MPE BRASIL - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPE BRASIL - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS"

Transcrição

1

2

3 MPE BRASIL - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-Avaliação 2008 Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas Instituições Nacionais Parceiras Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Movimento Brasil Competitivo MBC Fundação Nacional da Qualidade FNQ Agradecimentos O Sebrae, o MBC e a FNQ agradecem a todos os que enviaram críticas e sugestões para essa publicação, especialmente aos profissionais do Sistema Sebrae e consultores. Editoração Frisson Comunicação e Marketing

4

5 ÍNDICE 1. MBC Movimento Brasil Competitivo SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas REDE DE COOPERAÇÃO BRASIL FUNDAMENTOS DA EXCELÊNCIA ORIENTAÇÃO GERAL SOBRE O PROCESSO FICHA DE INSCRIÇÃO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO GLOSSÁRIO CONTATOS DOS GESTORES DOS PRÊMIOS MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação 2008

6 1. MBC Movimento Brasil Competitivo O Movimento Brasil Competitivo (MBC), criado em novembro de 2001 e certificado pela ISO 9001:2000 desde novembro de 2004, é uma organização voltada ao estímulo e ao fomento do desenvolvimento da sociedade brasileira através da melhoria da competitividade nacional. Sua missão é contribuir expressivamente para a ampliação da competitividade das organizações privadas e da qualidade e produtividade das organizações públicas, de maneira sustentada, elevando a qualidade de vida da população brasileira. A sede do MBC está localizada em Brasília. Integram o seu conselho gestor representantes do setor público, empresários, trabalhadores, universidades, terceiro setor e entidades voltadas ao estímulo da competitividade do país. Mais informações pelo site O MBC se converteu num grande fórum de debates e de estruturação de políticas estratégicas na direção da competitividade nacional. Ex-presidente do Conselho Superior do Movimento Brasil Competitivo (MBC), Carlos A. Salles. Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

7 2. SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE é o serviço social autônomo que atua na promoção do desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e na geração de emprego e renda, com inclusão produtiva e social e preservação do meio ambiente. As estratégias do SEBRAE estão alinhadas às políticas econômicas, à política industrial e de comércio exterior e à política científica e tecnológica do país, bem como aos desafios das micro e pequenas empresas no mundo globalizado. O esforço de difusão de modernas práticas de gestão empresarial e educação das empresas de pequeno porte têm por objetivo aumentar a competitividade dos pequenos negócios e fortalecer a cultura empreendedora no país. O SEBRAE está presente em todos os Estados da Federação com uma Rede de Atendimento de 858 pontos. Promover a competitividade das Micro e Pequenas Empresas é prioridade estratégica do Sistema SEBRAE, especialmente considerando os desafios que enfrentam e as oportunidades do mundo globalizado. Diretor-Presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, Paulo Okamotto. MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação 2008

8 3. REDE DE COOPERAÇÃO BRASIL + A Rede Brasil + A Rede de Cooperação Brasil + foi criada em agosto de 2002 para estimular a competitividade das micro e pequenas empresas e da sociedade brasileira a partir da iniciativa do Movimento Brasil Competitivo (MBC) em parceria com o Sebrae Nacional. O objetivo do projeto é promover uma maior sensibilização dos conceitos sobre competitividade, qualidade, gestão, inovação e produtividade auxiliando no desenvolvimento das micro e pequenas empresas do Brasil. Ao se consorciarem, o MBC e o Sebrae tomaram a decisão de proporcionar aos empresários brasileiros o acesso a modelos de pensamento e ação estratégicos de última geração, que permitem a melhoria da qualidade, produtividade e performance de processos, produtos e serviços. Jorge Gerdau Johannpeter - presidente fundador do MBC. A primeira diretriz da Rede destaca a importância da promoção de um trabalho de educação e massificação dos conceitos da competitividade e da qualidade na micro e pequena empresa, a principal beneficiada desta iniciativa. A segunda diretriz prevê a criação de um sistema de reconhecimento nacional para premiar o elevado desempenho em qualidade e competitividade. Para isso, incentiva a criação de premiações regionais nas 27 unidades da Federação. A premiação para essas empresas permite que iniciem a reflexão sobre melhorias de gestão, perfil empreendedor e resultados, alinhados com uma visão de longo prazo de alcançar os critérios de excelência. Quando os critérios de avaliação da gestão, teoria do negócio e empreendedorismo forem massificados em todo o país, teremos a consciência da necessidade de melhoria do desempenho e da gestão. José Fernando Mattos - diretor-presidente do MBC. Há, ainda, uma terceira linha de ação no projeto Rede Brasil +, visando o fortalecimento dos programas da qualidade e produtividade existentes no país e o incentivo à criação em outros estados. O desafio A principal diretriz para o projeto foi ancorada na necessidade de nacionalizar as iniciativas de sucesso no processo de disseminação das práticas de melhoria de gestão. Até então, o Movimento pela Qualidade tinha conseguido estruturar programas estaduais e prêmios de competitividade para MPEs nos Estados do Sul e Sudeste, com algumas boas experiências no Nordeste. Neste momento, o maior desafio era interiorizar o movimento, incluindo estados da região Norte e Centro Oeste. Em 2008, o trabalho desenvolvido pela Rede será focado na manutenção da capilaridade nacional, e na consolidação de prêmios e adesão de novas parcerias. Além de contar com apoio do Grupo Gerdau, um dos maiores incentivadores as educação para competitividade nas MPEs do Brasil, o projeto teve a adesão da Petrobras como patrocinadora das ações nacionais. Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

9 Cooperar para Competir A dinâmica da competição, no qual uma empresa enfrenta sua vizinha, cada vez mais está se tornando obsoleta. Num processo de aceleração da globalização, a competição deixa de ser com o vizinho do lado e passa a ser com uma outra região do planeta, que conseguiu organizar seus recursos de maneira mais produtiva, disponibilizando os mesmos produtos e serviços a um custo menor. Estes Clusters, base da economia competitiva moderna, é que proporcionam o ambiente adequado para desenvolver estratégias inovadoras, base científica para o desenvolvimento de novas tecnologias e a capacitação de recursos humanos de alto nível, estruturando empresas de base tecnológica cada vez mais competitivas. Resultados Em 2007, a Rede de Cooperação Brasil+ contou com a participação direta de 30 mil micro e pequenas empresas nos Prêmios. Em 5 anos, foram criados 13 prêmios de competitividade e 11 movimentos da qualidade nos Estados brasileiros. Em 2008, o trabalho desenvolvido pela Rede de Cooperação Brasil+ será focado na manutenção da capilaridade nacional, e na consolidação de prêmios e adesão de novas parcerias. Para tanto, está prevista a realização de14 projetos durante o ano. As metas para a Rede de Cooperação Brasil+ em 2008 são: manter 21 prêmios de competitividade para MPEs ativos; criar quatro novos prêmios de competitividade para MPEs e garantir que 36 mil micro e pequenas empresas participem do prêmio MPEs e que 7 mil delas sejam classificadas no processo de auto-avaliação. MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação 2008

10 4. FUNDAMENTOS DA EXCELÊNCIA O Questionário de Auto-Avaliação do MPE Brasil - Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas constitui um modelo sistêmico da gestão das empresas com base nos conceitos fundamentais essenciais à obtenção da excelência do desempenho. O Modelo de Excelência da Gestão está alicerçado sobre um conjunto de conceitos fundamentais, descritos na publicação Conceitos Fundamentais da Excelência em Gestão, disponível para download gratuito no Portal da Fundação Nacional da Qualidade FNQ, Os Fundamentos da Excelência expressam conceitos reconhecidos internacionalmente e que se traduzem em práticas ou fatores de desempenho encontrados em organizações líderes, de Classe Mundial, que buscam constantemente se aperfeiçoar e se adaptar às mudanças globais. Os fundamentos em que se baseia o Questionário de Auto-Avaliação do MPE Brasil - Prêmio de Competitividade para MPEs são: 1. Pensamento sistêmico 2. Aprendizado Organizacional 3. Cultura de inovação 4. Liderança e Constancia de propósitos 5. Orientação por processos e informações 6. Visão de futuro 7. Geração de valor 8. Valorização das pessoas 9. Conhecimento sobre o cliente e o mercado 10. Desenvolvimento de parcerias 11. Responsabilidade social 10 Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

11 5. ORIENTAÇÃO GERAL SOBRE O PROCESSO Como preencher o instrumento de avaliação Para preencher o questionário a seguir, sua empresa deverá ter completado pelo menos um exercício fiscal, correspondente ao do ano de As informações coletadas aqui tornarão possível a análise do desempenho da qualidade da gestão de sua empresa, incluindo os aspectos mercadológico e econômico-financeiro. Além disso, permitirão a comparação desse desempenho com o de outras empresas inscritas no Prêmio. Por esse motivo, os dados deverão espelhar ao máximo a realidade do seu negócio, e serão verificados por meio da solicitação dos documentos fiscais comprobatórios após a etapa classificatória. A Coordenação do Prêmio assegura que as informações abaixo não serão publicadas em nenhuma hipótese (serão mantidas no mais absoluto sigilo) e que não serão utilizadas para qualquer finalidade diversa da avaliação de sua empresa para as fases classificatória e final deste Prêmio. Ao fornecer esses dados, sua empresa assegura que estes correspondem a mais fiel expressão da realidade do seu negócio, desde já se colocando à disposição da Coordenação do Prêmio para dirimir quaisquer dúvidas, fornecer documentos comprobatórios ou receber uma visita de um avaliador autorizado. MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação

12 6. FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA EMPRESA Razão Social Nome Fantasia: Estado: Categoria: Atividade Econômica: CNPJ / CPF: Faturamento Anual: Número de Empregados: Data de Abertura da Empresa: ENDEREÇO CEP: Caixa Postal: País: Cidade: Escritório Regional: Logradouro: Bairro: Complemento: DADOS DO CONTATO DA EMPRESA: Nome: Cargo: Telefone Fixo: Celular: Descreva, de forma resumida, quais os principais produtos e/ou serviços de sua empresa e seus principais clientes: 12 Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

13 7. QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Este Questionário de Auto-Avaliação tem como objetivo avaliar o desempenho das candidatas ao MPE Brasil - Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas ANO Os critérios utilizados analisam as dimensões de empreendedorismo e gestão da organização praticada pela empresa. O Questionário de Avaliação é composto de duas partes: Parte I Auto-Avaliação das Características de Comportamento Empreendedor Analisa o perfil do empreendedor à frente da empresa, mediante auto-avaliação estabelecida por situações que envolvem o dia-a-dia do seu negócio. Parte II Auto-Avaliação da Gestão Avalia a gestão da empresa, abrangendo: a maneira como é conduzida a função de liderança do negócio; como são desenvolvidos as estratégias e planos em seu negócio; o relacionamento com mercados e clientes; o relacionamento com a sociedade; a organização e o uso de informações para a condução da gestão; o desenvolvimento das pessoas envolvidas nos processos; a maneira como os processos são gerenciados; e os resultados obtidos pela empresa. Todos os dados fornecidos deverão espelhar a realidade do seu negócio, e serão verificados com a solicitação dos documentos fiscais comprobatórios, após a etapa classificatória do Prêmio. O preenchimento de cada parte deste questionário se dá de forma distinta. Para tanto, você deverá ler com atenção as instruções de preenchimento que antecedem cada parte deste questionário e, em caso de dúvidas, dirigir-se à Coordenação do Prêmio em seu Estado. Será considerada candidata ao Prêmio a empresa que responder as 30 questões da Parte I e as 26 questões da Parte II e enviar o questionário preenchido para a Coordenação do Prêmio em seu estado. A Coordenação do Prêmio assegura o mais absoluto sigilo às informações contidas neste Questionário, não as publicando em nenhuma hipótese, nem lhes dando finalidade diversa da avaliação de sua empresa para as fases classificatória e final, conforme consta do Regulamento e do Código de Ética deste Prêmio. MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação

14 PARTE I AUTO-AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR Instruções de Preenchimento Para preencher as questões de 1 a 30, correspondentes à Parte I Auto-Avaliação das Características de Comportamento Empreendedor, você deve ler cuidadosamente cada breve afirmação e decidir, conforme sua realidade, qual a melhor forma de enquadramento. Seja honesto consigo mesmo. Lembre-se: ninguém faz tudo corretamente, nem é desejável que se saiba fazer tudo. Selecione o número correspondente considerando: 1 = Nunca 2 = Às vezes 3 = Sempre Marque o número selecionado na linha à direita de cada afirmação. Todas as questões devem ser preenchidas obrigatoriamente. Exemplo: Mantenho-me calmo em situações tensas A pessoa que responder, neste exemplo, o número 2 está indicando que às vezes mantém-se calmo em situações tensas. Algumas afirmações podem ser similares, mas nenhuma é exatamente igual. Uma vez concluída a Parte I deste formulário, passe para a Parte II. Você receberá uma análise de seus resultados com breves explicações sobre cada um dos resultados obtidos, que poderão auxiliá-lo na interpretação dos mesmos e na tomada de melhores decisões na sua empresa. 14 Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

15 PARTE I AUTO-AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE COMPORTAMENTO EMPREENDEDOR Questionário 1. Gosto de desafios e novas oportunidades e esforço-me para realizar as coisas que devem ser feitas, sem que os outros tenham de me pedir. 2. Insisto várias vezes para conseguir que as outras pessoas façam o que desejo e quando algo se interpõe entre o que estou fazendo, persisto até conseguir o que quero, não me importando com o tempo gasto para isso As mudanças me assustam, então prefiro criar uma rotina onde posso controlar as coisas que faço Procuro terminar o meu trabalho a tempo e manter-me fiel às promessas que faço, mesmo que isto implique em fazer o trabalho de outras pessoas para cumprir o que foi prometido. 5. Meu rendimento no trabalho é melhor do que o das outras pessoas com quem trabalho, uma vez que procuro fazer as coisas devidamente de acordo com o que foi estabelecido, dando ênfase à otimização do tempo Se as coisas começam a ficar difíceis, prefiro desistir para não perder tempo Procuro situações em que posso controlar ao máximo os resultados finais, considerando minhas possibilidades de êxito ou fracasso antes de agir. 8. Gosto de pensar sobre o futuro e fazer planos claros para a minha vida, pois acredito que quanto mais específicas forem minhas expectativas, maiores serão minhas possibilidades de êxito Faço as coisas no meu ritmo sem me preocupar com as exigências e os prazos Quando inicio algo novo, recolho todas as informações possíveis, inclusive, consulto pessoas que são especialistas na área que estou atuando. 11. Procuro dividir um projeto de grande porte em tarefas mais simples, antecipando-me a todos os problemas que podem acontecer durante a execução além de considerar cuidadosamente as vantagens e desvantagens de diferentes alternativas possíveis. 12. As coisas nem sempre saem como se imagina, nestes casos, se der para eu fazer bem feito, faço, mas se não der, tudo bem. 13. Consigo que os outros apóiem as minhas recomendações, e conto com pessoas influentes para alcançar minhas metas, procurando soluções que beneficiem a todos. 14. Tenho confiança que posso ser bem sucedido em qualquer atividade que me proponho executar, mesmo sendo algo difícil ou desafiador Faço as coisas da mesma maneira e assim evito me estressar com coisas que não estavam previstas Procuro me superar em novas oportunidades Encontro vários caminhos para superar as dificuldades, sem perder o foco Procuro viver um dia de cada vez e realizo as coisas que vão aparecendo no caminho Abro mão do lazer, sempre que necessário, para atender a um compromisso assumido Acredito que tudo que faço, mesmo tendo bons resultados, pode ser melhorado Aprendo fazendo e não gasto meu tempo querendo saber antes como as coisas devem ser feitas Faço coisas que no julgamento dos outros são arriscadas Minhas ações diárias são fortemente influenciadas por meus objetivos de vida Organização e controle são atividades que dispenso, pois o tempo é curto e minha intuição é suficiente para decidir como fazer Quando desconheço algo, não me importo em buscar informações Conto com um plano claro de vida em longo prazo Dispenso a opinião das pessoas sobre o que faço, pois não preciso delas Utilizo diferentes estratégias para convencer as pessoas a colaborarem comigo Mantenho o meu ponto de vista, mesmo diante da discordância de outras pessoas Deixo de fazer o que gosto para agradar os outros MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação

16 PARTE II AUTO-AVALIAÇÃO DA GESTÃO DA EMPRESA Instruções de Preenchimento O preenchimento das questões relativas à Parte II Auto-Avaliação da Gestão da Empresa, é diferente da Parte I. As questões da Parte II, de 31 a 56, estão divididas com base nos Critérios de Excelência da Gestão da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), e que são os seguintes: 1. Liderança 2. Estratégias e Planos 3. Clientes 4. Sociedade 5. Informações e Conhecimento 6. Pessoas 7. Processos Cada questão possui 4 (quatro) alternativas de respostas (a, b, c ou d). Assinale apenas a opção que mais se aproximar da realidade de sua empresa. É obrigatório responder todas as perguntas. Algumas questões solicitam informações adicionais, portanto, quando houver essa solicitação é obrigatório apresentar o que está sendo solicitado. A não apresentação pode desclassificar a empresa das etapas seguintes. Para algumas questões, são também solicitados resultados dos três últimos anos (2005, 2006 e 2007). Descreva a média anual dos resultados dos indicadores de desempenho solicitados. Todos os indicadores de desempenho, para os quais são solicitados resultados possuem o método de cálculo e, alguns, uma breve explicação de seu significado, apresentados no anexo 1 deste Questionário de Avaliação. Se sua empresa não possui informações relativas aos três últimos anos, apresente as que você tem. Se sua empresa for selecionada para a fase de visita, os dados respondidos serão verificados pelos avaliadores indicados pela coordenação do Prêmio. No final do processo você receberá um Relatório de Auto-Avaliação com pontos fortes e oportunidades para melhoria de sua empresa, contribuindo para a melhoria da gestão e dos resultados de seu negócio. 16 Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

17 CRITÉRIO 1 LIDERANÇA Este critério trata da forma como o empresário conduz o seu negócio, define rumos, analisa o desempenho da sua empresa e aprimora o conhecimento dos seus líderes. 31. A empresa possui definição clara sobre a sua razão de existir (o que fazer, qual a sua finalidade Missão), aonde pretende chegar num futuro definido (Visão) e sobre os princípios organizacionais que orientam como os colaboradores (pessoas sob coordenação direta da empresa) devem agir no seu dia-a-dia (Valores)? a) Não temos Missão, Visão e Valores definidos. b) Nossa Missão, Visão e Valores estão definidos e divulgados de forma parcial na empresa. c) Nossa Missão, Visão e Valores estão definidos e divulgados a todos os colaboradores da empresa. d) Nossa Missão, Visão e Valores estão definidos e divulgados a todas as pessoas da empresa, e foram estabelecidos considerando as necessidades do nosso mercado, dos nossos clientes e a percepção dos colaboradores. Informações Adicionais Solicitadas: Apresentar a Missão, Visão, os Valores e os meios de divulgação destes para os colaboradores. 32. A análise dos resultados da empresa (análise crítica do desempenho) é feita pelos dirigentes (dono, diretor, gerente)? a) Não há nenhum tipo de análise dos resultados. b) A análise é feita pelos dirigentes sem a utilização de indicadores. c) A análise é feita regularmente pelos dirigentes com a utilização de indicadores. d) A análise é feita regularmente pelos dirigentes com a utilização de indicadores e contribuem na melhoria do desempenho da empresa Informações Adicionais Solicitadas: Citar a periodicidade da análise, quem participa e exemplos de informações e indicadores utilizados. 33. Após a análise dos resultados, as decisões são divulgadas aos colaboradores, quando necessário? a) Não são divulgadas aos colaboradores b) São divulgadas aos colaboradores. c) São divulgadas aos colaboradores e é solicitada a execução das ações de melhoria. d) São divulgadas aos colaboradores, é solicitada a execução das ações de melhoria, e há acompanhamento pelos dirigentes. MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação

18 34. Nos últimos 3 anos, os dirigentes (dono, diretor, gerente) da empresa participaram de treinamentos, cursos, seminários ou congressos para aprimoramento dos seus conhecimentos sobre gestão empresarial e os aplicaram na empresa (implantação de ações com base nos conhecimentos adquiridos), quando possível? a) Não participaram de nenhum evento. b) Participaram de pelo menos 1 evento e aplicaram os conhecimentos adquiridos. c) Participaram de pelo menos 2 eventos e aplicaram os conhecimentos adquiridos, trazendo melhores resultados para a empresa. d) Participaram de pelo menos 3 eventos e aplicaram os conhecimentos adquiridos, trazendo melhores resultados para a empresa. 18 Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

19 CRITÉRIO 2 ESTRATÉGIAS E PLANOS Este critério trata da definição das estratégias da empresa (caminhos ou rumos escolhidos para se alcançar a sua visão de futuro), do desdobramento destas em metas e planos de ação, incluindo a definição de indicadores de desempenho. 35. A empresa possui estratégias claramente definidas, que permitem atingir a sua visão de futuro? a) Não temos estratégias definidas. b) As estratégias foram definidas levando em consideração nossa capacidade de produzir, vender ou prestar serviços e também a qualificação dos colaboradores (pessoas sob coordenação direta da empresa). c) As estratégias foram definidas levando em consideração nossa capacidade de produzir, vender ou prestar serviços, a qualificação dos colaboradores e também as necessidades dos nossos clientes e mercados e da sociedade. d) As estratégias foram definidas levando em consideração nossa capacidade de produzir, vender ou prestar serviços, a qualificação dos colaboradores e também as necessidades dos nossos clientes e mercados e da sociedade, diferenciando nossa empresa dos concorrentes. Informações Adicionais Solicitadas: Apresentar as estratégias estabelecidas pela empresa. 36. Estão estabelecidas metas (aonde se quer chegar) e indicadores de desempenho (como medir os resultados obtidos) para cada uma das estratégias planejadas? a) Não temos metas e indicadores de desempenho. b) Temos metas para pelo menos uma das estratégias definidas. c) Temos metas e indicadores para pelo menos uma das estratégias definidas. d) Temos metas e indicadores para pelo menos duas das estratégias definidas e elas são divulgadas internamente. Informações Adicionais Solicitadas: Apresentar as principais metas da empresa, sua relação com as estratégias estabelecidas e os indicadores de desempenho utilizados. 37. Estão definidos os planos de ação (responsáveis, prazos e os recursos necessários para a execução do que deve ser feito),visando atingir as metas da empresa? a) Não temos planos de ação. b) Temos planos de ação para pelo menos duas metas definidas e eles estão divulgados às áreas envolvidas. c) Temos planos de ação para pelo menos três metas definidas e eles estão divulgados às áreas envolvidas. d) Temos planos de ação para todas as metas definidas, eles são divulgados às áreas envolvidas e acompanhados por um responsável. MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação

20 CRITÉRIO 3 CLIENTES Este critério trata do conhecimento que a empresa tem dos seus clientes e mercados, da identificação de suas necessidades e do seu grau de satisfação, e de como suas reclamações são tratadas. 38. Os clientes da empresa são agrupados por tipo (exemplo: grau de importância, volume de compras, tipos de produtos adquiridos) e as suas necessidades são identificadas? a) Não agrupamos os clientes por tipo e não conhecemos as suas necessidades. b) Conhecemos as necessidades dos clientes, mas não os agrupamos por tipo. c) Os diferentes tipos de clientes são agrupados e conhecemos suas necessidades. d) Os diferentes tipos de clientes são agrupados e as suas necessidades são identificadas, de forma sistematizada. Informações Adicionais Solicitadas: Apresentar os principais grupos de clientes e as suas necessidades. 39. A empresa recebe, registra, analisa e trata (promove ações para solução) as eventuais reclamações efetuadas pelos clientes? a) Não recebemos, não analisamos e não tratamos as reclamações dos clientes. b) As reclamações são recebidas, mas não as analisamos nem tratamos. c) As reclamações são registradas, analisadas e tratadas. d) As reclamações são registradas, analisadas, tratadas e damos retorno ao cliente quanto às soluções adotadas. Resultado: % de Reclamações Recebidas e Resolvidas (considerar aquelas que procedem ou que têm fundamento ou que têm uma razão justificada). Informar quais foram os percentuais de reclamações recebidas e resolvidas pela empresa (relativas a defeitos em produtos, em serviços prestados ou quanto ao atendimento dispensado) nos últimos 3 anos? % de Reclamações Recebidas e Resolvidas Unidade: % quanto maior melhor ( ) Não controlo este indicador: ( ) Controlo o percentual de reclamações recebidas e resolvidas por meio de outro indicador (apresentar o indicador): Indicador: Unidade: Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

21 40. A satisfação dos clientes é avaliada de forma a identificar pontos fortes e oportunidades para melhoria dos seus processos, produtos e serviços? a) Não temos nenhuma prática para medir a satisfação dos clientes. b) Eventualmente realizamos avaliação da satisfação dos clientes, mas os dados não são registrados e isso não é feito de uma forma padronizada. c) Temos um padrão estabelecido para avaliar a satisfação dos clientes. Registramos e analisamos os resultados obtidos. d) Temos um padrão estabelecido para avaliar a satisfação dos clientes. Registramos e analisamos os resultados obtidos e estabelecemos ações de melhoria. Resultado: Índice de Satisfação de Clientes Informar quais foram os percentuais de clientes que se declararam satisfeitos com os produtos ou serviços da empresa nos últimos 3 anos. Índice de Satisfação de Clientes Unidade:: % quanto maior melhor ( ) Não controlo este indicador: ( ) Controlo a satisfação dos clientes por meio de outro indicador (apresentar o indicador): Indicador: Unidade: MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Questionário de Auto-avaliação

22 CRITÉRIO 4 SOCIEDADE Este critério trata da identificação dos impactos ambientais decorrentes dos produtos, processos e instalações da empresa e ainda da sua prática de ações relativas à responsabilidade social. 41. A empresa identifica e trata os impactos negativos de seus processos, produtos, serviços e instalações, que possam causar danos ao meio-ambiente, a fim de promover uma atuação ambientalmente correta? Exemplos de impactos negativos: descarte incorreto de sobras de produção, lixo, lâmpadas fluorescentes, cartuchos de impressoras e embalagens, emissões atmosféricas e descargas de efluentes contaminados (Destacamos que todas as atividades empresariais de alguma forma causam impactos ao meio-ambiente) a. Não temos conhecimento dos impactos negativos que nossas atividades possam causar ao meio-ambiente. b. Sabemos que causamos danos ao meio-ambiente, mas sempre que isso ocorre, agimos para reparar o dano causado. c. Identificamos e tratamos os impactos ambientais negativos e estabelecemos ações para diminuir ou eliminar os danos causados. d. Identificamos e tratamos os impactos ambientais negativos e estabelecemos ações para prevenir, diminuir ou eliminar os danos causados Informações Adicionais Solicitadas: Citar os principais impactos negativos causados pelas atividades da empresa ao meio-ambiente e exemplos de ações implementadas para diminuí-los ou eliminá-los. 42. A empresa controla o consumo de água e de energia elétrica e orienta os colaboradores (pessoas sob coordenação direta da empresa) a usarem esses recursos não renováveis de forma racional? a. Não sabemos quais são os consumos de água e de energia elétrica na empresa. b. Os consumos de água e de energia elétrica na empresa são conhecidos, mas não temos nenhum tipo de controle sobre eles. c. Controlamos o consumo de água e de energia elétrica, mas não temos ações educativas para orientar as pessoas como usá-los de forma racional. d. Controlamos o consumo de água e de energia elétrica e orientamos as pessoas como usá-los de forma racional. 22 Questionário de Auto-avaliação 2008 MPE Brasil - PRÊMIO DE COMPETITIVIDADE PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

MPE Brasil 2010 Prêmio de Competitividade para MPEs

MPE Brasil 2010 Prêmio de Competitividade para MPEs MPE Brasil 2010 Prêmio de Competitividade para MPEs Evolução do prêmio: O Prêmio Talentos Empreendedores completou 15 anos em 2008 e desde então com o processo de nacionalização, ele se chama Prêmio MPE

Leia mais

Manual de Candidatura. Prêmio Master Empresarial

Manual de Candidatura. Prêmio Master Empresarial Manual de Candidatura Prêmio Master Empresarial Ciclo 2007 1 SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE é o serviço

Leia mais

Questionário de Autoavaliação MPE Brasil Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas. Ciclo 2009

Questionário de Autoavaliação MPE Brasil Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas. Ciclo 2009 Questionário de Autoavaliação MPE Brasil Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas Ciclo 2009 Este material foi desenvolvido pelos parceiros do MPE Brasil Prêmio de Competitividade para

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Seja um vencedor. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO CICLO 2010. Participe do Prêmio MPE Brasil.

Seja um vencedor. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO CICLO 2010. Participe do Prêmio MPE Brasil. 20 10 ED IÇ ÃO Participe do Prêmio MPE Brasil. Seja um vencedor. O MPE Brasil Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas é um reconhecimento, em nível estadual e nacional, às micro e pequenas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Gestão Colaborativa. Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009. Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise INOVAÇÃO

Gestão Colaborativa. Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009. Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise INOVAÇÃO Qualidade e Produtividade para Enfrentar a Crise Gestão Colaborativa INOVAÇÃO SUSTENTABILIDADE GESTÃO COLABORATIVA EMPREENDEDORISMO CRIATIVIDADE Luiz Ildebrando Pierry Curitiba/PR 30 de setembro de 2009

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

Ciclo 2012. Devolução até 30/8/2012. Participação gratuita Informações: 0800 570 0800. www.premiompe.sebrae.com.br

Ciclo 2012. Devolução até 30/8/2012. Participação gratuita Informações: 0800 570 0800. www.premiompe.sebrae.com.br Ciclo 2012 Devolução até 30/8/2012 Participação gratuita Informações: 0800 570 0800 www.premiompe.sebrae.com.br Lembrem-se de preencher. Mais de 380 mil empresas, em todo o Brasil, já participaram. mpe

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA

REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA REGULAMENTO DESAFIO CRIATIVOS DA ESCOLA O Desafio Criativos da Escola é um concurso promovido pelo Instituto Alana com sede na Rua Fradique Coutinho, 50, 11 o. andar, Bairro Pinheiros São Paulo/SP, CEP

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS

RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RELATÓRIO FORMADORES DE OPINIÃO E ASSOCIADOS RESULTADOS PESQUISA COM COMITÊS Definição e significado do PGQP para os comitês: Definições voltadas para ao Programa Significado do PGQP Qualificação das organizações

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver.

REGULAMENTO CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO 1. APRESENTAÇÃO. alternativa de autoemprego e geração de renda para sobreviver. CONCURSO MEU SONHO MEU NEGÓCIO PROJETO DE INCENTIVO AO PEQUENO NEGÓCIO 7ª EDIÇÃO, 2015 Realização: SEBRAE/SC e RICTV Record REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO O concurso MEU SONHO MEU NEGÓCIO é um projeto realizado

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book

Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book Manual de instruções para o desenvolvimento do Caderno de Evidências Book O Caderno de Evidências (Book) acompanhará o questionário da empresa na pesquisa. É importante lembrar que o envio desse material,

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

A SA 8000 e a Gestão da Qualidade e do Meio-ambiente

A SA 8000 e a Gestão da Qualidade e do Meio-ambiente A SA 8000 e a Gestão da Qualidade e do Meio-ambiente Irene Szyszka Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade - PGQP Seminário NORMA SA 8000 01/08/2002 12/09/04 Direitos Reservados 1 Missão do PGQP Promover

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho A Motivação da Busca de Programas de Qualidade 34 Experiência com manuais sobre qualidade em indústria

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Prepare-se para uma viagem em

Prepare-se para uma viagem em Prepare-se para uma viagem em que você poderá:. conhecer diversas culturas e perspectivas,. desenvolver novas competências,. participar de uma organização estadual,. obter uma rede de contatos diferenciada,

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Regulamento Prêmio Telecentros Brasil 2015

Regulamento Prêmio Telecentros Brasil 2015 Regulamento Prêmio Telecentros Brasil 2015 Seção I - Introdução Art. 1º O Prêmio Telecentros Brasil, criado pela Associação Telecentro de Informação e Negócios (ATN) em parceria com o SEBRAE, TICKET, Ministério

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

REGULAMENTO. 1º - Serão aceitos projetos inovadores desenvolvidos em 2009 e 2010, e que já estejam no mercado por um período mínimo de 6 meses.

REGULAMENTO. 1º - Serão aceitos projetos inovadores desenvolvidos em 2009 e 2010, e que já estejam no mercado por um período mínimo de 6 meses. REGULAMENTO APRESENTAÇÃO Art. 1º O Prêmio de Nacional de Inovação na Indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pelo Movimento Brasil Competitivo (MBC), com o apoio da Financiadora

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Categoria Franqueado

Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Razão Social: Natureza Comércio e Representações Ltda Nome Fantasia: O Boticário Data de fundação:

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

MANTENEDOR E CONTADOR

MANTENEDOR E CONTADOR MANTENEDOR E CONTADOR No ano de 2000, Darci de Paula, Contador formado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em Ciências Contábeis e Pós graduado em MBA IFRS(Normas Internacionais de Contabilidade),

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal A Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap) torna público o regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal.

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais