RELATÓRIO E CONTAS 2005 SATA Internacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO E CONTAS 2005 SATA Internacional"

Transcrição

1

2

3 RELATÓRIO E CONTAS 2005 SATA Internacional 2. Introdução 4. Mensagem do Presidente 5. Orgãos Sociais 5. Organigrama da SATA Internacional, SA 6. Principais Indicadores 7. O Grupo SATA em Enquadramento Macroeconómico 12. Comportamento do Sector em Perspectivas para Factos Marcantes em Síntese do desempenho de Actividade Operacional 21. Actividade Comercial 22. Assistência a Aeronaves Actividade de Manutenção 24. Operações de Voo 25. Qualidade e Segurança 26. Recursos Humanos 28. Sistemas de Informação 30. Desempenho Económico-Financeiro 36. Proposta de Aplicação de Resultados 37. Desempenho das empresas do Grupo SATA 39. Demonstrações Financeiras 40. Balanço 42. Demonstração de Resultados por Natureza 44. Demonstração de Resultados por Funções 45. Demonstrações de Fluxos de Caixa 47. Anexo ao Balanço e às Demonstrações Financeiras 66. Certificação Legal das Contas 68. Relatório e Parecer do Fiscal Único 70. Relatório Anual Sobre a Fiscalização Efectuada 72. Relatório de Auditoria 75. Glossário Relatório e Contas SATA Internacional 1

4 INTRODUÇÃO SATA Internacional Assume e concretiza a maior e mais antiga ambição da SATA Air Açores: unir os Açores ao Mundo. Estabelecida em 1998, a mais jovem companhia aérea do Grupo SATA encarregou-se de assumir e desenvolver as operações com aviões a jacto que vinham sendo exploradas no âmbito da SATA Air Açores desde O primeiro avião da nova companhia de transporte aéreo foi um Boeing , que respondeu aos primeiros contratos com operadores turísticos nacionais e estrangeiros. Lentamente, e graças ao empenho de uma pequena e dinâmica equipa, soube conquistar a confiança de importantes parceiros de negócio. Naturalmente, em consequência do enorme esforço colectivo, a SATA Internacional alargou o seu mapa de rotas e foi capaz de oferecer, ano após ano, um leque diversificado de rotas, sem nunca deixar de investir na modernização das suas infra estruturas de apoio e na formação dos seus colaboradores. Três Airbus A310/300, com capacidade para 222 passageiros cada, e três Airbus A320 com capacidade para 165 passageiros são, em 2005, as seis modernas aeronaves que compõem a frota da transportadora SATA Internacional. Assinalados no mapa-mundo da transportadora estão destinos como Boston e Providence nos EUA, Montreal e Toronto, no Canadá; Londres, Frankfurt, Zurique e Madrid em pleno Continente Europeu; Porto, Lisboa e Faro no Continente Português; e Funchal, Ponta Delgada, Horta, Terceira e Sta Maria no Portugal Insular. Para além destes destinos frequentes, a companhia aérea tem ainda parte da sua actividade afecta a operações em regime Charter, com destinos que vão da Europa às Caraíbas, apostas mais sazonais que são traçadas de acordo com a tendência e a evolução do mercado turístico. 2 Relatório e Contas SATA Internacional

5 Relatório e Contas SATA Internacional 3

6 MENSAGEM DO PRESIDENTE Durante o ano de 2005, no nosso grupo de empresas, de tudo fizemos para manter coerente e consistente o plano de expansão desenhado em anos anteriores. Contrariando o cenário de crise económica que teima em persistir há alguns anos, o grupo de empresas SATA orgulha-se de encerrar as contas de 2005 com um lucro consolidado de três milhões e quatrocentos mil euros. Não obstante o estado de arrefecimento generalizado da economia europeia, de que aliás a aviação comercial constituiu um dos melhores barómetros, foi possível mantermo-nos focados na estratégia de expansão arquitectada, consolidando apostas antigas e conquistando novos clientes em mercados ainda não explorados. Melhorar a qualidade do serviço prestado foi um dos grandes objectivos de 2005 que, escusado será referir, continuará na linha da frente das nossas prioridades nos anos vindouros. Cientes da necessidade de acompanhar a permanente evolução do sector, voltamos a apostar em 2005 em mais formação dos nossos recursos humanos, acompanhada de importantes investimentos na aquisição e renovação de algumas plataformas tecnológicas que suportam hoje, com mais eficácia e maior precisão, a nossa operação aérea. A procura constante de fórmulas que possam concorrer para uma melhor racionalização de recursos, com o consequente impacto positivo na redução de custos e sem perda de qualidade do serviço prestado, incutiu, ao longo dos últimos anos, um enorme sentido de responsabilidade nos nossos colaboradores que, mesmo perante o clima de adversidade no sector da aviação comercial, souberam encontrar as soluções mais adequadas aos diferentes desafios que tiveram de enfrentar. Foi sem dúvida o esforço conjunto desta equipa que permitiu encerrar o exercício do ano de 2005 com um resultado positivo, embora modesto, e é com esta mesma atitude positiva que nos permitimos encarar 2006 com confiança e optimismo. Manuel António Carvalho Cansado Presidente do Conselho de Administração 4 Relatório e Contas SATA Internacional

7 ÓRGÃOS SOCIAIS Conselho de Administração Presidente: Eng. Manuel António Carvalho Cansado Vogais: Dr. António Maurício do Couto Tavares de Sousa Sr. José Adriano Pires Ávila Fiscal Único: Dr. Manuel Humberto Medeiros Quaresma (ROC nº 675) Presidente da mesa da Assembleia Geral: Dra. Luísa Maria Estrela Rego Miranda Schanderl Secretário da Assembleia Geral: Sr. José Augusto Pavão de Sousa ORGANIGRAMA DA SATA INTERNACIONAL, SA Conselho de Administração Secretaria Geral Gabinete Controlo Gestão e SI Gabinete de Comunicação e Imagem Gabinete de Recursos Humanos Gabinete de Qualidade Gabinete Jurídico Gabinete Segurança Gabinete de Prevenção de Acidentes Gabinete de Finanças Direcção Geral Comercial Direcção Geral de Operações Direcção de Manutenção e Engenharia Direcção de Operações de Voo Direcção de Operações Terrestres Relatório e Contas SATA Internacional 5

8 PRINCIPAIS INDICADORES OPERACIONAIS Passageiros (nº) Carga (ton) Correio (ton) Load-factor (%) 66,04% 66,89% 67,00% Nº Voos (nº) A310 (nº) A320 (nº) B737 (nº) ACMI (nº) RECURSOS HUMANOS Efectivos: (nº) Assistência a Aeronaves (nº) Actividade Comercial (nº) Pessoal de Voo (nº) Manutenção Aeronaves (nº) Apoio Administrativo (nº) Horas de Formação (nº) FINANCEIROS Volume de Vendas (mx) Subsídios à Exploração (mx) Valor Acrescentado (mx) Activo Liquido (mx) Cash-Flow Líquido (mx) Resultado Liquido (mx) Resultado Operacional (mx) (1.114) 6 Relatório e Contas SATA Internacional

9 O GRUPO SATA EM 2005 Objecto Social: 1) Transporte aéreo de passageiros, carga e correio no interior das ilhas da Região Autónoma dos Açores; 2) Exploração da actividade de manutenção e assistência a aeronaves; 3) Prestação de serviços de apoio: comerciais, financeiros e administrativos. Accionista: 100% Região Autónoma dos Açores Objecto Social: 1) Transporte aéreo de passageiros, carga e correio entre a Região Autónoma dos Açores e o exterior; 2) Exploração da actividade de manutenção e assistência a aeronaves; 3) Prestação de serviços de apoio: comerciais, financeiros e administrativos. Accionista: 100% SATA Air Açores Objecto Social: 1) Operador turístico criado com o objectivo de comercialização de voos entre os Açores e o Canadá. Accionista: 100% SATA Air Açores Objecto Social: 1) Operador turístico criado com o objectivo de comercialização de voos entre os Açores e os EUA. Accionista: 100% SATA Air Açores Objecto Social: 1) Exploração em regime de concessão, do direito de promover e executar o planeamento e a exploração do serviço público de apoio à aviação nos aeródromos do Corvo, Graciosa, Pico e São Jorge e na Aerogare das Flores. Accionista: 100% SATA Air Açores NOTA: durante 2006 perspectiva-se a constituição da SATA SGPS e da SATA Handling Relatório e Contas SATA Internacional 7

10 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO A. Conjuntura Internacional O ano de 2005 ficou marcado por uma desaceleração do crescimento económico mundial o Fundo Monetário Internacional estima que a economia global tenha crescido 4,3% contra 5,0% em 2004 num contexto de elevados preços do petróleo e de subida de taxas de juro: o preço do petróleo atingiu um novo máximo histórico a 69,81 dólares, a Reserva Federal Americana subiu a taxa de referência em 2,25% - cifrando-se agora em 4,25% - e o Banco Central Europeu iniciou também um ciclo de subida de taxas. A rejeição do Tratado Constitucional pela França e pela Holanda, com implicações negativas ao nível do câmbio e dos indicadores de confiança, o anúncio da progressiva flexibilização do Renminbi moeda oficial da China, indiciando maior variedade na composição das reservas cambiais dos países asiáticos, o acentuar dos movimentos terroristas, com os ataques bombistas de Londres, e uma sequência anormal de catástrofes naturais, são factos que não podem deixar de ser assinalados. Uma das grandes surpresas de 2005 foi o facto da subida do preço do petróleo com a sua manutenção em níveis historicamente elevados ter tido um impacto marginal sobre o crescimento e a inflação. Estima-se que a taxa de inflação ao nível do G4 (EUA, Europa dos 12, Reino Unido e Japão), excluindo os preços dos bens alimentares e energéticos, se tenha mantido num intervalo estável, em torno de 1,2-1,7%, cerca de 1% abaixo da taxa de inflação que incorpora estes dois efeitos, um patamar confortável do ponto de vista dos bancos centrais. A maior mobilidade laboral entre economias, propiciada pelo efeito globalização, impediu que a subida do preço do petróleo se repercutisse noutros indicadores de inflação mais relevantes, nomeadamente ao nível do mercado laboral. A Zona Euro terá apresentado em 2005 um abrandamento do ritmo de crescimento, com o produto a crescer cerca de 1,4% face a 1,8% em 2004 e abaixo das estimativas avançadas no início do ano. No primeiro semestre, o efeito da apreciação do Euro, com impacto negativo no sector exportador, e a rejeição do Tratado Constitucional Europeu, com reflexos na deterioração dos principais índices de confiança, quer empresariais, quer individuais, juntamente com a precariedade da situação orçamental, conduziu a um cenário de quase estagnação económica, com o PIB comunitário a crescer apenas 1,2%. Este factor, aliado ao nível de inflação controlado (1,5%, excluindo o contributo dos bens alimentares e energéticos) e à permanência de uma taxa de desemprego elevada (acima de 8,5%), gerou frequentes especulações sobre um possível corte de taxas por parte do BCE. A partir do terceiro trimestre, a generalidade dos índices de confiança apresentou melhorias consideráveis, reflectindo a tendência de depreciação do Euro, o que aliado a uma taxa de inflação ligeiramente acima do objectivo de 2%, motivou a subida de taxas por parte do BCE, interrompendo um ciclo de manutenção que se prolongava há dois anos e meio. 8 Relatório e Contas SATA Internacional

11 B. Conjuntura Nacional A economia portuguesa registou em 2005 uma desaceleração no seu ritmo de crescimento, estimando- -se que tenha crescido cerca de 0,3% face a 1,3% no ano transacto, bastante abaixo das expectativas iniciais e implicando quatro anos consecutivos de divergência real face à Zona Euro. De facto, o ambiente económico manteve-se bastante deprimido, sobretudo durante a primeira metade do ano, altura em que o tópico da estabilidade das finanças públicas ganhou novo relevo na sequência das eleições legislativas antecipadas. A reavaliação das contas públicas colocou o valor do défice em 6,83% para 2005, forçando a adopção de várias medidas de contenção, entre as quais se contam a subida da taxa normal do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) de 19% para 21% bem como de outras taxas específicas de imposto. Ainda decorrente dessa reavaliação, a República Portuguesa viu a sua notação de crédito reduzida pela agência Standard&Poors de AA para AA-. Uma análise mais atenta às principais componentes do PIB revela que o consumo privado continua a ser o principal sustentáculo da economia, devido essencialmente ao estímulo de taxas de juro historicamente baixas e apesar da contenção salarial e da subida da taxa de desemprego para valores bastante elevados (7,7%). Assim, a despesa dos consumidores terá crescido cerca de 1,8% em 2005, uma ligeiríssima desaceleração face a Inversamente, o investimento foi a componente com pior desempenho, estimando-se que tenha caído cerca de 3,1% durante o ano, ficando bastante abaixo das expectativas iniciais. Do lado da procura externa, as tendências de perda de competitividade e de quota de mercado no exterior mantiveram-se. Contudo, foram surgindo sinais mais encorajadores ao longo do segundo semestre, estimando-se mesmo que a procura externa líquida tenha tido um contributo positivo para o crescimento nesse período, compensando o abrandamento da procura interna. Em termos de finanças públicas, os gastos do Estado terão aumentado cerca de 1,1% em termos reais, ainda assim abaixo da taxa de 2,6% registada em Relatório e Contas SATA Internacional 9

12 No que diz respeito à inflação, a conjuntura económica mais deprimida acabaria por compensar o efeito inflacionista decorrente da subida dos preços do petróleo, levando o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) a desacelerar face a 2004, de 2,5% para cerca de 2,1%. A permanência de um padrão de crescimento essencialmente assente no consumo privado acabou por agravar em 2005 o desequilíbrio das contas externas portuguesas. Assim, a Balança de Transacções Correntes voltou a deteriorar-se, prevendo-se que o seu défice conjunto com a Balança de Capital tenha atingido cerca de 8,2% do PIB. C. Conjuntura Regional Durante o ano de 2005, a economia da Região Autónoma dos Açores continuou a revelar uma tendência de crescimento positiva, tendo por base o comportamento favorável dos diferentes sectores de actividade, verificando-se todavia um ritmo mais lento do que em anos anteriores. Embora a recessão económica verificada no País também se evidencie na região, é notória a diferença dos efeitos socio-económicos, nomeadamente no que se refere ao desemprego. Dada a inexistência de empresas multinacionais e investimentos estrangeiros, com excepção de duas fábricas de lacticínios, não se verifica o fenómeno de deslocação de empresas para outra Região ou País com mão-de-obra mais barata, bem como as suas negativas consequências económico-sociais. A economia Regional assenta essencialmente na sua forte dependência do Sector Público e do Orçamento da Região Autónoma dos Açores, enquanto que o investimento privado existente é na sua maioria constituído por capitais privados regionais, embora com uma presença crescente de capitais e empresários da Madeira. Todos estes factores mencionados contribuíram para que não se verificasse um aumento de desemprego nos Açores. Outro factor que influencia este crescimento sustentado da economia Açoreana é o papel estabilizador da Lei de Finanças Regionais, que permite que o clima económico regional continue a ser mais favorável do que o verificado a nível nacional. No final do 3º trimestre de 2005, enquanto que a taxa de desemprego nacional era de 7,7%, a referida taxa na Região Autónoma dos Açores era de 4,2%, sendo a mais baixa taxa de desemprego nacional. O desemprego nos Açores atinge principalmente os mais jovens (faixa etária dos 18 aos 24 anos), abrangendo de igual modo ambos os sexos. 10 Relatório e Contas SATA Internacional

13 No quarto semestre de 2005 a actividade económica regional continuou a revelar uma evolução favorável, o que se reflectiu no aumento da população empregada. De acordo com os indicadores disponibilizados pelo SREA (Serviço Regional de Estatística dos Açores), esta evolução do emprego assenta no comportamento positivo dos diferentes sectores de actividade. A análise de dados estatísticos dos diferentes sectores permite verificar que o sector primário teve uma evolução muito positiva, a avaliar pelo comportamento do leite entregue nas fábricas e pelo crescimento do sector da carne. No sector secundário há a destacar o desempenho positivo das áreas dos lacticínios e da construção, bem como os valores nunca antes verificados relativamente à venda de cimento e produção de energia eléctrica. O sector dos serviços também registou uma variação positiva, com destaque para o subsector do comércio de automóvel e para o turismo sector económico que mais cresceu durante os três primeiros trimestres de O número de hóspedes de Janeiro a Setembro de 2005 nos estabelecimentos hoteleiros da região foi de (acréscimo de 12,87% em relação a 2004), correspondente a um total de dormidas (mais 19,5% do que em 2004) e a uma receita total de x (cerca de 15% mais do que no ano anterior). A taxa média da inflação, em Dezembro de 2005, mantevese nos 2,5%, duas décimas acima da taxa nacional, apresentando uma forte tendência para a estabilização. Outro factor importante para a economia regional é o investimento público, bem como as políticas económicas e sociais desenvolvidas pelo Governo Regional dos Açores como a sua aposta continuada na educação, formação profissional e nas novas tecnologias, fundamental para a melhoria da competitividade e qualidade nos Açores. Relatório e Contas SATA Internacional 11

14 COMPORTAMENTO DO SECTOR EM 2005 De acordo com as últimas estatísticas da ERA (European Regional Airline Association), as companhias aéreas europeias encontram-se num período de crescimento de tráfego, tendo sido reportado, comparativamente a 2004, um crescimento médio na ordem dos 6,3% no que diz respeito ao transporte regular de passageiros, confirmando assim um ano positivo para a aviação intra-europeia. O load-factor médio relativo ao transporte regular de passageiros atingiu os 61,5%, constituindo um máximo entre o período de 1987 e 2005, o que poderá ser explicado por uma maior prudência dos operadores no que diz respeito ao aumento de capacidade das aeronaves. A distância voada média do sector sofreu um incremento de 19 km em relação ao ano de 2004, estimando-se agora em 550 km. O tempo médio de sector em 2005 foi de 74 minutos, facto este que conjugado com o aumento da distância voada demonstra o sucesso do programa do EUROCONTROL para minimizar o atraso de rotas. Segundo a IATA, o transporte de carga e correio obteve um acréscimo de 5%, enquanto que as receitas subiram 9%. No que se refere a custos, 2005 manteve a tendência dos últimos anos, havendo uma redução global do sector na ordem dos 3,2 biliões de dólares. Não obstante o grande esforço das companhias de aviação na redução de custos, ainda existem vários desafios a superar, sendo provavelmente os custos relacionados com o combustível o mais importante para o sector. O preço crítico do combustível aumentou de 22 USD por barril, em 2003, para 69,81 USD em 2005, e estima-se que nos próximos anos continue a subir. Relativamente a 2004 o custo do combustível aumentou cerca de 50% de um total de 61 biliões para 91 biliões de dólares. Uma das respostas do sector para este problema tem sido uma busca sem precedentes de uma maior eficiência na utilização de combustível, que na última década aumentou cerca de 31%. Apesar do aumento do custo do combustível, a rendibilidade do sector melhorou, essencialmente devido ás estratégias de redução de custos por parte das companhias aéreas tradicionais e em linha com o que é verificado com as companhias de baixo custo, robustecimento da economia e ao rápido desenvolvimento do mercado. Outra das realidades observadas no sector é o diferente comportamento das regiões em termos de performance financeira. As companhias aéreas norte-americanas, como já tinha sido observado em anos anteriores, verificaram uma perda superior à média do sector, na ordem dos 7 biliões de dólares. Em contraste as companhias europeias melhoraram a sua rendibilidade para 1,6 biliões de dólares, enquanto que as empresas Ásio-Pacíficas, apesar de terem visto a sua rendibilidade cair para 2 biliões de dólares, continuam a apresentar os maiores lucros do sector. Estes resultados anuais são altamente encorajadores, permitindo à indústria ultrapassar esta fase de recuperação e encontrar-se optimista relativamente ao futuro. A verdadeira evidência desta recuperação é o crescente interesse das companhias de transporte aéreo na inovação, traduzindo-se numa aposta renovada nas tecnologias de aperfeiçoamento das operações, permitindo uma maior flexibilidade nos processos de mudança do negócio, que eventualmente levarão a uma redução de custos, em melhoria do serviço prestado aos passageiros e consequente aumento da fidelização. 12 Relatório e Contas SATA Internacional

15 PERSPECTIVAS PARA 2006 Com base nos dados da IATA, é possível concluir que se avizinham melhores dias para a indústria dos transportes aéreos, não obstante as contínuas pressões sobre os custos e devem ocorrer menos falências, embora seja muito provável o desaparecimento de algumas transportadoras de menor dimensão. Esta melhoria do sector beneficia igualmente os consumidores, dado que à medida que os custos unitários descerem significativamente, exceptuando os combustíveis, estes vão poder usufruir de tarifas mais baixas. As transportadoras tradicionais que não adoptarem esta política de reestruturação de custos irão ser claramente penalizadas. Algumas transportadoras tradicionais irão comprovar a sua capacidade de melhorar a oferta de serviço a passageiros business com base em custos unitários mais baixos e em redes de hub totalmente remodeladas para garantir a sua sobrevivência a longo prazo. As transportadoras tradicionais poderão desaparecer dos mercados transcontinentais não-hub e de outros mercados não estratégicos norte-americanos, ao fazerem nova aposta no melhoramento das suas redes nucleares. Devido aos resultados verificados em 2005, as companhias norte-americanas irão desenvolver esforços redobrados para alcançarem uma maior quota de mercado, enquanto que as companhias aéreas de baixo custo irão encontrar mercados onde podem obter ganhos. Haverá uma maior consolidação na indústria dos transportes aéreos europeus (caso da Air France e da KLM). Continuarão a surgir novas transportadoras de baixo custo em todo o mundo mas muitas destas novas transportadoras irão fracassar ou eventualmente ser absorvidas por outras mais bem sucedidas, como foi exemplo a compra da Buzz por parte da Ryanair e da Go pela easyjet. Os aeroportos, face á pressão das transportadoras aéreas, irão continuar os esforços já evidenciados em 2005, no sentido de redução de custos aeroportuários. Relativamente ao Grupo SATA as perspectivas para 2006 não podem ser muito diferentes das esperadas pelo sector, tendo como objectivo primordial a consolidação de resultados líquidos positivos. Para tal a Empresa pretende: Manter a política de contenção de custos. Uma das excepções a esta política de contenção será o custo com o combustível que, acompanhando a tendência do mercado, verificará uma subida contínua no preço do barril. Superar a quota de mercado alcançada em 2005, contribuindo igualmente para a promoção do turismo regional, como são bons exemplos a abertura da nova rota com destino a Amesterdão e a consolidação das operações para os Estados Unidos e Canadá. Investir permanentemente na qualidade do serviço prestado ao cliente, procurando fidelizá- -lo, bem como responder às suas expectativas, almejando a médio prazo um reconhecimento deste esforço no mercado nacional e internacional. Relatório e Contas SATA Internacional 13

16 14 Relatório e Contas SATA Internacional

17 FACTOS MARCANTES SATA EM 2005 Acontecimentos, investimentos e acções que mereceram destaque em 2005 e contribuíram para que o grupo de empresas SATA reafirmasse os seus valores, mantendose fiel à estratégia desenhada e ao posicionamento da sua marca. Principais investimentos Janeiro. Arranque do projecto de renovação da plataforma tecnológica em que assenta toda a rede de informação do Grupo SATA. Inicio do processo de migração para as plataformas Microsoft e Outlook. Deste investimento retiram-se vantagens a nível de performance dos sistemas, que se tornam mais eficazes, mais rápidos e redundantes. Ressaltam melhorias no serviço prestado ao cliente interno e externo. Alargamento da rota Funchal / Zurique / Funchal ao ano inteiro. Esta ligação directa à Suiça, efectuada no passado apenas durante o verão IATA, passa a realizar-se ao longo de todo o ano. Assinado protocolo de colaboração para a área de formação entre a Direcção de Operações de Voo da SATA Internacional e a companhia aérea White. A DOV da SATA Internacional passará a formar Pessoal Navegante Técnico e Comercial para aquela companhia aérea. Abril. A 20 de Abril inaugura-se a primeira ligação directa Lisboa / Pico. A infra-estrutura aeroportuária, pista e aerogare passou a ser explorada pela mais jovem empresa do Grupo SATA, a empresa SATA Aeródromos. Em finais de Abril dá-se por concluída a primeira fase das obras de ampliação da pista desta infra-estrutura aeroportuária, que passa então a receber aviões de maior capacidade. Maio. O terceiro Airbus A320 chega à SATA Internacional. Os dois novos aparelhos representam um dos mais importantes investimentos do ano. A versão destas duas aeronaves, oferece 12 lugares de classe executiva e 149 lugares na classe turística. Julho. SATA Internacional assina acordo de code-share com a TAP Portugal para todas as rotas regulares para a Europa, incluindo nesta parceria todas as rotas regulares para os Açores e Madeira. Setembro. Campanha de lançamento do Clube SATA na Madeira. Um investimento considerável para a divulgação do programa de passageiro frequente junto dos agentes de viagens da Ilha da Madeira. Em 2004 a SATA Internacional já era a segunda companhia portuguesa com mais voos realizados para o Funchal. A campanha do Clube SATA espera reforçar esta posição, consolidar as apostas neste destino e divulgar as rotas das companhias do Grupo SATA. Março. A 14 de Março 2005 chega o primeiro de dois novos Airbus A320. Esta importante contratação permitiu que a frota da transportadora SATA Internacional passasse a ser na sua totalidade Airbus. O rejuvenescimento da frota viabiliza, para além de consideráveis economias nos custos de manutenção, mais conforto aos passageiros da companhia aérea. Relatório e Contas SATA Internacional 15

18 Principais eventos Janeiro. Grupo de empresas SATA leva o nome das suas companhias aéreas à Bolsa de Turismo de Lisboa e à Fitur, a feira de turismo mais visitada da Península Ibérica. Coerente com a linha de comunicação e promocional das empresas, o destino Açores esteve naturalmente em evidência nestas duas ocasiões de promoção. Rede de agentes do Grupo SATA leva tradição açoriana junto de 1000 agentes de viagens e mais de 1000 passageiros, distribuindo a bordo e em terra, os típicos sabores da época de Carnaval. Uma acção de relações públicas que pretendeu aproximar os clientes à Empresa, ao mesmo tempo que deu a conhecer algumas tradições das ilhas dos Açores. Fevereiro. Clube SATA celebra com os seus 35 mil passageiros frequentes o Dia dos Namorados com a oferta de viagens para destinos das transportadoras SATA Internacional e SATA Air Açores. Março. Clube SATA convida os seus 35 mil membros a descobrir os cinco novos destinos Europa com uma promoção que esteve a bordo e em terra ao longo do mês de Março. Abril. Chega a Ponta Delgada a primeira ligação directa entre Londres e Ponta Delgada. O Airbus A320 da SATA Internacional aterra no início da tarde de 5 de Abril 2005, com os primeiros passageiros desta nova rota, dando início a uma série de voos directos entre os Açores e Inglaterra. Junho. Mais de trezentas crianças dos Arquipélago dos Açores e Madeira usufruíram do programa Junho o Mês da Criança com visitas de estudo, baptismo de voo e viagens aos destinos SATA. Um mês de intensa actividade, que tem por objectivo abrir as portas da Empresa ao exterior, assim como oferecer às crianças com aproveitamento escolar a oportunidade de viajar e contactar com outras realidades. Julho 40 ª Edição do SATA Rallye Ganhou a estrada a 30 de Junho e terminou a 3 de Julho a 40 ª edição do SATA Rallye, o maior evento do desporto automóvel realizado no Arquipélago dos Açores. Esta prova, que tem como principal patrocinador o Grupo SATA, voltou a candidatar-se em 2005 ao coeficiente máximo do campeonato Europeu de Ralis. Uma impor-tante e considerada prova que volta a colocar os Açores na rota dos grandes acontecimentos desportivos. A bordo e em terra, a SATA Internacional celebra o dia da Madeira com a oferta de um doce típico da região a todos os passageiros que viajam nesta rota no dia 1 de Julho. As transportadoras do Grupo SATA convidam mais de uma centena de agentes de viagens a descobrir a cidade do Porto, a ilha da Terceira, o destino Boston e a Ilha da Madeira. Quatro fins-de-semana em quatro destinos diferentes. Uma acção promocional que visa divulgar novos serviços em ligações tradicionalmente asseguradas pela SATA Internacional. Setembro. SATA Adventure - Anualmente o Grupo SATA recebe a visita de agentes de viagens e parceiros de negócio que aceitam o convite para este fim-de-semana de confraternização. O SATA Adventure é a maior e mais animada Fam Trip do ano, uma ocasião para cimentar amizades mas sobretudo para desvendar os segredos que esconde o fantástico destino Açores. 16 Relatório e Contas SATA Internacional

19 Outubro. Em 2005 a edição do SATA Open contou com a maior participação de sempre. O torneio de Golfe, que o Grupo SATA patrocina, coloca todos os anos os belíssimos campos de Golf da Batalha e Furnas no roteiro dos destinos a eleger para a prática de golfe. Novembro. Participação das empresas do Grupo SATA na maior feira de Turismo da Europa. O World Trade Market foi o palco de apresentação das companhias aéreas do Grupo SATA, em Londres. Relatório e Contas SATA Internacional 17

20 SÍNTESE DO DESEMPENHO DE 2005 A. ACTIVIDADE OPERACIONAL Com impacto relevante no desenvolvimento da estratégia definida da empresa, que passa por liderar o transporte aéreo nos Açores e, simultaneamente, ser capaz de aproveitar novas oportunidades de negócio a actividade operacional no exercício de 2005 foi marcada pela consolidação e expansão da sua rede da seguinte forma: Açores Rotas de serviço público entre o Continente, Madeira e os Açores alteração no modelo de obrigações de serviço público. A partir de 1 de Janeiro de 2005 a exploração de rotas de serviço público entre o Continente, a Madeira e os Açores passou de um regime caracterizado pela atribuição trienal de cada rota a uma única transportadora, onde as indemnizações compensatórias seriam calculadas com base no défice de exploração, para um regime mais liberalizado, em que qualquer transportadora pode concorrer ao conjunto das rotas, comprometendo-se a oferecer determinados serviços mínimos e a operar pelo menos durante um ano. A compensação financeira, por sua vez, passou a corresponder a um subsídio atribuído por cada passageiro transportado, desde que sejam residentes e/ou estudantes. Devido ás obrigações de serviço público acrescentaramse duas novas rotas entre o Continente e os Açores (Lisboa - Santa Maria Lisboa e Lisboa Pico Lisboa), podendo estas rotas ser combinadas com Ponta Delgada e Terceira. No final de 2004 as rotas definidas pelas obrigações de serviço público eram Lisboa Ponta Delgada, Lisboa Terceira, Lisboa Horta, Porto Ponta Delgada e Funchal Ponta Delgada. Com a introdução destas alterações no modelo de obrigações de serviço público passou a ser possível a operação em regime de code-share, sendo que o critério utilizado para efeitos do cumprimento das obrigações de serviço público passou a ser o somatório dos serviços prestados pelas transportadoras parceiras. Dada esta nova conjuntura, a SATA Internacional e a TAP Portugal optaram por estender aos Açores o acordo de code-share existente na rota Lisboa Funchal, passando este acordo a ser válido para todos os voos operados por ambas as empresas. Quanto à operação em cada uma das rotas, a SATA Internacional passou a operar duas frequências semanais, durante todo o ano, entre Lisboa e Horta e entre Lisboa e Terceira; reciprocamente, a TAP Portugal passou a operar quatro frequências entre Lisboa e Ponta Delgada. No que se refere a novas rotas, a SATA Internacional opera Lisboa Santa Maria Lisboa numa frequência semanal combinada com Ponta Delgada, enquanto que a TAP Portugal opera a frequência semanal entre Lisboa e Pico, combinada com a Terceira. A SATA Internacional manteve-se predominante na rota Lisboa Ponta Delgada Lisboa, sendo ainda a única operadora nas rotas Porto Ponta Delgada Porto e Funchal Ponta Delgada Funchal. A TAP Portugal, por sua vez, manteve a predominância nas ligações entre Lisboa e as ilhas Terceira e Horta. Apesar da implementação deste novo sistema ter acontecido a partir de 1 de Janeiro, as operações na ilha do Pico só começaram a 20 de Abril devido a um atraso quer das certificações, quer das obras das infra-estruturas aeroportuárias. Nova rota europeia: Ponta Delgada Londres Gatwick Ponta Delgada Dando seguimento à sua estratégia e contribuindo para o desenvolvimento turístico da Região Autónoma dos 18 Relatório e Contas SATA Internacional

BRIEF PACK. PRESS kit. Índice

BRIEF PACK. PRESS kit. Índice BRIEF PACK PRESS kit 2009 Índice Estrutura empresarial Breve síntese histórica Breve descritivo das empresas SATA Frota Malha de rotas Principais destinos GRUPO SATA Gabinete de Comunicação e Imagem +

Leia mais

Sector de Turismo HOTEL 2.0

Sector de Turismo HOTEL 2.0 Sector de Turismo HOTEL 2.0 18 de Junho de 2013 José Alberto Cardoso 1 Competitividade Política de Transporte Aéreo (diminuição de rotas e frequências). Gestão Aeroportuária ( novo modelo de exploração

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Relatório do Conselho de Administração 2006 1

Relatório do Conselho de Administração 2006 1 Relatório do Conselho de Administração 2006 1 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 2006 Relatório do Conselho de Administração 2006 2 Senhores Accionistas, No cumprimento das normas legais e estatutárias

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa

Análise de sustentabilidade da empresa Análise de sustentabilidade da empresa Em 2013, a NAV Portugal manteve a prática de integração dos princípios de sustentabilidade nas políticas e processos da sua gestão, como suporte à promoção do seu

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões Política aeroportuária: as dúvidas e as questões J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade de Lisboa) Professor Universitário e Consultor 1 Sistema Aeroportuário Nacional 2 Questões levantadas

Leia mais

HÁ ALGO DIFERENTE NO AR RELATÓRIO & CONTAS índice 03 Órgãos Sociais 05 Organigrama 07 Desempenho de 08 Actividade Operacional 12 Actividade Comercial 12 Actividade Assistência Aeronaves 13 Actividade Manutenção

Leia mais

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP

Venda de voos internacionais atinge em 2010 87,4% de todas as vendas BSP Venda de voos pelas agências portuguesas acaba 2010 a cair, mas ainda fica acima de 2009 A venda de voos regulares pelas agências de viagens IATA portuguesas, um mercado que em 2008 ultrapassou os 900

Leia mais

Belux. Campanha de Promoção Conjunta Turismo de Portugal & Brussels Airlines

Belux. Campanha de Promoção Conjunta Turismo de Portugal & Brussels Airlines Belux Campanha de Promoção Conjunta Turismo de Portugal & Brussels Airlines 1. O Mercado Emissor da Bélgica Em 2008, no quadro global da procura turistica para Portugal, a Bélgica foi o décimo mercado

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO DO AEROPORTO DE LISBOA [1990 2009]

A EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO DO AEROPORTO DE LISBOA [1990 2009] A EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE AÉREO DO AEROPORTO DE LISBOA [1990 2009] FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. A Evolução do Transporte Aéreo do Aeroporto de Lisboa [1990 2009] EDIÇÃO

Leia mais

04 Introdução 06 Mensagem do Presidente 08 Órgãos Sociais 10 Organigrama da SATA Internacional, SA 12 O Grupo SATA em 2006 14 Enquadramento

04 Introdução 06 Mensagem do Presidente 08 Órgãos Sociais 10 Organigrama da SATA Internacional, SA 12 O Grupo SATA em 2006 14 Enquadramento ÍNDICE 02 03 04 Introdução 06 Mensagem do Presidente 08 Órgãos Sociais 10 Organigrama da SATA Internacional, SA 12 O Grupo SATA em 2006 14 Enquadramento Macroeconómico 24 Comportamento do Sector 26 Perspectivas

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida

Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida Barómetro Travelstore American Express 2011 Sergio Almeida Director de Negócio Travelstore American Express Um estudo cujas respostas das empresas que participaram gerou uma doação à 1. Amostra 2. Caracterização

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministérios das Finanças, da Administração Interna e da Economia. Ministério da Economia

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministérios das Finanças, da Administração Interna e da Economia. Ministério da Economia I SÉRIE Terça-feira, 1 de abril de 2014 Número 64 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministérios das Finanças, da Administração Interna e da Economia Portaria n.º 77-B/2014: Fixa o valor das taxas de segurança a cobrar

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Fortes resultados numa envolvente marcada pelos desafios. Vendas consolidadas atingem 8,7 mil milhões de euros (crescimento

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis,

No pavilhão 2, com 108 stands, estavam representadas as regiões de turismo, câmaras municipais, associações e juntas de turismo, para além de hotéis, VIII Legislatura II Sessão Plenária Horta, 26 de Janeiro de 2005 Grupo Parlamentar do Partido Socialista Deputada Ana Isabel Moniz Assunto: Bolsa de Turismo de Lisboa Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro [1990 2009]

Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro [1990 2009] Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro [1990 2009] FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE

DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE DIÁLOGO NACIONAL SOBRE EMPREGO EM MOÇAMBIQUE CRIAÇÃO DE EMPREGO NUM NOVO CONTEXTO ECONÓMICO 27-28 demarço de 2014, Maputo, Moçambique A conferência de dois dias dedicada ao tema Diálogo Nacional Sobre

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores

Intervenção do Sr. Deputado. Osório Silva. Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira. Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Intervenção do Sr. Deputado Osório Silva Intitulada: O Sector do Turismo na Ilha Terceira Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sala das Sessões, Ilha do Faial O Partido Socialista/Açores,

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010]

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010] A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] Ficha Técnica TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] EDIÇÃO INAC Instituto

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas

Conheça os seus direitos em caso de: Recusa de embarque Cancelamento de voo Atrasos prolongados Colocação em classe inferior Viagens organizadas OS DIREITOS DOS PASSAGEIROS DE TRANSPORTE AÉREO AS NOVAS REGRAS Dia 17 de Fevereiro entra em vigor o Regulamento (CE) n.º 261/2004, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 11 de Fevereiro de 2004, que

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129

Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 Diário da República, 2.ª série N.º 216 8 de Novembro de 2010 55129 d) Possuir formação de base, formação contínua e formação específica na área de prevenção de acidentes, segurança de voo e gestão do sistema

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade e Certificação. Nuno Gonçalves

Sistema de Gestão da Qualidade e Certificação. Nuno Gonçalves Sistema de Gestão da Qualidade e Certificação Nuno Gonçalves Aeroporto de Faro Missão A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infra-estruturas aeroportuárias a seu

Leia mais

SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE www.flyeverjets.com 2 Everjets inaugura voos regulares

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros

Empresas nacionais de transporte aéreo movimentaram mais 6,3% de passageiros Transportes aéreos e atividade turística 2013 10 de setembro de 2014 Movimento de passageiros nos aeroportos nacionais aumentou 4,9% O tráfego comercial nas infraestruturas aeroportuárias nacionais em

Leia mais

COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS

COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS COMPROMISSO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AOS PASSAGEIROS DAS TRANSPORTADORAS AÉREAS COMERCIAIS As transportadoras europeias elaboraram o Compromisso sobre Prestação de Serviços aos Passageiros das Transportadoras

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 Revista de Imprensa 12-05-2010 1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 3. Económico Online, 03-05-2010,

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO.

RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO. RELATÓRIO E PARECER À PETIÇÃO SOBRE AS LIGAÇÕES AÉREAS AÇORES/PORTO. HORTA, 13 DE JUNHO DE 2005 CAPITULO I INTRODUÇÃO Em 6 de Abril de 2005 deu entrada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

AÇOREANA RISK MANAGEMENT. aos acidentes, perderam-se 556 dias, num total de 91.600 trabalhados,

AÇOREANA RISK MANAGEMENT. aos acidentes, perderam-se 556 dias, num total de 91.600 trabalhados, Tiragem: 17280 Pág: 22 ID: 53404026 11-04-2014 R REPORTAGEM Âmbito: Economia, Negócios e. Área: 23,95 x 27,47 cm² Corte: 1 de 2 AÇOREANA RISK MANAGEMENT Gestão de risco ajuda a maximizar resultados I Campus

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP

Síntese. de Resultados. 1. Sobre a ACEP 1. Sobre a ACEP A ACEP - Associação de Comércio Electrónico em Portugal é uma organização independente sem fins lucrativos, de pessoas individuais e colectivas, visando o estudo e a implementação das diversas

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Maio de 2011 REGIME JURÍDICO DAS AGÊNCIAS DE VIAGENS E TURISMO DECRETO-LEI N.º 61/2011, DE 6 DE MAIO I. INTRODUÇÃO A presente nota incide sobre as principais alterações introduzidas no regime

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais