RELAÇÕES NUMÉRICAS E CALCULOS QUIMICOS I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÕES NUMÉRICAS E CALCULOS QUIMICOS I"

Transcrição

1 Prof. Edson Cruz

2

3 RELAÇÕES NUMÉRICAS E CALCULOS QUIMICOS I Podemos conhecer as grandezas que regem a quantificação dos fenômenos químicos identificando o comportamento da massa, do número de partículas e do volume de diferentes substâncias. E com isso também fazer comparações em uma mesma substância destas entidades quantitativas Partindo da premissa que medir é comparar, temos a necessidade de criar uma unidade comparativa em termos de massa inicialmente. Para medir as massas dos átomos, os químicos escolheram como padrão a massa de um átomo. Em 1962, durante o Congresso Internacional de Química, foi escolhido o átomo de carbono 12 ( 12 C), e a unidade usada na medida das massas atômicas passou a ser massa de 1/12 do átomo de carbono 12. Este padrão é chamado de unidade de massa atômica.

4 UNIDADE DE MASSA ATÔMICA (u.m.a.) CARBONO 12 A Unidade de massa atômica corresponde a 1/12 do átomo do Carbono do carbono 12 ou 1 u.m.a. 12 A MASSA DO ÁTOMO DE CARBONO O átomo de carbono foi dividido em doze partes e a partir disso se fez o seguinte conceito: a massa de um átomo (massa atômica) é o número que indica quantas vezes esse átomo é mais pesado do que 1/12 avos do átomo de carbono. O número doze vem da quantidade de prótons existentes no núcleo do átomo de carbono mais abundante. Criou-se então a unidade u.m.a, ou seja, unidade de massa atômica. Carbono ¹² 1 u (unidade de massa atômica) = 1/12 do átomo de ¹²C

5

6 A MASSA DOS OUTROS ELEMENTOS Os outros elementos foram medidos comparando-se suas massas com a u.m.a., vamos ver um exemplo: U 238 Podemos ver que na balança a massa do urânio é de 238 u.m.a.

7 MASSA ATÔMICA Peso atômico É um número (valor) que indica quantas vezes um elemento (átomo) qualquer é mais pesado que 1/12 do carbono 12 (ou 1 u.m.a). He 4 u.m.a. O átomo de HÉLIO é 4 vezes mais pesado que 1/12 do carbono 12.

8 1. (UNIFICADO) A massa de três átomos do isótopo 12 do carbono é igual à massa de dois átomos de um certo elemento X. Pode-se dizer, então, que a massa atômica de X, em unidades de massa atômica, é: Dado: massa atômica do carbono = 12 u. a) 12. b) 36. c) 18. d) 3. e) X 12 mc 2 X mx = 36 mx = 36 mx X X C C C = 3 X 2 mx = 18

9 MASSA DO ELEMENTO QUÍMICO (massa atômica em isótopos) Cl 37 Cl 17 É a média ponderada das massas atômicas dos isótopos e suas ocorrências naturais (também chamadas de abundâncias ou percentagens naturais). Exemplo: Seja um elemento E composição isotópica: E 30 40% / E 32 50% / E 34 10% Massa Atômica de E = 30x x x10 / 100 = 31,4 u

10 O cloro possui dois isótopos de pesos atômicos 35u e 37u, com porcentagens, respectivamente, iguais a 75% e 25%. 35 Cl 37 Cl 75% 25% m = m = 35 x x = m = 35,50 u.m.a.

11 1. Um elemento químico genérico X, tem três isótopos com os pesos atômicos 1, 2 e 3 com porcentagens, respectivamente, iguais a 50%, 30% e 20%. A massa do elemento X é: a) 1,70 u. b) 1,50 u. c) 1,00 u. d) 2,00 u. e) 2,70 u. m = m = 1 X 30% 50% 1 x x x = m = 1,70 u. 2 X 3 X 20%

12 2. Na natureza, de cada 5 átomos de boro, 1 tem massa atômica igual a 10 e 4 têm massa atômica igual a 11 u. Com base nesses dados, a massa atômica do boro, expressa em u, é: a) 10. b) 10,5. c) 10,8. d) 11,0. e) 11,5. 10 B 11 B 1 4 m = 1 x x m = = 5 5 m = 10,8 u.

13 3. Um elemento X tem massa atômica média igual a 63,5 u. E apresenta os isótopos 63 X e 65 X. A abundância do isótopo 63 no elemento X é: a) 25%. b) 63%. c) 65%. d) 75%. e) 80%. 63,5 = 63 X x % y % 63. x y x y = 6350 x + y = 100. ( 65) x = X m = 63,5 u x = 75% 63. x y = x 65. y = x = 150

14 MASSA MOLECULAR (M) É um número que indica quantas vezes uma molécula é mais pesada que 1/12 do carbono 12. De uma maneira prática, calculamos a massa molecular somando-se todos os pesos atômicos dos átomos que formam a molécula. Em outras palavras é a soma das massas de todos os elementos que constituem uma espécie química. Exemplo: Massa Molecular da água (H 2 O): M H 2 O = 1 x x 1 = 18 u. m. a.

15 Então como se mediria as massas de uma molécula qualquer?!!!! Muito simples: é só somar as massas dos elementos contidos nesta molécula Exemplo: C H 6 12O6 Molécula de Glicose 180 MMC x 12u 6 H O 12x 1u 6x 16u 180u Logo a molécula de glicose é 180 vezes mais pesada que a 1/12 parte do átomo de carbono.

16

17 O ÁCIDO SULFÚRICO H H O O S O O Dados: H = 1 u.m.a.; O = 16 u.m.a.; S = 32 u.m.a. H: 2 x 1 = 2 S: 1 x 32 = 32 + O: 4 x 16 = u.m.a

18 1. A massa molecular do composto abaixo é: Dados: H = 1u.;Na = 23u.; S = 32u.; O = 16u. a) 142 u. b) 196 u. c) 426 u. d) 444 u. e) 668 u. Na 2 SO 4. 3 H 2 O Na: 2 x 23 = 46 S: 1 x 32 = 32 O: 4 x 16 = u.m.a H: 2 x 1 = 2 O: 1 x 16 = u.m.a M = x 18 = 196 u.m.a

19 2. A massa molecular da espécie H 4 P 2 O X vale 178 u. Podemos afirmar que o valor de x é: Dados: H = 1 u.; O = 16 u.; P = 31 u. a) 5. b) 6. c) 7. d) 8. e) 16. H : 4 x 1 = 4 P : 2 x 31 = 62 O : X x 16 = 16X X = X = X = 112 X = X = 7

20

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron Número de prótons: 54 2 Nome do elemento: BORO BERÍLIO HÉLIO Esta Os quantidade diferentes tipos de prótons de átomos recebe (elementos o nome químicos) de

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

Próton Nêutron Elétron

Próton Nêutron Elétron Próton Nêutron Elétron ARNOLD SOMMERFELD MODELO ATÔMICO DE ARNOLD SOMMERFELD - 1916 Ao pesquisar o átomo, Sommerfeld concluiu que os elétrons de um mesmo nível, ocupam órbitas de trajetórias diferentes

Leia mais

EXERCÍCIOS DE QUÍMICA PROFESSOR: RENIR DAMASCENO

EXERCÍCIOS DE QUÍMICA PROFESSOR: RENIR DAMASCENO 01. Ana, Lúcia, Renata e Fernanda participaram de uma olimpíada química. A vencedora foi a que apresentou o objeto com maior número de átomos. O resultado foi registrado na tabela a seguir. PARTICIPANTES

Leia mais

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo.

Teoria Atômica. Constituição da matéria. Raízes históricas da composição da matéria. Modelos atômicos. Composição de um átomo. Teoria Atômica Constituição da matéria Raízes históricas da composição da matéria Modelos atômicos Composição de um átomo Tabela periódica Raízes Históricas 6000 a.c.: descoberta do fogo 4000 a.c.: vidros,

Leia mais

TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011

TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011 Prof. Willame TD nº 02 Química 2 1º ano - 2011 TABELA PERIÓDICA 1. A organização dos elementos Com a descoberta de uma grande variedade de átomos, tornou-se necessária à criação de uma sistemática de classificação.

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09

Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 Escola Secundária Anselmo de Andrade Teste Sumativo de Ciências Físico - Químicas 9º Ano Ano Lectivo 08/09 2ºTeste Sumativo 1ºPeríodo Duração do Teste:60 minutos Data: 05 / 12 / 08 Prof. Dulce Godinho

Leia mais

O Átomo. a + thomos = sem divisão

O Átomo. a + thomos = sem divisão O Átomo 1. O nome átomo tem origem na Grécia Antiga no sec. V a.c. Os pensadores antigos falavam da existência de partículas invisíveis e indivisíveis que formariam toda matéria. a + thomos = sem divisão

Leia mais

VESTIBULAR - 2010 2ª ETAPA - 2º DIA BIOLOGIA QUÍMICA GEOGRAFIA

VESTIBULAR - 2010 2ª ETAPA - 2º DIA BIOLOGIA QUÍMICA GEOGRAFIA GABARITO OFICIAL 2ª ETAPA - 2º DIA BIOLOGIA QUÍMICA GEOGRAFIA 1 E 11 A ou E 21 A 31 E 2 D 12 E 22 C 32 A 3 B 13 B 23 B 33 C 4 C 14 C 24 A 34 D 5 A 15 A ou D 25 D 35 E 6 E 16 D 26 E 36 B 7 A 17 A 27 E 37

Leia mais

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios

Química Atomística Profª: Bruna Villas Bôas. Exercícios NÚMERO ATÔMICO (Z) Os diferentes tipos de átomos (elementos químicos) são identificados pela quantidade de prótons (P) que possui. Esta quantidade de prótons recebe o nome de número atômico e é representado

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria

Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria Problemas de Termodinâmica e Estrutura da Matéria 5 a série 5.1) O filamento de tungsténio de uma lâmpada incandescente está à temperatura de 800 C. Determine o comprimento de onda da radiação emitida

Leia mais

A ESTRUTURA ATÔMICA REPRESENTAÇÃO

A ESTRUTURA ATÔMICA REPRESENTAÇÃO A ESTRUTURA ATÔMICA O modelo nuclear admite que o átomo é formado por uma região central extremamente pequena, o núcleo, em torno do qual giram diminutas partículas, constituindo uma outra região, a eletrosfera.

Leia mais

Prof. Rogério Gartz. motor do carro". Esta advertência deve-se à preocupação com o possível acúmulo de um gás inodoro e tóxico, que é

Prof. Rogério Gartz. motor do carro. Esta advertência deve-se à preocupação com o possível acúmulo de um gás inodoro e tóxico, que é Colégio Santa Marcelina - 2 0 ano - EM / Química I - Exercícios de Recuperação - 1 0 sem / 15 Prof. Rogério Gartz I. Assinale, com um X, a única opção correta. 1. Ao longo de túneis muito longos, são colocadas

Leia mais

A base da espectrometria de massas

A base da espectrometria de massas A base da espectrometria de massas The father of MS and the first mass spectrometrist to win the Nobel Prize. Pure species and mixtures JJ Thomson's 'Plum Pudding Model' of the atom, a sphere of positive

Leia mais

Felipe Azevedo Ribeiro

Felipe Azevedo Ribeiro Implicações para Autenticação Isotópica da Carne Felipe Azevedo Ribeiro Engenheiro Agrônomo (UFSCar) Mestrando em Zootecnia (UNESP) Setembro de 2013 Importância da pecuária no Brasil Maior rebanho comercial

Leia mais

1. Escreva a fórmula eletrônica e estrutural dos compostos cujas fórmulas moleculares são:

1. Escreva a fórmula eletrônica e estrutural dos compostos cujas fórmulas moleculares são: Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Curso: Engenharia Florestal Mestranda: Daniele Potulski LISTA DE EXERCÍCIOS 2 ENGF007 1. Escreva

Leia mais

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42

QUÍMICA QUESTÃO 41 QUESTÃO 42 Processo Seletivo/UNIFAL- janeiro 2008-1ª Prova Comum TIPO 1 QUÍMICA QUESTÃO 41 Diferentes modelos foram propostos ao longo da história para explicar o mundo invisível da matéria. A respeito desses modelos

Leia mais

Prof. Agamenon Roberto CÁLCULOS E MASSAS www.agamenonquimica.com 1

Prof. Agamenon Roberto CÁLCULOS E MASSAS www.agamenonquimica.com 1 Prof. Agamenon Roberto CÁLCULOS E MASSAS www.agamenonquimica.com 1 EXERCÍCIOS DE APROFUNDAMENTO 01) (SSA 2008) Analise as afirmativas abaixo e assinale a alternativa VERDADEIRA. a) O número de Avogadro

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

A Matéria Química Geral

A Matéria Química Geral Química Geral A Matéria Tudo o que ocupa lugar no espaço e tem massa. A matéria nem sempre é visível Noções Preliminares Prof. Patrícia Andrade Mestre em Agricultura Tropical Massa, Inércia e Peso Massa:

Leia mais

Capítulo 2 AS FÓRMULAS, AS EQUAÇÕES E A ESTEQUIOMETRIA. TÓPICOS GERAIS MATÉRIA. O balanceamento das equações por Os átomos. tentativas As moléculas

Capítulo 2 AS FÓRMULAS, AS EQUAÇÕES E A ESTEQUIOMETRIA. TÓPICOS GERAIS MATÉRIA. O balanceamento das equações por Os átomos. tentativas As moléculas Capítulo 2 AS FÓRMULAS, AS EQUAÇÕES E A ESTEQUIOMETRIA. TÓPICOS GERAIS 2.1 A MICROESTRUTURA DA 2.6 AS EQUAÇÕES QUÍMICAS MATÉRIA O balanceamento das equações por Os átomos tentativas As moléculas 2.2 AS

Leia mais

PLANO DE ENSINO: QUÍMICA

PLANO DE ENSINO: QUÍMICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÉ REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO DESAFIO PRÉ VESTIBULAR O plano de ensino consiste em traduzir em termos mais concretos e operacionais o

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Densidade dos Gases EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (FEI-SP) Um gás, que está inicialmente a uma pressão de 1 atm e temperatura de 273 K, sofre uma transformação de estado adquirindo uma pressão de 3 atm e

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011

RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 RESOLUÇÃO DA PROVA DE QUÍMICA DA UFRGS 2011 Questão 26 Como a questão pede a separação do sólido solúvel do líquido, o único processo recomendado é a destilação simples. Lembrando que filtração e decantação

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013

Radioatividade. Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Radioatividade Por Marco César Prado Soares Engenharia Química Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP 2013 Dados históricos: Descoberta por Henri Becquerel. Em 1903, Rutherford e Frederick Soddy propuseram

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. 1ª série Turma: FG

COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE. Programa de Recuperação Paralela. 2ª Etapa 2014. 1ª série Turma: FG COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: QUÍMICA Professora: Maria Luiza 1ª série Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação.

Leia mais

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1

Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Transformações físicas de substâncias puras Aula 1 Físico-Química 2 Termodinâmica Química 2 Profa. Claudia de Figueiredo Braga Diagramas de Fases Diagramas de fases: Uma das formas mais compactas de exibir

Leia mais

Apostila de Química Geral

Apostila de Química Geral Cursinho Vitoriano UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Câmpus de São José do Rio Preto Apostila de Química Geral Período noturno Ligações químicas interatômicas Vanessa R.

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final Disciplina: Química Ano: 2012 Professor (a): Elisa Landim Turma: 1º FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça a lista

Leia mais

Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte

Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte RECIFE Colégio Salesiano Sagrado Coração ] Aluna(o): Nº: Turma: 3º ano Recife, de de 03 Disciplina: Química Professor: Eber Barbosa Comportamento Físico dos Gases 3ª Parte 0 Energia Cinética Média dos

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA Educando para o pensar Tema Integrador 2013 / Construindo o amanhã: nós agimos, o planeta sente BIOLOGIA I TRIMESTRE A descoberta da vida Biologia e ciência Origem da vida

Leia mais

PROF: Alex LISTA 7 DATA: 21/08/2011 Propriedades Periódicas e Ligações (Exercícios Gerais)

PROF: Alex LISTA 7 DATA: 21/08/2011 Propriedades Periódicas e Ligações (Exercícios Gerais) NOME: PROF: Alex LISTA 7 DATA: 21/08/2011 Propriedades Periódicas e Ligações (Exercícios Gerais) 01 - (UDESC SC/2011) De acordo com as propriedades periódicas dos elementos químicos, analise as proposições

Leia mais

Regras para cálculo do nox

Regras para cálculo do nox SÉRiE Rumo ao ITA Nº 02 ENSiN PRÉ-UNIVERSITÁRI PRFESSR(a) ALuN(a) SÉRGI MATS SEDE Nº TC TuRma TuRN DaTa / / QUÍMICA Número de xidação Número de oxidação (nox) ou estado de oxidação é a real ou imaginária

Leia mais

Gases. 1 atm = 1 kpa. 1 mmhg = 1 Torr. 1 m = 1000 L 1 L = 1000 ml = 1000 cm ESTUDO DOS GASES

Gases. 1 atm = 1 kpa. 1 mmhg = 1 Torr. 1 m = 1000 L 1 L = 1000 ml = 1000 cm ESTUDO DOS GASES 1 ESUDO DOS GSES INRODUÇÃO O estudo dos gases é de grande importância na compreensão de fatos que ocorrem no nosso cotidiano, tais como: um balão subir, uma bexiga murchar com o tempo, a pressão interna

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 1

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 1 Questões Resolvidas Radioatividade - Parte 1 01. (Unifesp) 2011 é o Ano Internacional da Química; neste ano, comemoram-se também os 100 anos do recebimento do Prêmio Nobel de Química por Marie Curie, pela

Leia mais

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003.

5. Fusão Nuclear. Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 2003. 5. Fusão Nuclear Hinrichs, R.A.; Kleinbach, M. Energia e Meio Ambiente, Pioneira Thomson Learning, SP, 003. As reservas mundiais de petróleo e gás natural, nesta ordem, sofrerão grandes declínios neste

Leia mais

Nº máximo 2 8 18 32 32 18 2. Camadas K L M N O P Q 20 Ca (Z=20) 2 8??

Nº máximo 2 8 18 32 32 18 2. Camadas K L M N O P Q 20 Ca (Z=20) 2 8?? Ligações químicas Na natureza, todos os sistemas tendem a adquirir a maior estabilidade possível. Os átomos ligam-se uns aos outros para aumentar a sua estabilidade. Os gases nobres são as únicas substâncias

Leia mais

X Olimpíada Santa Cecília de Ciências da Natureza, Matemática e Redação 6º ANO

X Olimpíada Santa Cecília de Ciências da Natureza, Matemática e Redação 6º ANO 6º ANO 3933_3ªET/14-Circular Olimp.(6º)CP_ARIS369 6º ANO Olimpíada Santa Cecília de Ciências, na(s) seguinte(s) disciplina(s): ( ) ( ) Ciências ( ) Redação Ciências de 05, e terá a duração de 4 As provas

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO LETIVO 2013/2014 PROVAS DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS EXAME DE QUÍMICA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 1. MATERIAIS: DIVERSIDADE E CONSTITUIÇÃO 1.1 Materiais 1.1.1 Materiais

Leia mais

Química A Intensivo V. 1

Química A Intensivo V. 1 1 Química A Intensivo V. 1 Exercícios 01) 10 01. Incorreta. O modelo atômico de Dalton não prevê a existência de elétrons. 02. Correta. Segundo Dalton, os átomos eram indestrutíveis e, durante uma reação

Leia mais

Guia Didático do Professor

Guia Didático do Professor Guia Didático do Professor Programa Conversa Periódica Ligações Covalentes Ligações Químicas Química 3ª Série Ensino Médio CONTEÚDOS DIGITAIS MULTIMÍDIA Conteúdos Digitais Multimídia Guia Didático do Professor

Leia mais

Radioatividade. www.sotaodaquimica.com.br Contato: sotaodaquimica@gmail.com 1

Radioatividade. www.sotaodaquimica.com.br Contato: sotaodaquimica@gmail.com 1 Radioatividade 01. (Puccamp) Instruções: Para responder às questões a seguir considere as seguintes informações: Nitrito de sódio, NaNO 2, é empregado como aditivo em alimentos tais como "bacon", salame,

Leia mais

Elementos do bloco p

Elementos do bloco p Elementos do bloco p Características gerais principais Estados de oxidação e tipos de ligações Inicialmente, para efeitos didáticos, serão utilizados os elementos do grupo 13 (B, Al, Ga, In Tl), que apresentam

Leia mais

Resumo das Funções Orgânicas e nomenclatura

Resumo das Funções Orgânicas e nomenclatura Resumo das Funções Orgânicas e nomenclatura EXERCÍCIOS As questões 2 e 3 referem-se aos textos abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado as usinas de compostagem,

Leia mais

DADOS Constante dos gases: R = 0, Elemento Massa Atômica ( u.m.a.) He

DADOS Constante dos gases: R = 0, Elemento Massa Atômica ( u.m.a.) He DADOS Constante dos gases: R 0, 08L atm/ ( mol K) 1atm 760mmHg Elemento assa Atômica ( u.m.a.) He 400, Cl 3, n, O 16, 0 C 1, 0 Determine o volume do cloro obtido, a 7,0 ºC e 738 mmhg, pela ação de excesso

Leia mais

Questão 32. Questão 31. Questão 33. alternativa D. alternativa B. Texto para as questões 31 e 32

Questão 32. Questão 31. Questão 33. alternativa D. alternativa B. Texto para as questões 31 e 32 Texto para as questões 31 e 32 Pelo Protocolo de Kyoto, países industrializados devem reduzir em 5,2 %, em relação aos níveis de 1990, a emissão de gases causadores do efeito estufa, até 2012. Brasil,

Leia mais

APOSTILA DE DE QUÍMICA GERAL

APOSTILA DE DE QUÍMICA GERAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS LAMAT - LABORATÓRIO DE MATERIAIS APOSTILA DE DE QUÍMICA GERAL COMPILAÇÃO: PROFª NORA DÍAZ MORA PROF.

Leia mais

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas.

Thomson denominou este segundo modelo atômico de Pudim de Passas. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS Durante algum tempo a curiosidade do que era constituída a matéria parecia ser impossível de ser desvendada. Até que em 450 a.c. o filósofo grego Leucipo de Mileto afirmava

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA DISCIPLINA QUIMICA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE PRISE/PROSEL- 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO: MATÉRIA, TRASFORMAÇÕES QUÍMICAS E AMBIENTE COMPETÊNCIA HABILIDADE CONTEÚDO - Compreender as transformações químicas em linguagem discursivas. - Compreender os códigos

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO GRANDEZAS QUÍMICAS EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (UFSE-SE) 1,8.10 moléculas de uma substância A têm massa igual a 18,0 g. A massa molar de A, em g/mol, vale: (Dados: constante de Avogadro: 6.10 ) a) 18 b)

Leia mais

Especial Específicas UNICAMP

Especial Específicas UNICAMP Especial Específicas UNICAMP Material de Apoio para Monitoria 1. Hoje em dia, com o rádio, o computador e o telefone celular, a comunicação entre pessoas à distância é algo quase que banalizado. No entanto,

Leia mais

SIMULADO DE QUÍMICA. 1) Para eliminar a poeira e outras impurezas sólidas do ar, muitos aparelhos de purificação usam método da:

SIMULADO DE QUÍMICA. 1) Para eliminar a poeira e outras impurezas sólidas do ar, muitos aparelhos de purificação usam método da: SIMULADO DE QUÍMICA 1) Para eliminar a poeira e outras impurezas sólidas do ar, muitos aparelhos de purificação usam método da: a) ( ) filtração; b) ( ) flotação; c) ( ) separação de mistura; d) ( ) ventilação.

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

24 23,98504 10 25 24,98584 10 26 25,98259 80

24 23,98504 10 25 24,98584 10 26 25,98259 80 MASSA ATÔMICA (MA) 01) (ETF-SP) A massa atômica de um elemento químico é dada pela média ponderada dos isótopos. Por exemplo, a massa do oxigênio que aparece na tabela é 15,99, isto porque na natureza

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA. Prof. João Neto

ESTEQUIOMETRIA. Prof. João Neto ESTEQUIOMETRIA Prof. João Neto 1 Lei de Lavoisier Leis Ponderais Lei de Dalton Lei de Proust 2 Fórmula molecular Fórmula mínima Tipos de Fórmulas Fórmula eletrônica ou de Lewis Fórmula Centesimal Fórmula

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

ENGENHARIA. Ano lectivo: 2014 / 2015. Data: 17 de Junho de 2014 Duração: 1h30m+30min LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA

ENGENHARIA. Ano lectivo: 2014 / 2015. Data: 17 de Junho de 2014 Duração: 1h30m+30min LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIAS E DESIGN ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 3 ANOS ENGENHARIA Ano lectivo: 014 / 015 Data: 17 de Junho de 014 Duração: 1h30m+30min LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES

Leia mais

Prof. Dr. Sidney Lima

Prof. Dr. Sidney Lima QUÍMICA ORGÂNICA III UFPI/2009:2 Espectrometria de Massas Determinação Estruturas Orgânicas: Raios X Coenzima: 1979 oxida C 4 a C 3 O Applications of Mass Spectrometry Pharmaceutical analysis Bioavailability

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) Alternativa correta: A 5 4 3 2 1 CH 3 CH 2 CH CH CH 2 OH CH 3 CH 3 metil metil 02) Alternativa correta: D 8 7 6 5 4 3 2 1 CH 3 C = CH CH 2 CH 2 CH CH 2 CH 2 OH CH

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR

EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR EVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA NUCLEAR A radioatividade e as radiações ionizantes não são percebidas naturalmente pelos órgãos dos sentidos do ser humano, diferindo-se da luz e do calor. Talvez seja por isso que

Leia mais

RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS

RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS RESUMO 1 MODELOS ATÔMICOS A constituição da matéria é motivo de muita curiosidade entre os povos antigos. Filósofos buscam há tempos a constituição dos materiais. Resultado dessa curiosidade implicou na

Leia mais

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Estequiometria Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira -A palavra estequiometria deriva das palavras

Leia mais

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling

Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling Guia do Professor Módulo: Tabela Periódica Atividade: Estudo da Tabela Periódica e Distribuição Eletrônica de Linus Pauling I Introdução A atividade Distribuição Eletrônica favorece o desenvolvimento de

Leia mais

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006

ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula INTRODUÇÃ. Estrelas: do nascimento à Seqüê. üência Principal. Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 INTRODUÇÃ ÇÃO À ASTRONOMIA (AGA-210) Notas de aula Estrelas: do nascimento à Seqüê üência Principal Enos Picazzio IAGUSP, Maio/2006 De que são formadas as estrelas? Átomo: elemento básico b da matéria

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE QUÍMICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE QUÍMICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 134, Toledo PR Fone: 377-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE QUÍMICA SÉRIE: 1ª SÉRIE E.M. PROFESSOR: Paulo

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011

VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 VI OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA 2011 RESPONDA AS QUESTÕES DE 1 a 30, MARCANDO UMA DAS ALTERNATIVAS DE ACORDO COM O QUE SE PEDE QUESTÃO 1 Peso 2 A dissolução do cloreto de amônio, NH 4 Cl(s), em água ocorre

Leia mais

COLÉGIO MÓDULO DISCIPLINA BIOLOGIA UFBA I UNIDADE PROFESSOR SÉRGIO MAGALHÃES

COLÉGIO MÓDULO DISCIPLINA BIOLOGIA UFBA I UNIDADE PROFESSOR SÉRGIO MAGALHÃES COLÉGIO MÓDULO DISCIPLINA BIOLOGIA UFBA I UNIDADE PROFESSOR SÉRGIO MAGALHÃES 01 V(01) Isótopos radioativos são importantes para elucidação de compostos químicos que são imprescindíveis aos seres vivos.

Leia mais

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano

GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES. Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR E INTERAÇÕES QUÍMICAS MOLECULARES Professor Cristiano GEOMETRIA MOLECULAR É o estudo de como os átomos estão distribuídos espacialmente em uma molécula. Dependendo dos átomos que a

Leia mais

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio?

a) Qual a configuração eletrônica do cátion do alumínio isoeletrônico ao gás nobre neônio? Questão 1: O Brasil é o campeão mundial da reciclagem de alumínio, colaborando com a preservação do meio ambiente. Por outro lado, a obtenção industrial do alumínio sempre foi um processo caro, consumindo

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

Calendário. Recuperação Anual 7h15 às 9h. Conteúdo - 5ª série (6º ano) 12.12 Português/ Ciências/ Química. Recuperação Anual e Prova Final

Calendário. Recuperação Anual 7h15 às 9h. Conteúdo - 5ª série (6º ano) 12.12 Português/ Ciências/ Química. Recuperação Anual e Prova Final Conteúdo - 5ª série (6º ano) - Capítulos: 6/7/8/12/13/19 - Capítulos 8/10/11/13/14 - Capítulos: 09/10/13/14/15 - Substantivo/ adjetivo (flexão); - Pronome; - Verbos; - Acentuação gráfica; - Unidades 9/10/11/12

Leia mais

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos

ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nova Friburgo, de de 2014. Aluno (a): Gabarito Professor(a): ATIVIDADES EM QUÍMICA Recuperação paralela de conteúdos Nº: Turma:100 Assuntos: Estrutura atômica; Tabela Periódica; Propriedades periódicas;

Leia mais

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira

Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira Formas regulares e simétricas assim como a ordenação das partículas que os formam. Cristalografia e Difração em Raio X - Michele Oliveira 2 Cristais são arranjos atômicos ou moleculares cuja estrutura

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA

PLANO DE TRABALHO DOCENTE DOCENTE RESPONSÁVEL : MARIA LUIZA TONUSSI DE OLIVEIRA COLÉGIO ESTADUAL BARBOSA FERRAZ Ensino Médio, Normal e Profissional Rua Rio Grande do Sul, 1200 Centro - Telefone: (43) 3472-5009 www.colegiobarbosa.com.br e.mail: colbarbosa@ig.com.br CEP: 86870-000 -

Leia mais

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiações na indústria J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiação Fenómeno de transmissão de energia através do espaço sem suporte material. Esta transmissão de energia é feita por meio de ondas

Leia mais

AULA 02: TABELA PERIÓDICA

AULA 02: TABELA PERIÓDICA AULA 02: TABELA PERIÓDICA 1. INTRODUÇÃO A Tabela Periódica é, efetivamente, um instrumento organizador de conhecimentos sobre os elementos químicos, onde estes estão ordenados por ordem crescente de número

Leia mais

PROPRIEDADES PERIÓDICAS I

PROPRIEDADES PERIÓDICAS I PROPRIEDADES PERIÓDICAS I Portal de Estudos em Química (PEQ) www.profpc.com.br Página 1 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 Considere as primeiras, segundas, terceiras e quartas energias de ionização dos elementos

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio. Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA QUÍMICA Com o conhecimento de átomos e moléculas, passa-se a

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Processo de Avaliação Seriada

Processo de Avaliação Seriada QUÍMICA Considera-se importante que o ensino da Química não promova a necessidade de uma excessiva memorização, mas possibilite ao estudante adquirir a capacidade de observar e descrever fenômenos, de

Leia mais

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá!

ÍCONES ORGANIZADORES ATENÇÃO AVALIAÇÃO DEFINIÇÃO/CONCEITO SAIBA MAIS. Olá! Manual do aluno Sumário ÍCONES ORGANIZADORES... 3 EMENTA... 4 Objetivo do curso... 5 Público-alvo... 5 Pré Requisitos... 5 Carga-horária... 6 Dicas para estudo... 6 Exercícios de fixação e Avaliação...

Leia mais

Educação para toda a vida

Educação para toda a vida GEOMETRIA MOLECULAR RPECV s e formas espaciais para moléculas com dois ao redor do átomo central não 2 Linear Linear s e formas espaciais para moléculas com três ao redor do átomo central não 3 Trigonal

Leia mais

Química Geral Vol. 1 Curso Anual de Química Prof. Alexandre Oliveira

Química Geral Vol. 1 Curso Anual de Química Prof. Alexandre Oliveira Química Geral Vol. 1 Curso Anual de Química Prof. Alexandre Oliveira Assunto Página Módulo 01 Cálculos Químicos e Cálculos De Fórmulas 03 Módulo 02 Leis Poderais e Cálculo Estequiométrico 33 Módulo 03

Leia mais

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015 MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ 01. Observe na tabela a distribuição percentual dos principais elementos químicos cujos átomos, combinados,

Leia mais

Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes.

Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes. GASES NOBRES GRUPO 18 OU VIIIA Esse grupo já foi conhecido como gases raros e gases inertes. Gases raros não é apropriado porque o argônio (Ar) não é raro (é mais abundante que o CO 2 no ar). Gases Inertes

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- Energia de ligação

Exercícios sobre Termoquímica- Energia de ligação Exercícios sobre Termoquímica- Energia de ligação 01. (Cesgranrio) Sendo dadas as seguintes entalpias de reação: C (s) C (g) H = + 170,9 kcal/mol 2 H 2 (g) 4H (g) H = + 208,4 kcal/mol C (s) + 2 H 2 (g)

Leia mais

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS.

CAPÍTULO 4 - BALANÇOS MATERIAIS. 4.3 Procedimentos para os Cálculos de Balanços Materiais. O primeiro passo em cálculos é o de entender o problema. (I) Desenhe um diagrama do processo, mostrando todas as informações relevantes. Escolha

Leia mais

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR

TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR Teoria do Orbital Molecular - Prof. J. D. Ayala - 1 - TEORIA DO ORBITAL MOLECULAR ORBITAIS NAS MOLÉCULAS A teoria dos orbitais moleculares (MO) constitui uma alternativa para se ter uma visão da ligação.

Leia mais

Propriedades Físicas de alguns compostos

Propriedades Físicas de alguns compostos Propriedades Físicas de alguns compostos Tipo de ligação e temperatura de fusão COMPOSTO Tipo de ligação T fusão / o C NaCl iónica 801 Cu metálica 1083 Si covalente 1410 H 2 O intermolecular 0 C 6 H 6

Leia mais

COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA

COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA COVEST/UFPE 2003 2ª ETAPA 97. A solubilidade do oxalato de cálcio a 20 C é de 33,0 g por 100 g de água. Qual a massa, em gramas, de CaC 2 O 4 depositada no fundo do recipiente quando 100 g de CaC 2 O 4

Leia mais

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular

Química. Química 3 SUMÁRIO. e Pré-vestibular Química SUMÁRIO Química 1 MÓDULO 1 Estrutura da matéria - Atomística... 3 Estrutura da matéria: modelos atômicos, Z, A, isótopos e íons Estrutura da matéria: A eletrosfera MÓDULO 2 Classificação periódica

Leia mais

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida.

A) a existência do oceano líquido é uma hipótese possível, pois um sal solúvel só forma uma mistura homogênea com a água, quando ela está líquida. TEXTO PARA A QUESTÃO 1. Sonda espacial detecta sal de cozinha em lua de Saturno A análise da composição química do anel mais externo de Saturno revelou a presença de 98% de água, 1% de cloreto de sódio,

Leia mais