O QUE AS ORGANIZAÇÕES BUSCAM E ALCANÇAM COM A TERCEIRIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Autores: Vitor Hugo Bernstorff e João Carlos da Cunha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE AS ORGANIZAÇÕES BUSCAM E ALCANÇAM COM A TERCEIRIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Autores: Vitor Hugo Bernstorff e João Carlos da Cunha"

Transcrição

1 1 O QUE AS ORGANIZAÇÕES BUSCAM E ALCANÇAM COM A TERCEIRIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Autores: Vitor Hugo Bernstorff e João Carlos da Cunha RESUMO Este artigo tem como objetivo caracterizar um processo de terceirização em áreas de Tecnologia da Informação (TI) e os resultados alcançados pelas organizações com este processo. Serão investigados os conceitos de terceirização, seu histórico, quais os fatores e os objetivos que levam à terceirização, o que as empresas deveriam ou não terceirizar e o que as organizações têm alcançado, ou seja, quais as vantagens percebidas pelo uso desta forma de gestão como estratégia. Os resultados de uma pesquisa de campo com 21 empresas quando comparado com os padrões encontrados na literatura especializada mostrou que a terceirização da informática, contrariando muitos autores, não reduz custos. Porém constatouse que a terceirização em TI, traz como principal vantagem, o acesso a novos recursos tecnológicos, tanto a nível de pessoal especializado como em tecnologias emergentes, o que pode levar à organização a melhor enfrentar a competitividade empresarial. 1 - EM BUSCA DA DEFINIÇÃO Os conceitos de terceirização levantados nos estudos já realizados apresentam grande diversidade. Aparentemente cada autor adaptou o conceito para seu estudo particular, não havendo ainda um padrão conceitual definido. Em seguida passamos a descrever os conceitos mais significativos visando construir o conceito que será utilizado nesse trabalho. A terceirização ou outsourcing, do inglês (literalmente: fornecimento externo): É um processo de transferência, dentro da firma (empresa-origem), de funções que podem ser executadas por outras empresas (empresa-destino). (BRASIL, 1993, p.7). Trata-se da transferência, para terceiros, de parte das atividades de uma empresa. (LEITE, 1994, p.3). Ou ainda, pode ser considerada como um processo de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros, com os quais se estabelece uma relação de parceria, ficando a empresa concentrada apenas em tarefas essencialmente ligadas ao negócio em que atua. (GIOSA, 1997, p.14). Embora hajam inúmeras semânticas para o termo, e novamente seguindo o raciocínio anterior, do consenso e da convergência, será adotada neste trabalho a expressão terceirizante para representar a contratante, empresa-mãe, empresa-origem ou subcontratante, e para enfatizar o relacionamento interfirma pautado na cooperação, adotaremos como parceira a contratada, empresa-destino, faccionista, fornecedora de serviços, provedora de serviços externos, subcontratada, terceira, terceirizada ou tomadora de serviços. Padronizaremos ainda, como internos para todo o pessoal da terceirizante e externos o pessoal da parceira. Para LEITE (1994), deve-se diferenciar a desverticalização da terceirização, sendo que na primeira, a extensão da cadeia produtiva é alterada (caso das montadoras de veículos) e a segunda, refere-se a transferências de atividades de apoio, como infra-estrutura, recursos humanos e tecnológicos. PINHEIRO (1997), alerta para uma certa confusão de taxonomia acadêmica e prática entre terceirização (originalmente relacionada a atividade-meio da organização) e subcontratação (relacionada à cadeia produtiva, desverticalização), sugerindo o uso da expressão externalização de atividades para as estratégias que visam aumento de flexibilização, produtividade, competitividade e focalização através da redução de custos, afirmando que A externalização de atividades é uma prática tão antiga quanto o capitalismo; todavia, adquire feições de nova porque, ao mesmo tempo que vem rompendo com o predomínio do discurso da eficiência localizada e individual, apresenta, também, tendências a

2 2 se consolidar como hegemônica. Alguns chegam a atribuir a esta mudança, uma dimensão paradigmática. (PINHEIRO, 1997, p.4). Constatou-se na bibliografia estudada, que a terceirização pode ser ora percebida como cadeia de valor estendida (extended value chain), bem como desburocratização, downsizing, empresas modulares, enterprise webs, enxugamento, make or buy, necessidade de fazer caixa, organizações em rede, organizações em trevo, rightsizing, teias de empreendimentos, verticalização da cadeia produtiva, etc. Não serão analisadas todas as definições e suas interseções com a terceirização, embora algumas expressões possuam caráter claramente diferenciado como, por exemplo, o downsizing, que visa basicamente o enxugamento da estrutura organizacional com redução de níveis hierárquicos e agilização do processo decisório, sem prever o processo de busca de parceria externa. Sem o objetivo de discutir neste trabalho a validade das expressões sugeridas, o termo terceirização será utilizada para a forma estratégica de gestão abrangendo desde a aquisição de insumos até a concessão, franquia ou uso de prepostos para negociar marca, produto e qualquer tipo de prestação ou compra de serviços. Para o processo como um mercado, geralmente do ponto de vista do parceiro, usar-se-á a expressão "negócio de outsourcing". 2 - HISTÓRICO DAS TERCEIRIZAÇÕES Para OLIVEIRA (1996) e LEIRIA (1995), a terceirização como nova forma de tecnologia de produção e gestão, originou-se na Segunda Grande Guerra Mundial, na indústria armamentista. O objetivo era aumentar a capacidade produtiva contratando de terceiros insumos básicos como componentes, embalagens, ferramentas, tintas e vernizes, deixando de atuar em toda a cadeia produtiva, consolidando-se na década de 50 nos Estados Unidos em seu desenvolvimento industrial. Observa-se porém, que tal estratégia possuía um certo caráter contingencial da indústria bélica para aquele momento, ou ainda como desverticalização conforme manifestado por LEITE (1994). Para SILVA & ALMEIDA (1997), a terceirização como subcontratação pode ter sido originado em 1859, que devido à abertura dos portos japoneses para a entrada de novas máquinas, principalmente da área têxtil, forçou grandes industrias a buscarem externamente pequenas empresas para viabilizar estas novas tecnologias entrantes naquele país. No contexto brasileiro, os mesmos autores constaram que a IBM já transferia parte de sua atividade meio para terceiros desde Embora o que faça da terceirização uma estratégia moderna seja o caráter de comprometimento e cooperação dada entre as empresas parceiras e terceirizantes, não se percebe na Big Blue, nas industrias bélica americana ou têxtil japonesa, o compromisso esperado em suas respectivas épocas. Para LEIRIA (1995), no Brasil, a prática da terceirização aportou junto com as indústrias automobilísticas que não passavam de simples montadoras, adquirindo insumos de diversos parceiros e autorizando revendedores. Como estratégia de gestão moderna, o outsourcing, original em língua inglesa, passou a se chamar terceirização graças ao programa da Riocell S.A. que em 1982, transferiu para terceiros parte de sua atividade-meio. Embora esta organização já tivesse contratado em 1976 uma empresa para realizar o transporte de seu pessoal e na década de 60 empresas para terraplanagem e preparo do solo, o autor caracteriza a desverticalização como uma estratégia não moderna de gestão, e o transporte de pessoal e o preparo do solo como uma simples subcontratação. Para OLIVEIRA (1996), no final da década de 80, inúmeras empresas brasileiras já haviam passado a contratar terceiros para realizar serviços de alimentação, contabilidade, digitação, limpeza, manutenção, vigilância, etc., ou seja, para serviços gerais. Para HENDRY (1997), as mudanças tecnológicas (principalmente da informação) levaram as organizações integradas (verticalizadas) a se transformarem em organizações em

3 3 rede. Ainda mais com a recessão econômica do final da década de 80, onde a ordem era cortar custos (importância no lucro gerado X capital imobilizado), mais a competitividade internacional, somaram os elementos determinantes para a terceirização como forma de gestão, relacionando esta nova estrutura organizacional com a ideologia política dos EUA e Inglaterra, baseada no individualismo, na eficiência, no profissionalismo e na orientação ao mercado, libertando o indivíduo das amarras organizacionais (determinando e gerindo sua própria carreira ou empresa) e transferindo funções do setor público para o privado. A primeira utilização da terceirização em TI foi constatada em 1989, quando a Kodak anunciou a terceirização da sua área de informática inteira, contratando a IBM, a Digital e a Businessland (KEYES, 1993). Ressalta-se que a EDS, uma das maiores empresas atuais do mercado de outsourcing, iniciou suas operações no início da década de 60 (LEITE, 1994), mas, na época, como bureau de serviços. No Brasil, segundo VIDAL (1993), a primeira empresa a anunciar a terceirização de todo seu serviço de processamento de dados foi a Shell em 1992, que contratou a Origin Brasil Participações (de origem holandesa desde 1990 no Brasil) por US$ 100 milhões para prestação dos serviços por oito anos, levando-a a dobrar sua capacidade de mão de obra em mais 200 funcionários. O mesmo autor ainda relata que a IBM e a EDS participaram da concorrência, mas que a EDS não ganhou devido à rigidez de suas normas e procedimentos. Portanto, tudo indica que a partir da década de 80, a desverticalização das empresas brasileiras, o crescente aumento das inovações tecnológicas, o início da globalização (entrada de novas empresas mais flexíveis no mercado mundial, onde tudo pode ser encontrado), e o empreendedorismo da Riocell S.A. deram início à demanda por terceirizações no Brasil, não significando uma reação direta de causa e efeito. Este novo modelo de gestão, estendeu-se, já no final daquela década, para áreas também estratégicas das organizações, como a da TI. 3 - O QUE LEVA AS ORGANIZAÇÕES À TERCEIRIZAÇÃO EM TI Antes de abordar os aspectos decisórios contemplados num processo de terceirização da TI, deve-se conhecer o espaço de atuação, o ambiente tecnológico e de recursos humanos, produção, e os aspectos sociais e políticos. Em relação à estes últimos destaca-se que a terceirização é um processo de mudança e como tal, gera conflitos e resistências que deverão ser minimizados através do profissionalismo, conhecimento profundo e claro sobre os objetivos a serem alcançados (OLIVEIRA, 1996). A tecnologia da informação como qualquer outra atividade ou serviço também segue esta tendência, embora com muitas peculiaridades onde o custo e o foco na atividade central deixa de ser o principal fator decisivo, mas definido conforme a estratégia organizacional, especificamente para se manter o controle sobre prazos e qualidade dos serviços de TI (LEITE, 1994). Para EARL (1998), a terceirização em tecnologia da informação originou-se da necessidade de cortar custos e reduzir pessoal devido às crescentes despesas com o setor de informática, geralmente não compatível com seu resultado para as organizações, ou seja, insatisfações quanto ao custo, a qualidade e o desempenho das unidades de TI. Segundo WANG (1995), os quatro principais motivos que levam uma organização a terceirizar sua área de informática, referem-se a diminuição do custo da produção, o foco na atividade alvo, o desgaste com recrutamento e treinamento e as incertezas no ciclo de vida dos sistemas. Estes motivos devem ser cuidadosamente analisados para não se caracterizar numa simples justificativa para uma decisão sem embasamento, pois o mesmo autor contraargumenta que o custo pode ser diminuído com maior eficiência interna; a informação sempre é foco ou atividade alvo; a formação do talento por meio de treinamento é que traz vantagem competitiva e que a terceirização não elimina a incerteza, mas transfere o risco.

4 Em Julho de 1997, o Gartner Group estimou que no ano 2000, 80% das grandes empresas utilizarão a terceirização para aumentar sua competitividade em TI, principalmente devido à falta de técnicos experientes (atualmente em Internet, desktop e telecomunicações) e a retomada de foco organizacional. Também apontam problemas de relacionamento entre terceirizantes e parceiros que, principalmente, devido à má definição de objetivos específicos (ou metas mal planejadas), acarretarão na desativação precoce de 10% dos acordos. Para SAVIANI (1998), terceirizar é modernizar culturas enraizadas e a conscientização desse modernismo cultural e profissional só será possível se a alta direção das empresas reavaliar suas posturas (geralmente centralizadoras, retrógradas e monopolizadoras), analisar criteriosamente o que deve ser terceirizado (não esquecendo dos talentos internos) e predispor-se com sinceridade à própria atualização profissional e cultural. Para ALVAREZ (1996), a mudança no estilo de gestão, transcende mudanças de cunho estruturais, e sem ela a terceirização não se torna possível. PINHEIRO (1997), descreve alguns fundamentos que levam as organizações a decidir pela terceirização: 1. A teoria da racionalidade limitada: diz respeito à obtenção de uma solução satisfatoriamente eficiente, baseada em processos heurísticos, sendo influenciada por crenças, valores, motivações, oportunismo, conhecimentos ou experiências acumuladas individualmente ou do grupo decisor. 2. A teoria dos custos de transação: é a busca pelo custo sempre menor, comparando-se o custo interno com os de mercado, dado somente pelo preço. 3. O foco no core competence: tem como objetivo principal diminuir o risco face à instabilidade e às mudanças constantes e velozes, dirigindo a organização para atuar em sua competência principal, ou em sua "razão de ser". 4. A cadeia produtiva: caracteriza-se pela busca de eficiência no pós guerra, como o caso da experiência japonesa, baseada na tecnologia gerencial melhor exemplificada pelos Programas de Controle da Qualidade Total e suprimento just in time (TQC/JIT) do sistema Toyota. Outro fato, foi a recessão de 70/80, caracterizada pela criação dos Distritos Industriais Localizados (DIL), principalmente os da Terceira Itália, onde os aglomerados localizados de indústrias atraíam diversas outras modalidades de organizações criando práticas coletivas de cooperação e informalidade, sendo a sinergia entre as firmas garantia de inovação empresarial e capacitação dos recursos humanos. Ambas caracterizadas pela parceria. 5. O inter-relacionamento dos diversos enfoques: refere-se a soma dos enfoques complementares apresentados, embora o caráter ganhar-ganhar das parcerias não estejam tão claramente estampados nos processos de terceirizações, onde na verdade o sentimento de ganha-perde ainda prevalece a nível empresarial mundial. Para VIDAL (1993), o que leva as empresas a terceirização de seus centros de TI são: os custos, preocupações alheias ao foco principal, o fato de se ter uma empresa de informática dentro de outra (como fábrica), exigência de renovação constante de tecnologia, o advento dos microcomputadores, facilidade da utilização do software, progresso e profissionalismo do usuário e o tradicionalismo estancado nos CPD s. É importante salientar que os quatro últimos fatores possam ser caracterizados como oriundos da inovação tecnológica. Para HENDRY (1997), o desafio para as organizações que pretendem adotar esta nova forma de gestão, reside em manter o equilíbrio dinâmico entre as variáveis da terceirização e da integração. Dentre as variáveis, o autor refere-se a eficiência (meta a curto prazo) e o aprendizado (cultura a longo prazo), o foco (na atividade central) e a conscientização (atenção nos sistemas de comunicação informal), a autonomia (agilidade e flexibilização) e a coordenação (garante benefício para toda a organização), o controle (facilitado pelo contrato externo frente ao vínculo empregatício) e a motivação (conflito e sentimento de rejeição pelo 4

5 5 fato do funcionário não pertencer mais à organização). Observa-se ainda as referências cruzadas, como por exemplo, a autonomia que tende a reduzir controles. Segundo EARL (1998), os executivos medem o valor comercial da tecnologia ou recurso em relação ao desempenho operacional do serviço interno a ela associado. Se baixos, a terceirização é o caminho, mas se o valor comercial for alto e o desempenho baixo, um benchmarking será apropriado. Caso contrário, deve-se pensar duas vezes pois não há como garantir uma eficaz administração sobre as exigências dos parceiros por parte dos gerentes, se estes são ineficientes a nível operacional internamente. Portanto, uma nova postura gerencial adequada aos mecanismos de controle deve ser planejada, aprimorando o desempenho interno ou substituindo os gerentes antes de terceirizar. 4 - A DECISÃO DE O QUE TERCEIRIZAR EM TI A CELEPAR (Empresa de Informática do Estado do Paraná), que tem como missão: Promover soluções de melhoria da administração pública do Paraná e dos serviços prestados ao cidadão, utilizando tecnologia da informação e de gestão (SILVA, 1995, p.12). É uma empresa que terceiriza desde a limpeza, o transporte e a vigilância, até a digitação, operação, suporte, desenvolvimento e manutenção de seus Sistemas de Informação (SI). Isto a torna mais flexível, competitiva, enxuta e focada na busca de soluções para a gestão pública. A missão da empresa deve estar bem clara para evitar dúvidas quanto a sua atividade central ou core competence (processos vitais de negócio) que nunca deverão ser terceirizados, segundo recomendam os estudos que veremos em seguida. Para GIL (1998), a área de consultoria interna organizacional em suas três funções (auditoria, segurança e informática) por fazerem parte da força empresarial não devem ser terceirizadas. A auditoria interna por ser responsável pela transferência de tecnologia entre as áreas empresariais, pois, circulando por toda a empresa adquire uma visão integrada. Outra atribuição diz respeito a manutenção da qualidade organizacional, que devido às suas recomendações minimizam a não conformidade dos processos e resultados. Por último existe a questão da lucratividade empresarial, que busca garantir a continuidade das vantagens dos negócios frente à espionagem industrial/comercial e a fidelidade do profissional à organização. Em relação à função da segurança e da informática, destacam-se apenas os aspectos logísticos quanto à segurança da própria informação como um recurso estratégico. Para FEENY & WILLCOCKS (1998), em virtude da premissa que não se terceiriza atividades fins, alertam que não se deve despender esforços para descobrir se os Sistemas de Informação (SI) são centrais ou não para a organização, mas deve-se identificar quais as competências essenciais dos SI que capacitam a empresa a ser eficaz em sua Tecnologia da Informação (TI) ao longo prazo. Em pesquisa com 61 empresas dos Estados Unidos e da Grã- Bretanha, identificaram nove competências essenciais em TI que não se devem terceirizar.as mesmas serão descritas abaixo. 1. A liderança: os líderes representados como CIO (chief information officer) ou diretor de tecnologia da informação, são o elo entre a área de TI e o restante da empresa, sendo responsáveis pelas estruturas, processos e recursos humanos possibilitando a formação de uma cultura, a fim de que os SI propiciam as soluções organizacionais. 2. A inovação: relaciona-se a capacidade de projetar inovações tecnológicas, aprimorando processos empresariais. As decisões de investimentos em SI/TI devem ser eficientes. 3. O relacionamento: o sentimento de posse e a satisfação da empresa (usuários da TI), mesmo que inexistente anteriormente, se dá através da confiança mútua e da transparência (treinamento e informação) frente a comunidade de SI (internos e externos). 4. A evolução da arquitetura: a plataforma técnica, a integração e flexibilização dos serviços de SI, a infra-estrutura de TI devem ser coerentes à necessidade atual e futura da organização. O parceiro não fará nada eficaz se não obtiver lucro.

6 5. A intromissão: a praticidade e o intrometimento que certos técnicos da casa possuem (os gurus), frente as soluções apresentadas, são insumos fundamentais para decisões. 6. A coordenação (ou esclarecimento de compra): quem decide, escolhe a estratégia, contrata e gerencia o(s) parceiro(s), principalmente quando se aproxima de 20% do orçamento de TI, deve estar numa função separada do CIO, assumindo todo o risco. 7. O facilitador de contratos: é a competência para coordenar e negociar com externos (parceiros e fornecedores) e internos (usuários) devido a complexidade dos serviços de TI, solucionando conflitos tempestivamente, no dia-a-dia, eliminando-se a necessidade da quarteirização em SI. 8. O controle (monitoração de contrato): proteção sobre o contrato em relação à posição da empresa em qualquer circunstância (não só no dia-a-dia), tornando os parceiros responsáveis pela eficácia e pelo desenvolvimento dos padrões de desempenho em comparação com o benchmark externo e padrões contratuais, embora o desempenho seja monitorado internamente. Observa-se que este item é o mais subestimado em virtude das terceirizações serem geralmente decididas apressadamente e sem muito planejamento pela alta administração. 9. O aprimoramento da parceria: planejamento de meios para que o parceiro possa agregar valor aos serviços de SI/TI além das cláusulas contratuais. Ainda para FEENY & WILLCOCKS (1998), embora sugerido em seminários, o gerenciamento de projetos não é considerado essencial da área de SI, pois a eficiência é melhor alcançada em equipes multifuncionais. Especialistas para a gerência de projetos poderão ser encontrados fora do ambiente de TI (externos ou em outras unidades de negócio da empresa), a não ser que a tecnologia seja muito bem conhecida e a utilização de recursos humanos próprios seja financeiramente compensador. Segundo LEITE (1994), os serviços mais propícios à terceirização em TI são: manutenção de equipamentos; treinamento em microinformática; programação; manutenção de sistemas; treinamento de usuários; projeto e desenvolvimento de sistemas; microfilmagem; suporte técnico em software; serviço de comunicação de dados; projeto de redes de teleprocessamento; digitação; levantamento e diagnósticos; processamento; definição de metodologias; PDI (plano diretor de informática); editoração eletrônica e a área de informática inteira. Para BOSIK (1997), o foco na solução de problemas é fundamental, principalmente se houver vários parceiros ou muitas aplicações. Alertando que a maior ênfase da terceirização em TI deverá iniciar pelo help desk, pois a satisfação e a qualidade começa pela determinação, encaminhamento e atendimento rápido dos problemas. Conforme FEENY & WILLCOCKS (1998), não há um modelo único, pois depende do contexto organizacional, ou seja, do tamanho, da situação, da natureza e da demanda da área de SI. Entretanto, um grupo de pessoas altamente qualificadas e talentosas deverão comandar a parte estratégica da TI, garantindo a eficácia das atividades terceirizadas. Não existe uma postura estratégica única ou padronizada para a implementação da terceirização, senão várias organizações teriam a mesma eficácia. Cada modelo é exclusivo e adequado às variáveis organizacionais como cultura, política, direção e limitações cognitivas, entre outras. A idealização estratégica da terceirização é racional, porém sua implementação é incremental, onde a ilógica, a ambigüidade e a intuição são componentes inerentes ao processo formal e informal presentes em qualquer organização. Estes processos são influenciados pela percepção das vantagens e desvantagens conforme os grupos de interesses, as subculturas, os esquemas interpretativos e os níveis de poder diferenciados (BRASIL, 1993). 6

7 7 Através de pesquisa realizada na Internet, no site da IDG NOW sobre as principais notícias veiculadas para subsidiar as decisões sobre o processo de terceirização em TI no mundo todo nos últimos dois anos, destacaram-se: A Caliber Systems anunciou a terceirização de seu EDI e help desk, num contrato de US$ 8 a 15 milhões por cinco anos com a Sterling Commerce que contratará pessoal da própria Caliber A Sprint Corp. (um dos três membros da Global One) investiu US$ 245 milhões na aquisição da Paranet, e pretende dominar o mercado de outsourcing da telemática até o desktop A IBM diminuiu em 3% o seu faturamento em software, em relação ao mesmo período do ano anterior. Na área de serviços, o mercado de terceirização e recuperação de desastres cresceu 23% A JD Edwards, em concorrência com a Baan, Oracle e SAP, anunciou a criação de uma unidade de outsourcing, a Network Application Services, visando terceirizar a administração de pacotes de gestão (ERP) das médias empresas (acima de US$ 100 mil nos EUA e de US$ 50 mil no Brasil). Em a empresa anunciou seu faturamento de US$ 934 milhões, 44% acima de A IBM anunciou a compra dos negócios de outsourcing de mainframe da GE Capital Service (subsidiária da General Eletric) oficiosamente em torno de US$ 3 bilhões, já com 24 grandes clientes, além de gerenciar os centros de dados da própria GE por dez anos. A GE comunicou que pretende diminuir seu custo operacional e ganhar em qualidade de seus serviços Unisys EUA anunciou a terceirização da produção de seus notebooks, micros e pequenos servidores (que rende cerca de US$ 500 milhões) num contrato com a HP. Com isso pretende focar a empresa em seu negócio principal, os grandes servidores corporativos O Citibank realizou contrato milionário por vários anos com a Security First Technologies (SFT), subsidiária da Security First Network Bank (SFNB) para proporcionar SI de serviços financeiros na Internet em sua própria estrutura, visando satisfazer ainda mais seus clientes A CPM (Cia de serviços de crédito direto ao consumidor), entra no mercado de outsourcing de processos de negócios (pagamento eletrônico) no Brasil assumindo 51% da CNS (que tem como clientes o Banco Volkswagen, o Bradesco, a Cia Real de Investimentos e Fininvest) e a totalidade da Settle (que terceiriza serviços de banco de dados, alocação de mão de obra, fábrica de software e updates para o ano 2000). Pretende chegar no século XXI com um faturamento de US$ 1 bilhão A Ingram Micro (uma das maiores distribuidoras de produtos de TI do mundo) anunciou que está terceirizando seu SI de pedidos on-line A Toshiba America Information (TAIS) anunciou que terceirizará seu suporte, gerenciamento e manutenção de software e hardware corporativos da Unisys A Varig anuncia que terceirizou por dez anos sua área de TI. A IBM com US$ 270 milhões será responsável pelo processamento de dados, desenvolvimento e manutenção de aplicativos e gerenciamento de cerca de 6 mil micros. A Site com US$ 130 milhões fará a integração da rede global da Varig, que pretende se concentrar em seu negócio, o transporte aéreo A Baan (gigante de pacotes para gestão empresarial ERP) anuncia a criação da Baan Midmarket Outsourcing estimando que a terceirização de ERP aumentará de US$ 1 bilhão para US$ 8 bilhões em três anos, eliminando a necessidade dos clientes em especializar profissionais para implantar soluções de gestão empresarial.

8 A AT&T Solutions anunciou compra da unidade de redes da IBM por US$ 5 bilhões. Em contratos separados a AT&T terceirizará seu processamento de aplicações para a IBM, que por sua vez terceirizará seu serviço de networking à AT&T resultando numa receita de US$ 2,5 bilhões para a AT&T que incorporará cerca de 5000 funcionários da IBM. Parece que as empresas estão preocupadas em utilizar a terceirização para habilitar-se a mudar de sistemas (insatisfação de clientes), erguer firewalls (proteção para suas redes), montar websites (grande filão para o século XXI), e utilizar os sistemas de gestão empresarial (ERP) que permitem o controle quantitativo para empresas que também terceirizam processos industriais. 5 - VANTAGENS ESPERADAS COM A TERCEIRIZAÇÃO Após a decisão, a escolha do que terceirizar e a sua efetiva implantação, a organização deverá ganhar em vários aspectos, desde macro a microeconômicos (quanto a competitividade, ao custo e ao próprio desempenho da área de TI). Os itens abaixo são sintetizações das exposições de vários autores, entre eles: BRASIL (1993); HENDRY (1997); LEIRIA (1995); LEITE (1994); REZENDE (1997); SILVA & ALMEIDA (1997); VIDAL (1993); e outros, indiretamente, que indicam que a terceirização permite: No aspecto macroeconômicoa) a criação de novas empresas e mais arrecadações fiscais; b) o enxugamento de grandes organizações ineficientes (principalmente públicas); c) a geração de emprego e distribuição de renda; d) a transferência de tecnologia interfirma, aumentando a eficiência global. No aspecto microeconônico- Em relação à competitividade organizacional: a) acabar com a acomodação e ineficácia da estabilidade no emprego; b) maior agilidade (resposta a curto prazo), conforme a demanda de entrada/saída de produtos/serviços no mercado ou para usuários. Também causada pela transformação do custo fixo em variável, e às estruturas mais leves; c) a agilidade no processo decisório, devido a simplificação da estrutura organizacional; d) o aumento nos lucros devido ao aumento de eficiência (redução de custos); e) o contato apenas de empresa para empresa; f) a diminuição do corporativismo; g) o enxugamento, redução de níveis hierárquicos e da largura da base na estrutura organizacional da terceirizante; h) o estabelecimento de parcerias e diminuição da burocracia; i) maior facilidade na implantação de programas de qualidade total (devido ao tamanho reduzido); j) a flexibilidade econômica (adaptabilidade a mudanças), devido à redução de custos fixos; k) a focalização com ganho de especialização e de eficácia, concentrando-se naquilo que a empresa faz de melhor (core-competence); l) maior proximidade com o mercado (melhor percepção das necessidades dos clientes); m) manter a competitividade, crescimento mais rápido; n) melhorar a administração do tempo da empresa; o) uma revisão estrutural e cultural da empresa. Em relação ao custo: a) o corte no excesso de pessoal e acabar com a ociosidade quando em baixas demandas; b) a desmobilização de ativos; c) a diminuição de reclamatórias trabalhistas;

9 9 d) o ganho e reaproveitamento do espaço físico ou colocados em disponibilidade; e) o ganho pela economia de escala (demanda) e aumento da curva de aprendizagem na parceira, aumentando eficiência e reduzindo custo, com reflexo na terceirizante; f) a pulverização da ação sindical ao reduzir sua base de representação e, consequentemente, seu poder político e econômico, criando condições de desmobilização para movimentos grevistas; g) a racionalização das compras e redução dos estoques com diminuição dos desperdícios; h) a redução do passivo trabalhista nas empresas terceirizantes; i) a transformação do custo fixo em variável. (com manutenção do faturamento e diminuição do imobilizado). Em relação ao desempenho em TI: a) maior comodidade, aguardando apenas os resultados dos processos; b) a despreocupação com suprimentos para esta área; c) a elevação do nível de serviço de TI, com aumento da satisfação do usuário/cliente; d) a eliminação da preocupação de reciclagem no recrutamento e treinamento nesta área, exigidos constantemente pelo turn-over dos profissionais em informática; e) a redução do ciclo de vida de desenvolvimento de novos produtos; f) a facilidade de implantar outros sistemas sem prévio desenvolvimento, (se espera que muitos sistemas prontos possam auxiliar neste caso); g) a flexibilização técnica (adaptabilidade a mudanças), ou seja, a facilidade de desvinculação de tecnologias ultrapassadas (morosidade para especializar/treinar pessoal interno para nova tecnologia); h) a objetividade de análise custo x benefício em novos projetos de TI; i) a objetividade e definição das prioridades em TI; j) maior possibilidade de controle sobre especificações técnicas, prazo, preço, qualidade, volume da produção, etc. devido à visibilidade contratual e financeira, pois há um maior paternalismo com o pessoal da casa; k) a previsibilidade de gastos (custo x investimento) em TI, com ou sem diminuição; l) a transferência da responsabilidade pela operação dos sistemas. 6 - PESQUISAS ANTERIORES GIOSA (1997), apresentou o resultado de uma pesquisa realizada entre nov./92 e mar./93 pelo CENAM (Centro Nacional de Modernização) com 2350 empresas (41% do ramo industrial, 32% serviços e 27% comercial) em São Paulo, Ceará e Santa Catarina onde constatou que 48% das empresas já aplicaram ou aplicavam a terceirização. Como resultado, 70% obtiveram sucesso absoluto, 20% sucesso parcial e 10% insucesso. Com a falta de informações estatísticas, as áreas terceirizadas foram na maioria, a de limpeza, manutenção e segurança. A área de informática estava entre as que se pretendiam terceirizar no futuro. Segundo LEITE (1994), em pesquisa realizada no Brasil em 1992 pela Coopers & Librand junto a 105 empresas do ramo industrial, constatou-se que das atividades terceirizadas, 60% se relacionavam com recursos humanos e serviços gerais, 26% com operação e produção, 22% com suporte e assessoria, 21% com marketing e vendas, 17% com suprimento e logística, 13% com informática, 6% com finanças e controle e 1% com P&D. Para VIDAL (1993), num levantamento realizado em junho de 1992 pela Manager Assessoria em RH, entre 142 empresas de médio e grande porte em várias capitais brasileiras, 22,5% estavam dispostas a terceirizar as suas funções do processamento de dados. Ainda para LEITE (1997), em pesquisa realizada no Brasil já em 1995 com 125 empresas, constatou que embora em pequena escala, 80% tiveram alguma experiência relacionada com a terceirização em informática, e que dentre elas, 42% pretendiam

10 10 intensificar, 23% continuar como estavam, 19% não tinham definição sobre o futuro, 10% reduzir e 6% continuar até terceirizar toda a área. O autor concluiu que havia uma desaprovação a cada sete satisfeitos, e que a terceirização total estava longe de ocorrer na grande maioria. Os demais resultados desta pesquisa estão abaixo descritos. A participação da terceirização no orçamento global de informática tende a permanecer na faixa dos 30%, sendo que os motivos que levaram a terceirização foram: 32% acesso imediato a novos recursos (físicos ou humanos); 20% focalização na atividade-fim; 20% expectativa de redução de custos e 13% busca por eficácia (como forma de romper o status-quo). O principal critério para seleção de parceiros envolveu 35% excelência e qualificação do parceiro (capacidade de implementar soluções), 19% compatibilidade de filosofia (metodologia) de trabalho, 13% preço (geralmente serviços padronizados, como digitação), 11% idoneidade, 8% disponibilidade de prestar serviços diversificados, 8% solidez a longo prazo (estabilidade). Estes aspectos, além de minimizar os possíveis problemas ou desgastes com o processo, ajudaram a enfatizar o que a empresa buscava na terceirização. Os segmentos terceirizados, em resposta múltipla, foram: 89% manutenção de equipamentos; 87% treinamento em microinformática; 74% programação; 62% manutenção de sistemas; 59% treinamento de usuários; 58% projeto e desenvolvimento de sistemas; 54% microfilmagem; 51% suporte técnico em software; 50% serviço de comunicação de dados; 45% projeto de redes de teleprocessamento; 43% digitação; 34% análise e concepção de sistemas; 30% planos de contingência; 29% definição de metodologias; 26% editoração eletrônica; 25% levantamento e diagnósticos; 19% processamento (baixo custo do hardware); 13% PDI; 5% área de informática inteira. Os benefícios percebidos (vantagens), foram que 80% atingiram a focalização na atividade-fim, 62% a previsibilidade dos gastos (custos X investimento), 58% a objetividade na análise custo X benefício, 58% agilidade na implementação de soluções, 55% a objetividade na definição de prioridades, 52% a redução de custos, 38% a previsibilidade de prazos e 10% outros, como a qualidade e o acesso a novos recursos tecnológicos. 7 - A METODOLOGIA A pesquisa de campo aqui relatada foi conduzida entre e , visando avaliar no contexto brasileiro a validade dos conceitos apresentados, bem como investigar em outro contexto as conclusões da pesquisa de Jaci C. Leite já mencionada. Foram pesquisadas através de questionários, 21 empresas cujo porte, ramo e demais características seguem descritas na amostragem abaixo. A pesquisa centrou-se principalmente no que leva as organizações a decidirem pela terceirização em TI, o que elas estão terceirizando e o qual o retorno obtido. Quanto ao universo da pesquisa, foram selecionadas empresas de todos os setores, baseando-se na pesquisa das 500 maiores empresas do país da revista EXAME de julho de 1998, sem restrições quanto a órgãos públicos ou privados, faturamento, tamanho, origem de capital ou localização. Foram contatadas 178 empresas das quais 21 (12%) retornaram informações válidas. No questionário, quanto ao faturamento, considerou-se o patrimônio líquido para as instituições financeiras e o prêmio líquido para as seguradoras. O questionário foi elaborado com base na bibliografia e pesquisas apresentadas, endereçados aos diretores de TI e gerentes de informática de suas respectivas empresas. 8 - CARACTERIZAÇÃO DA AMOSTRA a) Ramo: 52,4% industrial; 23,8% serviços; 19% instituições financeiras e 4,8% outros.

11 11 b) Localização: 28,7% com sede no Estado de São Paulo; 19% Rio de Janeiro; 19% Rio Grande do Sul; 14,3% Paraná; 9,5% Minas Gerais; e 9,5% Distrito Federal e Santa Catarina juntos. c) Porte: 52,4% com faturamento entre US$ 100 milhões e US$ 500 milhões; 33,3% acima de US$ 500 milhões e 14,3% abaixo de US$ 100 milhões. d) Número de funcionários: 57,2% acima de 1000; 38% entre 100/1000; e 4,8% entre 10/99. e) Capital predominante: 61,9% nacional; 19% estrangeiro; 14,3% estatal e 4,8% misto (nacional e estrangeiro). f) Respondentes: 9,5% diretoria e chefia de divisão (nível estratégico); 85,7% cargos de gerencia de TI (nível tático); e 4,8% supervisão (nível operacional). g) Incidência de terceirização: 95,2% terceirizam a TI. Das que não terceirizam, todas pretendem terceirizar alguma área de TI no futuro. Observa-se que em sua maioria, a amostra é composta por grandes empresas nacionais, tanto em faturamento quanto em número de funcionários. Há também uma grande dispersão tanto em localização como em setores de atividades, pois mesmo o ramo industrial é representado por indústrias químicas, farmacêuticas, de bebidas, de alimentos, automobilísticas, siderúrgicas, mineração, materiais de construção e eletroeletrônica. A incidência de mais de 95% de empresas que utilizam a terceirização em TI, principalmente para ter um melhor e mais rápido acesso a novos recursos humanos especializados (manifestado em 60% das empresas pesquisadas) e obter a focalização em suas atividades essenciais (em 55%), vêm ratificar a estimativa do Gartner Group de 1997, de que no ano 2000, 80% das empresas terão alguma experiência com esta forma de gestão em TI. 9 - RESULTADOS E ANÁLISE DA PESQUISA Todas as respostas abaixo referem-se as organizações que terceirizam a TI (20 empresas): 1. Início da terceirização: as empresas iniciaram seu processo de terceirização entre 1 e 10 anos com uma média de 5,3 anos e moda de 4 anos. Como apenas 20% das empresas pesquisadas iniciaram seu processo nos últimos 3 anos, as respostas podem ser consideradas com alto grau de maturidade, baseadas numa boa experiência prática. 2. Participação da terceirização no orçamento global da área de informática: a média manteve-se próximo de 31%, sendo que 10% dos respondentes não possuíam a informação disponível. Este resultado tende para a estabilização neste patamar, e que coincide com que foi apresentado por LEITE (1997), em sua pesquisa em Os principais motivos que levaram à terceirização são (em torno de três por empresa): 60% acesso imediato a novos recursos humanos especializados; 55% focalização na atividade essencial da empresa; 45% expectativa de redução de custos com a informática; 45% busca por eficiência ou melhor desempenho em informática; 35% melhorar o atendimento ao cliente ou a satisfação do usuário; 30% custo + qualidade + desempenho da informática; 25% controle sobre prazos e qualidade da informática; 15% agilidade ou exigência da renovação constante da informática; 15% flexibilidade ou busca por maior autonomia e adaptabilidade. Quase um terço das empresas pesquisadas apresentaram como motivo que levam à terceirização o trinômio custo, qualidade e desempenho, proposto por EARL (1998), que parece indicar uma considerável insatisfação pela área de informática interna, antes da terceirização. A formação de parcerias ou alianças, não foram consideradas por nenhuma das empresas, provavelmente por não estar claramente definida nas interpretações cognitivas dos dirigentes, ou por caracterizar certa inércia nas interações de "ganhar-ganhar", enfoque ainda

12 12 não percebido pela alta administração, conforme relatado por PINHEIRO (1997). Da mesma forma, o processo heurístico também não apareceu, indicando certa dificuldade em se constatar a intuição no processo decisório. 4. Os segmentos terceirizados, são (em respostas múltiplas): 85% manutenção de equipamentos; 70% manutenção de sistemas; 60% treinamento em microinformática; 55% projeto e desenvolvimento de sistemas; 50% programação; 35% digitação; 30% suporte técnico em software e serviços de comunicação de dados; 25% websites e microfilmagem ou digitalização de documentos; 20% BUG do ano 2000, help desk e treinamento de usuários; 16% ERP (Gestão empresarial), firewalls e projeto de redes de teleprocessamento; 5% prospecção em TI, auditoria de sistemas, segurança lógica, análise e concepção de sistemas, levantamento e diagnósticos, planos de contingência, definição de metodologias, PDI, editoração eletrônica, documentação dos projetos, impressão de relatórios e backup. O resultado manteve certa ordem com a pesquisa de Jaci C. Leite em Entretanto, surgiram segmentos da terceirização esperados, como o de websites, BUG do ano 2000, help desk, ERP e firewalls, que com exceção do help desk são elementos da TI originados da inovação tecnológica dos últimos três anos. Observa-se também certa despreocupação com a importância de iniciar a terceirização através do help desk conforme relatado por BOSIK (1997), sendo que apenas um quinto da amostra terceiriza tal segmento. Ainda em relação à pesquisa anterior de Jaci C Leite em 1995, percebe-se uma diminuição da terceirização do processamento, do PDI e da área de informática inteira, provavelmente pela concepção cada vez mais estratégica destes segmentos, conforme GIL (1998) e FEENY & WILLCOCKS (1998). Quanto aos segmentos terceirizados, nenhuma das empresas terceiriza o processamento, a coordenação dos projetos, a liderança geral (CIO), toda a área de informática, ou o controle sobre vários contratos (quarteirização). 5. O que não se deve terceirizar: 35% liderança, como gerência e CIO; 30% direcionamento estratégico da TI e análise, concepção e coordenação dos projetos de sistemas; 20% inteligência do processo e o conhecimento do negócio; 16% PDI; 10% área de informática inteira e a prospecção em TI (P&D); As respostas (abertas) foram de acordo com a pesquisa de FEENY e WILLCOCKS (1998), onde concluíram que a tomada de decisão, a liderança, a coordenação e o controle devem permanecer com a terceirizante. Houve ainda manifestações isoladas em relação a: projetos de redes de TP, definição de metodologias, processamento (produção), sistemas críticos e atividades essenciais da TI. 6. Os benefícios alcançados: 45% acesso a novos recursos tecnológicos; 45% agilidade na implementação de novas soluções; 40% previsibilidade dos gastos/custos e prazos, com conseqüente aumento de eficiência e desempenho;

13 13 35% acesso a novos recursos humanos especializados com conseqüente mudança na cultura interna; 30% focalização na atividade-fim; 20% nenhum benefício percebido; 15% redução de custos fixos; previsibilidade de prazos e melhoria da qualidade; 10% término do vínculo empregatício proporcionando novo plano de carreira em outra empresa (onde ex-empregados são aproveitados nas parceiras); 5% crescimento do mercado regional de TI, com maior satisfação pelo usuário/cliente e interação com o mercado/parceiro, com troca mútua de experiências e tecnologias. Para se obter a percepção dos benefícios alcançados, optou-se por solicitar uma resposta aberta, justamente para não induzi-las ao esperado, evitando-se assim, respostas tendenciosas para com o atingimento dos objetivos. A pesquisa constatou que os melhores benefícios alcançados, dos quais quase metade das empresas atingiram, como o acesso a novos recursos tecnológicos e o ganho em agilidade na implementação de novas soluções, foram justamente os menos esperados, segundo os objetivos que levaram à terceirização como a exigência da renovação em TI e a busca por maior flexibilidade ou autonomia em informática. Caracterizando o ganho de flexibilidade, adaptabilidade, renovação e crescimento da TI como o principal benefício adquirido pelo processo de terceirização em TI. Ainda em relação à pesquisa anterior, de Jaci C. Leite, observou-se um extraordinário aumento de 10% para 45% na obtenção de acesso a novos recursos tecnológicos. Provavelmente esta alteração foi devida ao exponencial aumento de soluções tecnológicas ocorrida nos últimos anos, não esperados na época da decisão pela terceirização. Dos dois principais motivos que levaram às organizações a terceirizar a TI, como o acesso a novos recursos humanos especializados e focalização na atividade essencial da empresa, mais da metade atingiram o objetivo esperado. Em relação à expectativa de redução de custos fixos com a informática, somente um terço das empresas pesquisadas alcançaram tal diminuição, onde segundo a pesquisa de Jaci C Leite em 1995, mais da metade atingia tal meta, sugerindo que ou a terceirização tende a não reduzir os custos, ou o orçamento da TI tem sido aquém do realizado. Outro alerta é que somente 5% percebeu uma melhoria na satisfação do cliente, esperada por 35% das empresas, o que remete à necessidade de pesquisas entre os usuários da TI terceirizada, pois ou não se está sendo eficaz com o processo de terceirização, ou não se está tendo a preocupação devida com o levantamento da real satisfação do usuário/cliente. Outra observação importante, é que também começam a serem percebidos benefícios de caráter macroeconômicos, elevando a maturidade não só técnica e administrativa, mas social, preocupada com a qualidade de vida como um todo. 7. Os principais problemas enfrentados foram: 35% falta de capacitação/qualificação do terceiro; 30% dificuldades com interfaces, pessoal interno não sabe lidar com terceiros e perda de controle sobre a qualidade; 15% resistência interna do pessoal técnico e perda do controle sobre os custos; 10% resistência interna dos usuários, perda de controle sobre os prazos, cultura do terceiro não se adapta ao padrão da empresa, falta de idoneidade do terceiro e metas mal planejadas; 5% reclamações trabalhistas, vazamento de informações confidenciais, aumento nos custos e o processo de licitação.

14 14 Observou-se ainda que 30% das empresas não perceberam nenhum problema relevante. Outro aspecto importante, é o fato dos principais problemas estarem vinculados às questões de relacionamento interpessoal, comprometimento e parceria, onde uma provável causa seja a falta de esclarecimento interno antes da terceirização. Também observa-se um número considerável de empresas com problemas de perda de controle, principalmente com o da qualidade, que só foi percebido como vantagem da terceirização em 15% da amostra. Finalmente, não foi detectado na pesquisa, nenhum problema com a postura da alta administração ou com a perda do controle da estratégia da informatização, o que também pode caracterizar, um amadurecimento cultural e do estilo de gestão da cúpula administrativa. 8. De modo geral o processo até o momento, obteve: 75% de sucesso parcial; 20% de sucesso absoluto; 5% não soube responder e nenhuma empresa constatou insucesso. 9. Para o futuro: 30% pretende intensificar; 45% continuar como está; 20% sem definição; e 5% reduzir CONCLUSÕES Este trabalho teve como objetivo identificar o que leva às organizações à escolha estratégica da terceirização de suas áreas de tecnologia da informação (TI), bem como os principais resultados obtidos. Optou-se como metodologia de pesquisa, por um estudo quantitativo, realizado através de questionário, onde participaram 21 empresas de diversos ramos, localizadas no Brasil e possuidoras de endereço eletrônico para comunicação via Internet ( ). Dado o caráter incipiente da terceirização em TI em 1992, relatada nas pesquisas da época, observou-se que em sete anos, esta nova forma de gestão que propõe o atingimento mais eficaz dos objetivos organizacionais, passou a ser considerada como uma solução adequada para as unidades de informática. Os dados da pesquisa indicam que o aumento da velocidade da mudança tecnológica e o aumento do "volume" das atividades de TI nos últimos anos, remetem a terceirização como principal fomentador de recursos para o atingimento de melhoria na competitividade organizacional. De acordo com o levantamento realizado nesta pesquisa, constatou-se que os quatro primeiros motivos que levam as empresas a terceirizar sua TI, referem-se ao acesso imediato a novos recursos humanos, a focalização na atividade-fim, a expectativa de redução de custos e as questões relacionadas ao desempenho. Estes fatores coincidem em mesma ordem com os apresentados na pesquisa de Jaci C. Leite em Isto contraria a colocação do mesmo autor de que na tomada de decisão, a redução de custos é menos importante do que o controle sobre prazos e qualidade da informática (livro: "Terceirização em Informática", 1994, p.37), sendo que menos de um quarto da amostra assumiu esta posição enquanto que quase a metade buscava a redução de custos. Quanto ao alcance dos objetivos, a pesquisa revelou ainda que realmente a terceirização em TI não contribuiu para a redução de custos, nem tão pouco contribuiu para uma melhor previsibilidade dos prazos ou melhoria da qualidade, o que sugere novas pesquisas nessa linha: Qual a maneira mais eficaz de controlar os serviços terceirizados em TI? A resposta que parece estar bem clara é que a terceirização eficaz em TI possibilita obter, para as grandes organizações, acesso à novas soluções tecnológicas, em decorrência dos recursos humanos especializados ou pela maior facilidade de acesso às tecnologias emergentes. Cabe também pesquisar porquê que mesmo sem nenhuma empresa ter constatado insucesso no processo, 20% não perceberam benefício algum, enquanto que 30% não

15 15 relataram um problema sequer. Estas observações nos levam a concluir que o processo de terceirização apesar de ser intensamente enfatizado é ainda pouco avaliado REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ALVAREZ, Manuel S. B. Terceirização: parceria e qualidade. Rio de Janeiro. Campus, BRASIL, Haroldo Guimarães. A empresa e a estratégia da terceirização. RAE Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 6-11, Mar./Abr BOSIK, Darren. Key recomendation for avoiding problems with outsourcing deals. Gartner Group, Julho EARL, Michael J. Deve-se terceirizar a informática? HSM Management, São Paulo, v. 1, n. 6, p , Jan./Fev FEENY, David F. e WILLCOCKS, Leslie P. O que não terceirizar. HSM Management, São Paulo, v. 2, n. 10, p , Set./Out FERREIRA-DA-SILVA, Eduardo Ramos. Terceirização no serviço público: o resgate da administração. RBA - Revista Brasileira de Administração, São Paulo, v. 8, n. 23, p , Out GIL, Antônio de Loureiro. Os equívocos da terceirização. Tecnologia Hoje, São Paulo, 04 Dez (www.techoje.com.br) GIOSA, Lívio Antonio. Terceirização: Uma Abordagem Estratégica. São Paulo: Ed. Pioneira, HENDRY, John. O custo oculto da terceirização. HSM Management, São Paulo, v. 0, n. 2, p , Maio/Jun KEYES, Jéssica. Infotrends the competitive use of information. New York, USA: McGraw-Hill, LEIRIA, Jerônimo Souto e SARATT, Newton Dorneles. Terceirização: Uma Alternativa de Flexibilidade Empresarial. São Paulo: Editora Gente, LEITE, Jaci C. Terceirização em informática. São Paulo: Makron Books, LEITE, Jaci C. Terceirização em informática no Brasil. RAE Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 37, n. 3, p , Jul./Set OLIVEIRA, Paulo Antonio Fuck de. Terceirização como estratégia. Bate Byte, Curitiba, ed. 52, p , Mar PERON-DE-SÁ, Melissa, BOMTEMPO, José Vitor e QUENTAL, Cristiane. Terceirização no processamento final da indústria farmacêutica e veterinária. RAC Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p , Maio/Ago PINHEIRO, Ivan A. Dos fundamentos à prática da subcontratação. IN: XXI Encontro Anual da ANPAD, 1997, Rio das Pedras RJ. ANAIS. ANPAD, REZENDE, Wilson. Terceirização: a integração acabou? RAE Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 6-15, Out./Dez SAVIANI, José Roberto. Basta terceirizar? reengenhariar? Tecnologia Hoje, São Paulo, 29 Set (www.techoje.com.br) SILVA, Lilia Pinheiro Cristaldi. Contratação de serviços pela Celepar. Bate Byte, Curitiba, ed. 49, p , Dez SILVA, Ronaldo A. R. da e ALMEIDA, Myrian C. de.. Terceirização e Quarteirização: indicativos estratégicos para implementação. IN: XXI Encontro Anual da ANPAD, 1997, Rio das Pedras RJ. ANAIS. ANPAD, VIDAL, Alcides Gabancho. Terceirização: a arma empresarial. São Paulo: Érica, WANG, Charles B. O novo papel do executivo de informática. São Paulo: Makron Books, 1995.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Terceirização De Mão De Obra

Terceirização De Mão De Obra Universidade Católica de Brasília Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Coordenação de Pós-Graduação em Latu Sensu em Informática MBA - Gestão de Sistemas de Informação Terceirização De Mão De Obra

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS

TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS TERCEIRIZAÇÃO: PROCESSOS DE TRABALHOS Aline Cachadare BROGGIO 1 - RGM 072128 Gabriela de Cassia BRAGA¹ - RGM 073270 Jaqueline Macedo PERIN¹ - RGM 073967 Natali de Fatima SILVA¹ - RGM 069900 Renato Francisco

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI

Agenda. Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Governança de TI Agenda Visão Geral Alinhamento Estratégico de TI Princípios de TI Plano de TI Portfolio de TI Operações de Serviços de TI Desempenho da área de TI Modelo de Governança de TI Uso do modelo

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Gestão orçamentária na Construção Civil

Gestão orçamentária na Construção Civil Um retrato dos desafios, práticas e resultados do planejamento orçamentário Maio, 2014 Agenda Metodologia e amostra Desafios e cultura da organização na gestão orçamentária Processos e riscos do planejamento

Leia mais

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010)

PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) PROF. LÍVIO GIOSA PRESIDENTE DO CENAM CENTRO NACIONAL DE MODERNIZAÇÃO EMPRESARIAL (OUTUBRO/ 2010) METODOLOGIA DA PESQUISA PESQUISA QUANTITATIVA POR AMOSTRAGEM. PROTEÇÃO E PRESERVAÇÃO DO SIGILO Dados para

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa

ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Centro Universitário de Barra Mansa UBM Curso de Administração Tecnologia da Informação Aplicada à Administração ERP (Enterprise Resource Planning) Planejamento dos Recursos da Empresa Prof. M.Sc. Paulo

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Adaptar criativamente

Adaptar criativamente Adaptar criativamente Os fundamentos do benchmarking eficiente e o caminho para a obtenção de vantagem competitiva. Por Robert Camp DOSSIÊ 64 Um dos termos mais comentados e menos compreendidos atualmente

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright

Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Gestão da Inovação SEMINÁRIO Strategic Management of Technology and Innovation Maidique, Burguelman e Wheelwright Ambiente Organizacional voltado a inovação As 6 chaves para o Sucesso Foco Flexibilidade

Leia mais

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br

Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br abraman Congresso de Manutenção - 2001 EFEITOS DA TERCEIRIZAÇÃO SOBRE A MANUTENÇÃO Julio Nascif Xavier 31-3227-2705 nascif@tecem.com.br Terceirização é a transferência para terceiros de atividades que

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA DE T.I. - CONCEITOS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Também conhecida como Governança Empresarial " os mecanismos ou

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação INSTITUTO VIANNA JÚNIOR LTDA FACULDADES INTEGRADAS VIANNA JÚNIOR Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação Lúcia Helena de Magalhães 1 Teresinha Moreira de Magalhães 2 RESUMO Este artigo traz

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

DELPHI - RH 2010. Tendências em Gestão de Pessoas. Versão 2004. Prof. Dr. André Luiz Fischer

DELPHI - RH 2010. Tendências em Gestão de Pessoas. Versão 2004. Prof. Dr. André Luiz Fischer Versão 2004 Prof. Dr. André Luiz Fischer OBJETIVO Detectar tendências de mudança no Modelo de Gestão de Pessoas das Empresas Brasileiras HISTÓRICO NO MUNDO E EVOLUÇÃO DA TEORIA TEORIAS 1920 1950 1970/90

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

Outsourcing e Terceirização

Outsourcing e Terceirização ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Estratégia de Negócios em TI (Parte 4) Outsourcing e Terceirização Prof. Me. Walteno Martins Parreira Jr Definições Processo de gestão pelo qual se

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL

ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO E INTELIGÊNCIA EMPRESARIAL O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Desenvolver, Comprar ou Terceirizar.

Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. Tema da Aula Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br Desenvolver, Comprar ou Terceirizar. A solução dos problemas de informatização nas empresas possui

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação

MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação 432 horas-aula OBJETIVO DO CURSO Proporcionar uma visão estratégica dos processos organizacionais e de como os diversos processos dentro das organizações

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference EFICIÊNCIA E EFICÁCIA. E COM OS DIFERENCIAIS INOVAÇÃO E QUALIDADE. ISSO É EVERIS BPO. attitude makes the difference Consulting, IT & Outsourcing Professional Services everis BPO. Nossa razão de ser: Direcionamos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

ITIL. Information Technology Infrastructure Library

ITIL. Information Technology Infrastructure Library Information Technology Infrastructure Library 34929 - Daniel Aquere de Oliveira 34771 - Daniel Tornieri 34490 - Edson Gonçalves Rodrigues 34831 - Fernando Túlio 34908 - Luiz Gustavo de Mendonça Janjacomo

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Bancos Corretoras Seguradoras

Bancos Corretoras Seguradoras Bancos Corretoras Seguradoras A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores competências

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão I

Sistema Integrado de Gestão I Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Integrado de Gestão I Aulas 3 e 4 Administração da Empresa Digital Parte I Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Objetivos Qual é o papel

Leia mais

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS

INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS INFORMAÇÃO E VANTAGEM COMPETITIVA EM ORGANIZAÇÃO DE MÓVEIS E ELETROS Elane de Oliveira, UFRN 1 Max Leandro de Araújo Brito, UFRN 2 Marcela Figueira de Saboya Dantas, UFRN 3 Anatália Saraiva Martins Ramos,

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais