Relatório Anual de Actividades 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Anual de Actividades 2008"

Transcrição

1 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE PROJECTOS - BRAGA DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE LUISA HIPÓLITO

2 Índice Divisão de Avaliação e Acompanhamento de Projectos... 3 Resumo... 3 Alinhamento Estratégico dos Objectivos... 7 Apreciação quantitativa

3 Divisão de Avaliação e Acompanhamento de Projectos Resumo A execução do plano de actividades da Divisão de Avaliação e Acompanhamento de Projectos de Braga, em 2008, pautou-se na estratégia planeada pela DRAP para a região Norte e implementou-a na sua área geográfica de actuação, ou seja, as correspondentes às Delegações do Cávado, do Alto Minho, do Alto Trás-os-montes e do Nordeste Transmontano. As tarefas foram particularmente dirigidas para a recuperação do histórico, herdado do anterior organismo IFADAP, no que disse respeito à decisão e acompanhamento de projectos referentes aos QCAs em aplicação: - AGRO Medidas 1, 3 e 5; - AGRIS gestão da acção 7.1 relativa à área geográfica Entre Douro e Minho; - AGRIS processamento de Pedidos de Pagamento de projectos da área geográfica das 4 Delegações; - AGRIS procedimentos de contratação de projectos da área geográfica das 4 Delegações; - Reg Florestação de Terras Agrícolas; - RURIS - Florestação de Terras Agrícolas; - Reg Cessação de Actividade; - RURIS - Reforma Antecipada - Regime de Pagamento Único (RPU) - Transferência de Direitos - Medidas de Intervenção do Sector do Vinho: Comunicações de Destilaria, Retiradas de Subprodutos de Vinificação e Declarações de Intenção de Enriquecimento - VITIS - Procedimentos transversais a vários programas que para além dos referidos anteriormente abrangeram ainda o PAMAF quanto a libertação de Garantias Bancárias, Fianças, Avales, E para a divulgação, implementação e decisão de projectos no âmbito do PRODER. - acção Componentes 1 e 2 - acção Instalação de Jovens Agricultores 3

4 - acção Modernização e Capacitação das Empresas Florestais Neste sentido os objectivos operacionais da DAAP foram orientados para a divulgação dos instrumentos de politica de apoio ao investimento aos potenciais promotores de projectos, para a promoção do acompanhamento dos projectos e para a adequação da análise dos projectos ao PDR Regional. No ano de 2008, e particularmente durante o 1º semestre, foi dada particular atenção aos processos AGRO e AGRIS para os quais se implementaram procedimentos conducentes ao acréscimo da execução orçamental e de encerramento do quadro comunitário e durante o 2º semestre os esforços foram canalizados principalmente para a divulgação e para a análise de Pedidos de Apoio no âmbito do PRODER. Uma breve descrição, por programa, das tarefas desenvolvidas permitirão, muito resumidamente, elucidar o trabalho da DAAP: AGRO Medidas 1, 3 e 5 a) Análise dos Pedidos de Pagamento, com emissão de Relatório de evidências quanto à elegibilidade dos investimentos e à conformidade documental, registo das diferenças ocorridas entre o investimento aprovado e o efectivamente validado, e os respectivos carregamentos informáticos; b) Análise dos pedidos de pagamento, reanálise dos projectos e os respectivos carregamentos informáticos; c) Reanálises de projectos na sequência de pedidos de alteração ou resultantes de verificações físicas na exploração, elaboração de Planos de Recuperação de Verbas e respectivos carregamentos informáticos, e elaboração de pareceres para o IFAP; d) Acções de Acompanhamento no âmbito da Normas 25 e 27 emitidas pelo Gestor do programa AGRO a projectos das medidas 1, 3 e 5 - análise física e contabilística dos projectos, com visita dos projectos constantes da amostra de controlo para o ano de 2008; e) Visitas de acompanhamento aos projectos com o último Pedido de Pagamento, sendo que, no caso específico da Medida 3, a realização de controlo de campo ocorre necessariamente em todos os projectos com Auto de Fecho. AGRIS a) Análise dos Pedidos de Pagamento, no âmbito de todas as acções e sub-acções, com emissão das respectivas Autorizações de Pagamento e os respectivos carregamentos informáticos; b) Emissão de contratos, com os respectivos envios aos promotores e ao IFAP; 4

