ÍNDICE INTRODUÇÃO 5 A - SÍNTESE DESCRITIVA 7 B - SISTEMA DE GESTÃO E ACOMPANHAMENTO 11 C - EXECUÇÃO GLOBAL DA INTERVENÇÃO OPERACIONAL 11

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE INTRODUÇÃO 5 A - SÍNTESE DESCRITIVA 7 B - SISTEMA DE GESTÃO E ACOMPANHAMENTO 11 C - EXECUÇÃO GLOBAL DA INTERVENÇÃO OPERACIONAL 11"

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL

2 ÍNDICE Pág. INTRODUÇÃO 5 A - SÍNTESE DESCRITIVA 7 B - SISTEMA DE GESTÃO E ACOMPANHAMENTO 11 C - EXECUÇÃO GLOBAL DA INTERVENÇÃO OPERACIONAL 11 D - EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO OPERACIONAL POR SUB-PROGRAMAS E POR MEDIDAS 21 E - ACÇÕES DE CONTROLO 141 F - INFORMAÇÃO E PUBLICIDADE 141 G - RESPEITO POR OUTRAS POLÍTICAS COMUNITÁRIAS 142

3

4 INTRODUÇÃO O INE apresenta, neste documento, o Relatório Final de Execução do PRINEST, relativo ao período 1994 a Este relatório segue a estrutura de apresentação do Programa, constituído pelos seguintes Sub-programas e Medidas: Sub-programa 1 - Infra-estruturas - Medida Infra-estruturas Físicas - Medida Infra-estrutura Informática Sub-programa 2 - Coordenação, Produção e Difusão da Informação - Medida Sistema de Informação sobre o Comércio Internacional - Medida Sistema de Informação sobre as Empresas - Medida Sistema de Informação sobre as Famílias - Medida Agricultura - Medida Contas Nacionais - Medida Ambiente - Medida Difusão - Medida Contas Regionais Sub-programa 3 - Gestão do Programa - Medida Gestão do Programa As principais actividades realizadas nos projectos incluídos nas diversas Medidas do PRINEST no período acima referido, são descritas de forma resumida neste documento. Podem disponibilizar-se, se assim for entendido, todos os suportes de acompanhamento sistemático dos calendários e fichas internas de acompanhamento trimestral dos Sub-programas, Medidas e Famílias de Projectos. Salienta-se e agradece-se, com particular apreço, a excelente colaboração prestada pelo EUROSTAT, DG REGIO e DGDR, no acompanhamento da execução do PRINEST. 5

5 A - SÍNTESE DESCRITIVA Apresenta-se, seguidamente, um breve resumo das principais actividades realizadas no âmbito da execução do PRINEST, por Medidas. A aquisição/ampliação das instalações das Direcções Regionais do Norte e do Centro, e a cedência das instalações definitivas, por parte da Comissão de Coordenação Regional do Algarve, para a Direcção Regional do Algarve, são os aspectos a salientar na Medida 1.1 Infra-estruturas Físicas. No que se refere à Medida Infra-estrutura Informática, salienta-se a concretização das seguintes actividades: - Aquisição e instalação de novos equipamentos e dispositivos de microinformática, para substituição de obsoletos e para novos postos de trabalho; - Renovação do parque de portáteis; - Licenciamento de software de micro-informática; - Reforço das configurações dos Sistemas Departamentais; - Efectivação das comunicações de dados entre os edifícios de Lisboa, e entre o Departamento de Sistemas de Informação e Informática e as Direcções Regionais; - Implementação/optimização de soluções de Redes Locais; - Aquisição e instalação de servidores de bases de dados para as várias LAN s, em Lisboa e nas Direcções Regionais; - Aumento da velocidade de transmissão e capacidade de comutação das LAN s; - Concepção do ambiente tele-trabalho; - Interconexão entre as Redes Locais (WAN); - Implementação das Firewalls e do gateway para a WAN do INE; - Implementação de Fast Ethernet para os pontos de maior tráfego; - Disponibilização de novas soluções para difusão da informação estatística; - Ligação às bases de dados do EUROSTAT; - Implementação do , aquisição e instalação de servidores de mail em todos os edifícios de Lisboa e Direcções Regionais; - Desenvolvimento e implementação de um sistema de gestão de nomenclaturas; - Definição da arquitectura global do sistema de armazenamento de dados; - Desenvolvimento dos procedimentos internos para gestão de websites do INE; - Implementação do regulamento de uso e publicação nos websites do INE; - Reformulação da Intranet em conformidade com os procedimentos internos de gestão normalizados; - Desenvolvimento de um conjunto de aplicações informáticas na área dos sistemas de informação, e no âmbito dos projectos estatísticos de outras Medidas do PRINEST. Considera-se globalmente positivo o desenrolar da Medida Sistema de Informação sobre o Comércio Internacional, durante o período 94/99, quer para o comércio intracomunitário, quer para o comércio com os países terceiros. 7

6 Decorrente da avaliação da qualidade do sistema de informação sobre o Comércio Internacional, principalmente do INTRASTAT, efectuada em Novembro de por uma delegação composta por representantes da França, Espanha e EUROSTAT, verificou-se não haver para Portugal problemas metodológicos a assinalar, nem dificuldades sérias no cumprimento do calendário definido para a divulgação de resultados. Salientam-se ainda, em, a participação do INE na discussão das alterações ao Sistema INTRASTAT e a revisão da aplicação informática do Sistema (propostas SLIM), em Verificou-se o alargamento do grupo de empresas que utilizam o IDEP/CN8 no INTRASTAT. A informação relativa ao INTRASTAT (Manual do Utilizador, Nomenclatura Combinada IDEP/CN8), foi disponibilizada, em 1999, na Internet. No comércio extracomunitário procedeu-se à adaptação e transferência da aplicação informática para o RISC 6000 e realizaram-se contactos com a Direcção-Geral das Alfândegas para a futura utilização de suporte digital na transmissão dos Documentos Únicos. Na sequência desses contactos, foi disponibilizada ao INE, em 1997, cerca de 80 % da informação sobre importação, do comércio extracomunitário. Procedeu-se à aquisição de hardware e software de descodificação de mensagens electrónicas standard para o comércio extracomunitário. Implementaram-se processos de resposta electrónica para mensagens EDIFACT. Na Medida Sistema de Informação sobre as Empresas, procedeu-se à reformulação metodológica dos Inquéritos às Empresas, com o objectivo de harmonizar e adequar a informação estatística sobre empresas ao novo Regulamento Comunitário, às necessidades decorrentes do SEC 95 e dos utilizadores em geral. Esta nova metodologia começou a ser aplicada ao Inquérito às Empresas de. Relativamente ao Ficheiro Geral de Unidades Estatísticas (FGUE), concluíram-se os trabalhos de reclassificação do ficheiro segundo a nova CAE, procedeu-se à avaliação da adaptação do FGUE ao Regulamento Comunitário, e desenvolveram-se trabalhos tendentes à criação de ficheiros de grupos de empresas, área na qual subsistiam algumas situações de incumprimento do Regulamento Comunitário. Em 1998 foi reformulado o projecto Grupo de empresas com a introdução de dois módulos: Grupo de Empresas e Maiores Empresas. No que se refere aos indicadores de curto prazo, concluiu-se a montagem dos seguintes índices, em base =100, e divulgou-se a informação: Índice de Preços na Produção Industrial e Agro-industrial, Índice de Volume de Negócios, Índice de Emprego, Índice de Remunerações e Índice de Horas Trabalhadas na Indústria e Agro-Indústria. Os projectos Indicadores e Dados Estruturais PME foram suspensos, em virtude de não ter sido possível o acesso aos dados fiscais. No âmbito da Medida Sistema de Informação sobre as Famílias, salientam-se os trabalhos no âmbito da actualização da Amostra-mãe e o desenvolvimento da metodologia de actualização contínua da amostra e respectivo planeamento da operação. No que se refere à digitalização da Base Geográfica de Referenciação Espacial (BGRE), procedeu-se à aquisição de equipamento, formação de pessoal e 8

7 digitalização da informação. Os trabalhos de digitalização foram realizados em parceria com o Instituto Geográfico do Exército (IGeoE). A BGRE teve em vista a criação da Base Geográfica de Referenciação da Informação, infra-estrutura de suporte cartográfico aos Censos Em relação ao Inquérito aos Orçamentos Familiares, os trabalhos de recolha da informação decorreram durante o ano 2000, prevendo-se a disponibilização dos resultados durante o ano No que se refere à Medida Agricultura, realizaram-se em 1994, protocolos entre o INE e o Instituto de Estruturas Agrárias e Desenvolvimento Rural, o Instituto Florestal e a Direcção-Geral das Pescas, onde foram definidos programas de trabalho com objectivos a atingir e calendarização dos resultados das operações a desenvolver. De acordo com as propostas apresentadas por aqueles organismos, procedeu-se à aquisição de equipamento e software e à realização de acções de assistência técnica. Em paralelo, avançou-se na concepção, planeamento e realização de um novo inquérito em colaboração com o Instituto Florestal Inquérito à Estrutura das Explorações Florestais. Em 1997, a nova Lei Orgânica do Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas (MADRP) atribuiu às Direcções Regionais de Agricultura uma função determinante e essencial no desenvolvimento e modernização do sector assegurando a sua participação, em articulação com os Serviços Centrais do Ministério, na definição da política agrícola, pecuária, florestal e alimentar. O INE propôs, após aprovação pelo Conselho Superior de Estatística, a delegação de competências nas Direcções Regionais de Agricultura que se articulariam com as Direcções Regionais do INE. Aprovada a proposta pelo Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, procedeu-se à selecção, aquisição e disponibilização de equipamento informático para as Direcções Regionais de Agricultura e para as Direcções Regionais do INE, de modo a permitir a criação das infra-estruturas necessárias à articulação entre as Direcções Regionais. Foi constituído o Ficheiro das Explorações Agrícolas, que serviu de base à realização do Recenseamento Agrícola de Na Medida Contas Nacionais, as estimativas do PNB 93 a 98 foram enviadas ao EUROSTAT, no quadro da Directiva PNB. Elaboraram-se as Contas Nacionais 91 a 97, segundo a nova base (SEC95). Foram disponibilizadas as séries das Contas Económicas da Agricultura (CEA) (base 86) e -1998P (base 95). Foi elaborada e divulgada a publicação Classificação Nacional de Bens e Serviços. No que se refere à Medida Ambiente, procedeu-se à reformulação de todos os inquéritos correntes, por forma a corresponderem às novas classificações europeias. Foram lançados novos inquéritos sobre Associações e outras Instituições de Defesa do Ambiente, e procedeu-se à recolha, tratamento e análise da informação relativa às despesas da Administração Central em Ambiente (Inquérito ao Ambiente dados económicos (Administração Central); Inquérito às Associações e outras entidades de Bombeiros, Inquérito às Associações e outras instituições de Defesa do Ambiente). 9

8 No âmbito das estatísticas do Ambiente Resíduos, salienta-se o lançamento dos seguintes inquéritos: Inquérito ao Ambiente - Resíduos Industriais e Inquérito ao Ambiente Acção das Câmaras Municipais (Resíduos Urbanos). Na Medida Difusão, procedeu-se à aquisição de diverso equipamento para renovação do parque gráfico e editorial. Foi adquirido equipamento de microfilmagem, exclusivamente para o tratamento da informação do arquivo histórico. Os trabalhos de microfilmagem foram concluídos. No âmbito da difusão das estatísticas comunitárias, foi feito um aproveitamento do espaço no átrio do Edifício Sede do INE, para instalar o Data-Shop, para consulta electrónica de informação e venda de publicações nacionais e comunitárias e um espaço dedicado ao atendimento personalizado dos utilizadores de informação com acesso a informação estatística on-line Ciber INE. Foi desenvolvido e implementado no INE um subsistema de gestão de stocks e facturação (GESTINE). No que se refere à Medida Contas Regionais, foram estabelecidos novos métodos e contas para o ano base de Foram produzidas e divulgadas as Contas Económicas Regionais, revistas por NUTS II de e 1994, e as Contas Económicas Regionais de (SEC/79) por ramos de actividade. Foram feitas as primeiras estimativas, por NUTS III, das Contas Económicas Regionais (VABpm, PIB). Foi disponibilizada a série das Contas Económicas da Agricultura Regionais (CEAREG) 1986-, decorrente da revisão dos dados das CEA (base 86). Concluíram-se e disponibilizaram-se as CEAREG de 1997 (base 86). As actividades no âmbito da Medida Gestão do Programa, centraram-se essencialmente, no planeamento e acompanhamento ao nível da execução material e financeira dos projectos que integram o PRINEST. Os trabalhos decorreram conforme o planeado, salientando-se a realização de nove reuniões do Comité de Acompanhamento do PRINEST, a Missão de Controlo da Direcção-Geral de Política Regional da Comunidade Europeia (DG XVI) que decorreu no período de 2 a 6 de Outubro de e a Auditoria ao Sistema de Gestão e Controlo do PRINEST, efectuada pela Inspecção-Geral de Finanças, que decorreu no período de Abril a Junho de A execução financeira do PRINEST no final do período atingiu a totalidade da dotação financeira atribuída ao programa, no entanto é de salientar que a execução financeira dos projectos excedeu a dotação atribuída ao programa. 10

9 B - SISTEMA DE GESTÃO E ACOMPANHAMENTO O PRINEST está estruturado em Sub-programas, Medidas e Famílias de Projectos. Para cada Medida foi nomeado um Coordenador, responsável pela sua execução e interlocutor do INE perante o EUROSTAT, para definição dos objectivos, programas de trabalho, e acompanhamento da sua execução. Durante o período 1994/2000 o acompanhamento da execução material dos projectos inscritos no PRINEST foi realizado através de pontos de situação trimestrais e de relatórios semestrais e anuais enviados ao EUROSTAT, cuja elaboração foi assegurada pelos Coordenadores das Medidas e pelo Gabinete de Planeamento, Relações Internacionais e Qualidade. Em termos de execução financeira, foi utilizado no INE um sistema contabilístico autónomo para o controlo das despesas elegíveis no âmbito do PRINEST. Assim, todos os documentos de despesa foram identificados através de um carimbo próprio. Periodicamente foram elaboradas listagens com a identificação de todos os documentos comprovativos das despesas realizadas. Estas listagens foram enviadas à DGDR, em suporte papel, até ao mês de Agosto de. A partir desta data a informação relativa às despesas, começou a ser disponibilizada via SIDReg (Sistema de Informação para o Desenvolvimento Regional). Os principais aspectos relativos ao acompanhamento da execução material e financeira encontram-se descritos neste Relatório no âmbito do Sub-programa 3, Medida Gestão do PRINEST. C - EXECUÇÃO GLOBAL DA INTERVENÇÃO OPERACIONAL A parte correspondente ao compromisso assumido pela Comissão Europeia, no período de vigência do PRINEST, foi de milhares de euros. O montante de despesa pública realizada e contabilizada foi de milhares de euros, a que corresponde uma taxa de execução global de 100% (Quadro I - A). As diferenças verificadas entre as taxas de execução, com reporte a valores em escudos e euros, devem-se ao facto do programa ter registado uma diferença cambial negativa de cerca de 60 mil contos, ou seja as receitas a obter até ao final do programa não permitem cobrir a execução FEDER em escudos. A execução financeira do PRINEST, por sub-programas, apresenta-se nos Quadros II A e II B. 11

10 PRINEST Taxa de execução de despesa pública realizada QCA II /1999 QUADRO I - A Despesa Pública Taxa Sub-programas/Medidas (1 000 EUROS) de Programada Realizada Execução Sub-programa % Medida 1.1 Infra-estruturas Físicas ,1% Medida 1.2 Infra-estrutura Informática ,2% Sub-programa % Medida 2.1 Sistema de Informação sobre ,4% o Comércio Internacional Medida 2.2 Sistema de Informação sobre ,5% as Empresas Medida 2.3 Sistema de Informação sobre % as Famílias Medida 2.4 Agricultura % Medida 2.5 Contas Nacionais ,7% Medida 2.6 Ambiente ,1% Medida 2.7 Difusão ,2% Medida 2.8 Contas Regionais ,3% Sub-Programa % Medida 3.1 Gestão do Programa % TOTAL %

11 PRINEST Taxa de execução de despesa pública realizada QCA II /1999 QUADRO I - B Despesa Pública Taxa Sub-programas/Medidas (1 000 ESC) de Programada Realizada Execução Sub-programa ,6% Medida 1.1 Infra-estruturas Físicas ,7% Medida 1.2 Infra-estrutura Informática ,9% Sub-programa ,7% Medida 2.1 Sistema de Informação sobre ,1% o Comércio Internacional Medida 2.2 Sistema de Informação sobre ,4% as Empresas Medida 2.3 Sistema de Informação sobre ,6% as Famílias Medida 2.4 Agricultura ,9% Medida 2.5 Contas Nacionais ,2% Medida 2.6 Ambiente ,2% Medida 2.7 Difusão ,9% Medida 2.8 Contas Regionais ,9% Sub-Programa ,7% Medida 3.1 Gestão do Programa ,7% TOTAL ,6%

12 Fundos: Eixo: Programa: P.D.R. 5) ASSISTÊNCIA TÉCNICA 51) PRINEST QUADRO II - A Todos os anos PR; AP; EX; AP / PR; EX / PR; EX / AP - Apuramento por Sub-Programas / PR REAL Despesas Públicas Em 1000 x euros Sub-Programas Custo Total Total Despesas Públicas Total Subvenções Comunitárias FEDER FSE FEOGA IFOP F. Coesão Contribuição Nacional Total Necessidade de Financiamento Público Nacional Orçamento de Estado Autarquias Locais Fundos Regiões Autónomos Autónomas Empresas Públicas Outras Sector Privado Empréstimos Comunitários 51-01) Infraestruturas 1 = = = 4 a = 10 a ) Coordenação, Produção e Difusão da Informação 51-03) Gestão do Programa PR % % ,9% AP % % % EX % % % AP / PR 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% EX / PR 100% 100% 100% 100% 100% 100% EX / AP 99,8% 99,8% 99,8% 99,8% 99,8% 99,8% PR % ,9% % AP % % % EX % % % AP / PR 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% EX / PR 100% 100% 100% 100% 100% 100% EX / AP 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% PR % ,9% % AP % % % EX % % % AP / PR 100% 100% 100% 100% 99,9% 99,9% EX / PR 100% 100% 100% 100% 99,8% 99,8% EX / AP 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% Total PR % % ,9% AP % % % EX % % % AP / PR 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% 100,1% EX / PR 100% 100% 100% 100% 100% 100% EX / AP 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% 99,9% Impresso em

13 QUADRO II - B Fundos: P.D.R. Eixo: 5) ASSISTÊNCIA TÉCNICA Todos os anos Programa: 51) PRINEST PR; AP; EX; AP / PR; EX / PR; EX / AP - Apuramento por Sub-Programas / PR REAL Despesas Públicas Em 1000 x esc Sub-Programas Custo Total Total Despesas Públicas Total Subvenções Comunitárias FEDER FSE FEOGA IFOP F. Coesão Contribuição Nacional Total Necessidade de Financiamento Público Nacional Orçamento de Estado Autarquias Locais Fundos Regiões Autónomos Autónomas Empresas Públicas Outras Sector Privado Empréstimos Comunitários 51-01) Infraestruturas 1 = = = 4 a = 10 a ) Coordenação, Produção e Difusão da Informação 51-03) Gestão do Programa PR % % ,9% AP % % % EX % % % AP / PR 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% EX / PR 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% EX / AP 100% 100% 100% 100% 100% 100% PR % ,9% % AP % % % EX % % % AP / PR 100,7% 100,7% 100,7% 100,7% 100,6% 100,6% EX / PR 100,7% 100,7% 100,7% 100,7% 100,6% 100,6% EX / AP 100% 100% 100% 100% 100% 100% PR % ,9% % AP % % % EX % % % AP / PR 100,7% 100,7% 100,7% 100,7% 100,6% 100,6% EX / PR 100,7% 100,7% 100,7% 100,7% 100,6% 100,6% EX / AP 100% 100% 100% 100% 100% 100% Total PR % % ,9% AP % % % EX % % % AP / PR 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% EX / PR 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% 100,6% EX / AP 100% 100% 100% 100% 100% 100% Impresso em

14 D - EXECUÇÃO DA INTERVENÇÃO OPERACIONAL POR SUB-PROGRAMAS E POR MEDIDAS SUB-PROGRAMA 1 - INFRA-ESTRUTURAS MEDIDA INFRA-ESTRUTURAS FÍSICAS * SDCI01 - AMPLIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES DA DIRECÇÃO REGIONAL DO CENTRO 1994 Foi lançado um concurso de ideias entre três equipas de arquitectura de Coimbra, tendo em vista a ampliação das instalações da Direcção Regional do Centro. Seleccionado o projecto, foi assinado um contrato com a equipa vencedora, e iniciou--se o desenvolvimento do projecto de arquitectura. O pedido de viabilidade das obras foi entregue na Câmara Municipal de Coimbra. Foi concluído o projecto de arquitectura. Exigências adicionais da Câmara Municipal de Coimbra, no que respeita ao número de lugares de estacionamento, inviabilizaram a conclusão dos projectos de especialidade, agravando substancialmente o seu custo. O projecto ficou parado, a aguardar resposta a um requerimento apresentado à Câmara Municipal de Coimbra, no sentido de libertar o INE da obrigação de construir todos os lugares de estacionamento exigidos. Foi aprovado o projecto final, elaborado o caderno de encargos e feita uma consulta ao mercado. Atrasos administrativos na avaliação e aprovação do projecto pela Câmara Municipal inviabilizaram o início da obra, inicialmente previsto para Foi realizado o concurso público para ampliação das instalações. As obras tiveram início em Novembro As obras de ampliação sofreram um ligeiro atraso face ao programado, adiando a sua conclusão e inauguração para o 1º semestre de

15 1999 Concluíram-se as obras de ampliação das instalações da Direcção Regional do Centro. A inauguração realizou-se em Setembro de * SDAG01 - DIRECÇÃO REGIONAL DO ALGARVE 1997 Foi constituído o Núcleo Instalador da Direcção Regional do Algarve. As actividades da nova Direcção Regional iniciaram-se em Dezembro Foi adquirido equipamento para a Direcção Regional do Algarve, a funcionar em instalações provisórias. Decorreram as negociações com a Comissão de Coordenação Regional do Algarve para cedência das instalações definitivas, prevendo-se a sua conclusão no 1º semestre de Continuou a aquisição de equipamento para a Direcção Regional do Algarve, a funcionar em instalações provisórias. Concluiu-se o processo de cedência das instalações definitivas por parte da Comissão de Coordenação Regional do Algarve. Prevê-se o início das obras de adaptação/remodelação em Abril de Nota Embora este projecto, para efeitos do PRINEST, tenha terminado em 1999, decidimos dar conhecimento da sua continuidade. Assim, em 2000 foi feito o processo de candidatura para a execução de diversos projectos de arquitectura e decidida a entidade vencedora, a qual irá executar os projectos até ao final de Julho de A seguir será feito um concurso internacional para adjudicação das obras. * SDLI01/SDAG01 - INSTALAÇÃO DA DIRECÇÃO REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Foi criado e apetrechado em o Núcleo Instalador da Direcção Regional de Lisboa e Vale do Tejo. O funcionamento iniciou-se em Janeiro de, tendo-se desenvolvido algumas 22

16 actividades, das quais se salienta o novo Anuário Estatístico da Região de Lisboa e Vale do Tejo Foi assinado um contrato com uma equipa de arquitectura para redimensionar o projecto do edifício para esta Direcção Regional, tendo em vista a redução da volumetria Continuaram os trabalhos de redimensionamento do projecto do edifício para instalação desta Direcção Regional. * SDNI01/SDNA01 - AQUISIÇÃO DE NOVAS INSTALAÇÕES DA DIRECÇÃO REGIONAL DO NORTE Em procedeu-se à compra do imóvel para instalação definitiva da DRN e à adjudicação das obras necessárias: carpintaria, tectos e divisórias, climatização, electricidade, etc. As obras foram iniciadas, prevendo-se a sua conclusão e inauguração em. Este projecto consta na Decisão de aprovação do PRINEST, mas não estava previsto nos Objectivos para. Conclusão das obras de instalação. Inauguração das instalações em Arquitectura e decoração interior com vista ao apetrechamento da Biblioteca das instalações definitivas da DRN. Criação de meios logísticos na Biblioteca para consulta automática de informação. Aquisição de equipamento diverso Foi adquirido um novo espaço para ampliação das instalações da Direcção Regional do Norte. A escritura estava prevista para Maio de Procedeu-se à aquisição de diverso equipamento para as novas instalações. Nota: A escritura foi realizada em 24 de Janeiro de 2001, em virtude de se ter renegociado o espaço adquirido inicialmente (1999). 23

17 MEDIDA INFRA-ESTRUTURA INFORMÁTICA *SZG101 - MODERNIZAÇÃO DO PARQUE INFORMÁTICO Microinformática Aquisição e instalação de novos equipamentos para substituição de obsoletos e para novos postos de trabalho. Foram adquiridos os seguintes equipamentos e dispositivos: 85 micro-computadores; 25 impressoras laser; 40 micro-computadores portáteis (para recolha directa de informação); dispositivos para upgrade de 50 PCs; 1 gravador de CD-R para produção e distribuição interna de software e dados de produção de protótipos de CD-ROMs; outros dispositivos como: leitores de CD-ROM, unidades tapes para backup de PCs, etc. - Sistemas Departamentais O número total de Sistemas Departamentais não foi alterado, mas foram instalados mais terminais, atingindo o total de 311 unidades instaladas. Verificou-se também o crescimento do total de utilizadores activos para o número de 350 técnicos. - Sistemas Centrais Aquisição do Sistema Operativo dos sistemas Unisys OS2200; Aquisição e instalação do Sistema Servidor Sequent S5000/SE60. - Microinformática Aquisição e instalação de novos equipamentos para substituição de obsoletos e para novos postos de trabalho. Foram adquiridos os seguintes equipamentos e dispositivos: 154 micro-computadores (configuração mínima: 486DX2-66MHz, 8MB RAM, HD 420MB); 25 impressoras laser; 107 micro-computadores portáteis (para recolha directa de informação); dispositivos para upgrade de 72 PCs (para atingir a seguinte configuração mínima: i486dx, 8MB RAM, HD 170MB); outros dispositivos como: leitores de CD-ROM, unidades tapes para backup de PCs, etc. 24

18 Procedeu-se também ao licenciamento de software de microinformática para cerca de 140 PCs (MS-DOS, MS-Windows, MS-Office). - Sistemas Departamentais Aquisição de 2 servidores IBM RS/6000 modelo 58H com 128MB e 12GB em disco (características mínimas). Assim, o número total de Sistemas Departamentais foi alterado, passando o INE a contar com o seguinte número de sistemas activos: 16 IBM RS/6000, 2 Unisys U6035 e 4 Unisys U5055 activos (em vias de descontinuação). Instalação de mais terminais, atingindo o total de 306 unidades instaladas IBM e 20 Unisys. Verifica-se que o número total de utilizadores activos é de 360 técnicos. Instalação de acesso TELNET via ligação SLIP em 22 PCs, proporcionando a emulação de terminais RS/6000 a estes equipamentos. Procedeu-se ao seguinte reforço das configurações dos Sistemas IBM RS/6000: Aumento da capacidade em disco de 10 sistemas de Produção Estatística em cerca de 42%, passando de 65GB para um total de 92GB; Aquisição de mais 20 terminais. Foi concretizada uma nova modalidade de licenciamento do software SAS, aumentando o número de módulos do produto e sem limites de cópias para os sistemas IBM RS/6000 e Sequent. Procedeu-se ao licenciamento do software Oracle para 2 sistemas do DSII: o IBM RS/ K e o Sequent. Concluídas as 1ª e 2ª fases de aquisição de PC s e impressoras previstas para, tendo sido substituídos todos os 386, pelo que o parque actual é constituído por 486 e pentium (30%). Concluída a 1ª fase de aquisição de portáteis para recolha directa. Concretizado o upgrade do servidor de base de dados Sequent disco, sistema operativo e software de backup. Concretizado o upgrade dos sistemas RS/6000 do DSII, DRA, DRN, e DESI. Instalado um sistema RS/6000 no DEAP, o qual partilhava o sistema do DEP. Feita a actualização do AIX 4.1. Concluída a 1ª fase de licenciamento de software de microinformática, iniciando-se a instalação do WIN 95 e OFFICE. Iniciado o projecto piloto de leitura óptica (ICR) de instrumentos de notação. Instalados os primeiros servidores NT (DRN e DEP/DEAP), iniciando-se assim a implementação de um novo arquétipo para as soluções departamentais, visando suportar as novas aplicações desenvolvidas numa arquitectura cliente-servidor. Iniciado o estudo de soluções remotas para backup. 25

19 Iniciada a implementação de um protótipo para resolver as diferentes necessidades de MAIL, o qual está a ser implementado em ambiente NT com o software MS- -EXCHANGE Concluídas as 1ª e 2ª tranches de aquisição de PC s e impressoras, previstas para Foram adquiridos e instalados os servidores de mail em todos os edifícios de Lisboa e Direcções Regionais. Foi adquirido e instalado o software Oracle em servidores locais. Procedeu-se à aquisição e instalação de servidores de bases de dados para as várias LAN s, em Lisboa e nas Direcções Regionais Foi renovado o parque de portáteis em conformidade com as novas necessidades. Decorreram os trabalhos de instalação do equipamento dos servidores centrais de bases e do parque de servidores locais para difusão. Encontravam-se em fase de conclusão a substituição e integração dos sistemas departamentais do Edifício Sede e das Direcções Regionais Foram instalados equipamentos servidores no Departamento de Sistemas de Informação e Informática (DSII), no edifício Sede, nas Direcções Regionais do INE (DRN, DRC, DRA, DRAg) e nas Regiões Autónomas (DREM e SREA). Foi instalada uma solução de alta disponibilidade no servidor central de produção. Procedeu-se à integração dos servidores centrais de base de dados com os servidores regionais. *SZGT01 - TELETRANSMISSÃO DE DADOS 1994 Efectivação das comunicações de dados entre os edifícios de Lisboa. Interligação ethernet dos 5 principais Sistemas Departamentais do Edifício Sede. Efectivação das comunicações de dados via X.25 entre o DSII e as Direcções Regionais - Porto, Coimbra e Évora. Procedeu-se à análise de mercado para fornecimento de hardware/software que permite aumentar o débito das linhas de 2MB. Foi instalado, para teste, um MUX de RAD com controlo dinâmico de largura de banda (equivale à instalação de um double BROUTER). Os ensaios executados com os equipamentos da empresa RAD não tiveram os resultados esperados, 26

20 inviabilizando a aquisição das linhas de 2MB inicialmente previstas para o segundo semestre. A 3ª linha de 2MB não foi instalada por atraso no fornecedor. Concluído o estudo de ligação às DR's por linhas de 64Kb. Concretizou-se a ligação às bases de dados do EUROSTAT. A implementação do E--MAIL, como projecto-piloto, foi executada no DSII. Concluída a ligação em Frame Relay entre o DSII e as Direcções Regionais. Iniciado o processo de ligação via ISDN às Regiões Autónomas. Finalizada a interconexão entre as várias redes locais (WAN) do INE. Deu-se continuidade ao projecto de gestão dinâmica da largura de banda para as ligações inter-edifícios de Lisboa, o qual sofreu um significativo atraso, por não se encontrar no mercado uma solução adequada Efectuada a pesquisa no mercado de soluções de Firewalls, seleccionou-se o software FIREWALL 1, o qual foi devidamente testado e instalado. Foi concretizado o aumento da velocidade de transmissão entre os edifícios de Lisboa. Procedeu-se à implementação das Firewalls e do gateway para a WAN do INE Prosseguiram os trabalhos de implementação de um sistema centralizado de distribuição de software: avaliação do software SMS, implantação de um protótipo de uso restrito. Procurement de produtos na área de gateways de Fax para redes ethernet, no âmbito do desenvolvimento de sistemas integrados de gestão de Fax. Procedeu-se à concepção do ambiente de tele-trabalho, design e integração de segurança em tele-trabalho. Foi realizado um ensaio piloto Concluíram-se os trabalhos de revisão da arquitectura e procurement de um sistema integrado de gestão de fax (Gateway em ). Após a realização de testes procedeu-se à sua aquisição e decorreram os trabalhos de implementação do sistema. Foi implementado um sistema de mensagens (SAPM-Caixa) conjuntamente com o sistema de distribuição e registo de software, que foi adoptado em alternativa ao Systems Management Server (SMS) em virtude da instabilidade na oferta tecnológica no âmbito do tele-trabalho. Foram atingidos os objectivos equivalentes, na vertente distribuição de software. Generalizou-se a distribuição do software via SAPM-Caixa. 27

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012

Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Dados de Inquéritos sobre a Utilização de TIC na Administração Pública em 2011-12/01/2012 Todos os Organismos da Administração Pública Central e Regional e as Câmaras Municipais dispõem de ligações à Internet.

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas das Custas Pagas nos Tribunais. Código: 483 Versão: 1.0 Setembro de 2010 INTRODUÇÃO A Direcção-Geral da Política de Justiça, antigo Gabinete de

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Gabinetes de Consulta Jurídica Código: 485 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos Gabinetes de Consulta

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO. Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias

DOCUMENTO METODOLÓGICO. Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Tribunais das Comunidades Europeias Código: 484 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos processos dos Tribunais

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital Algarve Digital Sessão de trabalho Janeiro de 2006 Agenda Sessão Informativa Ponto de Situação geral do Projecto Algarve Digital Lançamento do Projecto Redes Camarárias Lançamento dos Projectos Intranet

Leia mais

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA ORIENTAÇÃO N.º 1/2011 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Abril de 2011 PROCONVERGENCIA

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Câmaras Municipais 2004

Câmaras Municipais 2004 Câmaras Municipais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação (Resultados Provisórios) Dezembro de 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Câmaras Municipais

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DOCUMENTO METODOLÓGICO Inquérito ao Sistema Educativo Regional Código: 47 Versão: 1.0 INTRODUÇÃO A necessidade de formular Políticas

Leia mais

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros Abril de 2013 Alojamento local AHETA Oportunidades de poupança fiscal Reafectação

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria

Auditoria ao Processo de Mudança de Comercializador. A. Enquadramento e Objectivos. Síntese do Relatório de Auditoria A. Enquadramento e Objectivos A EDP Distribuição - Energia, S.A. (EDP Distribuição), empresa que exerce a actividade de Operador de Rede de Distribuição (ORD) de Energia Eléctrica em Média Tensão (MT)

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

Operação Estatística: Inquérito à Permanência de Colonos nas Colónias de Férias

Operação Estatística: Inquérito à Permanência de Colonos nas Colónias de Férias INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA Departamento de Estatísticas Económicas Serviço de Estatísticas do Comércio, Turismo e Transportes Operação Estatística: Inquérito à Permanência de Colonos nas Colónias

Leia mais

INQUÉRITO MENSAL AO ABASTECIMENTO DE ÁGUA

INQUÉRITO MENSAL AO ABASTECIMENTO DE ÁGUA Região Autónoma dos Açores Vice-Presidência do Governo SERVIÇO REGIONAL DE ESTATÍSTICA DOS AÇORES INQUÉRITO MENSAL AO ABASTECIMENTO DE ÁGUA - Documento Metodológico SREA Maio-2008 INTRODUÇÃO O Inquérito

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:163950-2012:text:pt:html B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Centro degestão da RedeInformática do Governo

Centro degestão da RedeInformática do Governo 25 de Maio de 2005 O foi criado pelo Governo 15/12/1989 pelo Decreto-lei 429/89 Âmbito Modernização do sector público Objectivo Adopção dos meios que simplifiquem todo o processo de apoio à tomada de decisão

Leia mais

L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052. Anúncio de concurso.

L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052. Anúncio de concurso. 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:20052-2013:text:pt:html L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIAC / 2011 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA COLECTIVA - TIPOLOGIA CLUSTERS E DINÂMICAS DE REDE Nos termos do Regulamento

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO

CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO CONCURSO ESCOLAS DA NOVA GERAÇÃO REGULAMENTO Enquadramento geral Um dos principais desafios que se colocam à sociedade portuguesa é o do desenvolvimento de uma Sociedade de Informação, voltada para o uso

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DO CONTROLO DE QUALIDADE DA ORDEM DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS (Artigo 68.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro) CAPÍTULO I Objectivos e caracterização do controlo de qualidade

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS N.º 01 / SAESCTN / 2012 SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL (SAESCTN) PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO Carta de Serviço O MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO, órgão central do Estado que superintende a área da Indústria e Comércio. ATRIBUIÇÕES São

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS

REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS REGULAMENTO INTERNO PARA A EMISSÃO DE PARECERES DO CLAS (Enquadramento) Conforme o disposto na Resolução do Conselho de Ministros nº. 197/97, de 18 de Novembro e no Despacho Normativo nº. 8/2, de 12 de

Leia mais

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013)

GPPQ Gabinete de Promoção do 7º Programa-Quadro de I&DT. 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (2007-2013) Sessão de Apresentação de Oportunidades de Financiamento para as PME 7º Programa-Quadro de I&DT da União Europeia Investigação para as PME Margarida Garrido margarida.garrido@gppq.mctes.pt Santarém, Escola

Leia mais

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15

Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Programa de Parcerias e Submissão de Propostas 2014/15 O Departamento de Informática (DI) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) procura criar e estreitar

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011

Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar. Ano lectivo 2010/2011 Relatório de Monitorização do Regime de Fruta Escolar Ano lectivo 2010/2011 Apreciação Geral A aplicação do Regime de Fruta Escolar (RFE) em Portugal tem os seguintes objectivos gerais: Saúde Pública:

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

[Equipa de desenvolvimento na modernização dos sistemas de gestão dos recursos humanos e orçamentais]

[Equipa de desenvolvimento na modernização dos sistemas de gestão dos recursos humanos e orçamentais] Setembro-2015 [Equipa de desenvolvimento na modernização dos sistemas de gestão dos recursos humanos e Conteúdo Introdução... 3 Função da equipa... 4 Objectivo... 4 Tarefas da equipa... 4 Perfil dos técnicos...

Leia mais

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS

Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Plano de Sustentabilidade e Gestão da Segurança Social PSGSS Manuel Moreira Coordenador do PSGSS Benguela, 22 e 23 de Maio Agenda Objetivos Gerais Objectivos Estratégicos Estrutura do Projecto Inciativas

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA

VALORIZAR 2020. Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 UNIÃO EUROPEIA VALORIZAR 2020 Sistema de Incentivos à Valorização e Qualificação Empresarial da Região Autónoma da Madeira 03-06-2015 Objetivos Promover a produção de novos ou significativamente melhorados processos

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais