) 80% (oitenta por cento) da média salarial dos últimos 12 (doze) meses de contribuição do funcionário, indexados à variação do INPC, estando o resultado desse cálculo limitado a 3 (três) vezes o teto de contribuição da Previdência Social Oficial; (b) do resultado desse cálculo deve ser abatido o montante recebido mensalmente pelo funcionário, da Previdência Social Oficial; (c) além dessa suplementação, é pago ainda um abono de aposentadoria adicional aos seus segurados, calculado com base em 25% (vinte e cinco por cento) do resultado de 80% (oitenta por cento) da média salarial dos últimos 12 (doze) meses de contribuição, estando esse valor limitado ao teto de contribuição da Previdência Social Oficial. Para o funcionário ter direito ao recebimento dessa Suplementação, deve contribuir pelo tempo mínimo de 35 anos (para os homens) ou de 30 anos (para as mulheres) e terem idade superior a 55 anos. O Plano concede os seguintes benefícios: (a) suplementação de aposentadoria por idade; (b) suplementação de aposentadoria por tempo de contribuição; (c) suplementação de aposentadoria especial; (d) pecúlio por morte de participantes assistidos, (e) suplementação de pensão por morte de participantes assistidos; (f) pecúlio por morte de participantes ativos; (g) suplementação de auxílio-doença; (h) suplementação de auxílio-reclusão; (g) suplementação de aposentadoria por invalidez; e (i) suplementação de pensão por morte de participantes ativos. É assegurado o recebimento de pensão no montante de 60% para o cônjuge e de 10% para os filhos (com idade até 21 anos ou 24 anos se estiverem devidamente matriculados em curso superior, limitados a quatro filhos). Para cada R$1,00 pago pelo funcionário, a CODEBA aporta o valor semelhante; o percentual de contribuição de cada funcionário é calculado com base em um estudo atuarial no qual são consideradas inúmeras variáveis, como tempo de contribuição, expectativa de vida, idade, etc., e gira em média de 8% a 10% do salário do segurado. 25. INSTRUMENTOS FINANCEIROS Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, a Companhia não identificou diferenças significativas entre os valores de mercado dos instrumentos financeiros e os valores apresentados nas demonstrações financeiras. Naquelas datas, os instrumentos financeiros estavam representados, substancialmente, pelas disponibilidades, contas a receber de clientes, outros créditos, fornecedores e outras contas a pagar. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, a Companhia não possuía instrumentos financeiros derivativos.

153 26. SALÁRIO A EMPREGADOS E ADMINISTRADORES No exercício de 2011, o valor do maior salário mensal pago a empregados foi de R$ 7.016, correspondente à função de coordenador e o menor de R$639, correspondente à função de guarda portuário. Com referência aos dirigentes, o valor do salário pago no exercício foi de R$18.014, relativo ao cargo de diretorpresidente, e de R$ para os 3 (três) demais diretores. 27. COBERTURA DE SEGUROS (NÃO AUDITADO) A Companhia possui cobertura de seguros para os bens do ativo imobilizado (edificações e instalações), contratados na modalidade de Incêndio, raio e explosão e valores, sendo o valor da cobertura de seguro de R$ A Administração da Companhia entende que essa cobertura de seguro é considerada suficiente para cobrir eventuais sinistros. As premissas de riscos adotadas para contratação ou não de seguros, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria das demonstrações financeiras, motivo pelo qual não foram examinadas pelos nossos auditores independentes. 28. ARRENDAMENTO Em 2 de setembro de 2010, foi assinado o primeiro termo aditivo ao contrato 12/2000 com a empresa Tecon, referente ao arrendamento e exploração de terminal de contêineres, gerando um downpayment no valor de R$ a ser amortizado pelo prazo restante do contrato, 15 anos Passivo Circulante Passivo Não Circulante Total José Muniz Rebouças Newton Ferreira Dias Diretor - Presidente Diretor de Gestão Adm. e Financeira C.P.F C.P.F Antônio Carlos Marcial Tramm Renato Neves da Rocha Filho Diretor Gestão Comercial e Desenvolvimento Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária C.P.F C.P.F Fernando Luiz Vieira Coord. De Gestão de Recursos Financeiros Luiz Fernando Pereira Mettig Contador CRC - BA Documentos originais estão assinados pelos gestores.

154 PARECER DA AUDITORIA INDEPENDENTE RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Ao Conselho de Administração, Acionistas e Administradores da CODEBA - Companhia das Docas do Estado da Bahia Salvador BA Examinamos as demonstrações financeiras da CODEBA - Companhia das Docas do Estado da Bahia que compreendem o Balanço Patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas Demonstrações do Resultado, das Mutações do Patrimônio Líquido e dos Fluxos de Caixa e a Demonstração de Valor Adicionado para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais Notas Explicativas. Responsabilidade da Administração pelas Demonstrações Financeiras A Administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas Demonstrações Financeiras de acordo com as normas internacionais de relatório financeiro (IFRS) emitidas pelo International Accounting Standards Board IASB e de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de Demonstrações Financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causadas por fraude ou erro. Responsabilidade dos Auditores Independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas Demonstrações Financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as Normas Brasileiras e Internacionais de Auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as Demonstrações Financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas Demonstrações Financeiras. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas Demonstrações Financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das Demonstrações Financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das Demonstrações Financeiras tomadas em conjunto.

155 Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião com ressalva. Base para Opinião com Ressalva sobre as Demonstrações Financeiras A Companhia participa como patrocinadora do plano de suplementação de aposentadoria e outros benefícios de risco a seus funcionários, correspondente ao Plano de Benefícios PORTUS 1 PBP1 da PORTUS Instituto de Seguridade Social. De acordo com o Parecer Atuarial, emitido por atuário independente, esta Companhia possui para 31 de dezembro de 2011 um déficit atuarial no montante de R$ , o qual não se encontra reconhecido contabilmente no passivo não circulante conforme mencionado na Nota Explicativa nº 14. Opinião com Ressalva Em nossa opinião, exceto pelos possíveis efeitos das limitações do assunto descrito no parágrafo Base para opinião com ressalva, as demonstrações financeiras acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da CODEBA - Companhia das Docas do Estado da Bahia em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Outros Assuntos 1. Demonstração do Valor Adicionado Examinamos também a demonstração do valor adicionado DVA, referente ao exercício findo em 31 de dezembro de 2011, como informação suplementar, cuja apresentação não é requerida como parte integrante das demonstrações financeiras para companhias de capital fechado de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Essa demonstração foi submetida aos mesmos procedimentos de auditoria descritos anteriormente e, em nossa opinião, estão adequadamente apresentadas, em todos os seus aspectos relevantes, em relação às demonstrações financeiras tomadas em conjunto. 2. Ênfase a) Déficit Atuarial - Caso tivesse reconhecido a provisão do déficit atuarial de R$ , as demonstrações financeiras da Companhia mencionadas acima apresentariam prejuízo no exercício findo em 31 de dezembro de 2011, no montante de R$ A Companhia preparou as referidas demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, que se aplicam as companhias operando em regime de continuidade normal. Como consequência, essas demonstrações financeiras não incluem os ajustes que poderiam ser necessários, considerando que a Companhia tivesse que realizar seus ativos e liquidar seus passivos, inclusive obrigações contingentes e demais compromissos, caso não pudesse continuar com as suas operações normais. De acordo com informações obtidas junto a Administração da Companhia, parte dos recursos necessários para mantê-la em regime operacional continuará sendo aportados pelos acionistas. b) Os Contratos nºs 044/2011 e 043/2008, referentes aos processos nºs 102/2011 e 020/2008 respectivamente, estão em desobediência à Lei 8.666/93 e suas alterações. O Contrato nº 043/2008 sofreu alteração através do 1º Termo Aditivo, com percentual de acréscimo de horas extras, sem considerar estudo de economicidade. O Contrato nº 044/2011, no valor de R$ por dispensa de licitação, foi assinado em 29/12/2011 e publicado no Diário Oficial da União em 06/01/2012, apresentando parecer desfavorável da Auditoria Interna sob nº 001/2012. c) A cobertura do seguro não é adequada para o porte da companhia. O limite de indenização para danos materiais é de R$ , que não cobre eventuais danos aos estoques no valor de R$ e ao imobilizado líquido no valor de R$ , descritos nas Notas Explicativas nºs 8 e 10 respectivamente. 3. Auditoria dos valores correspondentes ao exercício anterior As demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2010, apresentadas para fins de comparabilidade, foram examinadas por outros auditores independentes, cujo parecer de auditoria, datado de 28 de março de 2011, continha parágrafo de ênfase quanto a ausência de provisão do déficit atuarial e ressalvas referentes aos seguintes aspectos: a) Conciliação dos depósitos judiciais entre o controle jurídico e os registros contábeis. Conforme nota 17, em 31 de dezembro de 2010, a Companhia mantém registrado como depósitos judiciais o montante de R$ Todavia, em função da ausência de conciliação entre o controle dos assessores jurídicos e os registros contábeis e de não termos recebido das instituições financeiras envolvidas as confirmações dos saldos para validação do respectivo saldo, não nos foi possível concluir sobre aquele montante.

156 b) Ausência de aplicação do conceito de custo atribuído deemed cost. A Companhia não adotou procedimentos, premissas e fundamentos necessários para avaliar os possíveis impactos da aplicação do conceito de custo atribuído deemed cost bem como das taxas de vida útil remanescentes, conforme previsto nos Pronunciamentos Técnicos CPC 28, 37 e 43, para os itens relevantes do ativo imobilizado. Dessa forma, não nos foi possível mensurar os eventuais ajustes nas demonstrações financeiras decorrentes da aplicação desses Pronunciamentos Técnicos para a Companhia. c) Ausência de provisão atuarial. Conforme mencionado na nota 14, a Companhia participa como patrocinadora do plano de suplementação de aposentadoria e outros benefícios de risco a seus funcionários, correspondente ao Plano de Benefícios PORTUS 1 PBP1 da PORTUS Instituto de Seguridade Social. De acordo com o Parecer Atuarial, emitido por atuário independente, esta Companhia possui para 31 de dezembro de 2010 um déficit atuarial no montante de R$ , o qual não se encontra reconhecido contabilmente no passivo não circulante. Salvador - BA, 24 de fevereiro de RAAC AUDITORES E CONSULTORES INDEPENDENTES - C.R.C. - BA REG. CVM. nº de 16/01/1997 ALICE SENA RIBEIRO BRANDÃO - CONTADORA C.R.C. - BA C.P.F O TEXTO ORIGINAL IMPRESSO COM O PARECER DA AUDITORIA INDEPENDENTE ESTÁ ASSINADO PELA CONTADORA DA RAAC., ALICE SENA RIBEIRO BRANDÃO.

157 PARECER DA AUDITORIA INTERNA

158

159 PARECER DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

160 PARECER DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

161 PARECER DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

162 PARECER DO CONSELHO FISCAL

163

164 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA EXAME E VOTAÇÃO DE RELATÓRIOS E DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

165

PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL

PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL SALVADOR ILHÉUS ARATU RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2010 MAIO 2011 1 PODER EXECUTIVO SECRETARIA

Leia mais

PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL

PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL SALVADOR ILHÉUS ARATU RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MAIO 2014 1 AUTORIDADES CONSELHO DE

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ EXCELENTÍSSIMO SENHOR DIRETOR GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS - ANTAQ Processo n 50.300.000.893/2009-23 A ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA - USUPORT, já devidamente qualificado

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014

A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 A Modernização dos Portos Brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 TIAGO PEREIRA LIMA Diretor da ANTAQ Rio de Janeiro, 29 de setembro de 2010 A ANTAQ E A ESTRUTURA DO ESTADO UNIÃO Poder Executivo ANTAQ

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO 2013 SALVADOR - BAHIA 1 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS

TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU-CANDEIAS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução Nº 4.093 ANTAQ 07/05/2015 Vigência 15/05/2015

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480)

ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA. (Instrução CVM nº 480) ITEM 10 DO FORMULÁRIO DE REFERÊNCIA COMENTÁRIO DOS ADMINISTRADORES SOBRE A SITUAÇAO FINANCEIRA DA COMPANHIA (Instrução CVM nº 480) Em linhas gerais, o patrimônio da Companhia é composto por dezesseis embarcações

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2013 Brasília - DF / 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CONOF

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CONOF NOTA TÉCNICA Nº 17/2007 Subsídios para a apreciação da Medida Provisória nº 367, de 30 de abril de 2007, quanto à adequação orçamentária e financeira. Interessado: Comissão Mista de Planos, Orçamentos

Leia mais

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C.

Subitem CONTEÚDOS DO RELATÓRIO DE GESTÃO Todas as unidades jurisdicionadas, exceto as relacionadas na Parte C. ANEXO II À DECISÃO NORMATIVA-TCU Nº 134, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2013 PARTE A CONTEÚDOS GERAIS Os conteúdos desta Parte A são aplicáveis às unidades jurisdicionadas relacionadas no Anexo I e não destacadas

Leia mais

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS

TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA TARIFA PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS TAXAS, PREÇOS, FRANQUIAS E OBSERVAÇÕES Resolução nº 4.093 ANTAQ, de 07/05/2015 Vigência: 15/05/2015 TABELA I - UTILIZAÇÃO

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2003 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 29 de janeiro

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO AN EXO II I DE SCRI ÇÃO DOS CARGOS 1. DF - DIRETORIA FERROVIÁRIA 1.1 Analista Ferroviário (Expediente / Assistência Jurídica) Atividades de nível superior relacionadas com a preparação de correspondência

Leia mais

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA

SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA SOLUÇÕES IDEAIS PARA A GESTÃO PÚBLICA A EMPRESA A Lexsom é uma empresa especializada em soluções de informática com atuação no mercado nacional desde 1989, tem como principal foco o desenvolvimento integrado

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes. A Melhoria da Estrutura Portuária MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Secretaria de Gestão dos Programas de Transportes A Melhoria da Estrutura Portuária AGENDA PORTOS Coordenação das ações de governo, na Câmara de Política de Infra-estrutura,

Leia mais

Localfrio S.A. Armazéns Gerais Frigoríficos Relatório da Administração em 31 de dezembro de 2014

Localfrio S.A. Armazéns Gerais Frigoríficos Relatório da Administração em 31 de dezembro de 2014 Localfrio S.A. Armazéns Gerais Frigoríficos em 31 de dezembro de 2014 O Grupo Localfrio atua na prestação de serviços de armazenagem, sob regime alfandegado ou de armazéns gerais de: produtos acabados,

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional

a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional a) Notas explicativas às demonstrações contábeis 1 Constituição, objetivo social e contexto operacional O Conselho Regional de Administração de São Paulo, vinculado ao Conselho Federal de Administração,

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT.

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT. Programa 0773 Gestão da Política de Administração Financeira e Contábil da União Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1O600000 Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável Produto: Projeto

Leia mais

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos

SIG Sistema Integrado de Gestão. SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos SIG Sistema Integrado de Gestão SIPAC -Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos Agenda Contextualização Visão Geral dos seguintes sistemas: SIPAA, SGPP, SIGRH, SIGADMIN, SIGED. Conceitos

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES - 2013 Exmo. Sr. Presidente Tenho a honra de encaminhar a V.Exa. o Relatório Anual das Atividades desenvolvidas por esta Coordenadoria de Controle Interno, no exercício de

Leia mais

DIAGNÓSTICO NACIONAL SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL

DIAGNÓSTICO NACIONAL SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL DIAGNÓSTICO NACIONAL SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL O Questionário sobre Maturidade da Gestão Contábil, elaborado pela Secretaria do Tesouro Nacional, tem como objetivo avaliar o estágio atual das

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal III Seminário de Gestão e iza Arrecadação Municipal Modernização dos Instrumentos de Arrecadação Fontes de Financiamento para Fazendas Públicas Municipais. Temas abordados no evento: 1. Alternativas de

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

SECRETARIA DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA

SECRETARIA DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNI- CAS REFERENTE AO SERVIÇO DE LIMPEZA DO LEITO MARINHO NA FAIXA DE ACOSTAGEM DO BERÇO DOS ARMAZÉNS 01 E 02 DO CAIS COMERCIAL DO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR -

Leia mais

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS.

Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. Regulamenta o Fundo Estadual de Desenvolvimento de Transportes - FUNTRANS. O Governador do Estado de Minas Gerais, no uso de atribuição que lhe confere o artigo 90, inciso VII, da Constituição do Estado,

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

AÇÕES, PROGRAMAS E PROJETOS

AÇÕES, PROGRAMAS E PROJETOS 1 de 6 Estudos e Projetos para infraestrutura portuária - Nacional Estudos e Planejamento para o Setor Portuário - Nacional Elaboração de Estudos de viabilidade econômica para construção de um cais com

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Relatório dos Auditores Independentes sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados em 31 de dezembro de 2007 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO PORTARIA Nº 2, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 O AUDITOR-CHEFE DA AUDITORIA INTERNA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a competência que lhe foi atribuída pelo inciso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros

Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Banif Banco de Investimento S.A. Oportunidades de Investimento nos Portos Brasileiros Fernando Antonio Brito Fialho Agência Nacional de Transportes Aquaviários Diretor Geral São Paulo, 16 de junho de 2009

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Conceitos Verificações 1 VISÃO GERAL... 112 1.1 O QUE É O ARRENDAMENTO PORTUÁRIO?... 112 2 VERIFICAÇÕES INICIAIS... 113 3 ANÁLISE DOS ESTUDOS DE VIABILIDADE... 114 4 ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA... 117 5

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RS Nome do programa de trabalho: Construção do Edifício-Sede do TRF da 4ª Região em Porto Alegre

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL

QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL QUESTIONÁRIO SOBRE MATURIDADE DA GESTÃO CONTÁBIL Você está contribuindo para a elaboração de um diagnóstico nacional sobre o estágio em que se encontram as práticas contábeis. Isso é importante para o

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL

RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA RELATÓRIO DE GESTÃO EXERCÍCIO DE 2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL MAIO 2015 PODER EXECUTIVO SECRETARIA DE PORTOS DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho

Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 Descrição dos Fluxos de Trabalho Contabilidade / Orçamento pag.: 4.1 4.1.1 - FLUXOGRAMA ORÇAMENTO LEGISLAÇÃO. Planejamento e Orçamento PPA Audiência Pública Legislativo Apreciação Executivo - Sanção Audiência Pública LDO Legislativo -

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS Vigência: 15/03/2014 a 14/03/2015 ESTRUTURA DE SERVIÇOS E PREÇOS OPERAÇÃO PORTUÁRIA - Tarifas devidas pelo armador, agente de navegação ou requisitante - A. OPERAÇÃO

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

ANEXO X _ PROCEDIMENTOS PARA MODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PROGRAMÁTICA

ANEXO X _ PROCEDIMENTOS PARA MODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PROGRAMÁTICA Superintendência de Orçamento Público MANUAL DE ORÇAMENTO PÚBLICO _ MOP ANEXO X _ PROCEDIMENTOS PARA MODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E PROGRAMÁTICA Versão 2011 1 ANEXO X PROCEDIMENTOS PARA MODIFICAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

GUIA BNDES FINAME LEASING

GUIA BNDES FINAME LEASING GUIA BNDES FINAME LEASING O Itaú entende que viabilizar a ampliação ou modernização de sua frota ou de seus equipamentos de seus clientes é muito importante para o relacionamento e, por isso, traz as melhores

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de

Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro de 2013 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012

PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 PORTARIA-TCU Nº 150, DE 3 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre orientações às unidades jurisdicionadas ao Tribunal quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2012. O

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Especialização APRESENTAÇÃO O curso tem como objetivo

Leia mais

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP

Estado do Pará MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP PROVIMENTO CONJUNTO Nº 010/2015-MP/PGJ/CGMP Define os documentos e modelos de demonstrações contábeis exigidos para prestação de contas finalística das entidades do terceiro setor sujeitas ao velamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP

Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP "A importância dos terminais portuários para a competitividade do Polo de Camaçari Wilen Manteli Diretor Presidente - ABTP 19 de Setembro de 2014 Salvador - BA Caracterização A luta por uma legislação

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Brasília 14 de agosto de 2014 EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E EXECUÇÃO FINANCEIRA Ocorrem concomitantemente; e Estão intrinsecamente relacionadas uma à outra. A despesa não poderá

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

Relatório de Resultados 2T 2015

Relatório de Resultados 2T 2015 MMX - Resultados Referentes ao 2º trimestre de 2015 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2015 A MMX Mineração e Metálicos S.A. ( Companhia ou MMX ) (Bovespa: MMXM3) anuncia seus resultados referentes ao 2º

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE (31 DE DEZEMBRO DE 2005) PARECER DE AUDITORIA INDEPENDENTE Aos Srs. Administradores e Diretores da SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA

Leia mais

Nota Técnica n. 006/2011 Florianópolis, 10 de agosto de 2011.

Nota Técnica n. 006/2011 Florianópolis, 10 de agosto de 2011. Nota Técnica n. 006/2011 Florianópolis, 10 de agosto de 2011. Assunto: Revisão e Alteração da Nota Técnica n 013/2005 Contabilização de Obras em Andamento. Senhor Diretor de Contabilidade Geral, 1 Esta

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA CONSELHO FISCAL ATA DA 452ª REUNIÃO (ORDINÁRIA)

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA CONSELHO FISCAL ATA DA 452ª REUNIÃO (ORDINÁRIA) 1 COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA CONSELHO FISCAL ATA DA 452ª REUNIÃO (ORDINÁRIA) Às 09 horas do dia 23 de janeiro do ano de 2015, na Sala de Reunião na Sede do Conselho

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27

4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 Morumbi vai ter cobertura 4097610 - O ESTADO DE S. PAULO - ESPORTES - SÃO PAULO - SP - 04/12/2013 - Pág A 27 O São Paulo assinará no próximo dia 17 o contrato com a Andrade e Gutierrez para viabilizar

Leia mais