A - 2 K - PROPINA E OUTROS PAGAMENTOS.. 26 B - 10 REGRAS A NÃO ESQUECER:...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A - 2 K - PROPINA E OUTROS PAGAMENTOS.. 26 B - 10 REGRAS A NÃO ESQUECER:..."

Transcrição

1

2 ÍNDICE... No index entries found. A - Boas Vindas... 2 B - 10 REGRAS A NÃO ESQUECER:... 3 C - CALENDÁRIOS... 4 C.1 Calendário Escolar... 4 C.2 Calendários do Programa de Intercâmbio... 5 C.3 Calendário de Módulos de Competências Pessoais... 5 C.4 Calendários de Exames... 6 D - ESTRUTURA DO CURSO... 8 D.1 Regras Gerais/ Créditos... 8 D.2 Disciplinas Obrigatórias... 8 D.3 Módulos de Competências Pessoais 9 D.4 Disciplinas Optativas... 9 D.5 Planos de Estudos D.6 Precedências D.7 Requisitos e Menções Adicionais D.8 Disciplinas Avulsas E - PRESCRIÇÕES F - HORÁRIOS E INSCRIÇÕES F.1 Horários F.2 Inscrições F.3 Alteração de Inscrição G - AVALIAÇÕES E EXAMES G.1 Avaliação Contínua G.2 Exames de 1ª e 2ª Época G.3 Época Especial G.4 Melhorias de Nota G.5 Notas Finais e Revisão de Provas G.6 Avaliação de Disciplinas e Docentes 19 H - REGRAS DE CONDUTA H.1 Conduta nas Salas de Aula H.2 Código de Honra I - COMUNICAÇÃO e IT I.1 Intranet I.2 Institucional I.3 Helpdesk do Gab. de Informática J - PROGRAMA DE INTERCÂMBIO J.1 Apoio Financeiro J.2 Condições de Candidatura J.3 Concurso/ Colocação J.4 Nomeação/ Aceitação J.5 Antes de Partir J.6 No Estrangeiro J.7 Regresso J.8 Creditação K - PROPINA E OUTROS PAGAMENTOS.. 26 K.1 Valor e Prazos de Pagamento K.2 Incumprimento de Pagamento K.3 Multas L - GOVERNAÇÃO E SERVIÇOS DE APOIO 27 L.1 Gabinete de Licenciaturas L.2 Gabinete de Desenvolvimento de Alunos 27 L.3 Conselho Pedagógico L.4 Director Académico das Licenciaturas 28 L.5 Apoio aos Alunos dos PALOP M - CONCLUIR A LICENCIATURA M.1 Média Final de Curso: M.2 Entrega do Diploma N - PRÉMIOS E BOLSAS O - DEPOIS DA LICENCIATURA O.1 Os Mestrados da NOVA O.2 Gabinete de Apoio Profissional/ CMO 30 P - INSTALAÇÕES E SERVIÇOS P.1 Salas de Estudo P.2 Salas de Informática P.3 Biblioteca Almada Negreiros P.4 Serviços de Tesouraria P.5 Restaurantes e Bares P.6 Estacionamento P.7 Serviços de Acção Social Q - ESTATUTOS ESPECIAIS Q.1 Trabalhador-estudante Q.2 Atleta de Alta Competição Q.3 Dirigente Associativo Q.4 Transferências e Correspondências 36 Q.5 Mudanças de Curso R - VIDA ACADÉMICA R.1 Associação de Estudantes R.2 O PUMAP R.3 AIESEC R.4 FORTUNA S - SOBRE A NovaSBE S.1 História, Missão e Visão S.2 Governação Interna T - ANEXO T.1 Oferta curricular Aviso Importante: A informação constante deste Manual não dispensa a consulta regular da versão online dado que eventuais actualizações só irão ser efectuadas no formato digital.

3 A - Boas Vindas Bem-vindos à NovaSBE da Universidade Nova de Lisboa! Ao terem escolhido a NOVA para estudar Economia ou Gestão optaram pela qualidade. Esta é comprovada não só pela rapidez com que o mercado de trabalho absorve os nossos graduados, como também pela abertura das melhores escolas internacionais aos alunos que optam por continuar os seus estudos. Durante os próximos três anos irão beneficiar de uma sólida formação, marcada pela qualidade de ensino, exigência, flexibilidade e internacionalização. Esperam-vos tempos de estudo árduo, mas no fim certamente recompensadores. Todavia, nem só no trabalho se esgota a vida de um estudante da NOVA. É muito importante que consigam conjugar os estudos com um bem planeado conjunto de actividades complementares que podem incluir participação em actividades cívicas, colaboração na Associação de Estudantes, estágios em empresas, actividades desportivas ou participação no programa de Intercâmbio de estudantes. No fundo, a nossa missão é também contribuir para formar mulheres e homens mais completos e equilibrados. Ao longo do vosso curso irão também conhecer pessoas provenientes de outras cidades de Portugal e do Mundo, que os ajudarão a crescer como pessoas e como profissionais, além de que ficarão com uma rede de contactos muito valiosa para o vosso futuro. Nas páginas seguintes, encontrarão informações que visa ajudar-vos a responder a diversas questões que lhes poderão surgir ao longo do curso, incluindo calendários, procedimentos e regulamentos. Tentámos que a informação fosse o mais clara possível, pelo que lhes pedimos que consultem atentamente este manual antes de se dirigirem aos funcionários da Faculdade. A satisfação e sucesso dos alunos é a nossa principal preocupação, assim como dos professores e funcionários da Faculdade. Podem contar com todos nós para vos apoiar nesta etapa decisiva das vossas vidas. É com amizade que lhes desejamos um excelente ano lectivo !! Professor José F. Machado Director da Faculdade Professor Daniel Traça Subdirector de Estudos Pré-Experiência 2

4 B - 10 REGRAS A NÃO ESQUECER I. Todos os assuntos devem ser tratados no Gabinete de Licenciaturas (GL). A Equipa do GL terá todo o interesse em escutar as suas opiniões e estará pronta a ajudar no que for necessário. II. Leia atentamente o antes de procurar o GL para esclarecer as suas questões. O desconhecimento das regras por parte do aluno não inviabiliza a sua aplicabilidade, nem invalida as consequências previstas a que o aluno incorre em caso de incumprimento das regras. III. É fundamental que o aluno consulte frequentemente a sua conta de institucional e a sua área pessoal no portal da Faculdade, dado serem estes os meios de comunicação utilizados pelos serviços. Não serão enviados s para contas não oficiais. IV. Antes do início das aulas, o aluno deve confirmar as disciplinas a que se encontra inscrito, bem como os horários, e deve guardar todos os comprovativos de inscrição. V. Os créditos correspondentes às disciplinas feitas nos programas de Intercâmbio só serão contabilizados depois de pedidas as respectivas correspondências. VI. A realização de exame em 2ª época, de melhoria ou da época especial só é possível caso o aluno esteja inscrito nesse mesmo exame e respeitando as regras de inscrição. Não serão aceites exames realizados sem inscrição. VII. Os alunos devem manter elevados padrões de integridade e honestidade, respeitando colegas e professores. Por favor leia o Código de Honra e o Código de Honra e Código de Conduta presente neste Manual. A NovaSBE é extremamente rigorosa na aplicação destes Códigos. VIII. O aluno é responsável por verificar que cumpre as suas obrigações financeiras, nomeadamente os prazos de pagamento de propinas de acordo com o esquema de pagamento definido. Note que as inscrições e a emissão de documentos por parte dos serviços só são possíveis após boacobrança da propina. IX. A participação dos alunos nas actividades sociais da Faculdade é fortemente encorajada, bem como a criação de novas actividades/associações. X. O Career Management Office envia regularmente os dados de identificação pessoal e curricular dos alunos que o autorizaram às empresas que os solicitem para fins de participação dos alunos em actividades e acesso a futuros processos de recrutamento para estágio e/ou integração no mercado de trabalho. Para autorizar o CMO a transmitir os seus dados às empresas, sem os quais perderá ínumeras oportunidades, por favor contacte o CMO 3

5 C - CALENDÁRIOS C.1 Calendário Escolar Período Lectivo (inclui aulas e exames) Período de Aulas Período de Inscrições/ Matrícula SEMESTRE DE INVERNO Welcome Meeting Alunos Intercâmbio Incoming 08 Setembro Setembro Janeiro 2012 (1º Ano) 12 Setembro Janeiro 2012 (Anos avançados) 20 Setembro Dezembro 2011 (1º Ano) 12 Setembro Dezembro 2011 (Anos avançados) 05 Setembro 2011 (BLOCOS 2º Ano) Setembro 2011 (Concurso Especial de Acesso) Setembro 2011 (Anos avançados) 1 19 Setembro 2011 (Matrícula Novos Alunos) 2 Mudanças de Turma e Alterações de Inscrição às Disciplinas Opcionais Setembro 2011 Inscrições em Melhorias de Nota (Tesouraria) Exame de Aferição de Inglês (obrigatório para Alunos do 1º Ano) Setembro 2011 (Inscrições tardias Alunos Intercâmbio Incoming) 19 Novembro 2011 Período de Exames (1ª e 2ª Época) Janeiro ª Época de Exames Janeiro 2012 Inscrições em Exames de 2ª Época 3 19 Janeiro ª Época de Exames Janeiro 2012 SEMESTRE DE PRIMAVERA Período Lectivo (inclui aulas e exames) 08 Fevereiro 28 Junho 2012 Período de Aulas 08 Fevereiro 23 Maio 2012 Período de Inscrições Fevereiro 2012 (BLOCOS 1º Ano) Fevereiro Welcome Meeting Alunos Intercâmbio Incoming 07 Fevereiro 2012 Mudanças de Turma e Alterações de Inscrição às Disciplinas Opcionais Fevereiro 2012 Inscrições em Melhorias de Nota (Tesouraria) Período de Exames (1ª e 2ª Época) 30 Maio 28 June ª Época de Exames 30 Maio 12 June 2012 Inscrições em Exames de 2ª Época Junho ª Época de Exames Junho Fevereiro 2012 (Inscrições tardias Alunos Intercâmbio Incoming) 1 Inscrição efectua-se online. 2 Inscrição efectua-se presencialmente. 3 Inscrição prévia é obrigatória. 4

6 C.2 Calendários do Programa de Intercâmbio 1º Semestre 2º Semestre Sessões de Apresentação 3 de Novembro (18:30) Fevereiro (data, local e hora a definir) Candidaturas de Novembro 1-15 de Março Divulgação do ranking 30 de Novembro 20 de Março Sessão Before Packing - Maio (data, local e hora a definir) C.3 Calendário de Módulos de Competências Pessoais 1º Semestre 1452 Comunicação Escrita Sessão 1 Sessão 2 Sessão 3 Sessão 4 Sessão 5 Sessão 6 Data 12 Out. 19 Out. 26 Out. 09 Nov. 23 Nov. 14 Dez. Hora e sala: 17:00-20:00, A Comunicação Oral Sessão 1 Sessão 2 Sessão 3 Sessão 4 Sessão 5 Sessão 6 Data 11 Out. 18 Out. 25 Out. 08 Nov. 22 Nov. 13 Dez. Hora e sala: 17:00-20:00, A Trabalho em Equipa Sessão 1 Sessão 2 Sessão 3 Sessão 4 Sessão 5 Sessão 6 Data 08 Out. 22 Out. 05 Nov. 12 Nov. 26 Nov. 03 Dez. Hora e sala: 09:00-18:00 (Sábado), A Jogo de Empresa Hora e sala: Consultar Horários 1456 Introdução à Negociação Sessão 1 Sessão 2 Sessão 3 Sessão 4 Sessão 5 Sessão 6 Data 24 Set. 01 Out. 15 Out. 29 Out. 12 Nov. 26 Nov. Hora e sala: 09:30-12:30 e 14:00-17:00 (Sábado), 118 e 119 5

7 C.4 Calendários de Exames 1º Semestre DISCIPLINA 1ª ÉPOCA 2ª ÉPOCA DIA HORA DIA HORA 1100 Introdução à Microeconomia 10 Jan. 08:30 28 Jan. 11: Introdução à Macroeconomia 04 Jan. 11:30 26 Jan. 11: Microeconomia 10 Jan. 11:30 28 Jan. 14: Macroeconomia 04 Jan. 14:30 26 Jan. 14: Seminário de Economia Europeia 10 Jan. 14:30 27 Jan. 14: Informação e Jogos 13 Jan. 14:30 26 Jan. 08: Políticas Microeconómicas 09 Jan. 08:30 28 Jan. 14: Políticas Macroeconómicas 13 Jan. 08:30 24 Jan. 17: Economia do Desenvolvimento 05 Jan. 08:30 23 Jan. 17: A Economia Global 04 Jan. 08:30 25 Jan. 08: Introdução à Empresa 03 Jan. 08:30 23 Jan. 17: Contabilidade Financeira 12 Jan. 11:30 27 Jan. 11: Contabilidade de Gestão 12 Jan. 14:30 27 Jan. 08: Finanças 03 Jan. 11:30 23 Jan. 08: Marketing 04 Jan. 17:30 24 Jan. 17: Gestão de Operações 06 Jan. 08:30 25 Jan. 17: Comportamento Organizacional 13 Jan. 11:30 26 Jan. 17: Estratégia 09 Jan. 11:30 28 Jan. 17: Sistemas de Informação 11 Jan. 08:30 27 Jan. 14: Gestão Internacional 12 Jan. 08:30 26 Jan. 08: Cálculo I 02 Jan. 11:30 23 Jan. 11: Cálculo II 02 Jan. 14:30 23 Jan. 14: Álgebra Linear 06 Jan. 11:30 25 Jan. 11: Análise de Dados e Probabilidade 05 Jan. 11:30 24 Jan. 11: Estatística para Economia e Gestão 05 Jan. 14:30 24 Jan. 14: Econometria 05 Jan. 17:30 24 Jan. 08: Direito para Economia e Gestão 09 Jan. 14:30 27 Jan. 17: Direito Europeu 11 Jan. 14:30 28 Jan. 17: História Moderna e Contemporânea 11 Jan. 11:30 28 Jan. 08: Ética e Responsabilidade Social 03 Jan. 14:30 24 Jan. 08: Pensamento Crítico 06 Jan. 17:30 25 Jan. 14:30 6

8 2º Semestre DISCIPLINA 1ª ÉPOCA 2ª ÉPOCA DIA HORA DIA HORA 1100 Introdução à Microeconomia 08 Jun. 08:30 26 Jun. 11: Introdução à Macroeconomia 02 Jun. 10:00 28 Jun. 08: Microeconomia 08 Jun. 11:30 26 Jun. 14: Macroeconomia 01 Jun. 14:30 28 Jun. 11: Seminário de Economia Europeia 08 Jun. 14:30 27 Jun. 17: Informação e Jogos 11 Jun. 17:30 28 Jun. 08: Políticas Microeconómicas 06 Jun. 08:30 26 Jun. 14: Políticas Macroeconómicas 31 Mai. 08:30 23 Jun. 17: Economia do Desenvolvimento 01 Jun. 08:30 22 Jun. 11: A Economia Global 04 Jun. 17:30 25 Jun. 08: História Económica 06 Jun. 17:30 27 Jun. 08: Introdução à Empresa 31 Mai. 11:30 22 Jun. 14: Contabilidade Financeira 12 Jun. 08:30 27 Jun. 08: Contabilidade de Gestão 12 Jun. 11:30 27 Jun. 11: Finanças 31 Mai. 14:30 25 Jun. 08: Marketing 01 Jun. 17:30 23 Jun. 08: Gestão de Operações 05 Jun. 08:30 25 Jun. 17: Comportamento Organizacional 30 Mai. 17:30 28 Jun. 14: Estratégia 06 Jun. 11:30 26 Jun. 08: Sistemas de Informação 11 Jun. 08:30 27 Jun. 11: História Empresarial 05 Jun. 17:30 23 Jun. 11: Empreendedorismo 30 Mai. 08:30 22 Jun. 17: Gestão Internacional 12 Jun. 14:30 28 Jun. 11: Cálculo I 30 Mai. 11:30 22 Jun. 08: Cálculo II 30 Mai. 14:30 22 Jun. 11: Álgebra Linear 05 Jun. 11:30 25 Jun. 11: Análise de Dados e Probabilidade 04 Jun. 08:30 23 Jun. 08: Estatística para Economia e Gestão 09 Jun. 10:00 23 Jun. 11: Econometria 04 Jun. 14:30 23 Jun. 14: Direito para Economia e Gestão 11 Jun. 11:30 27 Jun. 14: Direito Empresarial 11 Jun. 14:30 26 Jun. 17: História Moderna e Contemporânea 06 Jun. 14:30 26 Jun. 08: Ética e Responsabilidade Social 31 Mai. 17:30 23 Jun. 14: Pensamento Crítico 05 Jun. 14:30 25 Jun. 14: Ciências Sociais 12 Jun. 17:30 28 Jun. 17:30 7

9 D - ESTRUTURA DO CURSO D.1 Regras Gerais/ Créditos 1. As Licenciaturas em Economia e Gestão estão estruturadas em semestres. A cada disciplina/cadeira corresponde um número de créditos ECTS (European Credit Transfer System). Quando a disciplina é frequentada com aproveitamento, é atribuído ao aluno o correspondente número de ECTS. 2. Todas as disciplinas têm uma duração semestral, à excepção dos Módulos de Competências Pessoais, e das cadeiras de Ética e Responsabilidade Social e de Pensamento Crítico, as quais têm a duração de 1 mês cada. 3. Para a concessão do grau de Licenciado é obrigatória a inscrição em pelo menos seis semestres lectivos e que sejam respeitadas as regras constantes nos pontos seguintes: a. Obtenção de um número total de créditos entre um mínimo de 180 ECTS e um máximo de 195 ECTS. b. Frequência com aproveitamento ou dispensa a todas as Cadeiras Obrigatórias. c. Frequência com aproveitamento ou dispensa a todos os Módulos de Competências Pessoais. d. Preenchimento do Requisito de Internacionalização. e. No caso da Licenciatura em Economia, obtenção de um mínimo de 30 ECTS em Cadeiras Optativas da Área de Economia. 4. Em cada semestre pode ser efectuada a inscrição num máximo de 37,5 ECTS. Não contam para este limite os Módulos de Competências Pessoais. No último semestre do curso, este limite pode ser ultrapassado, até ao máximo de 45 ECTS, devendo o aluno solicitar autorização prévia em Requerimento Não Descriminado. D.2 Disciplinas Obrigatórias 5. As disciplinas obrigatórias para a Licenciatura em Economia são as seguintes: LICENCIATURA EM ECONOMIA ECTS ECTS 1100 Introdução à Microeconomia 7, Álgebra Linear 7, Introdução à Macroeconomia 7, Análise de Dados e Probabilidade 7, Microeconomia 7, Estatística para Economia e Gestão 7, Macroeconomia 7, Econometria 7, Seminário de Economia Europeia 7, Direito para Economia e Gestão 7, Introdução à Empresa 7, História Moderna e Contemporânea 7, Contabilidade Financeira 7, Ética e Responsabilidade Social 2, Finanças 7, Pensamento Crítico 2, Cálculo I 7, Módulos de Competências Pessoais 2, Cálculo II 7,5 8

10 6. As disciplinas obrigatórias para a Licenciatura em Gestão são as seguintes: LICENCIATURA EM GESTÃO ECTS ECTS 1100 Introdução à Microeconomia 7, Sistemas de Informação 7, Introdução à Macroeconomia 7, Cálculo I 7, Microeconomia 7, Cálculo II 7, Macroeconomia 7, Álgebra Linear 7, Introdução à Empresa 7, Análise de Dados e Probabilidade 7, Contabilidade Financeira 7, Estatística para Economia e Gestão 7, Contabilidade de Gestão 7, Direito para Economia e Gestão 7, Finanças 7, História Moderna e Contemporânea 7, Marketing 7, Ética e Responsabilidade Social 2, Gestão de Operações 7, Pensamento Crítico 2, Comportamento Organizacional 7, Módulos de Competências Pessoais 2, Estratégia 7,5 7. Chama-se a atenção para o facto de cerca de 75% das disciplinas leccionadas ao longo do curso (em especial a partir do 2º ano), serem leccionadas em Inglês, recomendando-se um nível de Inglês B2 no Quadro de Referência Europeu. 8. Os alunos poderão obter dispensa de algumas destas disciplinas através de disciplinas realizadas com sucesso em programas de Intercâmbio com universidades estrangeiras que tenham correspondência reconhecida através da tabela de correspondências automáticas (disponível na intranet) ou mediante prévia autorização do Coordenador Académico de Intercâmbio. D.3 Módulos de Competências Pessoais 9. A Cadeira Módulos de Competências Pessoais inclui diversos módulos a completar durante a Licenciatura, conforme o seguinte calendário: MÓDULOS 1ºANO 2º ANO 3º ANO 1º sem. 2º sem. 1º sem. 2º sem. 1º sem. 2º sem. Comunicação Escrita Gestão Economia Comunicação Oral Gestão Economia Trabalho em Equipa Economia Gestão Introdução à Negociação Gestão Economia Jogo de Empresa Gestão Economia 10. Os alunos são aprovados ou reprovados de acordo com critérios próprios definidos para cada módulo, não sendo atribuída uma classificação final. Serão contabilizados os ECTS correspondentes quando sejam frequentados com aproveitamento todos os módulos incluídos. D.4 Disciplinas Optativas 11. Para completar a Licenciatura em Economia é necessário completar um mínimo de 30 ECTS em Disciplinas Optativas da Área de Economia. Estas disciplinas, bem como outras Optativas disponíveis para completar os ECTS necessários, estão dispostas no quadro seguinte: 9

11 LICENCIATURA EM ECONOMIA DISCIPLINAS OPTATIVAS DA ÁREA DE ECONOMIA (MIN 30 ECTS) ECTS ECTS 1105 Informação e Jogos 7, Economia do Desenvolvimento 7, Políticas Microeconómicas 7, A Economia Global 7, Políticas Macroeconómicas 7, História Económica 7,5 OUTRAS DISCIPLINAS OPTATIVAS PARA COMPLETAR REQUISITO DE ECTS 1202 Contabilidade de Gestão 7, Empreendedorismo 7, Marketing 7, Gestão Internacional 7, Gestão de Operações 7, Direito Europeu 7, Comportamento Organizacional 7, Direito Empresarial 7, Estratégia 7, Ciências Sociais 7, Sistemas de Informação 7, Ciência Política 7, História Empresarial 7,5 12. As Disciplinas Optativas para completar os ECTS necessários para a obtenção da Licenciatura em Gestão são as seguintes: LICENCIATURA EM GESTÃO ECTS ECTS 1104 Seminário de Economia Europeia 7, História Empresarial 7, Informação e Jogos 7, Empreendedorismo 7, Políticas Microeconómicas 7, Gestão Internacional 7, Políticas Macroeconómicas 7, Econometria 7, Economia do Desenvolvimento 7, Direito Europeu 7, A Economia Global 7, Direito Empresarial 7, História Económica 7, Ciências Sociais 7,5 13. Os alunos poderão completar os ECTS necessários à obtenção do grau de Licenciado através de Disciplinas Optativas realizadas com sucesso em programas de Intercâmbio com universidades estrangeiras, mediante autorização prévia do Coordenador Académico de Intercâmbio. Os ECTS obtidos, bem como a nota, serão os atribuídos na universidade estrangeira. 14. No caso da licenciatura em Economia, os alunos poderão obter ECTS para completar o mínimo de disciplinas dessa área através de disciplinas realizadas com sucesso em programas de Intercâmbio nos moldes referidos no número anterior. 10

12 D.5 Planos de Estudos 15. O Plano de Estudos recomendado para a Licenciatura em Economia é o seguinte: PLANO DE ESTUDOS LICENCIATURA ECONOMIA ANO SEM DISCIPLINAS MÓDULOS 1º 2º 3º 1º 2º Introdução à Microeconomia Introdução à Macroeconomia Cálculo I Álgebra Linear Análise de Dados e Probabilidades Estatística para Economia e Gestão 1º Microeconomia Cálculo II Econometria Ética 2º Macroeconomia 1º 2º Seminário de Economia Europeia ou Optativa Seminário de Economia Europeia ou Optativa História Moderna e Contemporânea Direito para Economia e Gestão Contabilidade Financeira Introdução à Empresa Finanças Optativa Optativa Optativa Pensamento Crítico Exame de Aferição de Inglês Com. Oral Trabalho em Equipa Introdução à Negociação Com. Escrita Optativa Optativa Optativa Jogo de Empresa 16. Relativamente à Licenciatura em Gestão: PLANO DE ESTUDOS LICENCIATURA GESTAO ANO SEM DISCIPLINAS MÓDULOS 1º 2º 1º 2º Introdução à Macroeconomia Introdução à Microeconomia 1º Macroeconomia Álgebra Linear Cálculo I História Moderna e Contemporânea 2º Microeconomia Cálculo II Direito para Economia e Gestão Análise de Dados e Probabilidades Estatística para Economia e Gestão Contabilidade de Gestão Introdução à Empresa Contabilidade Financeira Finanças Ética Pensamento Crítico Exame de Aferição de Inglês Com. Escrita Com. Oral Introdução à Negociação Trabalho em Equipa 3º 1º Marketing 2º Estratégia Gestão de Operações Sistemas de Informação Comportamento Organizacional Optativa Optativa Optativa Jogo de Empresa 11

13 D.6 Precedências 17. Dado o conteúdo programático de certas disciplinas, a aprovação prévia de algumas cadeiras é exigida. Em situações excepcionais, os alunos podem requerer o levantamento da precedência por requerimento por ao Conselho Pedagógico É condição necessária mas não suficiente para consideração do pedido que o aluno tenha frequentado e ido a exame pelo menos uma vez à cadeira precedente. O requerimento será avaliado pelo Conselho Pedagógico. 12

14 18. Devem ser respeitadas as precedências indicadas no mapa seguinte: Para se inscrever em... Deverá ter completado Introdução à Microeconomia Introdução à Macroeconomia Microeconomia Macroeconomia Introdução à Empresa Contabilidade Financeira Cálculo I Álgebra Linear Análise de Dados e Probabilidade Estatística para Economia e Gestão Microeconomia Macroeconomia Seminário de Economia Europeia Informação e Jogos Políticas Microeconómicas Políticas Macroeconómicas Economia do Desenvolvimento A Economia Global História Económica Contabilidade de Gestão Finanças Marketing Gestão de Operações Comportamento Organizacional Estratégia Sistemas de Informação Empreendedorismo Gestão Internacional Cálculo II Estatística para Economia e Gestão Econometria Ética e Responsabilidade Social D.7 Requisitos e Menções Adicionais D.7.i Requisito de Internacionalização 19. O Requisito de Internacionalização pode ser satisfeito por pelo menos uma das quatro condições seguintes: a. Estadia em universidade estrangeira ao abrigo de protocolos de Intercâmbio reconhecidos e previamente aprovados, com contabilização de créditos obtidos depois de estabelecidas as respectivas correspondências. O aluno cumpre o Requisito de Internacionalização frequentando entre 30 a 37,5 ECTS e ter tido aproveitamento em pelo menos 15 ECTS, após creditação pelo Coordenador Académico de Intercâmbio. Estas disciplinas são igualmente contabilizadas para o limite máximo de ECTS permitido. (Para mais informação consultar o capitulo Programas de Intercâmbio ) 13

15 b. Estágio em organizações no estrangeiro, com a duração mínima de dois meses, previamente aprovado. O aluno deverá entregar no Gabinete de Licenciaturas um pedido de realização de estágio, juntamente com a descrição do mesmo, o qual terá de ser aprovado pelo Director de Licenciaturas. Para cumprir o requisito, o aluno deve entregar no GL um relatório e a avaliação do responsável da empresa pelo estágio, havendo ainda a possibilidade de lhe ser pedida a apresentação de um seminário sobre as actividades do estágio. c. Frequência com aprovação em cursos das áreas de Economia ou Gestão oferecidos por instituições estrangeiras, com a duração mínima de um mês. O aluno deverá requerer autorização prévia junto do GL. Note-se que os créditos obtidos nestes cursos não são contabilizados para conclusão da Licenciatura. d. Aproveitamento em pelo menos duas das seguintes disciplinas: Seminário de Economia Europeia A Economia Global Gestão Internacional Direito Europeu Instituições Internacionais D.7.ii Menção de Inglês 20. O nível mínimo recomendado para a frequência de disciplinas leccionadas em Inglês nas Licenciaturas da NovaSBE é o nível B2 do Quadro de Referência Europeu. 21. No 1º semestre do 1º ano, todos os alunos terão de realizar um Exame de Aferição de Inglês (ver Calendário Académico). Cada aluno receberá uma comunicação individual do resultado do seu exame e uma recomendação sobre as suas necessidades de formação adicional para atingir o nível mínimo recomendado. 22. Caso o aluno falte ao teste no primeiro poderá realizá-lo num dos anos lectivos seguinte, mediante o pagamento de uma taxa de 50 EUR. 23. O resultado obtido no teste de aferição constará no Suplemento ao Diploma emitido no final da Licenciatura. 24. O aluno tem direito a um segundo Exame de Aferição de Inglês de melhoria, no mínimo um ano após o primeiro teste. Caso o aluno obtenha uma avaliação de nível superior, esse resultado substituirá o anterior. 25. Caso o aluno não realize o exame de aferição durante a Licenciatura será explicitado no Suplemento ao Diploma que a NovaSBE não pode certificar o nível de Inglês do aluno. 26. O nível mínimo recomendado para candidatura aos Mestrados da NovaSBE corresponde ao nível B2 do Quadro de Referência Europeu. A realização do Exame de Aferição de Inglês durante a Licenciatura e o seu resultado constituem um critério importante de selecção na admissão aos Mestrados da NovaSBE. D.7.iii Menção de Cidadania 27. Com o objectivo de reforçar a formação em responsabilidade social, os alunos podem obter uma menção de cidadania, que constará do seu Suplemento ao Diploma, através de diversas formas: a. Participação formal e activa em órgãos associativos da NovaSBE relevantes durante um ano, mediante aprovação do Director de Licenciaturas. b. Participação no Programa NOVACidadania, um programa de voluntariado ao nível local, nacional ou internacional para alunos da NovaSBE. O programa pressupõe o exercício continuado de voluntariado acompanhado (mínimo 2 horas por semana, durante 10 semanas), regulado num protocolo de cooperação entre a NovaSBE, o aluno e a organização de acolhimento. Mais informações sobre o Programa na intranet ou através do 14

16 28. Para obter esta menção, o aluno terá de cumprir com os requisitos previstos no âmbito deste programa que é coordenado pelo Gabinete de Desenvolvimento de Alunos. D.8 Disciplinas Avulsas 29. A partir do 4.º semestre de inscrição inclusive, os alunos podem realizar disciplinas avulsas em qualquer Faculdade ou Instituto da Universidade Nova de Lisboa, desde que os conteúdos das mesmas não se sobreponham aos das disciplinas oferecidas na NovaSBE e até a um limite máximo de 15 créditos ECTS. 30. Os conteúdos das disciplinas avulsas devem ser aprovados pelo Director Académico das Licenciaturas antes da inscrição nas mesmas. Para isso, os alunos devem entregar no GL, pelo menos 15 dias antes do inicio da disciplina, um requerimento em impresso próprio, disponível na área pessoal dos alunos, juntamente com o programa da(s) disciplina(s) que pretendem frequentar. 31. Até duas semanas antes do início do período de inscrições do semestre seguinte, o aluno deve apresentar no GL um certificado comprovativo da aprovação na disciplina (original) para que lhe sejam confirmados os referidos créditos. 32. As disciplinas avulsas não contam para os limites máximos de ECTS permitidos semestralmente. 33. Os alunos podem também realizar disciplinas avulsas ao abrigo de um programa de Intercâmbio. 34. Cursos de lnglês não serão aceites. E - PRESCRIÇÕES 35. A prescrição significa a caducidade da matrícula do aluno na Faculdade e pode suceder quando o aluno não cumpre o mínimo de créditos num determinado número de semestres, sendo este regime aplicado a todos os alunos. 36. O progresso mínimo exigido ao aluno é o seguinte: Ao fim de 2 semestres Ao fim de 4 semestres Ao fim de 6 semestres Ao fim de 8 semestres Ao fim de 10 semestres 22,5 ECTS 60,0 ECTS 97,5 ECTS 135,0 ECTS Conclusão da Licenciatura 37. O progresso mínimo igualmente exigido para efeitos de prescrição aos alunos que entram pelo regime de transferência, mudança de curso ou reingresso, é de 37,5 ECTS por cada ano lectivo de frequência. 38. As situações de prescrição são apuradas anualmente após o final do ano lectivo e comunicadas aos alunos em causa através de carta registada para a morada da sua residência permanente. 39. Caso o aluno considere legítimo, pode solicitar o desconto de semestres lectivos (para efeitos de levantamento de prescrição) ao Conselho Pedagógico O Conselho Pedagógico poderá descontar um máximo 2 semestres na contagem de créditos para efeitos de prescrição. 40. Caso o aluno veja a sua situação de prescrição levantada terá obrigatoriamente de se inscrever na Faculdade no semestre seguinte. Caso contrário, o levantamento da prescrição ficará sem efeito, e o aluno prescreverá automaticamente. 41. Os alunos prescritos têm a possibilidade de reingresso uma única vez passado um período mínimo de um ano e num prazo máximo de 5 anos, após a prescrição. Os prazos para pedidos de reingresso decorrem na primeira quinzena de Agosto. As regras devem ser consultadas no portal da Faculdade. 42. O aluno pode interromper a frequência do curso durante um semestre, mantendo a matrícula anual e pagando a respectiva propina. Este semestre de interrupção não conta para efeitos de prescrição, 15

17 desde que o progresso mínimo esteja a ser cumprido. Para tal, o aluno deverá comunicar formalmente ao GL a intenção de interromper os estudos, antes do início do semestre. 43. Caso o aluno interrompa os seus estudos por um período superior a um semestre, terá de solicitar o reingresso que será submetido à aprovação por um júri nomeado para a avaliação dos processos. F - HORÁRIOS E INSCRIÇÕES F.1 Horários 44. Os horários das aulas teóricas e práticas, bem como os horários de exames, são publicados com um mínimo de uma semana antes do período de inscrições. Antes de se inscrever, o aluno deverá consultar os avisos e os horários na intranet. 45. A elaboração de horários é um processo complexo, tendo de responder a inúmeras restrições. O GL procura facultar aos alunos um horário sem furos, concentrando aulas de manhã ou de tarde. 46. Os horários estão organizados em dois formatos: por Blocos e por turmas livres. O Bloco inclui as aulas teóricas e práticas correspondentes a um semestre do plano curricular, dispostos num horário com um mínimo de furos, concentrado de manhã ou de tarde, e sem aulas à sexta-feira. Os alunos inscritos num bloco terão assim acesso a um horário optimizado. 47. As turmas livres permitem ao aluno compor um horário personalizado, escolhendo as turmas para cada disciplina. Cabe ao aluno a responsabilidade de compor o seu horário de forma a evitar sobreposições. F.2 Inscrições em Blocos 48. O acesso aos Blocos está disponível apenas para alunos com um mínimo de ECTS aprovados. Têm acesso aos Blocos alunos até ao 4º semestre que tenham obtido um mínimo de créditos, de acordo com os seguintes valores: Semestre 1: Todos os alunos no seu 1º semestre (chegada à NovaSBE) são automaticamente inscritos nos Blocos. Semestre 2: Alunos que tenham obtido 30 ECTS no Semestre 1 Semestre 3: Alunos que tenham obtido 60 ECTS nos Semestres 1 e 2 Semestre 4: Alunos que tenham obtido 87,5-90 ECTS nos Semestres 1, 2 e O número máximo de ECTS de inscrição por semestre, incluindo cadeiras a realizar em programas de Intercâmbio, é de 37,5. Os Módulos de Competências Pessoais não contam para este limite. O desrespeito desta regra tem como consequência a anulação das inscrições, ficando o aluno sujeito a uma multa e ao limite de vagas caso queira reinscrever-se. 50. No último semestre do curso, o limite de créditos de inscrição pode ser ultrapassado, até ao máximo de 45 ECTS, devendo o aluno no entanto, solicitar autorização prévia ao Conselho Pedagógico Os alunos que vejam o seu pedido deferido terão de realizar as suas inscrições presencialmente no GL, e não pela intranet. 51. A partir da 2ª inscrição os alunos poderão inscrever-se através do Portal, em 2 dias subsequentes. O sistema estará disponível entre as 09 horas do primeiro dia de inscrições até às 17 horas do dia seguinte, sendo que o GL estará aberto das 9 às 17 horas em cada um dos dias de forma a providenciar o apoio e o suporte aos alunos e ao sistema. As datas de inscrição encontram-se no Calendário Escolar (consultar Calendário no início do Manual). 52. O aluno que pretenda inscrever-se às duas disciplinas de Ética e Responsabilidade Social e Pensamento Crítico, deverá frequentá-las em meses diferentes uma vez que o horário destas cadeiras é coincidente. O Gabinete de Licenciaturas não procederá a alterações destas inscrições à posteriori. 53. O limite máximo de vagas estabelecido para as turmas práticas é de 30 para as cadeiras obrigatórias e de 40 para as optativas. No entanto, este limite poderá ser aumentado em situações pontuais, no caso de aumentos inesperados da procura. 16

18 54. O número mínimo de inscrições para o funcionamento de uma disciplina ou turma é 7. Caso uma turma não preencha este mínimo, esta poderá ser encerrada e os alunos poderão ser contactados pelo Gabinete de Licenciaturas para alterarem a sua inscrição. 55. O dia para mudanças de turmas encontra-se disponível no Calendário Escolar. F.3 Alteração de Inscrição 56. Mudanças de turma após as datas previstas no Calendário Escolar ficam sujeitas ao pagamento de multa que é fixada em função do número de dias de atraso em relação ao prazo estipulado. 57. O aluno é responsável por se inscrever em turmas em que não haja sobreposição de horários. Caso não haja horários disponíveis, o aluno deverá contactar o Gabinete das Licenciaturas. 58. É possível anular a matrícula durante trinta dias após o início das aulas. A anulação deverá ser feita presencialmente junto do Gabinete de Licenciaturas, sob pena de ficar em dívida o pagamento da propina anual. A anulação da matrícula impede a inscrição no ano lectivo seguinte. G - AVALIAÇÕES E EXAMES G.1 Avaliação Contínua 59. A avaliação de conhecimentos é feita numa base individual, sendo o seu resultado expresso na classificação final numa escala de 0 a 20 valores. O aproveitamento em cada disciplina é determinado pela classificação final, que deve ser igual ou superior a 10 valores. 60. A forma de avaliação de cada disciplina é definida pelo Regente (dentro dos limites estabelecidos), e comunicada no início do semestre, em documento de apresentação do conteúdo e regras de funcionamento da mesma, assim como na informação da disciplina que consta na área pessoal do aluno. 61. A classificação da disciplina resulta da ponderação das seguintes notas: a. Exame Final (obrigatório e abrangendo toda a matéria), com um peso entre 30 a 70%; b. Avaliação contínua, que pode incluir: participação nas aulas, classificação em trabalhos, testes, e/ou outras provas. 62. A avaliação escrita individual presencial (exame final e testes) não poderá ter uma ponderação inferior a 50%. 63. Caso o aluno falte a um teste intermédio, terá de justificar a ausência ao Conselho Pedagógico, nos 5 dias úteis seguintes à data do teste. Só serão aceites justificações por motivos excepcionais devidamente comprovados, que não pudessem ter sido antecipados antes da realização do referido teste. Caso não seja apresentada justificação válida o aluno terá uma nota de 0 (zero) no teste. Não serão aceites atestados médicos com menos de 3 dias. Um relatório médico terá de acompanhar qualquer atestado médico apresentado. No caso de intervenções cirúrgicas ou tratamentos médicos inadiáveis, o aluno tem de comunicar ao GL a data prevista entregando comprovativo médico. 64. Caso a justificação seja aceite pelo Conselho Pedagógico, o regente da cadeira poderá optar entre a realização de uma prova de substituição ou de um exame especial (com uma carga de trabalho adicional). Caso opte por uma prova de substituição, esta poderá ter uma forma diferente do teste inicial, podendo incluir o pedido de um trabalho adicional ou de uma avaliação oral. O regente não pode simplesmente transferir o peso do teste na avaliação contínua para o exame final. G.2 Exames de 1ª e 2ª Época 65. Em cada semestre existem 2 épocas de exame, denominadas de 1ª e 2ª época (ver Calendário de Exames), aplicando-se em ambas as épocas as regras de ponderação referidas acima. 66. Os alunos inscritos nas cadeiras ficam somente inscritos no exame de 1ª época. 17

19 67. Para a realização de exames de 2ª época é necessário efectuar uma inscrição através da intranet nas datas indicadas no Calendário Escolar. Caso o aluno não se inscreva dentro do prazo estipulado não poderá realizar exames em 2ª época. 68. O número máximo de exames a realizar em 2ª época é de 2 por semestre. Todas as inscrições são validadas, e sempre que o aluno se inscreva em mais disciplinas do que as permitidas, todas as inscrições serão anuladas, estando uma eventual reinscrição sujeita a multa. 69. Não são permitidas inscrições a exames de 2ª época após a realização dos mesmos, nem são consideradas avaliações obtidas em exames realizados sem inscrição prévia. 70. A 2ª época de exames destina-se a alunos que reprovem no(s) exame(s) de 1ª época ou que, por motivos excepcionais não o(s) possam ter realizado. Assim sendo, não serão dadas permissões para ultrapassar o limite de exames de 2ª época com base em situações de doença ocasional ou acidente. G.3 Época Especial 71. A época especial de exames destina-se aos alunos Finalistas. 72. Consideram-se Finalistas os alunos a quem faltem duas cadeiras do curso para completarem a Licenciatura e às quais tenham estado inscritos no 1º ou 2º semestre do ano lectivo corrente. Estes alunos só poderão fazer 2 exames em Época Especial. 73. A época especial decorre imediatamente após a 2ª época de exames do 2º semestre (ver calendário escolar). 74. Habitualmente existe apenas uma turma para a realização do exame de época especial. No entanto, em casos em que haja mais do que uma turma, o exame poderá ser feito numa turma à escolha do aluno. 75. Nos exames de época especial, a regra de ponderação máxima de 70% da nota do exame final não é obrigatória. 76. As inscrições a esta época são feitas presencialmente no GL ou por G.4 Melhorias de Nota 77. É possível fazer melhoria de nota, mediante inscrição à disciplina no início do semestre nos prazos estipulados e pagamento de um valor definido anualmente na Tesouraria. Os alunos bolseiros dos SAS estão isentos deste pagamento. A inscrição fora do período estipulado ficará sujeita a multa e só será aceite até 4 dias antes da realização do exame. Não pode ser ultrapassado o período de um ano (dois semestres) a partir da data da aprovação à disciplina. 78. Não há lugar a reembolso caso o aluno desista de realizar a melhoria. 79. A desistência de uma melhoria é tida em conta para o número limite de melhorias. 80. Para os alunos que participaram num Programa de Intercâmbio, e caso a disciplina seja oferecida apenas no semestre em que estiveram fora, o prazo de realização do exame de melhoria é alargado um semestre, devendo o procedimento ser idêntico ao referido no número anterior para efeitos de inscrição e realização. 81. Podem também realizar melhorias os alunos que tenham terminado o curso no prazo máximo de um ano. Para isso, os alunos devem entregar na Tesouraria, juntamente com o pedido de Diploma, uma declaração solicitando adiamento da classificação final, que está disponível na intranet. 82. O número máximo de inscrições em melhorias de nota até à conclusão da Licenciatura é de três, não sendo possível repetir uma melhoria numa disciplina. 83. Não são permitidas melhorias de nota às disciplinas realizadas em outras escolas (Intercâmbio, Transferência) e creditadas na NovaSBE. 84. Nas melhorias de nota, a regra de ponderação máxima de 70% da nota do exame final não é obrigatória. 18

20 85. Nos casos em que a melhoria seja realizada no próprio semestre em que o aluno realizou a cadeira, o exame de 2ª época terá de ser feito na mesma turma. O aluno deve inscrever-se na Tesouraria até 4 dias antes do exame. Os exames de melhoria não contam para o limite de 2 exames de 2ª época por semestre. 86. Por outro lado, caso o aluno pretenda fazer a melhoria nos dois semestres posteriores, poderá fazêlo numa época e turma à sua escolha devendo o aluno inscrever-se no GL. O sistema de avaliação dependerá do Professor, e poderá implicar a realização de testes e outros elementos de avaliação contínua. O prazo para inscrição em Melhorias no Calendário Escolar. 87. A melhoria de nota nunca é possível em época especial. 88. A inscrição para a frequência de cadeiras em que o aluno pretenda realizar uma melhoria não conta para o limite de créditos. G.5 Notas Finais e Revisão de Provas 89. O prazo máximo recomendado para o lançamento das notas finais de cada disciplina é de 5 dias após o exame da respectiva disciplina. 90. As notas finais deverão ser consultadas directamente na intranet. Os regentes e assistentes não estão autorizados a revelar aos alunos qualquer informação sobre a sua nota final, bem como de publicar pautas. 91. Os serviços estão também proibidos de informar a nota aos alunos quer seja presencialmente, por telefone, ou por fax. 92. Os alunos podem consultar os exames, utilizando o horário estabelecido e anunciado pelo docente, no prazo máximo de 5 dias após a publicação dos resultados. 93. Caso o aluno não concorde com a classificação do seu exame pode solicitar a respectiva revisão ao Regente da disciplina até ao prazo máximo de 3 dias depois da consulta do exame. 94. Só serão considerados no processo de revisão erros grosseiros, onde esteja em causa o valor mais baixo entre 50% da cotação da pergunta ou 1 valor. Caso o regente considere ter havido um ou mais erros grosseiros na avaliação da pergunta, deverá enviar um relatório por escrito ao Conselho Pedagógico, descrevendo esses erros e as razões para a alteração da nota do aluno. Esta alteração deverá ser enviada ao Conselho Pedagógico, que a comunicará ao aluno, no prazo máximo de cinco dias após a revisão de provas. 95. No caso do erro advir do somatório dos parciais do exame ou da nota de avaliação contínua, a regra do limite mínimo à alteração de nota não se aplica. 96. Não podem ser solicitadas revisões de provas fora do período estipulado pelo regente, a menos que haja pévio acordo mútuo. G.6 Avaliação de Disciplinas e Docentes 97. As disciplinas e os docentes (regentes e assistentes) são avaliados pelos alunos semestralmente, através de inquéritos realizados no final do semestre. O resultado dos inquéritos finais, para além de comunicado ao docente, é sujeito a análise e divulgação pelo Conselho Científico. 98. O preenchimento dos inquéritos pelos alunos é obrigatório, incluindo o feedback detalhado e a sugestão de pistas para melhoramento. Este processo é fundamental para o objectivo de excelência de ensino que define a NOVA. 19

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC

REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC REGULAMENTO GERAL DE PROPINAS E PRESCRIÇÃO DO IPVC Artigo 1º Âmbito do regulamento 1. O presente regulamento define o regime do pagamento da propina pelos estudantes do IPVC inscritos a tempo integral,

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece o regime aplicável aos programas de intercâmbio, mobilidade de estudantes e cooperação internacional nos quais o IPAM

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. VI. Mobilidade internacional REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. VI. Mobilidade internacional REG-001/V00 Mobilidade de Estudos 1. Objeto O presente Regulamento define as regras de Mobilidade de Estudantes ao abrigo dos Programas Garcilaso (Laureate International Universities) e de Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE

AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS LICENCIATURAS ÍNDICE CAPÍTULO I - REGIMES DE AVALIAÇÃO Artigo 1º - Modalidades de avaliação CAPÍTULO II - AVALIAÇÃO CONTÍNUA Artigo 2.º - Regime de avaliação contínua

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. III. Disposições específicas para licenciaturas REG-001/V00 III. Disposições específicas para licenciaturas Artigo 1º Concessão do Grau 1. O grau de licenciado é conferido aos que, através da aprovação em todas as unidades curriculares obrigatórias e optativas

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE 1. Introdução O presente documento visa regulamentar as condições a que deve obedecer a mobilidade de estudantes,

Leia mais

Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra

Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra Regulamento Pedagógico da Universidade de Coimbra CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento Pedagógico (RP) estabelece um conjunto de normas e orientações gerais sobre o processo

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA CAPÍTULO I Objecto e conceitos Artigo 1.º Objecto O

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

Regulamento de Matrículas e Inscrições

Regulamento de Matrículas e Inscrições REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES Artigo 1 (Âmbito) O presente regulamento fixa as regras gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos ministrados nas Escolas do IPCA. Artigo 2.º (Competência)

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DO CURSO DE LISBOA (Aprovado, em conformidade com os princípios estabelecidos no Conselho Científico Plenário de 14 de Fevereiro de 2006 e ao abrigo

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

Universidade Católica de Angola 2015

Universidade Católica de Angola 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE ANGOLA Luanda Regulamento Académico da UCAN Página - 0 - CAPÍTULO I Matrículas e Inscrições Artigo 1º (Ingresso na UCAN) 1. A via normal de ingresso na UCAN é através do exame

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS FORMALIZAÇÃO DA CANDIDATURA 1. Quais são os prazos para formalizar a candidatura?

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS E DE ADMISSÃO A EXAME FINAL DO MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA VETERINÁRIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente Regulamento

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estudos

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012

REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 REGULAMENTO INTERNO 2011/2012 Exmo. Sr. ou Sr.ª Encarregado(a) de Educação Agora que o seu educando deu mais um passo no Universo Benfiquista, é com grande satisfação que

Leia mais

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA (Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Cientifico de 19 Fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DO APROVEITAMENTO DOS ESTUDANTES DO APROVEITAMENTO DOS CONSELHO PEDAGÓGICO Julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento e as normas de avaliação a aplicar

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE. Regulamento Pedagógico Específico INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA ALBERTO CHIPANDE Regulamento Pedagógico Específico Índice Regulamento Pedagógico específico... 1 Conceitos chaves:... 1 1. Disposições Gerais... 2 1.1. Regime

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MUSICA DE GAIA REGULAMENTO INTERNO PRELIMINAR. Artigo 1º Âmbito

CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MUSICA DE GAIA REGULAMENTO INTERNO PRELIMINAR. Artigo 1º Âmbito CONSERVATÓRIO SUPERIOR DE MUSICA DE GAIA REGULAMENTO INTERNO PRELIMINAR Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento Interno aplica-se indistintamente aos dois cursos ministrados no Conservatório Superior

Leia mais

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais]

[Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] [Regulamento Geral da Formação Graduada e Pós-Graduada no Instituto Politécnico de Leiria e Regimes Aplicáveis a Estudantes em Situações Especiais] CAPÍTULO IV Regimes especiais SECÇÃO I Estatuto de estudantes

Leia mais

REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG

REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG [Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março (republicado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) e do Regulamento de Mestrados da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO PEDAGÓGICO DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA [Aprovado em reunião do Conselho Pedagógico de 18 Março 2011, nos termos da línea

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria

Leia mais

Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC

Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC Aprovado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião da Comissão

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento destina-se a regular o acesso e ingresso nos cursos da Escola Superior Artística do Porto Guimarães, adiante designada por Escola.

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO

REGULAMENTO ACADÉMICO I. Disposições Gerais Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

Programa Erasmus Regras de mobilidade para alunos da ECT

Programa Erasmus Regras de mobilidade para alunos da ECT Programa Erasmus Regras de mobilidade para alunos da ECT Introdução O Programa Erasmus é uma iniciativa da União Europeia que fornece meios para a realização de períodos de mobilidade académica em instituições

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO UNIVERSIDADE DO MINHO 2008 REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE À OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS

Leia mais

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Regulamento da Avaliação de Conhecimentos nos Cursos da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento aplica-se às unidades curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Campus Universitário de Santo André Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares de Santo André REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DA LICENCIATURA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura

Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Instituto Politécnico de Beja Procedimentos Matrículas e Inscrições 2015/2016 1.º ciclo - Licenciatura Serviços Académicos (Sector I) Introdução O presente documento constitui um breve guia que visa ajudar

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos

Regulamento n.º 663/2010. Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º. Missão e Objectivos Regulamento n.º 663/2010 Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública (CEAGP) 11.ª Edição (2010-2011) Artigo 1.º Missão e Objectivos O CEAGP tem por missão propiciar uma formação generalista, de nível

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA)

REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) REGULAMENTO FINANCEIRO (LICENCIATURA) CIS, 2013 1 Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Regulamento Financeiro rege e disciplina os termos de prestação de propinas devidas pela frequência dos diversos cursos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO GAYA NORMAS REGULAMENTARES DAS LICENCIATURAS DO ISPGAYA Preâmbulo As presentes normas visam dar cumprimento ao estabelecido no artigo n.º14.º do Decreto- Lei n.º 74/2006, de 24 de março, na sua redação atual,

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO

REGULAMENTO FINANCEIRO REGULAMENTO FINANCEIRO Artigo 1.º (Âmbito) 1. O presente regulamento aplica-se a todos os cursos ministrados pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Artigo 2.º (Regimes de Pagamento

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL

SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL SECÇÃO I DIRIGENTE ASSOCIATIVO ESTUDANTIL 1.º INTRODUÇÃO O Decreto-Lei nº 152/91, de 23 de Abril, consagra o estatuto do dirigente associativo estudantil. O Decreto-Lei nº 55/96, de 22 de Maio, altera

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica

Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica Artigo 1.º Objeto e âmbito 1. O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos de Especialização Tecnológica, doravante designados

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE ACESSO E INGRESSO DO ESTUDANTE INTERNACIONAL NOS CURSOS DO 1.º CICLO DE ESTUDOS E MESTRADO INTEGRADO NA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Âmbito

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO E DE TRANSIÇÃO DE ANO Página 1 de 5 Artigo 1.º (disposições gerais) 1. O ISVOUGA Instituto Superior de Entre o Douro e Vouga, enquanto instituição de ensino politécnico, tem competência para ministrar cursos conducentes à atribuição

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

(Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º. Conceitos

(Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I. Artigo 1.º. Objecto. Artigo 2.º. Conceitos REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA

REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Preâmbulo O anterior Regulamento de Avaliação em vigor até 2011-2012 foi elaborado para um tipo

Leia mais

BOLSA FULBRIGHT / FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA PARA MESTRADO EM BELAS ARTES / DESENHO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS

BOLSA FULBRIGHT / FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA PARA MESTRADO EM BELAS ARTES / DESENHO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS BOLSA FULBRIGHT / FUNDAÇÃO CARMONA E COSTA PARA MESTRADO EM BELAS ARTES / DESENHO REGULAMENTO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto O presente Regulamento consagra as normas aplicáveis à atribuição

Leia mais

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto)

REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I. Secção I. (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) REGULAMENTO (RMIP) MATRÍCULAS, INSCRIÇÕES E PROPINAS CAPÍTULO I Secção I (Matrícula e Inscrições) Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento, destinado a todos os estudantes da UAL, tem por objectivo

Leia mais

Regulamento Financeiro

Regulamento Financeiro Regulamento Financeiro 09/12/2011 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Cursos de graduação... 3 1.1 Matrícula... 3 1.2 Propina... 3 1.3 Reduções... 4 1.4 Seguro escolar... 5 1.5 Penalizações... 5 2 Programas

Leia mais

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Escola Superior de Turismo e Hotelaria Instituto Politécnico da Guarda R E G U L A M E N T O D E A V A L I A Ç Ã O Data 2008-07-22 Conselho Científico Índice 1. Introdução... 3 2. Avaliação da aprendizagem...

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES

SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO ARTIGO 2º DEFINIÇÕES SERVIÇOS ACADÉMICOS REGULAMENTO DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES ARTIGO 1º ÂMBITO 1. O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos diferentes cursos das Escolas integradas

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo na FCTUC Aprovado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião da Comissão

Leia mais

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Coordenador de Mobilidade do Mestrado em: Engenharia Biológica (https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/cursos/mebiol/programas-de-mobilidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) Nos termos do disposto nos artigos 12º e 15º do Decreto-Lei

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP)

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) Critérios de elegibilidade do Estudante Erasmus Estatuto legal do estudante: Os estudantes devem ser nacionais de um estado membro participante no Programa de Aprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Regulamento de mobilidade internacional do programa Erasmus no ISAVE

Regulamento de mobilidade internacional do programa Erasmus no ISAVE Regulamento de mobilidade internacional do programa Erasmus no ISAVE Artigo 1º Objecto O presente Regulamento rege a mobilidade de estudantes, docentes e funcionários ao abrigo do Programa Erasmus no ISAVE

Leia mais

normas de carácter geral programa ERASMUS na vertente estudos

normas de carácter geral programa ERASMUS na vertente estudos programa ERASMUS+ 2016 2017 FACULDADE DE BELAS-ARTES UNIVERSIDADE DE LISBOA guia informativo do programa erasmus estudos o que é o programa ERASMUS +? O programa ERASMUS+, com início em Janeiro de 2014,

Leia mais

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio 1. Devo matricular-me na UAc mesmo indo para o estrangeiro? 2. Tenho de pagar propinas na UAc? 3. Tenho que pagar propinas na Universidade

Leia mais