5 c) Análise dos Pedidos de Pagamento Acção 7.1, com emissão de Relatório de evidências quanto à elegibilidade dos investimentos e à conformidade documental, registo das diferenças ocorridas entre o investimento aprovado e o efectivamente validado, e os respectivos carregamentos informáticos; d) Análise e acompanhamento de projectos da Acção 7.1 da Medida AGRIS com emissão de Pareceres Técnicos / Relatórios de acompanhamento ou de visita, com apresentação de propostas, devidamente apoiadas em suporte legal e procedimentos vigentes, no sentido de conduzir a uma correcta implementação dos projectos por parte dos promotores. Regulamento Cessação de Actividade e RURIS Reforma Antecipada a) Actualização mensal das bases de dados referentes aos beneficiários da Cessação de Actividade e dos da Reforma Antecipada, por cruzamento com as bases de dados provenientes mensalmente do Serviço Nacional de Pensões; b) Emissão mensal das listagens com as autorizações de pagamentos, para envio ao IFAP, assegurando o processamento mensal das reformas aos produtores agrícolas. Regulamento 2080 Florestação de Terras Agrícolas e RURIS Florestação de Terras Agrícolas a) Emissão de Fichas de Verificação de cumprimento das obrigações dos beneficiários do RURIS-FTA, no Âmbito do Quadro Sancionatório, alteração introduzida na sequência das recomendações emanadas pela Inspecção-Geral de Finanças no exercício de Certificação de Contas FEOGA Garantia 2006 e os respectivos carregamentos informáticos; b) Análise dos Pedidos de Pagamento, com emissão de Relatório que evidencie a elegibilidade do investimento e a conformidade documental, registe as diferenças ocorridas entre o investimento aprovado e o efectivamente validado, e os respectivos carregamentos informáticos. c) Visitas de acompanhamento aos projectos RURIS-FTA com Auto de Fecho, emissão de relatório de controlo e processamento dos respectivos Pedidos de Pagamento de subsídios e de prémios de manutenção, e os respectivos carregamentos informáticos. VITIS a) Verificação em todos os projectos, a partir da campanha de 2000, com verificação processual e dos carregamentos informáticos efectuados no modelo de análise no programa ORACLE; b) Acompanhamento dos projectos no âmbito do programa VITIS, efectuando todos os procedimentos necessários à decisão dos projectos e processamento das ajudas; 5

6 c) Visitas de controlo aos projectos com pedidos de libertação de Garantia Bancária e os respectivos carregamentos informáticos; d) Visitas de controlo aos projectos da campanha VITIS para confirmação da realização do investimento e os respectivos carregamentos informáticos. Regime de Pagamento Único Gestão dos Direitos Análise documental dos processos de candidatura, na campanha , no âmbito das Transferência e Acesso à Reserva Nacional de Direitos e respectivos carregamentos informáticos. PRODER a) Divulgação das medidas de apoio através do balcão de atendimento da DAAP em Braga, serviço pessoal ou telefónico, a potenciais promotores de projectos, associações de agricultores, projectistas, Delegações Regionais e sessões públicas; b) Análise dos Pedidos de Apoio (PA) Acção , Componentes 1 e 2, de Grupo e de Fileira, e Acção , com emissão de Pareceres Técnicos, Económicos e Financeiros; c) Emissão de ofícios de Audiência Prévia (AP) a todos os detentores de PAs com Parecer Desfavorável; d) Atendimento de todos os promotores de PAs que, e na sequência do ofício de AP, solicitaram entrevista na DAAP para esclarecimentos adicionais relativos aos motivos que determinaram um parecer desfavorável. Organização Comum de Mercados do sector dos Vinhos a) Recepção, verificação e carregamento no sistema de informação respectivo as candidaturas às Medidas de Intervenção do Sector do Vinho: - Comunicações de Destilaria; - Retiradas de Subprodutos de Vinificação; - Declarações de Intenção de Enriquecimento; b) Emissão de listagens mensais, para o IFAP, e diárias, para a Divisão de Controlo da DRAPN, das visitas de controlo a efectuar. Regularização de processos quanto a libertação de Garantias Bancárias, Fianças, etc. Verificação de todos os projectos com garantias financeiras, com a necessária verificação processual, no sistema informático e das responsabilidades dos promotores de projectos no âmbito de diversos programas (VITIS, AGRO, PAMAF, ), para junto do IFAP proceder à sua desvinculação. 6

7 Alinhamento Estratégico dos Objectivos O alinhamento estratégico dos objectivos da DAAP de Braga foi desenvolvido tendo em consideração o QUAR definido para a DRAPN e o mapa estratégico da DSIC conforme tabela: OBJECTIVOS OPERACIONAIS DAAP DSIC QUAR Divulgação dos instrumentos de investimento ao dispor dos proponentes OB1 IND1 OB2 OB2 Promover o acompanhamento dos projectos OB2 IND2 Adequar a análise ao PDR Regional OB3 IND3 OB2 Garantir uma cobertura de 80% das despesas gerais, com a assistência técnica OB4 IND4 OB3 OB4 Reduzir o número de reclamações OB5 IND5 IND6 OB4 OB8 Aplicar, nos termos da lei, o sistema de avaliação de desempenho a 100% dos trabalhadores da U.O., assegurando a qualidade do processo de aplicação OB6 IND7 IND8 OB5 OB9 Executar as acções de formação previstas no plano OB7 IND9 IND10 OB6 OB10 Conforme se pode verificar, decorrem directamente do QUAR os objectivos a operacionalizar integralmente pela DAAP, à excepção do seu OB2 que concorre indirectamente para os objectivos OB2 e OB8 da DRAPN. 7

8 Apreciação quantitativa 8

9 OB1 - Divulgação dos instrumentos de investimento ao dispor dos proponentes Ao longo de 2008 as actividades desenvolvidas para atingir este objectivo foram sendo diferenciadas consoante a tipologia da procura. A preparação de um balcão de atendimento permitiu, numa fase inicial, dar respostas aos promotores de projectos, essencialmente em termos de AGRO, AGRIS e VITIS, mas em termos de PRODER (e face a uma procura de informação muito mais técnica e especializada) essa divulgação ficou a cargo do sector técnico. Por determinação do Sr. Director Regional as acções públicas de divulgação, propriamente ditas, ficaram a cargo das Delegações Regionais e do Núcleo de Assessoria. Assim as nossas acções de divulgação decorreram fruto de pedidos de entrevistas de potenciais candidatos ao PRODER, de associações de agricultores, de elaboradores de projectos e das próprias Delegações Regionais. Não tendo sido 9

10 possível registar os inúmeros esclarecimentos telefónicos transmitidos, foram registadas em listagem 34 entrevistas de divulgação e de formação em PRODER e a coparticipação (com o Delegado do Cávado) no Colóquio de Horticultura Protegida, que ocorreu a 02/11/2008 na Póvoa de Varzim, com uma palestra relativa a instrumentos de apoio ao investimento. Pelo atrás referido, considero ultrapassado o objectivo que me foi determinado de 10 acções de divulgação. OB2 - Promover o acompanhamento dos projectos Conforme referenciado no ponto 1 deste relatório as tarefas desenvolvidas na DAAP abrangem um leque de programas, medidas e acções muito diversos, indo desde as de aplicação de políticas de apoio ao investimento, na agricultura e no sector florestal, as medidas referentes às candidaturas aos direitos RPU até aos processamento de reformas aos cessionários da agricultura. Casos particulares também ocorrem e dentro de um mesmo programa, caso do AGRIS-acção 7.1, as tarefas da DAAP vão desde a análise de candidaturas até aos respectivos pagamentos, o que determina uma necessária segregação de funções por técnicos distintos. De acordo com a informação constante da tabela seguinte a DAAP conseguiu acompanhar todos os processos que lhe estavam atribuídos dando-se a titulo de exemplo o caso do programa AGRO: Medidas 1, 3 e 5 Dando satisfação, sempre em calendário, aos diversos pedidos do Gestor e do IFAP ao longo de 2008 procedemos ao acompanhamento de todos os projectos, tarefas que foram desde o processamento de Pedidos de Pagamento, a análises e reanálises de projectos, às elaborações de planos de recuperação de dívida, visitas de verificação da realização do investimento até à realização do controlo de todos os projectos constante da amostra de controlo, para 2008, no âmbito das Acções de Acompanhamento - Normas 25 e 27. Relativamente ao programa AGRO - Medida 3 o Gestor do programa contratualizou com a Entidade Florestal Nacional a possibilidade de realização pela Circunscrição Florestal do Norte das vistorias aos projectos com Autos de Fecho. Assim, e do decurso deste protocolo, a CFN complementou a nossa tarefa de visitas aos projectos em 29 projectos florestais, tendo ficado excluídos deste acordo os Pedidos de Pagamento (59 projectos) que entraram na DRAPN em data posterior ao prazo de vigência daquele Protocolo. Assim, e uma vez que a DAAP não dispôs de recursos humanos, da área florestal, que permitisse constituir uma equipa para a realização do controlo (de carácter obrigatório sempre que se trate de projecto com Auto de Fecho), o assunto foi oportunamente colocado à consideração superior (mantendo-se ainda por solucionar). 10

11 Pelo atrás referido, e conforme tabela seguinte, considero não só foi atingido o objectivo que me foi determinado (de acompanhar 95% de projectos) mas sim ultrapassado dado que foram acompanhados efectivamente 99% dos processos da dependência da DAAP de Braga. Programas/Medidas Análise de Processos Vistorias de Acompanhamento Vistorias libertação GB Acompanhamento Nº % VITIS VITIS VITIS VITIS RPU Modelo T AGRIS - contratação AGRIS Acção AGRIS Acção AGRIS PPs geral AGRIS Acção AGRO - Acções de Acompanhamento AGRO Medida AGRO Medida 1 Pagamentos AGRO Medida AGRO Medida 3 Pagamentos AGRO Medida AGRO Medida 5 Pagamentos Comunicações das destilarias Retiradas sob controlo dos subprodutos Tomada a cargo de álcool Mosto - Intenção de Enriquecimento Reg FTA RURIS FTA RURIS FTA Pagamentos Reg Cessação de Actividade RURIS Reforma Antecipada PRODER Acção PRODER Acção PRODER Acção

12 Programas/Medidas Análise de Processos Vistorias de Acompanhamento Vistorias libertação GB Acompanhamento Nº % PRODER Acção PPs Garantias, Fianças, Avales TOTAL OB3 - Adequar a análise ao PDR Regional Relativamente à implementação deste objectivo na análise dos PAs ao PRODER toda a equipa de trabalho teve por referência quer os valores técnicos inseridos nas tabelas constantes dos Modelos de Análise quer, e sempre que tal foi solicitado, os pareceres técnicos emitidos pela estrutura Help-desk da DRAPN (instituída através de Despacho do Sr. Director Regional de Agricultura). Na ausência de conhecimentos técnicos dentro da DRAPN sobre determinada matéria, tendo em atenção as especificidades técnicas de alguns dos projectos, recorreu-se aos conhecimentos de outros organismos (p. ex. da AFN) ou mesmo de empresas privadas, validados em tempo pela responsável da divisão. Não detendo nesta data qualquer listagem, emitida pela coordenação, que permita verificar a aplicação do indicador estabelecido, verifica-se que até à presente data os pareceres emitidos pela equipa da DAAP tiveram a concordância por parte da coordenação. Assim este facto, permitindo-nos concluir que a análise e os pareceres emitidos foram adequados em 100% dos PAs, leva-nos a concluir que o objectivo foi ultrapassado. OB4 - Garantir uma cobertura de 80% das despesas gerais, com a assistência técnica As despesas de funcionamento da DAAP assentaram essencialmente, em 2008, em despesas com comunicações (41%), consumos de secretaria (16%), encargos de instalação, limpeza e higiene (17%), combustíveis e lubrificantes (13%) e em ajudas de custo (8%). Dado que, por um lado, em Braga grande parte do valor acumulado das despesas da DAAP refere-se a despesas indirectas, isto é, atribuídas através de critérios de imputação estabelecidos pela DSAR (comunicações, energia e limpeza) e, por outro, em Chaves, o Núcleo da Divisão se situa em instalações do IFAP cujas despesas de funcionamento foram pagas por aquele organismo, o valor de 36395,62 não retrata as verdadeiras despesas da divisão. Contudo, e uma vez que o indicador estabelecia que 80% do valor da despesa de funcionamento fosse suportada pelas verbas da assistência técnica (disponíveis nos programa AGRO, AGRIS e PRODER), a informação daquela divisão demonstra que 100% das despesas foram justificadas através daqueles programas, pelo que se considera que o objectivo foi ultrapassado. 12

13 OB5 Reduzir o nº de reclamações De acordo com o OB2 Promover o acompanhamento dos projectos pretendemos não só a recuperação efectiva de todo o histórico processual herdado do IFAP mas também reduzir amplamente o número de reclamações existentes com os atrasos verificados na tramitação dos processos. Ao termos conseguido acompanhar a totalidade dos projectos, a cargo da DAAP, a satisfação dos nossos clientes melhorou sem dúvida. Os casos registados em que os promotores dos projectos, dirigindo-se superiormente, alegavam atrasos e/ou não resolução dos pagamentos foram os mesmos identificados por se tratar de situações irregulares aguardando as regularizações dos processos; situações que foram alvo de correcções de procedimentos (auditorias das finanças ao IFAP, p.ex.); situações por falta de entrega por parte dos promotores de documentação e/ou justificação; Contudo, e não tendo sido viável manter um registo actualizado destas situações, nem o processo de registo de correspondência em GESCOR permite fazer tal registo, não nos é possível evidenciar que se atingiu o presente objectivo. Relativamente aos inquéritos aplicados na DRAPN desconhece-se, por um lado, se os mesmos contemplavam alguma questão relacionada com a avaliação de projectos e se sim quais os resultados dos mesmos relativamente à satisfação destes clientes. OB6 - Aplicar, nos termos da lei, o sistema de avaliação de desempenho a 100% dos trabalhadores da U.O., assegurando a qualidade do processo de aplicação Conforme estipulado na lei a Avaliação de Desempenho foi aplicada a todos os funcionários da DAAP à excepção de 1 que se encontrava com baixa médica de longa duração. Durante o ano de 2008 foram registadas 2 reclamações à avaliação de Desempenho de 2007, tendo a CCA emitido Parecer que confirmou a avaliação efectuada pelo avaliador. Deste modo, considero ultrapassado o objectivo. OB7 - Executar as acções de formação previstas no plano Tendo em atenção que o plano de formação da DRAPN não contemplou, em 2008, as matérias técnicas que dizem respeito às tarefas desenvolvidas, no dia a dia, pelos técnicos da DAAP na análise de projectos (necessidades essas constantes de listagem que foi remetida superiormente), houve necessidade de internamente colmatar tal falha. Assim, se em termos de matérias específicas (análise de projectos no âmbito do AGRO, Regras da contratação pública, ) realizaram-se acções de formação em que os formadores foram os próprios técnicos da DAAP de Braga já no que se referiu ao PRODER a chefe de divisão promoveu a formação aos técnicos na sequência das acções de formação recebidas no GPP em Lisboa. 13

14 Deste modo, através do Plano de Formação da DRAPN foi possível ministrar cerca de 798 horas de formação à equipa da DAAP e graças ao desenvolvimento de acções de formação internas na DAAP e com recurso a acções de formação externa foram ministradas um total de 1497 horas de formação. Apesar de no 1º semestre se ter verificado um extravio da lista das inscrições na formação, por parte dos serviços respectivos, e no 2º semestre não ter havido autorização para a frequência de acções de formação (impedimento imposto pelo Sr. Director Regional devido ao calendário de análise de Pedidos de Apoio ao PRODER) consideramos que não só se atingiu o objectivo mas que se superou (uma média de 51,6 horas de formação por funcionário). 14

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS

MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DAS EMPRESAS Destina-se a apoiar. nas explorações agrícolas para a produção primária de produtos agrícolas - Componente 1. na transformação e/ou comercialização de produtos agrícolas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS 2516-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 90 9 de Maio de 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Portaria n.º 357-A/2008 de 9 de Maio A estrutura empresarial dos territórios

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE AFONSO SILVA Índice... 3 Resumo... 3 Alinhamento estratégico dos objectivos...

Leia mais

Manual de Gestão e Controlo Interno

Manual de Gestão e Controlo Interno Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Agricultura e Pescas Divisão de Protecção e ontrolo Fitossanitário Manual de Gestão e ontrolo Interno Definido ao abrigo do Plano

Leia mais

NORMA N46/D1/2/6/2008 NORMA TRANSVERSAL

NORMA N46/D1/2/6/2008 NORMA TRANSVERSAL 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar após a aprovação dos PA e previamente à celebração do contrato de financiamento entre os Beneficiários e o IFAP-IP. 2.

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

Normas e Procedimentos

Normas e Procedimentos Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Direcção de Serviços de Apoio e Gestão de Recursos Normas e Procedimentos Definidos ao abrigo do Plano de Gestão de Riscos de Corrupção e Infracções Conexas

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n.

1- O que é o PEPAL? 2- Qual o enquadramento legal dos estágios profissionais na administração local? Decreto-Lei n.º 326/99, Decreto-Lei n. 1- O que é o PEPAL? O Programa de Estágios Profissionais na Administração Local (PEPAL) representa uma oportunidade de valorização profissional e de emprego de recursos humanos, através de estágios remunerados,

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

Versão Consolidada Portaria n.º 596-D/2008, de 8 de Julho

Versão Consolidada Portaria n.º 596-D/2008, de 8 de Julho Portaria n.º 596-D/2008, de 8 de Julho As alterações introduzidas na política agrícola comum e as transformações a que o sector agrícola e agro-alimentar, a nível mundial, está a assistir, tornam mais

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação

INSTALAÇÃO DE JOVENS AGRICULTORES. Prémio à Primeira Instalação Prémio à Primeira Instalação Destina-se a apoiar a primeira instalação do jovem agricultor através da atribuição de um prémio Objectivos. Renovar e rejuvenescer o sector agrícola. Promover a instalação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

Metodologia Relativamente ao Modelo de Intervenção referir quais as técnicas e os métodos que vai utilizar;

Metodologia Relativamente ao Modelo de Intervenção referir quais as técnicas e os métodos que vai utilizar; REGULAMENTO ATRIBUIÇÃO DE PARECERES TÉCNICOS (Enquadramento) A Rede Social, conforme consubstanciado na Resolução do Conselho de Ministros de 18 de Novbro de 1997 e actualizada pelo DecretoLei nº 115 de

Leia mais

SESSÕES ESCLARECIMENTO CUSTOS UNITÁRIOS. CURSOS PROFISSIONAIS CEF 15 Dezembro 2010

SESSÕES ESCLARECIMENTO CUSTOS UNITÁRIOS. CURSOS PROFISSIONAIS CEF 15 Dezembro 2010 SESSÕES ESCLARECIMENTO CUSTOS UNITÁRIOS CURSOS PROFISSIONAIS CEF 15 Dezembro 2010 I. ENQUADRAMENTO 1. CONTEXTO Recomendação do Parlamento Europeu - simplificação do acesso ao FSE Reg.(CE) n.º 396/2009

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Estratégia de Dinamização e de Divulgação

Estratégia de Dinamização e de Divulgação Estratégia de Dinamização e de Divulgação Plano de Ação de 2015 FEVEREIRO 2015 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO DA BOLSA DE TERRAS... 4 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS - LINHAS GERAIS DA ESTRATÉGIA... 5

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2623

Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2623 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2623 3 Substituição de equipamento equivalente, excepto se a substituição implicar a compra de equipamentos cuja valia tecnológica seja considerada

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

Relatório Anual de Actividades 2008

Relatório Anual de Actividades 2008 Relatório Anual de Actividades 2008 DIVISÃO DE GESTÃO DE RECURSOS 07-03-2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE AGRICULTURA E PESCAS DO NORTE MARIA JOSÉ QUINTÃO 1 Índice... 3 1. Enquadramento... 3 2. Alinhamento Estratégico

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO

APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO APEL Associação Promotora do Ensino Livre REGRAS DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA ANEXO AO REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. REQUISITOS DE ACESSO E FORMAS DE INSCRIÇÃO 3. CRITÉRIOS

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA N.º 007 ENTRADA EM VIGOR: 30-07-2010 Âmbito: GESTÃO E CONTROLO DAS GARANTIAS FEADER E FEP DATA DE APROVAÇÃO:30-07-2010 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere

Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Regulamento Interno De Funcionamento Do Banco Local De Voluntariado De Alvaiázere Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99 de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Sines Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado (CNPV) competências

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE CAMINHA PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art. 21, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO ÍNDICE 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE 1.1. Missão 1.2. Público-Alvo 1.3. Linhas de actuação estratégica 1.4. Modalidade de Formação 1.5. Formas de Organização

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA - SIADAP - ANO DE 2015 MISSÃO E OBJECTIVOS DAS UNIDADES ORGÃNICAS DOS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA MAIA, PARA O ANO DE 2015 DIVISÃO ECONÓMICA

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE

AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE AVISO DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº ALT20 42 2015 13 INVESTIMENTOS NA ÁREA DOS EQUIPAMENTOS SOCIAIS E DA SAÚDE INVESTIMENTOS NA ÁREA DA SAÚDE DOMÍNIO DA INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO

Leia mais

PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA E FLORESTAL

PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA E FLORESTAL PRODERAM PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA MEDIDA 1.4 - CRIAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO E ACONSELHAMENTO AGRÍCOLA E FLORESTAL (PORTARIA N.º 174-H/2009, DE 30 DE DEZEMBRO)

Leia mais

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 97 SEXTA-FEIRA, 16 DE NOVEMBRO DE 2007 ÍNDICE:

JORNAL OFICIAL I SÉRIE NÚMERO 97 SEXTA-FEIRA, 16 DE NOVEMBRO DE 2007 ÍNDICE: PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução n.º 120/2007: I SÉRIE NÚMERO 97 SEXTA-FEIRA, 16 DE NOVEMBRO DE 2007 ÍNDICE: Conselho do Governo resolve que a autoridade de Gestão do PRO-EMPREGO é a Direcção Regional

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 813/2009, de 28 de Julho

Versão Consolidada. Portaria n.º 813/2009, de 28 de Julho Portaria n.º 813/2009, de 28 de Julho O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO 2898 Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2008 22 de Abril de 2003. A convenção inicial e as alterações foram oportunamente objecto de extensão. Entretanto, a mesma associação de empregadores

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO Artigo 1.º Objecto 1 O programa de ocupação municipal temporária de jovens, adiante abreviadamente designado por OMTJ, visa a ocupação

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego Programa Investe Jovem Apoio à Criação do Próprio Emprego Portal dos Incentivos Jan 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Objeto... 2 1.2 Objetivo... 2 1.3 Destinatários do Apoio... 2 1.4 Requisitos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO Preâmbulo A qualificação farmacêutica é um desígnio estratégico para o Sistema de Saúde e, como tal, é valorizado no âmbito do desempenho profissional dos farmacêuticos.

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE QUALIFICAÇÃO Preâmbulo A qualificação farmacêutica é um desígnio estratégico para o Sistema de Saúde e, como tal, é valorizado no âmbito do desempenho profissional dos farmacêuticos.

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA

PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA PROGRAMA OPERACIONAL DA CULTURA Relatório de 2000 1. Introdução e enquadramento. 1.1 Apresentação e síntese do documento O relatório de 2000 do Programa Operacional da Cultura, constitui o 1º relatório

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Manual de Certificação

Manual de Certificação Manual de Certificação PARTE I Certificado de Aptidão Profissional Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Carlos Branco - Engª Agronomo - Divisão de Investimento da Guarda

Carlos Branco - Engª Agronomo - Divisão de Investimento da Guarda Os apoios ao investimento em estruturas, equipamentos de produção, refrigeração, recolha, concentração e transformação do leite no âmbito do PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural) 2007-2013 Sector

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO À APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE PAGAMENTO E DE ADIANTAMENTO

DOCUMENTO DE APOIO À APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE PAGAMENTO E DE ADIANTAMENTO DOCUMENTODEAPOIOÀ APRESENTAÇÃODEPEDIDOSDE PAGAMENTOEDEADIANTAMENTO INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo apoiar os beneficiários na apresentação de pedidosdepagamentoedeadiantamento. CONCEITOS

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto

Versão Consolidada. Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto Portaria n.º 964/2009 de 25 de Agosto O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos

GESTÃO DOCUMENTAL. Mapeamento de processos P05 - Gestão Estratégica. Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos Actualizado em: 81121 P5 - Gestão Estratégica Sub-processo Procedimento Gestão Instruções de Trabalho Impressos SP3 Planeamento e Revisão do Sistema IT 9 Planeamento e Análise 4 Programa de Objectivos

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 346/2009, de 3 de Abril

Versão Consolidada. Portaria n.º 346/2009, de 3 de Abril Portaria n.º 346/2009, de 3 de Abril (O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Diário da República, 1.ª série N.º 20 28 de Janeiro de 2011 595 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n.º 57/2011 de 28 de Janeiro Nos termos do Decreto -Lei n.º 12/2004, de

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

Tipologia 1.6 Ensino Artístico Especializado. Março 2011

Tipologia 1.6 Ensino Artístico Especializado. Março 2011 Tipologia 1.6 Ensino Artístico Especializado Março 2011 ENQUADRAMENTO 1 FORMALIZAÇÃO DA CANDIDATURA 2 ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS 3 1 ENQUADRAMENTO Enquadramento 1 Enquadramento Legal Revisão do texto do

Leia mais

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade

O Desenvolvimento Rural na Região. Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo Carlos Pedro Trindade O Desenvolvimento Rural na Região de Lisboa e Vale do Tejo 1. A Agricultura da região de LVT 2. O apoio ao Sector Agrícola

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) Nos termos do disposto nos artigos 12º e 15º do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

n. o 70-B/2000, de 5 de Maio, o seguinte:

n. o 70-B/2000, de 5 de Maio, o seguinte: N. o 42 1 de Março de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 1845 da reorganização internacional da Heidelberg Ciment, grupo cimenteiro alemão de dimensão mundial, com um volume de vendas anual de 3000 milhões

Leia mais

PROCONVERGENCIA SIPOP MANUAL DO UTILIZADOR PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

PROCONVERGENCIA SIPOP MANUAL DO UTILIZADOR PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PROCONVERGENCIA PROGRAMA OPERACIONAL DOS AÇORES PARA A CONVERGÊNCIA MANUAL DO UTILIZADOR FEDER Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Versão: 1.0 Data: 08-04-2008 FICHA TÉCNICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2. EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida

NOTA TÉCNICA Nº 2. EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA Nº 2 EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, na sua atual redação e Despacho Conjunto das Secretarias

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais