Guia do. Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle. Parte 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia do. Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle. Parte 2"

Transcrição

1 Guia d Ambiente Virtual de Aprendizagem Mdle Parte 2

2 1. Ferramentas para Acmpanhament d Alun O Ambiente Virtual de Aprendizagem Mdle, cm utrs ambientes, apresentam diversas pções para que as Equipes de Tutria u de Acmpanhament de um curs (Suprte Técnic u Mnitria) pssam gerar relatóris sbre a participaçã u atuaçã de um u mais aluns dentr de um curs. È pssível, pr exempl, filtrar s dads armazenads pel própri ambiente para: Ver e analisar acess e a atuaçã de um alun u de tds s aluns de um curs; Ver e analisar acess e a atuaçã em um dia específic u em tds s dias de realizaçã de um curs; Ver e analisar acess u atuaçã em uma atividade específica u em tdas as atividades d curs; Ver tdas u algumas ações realizadas pels aluns, prfessres/tutres. As principais ferramentas para geraçã de relatóris sã: Relatóris e Perfil. Cnhecerems as duas pções ns tópics a seguir. 1.1 Ferramenta - Relatóris Os Relatóris sã ferramentas que pssibilitam acmpanhament d percurs ds aluns a lng d curs. Os relatóris apresentam diversas pções para filtrar s dads armazenads pel ambiente, em especial acess e a atuaçã ds aluns em um curs. Os Relatóris pdem ser acessads e gerads pr mei da Caixa Administraçã, que se lcaliza n menu Lateral da Página Inicial d curs, cm ilustra a imagem a seguir.

3 Figura 1 Acess as Relatóris - Caixa Administraçã. A clicar n item Relatóris, prfessr/tutr pde selecinar as seguintes pções para filtrar s dads e gerar relatóris, cm ilustra a figura a seguir: Figura 2 Seleçã de Filtrs Vejams, entã, n que cnsiste cada uma delas. Curs: esse filtr aparecerá apenas quand prfessr estiver ministrand mais de um curs n ambiente virtual de aprendizagem. Permite a seleçã d curs a ser analisad. Participantes: permite selecinar um u tds s participantes de um curs. É cmum, pr exempl, gerar um relatóri cm tds s participantes de um curs para se bter perfil de acess e de atuaçã ds aluns. Cas prfessr/tutr deseje analisar acess u a participaçã de um alun em especial, deve selecinar apenas nme d alun. Dia: permite a seleçã de uma data específica u tds s dias. Atividades: permite a análise d acess u da atuaçã de um u tds aluns em uma dada atividade (um fórum, pr exempl) u em tdas as atividades de um curs. Ações: permite a seleçã das ações ds usuáris (visualizaçã, inclusã/exlusã/crreçã). Dessa frma, é pssível analisar a atuaçã de um alun específic em uma atividade Opções de Visualizaçã: s dads selecinads pdem ser apresentads na própria página u fazer dwnlad em frmats (pdf, ds u excel).

4 Observe exempl a seguir: Figura 3 Exempl de Relatóri N exempl apresentad na Figura 4, bserve que fi selecinad usuári Graça Mreira e s filtrs: tds s dias; tdas as atividades e tdas as ações. È pssível analisar tdas as ações d usuári desde iníci d curs. O relatóri traz: Hra: dia e hrári de acess; Endereç IP: que cmputadr (na Internet) realizu acess; Nme cmplet: nme d alun, d prfessr/ tutr u de utr usuári registrad; Açã: açã realizada; Infrmaçã: Tópic e recurs acessad. 1.2 Ferramenta Relatóri de Atividades Perfil d Alun O relatóri individual d alun pde ser acessad diretamente n Bx Participantes, n link d perfil d alun. Para visualizar relatóri de atividades, basta clicar n nme d alun que se quer acmpanhar. Observe exempl a seguir:

5 Figura 4 Relatóri de Atividades Perfil N perfil d alun, é pssível ter acess a diversas infrmações: à data d últim acess d alun; às mensagens pstadas pel alun ns fóruns d curs e as Relatóris de atividades. O alun também tem a pçã de acessar seu relatóri. A clicar em seu própri perfil, pde rever que acessu n ambiente, s envis de suas mensagens, a quantidade de visitas que fez e sua participaçã nas atividades. Vejams Relatóri de Atividades:

6 Figura 5 Relatóri de Atividades Opções A seguir, apresentarems exempls de cada um ds relatóris gerads. Observe as diversas pssibilidades de análise d acess e da atuaçã ds aluns em um curs. Cada um apresenta especificidades que pderã cntribuir para acmpanhament ds aluns durante curs. Relatóri de Outline Apresenta a relaçã de tópics e detalhament ds recurss e atividades d curs. Indica númer de visitas as recurss e a data e hrári d últim acess Figura 6 Relatóri de Atividades - Outline Relatóri Cmplet

7 Apresenta a relaçã de tópics e detalhament ds recurss atividades d curs. Indica númer de visitas as recurss e a participaçã nas atividades, bem cm a data e hrári d últim acess. Figura 7 Relatóri de Atividades - Cmplet

8 Lgs de Hje Apresenta gráfic da quantidade e s hráris de acesss realizads n dia. Figura 8 Relatóri de Atividades Lg d Dia Tds s acesss Apresenta gráfic detalhad da quantidade e s hráris de acesss realizads desde iníci d curs até a data crrente.

9 Figura 9 Relatóri de Atividades Tds s acesss Mensagens ns Fóruns N perfil d alun, existe também a pçã Mensagens d Fórum.

10 Figura 10 Relatóri de Atividades Mensagens d Fórum A selecinar essa pçã, prfessr/tutr tem acess a tdas as mensagens e tópics ds fóruns pstads pel alun. Essa pçã é muit interessante para a análise das participações e cntribuições ds aluns ns fóruns, permitind as ações de acmpanhament e avaliaçã. Figura 11 Tópics criads em fóruns

11 Na pçã mensagens, sã apresentads s dads: nme d alun, data e hra da pstagem, títul d Fórum, Títul da Mensagem e text cmplet. Participantes Cabe lembrar que Bx Participantes também apresenta a listagem de tds s participantes de um curs e as datas e s hráris d últim acess. Nte que as infrmações permitem acmpanhament geral da turma indicand interval de temp d últim acess até a data e hrári da emissã d relatóri. Figura 12 Participantes Dica: Esse relatóri é bastante usad para identificar s aluns nã participantes. Usualmente, serviç de Acmpanhament envia uma mensagem as aluns que nã acessam ambiente virtual há mais de uma semana, cm ns cass ds aluns 4,5,6 e 7 d exempl.

12 2. Atividades Clabrativas As atividades n Ambiente Virtual de Aprendizagem Mdle, cm já abrdadas ns Guias Parte 1 e Parte 2, pdem ser de diferentes tips e permitem diversas frmas de autria e prduçã, a saber: individual, em grups u clabrativas. É imprtante cnsiderar tip de autria que cada atividade permite para planejament das atividades d curs e a carga de dedicaçã ds aluns a um curs. Autria Atividade Prpsiçã e Feedback Cmentáris clabrativa Wiki Tds s participantes Tds s participantes Blg Glssári Prfessr e Tds s individual Base de Participantes participantes em grups dads Chat Fórum Prfessr trca de idéias Liçã individual Tarefa Prfessr --- Esclha Figura 13 Quadr de atividades As atividades cm pssibilidade de autria clabrativa, cada vez mais presentes em ambientes virtuais, sã vltadas para a cnstruçã clabrativa de cnheciments. Ou seja, uma infrmaçã dada pde estar em cnstante cnstruçã cm a ajuda de utras pessas, independente de essa pessa ser prfessr u alun. O imprtante nessa atividade é a trca de cnheciment.

13 Um prfessr/tutr pde iniciar um text em um Wiki, pr exempl, e ter esse material ttalmente recnstruíd pr seus aluns. A escrita de um text clabrativ funde as cntribuições individuais em um só text. O que difere um wiki de utras atividades é a pssibilidade de autria clabrativa. Em um Fórum, pr exempl, prfessr/tutr psta uma mensagem inicial, que pde ser cmentada pels demais participantes. Os participantes, prém, nã pdem alterar a mensagem inicial, apenas cmentá-la. As atividades de prduçã individual cstumam ser assciadas a atividades realizadas pels aluns e pdem ser avaliadas quantitativamente e/u qualitativamente pel prfessr/tutr (Liçã u Tarefas) u pel própri ambiente (questináris). Nesses cass, prfessr é autr da prpsiçã inicial. Dica: O prfessr/tutr pde cnsiderar as características das diferentes ferramentas d Mdle para prpr em seu curs, de acrd cm seu bjetiv pedagógic, um cnjunt de atividades que permitam a prduçã individual, em grups u clabrativa.

14 2.1 Wiki N Mdle, Wiki é uma ferramenta pdersa para trabalh clabrativ. Um grup inteir pde, pr exempl, editar um dcument e assim criar um text feit em cnjunt cm a turma tda. Criar um Wiki é relativamente simples. A mair parte d trabalh envlvid n us de wikis relacinase à sua utilizaçã. Para criar um wiki, deve-se: Clicar em Ativar ediçã na página principal d curs; Esclher Wiki n menu Adicinar atividade. Figura 14 Opções na criaçã de um Wiki Os dads devem ser preenchids bservand e cmplementand as seguintes infrmações:

15 Nme d camp Finalidade Nme: Nme d Wiki tal cm será vist pels aluns. Sumári: Descriçã ds bjetivs e cnteúds d Wiki. Tip: Existem alguns tips de wiki que pdem ser cnfigurads de acrd cm a participaçã planejadas para s aluns. Imprimir nme d wiki em cada página: Frmat das páginas d wiki. Permitir arquivs bináris: É imprtante pntuar que arquivs bináris sã imagens, áudi, víde e utrs, excet texts. Se prfessr pretende que s aluns pssam anexar imagens, deve esclher a pçã sim. Opções de administraçã ds participantes: Quand alun tem privilégi de editar páginas, e também pdem: Permitir 'remver páginas', pssibilitand-lhes a remçã de páginas sem utilidade; Permitir 'destacar páginas'; Permitir 'reverter mudanças em massa', permitind desfazer tdas as alterações efetuadas pel autr em cas de err. Os tips de wiki que pdem ser criads dependem da prpsta pedagógica n planejament d curs. É pssível: Criar um únic wiki que smente prfessr/tutr pde editar e que s aluns pdem visualizar, mas nã alterar (pçã sem grups);

16 Permitir que cada grup de aluns tenha um wiki que smente prfessr pde editar, mas que s utrs grups nã pssam ver (pçã grups separads); Permitir que cada grup tenha um wiki que smente prfessr pde editar, mas que utrs grups pssam ver (pçã grups visíveis). Feitas as primeiras esclhas, é necessári que mais algumas cnfigurações sejam realizadas, cnfrme verems a seguir: Figura 15 Wiki -Tips de Grups Nme d Camp Descriçã d camp. Nme da Página: Inicie wiki cm um nme para a página inicial. Esclher Página inicial: Selecinar a pçã para cnstruçã da página inicial usand editr de texts prédefinid n ambiente Mdle u em HTML. Tip de Grup: Selecinar a pçã de wiki a ser criada de acrd cm planejament d para curs. Visível para Aluns: Selecinar se wiki estará u nã visível as aluns. Criad wiki, vcê e s demais participantes pdem cmeçar a trabalhar na criaçã d cnteúd COMO EDITAR CONTEÚDOS E NAVEGAR EM UM WIKI Para editar u adicinar nvs cnteúds, cm imagens e tabelas, basta usar espaç de ediçã de texts d própri ambiente.

17 Para navegar n wiki, existem quatr entradas, na parte superir da tela de ediçã, a saber: Visualizar, Editar, Links e Históric. Visualizar: md de visualizaçã das páginas d wiki. Editar: permite a ediçã de texts.. Links: mstra as páginas que têm pnts de ligaçã cm sua página, u seja, as páginas cm links (wikis). Históric: apresenta tdas as ações realizadas pels participantes e a descriçã de detalhes da cnstruçã d Wiki. O clabradr tem três frmas de atuaçã: Navegar: permite visualizar cada versã da página; Recuperar: permite a recuperaçã de uma versã antiga de uma página. Uma vez salva a mudança, esta passa a ser a mais nva versã da página; Dif.: mstra as diferenças entre duas versões cnsecutivas da página, send que acréscims apresentam símbl +, enquant trechs eliminads apresentam símbl -. Figura 16 Acréscims e edições em um Wiki.

18 2.2 Blg N Mdle, pdems criar um blg pessal, que pderá ser cmpartilhad pr tds s participantes. Para acessar essa ferramenta, basta clicar n seu perfil, esclher a aba Blg e selecinar a pçã Acrescentar nv text, destacad em vermelh na imagem que se segue. Figura 17 Acréscims de um text n Blg. A selecinar a pçã "Acrescentar nv text", aparecerá um frmulári n qual se deverá digitar títul, cnteúd e demais infrmações sbre text a ser publicad, inclusive as tags (palavraschave u etiquetas) que irã categrizar text. Deve-se ainda definir qual nível de visibilidade que blg terá, pdend ser ttalmente públic, dispnível apenas para usuáris cadastrads u dispnível apenas para própri autr (rascunh). Figura 18 Redaçã de um text n Blg. Dada a simplicidade dessa ferramenta, s aluns pdem utilizar-se dela para prduzir texts que psterirmente pssam usar para prduçã de trabalhs mais elabrads.

19 2.4 Liçã A Liçã é uma atividade que articula a apresentaçã de cnteúds cm pssibilidade de avaliaçã ligada a tema em estud. Dessa frma, difere ds demais recurss e ferramentas d ambiente Mdle. A liçã cnstitui-se de cert númer de páginas separadas pr uma barra de navegaçã u tópics exibids n menu lateral. Cada página prprcina a criaçã de uma questã que requer uma alternativa crreta. A liçã permite que prfessr crie estratégias de aprendizagem baseadas em pressupsts. Pr exempl, para alun ir para a questã 2, ele tem de ter passad u acertad a questã 1. Dependend da respsta esclhida pel estudante, ele prssegue para a liçã seguinte u retrna para a mesma página. Ou seja, alun só pde acessar a Liçã 3 após ter cmpletad a Liçã 2. A navegaçã pelas páginas de uma liçã pde ser linear (cntínua d cmeç a fim da liçã) u ter frma mais cmplexa, dependend das estratégias d prfessr/tutr. A Liçã pde ser desenvlvida cm uma estrutura simples de apresentaçã de cnteúds, em frma de slides (PwerPint), tela u página de text, e ter um sistema de navegaçã para avançar e retrceder nas páginas de cnteúd. O númer de páginas de uma Liçã é determinad pel prfessr. As questões integradas também pdem ser de diverss tips, a saber: Múltipla esclha u Seleçã; Verdadeir / Fals; Respsta breve; Numérica; Assciaçã; Dissertaçã. Dica: A final da Liçã, prfessr pde ptar pr fazer uma recapitulaçã d text apresentad, lançar questões para reflexã u prblematizadras u ainda inserir questões para avaliaçã. É imprtante lembrar que a Liçã nã precisa necessariamente ser um recurs/atividade integrad à

20 avaliaçã e nta d alun, pdend ser apenas um exercíci u um espaç para rientaçã d alun na abertura de um tópic u módul temátic d curs. Observe exempl de uma Liçã n Mdle: Figura 23 Liçã Fnte: Prjet Guri Online Curss de Perfrmance e Pedaggia Musical Vilã O exempl apresenta uma página cm uma imagem e text. Nesse exempl, nã fram adicinadas questões a final da página, mas apenas um btã para avançar. D lad esquerd da tela, pdems bservar um menu lateral que também pde ser utilizad para navegaçã entre as diferentes páginas. Dica: Esse tip de atividade é mais cmplexa. O prfessr/tutr precisa planejar cm cuidad a seqüência de navegaçã d alun, direcinand- para páginas específicas. Outr pnt imprtante: na cnfiguraçã da liçã, é pssível esclher uma dependência a uma liçã anterir. Assim, alun só cnsegue avançar n curs se participar das lições anterires. Em seguida, é necessári cnfigurar a Liçã. Nme: títul da Liçã; Limite de temp: prfessr pde determinar se a Liçã terá um limite de temp para ser executada;

21 Númer máxim de respstas/seções: númer máxim de alternativas numa questã que prfessr pde usar: pr exempl, em questões de múltipla esclha, mais cmum é ter 5 respstas, já nas de verdadeir u fals, 2. Exercíci: prfessr pde decidir incluir u nã questões para avaliaçã u apenas cm exercíci (sem avaliaçã e nta); Pntuaçã persnalizada: cada exercíci de uma Liçã crrespnde a uma pntuaçã; Nta máxima: crrespnde a valr ttal da nta da Liçã; Estudante pde tentar nvamente: permite a melhria da nta pr parte d alun pssibilitand-lhe pder refazer a Liçã; Calculand resultad das tentativas: permite a cmbinaçã das ntas, quand alun fizer várias tentativas; Visualizar pntuaçã crrente: prfessr indica a alun a pntuaçã btida durante a Liçã; Permitir revisã pel estudante: s aluns pdem rever respstas dadas e alterá-las; Mstrar btã revisã: prfessr esclhe a pçã de revisã para permitir que alun faça uma nva tentativa, quand der uma respsta incrreta; Númer máxim de tentativas: crrespnde a númer de vezes que uma questã pde ser respndida pel mesm alun; Açã após uma respsta crreta: pde ser ligada à navegaçã prgressiva na Liçã u a uma estrutura de apresentaçã d text; Mstrar feedback padrã: prfessr pde criar uma mensagem de feedback padrã que será mstrada após a respsta de cada questã; Númer mínim de questões: quantidade mínima requerida para alun percrrer: pr exempl, existem 30 questões, mas alun tem de percrrer pel mens 20 para bter uma nta razável; assim, se ele percrreu 19 e acertu as 19 questões, sua nta será calcula cnsiderand-se 19 de 20 questões. Númer de páginas a serem mstradas: limita a infrmaçã a ser mstrada a alun e independe da estrutura de navegaçã; nã é necessári usar esse limite quand a estrutura já está definida; Apresentaçã de slides: pçã a ser cnfigurada sempre que prfessr enviar cnteúd em.ppt; Liçã prtegida pr senha: útil apenas quand um grup de aluns cm senha pde realizar a Liçã;

22 Dependente de: prfessr pde interligar uma série de Lições u cnteúds de tal frma que alun smente pssa fazer a Liçã que lhe fi prpsta se já tiver feit uma utra Liçã que lhe servirá de pré-requisit; Arquiv u página web em janela pp-up: selecinad, cas prfessr queira que cnteúd da Liçã seja uma página web, carregada em uma nva janela; Link a uma atividade: prfessr pde ligar a Liçã a um Fórum u a alguma utra atividade d curs; Visível u nã para s aluns: nessa pçã, prfessr pde esclher mment exat em que a atividade estará dispnível as aluns, pdend u nã estar atrelada a um limite de temp. Dica: A cnfigurar uma Liçã, prfessr/tutr deve ter clar s bjetivs que fizeram ptar pr esse tip de recurs/atividade. A autria d cnteúd, nesse cas, é principalmente d prfessr, que pde escrever texts u enviar arquivs. Opçã de avaliaçã: Exercíci: s resultads nã sã cmputads cm ntas. Pntuaçã persnalizada: permite que cada respsta a uma questã tenha uma nta diferente. Sã permitidas ntas psitivas e negativas. Nta máxima: valr ttal da liçã. Estudante pde tentar nvamente: permite que prfessr/tutr selecine se a liçã pde ser visualizada uma u mais vezes. Lidand cm nvas tentativas: critéri para cmbinar as ntas, quand fr pssível visualizar a liçã mais de uma vez. Visualizar pntuaçã crrente: permite a alun acmpanhar sua pntuaçã na Liçã. Cntrle de flux Permitir revisã pel estudante: permite (u nã) que s aluns acessem páginas já visitadas para mudar as respstas. Mstrar btã de revisã: permite a estudante vltar para tentar respnder nvamente a uma questã. Númer máxim de tentativas: determina númer máxim de tentativas que um alun pde fazer para respnder a qualquer questã em uma liçã. Açã depis da respsta crreta: a açã mais cmum é seguir a indicaçã da respsta dada (pr exempl, se crreta a respsta, seguir para a próxima página). A Liçã é cnstruída cm uma cleçã de páginas cm infrmações e perguntas, sem uma rdem prédefinida. A esclha Mstre uma página nã vista permite mstrar a estudante uma página

23 que ele ainda nã visitu, sempre que respnder à questã da página que está visitand (mesm que a respsta nã seja crreta). A utra pçã, Mstrar uma página nã respndida permite que estudante veja uma página já visitada, mas cuja pergunta ele tenha respndid de frma incrreta. Númer mínim de Questões: estabelece númer mínim de questões que alun deve respnder em uma Liçã. Númer de páginas (fichas) a serem mstradas: valr padrã nesse item é sempre zer. Prém, se esse parâmetr fr fixad em um valr mair que númer de páginas na liçã, entã final da liçã é atingid quand tdas as páginas tiverem sid mstradas. Inserind cnteúd na liçã: Imprtar questões: permite imprtar questões de arquivs externs enviads para ambiente cm us de um frmulári. Frmat d dcument: (GIFT) esse frmat fi prjetad para se cnstituir em um métd fácil de escrever questões em um arquiv text. Suprta questões d tip múltiplaesclha, verdadeir/fals, respsta curta e questões numéricas, além de questões que demandem cmpletar uma frase cm uma palavra que está faltand. A lista de frmats é lnga e cm alternativas variadas. A imprtaçã de questões deve ser bjet de pesquisa pr parte d prfessr. Lembre-se: nã tenha med de errar, pis tud pde ser revertid n Mdle. Imprtar PwerPint: pssibilita a prfessr enviar um arquiv em frmat PwerPint para apresentar em frmat de liçã. Para tant, sã necessáris s passs: Abra sua apresentaçã em MS PwerPint; Salve-a cm uma Página Web (sem pções especiais); Cmpacte arquiv (cm ZIP) da pasta cntend a apresentaçã; Lcalize arquiv cmpactad da apresentaçã em seu cmputadr e clique em Enviar este arquiv. Inserind páginas cm questões: Vale a pena destacar alguns pnts nesse tópic: Uma página cntém text, figuras, equações e, nrmalmente, termina cm uma questã. Daí a expressã Página cm questões. Cada respsta a uma questã pde ter um text que é mstrad se a respsta fr esclhida. A próxima página a ser vista é determinada pela lógica usada na cnstruçã da liçã. Essa é a rdem vista pel prfessr, a qual, aliás, pde ser mudada mvend-se as páginas para cima u para baix na tela de páginas da liçã (só vista pel prfessr).

24 O númer de alternativas de respsta pde variar de página para página. Pr exempl, uma página pde ter uma questã d tip Verdadeir/Fals, e utra, uma questã cm quatr alternativas de respsta, send uma delas crreta. Para cnstruçã de uma página cm questã d tip múltipla esclha, s camps descrits a seguir devem ser preenchids: Multirrespsta: Para decidir se a questã tem uma u mais alternativas crretas. Títul da página: clcar títul da página. Pr exempl, send essa a primeira página da primeira seçã, seria pssível clcar seçã001. Cnteúd da página: aqui, é pssível clcar (inclusive imagem, gráfics etc.) text da primeira página, da primeira liçã. Quant a enunciad da liçã, deve ser clcad na parte inferir da página. Para inserir as alternativas de respstas: Respsta: enunciad da primeira alternativa de respsta; Cmentári: feedback, quand estudante esclher tal respsta; Pntuaçã: 0 u 1, em que 1 representa a respsta crreta da questã. Destinaçã: permite cnfigurar para qual página respndente será levad após esclher uma alternativa. Para questões que cntenham mais de uma alternativa crreta, pel mens duas questões terã de ser esclhidas cm alternativas crretas na pçã Pntuaçã. Inserind página cm painel de navegaçã: Para lições cm um flux usual, u seja, para lições que tenham a estrutura descrita, essa página é a tela de abertura da liçã (na visã ds estudantes). Títul da página: títul da página (pde ser títul da própria liçã). Cnteúd da página: bjetiv da liçã, as seções em que estã divididas e a frma de avaliaçã (cm u sem nta, númer mínim de questões a serem respndidas etc.). Permite a cnstruçã d índice da liçã (texts que vã aparecer ns btões de navegaçã pelas seções da liçã). Observe que há dis camps padrã para cada descriçã/texts (variand seu númer de 1 a 4). Ordenar s btões das seções hrizntalmente?: define se s btões de navegaçã pelas seções sã mstrads alinhads hrizntalmente u na vertical. Mstrar n menu à esquerda?: apresenta u nã menu lateral. Descriçã 1: text que aparecerá n btã de navegaçã.

25 Destinaçã 1: define nme que será atribuíd à primeira página da seçã indicada n camp anterir. Cm a liçã pde estar em seu iníci (e nã há ainda a primeira página da primeira seçã), pde-se deixar um nme prvisóri (pr exempl, próxima página) e vltar a essa página para crrigir a navegaçã mais tarde.

26 2.5 Base de Dads A base de dads é uma ferramenta d Mdle que serve para cleta seletiva de dads e a cmpsiçã de um banc de infrmações em um curs. Neste curs, fi utilizada cm uma área para uplad e dwnlad de arquivs, cm pçã para cmpartilhament e cmentáris ds itens pstads. Essa utilizaçã fi intitulada de Galeria, uma vez que permite as seguintes ações: Apresentaçã de atividades/arquivs pels participantes. Cmpartilhament de arquivs. Acess às atividades/arquivs ds demais participantes. Cmentári das atividades ds demais participantes. Espaç privilegiad para interaçã e trcas entre s aluns e tutres. Prtfóli da turma. Exempl de utilizaçã da Base de dads: Galeria Figura 24 Base de dads Exempl de Prpsiçã Inicial Fnte Curs Educaçã a Distância na Prática PUC SP

27 Exempls de camps que pdem ser criads: Imagens; Texts, área de text; Arquivs ( apresentaçã u slides em PPT., dcuments, planilhas etc.); Url (endereç eletrônic); Data (ex: data da pstagem); Menu (múltipla esclha); 1. Plan de Avaliaçã e Pntuaçã n Mdle O AVA Mdle permite registr e atribuiçã de ntas para as diferente atividades realizadas pr um alun a lng de um curs. Dessa frma, é pssível atribuir pnts às participações d alun em um debate n Fórumu em uma atividade enviada pela ferramenta Tarefa, de acrd cm plan de avaliaçã cncebid para curs. Pr iss, cnhecer quais recurss e atividades d ambiente pdem ser avaliads e planejar a atribuiçã de pntuaçã é uma das d prfessr/tutr. Para entender sistema de avaliaçã d Mdle, deve-se cnsiderar que ambiente virtual pssui um sistema de ntas. Esse sistema permite a prfessr/tutr atribuir ntas em um interval abslut de valres (tal cm de 0 a 100) e rganizar as avaliações em (pr exempl, avaliaçã bimestral, trimestral e final). Qualquer alteraçã d Plan de Avaliações para td curs pde ser acmdad dentr d sistema, cm alterações manuais de ntas u atribuiçã de nvas escalas u classificações. Iss significa que, cas prfessr tenha planejad 3 avaliações em um semestre, pde readaptar s plans se, pr algum mtiv, uma avaliaçã nã pssa ser feita. Supnd que uma avaliaçã seja uma Liçã cm data e hrári marcad e haja uma greve nacinal, prfessr terá de cancelar aquela atividade e substitui-la pr utra. Tds esses acnteciments pdem ser cnfigurads n espaç de ntas. Verems mais sbre esse assunt n item 3. Os usuáris administradr e prfessr/tutr pdem cnfigurar sistema de ntas, mas plan das avaliações de um curs deve ser desenvlvid durante Prcess de Planejament e Prduçã de um Curs em EaD.

28 2. Atribuiçã das ntas A atribuiçã de ntas d Mdle pde ser feita em tdas as ferramentas (recurss e atividades) de um curs u em algumas atividades específicas. Há, inclusive, exempls de curss cm uma única nta que sintetiza td prpcess avaliativ d alun a lng d curs. Figura 1 Exempl de Tópic cm Atividades para Avaliaçã. Fnte: Curs Frmaçã Cntinuada em EAD PUC-SP N exempl apresentad, smatóri de tdas as ntas atinge 100 pnts n máxim. Os pnts fram indicads ns títuls das atividades. O prfessr pderia também incluir uma nta explicativa sbre as avaliações e relembrar as aluns a nta mínima para aprvaçã. Supnd que a nta de aprvaçã fsse de 70 pnts, alun teria de participar de, n mínim, 3 atividades. Além das atividades durante curs, prfessr pde ptar pr criar também um tópic de recuperaçã. Esse tópic seria abert n final d curs e permaneceria algum temp após praz das atividades ter-se encerrad. Os aluns que nã tiveram temp de participar durante praz previst, teriam, prtant, uma última chance. Já s aluns que tiveram bm desempenh n grup, também pderiam participar, mas prfessr pderia ptar pr dar uma nta cmplementar u pr nã dar nta àqueles que estivessem acima da média. A criaçã de um tópic de recuperaçã nã é brigatória, deve ser um acrd entre prfessr d curs e a instituiçã que prcessa a matrícula e a aprvaçã ds aluns para que s prazs ds prcediments de secretaria nã seja afetad. Nã é necessári que tds s itens d tópic de avaliaçã estejam cntemplads dentr de uma escala de pnts. Texts para discussã u apresentações que rientarã atividades sã materiais de api e sua leitura nã resultará em pnts. Apenas as atividades sã passíveis de pntuaçã. N exempl acima, text A nã acmpanha descriçã de pntuaçã n títul d recurs.

29 D mesm md, é pssível que algumas das atividades prpstas em um curs nã permitam a atribuiçã de pnts diretamente n Mdle, cm é cas das atividades que envlvem a leitura de materiais de api. Nesses cass é pssível a atribuiçã manual de pnts pel prfessr/tutr. Essa nta pde ser btida através da análise ds relatóris emitids pel sistema e da avaliaçã d prfessr/tutr sbre a participaçã d alunad. Essa avaliaçã pde basear-se em critéris bjetivs (pr exempl, 5 pnts para cada text lid) u subjetivs (pr exempl, qualidade das pstagens em fóruns, assiduidade e regularidade na participaçã etc.). Dica: Para cnfigurar sistema de ntas, é imprtante fazer testes prévis n curs cm um usuári prfessr/tutr e utr estudante. Assim, verifica-se prcess pel qual as atividades pdem ser pntuadas. A. 2.1 ATIVIDADES ÀS QUAIS PODEM SER ATRIBUÍDAS NOTAS Ht Ptates A ferramenta Ht Ptates utiliza-se de um prgrama extern a Mdle e envlve us de exercícis d tip múltipla escla (questináris, fals e verdadeir, preenchiment de lacunas etc.) cm crreçã autmática. Esse prgrama é bastante usad em diferentes países. A ferramenta varia de acrd cm a cnfiguraçã lcal d Mdle, pis depende de estruturas précnfiguradas pel administradr de Mdle da instituiçã. Pr iss, nã será abrdada cm detalhes neste Guia. Cabe ressaltar, n entant, que Mdle pssui ferramenta semelhante. A atribuiçã de pnts para as atividades realizadas n prgrama Ht Ptates pde ser feita pr mei de um frmulári, para permitir que alun realize a tarefa apenas uma vez u vlte a exercíci e tente melhrar seus pnts, fazend uma revisã. Figura 2 Inclusã de ntas na atividade Ht Ptates

30 2.1.2 Diári O Diári é uma atividade pssível de ser pntuada. O prfessr pde determinar um númer máxim de pnts e avaliar cnteúd escrit pel alun e ntar a data em que participu. É também cmum que Diári passe a fazer parte de uma nta subjetiva de participaçã que pssa vir a ser atribuída diretamente n espaç Ntas. Cas alun participe dentr d praz pré-determinad, pde ser recmpensad pr sua participaçã. Cada antaçã que alun faz n diári pde ser cmentada n espaç de feedback d prfessr. O alun pde, inclusive, ler feedback e cmplementar as antações em seu diári. Pr ter a respsta em frmat dissertativ, critéri de avaliaçã d diári pde ser subjetiv. É imprtante, n entant, ter em mente que essa é uma das atividades mais usadas para cmunicaçã cm prfessr, pdend gerar uma nta de participaçã. Figura 5 Exempl de inclusã de ntas na atividade Diári. A inclusã de ntas n Diári deve estar prevista n plan de avaliaçã d curs Fórum O Fórum é a atividade mais cmum em curss que se utilizam d AVA Mdle. Entretant, a quantidade de pções de avaliaçã que essa ferramenta pssui é puc explrada. Há, inclusive, uma escala feita especialmente para Fórum que pde ser utilizada em utras atividades.

31 Figura 8 Inserçã da nta de avaliaçã n Fórum A atribuiçã de pnts para Fórum pde ser feita para um determinad interval de temp. Assim, mesm que Fórum fique abert pr 3 u 4 meses, prfessr pde, pr exempl, permitir que s prfesspres/tutres avaliem s aluns smente em um determinad dia. Quand a nta nã é atribuída em valr abslut, pde ser atribuída utra escala, tal cm Frmas de saber cnectada e destacada. Essa escala é utilizada para indicar quand uma pstagem n Fórum é cnectada, u seja, relacinada à de utrs clegas. Visa, ainda, valrizar pder de discussã d Fórum. Verems mais sbre a escala n item 5.3 deste Guia. Sua explicaçã cnsta d text de ajuda d Mdle, na cnfiguraçã d Fórum e n espaç de Ntas. Além ds valres, prfessr também tem de decidir Tip de Agregaçã. Iss definirá cm as ntas dadas às pstagens serã calculadas para que se chegue a uma única nta final. Os Tips de Agregaçã sã: Nta Média A média de tdas as ntas dadas às pstagens de um determinad Fórum. Útil quand váris avaliadres, cm diferentes pnts de vista, avaliam as pstagens de um alun. Númer de Ntas A cntagem d númer de pstagens é a nta final d alun. Entretant, a nta máxima é limite da cntagem. Assim, se a nta máxima fr 5 e um alun tiver participad d Fórum 10 vezes, cntinuará cm nta 5. Nta Máxima A nta máxima a uma pstagem é cnsiderada a nta final. Essa esclha destaca melhr cnteúd pstad pr um participante, incentivand a participaçã d alun,assim cm s cmentáris ds clegas. Nta Mínima A nta menr btida em tdas as pstagens é cnsiderada a nta final d alun. Esse métd incentiva a participaçã e a cntribuiçã em tdas as mensagens ds aluns. Smatóri das Ntas Tdas as ntas dadas às pstagens sã smadas, e resultad será a nta final. O ttal nã excederá limite da nta máxima Glssári A avaliaçã d Glssári pde ser feita pels prfessres/tutres u pr tda a turma. Pr ser uma atividade clabrativa, a participaçã n Glssári pr si só pde gerar uma nta para alun.

1 Criando uma conta no EndNote

1 Criando uma conta no EndNote O EndNte Basic (anterirmente cnhecid pr EndNte Web), é um sftware gerenciadr de referências desenvlvid pela Editra Thmsn Reuters. Permite rganizar referências bibligráficas para citaçã em artigs, mngrafias,

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE - VERSÃO 2.2 MANUAL DO PROFESSOR

AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE - VERSÃO 2.2 MANUAL DO PROFESSOR Pntifícia Universidade Católica d Ri Grande d Sul AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE - VERSÃO 2.2 MANUAL DO PROFESSOR Organizaçã Equipe da CEAD MAIO DE 2012 Prt Alegre - RS - Brasil Fne: (51) 3320-3651

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ACESSO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS

ORIENTAÇÕES PARA ACESSO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS ORIENTAÇÕES PARA ACESSO ÀS ATIVIDADES ACADÊMICAS Apresentaçã A ESMPU adtu cm platafrma de educaçã a distância Mdle, um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) que prprcina a ferta das mais diversas atividades

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação

Guia Sphinx: Instalação, Reposição e Renovação Guia Sphinx: Instalaçã, Repsiçã e Renvaçã V 5.1.0.8 Instalaçã Antes de instalar Sphinx Se vcê pssuir uma versã anterir d Sphinx (versões 1.x, 2.x, 3.x, 4.x, 5.0, 5.1.0.X) u entã a versã de Demnstraçã d

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS

WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS WEBSITE LOJAS JOMÓVEIS Manual d Usuári Elabrad pela W3 Autmaçã e Sistemas Infrmaçã de Prpriedade d Grup Jmóveis Este dcument, cm tdas as infrmações nele cntidas, é cnfidencial e de prpriedade d Grup Jmóveis,

Leia mais

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual

Segue abaixo projeto para desenvolvimento de novo website para loja Virtual Lja Virtual Desenvlviment FrmigaNegócis Orçament: /2012 Cliente: Respnsável: Prjet: Lja virtual Telefne: Frmiga (MG), de de 2012 Intrduçã Segue abaix prjet para desenvlviment de nv website para lja Virtual

Leia mais

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário

CRC-MG Central de Registro Civil de Minas Gerais Certidão Online - Serventia. Manual do usuário CRC-MG Central de Registr Civil de Minas Gerais Certidã Online - Serventia Manual d usuári Prefáci Data: 30/01/2015 Versã dcument: 1.0 1. COMO ACESSAR O MÓDULO DA CERTIDÃO ONLINE... 04 2. OPÇÕES DE PEDIDOS

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO

DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO DOCUMENTAÇÃO DA VERSÃO V2.04 S4 Página 1 de 14 INDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.04 DO SST...3 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.04...3 PRESTADOR...3 Relatóri de Metas...3 CLIENTE...4 Tela

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOGRAFIAS/IMAGENS

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Todos os direitos reservados Versão 1.2

Todos os direitos reservados Versão 1.2 Guia de Relatóris Tds s direits reservads Versã 1.2 1 Guia de Relatóris Índice 1 Pedids... 3 1.1 Mnitr de Pedids... 3 1.2 Pedids... 4 1.3 Estatísticas de Pedids... 5 1.4 Acess e Cnsum... 7 1.5 Pedids pr

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalaçã Prdut: n-hst Versã d prdut: 4.1 Autr: Aline Della Justina Versã d dcument: 1 Versã d template: Data: 30/07/01 Dcument destinad a: Parceirs NDDigital, técnics de suprte, analistas de

Leia mais

Processo TCar Balanço Móbile

Processo TCar Balanço Móbile Prcess TCar Balanç Móbile Tecinc Infrmática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Centr Cascavel PR 1 Sumári Intrduçã... 3 Funcinalidade... 3 1 Exprtaçã Arquiv Cletr de Dads (Sistema TCar)... 4 1.1 Funcinalidade...

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO ÍNDICE QUE VALORES [MASTERSAF DFE] TRAZEM PARA VOCÊ? 1. VISÃO GERAL E REQUISITOS PARA INSTALAÇÃO... 2 1.1. AMBIENTE... 2 1.2. BANCO DE DADOS... 4 2. BAIXANDO OS INSTALADORES DO DFE MASTERSAF... 5 3. INICIANDO

Leia mais

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013.

Versões Todos os módulos devem ser atualizados para as versões a partir de 03 de outubro de 2013. Serviç de Acess as Móduls d Sistema HK (SAR e SCF) Desenvlvems uma nva ferramenta cm bjetiv de direcinar acess ds usuáris apenas as Móduls que devem ser de direit, levand em cnsideraçã departament de cada

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22

Manual do Usuário. Interface do cliente. Copyright 2012 BroadNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 Manual d Usuári Interface d cliente Cpyright 2012 BradNeeds Rev. 20120828 Página 1 de 22 INDICE INDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 REQUISITOS MÍNIMOS... 3 BENEFÍCIOS... 3 APLICAÇÕES... 4 INICIANDO O APLICATIVO...

Leia mais

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação

Orientação Módulo: Consulta e Resposta à Notificação Ministéri d Trabalh e Previdência Scial Secretaria de Plíticas de Previdência Scial Departament ds Regimes de Previdência n Serviç Públic Crdenaçã-Geral de Atuária Cntabilidade e Investiments Orientaçã

Leia mais

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA

Orientações para a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) Versão 14.01 Soluções SPDATA 2015 Orientações para a Escrituraçã Cntábil Digital (Sped Cntábil) Versã 14.01 Sluções SPDATA Equipe SAT Análise Desenvlviment e Qualidade de Sftware 07/04/2015 Sumári Objetiv... 3 Cnsiderações gerais...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão

Manual de Operação WEB SisAmil - Gestão Manual de Operaçã WEB SisAmil - Gestã Credenciads Médics 1 Índice 1. Acess Gestã SisAmil...01 2. Autrizaçã a. Inclusã de Pedid...01 b. Alteraçã de Pedid...10 c. Cancelament de Pedid...11 d. Anexs d Pedid...12

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho

Documentação de Versão Projeto Saúde e Segurança do Trabalho Prjet Saúde e Segurança d Trabalh DATA: tt/3/yy Pág 1 de 8 ÍNDICE ALTERAÇÕES IMPLEMENTADAS NA VERSÃO 2.2 DO SST... 2 ITENS DE MENU CRIADOS PARA A VERSÃO 2.2... 2 SEGURANÇA... 2 SAÚDE... 2 SAÚDE/AUDIOMETRIA...

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

Manual. Autorizador da UNIMED

Manual. Autorizador da UNIMED Manual Prtal Autrizadr da UNIMED Pass a Pass para um jeit simples de trabalhar cm Nv Prtal Unimed 1. Períd de Atualizaçã Prezads Cperads e Rede Credenciada, A Unimed Sul Capixaba irá atualizar seu sistema

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

BANKSYNC ALGORITMO PARA GERAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS (DLL)

BANKSYNC ALGORITMO PARA GERAÇÃO DO CÓDIGO DE BARRAS (DLL) OBJETIVO O algritm para geraçã d códig de barras (dll) utilizad n SAP Business One (SBO) deve ser instalad e cnfigurad adequadamente para pssibilitar a visualizaçã e impressã de blets lcalmente, assim

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK

COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK COMO CONFIGURAR SUA(S) CONTA(S) NO MICROSOFT OFFICE OUTLOOK Use as instruções de acrd cm a versã d seu Outlk (2010, 2007 u 2003) Para saber a versã de seu Outlk, clique n menu Ajuda > Sbre Micrsft Office

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RT3 - Avaliação dos resultados do protótipo GT-ATER: Aceleraçã d Transprte de Dads cm Empreg de Redes de Circuits Dinâmics RT3 - Avaliaçã ds resultads d prtótip Sand Luz Crrêa Kleber Vieira Cards 03/08/2013 1. Apresentaçã d prtótip desenvlvid Nesta

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas

Processador de Texto Funcionalidades Avançadas Prcessadr de Text Funcinalidades Avançadas ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 MODELOS...4 Criar Mdels...5 MODELO NORMAL...6 Alterar mdel Nrmal.dtm...7 IMPRESSÃO EM SÉRIE MAILINGS...7 Cartas e mensagens de crrei electrónic...8

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Manual de Configuração

Manual de Configuração Manual de Cnfiguraçã Pnt de Venda (PDV) Versã: 1.1 Índice 1 EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.1 INSTALANDO O TERMINAL EASYASSIST PONTO DE VENDA (PDV)... 3 1.2 CAPTURANDO O NÚMERO DE SÉRIE E O GT DO

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL

GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL GUIA DE USO DO TECLADO VIRTUAL A Indra, através das Cátedras de Tecnlgias Acessíveis que prmve em clabraçã cm a Fundaçã Adecc e diversas universidades espanhlas, apiu desenvlviment em cnjunt cm a Universidade

Leia mais

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário

MTUR Sistema FISCON. Manual do Usuário MTUR Sistema FISCON Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 5 4.1. CADASTRAR CONVENENTE... 5 4.2. INSERIR FOTOS DOS CONVÊNIOS...

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1

Manual de configuração de equipamento Huawei G73. Huawei G73. Pagina 1 Manual de cnfiguraçã de equipament Huawei G73 Huawei G73 Pagina 1 Índice 1. Breve intrduçã... 3 2. Guia rápid de utilizaçã...errr! Bkmark nt defined. 3. Serviçs e Funcinalidades suprtads...errr! Bkmark

Leia mais

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection)

2º Passo Criar a conexão via ODBC (Object DataBase Conection) Prjet de Sexta-feira: Prfessra Lucélia 1º Pass Criar banc de dads u selecinar banc de dads. Ntas: Camps nas tabelas nã pdem cnter caracteres acentuads, especiais e exclusivs de línguas latinas. Nã há necessidade

Leia mais

Event Viewer - Criando um Custom View

Event Viewer - Criando um Custom View Event Viewer - Criand um Custm View Qui, 06 de Nvembr de 2008 18:21 Escrit pr Daniel Dnda Cnhecend Event Viewer Muit imprtante na manutençã e mnitrament de servidres Event Viewer é uma ferramenta que gera

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Colaboradores. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Clabradres Tutrial Atualizad cm a versã 3.9 Cpyright 2009 pr JExperts Tecnlgia Ltda. tds direits reservads. É pribida a reprduçã deste manual sem autrizaçã prévia e pr escrit da JExperts Tecnlgia

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Microsoft Live Meeting 2007 Manual Para Programar Reuniões

Microsoft Live Meeting 2007 Manual Para Programar Reuniões M A N U A L D O A D M I N I S T R A D O R Micrsft Live Meeting 2007 Manual Para Prgramar Reuniões Intrduçã Esta seçã detalha cm ter acess a sua cnta e estabelecer suas pções predeterminadas de reuniã.

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP

Dissídio Retroativo. Cálculos INSS, FGTS e geração da SEFIP Dissídi Retrativ Cálculs INSS, FGTS e geraçã da SEFIP A rtina de Cálcul de Dissídi Retrativ fi reestruturada para atender a legislaçã da Previdência Scial. A rtina de Aument Salarial (GPER200) deve ser

Leia mais

Mensagem do atendimento ao cliente

Mensagem do atendimento ao cliente ASSUNTO: Cisc WebEx: Patch padrã a ser aplicad em [[DATA]] para [[WEBEXURL]] Cisc WebEx: Patch padrã em [[DATA]] A Cisc WebEx está enviand esta mensagem para s principais cntats de negóci em https://[[webexurl]]

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente

Sistema de Comercialização de Radiofármacos - Manual do Cliente Sistema de Cmercializaçã de Radifármacs - Manual d Cliente O IEN está dispnibilizand para s seus clientes um nv sistema para a slicitaçã ds radifármacs. Este nv sistema permitirá a cliente nã só fazer

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

MS PROJECT MS PROJECT 2007 PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS PET ENGENHARIA CIVIL UFPR

MS PROJECT MS PROJECT 2007 PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS PET ENGENHARIA CIVIL UFPR MS PROJECT 2007 PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS MS PROJECT PET ENGENHARIA CIVIL UFPR 2010 Temprada de Curss PET Engenharia Civil MS Prject 2007 GRUPO PET CIVIL 2010 Alexandre Beê Amaral Gabriel

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Roteiro de Implantação Estoque

Roteiro de Implantação Estoque Rteir de Implantaçã Estque Revisã: 23/07/2004 Abrangência Versã 7.10 Cadastrs Básics Dicas: Explique a necessidade d preenchiment ds brigatóris (camps na cr azul). Verifique se cliente necessita que mais

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais