JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO N.º 137

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO N.º 137"

Transcrição

1

2 JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO N.º 137 (10 DE DEZEMBRO DE 1997) (Alterada pela Resolução n.º 220 de ) O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 16, do seu Regimento, resolve aprovar o seguinte: REGIMENTO DA SECRETARIA DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA ESTRUTURA E COMPETÊNCIA DOS ÓRGÃOS CAPÍTULO I DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA Art. 1º O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará tem a seguinte estrutura administrativa: I - Presidência - PRESI a) Assessoria Jurídica - ASJUR b) Assessoria de Comunicação Social - ASCOM c) Gabinete da Presidência - GAPRE II - Corregedoria - CRE a) Assessoria da Corregedoria - ASCOR b) Gabinete da Corregedoria - GACOR 1

3 III - Diretoria-Geral - DIGER a) Assessoria da Diretoria-Geral - ASDIR b) Gabinete da Diretoria-Geral - GADIR c) Coordenadoria de Controle Interno - COCIN 1. Seção de Auditoria - SEAUD d) Seção de Cerimonial - CERIM IV - Secretaria Judiciária - SEJUD a) Gabinete da Secretaria Judiciária - GASEJ b) Coordenadoria de Registros e Informações Processuais - CORIP 1. Seção de Autuação e Distribuição - SEADI 2. Seção de Registros - SEREG 3. Seção de Controle de Processos - SECOP 4. Seção de Taquigrafia e Acórdãos - SETAQ c) Coordenadoria de Jurisprudência e Documentação - COJUD 1. Seção de Documentação Partidária - SEDOP 2. Seção de Editoração e Publicidade - SEDIP 3. Seção de Biblioteca SEBIB 4. Seção de Jurisprudência e Legislação - SEJUL V - Secretaria de Informática - SEINF a) Gabinete da Secretaria de Informática - GASEI b) Coordenadoria de Produção e Suporte - COSUP 1. Seção de Produção - PRODU 2. Seção de Sistemas e Redes - SESRE 3. Seção de Equipamentos e Apoio aos Usuários - SEQUI c) Coordenadoria de Eleições - COELE 1. Seção de Organização e Procedimentos de Eleição - SEOPE 2. Seção de Planejamento de Material de Eleição - SEMAP d) Coordenadoria de Estatísticas e Informações Eleitorais - COESI 1. Seção de Informações Eleitorais - SINFE 2. Seção de Estatísticas Eleitorais - SESTE VI - Secretaria de Administração - SECAD a) Gabinete da Secretaria de Administração - GASEA b) Coordenadoria de Material e Patrimônio - COPAT 2

4 1. Seção de Almoxarifado - SEALX 2. Seção de Compras - SECOM 3. Seção de Licitação e Contratos - SELIC c) Coordenadoria de Serviços Gerais - COSEG 1. Seção de Manutenção e Limpeza - SEMLI 2. Seção de Portaria e Segurança - SEPOS 3. Seção de Transportes - SETRA d) Coordenadoria de Comunicações - COCOM 1. Seção de Comunicações e Expedientes - SECOE 2. Seção de Arquivo - SEARQ 3. Seção de Expedição - SEEXP 4. Seção de Protocolo - PROTO VII - Secretaria de Recursos Humanos - SERHU a) Gabinete da Secretaria de Recursos Humanos - GASHU b) Seção de Folha de Pagamento - SEPAG c) Serviço de Assistência Médica e Social - SAMES d) Coordenadoria de Pessoal - COPES 1. Seção de Legislação e Normas - SELEN 2. Seção de Registros Funcionais - SEREF 3. Seção de Inativos e Pensionistas - SINAP e) Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos - CODES 1. Seção de Administração de Benefícios - SEABE 2. Seção de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal - SETRE 3. Seção de Desempenho e Qualidade - SEDEQ VIII - Secretaria de Orçamento e Finanças - SEOFI a) Gabinete da Secretaria de Orçamento e Finanças - GASOF b) Coordenadoria de Orçamento - COORC 1. Seção de Programação Orçamentária - SEPRO 2. Seção de Acompanhamento e Execução Orçamentária - SEORC c) Coordenadoria Contábil e Financeira - CCOFI 1. Seção de Programação e Execução Financeira - SEPEF 2. Seção de Contabilidade - SCONT * Artigo alterado pela Resolução n.º 220 de

5 CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DOS ÓRGÃOS SEÇÃO I DA DIRETORIA-GERAL Art. 2º Compete à Diretoria-Geral planejar, coordenar, organizar, orientar, dirigir e controlar as atividades a serem desenvolvidas pela Secretaria, de acordo com as atribuições descritas neste Regimento, tendo em vista as deliberações do Tribunal e de sua Presidência. SUBSEÇÃO I DA ASSESSORIA DA DIRETORIA-GERAL Art. 3º Compete à Assessoria da Diretoria-Geral - ASDIR, a emissão de pareceres de natureza jurídica sobre assuntos de interesse da Secretaria do Tribunal, bem como o assessoramento em matérias de ordem administrativa, financeira e orçamentária. SUBSEÇÃO II DO GABINETE DA DIRETORIA-GERAL Art. 4º Compete ao Gabinete da Diretoria-Geral - GADIR, assistir o Diretor- Geral na sua representação social, no desempenho das demais atribuições, providenciando, igualmente, o expediente, a agenda e as audiências da Diretoria. SUBSEÇÃO III DA COORDENADORIA DE CONTROLE INTERNO Art. 5º À Coordenadoria de Controle Interno - COCIN, compete: 1. acompanhar o cumprimento das metas previstas no Plano Plurianual e a execução do orçamento e dos Programas de Trabalho a cargo do Tribunal; 2. comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e à eficiência, da gestão orçamentária, financeira, operacional e patrimonial das unidades gestoras do Tribunal; 3. apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional; 4. dar ciência ao Tribunal de Contas da União da ocorrência de irregularidades ou ilegalidades, nos termos do 1º do art. 74 da Constituição Federal, comunicando o fato ao Diretor-Geral e propondo, quando possível, as providências cabíveis; 5. prover orientação e fornecer subsídios, mediante emissão de pareceres com 4

6 base na legislação pertinente, aos administradores, com o fim de racionalizar a execução das despesas e de garantir eficácia e eficiência à gestão orçamentária, financeira e patrimonial do Tribunal; do Tribunal; 6. coordenar a execução do Plano Anual de Atividades de Auditoria no âmbito 7. submeter à apreciação e ao julgamento do Tribunal de Contas da União os resultados da análise realizada nos termos do inciso IX do art. 6º, inclusive quando detectadas irregularidades ou ilegalidades; 8. fiscalizar o cumprimento da exigência da entrega, à área de Recursos Humanos, das declarações de bens e rendas das autoridades e servidores do Tribunal, na forma prevista na legislação pertinente, atestando a compatibilidade entre as variações patrimoniais ocorridas e os rendimentos declarados pelos respectivos responsáveis; 9. validar os registros contábeis efetuados pelas unidades gestoras do Tribunal no Sistema Integrado de Administração Financeira-SIAFI, em confronto com os documentos originários, solicitando os ajustes cabíveis; 10. efetuar a conformidade mensal, informando às unidades gestoras eventuais restrições; 11. elaborar, no âmbito do Tribunal, as tomadas de contas anuais do ordenador de despesa e dos demais responsáveis por bens e valores públicos, procedendo, ainda, à tomada de contas especial ou extraordinária, nos casos previstos na legislação, igualmente nas hipóteses de perda, extravio ou estrago de valores, bens e materiais de propriedade ou responsabilidade da União, sugerindo, quando constatadas irregularidades, providências indispensáveis ao resguardo do interesse público e da probidade na aplicação de dinheiro e no uso dos bens; 12. impugnar, mediante representação junto ao Tribunal de Contas da União, para apuração e identificação de responsabilidade, qualquer ato relativo à realização de despesas que incidam nas proibições legais, comunicando a ilegalidade à autoridade a quem o responsável esteja subordinado e fornecendo os elementos indispensáveis aos procedimentos cabíveis, promovendo a inscrição em diversos responsáveis, à conta dos gestores, até a apuração dos fatos; 13. analisar os processos licitatórios, inclusive as hipóteses de dispensa, inexigibilidade e retardamento, e os contratos deles decorrentes, atentando para o cumprimento dos princípios básicos da legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade e da probidade administrativa; 14. orientar e executar as atividades relacionadas à análise de documentação comprobatória da execução orçamentária e financeira da despesa; 15. acompanhar os processos de sindicância, observando a eventual apuração de responsabilidade; 16. coordenar, orientar e acompanhar as atividades relacionadas às operações do Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI, junto às unidades gestoras do Tribunal; 17. coordenar, sob a orientação da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Superior Eleitoral, a realização de auditorias especiais e integradas no âmbito da Justiça Eleitoral; 5

7 18. exercer a fiscalização da escrituração contábil e da prestação de contas anual dos partidos políticos, bem como das despesas de campanha eleitoral, nos termos da legislação vigente; 19. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de SUBSEÇÃO IV DA SEÇÃO DE AUDITORIA Art. 6º À Seção de Auditoria - SEAUD, compete: 1. elaborar e executar, sob a orientação da Coordenadoria de Controle Interno - COCIN, o Plano Anual de Atividades de Auditoria, em consonância com as diretrizes, normas e padrões estabelecidos para auditoria no serviço público; 2. realizar auditorias sobre a gestão contábil, financeira, de execução orçamentária, de pessoal, patrimonial e dos demais sistemas administrativos, emitindo relatórios e pareceres sobre a administração dos gestores públicos no âmbito do Tribunal; 3. participar de auditorias especiais e integradas, no âmbito da Justiça Eleitoral, sob a orientação da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Superior Eleitoral; 4. sugerir ao Órgão Central do Sistema de Controle Interno a normatização, a sistematização e a padronização dos procedimentos de auditoria, fiscalização e avaliação de gestão; 5. examinar os atos de gestão denunciados como ilegais ou irregulares, manifestando-se sobre sua legalidade ou regularidade, para fins de apreciação dos fatos pela autoridade competente; 6. manter atualizados os registros das decisões do Tribunal de Contas da União relacionadas aos processos de tomadas de contas, de admissão, desligamento, aposentadoria e pensão, bem como arquivos sobre legislação e jurisprudência pertinentes a assuntos de interesse da Coordenadoria de Controle Interno-COCIN; 7. propor os termos da comunicação a ser feita ao Tribunal de Contas da União quando, pela análise realizada pela Coordenadoria de Controle Interno-COCIN, ficar evidenciada a omissão da entrega da declaração de bens e rendas e/ou a insuficiência dos esclarecimentos prestados pelos ocupantes de funções comissionadas; 8. manter atualizado o rol de responsáveis pelos atos de gestão, de admissão e desligamento de pessoal, bem como de concessão de aposentadorias, de pensões e ainda de outras autoridades indicadas na legislação vigente, encaminhando a relação ao Tribunal de Contas da União; 9. analisar a exatidão e suficiência dos dados relativos à admissão e ao desligamento de pessoal e à concessão de aposentadorias e pensões; 10. examinar, para fins de verificação do ressarcimento dos prejuízos causados ao erário, os processos de apuração de responsabilidade; 11. conservar, pelo prazo de cinco anos, a contar da data de julgamento das 6

8 contas pelo Tribunal de Contas da União, os documentos, relatórios, certificados e pareceres relacionados com a auditoria realizada; 12. acompanhar as providências adotadas pelas áreas e unidades auditadas, em decorrência de impropriedades e irregularidades eventualmente detectadas nos trabalhos de auditoria, manifestando-se sobre sua eficácia e propondo, quando for o caso, encaminhamento ao Tribunal de Contas da União, para juntada aos processos respectivos; 13. efetuar a conferência dos relatórios periódicos de movimentação dos bens móveis e do material no Almoxarifado do Tribunal, bem como dos respectivos inventários, inclusive dos bens imóveis, com os registros efetivados no Sistema Integrado de Administração Financeira - SIAFI; 14. providenciar ou promover o atendimento às diligências solicitadas pelo Tribunal de Contas da União; 15. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de SUBSEÇÃO V DA SEÇÃO DE CERIMONIAL Art. 6º-A À Seção de Cerimonial - CERIM, compete: 1. organizar as sessões solenes destinadas à diplomação de candidatos eleitos, às comemorações e recepções de autoridades, às posses e despedidas do Presidente, Vice-Presidente e Juízes Membros; 2. ambientar e decorar as dependências do TRE/CE por ocasião de datas comemorativas ou quando necessário; 3. elaborar e enviar correspondências sociais, cartões e convites oficiais da Presidência, Corregedoria e Diretoria-Geral; 4. manter atualizado o banco de dados das autoridades federais, estaduais e municipais com as quais o TRE se relacione com mais freqüência; 5. influir como introdutor de visitas oficiais ou formais ao TRE; 6. contactar e solicitar o apoio de unidades militares necessárias para as honras oficiais previstas no cerimonial, como também a indicação de ajudantes-de-ordem à disposição de elevadas personalidades civis e militares em visita oficial ao TRE; 7. convocar com antecedência os setores e serviços de apoio que deverão estar envolvidos nos eventos; 8. fornecer todas as informações e programações das cerimônias à Assessoria de Comunicação Social; 9. coordenar e fiscalizar o trabalho realizado pelo pessoal de apoio, sobretudo do Mestre de Cerimônia e das recepcionistas; 10. elaborar roteiros e pauta das Cerimônias; 11. organizar as mesas de honra ou diretoras obedecendo às regras de precedência e a forma de tratamento correspondente a cada personalidade; * Artigo acrescentado pela Resolução n.º 220 de

9 SEÇÃO II DA SECRETARIA JUDICIÁRIA Art. 7º Compete à Secretaria Judiciária SEJUD, planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades relativas à formação, ao andamento, à guarda, à conservação e ao arquivamento dos feitos distribuídos no âmbito da competência do Tribunal; ao cadastro dos órgãos diretivos regionais e municipais dos partidos políticos; ao gerenciamento da base de dados da jurisprudência do Tribunal; à organização e controle do acervo da biblioteca e à editoração de periódicos e outras atividades abaixo distribuídas: I - Compete à Coordenadoria de Registro e Informações Processuais - CORIP, coordenar, dirigir e orientar as atividades de autuação, distribuição, registro e controle de processos; de taquigrafia e de apoio à elaboração de acórdãos, nos termos das atribuições das Seções, a seguir especificadas: a) À Seção de Autuação e Distribuição SEADI, compete: 1. cadastrar os feitos a serem distribuídos através do sistema automatizado; 2. verificar, controlar e informar, por meio de seus arquivos, a ocorrência de prevenção e de dependência, objetivando despacho autorizador da Presidência, para fins de distribuição; 3. distribuir, em ato público, os feitos judiciais e administrativos protocolizados, mediante autorização e posterior ratificação da Presidência; 4. expedir as atas das audiências de distribuição dos feitos; 5. executar os serviços de autuação dos feitos, providenciando o capeamento, numeração de folhas e a lavratura do termo de distribuição; Seção; 6. prestar informações aos interessados sobre as atividades desenvolvidas na 7. elaborar certidões de atos e/ou fatos relacionados com processos, livros e documentos pertinentes ao ofício da Seção; 8. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de b) À Seção de Registros SEREG, compete: 1. dar publicidade às atas de distribuição dos feitos, às pautas de julgamento e aos atos processuais dos feitos que tramitam no Tribunal; oficial; 2. conferir e certificar a publicação dos atos processuais enviados ao órgão 3. providenciar o arquivamento de processos, acórdãos e documentos expedidos pela Coordenadoria de Registros e Informações Processuais - CORIP, responsabilizando-se pela sua organização, manutenção e guarda, procedendo às necessárias anotações; 4. providenciar o preenchimento dos diplomas dos eleitos e suplentes nas eleições de Governador e Vice-Governador, Membros do Congresso Nacional e da Assembléia Legislativa; 5. efetuar, juntamente com a Seção de Controle de Processos - SECOP, as atividades relacionadas ao registro de candidatos a cargos eletivos federais e estaduais; 8

10 Seção; 6. prestar informações aos interessados sobre as atividades desenvolvidas na 7. elaborar certidões de atos e/ou fatos relacionados com processos, livros e documentos pertinentes ao ofício da Seção e, em especial, à expedição de certidões de condenação por crime eleitoral, de competência originária do Tribunal; 8. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de c) À Seção de Controle de Processos SECOP, compete: 1. realizar o controle da tramitação dos processos, mantendo atualizados os dados relativos a estes, constantes no sistema informatizado; 2. acompanhar a tramitação de inquéritos policiais no âmbito do Tribunal; 3. lavrar os termos processuais e preparar os expedientes que forem determinados pelo Presidente ou pelos Relatores; 4. providenciar a formação de agravo de instrumento; 5. processar os pedidos de registro de candidatos aos cargos de Governador, Vice-Governador, Membros do Congresso Nacional e da Assembléia Legislativa; 6. funcionar como escrivania das audiências; 7. auxiliar, juntamente com a Seção de Taquigrafia e Acórdãos - SETAQ, o Relator na elaboração de acórdãos; 8. organizar as pautas de julgamento publicadas no órgão oficial, distribuindoas aos Juízes-Membros e ao Procurador Regional Eleitoral, fixando-as na sede do Tribunal, pelo menos quinze minutos antes do início das sessões; 9. providenciar a remessa, às respectivas Zonas Eleitorais, dos processos com trânsito em julgado, procedendo às necessárias anotações; na Seção; 10. prestar informações aos interessados sobre as atividades desenvolvidas 11. elaborar certidões de atos e/ou fatos relacionados com os processos, livros e documentos pertinentes ao ofício da Seção; 12. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de d) À Seção de Taquigrafia e Acórdãos SETAQ, compete: 1. efetuar o acompanhamento das sessões do Tribunal, realizando anotações, mediante os meios técnicos adequados, sobre as decisões prolatadas pelo Tribunal, nos processos e expedientes judiciais e administrativos; 2. organizar e arquivar as anotações efetuadas nos termos do item anterior; 3. elaborar as certidões de julgamento, anexando-as aos autos; 4. auxiliar o Relator na elaboração de acórdãos; 5. fornecer, quando solicitado, com base nas anotações referidas no item 1, os votos proferidos pelos Juízes, pareceres da Procuradoria, pronunciamentos dos advogados, bem como outras manifestações ocorridas durante as sessões; apropriado; 6. controlar a numeração das resoluções do Tribunal, mantendo-as em arquivo 9

11 Seção; 7. auxiliar a Diretoria-Geral na elaboração das atas das sessões do Tribunal; 8. prestar informações aos interessados sobre as atividades desenvolvidas na 9. elaborar certidões de atos e/ou fatos relacionados com os processos, livros e documentos pertinentes ao ofício da Seção; 10. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de II - Compete à Coordenadoria de Jurisprudência e Documentação - COJUD, coordenar, dirigir e orientar as atividades referentes ao controle da documentação partidária, à editoração e publicação, à biblioteca e à jurisprudência, nos termos das atribuições das Seções, a seguir especificadas: a) À Seção de Documentação Partidária SEDOP, compete: 1. registrar, no sistema automatizado, informações relativas à composição dos Diretórios e Comissões Provisórias regionais e municipais e manter atualizado o endereço do órgão regional de cada partido, os horários de propaganda partidária no rádio e na televisão e os nomes dos Delegados indicados pelos partidos políticos perante o Tribunal Regional Eleitoral; 2. elaborar ofícios a serem expedidos aos Juízes Eleitorais, comunicando-lhes as designações, renovações e alterações na composição dos Diretórios e Comissões Provisórias regionais e municipais e outras informações relativas aos partidos políticos do Estado; 3. elaborar os ofícios a serem expedidos aos Juízes Eleitorais, cientificando-os das decisões do Tribunal Superior Eleitoral em matéria partidária; 4. estabelecer contatos com os partidos políticos, solicitando ou prestando esclarecimentos e comunicando as providências necessárias à regularização dos seus órgãos no Estado; 5. prestar informações sobre a situação partidária dos indicados para escrivão e chefe de cartório eleitoral; 6. encaminhar à Imprensa Oficial, mediante ofício, a composição das Juntas Eleitorais do Estado e elaborar as portarias referentes à nomeação dos componentes de cada Junta a serem enviadas aos Juízes; 7. arquivar, para fins de controle, as relações de escrutinadores e auxiliares designados para atender ao bom desempenho dos trabalhos da Junta Eleitoral; 8. comunicar, mensalmente, mediante ofício, à Diretoria-Geral do Tribunal Superior Eleitoral, o valor total das multas e penalidades pecuniárias impostas e arrecadadas pelos Juízes Eleitorais do Estado, à conta do Fundo Partidário, nos termos do art. 14, 4º da Resolução n.º , do TSE; na Seção; 9. receber e manter, em arquivo, o estatuto de cada partido político; 10. prestar informações aos interessados sobre as atividades desenvolvidas 11. elaborar certidões de atos e/ou fatos relacionados com os processos, livros e documentos pertinentes ao ofício da Seção; 12. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de 10

12 b) À Seção de Editoração e Publicidade SEDIP, compete: 1. editar, mensalmente, o Informativo Eleitoral que veiculará informes eleitorais e partidários, doutrina, legislação, agenda administrativa do Tribunal e outras matérias culturais e informativas; 2. responsabilizar-se pela publicação periódica que contém a Jurisprudência do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará, previamente selecionada e organizada pelo setor competente; 3. realizar os trabalhos de editoração e publicação, em cada ano eleitoral, do livro contendo a legislação eleitoral e partidária pertinente ao pleito, após seleção e atualização efetivadas pelo setor responsável; 4. responsabilizar-se pelo leiaute da capa, elaboração e revisão das páginas iniciais e pela supervisão gráfica do livro editado pela Secretaria de Informática, contendo o resultado oficial das eleições realizadas no Estado do Ceará e os dados estatísticos oriundos desse resultado; 5. editorar o Relatório de Atividades do Tribunal Regional Eleitoral, organizado e distribuído no final da gestão de cada Presidente; 6. responsabilizar-se pelos trabalhos de editoração de publicações deste Tribunal e/ou orientar e acompanhar as publicações elaboradas em outra unidade administrativa; 7. elaborar o projeto básico que subsidiará as negociações dos contratos de publicações a serem firmados pelo Tribunal com empresas especializadas; 8. elaborar a relação de possíveis destinatários de todas as publicações editoradas pela Seção, a ser aprovada em instância superior, bem como efetuar o controle da distribuição destas publicações; 9. divulgar leis, decretos, resoluções, acórdãos além de normas e matérias referentes às atividades do Tribunal e das Zonas Eleitorais; 10. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de * Alínea alterada pela Resolução n.º 220 de c) À Seção de Biblioteca SEBIB, compete: 1. estabelecer plano de aquisição de livros e outros materiais para a Biblioteca, em conformidade com os objetivos institucionais do Tribunal; 2. organizar, controlar, conservar e manter atualizado o acervo bibliográfico do Tribunal e o de materiais especiais colecionados na Biblioteca, objetivando sua utilização como fonte de pesquisa; 3. proceder ao tombamento e registro em catálogo próprio dos novos títulos incorporados ao acervo da Biblioteca; 4. fixar critérios para a seleção de publicações a serem descartadas; 5. analisar e selecionar sumários e/ou matérias de periódicos especializados, encaminhando-os a todos os Membros deste Tribunal e Juízes Eleitorais; 6. disponibilizar o acervo da Biblioteca a seus usuários, para pesquisa mediante consulta no local ou por meio eletrônico, via Intranet; 7. proporcionar o empréstimo periódico de publicações aos servidores e às unidades administrativas do TRE, orientando-os quanto à sua adequada utilização; 11

13 8. divulgar, mensalmente, por meio do Informativo Eleitoral, as aquisições, doações e baixas no acervo da Biblioteca; 9. proceder à normalização bibliográfica das publicações editadas pela Seção de Editoração e Publicidade SEDIP; 10. incentivar a leitura e a pesquisa, divulgando assuntos de âmbito cultural no Informativo Eleitoral e por outros meios. 11. efetuar coleta de objetos, documentos e fatos pertinentes à história do Tribunal, mediante o Projeto Memória da Justiça Eleitoral e preservar, por meio da criação e manutenção de um Centro de Memória, o material colecionado; 12. prestar informações sobre as atividades desenvolvidas na Seção; 13. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de * Alínea alterada pela Resolução n.º 220 de d) À Seção de Jurisprudência e Legislação SEJUL, compete: 1. proceder à alimentação e constante manutenção da base de dados do Sistema de Jurisprudência-SJUR, realizando, para isso, as atividades de análise, seleção, indexação e digitação dos acórdãos e resoluções publicados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Ceará; 2. atender às solicitações das unidades deste e de outros Tribunais Regionais Eleitorais, dos membros do Pleno, dos Juízes e Promotores Eleitorais, da Procuradoria Regional Eleitoral, dos advogados que militam nesta Justiça Especializada, dos servidores e demais interessados, acerca de julgados proferidos pelo Tribunal Superior Eleitoral, Tribunais Regionais Eleitorais, Tribunais Regionais Federais, Tribunais Superiores e Supremo Tribunal Federal; 3. atender às solicitações de pesquisas sobre leis, decretos, medidas provisórias e outros instrumentos de legislação, por parte das unidades deste Regional, dos Membros do Pleno, dos Juízes e Promotores Eleitorais, da Procuradoria Regional Eleitoral, do advogados que militam nesta Justiça especializada, dos servidores e demais interessados; 4. selecionar e organizar os julgados destinados à elaboração da Revista de Jurisprudência; 5. selecionar, atualizar, anotar e organizar a legislação eleitoral e partidária, e as resoluções, inclusive as específicas de cada pleito, destinadas à elaboração do Manual de Legislação Eleitoral e Partidária; 6. selecionar, nos meios de divulgação oficial, a legislação de interesse da Justiça Eleitoral, consolidando-a, quando necessário, e encaminhá-la, posteriormente, à seção responsável por sua divulgação; 7. elaborar os ementários sobre temas eleitorais específicos, contendo os principais julgados do Tribunal Superior Eleitoral e deste Tribunal, e atualizá-los; seção; 8. prestar informações aos interessados sobre as atividades desenvolvidas na 9. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de * Alínea acrescentada pela Resolução n.º 220 de

14 SEÇÃO III DA SECRETARIA DE INFORMÁTICA Art. 8º Compete à Secretaria de Informática SEINF, planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de sistematização dos procedimentos para realização das eleições, de definição e elaboração de rotinas e procedimentos automatizados para totalização dos pleitos e manutenção do cadastro de eleitores e demais sistemas utilizados pelo Tribunal e de disponibilização de informações estatístico-eleitorais e outras atividades abaixo distribuídas: I - Compete à Coordenadoria de Produção e Suporte COSUP, planejar, coordenar, dirigir e orientar a utilização efetiva dos recursos de informática nas tarefas administrativas e eleitorais, estabelecendo diretrizes para seu uso nestas atividades, nos termos das atribuições das Seções, a seguir especificadas: a) À Seção de Produção PRODU, compete o planejamento, a organização, a coordenação e o monitoramento das atividades executadas pelas unidades de trabalho que a compõem: a.1) Unidade de Processamento de Dados, a quem compete: 1. preparar, gerenciar e acompanhar o processamento das atualizações do Cadastro Eleitoral; Produção; 2. analisar e implantar as rotinas necessárias ao funcionamento da Seção de 3. contatar as Zonas Eleitorais por ocasião de problemas no processamento de seus movimentos de atualização do Cadastro Eleitoral, solucionando-os com presteza e eficiência; 4. definir o calendário de processamento do Cadastro Eleitoral, observando o cumprimento dos prazos estabelecidos pelo Tribunal Superior Eleitoral; 5. efetuar a triagem dos relatórios, documentos e demais materiais inerentes às atividades da Seção a serem enviados às Zonas Eleitorais e/ou a outros setores do Tribunal; Produção; Produção; 6. receber e selecionar os documentos e materiais relativos à Seção de 7. elaborar formulários específicos necessários às atividades da Seção de 8. propor e promover treinamento de servidores quando da implantação e utilização de novos equipamentos e soluções de programas inerentes à área; 9. zelar pela segurança dos dados do Sistema de Alistamento Eleitoral; 10. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de a.2) Unidade de Operação e Digitação, a quem compete: 1. gerenciar o sistema de computação central do Tribunal, garantindo a segurança, confiabilidade e disponibilidade dos dados nele contidos, controlando o acesso às instalações onde estes se encontram; 2. controlar a impressão de relatórios de processamento do Cadastro Eleitoral e os eventualmente solicitados pelas Zonas Eleitorais e outros setores do TRE; 13

15 3. gerenciar a impressão dos títulos eleitorais para as Zonas Eleitorais onde não estiver implantado o sistema on-line; 4. monitorar a execução de cópias de segurança dos dados dos computadores centrais do Tribunal, bem como controlar e realizar a guarda das mídias em local adequado; 5. gerenciar e efetuar a digitação dos documentos relativos ao processamento das informações do Cadastro Eleitoral e a agregação de seções para a totalização de eleições, quando necessário; 6. gerar tabelas para atualização de dados dos sistemas em produção nas Zonas Eleitorais; 7. administrar o programa de Correio Eletrônico, repassando as mensagens para as Zonas Eleitorais e realizando triagem das mensagens recebidas, entregando-as aos respectivos destinatários; 8. executar e controlar a geração dos arquivos de eleitores não-votantes em eleições oficiais a partir dos disquetes da urna eletrônica, quando necessário; 9. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de a.3) Unidade de Cadastro Eleitoral, a quem compete: 1. analisar a sistemática do alistamento eleitoral, incluindo os sistemas informatizados pertinentes, encaminhando sugestões de alterações ao órgão que os desenvolveu, caso necessárias; 2. atender às Zonas Eleitorais nas questões referentes à operacionalidade e funcionalidade dos sistemas informatizados relativos ao Cadastro Eleitoral e ao sistema de emissão de títulos on-line; 3. orientar as Zonas Eleitorais no tocante aos procedimentos de alistamento eleitoral, implementados em sistemas informatizados; 4. elaborar e emitir mensagens de esclarecimento às Zonas Eleitorais referentes a assuntos ligados à sistemática de alistamento eleitoral e ao Cadastro Eleitoral; 5. acompanhar junto às Zonas Eleitorais o cumprimento dos prazos relativos às atividades referentes ao processo de alistamento eleitoral; 6. avaliar periodicamente a situação de cada Zona Eleitoral no tocante à atualização do Cadastro Eleitoral, quanto ao envio de documentos, situação do banco de erros e locais de votação; 7. propor e realizar treinamento para os servidores das Zonas Eleitorais quanto aos procedimentos de alistamento eleitoral e dos sistemas ligados ao Cadastro Eleitoral; 8. acompanhar a evolução da legislação relacionada ao Cadastro Eleitoral, analisando sua influência no sistema informatizado; 9. controlar a atualização das versões dos sistemas e tabelas, existentes nas Zonas Eleitorais, relativas ao processamento do Cadastro Eleitoral nas Zonas Eleitorais; 10. acompanhar as alterações nos sistemas informatizados ligados ao processamento do Cadastro Eleitoral, repassando-as às Zonas Eleitorais; 11. propor à Corregedoria Regional Eleitoral ações que visem a manter o Cadastro Eleitoral sempre íntegro e fidedigno, buscando sua contínua depuração e atualização; 14

16 12. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de b) À Seção de Sistemas e Redes SESRE, compete o planejamento, a organização, a coordenação e o monitoramento das atividades executadas pelas unidades de trabalho que a compõem: b.1) Unidade de Sistemas, a quem compete: 1. analisar, projetar, desenvolver, implantar e manter sistemas de informática solicitados pelos diversos setores do Tribunal ou pelas Zonas Eleitorais; 2. desenvolver páginas para Internet e Intranet, definindo layouts e padrões, bem como manter o conteúdo dessas páginas atualizado junto às Seções responsáveis pelo fornecimento dos dados; 3. implantar, dar suporte e treinar os usuários dos Sistemas Corporativos desenvolvidos pelo TSE ou outros TRE s; 4. executar manutenções preventivas e corretivas dos sistemas em Produção desenvolvidos no âmbito deste Regional; 5. solicitar e acompanhar a execução de manutenções preventivas e corretivas de sistemas em Produção desenvolvidos por terceiros; 6. documentar adequadamente os sistemas desenvolvidos localmente; 7. propor e promover treinamento de usuários quando da implantação e utilização de novos equipamentos e soluções de programas relacionados à área; 8. acompanhar o desenvolvimento tecnológico de produtos e soluções aplicáveis à área; 9. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de b.2) Unidade de Administração de Banco de Dados, a quem compete: 1. acompanhar a operacionalidade dos bancos de dados corporativos, garantindo a máxima disponibilidade de acesso às informações, cuja integridade e segurança sejam preservadas; 2. criar e manter bancos de dados para novos projetos, garantindo a existência de documentação adequada; 3. preparar e executar consultas eventuais às bases de dados corporativas, em moldes distintos das disponibilizadas pelos sistemas existentes, a fim de atender a solicitações internas e externas de informações; 4. criar e manter o cadastro dos usuários dos bancos de dados dos sistemas, evitando a utilização indevida de privilégios de acesso a informações; 5. acompanhar o desenvolvimento tecnológico de produtos e soluções aplicáveis à área; 6. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de b.3) Unidade de Suporte Operacional e Redes, a quem compete: 1. administrar os servidores de redes que compõem a rede da Justiça Eleitoral no Estado, independentemente de suas localizações físicas e do sistema operacional adotado; 15

17 2. criar e manter o cadastro dos usuários nos servidores de rede, evitando a utilização indevida de privilégios de acesso a informações e sistemas; 3. gerenciar a utilização dos circuitos de comunicação de dados, acompanhando suas manutenções, com vistas a garantir a máxima disponibilidade de utilização; 4. configurar e manter os equipamentos de telecomunicação no Tribunal e nas Zonas Eleitorais; 5. manter a rede de dados da Secretaria do Tribunal, acompanhando e solicitando expansão quando necessário; 6. implantar, manter e propor a expansão das redes dos Cartórios Eleitorais; 7. propor e executar a implantação de redes locais nos Cartórios Eleitorais; 8. instalar os softwares básicos e aplicativos nos servidores de rede independentemente de suas localizações; 9. propor e promover treinamento de usuários quando da implantação e utilização de novos equipamentos e soluções de programas relacionados à área; 10. acompanhar o desenvolvimento tecnológico de produtos e soluções aplicáveis à área; 11. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de c) À Seção de Equipamentos e Apoio aos Usuários SEQUI, compete o planejamento, a organização, a coordenação e o monitoramento das atividades executadas pelas unidades de trabalho que a compõem: c.1) Unidade de Urnas Eletrônicas, a quem compete: 1. integrar a Comissão de Recebimento, Acompanhamento e Controle Patrimonial das Urnas Eletrônicas (Comissão de Logística); 2. gerenciar e executar os testes de aceite das urnas eletrônicas, apoiando os demais membros da Comissão de Logística, quando necessário; 3. manter a guarda das urnas eletrônicas sob sua responsabilidade, efetuando o controle patrimonial das mesmas; 4. definir regras e procedimentos para a utilização das urnas eletrônicas em eleições oficiais e não-oficiais, assim como em treinamentos; 5. definir procedimentos e acompanhar a manutenção da carga de bateria interna das urnas eletrônicas; 6. vistoriar periodicamente o(s) local(is) de armazenamento das urnas eletrônicas, garantindo a observância das condições ambientais, conforme normas estabelecidas pelo(s) fabricante(s) e pelo Tribunal Superior Eleitoral; 7. encaminhar as urnas eletrônicas para a assistência técnica e acompanhar a manutenção das mesmas; 8. disponibilizar urnas eletrônicas testadas e com bateria interna suficientemente carregada para a realização de eleições não oficiais e divulgação do voto eletrônico, cabendo à Coordenadoria de Eleições COELE, a parametrização dos dados e suas respectivas cargas nas urnas eletrônicas; 16

18 9. receber, controlar e distribuir os suprimentos para as urnas eletrônicas; 10. promover o treinamento na utilização do programa parametrizador de dados para eleições não oficiais para o(s) responsável(is) por esta atividade na Coordenadoria de Eleições COELE, garantindo sempre a utilização de versões mais atualizadas; 11. gerar tabelas para alimentação do programa gerador de mídias por ocasião de eleições oficiais; 12. preparar e gerenciar o(s) ambiente(s) de geração de mídias nas eleições oficiais, definindo as regras e procedimentos de utilização, bem como escolhendo os locais para o desenvolvimento desta atividade; 13. promover o treinamento adequado para os responsáveis pela geração de mídias para eleições oficiais; 14. acompanhar as questões relacionadas à urna eletrônica junto ao Tribunal Superior Eleitoral e aos seus fabricantes, divulgando-as sempre que necessário; 15. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de c.2) Unidade de Microinformática e Apoio aos Usuários, a quem compete: 1. coordenar o inventário dos equipamentos de informática após cada eleição oficial, com vistas a manter atualizado o controle patrimonial destes bens; 2. planejar a alocação e distribuição de equipamentos de informática necessários às eleições oficiais; 3. preparar equipamentos para instalação e envio às diversas unidades, realizando os devidos testes e embalando-os adequadamente; 4. testar os equipamentos novos e os recebidos após manutenção, quanto à integridade física e ao funcionamento; 5. proceder à instalação de equipamentos de informática, garantindo a existência de condições adequadas para tal, informando aos solicitantes quaisquer necessidades de serviços de competência de outras unidades; 6. fazer a manutenção preventiva dos equipamentos de informática; 7. diagnosticar defeitos em equipamentos de informática, procurando executar a manutenção corretiva em equipamentos fora do período de garantia do revendedor/fabricante; 8. enviar os equipamentos de informática para a assistência técnica e acompanhar a manutenção dos mesmos; 9. verificar as condições de armazenamento dos equipamentos de informática, garantindo a observância daquelas expressas pelos fornecedores; 10. efetuar a triagem dos problemas dos usuários, prestando serviço de suporte ou encaminhando ao técnico da área competente, registrando ordenadamente suas solicitações utilizando-se de serviço de help-desk; 11. fazer a instalação de softwares básicos nos equipamentos do Tribunal e dos Cartórios Eleitorais; 17

19 usuário; 12. configurar softwares e impressoras, conforme necessidades de cada 13. definir e acompanhar a execução de procedimentos para evitar a instalação de softwares não autorizados ou não legalmente adquiridos nos equipamentos do Tribunal; 14. prestar suporte aos usuários de informática na utilização dos softwares básicos padrão da Justiça Eleitoral; 15. controlar e promover a atualização sistemática de versão dos softwares básicos padrão da Justiça Eleitoral, seguindo as orientações emanadas do Tribunal Superior Eleitoral; 16. receber, manter e controlar a utilização e distribuição dos meios magnéticos e manuais dos produtos padrão da Justiça Eleitoral; 17. propor e promover treinamento de usuários quando da implantação e utilização de novos equipamentos e soluções de programas relacionados à área; 18. acompanhar o desenvolvimento tecnológico de produtos e soluções aplicáveis à área; 19. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de * Inciso alterado pela Resolução n.º 220 de II - Compete à Coordenadoria de Eleições COELE, coordenar, dirigir e orientar as atividades de planejamento dos procedimentos a serem utilizados durante a realização dos pleitos e de apoio na sua efetivação, nas Zonas Eleitorais do Estado, nos termos das atribuições das Seções, a seguir especificadas: a) À Seção de Organização e Procedimentos de Eleição SEOPE, compete: 1. planejar, definir e estruturar formas de apoio técnico para atuação nas Zonas Eleitorais do Estado durante o período de eleição; 2. propor a seleção e distribuição de pessoal para atuar como apoio técnico em eleições oficiais e não oficiais, de acordo com as necessidades, coordenando, orientando e supervisionando suas atividades; 3. propor e executar instruções, treinamentos, reuniões e palestras para o pessoal envolvido no apoio técnico, objetivando o aprimoramento e a uniformização dos trabalhos eleitorais; 4. fornecer dados necessários à elaboração de projetos básicos, visando aos procedimentos licitatórios, e em conformidade com o planejamento das eleições; 5. repassar procedimentos para a utilização da urna eletrônica nas Zonas Eleitorais, inclusive sua divulgação, quando necessária, orientando os servidores dos Cartórios quanto às providências pertinentes ao voto eletrônico, zelando para o seu fiel cumprimento; 6. prestar suporte aos Cartórios Eleitorais do Estado, no que se refere aos preparativos das eleições; 7. promover, divulgar e acompanhar a campanha de alistamento eleitoral nas Zonas Eleitorais do Estado; 18

20 8. promover campanhas de motivação para o recrutamento de mesários, escrutinadores e auxiliares; 9. acompanhar as atividades de treinamento de mesários, escrutinadores e auxiliares, em parceria com a Seção de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal; 10. sugerir procedimentos que visem a aperfeiçoar as formas de seleção e convocação de mesários, bem como a manter atualizadas as informações pertinentes ao cadastro nas Zonas Eleitorais; 11. promover, em âmbitos diversos, estudos, intercâmbios, reciclagens e acompanhamentos, com o objetivo de melhorar e uniformizar as atividades de planejamento, organização e realização dos trabalhos eleitorais; 12. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de b) À Seção de Planejamento de Material de Eleição SEMAP, compete: 1. identificar os materiais necessários às eleições, promovendo, quando necessário, intercâmbio com os Cartórios Eleitorais e outros TRE s, tendo em vista o contínuo aprimoramento do processo eleitoral; 2. efetuar o levantamento de quantitativos de todo o material de consumo e outros essenciais à realização das eleições; 3. fornecer os dados indispensáveis à previsão das despesas com material de eleição aos setores responsáveis pela elaboração de orçamentos; 4. providenciar os modelos dos materiais impressos ou manufaturados, fornecendo-os aos interessados; 5. solicitar e acompanhar a aquisição do material a ser utilizado nas eleições; 6. exercer as atividades de organização, controle, guarda e conservação do material de eleição, providenciando, após as eleições, o recolhimento da sobra dos materiais ao almoxarifado do Tribunal; 7. planejar e coordenar a distribuição de material às Zonas Eleitorais, assegurando que o mesmo chegue em perfeitas condições; 8. proceder à organização, controle, guarda e conservação dos documentos já processados referentes às eleições, inclusive os Boletins de Urna e as Atas de Eleição, efetuando o expurgo segundo as normas do Tribunal Superior Eleitoral; 9. adotar as providências necessárias para empréstimo de urnas eletrônicas e urnas convencionais em eleições não oficiais; 10. desempenhar as demais atribuições que lhe sejam indicadas no âmbito de * Inciso alterado pela Resolução n.º 220 de III - Compete à Coordenadoria de Estatísticas e Informações Eleitorais - COESI, coordenar, dirigir e orientar as atividades de disponibilização de informações eleitorais e partidárias e de sistematização dos dados estatísticos relativos aos pleitos, nos termos das atribuições das Seções, a seguir especificadas: a) À Seção de Informações Eleitorais SINFE, compete: 1. prestar informações e esclarecimentos aos eleitores relacionados no cadastro eleitoral, orientando-os, quando necessário, na regularização de sua situação; 19

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 59, DE 14 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre alterações no Manual de Atribuições da Seção Judiciária do Paraná e estabelece outras providências. O VICE-PRESIDENTE, NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DO

Leia mais

ATO REGULAMENTAR Nº 9, DE 7 DE MAIO DE 2010

ATO REGULAMENTAR Nº 9, DE 7 DE MAIO DE 2010 Publicada no Diário da Justiça Eletrônico, em 11/5/2010. ATO REGULAMENTAR Nº 9, DE 7 DE MAIO DE 2010 Altera dispositivos do Regulamento da Secretaria. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, nos termos

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Gabinete do Ministro, órgão subordinado diretamente ao Ministro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO...

2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO... GRANDEZA PELA DA PÁTRIA Diário Oficial MUNICÍPIO DE GOIÂNIA 2013 GOIÂNIA, 16 DE ABRIL - TERÇA-FEIRA N 5.572 DECRETOS... PÁG. 01 PORTARIAS... PÁG. 23 EXTRATO... PÁG. 29 EDITAL DE CONVOCAÇÃO... PÁG. 29 TERMO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA.

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA. DECRETO 44932 2008 Data: 30/10/2008 Origem: EXECUTIVO Ementa: DISPÕE SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS - ESP-MG. Relevância LEGISLAÇÃO BÁSICA : Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso

Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso Anexo V - Descrição dos cargos de provimento efetivo da Carreira Judiciária, atribuições principais e requisitos para ingresso (artigo 7º da Lei nº, de de de 2008.) GRUPO OCUPACIONAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO (PALP) 2013-2014 Sumário: 1 INTRODUÇÃO... 3 2 BIÊNIO 2013-2014: ATIVIDADES DE MONITORAMENTO E ACOMPANHAMENTO.... 3 2.1 Apoio ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo...

Leia mais

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011.

Procuradoria Geral de Justiça, em Natal (RN), 08 de junho de 2011. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA R E S O L U Ç Ã O Nº 074/2011-PGJ.* O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso das atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências.

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. 1 RESOLUÇÃO Nº 08/03, DE 01 DE SETEMBRO DE 2003. Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL

RESOLUÇÃO Nº 21.740 CAPÍTULO I DA ASSINATURA DIGITAL RESOLUÇÃO Nº 21.740 INSTRUÇÃO Nº 85 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a assinatura digital dos programas fontes e programas executáveis que compõem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

Regulamento Interno da Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral

Regulamento Interno da Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral Regulamento Interno da Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral 2003 Secretaria de Documentação e Informação Seção de Publicações Técnico-Eleitorais TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL REGULAMENTO INTERNO DA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA

REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA 75,%81$/ 683(5,25 (/(,725$/ REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL 2 a edição Anotada e atualizada 2003 Secretaria de Documentação e Informação PUBLICAÇÕES TÉCNICO-ELEITORAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler.

RESOLUÇÃO Nº 22.714. INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. RESOLUÇÃO Nº 22.714 INSTRUÇÃO Nº 117 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a fiscalização do sistema eletrônico de votação, a votação paralela e a cerimônia

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO Publicada no Boletim de Serviço de 30/03/2009 Publicada no e-dj1 de 30/03/2009 PODER JUDICIÁRIO 10.100.02 RESOLUÇÃO/PRESI 600-007 DE 13 DE MARÇO DE 2009 (*) Dispõe sobre o realinhamento administrativo

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO R E S O L U Ç Ã O :

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO R E S O L U Ç Ã O : SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 662, DE 31 DE MARÇO DE 2009 Aprova o Regimento dos Órgãos Executivos da Administração Superior. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

ATO REGULAMENTAR Nº 19, DE 16 DE OUTUBRO DE 2014

ATO REGULAMENTAR Nº 19, DE 16 DE OUTUBRO DE 2014 Publicado no Diário da Justiça Eletrônico, nº 205, p. 3-5 em 20/10/2014. ATO REGULAMENTAR Nº 19, DE 16 DE OUTUBRO DE 2014 Altera dispositivos do Regulamento da Secretaria. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

ATO Nº 73/2003. à estrutura da Diretoria do Serviço de Informática, a ser chefiado por

ATO Nº 73/2003. à estrutura da Diretoria do Serviço de Informática, a ser chefiado por ATO Nº 73/2003 O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, tendo em vista deliberação deste Tribunal em sessão de 22.7.03, R E S O L V E

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 31/2011

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 31/2011 FL. PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 31/2011 Referenda a Portaria TRT 18ª GP/DG/SGPe nº 068/2011, que dispõe

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 31/07/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL L E I Nº 7.071/2015 Dispõe sobre a estrutura administrativa da Câmara Municipal de Jaraguá do Sul e dá outras providências. O PREFEITO DE JARAGUÁ DO SUL, no uso das atribuições que lhe são conferidas,

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 RESOLUÇÃO Nº 001/2010 ALTERA O REGIMENTO INTERNO DA OUVIDORIA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso das atribuições conferidas pelo artigo 18, inciso XVII,

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI Nº /2013 DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MIMOSO DO SUL, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Título I Das Disposições Preliminares Art. 1º A organização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

ANEXO II 1 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MUNICÍPIO CARGO: ASSESSOR TÉCNICO GRADUADO

ANEXO II 1 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MUNICÍPIO CARGO: ASSESSOR TÉCNICO GRADUADO ANEXO II 1 DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS EM COMISSÃO E FUNÇÕES GRATIFICADAS DO MUNICÍPIO PADRÃO DE VENCIMENTO: CC 1-6 FG 1-6 CARGO: ASSESSOR TÉCNICO GRADUADO a) descrição sintética: prestar consultoria e

Leia mais

TRE-RS. Guia de Referência para Advogados

TRE-RS. Guia de Referência para Advogados TRE-RS Guia de Referência para Advogados JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL GUIA DE REFERÊNCIA PARA ADVOGADOS Porto Alegre Maio/2014 SECRETARIA JUDICIÁRIA DO TRE-RS Organização

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. ADVOGADO Assessorar os vereadores na elaboração de proposições complexas que exijam conhecimentos especializados de técnica legislativa, nos projetos de lei, decreto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº. 10.435, de 24 de abril de 2002. AUDITORIA INTERNA PLANO ANUAL DE ATDADES DE EXERCÍCO DE 2011 1 Í N D C E : NTRODUÇÃO DA FATORES CONSDERADOS NA ELABORAÇÃO DO PANT DO PLANO ANUAL DE ATDADES DE CONSDERAÇÕES GERAS ANUAL 2 N T R O D U Ç Ã O Ministério da Educação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FRIAS CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 001/2015 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS ASSITENTE SOCIAL: Planejar, coordenar, controlar e avaliar programas e projetos na área do Serviço Social aplicados a indivíduos, grupos e comunidades. Elaborar e /ou participar

Leia mais

ATO CSJT.GP.SG Nº 310/2014

ATO CSJT.GP.SG Nº 310/2014 1588/2014 Conselho Superior da Justiça do Trabalho 2 transformada em uma função comissionada de Supervisor de Seção, nível FC-5, e transferida para a Seção de Gestão Estratégica, subordinada à Coordenadoria

Leia mais

NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA

NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA NÍVEL ESTRATÉGICO 1. PLENARIA Reunião dos Conselheiros eleitos, com o fim de deliberação.- O Plenário do Conselho Regional reunirse-á ordinariamente, pelo menos, uma vez por ano e, extraordinariamente

Leia mais

Resolução nº 12/2011, de 17 de novembro de 2011 D.O.E. de 22 de novembro de 2011

Resolução nº 12/2011, de 17 de novembro de 2011 D.O.E. de 22 de novembro de 2011 Resolução nº 12/2011, de 17 de novembro de 2011 D.O.E. de 22 de novembro de 2011 Dispõe sobre a guarda, destinação e digitalização de documentos nos arquivos do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece procedimentos para o inventário de bens móveis, imóveis e bens de consumo da Fundação Universidade Federal de Rondônia. A Reitora

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/2012.

RESOLUÇÃO Nº 003/2012. RESOLUÇÃO Nº 003/2012. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Poder Legislativo do Município de Xangri-Lá e dá outras providências. A MESA DA CÂMARA MUNICIPAL DE XANGRI-LÁ, do Estado do Rio Grande

Leia mais

Resolução nº 1280 De 17 de janeiro de 2005

Resolução nº 1280 De 17 de janeiro de 2005 Resolução nº 1280 De 17 de janeiro de 2005 RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.280 DE 17 DE JANEIRO 2005 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGÂNICA DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL PRESIDÊNCIA PORTARIA N. 288, DE 9 DE JUNHO DE 2005 Estabelece normas e procedimentos visando à arrecadação, recolhimento e cobrança das multas previstas no Código Eleitoral

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011 Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de

DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011 Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de DECRETO Nº 57.141, DE 18 DE JULHO DE 2011 Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº XXXXXXXXX INSTRUÇÃO Nº 959-11.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº XXXXXXXXX INSTRUÇÃO Nº 959-11.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº XXXXXXXXX INSTRUÇÃO Nº 959-11.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a cerimônia de assinatura

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar Publicada no Diário Oficial do dia 07 de julho de 2011 Estabelece a Estrutura Administrativa do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe e do Ministério Público Especial; cria, modifica e extingue órgãos

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Proposta do. Regimento Geral. Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Proposta do Regimento Geral da Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Documento

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 2598, DE 19 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Municipal de Políticas para as Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO. Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Coordenadoria de Controle Interno CCI

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO. Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Coordenadoria de Controle Interno CCI DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Coordenadoria de Controle Interno CCI I FINALIDADE Dispor sobre as formas de comunicação

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005

ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 ATO DO DIRETOR-GERAL Nº 1516, DE 2005 Estabelece as competências da Secretaria de Segurança Legislativa do Senado Federal e das Subsecretarias e Serviços a ela subordinados. O DIRETOR-GERAL DO SENADO FEDERAL,

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014

RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014 RESOLUÇÃO N. TC-0089/2014 Dispõe sobre a estrutura e a competência dos Órgãos Auxiliares do Tribunal de Contas do Estado, e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no

Leia mais

ATO Nº 002/2003 - MESA DIRETORA

ATO Nº 002/2003 - MESA DIRETORA ATO Nº 002/2003 - MESA DIRETORA Dispõe sobre alteração do Ato nº 054/2000-Mesa Diretora, de 24 de julho de 2000, e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 15/2011 Cria o Arquivo Central e dispõe sobre o Sistema de Arquivos da UFJF O Conselho Superior da Universidade Federal de Juiz de Fora, no uso de suas atribuições, tendo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 522/2007 (Alterada pela Resolução nº 579/2008)

RESOLUÇÃO Nº 522/2007 (Alterada pela Resolução nº 579/2008) Publicação: 10/01/07 RESOLUÇÃO Nº 522/2007 (Alterada pela Resolução nº 579/2008) Revoga as Resoluções nº 424/2003 e nº 425/2003 e dispõe sobre a Superintendência Administrativa. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara 1. Processo n: 1905/2006 2. Processo Auxiliar Apenso: 5461/2005 Auditoria Programada 3. Classe de Assunto: 04 Prestação de Contas 3.1. Assunto: 05 Prestação de Contas

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL PROCEDIMENTO Nº 002/89-BC ASSUNTO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS SISTEMA DE BIBLIOTECAS BIBLIOTECA CENTRAL Regimento interno do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Alagoas UNIDADE INTERESSADA:

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 REGULAMENTA A GESTÃO DOS BENS MÓVEIS INTEGRANTES DO PATRIMÔNIO PÚBLICO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL

LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL LIVRO VIII DA ÁREA ELEITORAL Art. 512. O Ministério Público Eleitoral atua perante todas as instâncias e fases do processo eleitoral, na condição de parte ou de custos legis, com a mesma legitimidade assegurada

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais