Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações"

Transcrição

1 ANABELA MESQUITA TEIXEIRA SARMENTO Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações Estudo de Casos de Adopção e Utilização de Sistemas Workflow Dissertação apresentada na Universidade do Minho com vista à obtenção do grau de Doutor em Tecnologias e Sistemas de Informação (Engenharia e Gestão de Sistemas de Informação) Universidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação

2 ii ANABELA MESQUITA TEIXEIRA SARMENTO Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações Estudo de Casos de Adopção e Utilização de Sistemas Workflow Trabalho realizado sob a orientação do Professor Doutor Altamiro Barbosa Machado e do Professor João Álvaro Carvalho Departamento de Sistemas de Informação Escola de Engenharia Universidade do Minho Dissertação apresentada para a obtenção do Grau de Doutor em Tecnologias e Sistemas de Informação (Engenharia e Gestão de Sistemas de Informação) Universidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação

3 iii Dedicatória Dedico este trabalho ao Ivo, ao Pedro Ivo e ao Nuno, pelo apoio constante, sacrifícios e tempo que não lhes pude dedicar, aos meus pais, porque sempre acreditaram, e ao Professor Altamiro com quem tanto aprendi...

4 iv Agradecimentos A realização deste estudo não teria sido possível se não tivesse podido contar com a colaboração e o apoio de todos aqueles a quem agora quero expressar o meu mais profundo e sincero reconhecimento. No plano pessoal, é devido um reconhecimento muito especial à orientação do Professor Doutor Altamiro Barbosa Machado, que tão precocemente nos deixou. A sua disponibilidade, as suas palavras de encorajamento e de força, a colaboração na leitura prévia dos vários textos e a sua paciência merecem a minha mais profunda gratidão. Quero também agradecer ao Professor Doutor João Álvaro Carvalho os seus comentários e sugestões, sem os quais o trabalho teria ficado, sem dúvida, mais pobre. Aos responsáveis, e todos os outros elementos das empresas que aceitaram participar neste trabalho, vai um reconhecimento sincero da sua valiosa e desinteressada colaboração. A componente empírica não teria sido possível sem a sua ajuda. Agradeço também aos meus colegas e amigos do ISCAP, Professora Doutora Isabel Vieira e Professor Doutor Freitas Santos pela sua inestimável ajuda. Ao meu colega e amigo, Dr. Mário Lousã, vai também o meu agradecimento pelos contributos partilhados ao longo deste percurso. Aos colegas do grupo MOISIG (Teresa Rebelo, Leonor Cardoso, João Batista, Rosalina Babo e Mário Lousã), o meu obrigado pelo apoio, pela partilha, pelo crescimento em conjunto. À Professora Doutora Ana Maria Ramalho Correia um agradecimento muito especial pela sua amizade, encorajamento e a partilha de experiência e sabedoria. À Begoña Campos, da Universidade de Vigo, agradeço a sua colaboração e incentivo. Agradeço ainda ao Dr. Fernão Perestrelo, Colette Bernier, Zita DeKonninck e Rudy Lelouche que, aquando da minha estada na Université Laval (Québec, Canadá), me receberam tão bem, contribuindo para este estudo com sugestões valiosas. Quero também agradecer ao Professor Doutor Brandão Moniz, da UNINOVA, ao Professor Doutor Carlos Cabral Cardoso, da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, ao Dr. António Bento do ISEG UTL, à Dra. Helena Serra do ISCTE, à Dra. Fátima Suleman, do INOFOR, à Dra. Sandra Moreira, ao Eng. Adelino Oliveira da PT e à Dra. Isabel Pedrosa da ASP, pela cedência de informação e documentação.

5 v Aos investigadores que conheci através da Internet, e com os quais troquei informações, e me cederam as suas mais recentes publicações, o meu sincero agradecimento. No plano institucional, merece especial agradecimento o PRODEP, pela bolsa concedida, que me possibilitou a dedicação exclusiva a este projecto durante quase três anos. Agradeço igualmente à fundação Luso Americana para o Desenvolvimento e à Fundação Calouste Gulbenkian a bolsa concedida para poder participar na conferência internacional PICMET 99, que se realizou em Portland, OR, USA. Agradeço também ao fundo de Investigação do Politécnico o apoio concedido para aquisição de bibliografia. Finalmente, ao Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, agradeço todo o apoio.

6 vi Resumo A importância, e o grau de adopção dos Sistemas Workflow nas organizações, têm vindo a aumentar progressivamente nos últimos anos, um pouco por todo o mundo. Apesar de já existirem alguns estudos no que concerne aos aspectos tecnológicos e computacionais sobre estes sistemas, são raros, ainda, os estudos sobre o seu impacto nas organizações. Também se desconhece o grau de utilização destes sistemas nas organizações portuguesas. A presente dissertação procura contribuir para o preenchimento destas lacunas. Para isso, procedeu-se, numa primeira fase, a uma sondagem que permitiu obter conhecimento sobre o grau de penetração de algumas Tecnologias de Informação, incluindo os sistemas Workflow, em algumas grandes empresas portuguesas. Numa segunda fase, e para estudar o impacto dos sistemas Workflow nas organizações, desenvolveu-se uma estrutura de análise que integrou os domínios onde as mudanças provocadas podem ser mais visíveis. Analisaramse, também, os factores organizacionais que influenciaram o uso desse sistema. Considera-se a organização como um sistema composto por subsistemas e onde as mudanças são resultado de um processo que ocorre ao longo de um dado período de tempo, fruto, não só dos factores organizacionais, mas também das relações de inter-influência que se estabelecem entre eles. A estrutura de análise foi aplicada junto de duas empresas, que constituíram os casos do estudo. A recolha de dados foi efectuada através de entrevista, observação e análise documental, ao que se seguiu uma análise qualitativa de conteúdo. A aplicação desta estrutura de análise revelou que os sistemas Workflow levam a alterações a nível da produtividade, com a redução de tempos globais e eliminação de papel; a nível da comunicação, colaboração e coordenação de tarefas, com a eliminação de barreiras temporais e geográficas, com a uniformização dos processos, a redução das incertezas e ambiguidade dos comportamentos dos utilizadores, entre outros; e a nível do conhecimento e da aprendizagem organizacional, devido à necessidade de se explicitarem informações, anteriormente detidas pelos utilizadores, proceder ao registo dos eventos, contribuindo, assim, para a constituição de parte da memória organizacional, para só citar as mais relevantes. Foi, também, possível observar a importância relativa dos vários factores organizacionais, nomeadamente dos estruturais, tecnológicos, políticos, humanos e culturais, na compreensão das alterações que possam resultar da implementação de um sistema Workflow.

7 vii Abstract The importance and the degree of penetration of Workflow Systems in markets and organisations have developed progressively in the last years, all over the world. Although there are a few studies concerning the computational and technological aspects of these systems, research about their organisational impact is rare. In particular, studies about the degree of penetration of these systems in the portuguese organizations are lacking. This thesis attempts to fill these gaps. The study was developed in two phases. In the first phase a survey about the degree of penetration of Information Technology, and in particular about Workflow Systems, in large portuguese enterprises was carried out. In the second phase, and in order to study the impact of Workflow Systems in organizations, I developed a framework of analysis that integrates the identification of the domains where changes can be observed. I have also analysed the organisational factors that influenced the use of the system. I considered the organisation as a system, composed by sub systems, where changes are the result of a process evolving in a period of time. Changes are the result, not only of the characteristics of organisational factors, but also of the relations that are established among them. The framework of analysis was applied to two enterprises that constituted the cases of the study. Data was gathered through interviews, observations and document analysis and later analysed qualitatively. The application of this framework of analysis revealed that the use of Workflow Systems leads to changes in productivity with the reduction of cycle accomplishment time and elimination of paper; in communication, collaboration and coordination of tasks, with the elimination of obstacles of time and space, standardisation of processes, reduction of behaviour uncertainty, among others; in knowledge and organisational learning, due to the need of explicit information detained by users, to register events, to contribute to the building of an organisational memory, to mention the most important ones. I also could observe the relevance of the several organisational factors, namely the structure, the technology, the politics, the humans and the relationships established among them, and finally the culture, to understand changes that happened after the implementation of the Workflow System.

8 viii Résumé L importance et le degré de pénétration des systèmes Workflow dans le marché et dans les organisations, a subi un développement progressif dans les dernières années, un peu partout dans le monde. Malgré l existence de quelques études concernant les aspects technologiques et computationnels de ses systèmes, les études concernant leurs impacts dans l organisation sont rares. Aussi, méconnaît-on le degré de pénétration des ces systèmes dans les organisations portugaises. Cette thèse essaye de combler ces lacunes. L étude a été développée en deux phases. Dans la première phase, j ai fait un sondage qui a permit de mieux connaître le degré de pénétration des technologies d information, et en particulier des systèmes Workflow, dans les grandes entreprises portugaises. Dans la seconde phase, pour étudier l impact des systèmes Workflow dans les organisations, j ai développé une structure d analyse qu intègre l identification des domaines où on peut observer les changements. Aussi ai-je analysé les facteurs organisationnels qui ont influencé l utilisation du système. On considère l organisation comme un système, composé de sub-systèmes, où les changements sont le résultat, non seulement d un processus qui survient tout au long d une période de temps, mais aussi des relations d influence qui s établirent entre eux. Cette structure d analyse a été appliquée en deux entreprises qui ont constitué les cas de l étude. La récolte des donnés a été effectuée par interviews, observations et analyse documentaire. Les données ont été analysées qualitativement. L application de cette structure d analyse a révélé que les systèmes Workflow peuvent provoquer des changements au niveau de la productivité, avec la réduction des temps de réalisation des tâches et l élimination du papier; au niveau de la communication, collaboration et coordination des procédures, avec l élimination des obstacles de temps et d espace, l uniformisation des processus, la réduction des ambiguïtés de comportements des utilisateurs, entre autres; et au niveau de la connaissance et de l apprentissage organisationnel, due à la nécessité d expliciter des informations détenues par les employés, procéder à l enregistrement des événements, en contribuant ainsi pour la construction d une part de la mémoire organisationnelle, pour citer les plus importants. On a aussi pu observer l importance des plusieurs facteurs organisationnels, nommément les facteurs structurels, technologiques, politiques, humains et sociaux et culturels, dans la compréhension des changements dus à l adoption d un système Workflow.

9 ix Índice Pág. DEDICATÓRIA...III AGRADECIMENTOS... IV RESUMO... VI ABSTRACT... VII RÉSUMÉ... VIII ÍNDICE... IX ÍNDICE DE FIGURAS... XV ÍNDICE DE TABELAS...XVIII CAPÍTULO INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROBLEMA FORMULAÇÃO DO PROBLEMA OBJECTIVO DO ESTUDO METODOLOGIA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO...10 CAPÍTULO O CONTEXTO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COLABORATIVOS NAS ORGANIZAÇÕES SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNÇÕES DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COLABORATIVOS Sistemas Workflow Definição de sistemas Workflow Classificação dos sistemas Workflow Virtualidades e limitações dos sistemas Workflow Constrangimentos à adopção e utilização dos sistemas Workflow Groupware Definição de Groupware...35

10 x Vantagens e limitações das ferramentas de Groupware A relação entre os sistemas Workflow e os sistemas Groupware Sistemas Workflow vs. Groupware...42 CAPÍTULO IDENTIFICAÇÃO DOS FACTORES ORGANIZACIONAIS QUE INFLUENCIAM A UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO O CONTEXTO ORGANIZACIONAL OS FACTORES ESTRUTURAIS DAS ORGANIZAÇÕES Estrutura organizacional Formalização de procedimentos Coordenação Diferentes estruturas organizacionais e a sua relação com a tecnologia Concepção dos postos de trabalho e tarefas OS FACTORES POLÍTICOS DAS ORGANIZAÇÕES O Poder e a tomada de decisões Relação entre as tecnologias de informação e o poder OS FACTORES HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O indivíduo Relações interpessoais e dinâmica de grupos A comunicação nas equipas de trabalho Relação entre a comunicação organizacional e as tecnologias OS FACTORES CULTURAIS DA ORGANIZAÇÃO A cultura organizacional Cultura e sub-culturas Tipos de cultura Relação entre a cultura organizacional e as tecnologias SÍNTESE DOS FACTORES ORGANIZACIONAIS...95 CAPÍTULO IMPACTO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COLABORATIVOS NAS ORGANIZAÇÕES: TEORIA E EVIDÊNCIA EMPÍRICA IMPACTO NA GESTÃO DOS PROCESSOS DE NEGÓCIO Processos de Negócio Impacto na Comunicação Organizacional...100

11 xi A Comunicação Organizacional Impacto das TI na Comunicação Organizacional Impacto na Colaboração Impacto dos SI/TI na Coordenação de Tarefas IMPACTO NA PRODUTIVIDADE IMPACTO NO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL Dados, Informação e Conhecimento Organizacional Aprendizagem Organizacional Factores inibidores ou facilitadores da aprendizagem organizacional Impacto dos SI/TI no Conhecimento e na Aprendizagem Organizacional ALGUNS RESULTADOS DE ESTUDOS PROVENIENTES DA ÁREA COMERCIAL SOBRE IMPACTO DE SISTEMAS WORKFLOW NAS ORGANIZAÇÕES CAPÍTULO DESCRIÇÃO DO ESTUDO QUESTÕES DA INVESTIGAÇÃO METODOLOGIA DE INVESTIGAÇÃO DESENHO DA INVESTIGAÇÃO FASE I - SONDAGEM Elaboração do Instrumento Validação do Instrumento Recolha de dados Tratamento e análise dos dados FASE II ESTUDO DE CASO Método de investigação: Estudo de caso Proposições Unidades de Análise Empresa ALFA Empresa BETA Metodologia utilizada para recolha de dados Observação Entrevistas Análise documental Metodologia utilizada no tratamento dos dados Desenvolvimento da grelha de análise Análise do Conteúdo das Entrevistas...189

12 Análise Documental Ferramentas Utilizadas no Tratamento dos Dados xii CAPÍTULO PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE DO IMPACTO DOS SISTEMAS WORKFLOW NAS ORGANIZAÇÕES MODELOS UTILIZADOS NO ESTUDO DO IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES ANÁLISE CRÍTICA DOS MODELOS APRESENTADOS ABORDAGENS BASEADAS NO PROCESSO DE MUDANÇA Abordagem das Mudanças Planeadas Modelo de Improvisação de Mudança APLICAÇÃO DO MODELO DE IMPROVISAÇÃO DE MUDANÇA AOS SISTEMAS WORKFLOW Mudanças Antecipáveis Mudanças Oportunistas Mudanças Emergentes IDENTIFICAÇÃO DOS FACTORES CONDICIONADORES DA MUDANÇA, DOMÍNIOS, NÍVEIS E ÍNDICES DE IMPACTO DOS SISTEMAS WORKFLOW NAS ORGANIZAÇÕES Factores condicionadores da mudança Domínios do impacto dos sistemas Workflow Níveis de Impacto dos sistemas Workflow Índices para análise do impacto dos sistemas Workflow Índices relativos à Comunicação Índices relativos à Colaboração Índices relativos à Coordenação Índices relativos à Produtividade Índices relativos ao Conhecimento e Aprendizagem Organizacional CAPÍTULO APRESENTAÇÃO, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS FASE I FASE II ESTUDOS DE CASO Estrutura de apresentação dos resultados obtidos EMPRESA ALFA Caracterização do processo de compras de material de economato...231

13 xiii O sistema Workflow adoptado Expectativas e benefícios esperados da implementação do sistema Workflow Mudanças operadas na organização após utilização do sistema Primeiro Momento Um mês depois do início do uso do sistema Gestão do Processo Produtividade Informação e Conhecimento Segundo momento Alguns meses após o início do uso do sistema Gestão dos Processos Informação e Conhecimento Produtividade Factores organizacionais potenciadores e / ou inibidores da mudança Factores Estruturais Factores Políticos Factores Humanos Factores Tecnológicos Factores Culturais Identificação da natureza das mudanças operadas EMPRESA BETA Caracterização dos Processos O sistema Workflow adoptado Expectativas e benefícios esperados da implementação do sistema Workflow Mudanças operadas na organização após utilização do sistema Workflow Gestão dos Processos Produtividade Informação e Conhecimento Factores organizacionais com influência na mudança Factores Estruturais Factores Políticos Factores Humanos Factores Tecnológicos Factores Culturais Identificação da natureza das mudanças operadas...321

14 CAPÍTULO xiv ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO GLOBAL DOS RESULTADOS E APERFEIÇOAMENTO DO MODELO DE ANÁLISE Análise das mudanças operadas e dos factores influenciadores Aperfeiçoamento do modelo de análise CAPÍTULO CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES CONTRIBUTOS DA TESE PARA A ÁREA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REFLEXÕES SOBRE OS RESULTADOS OBTIDOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO SUGESTÕES PARA FUTURAS INVESTIGAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...1 ANEXO 1 - MINUTA DE CARTA ENVIADA ÀS EMPRESAS, A ACOMPANHAR INQUÉRITO...2 ANEXO 2 - INQUÉRITO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...3 ANEXO 3 - GUIÃO DA ENTREVISTA ANTES DA IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA...5 ANEXO 4 - GUIÃO DA ENTREVISTA APÓS A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA...7 ANEXO 5 - O PROCESSO DAS COMPRAS DA EMPRESA ALFA...10

15 xv Índice de figuras Capítulo 1 Figura Dimensão do mercado de sistemas Workflow a nível mundial...6 Figura Dimensão do mercado de sistemas Workflow na Europa...6 Capítulo 2 Figura Classificação de Sistemas de Informação...15 Figura Classificação dos sistemas Workflow...21 Figura Categorias de sistemas Workflow, de acordo com a natureza do trabalho e abrangência do processo...24 Figura Classificação das ferramentas de Groupware...37 Figura Classificação e evolução das ferramentas de Groupware...38 Figura Fluxo Centrado no Processo vs. Fluxo Centrado na Informação...44 Figura Relação entre o Groupware e outras Tecnologias...45 Figura Relação entre o Groupware e os sistemas Workflow...47 Capítulo 3 Figura 3-1 Meio envolvente de uma organização...52 Figura Modelo das forças competitivas de Porter...54 Figura Níveis da Cultura Organizacional...87 Figura Tipologia da Cultura Organizacional...90 Capítulo 4 Figura Processo de negócio...98 Figura Exemplo de um processo organizacional...99 Figura Fluxos Básicos da Comunicação Formal Figura Modelos de redes informais de comunicação organizacional Figura Transições do conhecimento tácito para o explícito e vice-versa Capítulo 5 Figura Organigrama da empresa Alfa Figura Volume de negócios Figura Custos e Proveitos Figura Principais características do meio envolvente geral e específico da Empresa Alfa...166

16 xvi Figura Localização da empresa Beta na holding Capítulo 6 Figura Um modelo de improvisação de mudança Figura 6-2- Processo de Mudança Organizacional provocada pelos sistemas Workflow Figura Factores contingenciais do estudo do impacto das tecnologias nas organizações Figura Estrutura para análise do impacto dos sistemas Workflow nas organizações 218 Capítulo 7 Figura Processo antes da certificação Figura Processo depois da certificação Figura Comparação entre o momento antes e depois da certificação no processo das compras Figura Processo depois do sistema Workflow Figura Relações básicas entre cliente e executante na perspectiva da linguagem / acção Figura Desenho do processo das compras do economato com o recurso ao sistema Workflow Metro Figura 7-7 Exemplo de ecrã retirado do Metro, relativo ao desenho do processo das compras do economato Figura 7-8 Novo exemplo de ecrã retirado do Metro, relativo ao desenho do processo das compras do economato Figura Síntese das mudanças gerais verificadas no processo Figura Síntese das mudanças relativas à comunicação Figura Síntese das mudanças verificadas a nível da coordenação e controlo das tarefas Figura Síntese das mudanças operadas em termos de produtividade Figura Síntese das mudanças relativas à informação e ao conhecimento Figura Nº de requisições efectuadas nos seis primeiros meses de utilização do sistema Figura Expectativas avançadas pelo Departamento de Recursos Humanos em relação à adopção do sistema Workflow Figura Expectativas avançadas pelo Departamento de Informática em relação à adopção do sistema Workflow...286

17 xvii Capítulo 8 Figura Síntese dos factores que influenciaram a mudança nas empresas em estudo Figura Interacção entre os factores constrangedores e facilitadores Figura Relação entre os factores organizacionais e a mudança ao longo do tempo Anexos Figura A- 1 - Principais actividades associadas ao processo das compras e sua sequência.11

18 xviii Índice de Tabelas Capítulo 2 Tabela Características das diferentes categorias de sistemas Workflow...25 Tabela Síntese das principais vantagens na adopção de sistemas Workflow...28 Tabela Classificação das aplicações de groupware nas dimensões de tempo e espaço.36 Tabela Síntese das principais vantagens na utilização de ferramentas de Groupware..41 Capítulo 3 Tabela Aspectos relevantes dos factores organizacionais...95 Capítulo 4 Tabela Principais mudanças organizacionais ocorridas na comunicação Tabela Principais mudanças organizacionais ocorridas na colaboração Tabela Principais mudanças organizacionais ocorridas na coordenação Tabela Principais mudanças organizacionais ocorridas na produtividade Tabela Elementos inibidores e facilitadores da aprendizagem organizacional Tabela 4-6 Resumo dos objectivos e resultados dos estudos obtidos de fontes comerciais143 Capítulo 5 Tabela Distribuição por regiões das 529 maiores empresas portuguesas Tabela Distribuição por regiões das respostas obtidas ao inquérito Tabela Principais características da organização Tabela Forças e fraquezas da empresa Alfa Tabela Outras forças e fraquezas identificadas Tabela Síntese das características organizacionais Capítulo 6 Tabela Síntese dos modelos propostos pela literatura para estudo do impacto Tabela Abordagens sobre Gestão da Mudança Tabela Quadro resumo com os sub domínios do impacto e indicadores sobre a forma como se verificam esses impactos ao nível da organização e das tarefas Capítulo 7 Tabela Lista da tecnologia utilizada Tabela Nível de uso das tecnologias por regiões Tabela Nível de uso das tecnologias por sectores...223

19 xix Tabela Nível de uso das tecnologias pelas empresas já com sistemas Workflow Tabela Número de pessoas envolvidas Tabela Departamentos das pessoas envolvidas Tabela Temas e categorias emergentes Tabela Temas, categorias e sub categorias emergentes relativas à empresa Alfa Tabela Temas, categorias e sub categorias emergentes relativas à empresa Beta Tabela Expectativas ao Nível Estratégico Tabela Expectativas evidenciadas pelo nível operacional da organização Tabela Síntese das mudanças em termos de tempo Tabela 7-13 Síntese das principais modificações verificadas em todos os domínios Tabela Resumo das principais alterações verificadas no Momento Tabela Nº de requisições efectuadas nos seis primeiros meses de utilização do sistema Tabela Principais aspectos relacionados com os factores estruturais Tabela Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores políticos Tabela Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores humanos Tabela Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores tecnológicos..273 Tabela Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores culturais Tabela Comparação entre as expectativas iniciais da gerência e os resultados finais Tabela Quadro resumo com as mudanças verificadas na organização Tabela Resumo das expectativas apresentadas em relação à adopção do primeiro sistema Workflow Tabela Aspectos relacionados com as mudanças verificadas a nível da comunicação e colaboração Tabela Síntese dos aspectos relacionados com a coordenação e controlo Tabela Síntese dos aspectos relacionados com as mudanças verificadas a nível do tempo Tabela Síntese dos aspectos relacionados com a mudança a nível da informação e do conhecimento Tabela Quadro resumo das principais mudanças organizacionais Tabela 7-29 Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores estruturais Tabela 7-30 Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores políticos...313

20 xx Tabela 7-31 Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores humanos Tabela 7-32 Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores tecnológicos.318 Tabela 7-33 Síntese dos principais aspectos relacionados com os factores culturais Tabela Comparação entre as expectativas iniciais e os resultados finais Capítulo 8 Tabela Síntese das mudanças verificadas nas empresas, nos diversos domínios Anexos Tabela A- 1 - Relação entre o tipo de compra e o responsável pela detecção e aprovação da necessidade e gestor da compra...11

21 Capítulo I - Introdução 1 CAPÍTULO 1 Introdução Este trabalho trata de identificar os impactos organizacionais decorrentes da adopção de um sistema Workflow, bem como analisar a influência dos factores contextuais no uso desse mesmo sistema. O sucesso na adopção de um sistema depende, em grande parte, das correctas expectativas que se têm sobre os benefícios que esse sistema pode trazer para a organização [Orlikowski, 1992; Orlikowski, 1996a; Orlikowski e Hofman, 1997]. Expectativas exageradas, ou desfasadas da realidade, podem conduzir a frustrações e possível abandono no seu uso. No entanto, é preciso ter em conta que as mudanças organizacionais ocorridas são influenciadas pelo contexto onde o sistema se insere, pelo que a sua análise deverá ser sempre contemplada Contextualização do problema O ambiente macro económico em que as organizações actualmente operam pode ser caracterizado por diversas mudanças. Assistimos à globalização dos mercados, com uma permeabilização cada vez maior das fronteiras geográficas e a um aumento do número das trocas comerciais. Se, por um lado, esta situação oferece à empresa novas oportunidades de negócio, por outro lado, também lhe apresenta novos desafios e ameaças. Na verdade, esta situação cria a necessidade de as organizações inovarem continuamente e de fornecerem níveis mais elevados de qualidade de serviço ao cliente bem como uma personalização das respostas às suas solicitações, uma vez que a concorrência se alarga a outros mercados, podendo ser mais aguerrida. Elas sentem, também, a necessidade de reduzir o tempo de concepção e de colocação de novos produtos no mercado. Mesmo para aquelas organizações que operam apenas a nível doméstico, a globalização constitui uma ameaça, uma vez que os clientes podem procurar soluções a nível mundial, obtendo melhores preços e informação sobre a qualidade dos produtos e serviços [Laudon e Laudon, 1998].

Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações

Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações ANABELA MESQUITA TEIXEIRA SARMENTO Impacto dos Sistemas Colaborativos nas Organizações Estudo de Casos de Adopção e Utilização de Sistemas Workflow Dissertação apresentada na Universidade do Minho com

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações." - ISJ,

na relação entre os sistemas de informação e as pessoas, negócio e organizações. - ISJ, 1. Introdução Este trabalho enquadra-se na área de Engenharia de Requisitos (ER). O problema abordado é o da insatisfação com as aplicações das Tecnologias de Informação (TI), utilizadas para suportar

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Aplicações de suporte à Gestão da Informação na empresa Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 Sistemas de informação para empresas Manutenção e exploração de sistemas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO

EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO MANUTENÇÃO COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO E UMA ALIADA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EDUCAÇÃO EM MANUTENÇÃO José Sobral 1 MANUTENÇÃO: OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO? MANUTENÇÃO: UMA ALIADA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA?

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE CAPITAL HUMANO ABERTURA A People & Skills foi criada para responder às necessidades de um mercado cada vez mais apostado em desenvolver e consolidar competências que garantem

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho

Guimarães, 13 de Maio de 2002. Luis Amaral. Universidade do Minho Prefácio A Arquitectura dos Sistemas de Informação, enquanto assunto central da área disciplinar das Tecnologias e Sistemas de Informação é, na minha opinião, um dos seus temas mais importantes e, simultaneamente,

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas

Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas Pós-Graduação em Administração e Gestão de Escolas ENQUADRAMENTO DO CURSO As escolas são estabelecimentos aos quais está confiada uma missão de serviço público, que consiste em dotar todos e cada um dos

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Santana, Cunha e Castro, Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011 1 Adopção de sistemas CRM nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, Daniela Santana 2, Manuela Cunha 3, Sandra Castro 4 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias, Universidade

Leia mais

A Institucionalização da Pessoa Idosa

A Institucionalização da Pessoa Idosa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas A Institucionalização da Pessoa Idosa Ana Paula Leite Pereira de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Empreendedorismo e Serviço

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011.

1 Descrição sumária. Varajão, Trigo e Barroso, O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas, Computerworld, 2011. O Gestor de Sistemas de Informação nas grandes empresas portuguesas João Varajão 1, António Trigo 2, João Barroso 1 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro 2 Instituto

Leia mais

Flexibilidade do trabalho,produtividade e gestão empresarial: uma visão tecnológica

Flexibilidade do trabalho,produtividade e gestão empresarial: uma visão tecnológica Flexibilidade do trabalho,produtividade e gestão empresarial: uma visão tecnológica Luis Borges Gouveia Faculdade de Ciência e Tecnologia Universidade Fernando Pessoa Seminário Modalidade Flexíveis de

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012

Human Resources Human Resources. Estudos de Remuneração 2012 Human Resources Human Resources Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012, realizados pela Michael Page. O objectivo dos nossos Estudos de Remuneração

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Exemplos e aplicações Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 O SI, a GI e o Negócio Gestão e pessoas GESTÃO DA INFORMAÇÃO Organização e procedimentos SISTEMA DE INFORMAÇÃO missão

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Segurança dos Sistemas de Informação Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade da Beira Interior para obtenção do grau de Mestre em Gestão Isabel Maria Lopes Covilhã,

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Maria da Conceição Gonçalves Costa

Maria da Conceição Gonçalves Costa Maria da Conceição Gonçalves Costa Identificação pessoal Conceição Costa tem um Master of Arts in Business Communication and Public Relations pela European University (equivalência a grau de mestre pela

Leia mais

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional

Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Antecedentes sistémicos do comportamento organizacional Estrutura Tecnologia Tamanho Idade Gestão de Recursos Humanos Cultura Aprendizagem Comportamento Desempenho Satisfação Mudança Inovação Tomada de

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012

ALENTEJO. Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 OBSERVATÓRIO de TURISMO do ALENTEJO Instituto Politécnico de Beja, 3 de Maio 2012 Razões para a Criação do Observatório Regional de Turismo do Alentejo As lacunas da informação estatística sobre o turismo

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação

2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação ISEG - Instituto Superior de Economia e Gestão/ FMH - Instituto de Motricidade Humana 2 - Conceitos Fundamentais de Sistemas de Informação Conceitos SI II - 1 Agenda O Impacto do Computador na Sociedade

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires

2014-2015. Doutoramento em Ecologia Humana. Coordenação Científica Profª Iva Pires 2014- Doutoramento em Ecologia Coordenação Científica Profª Iva Pires Guia do Curso Ano Académico 2014/ Coordenação Científica Profª Iva Pires im.pires@fcsh.unl.pt pires.iva.fcsh@gmail.com Para mais informações

Leia mais

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores

Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Microsoft Dynamics CRM Customer Solution Case Study APCER Na APCER, o Microsoft Dynamics CRM é central na gestão comercial e na obtenção de indicadores Sumário País Portugal Sector Serviços Perfil do Cliente

Leia mais

9 O papel das Tecnologias da Informação e Comunicação num Projecto de Desenvolvimento Curricular

9 O papel das Tecnologias da Informação e Comunicação num Projecto de Desenvolvimento Curricular 9 O papel das Tecnologias da Informação e Comunicação num Projecto de Desenvolvimento Curricular João Vítor Torres Centro de Competência da ESE de Setúbal Joana Brocardo Escola Superior de Educação de

Leia mais

F M H. Sistemas de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. X - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS:

F M H. Sistemas de SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. X - Mestrado Gestão do Desporto OBJECTIVOS: X - Mestrado Gestão do Desporto F M H Sistemas de Informação SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OBJECTIVOS: Clarificar os conceitos e definições fundamentais associadas aos sistemas de informação; Apresentar as diferentes

Leia mais

2.3. Sistemas de Informação

2.3. Sistemas de Informação 2.3. Sistemas de Informação 2.3.1. Sistema Comecemos por observar como definem diversos autores o que será um sistema, sistema é um conjunto complexo de inúmeras partes que interagem (MAXIMIANO, Antonio

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1

Sistemas de Informação no sector da Construção. João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção João Poças Martins, FEUP/GEQUALTEC, 2011 1 Sistemas de Informação no sector da Construção 1. SI na Construção. Introdução 2. ERP 3. BIM 4. Outras aplicações

Leia mais

A qualidade de software multimédia educativo segundo produtores e educadores: perspectivas em confronto

A qualidade de software multimédia educativo segundo produtores e educadores: perspectivas em confronto X COLÓQUIO DA AFIRSE/AIPELF A qualidade de software multimédia educativo segundo produtores e educadores: perspectivas em confronto Sofia VISEU &Fernando Albuquerque COSTA * 1 Introdução Uma das componentes

Leia mais

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015

Orientação Metodológica nº 1. 07/outubro/2015 Implementação de Sistemas de Garantia da Qualidade em linha com o Quadro de Referência Europeu de Garantia da Qualidade para a Educação e Formação Profissionais (Quadro EQAVET) Orientação Metodológica

Leia mais

Universidade do Porto

Universidade do Porto O Estado da Arte em Projectos de Investimento - A Importância da Análise Não Financeira Na Prática das Empresas Portuguesas Nuno Filipe Lopes Moutinho Tese de Mestrado em Ciências Empresariais Área de

Leia mais

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1

1 Descrição sumária. Varajão, Pereira, Amaral e Castro, Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal, Computerworld, 2011 1 Outsourcing de serviços de sistemas de informação na banca em Portugal João Varajão 1, Cidália Pereira 2, Luís Amaral 3, Sandra Castro 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia, Departamento de Engenharias,

Leia mais

PHC dcontroldoc. O acesso a diversos tipos de ficheiros

PHC dcontroldoc. O acesso a diversos tipos de ficheiros PHC dcontroldoc O acesso a diversos tipos de ficheiros A possibilidade de consultar e introduzir documentos, imagens e outro tipo de ficheiros, a partir de um local com acesso à Internet. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT

Instituto Politécnico de Setúbal. Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Evolução das funções e novas competências emergentes: os profissionais da distribuição postal dos CTT Floriano Manuel Graúdo Lagarto

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL

Conclusão. OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL Conclusão OS ESTUDANTES E OS SEUS TRAJECTOS NO ENSINO SUPERIOR: Sucesso e Insucesso, Factores e Processos, Promoção de Boas Práticas RELATÓRIO FINAL António Firmino da Costa João Teixeira Lopes (coordenadores)

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais