+Região Autónoma da Madeira. VIII Legislatura Número: 09 II Sessão Legislativa (2005/2006) Terça-feira, 15 de Novembro de 2005.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "+Região Autónoma da Madeira. VIII Legislatura Número: 09 II Sessão Legislativa (2005/2006) Terça-feira, 15 de Novembro de 2005."

Transcrição

1 +Região Autónoma da Madeira Assembleia Legislativa VIII Legislatura Número: 09 II Sessão Legislativa (2005/2006) Terça-feira, 15 de Novembro de 2005 Suplemento Sumário Projecto de resolução: - "Recomenda ao Governo Regional e exorta os órgãos de soberania a tomar iniciativas urgentes no apoio e defesa da segurança dos emigrantes madeirenses na República da África do Sul" (PS). - Plano de Actividades e do Orçamento da Assembleia Legislativa para 2006 (Conselho de Administração da Assembleia Legislativa). - Relatório de Actividades e Conta de Gerência relativo ao ano de 2004 (Conselho de Administração da Assembleia Legislativa).

2 Projectos de resolução "Recomenda ao Governo Regional e exorta os órgãos de soberania a tomar iniciativas urgentes no apoio e defesa da segurança dos emigrantes madeirenses na República da África do Sul" Assiste-se com grande preocupação e angústia ao crescendo da violência que tem atingido particularmente os cidadãos madeirenses na República Sul-africana. Esta não é uma questão nova. Infelizmente os assaltos à mão armada, os roubos e os assassínios de pacatos madeirenses que naquele país africano, pacificamente, vivem e trabalham inseridos na Comunidade daquele País são frequentes, deixando um rasto de dor, luto, medo e revolta. As denúncias, protestos e os estrénuos clamores por mais e melhor protecção e apoio aos cidadãos madeirenses na África do Sul, concretizado por instituições, associações, familiares das vítimas de violência e pela própria comunidade emigrada na República Sul Africana, têm-se revelado inúteis ou infrutíferos. Sendo um assunto complexo e de difícil resolução, exige, todavia, uma cuidada análise para que se deva definir e por em execução, concretas e adequadas formas de apoio e protecção aos emigrantes madeirenses e suas famílias. A situação decorrente não pode deixar indiferente o órgão representativo do povo da Região Autónoma que, nesta oportunidade, reitera a sua solidariedade para com os seus conterrâneos em risco. Assim, a Assembleia Legislativa da Madeira, nos termos da alínea d), nº 1 do artigo 22, do Estatuto Político Administrativo da Região, aprovado pela Lei nº 130/99, de 21 de Agosto, com a alteração introduzida pela Lei nº1/2000, de 21 de Junho e da alínea d), nº 1 do artigo 17 do Regimento da Assembleia Legislativa, aprovado pela Resolução nº /M, de 12 de Janeiro, aprova a seguinte Resolução: 1. Recomendar ao Governo Regional da Madeira a adopção urgente de medidas que visem uma maior protecção da Comunidade madeirense na República Sul-africana, face à violência que são alvo neste País. 2. Exortar e instar os órgãos de soberania que adoptem uma acção vigorosa de apoio aos nossos emigrantes e suas famílias na República Sul-africana, designadamente com eficazes acções e diligências diplomáticas junto das Autoridades da República Sul-africana em ordem a melhor promover a segurança daqueles cidadãos. 3. Incumbir o Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, para, formalmente, dar conhecimento da presente Resolução às seguintes entidades:. Presidente da República;. Presidente da Assembleia da República;. Primeiro-Ministro;. Presidente do Governo Regional da Madeira. Funchal, aos 5 de Abril de 2005, Pel O Grupo Parlamentar do PS, Ass.: Fernão Freitas.- Pág. 2 ****** Plano de Actividades e do Orçamento da Assembleia Legislativa para 2006 I - Nota Introdutória O Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, no âmbito das competências que lhe estão reservadas e no cumprimento das orientações emanadas pelo Presidente e pela Conferência da Assembleia Legislativa, conduzirá a sua actividade na procura permanente de dar resposta às reais necessidades da Assembleia Legislativa, contribuindo, deste modo, para níveis de excelência de funcionamento. II - Objectivos Ao Conselho de Administração incumbe proporcionar, aos diversos departamentos e serviços da Assembleia Legislativa, condições para que possam desempenhar as suas funções com a eficiência e eficácia desejadas, tendo presente as dificuldades decorrentes de uma política de contenção de despesas. Assim, no ano de 2006, o Conselho de Administração dará continuidade aos investimentos feitos na área das tecnologias de informação, criando as condições que permitam à Assembleia Legislativa a sua adaptação às novas realidades, aos novos desafios neste domínio, salvaguardando, todavia, o seu modus vivendi, diligenciará a concretização da instalação do novo sistema de debates e gravação de vídeo e procederá à recuperação dos elementos estruturantes do Edifício Sede da Assembleia. III - Actividades a desenvolver Apresentamos as acções que se pretende promover no ano económico de 2006, por áreas de intervenção: Actividades Parlamentares Assegurar os trabalhos das Comissões Especializadas, bem como das Sessões Plenárias; Assegurar a realização das VII Jornadas Parlamentares Atlânticas, Madeira, Açores, Cabo Verde e Canárias, previstas para a Ilha do Porto Santo. Assegurar a realização do Parlamento Jovem e Parlamento sobre Pessoa com Deficiência; Assegurar as actividades decorrentes da Comemoração do Dia da Assembleia; Assegurar as deslocações oficiais. Formação Dar continuidade às acções de formação destinadas a todo o pessoal parlamentar nas diversas áreas de intervenção, Informática, Apoio Parlamentar, Redacção, Audio Visual, Administrativo, Financeiro, Patrimonial e Auxiliar. Instalações / Equipamentos Instalação do novo sistema audio de debates e gravação de vídeo, na sequência do concurso público a lançar no decurso do presente ano.

3 Continuar a assegurar a aquisição dos equipamentos que forem julgados convenientes para o funcionamento dos diversos serviços da Assembleia Legislativa, quer para substituição dos que forem dados como obsoletos, quer de novos que sejam imprescindíveis ao cumprimento das atribuições acometidas aos mesmos, dentro de uma política selectiva de prioridades e oportunidades. Conservação e Manutenção do Património Proceder à conservação dos bens patrimoniais, nomeadamente pintura das paredes interiores do Edifício Sede da Assembleia Legislativa. Proceder à recuperação dos elementos estruturantes do edifício da Assembleia na sequência dos estudos de reabilitação efectuados por uma empresa especializada. Recuperar os bens que necessitem de intervenção e que, pela sua natureza, são imprescindíveis ao funcionamento da Assembleia Legislativa. Informática Disponibilização de informação sobre o Processo Legislativo no Plenário, na sequência da entrada em funcionamento desta nova ferramenta de informação. Alargamento da Intranet a outras áreas de funcionamento da Assembleia Legislativa. Dar continuidade à reformulação da estrutura lógica da rede local iniciada em Actualização do Firewall. Actualização do Software Antivírus na sequência da política que todos os anos temos vindo a seguir. Concretização do sistema Helpdesk. Continuar a assegurar a permanente renovação do parque informático, de acordo com o plano de necessidades previamente definido. Divulgação das Actividades da Assembleia Continuar a assegurar as visitas de estudo à Assembleia Legislativa. Assegurar a publicação de edições e de outros suportes informativos que ajudem a divulgar as actividades da Assembleia Legislativa. Pessoal Assegurar as promoções do pessoal, de acordo com as normas estabelecidas pela Lei Orgânica da Assembleia Legislativa e legislação em vigor. Assegurar a admissão de pessoal tida por indispensável, prevendo-se: 1 Técnico Superior Parlamentar, área de especialidade Jurídica 1 Especialista de Informática Parlamentar 1 Adjunto Parlamentar, área de audio visual 1 Auxiliar Parlamentar Actividades desportivas e lúdicas Promover a festa de Natal para os filhos dos funcionários parlamentares; Dar continuidade a realização de iniciativas desportivas, envolvendo Senhores Deputados, funcionários parlamentares e outros, e actividades de carácter lúdico. Assembleia Legislativa, aos 07 dias de Outubro de 2005 O Conselho de Administração, Ass.: José Manuel Oliveira, José Óscar Fernandes, António Carlos Teixeira de Abreu Paulo.- ****** Relatório de Actividades e Conta de Gerência relativo ao ano de 2004 I - Introdução No cumprimento das suas atribuições, o Conselho de Administração apresenta o relatório de actividades referente ao ano económico de O documento relata sumariamente as actividades que foram concretizadas pela Assembleia Legislativa. II - Actividades desenvolvidas Actividades Parlamentares Sessões Plenárias Foram realizadas 55 sessões plenárias das quais 48 referentes à IV Sessão Legislativa e 7 relativas à actual Sessão Legislativa desta VIII Legislatura. Comissões Parlamentares Decorreram, durante o ano 2004, 149 reuniões de Comissões Especializadas distribuídas do seguinte modo: 1ª Comissão - Política Geral, Assuntos Europeus e Poder Local - 7 2ª Comissão Planeamento e Finanças ª Comissão Economia, Turismo e Transportes ª Comissão Agricultura, Pecuária, Pescas e Florestas ª Comissão Equipamento Social e Ambiente ª Comissão Saúde, Assuntos Sociais e Protecção Civil ª Comissão Educação, Cultura e Desporto - 16 Pág. 3

4 8ª Comissão Administração Pública, Trabalho Emprego 12 9ª Comissão Cooperação Externa e Emigração - 4 Regimentos e Mandatos 15 A Comissão de Inquérito Uma Família um computador - 5 No uso das competências que são conferidas pelo Regimento da Assembleia Legislativa, as Comissões apreciaram e deram parecer relativo a: 1ª Comissão 22 diplomas 2ª Comissão 13 diplomas 3ª Comissão - 18 diplomas 4ª Comissão 22 diplomas 5ª Comissão 24 diplomas 6ª Comissão 30 diplomas 7ª Comissão 26 diplomas 8ª Comissão 11 diplomas O Gabinete Técnico de Assessoria e Estudos (GTAE) emitiu 105 pareceres e procedeu ao estudo de diversos processos. Representações Oficiais Assegurou-se a participação dos Senhores Deputados, representantes da Assembleia Legislativa, em Conselhos Nacionais e as deslocações do Senhor Presidente da Assembleia Legislativa a Veneza para uma reunião do Comité Permanente das Assembleias Legislativas Regionais da Europa, à Arnhem, Holanda, para uma reunião preparatória da VIII Conferência das Assembleias Legislativas Regionais da Europa, e a Milão, Itália, para participar na citada Conferência. Igualmente, assegurou-se a deputação da Assembleia Legislativa à Assembleia da República para participar em reuniões de trabalho com a Comissão de Assuntos Europeus e Política Externa da Assembleia da República. Divulgação das actividades da Assembleia Foram realizadas, durante o ano 2004, 37 visitas por parte dos estabelecimentos de ensino, dos quais 35 oriundos da Região e 2 de Escolas do Continente. Visitaram, igualmente, a Assembleia Legislativa: - 26 idosos do Centro Paroquial das Preces; - Um grupo oriundo do Brasil. Foram convocados os órgãos de Comunicação Social da RAM, a fim de procederem à cobertura jornalística das seguintes actividades: 55 Sessões Plenárias; 11 Reuniões de Conferência dos Presidentes dos Grupos Parlamentares; 1 Reunião da Comissão Permanente da Assembleia Legislativa; 118 Reuniões de Comissões Parlamentares; 36 Audiências Parlamentares. Procedeu-se à edição de duas brochuras, formato A4, uma alusiva ao Parlamento Jovem (1000 exemplares) e outra ao Parlamento Aberto Sobre a Pessoa com Deficiência (1000 exemplares). Outras Iniciativas Comemorou-se: O 25 de Abril com uma Sessão comemorativa; O Dia da Região e das Comunidades Madeirenses com uma sessão solene a 1 de Julho; O Dia da Assembleia, em Dezembro, com a presença de 150 alunos oriundos de escolas da Região; Realizou-se o Parlamento Jovem em Maio de A 08 de Março decorreu uma reunião da Comissão de Educação e Ciência da Assembleia da República com a Comissão de Educação, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa. A 29 de Dezembro realizou-se uma reunião de trabalho com o Presidente do Comité das Regiões, Senhor Peter Straub com a presença dos Presidentes dos Grupos Parlamentares e da Comissão Especializada de Política Geral,Assuntos Europeus e Poder Local desta Assembleia. Editou-se o Manual do Deputado. Administração No prosseguimento das medidas que temos vindo a desenvolver, no sentido de dotar a Assembleia Legislativa de modernas ferramentas de gestão, lançou-se o Concurso Internacional para informatização do Sistema de informação do processo legislativo que se encontra presentemente em fase de consultadoria. Demos continuidade ao processo de automatização da gestão financeira e patrimonial da Assembleia Legislativa. Elaborou-se o Guia do Deputado com indicação de normas de interesse para o preenchimento dos documentos que instruem o processo individual do deputado. O Conselho de Administração reuniu-se durante 25 sessões tendo tomado 116 Resoluções Formação Proporcionou-se a participação de dirigentes e funcionários em 26 acções de formação, num total de 628 horas, abrangendo 42 unidades de pessoal. Igualmente, promoveu-se acções de actualização de conhecimentos, no âmbito da aplicação informática ERP, SAP Gestão Financeira, patrimonial e de recursos humanos e na área do POCP. Pág. 4 Pessoal

5 Assegurou-se o acesso a categorias superiores, dentro da respectiva carreira, a 3 funcionários e progrediram, em termos de escalão, 23 funcionários, de acordo, em qualquer uma das situações, com o que se encontra definido quer em termos de Estatuto da Assembleia quer em termos de Administração Pública aplicado subsidiariamente ao pessoal da Assembleia Legislativa. Procedeu-se à contratação de um auxiliar de manutenção. Foi concedida a transferência de uma funcionária do quadro de pessoal da Assembleia Legislativa para a Assembleia da República. Documentação Continuou-se a registar um acréscimo de utilizadores dos Serviços da Divisão de Documentação, sendo de realçar as consultas efectuadas via . O Fundo monográfico de Biblioteca passou de 3662 para 3745 títulos em 2004, tendo-se adquirido 53 obras, títulos novos, embora o número total de obras adquiridas tenha sido de 81. O Fundo de publicações periódicas registou em 2004, 596 títulos dos quais 110 títulos activos. Instalações Procedeu-se à reestruturação das instalações da cave e do Piso zero do Edifício Sede da Assembleia Legislativa para instalação de serviços da Assembleia e ao aumento do número de cadeiras do Hemiciclo com instalação de seis novas cadeiras, na sequência do aumento do número de deputados que obrigou a obras de readaptação do Hemiciclo. Igualmente, procedeu-se à colocação de uma porta de vidro nos Passos Perdidos e à instalação de um vidro separador na bancada dos jornalistas no Hemiciclo. Desencadeou-se o processo para instalação de plataformas elevatórias por forma a permitir o acesso a pessoas portadoras de deficiência motora. Conservação e Manutenção do Património Procedeu-se à pintura exterior do Edifício da Assembleia Legislativa e da Capela de Stª António da Mouraria e, igualmente, procedeu-se à reparação geral do beirado e da cimalha de remate da cobertura do Edifício da Assembleia Legislativa, bem como de diverso mobiliário e outros equipamentos. Aquisição de bens Foram adquiridos, a fim de dar satisfação ao funcionamento dos serviços, os seguintes bens inventariáveis: - 3 Fotocopiadores; - 3 Telefax; - 2 Gravadores Tascan; - 1 Máquina de calcular; - 1 Desumidificador; - 1 Termoacumulador; - 4 Ventoinhas; - 1 Telefone; - 1 Mesa Sycom 2160; - 7 armários; - 15 Secretárias; - 6 Blocos rodados de gavetas; - 27 Cadeiras; - 1 Mesa de reunião; - 1 Berbequim; - 3 Cofres; - 3 Pendões; - 1 Tapete. Procedeu-se à instalação de consolas e de microfones nas novas bancadas do hemiciclo. Informática No prosseguimento da renovação do parque informático e no desenvolvimento dos sistemas de informação da Assembleia Legislativa, durante o ano 2004, foram adquiridos os seguintes bens: - 6 Computadores; - 1 Computador portátil; - 4 Impressoras; - 2 Servidores; - 8 Monitores; - 40 Tapes DAT DDS4; - 35 Licenças de actualização Windows NT Server 2000; - 2 Licenças Mail Sec MS Exchange Lic. Procedemos à aquisição, instalação e configuração de Software Microsoft Ise Server, de Microsoft Exchange Server e do Software Antivírus para Microsoft Exchange Server. Igualmente procedeu-se ao aumento do débito de acesso à Internet de 256 K para 512 k. Procedeu-se à aquisição de enciclopédias digitais e dicionários. Actividades Desportivas e Lúdicas Assegurou-se a realização de actividades desportivas com a participação dos Senhores Deputados, promoveu-se a festa de Natal destinada aos funcionários da Assembleia Legislativa e dos Grupos Parlamentares, bem como, o almoço Pág. 5

6 de Natal com a presença dos Senhores Deputados e funcionários da Assembleia Legislativa e dos Grupos Parlamentares. III - Avaliação Da apresentação deste relatório poderá inferir-se que a Assembleia Legislativa deu, na generalidade, cumprimento ao conjunto de iniciativas que programou para o ano económico de 2004, pese o facto de não ter recebido a totalidade dos duodécimos a que teria direito, por força dos condicionalismos determinados pela situação financeira a que o País teve sujeito e que reflectiu-se na Região, ficaram por receber 1 duodécimo de receitas correntes e três duodécimos de receitas de capital, perfazendo um total de ,00. Tal facto, contudo, não impediu que a execução orçamental tivesse sido na ordem dos 94,2%, reveladora do cumprimento dos objectivos que a Assembleia Legislativa definiu para o ano económico de Registe-se, no entanto, que a execução orçamental em termos de receitas foi de 95,5%. Fazendo uma análise à Conta sobressaem os seguintes aspectos: As receitas apuradas foram de ,33 (doze milhões, oitocentos e noventa e três mil, novecentos e sessenta e cinco euros e trinta e três cêntimos), ou seja, inferior em (seiscentos e doze mil, trezentos e noventa e dois euros e sessenta e sete cêntimos) ao inicialmente orçamentado. Tal facto deveu-se ao não recebimento dos duodécimos a que já nos aludimos. As despesas ascenderam a ,05 (doze milhões, setecentos e cinquenta e três mil, setecentos e cinquenta e sete euros e cinco cêntimos), ou seja, inferiores em (setecentos e cinquenta e três mil e cem euros, e noventa e cinco cêntimos) aos valores orçamentados, incluindo-se nestes, as alterações efectuadas ao longo da Gerência. A razão para esta diferença encontra-se, sobretudo, nos duodécimos que ficaram por receber, conforme já mencionado, numa prática de contenção de despesas implementada na sequência da conjuntura que, com o decorrer do ano, se foi criando, com reflexos negativos na evolução das receitas públicas. Se fizermos uma análise pelos grandes grupos de despesa, verificamos que, com o pessoal, foram gastos ,09 (seis milhões, novecentos e oitenta e dois mil, novecentos e setenta e seis euros e nove cêntimos), ou seja, 54,7% do valor global da despesa realizada, tendo-se atingido um grau de execução na ordem dos 97,9%. Com a aquisição de bens e serviços correntes foram gastos ,65 (um milhão, setecentos e sessenta e sete mil, duzentos e vinte e um euros e sessenta e cinco cêntimos), ou seja, 13,8% do valor global da despesa realizada e registando-se uma taxa de execução de 88,1%. Nas transferências correntes foram dispendidos ,92 (três milhões, cento e vinte e oito mil, seiscentos e sessenta e nove euros e noventa e dois cêntimos), representando 24,5% do valor global da despesa realizada e a que corresponde um nível de execução na ordem dos 99,9%. Com a aquisição de bens de capital foram realizadas despesas no montante de (oitocentos e setenta e quatro mil, oitocentos e oitenta e nove euros e trinta e nove cêntimos), 6.9% do valor global da despesa realizada, tendo-se alcançado uma taxa de execução de 70.9%. Passando a uma análise comparativa, espelhada nos mapas I e II anexos, que nos permitem comparar os valores das despesas realizadas no ano, agrupadas por grandes grupos de rubricas orçamentais, com as importâncias alcançadas na gerência anterior e concluir da evolução que tiveram as despesas ao longo dos últimos cinco anos, constata-se que, relativamente à gerência anterior, as despesas com o pessoal, com transferências correntes e com aquisição de bens de capital registaram aumentos de 0,2%, 3,7% e 58,6%, respectivamente, enquanto que as despesas com aquisição de bens e serviços sofreram uma redução no montante de 7,3% e que, em termos globais, as despesas em dois mil e quatro cresceram 2,2%. O acréscimos verificado nas despesas com o pessoal, deve-se, fundamentalmente, aos aumentos que foram ditados para determinadas categorias da Administração Pública. O decréscimo das despesas com a aquisição de bens e serviços correntes deve-se à adopção de medidas de contenção de despesas determinadas pela conjuntura económico-financeira. As despesas com transferências correntes, apresentam, por sua vez, um ligeiro acréscimo que se justifica pela actualização do salário mínimo nacional aplicado na Região e pelo novo quadro de deputados resultante das eleições regionais de Outubro de 2004 e que se reflectiu a partir de Novembro de As despesas com a aquisição de bens de capital sofreram um acréscimo acentuado (58,6%), motivado, pelo pagamento de compromissos assumidos na gerência de 2003, nomeadamente, obras de adaptação do Edifício da Rua da Alfândega e pela melhor taxa de execução orçamental. Feita a análise das evoluções das despesas, ao longo dos últimos cinco anos (Mapa Comparativo II), constata-se, apesar da descontinuidade da sua evolução, que em termos globais as despesas tiveram um crescimento médio anual de seis vírgula oito por cento, as despesas com o pessoal onze vírgula oito por cento e as despesas com aquisição de bens e serviços onze vírgula cinco por cento. No que diz respeito às despesas com transferências correntes verifica-se uma evolução negativa que resulta de alterações efectuadas em 2003 das despesas com o pagamento de subvenção vitalícia, de sobrevivência e fundo de pensões que deixaram de ser classificadas como transferências correntes passando a encargos com o pessoal. As despesas com a aquisição de bens de capital tiveram uma evolução muito irregular, com anos de crescimento negativo alternados com outros de crescimento positivo. Esta irregularidade é, todavia, explicada pela ocorrência de factos excepcionais como foi, a título de exemplo, a aquisição do prédio em 2000, e no ano de 2002, a realização das obras de adaptação daquele e a implementação da aplicação informática. Assembleia Legislativa, aos 30 dias de Março de 2005 O Conselho de Administração, Ass.: José Manuel Oliveira, José Óscar Fernandes, António Carlos Teixeira de Abreu Paulo.- ****** Pág. 6

7 MAPA DE DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS PARA 2006 Capítulo Grupo Importâncias em euros Artig o Designação Artigo Grupo Capítulo Total Receitas correntes 05 Rendimentos da propriedade 02 Juros - Sociedades financeiras 01 Bancos e outras instituições financeiras Transferências: 04 Administração Regional 02 Região Autónoma da Madeira 01. Funcionamento normal Venda de bens e serviços correntes 01 Venda de bens 08 Mercadorias Outras receitas correntes 01 Outras 99 Outras Total das receitas correntes Receitas de capital 10 Transferências de capital: 04 Administração Regional 02 Região Autónoma da Madeira 01. Funcionamento normal Reposições não abatidas nos pagamentos 01 Reposições não abatidas nos pagamentos 01 Reposições não abatidas nos pagamentos Total das receitas de capital Total das receitas Total orçamentado Assembleia Legislativa, aos 07 dias de Outubro de 2005 O Conselho de Administração, Pág. 7

8 MAPA DO DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS PARA 2006 (Valores em Euros) Sub- Sub- Agrupamento Rubrica Alínea Designação Alínea Rubrica Agrupamento Agrupamento Agrupamento Total Despesas correntes 01 Despesas com o pessoal 01 Remunerações certas e permanentes 01 Titulares de orgãos de soberania e membros de orgãos autárquicos: A Vencimentos - Presidente B Vencimentos Vice-Presidentes C Vencimentos - Deputados Orgãos sociais: A Remuneração - Membros do Conselho de Administração Pessoal dos quadros - Regime de função pública: A Vencimentos - Membros do Gabinete da Presidência B Vencimentos - Membros dos Gabinetes das Vice-Presidências C Vencimentos - Membros do Gabinete do Secretário-Geral D Vencimentos - Pessoal do quadro Pessoal contratado a termo Pessoal aguardando aposentação Representação: A Presidente B Secretário-Geral C Chefe de Gabinete D Assessor E Adjuntos dos Gabinetes da Presidência e das Vice-Presidências F Director de Serviços ou equiparado G Chefe de Divisão Suplementos e Prémios A Suplemento especial de trabalho B Suplemento de risco C Vice-Presidentes D Presidentes dos Grupos Parlamentares E Secretários e Vice-Secretários da Mesa da Assembleia Subsídio de refeição Subsídio de férias e de Natal Remuneração por doença e maternidade/paternidade Abonos variáveis ou eventuais 04 Ajudas de custo A Deputados B Membros dos Gabinetes da Presidência., Vice-Presidência, Secretário-Geral e funcionários Abono para falhas Indemnizações por cessação de funções A Subsídio de reintegração B Indemnização mensal Outros suplementos e prémios A Reuniões do Conselho de Administração B Subsídios por prolongamento das sessões Plenárias Outros abonos em numerário ou espécie A Trabalho em dias de descanso semanal B Subsídio de Insularidade Z Outros Segurança Social 03 Subsídio familiar a crianças e jovens: A Deputados B Funcionários Outras prestações familiares Contribuições para a Segurança Social A Direcção Regional de Segurança Social B Caixa Geral de Aposentações Acidentes em serviço e doenças profissionais Outras pensões A Subvenção vitalícia B Subvenção de sobrevivência C Encargos com fundos de pensões D Outras Pág. 8

9 02 Aquisição de bens e serviços 01 Aquisição de bens 02 Combustíveis e lubrificantes Limpeza e higiene Vestuário e artigos pessoais Material de escritório Material de consumo clínico Material de transporte - Peças Material de consumo hoteleiro Outro material - Peças Prémios, condecorações e ofertas Mercadorias para venda Ferramentas e utensílios Livros e documentação técnica Artigos honoríficos e de decoração Material de educação, cultura e recreio Outros bens A Actividades lúdico-desportivas B Outros Aquisição de serviços 01 Encargos das instalações Limpeza e higiene Conservação de bens Locação de edifícios Locação de outros bens Comunicações Transportes Representação dos Serviços Seguros Deslocações e estadas Estudos, pareceres, projectos e consultadoria Formação Seminários, exposições e similares Publicidade Vigilância e segurança Assistência técnica Outros trabalhos especializados Outros serviços A Emolumentos do Tribunal de Contas B Actividade editorial C Actividades lúdico-desportivas Z Outros Transferências correntes 07 Instituições s/ fins lucrativos 01 Instituições s/ fins lucrativos Famílias 02 Outras A Verbas para os gabinetes dos grupos parlamentares B Subvenção para encargos de assessoria C Bolsas de estudo Resto do mundo 01 Resto do mundo - União Europeia - Instituições Outras despesas correntes 02 Diversas 03 Outras Total das despesas correntes Despesas de Capital 07 Aquisição de bens de capital 01 Investimentos 03 Edifícios Equipamento de informática Software informático Equipamento administrativo Equipamento básico Ferramentas e utensílios Artigos e objectos de valor Outros investimentos Total das despesas de capital Total orçamentado Assembleia Legislativa, aos 07 dias de Outubro de 2005 O Conselho de Administração, Pág. 9

10 MAPA COMPARATIVO - I Anexo ao Relatório de Actividades - Ano Económico de 2004 (Valores em euros) Anos Económicos Despesas Por Grandes Rubricas Orçamentais Variação Absoluta % Pessoal , , ,33 0,2 Aquisição de bens e serviços correntes , ,65 ( ,04) (7,3) Transferências correntes , , ,72 3,7 Bens de Capital , , ,33 58,6 Totais , , ,70 2,2 Pág. 10

11 MAPA COMPARATIVO - II Anexo ao Relatório de Actividades - Ano Económico de 2004 (Valores em euros) Anos Económicos Despesas Por Grandes Rubricas Orçamentais Valores Absolutos Valores Valores Valores Valores % Absolutos % Absolutos % Absolutos % Absolutos % Totais ( ) a) ( ) a) , , , , , Pessoal ( ) a) ( ) a) 45, , ,80 46, ,21 44, ,76 56, ,09 54,8 Aquisição de bens e serviços correntes ( ) a) ( ) a) 12, , ,41 15, ,41 11, ,69 15, ,65 13,9 Transferências correntes ( ) a) ( ) a) 36, , ,08 34, ,92 31, ,20 24, ,92 24,5 Bens de Capital ( ) a) ( ) a) 5, , ,18 4, ,52 12, ,06 4, ,39 6,8 Pág. 11

CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DAS DESPESAS

CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA DAS DESPESAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 01 Despesas com o pessoal 01 Remunerações certas e permanentes 01 Remunerações certas e permanentes 01 Titulares de órgãos de soberania e

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL CASA PIA DE LISBOA, I.P. CONTA DE GERÊNCIA. Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL CASA PIA DE LISBOA, I.P. CONTA DE GERÊNCIA. Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007 CONTA DE GERÊNCIA Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2007 Débito Parcial Telnet Sif Total Crédito SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR: DESPESAS CORRENTES De Receitas Próprias: 01 DESPESAS COM PESSOAL

Leia mais

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DO PORTO SANTO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2012

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DO PORTO SANTO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2012 ENTIDADE ORÇAMENTO DA DESPESA DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DO PORTO SANTO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2012 PÁGINA : 1 01 ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL 4.684.112,00 01.01 ADM/OPERAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS CÂMARA MUNICIPAL DO / SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE TRANSPORTES COLECTIVOS DO RECEBIMENTOS Saldo da gerência anterior 2.363.424,49 Execução Orçamental 1.404.990,71 Operações de Tesouraria 958.433,78 Total

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

Potenciais Facto Pagamentos Verbas disponíveis IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV Jan..Junho 65% 56% 35% 44% 33% 40% 340.784.566 136.649.

Potenciais Facto Pagamentos Verbas disponíveis IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV Jan..Junho 65% 56% 35% 44% 33% 40% 340.784.566 136.649. Potenciais Facto Pagamentos Verbas disponíveis IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV IPV ESAV Jan..Junho 65% 56% 35% 44% 33% 40% 340.784.566 136.649.154 Jan..Agosto 54% 51% 46% 49% 45% 46% 280.821.456 124.481.637

Leia mais

Orçamento de Despesa - Dotações Iniciais

Orçamento de Despesa - Dotações Iniciais 01...... Órgãos da Autarquia 157.262,00 01.01..... 01.01.01.... 01.01.01.02... Assembleia de Freguesia 900,00 Despesas com o pessoal 800,00 Abonos variáveis ou eventuais 800,00 01.01.01.02.13.. Outros

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 98.400,00 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 26,43

Leia mais

37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00

37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00 TOTAL DA RECEITA: TOTAL DA DESPESA: 37.100.500,00 37.100.500,00 0 DA CÂMARA MUNICIPAL DE LEIRIA ANO 2013 RECEITAS DESPESAS CORRENTES 23.469.442,00 CORRENTES 23.270.500,00 CAPITAL 13.631.058,00 CAPITAL

Leia mais

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2

Relatório de execução orçamental Anual. Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 Índice Página: 1 - O grau de execução orçamental 2 2 - Análise detalhada 2 2.1-Despesa total efetuada, em 2014, através das fontes de financiamento 2 2.2 - Despesa total efetuada, em 2014, pela fonte de

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 7.946.571,02 Execução Orçamental 5.519.930,76 Operações de Tesouraria 2.426.640,26 das Receitas Orçamentais 58.322.634,95 Receitas Correntes 55.610.658,97 01 Impostos

Leia mais

AGRUPAM ENTO SUB- ALINEA ALÍNEA RUBRICA SUBAGRUP AMENTO 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESPESAS CORRENTES

AGRUPAM ENTO SUB- ALINEA ALÍNEA RUBRICA SUBAGRUP AMENTO 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESPESAS CORRENTES CÓDIGO P AM 01 ASSEMBLEIA MUNICIPAL DESPESAS CORRENTES 01 DESPESAS COM O PESSOAL 0102 ABONOS VARIÁVEIS OU EVENTUAIS 010204 AJUDAS DE CUSTO 500 010213 OUTROS SUPLEMS E PRÉMIOS 01021302 OUTROS 30.000 30.000

Leia mais

Junta de Freguesia de Alcabideche

Junta de Freguesia de Alcabideche Junta de Freguesia de Alcabideche (Sede da Junta de Freguesia de Alcabideche) Conta de Gerência 2012 Junta de Freguesia de Alcabideche Conta de Gerência 2012 Prestação de Contas Ano de 2012 Prefácio Orçamental

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 22 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

ORÇAMENTO PARA O ANO 2014 - Receita

ORÇAMENTO PARA O ANO 2014 - Receita ORÇAMENTO PARA O ANO 2014 - Receita 04 Taxas, multas e outras penalidades 0402 Multas e outras penalidades 040201 Juros de mora 6.000 040204 Coimas e penalidades por contra-ordenações 040299 Multas e penalidades

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.348.952,41 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 1.034.500,26 Operações de Tesouraria 314.452,15 16.035.427,63 Receitas Correntes 11.478.511,35 01

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 5566 Diário da República, 1.ª série N.º 208 28 de outubro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n.º 86/2014 Orçamento da Assembleia da República para 2015 A Assembleia da

Leia mais

Serviços Municipalizados da C.M.Guarda

Serviços Municipalizados da C.M.Guarda 01 Orçamento-Exercício corrente 12.450.272,25 12.450.272,25 0,00 0,00 011 Receitas,00 12.133.603,25 0,00 12.133.603,25 01104 Taxas, multas e outras penalidades,00 19.860,00 0,00 19.860,00 0110402 Multas

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 213.697,03 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 67.235,92 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

RESUMO FREGUESIA DE BENFICA. Ano :2012 (Unidade: EUR) Receitas Montante Despesas. Corrente... Capital... Outras Receitas... 0,00 3.432.

RESUMO FREGUESIA DE BENFICA. Ano :2012 (Unidade: EUR) Receitas Montante Despesas. Corrente... Capital... Outras Receitas... 0,00 3.432. RESUMO Ano :2012 Receitas Montante Despesas Montante Corrente... 4.349.118,00 Corrente... Capital... 2,00 Capital... Outras Receitas... 0,00 3.432.383,80 960.736,20 Total 4.349.120,00 Total 4.393.120,00

Leia mais

ORÇAMENTO DA DESPESA

ORÇAMENTO DA DESPESA 01 00 00 Administração Autárquica DESPESAS CORRENTES 01 Despesas com o pessoal 255.313,99 01 01 Remunerações certas e permanentes 176.770,19 01 01 01 Titulares de órgãos de soberania e membros de órgãos

Leia mais

FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE ORÇAMENTO DA RECEITA

FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE ORÇAMENTO DA RECEITA FREGUESIA DE MEXILHOEIRA GRANDE ORÇAMENTO DA RECEITA RECEITAS CORRENTES 01 Impostos directos 10.102,Oe 01 02 Outros 10.102,Oe 010208 imposto municipal imóveis (rústico) 1.000,00 010209 Imposto Municipal

Leia mais

Universidade da Beira Interior Serviços de Contabilidade

Universidade da Beira Interior Serviços de Contabilidade DESPESAS DE FUNDOS PRÓPRIOS Despesas Orçamentais 310 - Origem / Aplicação - Esforço Financeiro Nacional 01 01 03 00 00 Pessoal dos quadros - Regime de função pública 4885817,77 01 01 05 00 00 Pessoal além

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009 DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO DE 2009 - ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA - PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS - GRANDES OPÇÕES DO PLANO - RESUMO DE ORÇAMENTO APROVADO EM: C.A. / / C.M. / / A.M. /

Leia mais

7638 Diário da República, 1.ª série N.º 212 31 de Outubro de 2008

7638 Diário da República, 1.ª série N.º 212 31 de Outubro de 2008 7638 Diário da República, 1.ª série N.º 212 31 de Outubro de 2008 Artigo 250.º [...] 1 Quem, estando legalmente obrigado a prestar alimentos e em condições de o fazer, não cumprir a obrigação no prazo

Leia mais

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2012 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2012 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS DESENVOLVIMENTO DAS DOS SERVIÇOS E S AUTÓNOMOS 01 - ENCARGOS DO ESTADO 1 - ENCARGOS DO ESTADO - PRIVATIVOS - SFA 01 - PRESIDENCIA DA REPUBLICA 01 - PRESIDENCIA DA REPUBLICA - ORÇAMENTO PRIVATIVO - FUNCIONAMENTO

Leia mais

Investimentos do Plano- 2º Trimestre/2002 7822435 79,6% 1370353 13,9% 292069 3,0% 336454 3,4% 5682 0,1% 9826993 100,0% Despesas correntes

Investimentos do Plano- 2º Trimestre/2002 7822435 79,6% 1370353 13,9% 292069 3,0% 336454 3,4% 5682 0,1% 9826993 100,0% Despesas correntes Investimentos do Plano- 2º Trimestre/2002 em contos Orçamento corrigido Pagamentos efectutaxa de execução Despesas correntes Conservação de bens 109.747 0% Outros serviços 219.038 49.337 23% Total 328.785

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 25 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE 15 DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE VILA VELHA DE RODAO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2007

DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE VILA VELHA DE RODAO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2007 ENTIDADE ORÇAMENTO DA DESPESA DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE VILA VELHA DE RODAO ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DO ANO 2007 PÁGINA : 1 01 CAMARA MUNICIPAL 1.433.053,00 01.01 OPERAÇOES FINANCEIRAS

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 22 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE 15 DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

ORÇAMENTO RECEITA E DA DESPESA

ORÇAMENTO RECEITA E DA DESPESA MUNICÍPIO DAS VELAS ORÇAMENTO DA RECEITA E DA DESPESA ANO DE 2010 MUNICÍPIO DAS VELAS ORÇAMENTO DA RECEITA 2010 Código Class. Económica ORÇAMENTO PARA O ANO 2010 - Receita 01 Impostos directos 0102 Outros

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

FREGUESIA DE GÂMBIA-PONTES-ALTO DA GUERRA

FREGUESIA DE GÂMBIA-PONTES-ALTO DA GUERRA Despesas Orçamentais 505.374,37 Correntes 356.434,90 010300.0101010100 Meio Tempo - Presidente 8,546.02 010300.0101010200 Compensação mensal Secretário / Tesoureiro 5,275.68 010300.0102130100 Senhas de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DO ORÇAMENTO ANO ECONÓMICO DE 24 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS EM CUMPRIMENTO DO DISPOSTO NO N. 2 DO ART. 5 DO DEC. LEI 71/95, DE 15 DE ABRIL, ENVIA-SE A RELAÇÃO TRIMESTRAL DAS ALTERAÇÕES ORÇAMENTAIS EFECTUADAS NOS ORÇAMENTOS

Leia mais

Documentos de Prestação de. Contas

Documentos de Prestação de. Contas Documentos de Prestação de Contas Ano Financeiro de 2010 INDICE GERAL 7.3.1 CONTROLO ORÇAMENTAL DA DESPESA 7.3.2 CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA 7.4 EXECUÇÃO ANUAL DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 7.4A

Leia mais

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela

União das Freguesias de Viana do Castelo (Santa Maria Maior e Monserrate) e Meadela Pág. n.º 1 01 ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA... 769100,89 01 DESPESAS COM O PESSOAL:... 54506,91 01.01 Remunerações certas e permanentes:... 34358,38 01.01.01 Tit. de órgãos de soberania e m. de órgãos autárquicos

Leia mais

Orçamento 01 280.554,00 200,00 300,00 10.100,00 10.000,00 4.900,00. 30.750,00 04.01.23.99.01 Atestados, Confirmações e

Orçamento 01 280.554,00 200,00 300,00 10.100,00 10.000,00 4.900,00. 30.750,00 04.01.23.99.01 Atestados, Confirmações e Pag.: 1 04.01.23.99.03 1.500,00 Transladações 04.02 Multas e outras penalidades 04.02.99 Multas e penalidades diversas 05 Rendimentos da propriedade 05.02 Juros - Sociedades financeiras 05.02.01 Bancos

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE GUARDA Ponto 2.3 Análise, discussão e votação do Plano e Orçamento para o ano 2014 DOCUMENTO PARA ANÁLISE Constitui uma competência material da Junta de Freguesia a elaboração

Leia mais

DIVISÃO DE GESTÃO FINANCEIRA E PATRIMONIAL ORÇAMENTO. (Transposto 2014)

DIVISÃO DE GESTÃO FINANCEIRA E PATRIMONIAL ORÇAMENTO. (Transposto 2014) ORÇAMENTO 2015 (Transposto 2014) A presente proposta de Orçamento foi elaborada no respeito pelas regras previsionais constantes no ponto 3.3 do POCAL (Plano Oficial das Autarquias Locais), aprovado pelo

Leia mais

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei n.º 77/88, de 1 de Julho, (Declaração de Rectificação de 16 de Agosto de 1988) com as alterações introduzidas pela

Leia mais

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2010 DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2010 DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS DESENVOLVIMENTO DAS DOS SERVIÇOS E S AUTÓNOMOS 02 - SERVIÇOS DE APOIO, ESTUDOS, COORDENAÇAO, COOPERAÇAO E CONTROLO 06 - INSTITUTO DE GESTAO DO SOCIAL EUROPEU IP-ORÇ. PRIV.-FUNC. PROG MED RECEITA 065 FUNÇÕES

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS

ORÇAMENTO DE ESTADO 2014 DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS MA OE-12 DESENVOLVIMENTO DAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS 0 - FINANÇAS 01 - AÇAO GOVERNATIVA 01 - GABINETES DOS MEMBROS DO GOVERNO 001 SERV. DA A.P. - ADMINISTRAÇÃO GERAL 01 01.01 COM O PESSOAL REMUNERAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ALRAA 2015 2

PLANO DE ATIVIDADES ALRAA 2015 2 ALRAA Agosto 2014 I. Nota Introdutória... 3 II. Meios da ALRAA... 4 1. Recursos Humanos da Secretaria Geral... 4 2. Recursos Financeiros... 4 3. Recursos Tecnológicos... 4 4. Instalações... 5 III. s da

Leia mais

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto

Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto Orçamento para o ano de 2010 do Conselho de Deontologia do Porto 1. Pressupostos relativos às Receitas/Proveitos do Conselho de Deontologia do Porto Receitas Próprias O Conselho de Deontologia não dispõe

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO 2007 DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS

ORÇAMENTO DE ESTADO 2007 DESENVOLVIMENTO DAS DESPESAS DOS SERVIÇOS INTEGRADOS Capítulo: 01 - GABINETE DOS MEMBROS DO GOVERNO, ORGÃOS E SERVIÇOS CENTRAIS Divisão: 01 - GABINETE DOS MEMBROS DO GOVERNO Subdivisão: 01 - GABINETE DO MINISTRO 01 01.01 COM O PESSOAL REMUNERACOES CERTAS

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2011 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2011 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS DESENVOLVIMENTO DAS DOS SERVIÇOS E S AUTÓNOMOS 02 - SERVIÇOS DE APOIO, ESTUDOS, COORDENAÇAO, COOPERAÇAO E CONTROLO 06 - INSTITUTO DE GESTAO DO SOCIAL EUROPEU IP-ORÇ. PRIV.-FUNC. PROG MED RECEITA 065 FUNÇÕES

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...

ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS... ÍNDICE INTRODUÇÃO............ 2 1. EFECTIVOS E INDICADORES DE GESTÃO DE PESSOAL... 4 1.1 EFECTIVOS GLOBAIS......... 4 1.2 DISTRIBUIÇÃO POR SERVIÇOS...... 7 1.3 DISTRIBUIÇÃO POR GRUPOS PROFISSIONAIS...

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2014 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2014 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2007 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2007 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS DESENVOLVIMENTO DAS DOS SERVIÇOS E S AUTÓNOMOS 01 - INSTITUTO DE GESTÃO INFORMÁTICA E FINANCEIRA DA SAÚDE-ORÇ.PRIV.-FUNCIONAMENTO PROG MED RECEITA 06 TRANSFERENCIAS CORRENTES: 06.03 ADMINISTRACAO CENTRAL:

Leia mais

Junta de Freguesia de S. Julião da Figueira da Foz Fluxos de Caixa (Desagregados)

Junta de Freguesia de S. Julião da Figueira da Foz Fluxos de Caixa (Desagregados) Pag.: 1 Despesas Correntes 01...... 01...... 01.03..... 01.03.01.... 01.03.01.01... 01.03.01.01.01.. ADMINISTRAÇÃO DA FREGUESIA 274.212,16 ADMINISTRAÇÃO DA FREGUESIA 13.440,80 ADMINISTRAÇÃO GERAL 274.212,16

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 --------------------------------------------------------------------------------

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE RESOLUÇÃO DO GOVERNO 7/2003 -------------------------------------------------------------------------------- ALTERAÇÃO DO QUADRO DE PESSOAL DO PARLAMENTO NACIONAL O

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Orçamento 2010. Município de Murça

Orçamento 2010. Município de Murça Orçamento 2010 Município de Murça ÍNDICE DOCUMENTOS PREVISIONAIS 4 INTRODUÇÃO 5 1- ORÇAMENTO DE 2010 6 2- RECEITA 7 2.1- RECEITA CORRENTE 8 2.2- RECEITA DE CAPITAL 9 3- DESPESA 9 3.1- DESPESA CORRENTE

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL ORÇAMENTO DA RECEITA Ano: 2015

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO BAIXO ALENTEJO E ALENTEJO LITORAL ORÇAMENTO DA RECEITA Ano: 2015 ORÇAMENTO DA RECEITA Ano: 25 RECEITAS CORRENTES 05 RENDIMENTOS DA PROPRIEDADE 10,00 05 Juros Sociedades Financeiras 10,00 05 Bancos e Outras Instituições Financeiras 10,00 06 TRANSFERÊNCIAS CORRENTES 991.045,28

Leia mais

Orçamento e Plano Plurianual de Investimentos

Orçamento e Plano Plurianual de Investimentos Contribuinte nº 506 811 875 Orçamento e Plano Plurianual de Investimentos Ano Económico 2015 Aprovado em reunião da Junta de Freguesia em / / Aprovado em reunião da Assembleia de Freguesia em / / ORÇAMENTO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 Regulamento de Concessão de Alimentação e Auxílios Económicos a Estudantes PREÂMBULO A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece

Leia mais

Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar. Relatório de Actividades

Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar. Relatório de Actividades Relatório de Actividades X LEGISLATURA 2005 2009 Centro de Formação Parlamentar e Interparlamentar 1 Relatório da Legislatura Introdução 3 Acções de Formação (Internas/Externas/E Learning) 5 Número de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março. Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Decreto-Lei n.º 73/2002 de 26 de Março O Decreto-Lei n.º 177/2000, de 9 de Agosto, veio atribuir autonomia administrativa aos tribunais superiores da ordem dos tribunais judiciais e da ordem dos tribunais

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010

RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DA GERÊNCIA 2010 Introdução A Conta de Gerência (CG) da ESEQ, relativa ao ano 2010 está de acordo com a lei e os regulamentos em vigor, pelo que foi aprovada pelo Conselho Administrativo

Leia mais

Anexo VII. Alíneas e subalíneas da Classificação económica da Despesa Pública de tipificação vinculativa

Anexo VII. Alíneas e subalíneas da Classificação económica da Despesa Pública de tipificação vinculativa Anexo VII Alíneas e subalíneas da Classificação económica da Despesa Pública de tipificação vinculativa (Nos termos das notas explicativas ao classificador das receitas e das despesas públicas em anexo

Leia mais

1ª Revisão do Orçamento, PPI e PPA do ano 2013

1ª Revisão do Orçamento, PPI e PPA do ano 2013 2013 1ª Revisão do Orçamento, PPI e PPA do ano 2013 Junta de Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra Branco Lima FREGUESIA DE GÂMBIA-PONTES-ALTO DA GUERRA Pág. 1 MODIFICAÇÕES DO ORÇAMENTO DA RECEITA

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

República Democrática de São Tomé e Príncipe. Lei n.º 4/2007 LEI ORGÂNICA DA ASSEMBLEIA NACIONAL

República Democrática de São Tomé e Príncipe. Lei n.º 4/2007 LEI ORGÂNICA DA ASSEMBLEIA NACIONAL República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Nacional Lei n.º 4/2007 LEI ORGÂNICA DA ASSEMBLEIA NACIONAL A Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 97. da Constituição,

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n.

Terça-feira, 6 de maio de 2014. Resolução n.º 265/2014. Resolução n.º 266/2014. Empresa de Automóveis do Caniço, Lda.. Resolução n. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 6 de maio de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 263/2014 Mandata o Dr. Paulo Jorge Figueiroa de França Gomes para, em

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1

Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei de Organização e Funcionamento dos Serviços da Assembleia da República (LOFAR) 1 Lei n.º 77/88, de 1 de Julho, (Declaração de Rectificação de 16 de Agosto de 1988) com as alterações introduzidas pela

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

ORGÂNICA ECONÓMICA D E S I G N A Ç Ã O ORGÂNICA ECONÓMICA

ORGÂNICA ECONÓMICA D E S I G N A Ç Ã O ORGÂNICA ECONÓMICA ENTIDADE MUNICIPIO DE MOGADOURO ORÇAMENTO DA DESPESA ( POR CLASSIFICAÇÃO ORGÂNICA/ECONÓMICA ) DOTAÇÕES INICIAIS DO ANO 2009 PÁGINA : 1 01 01.01 ADMINISTRACAO MUNICIPAL OPERACOES FINANCEIRAS 5.094.863,00

Leia mais

Praça Francisco Inácio - 4835-321 - Contrib: 507 214 668 - Tel: 253 531 824

Praça Francisco Inácio - 4835-321 - Contrib: 507 214 668 - Tel: 253 531 824 01 Impostos directos 0102 Outros CORRENTES 010202 Imposto municipal sobre imóveis 9.000,00 TOTAL Rúbrica 01 9.000,00 02 Impostos indirectos 0202 Outros 020206 Impostos indirectos específicos das autarquias

Leia mais

CASA PIA DE LISBOA, I.P.

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Classificações DESPESAS CORRENTES 01 DESPESAS COM O PESSOAL 01 Remunerações Certas e Permanentes 02 6411000000 Vencimentos-Orgãos Directivos 683.000,00 03 6421111000 Vencimentos-Pessoal do Quadro 18.300.000,00

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de maio de 2015. Série. Número 90

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de maio de 2015. Série. Número 90 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 20 de maio de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Despacho n.º 253/2015 Redefine as regras

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2007 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS

ORÇAMENTOS PRIVATIVOS PARA 2007 DESENVOLVIMENTO DAS RECEITAS DOS SERVIÇOS E FUNDOS AUTÓNOMOS DESENVOLVIMENTO DAS DOS SERVIÇOS E S AUTÓNOMOS 18 - INSTITUTO NACIONAL DE MEDICINA LEGAL - PRIVATIVO FUNCIONAMENTO PROG MED RECEITA 008 JUSTIÇA 001 SISTEMA MÉDICO-LEGAL 05 RENDIMENTOS DA PROPRIEDADE: 05.02

Leia mais

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014

MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS E DESINVESTIMENTOS PARA O ANO DE 2014 SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MOGADOURO 28-10-2013 MEMÓRIA JUSTIFICATIVA À CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de abril de 2014. Série. Número 52

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de abril de 2014. Série. Número 52 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 11 de abril de 2014 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução n.º 208/2014 Autoriza a celebração de um contrato-programa com a entidade

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 20 de janeiro de 2015. Série. Número 12

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 20 de janeiro de 2015. Série. Número 12 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 20 de janeiro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS DIREÇÃO REGIONAL DE JUVENTUDE E DESPORTO E ACADÉMICO

Leia mais

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde

Fundo de Garantia Automóvel. Relatório Anual de Actividades 2010. Banco de Cabo Verde Fundo de Garantia Automóvel Relatório Anual de Actividades 2010 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 03 2. Actividades desenvolvidas em 2010.. 03 2.1 Abertura e encerramento de processos... 04 2.2.

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais